Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

jopeg

Namíbia

Posts Recomendados

Espetaculares suas fotos, amigo!! Fiquei babando e já com vontade de ligara para o gerente do meu banco para ver as linha sde crédito disponíveis hehehehhe ::hahaha::

Quanto custaram os flying safaris?! E aqueles lindos hotéis onde vc ficou?!

 

Obrigado por compartilhar sua viagem!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Lugar aparentemente sensacional, e que fotos. As maiores dúvidas realmente ficam por conta dos gastos.

Pelo que entendi, os pacotes são personalizados, nº de dias, voos, hospedagens, refeições, entradas então acredito que o preço varia bastante. Se pudesse compartilhar o valor desse passeio de 9 dias ou então algum site ou contato de empresas que o fazem para cotações. É dificil até imaginar quanto pode sair uma trip dessa.

 

Parabéns pelas fotos e obrigado por compartilhar.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Lindas fotos! Estou pesquisando empresas para flying safari ou para alugar carro, mas estou com grande dificuldade de conseguir orçamentos. Se possível, poderia me ajudar? Qual empresa voce contratou?

Obrigada

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Ola pessoal,

 

gostaria de maiores informações sobre a Namibia. Já li muito sobre o fato de que, o aluguel de veiculos, é o melhor meio para desbravar o pais, mas, infelizmente, no meu caso, estarei só. Neste caso, partindo da capital, é facil chegar aos outros pontos turisticos do pais? Dá para fechar passeios na propria capital ou é melhor se deslocar para as cidades mais proximas dos pontos e de lá ver os passeios. Meu medo é chegar lá e ficar "travado", já que estarei por la num meio de semana e nao em um fds.

 

abraços

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Maschette,

 

Em Windhoek você consegue fechar pacotes para os mais diversos lugares.

Se você estiver chegar lá com a rota planejada se locomover é fácil, você pode viajar de trem, minivans, taxi compartilhado.

 

Há um "spot" de minivans que fica no Rhinos Park, lá você consegue pegar carros indo para Walvis bay, Swakop, Keetmanshop, Luderitz, Upington...

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

NAMIBIA: (Informações referentes a 2014)

 

MOEDA: NAMIBIAN DOLLAR – NAD http://themoneyconverter.com/BRL/NAD.aspx .

 

VISTO: O visto pode ser obtido gratuitamente na fronteira com validade de 30 dias.

 

IDIOMA: Oshiwambo dialects, Africaans e Inglês.

 

ACOMODAÇÃO: Nas cidades mais turísticas é possível encontrar alguns hostels e campings.

 

TRANSPORTE: As caronas pagas são o principal meio de transporte, também se pode viajar de trem http://www.namibiareservations.com/dx.html .

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Relato da minha viagem à Namíbia

 

Dia 01, 14 de março de 2014, sexta-feira

Malas preparadas, saímos pro aeroporto de Vitória, rumo a São Paulo pra pegar o voo pra Johannesburg as 17h30m. Neste voo serviram jantar e café da manha, que em função do fuso de 5 horas a mais na África do Sul/Namíbia, este ultimo foi servido às 1h30m horário Brasil. Em resumo, dormimos mal e apenas umas 3 horas, isto por que depois do jantar assistimos dois filmes, Gravidade e A menina que roubava livros. Dois filminhos bem babaquinhas. Aliás, a aeronave era muito boa, um Airbus 300 com tela individual razoavelmente grande.

 

