Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Vietnã - perguntas e respostas


Posts Recomendados

  • Membros

Olá!

 

Pretendo em JULHO fazer CINGAPURA (5 dias) - MALÁSIA (2 dias) - TAILÂNDIA (5 dias) - VIETNAM (3 ou 4 dias) Os dias são apenas especulações, podem sofrer alteração.

 

Sei que Julho caí no período de Monções, e mesmo não sendo o mês mais chuvoso estou com um pouco de receio de ir para a TAILÂNDIA e VIETNAM nesse período.

 

Gostaria de saber, principalmente se algum amigo aqui do blog já tenha ido nessa época, se as chuvas podem atrapalhar definitivamente a viagem, impossibilitando passeios e atividades.

 

Desde já agradeço!

Link para o post
Compartilhar em outros sites

  • Respostas 163
  • Criado
  • Última resposta

Mais Ativos no Tópico

  • Membros

Olá!

 

Pretendo em JULHO fazer CINGAPURA (5 dias) - MALÁSIA (2 dias) - TAILÂNDIA (5 dias) - VIETNAM (3 ou 4 dias) Os dias são apenas especulações, podem sofrer alteração.

 

Sei que Julho caí no período de Monções, e mesmo não sendo o mês mais chuvoso estou com um pouco de receio de ir para a TAILÂNDIA e VIETNAM nesse período.

 

Gostaria de saber, principalmente se algum amigo aqui do blog já tenha ido nessa época, se as chuvas podem atrapalhar definitivamente a viagem, impossibilitando passeios e atividades.

 

Desde já agradeço!

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Membros

Olá, Mateus, tudo bem? Na realidade, o mês de Julho não é dos piores em relação às monções. Na Tailândia, o período em que as monções estão piores são os meses de setembro e outubro. Então, não acho que isso deva ser uma grande preocupação no seu planejamento... Inclusive o site do Lonely Planet diz que os meses mais movimentados no turismo da região são, em primeiro lugar Janeiro / Fevereiro, e depois Julho / Agosto, devido às férias no hemisfério norte. Essas quatro meses são considerados de alta temporada.

 

Mas o que mais me chamou atenção no seu roteiro são os poucos dias que você reservou para a Tailândia e, principalmente, para o Vietnã. O Vietnã é um país incrível e com muitas atrações. Eu achei difícil montar um roteiro de 15 dias por lá, então eu imagino que,com 3 ou 4 dias, você não conseguirá visitar quase nada! Talvez seja melhor você optar por Tailândia ou Vietnã, e conhecer um país mais a fundo, do que dois países de forma corrida. Ou então troque o Vietnã pela Camboja, que é bem menor de você pode conhecer de forma menos corrida em 4 dias....

 

Bom, mas qq outra dúvida, é só escrever! Abraços!

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Membros

Muito obrigado Luiz! Então vou tocar ficha na viagem sem medo das chuvas.

 

Realmente, lendo os relatos do pessoal percebi que 5 dias é pouco na Tailândia, então fiz um novo planejamento para ficar pelo menos 9 dias. Vietnam não estava nos meus planos, mas resolvi dar uma passada por lá aproveitando que já estarei no Sudeste Asiático. Pretendo conhecer apenas o sul, a área mais ligada à Guerra, túneis, war museum etc. Visto que sou militar e me interesso por essa parte.

Mas vou considerar seu conselho, de repente escolho apenas um dos dois paises e conheço o outro em outra ocasião. Aproveitando, sou leitor do seu blog e ele tem me ajudado muito!

 

 

Valeu!

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Membros

Realmente, as atrações de Ho Chi Minh relacionadas à guerra são muito boas. Eu visitei os túneis e o museu da guerra e ambos foram muito marcantes - e com certeza recomendo uma visita, principalmente para você que se interessa pelo tema. São lugares impressionantes e chocantes, até.

