Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Isângelo&Lili

Paraná, Argentina, Chile, Uruguai e Serra Gaúcha

Posts Recomendados

Díario de uma jornada

 

Entre maio e junho deste ano, percorri uma verdadeira jornada com minha esposa. Do Atlántico ao Pácifico, por terra, céu e mar nos deparamos com: a força das Cataratas, a vastidão dos pampas sulamericanos, a imponência das cordilheiras dos andes, o assombro provocado por um semáfaro de alerta vulcânico e muito mais.

 

Diante das mui caras informações que recebi aqui no site, sinto-me na obrigação de socializar nossas experiências para que sirvam de inspiração e referência para os futuros viajantes.

 

 

Comecemos por nossa chegada em Curitiba:

 

1º dia - Curitiba

20/05 – às 20h30, desembarcamos no aeroporto de Curitiba. Tomamos um ônibus expresso que custou R$ 06,00 por pessoa e descemos no ponto em frente ao Shopping Estação. Havíamos reservado o Albergue Roma, que nos custou R$ 60,00 a diária, sem toalha de banho e com um cobertor muito ruim para alérgicos;

Custos do dia: R$ 66,00

 

 

2º dia - Curitiba - Morretes - Paranaguá - Ilha do Mel

21/05 – Tomamos um bom café da manhã. Como não havia Jardineira, tivemos que mudar os planos. Pretendíamos circular pela cidade para no próximo dia seguirmos para a Ilha do Mel. Assim, tomamos um táxi por R$ 6,00. O taxista nos deixou próximo ao guichê da litorina. Por muito pouco não perdemos o trem, que saiu ás 08h e custou R$ 26,00 por pessoa. Almoçamos no restaurante Casarão, em Morretes. Comemos o prato tradicional da região: o barreado. Com mais dois sucos de laranja, custou R$ 34,00. Ás 13h20, saímos para Paranaguá (R$ 3,50 por pessoa). De Paranaguá para Ilha do Mel pagamos R$ 12,00 por pessoa. O barco saiu ás 15h30 e demorou 1h30 para chegar. Hospedamos-nos na parte da ilha chamada Brasília. Ficamos na Pousadinha por R$ 50,00 a diária. Conhecemos uma canadense de 19 anos, Evageline, que havia passado 30 dias no Chile, participando do programa “Work in a Farm” da WWOOF. Ela já havia percorrido a Bolívia, Argentina, Peru e Foz. Juntos, jantamos peixe com camarão, uma delícia (R$ 10,50).

Custos do dia: 183 reais

 

Continua ...

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Isangelo teu relato começou bem, mas so ficou no segundo dia. è verdade o Roma pelo preço é ruim mesmo, tenho notado em qualquer lugar com umpouco de mais uns trocados tipo 75 da para ficar em hotem bem melhor com um café que cobre a diferença, tanto aqui no Brasil como no exterior. Continue com o relato estamos esperando. Valeu

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Agradecendo as postagens, seguimos com o relato ...

 

 

3º dia - Ilha do Mel - Curitiba

22/05 – Acordamos ás 07h30. Estava chovendo. Tomamos o café da manhã. Muito bom, por sinal. Fomos caminhando até a Fortaleza, 4 km. De lá para o mirante, há uma subida íngreme, 500 m. Em seguida caminhamos 25 minutos até o Farol da Ilha. Almoçamos pescado, por R$ 10,50. Às 15h, tomamos o barco para Pontal. Pagamos cinco reais por pessoa. Da marina de Pontal até a rodoviária da cidade, andamos 3 km. Pagamos R$ 18,14 por pessoa para ir até Curitiba, muito caro. Pagamos com Máster. Ainda no terminal, compramos uma garrafinha de água por dois reais. Em Curitiba nos hospedamos no Hotel Maia, em frente à estação rodoferroviária. No hotel, havia edredom, TV á cabo e café da manhã. Pagamos cinqüenta reais. Jantamos na rodoferroviária. Dois sandwichs mais um refri 600 ml = R$ 13,00;

Custos do dia: R$ 122,00

 

4º dia- Curitiba

23/05 – Tomamos um café da manhã básico. Após, seguimos de coletivo, para o Jardim Botânico. De onde pegamos a jardineira. Custou R$ 1,80 por pessoa. A jardineira custou R$ 16,00 por pessoa. Visitamos a Ópera de Arame, o parque Tanguá, a Torre Panorâmica (R$ 3,00 por pessoa), Memorial Polonês, museu Oscar Niemeyer (R$ 6,00, aceitava carteirinha de estudante internacional) e almoçamos na Santa Felicidade (Restaurante Casa dos Arcos; 02 buffets com sobremesa e dois sucos Del Vale, custou R$ 24,00). No final da tarde estava muito frio e já estávamos cansados de tanta andança. Tomamos um coletivo para a rua Visconde de Nácar (R$ 1,80), onde fica a Igreja Cristã Maranata, da qual somos membros. Buscamos as mochilas no hotel e ás 22h15 tomamos o ônibus para Foz (R$ 190,00 o casal);

Custos do dia: R$ 269,2

 

Continua ...

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Avançando no relato ...

 

5º dia - Foz do Iguaçu, Ciudad Del Este

24/05 – Chegamos em Foz ás 07h25. Tomamos café da manhã (dois mistos mais dois pingados = R$ 6,40). Como o HI, que fica no centro de Foz, estava ocupado, nos hospedamos no hotel três fronteiras (R$ 141,50 duas diárias e uma água). No hotel havia piscina, mas o frio a inviabilizava. Pela manhã descansamos. Almoçamos em um restaurante localizado em frente ao hotel (R$ 5,50 por pessoa, buffet livre). Depois, fomos a Ciudad El Leste (R$ 2,75 o bilhete). Compramos uma filmadora JVC + 04 pilhas recarregáveis + dv + cartão de 1 gb + capa = 500 dólares e duas campeiras por 40 dólares. Não fizemos boa compra porque um paraguaio muito estranho ficou nos seguindo dizendo que era guia turístico. Pensei em dar um chega para lá nele. Porém, temi que pudesse buscar reforço. Para não por a segurança da Lili em xeque, decidimos comprar o que deveríamos e sair o quanto antes daquele lugar. Sacamos USD 50,00 no banco do Brasil e compramos mais um relógio de pulso por R$ 10,00. Já em Foz, passamos 1h15 em uma lan house onde pagamos R$ 3,45. Á noite, fomos à igreja. Jantamos na Pizza Hut, com a carteira internacional de estudante pagamos 15% menos (R$ 25,00).

Custos do dia: R$ 192,85

Extras: 555 dólares

 

6º dia - Foz do Iguaçu

25/05 – Excelente café da manhã. Fomos à Itaipu, passagem R$ 2,00. Para uma hora de visita mais filme, a entrada e gratuita. Para a visita interna, cobram trinta reais. Não pagamos. Depois, fomos para a Rodoviária comprar passagem para Córdoba. Dois reais de passagem. Só encontramos passagem para semi-leito, com saída ás 10h15 do domingo, ainda assim, com cadeiras separadas. Tivemos que sacar para pagar a passagem, que não poderia ser paga com cartão. Pagamos R$ 130,00 por pessoa. Mais a frente, descobrimos que se tivéssemos comprado as passagens em Puerto Iguazu teríamos pagado menos, em Pesos argentinos, e em ônibus leito. Almoçamos na rodoviária por oito reais (dois PF´s + suco, se tivéssemos comprado apenas um prato teria dado para os dois). Da rodoviária fomos para as cataratas brasileiras. Nacionais com identidade pagam R$ 12,00. Não fizemos o Macuco Safári. Estava custando R$ 156,00. Jantamos duas promoções do Big Mc.

