Ir para conteúdo

Pesquisar na Comunidade

Mostrando resultados para as tags ''playa del carmen''.

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Fóruns

  • Faça perguntas
    • Perguntas Rápidas
    • Perguntas e Respostas & Roteiros
  • Encontre Companhia para Viajar
    • Companhia para Viajar
  • Envie e leia Relatos de Viagem
    • Relatos de Viagem
  • Encontre companhia, faça perguntas e relate experiências em Trilhas e Travessias
    • Trilhas e Travessias
  • Tire dúvidas e avalie Equipamentos
    • Equipamentos
  • Outros Fóruns
    • Demais Fóruns
    • Saúde do Viajante
    • Notícias e Eventos

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que contenham...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


Sobre mim


Ocupação


Próximo Destino

Encontrado 12 registros

  1. Mais de 2 anos sem férias internacionais graças ao Coronga, cá estou para contar como foi nossa viagem! Passagens aéreas: voamos pela Avianca, com o crédito de uma passagem de 2020 que tínhamos para o Peru. Com a Avianca Peru deixou de existir durante a pandemia, escolhemos o México como destino das férias e pagamos a diferença de valor. O serviço de bordo foi péssimo nos 4 vôos que pegamos com eles e, pelo preço pago ao todo, achamos muito inferior ao que deveria ser. MOEDA: trocamos pesos mexicanos aqui no Brasil mesmo, para evitar a perda de trocar real -> dólar -> peso mexicano. A cotação do dia que trocamos foi 1 real = 32 pesos mexicanos, levando um total de MXN 25500 + 500 dólares de segurança (já tínhamos dólares de viagem anterior). Essa não foi uma viagem luxuosa, foi com mochilão nas costas, sem resorts e hotéis de luxo, mas com lugares incríveis que eu voltaria mil vezes! O roteiro foi todo montado por mim, só pesquisando e lendo muitos relatos e blogs de viagem. As reservas de acomodações foram feitas pelo site Booking.com Considerações: 1. Não jantamos todos os dias. Muitas vezes comemos um salgadinho ou beliscamos alguma besteira, principalmente nos dias em que almoçamos mais tarde. Achamos a alimentação no México, de maneira geral e comparando com o nosso padrão em São Paulo, cara. Reservamos aproximadamente 500 pesos por dia (~R$160, ou seja, 40 reais por refeição por pessoa) para o almoço e jantar, para duas pessoas e muitas vezes ultrapassamos esse valor. 2. Não alugamos carro, parte pelo receio da polícia mexicana corrupta, parte porque, pelas minhas pesquisas, mesmo com tantos deslocamentos de ônibus para duas pessoas, ainda assim sairia mais barato que alugar um carro + combustível + pedágios. Tive a impressão de que as estradas são boas, mas vimos muitos pedágios, então é um ponto a ser considerado para quem pensa em alugar carro. 3. Lojas de conveniência: Oxxo, 7eleven, Circle K, e outras estão espalhadas por todos os cantos do país! É extremamente fácil encontrar essas conveniências, o que é excelente para os turistas. 08/12 Partida de São Paulo: Já no check-in da Avianca pediram o QR code do Vuela e no momento do embarque também em São Paulo também. Fizemos uma escala rápida em Bogotá, e nesse vôo preenchemos o formulário da aduana no avião e quando desembarcamos, descobrimos uma fila enorme para preencher o formulário de imigração (nem sabia que tinham dois). A agente federal nos perguntou quantos dias ficaríamos, motivo da viagem, reserva dos hotéis impressas, cidades em que íamos passar, profissão de cada um, valor em dinheiro que trouxemos e se tínhamos cartão de crédito (pediu para vê-los também). A passagem de volta estava impressa e em cima da minha pasta no balcão. Quando a oficial viu o que era, pegou para conferir os dados. Depois de tudo isso e com o coração quase saindo pela boca, fomos liberados! 🎉 Saímos do aeroporto em Cancun quase meio-dia e lá dentro mesmo compramos passagens da empresa de ônibus ADO para o centro da cidade. O ônibus demorou menos de 20min para chegar e mais uns 20min até o terminal no centro da cidade, que era bem próximo ao nosso hotel, fomos andando. Deixamos as mochilas no hotel, passeamos pelo turístico Mercado 28, fomos até um mercado Chedraui e no Walmart (comprar o café da manhã e água). Voltamos e descansamos. Hospedagem: Hotel Suites Gaby: bem localizado no centro, praticamente em frente ao mercado 28. Ar condicionado excelente, várias redes de wifi. Ponto negativo é não ter café da manhã incluído. MXN1114 por duas diárias. Gastos do dia: ADO aeroporto-centro: 2x de MXN98 Almoço em restaurante buffet local com suco: 2x de MXN90 Hotel - duas diárias: MXN1114 Walmart: MXN155 09/12: Isla Mujeres Bem em frente o nosso hotel, pegamos um ônibus municipal para Puerto Juarez, um dos locais de onde saem o ferry para Isla Mujeres. Lá, ficamos basicamente na Playa Norte, andando para a direita até o final, onde se encontra o resort Mia Reef. É uma praia linda, sem ondas e não muito cheia como a Playa do Centro. Nossa ideia era alugar uma moto depois do almoço para conhecer as praias do sul, mas gostamos tanto dessa praia que acabamos voltando para ela. O almoço foi em um restaurante chamado Fredos, que fica na rua principal, onde se localiza a maior parte do comércio. Gostoso e preço ok! Pegamos o ferry de volta para Cancun por volta das 16h. Depois de passar no hotel, fomos andar no Mercado 28 e foi lá que encontramos a refeição mais gostosa de toda a viagem e provavelmente mais barata também. Se estiver no seu roteiro passar pelo Mercado, fica a dica: almoce ou jante na praça de alimentação de lá. Gastos do dia: Ônibus do hotel para Puerto Juarez: R6 2x MXN9.5 Ferry (pegamos uma promoção para usar também para Cozumel): MXN1951 Ônibus do porto para o hotel: 2x MXN9.50 Almoço Fredo: MXN220 c/gorjeta Duas bolas sorvete em Isla Mujeres: 2x MXN40 Souvenir Mercado 28: 5 chaveiros + imã MXN130 Jantar no Mercado 28: (2 pratos, um copo de suco e entrada de Nachos) MXN215 Ferry da Ultramar Playa norte (foto tirada com Gopro Hero 9 e Dome - Sem filtro) Leve seu snorkel! Perto da ponte de madeira do Mia tem muitos peixinhos! Nosso almoço 10/12: Cancun - Isla Holbox Sabe aquele lugar que você vê as fotos e pensa que é sonho? Pois assim eu me sentia mesmo sem conhecer Holbox. É uma ilha pequena, roots e com europeus aos montes (principalmente franceses), mas com muitas opções gastronômicas de hospedagem. Comprei a passagem de ônibus (ADO) de Cancun até Chiquilla (de onde parte o ferry para a ilha) pelo site Busbud mais de 1 mês antes da viagem, visto que são só dois horários por dia e dezembro é alta temporada. O terminal onde param os ônibus é bem perto do porto onde saem os ferrys e dentro do próprio ônibus da ADO, vai um funcionário vendendo o ticket do ferry, assim você evita pegar fila quando chega lá. A travessia dura uns 20min e na hora do almoço chegamos no paraíso! Nosso hostel ficava a menos de 5min andando do ferry, e como a ilha não tem carros, a opção lá é andar ou chamar um táxi que são como carrinhos de golfe. Durante a tarde conhecemos a praia do centro, que é bem extensa e muito bonita! O mar é calmo, tem bancos de área para todo lado, então é raso e ficamos por lá até não querer mais. Site com informações da ilha, horários de ferry, dos ônibus, passeios e tudo mais: https://the.holboxeno.com/ Hospedagem: Mapache Hostel & Camping: ficamos no que eles chamam de Tipi: como uma cabana de madeira com teto de palha. Quente, porém com um espaço bom e ventilar no teto, além de mosquiteiro em volta da cama, com banheiro compartilhado. Café da manhã simples incluso. MXN1900 por duas diárias. Gastos do dia: Ônibus Cancun-Chiquilla: R$199,46 (cobrado no cartão de crédito, para duas pessoas) Ferry Chiquilla-Holbox-Chiquilla: 2x MXN440 Almoço: 2 pratos+ 1suco MXN305 Mercadinho (água, salgadinho e biscoito): MXN77 Coca e Água na praia: MXN70 Porto de Chiquillá Nossa tipi do Mapache Hostel Estrela-do-mar (não parece, mas ela estava dentro da água super cristalina) Ruas de Holbox à noite ❤️ Tentativa de foto de céu noturno com o celular (muita iluminação próxima) 11/12: Isla Holbox Acordamos cedo e partimos para Punta Mosquitos, extremo norte da ilha, onde você caminha por quase 2horas em um banco de areia no meio do mar, até chegar em uma reserva natural com muitas aves e flamingos. Nos mapas offline que eu tinha, Punta Mosquitos aparece como além dessa reserva mais uns 4km, mas após muito andar e passar da reserva (apesar das placas avisando que não poderia), fomos chamados com apitos pelo segurança da área. Veja bem, estávamos andando pelo banco de areia, no meio do mar, há uns 200 metros da costa/praia, então achamos que não teria problema, afinal, as aves estavam longe de nós, mas levamos uma bronca (e ainda bem que foi só isso) e fomos informados de que é proibida a passagem além daquela área. Li muitos relatos na internet de pessoas que foram até Punta Mosquitos, mas nenhum dizia sobre abordagem de seguranças, então... Engoli minha frustração e voltamos os 3km percorridos. É uma caminhada linda, porém cansativa! Entramos no banco de areia bem próximo ao último beach club que tem na praia do centro e em alguns lugares a água chegava praticamente na cintura, então o esforço de caminhar com as pernas dentro da água é grande, mas valeu a pena. Vimos estrelas-do-mar pequenininhas dentro da água e até arraias (medo!) além das aves da reserva de Punta Mosquito. Quando chegamos no centro de novo, já era praticamente hora do almoço. Comemos e partimos para o outro extremo da ilha: Punta Cocos. Fomos caminhando pela praia, demoramos mais de 1h para chegar lá (aproximadamente 3,5km). A praia é bem bonita, mas como fica mais perto de uma área de mangue, a água é menos cristalina. Muitas pessoas vão até lá para apreciar o pôr-do-sol e durante a madrugada para ver o fenômeno de bioluminescência (não fizemos nenhum dos dois). Leve repelente, porque a mata bem próxima à praia traz muitos mosquitos para a areia. Gostaria de ter feito o passeio de caiaque até Punta Cocos para ver a bioluminescência mas, além de ser caro (~1000 pesos por pessoa), a lua influencia na claridade e torna mais difícil de ver o efeito. Na época em que estávamos lá, se não me engano, era lua nova e as agências esperavam até praticamente a lua sumir e o sol começar a nascer para sair, por volta das 4h da madrugada, então deixamos para lá... Gastos do dia: Almoço: 2 pratos+ 1coca MXN267 Mercadinho: Água, salgadinho e coca MXN68 Mercadinho de novo: Água e coca $40 Caminhando em direção ao norte Enorme banco de areia a caminho de Punta Mosquitos e a distância da praia Aviso bem próximo à reserva de Punta Mosquitos. Dessa área em diante a passagem é proibida, mesmo contornando as bóias à esquerda Praia de Punta Cocos 12/12: Isla Holbox - Valladolid Nosso último dia na ilha, fizemos o checkout do hostel cedo, deixamos nossas bagagens lá e fomos curtir a praia do centro, indo no sentido norte, para Punta Mosquitos. Como chegamos cedo, conseguimos tirar fotos lindas, sem ninguém na praia, em um banco de areia só para nós. Almoçamos, andamos pelo centrinho e fomos para o hostel pegar nossas bagagens e ir para o ferry. Pegamos o ônibus ADO em Chiquilla às 16:45, destino Valladolid, onde chegamos às 18h (-1h de fuso horário). Nosso hostel estava há 10min andando do terminal fica bem próximo da praça principal da cidade e chegamos no dia de Santa Guadalupe, então toda a cidade estava em festa e uma procissão estava acontecendo. Como fomos informados depois, a cidade é bem religiosa e essas comemorações são muito importante para eles. Deixamos a bagagem no hostel e fomos até o Scooterent Valladolid (https://scootervalladolid.com/), bem próximo do hostel, alugar nossa moto para o dia seguinte. O funcionário Jesus foi muito simpático e me mandou no whatsapp muitos links, informações e mapas da cidade, além de se colocar à diposição para tirar nossas dúvidas mesmo em relação à turismo. Quanto à moto: recomendo alugar se você já tiver alguma experiência com isso. Acontecem muitos acidentes no México com turistas que resolvem pegar uma scooter pela primeira vez e acabam se dando mal... Pagamos 600 pesos pelo aluguel de 24h com 2 capacetes, além de um depósito de segurança de 1000 pesos + retenção do meu passaporte. A scooter é de uma marca bem conhecida lá, chamada Italika. É uma 49cc, ou seja, não anda nada, mas com paciência e perseverança se chega ao longe! kkkk Ele nos instruiu a andar sempre em menos de 50km/h para não ter problema de aquecimento ou na corrente da moto que costuma escapar, andar sempre pelo lado direito da estrada, dando passagem aos motoristas (que achei mais doidos que os paulistas no volante) de carros e ônibus. Jantamos no Domino's próximo à praça principal e nos encantamos com a cidade de Valladolid à noite, toda enfeitada com luzes de Natal! Hospedagem: Hostal Gayser: MXN500 por duas diárias em quarto duplo com banheiro compartilhado, sem café da manhã. Gastos do dia: Almoço: 2 pratos + 1suco MXN305 Mercado: chocolate + Água MXN61 Ônibus Chiquilla-Valladolid: R$151 (debitado do cartão de crédito, comprado pelo site Busbud antes do início da viagem) Jantar: Pizza grande Domino's+ 1coca MXN189 Aluguel scooter para 24h: MXN600 Água bem verdinha, mas não tão transparente como Isla Mujeres Fotos num pequeno banco de areia na praia central, mais ao norte. Estava bem cedo e o sol ainda não batia na água. Arte na praça prinicipal da ilha Letreiro de Holbox bem na praia central Moto que apelidos de La Tortuguita Igreja bem na praça principal de Valladolid 13/12: Chichen Itzá Possivelmente o dia em que mais gastamos na viagem, porém possivelmente o mais incrível. Chichen Itzá é uma das ruínas maias mais conhecidas e visitadas do México e recebe milhares de turistas, principalmente em excursões, saindo de Tulum, por isso, a nossa ideia era chegar bem cedo e assim fizemos. Depois de 1h15min para percorrer o trajeto de quase 40km entre Valladolid e Chichen Itzá, às 9h já estávamos na entrada, onde compramos os tickets e fomos abordados por um guia em espanhol que ofereceu seus serviços por 100 pesos por pessoa, com duração aproximada de 20min de explicações. Aceitamos e nos encontramos com outras pessoas que ele juntou. Os 20min de guia se tornaram 1h (e que bom, porque tem história demais naquele lugar) e ainda bem que fechamos com o guia, porque não é o mesmo ver tudo ali sem entender como foi feito, como vivia o povo dali e qual era o objetivo de cada construção ou detalhe. Depois desse período, ficamos andando livremente por lá. Passamos pelo cenote sagrado e fomos na direção oposta para ver o observatório/planetário. Havia lido relatos e mais relatos dizendo que as lembrancinhas lá eram mais baratas que no Walmart, porém não achamos barato assim. São muitos vendedores lá dentro com suas bancas, eles abordam mesmo e fazem de tudo para que você gaste e conosco deu certo! kkk A maioria já aceita cartão de crédito ou débito com uma pequena taxa para a administradora da máquina. Saímos de Chichen Itzá por volta das 11h e o parque já era uma multidão de gente sem fim! A fila da bilheteria estava enorme e as fotos lindas e vazias que tiramos cedo, nesse horário seriam impossíveis. Mantra para a vida: acordar cedo é fugir de multidões! Menos de 15min depois, fomos ao mais conhecido cenote da região: Ik Kil, super perto de Chichen Itzá e parada de muitas excursões de ônibus. Como a maioria ainda estava chegando em Chichen Itzá nesse horário, ainda conseguimos pegar o cenote relativamente vazio. A entrada custa 150 pesos por pessoa e inclui vestiário, jaleco salva-vidas obrigatório e locker. Existe um outro tipo de ingresso que contempla tudo isso + o almoço e, se não engano, custa uns 300-350 pesos por pessoa. Esse foi nosso primeiro cenote da vida e que experiência incrível! Entendi logo de cara porque os cenotes eram considerados sagrados pelos maias e ficamos ali contemplando e de molho na água por aproximadamente 1h, quando começou a chegar muito mais gente e decidimos voltar. Foram mais 1h15min mais ou menos até chegar na cidade, por volta das 14:30-15h, então devolvemos a moto (que tínhamos pago até às 19h) e fomos tomar banho, almoçar e andar no centro da cidade. Jesus nos devolveu os 1000 pesos de caução e meu passaporte. Gastos do dia: Estacionamento Chichen Itzá (mesmo preço para moto ou carro): $80 Baguete de pão: $55 Entrada em Chichen Itzá: 2x $533 Guia: 2x $100 Água+ refri dentro das ruínas: $100 Souvenir: Pulseira obsidiana + imã $380 Souvenir: Pratinho + pulseira $500 Souvenir: Pingente de aventurina $180 Souvenir: Dominó de pedra $600 Cenote Ik Kil: 2x $150 Almoço no mercado municipal: 2pratos+ 1suco $205 Mercado: água, chocolates, ovos, pão $135 + café $18.50 Observatório Cenote sagrado de Chichen Itzá, onde as oferendas eram jogadas Cenote Ik Kil 14/12: Valladolid - Tulum No roteiro original, nesse dia nós iríamos alugar uma bicicleta e visitar mais cenotes da região, sendo eles o Zaci, que fica bem no centro da cidade e o X'keken e Samula. Descobrimos no dia anterior que o cenote Zaci estava fechado para manutenção e revitalização. Acordei com um pouco de dor de cabeça e a ideia de andar uns 20km ao todo, de bicicleta, num sul de 30ºC não pareceu muito atrativa. Ficamos andando um pouco no centro, conhecemos o letreiro da cidade, junto com o convento de San Bernardino. Na praça principal fomos abordados por um funcionário da ADO, oferecendo um city tour de ônibus com duração de 1h por 80 pesos por pessoa e acabamos indo. Vimos uma parte da cidade que não tínhamos passado, mais outras 2 ou 3 igrejas que não tínhamos conhecido e um pouco da história da cidade através da gravação que fica tocando nos alto falantes do ônibus. Almoçamos no mercado municipal da cidade e fomos para o hostel, porque nesse momento minha enxaqueca já tinha chego e eu precisava tomar remédio e descansar. Às 15h partimos da rodoviária de Valladolid, mais uma vez com a empresa ADO para o nosso próximo destino: Tulum. Chegamos por volta das 17:30 e fomos caminhando 15min até nosso hotel da vez. Hospedagem: Mimosa Tulum: R$500 por duas diárias em quarto duplo compartilhado, cobrados antecipadamente no meu cartão de crédito. Uma ressalva é que reservamos com café da manhã e chegando lá, descobrimos que desde 01/12 eles estavam cobrando o desjejum, mas com 50% de desconto para os hóspedes (palhaçada reservar um negócio e não encontrar aquilo que eu paguei né?). Tirando isso, infraestrutura maravilhosa, tem bar, tem piscina, tem aluguel de bike, muitos banheiros e peca um pouco no wifi que é bem instável. Não é na zona hoteleira de Tulum, mas é super perto de várias opções gastronômicas, agências de turismo e da avenida que te leva para a praia. Gastos do dia: Ônibus Valladolid-Tulum: R$83,60 (comprado no site BusBud, no dia anterior, pago no cartão de crédito) Mercado: Água, gilette, chocolate $70 City tour by bus: 2x $80 Almoço comida chinesa: 2 pratos+ 1 Coca: $200 Letreiro da cidade em frente o convento de San Bernardino Convento de San Bernardino Ruas da cidade e fonte na praça principal Mimosa Tulum 15/12: Tulum Acordamos cedo, tomamos café da manhã no hotel mesmo (50% de desconto para hóspedes) e partimos para alugar uma bike. Ola Bike Tulum foi o local escolhido (já tinha pesquisado na internet antes) e nos cobrou 150 pesos por dia, por bicicleta + depósito de segurança de 1000 pesos por bicicleta (seria menos se deixássemos os passaportes, mas não estávamos com eles). Sobre as bicicletas: infelizmente alugamos por 2 dias cada bike e nos arrependemos (o roteiro no dia seguinte era pedalar 50km). As bicicletas tinham cestinho, não tinham freio nas mãos (o freio delas é pedalando para trás) e eram bem velhas. Os bancos eram bem desconfortáveis e no mesmo dia, tanto eu como meu marido, já estávamos com todos os ossinhos da bunda doloridos. Pedalamos uns 4km até as ruínas de Tulum, onde já tínhamos ideia do que encontraríamos pois pagamos o guia em Chichen Itzá. Essas