Ir para conteúdo
brwillian@gmail.com

Rio Branco-AC a Cusco e Machu Picchu de ônibus (julho 2010)

Posts Recomendados

[t1]Relato rápido Rio Branco/Cusco[/t1]

 

Este é apenas um breve relato. Deixei de mencionar todas impressões que tive do lugar, mas em resumo: o lugar é lindo, barato e o povo é muito simpático e prestativo, não é tão frio e altitude não castiga muito, a comida é exótica para nós, mas é gostosa, bem temperada, mas de paladares suaves, a cidade é segura e limpa. Antes de ir para o Peru, recomendo umas caminhadas ou corridas para preparar o organismo, mas não se preocupe há crianças e idosos subindo as montanhas.

20100811214401.JPG

FOTOS: estão no Picasa http://picasaweb.google.com/118230434728977849595/Cusco2010?feat=directlink.

 

Voltarei lá! Aproveite.

 

O que Levar:

 

  • 1. Carteira internacional de vacinação
    • a. Não é pedida, mas o certo é levar;
      b. Expedida pela Anvisa em 5 minutos;
      c. Precisa levar a carteira nacional de vacinação com carimbo da vacina de febre amarela tomada a pelo menos 10 dias até o máximo de 10 anos;
      d. Quem tomou a vacina a menos de 10 anos e não possui a carteira nacional pode tomar novamente e retirar ambas as carteiras.

2. Repelente

3. Protetor solar

  • a. Dependendo do passeio que você fizer, estará super exposto aos raios solares.

4. Remédio para enjôo


  • a. As estradas são extremamente sinuosas e cheias de pedras;
    b. Dá para ir de carro de passeio baixo, mas vai castigá-lo.

5. Álcool-gel

6. Carteira de identidade ou passaporte

  • a. CNH, CTPS, ou qualquer outra identidade não servem;
    b. Todos os viajantes devem ter, inclusive bebês.

7. Carteira internacional de estudante

  • a. Às vezes a nacional é aceita.

8. Roupa de frio

  • a. Fui em julho e uma jaqueta só bastou (bagagem demais acaba atrapalhando a mochilada);
    b. Os hotéis, quando não possuem calefação, oferecem uma cama cheia de cobertores, edredons etc. Não dá para passar frio.

9. Dinheiro

  • a. Para quem utiliza cartão de crédito internacional, desbloqueie para uso no exterior, mas faça-o diretamente com seu gerente;
    b. Eu desbloqueei meu cartão e estive na Bolívia duas vezes utilizando-o para compras, mas quando cheguei ao Peru descobri que não podia sacar nem comprar “por questões de segurança”. ::grr::::grr::::grr::
    c. Não consegui desbloquear o cartão por telefone;
    d. Tive que vender minha câmera com todas as fotos para sobreviver até encontrar brasileiros que financiassem a minha volta ao Brasil;
    e. Tive que abreviar a visita ao Peru;
    f. Gastei o resto do dinheiro tentando desbloquear o cartão. No site de meu banco não havia nenhuma informação sobre o bloqueio por questão de segurança, pelo contrário, havia a informação de que, desbloqueando, você pode viajar com tranqüilidade e segurança;
    g. Só não procurei o consulado pois estava muito cansado e logo encontrei brasileiros que me levassem de volta;
    h. a+b+c+d+e+f+g = processo contra o banco; ::vapapu::::vapapu::::vapapu::
    i. A bandeira Master Card é mais aceita que a Visa;
    j. Em vários (vários mesmo) lugares é possível sacar com seu cartão do Brasil;
    k. Leve dinheiro para pelo menos uma semana de hospedagem e alimentação (R$ 50,00 /dia = R$ 350,00, é o suficiente para um solteiro, sem passeio);
    l. Se você quiser levar todo o seu dinheiro em espécie: em nenhum momento vi nem sequer ouvi falar em assalto no Peru, mas eu não levaria muito dinheiro, prudência demais não faz mal a ninguém;
    m. Em Cusco se compra com Dólar ou com Soles, Real só excepcionalmente.

