Troca de informações e relatos de trilhas e travessias na região sudeste do Brasil. Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo.
#846983 por Vgn Vagner
04 Jun 2013, 11:44
Usina do rio Itatinga

Um pouco de história
A Usina Hidrelétrica Itatinga, que fica localizada nos limites de Mogi das Cruzes e Bertioga-SP, capta as águas do Rio Itatinga através da barragem e mantem nos dias de hoje um funcionamento centenário gerando 15.000 kilowatts diários de energia elétrica para a baixada santista desde sua inauguração, em 10/10/1910. Data esta em que os ingleses terminaram suas obras iniciadas em 1902.
A Companhia Docas do Estado de São Paulo (CODESP), é quem está responsável por toda operação do sistema que envolve a usina, restringindo qualquer acesso às imediações, incluindo a linha férrea funicular que desce até a Vila em Bertioga.

Relato

Com antecedência próxima de um mês, já programavamos entre nobres guerreiros que, possivelmente aceitariam o convite oferecendo boa companhia aos integrantes do grupo, que totalizou 7 desde o início da prosa. Chegada a noite de véspera, chovia horrores pondo nossas pretenções à risco de cancelamento.
Numa noite mal dormida, às 04:00am acordei com o forte barulho castigando o telhado, mais como grande teimoso e perrengueiro que sou, não desitiria assim tão fácil, e na hora prevista acordei pra me preparar para o itinerário. O engraçado foi que, o primeiro pensamento que me veio na mente foi o trecho de uma música do grupo São Nunca (Rap)...

Já tô com o plano elaborado, eu e mais dois soldados
treinados pro combate, nada pode dar errado,
era um dia nublado e o vento já previa: sucumbiria aquele que não fosse preparado
só com a cara e a coragem, e poucos do meu lado,
isso gera uma escolha: controle ou seja controlado/
e não manipulo a receita, por isso fui descoberto,
mais não me rendo, por que semore acreditei no certo...

Na hora de abrir a porta de casa e partir rumo ao desconhecido por esses caçadores de aventura, passei a entender melhor o porquê do pensamento que veio a coincidir mais tarde. Começavam a chegar messagens de abortagem da missão (cada q ual com seu motivo), e já no ponto de encontro o grupo se resumia a três (eu e mais dois soldados...). Abimael, Diego e Eu.
O feriado prolongado e chuvoso de Corpus Christis, em 30/5/2013, não animou muitos a descer a Rod. Dom Paulo Rolim Loireiro, SP-98, e isso fez com que chegassemos fácil à "balança" e ouvir uma história triste, contada por Sr. João por trás do balcão enquanto meus comparças mantinham o tradição do café com leite antes de trilhar.

História triste

Em um passado não muito distante, ali mesmo naquele ponto de partida de muitas pernadas de trilheiros, caçadores e palmiteiros, chegava em uma Brasilia branca (sim, aquela que está lá até hoje), um morador de Biritiba-Mirim, onde vivia sozinho, sem parentes e sem ninguém.
Mal se sabe o que ia na cabeça daquele jovem homem, aparentanto seus 45 anos e cheio de prosa a compartilhar com os moradores que o recepcionaram no barzinho local. Conversas iam e vinham, enquanto pouco consumo se tinha no balcão. De repente, como de costume de muitos que deixam seus carros ali e partem, esse homem seguiu rumo à mata pra supostamente, retornar em breve. Mais não foi assim. No cair da tarde, comecinho de noite, os moradores já fechariam seus estabelecimentos e perceberam que o dono da Brasilia branca ainda não tinha voltado. O carro estava destravado e a chave no contato.
Na manhã seguinte o veículo permanecia no mesmo lugar, sem sinal de retorno de quem o deixara ali. Passaram 1, 2, 3, 4 dias e nada dele aparecer. Mais no quinto dia chega a notícia de que o homem que saiu sem despedidas, fora encontrado, pendurado com uma corda estrangulando seu pescoço sobre o rio Biritiba. Como esse homem não tinha parentes próximos, o carro permaneceu ali, pra depois ser furtado os componentes de mais importância, restando somente pouco mais que a carroceria a ser corroida pela ferrugem.

