Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
ricardo.barros

Relato útil de primeira viagem à Itália (custos incluso)

Posts Recomendados

1 - Preparativos gerais / Roteiro

O interesse pela viagem começou no final de 2017, comecei a pesquisar os preços de passagens aéreas para a Europa no mês de Novembro, ainda sem saber quando exatamente estaria de férias (pior coisa possível para quem pretende viajar). Conhecia somente os EUA e havia decidido que estava na hora de atravessar o Oceano rumo ao velho mundo. Também tinha uma missão: realizar um sonho da minha mãe (48 anos) de visitar a Itália.

Com essas premissas, acionei as buscas por passagens aéreas nos sites que creio a maioria já conheçam, mas que não custa nada mencionar, segue abaixo:

https://www.kayak.com.br/

https://www.skyscanner.com.br/

http://www.melhoresdestinos.com.br/

Eu sempre miro antes de mais nada em garantir as passagens pelo fato destas representarem até 50% do custo de uma viagem. Somente depois que já comprei é que me preocupo com o restante do planejamento.

Pesquisa vai, pesquisa vem, nesse meio tempo finalmente tenho confirmação de que teria 20 dias de férias em Março/2018, então acelerei o motor para comprar a melhor passagem. Eis que me encontro diante de 3 boas ofertas na última semana de Novembro:

1 - Viajar de Alitalia em um vôo direto GRU - FCO por aproximadamente R$ 2.500,00

2 - Viajar de KLM em dois vôos GRU - AMS / AMS - FCO por aproximadamente R$ 2.500,00 (com tempo de conexão apertado)

3 - Viajar de Swiss em dois vôos GRU - ZRH / ZRH - FCO por aproximadamente R$ 2.150,00 (com tempo de conexão folgado)

Legenda: GRU - Aeroporto de Guarulhos / AMS - Aeroporto de Amsterdã (Schiphol) / ZRH - Aeroporto de Zurique / FCO - Aeroporto de Roma (Fiumicino)

De cara já descartei a Alitalia, devido à péssima situação institucional e financeira em que a empresa se encontra, pois corre sério risco de falir dentro de dois meses (entenda o caso aqui) quando acaba o dinheiro que o governo italiano despejou na empresa para garantir as suas operações (a cia aéra está praticamente insolvente desde 2017), além do que há péssimos relatos espalhados pelo Facebook da empresa e no Reclame Aqui no que concerne ao tratamento com a bagagem (muitos extravios e danos, incluindo um estrago violento em um violino do século 17).

Logo sobraram duas boas opções, KLM e Swiss, duas cias nas quais sempre quis voar...porém por questões financeiras e de logística (evitar contratempos na conexão) optei por comprar a passagem com a Swiss, criando assim mais uma atração, que seria uma bate e volta bem rápido a Zurique, para matar um pouco das mais de 6 horas de tempo de conexão no vôo de volta. Segue abaixo a tela de confirmação do preço para duas passagens ida e volta, que ficou no total em R$ 4.296,98.

5ab656a5ca377_Telapreopassagemswiss.thumb.jpg.801e4ba9547eeec32433b582d28a6fb0.jpg

 

Estavam definidas então as partes iniciais e finais da viagem que seriam da seguinte forma: Saída em GRU dia 07/03 às 19:20, chegada em ZRH às 10:35 da manhã do dia seguinte (horário local), partida de ZRH às 12:30 e chegada em FCO às 14:05. Na volta saída de FCO as 14:50 do dia 21, chegada em ZRH às 16:25 e então 6 horas depois, partida de ZRH às 22:40 para chegada em GRU às 06:40 do dia 22.

O restante do roteiro ficou definido da seguinte forma:

08 a 13/03 - Roma (com bate e volta à Tivoli)

13 e 14/03 - Florença (onde montaríamos base para explorar a Toscana)

15/03 - Siena

16/03 - Montepulciano

17/03 - San Gimignano

18/03 - Pisa (onde montaríamos base para explorar as Cinque-Terre)

19/03 - Cinque Terre

20 e 21/03 - Roma (chegando na cidade um dia antes do retorno, para evitar problemas com eventuais atrasos de trem).

Importante saber que como estava indo com a minha mãe, tive que ter alguns diferenciais na viagem, embora ela tenha entendido que o espírito da viagem seria a de um mochilão e realmente se esforçou bastante para agir como uma mochileira rsrs. Ao final dessa série de posts, prometo que anexarei uma planilha com os gastos da viagem, os detalhes dos trens, cia aérea, hospedagens e alimentação em si apresento na sequência dos posts...

