Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Peça ajuda, compartilhe informações, ajude outros viajantes e encontre companheiros de viagem!
    Faça parte da nossa comunidade! 

LEO_THC

Hiportermia - Conceitos, Prevenção e Tratamento

Posts Recomendados

hehe, ta vendo, a tecnica do sleeping teria funcionado, quer dizer, hipoteticamente, teria q descolar duas minazinha pra fazer o sanduba de gente pra garantir, pq se dependesse dos caba o maluco tinha rodado do mesmo jeito. ::hahaha::

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

hehe, ta vendo, a tecnica do sleeping teria funcionado, quer dizer, hipoteticamente, teria q descolar duas minazinha pra fazer o sanduba de gente pra garantir, pq se dependesse dos caba o maluco tinha rodado do mesmo jeito. ::hahaha::

 

Xaliba,

 

Não adianta querer consertar com esse papo de sanduíche com minazinhas .... kkkkkkkkkk

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Hipotermia (Hipo = baixo termia = temperatura) isso significa q é a baixa temperatura corporal (abaixo de 35ºC) isso pode acontecer por vários fatores....medicação..doenças..ambiente...a hipotermia pode levar a problemas graves como a falta de oxigênio...geralmente em hospitais após um procedimento cirúrgicos os pacientes tem muita hipotermia pois as drogas usadas fazem vasoconstricção...para isso são usados soros aquecidos e medicações para reverter este quadro... ::hein:

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Salve amigos !!!

 

Vou relatar 2 breves momentos em que me deparei com essa "Senhora" , "prima" da morte ...

Por uma questão de ironia ou não , as últimas 2 brabonas mesmo que encarei foram em Ilha Grande, quando fui no carnaval e depois Páscoa, ambas em 2007 .

 

A coisa foi mais ou menos assim na primeira :

Eu estava voltando de barco , e como metido que sou, fui logo pra frente da embarcação, no meu último dia do paraíso .

Assim que me sentei , por estar ao lado de amigos, avisei que iria tirar um cochilo e que depois iria pra trás .

Cara , o problema é que quando me deitei o vento soprava quentinho e bem agradável .

Como alguns sabem , quando dormimos , o corpo "desliga" alguma funções, e uma delas que ele "religa" em caso de emergência , é justamente o "termosensor" .

 

A única coisa que me lembro quando acordei é que o corpo doía e eu estava inerte, me tremendo feito cachorro sarnento.

O choque era tanto que eu nem consegui falar ou gritar por socorro . E isso a uns 5 metros de todos ( que já estavam na cabine a uma altura dessas) . Por sorte , além de rezar muito , procurei me contrair, joguei minha mochila pra cima de mim, até que meu corpo condensasse algum calor .

 

Sob o mesmo tremor , consegui chegar até a cabine, meio cambaleante devido as ondas, e meio que me joguei dentro da cabine . Eu cai logo encima de cordas e por sorte , alguem me recolheu e botou sentado lá dentro .

A segunda vez , a chuva caiu voltando de Saveiro de Lopes Mendes e o frio que bateu foi intenso .

Chegando todo molhado no píer , lembro-me só d equando pisei na areia , meu corpo "travou" .

Era um mixto de queda de pressão com cansaço e súbita inversão de temperatura .

 

Fiquei acuado em uma parede que nao tinha cobertura encima, mas que pelo menos do vento me protegeu por alguns minutos.

A chuva continuou a "comer" e eu ainda precisava vencer o caminho até o camping, que dava uns 400 ou mts . Eu estava no píer e ia até o Cantinho da Ilha . Foi tenso ::hein: ...

 

Lembro que assim que cheguei no camping, a primeira coisa que fiz foi ir pro banheiro, tirar todas as roupas e jogar uma água por cima , que estava fria pela falta de luz repentina, mas menos gelada que a da chuva.

 

E dai pra frente NUNCA MAIS passei a dar mole pro frio hehehee.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Olá Pessoal!

 

 

Bacana a reportagem. Só a vi aqui hoje...

