Ir para conteúdo

Trekking na Patagônia - Recomendações


Posts Recomendados

  • Membros de Honra

TREKKING NOS ANDES DA PATAGÔNIA -RECOMENDAÇÕES

 

A Patagônia é uma das regiôes mais belas e selvagens do planeta, atraindo milhares de turistas e trekkers a cada ano para conhecer suas maravilhosas florestas, montanhas, rios e glaciares. Sou um apaixonado por este canto do nosso planeta.

 

Depois de algumas viagens e cerca de 15 tekkings pela Patagônia, com mais ou menos 40 pernoites em tenda, tenho alguma experiência nesta região. Mas ainda há muito o que aprender.

 

O objetivo deste tópico é trocar informações e compartilhar experiências .

 

Por que trekking na Patagônia?

 

O cenário natural é fabuloso e há uma rede de parques nacionais bem-cuidados tanto do lado argentino como do chileno. Muitos dos trekkings são considerados "world class" atraindo excurcionistas de todo o mundo. Infelizmente o Brasil ainda não tem trekkings nesta categoria. Para a maioria dos parques há um acesso fácil  através de ônibus coletivos. As cidades próximas aos parques normalmente tem uma infraestrutura mínima (camping, hostels, restaurantes, mercearias, internet).

 

A Patagônia é considerada a região ao sul da latitude 38°. Do lado chileno temos florestas com alta pluviosidade, em seguida os Andes, e no lado argentino as secas estepes patagônicas, até chegar ao oceano Atlântico. O lado argentino é bem mais seco porque os ventos preferenciais vem do Pacífico e a chuva desaba no lado oeste dos andes. Na Argentina temos a sombra das chuvas.

 

A Patagônia está totalmente dentro de uma área de clima temperado. Portanto com as 4 estações do ano bem distintas. No verão chega a fazer 19 horas de luz em Ushuaia e 15 hrs de luz em Laguna del Laja (limite norte da Patagônia). A região está dividida, de Norte a Sul, em Araucania, Distrito dos Lagos, Patagônia Central, Patagônia Sul e Terra do Fogo.

 

O acesso é mais fácil para nós, brasileiros. Normalmente vou de milhagem do Brasil para BsAs ou Santiago e destas cidades vou para Patagonia de bus ou avião. De avião quanto maior a antecedência na compra da passagem, mais barato. Como o trekking é uma atividade barata, não costumo gastar mais que US$ 20/ dia.

 

Navegação através de mapas cartográficos todo trekker deveria saber, mas as trilhas são normalmente bem marcadas nos parques nacionais. Algum cuidado maior deve ser dado acima da linha das árvores. Gosto particularmente dos mapas da Aonneker. 

 

Os Andes da Patagônia já são bem mais baixos que os andes Centrais. Poucas montanhas excedem os 3.000 ou 4.000 metros. Assim o Mal de Altura (MAM) dificilmente é um problema num trekking. A não ser que estejamos subindo o Tronador, o Lanin ou poucas outras montanhas, isto não é motivo de preocupação.

 

Animais daninhos

 

Com exceção do Puma não há vida selvagem perigosa para o homem. Mesmo este felino é normalmente tímido evitando cruzar com pessoas. Nunca vi cobras na Patagônia. Há duas espécies de aranhas venenosas (araña del rincon e a araña del trigo) mas apenas na área norte da Patagônia, nada comparado com o Brasil. Não existem carrapatos e pulgas!!! Em compensação, os tábanos (mutucas turbinadas) são um porre, especialmente em janeiro/ fevereiro, quando são bem numerosas. mas são fáceis de matar. Deixe-as pousar e acerte uma palmada.

 

O hantavirus, transmitido por roedores é um problema real. Evite usar ou pernoitar em refúgios abandonados.

 

A segurança pública é outro destaque. Dificilmente seriamos atacados por bichos de 2 patas atrás de $$$.

 

Hipotermia

 

O verdadeiro risco da Patagônia é a hipotermia, causado por baixas temperaturas, chuva, vento e neve ou todos juntos ao mesmo tempo!!! As janelas de bom tempo duram normalmente de 3 a 5 dias. Mesmo no verão podemos ser surpreendidos por neve.

 

Assim o mais importante para um trekking na Patagônia é prevenir a hipotermia. Enumero tres fatores que considero importante para evitá-la.

 

1) saber o que é e como evitar ( a teoria antes da prática). Principalmente reconhecer quando vc ou alguém está com sintomas de hipotermia.

 

Outra preocupação é com o "pé de trincheira".  Uma situação que ocorre se o pé fica muito tempo exposto ao frio e a umidade (botas molhadas).

