Ir para conteúdo

Praias desertas, poções e cachoeiras em Barra do Una/Peruibe


Posts Recomendados

  • Membros de Honra

Oi pessoal.

 

Este é um relato de uma trip à Vila de Barra do Una, Peruíbe/SP com a Márcia onde fizemos uma caminhada por praias desertas, cachoeiras e poções. Ficamos por 3 dias e conhecemos as praias desertas próximas à Vila, a Cachoeira do Paraíso e os poções no Rio Perequê. Levei também um bote inflável e remei por alguns trechos do Rio Una.

 

Fotos + croquis para se chegar lá:

https://www.flickr.com/photos/augusto08/albums/72157656812924193

 

 

Depois de me colocarem para trabalhar em pleno feriado de Tiradentes (Quinta-feira) consegui 3 dias de folga (Sexta, Sábado e Domingo). Foi em cima da hora e eu nem tinha planejado para onde iria. Surgiram várias opções, mas eu e a Márcia acabamos decidindo por Barra do Una, em Peruíbe.

Tínhamos conseguido poucas infos através da Internet e como não conseguimos saber se havia ônibus de Peruíbe para Barra do Una, resolvemos ir de carro. Arrumamos nossas mochilas na noite de Quinta na maior correria porque pretendíamos sair bem cedo.

Na Sexta de manhã por volta das 06:00 hrs seguimos de Sampa em direção ao litoral.

Pela Imigrantes o trânsito estava bastante tranquilo e chegamos ao final da descida da Serra por volta das 07:00 hrs, mas ainda tínhamos um longo caminho pela Rodovia Padre Manoel da Nóbrega até Peruíbe, ultima cidade litorânea acessível por essa Rodovia, sentido sul.

A estrada também estava tranquila e chegamos em Peruíbe por volta das 08:00 hrs.

 

Tínhamos uma informação de que a Estrada do Guaraú (que leva até Barra do Una) saia próximo do centro da cidade e lá fomos nós procurá-la.

Seguindo algumas placas não tivemos problemas para encontrar a estrada asfaltada, que inicialmente sobe o Morro do Guaraú com sinuosas curvas para chegar na Praia do Guaraú cerca de 20 minutos depois.

598dd1f84d862_02-PraiadoGuaraboaparabanho.jpg.b64ef68fbcfaf48617cdbbdc401d2780.jpg

 

A praia é bem extensa e do lado direito deságua um rio. Próximo da praia existem algumas ilhas, acessíveis por escunas, mas nosso destino ainda estava a uns 23 Km adiante, por estrada de terra precária e muita lama – É a continuação da Estrada do Guaraú. Ao sairmos da Praia notamos que existe um circular que sai de Peruíbe até Barra do Una, conhecido como Poeirinha.

Saindo da Praia do Guaraú é bem fácil encontrar a estrada para Barra do Una.

598dd1f85396b_04-EstradaparaBarradoUna.JPG.8534e13749879703b9de795a0c1f8365.JPG

 

Como tinha chovido em dias anteriores, a estrada estava um lamaçal e torcíamos para que nosso carro não ficasse atolado em algum lugar.

Tinha bastante lama, mas os buracos eram poucos; pelo menos nos primeiros quilômetros.

Cerca de 2 Km de estrada e junto a uma ponte (Rio Perequê) existe uma bifurcação para a direita e que leva a algumas cachoeiras e poções rio acima, mas passamos direto.

Daqui para frente a estrada começa a piorar e em vários momentos o carro raspava no solo, por isso é sempre bom levar o mínimo de peso, a não ser que você venha em um 4x4. Mais 10 Km e chegamos a uma outra bifurcação (ao lado de um quiosque) que leva a Cachoeira do Paraíso.

Nessa bifurcação existe uma placa indicando 10 Km até Barra do Una.

A partir daqui é um sobe e desce com inúmeros buracos.

 

598dd1f858f8f_05-EstradaparaaPraiadoCarambor.jpg.bb8ba91a2ca61e4b3a423872d6225424.jpg

598dd1f85e4d0_07-CampingnaPraiadeCarambor.jpg.faece107205c9ba9de114a996ba97bd6.jpg

Paramos no acesso a um Camping da Praia de Caramboré para apreciar a praia ao fundo e fomos chegar em Barra do Una por volta das 09h30min.

 

598dd1f863f0d_08-MeandrosdoRioUna.JPG.d5b4aed424b456f35fdf61404eb04df8.JPG

598dd1f86acb3_09-ChegadaemBarradoUna.JPG.1655d81b5621151b793e39ae8768e776.JPG

Agora era procurar um camping para ficar. O primeiro que encontramos não tão cheio era o Novo Horizonte, que ficava de frente para a praia e parecia ser um bom local.

