Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Posts Recomendados

A República de Cuba é um país insular americano localizado no norte do Mar do Caribe. Os territórios mais próximos são as Bahamas, a nordeste, o Haiti, a sudeste, os Estados Unidos da América, a norte, a colónia britânica das Ilhas Caymans, a sul, a Jamaica também a sul, e o território norte americano de Navassa, ainda a sul. A sua capital é Havana (em castelhano, La Habana).

 

A ilha foi descoberta pelo Almirante de la Mar Oceana Cristóvão Colombo na sua primeira viagem ao que depois seria chamado de Novo Mundo, no dia 27 de outubro de 1492.

 

Colonização e independência

 

cuban_flag_0.jpg

 

O domínio espanhol sobre Cuba durou quatro séculos. No dia 10 de dezembro de 1898 a Espanha, após ter sido derrotada pela invasão americana a Cuba, assinou com os Estados Unidos o Tratado de Paris que põe fim à dominação espanhola na ilha. No dia 1º de janeiro do ano seguinte, os Estados Unidos estabeleceram um governo militar na ilha.

 

Durante quase quatro anos os Estados Unidos mantiveram a ocupação da ilha através de um governo militar.

 

No dia 20 de maio de 1902 foi proclamada a República em Cuba, mas o governo norte-americano, em 1901, tinha convencido a Assembléia Constituinte cubana a incorporar um apêndice à Constituição da República, a Emenda Platt, pela qual se concedia aos Estados Unidos o direito de intervir nos assuntos internos da nova república, negando à ilha, bem como à vizinha ilha de Porto Rico, a condição jurídica de nação soberana, o que limitaria sua soberania e independência por 58 anos.

 

No dia 1° de janeiro de 1959 o Exército Rebelde dirigido pelo seu Comandante e chefe, Fidel Castro, derrota o governo que governava o país. É a partir desse momento que Cuba obtêm sua total e definitiva independência em relação aos EUA.

 

Atualmente, a República Socialista de Cuba é único país socialista do Ocidente, e um dos poucos países do mundo, como a República Popular da China, República Popular Democrática da Coréia e a República Socialista do Vietnã .

 

VISTO:

 

Não é mais necessário tirar o visto antes do embarque, o mesmo pode ser comprado na hora do embarque ou durante a conexão (Até Janeiro de 2009 a taxa custava 20 USD).

 

 

COMO CHEGAR À CUBA:

 

Aerogaviota (Baracoa, Cayo Largo del Sur, Cayo Santa Maria, Holguin, Nueva Gerona, Santiago de Cuba, Trinidad, Varadero)

 

Cubana de Aviación (Baracoa, Bayamo, Camaguey, Cayo Coco, Cayo Largo del Sur, Ciego de Avila, Cienfuegos, Guantánamo, Holguín, Manzanillo, Moa, Nueva Gerona, Santa Clara, Santiago de Cuba, Varadero, Victoria de las Tunas

 

Cubana de Aviación Operated by Aerocaribbean (Cayo Coco, Holguín)

 

Scheduled charter flights

 

American Airlines (Miami)

o American Eagle (Miami)

Continental Airlines (Miami)

o Continental Connection operated by Gulfstream International Airlines (Miami)

Sky King, Inc. (Miami, New York-JFK)

 

Aeroflot (Moscow-Sheremetyevo)

Air Canada (Toronto-Pearson)

Air Caraïbes (Fort-de-France, Pointe-à-Pitre)

Air Comet (Madrid)

Air France (Paris-Charles de Gaulle)

Air Europa (Madrid)

Air Jamaica (Kingston, Montego Bay)

Bahamasair (Nassau)

Blue Panorama (Milan-Malpensa, Rome-Fiumicino)

Cayman Airways (Grand Cayman)

Condor Airlines (Frankfurt)

Copa Airlines (Panamá City)

Corsairfly (Paris-Orly)

Cubana de Aviación (Bogotá, Buenos Aires-Ezeiza, Cancún, Caracas, Córdoba [seasonal], Guatemala City, London-Gatwick, Madrid, México City, Montréal, Nassau, Paris-Orly, Rosario [seasonal], San José (CR), Santiago de Chile, Santo Domingo, Toronto-Pearson – see T1 for domestic destinations)

Iberia (Madrid)

LAN Airlines (Santiago de Chile)

Livingston (Milan-Malpensa)

Martinair (Amsterdam)

Mexicana (México City)

Click Mexicana (Cancún)

Neos Airlines (Milan-Malpensa)

TACA

TACA Operated by Lacsa (San José (CR))

Virgin Atlantic (London-Gatwick)

Volare Airlines

Volare Airlines Operated by Air Europe (Cancún, Milan-Malpensa, Montego Bay)

 

 

 

Aero Caribbean (Grand Cayman, Managua, Santiago de Cuba)

Aerotaxi (domestic charters)

 

 

ONDE FICAR:

 

HAVANA

 

Casa del Cientifico - Prado n. 212 no Trocadero, preço 26 CUC à 55 CUC dependendo do tipo de quarto.

 

Hotel Caribbean - Prado n. 164 entre Colón & Refúgio preços de 36 à 54 CUC.

 

CASAS PARTICULARES

 

Em cuba o governo permite que seu povo receba estrangeiros com certas condições, esta é a melhor maneira de ver e sentir a realidade de um cubano, uma lista de algumas casas:

 

Mercy & Vlady - Cuba n. 505 entre Brasil & Muralla - custa 30 CUC

 

Olga Lopez Hernadez - Cuba n. 611 entre santa clara & luz (ruas) preço 25-30 CUC

 

Chez Nous - Brasil n. 115 entre ruas cuba& san ignacio - 30 CUC

 

 

HIGH LIGHTS DE CUBA:

 

Havana

Playas del este

Maria La gorda

Santiago de Cuba

 

COMO SE LOCOMOVER:

 

Viazul buses ou Trens! custa pouco mas quebram com facilidade!

 

taxi do aeroporto até o centro custa em media 15 USD se barganhar.

 

cuba_cayo_santa_maria_ensenachos_05.jpg

cuba03_20.jpg

cuba1.jpg

 

 

 

----------------------------------------------------------------------//------------------------//-----------------

 

 

 

Olá pessoal ! alguém pode me dizer se dá para reservar casas de cubanos em varadero e cayo largo? Ou então quem conhece pousadas baratas pois nesses lugares só tem hotel caro e não queria comprar o pacote da cubana operadora.

Em Havana já tenho dois sites de reservas de casas!

Obrigada!

Roberta

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Em Varadero não tem casas particulares ou hotéis baratinhos, só mesmo os resorts. Se quiser mesmo ficar em Varadero o melhor é mesmo um pacote ficando num dos resorts com tudo incluido.

Se quiser uma recomendação de casa em Havana, dê uma olhada em http://www.geocities.com/casaluis2002

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Olha, em Varadero é sim possível conseguir casa de cubanos pra ficar, afinal, Varadero não é uma cidade 100% hotéis como Cancún. A praia nunca vai estar longe, afinal, Varadero é uma península muito estreita. Em Varadero ainda existem muitos hotéis econômicos e relativamente baratos, faz uma breve busca no Google e vc encontra (Club Amigo, Hotetur Varadero, Pullman, Dos Mares, etc). Se vc for pra Havana primeiro, é possivel que algum cubano te indique uma casa pra ficar em Varadero. Dão jeito pra tudo. Quanto à Cayo Largo, já é impossivel encontrar casa, pois a ilha só tem alguns resorts e nada mais do que isso.

Abraços, Ocimar

 

P.S: É fato que em Varadero não existem "casas particulares" oficiais, como em Havana e outras cidades do País. As Casas Particulares nada mais são do q outra forma que o governo cubano encontrou de captar o dinheiro dos turistas, que de qq forma estavam procurando economizar hospedando-se na casa de cubanos. A maioria das licensas para casas particulares foram outorgadas às pessoas proximas do regime cubano, ou com familiares no exterior que promoveram a melhoria da casa, possibilitando o recebimento de turistas. Ainda assim, o proprietário tem q pagar altos impostos ao governo, e o preço da hospedagem, embora mais barato q hotéis, não é lá tão barato assim.

Assim como o brasileiro é criativo, os cubanos encontraram maneiras de "driblar" o sistema, e com isso, muitos ainda estão dispostos a oferecer suas "casas particulares" inoficiais, a um preço ainda mais barato. Se há oferta, é porque há demanda. SE VALE A PENA, CADA UM QUE JULGUE...

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Em Varadero não existem "casas particulares".

Hospedar-se em alguma casa em Varadero é possível porém ilegal ... tome cuidado !

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Olá,

 

Vou para Cuba em março. Tenho uma duvida que já procurei exaustivametne na net e nao encontrei a resposta. É o seguinte: depois das mudanças no câmbio em Novembro de 2004, ao que parece, o melhor para fazer é levar euros e trocar por lá.

Mas é possível levar R$ e trocar diretamente por CUC? Vale a pena?

No geral, qual é a melhor forma de levar $$?

Obrigado!!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Acho que não vale a pena não!

Leve euros, mas tente levar "poucos", cerca de 100 em dinheiro e o resto em traveller cheque, que são mais baratos e tem seguro em hipótese de roubo.

Daí esses 100 você usa durante um tempo para pagar algumas contas e sair do aeroporto com dinheiro trocado.

 

Para fazer o traveller cheque, é só ir em qualquer agência bancária que você é associado e pedir pelo seu em um balcão.

 

Boa sorte!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Olá ... estou precisando ir a Cuba num congresso que vai ocorrer em maio e junho (5 dias) no centro de convenções de Havana. Gosataria que me dessem informações sobre pacotes ou outras formas mais baratas de chegar a Cuba. Quanto vou gastar em 1 semana?

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Cuba é um pais caro. Em Havana, um estrangeiro gasta no mínimo Us$50 por dia incluindo acomodação em casa de família("casa particular"), transporte, alimentação e bebidas. É possível gastar um pouco menos se você dividir a acomodação com outra pessoa.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Esqueça os Reais. Não é comum o câmbio em Reais em Cuba, você teria problemas para trocá-los.

 

Os traveller cheques são a opção mais segura de levar dinheiro só que eu acho muito chato na hora de trocar; no caso de Cuba você pode perder um bom tempo procurando onde trocar e mais um tempo em filas nos bancos.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Oi.. to indo pra la em abril...

dai uma duvida neste topico..

Euros? Dólar nãoi é melhor e mais bem aceito?

 

valeu!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

  • Conteúdo Similar

    • Por Alex DF
      Dia 1: Havana - Varadero (ViAzul: https://www.viazul.com/).
      Dia 2: Varadero (praia).
      Dia 3: Delfinário Varadero e praia.
      Dia 4: Hostel em Vedado, Sorveteria Copélia, Hotel Nacional, Malecon.
      Dia 5: Praça da Revolução, Memorial a José Marti, Partido Comunista Cubano, Coco taxi tour.
      Dia 6: Havana Velha,Capitólio, Museu da Revolução, Passeio de Marti, Floridita, Catedral, La Bodeguita del Medio, Casa Dela Musica de Netuno.
      Dia 7: Havana - Santa Clara (ViAzul: https://www.viazul.com/), Hostel, Praça da Revolução de Santa Clara, Mausoléu de Che Guevara e heróis da revolução, Fabrica de Charutos, Trem Blindado, City tour.
      Dia 8: Santa Clara - Cayo Santa Maria (ViAzul: https://www.viazul.com/), praia.
      Dia 9: Cayo Santa Maria, praia.
      Dia 10: Cayo Santa Maria - Santa Clara. Santa Clara - Havana.
      Dia 11: Havana, Malecon, Casa dela Musica, Miramar, Casa del Habano.
      Dia 12: Havana - Brasil
       
       
       
























