Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Monte Roraima - relato e pequeno guia (mar/09)


Posts Recomendados

  • Membros de Honra

Antes de mais nada, gostaria de enfatizar:

A EXPEDIÇÃO AO MONTE RORAIMA NÃO É UMA VIAGEM CARA!

 

Começo meu relato dessa forma para chamar a atenção dos trilheiros que sonham com essa viagem, mas desistem diante dos altos custos das agências brasileiras.

 

As agências da cidade venezuelana de Santa Elena de Uairen cobram por volta de R$90 por dia de trekking com tudo incluído (guia, carregadores/cozinheiros, comida, equipamento de cozinha, barraca, saco de dormir e isolante). Para o pacote padrão de seis dias o custo total portanto é de R$540. É possível baixar bastante esse valor optando por um pacote com menos "mordomia" ou obter descontos se você levar seu próprio equipamento, conforme será explicado mais abaixo em detalhes.

 

O maior custo é o da passagem aérea até Boa Vista (capital de Roraima), mas isso também pode ser reduzido com a compra bastante antecipada ou aproveitando promoções ou ainda com milhas acumuladas. No nosso caso gastamos R$1.018 nas passagens aéreas em seis vezes sem juros. Na época, comprar o trecho São Paulo-Manaus separado do Manaus-Boa Vista saiu mais barato do que o bilhete São Paulo-Boa Vista (com escala em Manaus).

 

Bem, espero que com esses custos razoáveis (ou pelo menos não proibitivos) o sonho de conquistar o Roraima se torne realidade para muitos e que esse meu relato seja lido e aproveitado por muito mais trilheiros.

 

COMO FOI A NOSSA VIAGEM

O CONVITE

 

A Casa de Macunaima, Mãe de Todas as Águas, Grande Verde-Azulado. O Monte Roraima era um sonho guardado há muitos anos, mais exatamente desde 1995, quando uma matéria da revista Caminhos da Terra me deixou muito impressionado. As formações rochosas fantásticas, os enormes platôs de pedra, a formação antiquíssima dos tepuis, a fauna e a flora únicas, o isolamento e a dificuldade de acesso, tudo me deixou fascinado.

 

Em dezembro de 2008 surgiu um convite totalmente inesperado de alguém até então desconhecido, o Alexandre. Tratei de responder prontamente que estava muito interessado. Daí em diante formou-se o grupo de cinco pessoas que levou o projeto adiante: eu, Alexandre, Renata, Ana Paula e Gabriel.

 

OS PREPARATIVOS

 

Foram meses pesquisando custos, melhor época para ir, equipamentos necessários, grau de dificuldade, documentação, agências (brasileiras e venezuelanas), etc, numa troca intensa de e-mails. Lemos muitos relatos, conhecemos virtualmente diversas pessoas que tinham ido e pedimos todo tipo de informação a elas.

 

Todas essas informações disponibilizo aqui como uma espécie de guia para os futuros aventureiros.

 

Após muitos e-mails e até telefonemas para as agências de Santa Elena, decidimos pela Mystic Tours por ter o menor custo e fornecer uma documentação bastante completa e minuciosa sobre o trekking, o que nos inspirou mais confiança e até uma forma de contestar possíveis falhas no serviço.

 

Todo esse trabalho no planejamento se deveu a alguns relatos e depoimentos de pessoas que foram surpreendidas com um péssimo serviço, inclusive chegando ao ponto de ter de racionar a comida fornecida.

 

PEQUENO GUIA

COMO É O TREKKING DO MONTE RORAIMA

 

O Monte Roraima tem 34km2 de área e fica exatamente na fronteira entre o Brasil, a Venezuela e a Guiana, com um marco de concreto em seu topo registrando a tríplice fronteira. A maior parte da montanha está em território venezuelano (85%), 10% na Guiana e apenas 5% em solo brasileiro. O acesso ao topo foi descoberto em 1884 na parede sudoeste, a partir da Venezuela, e por ser o único caminho por trilha, sem necessidade de técnicas de escalada e nem cordas, passou a ser utilizado por todas as expedições. Fora isso, há os passeios panorâmicos de helicóptero e pelo menos duas vias de escalada (Scorpion Wall e Cutting the Line).

 

O Roraima e as outras montanhas em forma de mesa (topo chapado) que se formaram na região são chamados de tepuis. Cerca de 30 deles estão dentro da área de proteção do Parque Nacional Canaima, um dos mais extensos do mundo, com 30 mil km2 (do tamanho da Bélgica), controlado pelo Inparques, instituto ligado ao Ministério do Meio-Ambiente. Por estar dentro de uma reserva, a ascensão ao Roraima é obrigatoriamente acompanhada de um guia indígena local.

 

O trekking padrão oferecido por todas as agências dura seis dias, sendo três dias para a subida, um dia no topo e dois dias para descer. Na subida caminha-se dois dias pela savana para só no terceiro dia subir efetivamente a montanha.

 

Contratar o serviço de uma agência é obrigatório? Não, porém você vai precisar contratar um guia indígena e é recomendável ter alguma indicação para evitar possíveis transtornos pelo caminho.

 

No nosso caso preferimos fechar com uma agência de Santa Elena porque os custos são muito mais baixos do que qualquer agência brasileira e porque teríamos um pouco mais de garantia de um serviço mais profissional. Na troca de e-mails pudemos sentir o grau de profissionalismo de cada uma delas.

 

Além do mais, contratar um guia fora das agências não é garantia de pagar menos, como pude comprovar em relatos que li. É preciso estar por dentro dos pacotes e preços das agências e saber negociar com o guia.

 

Segundo o fórum do Mochileiros (roraima-f151.html), a contratação de um guia independente pode ser feita na própria aldeia Paraitepuy, onde está o quiosque-portaria do parque. Ali os preços das diárias de guias e carregadores parecem ser realmente mais baixos, porém ninguém publicou no fórum o preço real e nem mesmo o relato de uma expedição com essa logística.

 

Se a opção for dispensar os serviços da agência e procurar um guia na aldeia, é preciso levar em conta o custo do deslocamento de Santa Elena até lá (93km, sendo 27km de terra), o qual é feito somente em carro 4x4, cujo frete é mais caro. E fechar com o motorista o dia e hora (e preço) do resgate ao final do trekking.

 

POR QUE FIZEMOS O TREKKING EM OITO DIAS

 

Nas nossas pesquisas, descobrimos que um dia no topo seria suficiente para conhecer apenas alguns atrativos e mesmo assim num ritmo muito acelerado para quem esperou tanto tempo para chegar até ali. Fora isso, o tempo, que é bastante instável por lá, podia ficar de mau-humor justo naquele único dia no topo e a frustração seria completa.

 

Por isso, negociamos com a agência essa alteração de seis para oito dias, algo que bem poucas pessoas fazem. Na verdade, pensamos em outras alterações como subir em dois dias, acampar na aldeia Paraitepuy para iniciar a caminhada mais cedo, pernoitar no acampamento Militar, entre outras, porém a única que foi adiante foi essa dos oito dias.

 

Essa alteração nos daria a oportunidade de conhecer o distante Lago Gladys, lugar a que poucos chegam, já bem próximo da extremidade norte do Roraima, a chamada Proa, numa comparação da montanha com um imenso navio.

 

No trekking de seis dias, os acampamentos são feitos, pela ordem:

1ª noite: acampamento do Rio Tek ou do Rio Kukenan, dependendo da logística (o acampamento do Rio Kukenan é evitado por ter uma quantidade maior de puri-puris, um minúsculo e voraz mosquito da savana venezuelana)

2ª noite: acampamento Base, já no pé do Roraima

3ª noite: algum hotel do topo. "Hotel" é como eles chamam os abrigos rochosos onde é possível se proteger da chuva e parcialmente do vento (como faziam os homens da pré-história). São oito opções de hotéis próximos à Rampa de ascensão ao topo.

4ª noite: o mesmo hotel

5ª noite: acampamento do Rio Tek ou do Rio Kukenan, dependendo da logística

 

No nosso caso, alteramos o roteiro da 4ª noite em diante:

4ª noite: Hotel Coati, em território brasileiro

5ª noite: Hotel Coati

6ª noite: o mesmo hotel da 3ª noite

7ª noite: acampamento do Rio Tek ou do Rio Kukenan

 

CATEGORIAS DE PACOTE OFERECIDAS PELA AGÊNCIA MYSTIC TOURS

 

Minha intenção aqui não é influenciar ninguém a contratar os serviços da Mystic Tours, mesmo porque não simpatizei com o Roberto Marrero, embora ele tenha cumprido tudo o que nos prometeu. Quero apenas mostrar que há várias alternativas de serviços e de preços e que é possível negociar isso com a agência escolhida, seja ela qual for.

