Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
Entre para seguir isso  
divanei

VALE DO GUARATUBA: TRAVESSIA EXPEDICIONÁRIA - Biritiba Mirim x Praia da Boracéia - SERRA DO MAR PAULISTA

Posts Recomendados

                                                          TRAVESSIA VALE DO GUARATUBA

5a2b32e4ed83d.jpg

          Nossos olhos se entrelaçaram quando as bordas do abismo se apresentou à nossa frente. Cada qual daqueles exploradores modernos se deu conta de que haviam chegado em um caminho sem volta e uma vez tomada a decisão de descer aquele vale gigantesco, estariam por conta e risco. No fundo mesmo, havia meio que um medo estampado no rosto de cada um por tudo que tinha envolvido toda a organização daquela expedição, onde o grupo se esfacelou, com membros desistindo na última hora e dizendo ser impossível tal empreitada. Mas como a vontade de realizar algo é maior do que o medo, mesmo estando diante do maior desnível que jamais havíamos enfrentado na Serra do Mar Paulista, haveríamos de nos agarrar uns aos outros, botar a faca nos dentes e inserir mais um vale selvagem nos mapas da SERRA DA AVENTURA.

          Quando eu dei o start, dizendo que meus próximos estudos para as travessias selvagens na Serra do Mar estavam direcionados para o VALE DO RIO GUARATUBA, o Vagner e o Potenza já saíram da moita dizendo que já fazia algum tempo que também estavam de olho nesse rio e aí não houve problemas para que resolvêssemos juntar forças para tirarmos esse projeto do papel. Acontece que eu e eles sabíamos que acessar aquele rio no planalto de Biritiba Mirim-SP, não era nem de longe coisa fácil por ele estar inserido dentro da área da SABESP (Companhia de Águas de São Paulo) e que conseguir uma autorização era tempo perdido.

          As conversas nos levaram a que seria preciso alguém ou algum grupo ir até o local e achar um caminho alternativo que pudesse nos levar até o rio, ou seja, uma entrada clandestina até a Estação de Bombeamento Guaratuba, uma operação de guerra que poderia nos custar o fim do projeto caso alguém fosse pego pela fiscalização. Como eu moro no interior, coube ao Vagner e ao Tony a missão inicial de tentar achar o caminho, coisas que eles fizeram como uma competência ímpar, mas infelizmente não conseguiram chegar até o rio e então seria preciso mais uma incursão, a derradeira, para que começássemos a discussão final sobre a expedição.

          Na segunda tentativa se juntaram ao Vagner, o Rafael, Potenza e o Daniel Trovo e o grupo se esgueirou pela madrugada numa noite de chuvas torrenciais até finalmente alcançarem a Estação de Bombeamento e voltaram de lá com o caminho pronto para o Rio Guaratuba, a primeira parte do projeto estava finalizado, hora de nos preocuparmos com a descida em si e a convocação do grupo, que logicamente teria de ser escolhido a dedo.

          Como sempre tudo começa com horas e horas de pesquisas na internet a fim de descobrir se haveria algum registro de descida, mas lá no fundo todos nós sabíamos que não encontraríamos coisa alguma, mesmo porque, se não havíamos encontrado nada em outros rios com desníveis muito menor, nesse Guaratuba é que não encontraríamos nada mesmo. A segunda parte é partir para os estudos topográficos e mapas de satélite e foi aí que o queixo da gente desabou no chão. O desnível parecia grande, mas no mapa topográfico era um convite ao suicídio. Mais de 800 metros em míseros 4 km, sendo que no início o rio despencava numa parede vertical em uma inacreditável sequência de abismos e penhascos inacessíveis. Pronto, era a deixa para que parte do grupo picasse a mula, desconfiados de que aquilo ali era uma furada dos infernos e cada qual tratou logo de procurar outra coisa para fazer e nos deixou com um grupo escasso, restando apenas uma meia dúzia que ainda insistia na possibilidade de êxito.

          A data escolhida foi o feriado da Consciência Negra, que nos daria três dias de possibilidades, mas que por uma infelicidade nossa, quando essa data se aproximou, arrastou atrás de si uma frente fria tremenda e que anunciava um dilúvio para a região. Pronto, foi a deixa para que mais gente do grupo apanhasse seus panos de bunda e fosse se aventurar em outras paragens, ninguém seria retardado para enfrentar uma descida naquelas e com aquele tempo na sucursal do inferno. Pois é, eu mesmo queria saber se os que sobraram estavam mesmo engajados no projeto e se ainda lhes interessava ariscar suas vidas naquele vale, muito porque não haveria outra oportunidade nesse ano e para minha surpresa ainda restaram além de mim, mais quatro suicidas.