    • Por brunooliveira1901
      3Dia 1 (05/02)
      Cheguei em havana por volta de meio dia. Voo tranquilo. Aeroporto bem modesto. Começamos já a perceber o que é Cuba. Troquei 300 euros no próprio aeroporto (tinha lido que as taxas não variavam, porém já não sei mais se é assim. Hoje vou verificar isso).
      Gastei 30 cups do aeroporto até o Hostel Casa de Ania. (acredito que seja esse o preço mesmo, também não estava afim de chorar preço tendo em vista que queria chegar logo e deitar.)
      Ao chegar dei uma deitada, já comecei a me ambientar em relação à internet (aqui no hostel é 50 cents meia hora, 1 cup 1 hora, sem promoção mesmo. Rs), e logo depois saí para almoçar e começar a conhecer Havana. Do hostel é perto para andar pelo “Malecón”. Encontrei um restaurante agradável e resolvi almoçar por ali mesmo (La Abadia. Comida justa. Pareciam mais especialistas em frutos do mar e tal, mas não tava afim disso naquela hora. Comi um Fricassé de frango, pedi uma água e uma sobremesa, muito boa por sinal. Tudo deu 6,60 cups).
      Após isso foi seguindo o Malecón até chegar ao “Museo de La Revolución”. Andei bastante, porém encontrei. 8 Cups a entrada. Museu bacana (modesto como tudo em Havana), e com um grande aporte histórico e cultural. Conta a história da revolução de maneira bem simples e didática. Tem uma parte reservada para Che guevara e outro malandro lá que não conhecia. “Cienfuegos”. Vale a pena ler e saber um pouco mais sobre a história dessa galera. Tem um anexo ao museu, com alguns carros, jipes, “tanques”, aviões, barcos, botes, mísseis, tudo que participou e teve a ver com a revolução.
      Saindo de lá fui em direção à “Habana vieja”, andar por lá meio sem destino mesmo. Acabou que lembrei do “Bodeguita del Medio”, e resolvi procurar por ele. Dei uma sorte que tinham umas placas indicando o lugar. Ao chegar já ta rolando um som bem característico de Havana e uma galera na rua tirando foto e tomando, é lógico, o Mojito da casa. Não fiquei por ali muito tempo, nem quis tomar o mojito, pq eu começava a sentir o que depois me daria mais dor de cabeça literalmente. Estava me sentindo meio tonto, dor de cabça e gargante inflamada. Resolvi tomar esse Mojito depois. Rs
      Saí de lá e logo ali próximo tem a “Catedral de Havana”. Entrei, rezei e agradeci. Depois fiquei sentado na calçada observando o pessoal que passava e ouvindo uma bandinha que tocava num restaurante que ficava em frente. Tem uma “baianas cubanas”, vamos assim dizer, que ficam tirando foto (dão uma risada maneira, colocam um charutão na boca e o gringo senta no meio das duas.). Fiquei um bom tempo ali (tava cansado e como já disse, tava meio na merda já).
       
       
      Gastos (1º dia)
      Táxi (aeroporto-hostel) 30 cups
      Almoço (La Abadia) 6,60
      Museo La Revolucion 8 Cups
      Água pequena 1 Cup
      Sloppy bar (2 cervezas e 1 tapa) 10 cup
      1 burrito no hostel 3,50 cup
      1 agua grande 2 cup
       
       
      Dia 2 (06/02)
      Depois de uma noite de muito frio (ar condicionado insano do quarto do hostel), eu acordei com muita dor de cabeça, dor na garganta, nariz escorrendo (resumindo, tava bem podre). Perguntei pro cara aqui do hostel onde comprar remédio, e ele me recomendou ir ao Hotel “Habana Libre”, pois lá tem “tiendas” estrangeiras.
      Chegando la, consegui achar a farmácia para estrangeiros. Dipirona comprada e imediatamente tomada (8,15 cuc), só me restava sair batendo perna pra conhecer um pouco mais de havana.
      Pesquisando no mapa que o Hostel me deu (dei mole, esqueci de baixar o maps.me e fazer o download do mapa de cuba...e no wi-fi do hostel não era possível isso, então era tudo no mapinha que me deram...mas cumpri bem a missão.), resolvi ir à faculdade de Havana. Desci a “Calzada de Infante” e me deparei com a bela universidade. Subi as escadas, tirei umas fotos, e saí entrando na facul. Como é fevereiro, acredito que não tinha muita gente. Achei que tinha pouco, mas ainda sim tinha uma galera lá. Andei um pouco mais por lá e depois saí. Después, eu tava meio sem rumo (normal), porém lembrei que ainda não tinha passado no Capitólio.
      Andei bastante (eu ando mesmo, gosto de ir observando tudo), mas recomendo pegar um taxi . O capitólio atualmente está em obras (24 de fevereiro é a data que acaba toda a obra), com isso só era possível visitar um lugar chamado “Al Mambi desconocido” (restos mortais de um soldado que lutou na guerra de independência de Cuba) . É muito bonito. Logo que vc chega tem umas meninas que são guias (de graça), e ela te explica a história do capitólio, o pq ele foi construído, que não é uma replica igual do capitólio de Washington (e que inclusive é mais alto), e o significado das diversas estátuas, e outras coisas que tem por lá. Acredito que depois de 24 de fevereiro, seja mais bacana. Será possível visitar todo Capitólio.
      Saí do Capitólio, tirei mais algumas fotos (a região em volta do Capitólio é bem bonita. Tem uns hotéis famosos por ali), e quando avistei aqueles ônibus de turistas, resolvi entrar. Seria bom pra chegar no Memorial  José Martí e não andar que nem um doido. O esquema do ônibus é o mesmo utilizado em outros países. Vc paga 10 cuc e tem uma certa faixa de horário pra vc utilizar (bastante tempo, quase o dia todo). Pois bem, saltei no memorial, muito bonito por sinal (1 pra subir e ficar na parte externa tirando foto, e mais 5 cuc se vc quiser entrar no museu e no “mirante”.). Nessa região também ficam aqueles prédios com a caroça do Che Guevara e de um outro malandro.
      Novamente entrei no busão, ele andou pra cacete, foi até um “município” chamado Playa (no caminho tem bastante hotel bacana, inclusive passou por uma escola de mergulho....pode ser que eu passe por lá esses dias), não achei mais nada interessante (tem um cemitério enorme também....tem um pessoal que visita lá...não fiz questão.). No final, ele para tipo num ponto final, espera pra ver se a galera vai sair pra comer (ng saiu) e volta. Tava morrendo de fome, e nem sabia mas ele passava perto da região de perto do meu hostel. Comi e voltei pra usar uma hora de internet e descansar....se melhorar, de noite quero ouvir umas musicas por aqui.
       
      Gastos 2º dia
      Desayuno “A La Cubano” 3,50 cup
      Remédio 8,15
      Bustour 10
      Memorial José Martí 06
      Almoço 14,20
      Àgua 0,70
       
      3º dia (07/02)
      Bem, acordei 1h30 da manhã com um casal fazendo saliências no quarto (inveja branca), e também com dor de cabeça e nariz entupido (o efeito do remédio estava na hora de acabar), porém dei um jeito e dormi sem tomar remédio mesmo.
      Acordei às 07h00, tomei um banho gelado, tomei o remédio e pedi o café da manha no hostel (muito bom por sinal, amanha vou repetir!). Tinha definido que iria conhecer Habana Vieja como um todo. Tirei foto do livro guia de Cuba aqui do hostel, e parti!
      Fiquei esperando aquele ônibus tour que falei anteriormente durante uma hora (na real eu bizonhei, pq o ônibus só começa a operar a partir de 09h e passa no ponto aqui perto do hostel às 09:30.). Bem, esperei o danado e embarquei. Dessa vez eles me deram um guia com todas as paradas, o que facilita vc se guiar. ( ou vc pode tirar foto da placa que fica em todo ponto de ônibus). Lendo o guia, eu achei que ia atééé o “Castillo Los Tres Reyes del Morro”, porém descobri na hora que não. O último ponto te deixa num mercado (bom pra comprar lembranças). Saí nesse último ponto, dei uma volta la dentro, mas não estava afim de comprar nada. Saí de lá e resolvi caminhar beirando a orla.
      Beirando a orla, eu vi o lugar onde a galera pegava o ferry pra ir pro outro lado da baía. E aí resolvi pegar essa bagaça e ver como chegava no bendito do forte do outro lado da baía. Por lá vi alguns turistas meio perdidos, mas geral na esperança de chegar lá.
      Não foi difícil, peguei o ferry pra Casablanca (bem rápido, uns 10 minutos pra chegar), e de lá é só subir a rua que vc chega na entrada do forte.
      Pra minha surpresa, só aceitam CUP na entrada, e não CUC (WTF???), a entrada é 3 cuc, mas deixei 3 cup lá mesmo (o que me arrependi depois) e entrei. Outra surpresa que tive, é que o lugar tava cheio pra cacete! Tava rolando a “Feira do Libro Cubana”, cujo o país convidado especialmente era a China! Rs. Show.
      Bem, muitos estudantes, gente pra cacete mesmo, dei uma andada no forte (que é imenso!), mas não me interessei em nada. Queria mesmo conhecer o lugar, a questão dos livros eu tava descartando. Primeiro vc entra nesse primeiro forte, depois vc tem q descer, pagar uma outra entrada (achei bizarro isso! Pq não cobrar logo uma entrada pra tudo??) e vc vai pro outro forte.
      Chegando no outro forte, que é o “Castillo Los Tres Reyes del Morro”, tinha várias barraquinhas vendendo artesanatos (muitas na verdade. Não sei se é sempre assim, ou pq tava rolando a bienal do livro cubana lá.). Não tinha nada falando sobre a história ou coisa parecida. Se tinha passei despercebido, pq o movimento era mt grande. Tb tinha bastante barraca de comida e coisas afins (para fins de curiosidade, lá tem uma farmácia internacional! Sim, no meio do forte! Rs. Comprei meu neosoro cubano lá.).).
      Tirei fotos, explorei o lugar, e resolvi sair. Andei tudo de novo ao contrário, até o lugar do ferry. 1 CUP! A passagem é 1 cup! Foda que a gente acaba pagando mais caro, mas como tinha trocado antes lá no forte, paguei o justo na volta.
      De volta à Habana Vieja, resolvi visitar aqueles lugares que tinha colocado como objetivo no início do dia kkkkk. Fui nas plazas (Plaza de armas, Plaza de San Francisoe pra finalizar a Plaza Vieja). A que mais me chamou a atenção foi sem dúvida a Plaza Vieja. Muito bem conservada e bonita, parei num “Brew Pub” e fui tomar minhas cervejas. Dei sorte que sentei em frente à bandinha, e pude acompanhar eles tocando. 3 cup cada chopp (achei justo pelo lugar e pela qualidade), peguei um taxi (fiquei puto pq perdi o papel do ônibus! O Planejado era voltar o o bustour, porém perdi o bendito papel em algum lugar....).
      No taxi o maluco me fez uma oferta sobre uns charutos, e comprei (20 cuc numa caixa com 20 mini charutos. Depois me digam se ta caro, ou se me dei bem. Se é que é verdadeiro.kkkk).
      Vou tentar agora colocar os gastos...kk
       
      Gastos 3º Dia
      Café da manha hostel 3,50
      Bustour 10
      Passagem de ida pra “Casablanca” 1 cuc
      Entrada no forte 3 cuc
      Almoço 10 cuc
      Entrada no outro forte 3 CUP (troquei numas barraquinhas azuis)
      Volta no ferry 1 CUP (peguei o bizu)
      Cervezas na plaza vieja 09 CUC
      Churros 0,75 cuc
      Pizza 02 cuc
      Taxi 06 cuc
      Mini charutos 20 cuc
      Janta 3,50 cuc
       
      4º Dia (08/02)
      Melhor noite dormida! \0/. Consegui dormir de boa. Achei que ia sair na noite de ontem. Mas caí no sono quando parei pra ler um pouco (21h, rs / Stephen King – A redoma). Bem. Acho q acordei de madrugada, mas não lembro. Dormi bem mesmo. Acordei 07h.
      Acordei. Bati um papo com a galera (ou tentei), tomei café da manhã, banho e saí. Resolvi ir à praia hoje. Perguntei ao cara da recepção e ele me disse que bastaria eu pegar um taxi colectivo até o Capitolio, e de lá pegar outro. (achei bizarro pq disse que ia só dar 2 cucs tudo). A primeira parte deu certo. Paguei 3 CUP até o capitólio, muito barato, mas chegando lá não encontrava o taxi colectivo para Playa de Este. Os taxistas só me ofereciam viagem “solo” (50 cup, 25 cup...). Quando tava desistindo, perguntei a mais um, e ele me ofereceu à 10 cuc. Parti. Até achei justo pagar esse valor pq o lugar é longe, porém por aqui isso é caro.
      Enfim, cheguei em Ganabo, praia grande, bonita, estilo caribe (areia branca, mar com aquela coloração típica, porém a agua era fria. Rs. E porra, tinha várias águas vivas cubanas (são azuis) e queimam. Entrei, fiquei um tempo lá e depois só fiquei de boa na areia lendo meu livro e pegando sol). Almocei por lá, comprei um chapéu (??kkk). Na hora de voltar descobri que tinha um bustour pra lá tb. (05 cuc!! Pqp, eu e minha mania de gastar dinheiro de bobeira.) Mas beleza. Vivendo e aprendendo. Rs. O ônibus deixa na Plaza Central. Dei uma volta por lá, mas não fiz nada de interessante mais....
      Voltei andando mermo pro hostel. Rs
      Vamos ver se hoje dou uma saída e falo um pouco da night cubana....Adiós.
      E preciso melhorar meu inglês rs.
       
