Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
leomleite

Vida noturna em Punta del Diablo, Uruguay

Posts Recomendados

Pessoal, eu viajo entre dia 02/02 e 10/02 para o Uruguai e ainda estou fechando a ordem do meu roteiro. Quero passar por Montevideo, Punta del Este, La Paloma, Cabo Polônio e Punta del Diablo. 

Como estou indo sozinho, quero aproveitar a noite ao máximo, e ouvi falar muito bem da vida noturna em Punta del Diablo. O problema é que pelo meu roteiro, eu iria lá no meio da semana. 

 

Na opinião de vocês, será que consigo aproveitar a cidade indo no meio da semana, ou o ideal seria no final de semana? 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Peça ajuda, compartilhe informações, ajude outros viajantes e encontre companheiros de viagem!
    Faça parte da nossa comunidade! 

  • Conteúdo Similar

    • Por Alex Diluglio
      Segue o curto roteiro saindo de Porto Alegre e passando por pontos no Uruguai e Argentina. No final tem o valor gasto com cada passagem.

      Vamos lá... chegou o grande dia, na verdade nem acredito ser tão grande assim, mas mudanças, troca de hábitos ou qualquer atividade que permita sairmos da rotina é sempre bom, pois é mais uma oportunidade de aprendermos com nossos semelhantes. 
      A possibilidade de desfrutar um período mais longo fora do dia a dia de trabalho surgiu no início de Dezembro, mas como um bom procrastinador que sou comecei a arrumar as malas somente no final da tarde, algumas horas antes de pegar o primeiro de muitos ônibus que iriam definir essa aventura.    Então, 8 horas da noite eu estava entretido com opções de malas e acessórios para registrar cada momento da viagem, mas é claro, bem devagar, pois afinal de contas eu estava oficialmente de férias.    Tudo que tínhamos até o momento era uma passagem de Porto Alegre até o lado brasileiro do Chui saindo as 23:30 do dia 1 de março, e já no início surge a primeira confusão, antes mesmo de iniciarmos, pois nos mandaram imprimir as passagens de um lado da rodoviária, quando na verdade era em outro e ai já começa a correria (Bem vindo às férias). Tudo certo, fomos os últimos a embarcar no ônibus, mas ainda tínhamos 3 minutos sobrando.    Chegando pela manhã no lado oposto do Oiapoque (Chui - lado brasileiro), aproveitamos que era cedo e fomos em busca de um local para tomar um café. Eu lembrava que havia uma padaria muito boa na frente do centro de informações, local que eu estava acostumado a pedir tudo que é dica antes das minhas aventuras no Uruguai. A padaria devia estar sob nova direção, pois a preço subiu e a qualidade e limpeza estavam no chão. Quanto ao centro de informações estava em reforma, curioso que sou perguntei qual era a previsão para para concluírem, e a resposta não podia ser mais simples: "Quando acabarem as obras", parece que as coisas mudaram, mas como disse antes, mudança sempre é sempre para o bem, pois encontramos um hotel servindo um excelente café da manhã ao público.   De barriga cheia, fomos trocar nossos reais por pesos uruguaios e fazer algumas compras para a viagem.    Chegando na parada já no lado Uruguaio agora Chuy, já havia um ônibus saindo para nosso próximo destino: "Punta del Diablo". Para nossa surpresa. não fomos chamados para descer na Imigração, que por algum motivo não nos demos conta, mas em algum momento isso iria acontecer... (De acordo com a máxima: a cada ação ou nesse caso a falta dela uma reação).    Na rodoviária de Punta del Diablo, pegamos uma lotação até a praia, onde descemos no final da linha e de mochila fomos buscar onde dormir. Conhecemos o Pablo, que não era um Peruano que vivia na Bolívia e sim um Uruguaio que vivia ali mesmo. Ele tinha uns quartos arrumadinhos, bem simples, bem simples mesmo.    Agora, providos de um teto, saímos para aproveitar tudo de bom que a natureza de Punta tem para oferecer com sua costa litorânea, dunas, noite, comidas e tudo mais que se pode fazer quando estamos despreocupados com o tempo. Foram quase 4 dias neste ritmo, claro que nem tudo são flores, pois me deu uma dor de barriga no primeiro dia e o resultado foi literalmente catastrófico, se é que vocês me entendem. Na terça-feira dia 5, no início da manhã, pegamos a lotação de volta a rodoviária de Punta de Diablo e a partir dai partimos para Montevidéu no terminal Tres Cruzes, onde compramos uma outra passagem até Colônia del Sacramento.    Às 20 horas chegamos na nossa próxima estádia através do AirBnB em um hostel coordenado por Sebastian e sua mãe Roxana. Mal largamos as coisas e saímos para comer uma pizza Uruguaia em um restaurante local, o qual fomos surpreendidos pelo tamanho dos pratos.   Na manhã seguinte, após um café delicioso saímos para desbravar todos o cantos da cidade com uma bike alugada na própria casa. Essa cidade pitoresca fundada por Portugal e disputada por quase 100 anos entre espanhóis e lusitanos, provavelmente devido sua privilegiada localização geográfica no "Rio de la Plata" e suas ilhas. Outros pontos em destaque é a famosa "Calle de los Suspiros" construída em cunha de pedra, "Ruinas del Convento de San Francisco" destruído em 1704. "El Faro" de Colônia que começou a construção em 1845 e levou 12 anos para concluir, "Basílica del Santísimo Sacramento", construída em 1699. "Muelle de Colonia" construído em 1866, que foi o antigo porto da cidade e aeroporto, já que chegavam hidroaviões para conectar com outros destinos. Um pouco mais distante também conhecemos a "Plaza de Toros", hoje desmoronado, podia receber até 10.000 espectadores e também a "Capilla de San Benito", e por fim a costa, com destaque a qualidade das areias brancas, água morna e rasas.    A tarde já com as passagens à mão caminhamos até a estação de Ferry para imprimir os tickets, aguardamos em uma fila muito grande até a hora de mostrar os passaportes quando veio a pergunta da oficial da imigração que nos remeteu ao passado, lembram, quando disse que iriamos descobrir, pois aqui vai: "Por onde vocês entraram no Uruguai, pois aqui não encontro nada em seus passaportes?". Boa pergunta, pois como podemos sair de um lugar de não entramos, pelo menos é difícil de explicar nos tempos de hoje.  Como foi uma longa história de argumentações na sala da imigração, vou encurtar dizendo que o conserto para prosseguir ao próximo passo nos custou 2.778 pesos.   Concluído os tramites legais, embarcamos e percorremos o "Rio de la Plata" até "Puerto Madero" em Buenos Aires, caminhamos o suficiente para se arrepender, trocamos o dinheiro que não tínhamos e pagamos a taxa que não precisava para assim pegar um Uber até o "Terminal de Omnibus de Retiro", onde compramos as passagens até Córdoba.   Chegamos de manhã muito cedo, e ali mesmo na rodoviária foi feito a reserva pelo Booking para um hostel a 200 metros do terminal "Hostel Mediterranea". Nos acomodamos em um quarto compartilhado para 8 pessoas, que no dia haviam um americano, alguns argentinos e uma russa, o que mostra que esse tipo de acomodação é excelente para quem está em busca de socialização e esse também tinha um chuveiro muito bom, limpo, cozinha completa, bar no local e um amplo espaço com pessoas muito receptivas. No dia seguinte mudamos para um apartamento, um pouco mais afastado, mas com maior comodidade, conforto, privacidade e pelo mesmo preço.    É interessante perceber o resultado das nossas escolhas quando estamos abertos ao novo, pois neste caso, Córdoba não estava nos planos e talvez não tivéssemos uma outra oportunidade de conhecer esse local incrível o qual passaríamos os próximos 4 dias. Caminhamos muito por toda a cidade que possui uma lista cultural muito grande, sendo algum dos destaques a "Plaza San Martín", onde tudo começou, la "Iglesia de los Capuchinos" que é simplesmente incrível admirar o estilo Neogótico, o centro cultural "Paseo del Buen Pastor" que funcionou por quase 100 anos como asilo e presídio de mulheres, este lugar tem uma história triste, porém cheia de superações e inspiração, inciada em 1886 por monjas que perceberam a necessidade de recuperar mulheres, após diversos conflitos sociais, hoje neste mesmo espaço se encontra mostras de pintura, escultura,  fotografia, espetáculos de danças, shows de artistas, apresentações de teatros e por ai vai. O templo com planta em formato de cruz grega é o único em Córdoba. Dentro da capela havia um senhor com um conhecimento histórico incrível o qual poderíamos passar tranquilamente mais de um dia conversando. O local também possui uma diversidade muito grande de Igrejas, museus, todos como muitas história como o caso do antigo "Palacio Ferreyra" que é um símbolo da "Nueva Córdoba". Importante lembrar também do "Parque Sarmiento", que de tão grande que é, possui inclusive um Zoológico.   