Custos do dia: R$ 182,00

 

 

7º dia - Foz do Iguaçu - Puerto Iguazu

26/05 – Levantamos às 07h. Ás 08h, tomamos café, pagamos o hotel e pegamos um ônibus para o Duty Free argentino. Chegamos lá cedo, mas o estabelecimento somente abre às 10h. Tivemos que esperar um bocado. Enquanto esperávamos, trocamos R$ 700,00 por Arg$ 1.000,00. Esperava mais do Duty Free. Tudo estava muito caro, cobravam em dólar e havia poucas opções. Compramos dois bonés da Nike por USD 13,00 e uma mochila USD 7,00. Havíamos pagado R$ 3,00 no coletivo que cruza a fronteira. Na aduana, tomamos o mesmo ônibus para Puerto, sem pagar mais nada. Nos hospedamos na hospedagem Don Fernando, que fica em frente ao terminal de buses (50 pesos com um desayuno bem fraquinho e banho privado). Almoçamos uma porção de arroz com salada, purê e refri 500ml. Custou 18 pesos. Procuramos uma agência no terminal e contratamos: passagem para as cataratas + grand aventura = 98,00 pesos por pessoa. A entrada no parque custou 18 pesos, por sermos do Mercosul. De volta a Puerto compramos uma garrafinha d’agua por três pesos. Compramos empanados por Arg$ 1,25 cada. Tomamos banho, saímos para lanchar e procurar uma lan house. Pagamos Arg$ 2,15 (Arg$ 3,00 /hora). No mercado, compramos uma garrafinha d’agua por Arg$ 1,25. Não ficamos mais tempo na Lan porque o dono, um típico argentino, estava aos berros com a família. Como a situação estava muito constrangedora, pois o cara chegava a espancar o balcão do local, fomos embora. No caminho de volta para a hospedaje compramos Arg$ 6,00 de frutas. Por um big sandwich com refri, pagamos Arg$ 11,50.

Custos do dia: USD 86,00 + Arg$ 228,00

 

8º dia - Puerto Iguazu e estrada

27/05 - levantamos ás 08h, tomamos café ás 09h. Bem fraquinho. Compramos para a viagem Arg$ 12,00: barras de cereal + biscoitos + achocolatado + alfajores. No terminal, muito limpo e organizado, só pudemos passar para o local de embarque 15 minutos antes da partida. Vinte minutos depois que partimos, fomos abordados pela Gerdameria Nacional argentina. Tivemos que apresentar os documentos de entrada no país. Passamos por El Dorado, onde, no terminal, compramos biscoitos de queijo (Arg$ 2,00). Durante a viagem, a companhia serviu sandwich no almoço, e frango pão e batata na janta.

Custos do dia: $ 14,00

 

9º dia - Córdoba

28/05 – chegamos ás 09h em Córdoba. No terminal, já compramos passagem para Mendoza, para o dia seguinte à noite, ás 20h30. Cada bilhete custou Arg$ 75,00. Por sugestão, procuramos o Hotel Entre Rios, mas não gostamos da higiene e fomos peregrinar em busca de um melhor. Escolhemos o residencial Corrientes, Arg$ 43,00, com calefação, tv à cabo, café da manhã e banheiro privado. Como estávamos cansados, dormimos e só levantamos às 15h. Almoçamos em um shoppingzinho na calle Corrientes, por Arg$ 27,00 (Pollo + papas +salada + dois sucos + 2 capucinos). Depois, passeamos pelo Centro. Na plaza San Martin, no centro de informações turísticas, nos informamos e tomamos um City Tur. Por termos a carteira Internacional de estudantes, pagamos Arg$ 12,00 por pessoa. Conhecemos a história da cidade, museus, igrejas, praças, universidade de artes, prédios antigos e etc. Valeu a pena. À noite fomos a uma Lan no Centro. Pagamos Arg$ 1,50 por uma hora. Lanchamos dois trios americanos por Arg$ 12,00. Residencial Corrientes, Calle Corrientes 570; tel. (0351) 422 6049-5000.

Custos do dia: $ 269,00

 

10º dia - Córdoba

29/05 – Levantamos às 08h30. A Eliane lavou o cabelo e as senhora Mirtes, simpática dona do residencial, nos trouxe o café da manhã, pontualmente ás 09h, conforme combinado. Resolvemos passear pela Villa Carlo Paz, que tem um clima romântico e muitos vira-latas que desinteressadamente seguem as pessoas. A passagem de ida em ônibus coletivo custou Arg$ 2,15. No terminal da vila há empresas turísticas, com passeios de meio dia ou dia inteiro. Ofereceram-nos um passeio para serra onde poderíamos ver neve. Custaria Arg$ 30,00 por pessoa. Não fizemos, porque sabíamos que veríamos neve muitas vezes no decorrer da viagem. Passeamos pela vila e almoçamos por lá (milanesa + arroz + salada + sprit 500 ml + chiclete + 02 chocolates + Arg$ 15,00). Voltamos para Córdoba por volta das 13h. Cada passagem de volta em micro-ônibus custou Arg$ 4,50. Na cidade, passeamos pelo centro e compramos itens de inverno: dois pares de luva de lã (Arg$ 6,00), 02 gorros (Arg$ 40,00), 02 pares de luva para neve (Arg$ 65,00), calça de lycra para atleta para evitar assaduras (Arg$ 35,00), água Arg$ 1,25; meias femininas para inverno (02 pares grandes), meias pequenas (1 par) = Arg$ 47,00. Tomamos dois cafés expressos, Arg$ 5,00, visitamos o museu universitário, 1ª universidade da argentina, 2ª da América do Sul (1ª foi Lima); visitamos a faculdade de Derecho de Córdoba, prédio que une o novo ao antigo. Cansados e com Eliane espirrando muito, seguimos para o principal Shopping da Cidade !O!, para descansar em segurança. Terminamos a espera pela partida em uma lan house, Cyber War III, Arg$ 1,50 por hora. Juntos, gastamos Arg$ 4,50. Jantamos por Arg$ 15,00 = milanesa+ 02 garrafinhas de coca-cola. Viajamos pelo Mar Del Plata. Serviram a cena e desayuno. Viagem muito tranqüila.

Custos do dia: $ 54,05

Extras: $ 193,00

 

11º dia - Mendoza

30/05 – Chegamos às 8h da manhã em Mendoza. Por estarmos no limite do fuso Argentino, estava escuro. Andamos muito atrás de um hotel. Enfim, com a ajuda do Guia, encontramos o HI Mendonza. Como fizemos a carteira por Arg$ 48,00 ficamos com um quarto para casal, sem TV, por Arg$ 53,00, dormimos até às 13h. Saímos pela cidade: visitamos a Praça Independência, pequeno Museu de Arte Moderna, Museu Legislativo, Parque San Martín e o Cerro da Glória. Esse último é visita indispensável. Almoçamos na esquina da Calle San Martín com a Calle N. Allen (Milaneza+arroz+salada+pães+pastéis+batata+coca-cola 500ml = Arg$ 25,00). No Cerro da Glória, compramos uma água 500 ml por Arg$ 2,00 e duas pilhas por Arg$ 5,00. Jantamos caldo+refri 500 ml no mesmo restaurante do almoço por Arg$ 17,00. No fim da tarde, decidimos comprar passagens para Santiago. Havia opção de compramos por Arg$ 30,00, mas o horário era muito cedo. Pagamos Arg$ 45,00 para às 9h do dia 1º, pela Andesmar. No Hostel baixamos e salvamos fotos. Carregamos pilhas, navegamos na Net e compramos uma água que custou Arg$ 1,50.

Custos do dia: $ 188,00.