      Gastos 4º dia
      Café da manhã hostel 3,50 cuc
      1º Taxi colectivo 3 CUP
      2º Taxi coletivo 10 CUC
      Chapéu 05 cuc
      Bono 50 CUp
      Almoço 7,50 cuc
      Mercadin 02 cuc
      Volta Bus tour 05 cuc
      Cerveja hostel 3 cuc
       
      5º dia (09/02)
      Bem. Não saí ontem. Acordei, dormi um pouco mais. Hoje estava sem planos de turismo. Fiquei enrolando e lendo no hostel até meio dia mais ou menos. Saí para procurar o “Zuerra e el cuervo”, e para comprar meus imãs de viagem. Andei pra um lado que ainda não tinha ido, nada de interessante...Achei a “Avenida de Los Presidentes”, mas não me interessei. Na volta, consegui achar o bar (era o mesmo que já tinha visto, o da cabine telefônica....). Parei num bar ali do lado pra tomar minhas cervejinhas de lei, e observar a galera. Almocei, voltei ao hostel. Vi que precisava trocar mais 20 dólares pelo menos para curtir um pouco da noite de hoje. (vai que....)
      Gastos 5º dia
      Café da manhã 3,75
      Cambio de 20 dolares (17,50 cucs)
      3 imãs 3 cuc
      Almoço 7 cuc
      Água 0,70 cuc
       
      Impressão de Cuba
      Bem, eu realmente achava que encontraria um país mais “fechado”, com menos influências estrangeiras (músicas, roupas e etc), e um pouco mais de miséria. Porém não foi bem isso o que vi. Sim, realmente a cidade precisa muito de uma reestruturação e de obras (grande maioria dos casarões e prédios de havanas com a aparência de abandonados e necessitando, a meu ver, de reformas estruturais urgentes), os carros são bem antigos e inseguros (cinto de segurança e air bag não existem), apesar de nesses 5 dias não ver nenhum absurdo no trânsito. E também uma grande quantidade de lixo, em algumas esquinas, nas gramas e etc.
      Não sei se pelo fato de estar em Havana, capital de Cuba, a população aqui tenha uma condição melhor. Mas o que me parecia é que todos estavam acostumados a viverem com o que tem (apesar que me assustei com a quantidade de celulares, caixinhas de som bluetooth, carros novos e outros apetrechos eletrônicos. Não esperava ver tantos) As pessoas me pareceram ok com tudo isso. Não vi ninguém reclamando, nem demonstrando insatisfação (ok, só fiquei 5 dias). Crianças na rua, não vi. Geral com uniforme. Bem, depois que acabavam as aulas, deu pra ver várias dando rolê na cidade. Mas não me recordo de nenhuma pedindo dinheiro, ou “trabalhando”, como podemos ver no Brasil. Mas me pareceram com qualquer adolescentes na idades deles, andando em bandos com uma caixa de som bluetooth tocando reggaeton a todo volume.
      A internet funciona em alguns pontos da cidade. Onde vc ver um monte de gente sentada, mexendo no celular, é pq ali é um ponto de wi-fi. Compre seu cartão, digite a senha do wi-fi e aproveite pra navegar na internet.
      Não há engarrafamentos (poucos carros). A estrada até Ganabo me pareceu boa (sem buracos).
      A região da praia achei muito bem conservada e bonita. Me surpreendeu. Até pelo que li, dizendo que ali é uma praia que os cubanos frequentam, e não a massa dos turistas.
      A mensagem de Fidel castro e Che Guevara é forte e presente em toda cidade. Em lojas, em casas, nas praças, em prédios públicos, podemos ver fotos dos dois e mensagens sobre a revolução. Acredito que grande parte da população apoie o governo e a revolução.
      Muitos turistas caminhando por havana, não senti presença de violência em nenhum momento, ou insegurança de caminhar por alguma rua. De noite as ruas são pouco iluminadas, mas ainda sim não há perigo.
      No geral, achei muito válida a minha passagem por esse país que gera tanta curiosidade pelo fato de ser um país Comunista, socialista e etc. Voltaria para conhecer as diversas praias (Varadero, Cayo Largo e etc.).
      Preciso deixar aqui a conversa que tive com o taxista a caminho do aeroporto. Começamos a conversar sobre Cuba, e as impressões que geralmente o país deixa para os estrangeiros. E da mesma forma que eu fiquei, normalmente os outros turistas também ficam. Achando que era bem pior, e quando chega em Havana, vê que não é bem assim. Chegamos no assunto que os cubanos não saíam da ilha, nisso ele me disse que seus pais, que trabalharam e moraram toda vida em Havana, NUNCA conheceram outros lugares de CUBA, por não deixarem. Ele mesmo, o qual a profissão era taxista, só conheceu outras cidades pq foi a trabalho. Ele me disse da vontade de conhecer a Espanha e de voltar, disse que não queria sair de Cuba, apesar de muitos cubanos quererem. Como ele disse, e como pude ver, Havana e Cuba sobrevive muito em parte do turismo, o que caiu um pouco depois do Trump, se não me engano. Muitos cruzeiros que paravam em Havana, agora já não param mais.
      CHEGADA AO MÉXICO
      6º Dia. (10 /02)
      Cheguei ao México da mesma forma que em cuba, de ressaca e com sono! Rs. Porém foi por uma razão muito justa. Galera do hostel lá em cuba animou pra sair em Havana, (Fábrica de Arte. Muito bom lugar! Vários ambientes, realmente tem mostra de artes, mas tem reggaeton, tem show de banda de jazz cubana, tem bar, tem bastante coisa. Altamente recomendado).
      Cheguei na Cidade do México às 09h aproximadamente, e como é bom voltar pro capitalismo.....rs. Após passar pelos trâmites normais de entrada em qq país, fiz um lanche, tomei um café no Starbucks, e já consegui comprar um chip (sincard) aqui do México. Chamei um Uber e fui ao Hostel. Estava tendo tipo um comício, ou algo do tipo no Zócalo (local onde fica a bandeira enorme do México). Pegamos um trânsito básico, mas cheguei ao hostel. Como o check in era só às 14:00 (não fiquei nada feliz, queria deitar), guardei a mala no hostel e fui dar uma volta próximo ao hostel. A rua estava muito cheia, devido ao comício que disse anteriormente. Entrei na Catedral Metropolitana do México. Muito bonita! Entrei, fiquei bem surpreso com a igreja, assisti ao finalzinho da missa, e depois tirei umas fotos por ali. Voltei ao hostel, pois estava muito cansado. Nesse dia não fiz mais nada praticamente. Li, depois fui ao terraço. Tem um espaço bem legal, tomei umas cervejas, mas logo depois desci. Tava sem clima, e a música também não ajudava (algum tipo de deep lounge house music kkkk).
      Ah, senti a altitude um pouco. Coração palpitante, ruim pra dormir. E um pouco ofegante. Porém nada absurdo.
      Gastos (que lembro)
      Adaptador 100 pesos
      Hostel 600 pesos
      Almoço 200 pesos mais ou menos
      Sincard (chip) 195
      Starbucks e carls jr não lembro
      Cervejas (não lembro quantas) 40 pesos cada. Bebi umas 6? 240 pesos
      Água e pãozinho 50 pesos?
       
      7º Dia. (11/02)
      Após uma noite boa de sono. Era dia de andar. Resolvi fazer as coisas mais próximas ao hostel, já que eu estava no centro nervoso da cidade. Passei no museu da economia (bacana, paguei 65 pesos era promoção pq era cedo, 09:30.). Fiquei uma hora lá mais ou menos e peguei a direção ao “Palacio de Mineria” e “Museu Nacional de Arte”. Entrei somente no “mineria” (era de graça e tava vazio rs). No museu nacional de arte tinha uma fila bacana pra entrar e não tava afim de ficar ali. Segui em direção ao “Palacio de Bellas Artes” (muito bonito, tanto por fora, quanto por dentro). A entrada era de graça, então entrei. Não conheço, e nem sei opinar sobre arte, mas lá fui eu ficar vendo quadros de Diego Rivera. Maneiro os quadros. Tinha bastante coisa sobre as culturas ancestrais do México. Mas passava, olhava, se fosse ler tudo eu tava lá até agora. No último andar era sobre decoração de interior. Poha, nem subi.
      Dali segui para a “Torre Latinoamericana”. Paguei 110 pesos, e subi. É bacana, dá pra ver a cidade toda, ter uma noção de onde é cada coisa, a distância e tal, e uma linda visão do Palacio Bellas Artes e do parque em frente (que acabei não indo).
      Fiz um lanche por lá (150 pesos eu acho, nachos com carne, bem bacana, e um sanduiche com frango, queijo e presunto, bacana também.) Desci e fui em direção à “Plaza de la Constitución”. Como já tinha ido à Catedral, fui em direção ao “Museu de la Ciudad”. Confesso que caguei quando vi a frente do negocio. Voltei pra “plaza” pra ir ao Palácio Nacional. A entrada lá é de graça, vc deixa seu passaporte, guarda a mochila e pega tudo na saída. Muito bonito lá dentro. Tem uma parte só destinada ao Benito Juárez (grande líder dos mexicanos), e depois vc segue e encontra vários paredões pintados pelo Diego Rivero, que trata muito da história do México. Bem bonito.
      Saindo de lá andei pelas ruas, queria ir ao “Templo Mayor”, mas deixei pra outro dia pq eu estava bem cansado de caminhar (talvez ainda pela altitude).
       
      Gastos
      Torre Latinoamericana 130 (paguei mais 20 pra ir num museuzinho lá)
      Lanche 150 pesos acho
      Museu da economia 65 pesos
      Café 32 pesos
      Chocolate 36 pesos
       
      8º Dia (12/02)
      Mermão, passa rápido essa poha. Bem, hoje acordei meio tarde, esse colchão ta foda de dormir. Bem, caguei pro café da manhã, acordei, me arrumei e saí rumo ao museu da Monocelha, ou também Frida Kahlo. Porra, estudei mapa, entrei na internet pra ver caminho, decidi ir de metrô, fui feliz da vida, troquei de estação, andei pra cacete. Cheguei, tava fechado.....
      Beleza, não tinha me atentado ao detalhe do museu da monocelha não abrir segunda. Daí decidi dali mermo rumar à “Basílica de la Virgen de Guadalupe”. Voltei pro metrô, olhei o mapa de estações (aliás o metro da cidade do México anos luz à frente do Rio de Janeiro, por conta da quantidade de estações e de conexões. Achei bacana.). Achei de boa, e cheguei.
      Logo ao sair da estação vc já ve muita gente. Me lembrou muito a nossa Basílica de Nossa Senhora Aparecida. Muita loja, lugar pra comer, galera vendendo coisa na rua e por ai vai. O lugar é bem legal e carregado de história. Logo ao entrar, já percebe-se a basílica nova à esquerda, muito bonita por dentro (por fora achei meio bizarro). O lugar além da basílica nova e da igreja de Nossa Senhora de Guadalupe (que vc tem q subir vários lances de escada), conta com mais outras igrejas, cada uma muito bonita (tortas como as igrejas do Mexico, rs), e com sua história característica. Achei muito válido a ida.
      O que achei bem bizarro, é que enquanto tá rolando a missa, tá um baita de um barulho lá fora de bandinha mexicana, tocando as musiquinhas deles, e poha, dentro da igreja tem q se concentrar pra escutar o que o padre ta falando. Acho que isso podia ser mais bem controlado. Mas enfim....
      Saindo de lá passei numa das lojinhas pra comprar umas lembrancinhas sobre Nossa Senhora de Guadalupe.
      Após essa visita, já era quase 3 da tarde, e eu ainda não tinha decidido o que fazer. Ia para o Castelo de Chapultepec. Mas ai lembrei da monocelha e decidi ver no tripadvisor. Tava fechado na segunda também. Assim como o Templo Mayor. Voltei para o hostel, e lembrei do “Paseo de La Reforma”. Peguei o bustour e me fui. Antes parei no “Monumento a La Revolución”, bacana (80 pesos se não me engano), tem uma vista bonita da cidade, além de entender sobre o monumento. De lá peguei o ônibus de novo e fui para o “Paseo”. É a Avenida Paulista deles. Porém achei mais insana, mais moderna e mais bonita. Andei bastante por lá, tirei umas fotos do “Monumento de La Independencia” . Peguei o ônibus e voltei.
      Amanhã partiu visitar as pirâmides e o Castelo de Chapultepec. Prioridades
      Gastos
      Bilhete de metro (comprei 3, usei 2) não lembro
      Recarga de celular 200 pesos
      Café da manha insano perto da monocelha 130 pesos
      Agua 12 pesos
      Lembrancas (55 pesos)
      Bustour 160 pesos
      Dorito e Pepsi 100 pesos
      Burger king + mcflurry 200 pesos (mais ou menos)
      Agua 30 pesos
       