são menos "vistosas" aos olhos depois de conhecer Chichen, mas não deixam de serem lindas e estarem na beira da praia, que por sinal estava com acesso fechado, em época de desova de tartarugas. As ruínas de Tulum também contam com guia, disponíveis na entrada, mas não sei quanto eles cobram. Após 1h-1h30 mais ou menos, saímos das ruínas e paramos em um dos acessos públicos à playa Paraiso. Que sonho de lugar! O dia estava um pouco nublado, ameaçando chover, mas a cor da água impressiona! O mar não é tão calmo como de outros lugares que passamos antes, mas o visual é surreal e estava bem vazia quando fomos. Voltamos para o centro, almoçamos num restaurante chamado "El Mariachi Loco" (bom custo-benefício), tomamos um banho no hotel e partimos para a zona hoteleira, ver o famoso Azulik e o museu Sfer Ik, porém chegamos lá depois de ter fechado (18h). Tiramos foto com a escultura mais famosa de Tulum no Instagram, a "Ven a La Luz" e o que eu não sabia é que você paga para acessar e tirar foto com ela. Como já estávamos lá, acabamos pagando e entrando, mas fica a dica que ninguém deu no Instagram. Voltamos para o centro e próximo do nosso hotel achamos uma feirinha de rua com algumas barraquinhas de comida que estava bem cheia de turistas (bom sinal né?). Comida barata e muitíssimo boa, foi super aprovada! Gastos do dia: Café da manhã: 2x $60 Ruínas tulum: 2x $80 Bike: 2dias 2x $300 Almoço: 2 pratos+ 1 suco $275 Sorvete Aldo's: 3bolas $169 Mercado: $132 Escultura Ven a La Luz: 2x $60 Mercado: Água+cornitos $37 Jantar na feirinha de rua: 3 quesadillas $90 e 3 gringas + 1 coca $60+20 Acesso à praia estava fechado para desova das tartarugas Playa Paraiso Nossos almoços no "El Mariachi Loco" Esse não precisa pagar para tirar foto. Fica em um shoppingzinho bem na rua principal Achei esse hotel bonito, mas não sei o nome Feirinha de rua onde jantamos 16/12: Tulum - Playa del Carmen Meu roteiro original para esse dia era conhecer o Cenote Sac Actum, um dos maiores, do mesmo complexo Dos Ojos (e bem caro também), mas que fica há 24km de Tulum. Como já tínhamos alugado as bicicletas achando que conseguiríamos chegar lá pedalando, não quis alugar uma scooter e gastar mais dinheiro com isso. Acabamos no plano B: Cenote Calavera, há menos de 4km do nosso hotel. Chegamos às 9h, no horário em que abre e fomos os primeiros! Conseguimos tirar as fotos sem ninguém de depois de uns 10min chegou um casal. Depois das 10h chegou uma galera, mas não chegou a ficar super lotado. É lindo, é surreal, é paz na terra... Só é bem superfaturado pelo que oferece. Não tem locker e o colete salva-vidas é alugado à parte. Se você disser que está levando Gopro ou drone, paga mais tanto para usá-los. O ponto legal é que tem cadeiras ao redor da cratera, onde você pode tomar sol e apoiar sua bolsa/mochila. Como estávamos com colete salva-vidas, conseguimos ficar ali por um bom tempo, saindo por volta das 11h. Almoçamos no mesmo lugar do dia anterior (restaurante El Mariachi Loco), devolvemos as bicicletas (antes do prazo estipulado mesmo) e partimos para Playa del Carmen. Compramos as passagens na rodoviária para o próximo horário disponível e, pela primeira vez, não viajamos de ADO, mas com a empresa Mayab e não gostamos do serviço deles. Caminhamos uns 15min da rodoviária até o nosso hotel, por toda a quinta avenida. Deixamos nossas coisas lá e saímos para ver o que Playa tinha a oferecer. É um lugar bem movimentado durante o dia e cheio de opções para curtir à noite também, além de muitos shoppings e lojas de marca, que não favorecem quem ganha seu suado dinheiro em real. Escolhemos o restaurante "La Famiglia" na 10ª avenida para jantar e foi uma decisão acertada! Wifi excelente, atendimento maravilhoso e pizza super saborosa! Recomendo! Hospedagem: Hotel Bosque Caribe 5th Avenida. US$25, uma diária em quarto duplo com banheiro compartilhado sem café da manhã. Sabíamos que era próximo de um restaurante com música à noite, mas era bem localizado e odiamos! kkkk O barulho foi absurdo até quase 2h da manhã, o colchão era super desconfortável e o wifi instável demais. Resumo: não valeu a pena. Gastos do dia: Cenote Calavera: 2x $250 Aluguel de Colete salva vidas: 2x $50 Almoço: 2 pratos+ 1suco $275 Sorvete Aldo's: 3 bolas $168 Ônibus: Tulum - PDC 2x $47 Jantar: Pizza La Famiglia $236 Possivelmente o sorvete mais caro da minha vida. Valeu a pena! 17/12 - Cozumel Fizemos checkout do hotel e como já tínhamos os tickets do ferry para Cozumel (compramos o combo quando fomos para Isla Mujeres), saímos cedo achando que pegaríamos a travessia das 9h (indicada no site da Ultramar e também no papel impresso que nos deram), porém descobrimos que ele saía às 8h e o próximo seria Às 10h. O das 9h estava sendo operado por uma outra empresa (Winjet) que não aceitava nossos tickets. Paciência... Quase 40min no ferry, deixamos nossa bagagem no hostel e saímos para almoçar e decidir o que fazer no restante do dia. Almoçamos na praça principal, descobrimos onde alugar scooter para o dia seguinte e passamos no porto para ver os horários de retorno do ferry e ali, tem muitas agências tentando vender passeios. Acabamos conversando com um vendedor, que viu que éramos brasileiros e deixou um super desconto o passeio El Cielo, que normalmente custa 70 dólares por pessoa, por 35 dólares cada um (meu marido e eu) e acho que daria para conseguir mais desconto se tivéssemos jeito para negociação. São aproximadamente 4 horas de duração, com parada em 2 recifes de corais + parada em El Cielo + parada no Cielito, com duas bebidas e frutas inclusas, além de colete salva-vidas e snorkel. Claro que um fotógrafo profissional vai a bordo vendendo seus serviços para quem quiser comprar. Não perguntei o valor, mas teve uma família do nosso barco que acabou fechando com ele. MELHOR PASSEIO DA VIDA! Saímos às 13h, navegamos uns 25min até o primeiro recife (não lembro se Colômbia ou Palancar), onde fomos nadando até o segundo recife, uns 30min dentro da água. A profundidade varia de 6 a 8 metros, se não me engano e o uso de colete não é obrigatório, mas é recomendado. Me perguntaram duas vezes se eu tinha certeza que estava bem de saúde para ir sem! kkkk (e sim, para mim foi tranquilo). Subimos a bordo e menos de 10min chegamos na cereja do bolo: El Cielo, com profundidade de 2-3metros, local onde vivem estrelas-do-mar (as maiores que já vi), mas tirando elas e a cor surreal da água, não tem muita vida marinha ali. Ficamos ali por uns 30min e um dos integrantes do meu barco, tocou em uma das estrelas e a virou. O guia que vai junto conosco viu, deu bronca e voltou a estrela para o lugar, mas foi só isso... Dizem que seria até delito federal, mas para esse indivíduo, nada aconteceu. A última parada foi em El Cielito, um banco de areia no meio do mar, com aproximadamente 1m de profundidade, onde paramos por 40min, nos ofereceram as bebidas inclusas e as frutas. Um lugar para descansar um pouco, encher a barriga e contemplar a cor incrível do mar. 45min depois, com uma navegação modo super fast e muita emoção, retornamos ao porto no centrinho de Cozumel. Resumo: valeu mil vezes esse passeio. Contemplar a vida marinha, ver um mar tão incrível, poder nadar junto com a natureza livremente, não tem preço! Se tiver câmera como GoPro, leve, é liberado! Eu usei caixa estanque para e bastão flutuante para não correr risco de perdê-la no mar. Importante: para preservação da vida marinha, não é recomendado uso de protetor solar durante o passeio. Voltamos ao hostel, tomamos banho e saímos para comer. Estava doida para provar Marquesitas, uma comida típica de lá, vendida comumente na rua. É como um crepe francês, enrolado como um charuto, com queijo ou outros "toppings". Hospedagem: Hostel Auikyani, há uns 200m do ferry, MXN584 uma diária, em quarto duplo com banheiro compartilhado, sem café da manhã. É um local simples, com localização excelente e o proprietário é muito solícito e super gentil! Gostamos muito de lá! Gastos do dia: Almoço: 2 pratos + 1 limonada + 1 Coca $330 Passeio El cielo: US$70 para 2 pessoas Jantar: Marquesitas e churros na rua $120 Mercado: iogurte, salgadinho, água $133 Algum lugar entre recifes Colombia e Palancar Em El Cielo Em El Cielo - estrela-do-mar maior do que aparenta na foto Foto no Cielito, banco de areia acessível só através de barco Pôr-do-sol no porto Luzes de natal no terminal marítimo de Cozumel 18/12 - Cozumel Começamos a saga de alugar uma scooter às 9h, quando a maioria das locadoras abre. No dia anterior, falamos com um vendedor no calçadão e decidimos ir até a loja dele. Ele tinha dito que o aluguel custaria 400 pesos para o dia. Chegando lá, o menino que nos atendeu disse que seria mais 100 pesos obrigatórios de seguro básico, além do caução de 1000 pesos. As motos eram super velhas e, quando fomos sair com a scooter, percebi que o velocímetro não funcionava. Voltamos na loja... Ele nos deu uma segunda moto e olha só! Velocímetro também não funcionava. Ouvimos ele falando no telefone com o responsável pelo estabelecimento e dizendo que nenhuma das motos funcionava o velocímetro, mas que não tinha problema, podíamos ir assim mesmo. Recusamos, claro. Atendimento ruim, motos velhas e não funcionam como deveriam. Não vou nem deixar o nome aqui para não induzir alguém ao erro. A moça da locadora bem ao lado deve ter se compadecido de nós e disse que tinha uma scooter novinha que nos alugaria pelo mesmo valor e na loja dela, o seguro obrigatório de 100 pesos já estava incluído nos 400 pesos do aluguel, ou seja, ainda voltamos para cobrar nossos 100 pesos de volta na loja podre ao lado. Realmente: moto novinha (rolou um psicológico da vendedora que se caíssemos, derrubássemos a moto e tal, teríamos que pagar, pois a moto era nova e não tinha um arranhão), não tivemos nenhum problema. A ilha tem 15km de largura. Decidimos ver primeiro o lado voltado para o oceano, onde tem menos pessoas e praias mais "selvagens" e menos "mar do Caribe". Fomos fazendo paradas para fotos e vídeos conforme nos impressionávamos com a paisagem, mas não paramos para banho em nenhuma delas. Passamos pelo Punta Sur Eco Beach Park, mas a entrada era 18 dólares por pessoa e já estava perto das 11h, então achamos que não valia a pena pagar 100 reais por pessoa e não passar o dia todo por lá. Tinha também uma entrada que custava um pouco mais e dava acesso a outras coisas, mas não lembro dos detalhes agora... Continuamos nossa volta à ilha e acabamos entrando no Beach Club Palancar (já no lado da ilha voltado ao continente) onde não é cobrado estacionamento e pedem consumo mínimo de MXN270 por pessoa. Tem umas lojinhas ao lado do beach club e oferecem snorkel e outros passeios por lá. A praia em frente ao restaurante era o que procurávamos: calma, linda, clara. Ainda tinha uma pequena plataforma flutuante onde os clientes subiam para pular, tirar fotos e tomar sol. A comida mesmo não era grande coisa e deixou a desejar. Pedi um filé de peixe e veio só gordura, sem sabor... Meu marido pediu tacos e também não curtiu muito. Ao final, gastamos MXN550 (nós dois) e ficamos por lá até umas 14h30. Esse lado da ilha não é legal nem bonito de passar, pois a estrada fica um pouco distante das praias, sendo a orla tomada por beach clubs e propriedades particulares e quase nenhuma vista para quem está do lado de fora, ou seja, para aproveitar, você precisa desembolsar um dinheiro em restaurante. Chegando no centro, abastecemos a moto, devolvemos ela, saímos correndo para o hostel pegar nossas bagagens numa maratona de última hora para pegar o ferry que saía às 16h do porto. Pela primeira vez, a travessia não foi tranquila como as anteriores. Pegamos muitas ondas maiores e o ferry balançou bastante. 40 minutos depois, chegamos em Playa del Carmen e fomos para o nosso hostel, na 10ª avenida, bem próximo ao ferry. Tomamos banho e voltamos ao restaurante La Famiglia, onde pedimos repeteco da pizza. Provavelmente um dos melhores lugares em que comemos durante a viagem! Hospedagem: Wabi Hostel MXN1810, 3 diárias em quarto duplo com banheiro compartilhado. Bem localizado, na 10ª avenida, perto do ferry e do terminal rodoviário. Várias redes de wifi não muito estáveis. Nosso quarto teve um problema com o ar condicionado, então ganhamos um "upgrade" de duas noites em quarto triplo com banheiro privativo. Camas super confortáveis, ar condicionado maravilhoso e café da manhã incluso. Gastos do dia: Aluguel scooter: $400 Gasolina: $35 Almoço beach club Palancar: $550 Mercado: Água, café, salgadinho $150 Jantar: pizza na La Famiglia $240 Foto da moto nova que depois de muita luta conseguimos alugar Praia praticamente deserta do lado voltado ao oceano Praia do Palancar beach club Nossos almoços (não gostamos da comida) Pizza maravilhosa no La Famiglia 19/12 - Playa del Carmen O roteiro desse dia era alugar uma scooter e conhecer o Cenote Chaak Tun (distante 8km de Playa) e o Cenote Azul, há 24km de Playa (é diferente da Laguna Azul), mas confesso que nesse dia o cansaço da viagem bateu muito forte e decidimos só curtir a praia, postergando esses planos para o dia seguinte. Fomos à praia central mesmo e passamos o dia todo lá. Almoçamos tarde em um restaurante na 10ª avenida que não impressionou... Voltamos ao hostel, tomamos banho e saímos para passear. Fomos ao shopping Paseo del Carmen, bem perto do ferry, e não está fácil para os brasileiros ganhando em real. Convertendo, tudo saía bem caro. Gastamos apenas com uns donuts bem gostosos numa loja do térreo que lá são chamados de donnas. O destaque da 5ª avenida, para nós, foi a Miniso! Já conhecíamos algumas lojas aqui de São Paulo, mas a de Playa del Carmen tem uma infinidade de produtos que não temos aqui e nosso dinheirinho foi embora que nem água! kkkk (não coloquei nos gastos do dia porque compras é um negócio bem particular e poderíamos ter voltado sem gastar nada por lá, porque o foco da viagem nunca foi compras) Gastos do dia: Almoço: $400 Donuts: $66 Água: $40 Praia no centrinho de Playa del Carmen Donuts natalinos Shopping Paseo del Carmen enfeitado para o Natal 20/12 - Playa del Carmen Esse era o dia de finalmente, fazer o rolê que não fizemos no dia anterior, mas a previsão do tempo era ruim, estava bem nublado e com cara de que ia chover em breve. Além disso, eu não estava bem, acordei com um mal-estar que depois virou uma enxaqueca, então perdemos nossa manhã no Walmart (meu marido ama! Só a título de curiosidade de quem lê, gastamos MXN2400 lá). Voltamos ao hostel, tomei remédios e dormi bastante. Fomos "almojantar" no Hard Rock Cafe da 5ª avenida e é a qualidade que já conhecemos... Hambúrguer gostoso, porém não é o melhor da vida. Voltamos ao shopping Paseo Del Carmen, onde compramos algumas coisas na loja Old Navy e acabou o dia. Gastos do dia: Almoço no Hard rock: $670 Almoço no Hard Rock 21/12 - Playa del Carmen - Cancun Tomamos café da manhã, fizemos checkout e partimos para a rodoviária, onde pegamos um ônibus ADO com destino a Cancun. A viagem durou mais ou menos uma hora e quando descemos, pegamos um ônibus da linha R1 para a zona hoteleira, onde fizemos o checkin e deixamos as nossas malas guardadas no Selina Cancun Laguna Zone (deixei minha opinião sobre o hotel abaixo). Almoçamos em um restaurante chinês numa plaza chamada Cancun Center e foi um erro! kkk Comida barata, porém bem ruim. Depois passamos uma parte da tarde na praia Caracol, uma praia pequenininha de onde saem ferrys das Ultramar com destino à Isla Mujeres. A cor do mar é bem bonita, mas para os padrões México, tinha bastante onda. Voltamos ao hotel, tomamos banho e pegamos o ônibus R1 para ir até o Walmart do centro de Cancun. Fizemos mais compras por lá, jantamos no Mc Donald's que fica lá dentro e pegamos o ônibus de volta. Hospedagem: Selina Cancun Laguna Zone US$153 ou MXN 3000 pesos por 2 diárias com quarto duplo privativo e banheiro compartilhado, sem café da manhã. Achamos extremamente caro pelo que é oferecido. O hotel tem uma localização excelente, estrutura muito boa, porém super mal cuidado. O banheiro compartilhado ao lado do nosso quarto, por exemplo, passou mais de 16h sem papel higiênico (e tinha quarto compartilhado com mais de 10 camas ali naquele mesmo andar...). A piscina estava nojenta de suja, água super turva e ninguém dentro da água. A yoga prometida diariamente, quando eu quis fazer, não teve. O funcionário da recepção foi super rude conosco e no Booking, onde fiz a reserva, mostrava o valor em dólares. Para a minha surpresa, eles não aceitavam dólares como pagamento no checkin! Ou eu pagava em pesos (que no final da viagem provavelmente me faria falta), ou pagava no cartão de crédito, onde ainda cobraria o IOF da transação. Fiquei bem decepcionada com o Hotel, porque já cansei de ver influencer fazendo propaganda deles e achei que valeria a pena. Gastos do dia: PDC-Cancun Ado: $188 Almoço em restaurante chinês: 2 pratos + 2 refris $242 Ônibus: 2x $12 Jantar no Mc donalds: 2 combos $182 Ônibus R1 (ida e volta para 2 pessoas): 2x $24 Playa Caracol Hotel Selina 22/12 - Cancun Acordamos cedo, passamos numa 7eleven e compramos nosso café da manhã e fomos conhecer outra praia bem próxima ao hotel: Gaviota Azul e que lugar sensacional! A entrada dela é meio escondida, ao lado do Coco Bongo, e a praia é bem grande, com poucas ondas, uma cor surreal, parecia uma piscina gigante de borda infinita. Ficamos encantados com essa praia e o plano de conhecer outra praia à tarde foi pelo ralo, pois decidimos gastar nossa última tarde no México na Gaviota Azul que tanto gostamos. Almoçamos em um restaurante bem próximo dali chamado Mextreme. Atendimento muito bom, comida típica saborosa e preço ok. Em determinado momento durante nossa permanência por lá, colocaram sombrero mexicano em todos os clientes e as atendentes foram tirando fotos nas mesas. Achei bacana! Voltamos à praia e, como o almoço foi bom, passamos no Super Chedraui que tinha do outro lado da rua e compramos uns pães diferentes na padaria para ser nosso jantar (spoiler: nada como a padaria brasileira. Sem comparações!) Gastos do dia: Mercadinho: Água, café, iogurte: $82 Almoço: $500 Jantar padaria do Chedraui: $90 23/12 - Partida para São Paulo Dia de ir embora! Nosso vôo saia de Cancun às 12:45. Saímos do hotel antes das 7:30, pegamos a linha R1 para o Centro e no terminal rodoviário, pegamos um ADO que nos deixou no aeroporto. Tomamos café da manhã no Starbucks, fizemos nosso teste de antígeno Covid em um laboratório chamado LabCare Diagnóstika, que cobrou MXN290 por pessoa, com resultado em 20minutos por email ou impresso (era só voltar lá para buscar). Melhor coisa que fizemos foi chegar com antecedência, pois além de precisar do resultado do teste no guichê da cia aérea, o aeroporto estava lotado! Além disso, para o retorno também foi solicitado o Formulário de Declarações de Saúde do Viajante da ANVISA preenchido (print no celular mesmo) e o Vuela (novamente!). Embarcamos para Bogotá-Colômbia onde ficamos por horas aguardando nosso vôo para São Paulo. Chegando em SP, dia 24/12 6h da manhã, solicitaram o formulário da Anvisa preenchido e o resultado do teste de covid (já fazia quase 20 horas desde que tínhamos feito, e a fiscal nos perguntou o horário em que realizamos o teste - tudo ok, <24h). A imigração estava simplesmente bombando! Ficamos bem uns 30min na fila até conseguir usar o passaporte no leitor digital e sair para pegar as bagagens. Gastos do dia: Ônibus R1: 2x $12 Ado aeroporto: 2x $98 Café da manhã no Starbucks: $280 Antígeno Covid: 2x $290 Hasta luego México Almoço no aeroporto de Bogotá (facilmente gastamos US$40 nisso aí) Sala VIP dos fortes! kkk Assim termina a nossa viagem! ❤️ Gasto total por pessoa (com hospedagem, excluindo passagem aérea): estimo que ~R$5000 por pessoa, sem comprinhas de roupas e outras coisas em Walmart e Miniso.
