Ir para conteúdo
Mochileiros.com
LuizaDC

Relato de Mochilão de 24 dias no Equador

Posts Recomendados

LuizaDC    0

Segue abaixo o relato dia a dia de uma viagem de 24 dias pelo equador.

Viajante mulher e solitária.

Com todos valores gastos dia-a-dia (o gasto total dos 24 dias foi cerca de U$$ 1100 - sem contar as passagens é claro).

A viagem foi de 7 de agosto a 31 de agosto de 2011

Farei postagens por dia.

 

Espero que possam aproveitar as experiências:

Editado por Visitante

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
LuizaDC    0

Enfim... após 3 voos e muitas horas nos aeroportos cheguei no Equador!

 

No primeiro dia em Quito eu pretendia aproveitar para conhecer um pouco da cidade, caminhar pelo centro histórico e conhecer os principais atrativos.

Mas mudei os planos hoje. A moça do hostel disse que era melhor ir conhecer o TelefériQo pois como é domingo o centro estaria muito vazio. De pronto aceitei a sugestão e fui.

 

Apesar da mega fila para comprar o ingresso valeu muito a pena! Ir para o telefériQo (com Q pq esse é o nome do negócio mesmo) o é o típico programa de domingo dos Quiteños. Eles vão com a família inteira e fazem picnics por lá

 

O teleférico sai de uma altura de 2.950 m.a.n.m. (metros acima do nivel do mar) e 10 minutos depois estamos a 4.043 m.a.n.m. Na verdade toda essa altitude é um vulcão, o Pichincha, que fica do lado de Quito.

Tanto na base como na parte alta tem uma infraestrutura boa com barzinhos banheiros, lojinhas etc.

 

A partir do momento que a gente chega lá em cima o negócio é caminhar nas trilhas!!! Tem várias e todas elas continuam subindo mais e mais! Haja fôlego! Quase morri, mas não devo ter passado dos 4.100 m.a.n.m

 

Eu tinha recém chegado em Quito, nem tinha me aclimatado e resolvi subir ainda mais... Fui até onde eu consegui. Daí parei e fiquei apreciando a vista.Nessa altitude subir uma lombinha consome todo o fôlego, mas nada que uma descansadinha não resolva. Bom... como vou continuar na região de cordilheira por vários dias acho que vou ir me acostumando com a altitude.

 

Lá em cima o vento gelado era impetuoso e eu devia ter levado um casaco (nem sei como esqueci!) Acho que é porque eu estava feliz de mais com o calorzinho e com o sol que não me liguei que 4.000 pedia um bom casaco.

 

Mas enfim, onde ficava protegido do vento era uma delícia. Fiquei por lá um tempo, caminhei o quanto deu, subi o quanto pude e depois fiz uma mega refeição que ficou sendo tipo um almoço tarde e jantar cedo.

Voltei para o Hostel, fui comprar meu café da manhã de amanhã, fiz upload das fotos e agora estou escrevendo.

 

Aqui são 20h e to podre de sono, pq não dormi ontem então, to indo dormir já.

Amanhã vou conhecer a Linha do Equador e o centro histórico.

 

 

 

Lista de gastos (U$$)

Taxi Aeroporto-Hostal - 6,00

Taxi Hostal Teleférico Hostal - 8,00

Entrada Teleférico - 8,50

Águas - 1,75

Almoço/Jantar (no teleférico) - 4,13

Compras - 2,15

Hostal Backpackers inn - 7,00

Total: 37,53

20120119234238.JPG

Editado por Visitante

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
LuizaDC    0

Mitad del Mundo

 

Hoje, conforme previsto de manhã saí para a Mitad del Mundo, que é um parque onde teoricamente passa a Linha do Equador. Esse lugar fica ao norte de Quito e o ônibus demora uns 40min para chegar lá. Com essa viagem a gente vê bastante da "Grande Quito", que é... hum... interessante.

 

O local (o parque) tem toda infraestrutura para os turistas, muito espaço, muitos artesanatos e lojas de recuerdos, restaurantes, sorveterias, tudo que um turista pode querer. Super limpo, super organizado, ótimo atendimento! Nota 10!

 

Além dos turistas tirarem aquela fotinho clássica com um pé em cada hemisfério dá para curtir um pouco do local, caminhar por lá, ir no insectarium, no planetário e em outros pavilhões com coisas menos interessantes.

Tem também o Museu Etnográfico (que fica dentro do monumento da Mitad del Mundo) que é bem legal para aprender mais sobre os povos do Equador (e como tem povo nesse país tão pequeno!!!)

Obs: Amei muito o Planetário! Fiquei um tempão fazendo hora esperando começar uma sessão e não me arrependo! Foi muito legal! Me deu uma vontade enorme de me afastar dos centros urbanos e ficar vendo o céu de um lugar "limpo", sem luzes e interferência humana.

 

Enfim... o único porém do parque Mitad del Mundo é que a Linha do Equador que passa ali é fake... Isso mesmo FALSA! Quando criaram o local em 1979 ainda não existia o GPSe o Parque foi criado de acordo com um tal cálculo que não estava muito certo!!! Inacreditável! Anos depois com foi criado o Museu Inti Ñan, a 200 metros do parque, no local exato onde passa a linha. E eles provam isso de mil formas divertidas!

 

Cheguei no Inti Ñan sozinha e acabei recebendo um tour guiado exclusivo! O tour vai passando de local em local e ensinando sobre a cultura dos diferentes tipos de índios. Depois tem as provinhas de que esse é mesmo o local onde passa a linha! Em cima da Linha do Equador perdemos um pouco do Equilíbrio e temos dificuldade de andar em linha reta. Depois tem a prova da pia: de um lado o redemoinho gira para a direita, do outro para a esquerda e em cima da linha do Equador (pasmem!) não tem redemoinho a água desce reta pelo ralo. Nunca tinha visto isso!

E tem mais! Na linha do Equador a gente consegue colocar um Ovo em pé em cima da cabeça de um prego! É verdade!!! Eu consegui! O ovo ficou ali, em pé, paradinho. Fiz isso bem mais rápido que o meu monitor inclusive e ganhei um certificado por isso. Aqui diz: "Inti certifica que Luiza Campello llegó al Museo Solar y puso sus pies sobre la linea máxima de la latitud 0º0'0" y equilibró um huevo en el centro magnético del planeta tierra calculado com satélite GPS". Tá assinado e carimbado. Acho até que vou colocar isso no meu currículo... hehehehe.

 

Muito bom o Parque! Recomendo. Na verdade recomendo ir nos dois, tanto no Mitad del Mundo quanto no Inti Ñan. Fica bem pertinho, não tem porque não ir!

 

Depois para voltar de lá peguei um ônibus e desci em algum lugar no centro de Quito. O lugar exato eu não sei. Desci quando várias pessoas desceram também: fiz que nem vaca, segui a boiada. Acabei indo parar em um lugar bem pouco turístico. Acho que é um dos lugares que o guia se referia quando dizia (não saiam das ruas turísticas). Enfim uma região definitivamente não turística, mas que não era necessariamente perigosa. Não vi nenhum risco real. Mas se eu fosse loira e tivesse com um mochilão daí sim teria perigo, porque os turistas chamam muito atenção e despertam sentimentos (maus) também.

A verdade é que eu não tenho cara de Equatoriana, mas até me misturo bem. Pq nem todos Equatorianos tem cara de Equatorianos. Uns tem uma cara assim que nem a minha. Uma cara morena e "genérica", sem local de origem definida.

 

Enfim, depois que eu cheguei na Basílica (morro acima) eu me entreguei e peguei um taxi para vir para o Hostel. As ruas dessa região de Quito são lombas e mais lombas e confesso que me entreguei por falta de fôlego. Subir lomba aqui é muito diferente de Porto Alegre. Quando entrei no taxi não conseguia nem dizer para onde ir, me faltava ar.

 

Eu plano amanhã é sair de Quito. Chega de cidades grandes! Otavalo é o próximo destino...

 

Gastos:

Água 2l - 1,00

Xerox - 0,05

Bus Mitad Del Mundo-Quito - 0,40

Entrada Mitad del Mundo - 2,00

Almoço - 4,50

Entrada Museu Etnográfico - 3,00

Postais e Selo - 8,00

Museu Inti Ñan - 3,00

Entrada Planetário - 1,50

Bus Mitad Del Mundo-Quito - 0,40

Água (centro) - 0,35

Taxi centro hostal - 4,00

Hostal Backpackers inn- 7,00

TOTAL: 35,20

 

20120119234025.JPG

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
LuizaDC    0

Estou em Otavalo, a cidade que possui o mercado de artesanato mais famoso do Equador. Uma loucura total! Dá vontade de comprar tudo! É tudo lindo, mas com toda a sensatez da minha pessoa só comprei duas coisas: uns ímas de geladeira (para minha coleção) e uma pintura (aquarela) linda que vou enquadrar e colocar no meu quarto. Não vou comprar mais nada.