SEGURO-VIAGEM: Fechei com a Mondial Travel Assistance, aproveitando uma promoção que vi no Melhores Destinos, por R$ 300,40 para duas pessoas, contra R$ 458,69 da Porto Seguro. Como felizmente não tivemos nenhum problema de ordem médica durante a viagem não sei dizer se na prática o seguro é bom ou não. O que sei é que tive uma dor de cabeça com essa empresa as vésperas da partida, que explico nesse post aqui ->https://www.mochileiros.com/topic/72946-apólice-de-seguro-viagem-emitida-em-português/

Para quem leu e ficou curioso com o desfecho, saibam que na imigração não me foi pedido nenhum documento sequer.

COMPRA DE EUROS (Edit): Já estava esquecendo de falar sobre a compra dos euros para a viagem. Estimei o gasto total por volta de 1.400 euros + 100 francos suíços, então deixei para comprar tudo de uma só vez (você consegue preços melhores quanto maior for o valor a comprar).

VALOR MÍNIMO EM EUROS (Edit): Eu tinha dúvidas sobre o quanto em dinheiro teria que ser levado (cada país decide qual é o valor mínimo). Nesse ponto o site "brasil na itália" foi extremamente prestativo (https://www.brasilnaitalia.net/2014/10/quanto-dinheiro-levar-para-entrar-na-italia-e-outras-duvidas-comuns.html) pois foi lá que descobri que o governo italiano tem uma "diretiva" que impõe para viagens entre 11 a 20 dias o valor mínimo de 22,21 euros por pessoa, em uma viagem com 2 ou mais pessoas. Nessa página a qual deixei o link existe outro link para baixar essa normativa e levar na viagem como eu fiz, para apresentar ao oficial de imigração caso dê algum problema.

Retornando ao assunto da compra de euros, foi a última coisa que fiz antes da viagem, e para isso sempre uso o site abaixo:

https://www.melhorcambio.com/

Basicamente o que esse site faz é pegar uma oferta que você faz para comprar uma certa quantia de uma moeda pagando um certo valor (isso mesmo, você quem fala o quanto quer pagar, embora o site informa quais serão suas chances de ter a oferta aceita mediante o valor colocado), e repassa às casas de câmbio e correspondentes para checar se um deles aceita a tua proposta. E posso dizer por experiência própria que a cotação que se consegue via internet é em média de 5% a 10% mais barato do que em lojas físicas...dando o meu exemplo, consegui cotação por esse site para compra de 1.400 euros (papel-moeda) a uma taxa final de R$ 4,17 (IOF incluso). Na casa de câmbio Cotação, me ofertaram R$ 4,24 e na Get Money R$ 4,30. Isso tudo no mesmo dia. Nunca mais compro em lojas físicas, pois é muita diferença...Ah, e se por acaso alguém tiver dúvida da integridade das empresas envolvidas no site que mencionei, pode consultar no site do Banco Central se a mesma é cadastrada e habilitada a operar câmbio (http://www.bcb.gov.br/rex/IAMC/Port/correspondentes/correspondentes.asp).

E se mesmo assim estiver inseguro com relação à esse site, aqui vai uma dica: vá numa loja física e diga que fez a cotação a X reais pelo site e que vai comprar de lá, é quase certo que eles vão igualar para você, com o objetivo de não perder a compra.

Bom gente, vou finalizando por aqui, à noite continuo escrevendo as próximas seções...nesse meio tempo se tiverem dúvidas/sugestões podem comentar.

  • Gostei! 3

Compartilhar este post


Link para o post

2 - Companhia aérea / Vôo

Bom, dando sequência, é hora de falar de uma das minhas partes prediletas da viagem, que é o vôo em si e sobre a companhia aérea.

2.1. Passagem aérea

Compra da passagem pelo site: Processo super tranquilo e rápido de se fazer, o menu é muito intuitivo e todo em Português. Aqui já deixo claro que não confio em comprar passagens por intermediários (Decolar, etc...) ou agências (CVC, etc...) para evitar problemas que as vezes ocorrem e que se transformam num jogo de empurra entre cia aérea e revendedores. Sempre uso esses sites de busca para dar uma ideia do preço, mas finalizo a compra no site da empresa aérea.

Pagamento: Aceitam as principais bandeiras de cartão de crédito, mas a notícia ruim é que não parcelam passagens (a Alitália lembro que fazia em até 10x sem juros). Eu tive que ficar um mês sem usar o cartão para ter saldo suficiente para comprar as passagens, aí vai da capacidade financeira de cada um e do quanto de sacrifício está disposto a fazer para viajar.