Continuando...

Partimos pro asfalto, e em pouco tempo ganhamos a mata como cenário para ad próximas horas. As infos que tinhamos eram: o ponto cardeal entre leste e sul como objetivo.
A caminhada se tem numa larga estrada que serviu como via de transporte da empresa que ali, na fazenda local realizava extrações. Logo depois de suave, quase imperceptível subida, deixamos de andar na notável estradam, pra adentrar, já em seu "final" a trilha que se mostra em direção sudeste, nosso destino. Sem maiores, agora em caminho estreito seguimos tranquilos até chegarmos na caixa d'água, onde fizemos nossa pausa, regada a lanches e Ovomaltine quentinho pra aquecer nossa fria manhã. Batizei o lugar com um simples, o "Paraiso dos Pinheiros", por que se trata de um vasto bosque de pinheiros, com o chão forrado por fios avermelhados que caem de suas copas, deixando a trilha fofa e colorada.
Logo que saimos dali, surgiu água como obstáculo, que sobressaimos por duas árvores tombadas de uma margem à outra, com altura não muito baixa, bem escorregadias e com pregos cravados facilitando a aderência. São 4 desses obstáculo a vencer no decorrer da trilha, um deles com estrutura condenada, mais foi fácil passar.
Um novo cenário aparece, e esse eu batizei de "paraiso dos cipós", pois são muitas as árvores de tamanhos diferentes deixando cair até tocar o solo, seus vários e vários cipós que se assemelhando aos Dread Locks da cultura Rastafari (imaginem árvores com Dread...rsrs). Não demora muita pra aparecer o "paraiso das Bromélias", com o chão repleto delas, serpenteando o trajeto final da trilha plana. Um barranco bem inclinado é o trecho final, vencido em uns 5 ou 10 minutinhos mais ou menos, ele já nos deixa bem na "cara do gol".
Abimael, se equilibrando sobre a mureta que retém a água do Itatinga, deixando transbordar uns 7 ou 10cm d'água na barragem. Foi o primeiro a atravessar. Do outro lado fica a casinha dos funcionários que vigiam a usina, e foi bem na minha vez que um deles apareceu. Na maior cara de pau, eu perguntei se poderiamos permanecer ali, tirar umas fotos e conhecer mais o local (eu sabia que não), ele disse que não era possível, que se o encarregado dele pegasse poderia lhe dar "justa causa", que semana passada tiveram problemas com visitantes, coisa e tal. Mais o convenci a nos deixar por pouco tempo registrar o lugar, ele só disse pra não descermos até a Garganta do gigante, o nosso objetivo.
Teimosos como somos, descemos até o topo da cachu pra admirar o visual fantástico que se tem com o litoral de Bertioga ao fundo, montanhas emoldurando as laterais formando o vale que desce o rio depois de despencar do penhasco que estavamos e seguir seu sinuoso trajeto.
Uma hora e meia vivendo o espetáculo, lá da janela casinha faziam sinal pra que voltassemos. Saímos em retirada, pois da baixada subiam muitas núvens em velocidade rápida ameaçando chover. Demos uma explorada nos arredores procurando por uma outra vista da cachu e também a descida da linha férrea, quando olhavamos uma passagem d'água pela tubulação da usina, logo atrás de nós vhinha lucas. Entendemos o recado e partimos.
Pé pra volta, o nevoeiro nos alcançou já nos primeiros passos na piramba. Escureceu como se fosse perto das 18:30h, mais não trouxe confusão sobre qual direção tomar, e a neblina ainda foi gentil, nos permitindo enxergar uns 10mts a frente e acompanhando todo nosso percurso. Estava presente também, na pausa que demos na caixa d'água pro chocolate quente da tarde e merecido descanço de 40 minutos.
Particularmente, fechei com chave de ouro, me impressionei quando passamos pelo bosque de pinheiros e vi, a neblina baixando pra beijar o solo avermelhado e as árvores subindo e sumindo no nevoeiro como se não tivessem fim. Difícil explicar, só vivendo a cena pra saber.
Na saída da mata tivemos nossa última pausa, onde comemos maçã, descansamos e findamos nosso rolê 20 minutos depois seguindo rumo ao km77. Dali foi mais um café c/ leite, Sr. João perguntar sobre o passeio, trocamos de roupas e partimos pro leste. Zona Leste.