 

Praticamente já conheci toda a cidade e agora são quase 18h e está um lindo final de dia, com o sol quase se ponto e dividindo sua luminosidade com nuvens pretas e brancas e eu olho tudo isso enquanto escrevo do terraço do meu Hostel.

 

O Hostel é ótimo. Tenho um quarto só para mim. Na verdade acho que eu sou a única hóspede hoje. Porque a cidade costuma ficar cheia mesmo nos sábados quando e mercado se espalha por toda cidade e os turistas lotam tudo. Terça feira é tranquilo por aqui.

 

A cidade é pequena e tranquila. Atravessei toda a parte central em uma caminhada de uns 5 minutos. Ía tirar umas fotos da praça central com a igreja e a prefeitura, mas está tudo em obras. Estão remodelando a praça e restaurando a prefeitura. Não achei nenhum ângulo legal para tirar fotos, então acabei tirando só da feira. Mas percebi que faltou uma foto minha na feira, amanhã tiro para fica registado que estive aqui.

 

Sobre os povo: Otavalo é um nome de um povo indígena da região. Não é índio tipo que anda pelado, um povo altamente evoluído e comerciantes. Eles tem suas roupas típicas. As mulheres vestem saias compridas escuras, com uma abertura na lateral e em baixo saias brancas. As blusas são brancas com rendas e bordados. Usam cabelo comprido, as vezes em tranças ou com um cordão enrolado. Usam também colares dourados que dão muitas (muitas) voltas no pescoço. Os homens também usam tranças compridas. Queria tirar umas fotos mas é meio agressivo ficar tirando fotos das pessoas. Enfim...

 

Amanhã eu queria contratar um tour, porque tem muitos passeios legais que se pode fazer na região, mas parece que não tinha mais turistas interessados no passeio e não fechou o número mínimo para fazerem o passeio. O número mínimo é 2 pessoas. Mas ainda hoje mais tarde vou passar na agência e ver se alguém resolveu ir. Se não vou fazer um outro passeio por mim mesma. Vou conhecer a Laguna Quicocha que dizem, é um lugar lindo. Depois conto como foi.

 

 

09 de agosto – Quito/Otavalo (mercado)

Taxi para terminal de Bus - 9,00

Bus para Otavalo - 2,20

Almoço (lasanha) na praça Otavalo - 5,90

Quadro - 12,00

Imãs - 7,00

Nesquick - 1,20

Bolacha - 0,35

Hostal El Viajero - 11,00

Total: 48,65

 

20120119234651.JPG

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
LuizaDC    0

O dia de hoje, quarta feira, foi corrido. De manhã fui conhecer a famosa laguna de Cuicocha, próximo à cidade de Otavalo. Para chegar lá tinha que pegar um ônibus para Quiroga e depois uma camioneta para chegar até o parque onde ela está. Desci em Quiroga e logo do outro lado da rua tinha umas 10 camionetas (que na verdade são umas pick-ups) enfileiradas, esperando os turistas para levar à laguna. Mas de turista nesse dia e nesse horário só tinha eu. Então nem precisei ir na caçamba da camioneta (sim as caçambas são “adaptadas” com “bancos”) para levar vários turistas. Como estava sola, fui na parte da frente conversando com o seu Germán, um simpático Quiroquense que me fez além de motoristas, de guia de turismo. Quando chegamos na Laguna, como eu não ía ficar muito tempo (tinha que voltar a Otavalo, depois pegar um ônibus a Quito e outro a Papallacta), seu Germán ficou lá me esperando.

 

O lugar é maravilhoso. É uma cratera de um vulcão (sim, extinto) cheia de água azul, com duas ilhas cobertas de vegetação bem verdinha no meio. O passeio mais legal de se fazer é dar a volta na laguna pela parte de cima da cratera, mas a volta inteira demora umas 5h-6h e tem que ir com guia (preferencialmente). Tive que deixar esse trekking para quando eu voltar para o Equador. Como não tinha todo esse tempo, subi uma das laterais e fiquei por ali curtindo a paisagem e pensando que aquilo era uma cratera, que um dia tinha expelido lava. Que máximo!!! Eu nunca tinha estado assim dentro de uma cratera antes.

 

O passeio foi rápido mas valeu muito a pena, tanto pela laguna, quanto pela experiência de andar de bus pelo interior do Equador. Ali eu era totalmente turista a única que não tinha cara e indígena. Todos me olhava com cara de “tu é a estrangeira”.

 

Enfim, voltei da Laguna para Otavalo e fui tratar de fechar a conta do hostel e ir pegar o bus para Quito. Acabei me atrasando e nem tirei a foto no mercado de Otavalo. Vai ficar para a próxima vez.

Cheguei em Quito bem mais tarde que previa. Cheguei em um terminal (norte) e precisava ir para outro terminal (sul). Sorte que descobri que tinha um ônibus que fazia o trajeto de um para o outro. O detalhe é que demora cerca de 50 minutos. Mais atrasada ainda fiquei. Em vez de pegar o bus para Papallacta às 15h30. Peguei um que saía às 17h. Isso significava que eu teria que descer em papallacta de noite (e o ônibus só deixava na estrava, afinal Papallacta não é uma cidade é um vilarejo). Mas a Nossa Senhora Protetora dos Mochileiros estava comigo e desceram mais 3 mulheres junto na mesma parada. Essa foi a minha sorte!!! Quando desci perguntei para elas como fazia para chamar um taxi e chegar no hostel (que é no interior do interior e morro acima). A senhora prontamente pegou o telefone e chamou um “taxi” para mim, acho que ela ficou com pena de uma guria tão pequena perdida por ali com aquele mochilão. Enquanto isso íamos subindo uma estradinha em direção ao “vilarejo”. No meio do caminho... acaba a luz da cidade. Isso mesmo! Fica tudo escuro (não que estivesse muito claro antes). Como tinha uma lua, dava para ver estrada e continuamos subindo. Logo em seguida chegou um caminhonetão (que era "o taxi” local) para me levar ao hostel.

O Sr., super simpático me contou que já tinha faltado luz duas vezes e ninguém sabia porque. Fomos subindo e subindo por uma estradinha de chão até chegar numa casa no meio do nada, que era o Hostel. Eu tinha lido o relato de uma turista que tinha chegado a pé da estrada até o hostel. Fiquei pensando que essa pessoa tinha que estar mesmo muito aclimatada para subir aquilo e com mochila ainda (estamos a 3.000 m.a.n.m). Sensatamente pensei que ainda não estou nesse nível. Sorte decidi não tentar. Não teria conseguido.

 

Tá, mas alguém deve estar se perguntando... afinal o que a Luiza está fazendo aí nesse fim de mundo do Equador, no interior do interior, morro acima e ainda mais sem luz.

A resposta é simples: água quente! Não, não de preparar chimarrão! De entrar dentro!!! Aqui nesse fim de mundo a 100m do meu hostel está um dos melhores complexos de águas termais do Equador. E é para lá que eu vou amanhã! Passar o dia dentro de umas piscinas com água quente que prometem resolver todos os problemas de alguém. Não...não... acho que não traz a alma gêmea nem faz ganhar na mega sena. Mas é agua quente! E eu adoro isso!!! Para ficar no complexo o quarto mais barato é mais de $150, aqui no hostel pago $20!

 

E tem mais!!! Aqui no hostel também tem umas piscinas com água termal. Quando cheguei no hostel devia estar uns 15 graus. Demorei para criar coragem, mas fui. Coloquei meu biquíni e desci para a piscina (ao ar livre). Quando eu entrei na água chegou a doer de quente, mas logo acostumei. Fiquei na piscina até às 23h. Na hora de sair foi tenso. Chegava a doer na pele a diferença de temperatura. Mas sobrevivi e agora escrevo isso aqui debaixo de um monte de cobertas!

 

Bus Quiroga (ida e volta) - 0,50

Caminhoneta (ida e volta) - 8,00

Bus Otavalo-Quito - 2,00

Bus Terminal Norte-Quitumbe - 1,00

Bus Quito-Papallacta - 2,00

Salgadinho (teminal) - 0,25

Chamadas (para hostel) - 1,00

Taxi para chegar no hostel - 2,00

Hostel Antisana - 20,00

Total: 39,75

20120119235531.JPG

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
LuizaDC    0

Hoje o dia amanheceu frio e encoberto. De manhã fui conhecer as termas, aqui do lado. Quando cheguei lá uma triste decepção: havia muita gente!!! Estava muito lotado. Pensei cá com meus botões já que no meu hostel tem piscina quente e praticamente só para mim, não tem porque eu gastar mais $7,00 para entrar numas cheias de gente. Resolvi ficar pelo hostel e aproveitar a piscina ao ar livre e cercada de uma paisagem linda.