 

Os preços abaixo são todos para o trekking padrão de seis dias.

 

1. programa tudo incluído

Inclui: guia, comida, equipamento de cozinha, saco de dormir, isolante, barraca, carregadores/cozinheiros e o transporte Santa Elena-Paraitepuy em 4x4

O cliente carrega sua própria mochila com o saco de dormir e o isolante fornecidos, além dos itens pessoais

preço para cinco ou mais pessoas: BsF 1250 por pessoa (R$543 ou R$90 por dia)

preço para quatro pessoas: BsF 1350 por pessoa (R$587 ou R$98 por dia)

 

2. programa tudo incluído sem carregador

Inclui: guia/cozinheiro, comida, equipamento de cozinha, saco de dormir, isolante, barraca e o transporte Santa Elena-Paraitepuy em 4x4

O cliente carrega sua própria mochila, com o saco de dormir, o isolante, a barraca e a comida fornecidos, além dos itens pessoais

preço para cinco ou mais pessoas: BsF 950 por pessoa (R$413 ou R$69 por dia)

preço para quatro pessoas: BsF 1050 por pessoa (R$457 ou R$76 por dia)

 

3. programa só transporte e guia

Inclui: guia (não cozinheiro) e o transporte Santa Elena-Paraitepuy em 4x4

O cliente carrega sua própria mochila, com o saco de dormir, isolante, barraca, comida, equipamento de cozinha e itens pessoais. Nada disso é fornecido. O saco de dormir, o isolante e a barraca podem ser alugados.

preço para cinco ou mais pessoas: BsF 550 por pessoa (R$239 ou R$40 por dia)

preço para quatro pessoas: BsF 650 por pessoa (R$283 ou R$47 por dia)

 

Nos dois primeiros programas, a Mystic dá descontos caso se leve a própria barraca (BsF 30), saco de dormir (BsF 25) e isolante (BsF 15).

 

QUANTO À COMIDA

 

Lemos diversos relatos de pessoas que tiveram problemas com a alimentação, principalmente pela quantidade insuficiente. Com receio de passar pelo mesmo problema, decidimos todos levar um excedente ao gosto de cada um. Por causa desse peso extra, resolvemos contratar um carregador pessoal.

 

O documento da Mystic falava em BsF 80 diários o custo do "porteador personal", porém no briefing o Roberto disse que esse preço havia subido para BsF 100, o que significava no nosso caso BsF 800, ou R$70 para cada um (pelos oito dias).

 

Aproveitamos para passar para esse carregador extra alguns itens pessoais, já que cada um deles pode levar até 15kg (esse limite na prática é completamente desrespeitado).

 

Felizmente, essa comida a mais foi apenas excesso de cuidado nosso pois as refeições eram fartas, variadas e saborosas.

 

QUAL A MELHOR ÉPOCA?

 

Com certeza é preferível viajar na época seca, que vai de dezembro a março. E isso ainda não é garantia de sol pois o tempo é bastante instável na área dos tepuis.

 

FAZ MUITO FRIO LÁ?

 

Fizemos o trekking no início de março e não pegamos muito frio durante a noite.

 

Durante o dia o sol é forte, mas no topo, quando da passagem de alguma nuvem, vem o frio e a umidade, o que obriga o uso de um anorak ou parka.

 

À noite, a temperatura não caía muito. Para nós algo como um fleece 100 e uma parka foram o bastante.

 

Para dormir, meu saco de dormir muito velho deu conta do recado perfeitamente. Dormia vestindo camiseta dryfit e o saco meio aberto, apenas quando esfriava de madrugada colocava o fleece ou fechava o saco. A Renata dormia com o fleece e o saco de dormir meio aberto. O Alexandre dormia de camiseta dryfit e com o saco de dormir fechado, só colocando o fleece quando esfriava de madrugada.

 

DÁ PRA TOMAR BANHO TODO DIA?

 

Sim, sempre há algum riacho próximo dos acampamentos, seja na savana ou no topo. Tudo depende da sua resistência à água fria, algumas vezes gelada mesmo.

 

É PRECISO CARREGAR MUITA ÁGUA DURANTE A CAMINHADA?

 

De modo algum. Para os índios Pemón da Venezuela, o Roraima é a Mãe de Todas as Águas. Você encontra água boa em todo o percurso, tanto na savana quanto no topo. Para os mais "cismados" ou de organismo mais sensível, um purificador de água pode ser usado, principalmente na água coletada muito próximo aos acampamentos.

 

UMA DÚVIDA ESCATOLÓGICA: COMO É O BANHEIRO DURANTE O TREKKING?

 

Esse é um assunto que faz muita gente travar só de pensar. Principalmente quando se fala num tal de shit tubo...

 

Mas vamos lá, o tema é desagradável mas precisa ser tratado.

 

Primeiro é melhor esclarecer logo o que é o shit tubo, apesar de não termos feito uso dele. É um pedaço de cano de PVC com tampas nas pontas, onde são "guardados" os saquinhos com os excrementos misturados com cal. Ou seja, é preciso fazer a obra de arte num saquinho plástico com um pouco de cal, jogar mais cal por cima, tirar o ar, amarrar bem e colocar no shit tubo. Um tubo é suficiente para várias pessoas numa caminhada de vários dias.

 

Pelo que soubemos, as agências têm tratamento diferente para essa questão. Há agências que obrigam o uso do shit tubo desde o primeiro dia, outras apenas no topo. Uma coisa é certa: não se pode deixar dejetos no topo do Roraima.

 

A Mystic orienta os guias a cavarem buracos nos acampamentos da savana e a disponibilizarem saquinhos e cal nos acampamentos do topo. Esses saquinhos são depois recolhidos e colocados num saco maior (essa agência não fornece o tubo), que é levado por um dos carregadores até o fim da expedição.

 

Para encerrar de uma vez esse assunto, é bom dizer que os acampamentos da savana (Rio Tek e acampamento Base) viraram verdadeiras pocilgas. Há fezes e papel higiênico em grande quantidade bem próximo de onde se acampa e se come. Defendo assim a idéia de que o shit tubo (ou algo do tipo) seja usado desde o momento em que se deixa a aldeia até o retorno a ela, a fim de evitar essa cena asquerosa.

 

OS BICHOS

 

Na savana tivemos contato com dois tipos de animais primordialmente: as cobras e os puri-puris.

 

O puri-puri é um inseto minúsculo mas muito voraz que ataca a qualquer hora do dia e em qualquer parte do caminho na savana, principalmente próximo aos rios e riachos. Sua picada causa ardor e coceira, para dizer o mínimo.

 

Como se proteger dele? A Renata seguiu as indicações de tomar vitamina B12 desde uma semana antes da viagem, mas não adiantou. Ela e os outros usaram Exposis preto, um repelente fortíssimo, mas mesmo assim os puri-puris fizeram um bom estrago. Eu devo ter algo no sangue que não agrada a esses bichos pois não tomei a vitamina, não passei repelente nenhum dia e mesmo assim levei apenas algumas picadas.

 

Sugeriram também usar repelente à base de óleo de citronela, mas ninguém levou e não pudemos testar a eficácia.

 

No topo, tivemos contato com outros animais: os sapinhos que não pulam e os indesejáveis escorpiões e aranhas.

 

Os sapinhos são a grande atração por seu tamanho reduzido e seu modo característico de "caminhar" se esticando todo em vez de saltar. Ao serem apanhados, fingem-se de mortos ficando imóveis por um certo tempo de barriga para cima. Uma das espécies tem a barriga amarela.

 

Quanto aos peçonhentos, é preciso tomar bastante cuidado com o lugar onde apoiar as mãos durante a caminhada pois tarântulas e caranguejeiras passeiam tranquilamente pelas árvores e rochas do topo do Roraima.

 

Já os escorpiões (e também algumas tarântulas) eram vistos todos os dias quando os carregadores erguiam as barracas para desmontá-las de manhã. O Marcos, nosso guia, disse que esses bichos são atraídos pelo calor do fundo da barraca durante a noite.

 

Fora esses animais, havia alguns passarinhos (tico-ticos ou uma espécie semelhante) nas proximidades dos acampamentos em busca de restos de comida. Na frente do Hotel Coati vimos um belo quati de pelo castanho-claro passeando solitário. Segundo o Marcos, o quati e uma espécie de rato são os únicos mamíferos no topo do Roraima.