A noite desta cidade universitária chega a ser uma história a parte, saímos para conhecer o "Ganesha", que funciona como um bar para "happy hours" e jantares até a 1 da manhã e depois as mesas são recolhidas e o mesmo lugar é transformado em uma balada, o lugar fica lotado logo, se não for cedo melhor fazer reserva. Como havia dito esse é apenas uma das diversas opções, pois ao redor do "Paseo de las Artes" na rua Belgrano existe uma infinidade de opções. Veja o mapa com toda a lista.   Antes de se despedir para o próximo ponto, alguns fatos curiosos desta cidade é a quantidade de sorveterias "Grido", que não seria exagero dizer que tem uma a cada esquina, e tem um sorvete bom e barato, por exemplo a casquinha com três bolas sai 65 pesos. Outro fato interessante é saber que o mesmo local onde tem gente vivendo limpando para-brisas de carros na sinaleiras também tem restaurantes com mesas na rua onde as pessoas pagam as contas deixando o dinheiro na mesa o qual é recolhido pelo garçon somente quando for atender o próximo cliente nesta mesa para fazer o pedido.    Saímos de Córdoba pela empresa Chevalli por volta das 19:30 e chegamos em Mendoza às 6 da manhã seguinte o qual aguardamos a única cafeteria da rodoviária abrir, aproveitamos o tempo para uma leitura até as 9 e fomos para nossa próxima hospedagem. Pegamos uns folhetos e partimos para nossas próximas visitas turísticas: "Acuario Municipal", "Plaza Pedro de Castillos" e o "Museo del Área Fundacional" sendo esse último local, o que contém uma explicação cronológica de Mendoza desde a fundação em 1561 por Pedro Castillo, sua destruição em 1861 por um terremoto até os dias de hoje. Ao fim da tarde fomos comprar os ingredientes para o primeiro assado em parilla na Argentina. Nosso anfitrião Max, fez questão de nos acompanhar e sugerir 1kg de "Tapa de asado" e mais cebola e batatas para acompanhamento, além de uma boa cerveja. É impressionante que apesar da terrível situação econômica com a inflação nas alturas, é possível fazer um churrasco de boa qualidade para duas pessoas por R$ 60,00.    No dia seguintes saímos para um "City Tour" com conexão a vinícolas. A escolhida foi "Hacienda del Plata" uma vinícola familiar onde cada garrafa recebe o nome de um dos responsáveis do resultado da vinícola. Por 250 pesos conhecemos um pouco da história de 4 gerações através de muita hospitalidade, onde ainda conservavam a casa de um pouco mais de 100 anos, conhecemos vinhedo de uva Malbec 15 hectares, provamos a uva, visitamos a área de processamento do vinho, com generosas doses de degustação.      Continuamos nosso trajeto pelos 21 pontos, com uma parada na rua "Aristides Villanueva" para almoçar, foi difícil escolher uma diante tantas opções em uma única rua. Continuando o City Tour, é claro que as paradas dependem de gosto e tempo, mas eu diria que o "Cerro Gloria" vale a experiência. Terminamos o tour no final da tarde o qual o cansaço era tão grande que nossa única preocupação era comprar algo para o café, pois amanhã nosso próximo destino nos espera.    Saímos cedo para pegar o primeiro ônibus para "San Rafael", para aproximadamente 3.5 horas de viagem. Como estávamos sem internet na noite anterior, não conseguimos avisar nosso anfitrião, logo chegamos e batemos com a cara na porta. Nossas opções eram falar com os vizinhos e tentar contactar o anfitrião, primeira casa nada, a segunda não conseguimos muito além de assustar o bebê e uma ligação que não completava. Como ainda não estávamos desesperados de fome e o local parecia seguro, resolvemos aguardar, mas menos de cinco minutos depois, a vizinha do bebê vem nos dizer que conseguiu o contato e ele estava chegando.    Nosso anfitrião Gonzalo, chegou e já ofereceu uma carona até o mercado para nos prepararmos para o próximo assado. Comemos na companhia dos cachorros da casa, um coelho e o irmão mais novo, lavamos roupa, tomamos banho e saímos para conhecer a famosa avenida "Hipólito Yrigoyen". A rua possui alguns bares e sorveterias pelo lado Oeste da "Av. San Martin", ou lado direito caso sua referência de meridianos seja tão boa quanto a minha, ao lado esquerdo (Leste) já é avenida Mitre, onde ficam os estabelecimentos comerciais. Veja no mapa:   Além de um parque gostoso de ficar, o recém construído "Parque Hipólito Yrigoyen", também tem umas lojas de vinho, bares um centro de informações bem estruturado o qual recebemos diversas informações, incluído sobre nosso passeio no dia seguinte.    No dia seguinte antes da 7 da manhã já estávamos esperando o primeiro ônibus para "Valle Grande" que custou 436 pesos para duas pessoas, que era o lugar mais apropriado para visitar devido a infra-estrutura. Exploramos do Dique ao deserto, que aliás, diria para repensar sobre o conceito deserto, pois o mesmo pode oferecer experiências incríveis, foram muitas trocas de cenários (incluindo um submarino) e cada passo uma nova foto, lembrando que foram mais de 20.000 passos ~14km percorridos. Um aviso é para quem for em baixa temporada, levar o que comer, pois quase todos o local comerciais da suposta infraestrutura estavam fechados e os abertos não aceitavam cartão. Chegamos aproximadamente às 16 horas onde fomos almoçar e comprar os ingredientes para uma massa especial. E aqui uma outra dica para quem não costuma ler todas a regras da casa pelo aplicativo, é de perguntar para o anfitrião o que pode ou não pode fazer, pois descobrimos da pior forma que não podíamos utilizar a cozinha, logo guardamos os ingredientes e fomos comer fora. No final, tudo dá certo, pois encontramos o mesmo restaurante que comemos na capital Mendoza, o "Zitto", a franquia mantém o mesmo padrão de atendimento que preza a excelência e qualidade comprovados através do "Lomo" e uma "Salada de camarão".   No dia seguinte estávamos pronto para pegar o primeiro ônibus, mas não havia mais vaga, logo aproveitamos o tempo para atualizar a leitura e pegar o próximo às 9 horas. Para experienciar todo o tipo de hospedagem, passamos a noite em um hotel com café da manhã e na manhã seguinte deixamos as coisa no hotel a aproveitamos a manhã de domingo para conhecer um pouco mais da maravilhosa Mendoza, desde um trecho da missa, apresentação de Jazz na rua enquanto acontecia a meia maratona, Memorial da Bandeira e por ai vai.    Pronto para embarcar de volta para casa, serão dois dias de viagem pela frente, parece muito? Nahh, estou pronto para a próxima viagem. 🌎   E aqui segue os valores das passagens para duas pessoas para cada um dos destino que totalizaram R$ 2837
      1 Saída Porto Alegre para o Chui (R$ 344,20) 2 ~ 4 Chuí Uruguai para Punta del Diablo (R$ 26,00) 5 ~ 6 De Punta del Diablo para Montevideo (R$ 167,00) Montevideo para Colônia del Sacramento (R$ 98,00) 7 ~ 10 Colônia del Sacramento para Buenos Aires (R$ 373,00) Buenos Aires para Córdova (R$ 216,00) 11 ~13 Córdova para Mendoza (R$ 228,00) 14 ~15 Mendoza para San Rafael (R$ 49,00) 16 San Rafael para Mendoza (R$ 49,00) Mendoza para Buenos Aires (R$ 332) 17 ~18  Retorno Buenos Aires  para Porto Alegre (R$ 955,00) Na cotação do dia 2 de Abril de 2019 sendo: 1 Peso Uruguaio vale 0,12 Real Brasileiro 1 Peso Argentino vale 0,090 Real brasileiro
    • Por YagoBarros
      Então , final de maio partirei em um mochilão roots por todo sul do litoral brasileiro , rumo ao uruguai. Não tenho data pra voltar , pretendo passar pelo menos 1 mês viajando , então vou parando nos lugares mais bonitos sem pressa.
      Eventualmente , me hospedarei em hostels sem problema, mas na maioria do tempo dormirei na minha barraca mesmo.
      Quero começar a trip em Palhoça SC , mas aceito qualquer dica e mudança de roteiro que acrescente.
      Quem quiser fazer companhia está convidado haha, qualquer coisa só mandar msg.
    • Por Tadeu Pereira
      Salve Salve Mochileiros! 
      Segue o relato do nosso mochilão batizado de Trinca de Áries pelo litoral do Uruguai.
       