 

Para almoçar entrei em um restaurante (do lado do hostel) que eu jamais entraria no Brasil, de longe o lugar mais feito, sujo e bagunçado. Horrível, mas perguntei o que tinha pra comer e me serviram uma truta “à la plancha”, com arroz, batata frita e umas bananas assadas. Foi o melhor peixe que já comi na vida, deve ter sido o tempero de patinhas de barata (hehehe). Uma pena que o lugar fosse tão desagradável.

 

De tarde o sol abriu e curti muito a piscina do hostel. Dia light e de descanso.

Amanhã bem cedo saio para Tena. A ver se consigo fazer algum tour de um dia pela Amazônia Equatoriana.

 

Hostel Antisana - 20,00

Almoço trucha a la plancha - 4,00

Jantar Bocadillo e leite - 1,90

Total: 25,90

20120119235938.JPG

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
LuizaDC    0

Sai do Hostel de manhã e fui para a parada (na estrada) para esperar o ônibus que ía para Tena. Esperei por um tempo e em vez de passar um ônibus passou uma van sem identificação, eu nem tinha feito sinal. Daí o cara parou na parada e perguntou para onde eu ía. Disse “a Tena” e ele me mandou subir (aquele era o “ônibus”)’.

 

Na verdade um senhor que estava na parada antes e tinha vindo puxar papo comigo me perguntando para onde eu ía. E tinha me explicado que como era feriado as empresas colocavam uns ônibus menores para circular. Para mim não fazia muito sentido afinal é feriadão, as pessoas deveriam viajar mais. Mas na verdade acho que descobri como funciona: As pessoas que lotam os ônibus no Equador no dia-a-dia não de uma classe da população mais baixa. Pessoas que não tem grana para estar viajando nos feriados. Quem tem grana pega sua pick-up, coloca toda família lá e vai embora.

 

Enfim... Tena, essa cidade que estou agora, já é na região da Amazônia. Até então eu estava na Cordilheira, mas agora desci em direção à Amazônia (que fica ao leste da cordilheira). Viagem de Papallacta até Tena demorou cerca de 3 horas. Saí da cordilheira onde estava uma temperatura de cerca de 10ºC e cheguei em Tena 3h depois com 30ºC. Praticamente um choque térmico. Sabe aquele calor que a gente está parado fazendo nada e sente os pingos escorrendo pelas costas: assim mesmo! Até parecia um pouco nossa querida “Forno Alegre”. Durante a viagem eu vinha tirando as camadas de roupa. Quando cheguei aqui coloquei bermuda e regata.

 

A paisagem da viagem é maravilhosa, sem explicação. É uma zona de transição então ainda tem morros enormes, mas eles já são totalmente cobertos de mato. Muito, muito verde por toda parte. A estrada vai fazendo um caracol, curva para um lado e para o outro, por mais de 100km (descendo a cordilheira). Ela vai correndo junto a um riozinho serpenteante. E dos morros caem cascatas por todos os lados... lindíssimo.

 

Cheguei em Tena pelo meio dia e catei um hostel próximo à rodoviária mesmo: o Hostal Juan Manuel. Paguei 6 dólares em um quarto só para mim com banheiro e ventilador. Mas sem água quente. Quase nenhum hostal aqui tem água quente, mas como faz muito calor, ok. Já estava preparada para isso. Hoje caminhei por toda a cidade, reservei meu passeio para amanhã e lavei todas minhas roupas (que com esse calor, estão quase secas). Amanhã vou fazer um passeio pela Amazônia Equatoriana! O roteiro parece muito legal. Tenho que estar às 7h30 na frente da agência.

 

 

Hostal Juan Manoel - 6,00

Bus Tena - 3,00

Almuerzo - 4,90

Super - 1,77

Internet - 0,75

Total: 16,42

 

20120120000721.JPG

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
LuizaDC    0

Hoje fiz o passeio pela Amazônia Equatoriana. Tem um montão de passeios. Os melhores dizem que são os de 3 ou 4 dias, porque daí se entra mesmo na mata. Esse que eu fiz de um dia é mais superficial. Meu grupo tinha 10 pessoas (6 americanas, 3 equatorianos e eu) o que é um tamanho bom. O passeio começa em Misahuallí que é um povoado na beira da Amazônia e os deslocamentos são todos em canoa (motorizada) pelo río Napo.

 

O passeio tem várias paradas, a primeira é na beira do rio onde algumas famílias trabalham garimpando ouro na areia do rio. Quando o barco está passando pelo rio o guia pergunta em Quíchua (língua dos nativos da região) se a família aceitar receber os turistas. A que nos recebeu era uma senhora com três netos (todos trabalhando). Ela disse que precisava do dinheiro para fazer a matrícula deles no colégio e que eles estavam ali ajudando porque estavam de férias. Daí a senhora foi fazendo todo o processo e o guia explicando como funcionava. Quem se interessou olha nas fotos que é impossível ficar explicando por aqui. Essa parte foi bem legal! Ponto alto do passeio.

 

Depois disso paramos para uma caminhada de umas 2h na “selva”. Eu sempre gosto de caminhar no mato mas eu esperava mais desta parte. Foi só uma trilha como em qualquer outro lugar. De vez em quando o Guia parava e explicava alguma coisa sobre uma planta ou animal. Foi ok mas nada de especial. Depois disso paramos para almoçar na beira do rio em um restaurante. Bem bom até.

 

Outro ponto alto é que depois do almoço o guia perguntou quem ía entrar no rio. No início todos ficaram meio acanhados, mas depois aos poucos foram entrando. Teve gente que se jogou com roupa e tudo. Como eu não estava de biquíni (ele estava na mochila) não entrei nesse momento. Mas depois que todos voltaram para o barco ele parou em uma praia para a galera curtir mais o rio. Daí sim, pedi para uma guria segurar minha canga, me troquei e me joguei na água. Estava super gelada! Mas entrei correndo e me joguei. Depois do lado de fora com calor e vento logo estava seca. Essa parte foi ótima!!!

 

A próxima parada era em um parque que faz a reintrodução de animais silvestres na natureza. A maioria eram bichos de estimação. Daí eles tentam fazer uma readaptação ao mundo selvagem. Alguns conseguem retornar, mas outros, que não sabem mais se alimentar e perderam alguns instintos, acabam morando por lá.

 

Por fim a última parada é em uma comunidade indígena, onde eles fazem uma representação das danças, contam um pouco da cultura e vendem artesanato. Isso também foi bem legal. Comprei uma tartaruga feita pelos índios para minha coleção.

 

O passeio em si foi bem legal só a parte da selva que para mim deixou a desejar. Mas o legal é que os guias são da comunidade indígena e o impacto do passeio no ambiente acho que praticamente se limita ao motor dos barcos. De resto é tudo bem sustentável e as pessoas que moram na região se beneficiam com o turismo de uma forma bem legal e saudável, sem exploração.

 

O guia tinha todos os conhecimentos de quem mora na floresta, sabia tudo de animais, plantas, venenos, cultura dos indígenas e tinha várias histórias para contar, mas faltou um “tratamento” para com os turistas. Quando chegávamos em um lugar ele podia fazer uma introdução de onde é que estávamos chegando, para fazer o que, por quanto tempo... Essas coisas básicas. Às vezes o grupo ficava meio perdido.

 

Na beira do rio tem vários “jungle lodges”. Que imagino eu deve ser uma opção bem interessante de hospedagem (alguns bem caros inclusive).

 

 

Hostal Juan Manoel - 6,00

Tour - 45,00

Janta - 4,69

Internet - 0,00

Total - 55,69

 

20120120001234.JPG

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
LuizaDC    0

Hoje de manhã saí de Tena e cheguei aqui em Baños pelas 13h, justo quando a maioria dos turistas já tinha feito o check-out do feriadão. Consegui um quarto maravilhoso no Hostel que eu queria. Quarto espaçoso, com banheiro, sacada e internet free.