 

ALGUNS ITENS ESSENCIAIS

 

. bota de trekking (já amaciada) é um item importante pois o cano alto ajuda a evitar torções, principalmente ao se caminhar nas pedras soltas da Rampa.

. mochila cargueira

. saco de dormir

. isolante (um modelo inflável é o ideal para o chão duro dos hotéis do topo)

. capa de chuva ou poncho (que cobre o corpo e a mochila)

. lanterna, de preferência de cabeça e com leds pois ilumina melhor e consome menos energia

. camisetas de dryfit (secam mais rápido)

. blusa de fleece (aquece bem e é bem leve)

. anorak ou parka impermeável

. meias grossas de trekking com 0% de algodão e de preferência com Coolmax para secagem mais rápida, como Quechua Forclaz 500 ou Solo Endurance, para citar as mais baratas

. sacos plásticos para proteger da chuva tudo o que estiver dentro da mochila

. repelente de inseto

. protetor solar

. chapéu ou boné

. cantil ou garrafas para água

. hidrosteril, Clorin ou outro purificador de água para os mais sensíveis

. passaporte

. certificado internacional de vacinação da febre amarela

 

QUE DOCUMENTAÇÃO É NECESSÁRIA?

 

Passaporte com validade de seis meses é item obrigatório.

 

O Brasil assinou em junho de 2008 um acordo que descarta a exigência de passaporte em viagens para a Venezuela, Equador, Peru e Colômbia, porém na prática é melhor ter o passaporte para evitar dores de cabeça e gorjetas aos guardas da fronteira e dos postos de controle.

 

O passaporte inclusive precisa estar sempre à mão. No passeio que fizemos à Gran Sabana fomos parados várias vezes e em duas delas precisamos mostrar os passaportes.

 

Além do passaporte, é obrigatório o certificado internacional de vacinação da febre amarela.

 

COMO OBTER O CERTIFICADO INTERNACIONAL DE VACINAÇÃO DA FEBRE AMARELA

 

Desde junho de 2008, não se realiza mais a vacinação da febre amarela nos aeroportos brasileiros. Para tomá-la em São Paulo é preciso ir a um posto de saúde municipal, terminais rodoviários Barra Funda e Tietê, Hospital das Clínicas, Hospital Emílio Ribas e Instituto Pasteur.

 

A vacina precisa ser tomada pelo menos dez dias antes da viagem e tem validade de dez anos. Há pessoas que apresentam reações à vacina, como febre baixa, dor de cabeça e dores musculares, como foi o caso do Gabriel.

 

Em São Paulo, consulte os endereços, horários e telefones dos locais de vacinação em http://www.cve.saude.sp.gov.br/htm/imuni/posto_fad1.htm.

 

O Hospital das Clínicas de São Paulo (http://www.hcnet.usp.br) realiza a vacinação e emite o certificado internacional. Nos outros locais é emitido o Cartão Nacional de Vacinação, válido apenas no Brasil. Para obter o Certificado Internacional é preciso em seguida ir a um dos Centros de Orientação para a Saúde do Viajante da Anvisa instalados nos portos e aeroportos (veja endereços em http://www.anvisa.gov.br/viajante) e levar RG ou passaporte e o Cartão Nacional de Vacinação, todos originais. Se você preencher o cadastro no site, o atendimento será mais rápido.

 

Eu aproveitei para ir ao Instituto Pasteur (Av. Paulista, 393 - fone: (11) 3145-3145) e atualizar todas as minhas vacinas, como recomenda o site da Anvisa (http://www.anvisa.gov.br/paf/viajantes/antes_viajar.htm): "Outras vacinas são recomendadas como medida de prevenção do viajante que se desloca para qualquer país, como a tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola) e a dT (difteria e tétano) e hepatite B, e no deslocamento para áreas endêmicas, a poliomielite, influenza e meningite meningocócica. A principal orientação da Anvisa é que o viajante esteja em dia com seu calendário vacinal do Programa Nacional de Imunização do Ministério da Saúde".

 

QUE MOEDA LEVAR: REAL, DÓLAR OU BOLÍVAR?

 

Se você for somente ao Roraima e Gran Sabana, leve apenas reais pois trocar dólares em Santa Elena é um problema.

Se você for seguir para o Salto Angel, leve dólares pois trocar reais em Ciudad Bolívar é um problema.

E o bolívar? As casas de câmbio e bancos de São Paulo não trabalham com a moeda venezuelana.

 

Em janeiro de 2008, houve uma reforma monetária na Venezuela que cortou três zeros do bolívar, alterando seu nome para bolívar forte. O que se vê na prática em Santa Elena é uma mistura de preços nas duas moedas. Muitas pessoas ainda falam e escrevem nas placas os preços na moeda antiga (um cachorro-quente por 5000 bolívares, por exemplo), outras já incorporaram a moeda atual (diária do hotel por 90 bolívares fortes).

 

COMO SE COMUNICAR COM O BRASIL A PARTIR DE SANTA ELENA DE UAIREN

 

Por telefone: não conseguimos usar os telefones públicos da cidade para ligar para o Brasil, contudo é muito grande a oferta de telefones particulares para ligações internacionais, seja em lojas, mercados e até barraquinhas na calçada durante o dia. O custo é de BsF 1,50 (R$0,65) por minuto.

 

Pela internet: há diversas lan houses na cidade com acesso à internet e também serviço de gravação de fotos digitais em CDs e DVDs.

 

FUSO HORÁRIO

 

O presidente Hugo Chaves decidiu modificar o fuso horário do país, atrasando os relógios em 30 minutos para que os venezuelanos "aproveitem meia hora de luz solar". A mudança entrou em vigor em janeiro de 2008. Eu me recusei a seguir essa medida e todos os horários registrados aqui levam em consideração o fuso horário normal do país, que corresponde ao de Manaus e Boa Vista.

 

SITES DAS AGÊNCIAS DE SANTA ELENA DE UAIREN:

 

Mystic Tours: http://www.mystictours.com.ve

Backpacker Tours: http://www.backpacker-tours.com

Kamadac: http://www.kamadac.de

Ruta Salvaje: http://www.rutasalvaje.com

Turísticos Alvarez (na rodoviária): [email protected]

New Frontiers Adventures: http://www.newfrontiersadventures.com

Adventure Tours: http://www.adventuretours.com.ve

Mount Roraima International Tours: http://www.mountroraima.com

Aponwao Tours: http://www.aponwaotours.com

 

NOSSO TREKKING DIA A DIA

 

27 e 28/02/2009 - sex e sáb - DE SÃO PAULO A SANTA ELENA DE UAIREN (COM UMA RÁPIDA VISITA A MANAUS)

 

Eu, Renata, Alexandre e Gabriel embarcamos no vôo 8050 da TAM, às 23h55, em direção a Manaus, com chegada às 2h55. O vôo Manaus-Boa Vista partiria só às 12h20 (como disse, separamos os vôos por questão de custo), então nos deslocamos até o centro de Manaus (R$49 de táxi) e nos instalamos num hotel indicado pelo posto de informações turísticas do aeroporto (que funciona 24 horas), o Hotel Panair (R$30 a diária por pessoa em quarto duplo com WC e café). Entre o aeroporto e o centro há duas linhas de ônibus (linhas 306 e 813), porém não funcionam de madrugada.

 

No dia seguinte de manhã tivemos bastante tempo para conhecer o Teatro Amazonas, principal atrativo turístico da cidade. A visita monitorada custa R$10.

 

Voltamos ao aeroporto (R$49 de táxi) e pegamos o vôo 3544 da TAM, às 12h20, para Boa Vista, aonde chegamos às 13h35.

 

Nesse aeroporto gastamos um tempo para decidir o que fazer com o dinheiro que levávamos pois tínhamos informações de que os guardas da aduana venezuelana revistavam a bagagem e se apropriavam do que lhes interessasse, inclusive dinheiro em espécie (informação confirmada depois pela motorista de táxi de Santa Elena que nos levou de volta à fronteira quando do retorno ao Brasil). Após muita dúvida, saímos do aeroporto com uma pequena parte do dinheiro na carteira, outra parte nas bolsas de cintura e o restante dentro dos calçados.

