Ir para conteúdo

Pesquisar na Comunidade

Mostrando resultados para as tags ''nossa senhora do desterro''.

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Fóruns

  • Faça perguntas
    • Perguntas Rápidas
    • Perguntas e Respostas & Roteiros
  • Envie e leia Relatos de Viagem
    • Relatos de Viagem
  • Encontre Companhia para Viajar
    • Companhia para Viajar
  • Serviços ao Viajante
    • Seguro Viagem
  • Encontre companhia, faça perguntas e relate experiências em Trilhas e Travessias
    • Trilhas e Travessias
  • Tire dúvidas e avalie Equipamentos
    • Equipamentos
  • Outros Fóruns
    • Demais Fóruns
    • Saúde do Viajante
    • Notícias e Eventos

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que contenham...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


Sobre mim


Ocupação


Próximo Destino

Encontrado 1 registro

  1. Resumo: Itinerário: De Sertãozinho a Águas da Prata Distância Aproximada Entre Origem e Destino pelo Mapa do Caminho da Fé: 254 km Distância Aproximada Percorrida Incluindo Passeios e Adicionais: 340 km Período: 31/01/2022 a 13/02/2022 (14 dias) Gasto Total: R$ 975,70 Gasto sem Transporte de Ida e Volta: R$ 865,70 - Média Diária: R$ 66,59 Ida: Viagem pelo BlaBlaCar de São Paulo a Ribeirão Preto por R$ 60,00, com Anderson Luiz dos Santos (excelente motorista). Volta: Viagem pelo BlaBlaCar de São João da Boa Vista a São Paulo por R$ 50,00, com Jéssica (excelente motorista). Paradas: 31/01-01/02: Sertãozinho 02/02: Dumont – Percorri o Caminho das 11h às 16h, cerca de 21 Km de progresso 03: Cravinhos - Percorri o Caminho das 8h30 às 16h30, cerca de 35 Km de progresso 04: São Simão - Percorri o Caminho das 8h30 às 15h, cerca de 30 Km de progresso 05: Santa Rosa do Viterbo - Percorri o Caminho das 8h30 às 14h, cerca de 26 Km de progresso 06-07: Tambaú: - Percorri o Caminho das 8h20 às 18h, cerca de 38 Km de progresso 08: Casa Branca - Percorri o Caminho das 9h30 às 16h, cerca de 30 Km de progresso 09: Vargem Grande do Sul - Percorri o Caminho das 10h30 às 16h30, cerca de 30 Km de progresso 10: São Roque da Fartura - Percorri o Caminho das 9h às 15h, cerca de 25 Km de progresso 11-12: Águas da Prata - Percorri o Caminho das 9h30 às 15h30, cerca de 19 Km de progresso 13/02: São Paulo Considerações Gerais Não pretendo aqui fazer um relato detalhado, mas apenas descrever a viagem com as informações que considerar mais relevantes para quem pretende fazer um roteiro semelhante, principalmente o trajeto, preços, acomodações, atrações no caminho e informações adicionais que eu achar importantes. Sobre os locais a visitar, só vou citar os de que mais gostei ou que estiverem fora dos roteiros tradicionais ou ao longo do caminho. Os outros pode-se ver facilmente nos roteiros disponíveis na internet. Os meus itens preferidos geralmente relacionam-se à Natureza e à Espiritualidade. Informações Gerais: Pode-se encontrar informações detalhadas sobre o Caminho da Fé em https://caminhodafe.com.br, incluindo mapas, hospedagens conveniadas, ramais, cidades e muitas outras. Em boa parte da viagem houve bastante sol e pancadas de chuva, geralmente no fim do dia. Dia com chuva prolongada foi só um. Houve poucos raios. A chuva, quando me pegou nas estradas, geralmente foi leve e breve. Chuva moderada e mais longa no meio da caminhada ocorreu somente uma vez, na última etapa. As temperaturas estiveram bem razoáveis (para um paulistano), variando de 18 C a 30 C. A sensação térmica às vezes era mais baixa por causa da chuva ou mais alta por causa do asfalto ou da terra ou da areia. A sinalização do Caminho pareceu-me muito boa, com raríssimas exceções (na realidade, só em duas ocasiões eu achei que foi falha). Nas áreas urbanas era bem detalhada. Nas áreas rurais era mais escassa, mas nos pontos relevantes estava presente. Em alguns trechos, a vegetação a encobria e em outros, algum evento como batidas, ventos etc devem ter alterado levemente a direção das placas. Mas nestas ocasiões, analisando o caminho e o mais provável, dava para imaginar por onde ir. Viajei de máscara o tempo todo. Em alguns momentos, principalmente em dias muito quentes ou em subidas, foi um pouco incômodo. Quase ninguém usava máscara nem nas áreas rurais nem nas cidades, ao não ser em alguns estabelecimentos abertos ao público, dependendo da cidade e do estabelecimento. Acho que alguns estranharam o fato de eu estar de máscara. A vegetação, as paisagens rurais, os mirantes, as montanhas, os lagos, os rios, as construções históricas e típicas, as igrejas, os monumentos religiosos e os pequenos altares ou santuários agradaram-me muito . Vi alguns animais silvestres no caminho, sendo muitos pássaros (tucanos, corujas, tuiuiús, amarelos, verdes, pretos, azuis, marrons etc), um tamanduá, acho que um gambá, macaquinhos etc. Acho que ouvi esturros de onças num trecho de mata. Acostumado a fazer caminhas em praias, resolvi tentar fazer o Caminho de chinelo. Até que por um lado foi interessante, pois foi muito mais fácil lidar com a chuva e o barro. Mas por outro lado, devido a ter optado por andar descalço no início por longos trechos, creio que me gerou bolhas na planta dos pés, que acabaram incomodando um pouco e reduzindo a velocidade. Havia bastante trechos com plantações, que foi variando de tipo ao longo do caminho. Começando por cana-de-açúcar, passando por eucalipto, laranja, amendoim, milho etc. Houve também vários trechos com pastos, a maior parte para criação de gado, mas ouvi som de ovelhas ou cabras também. Houve alguns trechos com área industrial e alguns outros com mata. No fim, houve um trecho com montanhas. A população de uma maneira geral foi cordial e gentil. Só não fui muito bem tratado numa pousada em Santa Rosa do Viterbo, mas nada absurdo, apenas destoou das outras. Foi impressionante a generosidade dos donos de algumas acomodações e comerciantes, sendo que vários me tratavam como se fosse da família . Procurei ser o mais educado possível e não abusar da hospitalidade. A caminhada no geral foi tranquila. Os maiores problemas foram alguns cachorros que pareceram não gostar muito da minha passagem. Mas nenhum deles me atacou, só latiram, correram atrás e rosnaram, mostrando os dentes. Não tive nenhum problema de segurança (nenhuma abordagem indesejada) no caminho nem nas cidades. Quase todos aceitaram cartão de crédito, mas preferi pagar as acomodações familiares em dinheiro, para não gerar taxas para elas. Pousadas, hotéis, supermercados e padarias procurei pagar com cartão de crédito. Meus gastos foram R$ 81,70 com alimentação, R$ 764,00 com hospedagem, R$ 110,00 com as passagens de ida e volta pelo Blablacar (https://www.blablacar.com.br) e R$ 20,00 com a credencial (não teria sido necessária, mas quis incentivar os organizadores do Caminho). Mas considere que eu sou bem econômico. A Viagem: Minha viagem foi de SP (Posto de Gasolina na Vila Prudente) a Ribeirão Preto na 2.a feira 31/01/2022 através do BlaBlaCar. Caminhei até o ponto de encontro. Estava uma chuva leve. Cheguei pouco antes da hora combinada. O motorista Anderson Luiz dos Santos já me esperava. Pareceu ser um excelente motorista e bastante culto. Saímos cerca de 8h50, pegamos o outro passageiro, Rian, na Rodoviária do Tietê, pegamos uma encomenda no caminho e fomos. A outra passageira desistiu em cima da hora. Por incrível que pareça, mesmo com chuva, o trânsito em São Paulo estava bom. A viagem foi tranquila e chegamos perto de 13h30. Ele me deixou na mini rodoviária de Ribeirão Preto. De lá fui a pé para Sertãozinho. Até perguntei para o caminhão para quem Anderson entregou a encomenda se iria para Sertãozinho, mas iriam para Fernandópolis. Foram cerca de 25 km. Não fazia parte do Caminho, mas eu quis entrar no clima. Perdi-me um pouco na cidade e cheguei no início da estrada que ia para Sertãozinho perto de 15h30. A paisagem na estrada pareceu-me bela. Em parte fui por vias laterais e em parte fui pelo acostamento. Havia plantações de cana ao longo do caminho, instalações da USP e a terra era bem vermelha. Vi uma coruja. Houve chuva leve durante pouco tempo, mas nada que incomodasse. Nem tirei a capa de dentro da mochila. Quase na chegada, perto de um acesso vindo de outra estrada, onde quase não havia acostamento, pulei rapidamente a grade para a grama, pois um caminhão vinha pelo acesso. Não quis que passasse tão perto de mim. Neste evento bati o joelho e fiz um pequenino furo na calça, na altura do joelho. Já perto do acesso, perguntei a um homem que praticava corrida e ele me indicou o acesso. As pessoas a quem perguntei neste trajeto foram bastante gentis ao darem informações. Logo na entrada, fui contemplado com este altar para Nossa Senhora, em que um homem fazia sua prece. Pedi autorização para incluí-lo na foto e ele concordou. Logo depois encontrei o pórtico. Fui em direção ao Hotel Agapito, que era credenciado pela peregrinação e ficava logo na entrada. Pareceu-me bom e com preço razoável (R$ 59,00 com café da manhã), mas eu achei que numa cidade deste tamanho, poderia haver alguma acomodação mais barata perto da rodoviária. Falei para a atendente que iria dar uma volta por lá e, conforme fosse, voltaria. Fui e encontrei dois hotéis com quartos simples por R$ 40,00 por dia, com café da manhã e banheiro interno. Resolvi ficar num deles (o outro tinha acabado de ficar lotado). Fiquei no Hotel Zati’s (https://www.facebook.com/ZatisHotel). Paguei com cartão de crédito. Fui bem atendido, mas a estrutura dos quartos simples era um pouco precária. Fiquei no 4.o andar e não havia elevador. Era o último andar e, devido à