          É numa sexta-feira chuvosa e de transito infernal que me encontro com o Paulo Potenza no metrô de Itaquera, na zona leste da capital Paulista. Mal nos cumprimentamos e ele já veio com aquela conversa de “cerca Lourenço”, dizendo que com aquele tempo éramos candidatos a sair daquele vale como passageiros de um certo helicóptero do Águia. Enquanto o trem sacolejava na estrada de ferro, ele ia me passando um milhão de dados acerca da descida do Guaratuba, onde dizia ele ter descoberto que ali era a morada do próprio satanás e que a gente estava sendo atraído para uma grande armadilha. Eu ia escutando tudo que ele dizia, mas no fundo estava cagando e andando para os dados, muito porque não foram poucas as vezes que em outras expedições eu tive que escutar lamúrias negativas de outros exploradores e sempre me mantive firme.

          É mais uma vez com uma grande alegria e satisfação que na Estação de Suzano volto a rever meus amigos Daniel Trovo e VGN Vagner e passo a conhecer o Tony, que vai ser o novato do grupo e enquanto esperávamos a VAN que nos levaria para a trilha, aproveitamos para colocar o papo em dia e juntos tentarmos resistir as investidas do Potenza que tentava salvar nossas vidas da tragédia que se anunciava, pelo menos na cabeça dele. Não demora muito e o nosso transporte chega e com ele um motorista loroteiro que foi contando histórias sem pé nem cabeça e fazendo a gente dar muita risada. O motorista era alegre e sorridente, mas quando chegamos em Biritiba Mirim e o Vagner indicou que teríamos que pegar a estrada de terra para o destino Casa Grande, o piloto começou a definhar na escuridão daquele fim de mundo. A estrada fazia curva atrás de curva e nunca chegava a lugar nenhum e o motorista só fazia coçar a cabeça e o saco e amaldiçoar a dia em que ele foi aceitar aquela viagem onde cinco sem noção diziam que iriam descer para praia varando mato sabe-se lá por onde.

          Pouco antes do motorista ter um infarto, nosso caminho motorizado chega ao fim assim que passamos pela área principal da SABESP e pegamos logo a direita numa estradinha de terra escura e enlameada. Parados ali naquela escuridão e prestes a nos perdermos rumo ao nosso próximo destino, o Paulo Potenzaanuncia a sua desistência formal. Com os olhos arregalados de quem não sabia o que estava fazendo ali, pede mil desculpas e humildemente diz que não se sentia em condições psicológicas de nos acompanhar e é claro que nós prontamente entendemos a posição dele e achamos muito nobre da sua parte usar de sinceridade para com o grupo, do que simplesmente tentar seguir por um caminho que ele já não estava mais a fim. Bom, a gente entendeu mais ou menos, porque sempre tem uns filhos da puta que não está a fim de deixar barato e nem perder a oportunidade de dar uma zoada, então foi aí que o safado do Tony, do nada resolveu imitar um frango ou uma galinha, para aloprar a cabeça do Potenza, coisas que só as grandes amizades podem proporcionar e aí não teve jeito, fez com que a maioria do grupo rolasse no chão de tanto rir e foi assim, naquela madrugada embaçada, que vimos Potenza, Van e o motorista contador de lorotas se perderem na escuridão da noite.

          A caminhada agora ia começar, seriam quase 12 km até o Rio Guaratuba e logo o Vagner toma à frente, porque ele é o cara que sabia o caminho clandestino para passarmos sem ter que enfrentar a burocracia da companhia de águas. Na escuridão da noite, logo após alguns minutos, deixamos a estradinha que estávamos e nos enfiamos em outra que mais parecia uma trilha e quando chegamos a um capão de mato, adentramos no meio da floresta e fomos arrastando mata no peito e por uns quinze ou vinte minutos navegamos meio que às cegas até que a picada nos desovasse na estrada principal, já longe das vistas da Sabesp. É uma noite mesmo estranha, ao mesmo tempo quente e agradável, mas com prognóstico de muita chuva. Ganhando a estrada, em 2 km tropeçamos na primeira ponte do Rio Claro, o Vagner e o Tony vão à frente e eu e o Trovo seguimos na cola, botando a conversa em dia. Mais outros 4 km de andanças e já estávamos passando novamente por cima do Rio Claro, já que o rio vai serpenteando bem perto da nossa estradinha e à frente, numa bifurcação, pegamos para a direita e andamos mais uns 4 km e logo, após cruzarmos mais uma grande ponte, aparece a iluminação da Estação de Bombeamento Guaratuba. Os corações ficam acelerados e a apreensão toma conta de todo mundo porque não passa pela nossa cabeça sermos pegos àquela hora da noite e dizer adeus ao nosso projeto. Devagar e silenciosamente dobramos a curva e adentramos nas instalações e mesmo sabendo que nossas intenções são das melhores, porque não queremos mexer em nada que não seja da nossa conta, não tem como não sentir aquele frio na barriga que só passaria ao constatarmos que tudo estava vazio e usando do mesmo método da primeira investigação, os meninos conseguem sutilmente abrir as portas e nos botar para dentro e ali faríamos nosso abrigo até que um novo dia rompesse dizendo que havia chegado a hora da aventura começar.