Depois de tirar nossas coisas do carro e montar a barraca resolvemos ir para a praia se refrescar na água, pois o Sol estava muito forte. De qualquer ponto da praia avista-se o Maciço da Juréia à direita, onde o acesso não é permitido. É um local onde 5 ecossistemas se encontram: duna, várzea, manguezal, restinga e mata atlântica, por isso a proibição.

 

O maciço é interessante, pois se emerge no meio de uma planície com alguns rios e seus meandros. O maciço pertence a Estação Ecológica Juréia-Itatins e é separado pelo Rio Una, que tem sua foz bem no lado direito dessa praia. Para a esquerda segue em direção aos costões rochosos e outras duas praias com acesso por trilha: Caramboré e Deserta.

Nesse ponto do costão saí pela mata à procura de bambu ou algum tronco de madeira que servisse para fixar as pás dos remos, do qual iria usar no dia seguinte para um passeio pelo Rio Una.

598dd1f87129e_11-PraiadeBarradoUna2.JPG.0b18ba153f08566c7a672fa9d99f1525.JPG

 

A passagem pelo costão é tranquila e em 15 minutos chega-se a Praia do Caramboré.

É um pouco extensa e bem menos frequentada que a do Una. Ondas fortes, alguns pequenos riachos, areia branca e um camping (MM) estão nessa praia.

Cruzando a praia e seguindo por uma trilha na mata, em 20 minutos chega-se a praia Deserta.

 

598dd1f877e78_12-ChegandonaPraiadeCarambor.jpg.2f2967de62b0fe1e45effbe6fbd5aba6.jpg

598dd1f87e5e7_13-CostesdeBarradoUna.jpg.8ace52318986bfa2935e68d9f3616fbd.jpg

598dd1f884cbb_15-PraiaDeserta.JPG.3a370743f8b504c79fbc7d7d779e5d0f.JPG

Deserta literalmente, pois não encontramos uma vivalma.

A praia possui ondas bem fortes, com areia branca e fofa. Têm dois pequenos riachos nas laterais da praia e oferece um certo perigo, pois em um eventual afogamento ninguém para ajudar.

Outro problema são os borrachudos. Encontramos nas 3 praias, mas na Praia Deserta a quantidade era muito maior.

Ficamos ainda um certo tempo na Praia Deserta, mas logo retornamos. Ao passarmos pelos costões da Praia do Una ficamos por um bom tempo admirando a vista.

 

Antes do Sol se pôr, voltamos para o camping tomar um banho e comer alguma coisa. É um camping até que bem estruturado, com chuveiros quentes, banheiros limpos, pia para lavar louças e até uma churrasqueira, mas bem ao lado de nossa barraca tinha uma família em uma picape que mantinha o som no volume máximo. E o repertório era bem variado: MPB, axé, samba, rap. Pelo menos durante a noite eles desligaram o som.

Depois de um jantar básico, fomos ainda passear pela vila, que se restringe a rua principal e a avenida da praia, onde estão a maioria dos campings, além de 2 ou 3 ruas transversais. Como é de praxe, todo camping possui um barzinho e o camping onde ficamos também tinha um, além de possuir algumas suítes.

Como era Lua cheia, o passeio nem precisou de lanterna. Paramos em um bar para tomar uma batida e fomos procurar o local ideal para colocar o bote no rio, pois o dia seguinte ia ser para remar pelo Rio Una. Naquela noite resolvemos dormir cedo, pois estávamos cansados da viagem e das caminhadas pelas praias da região. O dia seguinte prometia.

 

No Sábado de manhã acordamos com um Sol muito forte que era o ideal para remar. Tomamos um café da manhã bem reforçado no próprio camping. Terminamos de inflar o bote e seguimos em direção ao rio.

 

598dd1f8896f4_16-RioUna.JPG.a8921ce3fd98e71eca79653804018a8a.JPG

Bote na água e lá vamos nós. Naquela hora a maré estava um pouco baixa, por isso dava para ver toda a região de mangue que é alagada na maré alta.

 

19-Descansando.JPG.3e5f8a836efbf52df5f36ad3de835440.JPG

598dd1f8994a4_22-Chegandonafoz.JPG.fdf3b878f4dfceb8a010dc23052bc72c.JPG

Seguimos em direção a foz do rio, mas devido a força da água do mar ser mais forte e estávamos remando contra a maré, não foi fácil. Demos uma parada em uma pequena praia perto da foz do rio e ali ficamos por algumas horas.