 

12º dia - Mendoza

31/05 – Acordamos às 09h43. Estávamos cansados. O café foi razoável (sem frutas). Lavamos algumas peças de roupa. Decidimos ficar mais um dia. Para trocar as passagens no terminal, pagamos mais 30% de multa, Arg$ 38,00 para os dois bilhetes. Almoçamos em um restaurante simples, em frente ao hospital, por Arg$ 15,00 (salada + lombo + 500 ml de Talca limão), na San Martin. No centro cambiamos USD 100,00 por Arg$ 306,00. De volta ao hostel, ingrata surpresa, não havia vagas para rafting +treking +rapel. Havia somente para rafting e mesmo assim dependeria de que aparecessem mais voluntários até às 20h. Para não correr o risco, aceitamos um treking de dia inteiro nas cordilheiras frontais. Arg$ 270,00 para o casal com almoço. O passeio para as budegas atrasou trinta minutos. Conhecemos uma budega industrial e uma artesanal, mais requintada. Havia dois casais de brasileiros, ambos do Rio. O guia, mesmo sendo argentino, só falou em inglês. Durante o passeio conversamos mais com um dos casais, tina e Jorge, ambos, muito legais. Na visita à igreja da Padroeira do vinho, cruzamos a rua e comemos deliciosos empanados (03 + 01 copo de refri = Arg$ 8,00). Aproveitamos para praticar o inglês com três europeus. Regressamos para o hostel por volta das 18h30. Cambiamos reais e dólares no câmbio Santiago (San Martin, Centro, (San Martin, Centro, R$ 200,00 = Arg$ 300,00; USD 100,00 =306,00). Depois do câmbio, fomos as compras no Centro (saia = Arg$ 45,00; 02 blusas de frio + bufanda = Arg$ 100,00; bufanda masculina = Arg$ 12,00; blusa de frio masculina = Arg$ 35,00; frutas = Arg$ 6,00; 1,5l água = Arg$ 2,50). Encerramos o dia jantando massa (ravióli de carne e legumes + 500 ml de Coca + 02 empanados = Arg$ 16,00).

Custos do dia: $ 355,5

Extras: $ 192,00

 

13º dia - Mendoza

01/06 - Saímos do hostel para o treking, 08h55. Até a montanha foram uma hora e meia. O guia, Humberto, era brasileiro ([email protected]). Nosso ponto de apoio foi o refúgio San Antônio. Na van, conhecemos o fotógrafo, que se auto chamava Gato). O cara cobrou Arg$ 25,00 por mais de cem fantásticas fotos em um Cd (gostamos tanto que pagamos Arg$ 40,00, para valorizar o trabalho do dele). Os olhos dele encheram de lágrima quando dissemos que o trabalho dele não tinha preço. Do treking, também, participou um casal inglês (Soyman e Kate). Sem dúvida esse treking foi uma experiência inovidable. Regressamos ao hostel, exaustos, por volta das 20h. Dados da aventura: cordilheira Arenales, 3500 metros de altitude, 6h entre subida e decida, 11km de caminhada. Para repor as energias, jantamos em um restaurante italiano, San Genaro (pizza de mussarela com azeitona e tomate + postre – flan com doce de leite = Arg$ 22,00). DELÍCIA!

Gastos do dia: $ 62,00

 

14º Dia - Mendoza - Cordilheiras - Santiago

02/06 – levantamos às 7h. Embarcamos às 09h para Santiago. Fomos para a rodoviária a pé. Aliás, quase todo o tempo percorremos as cidades a pé. Compramos na rodoviária um chaveiro para regalo, Arg$ 7,90. Pensávamos que haveria água no ônibus da Andesmar. Ledo engano. O Staff era muito grosseiro. O ônibus tinha um apito que era acionado todas as vezes que a velocidade do veículo excedia 90 km/h. Isso quase nos enlouqueceu. Pedimos várias vezes para que esse sistema fosse desligado, mas o motorista nada fez. Ainda assim, as imagens da “ponto del inca”, Aconcágua e das demais cordilheiras fez com que tudo tenha valido a pena. Durante a viagem, conhecemos uma alemã muito simpática. Ela nos apontou o pico mais alto das Américas, a ponte Del Inca, além de outras atrações no caminho. De quebra, a jubilada e viajada senhora nos indicou o Hotel Paris, que fica na Calle Paris, próximo a igreja São Francisco no Centro de Santiago. Conhecemos, também, um casal australiano que se tornou um dos principais personagens das histórias marcantes da viagem. Ocorreu que quando descemos na aduana para realizar os trâmites legais entre Argentina e Chile, o australiano ficou para trás. A australiana que não sabia falar a língua dos hermanos, desesperada, pediu ajuda a minha esposa, que fala espanhol muito bem. Já estávamos há uns trezentos metros da aduana. Eliane pediu para que o motorista, argentino, diga-se de passagem, retorna-se para buscar o deixado para trás. O motorista limitou-se a dizer secamente: “se quedó, quedó!” Com a insistência de minha guapa, o cara parou, mas disse que não abriria a porta. Com mais insistência, resolveu abrir. Foi quando o australiano apareceu com olhos esbugalhados, rosto vermelho e respiração ofegante. Chegamos em Santiago ás 17h. Voltamos o relógio uma hora. Ficamos no hotel Paris, calle Paris, esquina com a calle Londres. Custou Ch$ 14.000, casal, com calefação, Tv acabo, banho particular, sem desayuno. Jantamos mal (pollo + guarnição pobre + pepsi Ch$ 4.500,00). Achamos a igreja, onde fomos muito bem recebidos pelos irmãos. Encontramos uma lan house onde acessamos nossos e_mails (Ch$ 300,00 por trinta minutos). Água no hotel, 500 ml = Ch$ 400,00, na rodoviária havíamos pagado Ch$ 550,00).

Gastos do dia: Ar$ 7,90; Ch$ 5.750,00.

 

15º Dia - Santiago

03/06 – participamos com os irmãos do culto pela manhã. Conhecemos o pastor Zigfrid, do Paraná. Tomamos café com os irmãos e fomos dar uma volta pela cidade. Conhecemos a Plaza de Armas, que estava repleta de famílias que se divertiam vendo as apresentações de rua (robô homem, homem bateria, desfile com crianças que ali estavam, telescópio para ver saturno, evangélicos pregando... ali se vê de tudo). Gastos do dia: banheiro no passeio = $ 250; baton de cacau com menta, fator 30 = $ 1850,00; banheiro no shopping = 150,00; pijama no shopping = blusa feminina = $ 10.700,00; pescado + alface + arroz + refresco Bils, no mercado central = $ 2.900,00; duas tortas no shopping = $ 2.000,00; ligação para o Brasil = $ 400,00/minuto; não pagamos para entrar no museo pré colombino porque era domingo, se fosse durante a semana teríamos pagado $ 3.000,00 por pessoa (nele é aceita a carteira internacional de estudante); 02 promoções big mac $ 3.980,00; sax chileno = $ 2.000,00; 2h20 de Internet = $ 1.400,00; 9 minutos de telefonema para o Brasil = $ 900,00 (calle Londres, 30) .

 

Gastos do dia: $ 22.940,00

 

Continua ...

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Olá Isangelo...muito bom seu relato até aqui...espero que conitnue!!! Estou prograando viagem parecida mas inversa, vou passar por essas cidades na volta...na ida vou até Ushuaia!!

 

Um abraço e até logo.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Olá, Mauro e Wilson!

 

Agradeço a vcs que estão acompanhando o relato. Vou tentar acelerar, mas por hora acrescento o que já tenho:

 

16º dia - Santiago - Vinha Del Mar - Valparaiso

04/06 – levantamos 8h10, tomamos café no hotel ($ 1.000,00 cada um). Sacamos $ 150.000,00 no travel money, no banco Del Dessarollo, no centro. Fechamos a conta no hotel ($ 30.000,00 por conta do café). Tomamos o metrô para a estação Universidade de Santiago ($350,00 o bilhete). Cada bilhete para Vinha custou $ 3.700,00 pela Tur Bus. Passagem, Vinha Pucon = $ 9.540,00 por conta do desconto que conseguimos com o cartão Paris de uma amiga. Água no caminho para Vinha = $ 350,00. City tur por Vinha e Valparaiso = $ 10.000,00 por pessoa. Fizemos pela Rodo Tur. Conhecemos o único Moai original fora da Ilha de Páscoa, um Rodin original, Biblioteca Municipal, Palácio Carrasco, Laguna e estádio Saulo Saulito; Parque, anfiteatro, Palácio Vergana, Casa do Pablo Neruda (fechada pois era segunda-feira), elevador do morro com mirador, antiga Escola Naval, relógio de flores e muito mais. Almoçamos na renhaca, paella + crush = $ 15.400,00. Pequeno quadro a óleo = $ 1.000,00. Água no elevador = $ 450,00; trio americano = 2x $ 1.580,00; 02 pacotes de biscoito de chocolate e cereal + água + chiclete + $ 1.430,00. Embarcamos às 20h30 para Pucon.