 

Da rodoviária de Boa Vista sai um ônibus por dia da empresa Eucatur, às 7h30 da manhã, para Santa Elena de Uairen. Custo da passagem: R$20. Há também três ônibus diários da mesma empresa para Pacaraima, na fronteira (7h, 12h e 16h, ao preço de R$16,25). Porém o meio de transporte mais utilizado são os táxis-lotação, que cobram R$30 desde que completada a lotação. Nossa informação era de que esses táxis saíam da rodoviária de Boa Vista, porém ao chegar à tenebrosa rodoviária (internacional) nos disseram que eles nunca saíram de lá. O deslocamento do aeroporto até a rodoviária (R$25 de táxi) só serviu mesmo para encontrar a Ana Paula, que pegou um vôo da Gol para Boa Vista (com escala em Manaus) e chegou durante a madrugada. Pegamos ali outro táxi (R$10) e fomos até o ponto dos táxis-lotação para Santa Elena, que fica no caminho entre o aeroporto e a rodoviária.

 

Pegamos uma Zafira que lotou com nós cinco e as nossas mochilas e partimos imediatamente, às 15h13. Se tivéssemos o telefone do motorista, poderíamos ter combinado com ele de nos apanhar no próprio aeroporto, evitando esse deslocamento e custo. O motorista que nos levou foi o Rivaldo (fone 95-9115-3190).

 

A viagem pela BR 174 de Boa Vista até Pacaraima, a última cidade brasileira antes da fronteira, durou 2h10 (220km). A paisagem inicialmente é de cerrado - surpresa para quem imagina que Boa Vista esteja no meio da floresta amazônica -, inclusive pontilhada pelos imponentes buritis, árvore característica desse bioma. Num trecho aparecem muitos pés de acácia, árvore que dizem ser usada na produção do papel-moeda. A estrada está em boas condições de asfalto e os trechos ruins estavam sendo recapeados.

 

Em Pacaraima fica a aduana brasileira, onde registraram e carimbaram nossos passaportes. De volta ao táxi, passamos pelo marco simbólico da fronteira Brasil-Venezuela (com as respectivas bandeiras hasteadas) e chegamos à temida aduana venezuelana. Para nossa surpresa e alívio, apenas nossos passaportes foram novamente registrados e carimbados por um funcionário da burocracia. Nenhum guarda ou oficial nos abordou e ninguém pediu para sequer ver a bagagem, tampouco o certificado internacional de vacinação da febre amarela.

 

Seguimos viagem mais tranquilos, agora em território do Sr. Hugo Chaves, por mais 10km e chegamos a Santa Elena de Uairen às 18h15. Não foi difícil encontrar a agência Mystic Tours e muito próximo o Hotel Michelle, a agência/pousada/restaurante Backpacker (a preferida dos gringos), a agência/restaurante Kamadac e outras com as quais mantivemos contato, todas na mesma rua, a Calle Urdaneta.

 

Fomos recebidos pelo dono da Mystic, Roberto Marrero, que nos deu naquele dia mesmo a charla preparativa, uma explanação completa do trekking com a última oportunidade para tirar as dúvidas. Ele nos apresentou o Marcos, indígena guianense da etnia arikuna, como sendo o seu melhor guia. Pensamos que fosse mera conversa fiada, porém ao longo do trekking comprovamos que não era exagero. O Marcos mostrou-se extremamente atencioso, cuidadoso, bem-humorado e sempre pronto a dar todo e qualquer tipo de informação. Sua equipe, formada pelo Alex e pelo Fernando, também era bastante profissional.

 

Nesse briefing conhecemos o Rodrigo, a Fátima e o Enrico, todos do estado do Rio (Petrópolis), que iriam fazer o trekking de seis dias só com guia, carregando eles mesmos toda a comida e equipamentos. As mochilas estariam bem pesadas mas, como a Serra dos Órgãos é o quintal da casa deles, não estavam nem um pouco preocupados.

 

O pagamento do trekking foi feito nessa noite mesmo. Felizmente o Roberto aceitou o pagamento no ato pois os bancos de Santa Elena não têm agência ou escritório em São Paulo. Sobre o preço combinado de BsF 1670 (R$726) ele nos deu um desconto de BsF 70 (R$30) por termos levado nossas próprias barracas, isolantes e sacos de dormir. Mesmo as barracas sendo nossas, seriam levadas pelos carregadores.

 

Para efetuar o pagamento, precisamos antes cambiar reais por bolívares fortes. Na cidade há um câmbio paralelo muito forte, com diversas casas de câmbio e cambistas concentrados numa esquina do centro. Com o cambista na rua, as meninas conseguiram cotação de BsF 2,30 para cada real e na casa de câmbio eu e o Alexandre conseguimos BsF 2,35.

 

Para o pernoite em Santa Elena, hospedamo-nos no próprio Hotel Michelle por termos boas referências, pela proximidade com a agência e pelo preço muito camarada (BsF 90 o quarto para cinco pessoas, ou seja, R$7,80 para cada um, com WC e sem café). O jantar foi no restaurante Kamadac: uma lasanha muito bem servida por BsF 20 (R$8,70) e suco por BsF 5 (R$ 2,17).

 

01/03/2009 - dom - 1º DIA DO TREKKING

 

A caminhada começa na aldeia indígena Paraitepuy, a 87km de Santa Elena. A manhã do primeiro dia é preenchida com o deslocamento até essa aldeia, que só pode ser feito em carro 4x4 pois são 27km de estrada de terra com trechos em condições muito ruins.

 

Saímos de Santa Elena às 10h40 e chegamos à aldeia às 12h20. Na passagem pelo posto de controle policial em San Ignacio de Yuruani, os guardas viram que estávamos com o pessoal da agência e apenas olharam nossas caras, não chegaram a pedir os passaportes.

 

Chegando à aldeia, o Marcos providenciou logo o primeiro almoço. Como explanado pelo Roberto (dono da Mystic), os almoços seriam todos frios e baseados em salada, pão e queijo. Nos primeiros dias havia também presunto e frutas.

 

Assinamos o livro de visitantes e colocamos pé na trilha exatamente às 13h52, já estourado o limite de 13h30 imposto pelo Inparques. Aos poucos as casas da aldeia foram rareando e passamos a caminhar em meio à savana. A distância a ser percorrida até o acampamento do Rio Tek era de 12km, com um desnível de apenas 150m (negativos), porém o terreno não é plano. Há diversas colinas com alguns riachos que precisam ser atravessados, ora pulando as pedras, ora por uma estreita ponte de troncos com apoios para as mãos.

 

Essa área é denominada Gran Sabana e é constituída principalmente de capim rasteiro pontilhado por alguns arbustos. Árvores mais altas aparecem apenas nas matas ciliares dos riachos. Ao longe, já desde a aldeia, o Roraima e o Kukenan dominavam completamente a paisagem. Nosso objetivo era obviamente o Roraima, porém o Kukenan, bem ao lado, à esquerda, atraía nosso olhar o tempo todo por sua forma majestosa, parecendo mesmo ser mais alto que seu irmão mais famoso.

 

Logo nos primeiros minutos da caminhada o Alexandre teve uma indisposição intestinal, mas por sorte o Marcos conhecia um remédio para o problema na própria flora local. Tratou de cortar lascas de um arbusto e deu para o Alê mascar. O sabor era horrível mas o resultado foi certeiro.

 

Nesse ambiente da savana tivemos nosso primeiro contato com o famigerado puri-puri, um mosquito minúsculo e voraz que atacava em qualquer lugar e a qualquer hora do dia, principalmente próximo aos rios e riachos.

 

Outro "morador" que encontramos foi uma cobra de cor verde, bem no meio da trilha.

 

O tempo estava excelente. Apesar da grande quantidade de nuvens, o céu estava azul e o sol brilhava.

 

Chegamos ao acampamento do Rio Tek às 18h30. Cumprindo o que foi contratado, os carregadores montaram as nossas barracas enquanto o Marcos começava os preparativos do jantar. Não vou detalhar cada refeição para não ficar enfadonho, mas não posso deixar de mencionar que nessa noite jantamos um delicioso e farto espaguete à bolonhesa. O banho foi no próprio Rio Tek, de água um pouco fria mas agradável.

 

Nossos amigos do Rio também acamparam no mesmo local, porém prepararam seu próprio jantar. Além de nós cinco e eles três, havia apenas mais uma barraca de alguns gringos.

 

Nesse acampamento há alguns poucos moradores e uma estrutura mínima de apoio que consiste de uma choupana com dois "ambientes", uma parte sendo o local das refeições (com mesa e dois bancos compridos) e a outra a cozinha. Lá se vende cerveja em lata da marca Polar (em temperatura ambiente, obviamente), o que contribui para a enorme quantidade de latinhas jogadas ao longo da trilha.

 

02/03/2009 - seg - 2º DIA DO TREKKING

 

O dia amanheceu ainda mais bonito que ontem.