  2. Que destino legal! Luan e eu gostamos muito!!! Viajamos por 30 dias pelo México e estamos rodando o mundo. Post extraído do blog: https://brotherspelomundo.wordpress.com/2022/03/06/a-vida-noturna-de-playa-del-carmen/ Ficamos um total de 4 noites em Playa del Carmen, cidade a 70 km de Cancun. Passamos nosso Natal por lá e pegamos uma das semanas mais festivas do ano por lá. A cidade estava lotada, pulsante! A rua mais famosa se chama Quinta Avenida: um calçadão de 5 km cheio de bares, baladas, hotéis e restaurantes e, portanto, aonde a noite acontece. Uma das cervejas mais consumidas Em nossa primeira noite fomos à uma balada chamada For Loco. O que nos chamou a atenção foi um banner em sua fachada, no qual dizia “Drinks a partir de 25 pesos”. SUPER BARATO!!! – Aproximadamente 1,30 dólares. Outro lugar que recomendamos bastante é a Cervecería Chapultecec, aonde todos os drinks custam 30 pesos (aproximadamente 1,50 dólares). A bebida mais consumida é o Mezcal! Claro, a tequila também é SUPER consumida, mas o mezcal ainda ganha! Seja em drinks ou em dose. Você estando por lá, TEM que provar! Não é permitida a ingestão de álcool na rua e as baladas, em sua maioria, fecham por volta das 3 da manhã. Ah, e quem sai da balada essa hora não encontrará absolutamente nenhum lugar para fazer um lanche. Esse foi o maior problema que enfrentamos. De resto, a noite de Playa del Carmen é fascinante – e acessível, inclusive para nós: mochileiros viajando com orçamento baixo. A seguir, nosso vídeo com todas as dicas, curiosidades e impressões da vida noturna de Playa del Carmen:
  3. Luan e eu somos amigos há mais de 15 anos e estamos rodando o mundão juntos sob o nome de Brothers pelo Mundo (Insta @brotherspmundoo). Estamos mostrando todas nossas dicas, impressões e preços em nosso canal do YouTube. Nosso novo vídeo - abaixo - mostra absolutamente tudo que você precisa saber para uma visita à Playa del Carmen, no litoral do México, a 1h30 de Cancun. Qualquer dúvida, manda aí! É sempre um prazer ajudar os mochileiros desse fórum. Segue o canal também
  4. INFORMAÇÕES GERAIS Visto: dispensa de visto por até 180 dias Passaporte: passaporte com pelo menos seis meses de validade Vacinas: não exige vacina de febre amarela Quando ir: o ano inteiro; entretanto dez-fev é alta temporada e mar-abr é período de spring break, portanto, fuja dessas datas Moeda: peso mexicano MXP ($) Idioma oficial: espanhol Cod. telefone: +52 (código de Cancun 998) Padrão bivolt: 127V Tomadas: A, B Dica 01: Escolha Playa del Carmen como sua base para a maioria dos passeios, já que eles estão muito mais perto de Playa do que de Cancun. Dica 02: Deixe Cancun para o final, apenas para descansar e curtir praia e balada. Dica 03: todos os passeios negociados diretamente em Cancun ou Playa foram mais baratos do que aqueles negociados pelos sites de internet, portanto, COMPRE TUDO LÁ. PLAYA DEL CARMEM Existem ônibus diários, da Empresa Ado, que saem do aeroporto para Playa de Carmem (1h de viagem), a partir das 08:30h até 23:59h por U$10 ou $225. Hospede-se na 5a Avenida. Playa Del Carmen é base para os passeios em X-caret (fica ao lado), Cenote Rio Secreto (museu de cristal), Tulum, Xel-Há e Cenotes Dos Ojos, todos a 50km, Cozumel (em frente, ferry-boat de hora em hora por 45min), Akumal (40km e point das tartarugas; tempo de passeio: 1,5-3h), ruínas Chichén-Itzá (2,9km). Não há necessidade de carro. As baladas em Playa ficam na Calle 12 entre a 5a avenida e a praia. Restaurante em Playa: Alux COMO LOCOMOVER-SE EM PLAYA, CANCUN OU TULUM: Existem VANS para a maioria dos pontos turísticos que custam entre 40 a 45 pesos ou R$7,50 a R$8,00. Em Playa, as vans passam na Calle 2, entre as avenidas 15 e 20; em Cancun, as vans ficam no centro urbano (não passam na Zona Hoteleira), na Avenida Tulum com a Avenida Uxmal (no estacionamento do supermercado Mega Comercial Mexicana, em frente ao Terminal da ADO; use a linha de ônibus R1 para ir da Zona Hoteleira até lá); em Tulum é na avenida principal da cidade. O caminho do colectivo, saindo de Playa, é mais ou menos o seguinte: Playa del Carmen -> Xcaret -> Xplor -> Praia Paa Mul -> Puerto Aventuras -> Cenote Cristalino -> Cenote Jardín del Éden -> Cenote Azul -> Xpu-Há Beach -> Akumal -> Xel Ha -> Ruinas Tulum -> Tulum (cidade). ROTEIRO DIA A DIA Dia 01: descanso Dia 02: Akumal (praia das tartarugas gigantes) Pegue uma van e desça em Akumal. Paga-se cerca de $600 (R$119) pesos pela entrada e aluguel do equipamento com guia (snorkel e colete). Playa de Akumal Dia 03: Cozumel A viagem para Cozumel pode ser realizada de Ferry, que dura cerca de 35min a partir de Playa. As operadoras são: Ultramar Preço: $400, U$18 ou R$100,00 Endereço: Terminal Marítima NAVEGA, Av. Benito Juárez, de h em h de 7-22h Mexico Water Jets Preço: $440, U$20 ou R$110, de h em h de 8-20h Barcos Caribe Preço: $270, U$16 ou R$67, somente de Cozumel-Playa del Carmen Obs.: ponto mais famoso para mergulho é a praia de Palancar Operadora de mergulho: Blue Magic Scuba; U$90 mergulho com cilindro + U$25 equipamento (7:30/13h) ou U$80 com equipamento comprado no quiosque da 5a Avenida. Obs.: Ultramar é a mais confortável. Mergulho em Cozumel Dia 04: X-plo Ingresso X-plo: U$116,99 (transporte e alimentação no site do X-plo) ou U$109 com transporte e alimentação comprado no quiosque da 5a Avenida Dia 05: cenotes Cenote Dos Ojos: $550 (R$137) mergulho com colete e snorkel; fica na estrada entre Playa e Tulum; dá pra ir de van Cenote Rio Secreto: U$79 (R$440); dá pra ir de van Cenote Dos Ojos Dia 06: ruínas Tulum Horário: 8-16h Preço: $70 (R$18) Obs.: pode-se ir de van; reserve uma manhã ou uma tarde. Chichén-Itzá Horário: 8-16h Preço: $64 (R$16) Obs.: alugue um carro ou pague uma condução específica; reserve um dia, pois fica a cerca de 2h30min de Playa. Chichén-Itzá Dia 07: MUSA O mergulho com cilindro no MUSA, em Cancun, custa cerca de U$90 (R$500) e sai às 10:30am. MUSA Dia 08: Tubarão-baleia O mergulho para ver os tubarões-baleia saem tanto das Ilhas Holbox ou Contoy, como da Isla de las Mujeres, todas perto de Cancun. Opção de operadora de mergulho: Blue Magic (Cozumel), Phanton Divers, Solo Buceo. O mergulho com tubarão-baleia tem duração de 5h e custou cerca de U$165 (R$620) pela Solo Buceo. O passeio saiu às 6:30am. Obs.: tudo foi comprado e agendado no próprio hotel, durante a nossa estada. Mergulho com tubarão-baleia Dia 09: Isla de las Mujeres Ferry para Isla Las Mujeres: trajeto feito por Ultramar Horário: de h em h de 9-17:15h Preço: U$13,95 (R$78) Endereço: Cancún, Playa Caracol, Blvd.Kukulcán km 9.5, Hotel Zone Dia 10: retorno ROTEIRO CANCUN (10 DIAS) OBSERVAÇÕES DE CANCUN Baladas: Cocobongo, Daddy O., Señor Frogs. Melhores hoteis: na barra superior do 7 (Dream Sands, Riu Cancun e Riu Palace das America’s). DEMAIS PONTOS TURÍSTICOS DE CANCUN Paroquia de Cristo Resuscitado Horário: seg-sex de 7:30-20h Entrada gratuita Museo Maya de Cancun Horário: ter-dom de 9-18h Preço: $80 (R$20) La Isla Shopping Village: um shopping a céu aberto, bastante original, nos arredores de uma marina de onde partem vários passeios para ilhas adjacentes. Considerado um dos shoppings com o maior custo-benefício de Cancun, com preços que podem ser comparados aos que são praticados no Brasil.