Dia 02, 15 de março de 2014, sábado

Chegamos em Johannesburg no horário previsto, 7h40m no horário local. O aeroporto é maravilhoso, há um verdadeiro shopping center lá dentro. Dali, embarcamos pra Namíbia e chegamos em Windhoek no horário previsto, as 11h50m. Trocamos dinheiro e o rapaz da locadora de carro nos levou até a agência da Advanced Rental Car na cidade. Estávamos muito cansados, praticamente sem dormir. Ouvimos todas as explicações do Toyata Hilux cabine dupla equipado com barraca no teto, todos os apetrechos de camping, inclusive geladeira, cadeiras, três estepes de pneus. O carro tinha até dois tanques para rodar grandes distâncias. A Namíbia é famosa por ser pouco povoada, ter poucos postos de combustíveis e cidades muito distantes. Enfim, um carro todo adaptado para os desertos da Namíbia. Carro pago, seguro pago, fomos até um posto para abastece-lo, ao supermercado fazer uma compra básica pra camping, compramos um ship local (NaD$ 7,00) pro celular da Vi, mas não funcionou, pois o aparelho dela é bloqueado, malditas as idiotices de controle alfandegário. Pé na estrada mesmo sem celular, eram umas 3h da tarde e tentando se acostumar com a maldita da mão inglesa. Bom, rodados uns 50 km vem então uma tragédia nosso passeio que mal havia começado. Estava chovendo, pista um tanto estreita, acostamento de grama, isto é, sem acostamento, vinha um caminhão na faixa oposta, desviei um pouco pra esquerda, mas foi o suficiente para tocar os pneus na grama, o carro perder o controle, voltou para pista e estava indo direto ao encontro de um Corola com cinco meninas dentro. Pra evitar a colisão frontal, virei meio que abruptamente para a esquerda de novo. Pronto. O carro foi pra grama molhada da chuva novamente, girou duas vezes em seu próprio eixo e encontrou um barranco, deu meia capotada, e bateu o teto dele no barranco, voou de tudo para todos os lados. Tem coisas que não recuperei, não consegui achar até agora. O carro ficou um bagaço. A companhia de seguro deu perda total. Não sei dos detalhes direito por que desmaiei. Quando acordei estava eu pendurado pelo cinto de segurança, braços sangrando, e descendo sangue pela parte de cima da cabeça e a Vi estava deitada sobre sua porta quase ao chão. A Vi conseguiu me tirar do cinto. Fiquei por um bom tempo meio sem saber o que estava acontecendo. Bom vieram três ambulâncias, polícia etc... Eles nos obrigaram a ser hospitalizados, apesar da Vi e eu insistirmos que estávamos bem. Na verdade, nós dois tínhamos batido a cabeça e havia escoriações nos braços. Não teve jeito, fomos nós pro hospital de Okahandja, fomos bem atendidos, exames de rotina, medicados e de volta para Windhoek. A empresa de aluguel de carro foi ultra-eficiente. Eles também foram ao local do acidente, pegaram todos nossos pertences, nos deram assistência, esperaram o guindaste chegar para pegar o carro, foram até o hospital e nos trouxeram de volta para Windhoek e ainda reservaram um hotel. Ao chegarmos na agencia, nos deram toda a atenção e recepção muito amável. Alias, os namíbios são pessoas maravilhosas. Nos prometeram outro carro igual para segunda feira e nos pediram que nos recuperássemos no domingo descansando o quanto pudéssemos. Bom, fomos nós pro hotel e dormimos pro 14 horas ininterruptas.

 

Dia 03, 16 de março de 2014, domingo

Acordamos as 10 horas da manhã e descobrimos que perdemos o café da manhã no hotel Pension Etambi (NaD$ 650,00 quatro duplo com café). Estávamos muito tristes e tensos por causa do acidente e sem saber o quanto o seguro iria cobrir. Eu fiquei o dia todo tenso por isto. Pegamos um taxi e fomos ao Maerua Mall para tomar o café da manhã e comprar óculos escuros pra mim, pois os meus desapareceram no acidente, mais um dos n que já perdi na minha vida. Feito isto, nos enterramos no quarto do hotel tentando se recuperar do acidente, principalmente o lado psíquico, que estava profundamente abalado. Consideramos até a possibilidade de voltar pro Brasil. Passado o efeito da adrenalina, começamos a sentir as dores no corpo, tais como a faixa do cinto no peito, meu crânio na parte superior, os músculos das costas. A Vi com dores no seu lado esquerdo que bateu na porta, incluindo aí a cabeça também.