 

Como combinado, os carregadores desmontaram as nossas barracas e prepararam o café da manhã. Já nesse primeiro desjejum conhecemos o pão que estaria na maioria dos nossos cafés, o chamado donplin, com massa preparada e frita na hora.

 

Deixamos o acampamento do Rio Tek às 9h10 com destino ao acampamento Base, a 10km dali, já no pé do Roraima. Esse trecho já tem uma subida razoável pois sai dos 1050m do Rio Tek e chega aos 1870m no acampamento Base, totalizando 820m de desnível, felizmente diluídos ao longo de um dia inteiro praticamente.

 

Logo de início, encaramos a primeira das duas travessias de rios mais largos que há no percurso, a do Rio Tek. Como ele estava baixo e seu fundo é de pedras, atravessá-lo não foi complicado. Aprendemos uma técnica muito prática e eficiente para caminhar sobre pedras molhadas e lisas: calçar apenas meias. Eu usei nesses casos meias de algodão e a aderência foi muito boa.

 

Vinte minutos depois passamos por uma capela de pedra no alto de uma colina (onde também moram algumas poucas pessoas) e em seguida descemos para o Rio Kukenan, a segunda grande travessia de rio. Essa deu um pouco mais de trabalho pois o Kukenan é um rio bem mais largo e um pouco mais profundo que o Tek. As meias ajudaram bastante e também o apoio do bastão de caminhada. O Marcos também deu muita força levando todas as mochilas primeiro.

 

A travessia tanto do Tek quanto do Kukenan pode ter grau de dificuldade bem maior dependendo da época do ano e do volume de chuvas na cabeceira. Na época chuvosa (entre abril e outubro) pode ser preciso usar cordas para as travessias.

 

Do Rio Kukenan em diante foi uma subida por trilha em meio à savana que durou 1h25 até a parada para almoço às 12h15 no acampamento Militar. Esse local não possui nenhum tipo de estrutura, apenas partes planas do terreno onde podem ser armadas barracas e água próximo. Ali, ao lado das grandes pedras sombreadas por árvores, topamos com a segunda cobra da caminhada, uma cascavel. Uma chuva rápida nos obrigou a vestir as capas, para logo em seguida o sol voltar com toda a força.

 

Voltamos a caminhar às 14h e daí em diante foi a arrancada final para chegar ao acampamento Base. A parede do Roraima se agiganta tanto à nossa frente que a vontade é de subi-lo de uma vez e acabar com a ansiedade.

 

Chegamos ao acampamento Base às 16h30 e a enorme parede continuava a nos impressionar e seduzir, não cabendo no nosso campo de visão de tão próximo que estávamos e de tão extensa que é (6,4km). Tentávamos entender como seria a ascensão por aquela longa ladeira coberta de mata alta e fechada que chamam de La Rampa, à nossa esquerda, incrustada na parede de quase 500m de altura.

 

Esse acampamento tem uma estrutura ainda menor que o do Rio Tek, contando apenas com uma choupana decrépita que serve como cozinha e dormitório para os guias e carregadores. Há um riacho bem ao lado que fornece água para beber e cozinhar e um outro a cinco minutos dali que serve para banhos, desde que se enfrente a água que batizei de "água de degelo".

 

Os amigos do Rio (Fátima, Rodrigo e Enrico) também acamparam ali e tivemos animadas conversas com eles. Mais ninguém além de nós dormiu ali naquela noite.

 

03/03/2009 - ter - 3º DIA DO TREKKING

 

Chegou enfim o grande dia de subir o Roraima, o que significava enfrentar a longa e assustadora Rampa. O desnível é de 830m, o mesmo do dia anterior, porém por uma trilha muito íngreme junto à parede da montanha. Tínhamos relatos e depoimentos de pessoas que haviam sofrido muito nessa subida e até passado mal, portanto o preparo psicológico para esse dia foi ainda maior.

 

Deixamos o acampamento Base às 9h25, passamos pelo riacho "de degelo" e logo começou a subida. Primeiro por um caminho erodido bastante íngreme, parecendo mesmo barrancos, depois voltando a ser uma trilha, com mata densa dos dois lados. Aí apareceu a terceira serpiente da viagem, aparentemente venenosa, que fugiu e se embrenhou pelas folhas de uma bromélia.

 

A trilha segue sempre subindo e tem muitas pedras, ora fixas, formando degraus, ora soltas, exigindo maior cuidado. Às 11h25, pudemos enfim tocar a parede do Roraima, num local com uma pequena queda-d'água, onde paramos todos para descanso, inclusive o pessoal do Rio, que saíra na nossa frente.

 

Prosseguimos pela trilha em meio à mata fechada e alta, paramos um pouco num mirante, descemos alguns trechos bastante inclinados e no alto de uma ladeira topamos com a parte mais temida da subida, o Paso de las Lagrimas. Esse lugar é uma extensa rampa de pedras soltas que recebe água vinda do alto da montanha, daí o nome de lágrimas. Nesse dia eram pingos esparsos mas em outras ocasiões pode-se formar uma volumosa enxurrada, o que deve dificultar absurdamente a passagem.

 

O que me deixou mais apreensivo nesse momento foi não poder ver o fim da enorme rampa de pedras por conta da nuvem que a encobria parcialmente. Imaginei que ali no topo haveria diversos obstáculos, como enormes pedras lisas e escorregadias para se subir ou algo assim. Vestimos nossas capas e continuamos.

 

A subida do Paso de las Lagrimas é longa e exige atenção por causa das pedras, todas soltas e molhadas. Passado o trecho crítico, fizemos uma parada para retomar o fôlego e na arrancada seguinte já notamos a mudança da paisagem, com as rochas negras e de formato característico do topo nos dando as boas-vindas! Sucesso!

 

Afinal, a subida não foi tão difícil quanto eu imaginava, ou o meu preparo psicológico foi muito além do necessário...

 

Eram 14h10. Esperamos as meninas chegarem e comemoramos com emoção nossa bem-sucedida ascensão. O tempo estava bastante instável e apenas em alguns momentos conseguíamos ver o nosso destino, o Hotel Índio, abrigo onde acamparíamos nessa noite. Também não conseguíamos ver com nitidez as formações rochosas fantásticas, o que só aconteceria no dia seguinte, com dia limpo.

 

O Hotel Índio, aonde chegamos às 16h, é um abrigo na parede de um grande maciço de pedra e tem lugar para bem poucas barracas. Uma abertura ligeiramente mais funda na parede é usada como cozinha e refeitório.

 

Almoçamos, descansamos um pouco e fomos conhecer o primeiro atrativo do topo, um dos diversos vales com cristais (pensávamos que existisse apenas um). A retirada de cristais é proibida e ao final do trekking os guardas do parque revistam (mal e porcamente) as mochilas de todos. Se algum cristal for encontrado, o guia e a agência são punidos.

 

No caminho de retorno ao hotel encontramos o Rodrigo e a Fátima, que acamparam no Hotel Basílio, ali perto.

 

No jantar, o assunto em pauta foi o escorpião que o Gabriel encontrou em seu chinelo quando saía da barraca minutos antes. Daí em diante, pelos próximos três dias, aranhas e escorpiões passaram a fazer parte da nossa rotina.

 

O chão do Hotel Índio é de pedra coberto por uma fina camada de terra, o que torna bastante desconfortável dormir apenas sobre um isolante fino. O Alexandre e a Renata se saíram melhor pois levaram colchonete e isolante inflável, respectivamente. Esse desconforto se repetiria em todas as noites no topo, tanto no Hotel Índio quanto no Coati, fazendo com que o sono não fosse dos melhores. Nos acampamentos da savana (Rio Tek e Base) o chão não é tão duro pois é de terra parcialmente coberto por capim.

 

04/03/2009 - qua - 4º DIA DO TREKKING

 

Daqui em diante iniciamos nosso roteiro personalizado. Nosso objetivo nesse dia era conhecer os principais atrativos do topo, aqueles que todos visitam, e acampar no Hotel Coati, o único da porção brasileira do Roraima, a 13km do Hotel Índio.

 

Ao desmontar a minha barraca, mais um escorpião teve de abandonar o quentinho e procurar outro lugar para se abrigar.

 

Deixamos o Hotel Índio às 9h20 com um dia incrivelmente claro e de céu azul, uma benção! Assim começamos nossa longa caminhada por aquele enorme platô de pedra com formações rochosas escuras de formatos bizarros. Nesse primeiro contato visual com tantas imagens estranhas ao mesmo tempo, confesso que senti um certo atordoamento, como naqueles filmes de alucinação. Via bichos, rostos e seres estranhos por todos os lados. Passada essa euforia, me acostumei com as formações e passei a admirá-las com mais calma.