 

Frostbite é uma situação que ocorre com neve e gelo. Não teríamos isto no verão exceto nos altos pasos, acima da linha das árvores. Não é algo provável de ocorrer a um trekker com um mínimo de cuidado. Isto pode ocorrer mais com andinistas, em longas caminhadas na neve e gelo.

 

2) bom equipamento e boa indumentária:  tenda de qualidade e roupas técnicas são fundamentais.

 

A tenda deve ser 4 estações. Mas já vi muita gente acampando com boas 3 estações. Se acampamos no fundo de um vale, uma 3 estações dá para o gasto. Como elas são mais teladas (ventiladas) basta compensar isto com um saco de dormir mais eficiente.

 

É o vento que destroi tendas. Lembre- se disto antes de acampar acima da linha das árvores com uma tenda chinesa de baixa qualidade. Escolha bem o lugar para montar a tenda. Os mais seguros são dentro das florestas. As árvores e arbustos quebram a força do vento. Mas não arme a tenda debaixo de um galho podre.

 

Vale a pena investir em roupas de boa qualidade. Não estou falando de comprar em boutiques ou roupas de marca (tem isto também na indústria outdoor!) mas aquelas bem feitas e com tecidos técnicos. Uma primeira pele sintética, um agasalho de polartec ou lã merino e um impermeável respirável são o mínimo essencial.

 

O saco de dormir deve ser de - 10 º C. Se não for, você deve dormir encasacado. Eu uso um de pluma. Há quem diga que devido as chuvas é melhor um sintético. Mas se vc tem um bom saco impermeável para guardar seu saco de dormir e é cuidadoso, tanto faz ser sintético ou de pluma. O de duvet (pluma) é sempre mais leve e confortável.

 

3) planejamento. Saber aonde e quando ir.

 

A estação de trekking na Patagônia vai de novembro a abril. Quanto mais ao sul, mais curta a estação. Em Torres del Paine os refúgios já deixam de funcionar, normalmente, em meados de março.

 

Meados de dezembro até meados de fevereiro costuma ser a melhor época. Mas notemos que isto pode variar de ano para ano. Agora, por exemplo, dezembro/2011 e janeiro/2012 foram excelentes, ensolarados. Fevereiro já foi chuvoso. Geralmente novembro e março já exigem mais roupa de frio e mais experiência. O tempo é mais instável nestes meses "ombros" (shoulder months).

 

Novembro também pode exigir piolets e crampons em alguns pasos de montanha pois ainda haverá gelo. A escolha do trekking em função da época do ano é muito importante. Deixaria os trekkings mais ao sul e acima da linha das árvores para o miolo do verão ( final de dezembro a meados de março).

 

Logo antes de sair confira a previsão de tempo. Normalmente as previsões até 5 dias são confiáveis. As melhores são até 3 dias. Dê preferencia para fazer os trechos acima da linha das árvores somente com tempo bom. Se for o caso espere o tempo melhorar, no vale. Mesmo se a previsão for de apenas vento, lembrar que ali os ventos de 80 a 120 km/hora não são raros. E andar numa crista com um vento assim é um convite a tragédia. Portanto é bom ter sempre dois dias de folga, ao menos, no seu planejamento, caso tenha de esperar. Se o trekking é para ser feito em 5 dias, tenha disponível 7 dias.

 

Alimentação e combustível

 

Também é altamente recomendável ter um ou dois dias a mais de comida, dentro da mochila, justamente no caso destes atrasos na programação. É chato carregar mais 2 quilos nas costas, mas prevenir é melhor...

 

Comida: a mais calórica e deliciosa possível! Não se preocupe com a dieta. Vc com certeza ainda assim voltará do trekking bem mais magro que saiu. Os supermercados chilenos e argentinos tem boas opções para o trekker. Descobri até polenta instantânea no verão passado! Na Argentina eles tem uma pasta em tablete de creme de amendoim, chocolate e açucar chamada Mantecol que é uma bomba calórica excelente para recuperar o açucar gasto.

 

Os salames e os queijos lá são muito bons e resistem bem, mesmo porque não faz o calor tropical daqui. Mesmo assim é bom comer o salame em 4 ou 5 dias. Se vc sair de um lado da fronteira para outro lembre-se que estes produtos (carnes e laticínios) serão apreendidos na fronteira, se descobertos. Particularmente, a aduana chilena é bem rigorosa. Assim coma tudo antes de cruzar a fronteira e refaça seus suprimentos no outro país.