 

Dia 04, 17 de março de 2014, segunda-feira

Acordamos mais cedo pra não perder o café, ainda bem, pois o café da manhã era muito bom. Lá pelas 9h30m o pessoal da locadora de carros nos pegou e lá fomos para ver o tamanho do preju!! Bom, a surpresa foi muito boa, tivemos de pagar apenas o guincho pra trazer o carro de volta, em números NaD$ 2.100,00 e a franquia de NaD$ 30.000,00. Em reais um pequeno total de ~R$5.000,00, nada comparado com o precinho de um Toyota cabina dupla modificado, uns R$180.000,00. Neste dia conheci um casal de franceses e um casal de turca com polonês. Tiramos fotos junto ao carro, etc... Carro novo a postos, lá vamos nós de novo encher o tanque e pegar estrada. Agora com um aparelho de celular namíbio na mão. Este é um item importante se algo nos acontecer no meio do deserto. Dirigia com toda a precaução possível para não para ocorrer o mesmo. Como saímos muito tarde, lá pelas 13h00 sabíamos que não daria para chegar no Etosha. Então, fomos pra Walterberg Plateau Reserve, ver se dava para usar a nossa reserva dos dias anteriores e fazer pelo menos parte da programação. Ao chegar na estrada de terra já perto do camping, havia 03 trailers e um caminhonete paradas, conversamos com eles, a informação era de que não dava pra passar pois havia três barreiras d’água, sendo que a terceira a água estava a uns 80 cm de altura, tinha chovido muito. O caminho era muito bonito, a cadeia de montanhas que recebe o nome de Walterberg é linda. Ao ver a primeira nós desistimos na hora e retornamos quando ainda estavam os 04 carros parados, acabamos por nos juntar a um casal de alemã-suíço e fomos dormir no Weaver’s Rock Campsite (NaD$ 100,00 por pessoa, campsite gratuito). Lugar maravilhoso, dá pra ficar bem uns 3-4 dias, piscinas, trilhas, belo camping, banho quente, um bar super-super. Tivemos uma noite ótima regado a cerveja Windhoek e um belo cardápio. Valeu muito.

 

Dia 05, 18 de março de 2014, terça-feira

Tomado o café da manhã no camping, seguimos pra Etosha, logo nos primeiros quilômetros, javalis deram uma palhinha pra gente. Bacana. Mais uma hora de viagem e quase matei um bicho razoavelmente parecido com um rato, desviei dele, mas fiquei meio que achando que poderia ser um camaleão, fiquei encucado e voltei para conferir se era mesmo um possível camaleão, dito e feito, estava lá um cameleão na estrada. Chegamos ao parque nacional de Etosha (NaD$ 85,00 por dia/pessoa) ao meio-dia, com um dia de atraso, mas eles nos deixaram usar os dois dias já pagos de reserva sem penalidades (NaD$ 200,00 pelo campsite e NaD$ 110,00 pessoa/dia). Ótimo. Fizemos nosso almoço no camping e dali partimos pro nosso primeiro safari rumo ao norte do parque. Muitos Oryx, gazelas aos milhares, três girafas distantes, algumas avestruzes e muitas outras aves. Ao final do dia, subimos o mirante do Okaukuejo as 19h00 e de lá avistamos três girafas que se aproximavam da estrada, descemos o mirante rapidamente, pegamos o carro e fomos ao seu encontro. Chegamos muito perto delas, tiramos fotos excelentes. Valeu muito. De volta ao camping, preparamos nosso jantar juntos com milhares de insetos de todos os tipos.

 

Dia 06, 19 de março de 2014, quarta-feira

Com café da manhã no bucho, fomos ao nosso segundo safari rumo ao leste do parque. Foi um passeio de uns 200 quilômetros, com almoço no restaurante de Halali. Em resumo: algumas girafas, alguns gaviões, alguns falcoes, muitas pombas, muitos pássaros de diversas espécies que não sei quais são, várias aves aquáticas, dois abutres lindos, vários tipos de ungulados (muitas gazelas, vários oryx, várias zebras e três kudus), um sapo negro com faixas amarelas resistindo heroicamente ao ataque de uma cobra, e uma família de mangusto. Infelizmente, vamos embora do Etosha sem ver elefantes, leões e rinocerontes. Fica pra próxima, Botswana vem aí.

 

Dia 07, 20 de março de 2014, quinta-feira

Pegamos rumo a Spitzkoppe, que viagem horrível, dirigi o dia inteiro tomando um sol lerdo, sol, muito calor, que viagem lenta. Combinação fatal para mim. Lenta por que tivemos que parar pra comprar adaptador de tomadas, e fazer compra pros próximos dias de camping. Lenta por que decidimos que nossa velocidade limite seria 80 km/h, trauma do acidente. Meu mal humor acabou ao chegar em Spitzkoppe, que formação geológica maravilhosa, várias fotos. Camping pseudo-selvagem (NaD$ 550,00 pelos dois dias), a Vi pirou o cabeção, quase que tenho que desmaterializa-la de volta pro Brasil. Tomar banho e cagar a céu aberto foi demais pra ela. Tadinha..