chuva, havia uma goteira ao lado da cama. A pia estava pingando. Duas das 3 tomadas aparentemente não funcionavam, por isso não consegui ligar a TV. Apareceu uma barata na cômoda ao lado da cama. Mas o colchão, a roupa de cama e o chuveiro eram bons, o que era o principal. Devido à goteira, pedi para mudar no dia seguinte e concordaram prontamente. Saí para comprar o jantar no Supermercado Gricki (https://www.supermercadosgricki.com.br/). Neste momento a chuva engrossou e eu me molhei um pouco (não levei a capa). Era dia de promoção de hortifrúti e sou vegetariano. Ainda me cadastrei como “Fã Gricki”, o que me permitiu mais descontos. Jantei pão com tomate, beterraba, abobrinha, limão, laranja e banana. Na 3.a feira 01/02, o dia começou com o galo cantando de madrugada 🐓. Nada como o interior, mesmo estando no centro da cidade. Após tomar o razoável café da manhã (pão, margarina, muçarela, presunto, salsicha, biscoitos, bolo, sucos, leite e café), fui visitar a cidade. Houve chuva leve em parte do dia. Quando caiu uma pancada mais forte, estava no centro e me abriguei na marquise de uma loja. As pessoas a quem pedi informações foram muito gentis para dar informações. Achei a vista do Cristo e a partir dele espetaculares. Segue a foto dele com zoom, por isso meio embaçada (eu como fotógrafo morreria de fome 😄). E esta é a foto da cidade a partir dele. Gostei também bastante do Parque Linear, com muita área verde, rio e muitos pássaros. Havia uma pista em que se podia dar a volta no parque inteiro caminhando. Visitei o Museu, onde a atendente acompanhou-me explicando a história da cidade. Chamou-me atenção uma foto do início do século passado, com dois homens a cavalo na rua principal da cidade. Visitei também o Ginásio Docão, onde a equipe do Sertãozinho de hóquei sobre patins joga. Nas suas redondezas havia árvores com vários pássaros. Lembro-me quando era adolescente e jovem, dos jogos no fim da década de 1980, em que Luciano do Valle narrava as disputas do Sertãozinho pelos mundialitos. Atualmente funciona lá a Secretaria de Esportes. Os membros receberam-me muito bem e Edílson levou-me para conhecer o secretário, que havia sido jogador daquele time. Havia até uma foto do Datena, repórter esportivo naquela época, entrevistando-o. Edílson já havia feito o Caminho da Fé várias vezes e me deu bastante informações sobre o que poderia encontrar, pontos de atenção (locais de roubo de bicicletas), procedimentos para ajudar na caminhada (como usar cajado para afastar cachorros, tomar água ou isotônico) etc. Ele era professor de educação física. Visitei também o estádio onde o time de futebol profissional jogava. Não pude visitar o complexo do patinódromo porque estava em reforma. Na visita à estação ferroviária, um homem que passava explicou-me sobre sua história e como estava atualmente. Visitei também a catedral e o teatro, podendo entrar em ambos. Achei as praças muito bem cuidadas, arborizadas e espaçosas. No fim do dia voltei ao hotel e troquei de quarto para o 2.o andar. Não havia mais goteira nem os outros problemas, porém agora havia dois novos. Eu não conseguia trancar a porta e havia vazamento externo de água limpa na válvula da descarga. Nada que incomodasse muito. Jantei o mesmo que no dia anterior. Na 4.a feira 02/02 tomei o café da manhã, esperei a chuva passar e saí cerca de 9h30. Ao passar por um policial e perguntar se havia algum problema de segurança em áreas rurais daquela região, dizendo que eu iria fazer o Caminho da Fé, ele respondeu que não, e me pediu para rezar por ele quando chegasse a Aparecida. Saquei algum dinheiro, prevendo que nem todos poderiam aceitar cartão e que poderia ficar em zonas rurais distantes de bancos, passei no museu para agradecer a atendente pelas informações e elogiar a cidade, fui até o Hotel Agapito e comprei a credencial. Apesar de eu não ter ficado lá, atenderam-me muito bem, ofereceram-me até café da manhã gratuitamente, o que educadamente eu recusei. Aceitaram uma nota de R$ 50,00 para pagamento da credencial para trocar meu dinheiro, inclusive com 5 notas de R$ 2,00. Indicaram-me as setas de início do Caminho e eu comecei a segui-las. A sinalização urbana aqui estava muito boa e detalhada. Já no trecho rural ficou bem mais escassa (provavelmente devido á dificuldade de achar pontos fixos para colocar flechas no campo), mas nos pontos relevantes estava presente. Passei novamente pela entrada do parque onde ficava o Cristo, segui para a entrada da cidade, passei pelo pórtico e conversei com os atendentes do setor de informações turísticas, que estava fechado na 2.a feira quando cheguei, atravessei a estrada, passei por uma empresa e logo peguei uma estrada de terra. Não houve chuva significativa ao longo do dia, mas havia vários trechos com poças de água e muito barro. Como estava de chinelo, acabei andando descalço por longos trechos por achar mais fácil e por achar o chão macio, o que se mostrou depois não muito interessante, pois acabou gerando bolhas nas plantas dos pés dias depois. Não encontrei ninguém (ninguém mesmo) nas estradas rurais. No meio do caminho, deparei-me com algum tipo de oferenda num cruzamento. Havia várias garrafas de champagne ou vinho em círculo. Olhei e passei com respeito à crença de quem a fez. A foto da cidade vista de uma área um pouco mais elevada, ainda no começo da caminhada foi esta. O trecho teve belas paisagens, plantações e muitos canaviais. Esta é a foto de um deles. Houve muitos pássaros de diversos tipos, incluindo corujas ao longo do trecho. Havia também este altar, com a placa de 558 km restantes do Caminho da Fé. A vista da cidade de Dumont a partir da estrada, já perto de chegar era esta. E bem perto da entrada da cidade, esta caixa d’água mostrava como havia chovido. Chegando em Dumont consultei as pessoas e o Centro de Assistência Social sobre pousadas e me indicaram a Rancho Alegre City, da Patrícia, com quem já havia falado por whatsapp. Fui até lá e, por coincidência, a gerente Lilian estava chegando para arrumar a pousada para a noite. Conversei com ela, vi o bom quarto que custava R$ 75,00 com café da manhã e banheiro interno, e disse que iria tentar ligar para a Casa Veronezi, que era mais adiante no caminho e seria mais conveniente para mim, caso tivesse preço competitivo. Já tinha ligado quando estava sentado na praça, mas ninguém tinha atendido. Liguei na frente dela e uma criança atendeu. Chamou a avó e ela me disse que poderia me receber em sua casa. O preço era R$ 75,00 incluindo café da manhã e jantar ou R$ 60,00 só com café da manhã. Decidi ir para a Casa Veronezi. Agradeci a Lilian. Antes, visitei a Igreja (peguei a chave na secretaria), a Praça e o Museu de Santos Dumont, que havia morado numa fazenda naquela região. O museu tinha uma réplica (acho que em tamanho real) do 14 Bis. Que coragem voar naquilo 😮. Fui então para a Casa Veronezi (http://casaveronezi.com.br). Ela ficava no Caminho da Fé. O trecho também era muito belo, com paisagens rurais. As pessoas que encontrei no caminho deram as informações corretas, cordialmente. Ao chegar lá, uma fazenda com vários ambientes, indicaram-me onde ficava a casa que abrigava os peregrinos. Assim que cheguei, enquanto limpava os pés e chinelos na torneira, começou a garoar. Assim que entrei a chuva engrossou e caiu um temporal. Acho que tive muita sorte, pois aquele temporal na estrada de terra teria sido desastroso. Helena, uma linda mulher com aproximadamente 77 anos recebeu-me. Segue sua foto, autorizada por ela. Ela me atendeu muito bem, como se eu fizesse parte de sua família. Apresentou-me seu marido e seu cunhado que moravam com ela. Seus netos (acho que um dos quais havia me atendido) estavam divertindo-se no celular. Conversamos longamente e eu fiquei impressionado com a cultura geral dela. Suas opiniões pareceram-me embasadas cientificamente, sem cair na enorme boataria que existe em relação aos vários temas. E seu conhecimento era muito vasto. Ela disse que lia muito. Apresentou-me toda a casa, as obras de arte, os ambientes, o jardim e me falou do açougue anexo e do pesqueiro. Vi também o canavial, o galinheiro e o quintal, com suas árvores magníficas. Ela tinha também vários gatos e um cachorro maltês. Falou como havia diminuído o número de visitantes e eventos devido à pandemia. Contou-me também de seus filhos, engenheiro, empresário, veterinária e de seus netos, dos pequenos e da que já estava se formando em veterinária. Aliás, pela foto na parede aos 15 anos, achei que sua neta poderia ter sido Miss Brasil, se quisesse. Falou-me dos parentes que morreram de COVID, quando ainda não havia vacina, e devido a outras doenças. Tinham partido deste mundo vários membros da família desde o início da pandemia. Falou-me dos peregrinos dos mais variados tipos que acolheu, incluindo repórteres do Fantástico e da BBC e de outras pessoas cujo estilo de vida não conhecia, como um carioca, com fisionomia que me pareceu indiana, pelo que ela narrou, e que era vegano, e de um catarinense com tatuagens. Pareceu-me uma pessoa muito feliz. Mas comentou comigo que toda noite, ao dormir, dizia para Deus que estava pronta para partir, com as sandálias e o cajado. Achei interessante, mesmo com uma vida que me parecia tão boa, ela comentar isso. Mas talvez seja justamente por isso, para partir enquanto a vida é boa, sem sofrimento. Mais tarde chegou sua filha Viviane, tão simpática quanto a mãe, que era a mãe das duas crianças que lá estavam e atuava como veterinária. No entardecer, após a chuva parar, fui dar um passeio no quintal e depois meditei com vista para o