 

Já que você curte essa questão da guerra, pode tentar um roteiro do tipo: Bangkok (3 dias) e Tailândia (ilhas ou norte do país) - Siem Reap (2) - Phnom Penh (2) - Ho Chi Min (3).

 

Em Phnom Penh, capital do Camboja, existem muitas atrações ligadas ao Khmer Vermelho, que pode te interessar - é até mais chocante que as atrações da Guerra do Vietnã. E Siem Reap tem o Angkor Wat, que é imperdível. Quem sabe é uma boa?

 

Ah, obrigado pela visita ao Cruzando Fronteiras e apareça sempre por lá! E, qualquer outra dúvida ou pergunta, é só escrever por aqui ou pelo blog!

 

Abraços!

 

Luiz

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • 1 mês depois...
  • Membros

Fala Luiz,

 

Abusando da sua boa vontade, estou tentando fazer um roteiro de duas semanas pelo Vietnã e Tailândia.

 

Lendo os seus comentários e suas respostas anteriores, considerando que eu gostaria de conhecer o norte do Vietnã (Halong Bay), e os famosos túneis da época da guerra, além claro de ter uma experiência do que é o país, se eu fizesse um roteiro considerando Hanoi e Hue atenderia as expectativas? As cavernas que você mencionou parecem imperdíveis. Existe alguma coisa imperdível em Ho Chi Minh que eu não veria em Hanoi e Hue?

 

Queria a sua opinião... porque gostaria de passar 1 semana no Vietnã, e outra semana na Tailândia.

 

Fez um relato dessa viagem? Não sei se é problema do meu navegador, mas tentei acessar o seu blog, e não consegui.

 

Abraço!

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Membros

Felipe, cheguei agora do vietnam e tailandia.Aqui vão algumas respostas.

Para começar os principais túneis da guerra ficam em Ho chi Minh. Se vc vai fazer halong bay, lá tem uma caverna incrível que vale muito a pena conhecer. Fiz 2 noites e 3 dias em Halong bay, mas achei muita furada conhecer a ilha de Cat Ba (leia no meu relato abiaxo que ainda estou escrevendo), só valeu pelo passeio do barco que passava por ilhas muito mais bonitas que as que passamos no primeiro dia. Essas ilhas se parecem mais com as ilhas da Baia de Andaman na Tailandia.Hue é legal, mas vc conece em um dia, gostei muito mais de Hoi An.

Em Ho Chi Minh os túneis e o museu da guerra são impedíveis, já o delta do Mekong achei a maior furada.

Leia abaixo o meu relato que ainda estou escrevendo, vou escrever tailandia agora, mas tenho um outro relato aqui no mochileiros mais completo de outra viagem minha a tailandia. Qq dúvida é só perguntar.

PS: Desconsidere qq erro pois ainda não revisei o texto.

 

Chegamos na Tailandia vindos de Portugal sob um calor intenso de quase 40Ce encontramos no aeroporto com nossa guia que ficaria com uma mala com nossas roupas de frio que usamos e usaríamos na nossa volta a Europa. Mais tarde nos arrependeríamos de termos deixado alguns pertences. Como já escrevi anteriormente o aeroporto de BKK é fantástico e enorme, passamos pelo Health Control para validarmos nossa vacina de febre amarela exigida pela Tailândia e fomos direto de taxi a um hotel próximo, o Suvarnaburi Regent Hotel, um hotel simples mas bem equipado. No dia seguinte encontramos com nossos amigos Rosane e David que haviam passado uma semana nas prais tailandesas (programa que já havíamos feito em outra viagem ) e pegamos um vôo da Air Ásia no outro aeroporto, o Dom Muang, do outro lado da cidade com destino a Hanói. Lembrando que na Air Ásia você paga por kilo a mala, então resolvemos pagar por uma mala de 30kg na compra da passagem que fizemos antecipadamente no Brasil.