 

Quando eu comecei a "estudar" o Equador, trabalhando em O Viajante, Baños foi uma das cidades que mais me chamou a atenção. Me lembro que na época eu pensei "tenho que conhecer essa cidade", isso quando ainda nem estava planejando a viagem. Outro fator que contribuiu foi o fato de que há alguns anos eu tinha visto no Discovery ou National Geographic Chanel um documentário sobre Baños e a ameaça do vulcão Tungurahua, que fica aqui do lado (amanhã espero ver ele). O Tungurahua é um vulcão ativo, que já destruiu algumas cidades e ameaçou Baños várias vezes, inclusive a cidade foi evacuada por um bom tempo há uns 10 ou 20 anos. Hoje em dia o vulcão anda bem tranquilo, até demais para o meu gosto!

 

Baños está na região da cordilheira, mas quase na parte da transição para a região amazônica. A cidade é super organizada turisticamente. Pensando por cima, imagino que passei por umas 20 agências de viagens hoje circulando pela cidade. Há muitas coisas para se fazer aqui!!! A região é muito linda, é possível ver isso nas fotos.

 

Enfim... como eu cheguei no inicio da tarde, já não dava mais para agendar passeios para hoje. Então decidi fazer um tour em uma chiva (onibuzinho aberto e colorido, feito para turistas) que eu tinha lido várias pessoas comentando que não tinha muita graça.

 

O passeio no Chiva vai seguindo pela estrada e passando por várias cachoeiras. Mas, mais que as cachoeiras ao longo do caminho tem algumas atividades radicais. A primeira que paramos e menos radical é tipo umas gaiolas (tem um nome para elas, mas não consigo me lembrar) que, presas em cabos de aço, atravessam o vão em que passa o rio a muitos metros de altura. O Chiva fica esperando quem quiser ir (e voltar). Legalzinho.

 

Depois disso a segunda parada foi para quem queria fazer Canopy. O que é isso? É mais ou menos assim: a pessoa bem amarrada a um cabo de aço e "deitada" de barriga para baixo sai de um ponto x a uma certa altura e chega no ponto y, a uma altura bem mais baixa. Esse canopy era de mais de 1km de distância! O final era um pontinho amarelo, lá quase no chão do outro morro. Eu resolvi fazer!!! Enquanto me amarravam eu ía olhando os equipamentos. Mosquetões petlz! Bom sinal! Mas será que estavam sendo bem cuidados??? Cair lá de cima não estava nos planos. Enfim, lá fui eu "voar" pelos céus de Baños. No início a coisa vai bem rápido, depois foi diminuindo, diminuindo e... o que aconteceu? Parei no meio do caminho! Faltou peso para a gravidade me puxar até o final. Daí fiquei eu lá parada, no ar até que o pessoal se organizava de fazer chegar um cabo até mim para poderem me puxar. Que paródia! Eu lá praticamente de cabeça para baixo.

Não foi a melhor sensação do mundo. Mas ok. Chegou o cabo, segurei ele e me puxaram até o final. Quando cheguei no ponto Y o responsável lá estava todo preocupado perguntando se eu estava bem e coisa e tal porque as pessoas costumavam passar mal quando paravam no meio (quanto tinha muito vento contra).

Daí eu ainda tinha que subir toda altura do morro a pé por uma trilha. Mas tudo certo isso era piadinha perto do que viria mais adiante.

 

A próxima parada foi junto a duas pontes paralelas, onde eles fazem aquilo que chamam de "puenting" que é tipo um bung jump mas com o cabo preso na ponte que está do lado. Daí a pessoa se joga e fica balançando como um pêndulo. Nesse não fui, mas outros dois guris que estava na minha Chiva foram. Totalmente radical!

 

A última parada é para descer uma trilha que leva à cascata maior e onde se pode chegar até a base e tomar banho se quiser. Quando começamos a descer a trilha estava uma chuvinha fina que não incomodava muito. Mas logo percebemos que a "trilha" não era tão simples assim. As pessoas que estavam voltando estavam muito cansadas. Mas fomos descendo... descendo... descendo... chegando lá a cascata era mesmo linda. Mais de 100m de queda em duas partes. Pena que minha bateria acabou e não consegui tirar mais fotos. Depois para subir foi um parto. Muito forte a subida, nem se compara com o Caracol de Gramado, muito pior! A sorte é que nessa subida de volta o tempo tinha fechado de vez e estava chovendo o que aliviava um pouco o calor e suor ao subir. Em seguida retornamos a baños.

 

E agora vou dormir que amanhã se o dia estiver bonito (espero que sim!) vai ter mais coisas para fazer!

 

Bus Tena-baños - 4,00

Hostal Chimenea - 9,50

Tour em Chiva - 5,00

Almoço - 0,80

Picolé - 0,75

Gaiola - 1,50

Canopy - 13,00

Janta - 8,40

Total - 42,95

 

20120120001856.JPG

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
LuizaDC    0

Hoje o dia amanheceu totalmente nublado e com vento forte e friozinho. Fiquei preguiçosamente na cama até quase às 10h da manhã, só vendo as nuvens passarem encobrindo a paisagem que tinha da minha cama. Meu plano era se o dia melhorasse muito fazer rafting, se o dia melhorasse um pouco fazer uma cavalgada pela região e dependendo das nuvens ver o Tungurahua.

 

O tempo não melhorou quase nada, mas como não queria perder o dia "fazendo nada" fui na agencia de qualquer forma reservar um passeio a cavalo que durava 3h. Eu já tinha andado de cavalo 1 vez antes (em um acamps lá em São José dos Ausentes) há uns 10 anos isso.

Eu fiquei um pouco ansiosa no inicio, mas quando percebi que meu cavalo era MUITO obediente fiquei mais tranquila.

 

O passeio foi bem legal, era só eu e meus dois "guias" um guri de 14 anos e outro que deveria ter uns 8.

O cenário é sempre muito bonito. Passamos por uma fonte de água mineral natural... isso, uma vertente natural de água com bolinha. Eu provei e tinha o mesmo gosto ruim destas industrializadas.

 

Depois chegamos no lugar de onde deveríamos ver o vulcão isso, se não estivesse super nublado para aquelas bandas. Nada de vulcão!!! É inacreditável que vim até Baños e não vou ver o Tungurahua!!! Eu tinha planejado fazer um tour noturno em Chiva que leva até um ponto de onde se poderia ver o vulcão em atividade de noite, mas me disseram que há uns 6 meses que o vulcão não solta nada, está quietinho demais. Que saco! Não dá para apertar o interruptor e simplesmente "ligar" o vulcão??? Já vi que minha próxima viagem vai ter que ser para a Costa Rica, onde os vulcões estão mesmo ligados!

 

Enfim, o passeio foi bonito e agradável mas a verdade inevitável é que minha bunda e minhas coxas estão super doloridas. Eu já sabia que isso ía acontecer, não tinha como evitar. Espero que passe logo!

Da próxima vez, só se tiver pelego na sela. Ah... e aquele negócio onde a gente coloca o pé (não lembro o nome) também ficava me machucando na canela o tempo inteiro!!! Estou com um roxão em cada canela.

 

Depois que cheguei do passeio fui conhecer a basílica da cidade que até então eu só tinha visto por fora. É lindíssima por dentro! Nas paredes há pinturas dos milagres concedidos pela Nossa Senhora da Água Santa, que é a que protege a região e as pessoas aqui são super devotas dessa virgem. Fiz igual a todo mundo, me comprei uma vela verde e fiz um pedido para a Santa. Algo muito simples: "Que tudo ocorra bem até o final da viagem". Minha vela ficou lá queimando. Tomara que a Santa tenha ouvido.

 

A ideia depois era ir para as Termas de Baños, são as termas com efeitos medicinais que deram o nome à cidade. Mas quando cheguei estava praticamente lotado!!! Eu nem cabia nas piscinas. Enfim... como um dos meus objetivos aqui no Equador é ir às termas, deixei isso para amanhã de manhã (aqui no guia da LP diz que de manhã as termas estão vazias, espero que esteja correto!)

 

Enfim... Espero que amanhã dê tudo certo e eu possa ir às termas de manhã e depois partir rumo a Latacunga!

 

Hostal Chimenea - 9,50

Passeio em Cavalos - 24,00

Tarabita e fanta - 1,50

água - 0,85

Vela - 0,35

Fita cabeça - 3,00

Imas 3,00

Total - 42,20

 

20120120002458.JPG

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
LuizaDC    0

Hoje de manhã acordei e fui para as termas. Quando cheguei lá (na verdade é praticamente do lado do hotel) adivinhem: lotado!

Bom, mas dessa vez resolvi ficar de qualquer jeito. Eram três piscinas, uma fria (vazia), uma grande e morna (super cheia) e a terceira era pelando e meio vazia também.