 

598dd1f894489_20-Paradaparadescanso.JPG.68b6db47dc8fa085569a4dc358a7d022.JPG

Era deserta, mas do outro lado do rio estava a Praia do Una com todo o pessoal tomando Sol e se banhando.

 

598dd1f89ebb0_24-Descansandonafoz.JPG.bb7526ac72664f4dda39392fc15d2c8b.JPG

Conforme foi entardecendo a maré subia mais e mais. Logo já não tinha mais areia para ficarmos.

De vez em quando passava algum barco a motor de pescador. Já com a maré alta e a correnteza a favor, aproveitamos para voltar à vila, mas nem foi preciso fazer muito esforço, pois éramos levados pela correnteza.

Usávamos de vez em quando o remo como leme para manter a trajetória e logo chegamos na vila.

Próximos de onde saímos da água notamos um outro braço do rio Una, que circunda uma pequena ilha com vários meandros, mas isso fica para uma outra viagem.

Fomos direto para o camping e depois almoçar. O camping possui um bar/restaurante. A refeição inclui arroz, feijão, salada e peixe. Comida boa e barata. E como já era final de tarde, a refeição serviu como almoço e jantar.

 

Saímos novamente pela vila e encontramos o único telefone (que usa ondas de rádios) pertencente a uma residência, mas que disponibilizam para ligações cobrando uma taxa por minuto.

Durante a noite, como ainda era Lua cheia, resolvemos ir até a foz do rio pela avenida da praia, que passa por algumas residências. A maré estava bem baixa, proporcionando uma visão bem legal de toda a foz do rio e as praias ao redor, formadas pelo acúmulo de areia. Talvez até dava para passar para o lado proibido da Estação Ecológica, mas só avançamos um pouco em direção ao mar, onde existiam alguns pequenos lagos que apareciam por causa da maré baixa. A praia estava praticamente deserta naquela noite, apenas sendo iluminada pela imensa Lua cheia. Uma bela visão poética. Voltamos ao camping para dormir, porque o dia seguinte era o último dia e pretendíamos conhecer todas as cachoeiras da região.

 

Domingo de manhã acordamos por volta das 08:00 hrs e notamos que várias pessoas do camping já estavam arrumando as coisas para ir embora.

Barracas desmontadas, agora seguíamos para a Cachoeira do Paraíso. O acesso é feito retornando uns 10 Km pela estrada e tomando uma bifurcação para esquerda que leva a uma pequena vila. É uma estrada muito mais precária e são uns 5 Km até a cachoeira, marcada por vários quiosques, junto ao início da trilha. Para espanto nosso, até aqui existiam flanelinhas, que cobravam só para olhar o carro. É mole?

Na entrada da trilha existem monitores ambientais do Instituto Florestal que podem ser úteis para quem não conhece nada sobre a região. A cachoeira, na verdade é um tobogã de uns 10 mts de altura que deságua em um imenso poço. No local sempre fica um salva-vidas para um eventual problema.

O tobogã é muito liso e quase no final possui uma pequena rampa (até arrisquei algumas descidas).

 

598dd1f8a589b_25-CachoeiradoParaso.jpg.c322a179c9356afe7e632e7458c6ddcd.jpg

598dd1f8aca9c_26-TobogdaCachoeira.JPG.df540d4debf0341ddf35f73e91c62a3e.JPG

Depois de escorregar diversas vezes no tobogã e mergulho no poção seguimos para os quiosques, onde comemos alguma coisa por volta das 12:00 hrs. Agora era retornar até o Rio Perequê para conhecer outras cachoeiras e poções.

Voltamos pela estrada de acesso a Peruíbe e ainda rodamos mais uns 2 Km até um local chamado Eco Point.

Aqui é um bom local para estacionamento e se banhar na piscina natural do rio ao lado, mas resolvemos atravessar a ponte e seguir por uma estrada bem fechada que leva a outras cachoeiras rio acima, seguindo placas que indicavam Bar do Jorjão. A estrada termina próximo desse bar e aqui tem início a algumas trilhas, que levam a várias cachoeiras e poções.

 

Seguimos pela trilha mais demarcada que segue por entre dois rios por uns 20 minutos chegamos a uma bela cachoeira com um imenso poção.

598dd1f8b403a_28-PoesnoRioGuara.jpg.7a6023d76a2ed6482139fa3d367e23e3.jpg

 

A profundidade é tanta, que nem se consegue ver o fundo e creio em uns 5 mts ou mais de profundidade. Ficamos por um tempo tomando Sol nas pedras ao lado do poção e logo retornamos.