Pousamos em Hanói vindos de um vôo rápido de 2;30hs mas nos surpreendemos com o frio na cidade. A temperatura era de 14C e caindo a cada dia que passava, por isso o arrependimento de termos deixado algumas de nossas roupas de frio mais pesadas. Era inverno no norte do Vietnam, e nunca imaginaríamos pegar temperaturas tão baixas, chegando aos 7C.

Nos hospedamos no Hanói Elegance Diamond hotel, um fantástico hotel duas estrelas bem próxima ao lago Hoan Kem. A comida, o quarto e a presteza dos funcionários nos surpreenderam positivamente. Ficaria lá facilmente, pois esse 2 estrelas tinham serviços que mais parecia um 4.

Saímos para andar a pé desbravando o bairro velho e passando por uma das experiências mais fantásticas já vividas na Ásia: atravessar a rua com milhares de motos passando a sua frente sem parar, pois a maioria das ruas não possui sinal. É uma experiência única, com determinação dê o primeiro passo e siga em frente com cautela, mas sem parar que as motos vão desviando de você. No final você chega a salvo ao outro lado da rua sem um arranhão.

Começamos pelas estreitas e agitadas ruas do Old Quarter, com aquele turbilhão de lojas e vendedores ambulantes com as famosas cestas nas costas. O Old Quarter é como uma Rua da Alfândega no Rio, só que em grande escala. Seus produtos são setorizados, ou seja, cada rua vende praticamente um só produto. Se quer calçados vá a uma rua, se quer bolsas vá a outra, se quer casacos ou atersanatos em outras distintas. Lembrando que para bolsas, roupas etc só encontrará artigos fakes, mas de muito boa qualidade.

Depois de passearmos pelo Old Quarter, pegamos um taxi para o Complexo onde encontra-se o Museu da Guerra e o Mausoléu de Ho Chi Minh. Entramos somente no museu, pois o Mausoléu estava fechado e vimos algumas fotos durante o período da guerra e algumas esculturas, mas nada assim tão relevante. Andamos pelos bem cuidados jardins cheio de bonsais e pudemos assistir ao treinamento de jovens militares como que em uma troca de guarda. Neste mesmo local visitamos o One Pilar Pagoda, nada de mais, e partimos para visitar a região onde fica o Opera House e o Museu da Historia do Vietnam ??. Sobre os taxis tome cuidado pois cada um tem um valor. Os mais caros cobram 14.000,00 por 600 mts rodados enquanto você pode pegar uns menores que cobram 8.000,00 por 1 Km, basta olhar os valores escritos na porta de cada carro.

A noite fomos jantar em um típico restaurante vietnamita o ----------------------, onde de pequenos passarinhos fritos a camarões e lombos de porco, pudemos experimentar a preços bem baratos, vários pratos da culinária local. A um custo de 800.000,00 dongs o equivalente a R$80,00, nós 4 comemos mais de 10 pratos diferentes. Não vi assim grandes atrações turísticas na cidade, ma deu para sentir o gostinho do que nos esperava pela frente, No dia seguinte pegamos um tour privado para a região de Tom Coc, primeira capital do Vietnam do Norte, depois transferida para Hanói. Tam Coc é mais conhecida por seu rio que serpenteia por entre os arrozais passando por três cavernas. Ë um passeio muito bonito, com todas as montanhas surgindo das águas e tornando o cenário ainda mais exuberante. O que estraga é o caminho até lá, umas três horas em estrada esburacada onde na maioria dos trechos não se pode passar dos 50km/hora.

Partimos no dia seguinte em direção a Halong Bay, em uma estrada semelhante a anterior, onde depois de 3 horas e meia chegamos a Baia de Halong. A equipe do Paradise Cruise Luxury nos esperava pra embarcarmos em uma viagem de três dias e duas noites por entre as mais de 2 mil ilhas da baia. O barco é muito bonito e suas cabines com varanda e no tamanho ideal foi o meio perfeito para desbravarmos a baia.