10. Inglês e espanhol básico, pelo menos

11. Câmera com carregador e muita memória

12. Celular

  • a. Verifique com a sua operadora a possibilidade de uso no Peru;
    b. Meu Claro não funcionou lá, mas eu vi brasileiros utilizando os seus celulares.

 

Itinerário

 

  • 1. Comprar passagem
    • a. A empresa responsável pelo trajeto é a Movil Tours;
      b. A empresa que vende as passagens é a Rotas, localizada na rodoviária de Rio Branco;
      c. As passagens podem ser adquiridas na hora da saída (melhor chegar com pelo menos uma hora de antecedência);
      d. O preço: R$ 114,00.

2. [10h] Saída de Rio Branco

  • a. Aproveite para conhecer pessoas no ônibus;
    b. Pegue dicas com os peruanos que estão no ônibus (os peruanos são muito prestativos).

3. [13h] Parada em Brasiléia para o almoço

  • a. Preço do kilo R$ 30,00;
    b. Ande mais 300 metros até a ponte da cidade (perto de um ponto de taxis) lá o prato é R$ 8,00 (à vontade).

4. [14h30min] Parada em Assis Brasil para declarar saída

  • a. Apresentar o RG à Polícia Federal.

5. [15h] Parada em Iñapari (Peru) para declarar entrada

  • a. Apresentar o RG à atendente;
    b. Diga quantos dias pretende ficar;
    c. A prorrogação é possível;
    d. Nunca perca a tarjeta de migración;
    e. Se for voltar por outra fronteira ou por avião, peça para ficar com um comprovante de saída do Peru;
    f. Faça câmbio no local, é o melhor câmbio do país (R$ 1,00 = S/. 1,45, no resto do país o real chega a valer S/. 1,30).

6. [19h] Chegada em Puerto Maldonado

  • a. Todos devem descer do ônibus 5 estrelas e tomar um barco para atravessar o rio;
    b. A travessia custa s/. 1,00 (um sol = R$0,69) ;
    c. Quando atravessar pegue um moto-taxi do lado de fora da grade (mais barato) e vá para a rodoviária pegar o outro ônibus (fora a corrida custa s/. 5,00 = R$ 3,45). Não dá pra ir a pé;
    d. Na rodoviária, comprar o bilhete de embarque (s/. 1,00 = R$ 0,69).

7. [19h30min] Saída de Puerto Maldonado

  • a. O segundo ônibus é horrível, não há banheiro, nem leito, nem água;
    b. A Rota e a Movil te oferecem um ônibus (mostram até a foto) e você viaja em outro;
    c. Na volta para o Brasil a mesma enganação é feita, te mostram a foto do ônibus e você viaja em outro;
    d. A travessia de ônibus custa apenas S/. 3,00 (R$ 2,07) por carro, poderíamos ir até cusco com o bus 5 estrelas.

8. [7h] Chegada em Cusco

  • a. Se quiser pegue uma agente de turismo lá mesmo na rodoviária (isso me garantiu o taxi e um desconto no hostal);
    b. Se você pegar uma agente que te leve ao hotel, vai te criar um compromisso moral de contratar um pacote com ela (no meu caso foi extremamente vantajoso).

9. [7h30] Desayuno e contratação do pacote no Hostal

  • a. Comprei um pacote de 2 dias para Machu Picchu incluindo:
    • i. Van e trem;
      ii. 1 almoço (entrada + prato principal = chique);
      iii. 1 jantar (mesmo esquema do almoço);
      iv. Café-da-manhã (um saco cheio de coisas que te dão no jantar);
      v. Uma noite no hostal;
      vi. Guia em espanhol ou inglês (à escolha);
      vii. Entrada para o santuário.

b. Valor da brincadeira = US$ 120,00 com carteira de estudante e US$ 140,00 sem;

c. Se eu fosse novamente eu gastaria muito menos, mas eu vi gente gastando o triplo por apenas um dia em Machu Picchu, não dá para aproveitar nada.

d. Tomei café-da-manhã (desayuno) por S/. 5,00 (R$ 3,45);

e. O fiquei no Hostal Tu Hogar, próximo da Plaza de Armas (ponto de referência para tudo em Cusco);

f. Diária para single S/. 60,00 (levado pela agente, paguei S/. 40,00 = R$ 27,58);

g. Banheiro interno (a água quente não estava funcionando), café-da-manhã, alojamento para guardar as mochilas caso deixe o hostal, TV a cabo c/ controle.

