Ir para conteúdo

= = = - Cortázar


Posts Recomendados

  • Membros de Honra

Julio Cortázar

 

Edmilson Vieira

 

 

O verão em Buenos Aires é desfavorável pra qualquer pessoa. Tem gente que chega a preferir uma explosão nuclear da Coréia do Norte. Aliás, a do Irã sim, poderia ser mais fria do que o ar do Rio da Prata. Pra fugir do calor, a regra é sair correndo e procurar abrigo num local com ventilação ou ar condicionado. Mas também não precisa romper com a cidade e se mandar pra Mar del Plata ou Santa Catarina. Dançar tango, nem pensar e muito menos, se conformar com o suor!

 

Quantos obstáculos, quanta mão-de-obra, quantos delírios por conta de um clima abafado!

 

Reclamar ou ter idéia superficial não adianta, mas existe uma saída honrosa: agendar um tempo qualquer na Confeitaria London, na esquina da famosa Avenida de Mayo e Rua Peru. O interesse em visitar o lugar, não é só por causa da relação pessoa x sensação térmica, é também compartilhar a confeitaria com o escritor Julio Cortázar (1914-1984), que chegou, sentou e escreveu partes da obra-prima, Os Prêmios. A confeitaria não esconde essa façanha e anuncia nas vitrines através de fotos e cartazes, esperando que ao ocupar suas mesas, o sentimento do livro aconteça em cada um dos leitores.

 

Paulatinamente, a alma do filho ilustre belga/argentino poderia chegar, mas o público sentado conversa, e, a rede que vai tecendo atrapalha qualquer processo de integração do ser humano com Cortázar.

 

Lá vem novamente o garçom, gentil com estrangeiros e peça fundamental para o sucesso da confeitaria. Ele atende e, ao mesmo tempo, atrapalha a possibilidade de contato com o escritor. Se pelo menos a mesa fosse redonda, já ajudaria, mas quadrada...

 

Manhã perdida. Chega o meio-dia e nada, nem rumores do autor argentino. O negócio é voltar à noite com um bandoñon e esperar aquele que abandonou o seu lugar preferido.

 

E assim, a visita aconteceu com excesso de tentativas de diálogo. Da mesa da Confeitaria London, fomos especialmente às nuvens, sonhar com o gênio que repousa em Paris, e nós, sem sucesso na investida, voltamos ao calor da rua e da vida real, decepcionados com o método fraco da abordagem.

 

Questiona-se agora, se caso Cortázar tivesse aparecido para passar o recado (a técnica usada ninguém teria como descobrir), o calor da emoção que iria provocar seria bem maior do que a gravidez atômica da Coréia e do Irã juntos.

 

Edmilson Vieira é artista plástico e cronista [email protected]

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa

Você pode postar agora e se cadastrar mais tarde. Se você tem uma conta, faça o login para postar com sua conta.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emojis são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.

×
×
  • Criar Novo...