Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
raquelmorgado

SER SUPER-HOMEM EM MONTEVERDE (COSTA RICA)

Posts Recomendados

O nosso primeiro destino depois de alugar o carro. Finalmente tivemos liberdade para circular por um país ao nosso ritmo, com toalhas de praia e fatos de banho a secar nos bancos de trás e sem o peso das mochilas às costas. A nossa primeira ideia na Costa Rica foi alugar uma caravana e dormir onde nos apetecesse. A ideia é boa, apesar de não sabermos bem como nos daríamos num ritmo de viagem desses. Fizemos alguns contactos, ainda no Chile, e quando chegaram as listas de preços, logo no início da viagem, desistimos. Ficava tão caro que compensava alugar um 4×4 e dormir em hostels, o que acabou por ser a nossa opção.

GOPR0110

Decidimos ficar duas noites em Monteverde para aproveitar um dia inteiro e partir cedo na manhã seguinte para o próximo destino. As estradas a partir de San Jose são boas, apesar da presença de vendedores e existência de paragens de autocarro na auto-estrada nos fazer alguma confusão. Nos padrões europeus estas estradas não seriam consideradas auto-estradas, mas, a verdade é que nos cobraram muitas vezes portagens e é essa a sua designação aqui.

Sendo um destino com floresta, Monteverde é popular pelas atividades de aventura, principalmente as ziplines. A cidade principal é Santa Elena, onde encontram de tudo.

DSC_2511

O que fazer:

Passear por Santa Elena. Há várias coisas para fazer, a maior parte pagas, como visitar borboletários, reptilários ou serpentários. Vale a pena passear e caminhar pela cidade, onde vão encontrar os restaurantes mais populares e lojas de souvenires.

Ir a um parque aventura de slide e rappel (ziplines/canopy/tirolesas). Nós fomos ao 100% Aventura e o pacote inclui 3 horas de atividades, com transporte, por 50 USD por pessoa. Este parque tem 10 ziplines, sete tradicionais, duas na posição de super-homem e uma em queda-livre. Uma das passagens em super-homem é a mais longa da América Latina, com 1.500m de comprimento. O parque tem muitos funcionários, bastante simpáticos, que vão brincando com o pessoal para ajudar a perder o medo. As regras de segurança são rígidas e é comum terem o material verificado várias vezes. É pedida uma assinatura num daqueles famosos papéis onde se abdica do direito de reclamar contra a empresa em caso de acidente, onde um dos acidentes pode ser o encontro imediato com uma serpente. O equipamento consiste num capacete com suporte para GoPro, luvas com reforço para agarrar o cabo e o cinto com arnês. Tudo começa com um briefing de segurança, formas de travar e acelerar, posição da cabeça, forma de colocar as pernas, leitura de sinais. As primeiras ziplines servem de preparação: são curtas e não dão grande adrenalina. Quando se passa para a de 600m já não dá para desistir, porque a única forma de regressar ao ponto de partida é pelos cabos. Enquanto estão nessa vêem os super-homens passarem por cima de vocês. E é para onde vão a seguir! Essas sim, dão adrenalina: inicialmente sentem-se, literalmente, suspensos, o que é assustador, os braços estão livres, abertos e a altura até às árvores, lá em baixo, é absurda. O medo passa quando começam a desfrutar da vista, quando dão por vocês a “voar” por cima da floresta. A última, a queda livre, tem uns primeiros segundos de “morte”. Os funcionários brincam convosco, preparam os três cabos de segurança, mandam-vos agarrar nos cabos e a seguir abrem um portão e mandam-vos cair. O cair é mesmo cair, 2 segundos (47 metros) de queda livre em que o corpo não entende o que se está a passar e tenta encontrar o chão, sem sucesso. Quase toda a gente grita muito e quase toda a gente esperneia em busca de chão. Quando passa a baloiço já estão a desfrutar e já passou, o vosso cérebro já sabe que estão presos, que o risco é controlado e é altura de observar a paisagem. Fiquem atentos que em breve vamos colocar vídeos da nossa passagem por aqui!

GOPR0120

Ir ao Parque Monteverde. A entrada custa 20 USD (10 USD para estudantes). O preço está um bocadinho inflacionado, na nossa opinião, apesar de ser um parque agradável. Tivemos muita sorte, conseguimos ver um gato selvagem (porque nos disseram onde estava, e mesmo assim estava difícil porque é um mestre no disfarce). Vimos também macacos de cara branca e uma serpente castanha, por pouco tempo, porque o susto da Raquel foi tal, que fugiram uma da outra. Cruzámos-nos com uma família de alemães que andava a ensinar aos miúdos a fauna e flora do parque. Este parque tem passeios noturnos, uma atividade muito comum em vários parques. É um passeio feito com guia onde se recebe uma lanterna e se vai pelos trilhos a tentar encontrar animais. O custo habitual ronda os 20-25 USD, dependendo do parque. Parece que se pode tirar fotos com flash, o que nos faz alguma confusão.

DSC_2654

DSC_2551 O gato selvagem está quase ao centro

DSC_2571

Ir ver a Ficus Hollow Tree. Este ponto encontrámos graças ao maps.me. São árvores gigantes, impressionantes, em que é possível trepar a uma delas. Não o fizemos e também não conseguimos utilizar a nossa claquete, porque estava demasiado concorrida.

Ir ao miradouro. Se o céu estiver limpo é possível ver a floresta e o mar.

Onde comer:

Soda Amistad, indicado pelo dono do hostel, foi uma ótima escolha, os pratos eram bons e o dono muito simpático. Tivemos uma apresentação aos rodeos da Costa Rica, assistimos pela TV e ele teve a dizer-nos quais eram os touros e os atletas famosos.

DSC_2533

Restaurante Tico y Rico. Fomos jantar aqui com um casal português que estava no nosso hostel e também gostámos. Já tinha sido experimentado pelos portugueses e não era caro. E como o Soda estava fechado nesse dia, variámos.

 

Fomos tomar café a uma fazenda Café de Monteverde. O projeto nasce da união de 12 famílias, descendentes de fazendeiros que trabalharam com café desde os anos 30. A fazenda fica em Cañitas. Trabalham em projetos educacionais na cidade e têm um café onde vendem, claro, café e bolos.

DSC_2684

Onde ficar:

Sleeping house. Não é a última bolacha do pacote, mas o quarto e pequeno-almoço valem o preço. Conhecemos aqui um casal português que vive nos Estados Unidos e, estando dois meses na Costa Rica em trabalho, decidiram passar o fim de semana nas ziplines. São investigadores e neste momento trabalham numa faculdade dos EUA, foram bastante simpáticos e passámos bons momentos juntos.

 

365 dias no mundo estiveram 2 dias em Monteverde, de 24 a 26 de junho de 2017
Classificação: ♥ ♥ ♥ ♥
Preços: caro
Categorias: natureza, cultura, aventura, animais
Essencial: atividades de aventura, ficus hollow tree, Parque Monteverde               

Estadia Recomendada: 3 dias

www.365diasnomundo.com

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora



×