Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Entre para seguir isso  
dllefungues

Bolivia Trekking Lago Tuni- Acampamento Base do Condoriri, Escalada Hyuana Potosi, Isla Del Sol.

Posts Recomendados

Viagem Bolivia parte 1

Outras viagens pelo Brasil, acesse:

http://dlopes.jimdo.com/

http://dllefungues.multiply.com

 

Vou dividir em algumas partes pois o relato e grande.

 

Fotos: 20101123150911.jpg

 

Bolivia 2010

 

Preparativos:

 

Esse país sempre me fascinou por sua história ainda mais pela civilização pré- colombianas, desde do início estávamos Eu (Daniel) e o Marcel, combinamos de irmos no mês de agosto e passarmos aproximadamente 15 dias, depois disso começamos a levantar informações sobre o país e os lugares que iríamos conhecer e sempre recorremos a google e a pessoas que já tinham visitado os lugares que tínhamos em mente, o Marcel já tinha feito uma viagem a Bolívia mas isso tinha sido a 12 anos atrás e com certeza muita coisa já havia mudado. Encontrei muita informação errada e outras que foram de muita ajuda. Nosso principal destino era subir Hyuana Potosi, depois de ler muita coisa coloquei em nosso roteiro um trekking autônomo sem agência, o trekking escolhido foi o Lago Tuni- Acampamento base do Condoriri e subindo o pico Áustria a 5 360 m de altitude. Esse seria os nossos principais destinos e o restante dos passeios seriam combinado na hora.

 

14/08 São Paulo- La Paz

Estávamos no aeroporto de Cumbica por voltas das 18:30 hrs para o voô das 21:00 hrs, chegamos cedo pois tínhamos que passar na receita federal para declaramos alguns bens como maquinas digitais e gps, se vc tiver uma máquina digital acima de 12.1 mega píxels obrigatório declarar junto a receita, além dessa declaração vc vai precisar tirar a carteira de vacinação internacional (Vacina de Febre Amarela Obrigatório para entrar na Bolívia.) quando chegamos em La Paz não pediram essa declaração, mas é obrigatório ter ela em mãos (essa carteira ou declaração é tirada no aeroporto no Brasil), e por mais que a Bolívia faça parte do Mercosul e não precise de passaporte para entrar no país, indicamos que tire o passaporte pois em muitos lugares foi pedido o nº e apresentação do mesmo. Como tudo no Brasil acontece no horário nosso voô atrasou 40 minutos, com destino a Assuncion- Paraguai depois de decolarmos o voô foi tranquilo, durou aproximadamente 2 horas, chegando ao aeroporto de Silvio Pettirossi- Assuncion nem precisamos sair do avião desceram boa parte dos passageiros e outros entraram a logo estávamos no ar sentido o aeroporto de El Alto- La Paz, mais 2 horas de vôo estávamos pousando no aeroporto, passsando pela Imigração fomos até os caixas eletrônicos para sacar dinheiro, por toda La Paz existem casas de cambio e caixas eletrônicos para saque no catão visa travelmoney muito útil pois não precisa ficar carregando muito dinheiro em espécie.

 

La Paz foi nossa cidade apoio durante nossos aventuras pela Bolivia, essa cidade eu indico a todas as pessoas a conhecerem. Transito caótico, ninguém respeita as leis de transito, aonde as tradições se mistura com o moderno e o velho se funde com o novo, desce as tradicionais Cholas (bolivianas com o traje típico) até Emos, La Paz é uma cidade que deixa o turista bem a vontade com comidas do mundo inteiro muitas atrações turísticas, museus dentre outros atrativos, transporte público é praticamente zero mas as vans e táxis dão conta do recado. um povo atencioso e que gosta dos brasileiros, mas sempre querem levar vantagem sobre os turistas, chorar por um preço melhor não custa nada ainda mais para um mochileiro, não tenha vergonha pechinche sempre que vc acabará conseguindo um preço justo nas suas compras.

 

15/08

No aeroporto pegamos um táxi e fomos direto para o hostel Wild Rover na calle comércio, aonde fica o parlamento Boliviano e aonde o Presidente Trabalha era por volta das 4:00 hrs da manhã quando chegamos ao hostel, dormimos um pouco e logo pelas 8:00 hrs do domingo estávamos nas ruas de La Paz perambulando, como era domingo a maioria do comércio estava fechado somente quem trabalhava com turismo estava aberto, acabamos indo a uma feira típica de domingo com artesanato, musica, teatro e comida, esta feira é todo o domingo na Av. 16 de julho até a praça dos estudantes das 8:00 as 25:00 hrs, depois disso fomos fechar o passeio para fazer a descida da Estrada da Morte ( Dead Road) fechamos com a empresa Barro Biking, o passeio com a bicicleta com suspensão dupla sai por $500,00 bls e com suspensão na frente sai por $ 370,00bls no pacote esta incluso transporte, equipamentos de segurança (joelheira, cotoveleiras, capacete, roupas, alimentação, banho e até piscina), como o dia estava meio devagar resolvemos fazer um passeio city tour de ônibus turístico, aonde passamos por alguns dos pontos mais importantes da cidade (Casa do Evo Morales e Zona Sul ), o principal do passeio é o vale da Lua que realmente vc pensa estar em outro planeta este passeio sai por $50,00 Bls ou R$ 13,00 e demora aproximadamente 2:30 hrs, neste mesmo dia visitamos a rua das Bruxas e a calle Linhares e Tarija aonde se encontram as lojas de artesanato, pratas e lembrancinhas da Bolivia voltamos ao hostel por volta das 18:00 hrs resolvemos fazer uma baladinha no próprio pub do hostel aonde tem festa todo dia.