Almoçamos e fomos conhecer uma, se não a mais bonita das cavernas que já conheci na vida, a Surprise Cave ( Hang Sung Sot). Subindo seus mais de cem degraus me deparei com uma gigante caverna, com formações milenares de estalagmites e estalactites. Essa caverna é muito bem iluminada com holofotes coloridos que acentuam cada formação rochosa tornando-a uma visita imperdível. De lá partimos para outra ilha, a Tip Top, onde subimos por uma escada íngreme seus mais de 5000 degraus até um pagoda de onde se deslumbra uma vista fantástica de toda abia com suas ilhas e barcos ancorados. Retornamos ao barco e desfrutamos um excelente jantar no saguão central onde se encontra o restaurante.

No dia seguinte mudamos para um barco menor da mesma empresa e fomos em direção a ilha Cat BA, uma ilha sem graça sem ter muito o que ver e fazer. Passeamos na garupa de uma scooter pelo interior da ilha e visitamos uma caverna e uma casa que não se podia entrar, verdadeiro programa de índio. O passeio só valeu a pena porque no caminho para esta ilha pudemos ver outras ilhas bem interessantes além de andar de caíque por entre as cavernas formadas nas rochas depois do almoço, por sinal muito bom, servido a bordo do barco. Voltamos no fim da tarde para o barco principal onde descansamos e jantamos.

De volta a Hanói, ainda tivemos tempo de dar uma última volta pelo Old Quarter para comprar umas coisinhas e fomos ao aeroporto para pegar um vôo para Hue pela Vietnam Airlines. Chegamos em Hue já de noite e fomos de taxi para o hotel no centro da cidade, o Golden Hotel. No dia seguinte com chuva, contratamos um motorista para fazer alguns passeios a tarde, mas pela manhã fomos eu e Luiza desbravar o Market local. Mais parecia um galpão enorme de dois andares onde no primeiro andar ainda do lado de fora, barraquinhas de comidas, frutas e produtos de alimentação se misturavam a centenas de barracas vendendo coisas fakes. Os preços aqui eram bem menores que os encontrados em Hanói e a qualidade dos produtos era boa. Quis comprar uma blusa bordada para minha mãe e quando disse a menina que queria duas parecia que estava comprando o produto mais caro da barraca. A alegria da menina dizendo aos outros que pretendia comprar duas blusas foi algo surreal, agitando os dois dedos em V e mostrando para todos os outros vendedores.

A tarde fomos visitar o mausoléu do imperador, um lugar muito bonito com suas escadarias lembrando os templos de Bali. No inicio das escadas esculturas de guerreiros em pedra com cavalos e elefantes, como o exército chinês de pedra, ornavam o primeiro pátio. Ao entrarmos na sala principal do mausoléu, um pouco as escuras devido a falta de energia provocado pela chuva, nos deparamos com um dos mais bonitos mausoléus já visto. Todas as paredes eram pintadas e ornadas com desenhos feitos com cacos de cerâmica, assim como o próprio túmulo e sua abóboda, totalmente ornada com mosaicos muito mais bonitos que os de Taj Mahal. Saímos dali e partimos para o pagoda Thien Mu, também um lugar muito bonito que vale a pena a visita. Já era final de tarde, então seguimos em direção a citadela. Uma construção murada do início do sec XIX que abrigava o Imperador, o exército e muitos de seus súditos. A construção está sendo reformada depois das bombas americanas que devastaram o local, mas mesmo assim ainda se podia observar a grandiosidade e beleza daquele império gigantesco extinguido e depois devastado pelos americanos.

Pela manhã contratamos um motorista para nos levar a Hoi An, três horas e meia de viagem, em uma estrada um pouco melhor que as outras , mas que em parte circundava a costa. Opte por ir margeando a costa e não passe pelo túnel, que apesar de mais rápido lhe priva de uma vista muito bonita da costa. Chegamos em Hoi An a noite e nos hospedamos no Sunrise Beach Resort, um 5 estrelas em frente a praia que vale muito a pena.