pôr do sol e as árvores enormes. Tomei banho e fui jantar. Ela já havia jantado, mas ficou na mesa comigo conversando. Jantei pão com berinjela, beterraba, cenoura, cebola, limão e banana. Ofereceu-me azeite. Surpreendeu-se pelo fato de eu comer pão com tudo cru. Ainda deu para assistir parte do jogo entre Corinthians e Santos. Eu sou simpatizante do Santos. Seu cunhado também era. Quando Jô marcou o primeiro gol do Corinthians, ainda mais sendo em Itaquera, achamos que o Santos iria perder. Mas acabou virando e ganhando por 2x1, para nossa surpresa e satisfação. Na 5.a feira 03/02 pela manhã tomei o maravilhoso café da manhã oferecido pela Helena, com pamonha feita na hora, pães de queijo, pães, bisnaguinhas, requeijão, manteiga, frutas (ameixa, abacate, banana) e suco de graviola . Conversei bastante com Viviane durante o café da manhã. Ela me contou sobre sua vida profissional e dos seus filhos e marido. Falou que seu filho estava encantado com os jogos e falava que desejava ser gamer. Adorava o computador do sobrinho dela, engenheiro de computação, que era muito potente, justamente para executar os jogos. Depois, arrumei minha mochila, despedi-me de todos, agradeci muito por tudo e perguntei a Helena se poderia pagar a estadia com o cartão de crédito através do Pesqueiro, como ela disse no dia anterior. Mas era folga da moça que lá atende e o cunhado dela estava fazendo trabalhos na casa, então não seria possível. Ela me disse para ficar sem pagar. Como eu recusei, ela me disse para pagar só R$ 50,00 então. Mas eu paguei em dinheiro os R$ 60,00 conforme combinado, pois seria um absurdo não o fazer, depois do maravilhoso atendimento recebido. Em seguida, saí rumo a Cravinhos. Não houve chuva durante a caminhada. Houve muitos pássaros, borboletas e cachorros latindo, correndo atrás de mim, até ameaçando atacar, mas mantendo alguma distância, quando passei perto de uma casa em que havia 3 mulheres, as primeiras pessoas que eu encontrei nas estradas rurais. Esta é uma foto da paisagem encontrada, com plantações diferentes e participação especial não autorizada da voadora 😄. Eu voltei a andar descalço em trechos enlameados e que achei que tinham solo macio. Os canaviais também continuavam e ainda havia muitas poças na estrada. Mais à frente encontrei 2 trabalhadores rurais ao lado de um caminhão, que me falaram da distância até Bonfim Paulista, bairro de Ribeirão Preto, ponto intermediário da caminhada no dia. Pouco adiante, já perto da área urbana, em frente a uma indústria, saíram do mato atrás de mim 2 enormes cachorros pretos (pareciam rottweilers, mas eram totalmente pretos). Mas não latiram, não foram hostis, nem fizeram menção de ataque. Apenas um deles acompanhou-me por um pequeno trecho. Talvez com a proximidade de possíveis donos, eles tenham sido orientados a não atacar. Em Bonfim Paulista, após passar pela extensa avenida que ladeava uma espécie de parque, virei numa rua conforme indicado pelas setas num pequeno trecho urbano e daí em diante a sinalização desapareceu (ou eu não encontrei). Perguntei a algumas pessoas, mas nem todos sabiam o que era o Caminho da Fé. Num cruzamento logo à frente, em que havia uma estrada e várias ruas, havia este monumento, que fui admirar. Perguntei a algumas pessoas sobre o Caminho e elas não sabiam. Até que um prestador de serviços em um carro chamou-me e me disse para onde era o Caminho, pegando a rua que saía na estrada e indo em frente. Disse que lá na frente eu voltaria a ver as flechas, o que realmente ocorreu. Na saída de Bonfim Paulista achei interessantes estes troncos de árvores. Na parte final do caminho em direção a Cravinhos, o chão estava bastante seco. Houve bastante sol em alguns momentos perto do meio dia e à tarde, o que me fez tomar bastante água. Muitas borboletas apareceram. A paisagem mudou um pouco também, com trechos de mata. Cheguei na entrada de Cravinhos perto de 16h, mas ainda havia um longo trecho até o centro e a área de hospedagens. Mas caminhei por tudo seguindo as flechas, muito bem sinalizadas. Após entrar um pouco no bairro inicial, perguntei a um homem sobre a hospedagem mais barata da cidade e ele me disse que era no Posto Ipiranga. Pensei que fosse piada 😄, baseada na propaganda de TV. Mas aí ele me explicou que havia um hotel dentro do posto. Continuei seguindo o Caminho até a avenida central, onde havia a Igreja de Santa Luzia, que achei linda, e que tinha um pequeno monumento ao Caminho da Fé em frente e uma imagem de Jesus. Era uma igreja circular, iluminada com luz natural e com um interior que achei muito belo. De lá segui em frente e perguntei às pessoas sobre a pousada e elas confirmaram que a mais barata era no Posto Ipiranga mesmo. Fiquei um tempo conversando com dois homens na porta de um bar, sobre o Caminho, as dificuldades, distâncias, ocorrências de viagem etc. Um deles pediu para que eu rezasse por ele quando chegasse a Aparecida. Eles me indicaram o caminho para a pousada, eu fui e aí saí do Caminho. Andei cerca de meia hora para chegar lá, mas era um hotel e estava fechado. Disseram-me porém, que havia uma pousada associada, não muito longe, bastando atravessar a rodovia e pegar uma pequena rua. Fui lá e descobri a Pousada, que me pareceu boa. O preço era de R$ 70,00 a diária com café da manhã, maior do que o da Hospedaria Anhanguera, credenciada pelo Caminho. Agradeci, mas preferi ir até a Hospedaria Anhanguera (whatsapp +55 16 99419-5320). Ele gentilmente explicou-me o caminho até lá. Cruzei novamente a rodovia, pedi informações à frente e lá cheguei. Fiquei hospedado lá em quarto individual, com banheiro e pequeno café da manhã por R$ 60,00. Ela aceitava cartão de crédito, mas vendo que era uma hospedaria familiar, resolvi pagar em dinheiro. Cida, a dona, recebeu-me bem e me orientou sobre supermercado, padaria e sobre uma sorveteria com picolé a R$ 0,50. Disse-me também de uma feira cultural no Parque Ecológico. Fiz as compras no supermercado e na padaria e fui até o Parque Ecológico, passando pela Igreja Matriz. Achei simples, porém bela a Matriz e a praça no seu entorno. Lá, um homem que rezava, esperando a missa, orientou-me sobre como chegar ao Parque Ecológico. Apesar de já à noite, achei muito bonito o Parque Ecológico, com seus lagos, patos, gansos, capivaras e grandes áreas verdes. Andei por algumas de suas trilhas. Havia bastante gente lá dentro e na área externa, onde se vendia artesanato e alimentos prontos (pastéis, sanduíches etc). Na volta, encontrei Cida saindo, que me disse que iria ao Parque Ecológico e perguntou se eu desejava carona. Disse que havia acabado de voltar de lá, o que a surpreendeu. Passei na sorveteria e comprei 4 picolés de frutas à base de água. Jantei pão com cebola, beterraba, limão banana e laranja. Na 6.a feira 04/02, após um café da manhã simples (um pão com margarina e um copo de água – eu não quis a xícara de café oferecida, pois não costumo tomar café), que reforcei com parte do que tinha comprado no dia anterior, despedi-me da Cida e do seu companheiro e saí com destino a São Simão. Inicialmente passei pelo estádio, onde tinha sido jogada a Copa SP de Juniores e pude ver o campo sem pisar nele. Depois conheci a antiga estação ferroviária, uma praça e uma igreja que achei belas. Tudo isso para ir ao ponto onde havia deixado o Caminho no dia anterior. Uma vez chegando ao ponto, comecei a seguir as flechas novamente. Uma pequena parte do trajeto foi numa rodovia. A maior parte foi em caminhos paralelos de terra ao lado da rodovia. Neste dia houve muito sol e não choveu em nenhum momento. Novamente cachorros latiram para mim, quando passei pelo barraco de um morador das margens da rodovia. Mas ele os repreendeu, eles pararam e não correram mais atrás de mim. Passei ao lado de várias casas no campo. Em duas fazendas havia altares para os peregrinos e em pelo menos uma havia oferta de água potável de uma torneira. Já perto de São Simão, cruzei a linha do trem pela primeira vez no Caminho. Logo após encontrei uma chácara, em que dois homens trabalhavam. Perguntei a eles sobre a distância para São Simão e me falaram que já estava em São Simão e me indicaram o caminho para a pousada que consideravam a mais barata da cidade. Chegaram duas mulheres, talvez a mãe e a filha da casa e reforçaram as informações. Agradeci, mas disse que iria seguir as flechas e depois de chegar ao centro, procurar pela pousada que indicaram. Pouco mais à frente, perguntei novamente a dois homens que trabalhavam e eles falaram da mesma pousada. Um deles gentilmente ofereceu-me água e cuscuz para comer 👍, o que educadamente eu recusei. Mais à frente perguntei provavelmente ao motorista da ambulância do hospital, que também me falou da pousada e confirmou o caminho para ela. Incrível como a população foi amável. Segui as flechas até a antiga estação ferroviária, onde atualmente funcionam órgãos públicos. Dali desviei para ir até a Pousada Alfa (https://www.solutudo.com.br/empresas/sp/s-simao/hoteis/pousada-alfa-11083427), que não era longe. Chegando lá encontrei Regina, que me mostrou a pousada. O quarto com banheiro interno e café da manhã custava R$ 70,00. Fiquei lá. Paguei com cartão de crédito. Notei que tinham aparecido bolhas nas plantas dos pés. Acho que foi consequência dos dias em que andei descalço. Parte dos terrenos tinha pedrinhas, o que deve ter contribuído para as bolhas. Após me instalar fui visitar o Bosque Municipal. Estava um pouco abandonado, com mato, mas ainda assim pareceu-me um passeio agradável andar em seus caminhos, ver a vegetação e o lago. Passei também pela praça