Na nossa estadia neste hostel encontramos 1 brasileiro o Igor, que estava viajando sozinho, (Chile, bolivia e Peru) e uma brasileira que estava com um amigo fazendo a Bolivia também

 

16/08 Estrada da Morte

Lá pelas 8:30 da manhã a empresa que contratamos passou no hostel para fazermos o passeio, quando combinamos de irmos a Bolívia e fazer um trekking e subir uma montanha colocamos esse downhill em um dos nosso passeios, saindo de La Paz são aproximadamente 1:30 de van até La Cumbre aonde se dá início da descida, são aproximadamente 64 km de descida, logo que chegamos no lago já dava para ser ter uma ideia da beleza que seria o passeio, depois de distribuídos os equipamentos e as bicicletas, tirarmos algumas fotos e ouvirmos as instruções, então começamos fazer a descida, estávamos em 8 pessoas, 2 guias e o carro de apoio com 2 bicicletas de reserva ( o bom de fazer com empresas menores é de que a quantidade de pessoas no grupo é menor e a atenção dos guias com as pessoas são maiores), mas o que faltou foi uma interação entre as pessoas, os guias foram somente guias e mais nada mas tudo bem, tinha empresas com 20 pessoas fazendo o passeio acredito que a interação deva ser maior. Logo que começa a descida a empolgação toma conta de todos, não por estar fazendo o downhil mais alto das Américas ou por estar fazendo a estrada da morte e sim pela beleza do local, essa 1º parte da descida é feita pelo asfalto com isso a velocidade é maior, e pelo caminho vc vê lindas montanhas, gelo e umas paisagens muito diferente do que estamos acostumados, só prestar atenção pois o movimento de carros e caminhões trafegando pela estrada é normal, por mais que vc tenha os guias e o carro de apoio a descida é cada um por si, são aproximadamente 18 km de descida pelo asfalto eu e o Marcel como pedalamos em SP, fazendo trilhas acabamos descendo o passeio sempre pedalando pois adrenalina estava alta e quanto maior a velocidade mais legal ficava o passeio, minha bicicleta acabou dando um problema no freio acabei parando e fiz a troca da bicicleta e continuei a descida, todas as bicicletas são de 14 marchas e com pneus mais largos para vc não atingir um velocidade que possa causar um acidente mais grave (qualquer tombo ali da pra machucar bem.). Depois de 1:20 hora de descida chegamos ao final da 1º parte aonde vc precisa passar por um posto do Pq para comprar o ingresso $25,00 bls por pessoa para descer a estrada da morte a parte de terra que liga a região de Coroico à La Paz, todos já tinha comprado o ingresso então fomos colocados na van com as bicicletas e fomos até o início da estrada de terra, a parte da estrada aonde seria subida foi feita de carro, pois tinham pessoas que demorariam muito ou até mesmo não conseguiriam faze-lá por isso o carro é uma melhor opção, também se ganha tempo para fazer algumas paradas a mais para fotos, são uns 15 minutos de van até reinicio da trilha, nessa hora quando colocaram as bicicletas na van acabei pegando uma bicicleta que estava muito melhor e mais rápida do que a anterior, nesta 2º parte da trilha aonde começa a terra a adrenalina veio mais forte ainda mais sabendo que seriam mais 3:00 hrs de descida e com trechos perigosos, o guia tinha dito para não tirarmos fotos pois receberíamos um cd com as fotos do passeio, mas ai eu pensei acredito que volte aqui tão cedo ou até mesmo não volte, vou fazer minhas fotos e vídeos sim, então durante a descida intercalei momentos em que descia a estrada com se estivesse fazendo um downhill em outros momentos dava um de turista parava tirava fotos fazia uns vídeo, mas no geral acabei descendo a estrada pedalando, realmente a atenção neste trecho do passeio precisa ser redobrada pois os penhascos nos acompanham em praticamente toda a descida e um descuido pode causar um acidente, o Marcel praticamente desceu na frente junto com o guia, esse passeio começa a 4.640m de altitude e chegamos a 1.700m do nível do mar, a medida que descíamos nosso fôlego aumenta pois tinha mais oxigênio para respirar e conseguíamos andar mais rápido com a bicicletas, chegando aos 2.300m a paisagem começa a mudar passando para uma floresta tropical, aonde podemos achar uma semelhança com a floresta brasileiras, como biólogo acabei percebendo algumas espécies que habitam nossas florestas como quaresmeiras, orquídeas, bambus e samambaias entre outras espécies. Na parte final da descida passamos por motos, carros alguns rios até chegarmos ao final da trilha de lá pegamos a van e fomos para a cidade de Coroico passando por algumas plantações de cocas, nosso destino era a pousada aonde tinha uma piscina, banho quente e um almoço nos esperando. lá pelas 17:30 hrs estávamos retornando para La Paz pelo mesmo caminho que descemos de bicicleta, o pior foi voltar pela mesma estrada numa van a 40km p/ hora por mais que vc esteja empolgado é bem desgastante e cansativo a volta, era por volta das 19:30 estávamos em La Paz.