Fizemos o check in no hotel e imediatamente pegamos o shutle do própeio hotel que nos levaria a cidade. Hoi An é uma cidadezinha conhecida pelos seus ótimos restaurantes e pelos seus alfaiates.Chegamos na cidade e fomos caminhar pelas ruelas com seus casarios antigos em ruas bem movimentadas mas só de pedestres e riquichas, as cadeirinhas conduzidas por bicicletas. Caminhamos por toda a cidade, entrando em cada lojinha e observando o artesanato local. Hoi An também é conhecido por suas lanternas coloridas. Aproveitei e comprei várias para enfeitar a festa de 80 anos da minha mãe que viria daí a alguns meses. Passamos pela ponte chinesa e visitamos alguns dos vários pagodas que existem na cidade. Já a noitinha escolhemos para jantar no Morning Glory, um dos restaurantes mais requisitados da cidade cujo proprietário possui outros tão bons espalhados pela cidade. Comemos a melhor comida vietnamita até então, uns enroladinhos de camarão, porco e frango, umas panquecas de arroz fritas e recheadas com camarão e um noodle da arroz frito com frutos do mar, acompanhados da cerveja local.

Hoi An é uma cidade que vale muito a pena conhecer, é um misto de Búzios e Paraty, super descolada com milhares de turistas curtindo suas lojas, cafés e restaurantes, aquela era a imagem que tinha na cabeça do que seria o Vietnam. Aproveitamos os vários alfaiates espalhados pela cidade e mandamos fazer umas roupas sob medida. Eu um casaco de lã para futuras viagens e umas camisas sociais. Minha esposa fez casacos, calças, vestidos, blusas por preços inacreditáveis. Vestidos e casacos saem por U$50,00 em média com o melhor tecido. Blusas e camisas em torno de U$20,00. uma verdadeira pechincha.Tudo isso feito de um dia para o outro. Ficamos envolvidos nesse clima de roupas e degustações gastronômicas durante os três dias que passamos em Hoi An .

Depois de Hoi An, contratamos um motorista na alfaiataria que fizemos nossoas roupas para nos levar ao aeroporto de Da Nang em direção a Ho Chi Minh. Chegamos a Ho Chi Minh, uma cidade enorme já a noite e nos hospedamos no Gran Silverland Hotel e SPA, no distrito 1 bem próximo ao Ben Thanh Market.

O calor estava forte, lembre-se que no norte era inverno e aqui verão, então havaianas e bermuda passaria a partir daqui a ser o uniforme oficial. Começamos nosso passeio ao Museu da Guerra do Vietnam, a poucas quadras de nosso hotel. Acho que todas as pessoas deveriam ter a oportunidade de ver o que a guerra é capas de fazer com uma nação e seu povo. Saí de lá angustiado ao ver milhares de fotos de tortura e violência que esse povo sofreu, ainda mais depois de ter conhecido a simpatia e cordialidade de um povo tão amigável. O Vietnam foi devastado, pouquíssimas cidades saíram ilesas. Em fotos aéreas, pudemos observar as milhares de crateras feitas pelas bombas em grandes áreas alem da devastação das florestas provocadas pelas bombas químicas, isso sem contar com as fotos de todas as conseqüências trazidas por essas bombas, o tão falado efeito laranja, que resultou em milhares de pessoas geneticamente mal formadas. Senti vergonha do ser humano e passei o resto do dia pesado.

Tentando me recupera do baque, caminhamos pela cidade passando pela igreja de Notre Dame, parecida com a original em Paris, pelo correio, uma construção arquitetônica muito bonita do séc .....indo direto até a beira do rio onde subimos no edifício mais alto do Vietnam, o Bitexco, de onde pudemos observar a grande cidade pelo alto. De lá pegamos um táxi e nos dirigimos ao mercado bem próximo ao nosso hotel, mas como já estava fechando não deu para conhecer todo. Fomos jantar em um lugar meio escondido onde se encontram vários restaurantes, cada um melhor que o outro, localizado na 74 Hai Ba Trung. Escolhemos o Hoa Tuc no primeiro dia e voltamos outro dia para jantar no The Refinery, todos muito bons.