      9º Dia (13/02)
      Boa tarde, hoje é dia 22/02/2018 e eu literalmente não escrevi nada desde o décimo dia de viagem. Rs (hoje é o 17º dia, fudeu, muita coisa pra escrever. Rs)
      Bem, Nesse dia, como dito anteriormente, fui às Piramides e ao Castelo Chapultepec.
      Até as Pirâmides. Bem, como queria chegar cedo, pedi um uber como  Wi-Fi do hostel e fui, pegamos um baita de um engarrafamento pra chegar, mas cheguei por volta de 09h. Se não fosse o engarrafamento, teria chegado 08:30 ou até antes, e encontraria o local beeeem vazio. Mas mesmo assim estava bem vazio ainda, a maioria das lojinhas fechadas ainda e tal. O que eu recomendo fortemente aqui, é que vc CONTRATE guias! Sua visita vai ficar muito mais interessante e produtiva! Logo na entrada, um guia veio me oferecendo se não me engano 900 pesos para as duas primeiras partes (que era a primeira “plaza”deles de rituais e tudo mais, e a Pirâmide do Sol, por 900, tudo se não me engano era 1200 pesos). Como estava sozinho, pensei um pouco, até esperei pra ver se alguém queria, mas deixei meu obrigado e resolvi caminhar um pouco mais até entrada (nesse instante eu estava na entrada do estacionamento do local). Na entrada realmente do sítio arqueológico, tinha um mulherzinha lá, e ela me ofereceu 600 pelas duas primeiras partes, chorei por 500 e ela aceitou (por estar só). Realmente engrandece muuita a visita ao local! Dei sorte de no caminho encontrar um casal de brasileiros, e perguntei se eles não queriam a guia também. Eles aceitaram e fizemos um acordo na hora de pagar 600. Ficou bom pra todo mundo.
      O local é muito foda. A história de como a galera construía, e reconstruía a cada 54 anos (ciclo do sol), o material que eles usavam, era tudo na carcaça, é muito interessante. Para subir nas pirâmides é possível (na do sol até o topo e na da lua até uma certa parte).
      Outra coisa boa de lá é comprar “regalitos” e lembranças. A galera lá é ávida por negociar. Negocie, pq eles curtem. Levei uma “faca” teotihuacana, e um imã, por 280 pesos. Eu acho que vlw a pena, a faca é bem legal.
      Na saída também tem umas vendinhas, pra comer, e comprar outros regalos. Vale a pena também.
      Na hora de voltar, é muito fácil. Passa de 20 em 20 min um ônibus em direção à Cidade do México. (não lembro o valor, mas algo como 30 pesos.).
      O ônibus te deixa no terminal norte (próximo à estação da basílica de Guadalupe). De lá, meu plano era ir para o Castelo de Chapultepec. Dito e Feito, peguei o metrô, e soltei numa estação perto. Em volta do Castelo de Chapultepec existe um parque muito bonito, que inclusive tem outras atrações por lá (zoológico, museus, do outro lado da rua tem o Museu nacional de Arqueologia, queria ir, porém não deu tempo, dizem que é muito interessante!).
      Bem, caminha um pouco lá por dentro, sobe uma ladeira bacana e chega ao Castelo de Chapultepec. Lá atualmente é o Museu de História Nacional. Muito bacana também e dá pra se ter uma idéia legal da história do México, até os dia atuais. O que fiquei PUTO, é que o museu fechava as 17h, e o que eu mais queria ver e conhecer, era sobre os cadetes que defenderam até o último momento o Castelo, quando na invasão dos americanos ao México. A história é muito bonita e tem alusão à esses garotos em toda a cidade do México. Quando cheguei na sala que contava a história deles, um tiozinho me chutou de lá falando que tinha dado 17h....Bem ok.
      Tinha esquecido, mas nesse dia de manhã fiz o check-out e deixei minha mala no hostel. Minha passagem era à 23:59 pra Guanajuato. Ia de metrô pra rodoviária. Mas poha, de noite pra cacete e o Uber tava dando uns 15 conto. Fui de Uber.
       
      10º dia (14/02)
      Po, ônibus maneiro (ADO, paguei uns 600 pesos), cheguei por volta de 04:30 em Guanajuato. Frio da porra, esperei um pouco pra ir pro Hostel (30 min, deveria ter esperado mais, bem mais.). Peguei um taxi até o Hostel Casa de Dante (recomendo). POORRA, não tinha ninguém pra me atender naquela mierda, e tive que esperar até 07:30 o maluco chegar. Mas ok. Quando chegou, ele já fez logo meu check in (por mais que fosse só as 14h, e eu estava com mt sono, então vibrei quando pude dormir um pouco). Acordei ao meio dia e desci para o centro e para conhecer a Cidade.
      Do local do Hostel até o centro da cidade era uns 15 minutos caminhando. O que pra mim é de boa. A cidade (pelo menos a parte histórica e turística dela é bem pequena), então fiz tudo andando. No primeiro dia, já fui logo no “museo de las momias de Guanajuato”. (70 pesos). Po, confesso que não é uma das coisas mais legais que vi na viagem. Uma porra de monte de cadáver lá, e não entendi muito bem a história (garanto que vou ler no wikipedia ainda). Mas como é uma das atrações da cidade, eu fui conferir rs. No primeiro dia, eu basicamente só andei mesmo pela cidade, e conheci as múmias. No final do dia, Fiz umas amizades no Hostel e saímos pra comer, beber e depois bailar um pouco. (Aqui eu deixo a Boate Grill como forte recomendação!!, era uma quarta feira e tava cheio pra cacete e fui feliz lá! Rs – 50 pesos a entrada e 40 a cerveja).
       
      11º dia (15/02)
      No dia seguinte acordei de ressaca, lógico, e também tinha decidido não ficar lá mais tempo, e no dia seguinte seguiria para Guadalajara, e depois para Sayulita (não estava no meu roteiro inicial!). Voltando à Guanajuato, Fui conhecer o mirador, pra ver toda a cidade, paga coisa de 70 pesos pra subir e descer no Funicular. Bacana! Depois conheci outras coisas da cidade. Mercado Hidalgo (bom pra comprar regalos e diversas outras coisas, inclusive comer), Teatro Juarez (muito bonito), a Igreja principal deles, que é muito bonita também, Calejón del Beso, acho que escreve assim (lá tem uns guias “for free” que explicam o lance do beco da pegação lá). E as diversas praças maneirinhas e ruas bonitas que a cidade tem. Ah, tem a universidade da cidade que é bem legal tb! E o Alhóndiga de Granaditas (local cheio de história de Guanajuato e da Independência do México. Gastei um bom tempo lá lendo e aprendendo sobre a história deles.).
       
      12º Dia (16/02)
      Acordei (ainda em Guanajuato), e como estava decidido à ir para o Pacífico, fiquei de manhã resolvendo os lances de passagem para voltar à Cidade do México, hostel e tudo mais.
      Fui para a Rodoviária de busão (uns 30 ou menos pesos), tranquilo, ele roda bastante mas chega e é muito barato. Peguei meu ônibus pra Guadalajara e fui.
      Guadalajara! Cidade bem legal! Pra chegar no Hostel (Hostel Hospedarte da rua Maestranza), peguei um busão (616 se não me engano) e fui. Sempre vou acompanhando pelo google maps no celular, pra ter certeza que não to perdido. Rs. Cheguei de boa.
      Andei pelas calles lá por perto, comi uns Taco, voltei pro hostel, e decidi que queria beber e sair (tava embrazado de Guanajuato ainda kkk). Uma surpresa boa foi ter chegado no meio das comemorações do aniversário de Guadalajara. Tava rolando uma mega festa (à moda deles, não tipo carnaval nosso) na praça principal da cidade. Fiquei lá um tempo vendo (percebi que não pode beber na rua) e quando acabou fui em direção da onde eu sabia que tinha uns bares e vida noturna (direção à Av. Chapultepec).
      Po, galera tava animada por lá, parei primeiro num bar que tocava Blues (Escarabajo Scratch blues) poha, os caras mandavam muito no Blues!!! Fiquei lá mais do que pensei, mas depois saí, pq queria uns reggaeton. Kkkkk
      Dali, logo do lado, tinha o tal do Lupita, Maneiro e tal, porém extremamente cheio a poha do lugar. Beleza. Bebi, fiz amizades lá, dancei, e meti o pé bêbado. Kkkk Noite ok.
       
       
      13º Dia (17/02)
      Comecei fazendo um Walking tour com a galera do Hostel. Valeu muito a pena. Andar pela cidade com um guia te contando a história e as particularidades de cada local é muito legal.
      Tem o lance das praças formarem uma cruz, o porquê que a igreja não é tombada pela Unesco (aliás quase nada lá é, pq não é original, mas mesmo assim é mt bonito.) Vale a pena. O Tour terminava num mercado bem da galera lá mesmo, e depois numa cantina (bar pra eles) bem antigo. Não fui no museu grande que tem lá.
      Voltei para o Hostel e de noite teve Noite da Tequila. PQP. Tomei uns 15 shots de Tequila (não é caô, a diferença é que a Tequila é 100% agave, o que não te deixa tão pior que a que nós bebemos normalmente.). De lá íamos pro mesmo Lupita que fui no dia anterior, mas pra variar o lugar estava abarrotado, e fomos pra outro bar em frente.) Esse dia gastei mesmo bebendo. A noite da Tequila do Hostel era de graça, o Walking tour tb (porém convém dar uma gorjeta, é justo).
       
      14º Dia (18/02)
      Porra, o tão esperado dia da Tequila! Hehehehe. Po, acordei bem até, pra quem tinha tomado uns 15 shots de Tequila no dia anterior (Juro!)
      Paguei 450 pesos pelo passeio. O ônibus passou no hostel por volta de 09:00 e vai pegando uma galera em outros hostels e hotéis. Depois eles param num estacionamento com outros ônibus, e dividem quem vai pra Tequila e pra quem vai pra outro passeio que não sei qual é.
      Quando começa a viagem, a mulherzinha que era a guia do passeio, era bem animada, fazendo várias piadas, achei bem legal. Paramos primeiro na “Tequilaria” Tres Mujeres. Eles fabricam uma tequila artesanal que está entre as 3 melhores do mundo. É bacana pq ela ensina passo a passo a fabricação da tequila. Desde a colheira do agava, o tempo que ele fica tipo numa sauna,  e depois quando é extraído o seu sumo e vai pra fermentação e etc. Curti. Ainda dá pra andar por entre os barris que estão maturando e algumas tequilas feitas sob encomenda por algumas celebridades e restaurantes pelo mundo.
      Dali, o ônibus te leva para um campo de agave onde há a prova de tequilas (muito boas, e dá pra ficar bem loco kkkk) e onde tem os Mariachis!
      È maneirinho, galera bebe tequila, fica animadasso e começa a dançar, conversar, é legal! Lá também tem uma lojinha (a qual gastei comprando 3 tequilas, vale a pena!)
      De lá vamos almoçar. Um Buffet que é 150 pesos e pode comer a vontade (me gusta), e depois eles te levam ao Poblado Mágico de Tequila.
      É bacana a cidadezinha. Tequila pra tudo quando é lado, porém vc tem apenas 1h10min pra visitar. Pra mim foi ok. Porém se vc é aficionado por Tequila ou destilados, recomendo pegar um busão e ir direto pra tequila. Lá tem o museu do José Cuervo, e muita loja de tequila. Achei que valeu a pena.
      Nesse dia de noite, fui comer umas “aletas”e dormi.
      Dia seguinte de manhã cedo iria à Sayulita!!
       