      1º Dia: Partida - 26/12/17 - 19h30min - São Paulo x Porto Alegre - Empresa de Ônibus Penha - R$226,65
          Partimos de São Paulo Capital do Terminal Rodoviário do Tietê às 19h30min do dia 26 de Dezembro de 2017 em direção ao sul do país para cruzarmos a fronteira do Brasil com Uruguay. Depois de uma chegada conturbada ao terminal do Tietê conseguimos embarcar sendo os últimos a entrar no ônibus com um pequeno atraso rs. A viagem seguiu tranquila com paradas de 3 em 3 horas de 25 a 30 minutos. Chegamos em Porto Alegre às 16h00. 
       
      2º Dia: 27/12/2017 - 23h00 - Porto Alegre x Chui - Empresa de Ônibus Planalto - R$145,45 - Guarda volumes R$8,00 - Banho R$15,00 
          Chegando na capital gaúcha na Estação Rodoviária Central fomos logo comprar as passagens com a empresa Planalto para o Chui. Passagens compradas encontramos um guarda volumes no terminal para guardar nossas mochilas por R$8,00 pois iriamos embarcar somente às 23h00 para o Chui. Decidimos andar um pouco pelos arredores da rodoviária, andamos por algumas praças visitamos o Mercado Público e logo fomos procurar as margens daquele imenso rio que cortava a cidade toda. E encontramos!                                                                                                                                                   

       
        
           Depois de andar um bocado pela cidade, comer e tomar a cerveja Polar famosa no sul, fomos para as margens das águas do rio Jacuí e encontramos um dos mais belos por do sol do mochilão, ficamos algumas horas contemplando aquele momento.
       

       
           Após esse espetáculo da natureza gaúcha retornamos para o terminal rodoviário para pegar as mochilas no guarda volumes e tomar um belo e merecido banho que encontramos no terminal rodoviário custando R$15,00 Reais por 8 minutos de banho quente. E acreditem, o tempo dá e ainda sobra rs! Banho tomado, celulares recarregados, barriga cheia é pé na areia, fomos para a plataforma de embarque aguardar o ônibus do nosso próximo destino, o Chui. 
       
      3º Dia: 28/12/2017 - 9h30min - Chui x Punta Del Diablo - Empresa de Ônibus Rutas Del Sol - $97,00 Pesos - Câmbio 8.30 - Taxi $150 Pesos - Camping $140 Pesos - Glamping $160 Pesos 
          Desembarcamos no Chui por volta das 7h00 da manhã, a cidade ainda estava acordando e não havia muitas pessoas pelas ruas. Fomos a procura das passagens para Punta del Diablo com a empresa Rutas del Sol, mas antes teríamos que atravessar a fronteira rs. Andamos algumas quadras e chegamos nas avenidas Uruguay e Brasil sendo ali a fronteira Brasil e Uruguai onde atravessamos caminhando. Pronto agora estamos no Chuy com Y mesmo ahuahuah.  Encontramos o guichê da Rutas del Sol e compramos nossas passagens por $97,00 Pesos para às 9h30min horário do Uruguai, pois não existe horário de verão como no Brasil, basta atravessar a fronteira que o horário altera, então lembre-se disso. Tomamos um ótimo café da manhã em um hotel restaurante chamado Nuevo Hotel Plaza localizado na Rua Arachanes, na mesma praça que se embarca pra Punta del Diablo. Pagamos R$20,00 Reais e comemos e bebemos à vontade depois fumamos nosso primeiro baseado em terras legalizadas ahahaha e o próximo passo seria fazer o cambio da moeda local, encontramos varias casas de cambio por ali mesmo nos arredores. Conseguimos uma cotação de 8.30 e trocamos R$250,00 Reais pois os próximos destinos não teriam casas de cambio. Embarcamos atrasados novamente, mas dessa vez pela confusão de horário que fizemos devido o horário de verão no Brasil e no Uruguay não ter. 
           Saindo do Chuy após uns 20 minutos o ônibus irá fazer uma parada na ADUANA (Administración de Aduanas de Chuy) que é responsável pela fiscalização e imigração de fronteira. Como a empresa de ônibus é uruguaia o motorista irá gritar "imigracion" mas se não houver ninguém para firmar a entrada no pais ou seja os turistas, o ônibus seguira em frente. Foi exatamente o que aconteceu com o nosso ônibus, como ninguém quis firmar a entrada no país o motorista seguiu viagem sem ninguém ao menos precisar descer do ônibus. A dica é: exija sempre sua entrada no país que estiver indo na América do sul, nós não fizemos isso como todos no ônibus e pagamos por isso na volta, mas contarei essa situação mais a frente. 
       
                                   
       
           Chegamos por volta das 11h00 em Punta del Diablo, o dia estava nublado um pouco fechado porém ainda assim não tirou a magia do lugar. Logo que desembarcamos fomos em uma barraquinha que tinha uma simpática senhora que vendia tortas de algas, compramos algumas pegamos um táxi pagamos $150 Pesos e fomos direto para o camping FLOR DE PEZ. Um pouco afastado do centrinho e do mar de Punta del Diablo o camping fica na Rua Nº1 e é muito aconchegante, limpo, com wifi, com opção de glamping $160 Pesos o dia e camping $140 Pesos o dia, com ótimos banheiros e chuveiro quente. 
             