em frente a ele. Como era caminho, passei no supermercado para comprar o jantar. Depois fui para o Morro do Cruzeiro, seguindo as orientações que me deram. No caminho, passei pela Igreja Matriz, que estava fechada, e pela praça em frente a ela. Achei bonita a paisagem na subida, embora íngreme. Ao chegar lá, havia numa área ao lado várias pessoas fazendo uma espécie de oração. Perguntei a elas se poderia entrar na área do Cruzeiro e elas disseram que sim. Gostei bastante da vista a partir de lá. Fiquei contemplando a paisagem e depois observando a cidade. Fiz um pouco de meditação. A vista do pôr do sol a partir de lá pareceu-me muito bela também. Chegou um carro com um casal de namorados, eu imagino, enquanto eu meditava. Quando fui para o outro lado apreciar a vista, cumprimentei a moça duas vezes, mas acho que ela se assustou. Aí o moço respondeu, eu disse que estava fazendo o Caminho da Fé, ele sorriu, disse que era bom e eu pedi desculpas por tê-los assustado. Dei a volta, para não os assustar ainda mais e fui para uma área limpa do morro, perto de onde as pessoas estavam fazendo a oração. De lá, tirei fotos da cidade e do pôr do sol. Na descida de volta, pude apreciar o pôr do sol e o crepúsculo por parte do tempo. No fim da descida, um rapaz ofereceu-me carona, mas eu já estava chegando e educadamente recusei. Ainda passei pelo museu, que estava fechado, e novamente pela Igreja Matriz, que continuava fechada. A arquitetura de ambos agradou-me. Ao chegar à Pousada à noite, não havia internet, pois o hóspede do quarto onde ficava o modem estava alcoolizado e, provavelmente, tinha feito algo que desligou a internet. O atendente Cláudio disse que tinha dado muito trabalho acomodá-lo e eu não quis gerar problemas. Jantei pão, tomate, banana e um pouco do que tinha sobrado da compra do dia anterior. No sábado 05/02 a internet ainda não tinha voltado. Tomei o bom café da manhã (pães, muçarela, presunto, bolacha, bolo, suco, café, leite, margarina). Dei cascas de banana, laranja e talos para o atendente Cláudio levar para os animais no seu sítio. Geralmente eu como as cascas, mas estava gerando muita quantidade, o que me parecia não estar fazendo bem para o meu organismo, então resolvi achar um outro destino nobre para elas. Enquanto me preparava para partir, ouvi um hóspede comentar que era de Santa Rosa do Viterbo. Perguntei a ele se conhecia pousada ou pensão barata lá e ele me indicou a do Tião Mariano (pai) e Luciano (filho) ou a do França. Agradeci, acabei de me arrumar e parti para Santa Rosa do Viterbo. Houve um pequeno trecho pela estrada no início, mas logo as flechas levaram para caminhos de terra. Logo no início vi um animal que acho que era um tamanduá pequeno, pelo modo de andar e pela cauda longa. Achei a paisagem bela, com eucaliptos, cana-de-açúcar e plantações. Este é um trecho de plantações, acho que de amendoim. Este é um trecho com eucaliptos e cana-de-açúcar. Esta é uma visão dos eucaliptos. Vi várias aves ao longo do trajeto. Durante um bom trecho uma ave terrestre que apareceu na minha frente fugiu de mim andando ou correndo. Acho que pensou que eu a estava perseguindo, até desviar do caminho e entrar no canavial. Aproximadamente na metade do caminho, dois rapazes de carro ofereceram-me carona, mas eu informei que estava peregrinando e educadamente recusei. Eles deram uma estimativa da distância. Já perto da chegada, uma moça, também de carro, ofereceu-me carona. Eu repeti a explicação e ela me deu uma estimativa da distância, que naquele ponto parecia não ser grande. Chegando em Santa Rosa, vi uma indicação de que havia dois caminhos possíveis. Esta informação não constava do site do Caminho nem havia no mapa. Fiquei um pouco confuso. Como havia planejado procurar acomodação em Santa Rosa, seguindo a sugestão do hóspede e, caso só encontrasse o hotel conveniado com o preço maior do que os de outras localidades, seguir ate a Estalagem do Sobreira, resolvi seguir as flechas que entravam na cidade. Pedindo informações, as pessoas confirmaram a existência da Pousada do Tião Mariano e Luciano e me indicaram onde ficava. Desviei muito pouco do Caminho para chegar até ela. Lá chegando, estavam almoçando numa enorme mesa. Mas o Luciano me recebeu e me mostrou o quarto, com banheiro externo e café da manhã por R$ 50,00. Resolvi ficar. Paguei com cartão de crédito. Ele usava um boné do Palmeiras, era palmeirense, mas disse que também gostava do Juventus, time cuja camisa eu estava usando. Ele tinha morado perto da Moóca. Achei as instalações da pousada um pouco precárias, mas o principal era aceitável, o colchão, o chuveiro e a não existência de mosquitos no quarto. Um dos banheiros não tinha assento no vaso sanitário. Encontrei uma barata no chão dele. A porta deste banheiros não tinha tranca, mas era possível colocar uma cadeira para servir de trava. Não era fornecida toalha. Não havia sobrelençol, só cobertores. Luciano disse para eu pegar o lençol de uma das outras camas e usar como sobrelençol, mas eu preferi então usar o cobertor. Ele forneceu a senha do WI-FI para o celular, mas não concordou em me fornecer para o tablet, que eu usava para ver mapas, pois a tela era bem maior. Todas as outras localidades em que fiquei forneceram-me sem restrições. Pedi um prato e uma faca para jantar, ele concordou em me dar, mas quando fui pegar e disse que devolveria no dia seguinte, ele me olhou firmemente e disse para eu devolver mesmo. Percebi que se aborreceu um pouco com meus pedidos e talvez por isso eu o tenha achado um pouco ríspido. Após chegar e me acomodar, ainda aproveitei para assistir parte do jogo entre Al Ahly e Monterrey e vi o gol do Al Ahly. Enquanto assistia, um dos participantes da mesa que já havia feito o Caminho da Fé conversou comigo e falou de suas experiências. Não fiquei para ver o jogo inteiro e saí para dar uma volta na cidade. Fui conhecer a Igreja Matriz e o museu, ambos por fora, algumas praças, o centro de cultura, a antiga estação ferroviária e um projeto musical da prefeitura para pessoas do município, que achei bastante interessante. Ficava nas instalações da estação e contava com vários instrumentos musicais, como piano, tambores, pratos, atabaques, violões etc. Depois passei no supermercado e comprei jantar e reforço para o café da manhã, que pelo que havia me informado, seria simples. Na pousada conheci dois pintores (Bruno e seu colega) que eram de São Paulo e estavam lá pintando a escola local. Eles trabalhavam muitas vezes viajando pelo interior fazendo este tipo de serviço. Bruno falou da saudade da família e dos seus filhos. No início da noite choveu forte, tanto que colocaram tapumes na entrada para nossos quartos e o banheiro, pois era muita água escoando. Jantei pães, tomate, banana e laranja. No domingo 06/02, após o café da manhã simples (café, leite, um pão com margarina e um pão com mortadela, que a moça gentilmente trocou por outro pão com manteiga, posto que sou vegetariano), devolvi o prato, a faca, o que sobrou do papel higiênico e a chave e acompanhei Luciano, que foi ver o quarto após a saída. Ele foi cordial na despedida. Parti rumo a Tambaú. Inicialmente segui as flechas para o centro da cidade, onde perto da Igreja Matriz e ao lado de uma espécie de bar, restaurante ou casa de eventos, havia uma placa indicando a bifurcação, com um caminho bem maior e outro menor. Ainda um pouco confuso, entrei no bar, que já estava aberto, e perguntei ao dono. Ele me respondeu que desde que a prefeitura havia colocado aquela placa, tinha havido muita confusão. Explicou-me que o caminho maior dava voltas pela região e que o menor ia direto para o próximo povoado. Agradeci e resolvi seguir o menor. Com isso voltei para a entrada da cidade seguindo as flechas e peguei uma estrada de terra com destino a Nhumirim. Neste trecho, procurei áreas em que havia pássaros, árvores e áreas verdes e joguei algumas cascas de frutas e talos para servirem de alimento aos animais e adubo para as plantas. Procurei distribuir para não gerar desequilíbrios, apesar de ser bem pouco. Ao passar por Nhumirim, havia uma pracinha com uma pequena igreja que achei muito bonita. Pouco depois havia um jogo de futebol de campo muito animado, com muitos gritos. Acho que foi neste trecho, pouco depois da saída de Nhumirim que vi um animal preto com cauda longa e uma faixa branca perto da cabeça atravessando a estrada de terra. Imagino que era um gambá. Achei muito bonito o caminho, com as mais variadas paisagens, como esta. Ao chegar na placa que indicava a entrada para a Estalagem do Sobreira, pensei que era para seguir em frente e a placa se referia só a quem desejasse ir para a Estalagem. Não vi que havia flechas indicando que o Caminho era por ali também, pois estavam cobertas pelo mato. A placa era comprida e eu não vi a parte de baixo. Segui em frente, ao olhar para trás vi umas casas e achei que era a estalagem. Fiquei na dúvida, mas continuei em frente até ver um “X” vermelho. Aí desconfiei que estava no caminho errado. Mesmo assim, para garantir, segui um pouco mais em frente, para ter certeza. Vi outro “X” azul e seguindo um pouco mais, ao não ver mais flechas amarelas, resolvi voltar. Aí fui analisar a placa detalhadamente e vi as flechas amarelas na parte de baixo, cobertas pela vegetação. Segui então em direção à Estalagem. Como antes eu estava subindo e agora tinha começado a descer e não apareciam mais flechas, fiquei na dúvida novamente. Resolvi voltar e ver se havia alguém na casa que ficava no entroncamento. Para minha sorte, havia uma mulher andando no quintal. Perguntei