Gastos do dia: $ 90.430,00

 

17º dia - Pucón

05/06 – Depois de uma viagem incomoda, que me deixou com dores musculares no pescoço por dias, chegamos a Pucón às 09h30. No terminal, fomos abordados por um casal que nos ofereceu um quarto com aquecimento, TV à cabo, acesso a net e vista para o Vulcan, por $ 14.000,00. Ainda assim, fomos ao hostel sugerido pelo guia, mas o atendimento demorado e perspectiva de um preço superior ($ 24.000,00) nos irritaram e fomos embora. Então, regressamos para o hostel Pucon Sur, em frente ao terminal Tur Bus. Lá conhecemos o dono, o senhor Emílio. Conhecê-lo foi uma das melhores experiências da viagem. Enquanto Eliane durmia ele me mostrou quase que toda a pequena cidade e ainda me levou a algumas agências para ver passeios. Ele me ajudou a pechinchar preços. Optamos por fazer, naquela tarde, o Tur por la zona. Conhecemos a história do vulcão, alguns bosques, quedas d’agua, lagos, rio subterrâneo e uma terma. Muito fraquinha, diga-se de passagem. Conhecemos um casal brasileiro. Ele, Rogério, dentista, ela aventureira, havia feito o desafio dos vulcões da Patagônia. Foi legal ouvir suas histórias, Conhecemos também um casal do Panamá, o Arnaldo Rodrigues. E um casal chileno, Pato e Lucia ([email protected]). Foi muito agradável. Porém seria mais proveitoso ter alugado um carro ou feito tudo de bike. Gastos do dia: passeio = $ 20.000,00; almoço = $ 4.300,00 (amburguesa + arroz + salada + coca 350 ml); chocolate quente = $ 1.000,00; cena = $ 4.300,00; comida para passeio no outro dia = $ 7.500,00. Á noite, 23h, um casal do Texas bateu à porta. Haviam perdido o ônibus. A moça estava grávida. Deixamo-los entrar. O Alemão que estava na casa, Emanuel, os conhecia. Tentamos acionar o senhor Emílio, mas não tivemos êxito. O jeito foi deixar que o casal pernoitasse. Entretanto, passamos o preço por pessoa, para quarto com banheiro coletivo (5.000 pesos). Quando levantamos pela manhã, os texanos e o Emanuel haviam ido embora. O casal havia deixado apenas cinco mil como pagamento. Facínoras!

Gastos do dia: $ 44.600,00

 

18º dia - Pucón

06/06 – Levantamos às 06h da manhã. Tentamos escalar o Villa Rica. Chegamos até a base, mas a chuva não deixou. Nos cobraram $ 7.000,00, o casal, pela tentativa. Voltamos para o hostel para dormir. Almoçamos o sandwich que comeríamos na montanha. Estava horrível. Como estava chovendo, passei a tarde na Internet e a Eliane conversou, pelos cotovelos, com o senhor Emílio. Mostramos para ele algumas fotos de nosso casamento. Foi muito legal. Por volta das 15h30, mesmo chuviscando, saímos para andar um pouco pela cidade. Conhecemos uma pequena marina, a playa de Pucon, a praça da cidade, o lago.... Compramos um porta copos $ 2.200,00, uma bufanda $ 2.500,00. Gastamos $ 1.300,00 em uma lan house. Comemos um salmon delicioso com papas + arroz + coca 350 ml = $ 4.000,00. Compramos um adaptador para tomada por $ 180,00 + 4 pilhas alcalinas para emergência = $ 1.780,00 + 2 pães ($ 57,00) + 2 sucos de maracuja 200 ml ($ 380,00). Por fim, compramos as passagens para Puerto Varas $ 5900,00 cada uma; para 08h10 do dia seguinte.

Gastos do dia:$ 19.060,00

Extras: $ 4.700,00

 

19º dia - Pucón - Puerto Varas

07/06 – Levantamos às 06h30. Preparamos o café e terminamos de arrumar as malas. Fechamos a conta, $ 28.000,00 (+ $ 2.000,00 de propina). O senhor Emílio fez questão de nos levar para o terminal. Apesar de ter comprado os bilhetes no terminal Turbus, embarcamos no terminal JAC, calle Uruguai nº 505. Depois de 05h40 de viagem chegamos a Puerto Varas. Estava parcialmente nublado. Não dava para ver o Osorno. Depois de muito caminharmos, decidimos ficar no hotel Del Bosque, ladeira da Calle Santa Rosa, próximo à Plaza das armas ( $ 22.000,00, a diária para casal). Os preços de hospedagens em Puerto Varas estavam muito elevados, quando comparados ao que havíamos encontrado até aquele momento. Almoçamos em um dos restaurantes da Plaza de Armas. Peixe espada + salada + papas + arroz + 2 refris 250 ml = 6.300,00. Descobrimos que com o aluguel de um carro daria para ver o que precisávamos em Puerto Varas e arredores. Como estávamos com os corações apertados por não ter subido o Villa Rica, reservamos um carro por três dias = 75.000. Assim, se o tempo melhorasse em Pucon poderíamos volver. Mais gastos do dia: $ 600,00 de ligação para Pucon; $ 300,00 por trinta minutos de Internet.

Gastos do dia: $ 112.200,00

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Mais um poquito....

 

20º dia - Puerto Varas - Llanquihue - Ancud

08/06 – acordamos às 08h. Foi o melhor café da manhã que tomamos no Chile. Fomos buscar o carro. Pagamos com cartão. Voltamos ao hotel, fechamos a conta que ficou em $ 24.000,00. Pegamos algumas dicas e seguimos para os Saltos de Petruhuê. Demos um rolé pela cidade, onde conhecemos o cerro Philip, que não possuía nada de interessante, só vimos dois cães e uma tirolesa que só funciona no verão, muito cara por sinal. De lá, seguimos para o parque a fim de ver os saltos. Percorremos 65 km. Pagamos, cada um, $ 1200,00 para entrar no parque. Tiramos fotos, filmamos e fizemos todas as trilhas. Encontramos salmons mortos e conhecemos uma parte do ciclo de vida deles, que nascem na água doce, passam a maior parte da vida no mar e voltam para morrer ali. Almoçamos em um lugar muito legal, no entroncamento dos saltos com a subida para o Osorno. O restaurante era muito aconchegante e possuía até uma praia artificial. Pagamos $ 8.000,00 = Salmon, arroz e refri. Voltamos para tentar subir até a base do vulcão. Passamos por um mirador. Tiramos poucas fotos, porque chegamos em um ponto onde estava nevando muito e não havia viva alma perto. A Eliane foi acometida de pânico. Esperamos chegar a um lugar seguro para manobrar e, então, descemos. Voltamos para Puerto Varas e então seguimos para Chiloé. Percorremos 66 km até chegar em Parnagua, onde tomamos uma balsa para a ilha. Meia hora de balsa que custou $ 8.300,00. No caminho para Chiloé, também pagamos um peaje = $ 500,00. Em Ancud, procuramos por acomodações. Ficamos no hotel, Lincuy. Pertinho da Plaza de armas. $ 16.000,00. Outros gastos: $ 400,00 = uma hora de Internet; $ 1800,00= ligações para o Brasil ($ 130,00/minuto); janta = $ 4.200,00 Sem contar os $ 200,00 que perdemos em uma central de chamadas onde a mulherzinha discava, desligava na cara da pessoa no Brasil e mandava que corrêssemos para uma cabine que era selecionada na hora pelo sistema. Aliás, em Chiloé passamos por outras situações cômicas. O atendente do hotel, por exemplo, forçou o maior portunhol comigo. O cara disse que estava aprendendo português. Quando perguntei como, ele puxou um livro de história do Brasil editado em 1954. Loucura total. Outro fato engraçado ocorreu em uma hospedage. A porta do estabelecimento tinha uma parte de vidro de forma que se poderia ver quem estava dentro e vice-versa. Ocorre que quando batemos na porta uma senhora ficou fazendo gestos que não conseguimos entender. Insistimos com as batidas, ela veio brava, abriu a porta e ficou apontando uma cordinha que fica pendurada pelo lado de fora. Foi quando entendi que ela queria que tivéssemos puxado a corda que desarma o trinco e abre a porta. Como iríamos adivinhar?