  5. INFORMAÇÕES GERAIS (2018) Visto: dispensa de visto por até 90 dias Passaporte: passaporte com pelo menos seis meses de validade Vacinas: não exige vacina de febre amarela Quando ir: o ano inteiro; entretanto dez-fev é alta temporada e mar-abr é período de spring break, portanto, fuja dessas datas Moeda: peso mexicano MXP ($) Idioma oficial: espanhol Cod. telefone: +52 (código de Cancun 998) Padrão bivolt: 127V Tomadas: A, B Dica 01: Escolha Playa del Carmen como sua base para a maioria dos passeios, já que eles estão muito mais perto de Playa do que de Cancun. Dica 02: Deixe Cancun para o final, apenas para descansar e curtir praia e balada. Dica 03: todos os passeios negociados diretamente em Cancun ou Playa foram mais baratos do que aqueles negociados pelos sites de internet, portanto, COMPRE TUDO LÁ. PLAYA DEL CARMEM Existem ônibus diários, da Empresa Ado, que saem do aeroporto para Playa de Carmem (1h de viagem), a partir das 08:30h até 23:59h por U$10 ou $190. Hospede-se na 5a Avenida. Playa Del Carmen é base para os passeios em X-caret (fica ao lado), Cenote Rio Secreto (museu de cristal), Tulum, Xel-Há e Cenotes Dos Ojos, todos a 50km, Cozumel (em frente, ferry-boat de hora em hora por 45min), Akumal (40km e point das tartarugas; tempo de passeio: 1,5-3h), ruínas Chichén-Itzá (2,9km). Não há necessidade de carro. As baladas em Playa ficam na Calle 12 entre a 5a avenida e a praia. Restaurante em Playa: Alux Como locomover-se em Playa, Cancun ou Tulum: Existem VANS para a maioria dos pontos turísticos que custam entre 40 a 45 pesos ou R$7,50 a R$8,00. Em Playa, as vans passam na Calle 2, entre as avenidas 15 e 20; em Cancun, as vans ficam no centro urbano (não passam na Zona Hoteleira), na Avenida Tulum com a Avenida Uxmal (no estacionamento do supermercado Mega Comercial Mexicana, em frente ao Terminal da ADO; use a linha de ônibus R1 para ir da Zona Hoteleira até lá); em Tulum é na avenida principal da cidade. O caminho do colectivo, saindo de Playa, é mais ou menos o seguinte: Playa del Carmen -> Xcaret -> Xplor -> Praia Paa Mul -> Puerto Aventuras -> Cenote Cristalino -> Cenote Jardín del Éden -> Cenote Azul -> Xpu-Há Beach -> Akumal -> Xel Ha -> Ruinas Tulum -> Tulum (cidade). Roteiro dia a dia Dia 01: descanso Dia 02: Akumal (praia das tartarugas gigantes) Pegue uma van e desça em Akumal. Paga-se cerca de $600 (R$119) pesos pela entrada e aluguel do equipamento com guia (snorkel e colete). Playa de Akumal Dia 03: Cozumel A viagem para Cozumel pode ser realizada de Ferry, que dura cerca de 35min a partir de Playa. As operadoras são: Ultramar Preço: $390, U$20 ou R$77,00 Endereço: Terminal Marítima NAVEGA, Av. Benito Juárez, de h em h de 7-22h Mexico Water Jets Preço: $280, U$15 ou R$55,00, de h em h de 8-20h Barcos Caribe Preço: $270, U$16 ou R$53, somente de Cozumel-Playa del Carmen Obs.: ponto mais famoso para mergulho é a praia de Palancar Operadora de mergulho: Blue Magic Scuba; U$79 mergulho com cilindro + U$22 equipamento (7:30/13h) ou U$80 com equipamento comprado no quiosque da 5a Avenida. Obs.: Ultramar é a mais confortável. Mergulho em Cozumel Dia 04: X-plo Ingresso X-plo: U$152,99 (transporte e alimentação no site do X-plo) ou U$109 com transporte e alimentação comprado no quiosque da 5a Avenida Dia 05: cenotes Cenote dos Ojos: $550 mergulho com colete e snorkel; fica na estrada entre Playa e Tulum; dá pra ir de van Cenote Rio Secreto: U$79 (R$269,00); dá pra ir de van Cenote Dos Ojos Dia 06: ruínas Tulum Horário: 8-16h Preço: $70 (R$13) Obs.: pode-se ir de van; reserve uma manhã ou uma tarde. Chichén-Itzá Horário: 8-16h Preço: $64 (R$12) Obs.: alugue um carro ou pague uma condução específica; reserve um dia, pois fica a cerca de 2h30min de Playa. Chichén-Itzá Dia 07: Cancún MUSA O mergulho com cilindro no MUSA custa cerca de U$82 (R$310) e sai às 10:30am. Dia 08: Tubarão-baleia O mergulho para ver os tubarões-baleia saem tanto das Ilhas Holbox ou Contoy, como da Isla de las Mujeres, todas perto de Cancún. Opção de operadora de mergulho: Blue Magic (Cozumel), Phanton Divers, Solo Buceo. O mergulho com tubarão-baleia tem duração de 5h e custou cerca de U$165 (R$620) pela Solo Buceo. O passeio saiu às 6:30am. Obs.: tudo foi comprado e agendado no próprio hotel, durante a nossa estada. Dia 09: Isla de las Mujeres Ferry para Isla Las Mujeres: trajeto feito por Ultramar Horário: de h em h de 9-17:15h Preço: $374 (R$74) Endereço: Cancún, Playa Caracol, Blvd.Kukulcán km 9.5, Hotel Zone Dia 10: retorno OBSERVAÇÕES DE CANCUN Baladas: Cocobongo, Daddy O., Señor Frogs. Melhores hoteis: na barra superior do 7 (Dream Sands, Riu Cancún e Riu Palace das America’s). PONTOS TURÍSTICOS DE CANCUN Paroquia de Cristo Resuscitado Museo Maya de Cancún Horário: ter-dom de 9-18h Preço: $70 (R$14) La Isla Shopping Village Um shopping a céu aberto, bastante original, nos arredores de uma marina de onde partem vários passeios para ilhas adjacentes. Considerado um dos shoppings com o maior custo-benefício de Cancún, com preços que podem ser comparados aos que são praticados no Brasil. Publicado em: https://mspriscila1.wixsite.com/meusite/blog/roteiro-cancun-2018-10-dias
  6. Ola, pessoal! Conhecemos Cancun, Isla Mujeres, Playa del Carmem, Cozumel e Tulum de 28/11 a 6/12. Uma das nossas duvidas era como dividir os dias. Li que Cancun era bem americanizado e cheio de resorts all inclusive, Playa era menor com uma rua agitada e Tulum mais zen. Como nosso estilo de viagem nao é de ficar em resorts e sim conhecer a cidade, as praias e partes historicas, decidimos ficar em Cancun só o necessário, preferimos ficar mais em Playa e Tulum. Minha opiniao no fim da viagem: achei encantos em Cancun 💕! Infelizmente nao deu tempo de conhecer as praias de la, só a que saia o ferry pra Isla. Passeamos um pouco pelo cidade (fora da zona hoteleira) e gostei bastante, queria ter andando mais. Resumindo, hoje eu teria ficado mais um ou dois dias la. Playa é legal, mas dormir uma noite pra mim seria o suficiente, as praias de la nao sao tao boas e o centro mto shopping pro meu gosto rsrsrs. Agora Tulum eu amei! Queria ter ficado mais dias la dia 28/11 cancun - chegada 29/11 cancun - isla mujeres/praia 30/11 cancun/playa - chichin itza/cenote ik kil 01/12 playa del carmem - praia mamitas 02/12 Playa del carmen - Cenote azul, akumal, xpu-ha 03/12 Playa del carmen /Tulum - Cozumel 04/12 Tulum - Ruinas e praia 05/12 Tulum/cancun - Gran cenote e praia 06/12 Cancún - mercado/volta Dicas: - Geralmente os preços de hoteis, comidas e etc nao estao inclusos as taxas e impostos, são cobradas no final. - La rola gorjeta, a gente dava mais ou menos os 10% da conta. - Se comprar as passagens dos onibus ADO com antecedencia são bem mais baratas. - O onibus ADO que sai de Chichen Itza passa primeiro em Tulum e depois segue pra Playa - Em Chichen Itza tem guarda volumes (100 pesos por mala) - As vans de Playa para Tulum rodam o dia todo. O ultimo acho que sai la pelas 23h. São os que passam nos principais cenotes. - Vale a pena ir com guia em Chichen. Nao precisa fechar com agencia, la na hora dá pra juntar uma galera e dividir. - Quem chegar no aeroporto de Cancun e for de busao ate o terminal ADO pra depois ir de taxi pro hotel, se estiver animado ande um pouco ate a avenida atras do terminal, o taxi é bem mais barato. - Em Cancun a melhor cotação que achamos foi na frente do terminal e em Tulum foi a melhor da viagem, na rua principal...mas nao lembro o nome. - Muitas praias pagam pra entrar. A mais bonita que fomos foi em Tulum, a playa Paraiso, e é de graça! Em Cancun tem as entradas publicas, mas como nao fui nao posso opinar rsrr - Tequila no Walmart em Cancun foi bem barata! Compramos um azeite de oleo de abacate com chipotle bem gostosinho. - Experimentem o doce marchesita, é mto bom. Fizemos tudo por conta, sem contratar agencias de turismo. Como íamos andar bastante e mudar de cidade, pensamos em alugar um carro. Porem, lemos que a policia tem costume de extorquir os turistas pedindo propina, entao desistimos de alugar. Essa decisao foi muito dificil: por um lado carro ou moto seria uma mao na roda, especialmente pra gente que gosta de rodar bastante, mas esse lance da policia, a dificuldade de estacionar e das empresas de locação serem enroladas nos fez desistir. Conseguimos fazer a maioria das coisas que planejamos de onibus e taxi de boa, mas demoramos mais e foi mais cansativo. As vezes iamos pra um lugar e mesmo nao curtindo mto acabavamos ficando pela preguiça de ir negociar com taxista ou pegar onibus. Ainda nao sei dizer se valeria o risco de alugar o carro, mas que teria sido mais prático, isso sem duvidas! Achei a regiao bem cara. Passeios, lembrancinhas, comida, entradas de praia. Taxi era coisa de 40 pesos por uma distancia de uns 3 km. O passeio mais em conta que vi era 40 dolares por 40 minutos de mergulho. Com o dólar a 4 golpinhos...ficava pesado. Pegamos promoção de passagem pela TAM por 1550 ida e volta cada um, e gastamos 4000 reais pelos 8 dias os dois, fora os hotéis. Dia 28/11 Chegamos em Cancun dia 28/11 no fim da tarde. Logo na saída do desembarque tem um pessoal com informações turísticas, que explicaram todas as opções pra chegar no hotel. Optamos por pegar um ônibus ADO ate o terminal do centro, e la pegamos um taxi ate o hotel. Quem estiver disposto, tente pegar o taxi na avenida Tulum, que fica atras do terminal. Sai metade do preço. Na frente do terminal tem uma casa de cambio e estava com cotação boa. Nesse dia estávamos muertos da viagem e só jantamos e fomos descansar. Nosso hotel ficava mais pro centro, proximo ao terminal ADO, cerca de 2,5 km, e proximo a zona hoteleira. Chama SUITES MALECON, é um ape todo equipado, mto bom. Ali proximo tem ponto de onibus. Dia 29 Nao tinhamos fechado o cafe no hotel e fomos num restaurante proximo. Pagamos cerca de 10 doletas cada. Andamos uns 15 min ate o ponto de onibus para pegar um ferry para ISLA MUJERES pelo Porto Embarcaderos acho que era umas 12h (enrolamos e fomos tarde). Tem tb a opção de Puerto Juarez e Caracol. Sao uns 30 minutos pra chegar e o ferry da ULTRAMAR eh bem bacana. Isla eh uma delicia, estilao praia msm, com centrinho de artesanato e restaurantes. Fomos a pe ate a PLAYA NORTE, fica uns 15 min do porto. A praia eh gostosa e estava bonita, passamos o resto do dia. Compramos breja e comida no 7eleven. Muitas pessoas alugam carro ou moto pra passear. Nesse dia queríamos ficar de boa e ficamos só la, mas acho que vale dar um role na ilha sim! Voltamos no fim da tarde para Cancún e saímos pra comprar passagem pra Chichen Itza (se comprar antecipado tem desconto) e comer. Encontramos uma praça no caminho frequentada pelos locais, com barraquinha de comida. Tava rolando show de jazz e ficamos por la. Comemos gringas de pastor, nachos e marchesita (docinho muitcho bom). Queria mto ter comido milho assado, mas nao cabia mais. Vou tentar fazer em casa kkkk Passamos no mercado pra comprar pao e fazer lanchinho pro dia seguinte. Dia 30 Fizemos nosso check-out e pegamos um ADO no terminal para CHICHEN ITZA as 8:45 (só tem esse horário) e chegamos por volta meio-dia. Graças a Deuxxx la eh uma hora a menos de Cancún, pq senao seria mais corrido do que foi. A entrada custa 245 pesos e, como tem guarda volumes grande (100 pesos), levamos nossa mala toda pra depois seguir para Playa del Carmem. Na entrada é cheio de guia turistico. Custava 900 pesos por 1:30h. Falamos pra um deles que gostariamos de dividir e nao demorou muito pra compor um grupo. Dividimos com um pessoal da Colombia e pagamos 120 pesos por pessoa. Nosso guia foi muito bacana, falava devagar, entendemos bem e valeu mto a pena. As ruinas sao mto legais, a piramide Kukulkan é linda! La dentro tem mto artesanato, li que sao os melhores preços pra compras, mas nao tive tempo de ver quase nada, o único ônibus para Playa saia as 16:30 e ainda fomos ao cenote Ik Kil. O cenote eh pequeno mas super bonito. Tem banheiros e lockers. Fica uns 6km de Chichen, pegamos um taxi por 160 pesos ida e volta. Bom, seguimos para Playa. Eu coloquei Playa como segundo destino pq achei q era mais perto de Chichen, que chegaria mais rápido e tals. Pero no! O busao parou primeiro em Tulum e depois seguiu pra Playa...🙄 Chegamos umas 21h e quebrados. O terminal fica na 5 avenida e, como bons ̶P̶a̶o̶ ̶d̶u̶r̶o̶s̶ mochileiros 🤣, seguimos a pé por ela pra ir ao hotel rsrsr. Paramos na metade do caminho pra jantar e comi uma quesadilla mara no Texas BBQ. Tinha promoção e a comida era otima. Fomos mais duas vezes depois. Eu achava que Playa era mais de boa, com centrinho de compras tal, mas é bem agitado e cheia de lojas de grife, restaurantes, bares, praticamente um shopping. A quinta avenida eh bem bonita e extensa, se nao tiver alugado carro sugiro ficar próximo dela na altura do terminal ADO, que tb eh perto do ferry pra Cozumel e das vans pros cenotes. Senão ou anda muito ou depende de Taxi. Nos hospedamos no Grand Fifty e é um hotel mto bom, porém um pouco afastado do centro da 5 avenida. Dia 01/12 Fomos conhecer a famosa PLAYA MAMITAS, mas pra nossa tristeza estava cheia de sargaços e o mar mexido. Bom, pelo menos havia um Oxxo perto pra comprar os quitutes e breja. A faixa de areia eh meio estreita, mas ficamos de boa tomando sol, tava um dia bonito. A praia estava cheia e rolando festa num barzinho. Pelo o que percebi, tirando a playa Mamitas e a do porto, as praias sao acessadas pelos resorts e são meio afastadas do centrinho...sei la, fiquei meio perdida hahhhaha. A moça do hotel comentou da praia Punta Esmeralda, mas nao deu tempo de ir. playa Mamitas Praia do porto A noite fomos na quinta avenida. Tem uma sorveteria chamada ALDOS e é mto boa! Comemos um sorvete que tinha uma massinha de panqueca e eu amei. Custa uns 20 reais mas vale! Dia 02/12 Pela manhã fomos ao CENOTE AZUL. Pegamos uma Van que vai a Tulum e pedimos pro motorista parar la, super tranquilo, tem Van toda hora saindo. A entrada eh logo na estrada. Pagamos 180 pesos pra entrar e la nao tem lockers. Levamos snorkel e eu, friorenta que sou, levei uma blusa neoprene. Esse cenote eh aberto, bate sol. A água é fria mas suportavel. Adorei o lugar, eh lindo. Agua clarinha, mas nao tem mtos peixes nao, só aqueles pequeninhos que bicam os pés. Ficamos cerca de uma hora la. Em seguida pegamos a van de novo pra ir ate AKUMAL. Akumal tem duas entradas, uma custa 100 pesos e outra 50 pesos, nao sei porque! Entramos pela de 50 pesos (achei meio estranho, nao nos deram nenhum papelzinho, nao tinha placa com valores e etc...). Li que em la tem tartarugas e que é boa de mergulho, mas o mar la tb nao estava bom, tinha mto sargaço na agua e na areia, a praia estava mto feia. A faixa de area é estreita e lotada de cadeiras dos hoteis. Fui estender minha canguinha embaixo de um coqueiro, eis que veio um lazarento do resort falar que só podiamos ficar na frente das cadeiras, ou seja, quase dentro do mar. Que raiva, quase chutei a canela dele. Foi o pior lugar que fomos. Os resorts dominam. Se vc nao estiver hospedado nao é bem vindo. Ficamos pouquissimo tempo e fomos embora. Mais uma vez pegamos a van e paramos na praia de XPU-HA. A praia tb tinha bastante sargaço, mas conseguimos deitar na areia de boa e ficamos o resto da tarde por la. Pagamos 80 pesos pra entrar. Dia 03/12 Nao estavamos dando sorte com as praias, o mar estava muito mexido e cheio de sargaços. Nao estava nos nossos planos ir em COZUMEL, mas arriscamos ir, e foi muito bacana! Me encantei pela ilha! Andando pela 5 avenida em Playa tem varias empresas de passeio. Queriamos fazer mergulho, mas como o mar estava ruim o moço nao nos aconselhou, ai apenas alugamos uma moto pra rodar e fazer snorkel no raso mesmo. Pegamos um ferry do winjet, o valor para dois e a motinha ficou 1150 pesos. Motinha furreca, caindo aos pedaços hahahah mas deu tudo certo. A ilha é gigante! Tem um centrinho super gostoso. Primeiro paramos no MONEY BEACH e mergulhamos ali mesmo. Nao tem areia, é tudo pedra, mas tem um bar que aluga espreguiçadeiras. Deu pra ver alguns peixinhos e corais. Seguimos os proximos pontos de mergulho mas nao paramos em nenhum. Ou a praia tinha sargaços, ou pagava pra entrar e tinha minimo de consumação (sem saber como tava a praia nao quisemos arriscar). Fomos para o outro lado da ilha, onde o mar é mais agitado, mas tem uma vista linda. Paramos na praia CHEN RIO e almoçamos no El Pescador. Nao tinha tanto sargaços e o mar estava bonito. Valeu a pena alugar a moto e conhecer a ilha toda, ver a vegetação e as pedras vulcanicas que tem aos montes, pena que o dia estava nublado e o mar mexido. Queria ter feito mergulho Voltamos pra Playa e seguimos para TULUM. 04/12 Ficamos hospedados no hotel Corazon de Jade, que fica na rua principal e pertinho do terminal. Alugamos uma bike (20 reais o dia) e fomos pras ruinas, fica a uns 3km do centro. Custou 70 pesos a entrada, dessa vez nao fizemos com guia. As ruinas sao lindas, com uma vista linda e o lugar é cheio de iguanas! Imperdível! Saindo de la fomos na PRAIA PARAISO. Ai sim minha gente, achei o mar do CARIBE! A praia é longa, extensa, tem resorts e bares, mas eles nao se importam de vc estender sua canga ao inves de alugar cadeiras, pelo contrario, te atendem na areia mesmo. Almoçamos e ficamos a tarde toda la. Tinha um pouquinho de sargaço, mas consegui entrar na agua! Voltamos para o hotel e fomos dar uma volta. O centrinho de Tulum é o centro que espero de uma praia. Com lojinhas de artesanatos, restaurantes, barzinhos, mas sem parecer shopping rsrrss, tudo bem zen. Achei carinha tb, tem que dar aquela barganhada. Gostei demais de la! A cidade é bem pequena mas bem ajeitadinha, estavam reformando o calçadao, tem bastante ciclofaixas, é limpa, tem varios cestos de lixo espalhados pela cidade. Amei ❤️ 05/12 Fomos de bike ate o GRAND CENOTE, fica a uns 5 km do centro. Pagamos 180 para entrar e tem banheiros, lockers, lugar pra tomar sol. Tem uma parte aberta e outra mais fechadas, são pequenas cavernas com morcegos e passaros. A agua é cristalina e tem tartaruguinhas. Tem tb ali perto o cenote DOS OJOS, mas era bem mais caro e acho que tem o mesmo perfil do Grand Cenote, porém maior. Preferimos voltar na praia Paraiso e ficamos ate umas 17h. Mar azul e um solao maravilhoso! A noite voltamos pra Cancun, iriamos embora no dia seguinte. 06/12 Tinhamos apenas a parte da manha pra passear, mas o tempo tava estranho, entao nem fomos a praia. Aproveitamos pra ir ate o Walmart pra comprar lembranças e tequilas. A tarde pegamos o voo de volta pro Brasil.