Reserva de assento: Outra notícia ruim, a reserva de assento pela Swiss só é gratuita a partir de 24 horas do embarque, quando se faz o check-in online...antes disso tem que pagar, e os valores não são baratos (mínimo de 30 euros/assento/pessoa). Porém eu não me desesperei, lembro de ter lido em experiências de outros viajantes que se você fizer o check-in online logo que abrir costuma-se encontrar bastante oferta de assentos. Dito e feito, as 19h20 do dia anterior estou eu no computador para o check-in (somente dos voos de ida, claro) e quase toda a classe econômica ao meu dispor. Então recomendo a todos que contenham o impulso de querer comprar assento antes do check-in, vai gastar dinheiro à toa. Mesmo assim se por acaso esquecer de fazer o check-in online, o software da Swiss já faz uma reserva do melhor assento disponível para você. Digo isso pois quando fui alterar o meu assento no check-in online percebi que eles tinham nos colocado em janelas ou corredores sempre que possível.

Escolha de menu: Uma boa notícia é que lembro que na Swiss você pode escolher qual será a sua refeição no vôo, tem opções até para dietas com restrições alimentares. No ato que eu comprei a passagem era de graça pra escolher, mais depois de um tempo passou a ser cobrado. Eu não escolhi nenhuma preferência.

Check-in online: Complementando, é bem fácil de se fazer, pode imprimir o cartão de embarque e as Tags da mala. Mas eu recomendo economizar tinta da impressora e pedir para imprimirem na hora, além do que é muito mais bonitinho no papel da empresa, dá pra guardar de recordação, como eu faço.

2.2. Embarque

2.2.1. Voo Cancelado

Antes de falar do embarque em si, vou falar do problema que tive graças à uma greve geral na Itália. Era 7 de Março, dia do embarque e eu na maior correria para fechar a mala de uma vez por todas (viajantes entenderão), saí que nem louco pro mercado pra comprar coisas de última hora e eis que recebo um e-mail da Swiss informando que meu voo havia sido cancelado!!! O motivo era que havia sido programada uma greve geral na Itália para o dia da chegada à Roma, que iria afetar todos os transportes públicos e alguns voos, sendo que o LX1736 (ZRH-FCO) estava entre os afetados...No mesmo e-mail, a Swiss automaticamente remarcou o meu voo da seguinte forma: GRU - LIS pela TAP/ LIS - BRU e BRU - FCO pela Brussels Airlines...iria passar um dia inteiro voando para chegar à Roma!!!

Na hora liguei para o escritório da Swiss em SP, onde fui muito bem atendido por sinal, e expliquei que não queria tantos deslocamentos assim (a meu ver além de cansar mais, aumenta as chances de extravio de bagagem e outros pepinos). O atendente disse que infelizmente não tinha melhores opções, então eu decidi postergar o embarque em um dia para ver se se resolvia a situação em Roma, ao que ele prontamente atendeu, sem nenhum custo extra. Como o primeiro dia é simplesmente para assentar a poeira na acomodação, o único dinheiro que perdi nessa foi o valor de uma diária do Hostel, que não estava caro. E pelo motivo ter sido alheio à Swiss entendo que trataram muito bem do problema para me atender. Ponto para eles.

2.2.2. Agora vai

No dia seguinte, check-in online refeito, tudo pronto e bora pro aeroporto. Gastei R$ 71 de Uber para chegar lá, bem menor que o assalto de ir de táxi, mas ainda assim caro, se pensar que dá para pegar metrô de qualquer lugar, descer no Tatuapé, e de lá embarcar no ônibus da EMTU Linha 257, que para em todos os terminais de GRU a um custo total de R$ 10,15 (r$ 4,00 metrô + 6,15 Ônibus). Porém como estava com a minha mãe e uma mala gigantesca, e além disso meu irmão que pagou de cortesia, então fomos de carro. Saímos 14:30 para chegar ao T3 por volta de 16:00 (muito trânsito na marginal tietê). A Swiss atende no Check-in H desse terminal, nesse horário não tinha filas, então em pouquíssimos minutos vencemos todo o processo chato de imigração e controle de passaportes. Passei as horas seguintes fazendo uma das coisas que mais gosto, spotting de aeronaves (T3 é onde opera a grande maioria dos vôos internacionais, principalmente os destinados à Europa).

2.2.3. A aeronave e o vôo (Brasil - Suíça)

Uma das consequências do cancelamento do meu voo original é que eu não iria mais voar para Zurique no novíssimo B777-300 ER, e sim no já surrado A-343...Porém um dos meus sonhos era de um dia voar nesse Airbus de quatro turbinas, então pouco me importava com isso.  Abaixo ela na remota, aguardando para nos levar:

IMG-20180308-WA0002.thumb.jpg.f6fa55077270ca71acba591786ab1d89.jpg

O embarque foi pacífico, o pessoal bem simpático, mas demorado por causa das pessoas que sempre deixam para retirar as coisas que vão utilizar em vôo em cima da hora, lá dentro do avião, antes de colocar a bagagem de mão no bin. Não entendo porque não já separar tudo antes de entrar (>:(), como tem gente que complica tudo!!