e ela disse que eu tinha que descer mesmo, passaria pela Estalagem e continuaria o Caminho. Agradeci e fui. Bem mais lá para frente vi outra flecha, o que me confirmou que tinha seguido o caminho correto. Nestas idas e vindas acho que gastei cerca de 40 minutos. Cruzei a Estalagem do Sobreira, que permitia que o Caminho passasse por ela. Achei-a muito bela, com sua capela, rio, campos e ambientes de vários tipos, como mostra um pouco esta foto. Havia várias porteiras a serem cruzadas e eu abri e fechei todas elas. Havia alguns trechos encharcados, em que foi um pouco difícil transitar e reduziu a velocidade. Na caminhada deste dia eu caí, sujei a mão e parte do braço com terra e um pouquinho da calça com lama. Foi minha única queda. Não me machuquei. Ao sair completamente da estalagem, eu cheguei a duas bifurcações em que não havia setas. Como estava subindo, por intuição achei que deveria subir. Era perto de 14h, então o sol não estava numa posição favorável para orientação sobre os pontos cardeais. Pouco depois da segunda bifurcação, havia uma casa ou chácara em que uma família estava reunida no almoço de domingo. Foi a minha sorte. Perguntei a eles sobre o Caminho. Um dos patriarcas, imagino, saiu do almoço, veio até mim e me explicou por onde eu deveria seguir. Disse que naquele trecho pessoas arrancavam as placas e que um homem havia fechado duas estradas para plantar soja e, portanto, eu precisava seguir o caminho que ele indicou. Bem de longe, eu vi uma placa lá na frente. Agradeci muito e segui. Passei pela placa, era do Caminho e coincidia com a explicação que ele me havia dado. Após passar pelos eucaliptos de que ele havia falado, vi outra placa e daí para frente a sinalização do Caminho voltou ao padrão regular. Perto de 16h o céu começou a escurecer do lado direito e, embora houvesse uma ampla parte clara, achei que poderia pegar chuva mais pesada pela primeira vez. Realmente ocorreu, mas foi uma pancada de uns 20 minutos. Corri e me abriguei sob uma árvore, visto que não havia raios. Molhei-me pouco. Até tirei a capa para proteger a mochila, mas acho que não teria sido necessário, pois a árvore protegeu bem. Após a chuva, continuei. Até que ela não encharcou muito o solo. Nesta área havia vários trechos de mata, como este. Isto também ajudava a me proteger do sol. Passei por várias fazendas nas laterais do Caminho. Houve muitos pássaros dos mais diversos tipos ao longo da caminhada. As paisagens a partir das áreas mais elevadas pareceram-me muito bonitas também. Já perto de Tambaú, havia uma flecha que estava numa posição não muito clara. Segui o que eu achava ser o trecho mais provável. Depois apareceu uma bifurcação sem flechas. Segui o sentido que eu achava ser em direção à cidade. Não vi mais flechas. Achei que havia me perdido. Fiz sinal para um carro, que acho que pensou que eu queria carona e fez sinal de que estava cheio. Fiz o mesmo para um motociclista, que também não parou, mas disse que Tambaú era na direção em que eu estava indo. Bem mais para frente, voltei a ver flechas e descobri que estava no caminho certo. Na entrada de Tambaú havia uma espécie de jardim, que achei belo, com estas flores. Perguntei às pessoas em frente ao jardim e me indicaram um hotel que acharam ser barato. Continuei seguindo as flechas e mais para frente perguntei a um casal sobre pousadas baratas e me indicaram o Azul Maria Hostel (https://www.azulmariahostel.com.br/), que era conveniado ao Caminho e que eu tinha escolhido anteriormente, se não achasse outro mais barato. Resolvi ir até ele, que já estava bem próximo. Chegando lá Rodrigo atendeu-me. Eu pedi um tempo para descansar antes de fazer os procedimentos de entrada, pois o dia tinha sido desgastante. Fiquei lá. Paguei R$ 50,00 por dia por uma cama em quarto compartilhado, com banheiro interno e café da manhã. Paguei com cartão de crédito. Como eu estava sozinho no hostel, o quarto ficou só para mim. Achei o hostel excelente, com boa cozinha, excelente banheiro, com banheira, sala para uso com TV, jardim e muito limpo. Saí para comprar o jantar no supermercado. Pela primeira vez cozinhei. Jantei macarrão com tomate e laranja. Rodrigo comentou comigo que também trabalhava no cemitério e que às vezes precisava sair durante a noite devido a óbitos. Na 2.a feira 07/02 conheci Cassiano, empreendedor e dono do hostel, e Joana, prestadora de serviços. Ele me explicou sua ideia no empreendimento e comentou sobre algum tipo de preconceito dos viajantes em relação a hostels. Deu-me explicação sobre os pontos a conhecer na cidade. Comentou que geralmente havia bolo no café da manhã, feito pela sua mãe, mas como não havia nenhum hóspede previsto, e eu não tinha confirmado, disse para ela não passar o domingo no fogão, algo que achei muito positivo. Após o café da manhã simples, com 3 pães com margarina eu saí para visitar a cidade. Resolvi parar aqui para conhecer os itens referentes ao Padre Donizetti (https://www.beatodonizetti.com.br), porque estava prevista chuva o dia inteiro pelos vários órgãos de climatologia e para recuperar um pouco os pés. Inicialmente fui visitar o Santuário de Nossa Senhora, idealizado pelo Padre Donizetti. Gostei muito, tanto da atmosfera, como de conhecer a história e a filosofia do Padre Donizetti, de despojamento, apoio aos necessitados e busca de Deus. Este era o altar principal. Depois fui conhecer a casa que havia sido dele e hoje é museu. De lá fui conhecer a réplica da Igreja de São José, que ficava onde é atualmente o Santuário e foi demolida para a construção dele. Achei bonita e simples a igreja, mas estava fechada. Dei uma volta no pequeno campo em que ficava. Logo em frente era o cemitério, onde ficava o mausoléu do Padre Donizetti. Lá encontrei Rodrigo, no seu expediente de trabalho. Ele me reconheceu e me cumprimentou. Ao lado fui ver a estátua do Padre Donizetti. Quando estava voltando da visita à estátua, começou a chover e rapidamente engrossou. Abriguei-me numa espécie de barraca que havia na área, acho que provavelmente para receber romeiros. Creio que fiquei lá cerca de 1h. A previsão do tempo tinha acertado 🌧️. Após a chuva, fui conhecer o Parque Turístico e de Lazer do Trabalhador. Quando perguntei se poderia entrar, uma moça que varria o local disse-me sorrindo “Claro, isto aqui é nosso!”. Achei bonito o parque, embora um pouco sem manutenção. Achei muito bonita a Gruta de São José. Dei uma volta no lago e passei no meio das árvores e das réplicas de dinossauros. Saí e fui conhecer um monumento que ficava na praça ao lado da rodoviária em frente. Após conhecê-lo, a chuva voltou e eu me abriguei na rodoviária. Diminuída a chuva, resolvi passar no supermercado em frente para comprar algo para complementar o jantar. Na saída peguei chuva leve, que engrossou e me obrigou a parar no meio do caminho, num toldo. Molhei-me um pouco. Ao todo precisei abrigar-me 3 vezes ao longo do dia por causa da chuva, por cerca de 2h. No caminho ainda apreciei a arquitetura religiosa de um templo. Deixei as compras no hostel e fui conhecer a Igreja Matriz, do outro lado da cidade. Achei a igreja bonita por fora, mas não se podia entrar, pois a estrutura tinha sido abalada. De lá fui conhecer o clube em que o time local pretende mandar seus jogos. O dono gentilmente deixou-me entrar no estádio e no gramado e me explicou os planos para o futuro. Pareceu-me um projeto interessante a ampliação daquele estádio para receber jogos da Série A2, que pelo que disseram exige capacidade mínima de 6 mil torcedores. Dali fui para o antigo estádio, que não era longe. Já estava fechado. Encontrei três pessoas na sua porta, e um deles começou a me explicar a história futebolística da cidade, dos dérbis entre os clubes locais. Um dos que estava sentado tinha sido árbitro de futebol e aparentava saudades do passado. Voltei para o hostel e aproveitei para tentar contato com hotéis de Casa Branca, pois não tinha encontrado opções baratas para me hospedar lá. Jantei macarrão com batata, tomate e banana. As bolhas nas plantas dos pés melhoraram. Na 3.a feira 08/02 inicialmente tomei café da manhã com 3 pães com margarina e 3 pedações de um maravilhoso bolo frapê com cobertura de chocolate feito pela mãe do Cassiano. Depois saí rumo a Casa Branca, mas antes decidi passar no Setor de Informações Turísticas para saber se existia alguma cerâmica com exibição de produtos que eu pudesse visitar. Indicaram-me uma perto e eu fui lá. Gostei muito das peças, em sua maioria vasos, dos mais diferentes tipos. Vi um funcionário fazendo o vaso manualmente. Achei interessante como usavam fornos a lenha e quase todo o processo era manual. Trataram-me muito bem na visita 👍. Depois passei novamente na porta do Setor de Informações Turísticas e agradeci a moça, pedi a chave do banheiro público no museu e o usei, e segui as flechas para a estrada. O dia foi de muito sol durante todo o tempo, sem chuva. Houve muitos pássaros no caminho, chamando-me atenção especial uns que eram amarelos e pretos. Houve também corujas. Ao longo do caminho cruzei com um mesmo motorista de caminhão três vezes, em pontos diferentes, distantes um do outro. Na segunda vez ele me disse “Você anda hein!”