 

O cenário todo é realmente incrível. A impressão é de ter sido jogado num outro planeta ou ser o nosso próprio planeta presenciado num estágio muito primitivo. A ausência de sons reforça a sensação de estar num lugar ou num tempo realmente distante.

 

O topo não é exatamente plano e chapado como parece de longe. Há diversas subidas, descidas, altos maciços de pedra, vales com riachos, extensas e altas paredes de pedra.

 

Paramos para almoço às 13h num bonito e verdejante vale, o do Rio Arabopo, onde Alexandre e Gabriel aproveitaram para um rápido banho. Nesse local tivemos a última oportunidade de encontrar o Rodrigo e a Fátima, que já voltavam do passeio de um dia pelo topo, comprovando o que eu disse sobre o ritmo acelerado do trekking de seis dias. O Enrico não teve muita sorte e passou o dia enfiado na barraca não se sentindo bem por causa do fígado.

 

Vale comentar aqui que apesar de eles terem contratado a mesma agência que nós, o guia deles era péssimo. Não falava, não explicava nada e nos primeiros dias mal conseguia andar por causa da tremenda ressaca.

 

Voltamos a caminhar às 14h30 e uma hora depois passamos por um maravilhoso vale em que as paredes rochosas se refletiam nos espelhos-d'água, poucos metros antes do Vale dos Cristais, esse o mais famoso e bonito de todos. Mais 20 minutos e chegamos ao Ponto Tríplice, marco da fronteira Venezuela-Brasil-Guiana, o que mereceu grande festa!

 

Prosseguimos caminhando, agora pela porção brasileira do Roraima, e às 17h30 chegamos ao Hotel Coati, já com o cair da noite.

 

O Hotel Coati é uma gruta com uma grande abertura posicionada na lateral de um extenso maciço rochoso. O espaço dentro dessa gruta é grande mas o chão é bastante inclinado, o que dificulta encontrar um bom lugar para as barracas. Nossas três couberam sem problema; o Marcos e os carregadores, como sempre, dormiram apenas enfiados no saco de dormir. O espaço exíguo não chega a ser um problema pois a chance de encontrar mais pessoas acampadas ali é bastante remota.

 

No fim de corredor de entrada, uma abertura no teto possibilitou a formação de um jardim dentro da gruta (batizado de Jardim de Inverno). A cozinha foi adaptada na parede bem no fundo, inclusive com uma "bancada" de pedra à disposição.

 

05/03/2009 - qui - 5º DIA DO TREKKING

 

Nesse dia permanecemos acampados no Hotel Coati para conhecer apenas com mochilas de ataque os atrativos mais ao norte, na direção da Proa, como o Lago Gladys e algumas surpresas que viriam pelo caminho.

 

Saímos do Coati às 8h25 e caminhamos durante um longo trecho por uma área de chão rochoso com muitos alagados, o que obrigava a saltar de pedra em pedra. Mais à frente, depois de 1h30 de caminhada, topamos com a primeira surpresa do dia, uma floresta de arbustos vermelhos chamados Bonnetia, que em contraste com o vale verde-claro de um rio ao fundo, formava realmente uma bela paisagem. Em seguida, um surpreendente riacho de águas cristalinas e fundo rochoso de cor ferrugem mereceu mais uma parada para fotos.

 

Em todo esse percurso, tínhamos à esquerda a visão dos intrigantes e maravilhosos Labirintos, um local bastante sedutor por suas formações rochosas incomuns e por ser um território quase inexplorado.

 

Passamos por um mirante que estava encoberto por nuvens e logo em seguida (às 11h20) o grande momento do dia, a chegada ao sagrado e lendário Lago Gladys, citado no livro O Mundo Perdido, de Arthur Conan Doyle (Gladys era o nome de uma personagem da trama). Nas proximidades, restos do helicóptero da Globo que caiu em 1998 com o ator Danton Mello, acidente que vitimou um integrante da equipe.

 

O lago parece ter se formado a partir do desabamento do piso rochoso e até hoje há imensos blocos caídos à sua volta. Ficamos um bom tempo em total contemplação naquele lugar distante e palmilhado por poucos e privilegiados aventureiros.

 

Na volta, almoçamos à margem do riacho de águas cristalinas, às 13h15. Para quebrar a rotina, o Marcos preparou uma sopa bem quentinha em lugar do tradicional almoço frio.

 

Retornamos praticamente pelo mesmo caminho e num dado momento o Marcos nos propôs explorar um lugar novo, um mirante na borda que poderia ter uma ótima vista. Tomamos a direção leste e descemos até um platô. Dali seria possível avistar a Guiana à esquerda, a serra que marca a fronteira Guiana-Brasil e o Monte Roraiminha à direita. Tivemos apenas uma visão parcial de tudo isso por causa das nuvens mais abaixo, porém essas nuvens em composição com o céu azul proporcionaram um belíssimo cenário, motivo para mais fotos.

 

Voltamos ao percurso original e retornamos ao Hotel Coati pelo mesmo caminho, chegando às 17h. Eu e o Gabriel ainda fomos com o Marcos curtir o fim da tarde num outro mirante, bem próximo do hotel, com vista para o lado brasileiro da fronteira Brasil-Guiana e logo abaixo o Roraiminha, já sem nuvens.

 

Nesse dia caminhamos 18km (ida e volta).

 

06/03/2009 - sex - 6º DIA DO TREKKING

 

Após duas noites no Hotel Coati, partimos às 8h30 de volta ao Hotel Índio, onde havíamos acampado na primeira noite no topo, a 13km dali.

 

Esse foi o primeiro dia em que tivemos céu encoberto quase o tempo todo.

 

O retorno aconteceu pelo mesmo caminho do quarto dia até o Ponto Tríplice, que foi sobrevoado por um helicóptero exatamente no instante em que chegávamos (9h30). Dali saímos por um outro caminho (desviando do Vale dos Cristais) para conhecermos El Foso, uma cratera com um lago de água escura no fundo e galerias subterrâneas. A sorte estava mesmo conosco e o sol apareceu exatamente nessa hora (10h) para iluminar e colorir nossas fotos.

 

Com a ajuda do Marcos, descemos ao lago do Foso, percorrendo uma das galerias. Havia um trecho ruim de parede com pouco apoio para subir e descer e ao vê-la a Renata preferiu permanecer na parte alta.

 

Ficamos cerca de 1h10 na área do Foso e, retomando a caminhada, alcançamos o Vale do Rio Arabopo, o qual descemos até o ponto exato onde almoçamos no quarto dia. Breve parada para descanso. Dali em diante voltamos pelo mesmo caminho até o Hotel Índio, aonde chegamos às 15h30. Almoçamos, descansamos um pouco e fomos conhecer as Jacuzzi, que são piscinas naturais de cerca de 1m de profundidade no leito rochoso de um riacho e que têm formatos que lembram banheiras, daí o nome. O fundo e as margens do riacho são recobertos também por cristais. O sol nessa hora não deu as caras e o frio havia chegado, o que não impediu o Gabriel e o Marcos de tomarem banho nas famosas banheiras.

 

Ainda tivemos um tempinho para correr até o mirante chamado de Ventana, que oferece vista espetacular para a face oeste do Roraima, aquela coroada pelos Labirintos. Dali era possível avistar a parede inteira até a sua extremidade, a Proa. Isso enquanto o imenso véu de nuvens abaixo não subiu e engoliu tudo de vez.

 

07/03/2009 - sáb - 7º DIA DO TREKKING

 

Eu não queria que esse dia chegasse... Depois de três dias e meio caminhando pelo topo do Roraima já me sentia "em casa" no meio daquela paisagem de rochas escuras, morros de pedra e plantas de formato inusitado. O silêncio, o horizonte limitado às bordas da montanha, o enorme céu que tocava as formações rochosas - já havia incorporado tudo aquilo e deixar tudo para trás não seria fácil. Fora a sensação de não ter explorado tudo, de que havia muito ainda a descobrir.

 

Confesso que desci do Roraima muito emocionado, sem poder conter as lágrimas, com a certeza de que estava vivendo um momento muito marcante e de que tinha realizado a viagem mais incrível da minha vida.

 

Acordamos mais cedo nesse dia para termos tempo de conhecer um último atrativo no topo antes de iniciar a longa descida em direção ao Rio Tek.