 

Algumas considerações minhas acerca do tema HIPOTERMIA, baseadas na experiência prática de campo e treinamentos realizados, complementando e corrigindo alguns aspectos abordados:

 

Aqui no Paraná, em especial na Serra do Ibitiraquire (Pico Paraná) infelizmente têm sido comuns os casos de hipotermia e, basicamente, na grande maioria dos casos (se não a sua totalidade) apenas por falta do pessoal observar o básico quanto à vestimentas e alimentação adequadas. Nesta temporada (que ainda não findou) tivemos ao menos dois casos. Num deles, um grupo de jovens subiram em direção ao PP somente com roupas leves, com intenção de fazer "um ataquezinho" e foram colhidos perto do cume por uma abrupta alteração metereológica (fato comum nas montanhas) com forte chuva e frio. Despreparados, sem abrigo (barracas, toldo, lona plástica) ou roupas apropriadas (anorak, etc), se viram em situação difícil, especialmente depois que uma garota do grupo torceu o pé e obrigou-os a reduzir o ritmo de descida, "travando" logo em seguida, ficando todo o grupo ainda mais exposto aos efeitos das intempéries. Não preciso dizer que a garota em questão, em razão das condições fisiológicas (desgaste físico + exposição abrupta ao frio) somadas ao trauma sofrido, começou a apresentar sintomas de hipotermia e a situação só não se complicou mais porque o grupo conseguiu acionar por celular o serviço de emergência e um dos rapazes conseguiu descer rápído na frente para guiar o resgate até a vítima.

 

O mecanismo "termoregulador" citado na matéria que originou este tópico é composto por 2 processos orgânicos, destinados a manter a temperatura central do corpo humano equilibrada em 37ºC: produção de calor (termogênese) e a sua dissipação (termólise). A termogênese depende da reserva de calorias e do oxigênio necessários para a metabolização das reservas de energia, diminuindo em pessoas fisicamente exauridas, com falta de oxigênio (situações de alta montanha - acima de 4000m) ou vítimas de trauma. Já a termólise depende do biotipo, vestimentas e condições ambientais (temperatura, vento, umidade) e também é acelerada em situações de traumatismos diversos. O desequilíbrio, seja, o excesso de perda de calor (termólise) ou a falta de produção (termogênese) levam à hipotermia.

 

PREVENÇÃO

 

É o melhor a se fazer. Aqui se atacam paralelamente dois aspectos - justamente ligados aos 2 processos orgânicos citados acima: a alimentação adequada (combustível para a termogênese) e a proteção/isolamento (vestimentas, abrigos, etc) - visando permitir o controle da termólise.

 

Um organismo combalido, seja por um trauma (acidente) ou enfraquecido após um grande esforço físico, como o que geralmente ocorre ao subirmos uma montanha, costuma ter mais dificuldade para gerar calor, por isso é necessário contar sempre com uma boa fonte de energia extra. Nada de levar apenas bolacha, sanduíche e comidas frias para a montanha. Uma comida quente com carboidratos, gorduras e proteínas é essencial para a reposição enérgética e vai ajudar o organismo a se manter aquecido. Ao ingerir alimentos calóricos estamos favorecendo o processo de termogênese, ajudando nosso corpo a produzir calor. Deixe para fazer regime em outras ocasiões, nunca durante o período em que será submetido a grandes esforços físicos - salvo se você é atleta profissional de alta performance e está com seu organismo acostumado às circunstâncias climáticas e de privação a serem experimentadas.

 

Lembro que, mesmo tendo sido desmentido por estudos médicos o fato de que perdemos muito calor pela cabeça, pescoço e extremidades, protegê-los do frio, da umidade e do vento costuma ser muito eficiente para prevenir e mesmo tratar uma hipotermia. Ter à disposição um casaco corta-vento impermeável (anorak), um gorro, um cachecol/pescoceira e luvas, bem como roupas sobressalentes secas e quentes é fundamental na mochila de qualquer excursionista e muita gente vem esquecendo disso, especialmente quando vai passear na montanha. Sem estes recursos de proteção, numa situação extrema poderá ocorrer a perda demasiada de calor do corpo para o ambiente por falta de isolamento térmico, desequilibrando assim o mecanismo termoregulador e levando à hipotermia.

 

 

O QUE FAZER E O QUE NÃO FAZER...

 

Se a situação já se deteriorou a ponto de gerar uma vítima de hipotermia, geralmente a aguda (tipo mais comum nos esportes de aventura e também a mais perigosa - em que temperatura do organismo cai rapidamente, em minutos), a primeira providência é abrigá-la do frio e da umidade, retirando as roupas molhadas da chuva ou úmidas de suor, secar rapidamente a pele e vesti-la novamente com roupas secas e quentes, enrolando-a em um cobertor de emergência (ou, em sua ausência, num pedaço de plástico ou nylon) e de imediato fazê-la repousar, deitada. Buscar socorro imediato a partir disso é o mais indicado. Adicionalmente a vítima pode ser enrolada em cobertores e/ou no saco de dormir (caso disponíveis), colocando-se junto ao corpo garrafas pet com água quente - em especial junto às axilas, tórax e pernas. Isso irá diminuir a perda de calor. Outra providência importante é fornecer à vítima bebida e/ou alimento quente quando possível. Contrariamente ao que se ouve, deve-se evitar massagear ou esfregar a vítima ou fornecer-lhe álcool, pois estas atitudes podem desviar a circulação do sangue dos órgãos centrais, vitais à sobrevivência, comprometendo ainda mais a situação. Exercícios físicos supostamente usados para estimular a produção de calor são igualmente desaconselhados pelo mesmo motivo.