      15º Dia (19/02)
       
      Às 08:30 estava previsto meu ônibus para Sayulita (Papo de 500 e poucos pesos)! Pero, saiu lá pelas 09:00h. Tranquilo. Umas 4h mais ou menos, estava na entrada da Cidade para Sayulita (Obs. Só há um horário de Guadalajara para Sayulita direto, que é esse de 08:30).
      Olhei no Google Maps e como vi que não era muito longe, fui andando. Uns 15 minutos depois, já estava na “cidade”. Olha, Sayulita eu só fui pq queria muito pegar umas ondas, e pq me falaram bem de lá. A cidade é bem pequena, tem muito americano e canadense. Mas vi um pessoal da argentinha por lá. Brasileiro, não reconheci. Bem. O importante é que queria descansar e pegar minhas ondas.
      O Hostel era ok (Hostel La redonda, 900 e poucos pesos, mais 100 de reserva pela chave, mas eles te devolvem no final).
      Como não fiz muuuita coisa por lá. Vou resumir Sayulita, pq eu basicamente, ia pra praia, pegava onda, comia e dormia. O dia que fiz algo diferente, eu fui andando até uma praia chamada “Playa Carricitos”, que incrivelmente eu cheguei ao 12:00 e não tinha ng! Vazia! Exatamente o que queria. Fiquei por lá lendo meu livro, pensando na vida, descansando e voltei por volta das 16:00
      Hoje, dia 22/02, estou em Puerto Vallarta (que queria muito ter ido ao “malecon” daqui, porém no aeroporto não tem como guardar minha bagagem, e até por isso que estou escrevendo aqui. Rs)
      Esperando vôo para passar uma noite em Cidade do México e depois Cancún!!
      Acho que vou ficar um bom tempo sem escrever também! rs
      Ainda vou colocar a parte de cancun e playa del carmen, acabou que acabou a viagem e não escrevi nada, mas tenho tudo anotado!
    • Por rafacarvalho33
      Cuba passa a sensação que parou no tempo, lá pelos anos 90, gente simples e humilde, levando uma vida muita parecida com a do próximo, num mesmo padrão, aqui não tem aqueles mercados grandes e nem redes de padaria, farmácia e açougue, são sempre pequenos empresários que montam seus comércios em uma pequena esquina, como era antigamente pelo menos em minha cidade.
       
      O que talvez nas grandes cidades brasileiras esteja acabando aqui tem de sobra, no final da tarde, principalmente nos finais de semanas, as ruas ficam lotadas, é a criançada brincando, seja jogando bola ou baseball, nem que seja com bolinha de papel e cabo de vassoura, a criançada toda descalça, pé no asfalto quente, aqui não tem o último modelo de chuteira e nem uniforme completo de algum time, era simplesmente brincar de futebol pela rua sem medo de ser feliz, os mais velhos ficam nas praças escutando música e tomando um Run cubano, uma vida leve e prazerosa.
       
      Não vou nem citar os orelhões bastante utilizados por aqui ainda apesar que a maioria já tenha celular, das charretes andando pra cima e pra baixo pelas ruas das pequenas cidades ou das pessoas sentadas nas praças tomando sorvete vendo as crianças brincarem como se amanhã não tivessem que ir trabalhar. Sei que ainda podemos encontrar esse estilo de vida no interior do país, mas nas grandes cidades talvez nunca mais.
       
      Tudo isso e mais um pouco, já que talvez não fui capaz de descrever tudo perfeitamente, me lembrou da minha infância, la pelos anos 90, vidas parecidas, onde todos tem os mesmos problemas em comum e as mesmas satisfações, não quero definir se isso é certo ou errado, não tenho essa capacidade para definir e julgar o melhor para um país, espero que os avanços tecnológicos cheguem em Cuba, mas que eles não percam esse lado bom de ter uma vida simples, leve e completa

    • Por Bruno Scarpelli
      Gostaria de trocar info com quem conhece Belize. Penso em rodar a América Central e vejo poucas infos deste país. Sites, relatos de viagens, fotos... qualquer coisa ajudará.
       
      Valeu
      Athos
    • Por B.G.
      Olá,
       
      Compartilhamos o relato da viagem que eu e Pedrada fizemos a Cuba, com breve parada na Cidade do Panamá. Viajar para Cuba era um sonho antigo e a concretização desse sonho superou todas as expectativas! Procuramos conhecer os cubanos e saber como vivem e o que pensam da vida em Cuba. Fizemos um exercício diário e constante de “relativização”, diante dos paradoxos, surpresas e, claro, do questionamento de conceitos tidos como “óbvios” para a maioria de nós: "liberdade", "ser livre", "qualidade de vida", "direitos humanos, "democracia"...Saímos de lá com a certeza de que qualidade de vida é bem diferente de poder aquisitivo ou possibilidade de consumir supérfluos...Saúde e educação públicas e de qualidade, segurança, casa própria, são coisas muito caras na nossa “democracia capitalista”. Enfim, eis apenas algumas impressões, mas o nosso intuito não é debater política aqui e, sim, ajudar a quem também deseja conhecer Cuba, esse país incrível!
       
      Em anexo está um roteiro com dicas de lugares para conhecer, endereços, horários, valores e outras informações úteis. Ao final de cada dia estão os gastos – todos os valores são para duas pessoas. Qualquer dúvida, estamos à disposição.
       
      Roteiro-Dicas Cuba - Consolidado.doc
       
      *Gastos prévios:
       
      - Passagens Brasília – Havana – Brasília (Copa Airlines): R$ 3.984,34
      - Táxi casa – aeroporto: R$ 35,00
      - Tarjetas turista: R$ 70,00 (U$ 40,00)
       
      *Câmbio:
       
      Euro 1,00 = R$ 2,39 (incluindo as taxas do BB)
      US$ 1,00 = R$ 2,17 (incluindo as taxas)
       
      HAVANA (21 a 25/02)
       
      Dia 1 – 21/02 (terça):
       
      - Vôo da Copa Airlines: saída de Brasília, às 6hs40min, com breve conexão na Cidade do Panamá e chegada em Havana, às 14hs27min.
      - No aeroporto de Havana foi tudo tranquilo: alguns cães farejavam as bagagens que passavam pela esteira, passamos rapidamente pela imigração e nos cobraram somente os passaportes e as “tarjetas turista”. Há uma casa de câmbio no saguão e aproveitamos para trocar uma quantia de Euros por Pesos Convertíveis – CUC. Tomamos o táxi previamente contratado pela agência Cuba Accommodation.
      - Hospedagem: Casa Los Balcones de Isabel – Calle Consulado, 152 entre Colón y Trocadero, Centro. Pagamos CUC 30,00 pelo quarto com banheiro privado. O café-da-manhã custava CUC 4,00 e a janta custou entre CUC 10,00 e 12,00 (por pessoa). O apartamento fica no segundo andar de um prédio recém restaurado, é muito bonito e confortável, muito limpo, tem ótima localização (a duas quadras do Paseo del Prado, próximo ao Capitólio, Malecon e Museu da Revolução; está no Centro, mas a dois passos de Havana Velha), o café-da-manhã e a janta são muito bons, e a proprietária é muito gentil. O barulho da rua pode incomodar um pouco e, para quem tem sono leve, recomendamos levar um tampão de ouvido. Tem dois quartos disponíveis para alugar. Contatos - Tel.: (+53) 7860-1843 e e-mail: [email protected] (para reservas direto com Isabel).
       

       
      - Primeiros passos em Havana: Paseo del Prado, Capitólio (está fechado para restauração), Parque Central, Calle Obispo, Plaza de Armas, Malecon...
       

       
      - Jantar no restaurante Lluvia de Oro, na Obispo: arroz, pescado, camarão ao molho, mojito e cerveja Bucanero. Comida razoável.
       
      *Dicas importantes:
      - Para entrar em Cuba é preciso apresentar a “tarjeta turista”, que pode ser comprada no guichê da empresa aérea e custa U$20,00. Compramos as nossas no momento de despachar as bagagens e pagamos em Reais.
      - O Seguro Saúde, a quem interessar ou se cobrarem na imigração, pode ser adquirido no aeroporto de Havana, por um custo de 2,50 CUC/dia.
      - Leve Euros para Cuba. Lá há duas moedas correntes: o CUC (peso convertível – equivalente ao valor do dólar) e o CUP (peso cubano) – 1 CUC equivale a 24 CUP.
      - A grande pedida é a hospedagem nas chamadas “casas particulares”: são casas de cubanos com licença para alugar quartos para turistas. Uma ótima maneira de conviver com os cubanos e conhecer um pouco da sua cultura
      - Fizemos a maioria das reservas nas casas particulares por meio da agência Cuba Accommodation. No site é possível ver fotos e descrições de casas em várias cidades de Cuba. Nosso contato era Alain Tamaio, sempre muito solícito: enviou voucher com as datas, valores, endereços e telefones das casas, e nos ajudou com outras dicas – http://www.cubaccommodation.com. E-mail do Alain: [email protected]
      - No http://www.tripadvisor.com.br também tem fotos e comentários sobre as casas particulares em Cuba.
      - Vale a pena comprar um mapa da cidade no Centro de Informações Turísticas, no início da Calle Obispo.
      - A melhor maneira de conhecer Havana é caminhando, então caminhe bastante! Havana, assim como as outras cidades que conhecemos em Cuba, é muito segura (aliás, o fato de não ser uma sociedade armada faz toda a diferença) :'>
       
      *Câmbio:
       
      200,00 Euros = 254,35 CUC (ou 1,00 Euro = 1,27 CUC)
       
      *Gastos:
      - Táxi aeroporto – centro: CUC 30,00
      - Mapa: CUC 2,00
      - Água 5 l: CUC 2,90
      - Janta + 1 mojito + 1 cerveja + gorjeta: CUC 17,00
      Total do dia: CUC 51,90
       
      Dia 2 – 22/02 (quarta):
       
      - Desayuno na Casa de Isabel: frutas, suco, café, leite, bolachas, manteiga e ovos mexidos (nos outros dias, também teve pão e iogurte).
      - Caminhada pela Paseo del Prado, bastante arborizada e rodeada de edifícios antigos, até o Malecon, ponto de encontro de cubanos, músicos, pescadores, turistas e os famosos “jineteros”.
      - Visita ao Museu da Revolução e Memorial Granma (Calle Refugio, 1 entre Monserrate y Zulueta): excelente dica para quem deseja conhecer a história da Revolução Cubana, da construção e consolidação do socialismo em Cuba.
      - Perto do museu está o Edifício Bacardi, com um mirante e belíssima vista para a cidade.

       
      - Tarde caminhando pelas ruas de Havana Velha: Obispo, O'Reilly, Mercaderes, Amargura, Brasil.
      - Visita à Casa del Água Tinaja, em frente à Plaza de Armas: o proprietário, Sr. Pedro Pablo, recebe a todos com um sorriso no rosto e um copo de água fresca (ou vários copos!). A água é armazenada em jarros de cerâmica e o Sr. Pedro Pablo mata a sede dos visitantes gratuitamente, fica a critério de cada um deixar sua contribuição.
      - Recorrida pelas belas praças de Havana Velha: Plaza de Armas, da Catedral, de São Francisco de Assis e Plaza Vieja.
      - De volta ao Malecón: o cenário é ainda mais bonito ao entardecer, excelente para caminhar e fotografar.
       

       
      - Jantar na casa de Isabel (combinado previamente): salada, arroz com feijão, abóbora cozida, frango e arroz doce para a sobremesa.
       
      *Dicas importantes:
      - Existem alguns pequenos “golpes”comuns em Havana, aplicados pelos famosos “jineteros” (ou “caça-turistas”), por exemplo: 1) três jovens e simpáticos cubanos perguntam de onde somos, falam coisas super bacanas sobre o Brasil, perguntam se gostamos de charutos ou se gostaríamos de levar charutos para presentear os amigos e nos convidam para conhecer uma “cooperativa” de produtores de tabaco, que supostamente vende o mais puro e autêntico tabaco cubano, pelo melhor preço...nos levam até uma espelunca qualquer e vendem qualquer coisa, menos tabaco puro...quase caímos! 2) no Malecon, dois jovens simpáticos se aproximam, puxam assunto, dizem que gostariam de saber mais sobre a cultura do seu país e falar um pouco sobre a vida em Cuba; depois dizem que o melhor mojito de Havana, o “autêntico”, é preparado logo ali, em frente ao prédio aonde a Omara Portuondo passou a infância...te convidam para apreciar o mojito e pedem para pagar mojitos para eles...nesse caímos... na verdade, não chega a ser um “golpe”, já que foram bastante honestos ao dizerem que iriamos ao local para tomar o mojito e também pagar um mojito para cada um deles...tudo bem, sem problemas...mas não precisava inventar esse papo de prédio da Omara Portuondo e melhor mojito de Havana...
       