Gastos do dia: $ 46.600,00

 

 

 

21º dia - Ancud - Caulin - Puerto Mont

09/06 – Depois de termos dormido o quanto agüentamos, levantamos ás 09h. Encerramos a conta $ 16.000,00 e fomos passear pela cidade. Para estacionar no Centro e na via costeira deve-se pagar $ 300,00 por 30 minutos. Foi o que pagamos. Para entrar no museu, pagamos os dois $ 600,00, devido a SIC. O mais interessante fica do lado de fora. Um esqueleto de uma baleia azul. Saímos para procurar pontos interessantes e encontramos um mirador que dava para o mar. Lugar lindo. Cenário de cinema. Havia um lobo marinho preguiçoso numa ilhota. Muito legal. No mercado municipal, compramos duas bufandas $ 2.000,00 e $ 2.500,00, para presente. Almoçamos no restaurante La Corita. $ 2.800,00, duas canjas + $ 1.200,00 (dois refrigerantes 350 ml). O restaurante fica atrás do mercado central, pode-se escolher outro prato para repetir que sai de graça. Por volta de 15h, saímos de volta para o continente. No caminho, resolvemos entrar em Culan para fotografar flamingos. Como não havia lugar para estacionar, deixamos o carro no estacionamento de um restaurante. A vizinha do estabelecimento disse que era melhor estacionar na praia. Perguntamos se havia algum perigo do carro atolar na areia. Ela disse que não. Que muita gente estacionava lá e que não havia perigo. Tolos, acreditamos. Passeamos pelo local que é paradisíaco. Porém, na hora de ir embora ocorreu o óbvio. O carro atolou. Ocorre que eram quatro da tarde. Depois do trópico de capricórnio. Rapidamente, cairia à noite e, por certo, subiria a maré. Corremos para buscar socorro. Tentamos duas residências e nada. De repente, a Eliane avistou um caminhão de entregas. Corremos e o alcançamos. Os trabalhadores muito solícitos nos ajudaram. Todos esfolamos as mãos, na areia grossa e fria do pacífico sul. Enquanto, com os trabalhadores e um casal de jovens apaixonados nos esforçávamos para retirar o carro, um borracho ficou o tempo inteiro pedindo dinheiro para nos resgatar com sua caminhonete. Por fim, conseguimos tirar o carro. Porém, o caminhão dos chilenos ficou preso. Graças a Deus, minutos depois todos estávamos livres. Ofereci dinheiro para o rapazinho, mas, ele não aceitou. Por certo, pensou que se aceitasse seria menos herói diante de sua garota. Os entregadores, com muito custo, aceitaram $ 5.000,00. Para o borracho, não demos nada. Para ele deixar de ser oportunista. Da aventura, seguimos, finalmente para o continente. Para atravessarmos, pagamos mais $ 8.300,00, por trinta minutos de balsa. Chegamos em Puerto Mont e logo procuramos uma lan para saber do clima em Pucón. Foi-se nossa última chance de subir o Villa Rica, o tempo estava ruim. Pagamos $ 200,00 na lan e compramos uma garrafada d’água por $ 450,00. Ficamos no hotel Encadil. Tivemos que pagar adiantado $ 17.000,00, por quarto + TV á cabo + banho privado + estacionamento. Jantamos no shopping que fica ao lado do Hotel. Pizza hut $ 2.750,00 (pizza pequena + batata + 2 cocas médias).

Gastos do dia: $ 54.600,00

Extras: $ 4.500,00

 

22º dia - Puerto Mont - Frutillar

10/06 – levantamos às 09h. Como o quartel dos bombeiros ficava ao lado do hotel, El Candil, os sons dos brados não deixaram Eliane dormir. Houve um momento em que, na madrugada, ela se levantou e correu para a janela. No dia seguinte, ela disse que se assustou, pois, o tempo inteiro, na região, nos deparamos com avisos e histórias de terremotos e erupções vulcânicas. Fomos procurar um lugar para tomar café. Já eram 10h15. Desayunamos no supermercado que fica no shopping Passeo Costaneira. $ 2.500,00. Em seguida, passeamos por Puerto Mont. Plaza de armas e feira de artesanato, onde compramos uma touca, $ 1.000,00, e vimos pelicanos, gaivotas e lobos marinos. As crianças alimentavam um dos lobos com salmões e os chamavam de panchito. Voltamos para o shopping onde comprei um polar e um pullover: $ 6.990,00 e $ 7.990,00, respectivamente. Seguimos para Frutillar, passando por Puerto Varas, onde abastecemos $ 5.000,00 de gasolina. Puerto varas estava sem energia, não pudemos pagar com visa. Na estrada, pagamos $ 500,00 de peaje. Com muita dificuldade encontramos um lugar para almoçar. A cidade estava deserta. Tudo estava fechado. O que encontramos aberto estava caro. Pagamos $ 5.900,00 no restaurante Tiera del Fuego. Nos hospedamos no hostel Mini Market por $ 14.000,00. Deixei a Lili dormindo e passeei pela orla do lago: Conhecei o teatro e por fim fui para uma lan, em Frutillar de cima: $ 600,00.

Gastos do dia: $ 28.500,00

Extras: $ 15.980,00

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Meus caros,

 

Por fim, conclui a postagem do diário. Entretanto, vou seguir aperfeiçoando o relato. De qualquer forma, estou à disposição para esclarecimentos.

 

Obrigado a todos vcs que estão nos acompanhando.

Aí vamos nós:

 

23º dia - Frutillar - Puerto Varas - Bariloche

11/06 – levantamos às 08h. Fechamos a conta, $ 14.000,00. O café foi bom, com uma deliciosa torta de amoras. De volta a Puerto Varas, pagamos $ 500,00 no Peaje e abastecemos o carro = $ 16.400,00. Resolvi cortar o cabelo. Como os chilenos não tem experiência com cabelo de negro, dá para imaginar como ficou ($ 3.000,00). Andamos pela cidade, pois o ônibus iria sair às 15h30. Deixamos as mochilas no terminal por $ 1.000,00 ($ 500,00 cada). Almoçamos na Plaza de Armas: sopa + talharim + bolonhesa + porção extra de arroz + coca média + torta de chocolate = $ 5.800,00 + propina ($ 430,00). Gastamos mais $ 1.100,00 com Internet e $ 100,00 em fones de ouvido no terminal. Deixamos Puerto Varas, às 15h com destino a Bariloche. 17h, estávamos na alfândega chilena, que fica a 40 km da Argentina. Ocorre que foram duros 40 km. Muita neve. Tivemos que parar para por correntes nas rodas. De quebra, tivemos que socorrer alguns passageiros de ônibus que estavam atolados na neve. O australiano que quase ficou para trás na vinda para o Chile, agora havia esperado 5 horas atolado. Por fim, chegamos a Bariloche, por volta de 01h30 da manhã, horário local. Dividimos um táxi com o casal do novíssimo mundo. A corrida custou $ 8,00, os quais dividimos. Nos hospedamos no hostel Periko´s $ 75,00 a diária. Por sorte, havia quarto para os dois casais. Detalhe: o Periko´s não é da rede HI.