 

Dia 08, 21 de março de 2014, sexta-feira

Na região do Spitzkoppe, há várias elevações além claro do próprio Spitzkoppe. Há o cinco Pontoks e os dois Feseltein, Pão de Açúcar etc.. Uma paisagem simplesmente linda. Ficamos o dia todo passeando por estas montanhas. Muitas aves, lagartos bonitos, rato da montanha, plantas de deserto. No final da tarde, lá pelas 4 h, tomei banho de roupa e tudo, tava um calor infernal. Aí fomos por bar e sentamos na mesma mesa do gerente da reserva e de um sul-afriacano. Bom, aí foi chegando dois entomologistas checos etc... e não saímos mais dali. Tomamos muitas cervejas e conversamos muito sobre países da África, gestão de unidades de conservação. E dali mesmo pertinho, um checo achou uma cascavel.

 

Dia 09, 22 de março de 2014, sábado

Rumo a Henties Bay, são uns 100 km de estrada de terra pra chegar no lado africano do Atlântico. Tivemos dificuldades de achar camping na internet, então já saímos do Brasil com reserva pra um B&B (Haus Estinic, NaD$ 700,00 por dia com café da manhã), que por sinal, muito confortável e com excelente café da manhã. Henties Bay no fim de semana pareceu uma cidade deserta, pois raramente se vê alguém nas ruas. Restaurante só encontramos 1, onde almoçamos e jantamos frutos do mar.

 

Dia 10, 23 de março de 2014, domingo

Henties Bay oferece várias rotas pros Toyoteiros de plantão, elas não tem indicações e deve-se ter muito cuidado para não se perder. Escolhemos fazer a Messum Crater Route por que nosso maior interesse eram as Welwistchia mirabilis, uma Gymnospermae absolutamente incomum, uma planta que não tem nada a ver com pinheiro, desertícola, rasteira, folhas de crescimento contínuo, que pode se desprender do solo e se deslocar pelas dunas do deserto e só ocorre aqui na Namíbia. Bom, vimos centenas delas e muitas outras espécies. A paisagem desta rota é linda, passamos pela cratera do vulcão Messum e da pra observar os vários eventos geológicos na área, erosão, intemperismo, sedimentação. Deve-se tomar cuidado pois os mapas das rotas disponíveis apresentam um traçado único e não apontam as bifurcações e desvios que aparecem na estrada e nos confundem. Na rota que fizemos não havia nenhuma placa, então em alguns momentos ficamos morrendo de medo de estarmos perdidos, pois dirigia por longo tempo sem que a paisagem ao redor mudasse.

19h30m saímos para jantar no.... (descobrimos uma segunda opção!)

 

Dia 11, 24 de março de 2014, segunda-feira

Fomos pra Swakopmund bem cedinho, ficamos no Dünenblick, um flat maravilhoso de frente para as dunas (NaD$ 540,00 por dia). Vimos neste dia museu, Jetty, passeio pelas ruas lindas, casas lindas etc... oceano atlântico com muito vento. O passeio pelas dunas de areia alaranjada foi maravilhoso. No final da tarde fomos prum bar em frente ao oceano onde reencontramos nossos novos amigos de Spitzkoppe.

 

Dia 12, 25 de março de 2014, terça-feira

Hoje fizemos o passeio de barco pela baia de Walvisbay, vimos muitos bichos (pelicanos, cormorões, gaivotas, golfinhos, focas etc...), o dia estava lindo, ceú azul, mar azul, dunas imensas cor de areia.... Muito Bom. Depois fomos ao Aquário Nacional da Marina e Crystal Galery. Finalizamos em uma livraria na qual compramos alguns livros sobre a Namíbia.

