Ir para conteúdo

Pesquisar na Comunidade

Mostrando resultados para as tags ''monte fuji''.



Mais opções de pesquisa

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Mochileiros.com

  • Perguntas e Respostas
    • Perguntas Rápidas
    • Perguntas e Respostas & Roteiros
    • Cupons de Desconto
  • Relatos de Viagem
    • Relatos de Viagem
  • Companhia para Viajar
  • Equipamentos
  • Trilhas e Travessias
  • Nomadismo e Mochilão roots
  • Outras Formas de Viajar
  • Outros Fóruns

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


Sobre mim


Ocupação


Próximo Destino

Encontrado 4 registros

  1. Gente alguém já foi visitar o Lago Motosuko (um dos 5 lagos do Monte Fuji) saindo de kawaguchiko? Vi que tem um ônibus saindo da estação de kawaguchiko, e meu plano seria ir de manhã para voltar na hora do almoço, será que da? Obrigada!
  2. Oi gente! Queria saber duas coisas 1) Alguem que ja foi no chureito pagoda lembra de ter armários para guardar bagagem na estação de trem mais próxima? (Shimo Yoshida) 2) Saindo de Kawaguchiko, qual o melhor caminho para ir para kyoto de trem? Pelo que eu entendi tem que voltar até a estação Otsuki e de la até a estação Yokohama e então pegar o trem-bala. É isso mesmo? Obrigada
  3. (JAPÃO) (MONTE FUJI) (KAWAGUCHIKO) (FUJI Q HIGHLANDS) Galera tudo bomm? alguma de vcs ja foi ver o Monte Fuji de Kawaguchiko saindo de Tóquio? Preciso de dicas pq estou mega perdida com os trens e tudo. E depois vou sair de lá e ir para Kyoto e estou mais perdida ainda kkk então se algúem ja fez esse trajeto e ficou nessa região estou aceitando todas as dicas possíveis Além disso, alguém ja foi no Fuji q Highlands? to com muita vontade de ir porque amo montanha russa, mas eu perderia um dia Kawaguchiko e quero saber se vale mesmo a pena, além de ser bem carinho... Enfim, aceito dicas de tudo haha obrigada!!
  4. Este relato foi o que inaugurou o meu blog, http://nandosilvauptothelimit.blogspot.jp/2012/05/desde-que-cheguei-ao-japao-em-2007.html a aventura ocorreu em agosto de 2011, fico devendo mais fotos, quem ler o relato vai entender o porque... Desde que cheguei ao Japão em 2007, sempre tive a curiosidade de explorar o Monte Fuji, alem de ser a maior montanha do arquipélago é também uma das mais belas e famosas montanhas do mundo. Inspirado em um grupo de parentes e conhecidos que se aventuraram na montanha, eu também decidi que iria subir. Eles foram com uma turma durante um feriado e devido ao trabalho não pude ir junto, na volta muito cansaço e historias principalmente dos que foram vencidos pelo mal da montanha e não alcançaram o cume. Tudo isso me deixou muito excitado e duas semanas depois eu estava com um roteiro e a mochila pronta afim de subir a montanha sozinho. Minha esposa foi totalmente contraria a ideia, afinal nem montanhista eu era e subir sozinho uma montanha de quase 4 mil metros não é pra qualquer um. Mas eu não estaria sozinho, afinal estávamos na temporada de subida que é nos meses de Julho e Agosto e 400 mil pessoas se aventuram na montanha todos os anos, sendo que metade atinge o cume. Me programei pra ir num sábado dia 20 de agosto, subir no final da tarde, atingir o topo no começo da madrugada, esperar ao relento até o sol nascer e então iniciar a descida. Bom, como as coisas nem sempre funcionam como o previsto um dia antes a previsão apontava chuva para o Japão todo e na montanha havia possibilidade de neve. Isso me deixou muito desanimado mas como haveria somente mais um fim de semana pro fim da temporada decidi que iria assim mesmo. As 9 horas da manha de sábado iniciei a viagem, o tempo estava nublado e úmido alem do calor infernal que é o verão japonês e a media de temperatura naquela semana beirava os 35ºC. Depois de viajar 4 horas por 2 trens expressos e 1 trem bala cheguei até a estação Shinfuji, de onde parte um ônibus coletivo em direção a estação 5 na montanha. Nesse ônibus partimos eu e mais 2 corajosos, depois de mais duas paradas totalizamos 10 pessoas que chacoalharam por 2 horas naquele veiculo desconfortável por um caminho sinuoso paisagem fechada e para desanimo de todos a tão prometida chuva do fim de semana começou a cair. Chegamos a estação 5 as 15:30, me abriguei da garoa intensa que caia, almocei e comecei a descansar como programado para aclimatação e tive um mal estar intenso, afinal já estava a 2.400 metros de altitude. Nesse momento pensei que era loucura e que eu deveria desistir, não havia mais ninguém subindo e o clima não parecia que ia melhorar, então pensei que se eu já estava ali deveria subir. Comecei a me preparar, aquecer e as 18:30 iniciei a subida. A subida