      *Gastos:
       
      - Diária na casa particular: CUC 30,00
      - 2 desayunos: CUC 8,00
      - 2 jantas: CUC 20,00
      - Museu da Revolução + permissão para fotografar: CUC 14,00
      - Mirante do Ed. Bacardi: CUC 2,00
      - Casa del Agua Tinaja: CUC 2,00
      - Mojitos: CUC 6,00
      - Outros: CUC 7,20
      Total do dia: CUC 89,20
       
      Dia 3 – 23/02 (quinta):
       
      - Desayuno regado a um bom papo com dois simpáticos franceses que também estavam hospedados na casa de Isabel.
      - Caminhada até a Plaza de La Revolución, no Bairro Vedado (percurso longo).
      - No caminho, nos deparamos com o Paladar San Cristobal (Calle San Rafael, 469), resolvemos entrar e conhecemos os simpáticos Carlos, cozinheiro e proprietário, que morou muitos anos no Brasil, e Sílvio, o recepcionista. Gostamos do ambiente, das pessoas e reservamos a janta.
      - Plaza de La Revolución: interessante para contemplar os rostos de Che Guevara e Camilo Cienfugos estampados em dois grandes edifícios. Em frente à praça está o Memorial Jose Martí, mas não entramos.
      - Mais uma caminhada até Nuevo Vedado, onde está a agência e terminal de ônibus turístico Via Azul. A idéia era comprar passagens para Santa Clara, mas a atendente nos informou que todos os ônibus estavam lotados até o dia 26/02.
      - Fomos até a Calle 23, a principal avenida de Vedado. Ali está o Centro Cultural Fresa y Chocolate e o Instituto Cubano del Arte y la Industria Cinematográficos – ICAIC, além da famosa sorveteria Copélia. Logo adiante está o Hotel Habana Libre, edifício emblemático, pois funcionou como quartel general da Revolução, em janeiro de 1959, quando as tropas rebeldes entraram em Havana.
      - Visita ao Hotel Nacional de Cuba: belíssimo prédio, incrível vista para o Malecon, belo pátio, com confortáveis sofás, ideal para recarregar um pouco da energia gasta após a longa caminhada.
      - Táxi até o Castillo del Morro, do outro lado da baía, com belíssima vista para Havana. Ali funciona um museu, mas não entramos. E também acontece o “canhonaço”, todos os dias, às 21hs.
       

       
      - Jantar no Paladar San Cristobal: imperdível! Tudo perfeito: o atendimento, o lugar (ambientes decorados com móveis e objetos antigos, parece um antiquário), a comida, a atenção do dono. De cara, Carlos já nos ofereceu o “cubierto” (pães e manteiga) de cortesia. Depois, ainda mandou uma pequena porção de croquetes, baião de dois e, para finalizar, uma dose de run: tudo por conta da casa! Carlos nos convidou para conhecer a sua cozinha, que é impecável: limpa, organizada e muito bonita. Ficamos realmente encantados com o lugar e com o tratamento dado pelo dono e funcionários, recomendamos!
       

       
      *Dicas importantes:
       
      - Para quem pretende ir a Santa Clara pela Via Azul: compre as passagens com antecedência ou reserve para o dia e horário desejado (o melhor é pedir para os donos da casa ligarem e fazerem a reserva). Outra possibilidade é dividir um táxi com outros turistas, pode sair por um preço vantajoso (na frente da Via Azul há vários taxistas oferendo seus serviços e outros turistas estarão por lá à procura de passagens). Optamos por pedir ajuda a Isabel, dona da casa, que conseguiu um transfer particular até Santa Clara.
      - O San Cristóbal serve almoço e janta. Não perca a oportunidade de trocar uma idéia com Carlos e Sílvio, são gente finíssima! Para a janta é bom reservar: 860-1705
       
      *Gastos:
       
      - Diária na casa particular: CUC 30,00
      - 2 desayunos: CUC 8,00
      - Sorvetes Copélia: CUC 3,00
      - Água 500 ml: CUC 0,60
      - Entradas Castillo del Morro: CUC 2,00
      - Táxi Hotel Nacional – Castillo del Morro – casa: CUC 15,00
      - Jantar no San Cristóbal (dois pratos + 1 guarnição + 2 cervejas + 1 mojito + gorjeta): CUC 31,00
      Total do dia: CUC 89,60
       
      Dia 4 – 24/02 (sexta):
       
      - Fomos ate a Real Fábrica de Tabacos Patargas, que fica logo atrás do Capitólio, e descobrimos que ficará fechada para restauração por três anos, somente a lojinha está funcionando. A produção de charutos foi transferida para outro local e quem deseja fazer uma visita guiada precisa pegar um táxi até lá (informações disponíveis na fábrica).
      - Logo atrás da Patargas está o Bairro Chino.
      - Passeio pelo Parque da Fraternidade, onde estão os bustos de vários libertadores de países das Américas. Em frente ficam vários carros antigos, charretes, coco-táxis e bici-táxis que circulam por ali. Para quem gosta de carros antigos, aí está um verdadeiro museu “a céu aberto”.
       

       
      - Caminhamos até a Estação Ferro-Carril e descobrimos que é possível ir de trem até Santa Clara, mas os trens não saem todos os dias.
      - Visita à Casa Natal de José Martí, bem próxima da estação (Calle Leonor Pérez, 314 entre Egido y Picota): muito simples, mas interessante, pois pudemos conhecer a história de José Martí.
      - Continuamos nossa caminhada por Havana Velha: na Calle Compostela com Jesus Maria está o Arco de Belém; na Calle Cuba está a entrada para o antigo Convento de Santa Clara; mais adiante está o Museu do Run, que também tem uma loja; de um lado do museu está o bar Havana Club e, do outro, o Dos Hermanos; em frente está a Capitania dos Portos e logo depois do Dos Hermanos está a Igreja Ortodoxa Russa.
      - Fomos até a Plaza San Francisco de Assis e encontramos uma cadeca para trocar alguns CUC por CUP – Pesos Cubanos. Com a moeda nacional aproveitamos para comprar pastéis recheados com goiabada (há muitos ambulantes vendendo pastéis, churros, croquetes, dentre outras coisas, tudo em Pesos Cubanos).
      - Na Plaza de Armas tem uma feira de livros e antiguidades que funciona diariamente: além de encontrar algumas relíquias, é ótimo para trocar idéias com os vendedores e aprender um pouco mais sobre a história de Cuba.
      - Chopp e “rumbia” no bar La Dichosa, na Calle Obispo.
      - Jantar na casa de Isabel, acompanhados dos amigos franceses: salada, arroz, feijão, inhame e lagosta!
       

       
      *Dicas importantes:
      - As casas de câmbio dos grandes hotéis trabalham apenas com Pesos Convertíveis – CUC. Para comprar Pesos Cubanos recomendamos a cadeca da Plaza San Francisco de Assis, pois as filas eram menores.
      - Vale muito a pena ter uma quantia de Pesos Cubanos e economizar bastante com alimentação: compramos pastéis, croquetes e deliciosas pizzas vendidas nas ruas ou em pequenos “quiosques”
      - Na Obispo, o que não falta são opções de bares com música ao vivo, muita rumbia e salsa da melhor qualidade
       
      *Câmbio:
       
      500,00 Euros = 640,10 CUC (ou 1,00 Euro = 1,28 CUC)
      5,00 CUC = 120,00 CUP (ou 1,00 CUC = 24,00 CUP)
       
      *Gastos:
       
      - Diária na casa particular: CUC 30,00
      - 2 desayunos: CUC 8,00
      - 2 jantas: CUC 24,00
      - Casa Natal de José Martí: CUC 3,00
      - Visita ao vagão de trem presidencial: CUC 1,00
      - Pastéis de goiabada: CUP 10,00
      - Pizza: CUP 12,00
      - Amendoins: CUP 20,00
      - 2 Chopps: CUC 3,00
      - CD: CUC 10,00
      - Revista sobre Camilo Cienfuegos + broche + chaveiro: CUC 22,00
      Total do dia: CUP 42,00 + CUC 101,00
       
      Dia 5 – 25/02 (sábado):
       
      - Caminhada pela Paseo del Prado, visita ao belíssimo Gran Teatro de Havana (entrada livre) e parada no Parque Central para observar o movimento.
      - Transfer para Santa Clara (saída às 13hs30min).
       
      SANTA CLARA (25 a 26/02)
       
      - Chegada em Santa Clara, às 16hs30min.
      - Tínhamos uma reserva na casa particular La Autentica Pergola, de Carlos e Carmen, mas quando chegamos fomos informados de que não havia vaga e que iríamos para outra casa. Essa foi a única casa que não cumpriu com a reserva, foi realmente uma exceção e, por isso, não a recomendamos.
      - Hospedagem: Casa Família Gomez, de Maikel e Haydeé – Calle Independência, 112 entre Luis Estevez e Plácido. Pagamos CUC 25,00 pelo quarto com banheiro privado. O café-da-manhã custava CUC 4,00 e a janta custou CUC 8,00 (por pessoa). Casa gerenciada por um jovem e simpático casal, muito limpa e aconchegante, ótima localização, café-da-manhã e janta muito bons. Tem apenas um quarto disponível para alugar. Contatos - Tel.: (+53) 4220-7788 e e-mail: [email protected] (para reservas direto com os donos). Descobrimos que Maikel é irmão de Rafael, dono da casa reservada em Remedios, e foi uma ótima pedida ficar em casas de uma mesma família.
       

       
      - Caminhada por Santa Clara: Boulevard (rua somente para pedestres, exatamente onde está a casa particular); Parque Central Leôncio Vidal, local muito agradável, por ali também há alguns bares e restaurantes.
      - Próximo ao terminal de ônibus há um grande muro reservado às expressões de artistas locais. Local de manifestações políticas, como esta:
       

       
      - Jantar na casa particular: salada, carne de porco, arroz, feijão, inhame, banana frita e gelatina para sobremesa.
      - Show de jazz no Museu de Arte Decorativo: estávamos passando em frente ao Museu e um simpático senhor nos convidou para entrar e assistir o show. A banda era excelente, valeu a pena! :'>
       
      *Gastos:
       
      - Diária na casa particular: CUC 30,00
      - 2 desayunos: CUC 8,00
      - Tranfer de Havana p/ Santa Clara: CUC 90,00
      - Outros: CUC 8,45
      - 2 jantas: CUC 16,00
      Total do dia: CUC 152,45
       
      Dia 6 – 26/02 (domingo):
       
      - Desayuno na casa particular: café, leite, suco de mamão, frutas, pão, manteiga e ovos mexidos.
      - Pegamos um moto-táxi (uma moto com uma pequena carroceria atrás) e combinamos com Hélio, o motorista, de fazer um tour pelas principais atrações de Santa Clara: Monumento e Museu Che Guevara, Loma del Capiro, estátua do Che com 'el niño' e Monumento ao Trem Blindado.
      - Primeira parada: Monumento ao Che, Museu e Memorial com os restos mortais de combatentes na Revolução Cubana. Vale muito a pena! A grande estátua, os escritos, as armas, as roupas, as fotos, a memória do que Che representou para a Revolução Cubana, sua relação com Fidel, Raul e Cienfuegos, seu ideal de ser útil à libertação de outros países latino-americanos, o sentimento de pertencer à América Latina, o início e o fim...tudo muito emocionante.
       
       

       

       
      - Segunda parada: La Loma del Capiro, local aonde se estabeleceu o acampamento da tropa comandada por Che. Ali tivemos uma verdadeira aula de história com Hélio: nos contou sobre a história da Revolução, sobre Santa Clara e sobre a vida em Cuba atualmente :'> .
      - Terceira parada: Monumento ao Trem Blindado (antes, uma breve parada em frente à estátua do Che com uma criança no colo, apenas para uma fotografia). Os vagões para visitação não abrem aos domingos, mas deu para tirar algumas fotos externas.
      - Nos despedimos de Helio e seguimos a pé. No caminho encontramos Reiner, um jovem cubano que conhecemos na noite anterior, e passamos as horas seguintes com ele, conversando, caminhando pelas ruas e praças de Santa Clara :'> . Passamos pela Estacão de Trens; pela praça com a estátua do Vaquerito, um dos mais importantes combatentes do grupo de Che Guevara; pela filial da sorveteria Copélia; pelo Parque Central; e paramos para tomar uma cerveja na lanchonete El Rapido. Por fim, comemos uma pizza na rua e nos despedimos de Reiner.
      - Saímos de Santa Clara umas 15hs e chegamos em Remedios cerca de 45 minutos depois. No caminho trocamos muitas idéias com o taxista, Juan. Ele nos contou que Santa Clara é uma importante cidade universitária, com uma população de aproximadamente 35 mil estudantes, distribuídos em cinco unidades universitárias; sugeriu alguns livros de escritores cubanos; e falou sobre os baixos salários em Cuba, o que considera ser o maior problema enfrentado pelos cubanos.
       
      REMEDIOS (26 a 29/02)
       
      - Hospedagem: Casa Colonial La Paloma, de Rafael e Iraida – Calle Balmaseda, 4 (em frente à praça central). Pagamos CUC 25,00 pelo quarto com banheiro privado. O café-da-manhã custava entre CUC 3,00 e 4,00 e a janta custava entre CUC 10,00 e 12,00 (por pessoa). Belíssima casa colonial, com a melhor localização (em frente à praça principal de Remedios), muito limpa, bons café-da-manhã e janta, donos muito amáveis, sempre com um sorriso acolhedor no rosto. Tem três quartos disponíveis para alugar. Contatos - Tel.: (+53) 4239-5490 e e-mail: [email protected] (para reservas direto com o casal).
       