 

Fui de cara para essa mais quente de todas, a 42ºC, que tinha só umas pessoas mais idosas sentadas na borda. A quentura era quase insuportável. E não é daquele tipo que se vai acostumando. Quando mais tempo se fica mais dói. Dói mesmo. Daí fiquei observando ao redor. Os pais vinham trazer as crianças para essa piscina e elas não aguentavam colocar nem o pezinho enquanto as pessoas mais velhas entravam mais tranquilamente. Parece até que existe uma resistência ao calor proporcionalmente relacionada à idade da pessoa. Quanto mais velho mais suporta a água quente. Será mesmo???

 

Eu por muito tempo fiquei sentada na borda só com os pés e as pernas na água. Mas observando as pessoas e ouvindo a conversas dos outros logo descobri que a maioria das pessoas que estava ali na mais quente estavam fazendo alguma espécie de tratamento. E todas tinham que fazer um mesmo procedimento que era ficar um tempo x na água quente (essa de 42ºC) e depois tinham que ir para um chuveiro geladíssimo da água que vinha direto da cachoeira que tem ali do lado. Elas comentavam que depois da água gelara ficava mais fácil entrar na quente. O negócio era ficar abrindo e fechando os poros.

Algumas tinham que ir na piscina todos os dias por um numero x de tempo para “completar o tratamento”. E tinha umas pessoas que pareciam ter uns 100 anos lá. Pessoas que mal conseguiam andar sozinhas ficavam indo da água quente para a fria com a ajuda de filhos e netos. Muy interessante.

 

Fiquei uma meia hora observando as pessoas irem da água quente para a fria, antes de ter coragem de fazer eu mesma. Mas fui! Entrei até os ombros na água quente, fiquei dois minutos e saí direto para o chuveiro gelado!!! E voltei correndo para a água quente. Repeti o processo três vezes. Até tirei foto porque achei que não acreditariam que fiz isso. Tá, na verdade tirei foto porque eu mesma não acreditaria que fiz isso se não houvesse um registro.

 

Quando estava perto das 11h fui embora, porque precisava arrumas a mochila e fazer o check-out. Decidi inclusive não tomar banho de pois do banho nas termas para que os tais minerais que tudo curam ficassem pela minha pele.

 

Feita a mochila, fui até a estação e peguei um bus para Latacunga, meu próximo destino.

Latacunga é a cidade base para dois passeios principais, conhecer a Laguna Quilotoa (no extinto vulcão de mesmo nome) e para ir ao Vulcão Cotopaxi, o vulcão ativo mais alto do Equador. Ele é um dos cartões postais do país. Muitas pessoas vem ao Equador só para subir até o cume. Não é necessária grande experiência para chegar lá, só o que precisa é: dinheiro (U$170), estar aclimatado, ter bom preparo físico e ter sorte para que faça bomtempo. Desta vez o que vai me impedir de subir é o preparo físico e a grana. U$170 equivalem para mim a uns 4 dias de viagem. Mas de qualquer forma vou até lá. Até o início da geleira!

 

Enfim... cheguei e vim direto para o Hostel Tiana para fazer o check-in e largar as coisas e sair para conhecer a cidade. Esse hostel é ótimo, super bem localizado, todo arrumadinho, limpinho, decoradinho, com cozinha, espaço comum para os hóspedes, vários banheiros (com águe quente) e um terraço com vista para o Cotopaxi!

 

Para amanhã já reservei o tour para a Laguna Quilotoa. Dá para ir sozinho e fazer por conta e sai mais barato (é claro). Mas gostei muito do roteirinho do tour que vai me permitir conhecer outros lugares que sozinha não daria. Pelo custo benefício, vai acho que esse tour vale a pena. Parece que iremos eu, 4 italianos e 1 inglês. Um grupinho pequeno, o que é bom tbm. Quinta feira daí vou agendar para ir ao Cotopaxi. Agora é rezar que São Pedro tire as nuvens do meu caminho!

 

 

Termas - 2,00

Bus Baños-Latacunga - 2,00

Taxi - 1,00

Hostal Tiana - 9,00

Mercado (fanta e yogurt) - 1,25

pãozinho - 0,10

Total - 15,35

 

20120120002945.JPG

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
LuizaDC    0

Na minha cama maravilhosa, no meu quarto compartilhado onde ninguém roncava, dormi muito bem fora o fato de que às 6h da matina meu relógio biológico me acordou e me mandou ir tirar uma todo do Cotopaxi ao amanhecer. Algo me dizia que não estaria encoberto. Fui lá no terraço, tirei várias fotos e voltei para a cama. O tour para a Laguna Quilotoa saía às 8h30, mas às 7h todos já estavam acordados tomando café.

 

O grupinho para o passeio era só de hóspedes da hostel, assim que dois deles eu já conhecia (eram do meu quarto). Éramos 4 italianos (uma família, pai, mãe e dois filhos), o Paul (americano) e a Sara (Australiana) e eu. Passei o dia falando espanhol misturado com inglês e fazendo as vezes de tradutora do Paul e da Sara.

 

A estrada que leva à laguna é muito sinuosa, mas com umas paisagens divinas. E fomos premiados com uma manhã com poucas nuvens, deu para tirar umas fotos do Cotopaxi, dos Ilinizas (outro vulcão, com dois cumes: norte e sul) e até deu para ver de longe o Tungurahua que tinha ficado escondido durante a minha estada em Baños.

 

No caminho passamos por uma “chonca“ (não sei se é assim que se escreve) que é a casa onde os indígenas (alguns) ainda moram (tipo uma oca). Passamos também pela Cusco Equatoriana, que na verdade é uma montanha com o formato muito parecido do de cusco, e também por um artesanato onde os índios fazem pinturas, não comprei nada, quer dizer comprei um postal.

 

Seguimos e a para seguinte já às 11h era a beira da Quilotoa. Então fomos fazer o que tínhamos vindo fazer descer até a laguna. A vista do lugar é impressionante! Não vou descrever... olhem as fotos logo abaixo. A descida é bem fácil até o que atrapalha é que a trilha é feita pela areia e tem muito vento no lugar. O que faz com que seja indispensável óculos para proteger os olhos e muita fome de areia... por que não há como evitar. É necessário comer areia para chegar até lá embaixo. O cabelo também, vai ficando que é uma maravilha de tanta areia, o meu parecia mais como uma palha mesmo. E em baños eu tinha comprado uma fita para colocar no cabelo para proteger a cabeça do sol. Isso foi minha salvação para os cabelos mais curtos.

 

Na descida, desviamos um pouco nossa rota do caminho principal para observar umas fontes de gás natural que saem de um veio de uma rocha e também da água. Depois chegamos lá em baixo. Parada para descanso e para deleite dos olhos para com a paisagem.

 

Bueno... a volta ainda nos esperava. Morro acima e a 4.000 m.a.n.m. nenhum santo ajuda! O casal de italianos alugou lá em baixo uns cavalos que carregam as pessoas para cima, mas eu, quis ir com meus próprios pés: “eu desço, eu subo!” Bem ingênua era eu! A cada 20m me faltava ar! Só que eu tinha que subir 300m em um percurso de cerca de 1km. Se tivesse sido na altura do nível do mar já teria sido meio duro, mas o que me matou mesmo foi a altitude. Eu precisava de muito mais ar do que a quantidade que me estava sendo oferecida no momento.

 

Enfim... não há o que fazer, só subir. Fiquei para trás de todos um dos guias foi comigo, no meu ritmo. Pode-se dizer que deve ter sido o maior esforço que já fiz... mas depois de 1h30 estávamos de volta ao topo!!! Affff.....nem acreditei! Fui e voltei com meus dos pezinhos!

 

Quando cheguei lá em cima, nem acreditei. Todo grupo já estava lá em cima, começando a comer o almoço, que nos estava esperando em um restaurante na borda da cratera, na parte de cima.

 

Depois de toda essa loucura de hoje o plano para amanhã era subir o Cotopaxi. O guia falou que a dificuldade é mais ou menos a mesma. Só que é mais alto ainda e a caminhada é um pouco mais curta. A ver... Mas como amanhã náo vai ter tour para lá, vou ir a uma cidade aqui próxima e vou para o Cotopaxi na sexta, daí já vou estar mais descansada... Enfim, se eu achar que não dá para chegar até a geleira, espero o grupo no refúgio. Eu não vim até aqui para não colocar os pés no Cotopaxi, isso é certo.

 

Enfim... se eu quisesse conforto tinha ficado em casa, deitada na minha caminha maravilhosa em Porto Alegre...

