Ir para conteúdo

Pesquisar na Comunidade

Mostrando resultados para as tags ''xcaret''.



Mais opções de pesquisa

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Mochileiros.com

  • Perguntas e Respostas
    • Perguntas e Respostas
    • Destinos: Perguntas e Respostas & Roteiros
  • Relatos de Viagem
    • Relatos de Viagem
  • Companhia para Viajar
  • Equipamentos
  • Trilhas e Travessias
  • Nomadismo e Mochilão roots
  • Outras Formas de Viajar
  • Outros Fóruns

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


Sobre mim


Ocupação


Próximo Destino

Encontrado 2 registros

  1. Querides do meu Brasil Varonil, isto é o relato das coisas que eu lembro, mas sem cronograma definido. As imagens serão um misto de fotos que tirei com imagens do Google (você vai entender). Foram 23 dias em solo mexicano. Agradecimentos à comunidade do mochileiros (em especial ao Michradu) e ao Dani Vamos às considerações gerais: *Ônibus: As estradas dos trajetos que fiz estavam em boas condições. Viajei sempre pela ADO e deu tudo certo. É mais barato comprar com antecedência pela internet, cada ônibus oferece uma passagem (só uma ) com um bom desconto e é ainda mais barato comprar em algum guichê espalhado pelas cidades. * Mexicanes: sempre muito gentis e solícites viva México <3 Não se preocupe caso você se perca entre ônibus e metrôs, es mexicanes vão te perguntar pra onde você quer ir só de ver sua cara de perdide. * Comida I- pimenta: sempre me perguntavam o quanto picante eu queria, isso quando a pimenta não vinha separado... então, sussa (mas se tiver o adjetivo “bravo” depois do nome da comida é por sua conta e risco) * Comida II - aminais: são super carnívoros e adoram carne de porco (puerco, cerdo, jamón). Passei em vários restaurantes sem nenhuma ou com uma só opção vegetariana e acho que só vi um item de um cardápio de um restaurante com o selo vegano. E nem sei se era vegano de verdade mesmo kkkkk mas tem restaurante vegano no centro da Cidade do México * Comida III - variedades: água de Jamaica é um chá gelado de hibisco bem gostoso. Água de horchata é de arroz e é bem gostosa. Esquites é um copo de milho cozido com uma erva lá, maionese, queijo, limão e chilli e é a coisa mais deliciosa que já inventaram. Eles comem grilo seco também, os chapulines. Deixe pra comê-los em Oaxaca. E michelada é cerveja com limão sal e pimenta. Muitos acrescentam suco de tomate, que lá se chama clamato. Mezcal é o mesmo que Tequila, só tiveram que botar outro nome por questões de registro. Os tacos AL pastor (porco) e de suadero (gado – res) fazem muito sucesso. E tamales são tipo pamonhas adiferentadas. Rola tamarindo pra todo lado: suco, doce, doce com pimenta, etc * Dinheiro: vi câmbio de reais em Cancun, e tava muuuuuuito ruim. O esquema é levar dólar e trocar por peso mexicano no segundo andar do aeroporto, entre o portão 6 e 8, salvo engano, do T1. Melhor cotação mesmo (em fev/2016, 1 dolar valendo 17.23 pesos) Pra 23 dias, 1500 dólares foram mais que o suficiente. * Isic card :ninguém aceitava. Os moços do museo de Templo Mayor e da Torre latinoamericana só aceitaram porque eles eram legais. * Acapulco: todos amamos o Chaves, mas Acapulco foi cortada dos planos porque era meio contramão e porque dizem que não é mais como antigamente, que já foi alguma coisa nos anos 70, que tem muita violência lá, etc. O hotel do Chaves ainda tá lá. * Hospedagem: Fiquei em quarto coletivo de hostel, sempre checando no tripadvisor e reservando pelo booking.com na cidade anterior. Deu tudo certo, em cada cidade falo sobre o lugar em que fiquei. * Domingos: Aos domingos os museus do país são de graça para os mexicanos, isso quer dizer que estão mais cheios! E segunda feira normalmente uma boa parte deles nem abre. * Dica geral pra mochileires sem muita experiência: Faça seu plano de viagem dia-a-dia. Você deve encontrar mil coisas legais que não vai dar tempo de fazer (não abra mão de pelo menos 1 dia livre sem nada planejado), então coloque no plano reserva. Diante de contratempos ou adiantamentos, você resgata o plano reserva... eu mesma usei metade do que fiz, lê o relato que vc entende!