5a2b0b075fc07.jpg

          Foi uma noite difícil, com sobressaltos constantes, sempre com aquele medo de sermos surpreendidos, mas logo antes que o despertador batesse seis da manhã, pulamos rapidamente de dentro dos nossos sacos de dormir, arrumamos as mochilas e saímos vazados de lá. A Estação de Bombeamento Guaratuba fica bem `as margens do rio de mesmo nome e como não poderia deixar de ser, junto dela uma pequena barragem faz a contenção do rio, que surpreendentemente, apesar das chuvas dos últimos dias, está baixo e muito bonito. Falando em chuvas, foi mesmo uma sorte a nossa de a chuva não cair durante a noite porque se tivéssemos pego o rio bufando de cheio, muito provavelmente a moral do grupo já iria para os níveis mais baixos possíveis. Certo mesmo é que o grupo estava animado e sabedor de que os riscos eram muitos, mas nossas experiências passadas neste tipo de expedição durantes vários anos poderia nos dar uma chance de êxito, mas tudo dependeria do tipo de terreno e principalmente de como se comportaria o tempo, porque se o céu desabasse como estava previsto, aí a caldo poderia entornar de vez.

5a2b0bb63be39.jpg

          Sete horas da manhã abandonamos de vez a Estação e nos enfiamos num rabo de trilha na curvinha da estrada e alguns minutinhos depois, estávamos no GRANDE POÇO DO GUARATUBA, com suas águas cor de Coca-Cola. Daqui para frente era varar mato e escalar pedras até definitivamente nos vermos à beira do rio e como ainda é muito cedo, ninguém quer molhar as botas e cada qual vai tentando se livrar como pode, até que o único caminho viável é atravessar o rio para sua margem esquerda, junto a primeira queda do rio, uma cachoeirinha bucólica e bonita, um pequeno aperitivo do que estava por vir. Atravessando junto a cachoeira, não demora muito já somos barrados por um grande poço e como vou à frente, o único caminho que percebo ser possível passar sem ter que se jogar na água, é escalando as paredes laterais, feito caranguejo, andando de lado, mas chega uma hora que o inevitável acontece e um passo mal dado me leva para dentro do rio, me fazendo empapar minhas botas e sentir o começo da gelada em que havíamos nos metido. Vendo que eu já havia me lascado logo cedo, os outros meninos já se metem num vara-mato e cortam essa parte e a gente se junta aonde a água começa a despencar do poço.

5a2b0c214a563.jpg

        5a2b0cbee8e34.jpg

         5a2b0d44cea49.jpg

          A opção mais fácil é novamente voltar para a margem direita, atravessando sobre umas pedras lisas e escorregadias e logo ganhamos o outro lado, mas infelizmente nem avançamos muito e já nos apareceu o primeiro problema. Uma parede se eleva sobre nossas cabeças e a única solução que encontro é jogar uma corda e tentar descer uns 12 metros para poder chegar novamente ao leito do rio, mas infelizmente a nossa corda não conseguiu chegar até a água, faltando uns 3 ou 4 metros, então metemos de novo nossa corda na mochila e resolvemos escalar o paredão na unha mesmo e essa foi a única vez em toda essa travessia que tentamos usar a corda. Aqui na Serra do Mar a gente vê o que é escalar de verdade, não tem corda, não tem proteção, nem equipamento algum para salvar sua vida se algo der errado, é ter sangue frio, confiar na intuição de encontrar o lugar certo para pôr os pés e a planta certa para segurar as mãos, as vezes uma mera bromélia ou um cipó, talvez uma pequena raiz e aí é prender a respiração e praticamente levitar para conseguir chegar vivo ao outro lado e já ir preparando o espirito para o próximo lance. Descemos a outro patamar e foi nessa hora que o nosso mundo sumiu nos abismos colossais que se apresentou à nossa frente.