 

Dicas Alimentação:

Restaurante DON GUS, comida típica boliviana, preço justo lugar limpo bom atendimento e a comida muito boa.

Endereço: Calle Lllampu, nº 809

Restaurante Anticucho Mania também comida típica bolivia, e preço justo.

Endereço: Calle Federico Zuaco esquina com Calle Bueno

Restaurante: Las Madres de Las Cabecitas comida típica bolivia, e preço justo.

Endereço: Calle Yungas sempre seguir por ela passando no mercado no cruzamento da para ser ver o restaurante.

 

Para Dormir: Wild Rover as camas para dormir são melhores. site: http://www.wildroverhostel.com/

Hostel Loki, tem preços praticamente iguais ao Wild Rover , mas com alimentação, e lavanderia são mais barato e a chance de encontrar outros brasileiros é maior. http://www.lokihostel.com/en/lapaz

20101123154111.jpg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Viagem Bolivia parte 2

 

2º parte Trekking Lago Tuni- Lao Qhiar khota e Hyuana Potosi

 

20101123154315.jpg

 

Fotos Trekking Condoriri:

http://dlopes.jimdo.com/photos/américa-do-sul/bolívia/

http://dllefungues.multiply.com/photos/album/58/Trekking_Condoriri

 

Fotos Escalada Hyuana Potosi:

http://dllefungues.multiply.com/photos/album/56/_Hyuna_Potosi

 

Vídeos:

http://dllefungues.multiply.com/video/item/29/Trekking_Condoriri_3

http://dllefungues.multiply.com/video/item/28/Trekking_Condoriri_2

http://dllefungues.multiply.com/video/item/27/Trekking_Condoriri

http://dllefungues.multiply.com/video/item/26/Trekking_Condoriri-_Lago_Tuni

 

Depois da Estrada da Morte. 17- 08

Dia de descanso e começávamos a nos programarmos para fazer o trekking Lago Tuni - Lago Qhiar- Khota, fomos até agência que nos levaria a subir Hyuana Potosi (Alberth Bolivia Tours) Calle Lllampu, 757. para fecharmos o pacote para a montanha e também negociar o transporte que nos levaria até o início do trekking e nos resgataria 3 dias depois, pagamos $500,00 bls preferimos pagar esse valor pois tínhamos a garantia de que alguém iriam nos buscar, pois contratar um taxi sem conhecer seria meio inresponsável de nossa parte, pegamos algumas informações sobre esta trilha e passamos o dia inteiro fazendo compras, a única certeza que tínhamos era que faria muito frio, acabei levando meu fogareiro msr com esperança de comprar benzina em La Paz e para nossa surpresa a mesma estava em falta, pois Santa Cruz de La Sierra que produz estava em briga com o Evo Morales não estava enviado combustível para a capital, o Marcel acabou comprando um mini fogareiro Douter a gás butano em umas das 10 lojas que vendem equipamentos de aventura, essas lojas rendem bons negócios, acabei comprando um isolante térmico que vi em uma loja em moema- sp por R$ 280,00, lá saiu por apenas R$ 45,00 e uma jaqueta de Gore-tex por R$ 91,00 e mais alguns equipamentos, depois disso resolvido tínhamos que comprar comida para 3 dias de trekking como tínhamos esse passeio programado acabamos trazendo de São Paulo alguns alimentos como (atum, macarrão, café, chocolate) entre outras coisas mas assim mesmo faltava algo, pegamos uma lotação (lotação e taxí é o que mais tem em La Paz), fomos para a famosa zona zul para a região do Calacoto até um mercado fazer compras, achamos tudo o que precisávamos para falar a verdade não precisava ter levado nada do Brasil , no final do dia lembramos que tínhamos esquecido de um panela para fazer a comida, voltamos para o centro velho aonde é muito parecido com a região da 25 de março em SP, mas umas 10x maior, com muita coisa boa a barata, comprei uma pequena panela e uma caneca de inox por $ 20,00 bls cerca de R$ 6,00. essa região é meio perigosa para turistas é uma tentação ir fazer compra neste lugar mais não é indicado, quando estávamos fazendo essas ultimas compras uma senhora que vendia produtos no local nos disse para ficarmos atentos pois aquela região era perigosa para turistas e levar a mochila na frente, então rapidamente resolvemos descer pela principal a calle Pedro de la Gasca até a Plaza Quiroga e Calle Santa Cruz aonde é mais tranquilo, quando estávamos descendo encontramos alguns brasileiros que fazer faculdade de medicina U$ 1.800,00 por ano, até eu me arriscaria a fazer faculdade rss. também nos disseram que era uma região perigosa para o turista. depois de um dia cansativo voltamos para o hostel pois no outro dia as 8:00 hrs nosso transporte estaria no hotel para nos levar ao nosso trekking.