 

Hostal Tiana 9,00

Passeio para Quilotoa - 40,00

Entrada no parque - 2,00

Sorvete - 0,75

Pen Drive - 10,00

Pizza - 6,00

Total: 67,75

 

20120120003606.JPG

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
LuizaDC    0

Todas as quintas feiras acontece um mercado muito tradicional em uma cidadezinha aqui perto chamada Saquisilí. Como tínhamos o dia livre fomos eu e a Sarah para conhecer o mercado. Era interesante, mas nada muito diferente do que já tínhamos visto em Otavalo (ambas inhamos estado lá).

 

Além da feira de artesanatos, havia também uuma feira de comidas onde inclusive se vendia animais vivos (galinhas e patos).

 

Minha ideia era nao gastar dinheiro, mas encontrei umas coisas ótimas e acabei fazendo umas comprinhas para mim e também alguns recuerdos para algumas pessoas. :)

 

Ficamos pouco tempo na feira, demos uma olhada geral e antes de voltarmos para Latacunga ouvimos uma música e fomos atrás ver o que era. A prefeitura estava organizando um evento com uma feira com artesanatos locais e apresentaçoes de danças típicas. Ficamos lá para observar.

Foi líndissimo! Vimos uma dança do povo de Otavalo e outra do de Saquisili mesmo. Valeu mais que o passeio para o mercado!!! As roupas todas coloridad sao impressionantes.

 

Depois voltamos para o hostel. Passei o resto do dia bem relax pelo hostel e reorganizando a viagem.

 

De noite sai para jantar com a Sarah e mais dois Austríacos. A Bridget (austríaca) já tinha estado em Puerto Lopez, para onde vou depois de Cuenca e me deu várias dicas quentes. Ótimo!

 

Amanha, rumo a Cuenca. Mudei o plano de ir primeiro para as praias por que a Bridget me disse que nos finais de semana Puerto Lopez fica entopida de turistas (lembrando que aqui agora as crianças estao em férias escolares),e daí tem filas para tudo... enfim, melhor chegar lá na segunda feira.

 

Hostal Tiana - 9,25

Taxi + Bus + Taxi - 3,00

Quadrinhos - 30,00

Copo - 2,00

Yougurte - 0,50

Sorvete - 0,70

Janta (taco) - 1,90

Total: 47,60

 

20120120004100.JPG

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
LuizaDC    0

Como ainda estava com as pernas um pouco doloridas (da subida do Quilotoa), resolvi reorganizar o itinerário e partir logo para Cuenca e fazer o passeio ao Cotopaxi na volta para Quito, no final da viagem.

 

Então, depois de 9h viajando de Latacunga até Cuenca... finalmente cheguei.

 

Eu sabia que a viagem seria longa, mas não imaginei que seria tão bonita!

Começamos com um belíssimo dia de sol e vulcões formando a paisagem dos dois lados da rodovia

Passamos por muitas pequenas vilas onde se via os índios trabalhando nas plantações próximas à estradas...

O tempo começou a fechar, e as nuvens, muito baixas, começaram a cruzar o caminho e a trazer junto uma chuva fina.

Ovelhas, vacas, cabras, cavalos e índios com roupas multicoloridas caminhavam pelo acostamento da estrada.

No final do dia o sol brilhou no horizonte entrando por debaixo das nuvens negras fazendo a grama molhada brilhar e formando um belíssimo arco-íris.

Cheguei em Cuenca de noite já, peguei um taxi e vim para um hostel onde estou em um quarto compartilhado, no qual sou a unica pessoa!

 

Pena que não tirei fotos durante o dia.

Não tirei porque sei que essas fotos dentro do ônibus em movimento nunca ficam muito boas...

 

Amanhã o objetivo é conhecer Cuenca, que é uma das 4 maiores cidades do Equador.

 

Hostal - 7,00

Taxi - 1,00

Bus Latacunga-Cuenca - 9,00

Comida estrada - 1,25

Bolsinha - 1,00

Uvas - 1,00

Total - 20,25

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
LuizaDC    0

Hoje o objetivo era conhecer Cuenca.

 

Cuenca é a 3 maior cidade o Equador, com cerca de 350.000 habitantes. É bonita, rica e limpa! Muito diferente da maioria das cidades Equatorianas.

Cuenca foi fundada em 1557 e preserva no principalmente no centro histórico a arquitetura colonial. Em vários momentos eu poderia tranquilamente tirar uma foto e dizer que é um lugar na Espanha. As características estão realmente preservadas.

Na verdade seu valor histórico é tal que foi tombada como Patrimônio Cultural da Humanidade pela Unesco.

 

Enfim... acordei e tratei de resolver algumas coisas práticas como levar as roupas em uma lavanderia e reservar o passeio de Ingapirca para domingo. Tudo resolvido fui caminhar pela cidade.

 

A primeira parada foi o Parque Calderón, que na verdade é a praça central da cidade, onde fica o governo, as catedrais e outros prédios importantes. Sim, Cuenca tem duas catedrais a velha (de 1.767), e a nova (de 1.880). Essas são apenas 2 das mais de 40 igrejas que a cidade possui. Na parte central da cidade tem mais ou menos uma igreja a cada 2 ou 3 quadras.

 

Na minha caminhada descobri que Cuenca tem um desses ônibus turísticos de 2 andares. Achei uma ótima ideia para conhecer um pouco além do centro e para saber um pouco mais sobre as cidade e os prédios. Só "olhar" às vezes é pouco. O ônibus também levava para uma parte alta da cidade mais afastada do centro, de onde se poderia ter uma vista geral da cidade (sempre gosto disso).

 

Depois de ter caminhado por praticamente toda parte central da cidade e tirado um montão de fotos, fui almoçar e depois fui para a praça central fazer hora para o horário do bus (que saía às 3h). Essa praça é super bonita, limpa e segura. Cheia de turistas (equatorianos e extrangeiros) caminhando tranquilamente, brincando com as crianças, tomando sorvete, tirando fotos, filmando. Super tranquilo.

 

No coreto da praça estava tendo umas músicas de um evento que um partido político tinha organizado para alguma coisa que não entendi muito bem o que era. Ía ter alguma votação e estavam recolhendo assinaturas, me parece. E a maneira de ele chamarem a atenção era com música. Eu estava sentada num banco, na sombra, vendo o movimento e ouvindo as músicas à distância. Mas quando ele anunciou que ía ter umas danças fui lá para ver mais de perto. Foi muito bonito, com roupas coloridas, como já era de se esperar.

 

Logo já estava na hora de pegar o Bus Turístico. O passeio de 1h45, por acessíveis U$5, foi bem além das expectativas. Super bom, com explicações sobre os prédios, sobre a história, a geografia e a cultura da cidade, bem o que eu queria... Valeu! E nem o Guia da LP, nem o do O Viajante tinham esse passeio...

 

Hostal - 7,00

Café - 1,80

Bus Turístico - 5,00

Almoço - 2,40

Lavanderia - 1,60

Leite e Yougurte - 3,00

Total - 20,80

 

20120120004859.JPG

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
LuizaDC    0

O tour para conhecer a as Ruínas de Ingapirca saía às 8h15 da matina. No horário combinado estava eu no local onde o o guia deveria passar com a Van para me pegar. Eramos 8 pessoas, uma família de Quito, um casal de Italianos e eu (foi uma misturança de espanhol e italiano que eu já nem sabia mais que língua falava. Começava a frase em espanhol e terminava em italiano, uma confusão generalizada na qual todos se entendiam)

 

O roteiro era o seguinte: Sair de Cuenca, passar por Azogues, fazer uma parada em Biblián para conhecer Santuário da Virgem de Rocío, outra parada em Cañar para conhecer o mercado e depois seguir para o Sitio Arqueológico de Ingapirca.

 

No início do dia estava meio nublado e passamos quase reto por azogues, com uma rápida parada para mirar a belíssima igreja da cidade. Mas como estava meio choviscando e distante não tive ganas de tirar uma foto. Fiquei sem esse registro.

 

De aí fomos para Biblián, que é um cidadezinha pequena que possui, no alto de um morro, o Belíssimo Santuário a Virgen del Rocío. O lugar é único porque além de parecer algum castelo medieval da Europa, as suas paredes são a própria rocha do local onde ele foi construído. Esse santuário foi construído em homenagem à Virgem de Rocío que segundo a população fez chover depois de um longuíssimo período de seca (eu achava que esse negócio de chuva era com São Pedro, mas parece que ele não é o único... ou a Rocío mantém um bom relacionamento com o São Pedro... ela intercedeu pela população e ficou com os créditos e com o belíssimo santuário).