                                   
       
           Acampamento montado fomos conhecer as praias de Punta del Diablo. Descendo a rua do camping com uma caminhada de 10 minutinhos e chegamos a Playa del Rivero. De fácil acesso, praia movimentada, embora estivesse um pouco vazia este dia devido ao tempo nublado, mas logo surgiu um sol lindo e a praia lotou de turistas. Compramos os famosos bolinhos de algas que são vendidos nas praias mesmo. Eles lembram um bolinho de arroz ou um tempurá rs, mas são muito bons, recomendo que comprem os da praia e não direto dos quiosques, pois os da praia são mais baratos, pagamos $100 Pesos por umas 15 unidades e são muito bons. Ficamos perambulando pelos arredores e fomos conhecer o mercado das Pulgas no centrinho da cidade, mais a noite a vida noturna da cidade é bem movimentada. Existem diversos bares, barracas de artesanato, comidas, lojinhas e diversos artistas. Comemos o famoso Chivito com fritas por $300 Pesos e brindamos nosso primeira praia em terras uruguaias com a deliciosa cerveja Patricia pagando em torno de $100 Pesos. Voltamos para o camping para um bom e merecido descanso. ZZZzzzzZzzZzzz...
       
                                          
       
         
       
       
       
       
       
       
       
       
       
           
           Energias recarregadas bora conhecer outros lugares, fomos para Playa de los Pescadores e logo a frente o Monumento do General Artigas e vimos de longe a Playa de la Viuda que fica um pouco afastada. No Monumento do General Artigas conhecemos um casal de Blumenau que estavam indo para o nosso próximo destino, Valizas. Eles gentilmente ofereceram uma carona para nós, o que poupou o valor do transporte, combinamos de encontrar umas 16h30min. Fizemos nossas mochilas, erguemos acampamento, despedimos da galera do camping e fomos nos encontrar com casal de Blumenau para seguirmos para Valizas.  
       
        
       
      5º Dia: 29/12/2017 - 17h10min - Punta Del Diablo x Valizas - Carona R$0,00 - Camping $350 Pesos - Cuia, bombicha e garrafa térmica $118 Pesos 
           Chegamos em menos de 1h em Valizas e fomos direto ao camping LUCKY VALIZAS para tentar encontrar vagas. Encontramos um Eco camping todo estruturado, com muitos animais, ótimos banheiros com água quente, boa cozinha, ótima área de camping, quartos compartilhados, suítes e localizado a algumas quadras da praia. Fechamos 3 dias por $1050 Pesos pois iriamos precisar de três dias para conhecer Valizas e fazer a travessia para Cabo Polônio para passarmos a virada de ano. 
       
                                         
       
         
       
       
       
       
       
       
       
       
       
       
       
       
           Montamos nossas barracas novamente e saímos para conhecer as praias de Valizas. Caminhas uns 10 minutos com o sol ainda alto no céu e encontramos uma praia com uma faixa de areia extensa, com as dunas em direção a Cabo Polônio separadas por um estreito rio que quando a maré esta baixa pode se atravessar com a água nos joelhos. Decidimos ficar o resto da tarde na praia e fomos presenteados com um belo por do sol.    
       
                      
       
            Ficamos muito felizes com o camping que escolhemos, parecia q estávamos em uma fazendinha com vários animais ao nosso arredor rs, a energia do lugar era muito boa, fomos muito bem recepcionados neste belíssimo Eco camping. Quando a noite caiu fomos ao centrinho de Valizas, com algumas opções de restaurantes, bares, diversos tipos de artesanato e muitos artistas pelas ruas. Em uma rua encontramos varias apresentações feitas na rua livre pra todo mundo ver. Uma pena que chegamos bem no finalzinho das apresentações mas já dava pra notar que ali seria o nosso lugar! Entramos em uma loja das famosas cuias para se tomar chá que os Uruguaios tanto gostam. Compramos a cuia com a bomba mais a garrafa térmica por $118 Pesos, só faltava o chá que nos mercados locais achamos facilmente. 
       

       
           Acordamos no sétimo dia um pouco mais cedo pois iríamos fazer o ponto mais alto do nosso mochilão, a travessia pelas dunas e pelo mar de Valizas até Cabo Polônio. Levamos 2 mochilas com algumas cobertas, blusas de frio, lanternas, água e algo para comer. Optamos dessa forma para poupar peso durante o trekking de 4 horas. 
       
      7º Dia: 31/12/2017 - 16h00min - Valizas x Cabo Polônio - Trekking 4hs - Travessia barco $50 Pesos - Chivito $200 Pesos - Cerveja Patricia $140 Pesos - Farol $25 Pesos 
            Saímos do camping por volta das 15h00, fizemos uma boa alimentação antes, passamos bastante protetor e nos dirigimos a travessia de barco pois o mar este dia estava muito alto para atravessar a pé com as mochilas, pagamos o valor de $50 Pesos por pessoa e em 5 minutos estávamos do outro lado. A caminhada começa pelo lado direito seguindo o rio e alguns metros a  frente começamos a andar nas dunas a esquerda, um nativo nos indicou desta forma pois o caminho seria menor.
       
                                                    
       
       
       
       
       
       
       
       
           Andamos umas 2 horas e chegamos a um mirante que tem uma vista fantástica de Valizas e de todo caminho q iriamos percorrer até Cabo Polônio. Decidimos sair das dunas e caminhar pelo mar pois a terra era mais firme e não cansava tanto. O caminho pelo mar era incrível, caminhamos vendo um por do sol sensacional e já enxergando o farol de Cabo Polônio em nossa frente. Encontramos também alguns animais mortos pelo caminho, na maioria filhotes de lobos marinhos que provavelmente se separaram de seus pais e não conseguiram encontra los mais, triste porém é a natureza! Chegamos no farol por volta das 19h00 e fomos direto para colônia de lobos marinhos que existe atrás do farol. Foi lindo ver tantos lobos marinhos juntos, gritando, brigando e procurando um espaço nas pedras, ficamos emocionados e realizados por tudo aquilo que estávamos vendo. Assim que a noite veio fomos para o centrinho de Cabo Polônio, afinal de contas era o último dia do ano e tínhamos que encontrar algum local pra comer, passar a virada e dormir.  
           


                                                                                                                                   
       
           Encontramos um ótimo local que servia chivito por R$200 Pesos e cerveja Patrícia por R$140 Pesos. Energias recarregadas ficamos perambulando pelas ruazinhas de Polônio onde se encontra diversos bares, restaurantes e lojinhas com maravilhosos artesanatos. Passamos a virada por ali mesmo com aquele céu lindo cheio de estrelas, assistimos diversas queima de fogos iluminando aquela pequena vila e nos mostrando um pouquinho do que iríamos ver quando o sol nascer, pois Cabo Polônio não existe energia elétrica. Após toda festividade de ano novo nos dirigimos para praia e encontramos uma cabana de salva vidas onde nos abrigamos da fina chuva que se iniciou na madrugada. Acabamos dormindo por ali mesmo. 
           O sol nasceu  pela primeira vez em 2018 nos mostrando a verdadeira magia daquele lugar, nos deparamos com uma bela praia com um céu muito azul e um belo farol que estava fechado pelo feriado mas tinha um valor de $25 Pesos. Andamos por toda a vila e fomos novamente para a colônia de lobos marinhos atrás do farol. Uma imagem quase que de Discovery Channel hahaha. Ficamos horas contemplando aquela fantástica paisagem.
       