10. [13h] Almoço em um dos mercados

  • a. O almoço varia de S/. 2,00 (R$ )a S/. 5,00 (R$ 3,45), basta pesquisar;
    b. A água varia de S/. 1,00 (R$ 0,69) a S/. 2,00 (R$ 1,38) (em Machu Picchu chega a S/. 12,00 = 8,28);
    c. O refrigerante é, geralmente, o mesmo preço da água;
    d. Comidas típicas:
    • i. Lomo saltado( Carne de vaca, sal, pimenta, cominho, pimentão, orégano, cebolla, alho, ají verde (tipo de pimenta), vinagre tinto ou branco, tomate, salsa, batatas e azeite);
      ii. Lomo montado (anterior c/ ovo);
      iii. Arroz Chaufa (arroz de origem chinesa, com verduras e sabor característico de pimenta (creio que seja a tal da ají verde,não é muito picante, mas o gosto fica por muito tempo);
      iv. Papa frita (batata);
      v. Milhos de diversos tipos;
      vi. Sopa (é um caldo muito ralo e sem cor);
      vii. Crema (é mais consistente, geralmente à base de milho);
      viii. Pollo (frango);
      ix. Cuy (Preá peruano);
      x. Ceviche (preparado com pescado cru marinado, muito bom)

e. Saco de coca custa S/. 1,00 (R$ 0,69) no mercado;

f. No passeio pela cidade dá pra ir a pé;

g. Taxi é bem barato (qualquer viagem custa no máximo S/. 5,00 = R$ 3,45);

h. Memorize o nome da rua do seu hotel.

11. [17h] Visita a uma das igrejas da Cia de Jesus

12. [7h] Desayuno no Hostal (dia seguinte)

  • a. Pão tipo sírio, manteiga, geléia, café c/ leite e chá à vontade;

13. [7h30min] Saída para Machu Picchu

  • a. A agente vai pegar no hotel e te leva de taxi até a van.

14. [13h] Almoço no caminho

  • a. A cidade é Santa Tereza;
    b. Esperamos cerca de 4h para partir até a hidrelétrica;

15. [17h] Chegada à hidrelétrica e partida para Machu Picchu

  • a. É onde pegamos o trem;
    b. O trem é tradicionalmente o recanto dos mosquitos, o povo sofre com as picadas.

16. [18h] Chegada em Machu Pichu

  • a. Não há transportes em Machu Picchu (somente o trem e os ônibus que levam ao Santuário);
    b. Os agentes distribuem os turistas nos quartos;

17. [20h] Jantar

  • a. O agente explica como funciona o passeio, o pode levar, os horários etc;
    b. O grupo é identificado por uma bandeira, não tem como se perder do guia.

18. [4h] Saída para Machu Picchu

  • a. Quem vai subir o Waynapicchu (o nariz do índio) deve sair às 3h para garantir a vaga.
    b. Somente os 400 primeiros podem subir (200 às 6h e 200 às 10h) à Waynapicchu.

19. [5h40min] Chegada na fila de entrada do santuário

20. [6h30min] Começa o passeio guiado

21. [9h30min] O guia se manda e é cada um por si

22. [12h] Encontrar com o agente no lugar combinado para pegar o passe do trem

  • a. Nunca atrase;
    b. Eu perdi o trem quando comprava uma água;
    c. Passei a tarde tentando sacar dinheiro e entrar em contato com o Banco do Brasil, mas sem sucesso;
    d. Sem dinheiro, fui até a Hidrelétrica (3h de caminhada) onde vendi a câmera com as fotos para um brasileiro;
    e. Com o dinheiro consegui voltar para Cusco;
    f. O lado bom é que eu aproveitei a vista da linha férrea e descobri um jeito mais barato de fazer a viagem até cusco.