Gastos do dia: $ 24.847,00 (R$ 93,41), arg$ 4,00 (R$ 2,64)

 

24º dia - Bariloche

12/06 – Levantamos às 10h. Pegamos o ônibus no centro para o Cerro Catedral. 12,80 ida e volta para nós dois. Queríamos alugar roupas próprias para a neve, mas estávamos sem noção de preço e resolvemos tentar alugar no Cerro. Não foi uma boa idéia. A espera no ponto de ônibus rendeu. Conhecermos uma moça de Rosário, Ana Beltran. Ficamos com ela o tempo todo. Almoçamos amburguesa com refrigerante. $36,00 o casal. Na volta, tentamos passagens aéreas para Buenos Aires, mas a Aerolíneas Argentinas estava parada. A Lan Chile se aproveitando da situação operava com preços proibitivos. Passagens apenas para sábado, custando USD 300,00 por bilhete. Ao cair da noite, passeamos pelo Centro. Na Calle Mitre, alugamos roupas para neve $ 20,00 pesos para cada. Na mesma loja, compramos 02 moletons + chaveiro + duas camisetas de Bariloche = $ 55,00. Como era dia dos namorados para os brasileiros, jantamos no Brava, Cordeiro Patagônico + arroz com champignos + coca (1 liro) = $ 54,00.

Gastos do dia: $ 122,80 (R$ 17,18)

Extras: $ 55,00 (R$ 36,30)

 

25º dia - Bariloche

13/06 – Era para levantarmos às 8h30, mas não conseguimos. Levantamos às 10h. Quase ficamos sem o café do Hostleing. Sacamos $ 300,00 no Visa Travell Money fomos para o Cero Catedral. Ski aula + equipo = $ 50,00 para cada. O almoço custou $ 18,00. Também compramos 500 ml de água = $ 3,50. Nossas duas passagens de ida e volta ficou por $ 12,40. Á noite, devolvemos as roupas alugadas e sacamos mais $ 200,00. Jantamos por $ 38,00. Como no Periko´s a Internet estava o tempo todo ocupada, fomos para um lan, onde pagamos $ 5,50 = Internet + h2o + dois chicletes. Uma hora de net estava custando $ 2,50. Por fim, junto a três equatorianos vimos o Grêmio cair de três diante do Boca Juniors.

Gastos do dia: $ 184,90 (R$ 122,03)

 

26º dia - Bariloche - Estrada

14/06 – Levantamos às 09h. Fechamos a conta do hostel ($ 235,00). Guardamos as mochilas na recepção e saímos para passear e almoçar. Visitamos o museu Patagônico no Centro Cívico, $ 10,00 para o casal. Na praça, há são bernardos para serem fotografados. Os donos cobram $ 30,00 para fotos impressas. Com nossa máquina, duas fotos custariam $ 10,00. Não fotografamos. No museu vimos algo que sintetiza a rivalidade entre argentinos e chilenos. Em uma das flechas pré-históricas estava escrito “esta ponta de flecha é encontrada apenas em território argentino, não no Chile”. Almoçamos no restaurante La Marca, ao lado do Centro Cívico. $ 27,00 = propina + bife choriso + coca 290 ml + extra de arroz + legumes ao vapor. Voltamos ao Hostel, pegamos as malas e tomamos um auto bus para o terminal. Compramos uma 7 Up = $ 2,75. Seguimos para Buenos Aires às 15h. No bus, muito confortável, serviram lanche, jantar e café da manhã. Assistimos a três filmes. Valeu a pena termos comprado os bilhetes para o melhor ônibus que eles tinham disponível. A viagem, que nos veículos convencionais demora 24h, levou 20h no Tuto Leto. Nem sentimos. Viajar pelas cordilheiras nas duas primeiras poltronas, no andar superior do ônibus é algo impagável. Depois de cada curva, um cenário estupendo que se descortina a sua frente. Rios, lagos, montanhas, picos nevados. Como dizem os hermanos: inolvidable.

Gastos do dia: $ 274,75 (R$ 181,34)

 

27º dia - Buenos Aires

15/08 - Chegamos na capital Argentina às 11h. Fomos abordados, no terminal por dois membros do HI. Um deles brasileiro. Foi para lá para jogar bola, machucou-se e acabou entrando para a rede HI. Nos indicaram o Hostel Suítes Obelisco, no centro. $ 86,00 a diária. Sendo que tomamos um táxi, orientados por eles e tivemos o valor da corrida devolvido ($ 8,90), quando fechamos a conta no HI. Na abordagem, disseram que se ficássemos por três noites, ganharíamos um cit tur, mas era mentira. Também nos disseram que não encontraríamos opções mais em conta no Centro de Buenos Aires, também era mentira. No Centro de informações turísticas, calle Corrientes, próximo ao Obelisco, recebemos informações preciosas. A atendente, que nos atendeu em português, nos ajudou a programar toda nossa estadia na cidade. Almoçamos na Corrientes. Bife à milanesa gigante, que sobrou a metada = $ 37,00. Na rua, consumimos: Beldente = $ 1,25; água = $ 1,50; 02 alfajores = $ 1,00; relógio de mão = $ 25,00; brincos = $ 15,00. Tudo isso no mercado de antiguidades de San Telmo. De lá, fomos para Puerto Madeiro, onde visitamos uma embarcação museu ($ 2,00 a entrada). Chamou-me a atenção ser o local uma prefeitura naval, com segurança pública feita pela marinha, inclusive com vigilância realizada por circuito de câmeras. Jantamos pizza na Av. Corrientes $ 22,00. Pagamos adiantado pelos três dias no HI. Nos exigiram isso, além de $ 40,00 de caução e pagamento avista. $ 249,00. Decidimos ir a uma casa de Tango tradicional. Gastamos $ 60,00, com entradas mais $ 23,00 de consumo (água + café expresso + capuccino) O espetáculo foi bastante interessante. Havia dois casais dançando e um cantando, alternadamente. O local que parecia ter sido suntuoso no passado, agora tinha um “quê” de melancolia. Muito legal. Com o fim do show, poderíamos ter ficado para o baile ($ 15,00 por pessoa), como não é nossa praia fomos embora. Confeteria Ideal.

Gastos do dia: $ 378,75 (R$ 250,00)

Extras: $ 40,00 (R$ 26,40)

 

28º dia - Buenos Aires

16/06 – levantamos às 9h e tomamos café. Conhecemos uma paulista. A guria estava há uma semana em Buenos Aires e não sabia quem era Kitchiner e nem Hugo Chaves. Ainda assim, nos deu boas dicas, principalmente quanto ao Ricoleta. Adquirimos os bilhetes do Buque Bus, na Av. Córdoba, 600. Custou $ 67,00 cada um, o trajeto mais rápido. Era uma promoção. O trajeto de 3h estava custando $ 60,00. Almoçamos na Recoleta, para onde fomos a pé. Na frente do cemitério estava muito caro. Optamos pelo Rodi Bar, Restaruante. $ 34,50 = 02 pratos combinados: cerdo + fritas + huevo + ensalada e outra carne e guarnição. Endereço: Vicent lpoes, 1900. Depois do almoço, andamos pela feirinha da Recoleta. Seguimos a pé, para a Plaza San Martin e tomamos helados, na calle Florida $ 22,00. Salgadinho + 750 ml de água = $ 5,75. Museu de Arte Moderna $ 2,00. Apenas quadros abstratos. Tem que gostar muito de arte para visitar, se não, não vale a pena. À noite, fomos á igreja. Como tínhamos pouco tempo e ainda não sabíamos como chegar lá, pois era longe, optamos por um táxi. Custou $ 40,00. Até hoje não sei se o cara enrolou a gente. O ônibus de retorno custou $ 1,60 por bilhete. Jantamos em um tenedor libre $ 36,00 tudo. Na igreja conhecemos um brasileiro de Floripa: o Sérgio ([email protected]) era a sexta vez dele em Buenos Aires. Conhecemos também a família do Cláudio, que tem uma esposa capixaba, a Ângela. O casal e filhinhos nos acompanharam até a parada de ônibus.