       
      - Janta na casa particular: salada, sopa de legumes, arroz, lagosta, camarão, banana frita e goiabada para sobremesa.
       
      *Dicas importantes:
       
      - Conversar com os cubanos, especialmente nas cidades menores, é uma excelente oportunidade de compreender melhor o regime, a história e a cultura do país. Aprendemos muito com eles!
      - Para ir de Santa Clara para Remedios, além dos táxis particulares, há também a opção de ir até o terminal de ônibus municipal e tentar pegar um táxi coletivo, sai bem mais barato.
       
      *Gastos:
       
      - Diária na casa particular: CUC 25,00
      - 2 Desayunos: CUC 8,00
      - Tour por Santa Clara: CUC 10,00
      - 2 cervejas + 1 refresco + 1 água: CUC 4,65
      - 3 pizzas: CUP 26,00
      - Táxi de Santa Clara p/ Remedios: CUC 25,00
      - 2 jantas: CUC 24,00
      Total do dia: CUP 26,00 + CUC 96,65
       
      Dia 7 – 27/02 (segunda):
       
      - Desayuno na casa particular: café, leite, suco, pão, manteiga, queijo branco e bolacha caseira.
      - Praça de Remedios – foi nessa praça que passamos a maior parte do tempo, lá observávamos o tranquilo cotidiano dos moradores da cidade: os velhinhos fazendo a ginástica matinal, crianças brincando, mães com os filhos pequenos, rodas de conversas dos mais velhos, jovens conversando no coreto, o bêbado da praça...e o melhor, nada de turistas! Remedios é o ponto de passagem para quem vai para os Cayos Las Brujas e Santa Maria, normalmente os turistas não ficam na cidade por muito tempo ou, se ficam, passam o dia na praia. No nosso caso, optamos por fazer exatamente o contrário: passar o dia em Remedios, conversar com as pessoas na praça e nos bares, sem pressa e sem roteiro. E assim conhecemos pessoas incríveis, como Jorge, o simpático treinador de basquete, e Júlio Cesar, um senhor de 91 anos de idade, cheio de histórias para contar, defensor da Revolução, amante de um bom tabaco e o primeiro que nos revelou o sentido de ser “livre” em Cuba: o que mais pode desejar, se tem sua casa, saúde, se alimenta bem, todos os seus filhos estudaram e tem segurança a qualquer hora do dia e da noite, sem que ninguém o moleste?

       
      - Visita ao Museu Casa de La Musica Alejandro Garcia Caturla: não abre às segundas, mas o diretor, chamado Isnel, fez questão de nos receber e nos deu uma bela aula sobre a história de Remedios e sobre a vida de Caturla, um músico e advogado vanguardista. Ao fim da visita, Isnel ainda colocou algumas músicas de Caturla para escutarmos e nos presenteou com um livro.
      - Cerveja e mojito, no bar El Louvre; cerveja e “canchanchara” (bebida local, a base de aguardente, mel e limão), no bar Parrandero.
       
      *Dicas importantes:
       
      - A Semana de Cultura de Remedios acontece entre 01 e 07 de março.
      - Em 24/12 acontece a tradicional festa das Parrandas, o carnaval de Remedios, um importante evento popular.
      - Museu das Parrandas (não entramos).
       
      *Gastos:
       
      - Diária na casa particular: CUC 25,00
      - 2 desayunos: CUC 6,00
      - Entradas no museu: CUC 2,00
      - 1 mojito + 3 cervejas + 1 canchanchara + gorjeta: CUC 8,00
      - 2 pizzas: CUP 20,00
      - Bananas: CUP 5,00
      - Outros: CUC 6,40
      Total do dia: CUP 25,00 + CUC 47,40
       
      Dia 8 – 28/02 (terça):
       
      - Ida para o Cayo Las Brujas, em táxi agendado pela dona da casa. Saímos às 09hs30min e passamos em outra casa para buscar duas italianas com quem dividimos o passeio. O motorista era Rolando e dirigia um Chevrolet 58. Após uma hora chegamos à Playa Salinas, no Cayo Las Brujas, e lá passamos todo o dia.

       

       
      - Jantar no restaurante Portales de La Plaza: comida boa, farta e muito barata (valores em pesos cubanos), excelente pedida! Lá conhecemos o simpático Daniel, que nos convidou para conhecer o local onde são produzidos os trajes e alegorias das Parrandas.
      - Apresentação cultural afro-cubana no Hotel Mascote.
      - Cerveja com as italianas, no café e bar El Louvre.
       
      *Dicas importantes:
       
      - Para ir aos Cayos: alugar um carro; alugar uma moto (CUC 24,00/dia + combustível); contratar um táxi (CUC 45,00/dia) e dividir com outras pessoas.
      - No Cayo Las Brujas há uma pousada com restaurante, o Vila Las Brujas. São bangalôs de frente para o mar, parece interessante. Quem não é hóspede pode consumir no restaurante.
       
      *Gastos:
       
      - Diária na casa particular: CUC 25,00
      - 2 desayunos: CUC 6,00
      - Táxi para Cayo Las Brujas: CUC 23,00
      - 1 cerveja no restaurante Vila Las Brujas: CUC 1,50
      - Jantar no Portales de La Plaza (cerveja + porção de petisco + dois pratos com arroz, feijão, carne, banana frita e salada + gorjeta): CUC 5,00
      - Apresentação cultural: CUC 1,00
      - 3 cervejas: CUC 3,00
      Total do dia: CUC 63,50
       
      Dia 9 – 29/02 (quarta):
       
      - Como combinado na noite anterior, encontramos com Daniel na praça e fomos com ele até o local onde os artesãos produzem os trajes e alegorias das Parrandas. Conversamos com eles, tiramos fotos e ganhamos alguns Cds de presente.
      - Almoço no El Louvre.
      - Despedida de Remedios, vilarejo de gente sincera e acolhedora. Em cada conversa, com cada uma das pessoas que encontramos pelo caminho, percebemos o orgulho que sentem pela cidade e o amor pelo que fazem: Iraida e Rafael, que recebem os turistas em sua linda casa, sempre com um sorriso amável no rosto; Isnel, o jovem diretor do Museu Caturla, que fez questão de nos receber, mesmo que o museu estivesse fechado para visitação naquele dia, nos apresentou a vida e a música de Caturla, nos presenteou com um livro e passaria, se pudesse, mais algumas horas falando sobre a história da sua cidade; Daniel, “el loco,” e o pessoal das Parrandas, todos apaixonados pelo carnaval, desejam que o mundo todo conheça as “parrandas remedianas”; Jorge, o simpático treinador de basquete e amante dos esportes; Sr. Júlio Cesar, revolucionário, defensor do regime cubano, cheio de histórias e causos para contar... :'> :'> ::
       

      - Partimos às 16hs45min, em ônibus da Via Azul. Chegamos ao terminal de ônibus com antecedência e compramos as passagens na hora.
       
      TRINIDAD (29/02 a 05/03)
       
      - O ônibus pára em Santa Clara e em Cienfuegos. Chegamos em Trinidad às 20hs45min.
      - Passamos a primeira noite na casa de Carlos e Yami, pois nossa reserva na outra casa iniciava no dia seguinte.
       
      *Câmbio:
      300 Euros = 389,30 CUC (ou 1,00 Euro = 1,29 CUC)
      5,00 CUC = 120,00 CUP (ou 1,00 CUC = 24,00 CUP)
       
      *Dicas importantes:
       
      - As linhas Mojón – Remedios – Trinidad e Trinidad – Remedios são novas e ainda não estavam no site da Via Azul. A outra opção para ir de Remedios a Trinidad seria tomar um táxi particular ou coletivo até Santa Clara e, de lá, tomar um ônibus da Via Azul para Trinidad.
       
      *Gastos:
       
      - Diária na casa particular: CUC 25,00
      - 2 desayunos: CUC 6,00
      - Almoço + 2 cervejas: CUC 5,85
      - Outros: CUC 3,25
      - Ônibus Remedios – Trinidad: CUC 28,00
      Total do dia: CUC 68,10
       
      Dia 10 – 01/03 (quinta):
       
      - Hospedagem: Casa Smith, de Odalis – Calle Smith, 3 entre Antonio Maceo e Jesus Menendez. Pagamos CUC 25,00 pelo quarto com banheiro privado. O café-da-manhã custava CUC 5,00 e a janta custava CUC 10,00 (por pessoa). Boa localização, pátio agradável, excelente café-da-manhã (o mais farto da viagem), dona muito solícita e seu pai, Sr. Jorge, é uma ótima figura, com quem vale a pena trocar idéias sobre Cuba. Tem dois quartos disponíveis para alugar. Recomendamos confirmar a reserva antes de chegar (caso contrário, Odalis poderá cancelar a reserva e encaminhar os hóspedes para a casa de sua cunhada, Yami). Contatos - Tel.: (+53) 4199-4060 e e-mail: [email protected] (para reservas direto com a dona). Site: http://casasmith.trinidadhostales.com/inicio.html
       

      - Comemos pizza, tomamos cerveja, acessamos a internet (pela primeira vez na viagem), paramos um pouco no Parque Céspedes, fomos até a Plaza Mayor e caminhamos pelas ruas históricas de Trinidad, tombada como Patrimônio Cultural da Humanidade pela Unesco.


       
      - Jantar na casa particular: frutas, pão, manteiga, salada, sopa de macarrão com legumes, arroz, lagosta, camarão e sorvete de chocolate.
      - Depois fomos à Escadaria da Casa de la Musica: música cubana de excelente qualidade, todos as noites, entrada livre. Muito bom!
       
      *Dicas importantes:
       
      - Em Trinidad há várias opções de excursão: passeio pelo Vale dos Engenhos; cavalgada pela Serra de Escambray; ou passeio para os Cayos (escuna + open bar + almoço sai por CUC 45,00 por pessoa), dentre outras.
       
      *Gastos:
       
      - Diária na casa particular: CUC 25,00
      - 2 desayunos: CUC 8,00
      - Presentes: CUC 8,00
      - Água + cervejas + bolacha + barra de amendoim + bananas: CUC 14,65
      - Internet (30 min.): CUC 3,00
      - 2 jantas: CUC 20,00
      Total do dia: CUC 78,65
       
      Dia 11 – 02/03 (sexta):
       
      - Desayuno na casa particular: café, leite, achocolatado, frutas, suco, pão, torradas, manteiga, mel, geléia, sanduíche de queijo com presunto defumado, ovos mexidos, bolachinhas e bolo.
      - Caminhada até o Hotel Las Cuevas, de onde se tem uma bela vista da cidade.
      - Visita ao Museu de História da Cidade, com mirante e belíssima vista.

       
      - Ônibus para a Playa Ancon, aproximadamente 45 minutos de viagem.
      - Playa Ancon: é bonita, mas não chega a impressionar. Bom para fugir do calor de Trinidad durante algumas horas. É possível usar os sombreiros do Hotel Ancon sem pagar nada, é cobrado apenas o consumo de bebidas e comidas. Lá conhecemos Juan Carlos, um simpático cubano que vive na Alemanha, e um casal de brasileiros.
      - De volta a Trinidad. Comemos um petisco no restaurante Esquerra, em frente à Casa de La Musica: música ao vivo, ambiente agradável e atendimento simpático.
      - Rápida passada pela Casa de La Trova e, em seguida, fomos para a Casa de La Musica. Lá encontramos Juan e o casal de brasileiros, com quem dividimos a mesa e trocamos boas idéias.

       
      *Dicas importantes:
       
      - Para ir a Playa Ancon: alugar bicicletas, pegar um coco-táxi (CUC 5,00) ou ir de ônibus (CUC 2,00 ida e volta – guardar o comprovante para a volta). Horários dos ônibus – Trinidad – Ancon: 09hs, 11hs, 14hs, 17 hs; Ancon – Trinidad: 10hs, 12hs30min, 15hs30min, 18hs.
       
      *Gastos:
       
      - Diária na casa particular: CUC 25,00
      - 2 desayunos: CUC 10,00
      - Entradas Museu de História: CUC 4,00
      - Ônibus Praia Ancon: CUC 4,00
      - 2 cervejas + gorjeta: CUC 4,50
      - Restaurante Esquerra: CUC 9,00
      - CD: CUC 10,00
      - Gorjeta músicos: CUC 1,00
      Total do dia: CUC 71,50
       
      Dia 12 – 03/03 (sábado):
       
      - Assistimos a uma apresentação cultural afro-cubana no Palenque de Los Congos Reales e caminhamos entre as barracas da feira de artesanato (acontece aos sábados e domingos).
      - Na Plaza Mayor reencontramos, por acaso, os franceses que conhecemos em Havana, grata surpresa! Combinamos de nos encontrar no dia seguinte, na mesma hora e local.
      - Encontramos o casal de brasileiros, saímos caminhando com eles e, de repente, encontramos mais dois brasileiros pelo caminho. Fomos todos juntos celebrar o encontro com um chopp na Bodeguita Trinitária, por nada mais que 6 pesos cubanos!
      - Jantar na casa particular: frutas, pão, manteiga, salada, sopa, arroz, carne de porco, banana e mandioca fritas, sorvete para sobremesa.
      - Mais uma noite na Casa de La Musica.
       