23. [1h30min] Chegada a Hostal Tu Hogar

  • a. Não havia quarto vago;
    b. Não pude retirar minhas mochilas;
    c. O atendente da noite não é muito bom

24. [1h35min] Chegada ao Alojamento Siesta

  • a. Valor da diária: S/. 20,00 (R$ 13,80);
    b. Banheiro coletivo, água quente, o atendente te acorda se você quiser, o chão faz barulho, TV a cabo s/controle.

25. [6h30min] Pegar mochila no Tu Hogar

  • a. Encontrei os brasileiros que me levaram ao Brasil;

26. [7h] Desayuno no Mercadinho próximo ao Tu Hogar

  • a. Pão c/ ovo S/. 1,00 (R$ 0,69).

27. [7h30min] Voltar para o Alojamento Siesta

28. [12h] encontrar brasileiros

  • a. Almoço c/ comidas típicas no mercado principal (gostei mais do Ceviche);
    b. Compra de suvenir com dinheiro emprestado.

29. [17h] voltar para o Hostal para pegar a bagagem

  • a. O taxista cobrou S/. 3,00 (R$ 2,07) para nos levar do mercado até o hostal, nos esperar com as bagagens e nos levar até o terminal rodoviário, demos S/. 5,00 (R$ 3,45), mais que justo.

30. [18h]Saída para o Brasil

  • a. Compramos apenas o trecho até Puerto Maldonado por S/. 70,00 (R$ 48,28);
    b. A passagem até Rio Branco custaria mais S/. 110,00 (R$ 75,86);
    c. O ônibus era a mesma porcaria, mas tinha jantar (todos os ônibus têm DVD, esqueci de mencionar);
    d. Os ônibus partem de Cusco às 14h30min, 18h e 19h.

31. [6h] Chegada em Puerto Maldonado

  • a. Chegando lá descobrimos que as empresas de ônibus só funcionam a partir das 10h e que o ônibus para Rio Branco parte ao meio dia e chegando às 21h.

32. [6h15min] Moto-taxi até o porto

  • a. Pegamos o transporte por S/. até o porto onde pagamos mais S/. 1,00 (R$ 0,69) para atravessar o rio Madre de Dios de barco.

33. [7h] Saída de taxi para Iñampari

  • a. Depois de tentar localizar um carro até Rio Branco contratamos um taxista a nos levar até Iñampari;
    b. Ele cobrou S/. 200,00 (preço total da viagem, foi rateado = R$ 137,93), mas no levou até o Brasil;
    c. Ele parou para os procedimentos de saída na Alfândega peruana.

34. [12h] Chegada na Alfândega brasileira de Assis Brasil

  • a. Após os procedimentos de entrada no Brasil, pegamos um taxi que cobrou R$ 20,00, por pessoal, até a cidade de Brasiléia.

35. [13h] Chegada em Brasiléia e almoço em Epitaciolândia

  • a. Em Brasiléia, pegamos outro taxista que nos levou até o Banco do Brasil em Epitaciolândia (cidade colada em Brasiléia);
    b. Almoçamos em um restaurante em frente ao banco (R$ 8,00 o prato, à vontade) enquanto o taxista pegava uma passageira que fazia compras em Cobija, na Bolívia;

36. [14h] Saída para Rio Branco

  • a. O taxista nos levou de Brasiléia a Epitaciolândia, nos deixou almoçando, depois veio para nos pegar e levar a Rio Branco por apenas R$ 40,00 por pessoa.

37. [17h] Chegada em Rio Branco

  • a. Se viesse de ônibus chegaria apenas às 21h, mais cansado, e ainda teria que pegar um carro para chegar em casa, perto das 21h40min.