 

A parada seguinte era no mega-bagunçado\sujo\totalmente-equatoriano Mercado da Cidade de Cañar. Se vende de tudo panela, sapato, agulhas, controles remotos, papel higiênico, tudo... e frutas... muitas frutas! Algumas bem diferentes. Em uma outra parte da cidade também tem um mercado de animais. Os bichinhos ficam ali esperando para serem comprados e devorados. E triste saber que o fim deles está tão próximo e eles nem imaginam... Patos, galinhas, coelhos e cuy (porquinhos da índia, que são um prato típico de vários países da América do Sul). Caminhamos por todo mercado e seguimos caminho para nosso objetivo principal: as Ruínas!

 

Chegamos em Ingapirca pelas 12h. Foi ótimo que tínhamos nosso próprio guia e éramos apenas 8 pessoas. Quem não vai com guia tem que ficar esperando o horário dos tours guiados, que são com umas 20 pessoas! Muito ruim. Nosso pequeno grupo foi ótimo, até porque o guia era realmente bom, sabia do que estava falando.

 

Bom... mas antes de entrar mais a fundo é preciso contar resumidamente uma história:

 

Era uma vez um império Inca enorme, mas eles não estavam contentes. Queriam mais território (algo pouco criativo que vem se repetindo constantemente na história da humanidade). O território que eles queriam pertencia a um outro povo: os Cañaris, que era um sociedade matriarcal que tinha uma rainha e eram grandes guerreiros e conhecedores da astronomia. Assim que um dia em foi travada uma grande guerra no qual os Canãris venceram e os Incas perderam. Mas os Cañaris eram um povo menor que sofreu grandes perdas durante a guerra e ao saberem que os Incas provocariam outra batalha com mais reforços vindos de Cuzco a rainha Cañar propôs um acordo e não houve guerra. Nesta ocasião foi construída Ingapirca, na época o mais importante tempo de adoração ao sol no norte do Império Inca. Junto ao templo havia um povoado onde Cañaris conviviam com os Incas, cada um mantendo suas próprias tradições. Os Cañari adoravam a Lua (com seu ciclo de 28 dias, assim como o ciclo das mulheres) e os Incas o Sol. Mas essa convivência pacífica durou apenas alguns anos. Isso é o resumo do resumo da história.

 

Enfim... As ruínas de Ingapirca são o mais importante vestígio do império Inca no Equador. O que existe hoje para ser visitado é bem impressionante (claro, não comparando com Machu Picchu). Se imagina que há muito mais para ser escavado na região, só há um problema: não há dinheiro para financiar as escavações. Para se ter uma ideia, as ruínas estão protegidas e abertas ao público a cerca de 15 anos. Antes disso os habitantes do local, ignorando a origem das construções, usavam as pedras (muitas trazidas de cuzco, não se sabe como) para construir suas próprias casas.

 

Detalhes sobre o sitio arqueológico podem ser vistos direto no álbum onde cada foto tem sua legenda explicativa. A visita às ruínas é repleta de informações sobre história e cultura. Muito interessante e além das expectativas.

 

Ao final o almoço em um restaurante da região foi outro ponto alto, limpo e organizado, me senti na argentina. E cheguei à seguinte conclusão: Truta é o peixe que eu mais gosto mesmo! Não há mais dúvidas!

 

Depois de comer além daquilo que meu corpinho está acostumado (é feio comer só a metade nessas ocasiões) voltei me sentindo uma bola estufada dentro da van. O tour chegou em Cuenca de tardezinha. Saí para caminhar um pouco mas estava tudo tão, tão deserto (domingo fim de dia) que fiquei meio apreensiva. Comprei um sorvete e vim para o hostal organizar tudo para fazer o check-out amanhã bem cedo.

 

Próximo destino? Sol, mar e areia... Amanhã estarei em Puerto Lopez!

 

Hostal - 7,00

Passeio Ingapirca - 45,00

Entrada Parque - 6,00

Água e batata - 2,00

Canetas - 5,00

Suco tomate - 2,00

Sorvete - 0,60

Total: 67,60

 

20120120005627.JPG

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
LuizaDC    0

Sai de manhã do hostel e peguei um taxi para chegar no terminal de bus. Perguntei para taxista qual era a empresa mais segura para se chegar a Guayaquil...

 

[Quanto mais se viaja pelo Equador, menos se quer passar por Guayaquil. A última que eu tinha ouvido era de uma senhora de Quito que dizia que queria passar a vida sem colocar os pés em Quayaquil. Todo mundo tem uma história ruim para contar da cidade, roubos, assaltos e assassinatos, é impressionante. Pensei que tudo que eu precisava era chegar viva e sem assaltos. Sim, há também histórias de ônibus que são assaltados quando vão para Guayaquil ou quando saem da cidade...]

 

Enfim o taxista me disse que tinha uma empresa que levava as pessoas de Van de Cuenca a Quayaquil, direto, pelo caminho mais curto, ninguém entra, ninguém sai antes de chegar na cidade. Perfeito! Paguei mais e não me arrependo. Fui em uma van, totalmente confortável e segura e a viagem demorou uma hora a menos do que a de bus comum, que vai parando o tempo inteiro (em geral todos os ônibus do Equador são pinga-pinga).

 

Cheguei em Guayaquil viva e, na estação de bus (que é tbm um shopping) comprei minha passagem para Puerto Lopez.

 

A viagem foi bem tranquila!!! Demorada, com miles de pessoas entrando e saindo (como de costume) mas tudo certo. Sem ameaças.

 

Em Puerto Lopez vim direto para meu hostel, que é bem bonzinho. Tenho um quarto só meu, com banheiro, só meu, com água quente, TV a CABO no quarto!!! Ainda me deram toalha, cobertor e sabonetinhos!!! Que luxo! E tem internet free (que não funciona muito bem no meu quarto, mas ok).

 

Depois de instalada saí para caminhar, fazer umas compras no super e o mais importante reservar meu passeio para amanhã.

 

Amanhã vai ser: passeio de barco para ver as baleias, parada na Isla de la Plata (a tal Galápagos dos Pobres) para ver animais e aves e encerrando o dia com um mergulho. O dia promete!

 

Taxi - 2,00

Van Cuenca-Guayaquil - 12,00

Taxi - 1,50

Bus Guayaquil-Puerto Lopez - 4,25

Cocada - 1,00

Hostal Izucam - 10,00

Taxi - 2,00

Massa - 1,25

Super - 4,00

Tomate + Celoba - 1,00

Total - 39,00

 

20120120010224.JPG

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
LuizaDC    0

O passeio para a Isla de la Plata só saía às 9h, mas acordei bem mais cedo por culpa de um galo que cantava aqui do lado do hostel. O fato é que na minha rotina em Porto Alegre galos não cantam... na verdade não há galos. Mas não fiquei braba com ele por ter me despertado antes do tempo. Fiquei muito mais chateada com o São Pedro quando abri a porta do meu quarto e vi que o dia estava feio e caia uma chuvinha fina. Bueno... azar.

 

Na verdade ontem conversando com o cara aqui do hostal ele me disse que tem sido assim todos os dias, fechado e com uma chuvinha fina, às vezes. Que nessa época é sempre assim. Hum... bem que essa informação podia estar melhor difundida! Vim para cá pela praia e sol e não tem sol...

 

Bom fui para a agência encontrar o pessoal do passeio. Era eu, mais uns 12 alemães e uma família do País Basco. A primeira coisa que o guia disse é que estava chovendo aqui no continente mas à medida que nos afastássemos do continente o tempo ía melhorar e quem sabe até teria sol na Isla de la Plata.

 

O Plano era ir em direção à Ilha (que fica bem longinho do continente) e no caminho parar para mirar as ballenas. Chegando na ilha fazer uma caminhada para observar os animais e na volta o snorkel (e talvez mais ballenas!).

 

Não muito distante da costa já tinha uma família delas. As baleias que vem por essas bandas são as Jubarte (humpback whale), as mesmas que estão no litoral do Brasil nessa época (claro, claro... não as mesmas, mas da mesma espécie! vcs entenderam!) Tem Orcas que passam por aqui também, mas normalmente não se vê elas. Disse o guia que em 20 anos viu apenas 2 vezes.

 

Enfim as fotos das baleias foram um fracasso total! Toda vez que elas saíam da água eu tentava tirar uma foto, mas como minha máquina demora um pouco, quando batia a foto a baleia estava na água já. Depois de isso acontecer algumas vezes revolvi filmar! Há-há! Daí sim! Fiz uns filmezinhos legais e depois extraí algumas fotos deles.

 

Baleias lindas e maravilhosas partimos rumo à Isla de la Plata, tem várias teorias para o nome da Ilha, inclusive que os Incas, que utilizavam a ilha para sacrifícios e outras coisas, teriam escondido tesouros aqui (mas os Incas navegavam? Pois é, parece que sim). Piratas também teriam escondido seus tesouros aqui... Enfim há também outras teorias.