 

Prefiro o gás combustível (mistura de butano + propano) em "lata" de 230 gr com conexão roscada, que são fáceis de encontrar. A Doite chilena vende estes produtos e são encontrados na maioria das lojas outdoor. também tem a lata de 500 gr. Aqueles de tipo lata de spray não são confiáveis. Benzina já não é tão fácil de encontrar. Se for levar um fogareiro líquido, prefira um multifuel (que aceite benzina, gasolina e querosene). Nas maiores cidades vc vai encontrar benzina.

 

O povo.

 

O argentino é mais aberto e mais conversador que o chileno. Normalmente são simpáticos e gostam dos brasileiros. Mesmo assim não são tão brincalhões como nós, e as brincadeiras e piadas, tão apreciadas por nós, só se já tiver um bom grau de amizade. Costumam dizer na lata o que pensam. São muito nacionalistas. Jamais chame as Islas Malvinas de Falkland!!

 

Os chilenos são mais retraídos e introvertidos. Mas também são bem amigáveis, embora seja mais difícil entabular uma conversa com eles. Tem um senso de humor bem inteligente e irônico. Extremamente honestos.

 

Saber um mínimo de espanhol ajuda muito. A lingua é parecida mas tem muita coisa  que é diferente e eles não entendem. Se vc abordar direto falando em português eles vão entender isto como arrogância. Pedir desculpas por não falar espanhol é uma boa maneira de iniciar uma conversar ou pedir informação.

 

Quem quiser acrescentar algo fique a vontade.

 

Peter

 

Editado em 15/07/2016

 

Algumas regiões da Patagônia são mais remotas e envolvem uma maior planejamento logístico.

 

Aysén, no Chile, é uma delas. Na alta estação, janeiro/fevereiro, falta ônibus. Também não há muita opção de hotel. A região é linda e uma das menos conhecidas na Patagônia. Mas é mundialmente conhecida entre os cicloturistas, devido a bela Carretera Austral. A maior parte da Carretera é de rípio e volta e meia é necessário pegar um ferry para atravessar alguns dos inúmeros lagos avistados pelo caminho.

 

Nesta região sugiro ir nas shoulder seasons (dezembro e março/abril) para evitar ficar 2 ou 3 dias parado numa localidade devido a falta de lugar nos ônibus. Outra alternativa é alugar um carro. mas não é prático para quem quer fazer trekking.

 

Ats, Peter

Editado por Visitante
Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Respostas 29
  • Criado
  • Última resposta

Mais Ativos no Tópico

  • Membros

Peter, estive na patagonia (região de El Chalten) agora em fevereiro/março fazendo algumas travessias (gelo continental e as tradicionais) e assino em baixo todas as suas recomendaçoes, todos deveriam observa-las antes de ir pra região. Apenas acrescento mais uma sugestão: apesar de março já ser fim de temporada, é uma boa alternativa para quem quer trombar com menos gente nas trilhas e economizar em hospedagens, bem mais em conta nesse periodo.. Também pelas infos q tive de habitantes locais, o tempo é sempre instável, mesmo no verão. Essa temporada de 2012 é que foi atipicamente boa, com muito calor e pouco vento, uma raridade por lá... Por sinal, houve grande recuo nos glaciares.. Abs

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Membros de Honra

Valeu Angelone!

 

O tempo é sempre instável mesmo no verão. Apenas que no verão a probabilidade de tempo ruim diminui. Mas podemos ter verões excelentes e outros verões terríveis. Afinal a fama do clima Patagônico deve ter uma razão!

 

Esta questão de excesso de turistas foi muito bem lembrada por vc. É a grande vantagem de ir nos meses ombros (já em novembro-dezembro e ainda em março-abril, novembro e abril só em algumas partes da Patagônia).

 

Em El Bolsón encontrei um casal que esteve em TDP no final de fevereiro e eles ficaram decepcionados com que viram. Nos acampamentos livres a quantidade de lixo e papel higiênico visível era impressionante. Assim minha sugestão é ir lá bem no começo da temporada, final de novembro, início de dezembro, para encontrar menos gente e não ficar deprimido com a sujeira. Acho que o Chile deveria repensar o que ocorre lá, especialmente depois do incêndio no início do ano.

 

Em março-abril há uma vantagem adicional: ver os bosques ficando amarelos/vermelhos devido ao outono, o que é um espetaculo.

 

Tente postar um tópico com o relato de sua travessia do gelo continental em El Chaltén. Deve ser uma experiência sensacional.