 

Dia 13, 26 de março de 2014, quarta-feira

Partimos para Sesriem, foram ~350 km em cerca de 6 horas, passamos pelo desfiladeiro do rio Kuised, muito bonito, foi o primeiro rio em que vimos água, poucos bichos pela estrada (oryx, gazela, avestruz), finalmente percebi a presente da quiver, planta endêmica daqui. Ao longo da viagem, havia paisagens bonitas. Quando chegamos em Solitaire, esperávamos haver uma cidade, ha ha ha,, era tão somente um logde/camping, uma padaria inimaginavelmente luxuosa, um posto, um restaurante também chique. Sesriem foi a mesma coisa, nada de cidade, apenas vários logdes e camping, um posto. Nosso camping, o Sossus Oasis Camping Site é demais, cada camping site tem seu chuveiro, toilete, pia de cozinha, de banheiro etc... superestrutura por apenas NaD$ 200,00 mais NaD$ 100,00 por pessoa. Tem um lojinha que vende de tudo por preço normais. Aliás aqui cabe parênteses, na Namíbia não há aquela coisa do capitalismo selvagem, você chega em lugares inóspitos, ermos e toma uma bela cerveja por um proço não mais do que uns 10-15% mais caros. No Brasil, as coisas seriam umas duas ou três vezes mais. Parabéns Namíbia. Aliás parabéns Namíbia por muitas razões, estrutura turística maravilhosa, deixa o Brasil no chinelo. Bom, voltando, no camping também uma piscina, dito e feito, lá fomos nós pra piscina curtir um belíssimo fim de tarde. Quando a noite se fez e o céu escureceu, nossa...., o céu estava absurdamente estrelado, lua linda, milhares de estrelas e algumas planetas, a nebulosa estava bem visível e marcada. Valeu muito estar aqui.

 

Dia 14, 27 de março de 2014, quinta-feira

Para mim, chegou o grande dia, eu esperei muito por este momento, uma das principais razões de ter vindo pra Namíbia, conhecer o as dunas avermelhadas do Namib Naukluft Park (entrada de NaD$ 85,00 por pessoa), especialmente a duna 45, conhecer o Deadvlei e Sossusvlei. Bom, expectativas mais do que bem atendidas. Foi meu melhor dia, um pequeno probleminha que eu não sei dirigir em dunas e é óbvio fiquei atolado logo nos primeiros quilômetros ao entrar no caminho para Sossusvlei. Vimos várias plantas endêmicas, avestruzes, gazelas, oryx, corvos de peito branco, corvo negro, vários passarinhos, e uma ave linda chamada aqui de Secretarybird. Na duna 45 e vários outros lugares, havia o famoso besouro tok-tokkies de pernas longas que captam o orvalho da noite. No nosso campingsite há vários deles. Eu vi um insetinho minúsculo na duna, cor acinzentada e anda super-rádipo e se enterrado mais rápido ainda, foi impossível fotografá-lo. Vai ficar na memória. Não precisa falar que a diversidade de insetos é enorme aqui, vi de tudo, formigas, borboletas, mariposas, cigarrinhas, cigarras, louva-a-deus, bicho-pau, moscas e mosquitos....

 

Dia 15, 28 de março de 2014, sexta-feira

Rumo de volta a Windhoek. Ficamos num B&B (NaD$ 560,00) que não recomendamos, um café da manhã bem ruinzinho. Fomos pro National Museum of Namibia, que estava bem derrubado, por que boa parte do acervo foi para um museu novo inaugurado cinco dias antes, Independence Memorial Museum, que por sinal fomos para lá. Que lindo museu, ele conta a história da colonização da Namíbia por parte dos alemães no período de ~1895 até ~1915 e depois dos sul-africanos em meados da década de 80. Uma história de massacres, mas em 1989 finalmente este país tornou-se independente e lentamente estão reconstruindo uma nação bonita e agradável. À noite fomos jantar no Joe’s Beerhouse, um restaurante de comidas típicas. Comi carne de kudu e a Vi pediu um espeto com 5 tipos de carnes (avestruz, zebra, crocodilo, kudu e oryx).

 

Dia 16, 29 de março de 2014, sábado

Vi foi as compras, e eu mesmo odiando por tentar acompanha-la, mas não resisti por muito tempo. Deixei-a nas compras e fui pro National Galery of Arts e Owela Museum (a parte de história natural do National Museum of Namibia). À noite fomos ao National Theatre of Namibia assistir à final do Band Standing 2014, um festival de música deles. Foi algo interessante, plateia superanimada etc... 4 horas de música no melhor do estilo africano, por apenas NaD$ 100,00. Bom, fim da história, dormimos e no outro dia voltamos pro Brasil.....

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.




×
×
  • Criar Novo...