5a2b0e4e7b4ae.jpg

         5a2b0ee6aa753.jpg

          Agora éramos 4 homens entregues cada qual ao seu medo interior. Ninguém disse muita coisa, mas no fundo a cabeça de cada um girava mais que o pião da casa própria. Será que valeria mesmo a pena a gente se jogar naquele vale monstruoso, com o maior desnível que a gente já tinha presenciado até hoje em toda as expedições na Serra do Mar? A confusão, a desistência de parte do grupo e de membros de última hora não seria um aviso para se levar em conta? O tempo ainda se mantinha embaçado e se a chuva viesse a cair como estava previsto, estaríamos perdidos no meio daqueles vales e pendurados em paredes escorregadias sem ter como voltar, porque uma vez tomada a decisão de adentrar rumo ao desconhecido, era caminho sem volta. No horizonte avistávamos uma grande cadeia de montanhas e florestas a perder de vista. Daniel Trovo e Vagner até vislumbraram um grande roteiro alternativo, caso as entranhas do inferno nos barrasse o caminho, mas eu sinceramente não estava nem um pouco convicto que varar mais de um dia de mato seria a nossa solução. O Tony, coitado, o debutante da turma, nem sabia na enrascada que poderia estar entrando e nem palpite dava. Por hora havíamos chegado à conclusão de que nosso maior obstáculo seriam os dois próximos afluentes, sendo que um grande afluente da direita, uma espécie de encontro de vales era o que poderia nos dizer se fracassaríamos ou não, então em um primeiro momento combinamos que nosso propósito era ir pelo menos até esse afluente e lá tomaríamos a decisão de seguir ou voltar, esse seria nosso porto seguro, mas eu duvidei desde o princípio.

5a2b0ff07e277.jpg

          Tomada a decisão de seguir, comemos a torta da sogra do Trovo e partimos. Partimos para o alto, porque para baixo é caminho impossível, onde as águas despencavam exprimidas em gargantas estreitas, então o único caminho era voltar a escalar a parede do lado direito, ganhar altura e voltar a descer numa diagonal alucinante até voltarmos ao rio. Já na subida começamos a perceber que o tempo havia mudado e o sol apareceu no céu para renovar nossas esperanças. A subida é dura, pedras deslizam constantemente, urtigas vão raspando na nossa pele, transformando o nosso trabalho num árduo pesadelo, mas não demora muito para o Daniel Trovo soltar um grito estridente que ecoou por todo o vale: Paramos imediatamente para saber do que se tratava e foi aí que ele nos avisou que no meio da floresta, bem diante dos nossos olhos, dava para ver um pedacinho do mar e do condomínio perto da praia. Nos alegramos imediatamente e mais que depressa deixamos nossos corpos deslizarem barranco abaixo e nos rendemos a lei da gravidade até que o Vagner vislumbrou a possibilidade de acessarmos o rio descendo por um afluente seco, talvez apenas um caminho de água de chuva. O barulho do rio era cada vez maior e a “branquitude” de suas águas se refletiam no verde da floresta como a nos hipnotizar e a nos chamar para contemplar o espetáculo que estava por vir.

5a2b110a2985e.jpg

          A cada passo dado, ou a cada escorregão dado, a presença do gigante era sentida. Mais uma vez estávamos prestes a botar nossos olhos no que muito provavelmente ninguém ou quase ninguém jamais havia botado. Vamos nos livrando dos obstáculos, descendo, escorregando, caindo, despencando até finalmente nos vermos aos pés da primeira grande queda do Vale do Guaratuba. Uma impressionante cachoeira despencando numa fenda gigante. O deslumbramento tomou conta de todo mundo, o Daniel Trovo urrava feito doido e a todo momento agradecia a companhia de gente doida que não se deixou abater pelo medo do desconhecido. Se a cachoeira era um espetáculo, o que dizer da vista daquele patamar: Uma visão esplendorosa nos fez cair de costas. Simplesmente toda a visão do litoral aos nossos pés, com suas praias, suas ilhas e o seu mar. Não tivemos dúvidas que até então essa era a visão mais espetacular de todas as travessias selvagens na Serra do Mar até hoje, mas felizmente, estávamos redondamente enganados. Ficamos ali, junto a cachoeira conversando sobre o futuro incerto daquela expedição e enquanto as ideias iam surgindo, a gente ia se deleitando com alguns petiscos e mais uma rodada de torta da sogra do Trovo. A gente estava contente, não só pelo bom andamento da empreitada, mas porque o grande astro resolverá reinar no céu e aquecer as nossas almas famintas de aventura e para marcar essa primeira conquista resolvemos nomear aquela queda como SALTO DO CACAREJO, haja vista que havíamos dado muitas risadas do acontecido com o nosso amigo Potenza e lamentamos muito que ele não estivesse com a gente.