IMG-20180308-WA0008.thumb.jpg.6b586901343c8b8f6a627925c0a6ec41.jpg

Outra coisa chata é a quantidade de crianças que foi, as vezes parecia creche de tanta gritaria, isso me irrita profundamente, mas como é férias vale tudo né.

Realmente o avião dava sinais da idade, mas a configuração na econômica era boa, o bom 2-4-2, bom para quem viaja à dois. A tela de entretenimento individual era pequena, e ruim de se utilizar, sendo necessário usar o joystick que fica no apoio de braço. O meu era praticamente inutilizável, fiquei triste por não poder ver o Airshow, que tem informações do vôo, que na verdade é a única coisa que me interessava ver. O da minha mãe também custou a funcionar, tiver que pedir para resetarem.

IMG-20180308-WA0009.thumb.jpg.3241ac5a940ebf2d29fddf210cef2216.jpg

A tripulação era muito gentil e se esforçava para atender a todos da melhor forma, os anúncios eram feitos em Alemão, Francês e Inglês na maior parte do tempo. Anúncios em português somente no voo de volta ao BR, que dessa vez foi no Boeing 777.

O serviço de bordo é bom para uma classe econômica, iniciam distribuindo uma bebida, depois o prato principal (opções eram macarrão e frango) em talheres de metal, porém senti falta de tapa-olhos. Por sorte levei os meus cedidos gentilmente pela Aeromexico.

Quanto ao vôo em si para quem quer ver a janela não tem muita coisa não. Ele decola já de noite, pra meu desgosto levantou vôo direto na proa do Rio de Janeiro (o que é esperado em condições normais), ou seja não fez a curva sobre Guarulhos que me fascina tanto...na altura de Vitória ele já adentra o oceano, e só volta a ver solo na África, já em avançado horário da madrugada. A duração é de excruciantes 10h30 minutos, e teve turbulência, já esperada, na altura da costa do Nordeste, devido à áreas de instabilidade atmosférica típicas da região do Equador. Resumo disso é que consegui dormir quase que zero horas.

Quem dorme bem, acorda para o café da manhã já sobre a França, e logo inicia-se o procedimento de descida à Zurique...um pouco antes porém passam distribuindo o famoso tablete de chocolate Suíço, para pegar quantos quiser, eu catei logo 3 rsrs...

O pouso foi muito suave, e em pouco tempo o comandante levou o pássaro ao seu ninho no terminal E de Zurich Flughafen (do qual falo melhor na próxima seção).

2.2.4 A aeronave e o voo (Suíça - Itália)

O trecho entre Zurique e Roma por sua vez é feito em uma aeronave bem menor, o Airbus A320, semelhante aos da ponte aérea Rio-SP. A duração do vôo é de singelos 1h05 e o serviço de bordo resume-se a um lanche frio (pode escoher entre frango e queijo gruyére, escolham o último por favor) e não tem tela individual, apenas aquele monitor a cada 4 assentos mostrando as informações do vôo...a grande atração mesmo nesse vôo são os lindíssimos Alpes suíços:

WP_20180309_13_08_53_Pro.thumb.jpg.420c5dff081e4804b3aa064f0180ec76.jpg

Quando menos se vê já estão iniciando a descida para Fiumicino-Roma, e na saída do avião, mais chocolates da Swiss.

Resumindo, a empresa é muito competente no que faz, e se esforça para que a experiência de voo seja a melhor possível. Com certeza voaria de novo e recomendo a quem quiser também.

Na próxima seção falo da imigração, que foi feita na Suíça, e dos aeroportos em si.

  • Gostei! 2

Compartilhar este post


Link para o post

3 - Aeroportos e imigração

3.1. Aeroportos de Guarulhos / Zurique / Roma

GRU: Não conhecia ainda o Terminal 3, que é bem amplo e atende bem a demanda. O controle de acesso é feito automaticamente, basta encostar o código de barras do cartão de embarque e passar, logo na sequência tem o raio-x e controle de passaportes...depois vem um sem mundo de lojas, começando claro pela Dufry. O salão de embarque é gigantesco, e tem uma excelente vista para quem quer fazer spotting (observação das aeronaves), pois dá de cara para as pistas. A conexão de internet estava ok até pelo que testei, mas fiquei usando os dados da minha operadora.