obs.: essa trilha deixou um gostinho de quero mais. Então em breve, quem sabe não subiremos o Itatinga pra chegar à base da Garganta, que deve ter um visu de tirar o folego.

Abraço!!!
Anexos
SAM_0297.JPG
o que restou da Brasilia (história triste...)
uploadfromtaptalk1370346283188.jpg
uploadfromtaptalk1370346283188.jpg (25.26 KiB) Exibido 2323 vezes
uploadfromtaptalk1370346255988.jpg
uploadfromtaptalk1370346255988.jpg (36.74 KiB) Exibido 2323 vezes
uploadfromtaptalk1370346232282.jpg
uploadfromtaptalk1370346207646.jpg
uploadfromtaptalk1370346207646.jpg (26.41 KiB) Exibido 2323 vezes
uploadfromtaptalk1370346185730.jpg
uploadfromtaptalk1370346185730.jpg (34.17 KiB) Exibido 2323 vezes
uploadfromtaptalk1370346148827.jpg
uploadfromtaptalk1370346148827.jpg (36.11 KiB) Exibido 2323 vezes
uploadfromtaptalk1370346125680.jpg
uploadfromtaptalk1370346125680.jpg (28.31 KiB) Exibido 2323 vezes
uploadfromtaptalk1370346087757.jpg
uploadfromtaptalk1370346087757.jpg (28.04 KiB) Exibido 2323 vezes
uploadfromtaptalk1370346061193.jpg
uploadfromtaptalk1370346032606.jpg
uploadfromtaptalk1370346032606.jpg (27.54 KiB) Exibido 2323 vezes
uploadfromtaptalk1370346005230.jpg
uploadfromtaptalk1370346005230.jpg (37.73 KiB) Exibido 2323 vezes
uploadfromtaptalk1370345978114.jpg
uploadfromtaptalk1370345978114.jpg (31.61 KiB) Exibido 2323 vezes
uploadfromtaptalk1370345956806.jpg
uploadfromtaptalk1370345956806.jpg (37.33 KiB) Exibido 2323 vezes
uploadfromtaptalk1370345899267.jpg
uploadfromtaptalk1370345899267.jpg (34.73 KiB) Exibido 2323 vezes
uploadfromtaptalk1370345862746.jpg
uploadfromtaptalk1370345862746.jpg (35.65 KiB) Exibido 2323 vezes
uploadfromtaptalk1370345839120.jpg
uploadfromtaptalk1370345839120.jpg (45.89 KiB) Exibido 2323 vezes
uploadfromtaptalk1370345809206.jpg
uploadfromtaptalk1370345809206.jpg (39.92 KiB) Exibido 2323 vezes
Editado pela última vez por Vgn Vagner em 20 Set 2013, 07:53, em um total de 4 vezes.

#847812 por Jorge Soto
06 Jun 2013, 10:11
Vagner (Mesin) escreveu:
obs.: essa trilha deixou um gostinho de quero mais. Então em breve, quem sabe não subiremos o Itatinga pra chegar à base da Garganta, que deve ter um visu de tirar o folego.
Abraço!!!