5a2b11849f257.jpg

         5a2b12af9aa63.jpg

         

               Abandonamos o grande salto e caímos novamente no mato porque seguir pelo rio já sabíamos ser impossível. A tenção vai aumentando a cada metro vencido, mas o alívio também é sempre comemorado a cada obstáculo ultrapassado. Mesmo tendo que descer, a única solução é ganhar altitude para poder escapar dos paredões à beira do abismo, que insiste em querer nos jogar nas gargantas. Geralmente as ações seguiam sempre um mesmo ritmo, com eu e o Vagner nos revezando no vara-mato com o Trovo dando as direções que achava necessárias e o Tony fazendo as honras do cú de tropa, que é sempre o lugar mais confortável nessas expedições. O grande problema é sempre saber a hora certa de abandonar mais ou menos a caminhada em nível e partir para a despencada final do barranco, às vezes uma decisão mal tomada faz com que tenhamos que voltar a ganhar altitude novamente e aí dá vontade de sentar e chorar, mas não há tempo para isso, é preciso tomar folego e voltar a escalar as paredes lisas e sempre torcer para que nenhuma pedra role e atinja o explorador que vem logo atrás. Já no alto novamente, desembestamos agora numa descida alucinante e ao encontrar um grande degrau para descer ao rio, eu e o Vagner resolvemos ariscar, enquanto o Trovo e o Tony acharam um caminho melhor e logo toda a equipe se amontou em um grande patamar de rocha, junto a uma cachoeira linda onde se descortinou toda a magnitude do Oceano à nossa frente, hora de estacionar ali e deixar aflorar todo o prazer de ter podido ter a oportunidade de conhecer um lugar daquele.

5a2b153216911.jpg

          Poucas eram as nuvens no céu e o sol queimava tudo. No horizonte era possível quase que ver as barracas na praia de Boracéia e a gente não conseguia se conter de tanta felicidade por saber que, muito provavelmente éramos os únicos ou ao menos estávamos entre os poucos privilegiados a poder deslumbrar aquela paisagem. A cachoeira despencava numa rampa e depois caia sobre uma gruta formando um poço profundo. Já passava do meio dia e o cansaço também tomava conta da gente, já que havíamos dormido quase nada. Eu aproveitei para aquecer o corpo depois de entrar na água gelada e por um tempo fique lagarteando sob o sol, mas o Tony não tinha como esconder, a cara dele denunciava seu sofrimento aparente. Ele havia descido escorregando e caindo em tudo que é lugar e eu mesmo naquela hora cheguei a duvidar da capacidade dele de chegar inteiro no final da expedição, acho que ele mesmo ainda não havia se conformado de ter entrado naquela furada e acho que pensava constantemente onde foi que ele resolveu amarrar seu bode. Os meninos se divertiram entrando na gruta e se escondendo atrás do véu da cachoeira e eu me esbaldava com a visão do mar e logo o trovo já veio oferecendo mais torta da sogra, cada um comeu um pedaço e quando nos saciamos de torta e de daquele visual, abandonamos a CACHOEIRA  GRUTA DA BELA VISTA e fomos nos aventurar em outras paragens, mas para isso tivemos novamente que estudar o caminho e ver as possibilidades viáveis.

 

         5a2b189e1b4f8.jpg

       Já estávamos nos aproximando do momento crucial, onde havíamos definido que seria o lugar que poderíamos ser barrados. Primeiramente sempre depois de voltarmos a subir paredes lisas e varar mais mato nos segurando nos cipós e em vegetação cada vez mais espinhuda, cruzamos por um dos afluentes que localizamos no mapa topográfico, mas que para nossa sorte, não passava de um vale seco, talvez apenas um escoadouro de águas da chuva e logo conseguimos voltar ao rio , aonde uma singela cachoeira que despencava de um amontoado de pedras enormes nos dava as boas vindas e nos instigava a pular no seu poço de aguas escuras, chamamos de CACHOEIRA Da CUNHA  ,mas resolvemos não nos demorar muito ali, estávamos ansiosos para chegarmos logo ao grande afluente superior e ver qualquer que era as dificuldades que ele iria nos impor.

5a2b1b9781267.jpg

 

          Desta vez não tinha jeito, era subir até onde o terreno desse passagem, muito porque, ao encontrarmos mais um rio seco, tentamos descer e fracassamos, então varamos matos e samambaias gigantes, até que lá do alto avistamos o rio se encontrando com o afluente que buscávamos. Contornamos mais acima ainda para escapar dos abismos e sem muita demora desembocamos bem acima do tal afluente, de águas cristalinas e vistas espetaculares das praias e do próprio Rio Guaratuba encontrando o mar.