ZRH: O aeroporto de Zurique frequentemente é tido como o melhor da Europa, e consegue-se perceber que o título é justo. Muito bem sinalizado em Alemão e Inglês, com muitos sanitários, pontos de informação, e lojas/restaurantes, tudo com preços um pouco intimidadores (por exemplo um lanche no Burguer King a 17 Francos Suíços, convertendo vai para uns 50 reais..admito que nesse instante esqueci da regra "quem converte não se diverte" hahaha). Só tirei essa foto abaixo de lá:

DSC00875.thumb.JPG.e4b5449b21fe5ddfaa1b524f12c93d9b.JPG

Detalhe: Quem vem de países de fora do tratado Schengen desembarca no Terminal E, que é fisicamente separado dos outros dois terminais A e B, que é onde fica o controle de imigração. Então existe um trenzinho muito charmoso, o Skytrain (embora tenha esse nome corre todo o tempo no subterrâneo), que te leva do E para o prédio principal do aeroporto.

Os vôos regionais europeus (para países de dentro do Espaço Schengen) saem dos terminais A e B.

Porém como nem tudo são flores, tenho duas críticas à esse belo aeroporto: A internet é praticamente impossível de se acessar (pede pra ativar por meio de um código SMS que nunca é enviado) e não tem água potável gratuita em nenhum lugar. Ou toma bastante água no avião, ou compra nos cafés pagando 7 Francos Suíços.

FCO: Aeroporto ok, não vi nada diferente que me chamasse a atenção. Abaixo falo mais do que dá pra resolver de útil nesse aeroporto:

Chip de celular: Tinha lido previamente que a melhor operadora na Itália era a Vodafone, com a TIM logo em seguida. Assim sendo procurei por um guichê ou loja dessa empresa, mas não achei, pelo menos não vi no Terminal 3, que foi onde desembarquei. Mas achei a loja da TIM, e eles tinham o chip que me interessava mais, que é o Tim for visitors (saiba mais aqui) que é mais prático e feito para viajantes, e com várias opções de combinações entre dados e minutos para ligação. A moça que me atendeu disse que poderia escolher se quisesse a opção somente com dados, com incríveis 30 GB, ao custo de 30 euros. Como já sabia do preço comprei sem problemas (saiu muito mais barato do que comprar chip em Guarulhos). Pedi a ela que ativasse o chip para mim, ela me explicou o processo que é bem simples e consiste nos seguintes passos:

1 - Trocar o chip do celular para o da TIM

2 - Ligar o celular e aguardar um SMS da TIM no celular (demora até 30 minutos para vir a mensagem, no meu caso foi exatamente esse o tempo)

3 - Reiniciar o celular logo após receber a mensagem

4 - Pronto. Já tem internet.

Funcionou direitinho para mim. Quanto ao sinal, não tive nenhum problema de conexão em todos os lugares onde passei, inclusive na cidade de Montepulciano, a mais distante de tudo em que estive. A única coisa que percebia era que durante viagens de trem, em alguns momentos no meio do nada o sinal dava uma caída drástica, mas naquele momento não precisava usar. Quanto ao tamanho do pacote de dados, foi mais que suficiente para Whatsapp, Facebook, enviar várias imagens e vídeos de vários MB, abrir Youtube...terminei a viagem crendo que sem usar ainda boa parte do que comprei. Recomendo.

OBS: Nas ruas do centro de Roma encontra-se várias lojas da Vodafone, para quem ainda assim desconfiar da TIM, então se não quiser pegar chip com eles, só andar pela cidade que achará.

Roma Pass: Outra coisa útil que dá pra fazer lá é comprar o Roma Pass. Eu sei que ele vende pela internet também, mas achei o método de pagamento confuso e o site não aceitou o meu cartão de crédito não sei o motivo até hoje (bandeira MasterCard). Então tive que comprar na hora...é uma loja que fica bem próximo à saída, em frente a da Trenitália.

O atendente descobriu minha nacionalidade e explicou em Português de Portugal como se utilizava o cartão. Quando você compra, vem junto numa espécie de Voucher, onde tem também um mapa da cidade de roma e do sistema de metrô/trens, um guia com as atrações cobertas pelo cartão, e um cartãozinho de desconto. Dois cartões de 72 horas saíram 77 euros no total.

