Ir para conteúdo

Pesquisar na Comunidade

Mostrando resultados para as tags ''desertosaara''.



Mais opções de pesquisa

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Mochileiros.com

  • Perguntas e Respostas
    • Perguntas e Respostas
    • Destinos - Perguntas e Respostas
  • Relatos de Viagem
    • Relatos de Viagem
  • Companhia para Viajar
  • Equipamentos
  • Trilhas e Travessias
  • Nomadismo e Mochilão roots
  • Outras Formas de Viajar
  • Outros Fóruns

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


Sobre mim


Ocupação


Próximo Destino

Encontrado 1 registro

  1. Chegar no aeroporto em Marrakesh já foi uma experiência em si. Fomos recebidos com uma temperatura de 37 graus, aquele tipo de calor seco que sugere que você não faça movimentos muito bruscos para não começar a suar logo de cara e que contenha a respiração que fica um pouco mais ofegante, como se de repente seu canal de respiração reduzisse em 1 centímetro. Quando se vive num país bem mais frio (que é o meu caso que moro na Nova Zelândia), este contraste de temperatura é impactante nos primeiros minutos. O táxi estava esperando por nós para nos levar ao nosso Riad, tipo de acomodação comum que parece um mini palácio no interior da medina, parte antiga de Marrocos. O lugar era lindo e muito bem decorado. Os táxis geralmente não têm permissão para entrar nas medinas, pois não há espaço suficiente nos becos para que os carros passem, então a recepcionista, uma jovem muçulmana marroquina, nos levou a pé, dando-nos a oportunidade de experimentar imediatamente as ruas estreitas, transportando você para o filme de Aladdin. A atmosfera é fora deste mundo e você sente que há cada esquina há um tesouro escondido. Chegando ao nosso alojamento, nos ofereceram biscoitos caseiros e chá de hortelã - a recepcionista disse que era uma tradição quando recebiam hóspedes em suas casas. Marrakesh é uma cidade movimentada, cosmopolita e barulhenta, com sua praça central sendo o ponto principal para negros africanos que vendem óculos de sol, artes e camisetas coloridas; homens oferecendo seus macacos com fraldas para tirar fotos; Árabes tocando flautas para cobras; carruagens de cavalos, bateristas, restaurantes, tendas de sucos, vendedores de chapéus de palha, vendedores de souveniers, tudo o que imaginar! Além disso, ao caminhar, de vez em quando você ouvia alguém sussurrando e oferecendo “Haxixe?”. Marroquinos são animados e estão sempre prontos para fazer piadas e negociar. Nosso tour contratado chamado surf e turf, incluía o deserto do Saara e surf na costa oeste e começou no dia seguinte, onde fomos pegos de Marrakech bem cedo e nos juntamos numa van com 13 outros viajantes, uma salada mista de nacionalidades: Canadá, Itália, Portugal, Espanha, Japão e nós (alemão e brasileiro). Seguimos para Ouarzazate, porta de entrada para o extremo sul, cruzando as montanhas do Alto Atlas. No caminho paramos para visitar o famoso Kasbah– a palavra Kasbahsignifica descrever a parte antiga de uma cidade – em Ait Benhaddou, classificada pela Unesco como patrimônio mundial, local para filmagem de grandes filmes como Games of Thrones, Múmia e o Gladiador. Aqui nós tivemos tempo para caminhar com o guia por aldeias pequenas com casas construídas com palha e lama que pareciam ter sido levantadas da sujeira. As montanhas do High Atlas há muito tempo abrigam algumas das aldeias mais remotas do norte da África e foi muito comum ver os Berbers, locais viajando em mulas para trocar mercadorias. Muitos dos mercadores ainda utilizam técnicas antigas em suas vendas. Continuamos em direção à nossa pousada viajando pelo oásis de Skoura, onde numerosos Kasbahs antigos se encontram entre as palmeiras, uma paisagem espetacular. A temperatura a noite foi bem mais agradável do que Marrakesh, o que nos deu a oportunidade de dormir melhor do que na noite anterior. Eu estava animada para o dia seguinte: o deserto do Saara esteve nos meus sonhos há muitos anos. De manhã cedo partimos para a pequena cidade chamada Merzouga, localizada no pé do Saara. Enquanto viajávamos pela estrada deserta cercada por montanhas áridas, planaltos, areia e planícies cobertas de cascalho, observava o painel do carro enquanto a leitura térmica subia lentamente. No momento em que chegamos ao hotel às 18:00, a temperatura estava em 45 graus! Nosso motorista, apesar de muito simpático, não falava muito sobre o próximos passos, então eu não sabia exatamente o que estava nos esperando. O grupo foi dividido em diferentes pontos ao longo da vila e o casal canadense e nós tivemos tempo para rapidamente mergulhar na piscina por 5 minutos, juntar escova de dentes e roupas extras para seguir para o nosso passeio de camelo sob o pôr do sol. Fui percebendo ao longo das duas horas de passeio de camelo que este não era tão confortável, então decidi caminhar nas dunas juntamente com o Berber local e naquele momento me senti uma pessoa abençoada por experimentar tudo aquilo. À noite, jantamos em nosso acampamento no deserto com os moradores locais tocando tambores e outros instrumentos e na manhã seguinte voltamos com os camelos, ainda escuro, iluminados apenas pela lua e pelas estrelas. Foi uma experiência mágica e surreal. Pegamos nossas mochilas e embarcamos em nosso ônibus, desta vez com um grupo menor, já que muitos de nossos colegas de viagem seguiriam para outras partes do Marrocos e nós partimos para uma longa viagem até Agadir, na costa oeste de Marrocos, para passar os últimos três dias relaxando, surfando e tendo uma verdadeira imersão no estilo de vida marroquino. Nossa acomodação no hostel foi numa surf house em que café da manhã, almoço e jantar foram preparados por marroquinos e tivemos a oportunidade de conhecer surfistas de muitos locais. Eu viajei para muitos países e poucos deles me deram esse sentimento de amor à primeira vista, desde o início até o fim. E o Marrocos é definitivamente um deles. A única coisa que posso dizer para finalizar é "Shukran (obrigada) Marrocos" pela excelente hospitalidade! Mary Rocha - Fundadora da NZEGA (www.nzega.com) Escritora do livro Big Blue - Saiba mais sobre o livro
×
×
  • Criar Novo...