  7. Olá, como prometido vim aqui contribuir com a minha experiência de viagem para Cancún e Playa del Carmen. Primeiramente, minha viagem me deixou muito satisfeita porque pesquisei muuuuito nesse fórum, busquei as melhores dicas e experiências. Então, quando for viajar faça o mesmo! Pesquise até encontrar o roteiro ideal pra você. Minha viagem foi do dia 23 de fevereiro a 3 de março. Eu fui junto com meu namorado, tivemos uma experiência incrível. Meu voo foi pela Copa Airlines e recomendo muito. Pontualidade, bom serviço a bordo. Paguei 1600 reais parcelado na passagem e levei 1000 dolares tendo em mente a economia. Só gastei metade do dinheiro. Para o casal o total, incluindo a hospedagem ficou em 1200 dólares Bom, no início, quando comprei a passagem em promoção pelo site VIAJANET, achava que Cancún seria meu destino. Entretanto, com minhas pesquisas e ,agora, experiência, cheguei a conclusão com 100 % de certeza que Playa del Carmen é a melhor opção de estadia. Por que? Cancun é um antro de resorts caríssimos, all inclusive, para pessoas que tem dinheiro pra gastar. Tudo é em dólar e as distâncias para os pontos turísticos são maiores. Playa é uma Búzios chic, muito animada, com opções de hospedagem e comida baratas e perto dos principais passeios e da badalação. Com essa ideia vaga em mente, e a partir dos conselhos desse fórum e de uma amiga, minha hospedagem ficou assim: Entre o dia 23 e 25 ficaria no Centro de Cancun, num Hostel chamado Mundo Joven. E do dia 25 ao dia 3 em um Hostel em Playa chamado 3B chic and cheap. Minhas reservas foram efetuadas pelo booking. Foi a primeira vez que fiquei em Hostel e para eu e meu namorado considerei que nao vale muito a pena. As diárias eram em média 30 dólares por dia e com um pouquinho a mais ficaria em um quarto privativo em uma pousadinha, onde eu teria liberdade, privacidade e mais segurança. Um adendo é que se você estiver viajando sozinho, hostel é uma boa porque você faz amizades e tal, então seria legal. O hostel em Cancún era razoável, as camas eram boas, os lockers grandes e com tomadas, as pessoas eram amigáveis. Tinha um café da manhã simples, com pão de forma, manteiga e geléia, frutas, café, cereal. Bem legalzinho. Nesse hostel tem até um brasileiro, o Gabriel, muito gente boa que trabalha lá e nos deu várias dicas. O problema era o banheiro, totalmente alagado e com lama. A água vazava pro quarto, era um nojo. Tirando isso, acho que para o preço é OK. Meus dois dias em Cancun foram meio fracos, exatamente devido ao fato de a cidade ser feita para ricos. Assim que cheguei no aeroporto, percebi que era verdade o que falam dos mexicanos e a famosa propina. Enquanto eu esperava pelas minhas malas, o Ciro, meu namorado, foi ao banheiro. Quando ele foi enxugar as mãos, um funcionário entregou o papel toalha na mão dele, e depois de alguns segundos esticou a mão pedindo por 2 dólares hahahaha como ele não tinha trocado, ele veio me pedir e já avisei pra ele que isso era lábia e para cairmos fora logo kkkkk Trocamos 20 dolares em pesos no aero, só para pegar o bus. UMA DICA: NÃO, NUNCA, JAMAIS TROQUE SEU DINHEIRO TODO POR PESOS. VÁ TROCANDO AOS POUCOS QUANDO ENCONTRAR BOAS COTAÇÕES NAS CASAS DE CÂMBIO, QUE TEM A CADA ESQUINA. Muitas coisas, como o OXXO, ELEVEN (lojinhas de conveniência) e Walmart tem cotações de 18 pesos por dólar, então vale muito a pena. NÃO ESQUECE!! PRIMEIRO DIA: Saindo do aeroporto, tinha em mente, devido as pesquisas, pegar o ônibus ADO para o centro de Cancun. E assim fomos. Não pegue táxi nem pague um shuttle. O ônibus é tipo executivo, a uma hora do centro de Cancun. 66 pesos, bem tranquilo. Tenha coragem e paciência de cruzar o aeroporto (por fora) com os chicos gritando taxi taxi taxi e achar em frente ao portão 8 o ponto do ônibus. Ali mesmo se compra o ticket, NÃO compre em outros lugares ou com outras pessoas, porque vai ser mais caro. Ao chegar ao centro, as primeiras impressões foram ruins, é tudo bem feinho. Nosso hostel era muito perto do terminal ADO. Por volta do meio dia chegamos, mas o check in só era a partir das duas. Então, guardamos nossa mala num quartinho do hostel e fomos fazer o reconhecimento do local e trocar nosso dinheiro lá pra pagar o hostel, já que a cotação é melhor que a do aero. Fizemos o check in e partimos para pegar o ônibus R1 a caminho da Playa Delfines, onde tem aquele letreiro colorido. Os ônibus são muito ruins, sem ar condicionado, piores que os do Rio de Janeiro. No dia, estava ventando muito, o mar tava meio agitado, mas deu pra dar um gostinho das praias do Caribe Mexicano. É assustadora a quantidade de resorts no caminho. Pra quem tem um pouco mais de dindin é uma beleza! Na volta da praia, paramos na rua principal onde tem a cocobongo e as outras boates. Estava louuuca pra ir a cocobongo, mas pagar 55 dólares por isso (na quarta feira é mais barato) estava me fazendo recuar. Mas boas surpresas virão hahahaha Pegamos o ônibus R2 de volta e resolvemos passar no walmart. Compramos besteiras pra comer e meus shampoos (Loreal sulfate free só 98 pesitos, o que é tipo 6 dólares ). Voltamos andando para o Hostel porque tinha que pegar dois ônibus ou um táxi, e somos muito pão duros kkkkkk Foi ótimo porque conhecemos uma casa de tequilas, tomamos vários shots de graça. Eu tomei uma dose de Mezcal ( uma bebida que tem um vermezinho dentro kkk eca) e o Ciro tomou uma dose de Scorpion e comeu o escorpião que tava lá kkkkkk foi muuuito engraçado. Não compramos nada porque uma tequila era tipo 450 pesos chorando. Demos uma propina pro vendedor muito gente boa, valeu a pena ter andado. Voltando ao hostel, tomamos um bom banho e descansamos um pouco. Subimos pro terraço do hostel que é muito jeitosinho, conhecemos duas meninas brasileiras e um brasileiro, além do menino que trabalhava no hostel. Combinamos de sair mais tarde pra alguma boate. Pedimos ao gabriel uma dica de onde comer coisas baratas. Ele nos indicou o Parque Las Palapas, pertinho do hostel. Comi o melhor burrito da vida e provei o que é uma pimenta mexicana. O Ciro, no estilo: sou macho! encheeeeu o burrito dele de guacamole suuuper picante e comeu quase chorando kkkkkkk sério, é muito forte. Decidimos então sair pra uma night. Devidamente arrumados pegamos o bus R1 que passa até altas horas com os brasileiros. Chegando na rua das boates, os chicos queriam papo de 30 dólares pra uma ladie entrar na boate. SÓ RINDO. Eu, esperta que sou, rata de Vegas que não paguei um centavo por uma night quando estive lá disse pro Ciro: ESPERA, NÃO VAMOS ENTRAR. Chegou a 20 dólares a oferta para entrar no congo bar. NÃO NÃO NÃO. Os brasileiros foram cada um pra um lado e eu disse pro Ciro que eu queria conhecer o bar señor frogs. Que sorte! Passamos em frente a Cocobongo lá pegas 1:30 da manhã e... SURPRESA: COCOBONGO FREE ENTRANCE. Lógico que não era open bar, mas como só os show me interessaram aceitamos, entramos, dançamos vimos VÁAARIOS SHOWS. Beyoncé, Michael Jackson, O máscara, Homem Aranha... e economizamos 50 dólares, 200 conto kkkkkkk Ao meu ver, valeu muito a pena. Os shows são legaizinhos mas não vale 60, 70 dólares gente. A boate é pequena, de jeito nenhum puts night vegas on shame. Ganhamos nosso dia. SEGUNDO DIA: Acordamos e fomos pegar o Ferry para Isla Mujeres, chegamos ao porto por meio de vans que por sinal são um lixo. Muito maltratadas. Tínhamos em mente ir por conta própria mas quando chegamos ao porto um cara ofereceu um passeio de lancha por 35 dólares. Choramos até 25 dólares incluindo o ferry. Dia radiante, de calor cheio de sol. Primeira parada: Playa norte. Água clara, calma bem bonita. Combinamos de encontrar com o capitão em tal hora para partirmos pro passeio. Já na lancha, nossa primeira parada foi um arrecife de corais que de coral não tinha nada, tinha um barco abandonado, com limo e alguns peixinhos. Nada demais. Fomos então almoçar na Playa Tubarón, onde o capitão faria o almoço. Já foi um parque grande com aqueles mini tubarões. Agora, se resume a uma piscina com um só tubarãozinho. Dá muita pena porque ficam segurando ele, sei lá, não gosto dessas paradas de prender animais e tal. Nado com golfinhos, ih, jamais. Nossa próxima parada seria o parque Garrafón, mas começou a chover muito, muitooo, MUUUUITO. Passeio cancelado. Voltamos ao ferry encharcados, com muuuito frio. Demoraria uma hora pra sair. Foi horrível, ninguém previa que ia chover, a melhor parte do passeio não foi realizada. Ficamos decepcionados. Quando queria ir a Isla mujeres, tinha pesquisado sobre o museu subaquático, com aquelas estátuas e tal. No dia, ninguém estava indo pra lá porque tinha muita correnteza. Não tenho como opinar sobre isla mujeres, mas eu não iria de novo mesmo em um dia bonito. Voltamos para o hostel e descansamos pra ir no dia seguinte pra Playa del Carmen, com expectativas a mil. TERCEIRO DIA: Ida a Playa del Carmen pelo ônibus ADO, acho que era papo de 80 pesos, uma hora e pouca de viagem. Chegando a Playa a impressão mudou. bairro bonitinho, arrumadinho, centrinho bem característico mexicano. Fomos para o hostel e a moça disse que poderíamos deixar as malas lá para passear e só fazer check in quando voltássemos. Como já tinha pesquisado os esquemas, perguntei onde se pegava as vans para Tulum. Vans bonitinhas, com ar condicionado, confortáveis, outra coisa. 40 pesos pra tulum, uma hora de viagem. O motorista nos deixou em frente a entrada das ruínas. 65 pesos pra entrar. Lindo lindo, fomos sem guia mesmo, apreciamos a vista e conhecemos um pouco da história com os cartazes explicativos. As ruínas com a praia em frente é uma coisa linda de se ver. Demos um mergulho na Playa Paraíso. Foi bem legal. Na volta, van de volta pra PDC (Playa del Carmen). Fizemos o check in e passeamos pela quinta avenida. Nesse mesmo dia conhecemos um desses caras que vende pacotes turísticos oferecendo um tour para Chichen Itza. Ele pediu um preço, e como já manjava dos paranauê falei que tinham me oferecido por 40 dólares, mentira né kkkkk feito. Pacote comprado incluindo Cenote Ik kil, almoço, ruínas com guia e a cidade colonial Valladolid. A van passaria para nos pegar 7:20 da manhã. Chegamos ao hostel e fomos descansar. QUARTO DIA: Acordamos bem cedo pra ir às ruínas de Chichen Itza, a van atrasou 10 minutos mas OK. Fomos até um ponto de encontro da agência onde iríamos pegar o ônibus. Primeira parada: Cenote Ik kil. Lindo, gigante. Guardamos nossas coisas em um locker e eu fiz a besteira de não pegar colete, já que não sei nadar bem. Fiquei apavorada, é muito fundo. O Ciro, por outro lado aproveitou muito, pulou da escadaria, fez a festa. Pena que só tínhamos uma hora. Então, seguimos viagem, paramos pro almoço em um restaurante com buffet. Muito bom, comi bastante. Fomos então para as ruínas. Podíamos escolher um guia em inglês ou espanhol. Como eles falam muito rápido, achei que inglês seria melhor. WRONG. O cara falava muuuuuito enrolado, não dava pra entender quase nada. O sotaque prevalecia. De qualquer forma, lá é mágico e maravilhoso. Valeu a visita. PS: CASO QUEIRAM COMPRAR LEMBRANCINHAS COMPREM LÁ, SÉRIO! É MUUUUITO MAIS BARATO. PAGUEI 120 PESOS EM UM CALENDÁRIO MAIA DE PEDRA, LINDO LINDO, MAS QUEBREI ELE NO DIA SEGUINTE SEM QUERER Nossa próxima parada era a cidade colonial Valladollid, onde não se tem nada pra fazer kkkkkkk eu e ciro tínhamos entendido que teríamos que voltar ao bus 4:30, o que nos daria 1:30 h pra passear por aquela cidade sem nada, achei estranho mas fomos. 4:30 estávamos de volta e CADÊ O ÔNIBUS GESUIS??? Perdemos. Era 4:30 do horário de Playa e não do horário dessa cidade, que é uma hora atrasada. Só restaram lágrimas. A sorte foi que eu gravei a cara de um japa muito esquisito que tinha no ônibus e que também tinha se confundido e perdido o bus em Chichen itza. Ele quando se deu conta pegou um táxi de lá pra cidade colonial mas quando chegou o bus já tinha ido. Choramos juntos kkkk só que não. Conseguimos um esquema com um cara lá de nos meter no ônibus da agência dele por 200 pesos cada. Eu só tinha 20 dólares na carteira pq nossa mochila tinha ficado no ônibus. Ficou por isso mesmo e voltamos pra Playa e graças a Deus nossas coisas tinham sido guardadas pela agência. Mesmo cansados, chegamos ao hostel e fomos beber kkkkkk de terça a sábado é open bar pras ladies de 21 h a 22 h, bem legal isso. Os meninos que trabalham no bar são muito gente boa e me deram uma pulserinha de cortesia pra uma boate open bar. Vamo que vamo. Cheguei na boate, peguei umas bebidas mas o cara cismou que o Ciro tinha que pagar pelo menos uma bebida pra eu ter open bar. Me revoltei e sai da boate. Fomos parar na La Vaquita, muuuuuito legal e animada. No final da noite entramos na Pallazzo, tudo de graça. Muito legal. QUINTO DIA: Coba e Cenotes. Estávamos meio cansados de ruínas kkkkk mas como tínhamos acordado BEM TARDE resolvemos que faríamos o passeio com menos importância. Pegamos uma van até Tulum (40 pesos) e de Tulum outra van para Coba (60 pesos-não tem transporte direto). Chegamos lá, pagamos 65 pesos pra entrar nas ruínas. Legalzinho, mas veja antes de Chichen itza se quiser muito, pq depois de ver a melhor você acha tudo um lixo kkkkkk eu achei que ainda podia-se subir no templo maior, mas baniram isso e só em algumas ruínas você pode subir e tal. O legal é que são ruínas pouco exploradas, com muitas árvores em volta e uma complexidade arquitetônica bem menor do que as de Chichen Itza. Saindo das ruínas, alugamos uma bike por 50 pesos cada pra chegar aos cenotes. Tinha três nos arredores. Pra quem sabe andar de bike é bem tranquilo. Pra mim não foi pq não sei direito kkkkkk me estabaquei no chão e me ralei toda na volta, mas faz parte kkkkkk Vimos três cenotes: Multun ha, que é mais longe e na volta desse vimos outros dois. Era 55 pesos pra entrar em cada e como valeu a pena. Gravei o nome do primeiro porque foi uma das coisas mais maravilhosas que eu já vi na minha vida. todos eram cenotes fechados, dentro de uma caverna. É uma coisa de louco. No terceiro cenote que vimos tinha um local em que você podia pular de até 25 metros. O Ciro pulou, eu filmei hahahahaha. Muito alto cara, não dá não. Valeu muito a pena por causa dos passeios. Na volta, tínhamos que chegar até tulum pra depois ir pra PDC. A van ia demorar a passar e um taxista disse que estava indo pegar um casal e como teria que fazer a viagem até perto de tulum cobraria só 100 pesos. QUE FURADA. O casal entrou no táxi com a gente e puxou a carteira do bolso do Ciro sem ele perceber. Como tínhamos pagado antecipado, só percebemos o furto quando chegamos a playa e tínhamos que pagar a van. Sorte que tinha pouco dinheiro, uns 20 dólares e alguns reais. O cara da van foi super compreensivo e nos levou até o hostel pra pegarmos o dinheiro. Jamais confie em táxi no México. Ficamos chateados, mas conseguimos cancelar os cartões e a partir desse dia dinheiro só na doleira embaixo da roupa. Serve como aprendizado. SEXTO DIA: Akumal e Cenote Azul.Pegamos as vans no mesmo local onde se pega pra Tulum, Acho que foram 35 pesos até Akumal. Chegando lá, colocamos nossas coisas no locker (facada de 5 doletas) e ainda bem que trouxemos nosso snorkel do Brasil porque só nessa praia era 15 dólares pra alugar. A praia é linda e fomos nadar em busca das tartarugas. Eu, mais uma vez sem colete kkkkkk nadei até onde pude e por sorte vi duas tartarugas lindas, mas estava muito cansada, daí voltei pra areia. O Ciro viu mais, já que nada que nem um peixe. Bem bonita essa praia. Ficamos um tempo lá e resolvemos ir pra um Cenote. Hora do almoço, muita fome e pouco dinheiro. Resolvemos ir ao OXXO e comer hot dogs mesmo kkkkk tem uma promoção de 2 hot dogs por 22 pesos. Cada um comeu dois, muito gostoso kkkkk OXXO SALVOU NOSSA VIAGEM, ESSA HISTÓRIA DO CACHORRO QUENTE SE REPETIU MAIS UMAS 3 VEZES HAHAHAHA Pegamos a van, daí tínhamos duas opções de cenotes próximos: Cenote Azul e Cenote Cristalino. Pouco dinheiro e muita dúvida. Por sorte o carinha deixou o Ciro dar uma espiada no Cenote Cristalino e ele achou que não valeria a pena pagar 100 pesos cada pra entrar. Escolhemos o Cenote Azul, foi uma ótima escolha: 80 pesos por pessoa e que lugar maravilhoso! Dessa vez com colete (40 pesos pra alugar) e toda serelepe aproveitamos muito, tem muitos peixinhos, é maravilhoso. Valeu a pena. Voltamos ao hotel, bebi no open bar, comi uns nachos MARAVILHOSOS que o menino do bar fez pra mim, jogamos beer pong. Depois não me lembro mais kkkkkkk SÉTIMO DIA:Acordamos tarde de novo e resolvemos ir a uma praia que tinham nos indicado, chamada XCACEL. É uma reserva que tem uma praia selvagem e um cenote. Maravilhosa. Fomos despreparados sem snacks na bolsa, mas com a grandiosidade azul daquele mar a fome ficava pra depois. O cenote tem vários peixinhos que ficam bicando seus pés, é muito engraçado. Foi a praia mais linda que eu visitei, se não fosse pela fome ficaríamos até de noite. OITAVO DIA: Cenote dos ojos. Como de costume, pegamos a van pro Cenote a qual nos deixou em frente. Ao chegarmos resolvemos fazer o tour com o guia, que falava tanto inglês quanto espanhol muito claramente. Foi lindo, vimos o primeiro olho, o segundo olho, a conexão entre eles, a bat cave. O tour foi 500 pesos por pessoa incluindo todo equipamento de snorkel, pé de pato, lanterninha. A bat cave é muito legal, vários morceguinhos que nem chegam perto, não precisa ter medo. A estrutura de estalactites e estalagamites é impressionante fascina qualquer um. NONO DIA: Cozumel. Tínhamos pensado em alugar uma scooter e percorrer a ilha, mas disseram que os arrecifes mais bonitos são longe da praia e não dá pra ir nadando. Pegamos o ferry (15 dólares por pessoa) e quando chegamos a ilha resolvemos ver o preço do passeio de barco para o El Cielo, que é um arrecife encantador, com várias estrelas do mar. O preço inicial era 50 dólares mas é claro que choramos até 35 dólares. Nosso passeio incluia os arrecifes El Cielo, Colombia e Palancar. Tivemos que pegar um táxi até a praia San Francisco de onde a lancha partiria. Foi 160 pesos a ida e 160 a volta. Valeu muito a pena, foi a coisa mais linda que eu já vi na vida, os corais, os peixinhos. Nadei junto com uma tartaruga gigante. Só estando lá pra sentir o quão maravilhosa é a natureza. Encantados, ainda tínhamos tempo até o último ferry e fomos ver quanto ficava um aluguel de uma scooter. 