          
          
       
           A volta para valizas foi um pouco cansativa, saimos por volta das 14h00 e fomos somente pelo mar fazendo o percurso mais longo mas muito bonito também. Paramos poucas vezes para tomarmos água e fotografar pois teríamos que chegar a tempo de conseguir transporte para o nosso próximo destino, Montevidéu. 
       
         
       
       
           Chegamos no camping e tivemos a infelicidade de encontrar nossas roupas ensopadas dentro da barraca pois na noite da virada ocorreu um temporal no camping molhando quase todas as barracas que estavam por la. Tivemos que retirar toda roupa e colocar para secar no camping antes de partirmos. Roupas secas, mochilas prontas, levantamos acampamento e nos despedimos mais uma vez e lá fomos nós para o nosso próximo e ultimo destino, a capital do Uruguai Montevidéu.  
       
      8º Dia: 01/01/2018 - 18h00min - Valizas x Montevidéu - Empresa de Ônibus Rutas Del Sol $601,00 Pesos - Hostel $600 Pesos - Taxi $180 Pesos - Cerveja Patricia $104 Pesos - MSC - Museu da Maconha $200 Pesos - Ceda $100 Pesos - Maconha $200 Pesos a grama - Hamburguesas $200 Pesos - Câmbio 8.10
           Conseguimos um ônibus em Valizas por $601 Pesos e somente lembro de sentar na minha poltrona fechar os olhos e abrir em Montevidéu pois o cansaço da travessia de 22km de ida e volta entre Valizas a Cabo Polônio naquela hora deu sinais de que iria nos derrubar. Já no Terminal Rodoviário Tres Cruces por volta das 23h00 decidimos pegar um táxi por $180 Pesos para irmos direto para o Hostel que um amigo tinha indicado, seguimos direto para o Bo! Hostel que fica na rua Canelones, 784 atrás do Teatro Solís. Fizemos o check-in pagamos $600 Pesos na diária com café da manhã incluso. A galera do hostel nos recebeu muito bem, o lugar é limpo, com quartos para casais e compartilhados, banheiros limpos, com ótimo wifi, salão de jogos, um lindo terraço, ótima cozinha e uma galera muito legal que nos deixou bem à vontade. 
       
           
        
                 
       
                Andamos quase toda capital a pé e com transporte público que é bem barato, conhecemos o Teatro Solís, a Plaza Independencia, o Mercado del Puerto, caminhamos alguns quilômetros pelas maravilhosas Ramblas onde fomos presenteados por paisagens que são de encher os olhos de lágrimas. O por do sol visto da Rambla é sensacional e emocionante. Foram momentos únicos de contemplação que fazem você refletir sobre diversas coisas na sua vida. Chegando nos dias finais do nosso mochilão, um de nós como previsto iria partir para São Paulo no dia seguinte. Saímos do hostel a tarde e fomos acompanhar nossa amiga e parceira de mochilão até o terminal Tres Cruces para retornar a São Paulo. Aproveitando que estávamos no terminal novamente fizemos o cambio por ali mesmo, vale a pena dar uma pesquisada em algumas casas de câmbio que tem do lado de fora do terminal também pois você pode encontrar melhores taxas de câmbios. Tarefas cumpridas, fomos atrás da famosa maconha do Uruguay e encontramos pelo valor de $200 Pesos a grama valendo muito a pena pois é de alta qualidade e pura, já a ceda achamos um pouco cara, um pacote de ceda compramos por de $100 pesos, em torno de R$15,00 Reais.     
       
          
          

          
        

       
            No dia seguinte fomos ao Museu da Maconha de Montevidéu - MCM que fica na rua Durazno, 1784. O museu conta toda história da maconha no mundo desde o começo até os dias de hoje e conta também o processo de legalização no Uruguay. Pagamos $200 Pesos para entrar e ficamos um bom tempo la com os funcionários já que fomos os últimos a entrar no museu.
            A vida noturna em Montevidéu rola diversos bares e pubs, encontramos um que se chama Rock es la Cultura localizado na rua Sorlano, 952. O Pub é totalmente voltado para o rock com fotos de bandas por toda parte, televisões passando clipes e shows e um palco para bandas se apresentarem, o que não aconteceu aquele dia. Tomamos um ótimo vinho, ouvimos uma boa música e comemos uma pizza bastante saborosa e retornamos ao hostel.
          Compramos diversas tipo de alimentos em free shops que ficam espalhados pela cidade, um deles chamado Devotos Express encontramos ótimos preços para alimentos, bebidas, alfajores, doces de leite entre outras coisas, vale muito a pena comprar nestes lugares. Comemos também as famosas Hamburguesas por $200 Pesos pedindo pelo telefone no próprio hostel e ainda vem com várias batatas fritas e bem rápido a entrega, uma ótima e barata opção pra matar a fome. 
       
          
        
       
           No penúltimo dia em Montevidéu fui até ao terminal garantir as passagens para São Paulo. La no guichê descobri que quando entramos no país deveríamos ter firmado a entrada na ADUANA (Administración de Aduanas de Chuy), sendo assim não conseguiríamos pegar um ônibus direto para São Paulo pois na ADUANA na volta iriam solicitar a entrada e como não tínhamos firmado seria cobrado uma multa de $2.800 Pesos. Por causa desta falta de informação decidi pegar um ônibus de Montevidéu para o Chuy e fazer a rota que eu fiz para entrar no país sendo aconselhado pela atendente da empresa de ônibus pois seria a melhor forma de voltar ao Brasil sem ter que pagar a multa. Então quando passarem pela Aduana lembrem se de solicitar a entrada no país pois na voltar se não estiver com a entrada será cobrado multa. 
           Acordamos arrumamos nossas mochilas, fizemos o check-out no Bo! Hostel e fomos para o terminal de táxi para nos despedirmos, pois iríamos para lugares diferentes. Eu tinha que seguir para o Chuy e minha companheira de mochilão junto com seu novo companheiro alemão iriam para Santa Tereza. Nos despedimos e eles embarcaram primeiro, uma hora depois foi a minha vez de embarcar. Hasta luego Uruguay! 
       
        
           
      13º Dia: 06/01/2018 - 14h30min - Montevidéu x Chuy - Empresa de Ônibus Rutas Del Sol $701,00 Pesos - Hostel R$50 Reais - Churri R$8,00 - Cerveja Glacial R$5,00 
           Chegando no Chuy por volta das 19h30min recebi a informação que não havia mais passagens para São Paulo e nem para Porto Alegre para aquele dia, então comprei uma passagem para Pelotas-RS para o outro dia de manhã para não ter que ficar muito tempo no Chuy. Conheci um colombiano na mesma situação que a minha mas que iria ficar em Florianópolis, nos unimos para procurar um hostel barato para passar a noite até o embarque de manhã. Conseguimos depois de algumas tentativas encontrar um hostel barato, fomos orientados a procurar pelo Poseidon Hostel que fica na rua Chile, 1131 no lado do Brasil. Fomos recepcionados pela dona do local com muita simpatia e cordialidade. Fizemos o check-in por R$50,00 Reais para passarmos a noite em um quarto compartilhado. Tomamos um bom banho e fomos ao lado Uruguaio comer alguma coisa pois estávamos mortos de fome. Encontramos um Senhor que vendia churri, um tipo de sanduiche rercheado com linguiça, vinagrete e com um pouco de pimenta tostado em um tipo de churrasqueira, pedi um churri por R$8,00 Reais e uma cerveja Glacial latão por R$5,00 Reais.
       