5a2b1f985d20b.jpg

         5a2b2080169fc.jpg

          É impressionante como a gente projeta as coisas baseadas nos nossos medos interiores. Achávamos que ali seria as bordas do planeta, donde cairíamos nos abismos do além, mas ao contrário disso, nos deparamos com uma queda d’água deslumbrante e com vistas para o jardim do Éden. Imaginávamos que ao chegarmos nesse trecho estaríamos numa espécie de proa de navio, aonde descer seria impossível e voltar , necessário. De cima daquele patamar, junto aquele afluente lindo era possível ver o grande rio Guaratuba correndo um pouco mais manso logo abaixo e no Horizonte uma floresta verdejante se juntando ao oceano e para marcar esse incrível lugar resolvemos chamar essa queda d’água de CACHOEIRA DA PROA.

5a2b2102e52e0.jpg

          Depois de um breve descanso, resolvemos descer ao pé da cachoeira e num piscar de olhos, já havíamos escorregado para baixo da sua queda aonde os mais corajosos, não eu, já se meteram embaixo dela e ficaram lá por um bom tempo se refrescando. Quando todos estavam satisfeitos, jogamos as mochilas nas costas e fomos desescalando pedras e descendo degraus até retornarmos ao rio e como as surpresas nessas expedições nunca parecem ter fim, fomos desembocar em mais uma espetacular cachoeira que vinha de um afunilamento e depois se esparramava sobre as pedras e caia em mais um poço de águas escuras, hora de parar para mais uma rodada de ócio, acompanhada de pedaços suculentos da torta da sogra do Trovo e de deliciosos petiscos roubados de uma certa festa de aniversário e para marcar mais essa conquista chamamos aquela queda de CACHOEIRA DA JUNÇÃO.

5a2b23f7cd841.jpg

          O dia estava rendendo e já estávamos a mais de sete horas num ritmo alucinante e agora uma brecha no rio nos fez passar para o lado esquerdo e nossa caminhada vai seguindo passando por um infinidade de pequenas cachoeirinhas, onde descer de grandes matacões e rampas rochosas sempre era preciso, mas varar mato nunca saia de moda e logo estávamos novamente descendo ao pés de mais uma grande queda, aliás, uma não, três quedas. Talvez uma das mais bonitas sequencias de saltos, com um poço gigante que vai hipnotizando um a um até que eu mesmo, que não sou muito chegado em aguas frias, não me contenho e vou parar no fundo do rio. O Tony, o Trovo e Vagner já se enfiam debaixo na última queda e só saem de lá porque já sabem que o dia não tarda em se findar e é preciso adiantar o passo e ganhar terreno. A CACHOERIA DOS TRÊS POUSOS, serviu para termos uma certeza: Aconteça o que acontecer, nada mais poderia nos deter na nossa caminhada rumo ao litoral, mesmo que algo viesse a dar errado, o único caminho possível era finalizando essa travessia selvagem.

5a2b24d8cb50f.jpg

         5a2b25e25d008.jpg

         Outra cachoeira é cruzada e quando mais uma garganta no fecha o caminho, é hora de voltar para o mato, comer folha, se pendurar em arvores de espinho, varar terreno irregular, subir pendurado em arbustos podres e rezar para que eles não quebrem e nos faça despencar nos abismos. O corpo já do sinal de que está chegando ao seu limite e já começamos a cogitar em encontrar algum lugar para acampar, mesmo porque o tempo já começa a fechar e não tarda em começar a chover, mas acampar nesses lugares não é coisa fácil, o terreno é muito irregular e achar arvores que preste à beira do rio é algo trabalhoso. Já passa das quatro da tarde e ao tropeçarmos em um afluente de águas cristalinas, a gente jogas as mochilas ao chão e damos como encerrado esse dia de aventuras e deslumbramentos.