 

18/08

Alguns chamaram eu e o Marcel de malucos ou irresponsáveis por fazermos um trekking autônomo em um outro país, maluco pra mim é que faz maluquices e nós tínhamos a total consciência do que estávamos fazendo, chegamos no início do trekking por volta das 11:00 hrs, saindo de La Paz subimos em direção a região de El Alto região do AltiPlano de La Paz aonde a cidade começa avançar por esta vasta região de muita beleza, o que acaba assustando é o crescimento desordenado e sem estrutura criando um ambiente meio terra de ninguém uma loucura para dizer a verdade mais informações acesse. O início do trekking começa no Campamento Union, que é um vilarejo aonde se tem até uma única pousada e muitas casas que servem de apoio, logo que descemos do carro tiramos algumas fotos e com algumas folhas de coca na boca começamos o trekking, demora aproximadamente 4 horas e não se tem muito o que errar pois ele começa numa estrada de terra e vc segue ela até algumas casas, logo que saímos são uns 10 minutos até o lago Tuni que já tem uma vista linda, foto para cartão postal, de lá seguimos pela estrada contornando o lago a trilha é praticamente reta com um desnível de aproximadamente 30 metros, praticamente durante todo o caminho você avista o montanha Condoriri que seria nosso destino final, então com essa referencia fica fácil o trekking, depois de 1:40 hrs aproximadamente vc chega a algumas casas aonde a estrada segue para ou outro lado do vale, aonde é possível chegar ao Lago Qhiar- Khota, mas a trilha tradicional segue a direita da montanha é a única trilha não tem como errar e se vc tiver alguma dúvida pergunte a algum moradores, o fluxo de turistas fazendo esse passeio é até que razoável ,fizemos uma parada de 20 minutos nesta vila para comer algo e descansar um pouco pois as mochilas estavam pesadas com uns 15kg aproximadamente há uma altitude de 4.900m o cansaço é maior, mais nada que nos abalasse. O lugar é espetacular com paisagens lindas e o melhor de tudo um silêncio sem buzinas, pessoas gritando, poluição e outras coisas de cidade grande, continuamos a trilha por mais umas 2:30 hrs aproximadamente até avistarmos uma casa de pedra no alto de um cucuruco, com um muro de pedra , quando subimos avistamos o lago lindo, com o Condoriri de fundo o pequeno Alpamayo ao lado e do lado esquerdo o pico Áustria, esta casa ter uma área de camping, sem banho e com banheiro precário, mas com um visual espetacular, é cobrado $10,00 bls por dia, logo que chegamos montamos acampamento fizemos um rango e fomos andar um pouco pela região e pegarmos água era já final do dia e quando o sol sumiu o frio veio com muita força conta os ventos sobravam do Condoriri trazendo o frio da geleira para o vale, deve ter chego a uns -15º graus e ainda mais com um vento forte soprando quando respirava pela boca, dava uns 2 minutos a boca e a garganta ficavam secas, demorei um pouco para dormir. No outro dia pela manhã por volta de umas 8:00 hrs depois de tomar um café montamos as mochilas e começamos a subida do pico Áustria, montanha de 5 360 m de altitude, começamos a trilha empolgados já começa com uma subida íngreme, na altitude cada um tem um ritmo diferente, meu organismo não sentiu a altitude então fiz a subida da montanha como se estivesse no Brasil o Marcel já foi diferente o corpo sentiu um pouco a altitude e ele foi num ritmo mais lento fez o certo, não adiantava tentar subir mais rápido e não conseguir chegar no cume, como temos uma noção muito boa de navegação não tivemos problemas para saber qual é a trilha certa, pois existem alguns caminhos que podem deixar vc em dúvida, mas sempre siga o caminho mais batido tendo a ideia que vc não vai subir a montanha pela frete e sim pelo lado direito entre o Pico Áustria e a montanha ao lado, passando para a parte de trás da montanha para chegar ao Cume, e essa ideia é vc vendo a montanha do acampamento pois vc terá a noção correta do caminha a seguir. Até o cume fiz 3 paradas, o caminho até o cume não trás risco só precisa prestar atenção é pelo caminho pois é praticamente todo de pedra soltas podendo torcer o pé com facilidade. Quando vc chega " ao colo " da montanha vc tem uma visão de um glaciar lindo da montanha a frente nesta altitude vc já tem mais contato com o gelo, fiquei esperando o Marcel chegar e encontrei com um guia e outras pessoas fazendo o trekking vindo de um outro lago, depois que tiramos algumas fotos começamos fazer a parte final da montanha, logo me distancei do Marcel em meia hora estava no cume. A sensação de conquista é muito prazerosa quando atingimos um objetivo e o que faz eu gostar muito no montanhismo é os momentos de paz que fico comigo mesmo e de estar em um ambiente que eu me sinto em casa. Ficamos no cume por volta de 40 minutos e começamos o retorno ao acampamento, tem o ditado "para descer todo santo ajuda", mas na altitude o esforço para subir é o mesmo para descer então preste muita atenção quando estiver nas montanhas. demoramos cerca de 2 horas para descer, ainda tivemos tempo para admirar a beleza do loca, quando chegamos ao acampento tinham mais 5 barracas do um pessoal que iria escalar o condoriri. no outro dia pela manhã desmontamos o acampamento e retornamos ao campamento union era por volta das 12:00 hrs e nosso transporte já nos esperava para nos levar a La Paz,