 

598dd1f8baed4_30-Bomparamergulhos.jpg.f4d90f92b3448781157b540d386c3293.jpg

Na volta entramos em algumas bifurcações que nos levaram a um outro poção e outra cachoeira (são muitas trilhas e todas elas levam a alguma), mas não ficamos muito tempo.

Pouco depois das 14:00 hrs resolvemos voltar para Peruíbe e ainda paramos um certo tempo na Praia do Guaraú.

Saímos de Peruíbe por volta das 16:00 hrs e seguimos pela Rodovia, mas assim que chegamos na altura da Praia Grande o trânsito na rodovia parou completamente e como não tínhamos pretensão de passar o resto da tarde na Rodovia, seguimos pela Avenida Beira-mar da Praia Grande.

Pelo menos evitamos o trânsito da Rodovia.

Paramos ainda em um quiosque da praia para apreciar o Por do Sol e depois seguimos pela Imigrantes, que apresentava um pequeno trânsito em direção a Sampa.

 

 

 

Abcs

Editado por Visitante
  • Amei! 1
Link para o comentário
  • Membros de Honra

Ah, saquei... então, você sabe se aqueles caiaques infláveis tipo duck são bons? Tem uns da Nautika (hummmm :? ) que não são caros. Mas nunca vi ninguem falando nada sobre esses inflaveis.

 

Eu queria mesmo era um caiaque para turismo (para represas e tal) para 2 pessoas, mas 1.500 paus é grana né.. hehehe.

 

[]´s

Link para o comentário
  • Membros de Honra

Samuel.

Esses caiaques tipo duck estao na faixa de preço de uns $350,00 dependendo da marca e modelo. Daí p/ cima.

Eles conseguem desenvolover uma velocidade bem maior que um bote.

Tem também os caiaques de fibra, mas sao dificeis de transportar.

 

 

Esse de $1500,00 sao bem sofisticados.

 

É isso aí.

 

 

Augusto

 

 

 

Ah, saquei... então, você sabe se aqueles caiaques infláveis tipo duck são bons? Tem uns da Nautika (hummmm :? ) que não são caros. Mas nunca vi ninguem falando nada sobre esses inflaveis.

 

Eu queria mesmo era um caiaque para turismo (para represas e tal) para 2 pessoas, mas 1.500 paus é grana né.. hehehe.

 

[]´s

Link para o comentário
  • Membros de Honra

Sim, é esse mesmo que tinha comentado.

 

Nesta pagina abaixo tem também alguns modelos mais baratos. Alguns usados também.

 

http://produto.arremate.com.br/MLB-38128325-_JM

 

A desvantagem é que são de fibra de vidro e prolipopileno e fica dificil seu transporte.

 

Só uma dica: é bem facil cair de um caiaque. Eu já remei com um de fibra de vidro e virei varias vezes ele. Vai depender muito se vai usá-lo em rio ou represa.

 

 

Abcs.

 

 

 

Augusto

 

 

 

É, vi esses na faixa de trezentos e poucos reais, como esses:

 

http://www.nautikabarcos.com.br/lazer_duck.php

 

http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-45684242-novo-caiaque-inflavel-p-2-pes-nautika-tipo-duck-bote-barco-_JM

 

Será q compensam????

 

abrassssss

Link para o comentário
  • Membros de Honra

E aí Augusto, blz?

 

Sei lá, não botei muita fé nesses da Nautika q estão a venda no Arremate/MercadoLivre... são bem diferentes do modelo que está no site da empresa, que parece ser mais robusto. (esse do site da Nautika é tipo os que a galera das provas de aventura usam, mais resistentes...)

 

A vantagem dos inflaveis é realmente o transporte, mas esses modelos "rotomoldados" abertos (sit-on-top), são bem legais, e ainda são mais resistentes que os de fibra de vidro. Andei vendo alguns na net:

 

http://www.caiaker.com.br (mais simples, e mais em conta $$$)

http://www.caiaquesopium.com.br (bem legais, mas muito caro$)

http://www.bruddennautica.com.br (tem alguns muito legais, e claro, caro$)

http://www.canoe.com.br (loja com alguns modelos citados acima)

 

Pensei tambem nas tais canoas (modelos nos sites acima). Minha idéia é uma ou outra remadinha na represa de Furnas, pros lados de Capitólio e tal, ou aqui em Poços na represinha que tem por aqui.... Oceano não dá pra encarar... hehe. E ainda, tem que ser pra 2 pessoas.