38. [FINAL] Observações finais

  • a. A comunicação é tudo, se não arranhasse o espanhol ainda estaria por lá;
    b. O lugar é muito barato (roupas, hospedagem, comida, transporte, tudo);
    c. A beleza do local é impressionante;
    d. Tenho a impressão de que os guias têm uma “obsessão” de ficar vendo bichos (condor, puma, cobras, lhamas e cia) em tudo que os incas construíram;
    e. De fato, em algumas construções você pode perceber algum bicho representado, mas nada de excepcional;
    f. Eu disse obsessão, pois o próprio guia disse que para se conectar com o mundo espiritual, você precisa de uma ajudinha da natureza (ayahuasca, marihuana e outras ervas e flores que ele citou);
    g. Na verdade há uma “forçação de barra” desnecessária. O lugar é impressionante, não precisa disso, é meio decepcionante (é como ver uma nuvem e dizer que ela tem a forma de um coelho ou de uma ovelha).
    h. Tanto a cidade de Cusco, quanto o distrito de Machu Picchu são tombados pela UNESCO;
    i. Talvez... se eu estivesse “conectado”... a sensação seria outra;
    j. Recomendo pelo menos um dia inteiro em Machu Picchu (pacote de pelo menos três dias, pois um dia é de viagem).

39. [COCA] Manual do uso da coca

  • a. A coca não “dá barato”, apenas se sente uma leve dormência na boca e na língua;
    b. Parece uma folha de louro, tem um sabor amargo no final;
    c. Auxilia contra todos os sintomas do Soroche;
    d. Tira a fome, o cansaço e a dor das pernas;
    e. As folhas devem ser limpas uma a uma;
    f. Deve-se dobrar umas 40 folhas e colocar no canto da boca mastigando de vez em quando;
    g. Quando o sumo acabar, cuspa;
    h. A coca é vendida em balas, chá e pasta (alguém me falou que há chicletes), mas o efeito não é o mesmo da folha seca;
    i. Não use drogas e não tente trazer folhas para o Brasil (talvez uma folha na carteira para mostrar para os amigos), pois os cães da Federal poderão estar te esperando.

 

Boa viagem! ::otemo::::otemo::::otemo::::otemo::

 

 

20100811214940.JPG

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
[t1]Relato rápido Rio Branco/Cusco[/t1]

 

 

Voltarei lá! Aproveite.

 

O que Levar:

 

a. Para quem utiliza cartão de crédito internacional, desbloqueie para uso no exterior, mas faça-o diretamente com seu gerente;

b. Eu desbloqueei meu cartão e estive na Bolívia duas vezes utilizando-o para compras, mas quando cheguei ao Peru descobri que não podia sacar nem comprar “por questões de segurança”. ::grr::::grr::::grr::

c. Não consegui desbloquear o cartão por telefone;

d. Tive que vender minha câmera com todas as fotos para sobreviver até encontrar brasileiros que financiassem a minha volta ao Brasil;

e. Tive que abreviar a visita ao Peru;

f. Gastei o resto do dinheiro tentando desbloquear o cartão. No site de meu banco não havia nenhuma informação sobre o bloqueio por questão de segurança, pelo contrário, havia a informação de que, desbloqueando, você pode viajar com tranqüilidade e segurança;

g. Só não procurei o consulado pois estava muito cansado e logo encontrei brasileiros que me levassem de volta;

h. a+b+c+d+e+f+g = processo contra o banco; ::vapapu::::vapapu::::vapapu::

i. A bandeira Master Card é mais aceita que a Visa;

j. Em vários (vários mesmo) lugares é possível sacar com seu cartão do Brasil

 

Amigo,

 

Passei esse mesmo perengue que você em julho/agosto de 2008 em minha mochilada pelo Peru, o cartão não "funcionava", liguei no Banco do Brasil e estava tudo certo, tinha "saldo" na conta, só não conseguia sacar, então eu e meu namorado tivemos que voltar de Puno(Peru) para La Paz(Bolívia) (também descobrimos um jeito mais barato de viajar, os perengues, também servem para isso, esse é o lado bom, aprender a viajar, ainda + barato) e chegando em La Paz, próximo da meia-noite, "bam-bam" conseguimos sacar mil dolares, e isso na madrugada, mais depois, resolvemos ir da hard rock e curtir uma balada para dessestressar.