 

19/08

Neste retorno a cidade decidimos nos hospedar em outro hostel o Loki que fica na calle Loayza, era por volta das 14:00 hrs quando chegamos ao hotel a 1º coisa que fizemos foi tomar um banho, pois ficar 3 dias sem um chuveiro só com o lago que a água devia estar por volta de uns 8º graus não da para encarar um banho. Neste hostel acabamos encontrando alguns brasileiros, o Wesley que estava fazendo o mochilão sozinho vinha desde o Deserto do Atacama e iria até Machu Picchu o Rapahel e Flavio que vinha desde Puerto Quijarro e iriam também até Machu Picchu, 2 mineiros que também estavam fazendo esta rota e o Marcio que também fazia este rolê, como o pessoal não aguentava comer mais frango e eu e o Marcel estivemos sempre variando nosso cardápio resolvemos sair para jantar com todos os brasileiros e sugeri de irmos a um restaurante típico boliviano e pedi informações ao porteiro e segurança do hostel ( essas pessoas costumam conhecer restaurantes bons e baratos), ele nos indicou o restaurante As Madres de La Cabecitas, na Calle Comercio passando o Hostel Wild Rover no farol vc vira a esquerda e suba a rua Yungas, passando pelo mercado continue subindo até o cruzamento no alto da rua atravesse o cruzamento e continue na rua logo no inicio da descida vc encontrará o restaurante, acabamos comendo uma carne de cordeiro uma delicia o prato sai por $30,00bls por pessoa ,acompanha salada, arroz e batata, foi a melhor refeição que comi na Bolívia muito bem feita o lugar limpo, demos muita risada e depois dessa ótima refeição voltamos para o pub do hostel aonde fizemos uma baladinha que por sinal virou uma baladona até com direito as gringas dançando em cima do balcão do bar. Passamos mais um dia em La Paz para descansarmos do trekking e começamos a nos preparar para a subida de Hyuana Potosi, fomos até a empresa de aventura Alberth Bolivia Tours, valor do pacote U$ 135,00 no pacote esta incluso guia, transporte, alimentação e todo o equipamento (roupa, corda, cadeirinha, piolet e grampões e o que mais vc precisar). então no dia 21/08 partimos para a montanha.

 

Empresa para trekking, escaladas: http://www.hikingbolivia.com/

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Bolivia parte 3

 

Fotos:

http://dlopes.jimdo.com/photos/américa-do-sul/bolívia/

http://dllefungues.multiply.com/photos/album/56/_Hyuna_Potosi

 

20101123153349.jpg

 

Era por volta das 8:00 hrs estávamos na frente da agência de turismo para pegarmos os equipamentos e conhecer o guia que iria nos guiar pela montanha nos próximos 3 dias, saímos por volta das 9:00 hrs e fomos de taxi até o acampamento base a viagem durou cerca de 2:30 hrs, grande expectativa foi gerada para subirmos uma montanha acima de 6.000m, no meu caso quando vi a montanha a adrenalina ficou a mil. chegamos no acampamento por volta das 11:40 hrs, chegando lá descarregamos as mochilas e fomos praticar no glaciar como andar no gelo e escalar usando o piolet e também como andar com os grampões, estávamos eu, Marcel e o Kelvin um escocês que trabalhava na Venezuela, para nós brasileiros que não temos contato com esses equipamentos de gelo, é uma experiência muito legal, o glaciar fica a 30 minutos do refugio, depois de colocados todos os equipamentos o guia passa as informações básicas de como andar no gelo, segurar o piolet então começamos a subida no gelo até chegarmos a uma parede de uns 30 metros de altura aonde iriamos escalar, depois de passado as cordas e tudo ancorado começamos a praticar a escalada, 1º foi o Marcel, depois eu e por ultimo o Kelvin, a subida exige um pouco de esforço físico, muita perna e braço mas como tudo é novidade foi até que é fácil, demos muita risada, tiramos algumas fotos e depois de 2 horas andando e escalando retornamos ao refugio, a única coisa que me incomodou um pouco foi a a bota para gelo, que ficou me machucando um pouco mas deu para aguentar. Por volta das 19:00 hrs estávamos jantando e sentados na mesa umas 11 pessoas mais os guias, que eu me lembro 2 brasileiros, 1 escocês, 2 franceses, 1 americano, 1 basco, 2 alemães e 2 ingleses e ninguem falava a língua de ninguém, um pouco de espanhol e um inglês básico e todos se comunicavam numa boa e a conversa rendeu algumas horas de risada e troca de experiencias, até a hora que os guias colocaram todos para dormir, senão o papo adentrava a madrugada.