. Achei o caminho muito belo, com plantações diversas (cana, laranja, eucalipto etc), mata, pecuária etc. Vi um avião passando sobre uma plantação, provavelmente jogando defensivos agrícolas. Houve outros aviões também, mas não me pareceram estar jogando nada. Havia máquinas enormes nas plantações, provavelmente para irrigação ou algum outro tipo de aplicação na área plantada. A população foi muito amável durante todo o trecho e na cidade, sempre tentando ajudar com informações e explicações. Ao chegar em Casa Branca, as flechas me apontavam para sair do centro, em direção ao Santuário de Nossa Senhora do Desterro. Mas eu preferi ir para o centro para me hospedar antes e depois ir ao Santuário. Fui até a Igreja Matriz, aproveitei para visitá-la e perguntei na secretaria se o Santuário realmente não aceitava mais peregrinos. A atendente ligou para lá e confirmou que não aceitavam. Conversei com um policial aposentado que me deu bastante informações sobre a cidade. Ele acompanhava sua filha, que estava fazendo um trabalho sobre os casarões. Ele me disse que o local onde ficava o Rancho dos Artistas, para onde eu estava inclinado a ir, poderia não ser muito seguro, principalmente à noite. A diferença de preços era muito pequena e eu resolvi passar no Setor de Turismo para obter mais informações. Lá, a atendente falou-me das atrações da cidade e das opções de hospedagem. Falou que não havia problema de segurança no entorno do Rancho dos Artistas. Ela falou da Hospedaria Casa Branca, que eu tinha visto na internet e que não era conveniada ao Caminho. Como era perto, resolvi ir até lá. Encontrei seu proprietário, Salvador, que morava em São Paulo e lá também. Falou-me que custava R$ 60,00 (não comentamos sobre café da manhã), mas que no momento os quartos estavam ocupados, mas as pessoas iriam sair. Eu perguntei se estava certo daquilo. Ele disse que sim. Perguntei o que ocorreria se não saíssem. Ele me disse que aí me colocaria na suíte pelo mesmo preço. Achei então que a suíte estava livre e que a hospedagem estava garantida. Perguntei se poderia ir ao banheiro, mas ele me disse que naquele momento não conseguiria. Não vi problema, mas acho que isso foi um prenúncio de que havia algo errado, que eu não percebi. Perguntei se poderia deixar minha mochila na recepção enquanto visitava alguns pontos da cidade naquele fim de tarde e ele concordou. Na volta, combinamos que eu faria os procedimentos de entrada no quarto. Saí então para visitar os pontos de interesse. Já havia passado pela Igreja Matriz, que achei muito bela, e pelos casarões da área central, que achei muito bem conservados. Fui então para o Horto. Achei-o muito bom, com ampla área verde. O encarregado orientou-me sobre as trilhas que poderia seguir. Ele tinha muitos tipos de árvores diferentes, legendadas e muitas opções de trilha. Várias pessoas caminhavam lá naquele horário. Conversei com Osnir, aposentado que andava de bicicleta lá e me falou do Horto. Havia muitos pássaros 🐦, mas me chamaram atenção especial os tucanos. Depois do Horto, segui para o Cristo. No caminho passei por uma casa muito pobre, em que a moça, muito jovem, grávida, já com filhos, informou-me o caminho. Olhando aquela situação, pensei como representava a situação de muitas famílias brasileiras. Ao chegar no Cristo, havia um rapaz fumando, sentado no degrau da porta, com sua bicicleta do lado. Falou que não tinha ido para o outro lado porque o mato estava grande. Acho que se incomodou um pouco com a minha presença e logo depois saiu. Gostei da estátua do Cristo. A entrada estava trancada, mas era possível apreciá-la de fora da grade. Dei a volta e fui para o trecho no mato, com vista para a cidade e para uma moçoroca (erosões provocadas pela chuva, sem vegetação de proteção). Achei bonita a vista, embora algumas árvores a bloqueassem um pouco. Depois fui ao supermercado para comprar o jantar. No caminho, quando passava por uma praça, vi uma mulher sentada num banco. Cumprimentei-a. Após andar uns 10 metros, ela me chamou, dizendo “Moço”. Eu parei e achei melhor voltar, para ver se ela precisava de algo. Perguntei “Posso ajudá-la em algo?”. Ela me disse “Eu precisava arrumar um marido” 😄. Eu ri e disse “Nisso eu não vou conseguir ajudá-la”. Ela perguntou se eu era dali e quando disse que não, ela pareceu decepcionada. Eu sugeri que ela fosse a festas, para conhecer possíveis pretendentes. Mas ela disse que não gostava de ir em festas. Disse que não precisava de uma casa, pois morava numa casa de recuperação. Aí eu imaginei que ela poderia ser dependente química e, realmente, festas não seriam uma boa ideia por causa do álcool, que poderia levá-la à recaída. Sugeri então que fosse à Igreja e perguntasse por grupos de alguma atividade. Talvez pudesse participar de algum e conhecer algum pretendente. Ela pareceu gostar da ideia e agradeceu muito. Eu segui para o supermercado e ela também levantou e seguiu para algum local. Embora bem vestida e totalmente sóbria, ela parecia mostrar um pouco do desgaste que a possível dependência química tinha causado. Ao voltar do supermercado para a Hospedaria Casa Branca, Salvador me recebeu dizendo que eu tinha demorado muito e que não tinha vaga. Eu me surpreendi e disse que ele tinha garantido que haveria. Ele me disse que o pessoal não tinha feito a saída do quarto, apontando para eles, que conversavam do outro lado da rua. Eu disse que ficaria na suíte então, mas ele me disse que o rapaz da suíte não tinha voltado. Eu pensei que ela estivesse vaga, mas não estava. Fiquei aborrecido 😒. Ele disse que eu acharia pensões perto da rodoviária, mas eu duvidei. Naquele horário, perto de 19h30, não me pareceu prudente ir ao Rancho dos Artistas, que ficava a uns 3 km de distância e cujo caminho eu não conhecia direito. Tentei procurar uma pousada ou pensão perto da rodoviária, mas a que havia não tinha vaga e nem consegui falar com a dona. Voltei e fui ao Hotel Alfonso’s (https://www.facebook.com/pages/Alfonsos-Hotel/227179087294737). Lá chegando o atendente me disse que não havia vagas. Achei que estava enrascado. Mas ele disse que iria verificar. Aí disse que tinha um quarto no último andar, que ele tinha tirado da disponibilidade porque estava com goteira. Eu disse que não tinha problema e fomos vê-lo. Achei aceitável e disse que ficaria nele. Mas quando descemos perguntei sobre os quartos mais baratos e ele me disse que tinha quartos com banheiro fora. Não entendi porque ele não mencionou isso antes. Eu optei pelo quarto com banheiro externo, que era mais barato, por R$ 80,00, com café da manhã. Perguntei se poderia pagar com cartão de crédito, mas ele disse que a maquininha estava quebrada. Paguei em dinheiro. Jantei pâo, berinjela, cebola, pepino, banana e laranja. Na 4.a feira 09/02, durante o café da manhã muito bom (3 tipos de pão, 4 tipos de bolos, vários tipos de biscoitos, muçarela, presunto, mortadela, mamão, melão, gelatinas, sucos, café, leite), conversei com uma funcionária da empresa Hutchinson, que vinha da sede em Monte Alto, perto de Jaboticabal e Ribeirão Preto, que falou da empresa, da presença na região e do trabalho. Depois saí para ir ao Santuário Nossa Senhora do Desterro (https://www.facebook.com/SantuarioDoDesterro). Voltei para onde tinha parado de seguir as flechas e comecei a segui-las novamente. Logo cheguei ao Santuário. Gostei da área externa do entorno, da igreja e da Sala dos Milagres. Gostei de conhecer a história do Irmão Roberto, de apoio aos trabalhos assistenciais e de sua vida espiritual. Uma funcionária explicou-me que tinham parado de receber peregrinos por causa da pandemia e porque havia sido pedido que padronizassem a cor dos lençóis em branco, o que o padre achou que iria custar muito caro. Além disso comentou que alguns peregrinos achavam o preço alto (R$ 80,00), mas que incluía o jantar. Dali segui rumo a Vargem Grande do Sul. Em direção à saída de Casa Branca, passei pelo Setor de Informações Turísticas para agradecer a atendente. Mais à frente pedi informações a Pedro, que me indicou o caminho. Ele pediu que eu rezasse pela família dele quando lá chegasse, pois estavam passando por tempos difíceis devido ao suicídio de seu sobrinho por causa das drogas. Cruzei o Horto novamente, que parcialmente fazia parte do Caminho. Na saída de Casa Branca cruzei com vários caminhões carregados de cana. Houve bastante sol durante o dia, mas com várias nuvens. Não choveu. Vi muitos pássaros no caminho, como garças e outros, mas me chamaram atenção especial os com peito amarelo e costas verdes, menores que bem-te-vis. Passei por várias sedes de fazendas. Houve vários trechos com criação de gado e com mata. Em Itobi, cidade por que o Caminho passava, perguntei a pessoas que vegetais pequenos eram aquelas que eu via cada vez mais nas plantações. Disseram-me que era amendoim e que era usado para fazer rodízio com a plantação de cana. Quando pronto, a máquina passava e extraía tudo. Ainda em Itobi cachorros relativamente pequenos latiram e correram atrás de mim, mas não atacaram. Mais para frente perguntei a outros que pareciam ser do campo, se as plantações de cana-de-açúcar seca eram por causa do clima e se estavam perdidas. Disseram que não, que era para transferência para outro local ou para substituição no mesmo local. Não sei se entendi bem ou se perguntei direito, pois pareciam muito secas. Mais para frente na viagem creio que vi algumas plantações de milho na mesma situação. Mas eram extrema minoria perto das outras verdes. A parte final do Caminho foi em grande parte por estrada asfaltada de mão dupla, fato raro. Um exemplo da paisagem que me agradou foi este. Havia também este pequeno altar. Logo ao chegar em Vargem Grande do Sul, uma linda estátua do Cristo surgia. Perguntei às pessoas sobre a pousada mais barata, alguns não sabiam dizer e outros disseram que era o Hotel Príncipe (https://www.facebook.com/principepalacehotel), conveniado ao Caminho, que eu tinha como opção inicial. Resolvi ir para