  2. Fala galera, ai vai mais um relato meu e de minha esposa pela península de Yucatán, México, por 8 dias com a ajuda de todos vocês, claro. Dias 0 e 1: Bom, como toda viagem sem perrengue não é viagem, essa começou logo no início, ainda no aeroporto de Fortaleza, quando o funcionário da TAM viu que o SAE (visto eletrônico para o México) da minha esposa estava escrito LACEARDA e não LACERDA . Ele disse que corríamos o risco de voltar. Então minha esposa foi procurar uma Lan House as 01:30h da madrugada no aeroporto (que estava fechada). Ao olhar todas as lojas, viu que em uma locadora de carros tinha impressora e o jeito foi pedir “pelo amor de Deus” para acessar a internet e imprimir o documento heheheheh . Tudo certo, embarcamos. DICA 1: confirme o documento letra por letra. Iríamos pousar em GRU por volta de 4h da manhã mas o aeroporto fechou devido a névoa . O piloto ainda aguardou mas não teve jeito, tivemos que ir pra Viracopos (Campinas). Imaginem Viracopos recebendo todos os vôos de GRU. Filas enormes de aeronaves esperando “vaga” para estacionar. Filas para retirar as bagagens. Filas de espera pelos ônibus das companhias para levar todos para GRU. Depois de tudo isso chegamos lá por volta de 8:40h e o nosso vôo era as 8:20h, mesmo com o check-in já feito e a TAM sabendo que tivemos que pousar em Campinas o vôo partiu sem a gente, ou seja, a empresa não tem planejamento para fatos como esse e deixa o cliente na mão (não só a gente, tinham vários passageiros que iriam a Santiago e perderam o vôo também) . Pra piorar ainda mais, isso ocorreu dia 30/04 e o funcionário informou que, para o México, só teria vaga dia 02/05. . Poderíamos ficar em São Paulo tudo pago pela Tam ou fazer uma “volta ao mundo” pela LAN pra chegar em Cancun; optamos pela volta ao mundo. O roteiro original seria: FOR-GRU-Cidade do México-Cancun, depois de tudo isso o roteiro ficou: FOR-Campinas-GRU-Buens Aires-Lima-Cancun, 38h ao total, rodar toda a America do Sul, partindo de Fortaleza para chegar em Cancun, ninguém merece!!! Pra “compensar”, a companhia remarcou a volta um dia depois. DICA 2: já pensou se eu estivesse vindo de outro país pra ver um jogo do meu país? Tinha perdido tudo. E só conseguimos essas mudanças porque pagamos pelas passagens, se tivéssemos tirado as passagens com os pontos, esqueça... não tinha outra opção a não ser esperar. Ezeiza esta com a parte nova muito bonita e com internet. Lima estava frio, tivemos que comprar casacos. Dia 2: Chegamos em Cancun as 14h mas só conseguimos sair da imigração as 16h. Tinha reservado com a agência do Alvaro um transfer (U$ 30 pelo site dele), mas já dava como perdido devido a mudança dos horários (que comuniquei por e-mail, mas não recebi retorno) mas eles estavam lá e tinham respondido a esse e-mail. Ficamos no hotel Xbalamqué, no centro de Cancun (e não na zona hoteleira, R$ 100 a diária pelo Decolar, parcelando em 5 vezes). Chegamos mortos de cansados e logo de pronto recebemos o contato com o colega mochileiro aqui do site, Mauro Brandão e seu amigo Ailton, do qual combinamos de dividir um carro, o mesmo ficou pelo setor hoteleiro (o aluguel do carro foi pela Hertz, um Chevy, Classic aqui no Brasil, por uma semana com seguro que ficou por volta de U$ 380). Fomos tentar trocar uns dólares (a cotação variava entre 