No dia seguinte nosso guia Jason estava bem cedo no hotel para nos levar ao Delta do Mekong e aos túneis da guerra, Cu Chi Tunnels. Pegamos a van e partimos ao sul do Vietnam em direção a Cai Be, por uma “super” rodovia que não se podia passar dos 80km hora. Paramos em um mercado local de frutas e vistamos um pagoda, Phu Chau , escondido por entre as casas de uma vila local. Um pagoda bonito mas nada comparado aos pagodas da Tailândia. De lá pegamos o barco em direção aos menores canais do delta, passando antes pelo mercado flutuante de Cai Be, que não estava em seu auge, apenas poucos barcos vendendo frutas. Nos dirigimos a casa de uma família local para almoçar passando pelo Sau Ca canal. Lá, pescamos com rede em lagos artificiais uns peixes que seriam nosso almoço e almoçamos nessa casa. Para ser sincero o maior programa de índio das últimas viagens. Pularia fácil o Delta do Mekong. De lá seguimos para vistar os túneis da Guerra do Vietnam.

Os túneis de Cu Chi são um complexo de 250km que tem sido preservado pelo governo e transformado na maior atração turística do Vietnam. Lá se pode caminhar por entre os túneis escavados no subsolo da floresta assim como ver toda a infra estrutura precária mas que fizeram os vietnamitas vencedores da guerra contra os EUA. Andamos por entre os túneis e pude sentir toda a energia daquele lugar e de como eram pequenos e apertados o emaranhado de túneis subterrâneos, apesar de terem sidos alargados para os padrões de tamanho dos turistas ocidentais. Os túneis eram tão apertados que tinha que andar agachado e com os braços para dentro. Não aconselho a quem tem claustrofobia. Lá também pudemos ver as crateras formadas pelas famosas bombas B52 e quem quisesse poderia ir a um stand e atirar com as armas utilizadas na guerra, pagando um adicional pelas balas. Foi uma vista muito legal, que aconselho e que por sinal salvou o dia. Chegamos ao entardecer em Ho Chi Minh e fomos passear pela cidade, fazendo algumas compras no Ben Thanh Market e andando pela famosa Le Loi,a rua mais conhecida do Vietnam. Acho que toda grande cidade tem uma Le Loi.

Tiramos nosso último dia de Ho Chi Minh para vistar alguns templos como os pagodas Thien Hau, Xá Loi e Vinh Nghien, o mercado de Cho Binh Tay (China Town) onde tudo era muito mais barato que o Ben Thanh Market e os shopings da cidade, o Diamond Plaza e o Vimcom Center. Visitamos o Palácio da Reunificação por dentro e voltamos para curtir o fim da tarde na piscina no terraço do nosso hotel. Nesse dia queríamos tomar um drink no topo de algum restaurante de hotel. Passamos primeiro no Caravelle e como não gostamos muito do atendimento e da vista nos dirigimos ao outro lado da rua e fomos ao terraço do Hotel Rex para umas cervejas e petiscos. Recomendo pois a vista é fenomenal, esperamos os gigantescos prédios se iluminarem e tiramos dezenas de fotos.