 

Às 7h15, saímos para ir conhecer a Pedra Maverick, que tem esse nome pela semelhança com um carro quando vista lá de baixo, da savana. Após uma breve caminhada começamos a subi-la. Segundo várias fontes, o seu topo é o ponto mais alto do Roraima, com 2.875m (2.753m no altímetro da Renata). E é uma visão impressionante: para o sul a savana com suas colinas e todos os locais por onde passamos nos três primeiros dias de caminhada; para o norte as outras bordas do Roraima, inclusive a extensa parede oeste que termina na Proa.

 

De volta ao Hotel Índio, levantamos acampamento e partimos às 10h para a longa e cansativa jornada até o acampamento do Rio Tek, o que significava descer o que havíamos subido em dois dias (2º e 3º dias), ou seja, 1650m de desnível. Isso incluía, claro, a Rampa e o Paso de las Lagrimas.

 

O tempo estava bastante instável e o extraordinário céu azul que nos acompanhara na Pedra Maverick desapareceu por completo, dando lugar a uma espessa neblina. Nos despedimos das formações rochosas escuras características do Roraima em meio a esse ambiente de bruma, que reforçava o clima de mistério que encontramos no nosso primeiro contato com o topo da montanha.

 

Logo no início da descida, enfrentamos de novo o Paso de las Lagrimas, que exigiu atenção redobrada por suas pedras soltas e molhadas. Depois o restante da Rampa demandou toda a atenção para evitar quedas e escorregões em suas pedras, ora soltas, ora em forma de degraus. No final da Rampa novamente o trecho de trilha bastante íngreme e erodida.

 

Chegamos ao acampamento Base às 14h20 e paramos para descansar, relaxar um pouco a tensão da descida e almoçar. Partimos às 15h e continuamos descendo, agora com inclinação muito mais suave e voltando a caminhar em meio à savana. Do acampamento Base até o Rio Tek são 10km de distância.

 

O céu limpou novamente e o sol voltou a brilhar para fazer o Roraima resplandecer em toda sua beleza neste dia em que nos despedimos do seu topo.

 

A travessia do Rio Kukenan ocorreu da mesma forma que na ida, porém o Rio Tek pediu um pouco mais de cuidado pelo maior volume de água devido às chuvas na cabeceira.

 

Chegamos ao acampamento do Rio Tek às 18h50, já noite. Depois de vários dias praticamente isolados no topo foi um choque encontrar o acampamento cheio de barracas e de gringos, todos ainda no início do trekking. Havia também três brasileiros e entre eles, para surpresa de todos, uma amiga do Alexandre.

 

08/03/2009 - dom - 8º DIA DO TREKKING

 

Oitavo e último dia do trekking.

 

Deixamos o acampamento do Rio Tek às 9h05 e partimos para a última etapa da caminhada: chegar à aldeia Paraitepuy, onde tudo começou, a 12km dali.

 

O dia amanheceu bastante nublado e foi piorando com o passar das horas. Olhávamos para trás e em lugar dos tepuis víamos chuvas torrenciais, o que deve ter dificultado sobremaneira a caminhada do pessoal que encontramos no Rio Tek.

 

Essa chuva chegou a nos atingir, mas foi passageira, apenas para nos obrigar a vestir as capas e guardá-las úmidas logo em seguida. As meninas lá atrás nem chegaram a sentir a chuva, apenas uma garoa.

 

O tipo de terreno em que caminhamos e a vegetação ao redor já detalhei na descrição do primeiro dia.

 

Chegamos à aldeia Paraitepuy por volta de 13h, uns antes, outros depois, e comemoramos emocionados o total sucesso da nossa expedição. O Marcos ajudou na comemoração trazendo duas Pepsis geladinhas, um tesouro depois de oito dias tomando água de riachos. Trouxe também o almoço em marmitex lotadíssimos de comida.

 

Agilizamos a partida da aldeia pois parecia que as chuvas que castigavam os tepuis estavam se aproximando, o que complicaria muito nossa passagem pela estrada de terra em más condições.

 

No retorno a Santa Elena, paramos na Quebrada de Jaspe, uma cachoeira da Gran Sabana famosa não por seu tamanho mas pela coloração vermelha da pedra jaspe em que as águas rasas escorrem por muitos metros.

 

De volta à cidade, hospedamo-nos no Hotel Michelle novamente e fomos comemorar mais uma vez o êxito da nossa empreitada no restaurante Kamadac.

 

09/03/2009 - seg - GRAN SABANA

 

Para relaxar um pouco dos oito dias de trekking, fechamos com o Roberto da Mystic Tours um passeio de um dia pela Gran Sabana (há passeios de até três dias para lá) ao preço de BsF 150 (R$65). A Ana Paula não participou porque iria partir de Santa Elena nesse mesmo dia para retornar a São Paulo.

 

O programa do passeio de um dia é visitar algumas cachoeiras e mirantes com vista estratégica para diversos tepuis, tudo ao longo da rodovia nº 10, de asfalto em ótimas condições. Como o tempo estava encoberto, passamos direto pelos mirantes e fomos para as cachoeiras.

 

A primeira cachoeira que visitamos foi o Salto Arapená, no Rio Yuruani, local perigoso para banho. Em seguida paramos no Balneário Soroapé e aí sim pudemos nos refrescar e curtir um bom banho de cachoeira. Mais à frente, a Quebrada Pacheco também é convidativa para um banho porém preferimos a partir dali caminhar 20min até um poço de cor esmeralda chamado La Piscina, muito pouco frequentado, e nadar lá. A Renata não estava muito disposta e estava de chinelos, por isso preferiu permanecer na Quebrada Pacheco. Mais um pouco de estrada e chegamos à cachoeira mais alta do dia, o Salto Kamá, boa apenas para fotos. No retorno, paramos no mirante Piel del Abuelo (Pele do Avô, nome dado por causa das encostas "enrugadas" que se vêem) e na Poza Pacheco, um conjunto de poços de água esverdeada.

 

Todos os locais são bonitos porém a quantidade de lixo deixado pelos visitantes, principalmente latinhas de cerveja Polar, é revoltante.

 

Tanto na ida quanto na volta fomos parados nos dois postos de controle policial na estrada, sendo que na ida foi necessária a apresentação dos passaportes.

 

Nessa noite, a Renata e o Gabriel se despediram de mim e do Alexandre para irem para o Salto Angel. Passamos então para um quarto duplo no Hotel Michelle, ao preço de BsF 60 (R$13 para cada um).

 

10/03/2009 - ter - RETORNO AO BRASIL

 

Depois do café, eu e o Alexandre voltamos à casa de câmbio e trocamos quase todo o restante dos bolívares fortes por reais a uma cotação de BsF 2,45 para cada real.

 

Às 9h10 pegamos no ponto um táxi-lotação para Pacaraima (BsF 35 ou R$7,60 para cada um), a cidade brasileira junto à fronteira. Não há táxis venezuelanos direto de Santa Elena para Boa Vista por um motivo absurdo: o governo Chaves dificulta a obtenção de passaportes, o que impede que os cidadãos saiam legalmente do país. Por isso, os táxis brasileiros circulam livremente entre Boa Vista e Santa Elena, enquanto os venezuelanos só chegam até a fronteira.

 

Na fronteira, a motorista do táxi arranjou uma estratégia para nos livrar dos guardas da aduana venezuelana (e para ela não perder seu precioso tempo): pediu que saíssemos do carro ainda na fila e fôssemos ao escritório carimbar os passaportes enquanto ela passaria pelos guardas sozinha para não chamar a atenção. Deu certo. Ela confirmou que os guardas revistam tudo e se apossam do que lhes interessar.

 

Voltamos ao táxi alguns metros depois da aduana e seguimos até a aduana brasileira, onde os passaportes foram novamente carimbados. Ela nos deixou às 10h10 no ponto dos táxis-lotação para Boa Vista, à margem da rodovia. Ali esperamos completar a lotação de quatro pessoas e partimos (R$25 cada um).

 

Fomos direto para o aeroporto na tentativa de antecipar o vôo Boa Vista-Manaus para aquela mesma tarde, o que foi possível mediante o pagamento de uma taxa de R$100. Embarcamos às 14h15 e chegamos a Manaus às 15h30.

 

Daqui em diante começa uma outra viagem, cujo relato possivelmente venha a escrever um dia.