Custos do dia: $ 243,85 (R$ 160,94)

 

29º dia - Buenos Aires

17/06 – levantei ás 09h30 para o café. A Eliane permaneceu dormindo. Estávamos cansados da caminhada do dia anterior. Estávamos fazendo quase tudo a pé. Quando saímos para a peregrinação do dia, caminhamos até o La Boca. No caminho, a Eliane tomou café na Florida $ 7,00. Passamos pela feira dominical de San Telmo, que estava repleta de brasucas. O La Bomboneira estava fechado, uma pena. Almoçamos na região do Caminito. Almoço com tango. Foi muito divertido. Dois casais faziam apresentação de tango e de uma dança típica que não sei o nome. Parecia flamenco. No final, tiramos fotografias com os dançarinos. Custou $ 41,00 + 4 de propina. Do La Boca, fomos para o Palermo (ônibus = 2 X $ 0,80. Visitamos o museu Evita. Na verdade, teríamos que escolher entre visitar o zôo, o salão do automóvel ou o museu. Optamos pelo último. 2 X $ 10,00 as entradas. Ônibus para estação Plaza Onze $ 0,80 o bilhete. De lá pegamos um metrô para a linha A e depois um táxi = $ 18,00. Na igreja, conseguimos o contato das irmãs de Montevidéu. Da igreja, tomamos um ônibus para o metrô ($ 0,80). Do metrô para o centro, não precisamos pagar pois o caja estava cerrado. Jantamos dois trios Big Mac $ 24,00. Ligamos para o Brasil $ 22,90. ($ 1,10 o minuto).

Custos do dia: $ 141,70 (R$ 93,52)

 

30º dia - Buenos Aires - Colônia do Sacramento - Montevidéo[/

18/06 – levantamos às 06h15. Check out. Recebemos o depósito de volta, $ 40,00. Calculei que poderíamos levar trinta minutos a pé até o terminal. Levamos apenas 10 minutos. Tomamos café lá. Há uma espécie de self service. $ 11,90 = quatro médias lunas + uma suco de laranja + um café expresso. Como chegamos antes das 07h, nos restou esperar o check in que iniciaria às 08h. Cotação US$ = 23,20 pesos uruguaios. O trajeto Buenos Aires foi muito rápido, cerca de 50 minutos. Na embarcação há um duty free. Perdi a oportunidade de comprar um Ray bun por UsD 100,00. No terminal em Colônia, conhecemos um casal que mora no Peru. O cara era equatoriano. Adriana Ponse e Marco Char. http://[email protected] No terminal, o câmbio estava 01 USD = $ 23,2, no Centro de Colônia estava 01 USD = $ 23,00. Cambiamos 10 USD para não ficar sem dinheiro local, no terminal. Porém, no dia em que passamos ali, descobrimos que poderíamos ter levado, sem problemas, pesos argentinos ou dólares, que são moedas amplamente aceitas em Colônia. Em Montevidéu é diferente. Passeamos muito pela pequena cidade histórica. Conhecemos o Farol ( $ arg 2,00). Depois de subir tantos degraus chegamos a conclusão de que nós eh que deveríamos receber pela subida. Aliás, há que se prestar muita atenção para não bater com a cabeça durante a subida íngreme. Ainda assim, vale a pena subir. A vista lá de cima é linda. Para enganar a fome: 03 alfajores + 2 pilhas alcalinas = Arg$ 6,00. Para visitar os museus, Arg$ 3,50. Oito, ao todo, como uma só entrada. Almoçamos no restaurante Drogstore (Arg$ 38,00). Um restaurante contemporâneo bem transado. Pagamos com dólares e pesos argentinos. A cotação do dólar no restaurante estava boa 01 USD = UR$ 24,00. Às 16h30, nos despedimos de Colônia em direção à capital Uruguaia, onde chegamos depois de 01h45. Na estação Três Cruces descobrimos que a cotação para o dólar estava boa, e para o Real estava razoável. USD = 23,50 e R$ = 11,20. Cambiamos um pouco de cada moeda e tomamos um bus para a Plaza Independência, que fica perto do Hotel Casablanca, onde ficamos por sugestão do Robson (que conheci no Mochileiros). Jantamos no restaurante chinês que fica em frente do hotel, que é um casão antigo da família de uma senhora, dona Carmem. O restaurante só aceitava pagamento em efetivo. Despesas do dia: Bus para a capital = $ 31,50; hotel $ 400,00; propina para lock em Colônia = Usd 0,25 + $ 10,00; propina na rodoviária de Montevideo, banheiro = $ 10,00. Restaurante Buffet Atlântico = $ 345,00, propina = USD 1,00.

Gastos do dia: arg$ 61,4 (R$ 40,52); ur$ 796,00 (R$ 69,22) ; USD 1,25 (R$ 2,5).

 

31º dia - Montevidéo

19/06 – Levantamos tarde, às 10h30. Estávamos cansados da andança de ontem. O quarto, escuro e silencioso do casarão, garantiu o sono tranqüilo. Tomamos café da manhã no café-bar Restaurante Hispano; calle São José 1050. Café com leite + palmita + tostada + jugo de naranja = $ 119,00. Fomos à praça Independência onde sacamos fotos e conversamos com três velhinhos que faziam uma manifestação silenciosa flamulando uma bandeira que não conhecíamos. Perguntamos que bandeira era aquela e nos disseram que era a verdadeira bandeira do Uruguai. Segundo os anciãos, a atual bandeira da Republica Oriental do Uruguai foi imposta ao povo, após um golpe promovido pelas oligarquias locais, com apoio dos portenhos traidores. Ali, descobrimos que enquanto dormíamos a cerca de 500 metros do local, aquela praça havia recebido centenas de pessoas em apóio ao presidente Vasquez, que também se fez presente. Era o dia do “Nunca mais”. Vasquez havia proclamado a população para um pacto contra o terrorismo de Estado e golpes antidemocráticos. Um dos velhinhos havia nascido em 1920. Ele, muito entusiasmado, contou como sua madre o escondeu na revolução dos anos 40 e que, na década de 70, brasileiras que visitavam o Uruguai o convidaram para morar com elas no Brasil, porque ele era muito bonito. Lamentava não ter aceitado o convite. Almoçamos no Mercado Central. Restaurante L’amitie (abadejo + batata + arroz + 2 jugos de naranja). Nos disseram que o pescado vinha acompanhado de ensalada, porém para nossa surpresa a ensalada era uma batata. O almoço custou $ 400,00. No restaurante, como no nordeste brasileiro, fomos abordados por senhores que cantavam músicas tradicionais. Contribuímos com $ 11,00. Na hora de pagarmos a conta, cobraram a batata à parte: $ 60,00 + $ 40,00 de serviço de mesa. Em seguida, andamos pelas ruas da cidade antiga, tomamos uma água por $ 14,00. Queria comprar a camisa do Penharol, mas estava custando USD 66,00. Outros gastos: 02 capucdinos, no Chivilandia (centro) = $ 76,00. Campeira para Sogrinha = $ 31,00; Internet = $ 42,00 ($ 20,00 por hora). Jantamos na casa de uma irmã da igreja. Foi muito edificante. A família era judia, composta por mãe, duas filhas e um rapaz, que ficou pouco conosco, pois foi para o centro de tradições judaicas. A matriarca, irmã Solange, abriu o culto e dirigiu o louvor, a filha primogênita, Karina, tocou e eu levei uma breve palavra em João 17:20 e 21. Depois do jantar chegou a irmã Tetê (brasileira), com sua filha uruguaia, Paty e nora, Virgínia. Está última quedou-se bastante quebrantada com o testemunho da Eliane, a ponto de se derramar em lágrimas. Foi uma noite muito edificante. Por fim, Fabiana e Karina nos levaram para o hotel, no caminho nos mostraram a universidade de Montevidéu e alguns pontos interessantes da cidade.