DSC01439.thumb.JPG.07bde6ccce9be2694b7a50574bbc9566.JPG

DSC01440.thumb.JPG.9baf824008ea2a4823cf19b87a486ef1.JPG

 

O cartão em si parece com aqueles de banco, e tem no verso um campo para que você escreva o seu nome e o dia de ativação, mais para te recordar do que qualquer outra coisa. O modo de usar é simples...a sua missão é validar (assim como tudo que envolve transporte na Itália, sobre o qual falarei nas próximas seções). Como você faz isso depende de onde você vai utilizar o cartão primeiro. Se for no transporte público, é nos validadores dos ônibus ou Tram (ou também conhecido como VLT) ou nas catracas das estações de metrô. Nos validadores dos ônibus existe um local onde você insere cartões, é ali que deve ser colocado para ser lido, já no metrô você simplesmente o encosta no leitor da catraca, igual se faz com o bilhete único no metrô aqui de SP, irá aparecer "Titulo Convalidado" e pronto, já está contando o prazo de uso do cartão. Caso vá utilizar primeiramente em alguma atração, o próprio atendente irá validá-lo.

DSC01441.thumb.JPG.c9f4011739844359d14e5a1abab709d6.JPG

 

OBS: O Roma pass não serve nos trens que ligam o aeroporto até o centro de Roma. Essas passagens devem ser compradas à parte! (te falo onde jajá)

3.2. Imigração

Bom, a imigração não foi feita na Itália, e sim na Suíça, no prédio principal, pois é um país que embora não faça parte da União Europeia está incluso no Tratado de Schengen, e como a regra diz que se faz a imigração no primeiro país desse tratado a mesma ocorreu lá em Zurique.

Sempre trato a imigração como assunto seríssimo (fruto de muito tempo assistindo "Barrados na Fronteira" do canal AXN) e embora tenha lido e ouvido falar que é bem tranquilo a imigração na Europa de um modo geral ainda assim deu um certo "frio na barriga". Mas a verdade é que na Suíça pelo menos a coisa é muito tranquila. Vi muito Chinês cometendo a falta grave de usar o celular na fila da imigração, tinha gente até filmando os postos de entrevista...meu espanto vem pela experiência americana, lá nos EUA o celular e qualquer outra coisa eletrônica deve obrigatoriamente estar desligada na hora de passar pelo CBP (Controle de fronteiras). Vi gente levando dura de oficiais por desobedecer tal regra...mas lá na Suíça nem ligaram para isso.

Antes, fica aqui a dica útil: em Zurique há dois locais onde se faz a imigração, um para quem tem como destino final a Suíça e vai sair do aeroporto para a rua/estação de trem e outro para quem vai pegar conexão para outros lugares. Como eu não sabia disso, fui seguindo as placas de Passport control logo assim que saí do SkyTrain e peguei a fila junto com quem tinha como destino final aquele país, somente quando chegou a minha vez de ser atendido o oficial me explicou que se passasse ali teria que dar toda a volta e refazer o check-in para entrar no próximo voo...Então o segredo é, se vai fazer conexão para outro lugar, siga direto as placas que informam onde está o Portão de Embarque do seu próximo voo...com certeza antes de ter acesso à sala de embarque você vai ter que passar pelo controle de imigração. E esse caminho é por um corredor à direita do controle de imigração principal (rumo aos terminais A e B). Sobe um escada rolante e ali estão os guichês de imigração para quem está em trânsito pelo aeroporto.

Quanto a imigração em si, super tranquila, só me perguntou o que iria fazer na Itália e por quantos dias, sem sequer scanear os dedos ou tirar fotos (chatices da imigração americana) nem pedir nenhum documento, carimbou os nossos passaportes e liberou-se o acesso aos portões de embarque.

OBS: Como viajei com meu passaporte no limite do tempo, com somente 7 meses de validade após o retorno, o oficial me concedeu de visto apenas a quantidade exata de dias que disse que iria ficar, o que não me causou transtorno algum, porém reduz margem para imprevistos.

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post

@ricardo.barros 

Relato top.

Estou indo em outubro farei quase o mesmo roteiro mas...vou estender ate veneza. Ficarei 20 dias.

Duvida. O valor de 1400$ Foi por pessoa ou para tu e sua mae?

Aguardando ansioso a continuidade do relato.

 

Abraços 

Compartilhar este post


Link para o post

@Aryel Arita Obrigado Aryel.

O valor de 1.400 era para nós dois, a ideia era ter uma verba de aproximadamente 50 euros/dia para cada um de nós. Mas conseguimos economizar bastante com alimentação, então ainda consegui voltar com 250 euros sobrando. Mais pra frente eu detalho isso, mas só para antecipar, tinha previsto um gasto diário com comida (eu e ela) de 40 euros...tinha dia que conseguíamos comer bem com apenas 10.

 

Compartilhar este post


Link para o post

4 - Hospedagem

Ficamos durante toda a nossa estadia na Itália em Hostels do tipo B&B (Bed & Breakfast), aqueles que te oferecem um café da manhã para ajudar a despertar. Mas houve diferença considerável entre eles.