leva em media de 6 a 8 horas e minha ideia era de 3 pequenas paradas, comecei em um ritmo alucinante pois começara a anoitecer e eu pretendia chegar a estação 7 antes disso. Consegui chegar ainda sem lanterna mas num breu danado e parei 10 minutos para ir ao banheiro e descansar um pouco e retomei a subida. A partir dai a nevoa e a garoa tornaram a visibilidade quase nula e em um momento perdi a corda que guia até a estação seguinte, fiquei alguns minutos desorientado tentando controlar o desespero pois eu não tinha onde ir e não havia ninguém para me socorrer. Apaguei a lanterna que nesse momento mais atrapalhava do que ajudava devido a neblina e comecei feito um cego a arrastar o meu cajado até que finalmente reencontrei a corda guia e continuei a subida. Depois de 2 horas de subida parei pra me alimentar me protegendo do vento em uma estação desativada, nesse momento perdi minhas luvas e quando já havia desistido de procurar acabei encontrando justamente na direção que eu deveria seguir. Cheguei a estação 8 muito cansado, já se passavam 3.250 metros de altitude, a névoa havia diminuído e a chuva aumentado, parei pra ir ao banheiro simplesmente pra poder sentar em um lugar seco, foi nesse momento que tive noção de como a altitude afeta os seus sentidos. Perguntei ao rapaz que cuidava do banheiro qual era altitude de momento, ele me respondeu em inglês e depois de alguns instantes tentando traduzir aquilo na minha cabeça ele repetiu em japonês e ai o meu raciocínio se confundiu de vez. Perguntei a ele se havia mais gente subindo, pois até o momento eu não havia presenciado ninguém, ele respondeu que mais cedo pessoas passaram por ali, me perguntou se eu estava sozinho e me alertou que estava muito perigoso pra subir naquelas condições, eu teimoso que sou ignorei e continuei subindo. A chuva e o vento não paravam de aumentar e procurei manter o ritmo, cheguei sem dificuldades a estação 9 e deveria tomar uma decisão, parar ali e esperar a chuva passar ou seguir até o topo, até então eu não sabia da existência da estação 9,5, como minha condição física ainda eram razoável decidi seguir, afinal faltavam menos de 300 metros até o topo. Passados 10 minutos me arrependi como nunca, a chuva ganhara status de tempestade e em alguns trechos era difícil se manter de pé. A montanha toda se transformou numa enorme cachoeira e a nevoa baixa corria pelos meus pés numa velocidade espantosa. Nesses momentos em fração de segundos passa um filme pela sua cabeça e parado ali encostado a uma rocha tive pela primeira vez na vida a sensação de que minha hora havia chegado. Pedi ajuda divina para Fuujin, o deus da tempestade na mitologia japonesa, respirei fundo e decidi usar o resto de minha força no limite até onde conseguisse, afinal eu não tinha outra saída. Exausto observei uma luz, ainda não era o topo mas pra minha surpresa havia mais um abrigo, minha salvação. Arrastei a pesada porta em tom de desespero, 2 homens vieram correndo em minha direção, um me perguntou se eu estava bem e o outro perguntava insistentemente Stay?Stay?, levantei minha mão e pensei em pronunciar espere um pouco, pra que eu pudesse raciocinar, mas as palavras não saíram, quando consegui conversar eles me acolheram, recolhendo meus pertences e me secando. O abrigo não estava muito cheio, creio que umas 15 pessoas e a imagem da maioria era desanimadora, uns vomitando, outros com falta de ar, então deitei e me cobri para tentar dormir um pouco, a temperatura la fora era de 2ºC mas eu estava aquecido, porem uma tremedeira tomou conta do meu corpo e demorei pra relaxar. As 3:30 todos foram acordados pra continuar a subida e um velho da cabana deu a péssima noticia, a chuva não havia cessado. A maioria se preparou mas ninguém quis sair na frente, afinal não adiantava correr pra ver o sol nascer pois com aquele clima isso era impossível, até que duas mulheres resolveram encarar o restante, eu acompanhei pois queria alcançar o cume de qualquer forma, mas no meio do caminho elas se desesperaram com a tempestade, tive que tomar a frente e com as energias recarregadas disparei sozinho e em 15 minutos alcancei o topo do Japão, claro que não vi o sol nascente, mas naquela altura chegar ali vivo já era mais do que uma vitoria!!! Passei apenas uma hora no topo, me alimentei, carimbei o meu cajado e tentei sem sucesso chegar ao marco que indica o cume da montanha, havia muita névoa e fiquei com medo de me perder em um local onde havia uma cratera. Reencontrei as duas mulheres do abrigo em meio a névoa e juntos iniciamos a descida que sem nenhum imprevisto demorou cerca de 3 horas e meia.
×
×
  • Criar Novo...