Gastos do dia: $ 662,00 (R$ 57,56)

Extras: $ 310,00 (R$ 26,96)

 

32º dia - Montevidéo - Punta Del Este

20/06 – Dona Carmem nos despertou às 06h30. Chegamos ao terminal às 08h e compramos bilhetes para Punta e Porto Alegre. Os preços eram tabelados pelo Ministério dos Transportes Uruguaio. Tanto faz sair para o Brasil de Punta ou Montevidéu. O preço é o mesmo: $ 2.796,00 dois acentos. A empresa CIS concede desconto de 10% para estudantes, entretanto há que se pagar em efetivo. Como a empresa TTL, em razão do tabelamento, não pode diminuir o preço, fez uma promoção onde pagamos pelo Leito o que pagaríamos em ônibus semi-leito. Os bilhetes, para Punta, compramos pela COT= 274,00 (2). Tomamos café da manhã no MC Donald: $ 99,00 para os dois. Partimos às 09h20 de Montevidéu e chegamos às 11h20 em Punta. Tomamos informações no Centro de informações turísticas do terminal. Deixamos as mochilas e passamos a caminhar pela orla. Vimos um lobo marinho fora da água. O bicho estava sendo alimentado por pescadores que preparavam pescados. Incrível. Almoçamos em um restaurante popular, chamado El Milagre. Comemos guisado de porotos por $95,00. Foi interessante comermos feijão somente no último dia no exterior. Depois do almoço, procurarmos um restaurante que servisse um típico postre uruguaio. Encontramos o El Metejon, no cruzamento da Av. Gorlero com a Abanque. Foi delicioso. Em seguida, tomamos um bus para a Casa Pueblo $ 62,00 para o casal. Para entrar na casa, pagamos $ 100,00 p/p. Não tivemos uma boa experiência. Primeiro porque estava nublado e a visão do local com céu aberto é linda. Segundo, tivemos que andar muito até chegar na casa, em meio a nevoeiro intenso. Terceiro, porque chegamos na casa e não nos avisaram o horário de encerramento das atividades. Nos colocaram para assistir a um vídeo extremamente narcisista com falas do autor da casa. Antes de o vídeo acabar, nos chamaram para participar da cerimônia do por do sol. Findada a declamação do poema, começaram a apagar as luzes e fechar as janelas. Por fim, sem ver nada na casa tivemos que andar os dois quilômetros de volta até a parada de ônibus, em meio à escuridão. Para piorar, passamos por um canteiro de obras, que estava em fim de expediente. Dois dos trabalhadores, deixaram o ônibus da empresa e vieram andando atrás da gente. Como policial, já conheci o mal de perto. Confesso que temi pela nossa segurança, principalmente pela Eliane. Porém, graças a Deus, tomamos um ônibus de volta para Punta em segurança. No ônibus de retorno, pagamos $ 54,00. Alguns gastos: 3 chapeis peruanos + meia de inverno = $ 320,00; Compras da Eliane (campeira, presentes) = $ 390,00; jantar (500 ml jugo de naranja + pizza individual + arroz com mariscos = $ 621,00. Fomos explorados nesse restaurante, cobraram pelo pão que puseram na mesa sem pedirmos, pagamos por um suco de 500 ml, mas tomamos bem menos. Por volta das 22h, retornamos para o terminal e esperamos o ônibus passar para nos buscar. O que ocorreu com uma hora de atraso. Para deixar as bagagens no locker do terminal não é necessário pagar custódia: a contribuição é voluntária.

Gastos do dia: $ 4.201,00 (R$ 357,53)

Extras: $ 710,00 (R$ 60.43)

 

33º dia - Porto Alegre - Canela

21/06 – Em fim, em solo brasileiro, às 08h35. O primeiro ônibus para Canela saia às 08h45. Corri, mas pela demora no atendimento no guichê da empresa CITRAL, não deu tempo de embarcar de imediato. As duas passagens custaram R$ 46,00. Na rodoviária, cambiei Ur$ 405,00 a R$ 0,08. Enquanto esperávamos tomamos café com leite + suco Tampico = r$ 4,50; para usar o banheiro nos cobraram 01 real cada um. Chegamos em Canela ás 12h. Nos hospedamos no HI que fica na frente do terminal. Pechinchei e consegui R$ 120,00 por dois dias. Banheiro privativo + TV á cabo. Almoçamos no restaurante Dalla. Estavamos com saudade da fartura do buffet brasileiro. Nosso almoço saiu a R$ 25,00. No dia, gastamos mais R$ 2,30 com Internet; R$ 1,50 com 500 ml de água; R$ 12,60 com crepes; R$ 39,90 com blusa pro Bruno (cunhado); R$ 9,90 luvas para e Evelym (prima); R$ 28,90 carteira para seu Zezinho (sogro); R$ 19,90 blusa para Dessa (irmã); R$ 29,90 blusa para Pompom (mãe).

Gastos do dia: R$ 213,9

Extras: R$ 128,5

 

34º dia - Canela - Gramado

22/06 – Levantamos as 08h. O ônibus do city tur nos pegou às 08h30. Depois de 04 hotéis, paramos no parque do Lago Negro, em Gramado. Compramos duas pilhas por R$ 08,00. Em seguida, visitamos o Hollywood Dream´s Car; R$ 12,00 p/p. Na seqüência, conhecemos o mundo a vapor R$ 5,00 a entrada com carteira de estudante; castelinho caracol R$ 4,00 a entrada, onde comemos um delicioso apfelstrudel com sorvete, por R$ 14,00. Pagamos R$ 8,00 por entrada no parque Caracol que, apesar de lindo aos olhos, era fétido ao olfato (em razão do esgoto que poluía o rio); Gastamos R$ 34,00 no almoço + R$ 2,00 em uma garrafinha de água; R$ 10,00 por entrada no minimundo; R$ 134,00 em chocolates na loja Caracol (poderíamos ter gastado bem menos se tivéssemos comprado em Gramado); 04 pasteis + 02 refrigerantes = R$ 17,40 em Canela (pasteleiro); R$ 46,50 passagens para Porto Alegre; para Gramado = R$ 3,50 (2); Fusca de chocolate = R$ 3,90; retorno para Gramado = R$ 3,10. Tenho que dizer que Gramado & Canela são cidades que nasceram para o turismo. Tudo é artificial. Ainda assim, durante nossa passagem por lá, não conseguimos informações suficientes para fazer passeios de forma independente. Estava havendo um congresso médico na região e não havia carros para alugar. No HI e no centro de informações turísticas de Canela, recebemos informações erradas e por isso não conseguimos visitar os cânios.

Gastos do dia: R$ 206,5

Extras: R$ 137,9

 

35º dia - Canela - Porto Alegre - Brasília

23/06 – Levantamos às 07h30, tomamos café, deixamos as malas no HI e seguimos para o rafiting. Fizemos o atividade com a JM rafting (http://www.jmrafting.com.br). O instrutor, Maicon, foi muito profissional. Nos acompanharam um casal de SP e um cara de PE. A aventura nos custou R$ 110,00 + R$ 30,00 por um cd com vídeo e fotos amadoras. Chegamos no hotel às 12h20. Almoçamos por R$ 29,00 e seguimos para a capital Gaúcha. Da rodoviária para o aeroporto fomos de metrô (R$ 3,00). Ao chegarmos no ponto do aeroporto havia um micro que nos levou até as instalações, já que distancia era considerável. Em razão da crise do relaxa e goza, esperamos 01h a mais do que era previsto para embarcar. Para passar o tempo: Veja = R$ 8,90; Café MC; água = R$ 2,50; cruzadinha = R$ 2,90. Por fim, chegamos na capital de todos os brasileiros, em segurança, felizes e com muita história na mochila.

Gastos do dia: R$ 186,3

 

 

Custos da viagem (alimentação, transporte e hospedagem, entradas em parques...): R$ 5.615,97.

Passagens aéreas Brasília – Curitiba e Porto Alegre – Brasília = R$ 1.000,00

Custos extras (presentes próprios e para terceiros): R$ 1.814,82

Custo total: R$ 8.430,79

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.




×
×
  • Criar Novo...