        
        
       
           Acordamos por volta de 7h00 e fomos para o terminal de ônibus para embarcar para Pelotas, no caminho vimos que duas argentinas que estavam no mesmo hostel que nós iriam para Pelotas e depois para Florianópolis também como o colombiano. Bastou um pouco de conversa e estávamos todos unidos para o mesmo destino, Pelotas. 
       
      14º Dia: 07/01/2018 - 9h00 - Chuy x Pelotas - Empresa de Ônibus Expresso Embaixador R$61,00 Reais
           Desembarcamos em Pelotas por volta das 13h00, como meu próximo destino era Curitiba e o horário que consegui passagem era para 18h30min ficamos aguardando debaixo de uma bela árvore na rodoviária jogando conversa fora até dar nosso horário. 
       
      14º Dia: 07/01/2018 - 18h30min - Pelotas x Curitiba - Empresa de Ônibus Penha R$226,46 Reais
           Saímos de Pelotas as 18h30min e no meio do trajeto por volta das 05h00 de uma manhã com muita chuva em Florianópolis me despedi dos três amigos que desembarcariam na ilha da magia. Até Curitiba ainda restavam algumas longas horas.
       
      15º Dia: 09/01/2018 - 14h00 - Curitiba x São Paulo - Empresa de Ônibus Cometa R$118,00 Reais
           Por volta de 13h00 desembarquei em Curitiba e fui direto ao guichê da Viação Cometa garantir minha passagem o mais rápido possível para São Paulo. Consegui para às 14h00 do mesmo dia. Comi alguma coisa no terminal rodoviário e embarquei para o destino final do mochilão chegando por volta das 21h30min do dia 9 de Janeiro de 2018 onde se encerra meu primeiro mochilão pelo Uruguay. 
       
      Gastos totais: R$1.662,56
       
       
      Muchas Gracias!

       
       
    • Por poponeis
      Relato Uruguai (Montevidéu, Colonia del Sacramento, Punta del Este) + Buenos Aires (Bônus) - 7 dias - Fevereiro/2019
       
      Parâmetros iniciais:
      Viagem em casal Os restaurantes no Uruguai tem desconto de 21% em pagamentos com o Cartão de Crédito (atente-se a data do relato) Hospedagem em hotéis de aparente bom custo/benefício Somente transporte público Não entusiastas de museus 2 noites em montevidéu, 2 noites em Punta, 1 noite* em Buenos Aires Câmbio oficial +-U$ 8,70 para R$ 1 Não trocamos nada de dinheiro no Brasil  
      Gastos pré-viagem:
      Passagem aérea tam Floripa/MVD R$ 693.36 (cada) Hotel em montevideo: https://pt.regencygolf.com.uy reservado direto pelo site US$ 99 (duas noites) Hotel em punta: https://www.hotelflorinda.com/pt-br/ pelo hoteis.com 474,35(duas noites) Hotel em buenos aires https://www.bohemiabuenosaires.com.ar  pelo hoteis.com 250 (duas noites) Passagem de Navio MVD-BUE direto: R$286,11 +IOF (cada) Passagem de Navio BUE-Colonia R$131+IOF(cada)  
      *Algumas dicas e impressões no final

       
      Dia 1 - Chegada em MVD:
       
      Chegamos as 17 horas no aeroporto de carrasco, procedimento de alfândega no uruguai foi super simples e super rápido, não perguntaram nada e nem nos deram comprovante de entrada.
       
      Dica: Se você desembarcar em um horário comercial, não troque dinheiro na casa dentro da área de desembarque (Global Exchange), tem outras casas que pagam um pouco mais (troque somente o essencial).
       
      Troquei 50 reais (só para o busão e algo essencial) na Global Exchange por U$ 6,20 (cada real). Do lado de fora estavam pagando U$7 por real.
       
      Na saída do desembarque tem um ponto de venda da antel (operadora de celular) http://www.antel.com.uy/personas-y-hogares/novedades/internet-para-turistas .
       
      Dica: Não jogue fora o numero do pin que vem com o chip, senão você não vai conseguir desbloquear o celular.
       
      Como só tinha trocado 50 reais decidi não comprar o chip naquela hora, tem wifi no aeroporto todo então não foi crucial.
      O ponto de ônibus fica bem em frente a saída, peguei o busão DM1 (U$56 cada) e desci na rua de baixo do hotel.
       
      Chegamos no hotel +- 19:30, check-in feito e fomos ao mercado trocar grana e comprar o essencial. No Uruguai eles não pedem o documento para trocar grana. E em montevidéo eles pagam a cotação que está no site da empresa. Trocamos a U$ 8,50 por real. 😃
       
      A água no mercado custou por volta de 50 pesos, preço similar ao do refrigerante (evite comprar a água salus, tem gosto salgado. Compre a vitalle ou a matutina)
       
      Fomos ao shopping e compramos o chip pro celular e 30 GB de internet válidos por 10 dias a 265 pesos.
       
      Jantamos um assado uruguaio no La pulperia: pedimos uma porção de carne cada (descobrimos que meia porção cada e mais que o suficiente), uma morcilla, meia porção  de batata frita, uma batata assada e uma coca de 1L. Atendimento e comida muito bons, mas não peçam uma porção de carne por pessoa.
       
      Total: 1375 pesos, com desconto do IVA 1127,05

       
      Dia 2 - Primeiro dia útil de viagem:
       
      No dia seguinte, fomos ao Pollo y Pico comprar o alfajor da avícola (45 pesos cada ou 6 por 240). Compramos 1 de cada sabor, mas não comemos na hora, tinha acabado de tomar café do hotel. MELHOR ALFAJOR POSSÍVEL!!!
       
      Pegamos o ônibus (38 pesos cada) e fomos rumo à 18 de Julio para turistar:
      Mirador de Montevideo - Grátis: fica localizado em frente a prefeitura, dá pra ver bem a cidade de cima e tirar boas fotos, wi-fi free.
       
      Seguindo em direção à ciudad vieja, na 18 de julio, tem a fonte dos cadeados, tem a fonte da praça cagancha e o centro de fotografias de Montevideo.
       
      Até que chega a praça da independência onde tem o prédio mais famoso de Montevideo, o museu do tango, a puerta de la ciudadela e o teatro solis que também é visível dali.
       
      O mercado do porto fica a uma boa caminhada da praça da independência, e a medida que vai se aproximando dele, vai aumentando o número de turistas e tudo o que cerca áreas turísticas.
       
      O mercado em si não é lá muito mercado, mas tem muitos restaurantes e lojinhas de souvenir.
      Compramos empanadas, na Empanadas Carolina, tem ótimo tamanho e custou 60 pesos cada. Aproveitando o mercado tomamos um medio y medio na Roldos, li que o medio y medio deles era um dos melhores, então decidimos ir na fonte.
       
      O sabor é +- uma sidra cereser sofisticada, 290 pesos a garrafa, acho que vale a experiência. O que não valeu foi a experiência no restaurante: o atendimento não foi bom quando dissemos que só queríamos a bebida, não aceitou cartão porque não tinha dado o valor mínimo, queria devolver o troco do que foi pago em pesos por real e demorou mais de 15 minutos pra trazer o troco.
       