22 dólares sem seguro e uns 30 dólares com um seguro que não cobria tudo. Como não confio muito nas habilidades motociclísticas do Ciro, resolvemos que seria melhor não se arricar kkkkkk esperamos até dar a hora do ferry e voltamos pra Playa. PS: Vá de manhã cedo em Cozumel, porque de tarde os cruzeiros param na ilha e tudo fica o dobro do preço. Valeu muito a pena pelo passeio de barco, pena que foi tão rápido. DÉCIMO DIA: Gran Cenote e Chatemoyl (não lembro como se escreve). Ficamos com muita dúvida do que fazer no nosso último dia, pensamos em ir ao parque Xel-há ou a reserva de biosfera de Sian Kaan. Entretanto esses passeios custariam cerca de 90 dólares por pessoa. No dia anterior estávamos a ponto de fechar o passeio a Sian Kaan, mas quando fui tirar 200 dólares do cofre pra ir reservar o passeio o meu coração doeu kkkkkkkkk resolvemos não fazer e aproveitar um dia mais relax. Fomos ao Gran Cenote, é bem longinho, se eu tivesse que mudar teria ido no dia de Tulum pq é mais perto de lá. Você pega uma van até um local e depois tem que pegar um táxi. 150 pesos pra entrar, tem uma batcave lá, mas a água tem cheiro de cocô de morcego kkkkkk o Ciro não sentiu, posso ser maluca kkkkkk tem uma parte que ficam umas tartaruguinhas bebês, coisa mais fofa do mundo. Como nossa go pobre (SJ4000) tinha sido quebrada pelo irmão do Ciro compramos uma capinha pra celular a prova dágua que funcionou perfeitamente. ATÉ ESSE DIA. Entrou água, alagou meu celular e ele está mortinho da Silva desde então. O do Ciro também quebrou, mas não sabemos se foi pela água ou se foi porque ele já estava todo ferrado. Acontece né. Vamos comprar uma nova go pobre pras nossas futuras viagens e não dar essas bobeiras kkkkkk DÉCIMO PRIMEIRO DIA: Ônibus ADO até o aeroporto de cancun (166 pesos). O vôo foi tranquilo e correu tudo bem. Levem água pro aeroporto porque lá é papo de 7 reais uma garrafinha. FIM hehehehe É um relato beeeeeeeeeeeem longo mas fiz de tudo pra esmiuçar ao máximo, já que gosto de informações bem completinhas e pesquisei muito pra fazer a melhor viagem da vida. Só tenho a agradecer pelas dicas dos relatos desse site. Tô aqui tentando fazer minha parte. Espero que gostem. Qualquer dúvida, estou a disposição. Com carinho, Cynthia Prates
  8. Oi, gente! Vim contar a 2ª parte da viagem de 24 dias que fiz em janeiro/2017 com meu marido e um amigo. Nosso roteiro de viagem foi basicamente esse: 30/12 - Chegada +- 12:00 na CDMX 31/12 - CDMX 01/01 - CDMX 02/01 - CDMX 03/01 - CDMX 04/01 - CDMX / bus para Puebla 05/01 - Puebla 06/01 - Puebla / bus para Oaxaca 07/01 - Oaxaca 08/01 - Oaxaca 09/01 - Voo para Mérida 10/01 - Mérida 11/01 - Chichén Itzá / bus para Tulum 12/01 - Tulum 13/01 - Tulum 14/01 - Tulum 15/01 - ferry para Cozumel pela manhã 16/01 - Cozumel / ferry para Playa del Carmen 17/01 - Playa del Carmen 18/01 - Playa del Carmen 19/01 - Playa del Carmen 20/01 - Playa del Carmen 21/01 - Playa del Carmen 22/01 - Playa del Carmen 23/01 - Voo de retorno pela manhã A primeira parte, CDMX, Puebla e Oaxaca, eu já relatei aqui: http://www.mochileiros.com/mexico-cdmx-puebla-e-oaxaca-t144367.html Vou contar agora sobre a parte que está em negrito aí em cima. Como dá para perceber, praia, praia e mais praia, com Chichén Itzá de bônus. Hospedagens: Como estávamos em 3 pessoas, em alguns casos o Airbnb ficou mais em conta do que hostel. Mérida: Hostal La Ermita - USD 38 por 2 diárias Valor de um quarto para duas pessoas com banheiro privativo (nosso amigo ficou em um quarto individual, banheiro compartilhado, USD 17,50 as duas pernoites). Café da manhã incluído, wi-fi, cozinha coletiva, piscina (que nem chegamos a usar). Fica a uns 15 minutos de caminhada do Zócalo, mas muito perto do terminal de ônibus da ADO, o que para nós fez bastante diferença pois o ônibus para Chichén Itzá era bem cedo. Tulum: Posada Malix Pek - USD 272 por 4 diárias (valor para 3 pessoas) Apartamento com um quarto com cama de casal, banheiro, sacada e mais um ambiente grande que era cozinha, sala de jantar e tinha outra cama de casal. Boa localização, wi-fi incluso, empréstimo de bicicletas para os hóspedes. Não oferecia café da manhã, mas a cozinha era bem equipada e usamos para fazer diversas refeições. Cozumel: https://www.airbnb.com.br/rooms/15253666?location=cozumel&s=0FDzRRy- - USD 62 uma diária para três pessoas. É uma casa de hóspedes no pátio da casa da anfitriã. Lugar muito bonito, com um quarto e um sofá-cama na sala. A proprietária foi muito simpática e gentil ao nos deixar entrar antes do horário de check-in e sair depois do horário de check-out, visto que não havia outras reservas. Playa del Carmen: https://www.airbnb.com.br/rooms/9923131?guests=3&adults=3&location=Suites%2034%3A40%2C%20Calle%2034%20Norte%2C%20Playa%20del%20Carmen%2C%20M%C3%A9xico&s=vlesiaR2&check_in=2017-10-16&check_out=2017-10-23 - USD 320 por 7 diárias Excelente apartamento. Dois quartos, cada um com ar-condicionado e banheiro. Cozinha equipada, wi-fi, perto de supermercados e restaurantes. Fica a uns 10 minutos de caminhada da praia, o que para nós não foi nenhum problema. Para quem estiver de carro, tem garagem. O proprietário foi muito gentil e atencioso conosco. Sobre as duas pernoites em Mérida Mérida entrou no nosso roteiro por dois motivos: 1º conseguimos uma passagem por 10.000 milhas Smiles a partir de Oaxaca e 2º tem um ônibus que sai bem cedo rumo a Chichén Itzá e que é perfeito para quem quer chegar lá antes das multidões. Entre a chegada e a partida deixamos um dia cheio para conhecer algo por lá, mas não diria que é imprescindível. Há o Gran Museu da Cultura Maya que dizem que é sensacional e eu gostaria de ter conhecido, mas infelizmente estivemos lá justo em uma terça-feira, dia em que está fechado. 1º dia Boa parte do dia foi tomada pelo voo vindo de Oaxaca, com conexão na Cidade do México. O que salvou nossos bolsos na zona de embarque do aeroporto da CDMX foi ter encontrado uma 7eleven para fazer um lanche bem barato. Chegamos em Mérida à tarde. A visão do Golfo do México enquanto o avião está próximo de pousar é maravilhosa! Pegamos um Uber para ir até o hostel, o ônibus não passa no aeroporto e teríamos que caminhar um bom trecho até a parada. O Uber saiu 48 pesos, muito barato. Depois de fazer check in, comprar umas coisinhas em um mercado próximo e fazer um lanche, fomos conhecer o Zócalo de Mérida. Já começava a anoitecer. Pesquisamos em algumas empresas de turismo sobre um passeio para o dia seguinte e depois de algumas opções fechamos o tour Charcas de Sal com a La Jarana Tours, por 600 pesos por pessoa. Deu tempo de conhecer o Palácio de Governo, construção bem bonita e com obras de arte expostas. Entrada gratuita. Estavam acontecendo umas apresentações em comemoração ao aniversário da cidade. Pegamos cervejas e salgadinhos na Oxxo e ficamos por ali curtindo. Depois, jantamos no Los Trompos - misto de fast food com comidas locais a bons preços. Comida gostosa, juntos gastamos 271 pesos. 2º dia Cedinho nosso guia nos buscou para o passeio do dia, uma simpatia ele! A primeira parada do dia foi na reserva ecológica El Corchito. Foi nosso primeiro contato com os ojos de agua, uma espécie de “introdução” antes de conhecermos os cenotes. A cor da água é incrível! Ela é fria, mas o banho é irresistível! Cuidem seus pertences e mochilas, pois diversos quatis vivem soltos ali e arrastam qualquer coisa que pareça de comer. Depois, conhecemos as tais charcas de sal. São lagunas rosadas, onde vivem dezenas de flamingos. A terceira e última parada do dia era em Progreso. Tempo livre para almoçar e aproveitar a praia. Olhamos o cardápio do restaurante onde o guia nos levou e nos pareceu interessante, pedimos um peixe achando que seria suficiente para dividirmos, mas quando veio, era porção para uma pessoa. Pedimos outros petiscos (nachos, guacamole) e cervejas e nessa brincadeira gastamos 375 pesos. Quem quiser fazer um lanchinho mais econômico por lá, tem uma Oxxo bem pertinho. O resto da tarde seria para aproveitar praia, mas quem disse? Ventão muito forte, mar agitado, ninguém se animou a entrar na água. Ficamos andando de um lado para o outro para matar tempo. Retornamos para Mérida. Mais tarde, jantamos novamente no Los Trompos, dessa vez deu 252 pesos. Compramos uns sanduíches e sucos para tomar café da manhã no ônibus no dia seguinte, pois sairíamos antes do horário do café no hostel Chichén Itzá: É tudo isso que falam? Sim! Tudo isso e muito mais! Sensacional! 3º dia O ônibus para Chichén Itzá saiu 6:30. A passagem já estava comprada há alguns dias, e custou 140 pesos por pessoa. Comemos nosso café da manhã e dormimos o restante das duas horas de trajeto. Chegando lá, deixamos nossas mochilas no guarda-volumes (pagamos 80 pesos por cada, para ficar o dia inteiro). O valor da entrada ao parque é de 237 pesos (70 tarifa nacional+167 tarifa estadual). Na entrada do sítio já há diversos guias oferecendo seus serviços e juntando pessoas com interesse em formar um grupo para rachar o valor, de modo geral eles cobram 800 pesos por grupo. Entramos para primeiro conhecer por conta. O lugar estava ainda bem vazio e deu para tirar várias fotos na Pirâmide de Kukulcán sem gaiatos aparecendo! Só mesmo chegando cedo para conseguir essa proeza! Depois de explorar bastante por conta, retornamos à entrada e contratamos uma guia. Ela nos propôs fazer um tour um pouco menor, com cerca de uma hora e meia de duração, por 650 pesos. Achamos ótimo, porque nossa intenção era pegar um guia exclusivo, sem dividir com pessoas desconhecidas (e com chance de vir de brinde algum mala ). A guia, Angélica, é descendente de maia e o passeio com ela foi excelente, suas explicações eram cheias de entusiasmo. A não ser que tu estejas fazendo um mochilão bem econômico e contando os trocados, recomendo muito fazer o passeio com guia. Enriqueceu demais a visita! No começo da tarde, o lugar já estava entupido de gente. Comemos em uma lancheria da entrada do parque, que não tinha preços tão abusivos quanto pensávamos que teria: hambúrguer+refri=112 pesos. Pegamos um táxi que nos levou ao cenote de Ik Kil. Marcamos com ele um horário para nos buscar e cada trecho saiu por 80 pesos. A entrada de Ik Kil custou 70 pesos. Para descer à área de banho do cenote, não é permitido levar mochilas. Alugamos um armário para deixar nossas coisas por 30 pesos. Além disso, eles também alugam máscara, snorkel e coletes flutuantes. O lugar é espetacular! A água é fria, pois fica em um buraco onde quase não bate sol. Para os friorentos -como eu- uma blusa de lycra ajuda. Quando cansamos de tomar banho, todas as pessoas que tinham chegado tarde em Chichén Itzá estavam chegando em Ik Kil, abarrotando o lugar. Na hora combinada, o taxista estava nos esperando. Retornamos a Chichén, retiramos nossas mochilas do guarda-volumes e ainda deu tempo de dar uma olhada nos artesanatos. Fica a dica para quem pretende fazer compras: as coisas aqui são bem mais baratas do que em Tulum, Cozumel ou Playa del Carmen. O ônibus levou cerca de duas para chegar em Tulum. A pousada onde nos hospedamos fica a uma quadra e meia do terminal. Deixamos nossas coisas e saímos para conhecer os arredores. Há diversos restaurantes, bares, lojinhas e alguns mercados e lojas de conveniência. Jantamos no La Nave, pizza bem gostosa e ceva gelada, cada um gastou 125 pesos. Tulum - 3 dias inteiros Deu tempo de fazer as principais coisas que queríamos, mas eu ficaria mais tempo ali fácil fácil. Tem um clima tranquilo, ar de cidade pequena. Apesar do centro de Tulum ficar um pouco afastado da praia, é bem tranquilo de chegar pedalando em praias públicas maravilhosas, próximas às ruínas. Muitas pousadas (como a que ficamos) oferecem empréstimo de bikes para seus hóspedes, e na avenida principal existem muitos estabelecimentos que oferecem aluguel. 4º dia Pegamos as magrelas e fomos direto para as ruínas de Tulum. O estacionamento para bikes, inclusive, deixa bem mais perto da entrada do que as pessoas que vem de ônibus de excursão, carro ou táxi, que precisam caminhar mais um pedaço. O ingresso para o sítio custou 70 pesos por pessoa. Tudo muito bonito e encantador, mas quando batemos o olho no mar… não deu mais para prestar atenção em ruínas. Eu e o Rodrigo estávamos vendo pela primeira vez na vida o mar do Caribe, e ele não parava de nos chamar para o mergulho! Terminamos a visita na correria, buscamos as bikes e pedalamos mais uns minutos em busca de um acesso à praia. No primeiro que pareceu ser público, entramos. Prendemos as magrelas em uma árvore mesmo. Havia alguns beach clubs, mas bastante espaço na areia para quem quiser chegar e ficar por ali. Corremos para o banho de mar. Delícia! Depois de muuitos banhos de mar, de sol e cervezitas à sombra dos coqueiros, fomos embora. No caminho de retorno, na Avenida Tulum, passamos por uma taquería do jeito que a gente gosta: simples e barata. E os tacos eram deliciosos. Chama-se Taquería El Arbolito, gastamos 138 pesos no almoço com bebida para nós três! Como nos hospedamos em uma espécie de quitinete, compramos coisas para cozinhar. Encontramos uma peixaria que vendia uns camarões enormes por ótimo preço, mas somente pacote de 2 quilos. Tivemos que fazer o “esforço” de consumir dois quilos de camarão em três dias! 5º dia Amanheceu chovendo, então ficamos pela pousada. Almoçamos ali perto em um restaurante bem simples, PF super bem servido a 75 pesos por pessoa. O tempo deu uma melhorada e saímos com as bikes. Nos enfiamos em umas ruas que, teoricamente, levariam à praia, mas depois de um tempo… a estrada não tinha saída! Como a beira-mar tem muitos estabelecimentos (hospedagens e restaurantes), as vias de acesso à praia são restritas. Voltamos tudo e fomos para a mesma praia do dia anterior, aproveitamos até o final da tarde. À noite, compramos um isopor para carregar nossas bebidas. As long necks nos quiosques de praia custam em média 55 pesos, enquanto nos mercadinhos pagávamos 15. É fácil de achar isopor à venda, tem até na Oxxo. Compramos um por 60 pesos. Queríamos muito ir ao cenote Sac Actun e pesquisamos em diversas agências de turismo, mas nenhuma fazia esse passeio (e, obviamente, tentavam nos convencer a comprar os outros passeios que eles ofereciam, que eram mucho mejores que o Sac Actun ). Consultamos alguns motoristas de táxi, que queriam nos cobrar 1400 pesos para levar, esperar e trazer de volta. Acabamos alugando um carro pelo site da Rental Cars, locadora Álamo. Entre diária e gasolina, gastamos cerca de 600 pesos. 