Logo as 7:00 hrs da manhã estávamos acordados tomando café e arrumando a mochila para a subida do acampamento Roca e 5.130m, uma subida é meio puxada não chega a ser metade de um corcovado de Ubatuba mas por estar a 5.100m de altitude o bicho pega, eu estava com uma mochila com uns 14 kg, eu estava levando 4 litros de água, o par de botas que junto com o grampões chega a pesar uns 3,5 kilos, mais o saco de dormir, isolante, roupas de neve dentre outras coisas, subiu na frente o Guia com Kelvin, depois eu e o Marcel foi no seu ritmo, paramos numa casa de pedra aonde é cobrado a taxa de $20,00 bls para ir ao refugio roca, nesta parte da trilha vc sobe a trilha de rocha solta até o acampamento, não chega a ser perigoso mas atenção nunca é demais. demoramos umas 3:00 hrs para subirmos até o acampamento avançado, chegando lá nos instalamos e logo fizemos um almoço e curtimos o local que é muito bonito por sinal, com um glacial a frente e outro ao fundo podendo ver o falso cume da montana a frente. as montanhas no Brasil sempre quanto mais altas mais eu tenho volta de ir e sem medo (isso não é muito bom), mas quando vi a montanha me senti meio intimidado acredito que pelo fato do gelo, gretas e o risco de acidente grave, ainda mais num pais aonde o socorro é meio precário, isso fez com que minha concentração aumenta-se muito, ao ponte de pedir para o guia me mostrar o caminho que faríamos para eu poder ficar memorizando, pois sairíamos na madrugada para o cume. Era por volta das 6:00 hrs quando jantamos e novamente os guias nos colocaram para dormir pois o dia começarias 1:00 hrs da manhã, o Marcel saiu com um guia 1:30 hrs a nossa frente e por volta das 3:00 hrs Eu, Kelvln e o guia iniciamos a subida, com mais umas 20 pessoas, eu acabei percebendo que o nosso guia acabou saindo um pouco tarde e tivemos que ir no ritmo dele um pouco, mais acelerado mas fomos que fomos, depois de umas 2 horas subindo encontramos com o Marcel e como tínhamos combinado de fazer a viagem juntos não achei certo subir a montanha com outra pessoa e acabei passando para a corda aonde estava o guia e o Marcel até então ele disse que estava bem e dava para continuar, então continuamos subindo depois que andamos mais uns 100 metros o Marcel começou a passar mal e não teve condições de continuar, tivemos que retornar ao acampamento, ainda mais que o guia que estava com o Marcel não ajudava muito, não abria a boca e com cara de poucos amigos, eu ficava pensando se acontecer algo aqui este guia vai nos deixar na mão, não estou exagerando não, se eu dependesse dele para ajudar o Marcel ou vice versa estaríamos fudido falando o português claro, tanto é que o Marcel escorregou e acabou caindo eu tive que ajudar o Marcel enquanto o cara ficou parado, eu olhava para o cidadão e ele sem ação nenhuma, demoramos um pouco para descer pois voltamos mais devagar do que quando subimos, como marinheiro de 1º viagem não percebi que minha bota estava rasgada na lateral e acabou entrando um pouco de gelo, só fui dar conta disso quando não senti os dedos do pé, ai comecei a pirar e pensando que meus dedos iriam congelar, então cada passo que eu dava mexia com muita dor os dedos e não dava para acelerar a descida, pois o Marcel não estava bem e eu pirando com meu pé, olhava para o guia o cidadão com cara de morto, olhava para o Marcel e ele não muito bem, ai em pensava tô FUDIDO.... rsssssss, hoje penso na situação dou risada eu estava me sentido um alien na terra. mas a experiência que foi adquirida valeu para as próximas montanhas. Depois que chegamos ao acampamento arrumamos os equipamentos e descemos para o acampamento base, na hora estava meio chateado com a situação acabei descendo na frente meio emburrado, mas ao longo da descida fui lembrando de alguns ensinamentos budistas que li e voltei a ficar mais calmo. chegando ao acampamento base, depois de uns 20 minutos chegou o guia e uma meia hora o Marcel, ficamos esperando a van chegar para retornamos a La Paz.

 

Aprendizado:

Sempre ter um guia somente para vc.

Ter os equipamentos adequados, Calça, Bota, Roupa de Frio.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Bolivia parte 4

 

Fotos:

http://dlopes.jimdo.com/photos/américa-do-sul/bolívia

http://dllefungues.multiply.com/photos/album/57/Ruinas_de_Tiwuanako

 

Videos:

http://dllefungues.multiply.com/video/item/43/43

http://dllefungues.multiply.com/video/item/44/44

http://dllefungues.multiply.com/video/item/45/45

 

20101123153806.jpg

 

 