 

TELEFONES ÚTEIS

 

Hospedagem mais econômica em Manaus (preço do apartamento duplo com café):

Hotel Panair: R$69 (http://www.hotelpanair.com.br)

Hotel Dez de Julho: R$70 (http://www.hoteldezdejulho.com)

Hotel São Pedro: R$75 (Rua Rui Barbosa, 166 - centro - fone (92)3232-8664)

Manaus Hostel (albergue): R$65 (banheiro coletivo); R$20 o dormitório (http://www.manaushostel.com.br)

 

Rodoviária Internacional de Boa Vista: (95)3623-2233

 

CUSTOS DA NOSSA VIAGEM

 

A planilha com os custos está no final do relato publicado em http://trekkingnamontanha.blogspot.com.br/2009/05/monte-roraima-relato-e-pequeno-guia_2805.html.

 

Rafael Santiago

março/2009

Link para o post

  • Respostas 49
  • Criado
  • Última resposta

Mais Ativos no Tópico

  • 2 semanas depois...
  • 1 mês depois...
  • Membros de Honra

Blz Rafa.

Muito legal o relato. Um dos mais detalhados que eu já li aqui.

 

Esse Hotel Coati e Hotel Índio são na verdade grutas?

E pelas fotos desses lugares, deu p/ ver que eles são locais pequenos, né.

 

Se vcs não tivessem com um guia, será que conseguiriam fazer toda aquela caminhada no topo do Roraima p/ ver outros lugares?

 

Abcs

Link para o post
  • Membros de Honra

Olá, Augusto!

 

Prazer enorme em responder a uma pergunta sua. Os seus relatos estão sempre na minha mochila quando saio de casa para fazer uma trilha!

 

Os hotéis não são exatamente grutas. O Hotel Índio é um abrigo rochoso, ou seja, uma área (não muito plana) coberta por uma "marquise", uma saliência do próprio maciço. Isso dá uma proteção apenas parcial contra a chuva e o vento. O Hotel Coati se assemelha a uma gruta, porém bem pequena. Digamos que é um tunel, um corredor coberto (com corredores menores laterais), que liga a parte externa a uma grande área interna descoberta, onde entra luz e formou-se uma vegetação alta. A proteção contra a chuva é muito boa, mas contra o vento não. Em ambos, as barracas ficam mal colocadas, em chão inclinado ou atrapalhando a passagem por causa do pequeno espaço. Aliás, o chão é muito duro e um isolante inflável é uma boa pedida.

 

Quanto a fazer sem guia: Se você reparar nas fotos o caminho é marcado no chão porque a rocha é escura na superfície e rosada por dentro, então o caminho onde todos pisam fica mais claro. Isso não garante uma caminhada fácil, sem se perder, pois há trechos em que há mais de uma trilha marcada. Sinalização não existe. Seria uma boa aventura, mas talvez dê para chegar ao Ponto Tríplice sem guia e contando com os pontos marcados num gps. Dali até o Lago Gladys fica bem mais difícil pois poucas pessoas caminham por ali e não há uma trilha 'desgastada' no piso rochoso.

 

Porém, como disse no relato, a contratação de um guia é obrigatória. Talvez dê para pegar um guia ali na aldeia mesmo, na portaria do parque, e negociar um preço bem baixo. Entrar no parque sem um guia só se for clandestinamente, de madrugada, por exemplo.

 

Grande abraço.

Link para o post
  • Membros de Honra

Blz Rafael.

 

Só não entendi porque esses lugares recebem o nome de Hotel.

Pensei que o lugar fosse um pouco mais protegido, como se fosse um acampamento mesmo.

 

Minha duvida é se uma pessoa conseguir um transporte (carona, busão ou algum outro transporte) de Sta Elena até a aldeia e lá contratar um guia e combinar com ele dele deixar a pessoa no topo e depois de uns 3 a 5 dias retornar para levar de volta ou só contratar só para a subida.

Será que eles permitiriam alguém ficar lá no topo explorando por tanto tempo assim?

 

 

Entrar sem guia não, mas tentar diminuir os custos ao máximo porque aí ficaria mais dias naquela região ou até fazer trekings pela por lá.

Pelas fotos achei maravilhoso o lugar.

Com certeza deve ter outros roteiros?

 

Seu relatos são bem mais detalhados que os meus. ::otemo::::otemo::::otemo::::otemo::::otemo::

Os seus são verdadeiros guias mesmo. ::cool:::'> ::cool:::'> ::cool:::'> ::cool:::'> ::cool:::'>

Parabéns.

 

Abcs

Link para o post
  • Membros de Honra

Grande Augusto,

 

Que eu saiba não há transporte regular entre a cidade e a aldeia, pelo menos nunca li nada a respeito. Carona só com muita sorte pois a maioria dos carros que fazem esse percurso são os jipes das agências. Não sei te dizer com certeza quanto custa o frete de um carro.

 

Não creio que seja possível negociar a entrada no parque com o guia e depois permanecer de forma independente. O parque obriga o acompanhamento de um guia indígena local e isso é o ganha-pão deles, quase sempre explorados pelos donos das agências, para variar.

 

O topo do Roraima é um enorme platô e em três dias nós conseguimos caminhar por grande parte dele. Só faltou chegar até a Proa (extremo norte) e os Labirintos. À Proa não fomos porque exige rapel/escalada para se chegar bem na ponta (há um relato de um cara que chegou à Proa em http://www.extremos.com.br/artigos/AndreDib/080807.asp). Aos Labirintos nem os guias vão por ser um lugar bastante difícil de se orientar e por possuir pequenos abismos, segundo relatos.

 

Não quero com essa resposta tirar a sua vontade de explorar novos lugares no Roraima. Sei muito bem que você é capaz de ir além do que os outros fazem, mas já te adianto que não será uma tarefa fácil (acho que isso vai te empolgar ainda mais... rs).

 

Estou me referindo só ao topo do Roraima. Nos arredores com certeza há muitas outras possibilidades de caminhadas.

 

E se você vier a concretizar novos roteiros ou formas alternativas de conhecer a região, não deixe de nos contar tudo em detalhes. Certamente será um grande relato!

 

Abraço.

Rafael

Link para o post
  • Membros de Honra

Blz Rafael.

 

Essa caminhada é uma das que ainda vou fazer.

Vendo os problemas que podem surgir se a trip for sem a agencia e o guia, agora tô mudando de opinião.

Pensava em economizar e gastar o dinheiro no topo do Roraima. Ficando mais tempo lá.

Mas com um guia, pelo menos não terei problemas.

GPS nunca gostei e ainda prefiro uma bela carta topografica ou um croqui.

 

Pode ter certeza seu eu for lá, vc será um dos primeiros contatados.

 

E parabéns pelas pics. Cada foto linda hein.

 

 

Abcs

 

 

 

Grande Augusto,

 

Que eu saiba não há transporte regular entre a cidade e a aldeia, pelo menos nunca li nada a respeito. Carona só com muita sorte pois a maioria dos carros que fazem esse percurso são os jipes das agências. Não sei te dizer com certeza quanto custa o frete de um carro.

 

Não creio que seja possível negociar a entrada no parque com o guia e depois permanecer de forma independente. O parque obriga o acompanhamento de um guia indígena local e isso é o ganha-pão deles, quase sempre explorados pelos donos das agências, para variar.

 

O topo do Roraima é um enorme platô e em três dias nós conseguimos caminhar por grande parte dele. Só faltou chegar até a Proa (extremo norte) e os Labirintos. À Proa não fomos porque exige rapel/escalada para se chegar bem na ponta (há um relato de um cara que chegou à Proa em http://www.extremos.com.br/artigos/AndreDib/080807.asp). Aos Labirintos nem os guias vão por ser um lugar bastante difícil de se orientar e por possuir pequenos abismos, segundo relatos.

 

Não quero com essa resposta tirar a sua vontade de explorar novos lugares no Roraima. Sei muito bem que você é capaz de ir além do que os outros fazem, mas já te adianto que não será uma tarefa fácil (acho que isso vai te empolgar ainda mais... rs).

 

Estou me referindo só ao topo do Roraima. Nos arredores com certeza há muitas outras possibilidades de caminhadas.

 

E se você vier a concretizar novos roteiros ou formas alternativas de conhecer a região, não deixe de nos contar tudo em detalhes. Certamente será um grande relato!

 

Abraço.

Rafael

Link para o post
  • 3 meses depois...
  • Membros

Olá, Rafael. Primeiramente parabéns pelo relato. Tá realmente bem detalhado. Talvez eu faça essa viagem agora em janeiro, tudo decidido meio de última hora. Mas tenho uma dúvida: estarei viajando com bastante bagagem porque pretendo ir pra Manaus depois do trekking do Roraima pra passar uma semana por lá. Existe como deixar parte da minha bagagem (que eu não vou usar no Roraima) na própria agêcia ou algo do tipo?

 

Abraço,

 

João.

Link para o post

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

×
×
  • Criar Novo...