5a2b270fbea22.jpg

         5a2b27ce281e1.jpg

          É um lugar imprestável para acampar, mas é o que temos para hoje e foi bom parar aqui porque na mesma hora as torneiras do céu resolveram se abrir. A chuva caiu por uns quinze minutos e quando parou foi a deixa para montarmos nossas redes, coisa que fiz em menos de vinte minutos e por estar tão cansado, ao deitar sobre ela, não consegui mais me levantar e apaguei por umas duas horas e só acordei porque os borrachudos já haviam comido uma das minhas pernas e a chuva havia inundado a minha rede porque os meus vizinhos resolveram cair da rede e levar junto a cordinha do meu toldo. A noite já havia caído e eu estava envolto no meu sofrimento, com a cara toda inchada de tanto borrachudo. Levantei-me naquele aguaceiro todo e na escuridão da floresta tentei encontrar minha lanterna para ver se conseguia fazer uma janta, mas desisti, não consegui localizar um palmo de terreno plano nem para estabilizar meu fogareiro e por estar com a barriga entupida de uma certa torta, nem fome estava sentindo. Enquanto eu tentava concertar meu toldo e instalar meu mosquiteiro corretamente, um dos meus vizinhos, um tal de Tony, se debatia na sua cama de mato e expunha todo o seu sofrimento de novato nessas expedições. Sem saco de dormir, numa rede molhada e sem mosquiteiro, ele exalava sofrimento que beirava o desespero, e essa foi mais uma noite passada no inferno.

5a2b2b8d24b74.jpg

          Para nossa sorte o dia amanheceu sem chuvas e logo que um facho de luz iluminou nosso acampamento, pulamos das redes para um desjejum meia boca. Havíamos acampados surpreendentemente na cota 350 m de altitude, conseguimos descer 500 metros de desnível em um só dia, mas sabíamos também que em matéria de distância, havíamos percorrido muito pouco e ainda teríamos muita quilometragem para descer o rio, varar mato, subir parede. Aliás, por falar em paredão, o nosso destino nesse novo dia era nos livrarmos de uma parede gigante, aonde pelo rio era impossível passar porque uma garganta profunda já se apresentava à nossa frente. Tentamos subir o afluente do nosso lado esquerdo, mas logo vimos ser impossível e aí tivemos que escalar uma das suas margens e dar uma grande volta até nos posicionarmos acima da própria cachoeirinha, passar para o outro lado e escalar uma parede menor. A sequência foi um teste de paciência, sempre tentando achar uma diagonal que nos devolvesse de volta ao rio, aonde vislumbrávamos chegar aos pés de outra grande cachoeira.

          A gente deu a volta em um morrote para cortar caminho e fomos descendo, perdendo altura aos poucos, nos livrando dos obstáculos, mas quando vimos que estava difícil achar uma linha de árvores para voltarmos ao rio, não teve jeito, saímos deslizando barranco a baixo nos guiando pela luminosidade da grande queda d’água até chegarmos em um patamar ao alto imediatamente jogarmos nossas mochilas ao chão para melhor podermos no desfrutar daquele espetáculo aquático. Mais uma cachoeira gigante se descortinou no meio da floresta. Três quedas despencando, sendo a última muito maior e caindo em um poço gigante. Para nossa surpresa havíamos andado muito e quase não saímos do lugar e acabamos voltando ao rio pouco abaixo de onde havíamos bivacado. Infelizmente descer até o pé da cachoeira seria um esforço enorme e como havia voltado a chover um pouco, o rio estava cheio e se aproximar da queda, muito perigoso, então batemos uma foto, viramos as costas e seguimos nosso caminho e para marcar esse ponto geográfico  chamamos de CACHOEIRA NEBLINA DO GUARATUBA.

5a2b2c843cece.jpg

          Surpreendentemente aquela expedição estava seguindo seu curso numa normalidade jamais pensado pela gente, perdíamos altitude rapidamente. Nada era fácil, claro, um terreno terrível e desafiador, mas que aos poucos ia sendo conquistado e por volta da onze da manhã já conseguíamos ganhar distância caminhando pela margem do Guaratuba e ao chegarmos numa espécie de ilha foi que conseguimos achar um lugar decente que poderia ser transformado em um lindo acampamento, inclusive com uma gruta que poderia servir de abrigo para um grupo inteiro e para marcar esse lugar foi ali que resolvemos deixar nossa CAPSULA DE REGISTRO DE TRAVESSIAS SELVAGENS , bem na cota 200 de altitude.. Mas desta vez não foi nada elaborado, porque eu havia decidido não carregar nada que pudesse colocar minha segurança em risco com peso excessivo, diante da perspectiva de uma travessia ariscada. A capsula dessa vez foi improvisada com uma garrafa de boca larga e dentro deixamos os manuscritos de nossa passagem pelo vale, marcando assim essa conquista inédita, pelo menos em tempos modernos.

5a2b2cf79521c.jpg

          A partir desse ponto o grande Rio Guaratuba já começou a dar sinais de calmaria, que ia se alternando com pequenas quedas. O caminho ia seguindo, cruzando por ilhotas e matacões, hora a gente seguia pelo mato, agora já com pouca inclinação, hora descíamos pelo próprio rio, as vezes alternando de margem. Até então não havíamos encontrado qualquer sinal de passagem humana, nada que nos dissesse que um dia aquele vale teria recebido alguma pegada humana, mas quando o terreno caiu abaixo dos 100 metros de altitude começamos a desconfiar de que logo poderíamos encontrar rastros de civilização e ao cruzarmos um bonito afluente do lado esquerdo,  paramos para acabar de vez com a torta da sogra do Trovo e logo a frente um rabo de trilha foi localizado, então estacionamos imediatamente já que o caminho se dirigia para longe do rio.