23/08

Depois de ficarmos na montanha 3 dias, resolvemos voltar para o hostel wild rover, e descansarmos por 2 dias. Começamos a programar de visitar as ruínas de Tiwanaku um dos mais importantes sítios arqueológicos da América do Sul, e berço da civilização inca informações. da 1º vez que estivemos hospedados no wild rover hostel conhecemos um brasileiro o Igor que nos deu algumas dicas de como ir para Tiwanaku, então era por volta das 11:00 hrs fomos de van para o cemitério de lá pegamos outra van para Tiwanaku que nos deixou de frente ao museu de arqueologia, chegando ao cemitério esperamos por volta de 1:30hrs para a van sair, então seguimos a El Alto aonde paramos num ponto de vans e esperamos por mais 40 minutos o motorista encher o carro para continuarmos a viagem pagamos $10,00 bls somente ida e mais $10,00 bls volta, (esse tipo de transporte para vc economizar $$$, dica chegue cedo por volta das 8:00 hrs pois perdemos muito tempo parados esperando passageiros.) uma melhor opção é contratar uma empresa que faça o passeio com ônibus de excursão. De El Alto para Tiwanaku são aproximadamente 1:30 de van, com paradas e transito, chegamos lá por volta das 2:40 hrs e o parque fechava as 17:00 hrs, turista paga $80 bls para visitar 2 museus e 2 sítios arqueológicos, este passeio para quem gosta de história é muito interessante e vale muito a pena, pois tanto os museus quanto os sítios arqueológicos dão uma noção de como essa civilização viveu numa região que nem árvore sobrevive direito, as ruínas estão aos poucos sendo reconstruídas, como não tínhamos muito tempo acabamos fazendo o passeio rápido. Em um dos museu vc tem a oportunidade de ver uma múmia, cerâmicas, utensílios domésticos, artefatos de caça e pesca, e no outro vc tem as estátuas que estavam espalhadas pelos templos, nos museus não é permitido tirar fotos, mas neste das estátuas de pedra era impossível não tirar uma fotos, acabamos tirando algumas.para retornar a La Paz, fique na frete do museu que de 10 em 10 minutos passa uma van para El Alto, pergunte sempre para o motorista se a van vai para o Cemitério pois senão ele cobrará $10,00 bls para El Alto. era por volta das 19:30 quando chegamos a La Paz.

 

25/08

Ainda faltavam 6 dias para nosso retorno a SP, resolvemos conhecer a Isla Del Sol no Lago Titicaca. Como o Marcel já conhecia não tivemos muito problema para chegar a Copacabana, fomos até algumas agências de aventura para perguntar sobre transporte até Copacabana e todos com o preço igual $30,00 bls e com a mesma justificativa, pegamos vc no hotel e o ônibus vai direto sem parada, ai perguntávamos sobre transporte alternativo e a mesma história vc vai até o cemitério de lá tem ônibus o único problema é que vai parando e o preço é de $20,00 bls + $10,00bls sai o mesmo preço, quando fomos a Tiwanaku, percebemos que os ônibus para Copacabana saem do mesmo lugar que para Tiwanaku, vimos os horários de saída dos ônibus o 1º sai as 6:00 hrs manhã chegando por volta das 9:00hrs em Copacabana resolvemos pegar este meio de transporte então deixamos o hostel as 5:30 hrs da manhã e pegamos um táxi $10,00bls até o cemitério chegando lá negociamos o valor de $20,00 bls saiu por $15,00bls, é claro que o ônibus saiu com uns 30 minutos de atraso, e pelo caminho até El Alto pegou mais algumas pessoas e depois só parou em São Pedro de Kitina para atravessar o lago, neste momento ele pediu para que descemos e pegássemos um barquinho para a outra margem, pagamos $1,50bls para atravessar o lago Titicaca, travessia demora no máximo 15 minutos, chegando ao outro lado entramos no ônibus e mais 1 hora até Copacabana. Por fim chegamos a uma das mais famosas cidades da Bolívia, Copacabana oferece toda a estrutura necessária para o turismo, Caixa Eletrônico, restaurantes diversos, café, lan house, passeios, lojas de lembranças, mini mercados, hotéis e albergues, mas a grande maioria dos turistas que chega é para conhecer a Isla Del Sol, ao desembarcamos na cidade, fomos visitar a Igreja Nossa Senhora de Copacabana muito bonita por sinal, depois descemos até o lago Titicaca da onde sai os barcos para a ilha e todos no mesmo horário parece piada mas não é, como o barco só saia as 1:30 hrs, deu tempo para visitarmos algumas lojas, e fazer uma refeição da famosa truta do lago, almoçamos no restaurante Jardim Bolívia o prato de truta sai por volta de $35,00 bls acompanha salada, arroz e batata. o barco para a ilha são todos o mesmo preço, não me recordo o preço que paguei mas compramos com o quiosque que fica na areia da praia, o barco saiu cheio de turistas com uma vista muito bonita do lago Titicaca e de sua imensidão.