 

 

É isso. Não é um tratado para esgotar o assunto, mas se observados esses cuidados na prevenção dificilmente haverá exposição aos fatores de risco, reduzindo as probabilidades de ocorrência da hipotermia.

 

Abraço!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Fiz ano passado um curso de primeiros socorros em areas remotas da Wilderness Medical Associates de 80h, eh o curso de areas remotas digamos mais casca grossa do mercado.

 

Um detalhe passado eh que em caso gravissimo de hipotermia, o esquentamento deve vir de dentro para fora, nao se deve colocar nenhuma fonte externa de calor junto ao corpo e a ventilacao artificial (boca-a-boca) seria uma forma de colocar calor para dentro estando preferencialmente em uma sala pouco aquecida, tipo um abrigo de montanha. Inclusive nesse caso um cobertor nao aqueceria a pessoa pois ela ja nao consegue produzir quase calor algum. Mas essa eh uma situacao que nao eh recomendada a nao ser como ultimo recurso, tipo, nao da tempo do socorro chegar, eh melhor tentar isso do que deixar a pessoa morrer... mas enfim... Basicamente nessa situacao o aquecimento externo acabaria por matar o paciente. Eu mesmo nao tenho conhecimento para discutir, apenas estou repassando o peixe como comprei.

 

ha razoavel divergencia entre cursos... dificil dizer qual o mais correto, em geral eh mais confiavel o que esta mais atualizado com o que se passa...

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Grande Xaliba!

 

 

Eu também não sou profissional e não tenho subsídios técnicos para discutir o assunto. O que sei vem de algumas participações em cursos de socorro com os Bombeiros/SIATE e de APH orientado a atividades outdoor realizados há cerca de 2 anos e, há muito tempo, quando militar, de cursos de socorro e resgate na Escola de Saúde do Exército, mas sempre estudo um pouco desses assuntos e procuro me manter atualizado...

 

Realmente. Num caso de hipotermia severa (provavelmente com temperatura corporal interna abaixo de 25°C e com pessoa exausta e/ou traumatizada e já imóvel/inconsciente), como o que você descreveu, a conduta mais recomendada a realizar no local do ocorrido é o reaquecimento interno por meio do fornecimento de ar aquecido. Isso até poder transportar o paciente a um centro médico capaz de atendê-lo eficientemente e um reaquecimento externo, além de ser ineficiente (falência circulatória), poderia colocar o paciente em risco devido a modificações na distribuição do volume sanguíneo (fibrilação, acidose, hipovolemia).

 

Existem 3 "estágios" de gravidade para a hipotermia e cada um exige abordagens diferentes. A conduta que descrevi no outro post se aplica na maioria dos casos ocorrentes no Brasil, onde não temos condições climáticas tão extremas (neve e gelo, por exemplo) e por conta disso a hipotermia seria de um grau leve, onde o organismo do paciente ainda produz calor e os métodos de reaquecimento externo ativos surtem efeitos sem grandes riscos.

 

Abraços!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Pois eh bro, um detalhe que acho q vale a pena comentar,

 

Estive recentemente numa serie de estudo para tirar carta de habilitacao pra embarcacoes, fiz as provas pra arrais, mestre e capitao amador da marinha. Os procedimentos de primeiros socorros que eles pediam na prova sao coisas meio antigas, que ja nao sao ensinadas pelos cursos de primeiros socorros que eu fiz - que foram alguns - faz tempo. Nao sei se eh apenas a prova que nao esta atualizada ou se a marinha ainda ensina dessa forma. Um tanto antiquado e desatualizado, fiquei meio perplexo. Fico me perguntando no bombeiro e no exercito como seria...

 

abratz

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Olá Xaliba!

 

 

Então, eu sempre tenho isso em mente. Os cursos e palestras dos Bombeiros que tenho visto são muito atualizados, pessoal sempre preocupado com novos conceitos e muita experiência prática adquirida/discutida. No Exército as coisas eram realmente mais "antiquadas", mesmo assim nunca vi ninguém padecer na época em que lá passei, e olha que lá os casos de hipotermia eram frequentes, especialmente devido à conjugação de fatores desfavoráveis a que éramos submetidos: tipo de exercícios + condições metereológicas + roupas inadequadas + alimentação inadequada... ::Cold::::Cold::::Cold::

 

Abraço!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.




×
×
  • Criar Novo...