fio, não há mais o q subir da Garganta...vcs já tão nele ai na Usina. Subindo o rio não tem mais nada a não ser a horizontalidade do planalto. Apenas num gde afluente do Itatinga, o Rio Claro, q tem outra gde cachoeira..nada mais. Mas se for meter as caras pra essas bandas va preparado pra pernoite. E pra se perder tb, pois ta longe de qq estrada q possa servir de fuga.
#847991 por Vgn Vagner
06 Jun 2013, 18:49
Jorge Soto escreveu:
Vagner (Mesin) escreveu:
obs.: essa trilha deixou um gostinho de quero mais. Então em breve, quem sabe não subiremos o Itatinga pra chegar à base da Garganta, que deve ter um visu de tirar o folego.
Abraço!!!



fio, não há mais o q subir da Garganta...vcs já tão nele ai na Usina. Subindo o rio não tem mais nada a não ser a horizontalidade do planalto. Apenas num gde afluente do Itatinga, o Rio Claro, q tem outra gde cachoeira..nada mais. Mas se for meter as caras pra essas bandas va preparado pra pernoite. E pra se perder tb, pois ta longe de qq estrada q possa servir de fuga.



Sim Soto, eu li o seu relato sobre a subida do Rio Itatinga, e tenho +ou- a idéia do que vc quer dizer (foi punk...rs)
Me expressei mau... Quando falo de "subir" Ele, quis diser de meter as caras piramba abaixo, ou talvez descer o Itapanhaú e subir o Itatinga. Temos (com pernoite), várias opções pra um bom perrengue, né?? rsrs :grin:

*a intenção é chegar na base
#847995 por Vgn Vagner
06 Jun 2013, 19:00
dnsoli escreveu:Olá Vagner.

Muito bom seu relato!
Gostaria que vc me respondesse uma umas coisas.

Quanto tempo vc levou para descer a trilha ?

Ela é bem demarcada e fácil de seguir ?


Obrigado.
E aguardo o próximo relato. ::cool::


Blz Dnsoli???
foram 2h de trilha na ida e 2h de volta relativamente fácil, é só se manter na principal e um pouco de atenção no jardim de bromélias, que pode confundir um pouco por parecer desviar em picadas entre elas.:grin:
Editado pela última vez por Vgn Vagner em 19 Set 2013, 06:01, em um total de 1 vez.
#848014 por Renato37
06 Jun 2013, 20:01
Vagner (Mesin) escreveu:
Jorge Soto escreveu:
Vagner (Mesin) escreveu:
obs.: essa trilha deixou um gostinho de quero mais. Então em breve, quem sabe não subiremos o Itatinga pra chegar à base da Garganta, que deve ter um visu de tirar o folego.
Abraço!!!



fio, não há mais o q subir da Garganta...vcs já tão nele ai na Usina. Subindo o rio não tem mais nada a não ser a horizontalidade do planalto. Apenas num gde afluente do Itatinga, o Rio Claro, q tem outra gde cachoeira..nada mais. Mas se for meter as caras pra essas bandas va preparado pra pernoite. E pra se perder tb, pois ta longe de qq estrada q possa servir de fuga.


Sim Soto, eu li o seu relato sobre a subida do Rio Itatinga, e tenho +ou- a idéia do que vc quer dizer (foi punk...rs)
Me expressei mau... Quando falo de "subir" Ele, quis diser de meter as caras piramba abaixo, ou talvez descer o Itapanhaú e subir o Itatinga. Temos (com pernoite), várias opções pra um bom perrengue, né?? rsrs :grin:

*a intenção é chegar na base


É bom estudar bem o esquema, pois lá embaixo há a vila de Itatinga (proximo ao rio, que se não me engano, se junto ao Rio Itapanhaú....) que necessita de autorização para passar por ali....Uma opção é a travessia Itapanhau - Itatinga por cima mesmo, entrando pela trilha da cachu do elefante pelo km 81, seguindo até o rio, depois pegando a trilha até o Mirante.....de lá, seguir por cima até cair no vale do Itatinga....mas ai é preciso ter uma carta topografica, bussola e senso de direção, mesmo se a idéia for descer pelo Itapanhaú e subir pelo Itatinga (ou só descer até a base do rio Itatinga). Em 2004 eu e um amigo já tentamos fazer a travessia Itapanhaú - Itatinga, mas por cima. Porém, acabamos caindo em um trecho com uns desfiladeiros nervosos. E ai para não ter que voltar, mas saindo fora dos desfiladeiros (pois estavamo seguindo pela crista do topo da serra), colocamos a bussola sentido planalto e ai acabamos caindo na trilha que vcs passaram para ir na cachu Itatinga, após mais de 3 horas de vara-mato pelo planalto, dai como já estava tarde, abortamos e voltamos para a balança aproveitando a trilha....