6º dia Buscamos o carro na locadora e nos tocamos para o Sac Actun. Esse fica na mesma estrada que leva ao cenote Dos Ojos, mas uns quilômetros mais para dentro. A visitação ao Sac Actun acontece somente em passeios com guia, snorkel ou cilindro. Como não somos habilitados para mergulho em cavernas, fomos no tour de snorkel, custou 450 pesos para cada. Foi indescritível! O lugar é lindo! A água tem uma cor incrível! E os lugares que chegamos, saguões enormes repletos de estalagmites… uau! 45 minutos que passaram voando, mas que valeram muito a pena. A água é bem fria, até porque grande parte do tempo ficamos em locais sem nenhuma incidência de sol. Usei blusa de lycra e meias de neoprene e fiquei confortável. Almoçamos novamente na Taquería El Arbolito (de novo gastamos 138 pesos, para os três, com bebida). Decidimos aproveitar que estávamos de carro e conhecer um lugar mais distante. Tínhamos lido uma recomendação a respeito de Boca Paila e fomos até lá. Essa praia fica dentro de uma reserva ecológica (entrada paga, 32 pesos por pessoa). Andamos bastante até chegar em um ponto com acesso à praia, boa parte do tempo em estrada de terra. Quando chegamos lá, o vento estava forte e as árvores faziam sombra na minúscula faixa de areia... Enfim, claro que o lugar é bonito, mas não vale o trabalho para chegar até lá… Final de tarde devolvemos o carro. À noite, demos mais uma passeada pela Avenida Tulum e jantamos no apê, para dar fim ao nosso pacotão de camarões. Cozumel - dois dias e uma noite Fomos para Cozumel com o mesmo objetivo de milhares de pessoas que vão para lá: mergulhar. E foi espetacular. Mas para curtir praia, não é dos melhores lugares, a não ser que o ser humano vá ficar em um resort. Há poucas praias públicas e os deslocamentos na ilha são complicadinhos. Mas sem dúvida o mergulho fez tudo valer a pena! 7º dia Cedo pegamos uma van rumo a Playa del Carmen (45 pesos para cada). Descemos no ponto final (fica na Calle 2 Norte, entre as Avenidas 15 e 20) e caminhamos até o píer, de onde saem as balsas para Cozumel. Compramos na hora o bilhete de ida e volta (100 pesos por cabeça) com a México Waterjets. Saímos no ferry seguinte, das nove horas, e o horário da volta ficou em aberto. A travessia dura uma meia hora. Chegando, fomos direto à sede da Blue Magic, fechar o mergulho para o dia seguinte. Cozumel tem dúzias de operadoras de mergulho, pesquisamos uma bem conceituada porque não temos muita experiência e estávamos há muito tempo sem mergulhar. Justamente por causa desse período de tempo grande sem praticar, o proprietário nos disse que ou a gente pagava para um dive master nos acompanhar, ou a gente fazia um curso de “refresh” (onde a gente ia gastar bem mais grana) ou ele não nos atenderia porque estaria nos colocando em risco. Apesar de termos que desembolsar mais, nos sentimos muito seguros e achamos que ele foi muito profissional. O pacote dois tanques, aluguel de regulador, neoprene e colete custou USD 104 para cada, e para o acompanhamento da dive master nós três rachamos o valor de USD 75. Caro? Sim. Mas é mergulho em Cozumel! Não é pouca porcaria! Fomos levar nossas coisas para a casa que pegamos pelo Airbnb e em seguida já saímos para aproveitar praia. Tínhamos lido um relato aqui mesmo no Mochileiros de uma moça que ficou no Money Bar, e que ela pôde usar a estrutura de espreguiçadeira, banheiro etc desde que consumisse algo no bar. Pegamos um táxi (deu 120 pesos, valor combinado antes de entrar no táxi), mas chegando lá não foi bem assim. Talvez as coisas tenham mudado, ou talvez foi porque estávamos em mais pessoas, ou talvez ele não foi mesmo com a nossa cara… mas nos cobraram 500 pesos em consumo (para nós três). Não ficamos muito felizes com a ideia, mas já que estávamos ali… Pedimos logo um baldinho de cervejas, o jeito era relaxar e aproveitar o lugar maravilhoso onde estávamos! Ali tem snorkel e máscara para alugar, mas levamos os nossos. Caímos na água e já ficamos encantados. Que transparência! Isso que estava nublado. Um tempo depois, começou a chover e a ventar forte. Ainda fizemos um lanche dentro do bar, na esperança de que o tempo melhorasse, mas não rolou. Pegamos outro táxi para ir embora (outros 120 pesos). Mais tarde, saímos para conhecer o centrinho de Cozumel. Aquela coisa de sempre: lojinhas, artesanatos, restaurantes… só que tudo mais inflacionado. Jantamos no Los Otates, a poucas quadras da beira-mar, saindo um pouco da parte mais badalada. Lugar simples, ceva gelada e comida típica mexicana, boa e barata. Precisa mais que isso? Comemos guacamole, tacos e burritos e gastamos ao todo 400 pesos. 8º dia Nos encontramos na sede da Blue Magic com nossa dive master, a Cris, que para sorte nossa era brasileira e super querida. O primeiro ponto do mergulho foi Palankar Jardines. UAU! Muitos corais coloridos. Vimos uma arraia imensa e uma tartaruga. Visibilidade de aproximadamente 50 metros! Demais! Passou em um piscar de olhos. Voltamos para o píer para trocar os cilindros, e fomos para a segunda caída na água: Tormentos. Igualmente espetacular! Como comentei antes, o mergulho fez valer a pena a ida para Cozumel e os vários dólares desembolsados, a fama do mergulho lá não é de graça! Para almoçar, fomos novamente no Los Otates, que comida gostosa! Deu tempo ainda de tirar um soninho, e pegamos o ferry das seis da tarde para voltar à Playa del Carmen. Na saída do terminal dos ferrys, o assédio dos taxistas é grande, assim como o preço. Queriam nos cobrar 100 pesos até o apartamento em que ficaríamos. Andamos mais três quadras e abordamos outro taxista, que nos cobrou 35 pesos! Aí sim! Largamos nossas coisas e fomos em um supermercado próximo fazer praticamente um rancho, pois a estadia seria de sete noites. Jantamos no apê e ficamos por lá. Playa del Carmen - 7 noites Escolhemos ficar bastante tempo em Playa porque é um lugar de onde se chega a muitos pontos de interesse dos arredores com facilidade e para curtir praia, sem programação nenhuma, na hora que desse vontade. E foi uma ótima escolha. Intercalamos passeios com dias completamente à toa, que era exatamente nosso objetivo. 9º dia Enchemos nosso isopor de Coronas e fomos para a Praia de Mamitas, a uns dez minutos do apartamento onde ficamos. É uma das mais conhecidas de Playa del Carmen. Cheia de hotéis à beira-mar e clubes de praia. É um lugar muito legal e ponto de encontro de tudo que é tipo de gente: famílias com crianças, hippies, mulheres de top less, homens de sunga fio dental, todo mundo convivendo na boa, curtindo a praia. Como era o primeiro dia, demos uma caminhada de reconhecimento e nos ajeitamos em um lugar na areia. Apesar dos diversos estabelecimentos na praia, há uma faixa de areia livre, qualquer um pode chegar ali, colocar sua toalha ou canga e ser feliz! Basicamente, nosso dia se resumiu a intercalar chimarrões com banhos de mar, e a partir de um certo momento, intercalar cervejinhas com banhos de mar. Lanchamos uns petiscos que levamos (Sabritas e amendoins). À noite, fomos conhecer a famosa 5ª avenida. É legal para passear, mas é uma rua cheia de lojas de grife caras, restaurantes das mais variadas cozinhas -caros- e até as lojas de artesanato são caras. Novamente jantamos no apartamento. 10º dia Pegamos um táxi do apartamento até o ponto de onde saem as vans em direção a Tulum, na Calle 2 Norte, entre as Avenidas 15 e 20. A van custou 40 pesos por pessoa, ela deixa na estrada e de lá dá uns dez minutos de caminhada até chegar em Akumal. Mal colocamos os pés na areia e fomos abordados por um homem que se apresentou como guia. Disse que Akumal atualmente é uma reserva protegida por leis, e que para mergulhar com as tartarugas é obrigatório estar acompanhado de guia e usar colete flutuante. Nos cobrou a bagatela, se estou bem lembrada, de 400 pesos por pessoa. Tínhamos lido diversas informações desencontradas na internet, algumas pessoas disseram ser obrigatório acompanhamento de guia enquanto outras relataram que fizeram tudo por conta própria. Mencionamos que gostaríamos de entrar no mar sozinhos, que já tínhamos nossas máscaras e snorkels, então ele mudou um pouco o discurso e disse que só era permitido entrar acompanhado de guias na área delimitadas por bóias, mas que para o lado direito da praia, após umas pedras, o acesso era livre. Bom, fomos para a tal parte livre, e… não era bem assim. A parte “pertence” a um resort e o segurança não queria de jeito nenhum a gente ficar ali “perturbando” seus ricos hóspedes. Discutimos, batemos pé, até que coloquei a canga e sentamos ali, aí o bonito se plantou atrás de nós e ficou nos vigiando. Fui para a água, puta da cara, enquanto os guris ficaram cuidando das nossas coisas. Dentro da água, a história foi bem diferente. Não demorou quase nada para dar de cara com uma bela arraia! Logo em seguida, a primeira tartaruga. Linda! Mais pessoas se aproximaram dela, saí de perto e logo encontrei outra. E isso se repetiu por algumas vezes. Sempre que mais alguém se aproximava, eu me afastava e não demorava para encontrar outra, para que ficássemos “a sós”. É simplesmente fantástico nadar junto com o bicho, no seu habitat natural, acompanhando seus movimentos. Ela sobe para respirar, depois mergulha de novo, se alimenta do capim que tem no fundo… e assim vai. É a coisa mais fofa! Bom, saí da água para deixar um deles ir mergulhar, e o nosso “guarda-costas” seguia lá! O Rodrigo foi para a água, e eu e o Rico desistimos de ficar ali com um vigia em cima de nós. Ele nos constrangeu até conseguir o que queria: pegamos nossas coisas e fomos para uma parte que não “pertencia” ao resort (coisa mais irritante um resort ou hotel possuir uma praia, lugar que sempre deveria ser público). Depois disso, aproveitamos o resto da manhã com mergulhos e sempre encontrando as tartarugas. Antes de ir embora, ainda fui perguntar em uma tenda que tem na entrada da praia como funcionavam os mergulhos com guia. A moça disse que não era obrigatório acompanhamento do guia, que na área demarcada era obrigatório somente o uso do colete (para proteção dos corais e das tartarugas), e que o serviço de guia “garantia que a pessoa veria tartarugas, porque os guias conhecem o lugar e sabem onde achá-las”. Enfim, como deu para ver, diversas informações desencontradas. Esse quiosque aluga todos os equipamentos para quem quer mergulhar por conta, e há inclusive lockers para alugar e deixar os pertences. Saímos de lá com um sentimento misto. Tivemos uma experiência maravilhosa com as tartarugas, mas por outro lado sentimos que eles tentam enrolar os turistas com esse papo de guia obrigatório. Sem contar o episódio do resort… Ficamos chateados porque é um lugar maravilhoso, que deve sim ter um controle de acesso para a sua preservação, mas de maneira organizada, com informações claras e operadores autorizados. Escrevendo este post, li algumas notícias de que Akumal esteve fechada para os mergulhos com tartarugas (no período logo após a nossa viagem), mas que já foi liberada novamente. Para quem está pretendo ir para lá, acho que vale a pena acompanhar a situação por aqui: http://www.ceakumal.org/ . Fizemos um lanche no Oxxo que tem junto à saída da praia e voltamos até a estrada para pegar uma van até o Cenote Azul. A van deixa na entrada do cenote, a entrada custa 80 pesos. O cara que nos vendeu as entradas disse que a gente não podia entrar com nosso isopor, mas que não havia problemas em deixar ali com ele. Que lugar lindo e agradável! Que cor da água incrível! Há desde uma parte funda, onde a galera pula de cima da pedra, até pontos bem rasinhos. As pedras no fundo, em diferentes profundidades, dão à água variados tons de azul e de verde. Sensacional! Tinha muitas famílias, grupos de amigos, pessoas com crianças, casais. Apesar de ter bastante gente, o lugar é muito tranquilo. Sensação de paz! Ficamos lá o resto da tarde. Na hora de ir embora, estávamos na estrada esperando a van e de repente encosta um busão com a placa indicando que estava indo até Cancun. Nos olhamos e… porque não. Entramos no ônibus. Era um pinga-pinga, mas nos deixou na esquina do nosso apartamento! Tentei descobrir algo mais sobre esse ônibus, tipo frequência e horários, mas não encontrei nada. A empresa era Rutas del Sol. No térreo do prédio onde estávamos, tinha uma loja de uma família argentina. Comemos umas empanadas bem gostosas, e ainda havia produtos para chimarrão (erva-mate, cuia e bomba). Fica a dica para algum gaúcho, argentino ou uruguaio que estiver por lá: Calle 34 Norte esquina com Avenida 40. 11º dia Para economizar, tínhamos comprado um protetor solar vagabundo, mas… ele não deu conta, então estávamos bem vermelhos e ardidos. Resolvemos ficar em um beach club, para poder ficar sob um guarda-sol (e a economia foi por água abaixo... hehehe). Escolhemos o Mamita’s Beach Club, um ombrelone com três espreguiçadeiras por 100 pesos em consumo por pessoa. Um detalhe importante é que eles não permitem que as pessoas levem bebidas ou alimentos de fora, então nesse dia deixamos nosso isopor em casa. Consumimos umas cervejas e uns petiscos lá, porque tínhamos que gastar esse valor, mas fora isso tem uma loja da Oxxo bem pertinho e dá para ir lá lanchar ou bebericar algo. O dia foi completamente à toa, aproveitando aquela praia maravilhosa. 12º dia Mais um dia de praia e sem grandes acontecimentos. Pela manhã ficamos em um lado um pouco mais afastado da Praia de Mamitas, mas estava um pouco ventoso. Depois de almoçar em uma hamburgueria (Hamburgueria Brontos, um hambúrguer + um suco saiu 60 pesos), voltamos para o apê para tirar um cochilinho básico. Saímos para conhecer mais um pedaço da 5ª Avenida. Lojas e restaurantes bodosos, enfim, não é a nossa. À noite fomos ao Walmart. Aqui é o lugar para comprar souvenirs e bugigangas em geral em Playa del Carmen! A grande maioria dos souvenirs que tem à venda nas lojas da 5ª Avenida tem aqui por metade ou até um terço do preço! Tem tudo o que se pode pensar em comprar para levar de lembranças: ímas, bolsas de praia, camisetas, chaveiros, canetas, garrafinhas de tequila etc. Bugigangas variadas para aproveitar a praia também tem: bóias, máscara e snorkel, cadeira, guarda-sol, até colete salva-vidas. Todas as compras de souvenirs que queríamos, fizemos nesse dia. 13º dia Queríamos ir a um lugar não tão turístico dos arredores e pedimos uma dica para o Edgar (proprietário do apê), ele nos indicou XCacel. Pegamos um táxi até o ponto das vans (30 pesos) e depois uma van até lá (45 pesos por pessoa). É um lugar bem interessante porque combina praia (Xcacel) com cenote (Xcacelito). Dá para tomar banho de mar, caminhar poucos minutos e mergulhar no cenote. É uma área protegida e para entrar é necessário pagar uma contribuição. O valor sugerido é de 20 pesos. Como qualquer praia da Riviera Maya, essa não decepcionou: é linda! É completamente roots, não tem estrutura nenhuma de quiosques, vendedores, resorts infernizando a vida alheia ou coisas do tipo. Possivelmente por isso, a praia estava bem vazia. As poucas pessoas por ali ficavam a muitos metros de distância umas das outras. Porém, o vento nesse dia estava muito forte e o mar bastante agitado. A ventania estava tão desagradável que resolvemos juntar folhas e pedaços de pau e construir um abrigo . Foi engraçado! Ficamos amontoados na nossa “casinha”, tomando chimarrão e curtindo o visual da praia. As poucas pessoas que se animavam a entrar no mar saíam em poucos minutos, porque ele estava muito forte e com repuxo. Nós não encaramos. Depois de um tempo, resolvemos ir para o cenote. Mas, se a praia estava ruim, o que todas as pessoas que estavam em Xcacel pensaram? Exato. Que no cenote estaria melhor. O cenote é bem pequeno, está mais para um olho de água. E tinha um número de pessoas maior do que as que estavam espalhadas por toda a extensão da praia. Como o Edgar havia falado, é um local onde os moradores dos arredores vão para passar o dia, especialmente nos fins de semana. Estivemos lá em um sábado, então acredito que durante a semana seja melhor de conhecer. Bom, o número de pessoas dentro da água levantou bastante areia e sedimentos do fundo, e a água não estava tão límpida como nos outros cenotes. Nos banhamos um pouco e decidimos voltar para Playa Del Carmen. Descemos no ponto final das vans e fomos conhecer o Portal Maya. Depois, ficamos na praia por ali mesmo. Havia uns barcos na areia, sentamos à sombra, comemos os sanduíches que tínhamos levado e tiramos até um cochilo. Caminhamos pela beira do mar até Mamitas, que estava bombando! Cheia mesmo, espaços na areia estavam disputados. Como em Xcacel, o mar também estava bastante agitado e os banhos foram curtos. Já era final de tarde e fomos embora. À noite, compramos uns produtos típicos no supermercado e fizemos uma janta mexicana. Guacamole, tortillas, quesadillas, frijoles… Nós três adoramos cozinhar, e curtimos muito comprar os ingredientes locais e fazer tudo! No fim das contas, não saímos para jantar nenhum dia em PDC, todo dia rolava uma janta deliciosa feita por um de nós! 14º dia Último dia das férias! Contamos nossos pesos restantes e havia o suficiente para ficar novamente no Mamita’s Beach Club. Passamos o dia lá, de boas, entre banhos de sol, de mar, descanso à sombra, cervezitas, nachos… Enfim, um dia no esquema-patrão! Fomos presenteados pelo melhor mar das férias todas: a água estava calma e a temperatura, perfeita. Tomamos longos banhos. Chegamos tão cedo que o caixa do Beach Club ainda não estava aberto (para pagar pelas espreguiçadeiras), e ficamos até o sol começar a se pôr. Não queríamos ir embora… Mas… voltamos ao apê, arrumamos nossas bagagens e fizemos nossa última janta. Ligamos para um taxista indicado pelo Edgar, combinamos para ele nos levar ao aeroporto de Cancún no dia seguinte. Nos cobrou 600 pesos. Existem ônibus da ADO que fazem esse trajeto, mas entre três pessoas a diferença fica tão pequena que não compensa. 15º dia O José estava nos esperando no horário combinado, e lá fomos nós até o aeroporto. Figura simpática, foi conversando o caminho todo. E assim, pegamos nosso voo de retorno ao Brasil. Foi uma viagem incrível! Os mexicanos são uns queridos! A comida é deliciosa! As praias... (suspiro) são paradisíacas! Sem contar o patrimônio histórico-cultural, riquíssimo. Destino para encantar diversos perfis (e bolsos) de viajantes. Deixo aqui o vídeo que resume a trip: Quem quiser ler em mais detalhes e ver mais fotos, está no meu blog: https://recordacoesdeviagens.wordpress.com/category/americas/mexico/ . Se alguém tiver alguma dúvida, pergunta lá ou aqui, fico muito feliz em ajudar! Abraços a todos e ótimas viagens!