Todas as reservas foram feitas através do www.booking.com

Bem, o que vou escrever a seguir são coisas que percebi e meio que valem como regra geral para todas as acomodações que fiquei.

Edifício: Aprende-se logo que chega que tudo na Itália é muito antigo, e isso aplica-se a maioria dos edifícios. Então não espere um hostel moderno e super bem equipado, pois pode ser que se decepcione. Ele vai ser um prédio antigo de aparência até duvidosa, com decoração rotulada como "cafona", mas ainda poderá ser funcional em seu interior.

Recepção: A grande maioria (alguns hostess me falaram inclusive que é a totalidade) dos B&B são compostos de um apartamento de um edifício residencial. Pense naqueles prédios antigos do centro das nossas grandes cidades, onde você toca um interfone e a pessoa do outro lado da linha abre a porta. Pois bem, é assim que funciona lá também. Não tem porteiro, e muitos dos prédios ficam com a porta principal aberta durante o dia. Então basicamente quando você chegar no endereço, certifique-se que encontre no interfone o número do Hostel...para ajudar entre em contato com o mesmo antes de sair do Brasil e já peça essa informação (muitos colocam uma plaquinha bem discreta ao lado do número, não é nada que chame a atenção de longe já aviso).

Uma vez no andar do Hostel, muito provavelmente a pessoa que te receberá não estará lá 24h por dia. A não ser que ela more lá (aconteceu comigo em Roma e Pisa). Como dica digo para perguntar logo assim que chegar todas as dúvidas que tiver sobre a acomodação/arredores/horários, para evitar ter que esperar o outro dia. A minha maior dúvida sempre era com relação ao Check-out, pois teve dias em que tinha que pegar trem bem cedo (7:00 da matina) e não teria ninguém disponível para fazer o chek-out. Em todos os casos a resposta que tive foi para simplesmente deixar as chaves no quarto e partir. Prático e sem precisar falar com ninguém.

Elevador: Será um elevador bem velho e extremamente apertado, onde não raro irá caber no máximo duas pessoas. Quem tem claustrofobia certamente via ficar muito desconfortável. Ainda, não será difícil topar com um lugar que não tenha elevador, aí o jeito será encarar as escadas. O Booking avisa quando a acomodação é provida ou não de elevador, mas caso tenha dúvidas entre em contato direto com o Hostel.

Chaves: Provavelmente irão te dar 3 chaves, uma para a entrada principal do edifício, outra para a entrada no Hostel (pense nele como um apartamento) e a última para o seu quarto. Provavelmente também as portas do Hostel e do Prédio abrirão por dentro sem necessidade das chaves, apenas apertando algum botão (por isso você irá conseguir sair do Hostel ao fazer o check-out mesmo sem chaves).

Café da manhã: Provavelmente vai ser um café com um "cornetti" (croissant com recheio) industrializado, ou seja, comprado em mercado, pode vir também leite para fazer um cappucino, umas torradas e geléia. Pra quem não sabe o café da manhã italiano não conta com nada salgado (manteiga, presunto), então não se espante de ver apenas geléia. Dá pra aguentar.

Com relação ao review dos hostels, vou deixar o link para vocês conseguirem ler diretamente da página do Booking, aí conseguirão ver fotos também do local (infelizmente esqueci de tirar). Porém vou dar uma geral em cada um dos principais aspectos para lhes ajudar

 

4.1. ROMA: B&B BEL AMI - Via Corfinio 23, San Giovanni, 00183 Roma, Itália (https://www.booking.com/hotel/it/bel-ami.pt-br.html?aid=304142;label=gen173nr-1DCA4oggJCAlhYSC1YBGggiAEBmAEtuAEIyAEP2AED6AEB-AEDkgIBeagCAw;sid=821482f5e906303924b247f15f30b8ab)

O que reservei: Quarto para somente duas pessoas (banheiro coletivo)

Localização: Excelente, muito perto da estação de metrô de San Giovanni, e também de pontos de ônibus e Tram.

Limpeza: Boa. Feita todos os dias

Conforto: OK. Não dispõem de microondas/cozinha para quem quer fazer algo. Ou você janta fora, ou compra comida e come no quarto (o que fizemos na maior parte das vezes). Eles tem uma mini geladeira.