11,40MXN a 11,60MXN por dólar). Saquei moeda local no Santander (que tem muitos por lá) e fomos ao Shopping La Isla. Não vimos nada “mais barato” que aqui, algumas coisas até mais caras. Tomamos umas cervejas Corona na Hooters e planejamos Chichen Itzá para o dia seguinte. Jantamos em um restaurante próximo ao hotel e provamos das pimentas “muito fortes”, típicas dos mexicanos. Dia 3: Saímos cedo, por volta das 7:30h rumo a Chichen Itzá. GPS estava atualizado. Estrada ótima, mas com pedágios, pelo menos 2 de ida e 2 de volta, um de 251MXN(um pra ida e um pra volta) e outro de 60MXN (um pra ida e um pra volta), reserve logo uns 622MXN só pra isso. Logo após o último pedágio, a direita, tem um ponto de informações e compra de bilhetes. Dentre as opções, U$34,00 com almoço em um ponto mais afastado ou U$38,00 com almoço em um ponto mais central. Fechamos no de U$38. O guia saiu por volta de 650MXN em espanhol outras línguas fica por 750MXN. Chichen é lindíssima e merece um dia inteiro . Não há motivo para se ter pressa. Se for comprar lembrancinhas compre na volta (os preços despencam heheheheh ). A pirâmide de Kukulcán é linda. Bata palma bem forte em frente da entrada principal da pirâmide e escute o som do Quetzal (pássaro típico de lá). A foto em que eu apareço abaixo é do túmulo do sumo sacerdote; acreditam que teve um americano que comprou todo o local por U$75 e dinamitou este monumento . Procurando o tesouro do sacerdote , que burro, o tesouro era o conhecimento e não ouro. Não deixem de ver o Observatório Caracol e o Templo dos Guerreiros (o Chacmool, mensageiro intermediário entre os homens e os deuses, só pode ser visto a distância então abuse do zoom da sua máquina). O campo para o jogo de bola aqui é simplesmente imenso e o arco é muito alto com paredes retas (o jogo aqui durava dias). O Templo dos Jaguares e o Tzompantli (mural com caveiras) devem ser vistos também. Sinceramente teria ficado o dia inteiro ali . Como de costume, saquei minha bandeira do Brasil e batemos uma foto, quando de repente um guarda turístico me solicitou que apagasse a foto pois estas com bandeiras e símbolos estavam proibidas . O Álvaro nos confirmou que realmente os turistas passaram do limite e isso foi proibido, até por respeito a cultura Maia. Nós respeitamos muito a cultura indígena, visto que só viajamos a estes pontos (Machu Picchu, Ilha de páscoa, etc). Batemos mais um foto (no jeitinho brasileiro ) mas tomem cuidado e respeitem a cultura local. Depois almoçamos (muito boa comida mexicana por sinal) e saímos. Nosso carro já estava com um barulho estranho desde o dia anterior e a coisa piorou quando acenderam várias luzes no painel . Abastecemos o tanque no posto antes de Chichen (372MXN) e tiramos direto para a Hertz do aeroporto (o plano era Cobá, ainda bem que não fomos). Caiu uma senhora tempestade tropical, derrubando árvores, visibilidade zero, loucura. O carro conseguiu chegar até a entrada do aeroporto e morreu ãã2::'> . Pra compensar, a Hertz nos deu um Hyundai. Dia maravilhoso. Planejamos para o dia seguinte os seguintes passeios: Cobá, Tulum, Cenote Dos Ojos e Akumal. Pra fechar o dia fomos na agência do Álvaro conhecê-lo (bem famoso aqui nos Mochileiros nos relatos de Cancun) e fechamos os seguintes passeios com ele: Xcaret Plus (U$105 sem trasfer), Capitão Hook terra e mar (carne e lagosta; U$83), Coco Bongo barra livre (bebidas a vontade, U$ 60) e Isla Mujeres com nado com golfinho adventure + Parque Garrafon (U$139). Agora era descansar que o dia seguinte seria longo. DICA 3: Álvaro trabalha praticamente só com turista brasileiros, então com ele a garantia da qualidade para o que nos agrada é melhor, além de várias dicas que ele fornece.
×
×
  • Criar Novo...