ele então. Chegando lá, Silvana atendeu-me, mostrou-me o quarto mais barato e eu resolvi ficar. O banheiro era fora e incluía café da manhã por R$ 64,00. Paguei com cartão de crédito. Havia várias outras opções de quarto mais caras. Após me instalar, saí para visitar duas igrejas grandes (Nossa Senhora Aparecida e Santana), ambas por fora e depois fui visitar o parque onde ficava a barragem. Achei-o muito bom, com sua enorme represa, sua pista de caminhada e sua vegetação. Havia também capivaras e muitos pássaros. Segue uma foto do pôr do sol visto do seu fundo. Segue uma foto do pôr do sol visto da sua lateral. Depois passei nos supermercados, comprei parte do jantar, voltei para o hotel e jantei sanduíche de berinjela, pepino, cascas de banana e laranja, bananas e laranja. A atendente Silvana jantou seu sanduíche ou combo em parte do tempo comigo, pois frequentemente precisava sair para atender alguém. Um ex-jogador de futebol do Sertãozinho e Ipatinga jantou sua marmita a outra parte do tempo comigo. Contou sobre sua carreira, que tinha tido que encerrar precocemente devido a uma lesão (se me lembro foi ruptura de ligamento do joelho). Na 5.a feira 10/02 após o ótimo café da manhã (3 tipos de pães, 2 tipos de queijo, presunto, ovo, salsicha, 2 tipos de bolos, abacaxi, mamão, melão, banana, melancia, iogurte, vários tipos de biscoitos, sucos de uva e laranja, café e leite), fui visitar a Casa de Cultura, em que havia passado no dia anterior, mas já estava fechando. O atendente recebeu-me muito bem. Mostrou-me todas as salas de exposição. Praticamente era um museu. Gostei de tudo, mas especialmente de conhecer ainda mais a trajetória do Padre Donizetti e suas iniciativas sociais. Depois indicou-me de onde voltar a seguir as flechas. Segui então para São Roque da Fartura. Logo após sair da cidade, no começo da estrada de terra, estava a estação inicial da Via Crucis, que achei muito interessante. A via Crucis tinha cerca de 12 km, pelo que me falou o atendente da Casa de Cultura. Acabava na Pousada da Cidinha, pela qual passei mais tarde, e de onde a vista era muito bela. No alto de uma colina, já dentro da porteira, pude ver a estação final. Achei o caminho deste dia muito belo, com mudança de cenário. Passaram a aparecer montanhas, combinadas com os cenários anteriores de plantações e matas. Achei as paisagens vistas do alto e as montanhas vistas de longe muito belas, como estas. Vi também muitas aves, como tuiuiús, tucanos, talvez garças, maritacas, e vários tipos de pássaros. Cruzei com uma kombi escolar várias vezes (acho que era a mesma, nos diferentes turnos da escola). Passei por esta capela com árvore florida e estátuas de Jesus e Maria ao lado. Esta foi uma área de mata que achei bela ao longo do caminho. Cheguei no meio da tarde à Pousada Paina (https://www.facebook.com/pousadapaina/), em São Roque da Fartura, onde planejava ficar. Toquei a campainha e Clair me atendeu, dizendo-me para entrar. Jack, seu cachorro extremamente dócil e simpático estava dormindo, e latiu ao acordar, deixando-me ressabiado, devido a tudo que havia ocorrido com cachorros ao longo da viagem. Mas logo se acalmou. Clair apresentou-me a casa, mostrou o quarto em que eu ficaria e eu me acomodei. Custava R$ 50,00 com direito a café da manhã. Eu era o único peregrino. Clair disse-me que eu poderia pegar vegetais da sua horta para o jantar, se desejasse. Ela me disse que seu marido tinho partido deste mundo há cerca de um ano e que eles tinham combinado que, se um deles fosse antes, o outro manteria a pousada para peregrinos aberta. Saí então para conhecer o povoado, que ficava a menos de 1 Km de distância. Visitei a igreja que tinha quadros com passagens da vida de São Roque, que eu não conhecia, comprei pães na padaria para o jantar e fui até a rodovia de baixo apreciar a paisagem natural. Começou a chover e eu me abriguei sob uma árvore grande, visto que não havia raios. Após cessar voltei para a pousada. Jack recebeu-me afetuosamente, agora que não estava dormindo. Aproveitei que tinha uma caixa d’água do outro lado da estrada e fiquei sentado nela fazendo meditação e apreciando a paisagem. A vista de lá era esta. Depois de voltar fui à horta e peguei chuchu, pimenta (por engano), limão rosa, folha de abóbora, folha de figo e algumas outras folhas. Disse a Clair que não sabia reconhecer bem os vegetais e ela foi comigo e me explicou vários deles. Ajudou-me a pegar mangas e bananas (acho que o tipo da banana era algo como São José, uma delícia) para o jantar. Demos uma volta pela outra parte da chácara também, em que ela me mostrou onde ficavam as casas dos parentes que moravam próximos e outras plantas. Várias pessoas foram visitar a Clair naquele dia, amigas, uma de suas irmãs, seu irmão e a sua sobrinha Susete e sua filha Camila à noite. Susete tinha ido ao centro espírita que ficava ao lado para fazer uma cirurgia espiritual de remoção de carne esponjosa do nariz. Iriam dormir na casa da Clair também. Eu pensei que eram irmãs e me surpreendi quando disseram que eram mãe e filha. Comentei que eu também tinha carne esponjosa no nariz e que o pediatra tinha recomendado à minha mãe que eu fizesse natação, quando eu era bem pequeno. Jantei pão com chuchu, limão, as folhas que tinha pego na horta, banana e manga, acrescidas de pimentão que Clair pegou para mim e mandioca que ela cozinhou. Ela me ofereceu arroz, mas eu não quis. De sobremesa comi banana, manga, macadâmia e curau. No meio do meu jantar, Susete saiu para sua cirurgia e Camila acompanhou. Quando voltaram eu estava acabando de jantar. Durante o jantar e parte da noite conversei com Clair, Susete e Camila sobre a vida delas, a cirurgia espiritual, as vezes em que Clair tinha feito o Caminho da Fé e assuntos gerais. Elas falaram de alguns problemas familiares. Na 6.a feira 11/02 tomei o bom café da manhã (pães que eu comprei, muçarela, leite da vaca da criação da Clair, bananas, biscoitos) enquanto conversava com o avô do Miguel, neto da Clair. A filha dele foi fazer o Caminho da Fé, conheceu o filho da Clair, casou-se com ele e mudou para ali perto, onde eles conduziam uma pousada. Ele me falou sobre o Caminho, que já tinha feito várias vezes, disse que tinha conhecido o idealizador num albergue numa das paradas do Caminho de Santiago em 2001. Falou-me que o trecho que eu iria percorrer naquele dia era o mais bonito na opinião dele, devido às montanhas e que seria uma boa oportunidade de entrar em harmonia com a Natureza, como eu tinha dito que gostava de fazer. Ele se foi e logo a seguir chegaram Susete e Camila. Eu já tinha acabado o café e ia me arrumar para sair. Despedi-me delas, paguei R$ 55,00 para a Clair (R$ 50,00 da hospedagem e mais R$ 5,00 pelo que peguei na horta). Ela não quis receber os R$ 5,00 adicionais, mas depois de alguma insistência ela aceitou quando eu disse para ela usar para comprar um doce para seu neto. Despedi-me dela, despedi-me do Jack e parti para Águas da Prata. A caminhada neste dia realmente abrangeu trechos que achei muito belos, com montanhas, mata, plantações de café, eucalipto e outras, gado, lagos etc. Neste mirante fiquei meditando e contemplando a paisagem por um tempo. Este lago também achei mito belo. Passei por várias fazendas, inclusive atravessando algumas que os proprietários disponibilizaram para passagem do Caminho, atravessando porteiras e mata-burros e passando entre bois em alguns locais. Numa das trilhas havia várias árvores inclinadas e parcialmente caídas. Não parecia ser desmatamento. Parecia ser por algum fenômeno natural, como vento, erosão, velhice etc. Para desviar delas eu dei de cara com uma teia de aranha enorme, mas não vi a aranha e espero que ela não tenha se machucado. Peguei chuva moderada num trecho do caminho. Abriguei-me inicialmente sob árvores, visto que não havia raios, mas como estava me molhando um pouco, fui para uma espécie de bebedouro para gado (ou algo parecido), que tinha cobertura e estava vazio. Saí quando a chuva diminuiu, mas ela voltou a engrossar e voltei a me abrigar sob árvores. Acho que durou quase uma hora ao todo. O chão, já um pouco cheio de barro, ficou bem lamacento em alguns trechos. Vi muitos pássaros e vi um macaquinho 🐒. Ao passar por uma área de mata, ouvi o que pareciam ser rugidos. Achei que poderiam ser trovões, mas eram muito baixos, curtos e contínuos. Comecei a achar que poderiam ser esturros de onças 🐯. Olhei para a mata, nada vi, mas peguei um pedaço de pau, por via das dúvidas. Os aparentes esturros continuavam, baixos, mas constantes. Acompanharam-me por uns 15 minutos. Mais tarde, após cruzar a última fazenda antes de chegar á cidade, encontrei um homem e seu neto (ou filho) num carro. Perguntei a ele se era dali e ele disse que era o proprietário da fazenda e seus filhos moravam nas outras próximas. Parabenizei-o por disponibilizar passagem para o Caminho e falei dos aparentes esturros. Ele me disse que provavelmente eram onças mesmo, mas que não havia registro de ataques delas. Ele mesmo já tinha visto onças pardas naquela região e havia relatos de onças pintadas. Perto de uma das casas da fazenda havia marcas das garras de uma onça em uma árvore. Despedi-me e desci o trecho final rumo à cidade. Ao chegar fui até a Associação dos Amigos do Caminho da Fé (https://www.facebook.com/caminhodafeassociacao). Apesar de ser feriado, Bruno atendeu-me. Falei para ele da minha experiência no Caminho e dei sugestões, como pousadas que poderiam ser parceiras, alguns raros problemas na sinalização, da colocação da bifurcação de Santa Rosa do Viterbo no mapa do site