  9. Holaaa!!! Agora siiim!!! Fui para Playa e posso dizer que a viagem foi absolutamente incriveeeel. Playa é uma mistura de cultura, com lindas paisagens, com diversão, pessoas de todo o mundo...exatamente o que eu queria!!! Voltei praticamente com a metade da grana que levei, o dinheiro lá rende que é uma maravilha...passei muito bem, comendo, bebendo, saindo, conhecendo... Fiz meu roteiro, meu orçamento de viagem, fiquei em hostel, fui sozinha e não podia ter tomado decisão melhoooooooor....não tenho dúvidas... Claro, de cada dia tenho histórias pra contar hahaha tenho contato com muitos que conheci e em setembro vou para Buenos Aires rever algumas das pessoas mais incriveis que conheci... Sinceramente, não voltaria a Cancun, não é um destino que me agrada!!! Isso depende de cada um, fiquei pouquissimo tempo e prefiro o estilo praia de playa del carmen, onde eu passeava as vezes sozinha, ou voltava sozinha da balada altas horas sem problema nenhum...uma segurança até antes desconhecida para mim, morando na cidade de são paulo =/ Estou a disposição para qualquer dúvida relacionada a playa...como fiquei muito bem por lá, não fui viajar para lugares muito distantes....fiz TULUM (mais de uma vez rs), AKUMAL Y LAGUNA (uma praia maravilhosa onde se pode nadar com as tartarugas), CHICHEN ITZÁ, XCARET, ISLA COZUMEL, ISLA MUJERES, CENOTE DOS OJOS ............ e muito maaaais hahahha bjooooos
  10. Olá mochileiros, segue nosso roteiro dia a dia e gastos em 11 dias na Playa del Carmen, fomos em um grupo de 6 pessoas, coloquei alguns valores individuais e alguns por casal. Total gasto na viagem: R$ 9.977,47 (2 pessoas). Aqui vai o detalhamento. [t3]Vôos[/t3] Nosso voo saiu de São Paulo com parada no Panamá e destino final Cancún voando pela Copa. No valor de R$ 4.615,66(Duas pessoas). [t3]Seguro Viagem[/t3] Fizemos seguro viagem com a World Nomads: R$ 245.52 (2 pessoas). [t3]Hospedagem[/t3] Alugamos um apartamento pelo Airbnb bem próximo da 5ª avenida, 1 quarteirão. O apartamento comporta 6 pessoas, sendo 1 cama de casal, 2 de solteiro e um sofá cama (bem confortável rs). Foi uma ótima opção, pois tínhamos uma cozinha a disposição, o que nos fez economizar um pouco com café da manhã e jantar. O valor total do ap ficou por R$ 515,83 por pessoa para 10 dias. O diferencial do apartamento que nos agradou bastante foi o terraço com área para churrasco e jacuzzi. Aqui vai o link para quem estiver interessado: https://www.airbnb.com/rooms/12681826 Uma das coisas que nos deixou preocupado com o apartamento era a cobrança de 4 pesos por kw a partir do 3º dia, achamos que seria um gasto alto no fim da hospedagem, mas que no fim ficou em torno de R$ 16 ( 5 dólares) por pessoa. [t3]Alimentação[/t3] La Vagabunda: um ótimo restaurante local com comida saborosa e muitos nachos a vontade, preço muito bom e ambiente bem legal. Karen’s : Restaurante pega turista, comida boa, atendimento mal educado, no dia a dia tem o nosso caso. Don Sirloin: Melhor pedida para quem quer economizar comendo comida saborosa e com uma pegada mais local. Valor total gasto com alimentação: R$ 426,00 (2 pessoas). [t3]Passeios[/t3] Isla das Mujeres com parque Garrafón Chichen Itza Xplor Xel-Ha Xcaret Tulum Akumal Gasto total com passeios: R$ 2.227,31 (2 pessoas) Vamos aos relato por dia. [t3]1º - Dia - Chegada em Playa[/t3] Saímos de Sao Paulo dia 21/04 as 01:30, fizemos conexão no Panamá e aterrissamos em Cancún as 12:30, vôo bem tranquilo, imigração super de boa também. O Free shop do Panamá não é tão legal e só aceita dinheiro na maioria das lojas. Chegando em Cancun, aguardamos nossa amiga que veio em voo diferente e entramos em contato com uma agência que havíamos conhecido pelo Facebook para fechar o transfer, pois não fechamos nada no Brasil. Assim que nossa amiga chegou, entramos em contato com a agência (Tio Nene Tours) e a mesma nos prometeu que em 30 minutos enviaria uma van para nos buscar, esperamos durante 2 horas com a promessa de que nos levariam até a agência para fecharmos alguns passeios pois via whatsapp ficou combinado que o preço do transfer teria desconto caso comprássemos algum passeio com eles, USD 70 ida e volta fechando algum passeio. USD 300 ida e volta se não fechassem nada. Após as 2 horas de espera, a van chegou e já estava com 1 casal que também iria para Playa del Carmen, perguntamos se iria nos levar antes na agência e o motorista Miguel disse que não e que era para entrarmos em contato com a agencia e que pagaríamos os USD70 direto para o motorista com a promessa de que ia nos buscar no check-out para levar ao aeroporto. Chegamos no ape, deixamos as malas e saímos para andar pela 5ª avenida e notamos que fizemos uma ótima escolha por ficar em Playa do que em Cancún. Jantamos no La Vagabunda, existem 2 restaurantes na 5ª avenida, nós ficamos no primeiro que está na metade da rua, gostamos muito do atendimento e da comida, peça pelo molho picante para comer com os nachos. [t3]2º- Dia - Passeio em Cancún[/t3] Acordamos cedo e tentamos entrar em contato com a agencia e para nossa surpresa os preços foram inflacionados pelo simples motivo de que não passamos na agência no dia anterior, sendo que não tivemos essa opção de escolha. Acabamos por não fechar nenhum passeio com a Tio Nene por nos sentirmos enganados. Temos experiência em viagens e sabemos quando estamos sendo “selecionados”, talvez essa agência sirva para outras pessoas, com um estilo de viagem mais afortunado, mas para nós não era o ideal. Depois desse triste episódio lembramos da Paula da Dicancun Tours https://www.facebook.com/dicancunpasseios/ que já tinha nos dado várias dicas por whatsapp antes de embarcarmos. Resolvemos ligar para ela e checar como estavam os preços e para nossa surpresa fomos atendido imediatamente e os preços estavam melhores que o que tínhamos cotado com a Tio Nene. Como nesse dia íamos até Cancún para andar e conhecer um pouco marcamos com a Paula para tirarmos o resto das dúvidas e fecharmos alguns passeios. Pegamos o ônibus ADO na 5ª avenida com o valor de ida e volta 168,00 pesos por pessoa, a volta é em aberto, ou seja, você pode voltar até o último ônibus que sai de Cancún as 23:30. Nos encontramos com a Paula que tirou todas nossas dúvidas, deu dicas importantes, como a de não utilizar o ADO e sim as vans por serem mais rápidas, baratas e seguras. Almoçamos no Mc Donald’s e fomos para a praia Delphines curtir o restante da tarde. Voltamos cansados, passamos no mercado e jantamos no próprio ape. [t3]3º - Dia - Chichén Itzá[/t3] Fomos para Chichén Itzá, talvez pelo nosso estilo, deveríamos ter feito esse passeio por conta própria, talvez aproveitaríamos mais e perderíamos menos tempo. O bus nos pegou em Playa as 6:30 e chegamos em Chichén por volta das 14hs, nesse tempo almoçamos (estava incluído e a comida era bem ruim). Já em Chichén tivemos um tour guiado de mais ou menos 1:30h, que foi muito bem explicado porém apenas sobre as principais ruínas, e acabou por sobrar pouco tempo para andarmos pelas demais. Se você quer levar alguma lembrancinha, este é o melhor lugar para comprar, além de mais barato é possível negociar. No caminho de volta, paramos no cenote Ik Kill e tivemos apenas 30 minutos para curti-lo, pois o tempo já estava curto para voltarmos, alugamos um armário e coletes por 80 pesos (2 pessoas). Chegando em Playa compramos lanches no Don Sirloin, que é uma casa que vende o famoso churrasco grego, muito conhecido em SP, o preço é muito bom, em média R$20 por pessoa, isso se você for levar, senão tem a taxa de mesa (propina). [t3]4º - Dia - Isla Mujeres e Parque Garrafon[/t3] Fomos para Isla das Mujeres, uma van nos buscou no ape e nos deixou no píer que sai os barcos para a ilha. Como nossos amigos iam fazer o nado com golfinhos ficamos aguardando no parque Discovery na piscina e com bebidas incluídas. Assim que eles finalizaram o nado, partimos para o Parque Garrafon, onde passamos o dia aproveitando as instalações, fizemos caiaque e snorkel e curtimos uma piscina. Nesse dia toda a alimentação e bebidas (inclusive alcoólicas) estava incluída. Alerta de Roubada Na volta pedimos para a van nos deixar no início da 5ª avenida e aproveitamos para jantar por lá mesmo, o restaurante escolhido foi o Karen’s, muito bonito e colorido, bem chamativo, mesmo com a cara do típico pega turista resolvemos experimentar após o recepcionista nos dar um voucher de 20% de desconto e alegando que a propina não era obrigatória. Nos sentamos e pedimos nossas refeições, ao pedir a conta veio a surpresa, o desconto realmente estava aplicado, porém havia uma taxa de 18% de propina obrigatória, enfim ficando elas por elas. Discutimos com o garçom e o recepcionista e não pagamos essa diferença por nos sentirmos lesados. Enfim fica a recomendação de passar longe deste restaurante . [t3]5º - Dia - Xplor[/t3] Fomos ao Parque Xplor, é um parque com várias tirolesas, sendo no total 16, no final notamos que elas são as únicas atrações do parque que valem a pena, tirando o almoço que foi o melhor de toda a viagem. Neste parque está incluso comidas e bebidas não alcoólicas durante todo o dia. Este parque é recomendado para quem gosta de adrenalina e de tirolesas, se este não é seu caso passe longe. Para chegar ao parque pegamos uma van próxima ao Ado (rua de trás), que nos deixou na porta sendo 25 pesos por pessoa o trecho, que no final acreditamos ser a melhor opção para ir aos parques, sendo melhor até que os transfers do próprio parque, pois é possível chegar por volta das 8:45, e já agilizar a entrada, os ônibus começaram a chegar por volta de 9:10. [t3]6º - dia - Xél-Ha[/t3] Fomos ao parque Xél-Ha, com o transfer do próprio parque, este também tinha comidas e bebidas incluída durante o dia, parque bem legal para tirar fotos, inclusive com o pacotes de fotos que eles vendem pois acredito ser o único parque que eles fizeram de forma correta, pois em todos os lugares tem câmeras posicionadas e fotógrafos. Parque com várias opções aquáticas, snorkel, boias, bicicletas. [t3]7º - Dia - Descanso[/t3] Tiramos o dia para descansar, ficamos no apê e andamos pela 5ª avenida, almoçamos no KFC e jantamos no ape. [t3]8º - Dia - Tulum e Akumal[/t3] Fomos a Tulum por conta própia, pegamos uma van que nos deixou na porta, 45 pesos por pessoa. Fechamos um guia por 12USD por pessoa na entrada, nos explicou muito bem a história do lugar, mais ou menos 1 hora, Tulum deve ter 2 sol para cada pessoa, estava muito quente e não tem muito jeito de se proteger, pois quase não tem sombra. Saímos de lá e paramos em Akumal, custou 35 pesos por pessoa. Como Akumal foi reaberta recentemente, o passeio para nadar com as tartarugas estavam meio caros, em média 500 pesos por pessoa, preferimos não fazer e ficamos sentado na praia por um tempo. Voltamos para Playa, 40 pesos por pessoa, almoçamos no Mc e aproveitamos o restante do dia na piscina do ape. De noite jantamos novamente no Don Sirloin e resolvemos nesta noite que iríamos fazer o parque Xcaret no dia seguinte. [t3]9º - Dia - Xcaret[/t3] Fomos ao parque Xcaret de van, 25 pesos por pessoa, como estávamos vindo de 2 parques incríveis, achamos que o Xcaret seria do mesmo nível, porém a única coisa que vale a pena são os Shows, a comida é fraca se comparado com os outros e as atrações também. Por ele ser o parque mais caro, esperávamos mais. O show de encerramento fez valer o dia e nos aproximou mais da cultura mexicana, se você quiser é possível comprar um ingresso em que você entra no fim da tarde para ver o show que fica bem mais barato. O show termina por volta das 22hs, e na saída tem várias vans esperando para levar o pessoal embora, pelo mesmo preço 25 pesos. [t3]10º - dia[/t3] Tiramos mais um dia livre para descansar e comprar algumas lembrancinhas e curtir a piscina do ape novamente. [t3]11º - Dia[/t3] Dia de voltar pra casa, conforme combinado com a Paula, nosso transfer nos buscou no ape e nos levou para o aeroporto, almoçamos no Johnny Rockets e Guacamole Restaurant, fizemos um vôo tranquilo até o Panamá, porém chegando no Panamá nosso vôo estava com overbooking e precisando de voluntários para passar a noite no Panamá e ir embora no dia seguinte, como bom mochileiro que pensa sempre na próxima viagem resolvemos ficar e aproveitar o hotel 5 estrelas, refeições e de quebra um voucher de USD 600 por pessoa . E aqui um videozinho resumindo a trip. Essa foi nossa viagem, se precisar de alguma dica ou esclarecimentos só perguntar.
  11. Boa noite gente, resolvi criar o tópico aqui pra ajudar os futuros viajantes. Apesar de Cancun ser ja um destino bem explorado e ter muitas informações pela Net, vi que muitas coisas não são reais ou mudara, enfim. Nosso roteiro foi ficar 4 dias em Playa del Carmen (PDC) e 5 dias em Cancun. Esta escolha foi muito acertada, tendo em vista que os principais passeios da região ficam super perto de PDC. Outro ponto importante foi que achamos uma boa opção de hotel e com bom preço, bem diferente de Cancun. Ficamos no Fiesta Inn Playa del Carmen, que fica na 10º Av, a uma quadra da 5º Av. Voamos pela Latam, que por sinal vem perdendo bastante a qualidade depois da Fusão. Ja havia viajado com a LAN antes e era uma companhia ótima. A TAM sempre foi bem razoável também, mas agora, sinceramente me decepcionou um pouco, principalmente o trecho BOG-CUN, onde fomos com um A320 bem básico, pra um voo de quase 4 horas. O lanche neste trecho tb era horrível. Enfim, nos levou e trouxe, isso no fim é o que importa.
  12. Fala galera, ai vai mais um relato meu e de minha esposa pela península de Yucatán, México, por 8 dias com a ajuda de todos vocês, claro. Dias 0 e 1: Bom, como toda viagem sem perrengue não é viagem, essa começou logo no início, ainda no aeroporto de Fortaleza, quando o funcionário da TAM viu que o SAE (visto eletrônico para o México) da minha esposa estava escrito LACEARDA e não LACERDA . Ele disse que corríamos o risco de voltar. Então minha esposa foi procurar uma Lan House as 01:30h da madrugada no aeroporto (que estava fechada). Ao olhar todas as lojas, viu que em uma locadora de carros tinha impressora e o jeito foi pedir “pelo amor de Deus” para acessar a internet e imprimir o documento heheheheh . Tudo certo, embarcamos. DICA 1: confirme o documento letra por letra. Iríamos pousar em GRU por volta de 4h da manhã mas o aeroporto fechou devido a névoa . O piloto ainda aguardou mas não teve jeito, tivemos que ir pra Viracopos (Campinas). Imaginem Viracopos recebendo todos os vôos de GRU. Filas enormes de aeronaves esperando “vaga” para estacionar. Filas para retirar as bagagens. Filas de espera pelos ônibus das companhias para levar todos para GRU. Depois de tudo isso chegamos lá por volta de 8:40h e o nosso vôo era as 8:20h, mesmo com o check-in já feito e a TAM sabendo que tivemos que pousar em Campinas o vôo partiu sem a gente, ou seja, a empresa não tem planejamento para fatos como esse e deixa o cliente na mão (não só a gente, tinham vários passageiros que iriam a Santiago e perderam o vôo também) . Pra piorar ainda mais, isso ocorreu dia 30/04 e o funcionário informou que, para o México, só teria vaga dia 02/05. . Poderíamos ficar em São Paulo tudo pago pela Tam ou fazer uma “volta ao mundo” pela LAN pra chegar em Cancun; optamos pela volta ao mundo. O roteiro original seria: FOR-GRU-Cidade do México-Cancun, depois de tudo isso o roteiro ficou: FOR-Campinas-GRU-Buens Aires-Lima-Cancun, 38h ao total, rodar toda a America do Sul, partindo de Fortaleza para chegar em Cancun, ninguém merece!!! Pra “compensar”, a companhia remarcou a volta um dia depois. DICA 2: já pensou se eu estivesse vindo de outro país pra ver um jogo do meu país? Tinha perdido tudo. E só conseguimos essas mudanças porque pagamos pelas passagens, se tivéssemos tirado as passagens com os pontos, esqueça... não tinha outra opção a não ser esperar. Ezeiza esta com a parte nova muito bonita e com internet. Lima estava frio, tivemos que comprar casacos. Dia 2: Chegamos em Cancun as 14h mas só conseguimos sair da imigração as 16h. Tinha reservado com a agência do Alvaro um transfer (U$ 30 pelo site dele), mas já dava como perdido devido a mudança dos horários (que comuniquei por e-mail, mas não recebi retorno) mas eles estavam lá e tinham respondido a esse e-mail. Ficamos no hotel Xbalamqué, no centro de Cancun (e não na zona hoteleira, R$ 100 a diária pelo Decolar, parcelando em 5 vezes). Chegamos mortos de cansados e logo de pronto recebemos o contato com o colega mochileiro aqui do site, Mauro Brandão e seu amigo Ailton, do qual combinamos de dividir um carro, o mesmo ficou pelo setor hoteleiro (o aluguel do carro foi pela Hertz, um Chevy, Classic aqui no Brasil, por uma semana com seguro que ficou por volta de U$ 380). Fomos tentar trocar uns dólares (a cotação variava entre 11,40MXN a 11,60MXN por dólar). Saquei moeda local no Santander (que tem muitos por lá) e fomos ao Shopping La Isla. Não vimos nada “mais barato” que aqui, algumas coisas até mais caras. Tomamos umas cervejas Corona na Hooters e planejamos Chichen Itzá para o dia seguinte. Jantamos em um restaurante próximo ao hotel e provamos das pimentas “muito fortes”, típicas dos mexicanos. Dia 3: Saímos cedo, por volta das 7:30h rumo a Chichen Itzá. GPS estava atualizado. Estrada ótima, mas com pedágios, pelo menos 2 de ida e 2 de volta, um de 251MXN(um pra ida e um pra volta) e outro de 60MXN (um pra ida e um pra volta), reserve logo uns 622MXN só pra isso. Logo após o último pedágio, a direita, tem um ponto de informações e compra de bilhetes. Dentre as opções, U$34,00 com almoço em um ponto mais afastado ou U$38,00 com almoço em um ponto mais central. Fechamos no de U$38. O guia saiu por volta de 650MXN em espanhol outras línguas fica por 750MXN. Chichen é lindíssima e merece um dia inteiro . Não há motivo para se ter pressa. Se for comprar lembrancinhas compre na volta (os preços despencam heheheheh ). A pirâmide de Kukulcán é linda. Bata palma bem forte em frente da entrada principal da pirâmide e escute o som do Quetzal (pássaro típico de lá). A foto em que eu apareço abaixo é do túmulo do sumo sacerdote; acreditam que teve um americano que comprou todo o local por U$75 e dinamitou este monumento . Procurando o tesouro do sacerdote , que burro, o tesouro era o conhecimento e não ouro. Não deixem de ver o Observatório Caracol e o Templo dos Guerreiros (o Chacmool, mensageiro intermediário entre os homens e os deuses, só pode ser visto a distância então abuse do zoom da sua máquina). O campo para o jogo de bola aqui é simplesmente imenso e o arco é muito alto com paredes retas (o jogo aqui durava dias). O Templo dos Jaguares e o Tzompantli (mural com caveiras) devem ser vistos também. Sinceramente teria ficado o dia inteiro ali . Como de costume, saquei minha bandeira do Brasil e batemos uma foto, quando de repente um guarda turístico me solicitou que apagasse a foto pois estas com bandeiras e símbolos estavam proibidas . O Álvaro nos confirmou que realmente os turistas passaram do limite e isso foi proibido, até por respeito a cultura Maia. Nós respeitamos muito a cultura indígena, visto que só viajamos a estes pontos (Machu Picchu, Ilha de páscoa, etc). Batemos mais um foto (no jeitinho brasileiro ) mas tomem cuidado e respeitem a cultura local. Depois almoçamos (muito boa comida mexicana por sinal) e saímos. Nosso carro já estava com um barulho estranho desde o dia anterior e a coisa piorou quando acenderam várias luzes no painel . Abastecemos o tanque no posto antes de Chichen (372MXN) e tiramos direto para a Hertz do aeroporto (o plano era Cobá, ainda bem que não fomos). Caiu uma senhora tempestade tropical, derrubando árvores, visibilidade zero, loucura. O carro conseguiu chegar até a entrada do aeroporto e morreu ãã2::'> . Pra compensar, a Hertz nos deu um Hyundai. Dia maravilhoso. Planejamos para o dia seguinte os seguintes passeios: Cobá, Tulum, Cenote Dos Ojos e Akumal. Pra fechar o dia fomos na agência do Álvaro conhecê-lo (bem famoso aqui nos Mochileiros nos relatos de Cancun) e fechamos os seguintes passeios com ele: Xcaret Plus (U$105 sem trasfer), Capitão Hook terra e mar (carne e lagosta; U$83), Coco Bongo barra livre (bebidas a vontade, U$ 60) e Isla Mujeres com nado com golfinho adventure + Parque Garrafon (U$139). Agora era descansar que o dia seguinte seria longo. DICA 3: Álvaro trabalha praticamente só com turista brasileiros, então com ele a garantia da qualidade para o que nos agrada é melhor, além de várias dicas que ele fornece.
×
×
  • Criar Novo...