 

         5a2b2f00b4420.jpg

          Aquela trilha poderia não nos levar a lugar nenhum, poderia servir apenas para acessar o interior da floresta para extração ilegal de palmito, mas também poderia servir para cortar caminho numa grande curva do rio, então resolvemos ariscar e ir acompanhando no mapa sua direção. Num primeiro momento ela se afastou, mas logo voltou a direção que nos serviria. Avançávamos a passos largos, mas como a tarde já estava chegando, decidimos andar até encontrarmos um local privilegiado para acamparmos, talvez algum rancho de pescador ou de caça. A trilha nos desovou novamente no rio, que agora era raso e com vária prainhas de areia. Suas águas eram cor de coca –cola, como as da Chapada diamantina e de Ibitipoca. Poderíamos acampar em qualquer lugar, mas a trilha era tão plana e gostosa de andar, que a gente se empolgou e quando a trilha sumia, avançávamos pelas areias do rio até que na sua margem direita surgiu uma trilha mais larga ainda e através dela a gente foi deslizando por muito tempo até que ela também acabou novamente no rio.

5a2b2fb647d94.jpg

          A trilha continuava do outro lado do rio, mas começava a subir o rio como se tivesse voltando , então resolvemos abandoná-la e voltar a descer pelo rio, hora pelas praias de areia, hora por dentro da água mesmo, mas por um golpe de sorte, o Vagner resolveu olhar no nosso mapa e descobrimos que aquela trilha era na verdade o acesso para sair do rio e ir em direção ao condomínio por onde pretendíamos encerrar nossa expedição, retornamos imediatamente, mas desta vez convictos de que aquela jornada terminaria naquele dia mesmo.

          A trilha realmente era estranha, estávamos subindo o rio, mas tinha algo que a gente não havia se dado conta, aquele rio na verdade era um afluente do Guaratuba e logo a direção desse caminho começou a apontar para a civilização. Havia uma preocupação de como conseguiríamos entrar em um condomínio de luxo e cruza-lo por uns 5 km sem sermos notados. Cruzamos o afluente bem nas costas das casas do tal condomínio, que para nossa sorte não tinha muros ou cercas e ao subirmos o barranco, saímos atrás de uma casa que parecia não haver ninguém. Passamos por seus domínios na surdina, cruzando uma espécie de garagem e caímos nas ruas do milionário CONDÔMINIO MORADA DA PRAIA.

5a2b3049ae4cf.jpg

          Quatro eram os homens que desfilavam sua felicidade e seus orgulhos naquele que sem dúvida deve ser um dos lugares com o maior número de milionários do Brasil. Casas com estilo americano, sem muros e com jardins incríveis, algumas devem custar uma dezena de milhão, num lugar que invadiu a Mata atlântica e destruiu tudo, em um dos maiores crimes contra a Serra do Mar Paulista. Alguns estavam morrendo de medo de serem pegos lá dentro, ainda mais quando a segurança passou por nós e já fez aquele olhar de reprovação, mas outros cagavam e andavam para aquilo tudo. Éramos como sempre, extraterrestres saídos sabe-se lá de onde, vindos de algum lugar que a alta Sociedade Paulista nem sabia que existia. Desfilávamos nossa pobreza financeira pelas ruas dos endinheirados rumando em direção à praia, como tartaruguinhas que correm em direção ao mar, tentando escapar dos tubarões. Passou pela gente um ônibus, que pensamos que poderia nos levar até Bertioga, mas na verdade não passava de um transporte interno do condomínio, porque não basta ser milionário, tem que ter um ônibus particular para saber como os pobres se locomovem. O motorista, vendo a nossa cara de fome, resolveu nos dar uma carona até a portaria já na beira da praia, fazendo assim com que a gente fosse enxotadados o mais rápido possível das vistas dos condôminos e assim a gente ganhou as ruas da Praia da Boracéia entre Bertioga e São Sebastião e demos por encerrado essa grande expedição, que marcou a entrada de mais um vale perdido no mapa das TRAVESSIAS SELVAGENS DA SERRA DO MAR PAULISTA.

                                                                     Divanei Goes de Paula- novembro/2017

 

           5a2ae831b05fe.jpg

 
  • Gostei! 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora
Entre para seguir isso  



×