No dia seguinte acordamos bem cedo e pegamos nosso vôo para Siem Reap no Cambodja, chegamos as 9:30 da manhã e já no aeroporto nosso guia Tong nos esperava para o tour. Paramos no hotel Golden Temple, um hotel charmoso, muito bem localizado e com o melhor atendimento que já tive em qualquer hotel por onde passei em minhas viagens. Ganhamos jantar, massagem, vinhos no quarto e drinks e petiscos a toda hora que chegávamos ou saíamos sem nos cobrarem nada. O único porém do hotel era o banheiro, mas com tudo que nos ofereceram ficaria lá novamente sem pestanejar. Deixamos nossas malas no hotel, trocamos de roupa e fomos direto para conhecer Beng Mealea Temple. Esse templo fica a 77km da cidade mas vale muito a pena ser conhecido. No caminho para o templo pudemos assistir a cerimônia de casamento tradicional do Cambodja, paramos o carro e tiramos muitas fotos com os noivos e parentes. A festa era muito colorida e os trajes bem exuberantes. Beng Mealea é um templo de origem hindu mas com algumas partes ao estilo budista. Suas ruínas estão envoltas por raízes de árvores, e suas colunas e paredes são finamente esculpidas com esculturas hindus. Saímos de lá e fomos almoçar em um restaurante próximo, experimentando pela primeira vez a comida cambojana. Ficamos maravilhados com tudo que pedimos, e olha que pedimos várias entradas e pratos, e no final não saiu nem R$80,00 para nós 4 mais o guia e as bebidas. A comida nos pegou de jeito e dali em diante eram cada vez mais experiências agradáveis com a comida daquele país.

Siem Reap é uma cidade fascinante, seu centro fervilha com restaurantes, pubs, lojas, sem esquecer das inúmeras cadeiras de massagens na rua. A massagem que mais nos chamou a atenção foi a fish massage, que consiste em mergulhar seus pés em aquários gigantes cheios de peixes famintos a mordiscar a pele morta de seus pés. As mulheres testaram e foi a maior gargalhada com as cócegas que os peixes faziam em seus pés, chamando a atenção de todos que passavam pelo local.

No dia seguinte partimos para o complexo de Angkor, vistando primeiro o templo Bayon. Esse templo data do fim do sec XII ou XIII e é conhecido por suas inúmeras cabeças gigantes de budas entalhadas em pedra. Ficamos um bom tempo lá impressionados com as esculturas, tiramos muitas fotos e a cada virada de esquina mais e mais ângulos perfeitos para se fotografar surgiam. De lá fomos em direção a Angkor Wat, o principal e maior templo da história construído pelo rei Suryavarman II, no começo do sec XII sendo o centro político e religioso do país. Angkor é o mais conhecido de todos os templos, principalmente depois do filme Tomb Raider ter sido filmado lá. Na minha opinião não é o mais bonito de todos, talvez o mais imponente e de maior importância e devido a isso foi reconhecido como patrimônio da UNESCO.

Atravessamos o longo caminho cercado pelos lagos até a parte interna do templo e percorremos seus longos corredores com suas paredes em pedras esculpidas. Assim como outros templos, Angkor está em reforma pelo governo de vários países. Atingimos a parte alta da torre central de onde vislumbramos uma vista espetacular de todo o complexo. Ao sairmos dali, voltamos a cidade para visitar o mercado central, as lojas e para jantar em algum dos restaurantes da Pub street.

Continua ...

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Membros

Olá Ferlui,

pretendo ir ao Sudeste Asiático em Julho, e no Vietnam só tenho interesse de visitar o Museu de Guerra do Vietnam e os túneis de Cu Chi, ficando no máximo 3/4 dias neste país.

É possível comprar o passeio aos túneis nos hostels ou centro da cidade quando já estiver lá?

Sei que essas duas atividades não ocupam os 3/4 dias, então o que vc me aconselha como imperdível nessa viagem?

Obrigado!

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Membros

Mateus, dá para comprar na hora sim. O museu da guerra vc pode ir sozinho a pé, qto aos tuneis vá em alguma agencia de viagem que vc faz isso em meio dia.. Qual o seu roteiro ? Vai ao cambodja ? Isso pq em tres dias é o suficiente para vc conhecer Ho Chi Minh e fazer os túneis. Se não vai ao Cambodja sugiro ir . é perto pegue um vôo e Siem Reap é muito legal. Uma das cidades que mais gostei do vietnam foi Hoi An, mas fica longe de Ho Chi minh, não da para ir e voltar em um dia.

abç,

Fernando

Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

×
×
  • Criar Novo...