Agora que já existe uma trilha de interligação (que antes eu nem sabia que tinha), abortamos a travessia Itapanhaú - Itatinga e resolvemos fazer Casa Grande - Itapanhaú com um pernoite. Entramos por casa grande e cairmos na Mogi-bertioga, bem naquela curva onde a rodovia passa pelo Rio Guacá....detalhe: Travessia toda feita por trilha e passando por 2 cachus....pena que na epoca eu nem tinha maquina digital....

Casa grande foi inclusive, palco de outras 2 travessias que fiz partindo dali...uma descendo até Boracéia, onde caimos no final de um condominio fechado e outra para Guaratuba, ambas no litoral norte de SP em 3 dias e 2 noites. A de Guaratuba foi mais tensa pois encaramos 1 dia inteiro de descida de serra sem trilha alguma, e depois, andando pelo leito de um rio até cairmos em uma cabana de caçador abandonada, onde havia clareiras e pudemos acampar pela segunda noite...e no ultimo dia, seguimos por trilha, mas cairmos em um trecho de manguesal nervoso onde avançar ali foi mais dificil do que varar mato por conta do mangue que vc afundava a perna até proximo do joelho, parecendo areia movediça pura . . .
#848047 por Vgn Vagner
06 Jun 2013, 21:51
Renato37 escreveu:
Vagner (Mesin) escreveu:
Jorge Soto escreveu:[quote="Vagner (Mesin)"]

obs.: essa trilha deixou um gostinho de quero mais. Então em breve, quem sabe não subiremos o Itatinga pra chegar à base da Garganta, que deve ter um visu de tirar o folego.
Abraço!!!



fio, não há mais o q subir da Garganta...vcs já tão nele ai na Usina. Subindo o rio não tem mais nada a não ser a horizontalidade do planalto. Apenas num gde afluente do Itatinga, o Rio Claro, q tem outra gde cachoeira..nada mais. Mas se for meter as caras pra essas bandas va preparado pra pernoite. E pra se perder tb, pois ta longe de qq estrada q possa servir de fuga.


Sim Soto, eu li o seu relato sobre a subida do Rio Itatinga, e tenho +ou- a idéia do que vc quer dizer (foi punk...rs)
Me expressei mau... Quando falo de "subir" Ele, quis diser de meter as caras piramba abaixo, ou talvez descer o Itapanhaú e subir o Itatinga. Temos (com pernoite), várias opções pra um bom perrengue, né?? rsrs :grin:

*a intenção é chegar na base


É bom estudar bem o esquema, pois lá embaixo há a vila de Itatinga (proximo ao rio, que se não me engano, se junto ao Rio Itapanhaú....) que necessita de autorização para passar por ali....Uma opção é a travessia Itapanhau - Itatinga por cima mesmo, entrando pela trilha da cachu do elefante pelo km 81, seguindo até o rio, depois pegando a trilha até o Mirante.....de lá, seguir por cima até cair no vale do Itatinga....mas ai é preciso ter uma carta topografica, bussola e senso de direção, mesmo se a idéia for descer pelo Itapanhaú e subir pelo Itatinga (ou só descer até a base do rio Itatinga). Em 2004 eu e um amigo já tentamos fazer a travessia Itapanhaú - Itatinga, mas por cima. Porém, acabamos caindo em um trecho com uns desfiladeiros nervosos. E ai para não ter que voltar, mas saindo fora dos desfiladeiros (pois estavamo seguindo pela crista do topo da serra), colocamos a bussola sentido planalto e ai acabamos caindo na trilha que vcs passaram para ir na cachu Itatinga, após mais de 3 horas de vara-mato pelo planalto, dai como já estava tarde, abortamos e voltamos para a balança aproveitando a trilha....