 

Bom mesmo são esses (só que são gringos!):

http://www.riotkayaks.com/v3/fw_index.asp (vai sonhando!!!)

 

De qualquer forma, não dá pra comprar sem pelo menos fazer um "test-drive", pra saber qual a melhor performance na água em termos de velocidade x estabildade.

 

Bom, sei que no fim das contas mudei o rumo do seu tópico, desculpaí!!! rs!

 

abração!!

Link para o comentário
  • Membros de Honra

E aí Samuel.

 

Nao esquenta nao. Estamos aqui p/ ajudar nao é?

 

Sobre o seu caiaque, como vc pretende usá-lo numa represa, acho que um inflavel tá de bom tamanho.

Esses de prolipopileno sao muitos bons, mas o problema é o preço né?

É um investimento alto.

O meu bote eu comprei em uma Feira de Pesca, Camping e Nautica. Olhei ele montado e o preço era de promoção mesmo. Valia a pena.

 

No seu caso recomendo tentar em alguma loja aí em MG.

 

 

 

Augusto

 

 

 

E aí Augusto, blz?

 

Sei lá, não botei muita fé nesses da Nautika q estão a venda no Arremate/MercadoLivre... são bem diferentes do modelo que está no site da empresa, que parece ser mais robusto. (esse do site da Nautika é tipo os que a galera das provas de aventura usam, mais resistentes...)

 

A vantagem dos inflaveis é realmente o transporte, mas esses modelos "rotomoldados" abertos (sit-on-top), são bem legais, e ainda são mais resistentes que os de fibra de vidro. Andei vendo alguns na net:

 

http://www.caiaker.com.br (mais simples, e mais em conta $$$)

http://www.caiaquesopium.com.br (bem legais, mas muito caro$)

http://www.bruddennautica.com.br (tem alguns muito legais, e claro, caro$)

http://www.canoe.com.br (loja com alguns modelos citados acima)

 

Pensei tambem nas tais canoas (modelos nos sites acima). Minha idéia é uma ou outra remadinha na represa de Furnas, pros lados de Capitólio e tal, ou aqui em Poços na represinha que tem por aqui.... Oceano não dá pra encarar... hehe. E ainda, tem que ser pra 2 pessoas.

 

Bom mesmo são esses (só que são gringos!):

http://www.riotkayaks.com/v3/fw_index.asp (vai sonhando!!!)

 

De qualquer forma, não dá pra comprar sem pelo menos fazer um "test-drive", pra saber qual a melhor performance na água em termos de velocidade x estabildade.

 

Bom, sei que no fim das contas mudei o rumo do seu tópico, desculpaí!!! rs!

 

abração!!

Link para o comentário
  • 4 semanas depois...
  • Membros de Honra

Oi pessoal.

 

Faltaram algumas dicas:

 

# Tracklog do centro de Peruíbe até a Vila de Barra do Una com as cachoeiras:

http://pt.wikiloc.com/wikiloc/view.do?id=1580709

 

# Ônibus de São Paulo para Peruíbe sai do Terminal Jabaquara e o tempo de viagem é de pouco mais de 3 hrs.

 

# Horários do circular que sai de Peruíbe para Barra da Una:

http://www.peruibest.com.br/guia-da-cidade/horario-de-onibus-municipais.htm

 

# Se vier de carro, tome muito cuidado se for um veículo com suspensão baixa.

 

# Em Barra do Una existem inúmeros campings junto da praia. Têm algumas pousadas também.

 

# Segue numero do único orelhão comunitário de Barra do Una (13) 3457-7001

 

# Anualmente no mês de Julho ou Agosto é realizada a Romaria em Louvor ao Bom Jesus de Iguape, saindo dessa cidade e finalizando pouco antes de chegar em Barra do Una.

 

# Remar pelo Rio Una é um passeio imperdível. Se puder leve um bote inflável ou um caiaque.

 

# Repelente é um item obrigatório. As praias e cachoeiras e poções estão repletas de pernilongos e borrachudos.

 

# Existe uma travessia que se inicia no canto direito da Praia do Guaraú e segue pelo costão até Barra do Una, mas seu acesso só é permitido a pesquisadores e funcionários da Estação Ecológica Juréia-Itatins.

 

 

Abcs

Editado por Visitante
Link para o comentário

Participe da conversa

Você pode postar agora e se cadastrar mais tarde. Se você tem uma conta, faça o login para postar com sua conta.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emojis são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.

×
×
  • Criar Novo...