Custo: 180 euros por 5 diárias para 2 pessoas + 35 euros de imposto de turismo

 

4.2. FLORENÇA: MELODY HOUSE - Viale Fratelli Rosselli 47, 50144 (https://www.booking.com/hotel/it/melody-house.en-gb.html?aid=304142;label=review_am;appvl_email=1;rurl=2582116c498f5be9;tab=4;type=total&#tab-main)

O que reservei: Quarto para somente duas pessoas (não sabia, mas tinha um banheiro privativo nesse quarto, o que foi uma ótima surpresa)

Localização: Excelente, 600 metros da Estação Santa Maria Novella, porém cabe ressaltar que ainda precisa andar mais uns 5-10 minutos a partir dessa estação para chegar ao centro nervoso/histórico da cidade, onde ficam a maioria dos serviços como restaurantes.

Limpeza: Muito boa. Feita todos os dias

Conforto: Muito bom, aparência de hotel. Porém não dispõem de microondas/geladeira/cozinha para quem quer fazer algo. Ou você janta fora, ou compra comida e come no quarto (o que fizemos na maior parte das vezes).

Custo: 205 euros por 5 diárias para 2 pessoas + 30 euros de imposto de turismo

 

4.3. PISA: PISA LODGE B&B HOSTEL- Via Contessa Matilde 32A, 56123 Pisa, Itália (https://www.booking.com/hotel/it/pisa-lodge-b-amp-b-hostel.en-gb.html?aid=304142;label=review_am;appvl_email=1;rurl=54c8ce4d91bc4447;tab=4;type=total&

O que reservei: Duas camas em quarto para 3 pessoas (banheiro compartilhado/na primeira noite dormimos sozinhos, na segunda tinha uma moça na outra cama)

Localização: Excelente, dá pra ir andando a pé para a Torre de Pisa em 5 minutos. Porém cabe ressaltar que ainda precisa andar mais uns 5-10 minutos a partir dessa estação para chegar ao centro nervoso/histórico da cidade, onde ficam a maioria dos serviços como restaurantes, e é consideravelmente longe da estação de Trem Pisa Centrale (2 km).

Limpeza: Média.

Conforto: Médio. Ponto positivo é que tem microondas e geladeira para fazer/guardar algo.

Custo: 76 euros por 2 diárias para 2 pessoas + 6 euros de imposto de turismo

 

4.4. ROMA: NIKA HOSTEL- Piazza di San Giovanni in Laterano 36, San Giovanni, 00185 Rome, Italy (https://www.booking.com/hotel/it/nika-hostel.en-gb.html?aid=304142;label=review_am;appvl_email=1;rurl=5a64e5abbbcb7f0f;tab=4;type=total&#tab-main

O que reservei: Duas camas em quarto para 2 pessoas (banheiro compartilhado)

Localização: Excelente, muito perto da estação de metrô de San Giovanni, e também de pontos de ônibus e Tram. Bem ao lado da Igreja de San Giovanni in Laterano.

Limpeza: Média.Tinha um pouco de sujeira no banheiro.

Conforto: Médio. Um dos banheiros (tem 2) está colado na cozinha, o que faz perder toda a privacidade. Ponto positivo é que tem cozinha completa (embora apertada) para cozinhar o que quiser, inclusive panela e pratos/talheres.

Custo: 32 euros por 1 diárias para 2 pessoas + 7 euros de imposto de turismo

 

 

 

Compartilhar este post


Link para o post
7 horas atrás, ricardo.barros disse:

@Aryel Arita Obrigado Aryel.

O valor de 1.400 era para nós dois, a ideia era ter uma verba de aproximadamente 50 euros/dia para cada um de nós. Mas conseguimos economizar bastante com alimentação, então ainda consegui voltar com 250 euros sobrando. Mais pra frente eu detalho isso, mas só para antecipar, tinha previsto um gasto diário com comida (eu e ela) de 40 euros...tinha dia que conseguíamos comer bem com apenas 10.

 

Muito bom.

Estou imaginando levar uns 80$ dia. Hospedagens ja fiz pre reserva no booking em.campings e b&b pois hostels realmente não valem nada a pena na itália. 

 

Como ficaremos 20 dias farei praticamente mesmo roteiro mas esticarei ate Veneza desço por bolonha , san marino ,perugia.

Faremos de carro pois trem para tais trechos tbm nao compensa.

 

Legal @ricardo.barros. Curtindo muito as postagens . Podendo compartilhar a planilha...sera bem vinda. 

Abraços 

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post

Vou passar 25 dias na Itália entre maio/junho, passando por várias cidades. Tô adorando o seu relato, está ajudando muito.
Muito obrigada por compartilhar com a gente!! Valeu!! Um abraço!

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora
  • Seja [email protected] ao Mochileiros.com

    Faça parte da maior comunidade de mochileiros e viajantes independentes do Brasil! O cadastro é fácil e rápido! 😉 

×