      De lá fomos de ônibus (38 pesos) para o museu da cannabis, 200 pesos por pessoa. O museu em si não tem muitas coisas para ver: esperava que tivesse mais tipos de plantas, registros históricos etc. Foi tipo uma conversa do guia contando a história, num portunhol bem entendível. Se não estiver apertado de grana acho que vale a visita. (tem degustação)
       
      Pegamos o ônibus (38 pesos) para ver o letreiro de Montevidéu.
       
      Dica: Não vá no fim de tarde se não tiver uma câmera fodona, o sol fica atrás do letreiro, deixando as fotos escuras.
       
      +38 pesos para voltar ao hotel de ônibus (é viável voltar a pé, mas estávamos só o pó).

       
      Jantar na La Pulperia novamente: 2 choripan completos mais meia de batata frita e coca de 1L. Lanche muito gostoso e de "muita sustância".
       
      Total: 605 pesos, com desconto do IVA 495,90.
       
      Dia 3 - Segundo dia em MVD rumo a Punta:
       
      Depois do café, partimos rumo ao mercado agrícola, esse sim com cara de mercado público, vários vendedores de fiambres, frutas, temperos e afins. Aqui tem muitos locais e poucos turistas.
       
      Fomos ao palácio legislativo (dá pra ir a pé) e de lá (de ônibus) para a rodoviária de tres cruces.
       
      Não fomos à feira de antiguidades, nem a do parque rodó, pois vimos que não tinha nada de interessante para comer.
       
      Dica: tem um shopping com um mercado nos andares superiores da rodoviária, vai ajudar a economizar.
       
      Ônibus para Punta: 302 + 14 pesos  de taxa de embarque (comprados na hora).
       
      Se não me engano, tem duas empresas que fazem o trajeto, os preços são iguais, o que muda são os horários e se vai direto ou não.
       
      Saímos às 14:45 e chegamos +- duas horas depois.
       
      Do terminal de Punta a pé para o hotel, check-in feito, tiramos fotos dos dedos (fica em frente ao terminal de ônibus), demos uma volta e vimos um bonito pôr do sol.
       
      Jantamos no Ola La: promoção de chivito com limonada com blackberry, acompanhados de batata rústica ou salada, por 399 pesos cada.
       
      Serviram um pão da casa com manteiga de ervas, que não foi cobrado, estava bem gostoso e quentinho.
       
      O chivito veio no pão também artesanal com ingredientes frescos, o suco estava muito bom e a batata estava bem sequinha, a salada, apesar de bem fresca, é composta por itens que já vem no pão, então se tiver em dúvida, BATATA.
       
      Apesar de pagar com o cartão, não obtive o desconto de IVA (Não sei se tinha que ter pedido) 798 pesos no total, apesar disso, voltaria lá sem sombra de dúvida.

       
      Dia 4 - Punta e Casa Pueblo
       
      A ideia inicial era ir e voltar da Casa Pueblo de Uber, mas como eu tinha lido um relato que poderia faltar uber pra voltar, e depois de fazer uma simulação vi que demoraria até 15 minutos para um motorista atender na Casa Pueblo. E de ônibus o ponto fica distante tanto na ida quanto na volta.
      O hotel que estávamos oferecia o Tour para a Casa Pueblo por 15 Dólares para cada um, saindo às 17h da porta do hotel. Infelizmente, no dia, esse tour não foi oferecido porque o motorista tinha ido fazer um tour em outra cidade
      Na rodoviária de Punta vende o tour por 25 dólares cada e sai as 16.
       
      Deixamos as roupas numa lavanderia na rua central da península, 300 pesos: Até 5kg de roupas lavadas, secas e entregues no dia seguinte.
      Ficamos um tempo na praia, o hotel oferece cadeiras e guarda-sol de graça. Uma Pepsi 500 ml: 90 pesos.
       
      O tour passa por vários pontos interessantes, conta história sobre os pontos e o motorista/guia (Pablo) fala português ok. E é bem interessante pra ver a visão de um local sobre as coisas.
       
      Não entramos na Casa Pueblo (10 dólares por pessoa), uma senhora uruguaia que estava com a gente na van disse que achava um absurdo pagar pra ver o pôr do sol, e a vontade que já não era muita foi embora de vez. Do lado de fora a vista foi sensacional, e deu pra aproveitar bem. A van voltou para Punta +- 8:30 da noite
      No final das contas, o preço um pouquinho mais alto pela viagem com o guia valeu muito a pena.
       
      Fomos ao cassino (bem simples) em frente a rodoviária. O cassino mais chique do conrad/enjoy só aceita dólares e era mais longe), meia hora e 200 pesos mais pobres depois fomos jantar.
       
      Jantamos na rua do hotel num lugar chamado fish and chips. Resumindo NÃO VÁ a esta PORCARIA de lugar, vimos o anúncio de uma tábua de frutos do mar para 2, vieram 2 camarões empanados pequenos, um pouco de lula empanada, um monte de batata rústica e espinafre empanado frito. Cobraram 50 pesos por pessoa de couvert para 3 bolachas para os dois e um potinho de manteiga.
       
      Dia 5 - Punta a Buenos Aires
       
      Devido a facilidade e a experiência compramos passagens de navio saindo de Montevidéu direto para Buenos Aires pela Buquebus e a volta Buenos Aires para Colonia pela Colonia Express.
       
      Tomamos o café, check out e fomos buscar as roupas prometidas às 12h, promessa cumprida demos uma volta por Punta e chá de cadeira pra esperar o ônibus da Buquebus que leva até o porto de Montevidéu.
       
      O custo de comprar a passagem de ônibus até Montevidéu por outra empresa e pegar o barco partindo de lá é menor, mas se atrasar você fica a ver navios.
      O ônibus saiu pontualmente às 16:15 e eles dão um kit lanche que deve valer uns 350 - 400 pesos: água, barrinha de cereal salgada, amendoim salgado, barrinha de cereal de frutas.
       
      Chegamos no porto de Montevideo, por volta das 18:30, com precisão de saída do navio às 19:30.
       
      O processo imigratório foi super simples, não precisa passar em raio-x, detector de metal etc. O funcionário uruguaio não te pergunta nada e o segundo funcionário, argentino só carimba o papel (Não perca este papel). Tem um freeshop bem grande logo depois da imigração.
       
      Já o processo de embarque foi caótico, o navio saiu do porto quase 20:10.
      Quanto ao navio da Buquebus (Francisco): É preciso calçar uma espécie de luva por cima do calçado para entrar no navio, o navio tem piso com carpete
      É um navio bem grande tem 4 classes: Econômico, turismo (compramos o nosso aqui), business e primeira classe. Os dois últimos embarcam primeiro e tem um certo controle de acesso às áreas. Já a económica e turística não tem controle nenhum. Tem uma área de recreação para crianças com um cuidador, o freeshop é bem grande e o navio balança pouco.
      No entanto, esperava bem mais: as janelas da classe turística tem tipo de laminado que te impede de tirar fotos do lado de fora, tampouco tem uma área para ficar do lado de fora do navio, a casa de câmbio dentro do navio é horrível.
       
      O desembarque foi meio muvucado, mas também é bem simples, só precisa passar a bolsa no raio-x.
      Chegamos em Porto Madero às 22:40, quase 1 hora de atraso. Detalhe, na hora que chegamos, a casa de câmbio em porto madero já estava fechada, por sorte tínhamos saldo no SUBE de uma viagem anterior.
       