 

Abraços, peter

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Colaboradores

Parabéns Peter,seus relatos e dicas são muito claros e instrutivos.Já fui 4 vezes para a Patagonia,3 vezes com familia completa e este ano sozinho com meu filho mais velho(12 anos),onde fizemos as trilhas do P.N los Glaciares e o W sem o Grey em TDP.Acrescentaria em tuas dicas,justamente isto,levem as crianças antes que este paraiso seja muito alterado pela presença cada vez maior de turistas/trekkers desleixados que largam seu lixo por todo lado.É seguro e tranquilo fazer as trilhas com crianças,desde que estas sejam praticantes de esportes e estimuladas a ter disciplina e determinação.

Abraço

Claudio S

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Membros de Honra

Tá certo Claudio!

 

Se pudesse já levava meu filho, mas ele só tem 6 anos. Com que idade vc iniciou seu filho nas trilhas?

 

Estou pensando em breve fazer trilhas curtas com meu filho e acampar em locais próximos.

 

Mas torço que esta degradação dos parques naturais não avance, que tomem uma atitude antes!

 

Abs, peter

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • 2 meses depois...
  • Membros de Honra

Peter,

 

Excelente tópico!

A cada ano que passa, mais brasileiros se lançam às maravilhas patagônicas, buscando a paz e tranquilidade nos trekkings!

 

Navegação através de mapas cartográficos todo trekker deveria saber, mas as trilhas são normalmente bem marcadas nos parques nacionais. Algum cuidado maior deve ser dado acima da linha das árvores. Gosto particularmente dos mapas da Aonneker. 

 

Boa citação. Os mapas da Aonneker são muito detalhados e confeccionados com boa escala para o trekking.

 

Gostei do seu comentário referente ao saco de dormir. Na minha opinião, também não importa se o mesmo é sintético ou de pluma. Se o trekker tiver cuidado e um bom saco estanque para transporte, a pluma é a opção mais vantajosa (peso e desempenho). Substitui o saco de compressão que vem junto com o SD por um estanque, por indicação sua há algum tempo atrás :wink:

 

Abraço,

Edver

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • 2 semanas depois...
  • Colaboradores

Opa Peter,desculpe por não responder tua indagação a respeito da idade do meu filho.Tenho 3 piás,12anos,8 e 8 e estamos sempre inventando alguma atividade.Pedalam,fazem trilhas curtas,aventuras.Graças a teus e outros excelentes relatos é que resolvemos encarar mais a fundo esta região patagonica.

Saudações

Claudio

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • 4 meses depois...
  • Membros

Desculpe a ingenuidade da pergunta, mas é que nunca estive no Chile. Quero saber se o trekking eu tenho que planejar desde o Brasil ou se dá para, chegando em Santiago, ir a uma agência que me leve em algum roteiro desses que eles já fazem com outros turistas? Obrigada pelas suas dicas, Peter. ::cool:::'>

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Membros de Honra

Juliana:

 

Acho melhor já fazer o planejamento desde o Brasil, para saber o número de dias necessário para o roteiro e o que levar.

 

Gosto muito do livro "Trekking in the Patagonian Andes" do Lonely Planet, bem completo. Através do Google vc obtém muita informação colocando como chave de busca "trekking in Dientes de Navarino" por exemplo. Vão aparecer relatos, fotos e até mapas, muito úteis.

 

Normalmente faço assim e não contrato agência porque as informações que obtenho são suficientes. Mas isto depende do nível de experiência do trekker. Se vc estiver desacompanhada e prefere fazer num grupo, a agência é uma boa opção. Mas na trilha vc faz muita amizade e acaba se juntando com pessoas de todo o mundo, percorrendo juntos o caminho.

 

As agencias são especialmente interessantes se vc quiser fazer rafting, cavalgada, escalada,....Mas contrate no local. É bom visitar várias para escolher a que vc gostar mais e com melhor preço. Por internet normalmente é mais difícil. Cidades turísticas do Chile estão cheias destas agéncias.

 

Se quiser ir para o Vale Nevado esquiar, tome cuidado com a aclimatação, pois já ouvi relato de um brasileiro que ficou mal por 3 dias antes de poder esquiar. Lá é alto o suficiente para provocar o mal de montanha.

 

TDP é um trekking lindíssimo e com boa infra-estrutura e bem marcado e acho que qualquer pessoa com um bom preparo físico vai. Pode ser uma boa opção para um primeiro trekking no Chile.

 

Qualquer dúvida é só falar. Se souber te digo.

 

Abs, peter

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • 1 mês depois...
  • Silnei unlocked this tópico

Participe da conversa

Você pode postar agora e se cadastrar mais tarde. Se você tem uma conta, faça o login para postar com sua conta.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emojis são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


×
×
  • Criar Novo...