oficial do Caminho etc. Elogiei as pessoas que extrapolaram muito em hospitalidade, como Helena e Clair. Parabenizei-o pelo Caminho e por toda a infraestrutura disponibilizada. Ele comentou sobre alguns problemas na manutenção que tinham no trecho que eu fiz, sobre os próximos trechos, sobre atrações de Águas da Prata e me indicou onde ficavam o Hostel Casa Verde e o Hotel Casarão. O hostel estava fechado para reformas. Fiquei no Hotel Casarão (https://www.facebook.com/pousadadocasarao) então, num quarto com banheiro interno e café da manhã por R$ 75,00. Paguei com cartão de crédito. Márcia atendeu-me. Foi bastante cordial. Como tinha chegado antes de escurecer ainda pude nadar cerca de 15 a 20 minutos na piscina do hotel. Depois fui ao supermercado comprar o jantar. Jantei pão com berinjela, abobrinha, banana e manga palmer. No sábado 12/02 após o enorme café da manhã (vários tipos de pães, muçarela, presunto, mortadela, ovo, salsicha, biscoitos, bolos, banana, mamão, maça, melancia, iogurtes, pudim, sucos, café, leite) perguntei para a atendente Sônia como chegar às Sete Quedas. Já tinha visto esta publicação https://www.mochileiros.com/topic/58034-%C3%A1guas-da-prata-trilha-das-sete-cachoeiras/, mas como eles saíam do camping próximo, precisava saber como era o caminho até lá. Ela orientou-me em termos gerais. Disse-me para tomar cuidado com o fenômeno da cabeça d’água (https://www.ecycle.com.br/cabeca-dagua/), em que devido a chuvas na cabeceira do rio ou em partes superiores, repentinamente o volume de água sobe, o que pode ser muito perigoso em cânions, cachoeiras e áreas afuniladas. Segui o caminho que ela falou e fui perguntando. Não levei o celular, por receio da água, portanto não tenho fotos. Inicialmente peguei o acesso à estrada pelo trecho urbano e andei um pouco na estrada para Poços de Caldas. Ao chegar no Camping do Paiol, orientaram-me a seguir uma das raras placas que indicava as Sete Quedas. Mas eu deveria ter virado na linha do trem e acabei subindo a estrada de terra. Perdi-me bastante e várias vezes. Subi muito mais do que precisava. De qualquer modo, gostei das paisagens da estrada, que achei muito bonitas, com algumas vistas do alto, mata e eucalipto. Existia uma porteira de arame farpado no meio da estrada que achei bem perigosa. Embora tivesse papéis pendurados, se alguém viesse de moto correndo e distraído, poderia causar um acidente grave. Não entendi a razão daquela porteira. Minha sorte foi que havia algumas pessoas andando de motocross 🏍️, com quem eu peguei algumas informações. Depois de muitas idas e vindas, cheguei na 7.a cachoeira, na minha opinião, a mais espetacular, enorme, caudalosa (o que provavelmente estava aumentado por causa das chuvas) . Entrei em baixo dela e a fiquei contemplando por um bom tempo. Quando fui vestir minha camisa, um inseto estava nela e eu não vi 🕷️. Acho que me picou ou tentou. Não era uma aranha nem um escorpião. Parecia um escorpião sem a cauda nem o ferrão. Acho que não era venenoso, pois não tive nenhuma reação. A seguir fui explorar a área ao redor. Subi até seu topo, para ver se havia trilha para outras, mas não encontrei nenhuma. A vista dela de lá de cima era muito boa também, mas havia muita vegetação na frente. Voltei e fui numa trilha lateral descendo o rio. Cheguei numa área descampada com pedras e vista aberta para a cidade, as montanhas e toda a região, que achei muito bonita. Fiquei contemplando um tempo também. Depois procurei uma trilha para descer, mas não encontrei. Tinha lido no relato anteriormente citado que o caminho da 6.a para a 7.a envolvia uma quase escalada. Achando íngreme o local, resolvi voltar e procurar outro acesso. Fiquei procurando, passei novamente por um grupo de motociclistas, que me confirmou que aquela era a 7.a e última cachoeira, mas não sabiam como eu chegaria nas outras. Quando já tinha praticamente desistido e voltava pela estrada, encontrei dois motociclistas que conheciam bem a área e me deram uma explicação geral. Deram várias opções, mas depois de pensarem um pouco, disseram-me que ali de onde eu estava, o mais fácil era pegar um trio (uma trilha para ir a pé ou de motocross - nem sei se é assim que se escreve) e cruzar uma montanha. Eu sairia na linha do trem, bem perto da entrada da trilha das cachoeiras. Fiz o que eles disseram e na pequena subida pareceu-me muito bom, inclusive com uma vista que achei linda lá do alto. A descida ia indo bem, até começar uma pancada de chuva. Ali não tinha onde me abrigar, mas a chuva até que foi rápida. O problema é que ela enlameou a trilha e tornou a descida muito perigosa. Eu estava de chinelo e entrou barro entre meu pé e o chinelo, o que tornou tudo muito mais escorregadio. Decidi descer agachado com as duas mãos no chão, com os pés na frente, em posição parecida com aquela em que se anda nos carrinhos de rolemã (eu nunca andei em um). Foi um longo trecho, com cerca de meia hora a 45 minutos nesta posição ao todo, entremeando pequenos trechos em pé, quando a descida ficava menos inclinada. Cheguei lá embaixo cansado, mas feliz por ter conseguido. Saí exatamente onde eles disseram, exatamente na linha do trem, e até mais perto da entrada da trilha das cachoeiras do que disseram. Lembrei-me da descrição publicada no relato citado anteriormente, que a entrada era numa curva à esquerda na linha do trem. Vi uma entrada à direita e achei que era ela, pois o barulho de água era notório. Mas resolvi seguir um pouco a linha do trem, só para ter certeza de que não havia outra entrada e não descobrir que estava no caminho errado depois de seguir muito aquela trilha. Convenci-me de que não havia outra e de que a entrada era aquela mesma. Segui-a. Era uma trilha estreita no meio do mato. Logo veio a primeira cachoeira. Achei muito bela. Não entrei na água, apenas a contemplei. Já na 2.a resolvi entrar, pois tinha um plano inclinado, que permitia deitar e receber a água nas costas. Fiquei ali um tempo relaxando. Passei pela 3.a, de que gostei também, mas não entrei. Quando cheguei na 4.a, não conseguia vê-la direito, pois havia vegetação bloqueando. Resolvi nadar no rio para poder vê-la. Achei muito bela. Não entrei embaixo dela, pois parecia bem forte. Fui então para a 5.a. Também achei-a muito bela e grandiosa, mas não entrei embaixo dela. Segui para a 6.a. Este foi o trecho mais longo, incluindo trocas de margem do rio na trilha. Gostei bastante da 6.a. Era forte, mas resolvi entrar embaixo para me despedir. Adorei . O jato era bem forte e precisava me equilibrar e me escorar nas rochas ao lado e abaixo para a água não me expulsar. Acho que conheci todas, mas como não segui para ver o acesso para a 7.a, pode ser que houvesse mais alguma. Numa das cachoeiras, fiz um pequeno arranhão na perna. Voltei pela trilha e acho que cheguei de volta à linha do trem perto de 18h. Adorei todas as cachoeiras e o ambiente no entorno, apesar das intercorrências . Na volta andei pela linha do trem, ainda com luz natural e depois peguei a estrada de volta. Numa montanha ao lado da estrada, um jovem fazia escalada. Perguntei a seu amigo que estava em terra se não era perigoso desabamento como ocorreu em Capitólio, mas ele disse que achava que não, pois era outro tipo de rocha. Ao chegar à cidade, ainda visitei a Igreja Matriz. Comprei pão e jantei pão com abobrinha, berinjela e cascas de banana. No domingo 13/02 após o enorme e excelente café da manhã, pedi para a atendente Sônia explicar-me o caminho para o Cristo. Ela me explicou um caminho mais curto, sem dar a volta pelo centro. Segui, pedi informações a algumas pessoas ao longo do caminho e cheguei com facilidade e rapidamente, em cerca de meia hora. Achei muito boas a estátua de Jesus e a vista de lá. Tirei uma foto da estátua, mas cortei a cabeça, por isso não vou publicar. Eu como fotógrafo morreria de fome 😄. A vista da cidade a partir de lá era esta. Depois de ficar um bom templo contemplando o Cristo e a vista, nos seus 360 graus, que mostrava também outras regiões e a cidade de São João da Boa Vista, vi aparentemente avô, pai e filho subindo por uma trilha no meio do mato. Resolvi descer por lá, o que encurtou o caminho em muito. Voltei ao hotel, aproveitei que cheguei cedo e ainda nadei um pouco 🏊‍♂️, peguei uma argola de um brinco no fundo da piscina para um casal que me pediu, aprontei-me, despedi-me de Sônia e parti. Passei em uma fonte da mesma água mineral usada pela engarrafadora Águas da Prata, enchi minha garrafa e fui a pé para São João da Boa Vista, onde havia combinado com Jéssica uma viagem pelo BlaBlaCar às 15h30. Minha articulação do tornozelo esquerdo passou a doer, talvez por causa daquele trecho agachado do dia anterior. Cheguei na rodoviária, que era o ponto de encontro, perto de 14h45, saquei o dinheiro da passagem e esperei por ela. Voltamos eu, ela e suas duas amigas e passageiras, Helena e Priscylla. Saímos perto de 15h30 e chegamos perto de 18h30. Viemos conversando quase a viagem inteira. Achei interessante como apesar de bem jovens, todas eram muito ativas e cultas, formadas, tendo feito viagens diversas, interessadas em ajudar outras pessoas e com muito conhecimento em vários temas. Ela deixou as amigas em Pinheiros e me deixou no Ibirapuera perto de 19h, mais perto da minha casa do que havíamos combinado, porque iria para outro lugar e ali era caminho. Voltei andando para casa e cheguei perto de 20h. A 2.a parte do Caminho da Fé, entre Águas da Prata e Aparecida ficou combinada para ser feita com meus primos-sobrinhos e talvez um amigo deles e uma amiga minha em março.
×
×
  • Criar Novo...