      Vou pular os detalhes do que fizemos na Argentina pois já tínhamos visitado a Argentina e praticamente só fomos ao caminito
       
      Dia 7: De buenos Aires para Colonia, Montevideu e Brasil
       
      O nosso vôo estava marcado para 3:20 da manhã do dia seguinte saímos de Buenos Aires, passeamos em Colonia, fomos para Montevidéu e depois Brasil.
       
      A nossa passagem pela Colonia Express estava marcada 13:45, fizemos o check out, compramos bastante comida, vimos relatos dizendo que a comida era cara em Colonia, chegamos no porto da Colonia Express ao meio-dia.
       
      Importante: o porto da Colonia Express e o da Buquebus/Seacat são em lugares diferentes na Argentina.
       
      O processo imigratório também foi bastante simples você apresenta o papel que recebeu na ida e passa a bolsa no raio-x
       
      O navio da Colonia Express saiu no horário: é bem menor, o freeshop é, basicamente, uma lanchonete e balança bastante.
       
      No entanto, é bem melhor: O piso é tipo um laminado, não precisa usar luva no pé, dá pra tirar foto pela janela, tem um guarda volumes na parte traseira e, o melhor de tudo, tem uma parte externa que dá pra sentar e tirar ótimas fotos!
       
      Chegamos em Colonia e botamos as bolsa no guarda malas fica rodoviária ao lado do porto. 50 pesos até 2 horas, 80 pesos entre 2 e 4 horas por mala. Compramos as passagens para Montevidéu às 18.
       
      375 + 20 de taxa de embarque. total: 395 por pessoa
       
      Demos uma volta em Colonia das 15 às 17:30, chegamos em Montevidéu 20:40 +- demos uma volta no mercado/shopping e pegamos o ônibus 470(56 pesos cada), 2 quadras da rodoviária rumo ao aeroporto.
       
      Um detalhe: se você quiser comer algo diferente de mcdonalds, o shopping/rodoviária de tres cruces é o último lugar pra fazer isso, no aeroporto só mcDonalds.
       
      O ônibus demorou +- 40 minutos até o aeroporto, comemos no mcdonalds mesmo (estávamos sem fome mais cedo), aplicativo de cupons do mcdonalds funciona no Uruguai tbm, e tem desconto de iva, desta vez eu perguntei e pedi o desconto.
       
      O freeshop de montevidéu aceita reais e devolve o troco em dólares, com uma cotação até melhor que a comercial e os preços são um pouco melhores que o de Guarulhos.
      A área de embarque internacional tem puff e algumas poltronas com apoios paras os pés que são bem confortáveis.
       
      Fim da viagem

       
      Dicas Gerais
       
      Sim, é caro: Se comparar com o Brasil, o Uruguai é caro. O refrigerante de 600 ml e a água de 1L no mercado custam na faixa de 50 pesos (6 reais), em Punta, na praia, custou 90 pesos.
       
      Pague as refeições no cartão de crédito: aproveite que ainda tem desconto no iva e pague no cartão de crédito, só pergunte se tem o desconto e se não tem valor mínimo. No visor da máquina vai aparecer o valor cheio, o desconto aparece depois do pagamento no recibo da máquina.


      Não faça câmbio em Punta e nem em Colonia: É melhor fazer o câmbio em Montevidéu, lá eles pagam o que está no site das casas, em Punta e em Colonia não.
       
      http://www.aspen.com.uy/sitio/?lang=pt
      https://www.cambio18.com
      http://www.gales.com.uy/home/
      Escolha um hotel com um bom café da manhã: vale a pena pagar até uns 20 reais a mais na diária se o café for bom, dá pra encher a barriga no hotel e administrar o almoço, só gastando na janta.
       
      Compre a passagem de navio mais barata: Quando for pesquisar passagem de navio, entre pelo site na versão argentina e procure a parte de outlet/promociones

      https://www.buquebus.com/promociones/outlet
      https://www.coloniaexpress.com/ar/outlet
       
      Se pudesse refazer o roteiro para economizar:
       
      2 dias inteiros em Montevideu
      1 dia pra bate e volta em Punta (Excursão que passa o pôr do sol na Casa Pueblo saindo e voltando para Montevidéu)
      1 dia pra bate e volta em Colonia (por conta própria)
      Reserva todas as noites em Montevidéu, aí não precisa ficar penando carregar mala/mochila e esperar pra fazer o check in / trabalho de fazer e desfazer mala etc.
       
      Última dica: Compre Batata Frita sabor ovo frito.

      Este maravilhoso salgadinho tem o gosto mais exótico da vida!
       
      Impressões do Uruguai:
       
      O país tem muitas árvores nas ruas e dá pra notar que parte dela é nativa, as árvores que estão nas calçadas já estavam lá antes da calçada existir e continuam lá mesmo depois da calçada. Acho que lá esse negócio de "vamos arrancar a árvore porque ela quebra a calçada" não funciona.
       
      O povo parece bem civilizado, 2 exemplos que eu vi:
       
      No ônibus de Colonia para Montevidéu, o motorista nem conferiu os bilhetes para entrar, uma pessoa entrou numa outra parada depois da rodoviária, quando foram conferir os bilhetes essa pessoa tinha comprado a passagem para outro dia e  o cobrador tipo falou para ela: "Moça o seu bilhete não é pra hoje, chegando em Montevidéu avisa no guichê da empresa e tá blz", sem briga, sem discussão, sem suspeita de migué.
      Para trocar dinheiro eles não pedem documento, assinatura, comprovantes etc. Ninguém fica conferindo se a nota que você deu é falsa.
       
      Fomos bem atendidos na maioria dos lugares que fomos, o pessoal tem uma predisposição para te ajudar.
       
      Achei que o Uruguai tem muitos idosos.
       
      Vi poucos mendigos na rua e todos adultos.
       
      O povo de montevidéu parece muito mais pacato se comparar com o brasileiro (paulistano) e o argentino (de Buenos Aires).
       
      Punta (pelo menos na parte da Península) é muito burguês, não é o tipo de lugar que dá pra sentir o povo e nem acrescenta culturalmente.
       
      VISITEM O URUGUAI!!!

       
    • Por jeangomes92
      Blz Mochileiros!
      Estou planejando uma viagem em Setembro/Outubro desse ano (2019) pelo Chile, Argentina e Uruguai. Pesquisei bastante e montei o roteiro abaixo. 

      Chile Quantiadade de dias Santiago 3 Valparaíso 1 Viña del Mar 1 Atacama 5     Aergentina   Juyjuy 1 Purmamarca 1 Salinas grandes 1 Humahuaca 1 Salta 2 Rioja 3 Mendonza 3 Cordoba 3 Rosário 3 Buenos Aires 2     Uruaguai   Colonia de Sacramento 1 Cidade Velha 2 Atlantida 1 Piriápolis 1 Punta del Leste 1 Jose Ignacio 1 ParqueSanta Tereza 1 Cabo Polonio 1 Puntal Del Diablo 1 Fortaleza Santa Tereza 1   
      Eu quero fazer ir e imergir o máximo possível na cultura local, então a ideia é ficar em hostel, airbnb fazer couchsurfing ou fazer work exchange durante a viagem. Aqui pelos fóruns do site vi que tinha bastante roteiro para esses países mas não necessariamente na ordem que fiz. Alguém já foi para algum desses lugares e podem contar como foram as experiências com carona,  couchsurfing e fazer work exchange? Dicas sobre o roteiro são bem-vindas também.


×
×
  • Criar Novo...