 

A Isla de la Plata pertence ao Parque Nacional Machalilla e (atualmente) tudo nela é super controlado. Existem algumas trilhas, que só podem ser feitas com guias e há também um número máximo de pessoas em cada uma. Me livrei dos alemães (nada contra, mas como eles não falavam espanhol tudo tinha que ser traduzido para alemão pelo seu próprio guia e isso era um saco, tudo era devagar). Fiquei com a família do país Basco e casal de alemães que não estava com aquele grupo e falavam Espanhol. Durante a caminhada, de cerca de 2h, vimos vários tipos de aves! O guia, com muitas informações e conhecimento sobre a fauna e a flora ía explicando tudo. Foi realmente muito bom!

 

De volta ao barco recebemos nosso lanche\almoço era frutas (melancia, abacaxi e banana) e dois mini-sanduiches. Para mim estava ótimo o almoço, mas meio mal programado pois a atividade seguinte era o mergulho (snorkel). Tipo assim acaba de engolir e entra na água! Péssima ideia!

Bom eu fui... mas depois de 5 min voltei para o barco! 1º a visibilidade não estava boa, na verdade estava bem turvo e 2º óbvio que comer e entrar na água 1 min depois não ía fazer bem! Quando eu era criança o meu Vô me mandava esperar 2h para fazer a digestão antes de entrar na água. Não sei quem teve essa ideia de giríco. Os sanduiches tinham que ser entregues antes da caminhada. Não que eu tenha passado mal... Mas comecei a me sentir meio estranha na água com toda aquela comida no estômago... e voltei para o barco.

 

Na verdade nos 5 minutos que eu fiquei na água acho que vi tudo que tinha por ali, vários peixes coloridos e também desses de comer, caranguejos, algas... enfim. A visibilidade estava mesmo ruim.

 

Na volta do passeio o guia deixou eu ir na parte de cima do barco (que na verdade era proibido)! Foi ótimo! Ventão na cara e curtindo o balanço do mar em umas ondas mega-gigantes!!! Vimos mais baleias na volta, mas como minha máquina estava guardada não tirei mais nenhuma foto.

 

De volta ao hostal... banho quente, organizar as informações, comer e dormir.

Amanhã? Não sei, vai depender de como amanhecer o dia.

 

Hostal Izucam - 10,00

Passeio - 45,00

Total - 55,00

 

20120120010546.JPG

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
LuizaDC    0

Pois então... o dia novamente amanheceu feio e com chuva. Fui tomar um café da manhã em um hotelzinho na beira da praia e logo percebi que os barcos de pesca estavam descarregando os pescados e passando para os caminhões. Fui lá ver mais de perto.

 

Os peixes (como é de se esperar) atraem muitas aves que ficam por ali esperando uma oportunidade de fazer uma boquinha. A maioria eram fragatas, mas havia também alguns piqueiros (atobás) e pelicanos. Vejam os filmezinhos especialmente o das Fragatas roubando os pescados direto das cestas dos pescadores.

 

Eu particularmente adoro pelicanos!!! Mesmo! Parecem aves pré-históricas saídas direto do Jurassic Park. São grandes, imponentes, com aquele fico enorme.

 

Enfim... O tempo não melhorou muito mas parou de chover durante o dia então fui para a praia. Não tomar sol, nem nada. Mas curtir o movimento... movimento das pessoas caminhando, dos barcos indo e vindo, das aves e das centenas de caranguejos que me cercavam (que bichos divertidos esses!) Bem tranquila, sentada na areia deixei o dia passar tranquilamente. Sem pressa.

 

Depois fui no super fazer compras básicas. E voltei para a beira da praia, mas agora com outros objetivos: jantar. Todos restaurantes aqui servem frutos do mar. Escolhi um agradável (dentro dos padrões equatorianos) e pedi um prato de camarões fritos! Comi tudo. Assim que saí do restaurante atravessei a rua para tirar uma bela foto do horizonte laranja e para minha surpresa em seguida apareceu no horizonte uma bola de fogo fazendo seu tradicional caminho rumo ao oeste. A passagem do sol pela pequena linha no horizonte onde não havia nuvens já valeu ter ficado mais esse dia por aqui. Lindo.

 

Enfim... a previsão para amanhã é um dia bonito então resolvi dar mais uma chance para São Pedro. Se amanhecer sem chuva cedinho vou para uma praia que tem próxima daqui que se chama Los Frailes e é considerada uma das mais bonitas do Equador. Na verdade são três praias e estão todas dentro do Parque Nacional Machalilla (o mesmo que protege a Isla de la Plata). A ideia é ir para o parque, fazer a trilha, voltar para o hostal tomar banho e seguir viagem para Manta e chegar em Bahía Caráquez ainda amanhã (antes de escurecer).

 

Espero que dê tudo certo!

 

Hostal Izucam - 10,00

Café Manhã - 1,50

Lavanderia - 4,00

Super - 7,42

Jantar Camaroes - 6,50

Recuerdos - 4,00

Total: 33,42

 

20120120011345.JPG

20120120011400.JPG

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
LuizaDC    0

Depois de fazer baldeação em 4 cidades, finalmente cheguei no meu destino: Bahía Caráquez.

Fui então procurar um lugar para ficar. Primeiro: lotado; segundo: lotado; terceiro: lotado; quarto: diária de U$90 (descartado); quinto: não havia ninguém; sexto: fechado; sétimo: sim temos vagas. “Ok, vou ficar”. Ao que me parece essa era a última opção da cidade.

 

O lugar era uma casa velha que foi transformada em um lugar para as pessoas passarem a noite (não tenho coragem de chamar de hotel). Também há pessoas que ainda moram aqui. Meu quarto tinha um cheiro de horrível de mofo, sem janelas e com paredes de gesso (ouvi todo o jornal que estava passando em algum quarto onde tinha TV). Tinha só uma tela para um quarto ao lado cheio de entulhos. No banheiro, para chegar no box tinha que passar por cima da patente. E só água gelada, é claro. O banheiro também estava sujo.Fui nosuper, comprei uma esponja e dei uma geral antes de utilizar.

 

Tinha uma cama de casal com um colchão de molas que fazia barulho toda vez que eu me mexia, então resolvi dormir na parte de baixo no beliche onde o colchão estava aceitável. Logo depois que deitei comecei a sentir calor fui acender a luz para trocar de blusa e passar um repelente nos braços.

 

Quem eu encontro me fazendo companhia? Um baratão enorme e marrom, bem no meio do quarto. Eu tinha certeza que uma casa velha e suja como essa devia ter baratas, só não esperava encontrar uma tão grande no meu quarto. O que os olhos não veem o coração não sente. Mas agora os meus olhos tinham visto e tudo que eu mais queria na vida era ir embora desse hotel. Mas para onde? Já era mais de meia noite! Sensatamente pensei que sair do hotel sem ter um lugar certo para onde ir, naquele horário era idiotice.

 

Enfim fiquei ali imóvel, olhando para ela. Quando me movimentei para pegar minhas havaianas ela correu para debaixo da minha cama (!) e se enfiou em uma fenda. Em baixo do meu quarto (dava para ver por entre as madeiras) tinha uma espécie de subsolo, que deve ser a casa das baratas.

 

Resolvi mudar para a cama da parte de cima do beliche (quanto mais longe do chão, melhor) e resolvi dormir de luz acesa.Coloquei o relógio para despertar às 7h30, para escovar os dentes fechar a mochila e tomar café da manhã (que começava às 8h). Sim, essa espelunca se auto-denominava (B&B: BedandBreakfest). Já que eu estava pagando inacreditáveis U$ 8,00 pelo menos faria valer o café da manhã. O negócio era me mandar dalí o mais rápido possível para um lugar o mais limpo possível.

 

Essa foi a pior parte de toda a viagem. Eu devia ter procurado mais ou devia ter pago os U$ 90 dólares para ficar no outro hotel de frente para o mar, limpo e sem baratas.

 

As pessoas que não me conhecem e leem isso devem estar pensando "que guria mais fresca".

Você só está pensando isso pq não viu o hotel. Só por isso. Pode crer.

 

Hostal BeB em Bahía - 8,00

Bus Pto Lopez - Jipijapa - 1,50

Bus Jipijapa - Manta - 1,30

Baño - 0,20

Bus Manta - Portoviejo - 0,80

Cocada - 0,25

Bus Portoviejo - Bahía - 2,00

Baño - 0,20

Taxi - 2,00

Super - 4,00

Sorvete - 3,75

Esponja - 0,45

Internet - 0,75

Total: 25,20

 

20120120011946.JPG

Editado por Visitante

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora




×