 

O único problema é que o barco vai a passos de tartaruga e demora umas 2:30 hrs, para chegar na ilha. chegamos a parte sul da ilha por volta das 4:00 hrs, desembarcamos e já fomos abordados por locais vendendo o ingresso para entrar na ilha por $5,00 bls, nós encontramos com 3 brasileiros no barco e o mineiro me arrumou um dos ingressos que ele tinha ganho de 1 casal de americanos, ele disse que iria tentar passar com um deles e me arrumou o outro, então chegando na ilha que iria passar o dia saia primeiro e quem fosse pernoitar nosso caso permanecesse no barco, essas pessoas que vendem os ingresso vem avançando pelo pier vendendo ingressos, então na nossa hora de descer acabei indo no meio na muvuca e dizendo que já tinha comprado o ingresso com uma das pessoas e acabei passando. chegando a ilha vc precisa subir cerca de 360 degraus é o que dizem eu não contei, para chegar a parte alta aonde fica a maioria das pousadas e restaurantes da ilha, então começamos a subir e todo mundo vai arrumando um lugar para dormir, arrumamos uma pousada por $25,00bls cerca de R$ 7,00, com banho quente sem café da manhã mas com uma vista linda do lago Titicaca, era por volta das 16:40 resolvemos conhecer as ruínas do templo Punku, fica cerca de 30 minutos da pousada, dela resolvemos ir até o alto do morro para ver o por do sol e na volta encontramos o dono da nossa pousada que estava recolhendo os burros para pegar água para ser usado na pousada (banha, escovar os dentes dentre outras coisas).

 

20101123154745.jpg

 

Chegamos no final do dia aonde estão os restaurantes deu tempo de ver um lindo por do sol sentados numa mesa ao ar livre, quando o Sol sumiu, o frio tomou conta, a essa hora parecia uma cidade fantasma, como nossa pousada estava a uns 20 minutos de caminhada e se fossemos descer para tomar banho e voltar, decidimos ficarmos mais um pouco e jantar, escolhemos o restaurante Las Farolas, comida muito boa, preço justo e o lugar muito legal, somente a família trabalha pagamos $30,00 bls para comer um prato de Truta, com direito a entrada, uma sopa de legumes, depois o prato principal truta a bebida a parte o jantar saiu por volta de $45,00bls, e voltamos para a pousada e para a nossa surpresa era semana de lua cheia e quando vimos a lua estava nascendo no lago Titicaca, uma paisagem espetacular, chegando a pousada disse ao Marcel que no mesmo lugar que nasce a lua iria nascer o sol e do nosso quarto deitado na cama dava pra ver o nascer do sol, fomos muito privilegiados de vermos isso e que essa imagem não sairia de nossas cabeças, logo que cheguei a pousada peguei minha máquina para fazer algumas fotos e aproveitei e peguei o fone de ouvido para ouvir musica, fiquei sentado uns 40 minutos numa cadeira na frente da pousada admirando a paisagem ao som de Zé Ramalho, Alceu Valença e Duofel, quando percebi tinha mais dois caras sentados em cadeiras ao lado ouvindo musica e curtindo o visual, penso que estavam sentindo a mesma coisa que eu e curtindo o momento. Como que no outro dia iríamos fazer a travessia para a parte norte da ilha até as ruínas de Chinkana era por volta das 10:00 hrs já estava na cama.

 

Era por volta de umas 7:30 hrs da manhã o sol deu suas caras nascendo no Lago Titicaca, espetacular achei somente essa palavra para dizer o que penso sobre o lugar. Por volta das 8:30 estávamos no mesmo restaurante que jantamos para tomar o café da manhã, eles tem umas mesas do lado de fora de frete para o farol , pagamos $13,00bls, com direito a pão quente, manteiga, geleia, suco de laranja e café com leite. Depois desse café da manhã começamos a fazer a trilha para o as ruínas de Chinkana por volta de 9:30 hrs, passamos por um posto e novamente foi cobrado uma taxa de visitação $15,00bls, como estávamos de turistas fomos curtindo o local demoramos cerca de 3 horas para percorremos a trilha, vale muito a pena fazer essa pernada, com paisagens lindas (importante levar uns 2 litros de água pois o sol mata e algo para comer) para ter uma ideia melhor vela as fotos Link. Chegamos lá fomos abordados por um guia local disse que poderia nos acompanhar pelo passeio para explicar sobre a Roca Sagrada e o Templo e Chinkana e que pagaríamos o que acharmos justo, então eles nos acompanhou por cerca de 30 minutos explicando sobre o lugar e a civilização Tiwunako, na ilha existe um problema sério de água a mesma se encontra em lugares no nível do lago e este templo foi construído com uma mina de água bem no alto da montanha o interessante é que existe um tempo submerso no lago, por causa da movimentação de placas tectônicas uma parte da ilha afundou e o templo foi junto. depois que conhecemos este tempo fomos até o centro do lado norte para pegarmos o barco de volta, buscarmos as mochilas na pousada e voltarmos para La Paz, era por volta das 6:40 quando pegamos o ônibus em Copacabana para La Paz chegando por volta das 10:00 hrs no hostel

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Cara muito legal teu relato...

 

tu lembra em q loja comprou teu casaco de goretex? ou onde fica?

 

pensei q nao tinha muita coisa barata la pois nao achei qdo fui....se bem que nao procurei muito...

 

valew

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Daniel,

 

Muito com seu relato e as fotos estão ótimas.

 

Já anotei "tudim" no meu caderninho para futuras aventuras.

 

Maria Emilia

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.

Entre para seguir isso  



×
×
  • Criar Novo...