      *Gastos:
       
      - Diária na casa particular: CUC 25,00
      - 2 desayunos: CUC 10,00
      - Presentes: CUC 15,00
      - 8 cervejas + gorjeta: CUC 11,50
      - Cerveja tirada: CUP 6,00
      - 2 jantas: CUC 20,00
      Total do dia: CUP 6,00 + CUC 81,50
       
      Dia 13 – 04/03 (domingo):
       
      - Visita ao Museu da Luta Contra os Bandidos: conta a história daqueles que lutaram na Revolução Cubana; dos acampamentos na Serra de Escambray; dos contra-revolucionários (os chamados “bandidos”, financiados pelos EUA), que torturaram e assassinaram barbaramente campesinos, estudantes, revolucionários. No museu há um terraço com bela vista para a Plaza Mayor.
      - Aulas de percussão e salsa na Casa de La Cultura.
      - Encontro com os franceses, passadinha no bar Canchanchara, depois ida ao restaurante Esquerra e, por fim, fomos para o lugar aonde todos se encontram: a escadaria da Casa de La Musica.
      - Noite de despedida de Trinidad e dos amigos que encontramos pelo caminho, franceses, cubanos e brasileiros: vibrações muito positivas!
       
      *Gastos:
       
      - Diária na casa particular: CUC 25,00
      - 2 desayunos: CUC 10,00
      - Entradas Museu: CUC 4,00
      - Aulas: CUC 20,00
      - 3 pizzas: CUP 20,00
      - Artesanato: CUC 2,00
      - Canchanchara: CUC 3,00
      - Frango grelhado: CUC 3,00
      - Refri + água + cervejas + run + gorjetas: CUC 15,00
      Total do dia: CUP 20,00 + CUC 82,00
       
      Dia 14 – 05/03 (segunda):
       
      - Tomamos o café-da-manhã e, às 09hs30min, a van reservada por Odalis chegou. Partimos para Havana.
       
      HAVANA (05 a 08/03)
       
      - Chegamos em Havana às 13hs30min.
      - Hospedagem: Casa La Ventilada, de Carmen e Ariel – Calle Amargura, 360 entre Aguacate e Villegas, Havana Velha. Pagamos CUC 30,00 pelo quarto com banheiro privado. O café-da-manhã custava CUC 4,00 e a janta custava entre CUC 6,00 e 8,00 (janta bem mais barata do que em outras casas). O apartamento fica no segundo andar do prédio, é muito bonito, confortável e acolhedor, muito limpo, tem excelente localização (em plena Havana Velha), ótimos café-da-manhã e janta, e a melhor ducha da viagem: quente e farta! Mas o grande diferencial dessa casa foi o tratamento dado pelos donos: Carmen e Ariel são pessoas maravilhosas, muito gentis, carinhosos e adoram receber brasileiros (fomos os primeiros!). Tem dois quartos disponíveis para alugar. Contatos - Tel.: (+53) 7863-5566 ou 5334-8286 e e-mail: [email protected] (para reservas direto com os donos). Site: http://www.laventilada.com
       

       
      - Quem nos recebeu na casa foi Carmen e a nossa empatia foi imediata! Ela nos contou que estavam ansiosos pela nossa chegada, pois seria a primeira vez que receberiam brasileiros em sua casa. Carmen nos apresentou toda a casa, que é uma graça e, de fato, muito ventilada! Mais tarde, conversando com Carmen e Ariel, descobrimos que são de Camaguey e estão há pouco tempo em Havana. Foi o próprio Ariel quem restaurou a casa, com muito esforço. Ariel também é quem prepara os deliciosos jantares, enquanto Carmen faz a limpeza da casa e prepara o café-da-manhã. Na casa, não há empregados e tudo é feito carinhosamente pelos donos. Ariel e Carmen são pessoas muito simples e generosas. Estar com eles foi como ter uma família em Havana.
      - Caminhada por Havana Velha: pizza na rua; feira de livros da Plaza de Armas; Palacio de Artesanias; Café Casa de Las Infusiones, que era frequentado por Eça de Queiroz e onde conhecemos Roberto, um pianista muito talentoso.
       

      - Janta na casa particular: salada, arroz com feijão, banana frita e filé de frango, sorvete e pudim de pão para a sobremesa. Ariel e Carmen foram os únicos donos de casas particulares que aceitaram o convite para sentarem conosco à mesa e compartilhar a janta, tomando uma cervejinha gelada!
       
      *Dicas Importantes:
       
      - A Via Azul faz o trecho Trinidad – Havana, mas vale a pena contratar uma van particular, que oferece o serviço pelo mesmo preço da Via Azul, com a vantagem de buscar e deixar em casa. Odalis, dona da casa, tinha os contatos de transfer para Havana e Viñales.
      - A reserva na Casa La Ventilada foi feita diretamente pelo e-mail informado no site. Para quem for a Havana, quer se hospedar em Havana Velha e deseja compartilhar alguns momentos do dia com pessoas muito especiais, esse é o lugar! É bom fazer contato com alguma antecedência e garantir a reserva. :'> :'> ::
       
      *Gastos:
       
      - Diária na casa particular: CUC 25,00
      - 2 desayunos; CUC 10,00
      - Transporte Trinidad – Havana: CUC 60,00
      - Pizza: CUC 1,00
      - CD: CUC 12,50
      - 3 cervejas + gorjeta: CUC 6,10
      - 2 jantas: CUC 12,00
      Total do dia: CUC 126,60
       
      Dia 15 – 06/03 (terça):
       
      - Desayuno na casa particular: café, leite, chá, suco, frutas, pão, manteiga, queijo e deliciosos croquetes preparados por Carmen e Ariel.
      - Visita ao espaço cultural Callejón de Hamel, na Calle Aramburu, esquina com San Lazaro.
      - Visita à Universidade de Havana, muito bonita.
      - Na volta para Havana Velha, passamos no San Cristobal para cumprimentar Carlos e Silvio. Conversamos um pouco e deixamos a janta do dia seguinte reservada.
      - Acessamos a internet, comemos pizzas e paramos na Factoria Plaza Vieja, na praça de mesmo nome: vale a pena provar as cervejas artesanais produzidas ali!

       
      - Voltamos para a casa e ficamos conversando com Carmen. Tivemos a idéia de convidá-los para jantar conosco no San Cristóbal e, para a nossa alegria, eles aceitaram.
      - Janta na casa particular: salada, arroz, feijão, mandioca cozida, carne de porco e sorvete para a sobremesa. Jantamos todos juntos: os novos hóspedes (uma brasileira e um sueco), Carmen, Ariel, Pedro (sobrinho) e nós dois.
      - Saímos para dar uma volta e fazer a digestão. Apesar de ter pouca iluminação nas ruas, Havana Velha é muito segura à noite.
       
      *Gastos:
       
      - Diária na casa particular: CUC 30,00
      - 2 desayunos: CUC 8,00
      - Cartão internet (1 hora): CUC 8,00
      - 2 pizzas: CUP 20,00
      - Água + cervejas + banheiro: CUC 5,75
      - 2 canecas de chopp artesanal: CUC 4,00
      - 2 jantas: CUC 12,00
      Total do dia: CUP 20,00 + CUC 67,75
       
      Dia 16 – 07/03 (quarta):
       
      - Fomos para a Plaza Vieja e subimos na Câmara Oscura: vale a pena, pela vista panorâmica da cidade, em 360 graus.

       
      - Fomos na Habana 1791, uma perfumaria onde se produz essências florais artesanalmente (Calle Mercaderes), e compramos sachês.
      - Depois fomos à feira de livros e antiguidades da Plaza de Armas e compramos uma revista e um livro sobre Camilo Cienfuegos.
      - Compramos alguns presentes: pôster de cinema cubano, run, charutos, café, camiseta e CD da Omara Portuondo.
      - Almoçamos pizza e croquetes comprados com pesos cubanos.
      - Tomamos uma cerveja na Bodeguita del Medio, acompanhados da brasileira e do sueco.
      - Nos despedimos do belo Malecon...

       
      - Tomamos um delicioso chocolate frio do Museu do Chocolate.
      - Jantar de despedida, no Paladar San Cristóbal, na companhia de Ariel, Carmen e Pedro, nossa família cubana, além do outro casal de hóspedes. Fomos surpreendidos por uma incrível cortesia, logo na entrada: um rodízio de “picadas”, com presunto crú, ceviche, croquetes, queijo, salmão, berinjela, dentre outras delícias gentilmente oferecidas por Carlos. Cada um de nós pediu um prato, tomamos cerveja e, para finalizar, comemos saborosas sobremesas (também cortesia da casa!).

       
       
      *Dicas:
       
      - Vale a pena entrar para conhecer a Bodeguita del Medio, o bar aonde Ernest Hemingway tomava seus mojitos prediletos, mas não se iluda: o mojito servido aos turistas, além de mais caro, é bem aguado . A cerveja lá também foi a mais cara que tomamos em Cuba
       
      *Câmbio:
       
      250,00 Euros = 317,50 CUC (ou 1,00 Euro = 1,26 CUC)
       
      *Gastos:
       
      - Diária na casa particular: CUC 30,00
      - 2 desayunos: CUC 8,00
      - Câmara Oscura: CUC 4,00
      - Presentes: CUC 51,00
      - Tabacos: CUC 20,30
      - Charuto Romeu e Julieta: CUC 3,50
      - 2 garrafas de run Havana Club (7 anos e añejo especial): CUC 17,80
      - 2 Cafés Cubita (175g): CUC 3,50
      - Pizza + 6 croquetes: CUP 10,00
      - Cerveja: CUC 3,00
      - Chocolate frio: CUC 1,00
      - Jantar e bebidas no San Cristobal (p/ 5 pessoas): CUC 70,00
      - Gorjeta p/ tecladista: CUP 60,00
      Total do dia: CUP 70,00 + CUC 212,10
       
      Dia 17 – 08/03 (quinta):
       
      - Acordamos de madrugada, tomamos um café, nos despedimos e seguimos para o aeroporto com o táxi reservado por Ariel.
      - Fizemos o check-in, pagamos as taxas para deixar o país e, com o que sobrou, compramos os últimos “regalos”.
       
      *Dica:
       
      - Na sala de embarque tem computadores para acessar a internet.
       
      *Gastos:
       
      - Diária casa particular: CUC 30,00
      - Táxi p/ aeroporto (dividido c/ outro casal): CUC 10,00
      - Cohiba: CUC 10,40
      - Chaveiro + bandeira de Cuba: CUC 5,65
      - Taxas para deixar o país: CUC 50,00
      Total parcial: CUC 106,05
       
      CIDADE DO PANAMÁ
       
      - Fizemos conexão na Cidade do Panamá. Pegamos um táxi até o Centro Histórico e combinamos uma hora para voltarmos ao aeroporto. A saídinha saiu muito cara, mas foi melhor do que ficar dentro do aeroporto ou de um shopping duty free cheio de gente procurando insanamente pelo que consumir... Nas poucas horas que passamos no Panamá sentimos o choque cultural, depois de passados aqueles dias em Cuba: economia dolarizada, edifícios modernos e gigantescos, desenvolvimento econômico às custas do meio ambiente e da população local, que está cada vez mais às margens da grande cidade, enfim, capitalismo na veia !
       

       
      - Valeria a pena conhecer San Blás, território governado pelos Kuna, mas não foi dessa vez.
      - De volta ao aeroporto, atraso da Copa, embarque...fim!
       
      *Gastos:
       
      - Táxi aeroporto – centro histórico – aeroporto: US$ 60,00
      - 2 cervejas + aperitivo: US$ 15,00
      Total: US$ 75,00
      - Táxi aeroporto – casa: R$ 35,00
       
      GASTO TOTAL DA VIAGEM: R$3.290,25 + 3.984,34 (passagens) = R$ 7.274,59
       
       
      Assim concluímos o relato da nossa viagem para Cuba, esse país que tanto nos encantou! VIVA CUBA Y LOS CUBANOS!

  • Seja [email protected] ao Mochileiros.com

    Faça parte da maior comunidade de mochileiros e viajantes independentes do Brasil! O cadastro é fácil e rápido! 😉 

×