Agora que já existe uma trilha de interligação (que antes eu nem sabia que tinha), abortamos a travessia Itapanhaú - Itatinga e resolvemos fazer Casa Grande - Itapanhaú com um pernoite. Entramos por casa grande e cairmos na Mogi-bertioga, bem naquela curva onde a rodovia passa pelo Rio Guacá....detalhe: Travessia toda feita por trilha e passando por 2 cachus....pena que na epoca eu nem tinha maquina digital....

Casa grande foi inclusive, palco de outras 2 travessias que fiz partindo dali...uma descendo até Boracéia, onde caimos no final de um condominio fechado e outra para Guaratuba, ambas no litoral norte de SP em 3 dias e 2 noites. A de Guaratuba foi mais tensa pois encaramos 1 dia inteiro de descida de serra sem trilha alguma, e depois, andando pelo leito de um rio até cairmos em uma cabana de caçador abandonada, onde havia clareiras e pudemos acampar pela segunda noite...e no ultimo dia, seguimos por trilha, mas cairmos em um trecho de manguesal nervoso onde avançar ali foi mais dificil do que varar mato por conta do mangue que vc afundava a perna até proximo do joelho, parecendo areia movediça pura . . .[/quote]

Sim Renato, é necessário autorização. Telefonei pra CODESP esses dias, eles só autorizam com guia.

obs.: as trilhas por lá estão suspensas por EPIDEMIA DE MALÁRIA.

Pretendo descer a trilha Itapanhaú e varar-mato até o vale do Itatinga, pra chegar na base da cachu.
#976412 por Wesley M@rley
03 Jul 2014, 17:11
Bom no ultimo dia 29/06/2014, eu mais uns colegas fomos atraz da cachoeira gargante do gigante, porem quando chegamos na parte do tronco com pregos um pouco mais a frente não conseguimos continuar pois não tinha mais trilha....
gostaria de saber se alguém pode nos ajudar pois 06/07/2014 irrremos volta pois queremos encontra de qualquer jeito...
#976470 por Vgn Vagner
03 Jul 2014, 19:28
Bom...

Wesley, já fez um ano que estive por lá, e na época a trilha estava bem visível (diga-se de passagem). É lógico que com esse tempo todo o mato deve ter crescido bastante rs.

Vocês tentaram ir um pouco além? Talvez em um pouco de vara-mato vcs encontrariam a continuação da trilha. Pois pelo que lembro, depois da ponte com pregos tem uma "bifurcação", e é só seguir pela principal > a do meio.

Obs.: talvez, quando vcs chegarem perto do Paraiso das Bromélias a mata tbm esteja grande. Mantenha a visão sempre a frente, que vc vai ver uma brecha entre as árvores que já mostra a Usina e parte do rio.

Boa sorte man.
#976473 por Vgn Vagner
03 Jul 2014, 19:36
Bom...

Wesley, já fez um ano que estive por lá, e na época a trilha estava bem visível (diga-se de passagem). É lógico que com esse tempo todo o mato deve ter crescido bastante rs.

Vocês tentaram ir um pouco além? Talvez em um pouco de vara-mato vcs encontrariam a continuação da trilha. Pois pelo que lembro, a trilha segue colada depois da ponte com pregos, e tbm tem uma "trifurcação", que é só seguir pela principal = A DO MEIO, e depois é só tocar o bonde.

Obs.: talvez, quando vcs chegarem perto do Paraiso das Bromélias a mata tbm esteja grande. Mantenha a visão alta (cabeça erguida) sempre a frente, que vc vai ver uma brecha entre as árvores que já te mostra a Usina e parte do rio.

Boa sorte man.

Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 0 visitantes