 

Agora em junho/2010 também não conseguia sacar em Asuncion-PY, então como era horário bancário e tinha nas redondezas uma agência do BB, fui até ela e qual não foi minha surpresa, a atendente me informou que em alguns países da América do Sul (Peru, Paraguay e Colômbia) o Banco do Brasil não opera nos caixas eletrônicos por questões de segurança (fiquei sem entender)somente consegue sacar diretamente nas agências do BB até R$ 9.999,00 pagando uma taxa de 20 dolares.

 

Depois do primeiro perengue, sempre viajo com os cartões do BB, mais também com um VTM (que me salvou em Asuncion) que é aceito em toda parte, sem excessão.

 

No mais parabéns pela trip e pelo relato.

 

Me responde uma pergunta, você consegui "recuperar" sua câmera vendida na volta para o Brasil ? ? ?

 

Mari

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Oi Mari, a câmera não consegui resgatar, somente as fotos. A pessoa que comprou não quis vender de volta, mas naquele momento ele pode ter salvo a minha vida, pois o único dinheiro que tinha era 20 soles doados por um peruano (é pouco dinheiro em Machu Picchu). O esgotamento físico era muito grande quando cheguei à estação, afinal caminhei das 4h às 18h e quase não tomei água, mal podia andar e me tremia muito apesar de não estar sentindo frio, até os taxistas perceberam que eu não estava bem e tomaram cuidado para que eu fizesse nenhum esforço físico. Meus objetos pessoais estavam todos em Cusco.

Mas, como você bem falou, valeu a experiência! ::otemo::

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

WBrasil!

Parabéns pelo Relato!

Claro e Objetivo!

Vejo q és ou estás na terrinha! Moro em RBO e estou tentando ir a Cusco agora em outubro, podiamos marcar um encontro de mochileiros aqui do Acre, o q achas?

Abraços!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
WBrasil!

Parabéns pelo Relato!

Claro e Objetivo!

Vejo q és ou estás na terrinha! Moro em RBO e estou tentando ir a Cusco agora em outubro, podiamos marcar um encontro de mochileiros aqui do Acre, o q achas?

Abraços!

 

Obrigado Thalita, pode marcar que estarei lá...

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Que aventura hein! Gostaria de saber mais informações sobre os ônibus, é possível pegar um onibus em Rio Branco e saltar em Cuzco?? ou os onibus de Rio Branco só vão até Porto Maldonado e daí você pega o onibus peruano em pessimas condições até Cuzco??

E quanto ao trechio de Porto Maldonado até Cuzco, quais as condições da estrada? a ultima vez que ouvi me disseram que era uma jornada quase suicida ir pela estrada entre Porto maldonado e Cuzco, você parece ter informações bem recentes sobre essa rota.

 

Estou planejando a Trip para o ano que vem, vou partir de Manaus e penso em fazer o caminho por Rio Branco.

 

um grande abraço...t+

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
é possível pegar um onibus em Rio Branco e saltar em Cuzco?? ou os onibus de Rio Branco só vão até Porto Maldonado e daí você pega o onibus peruano em pessimas condições até Cuzco??

 

Seria possível ir até Cusco com o mesmo ônibus, pois há uma balsa que cobra 3 soles para atravessar um ônibus sobre o Rio Madre de Dios (Rio Madeira, no Brasil), cerca de 2 reais... No entanto a empresa Movil não atravessa e não sabemos qual o motivo... temos que saltar antes do rio, atravessar, tomar o mototaxi do outro lado e tomar o segundo ônibus na rodoviária. Você já sai de Rio Branco com os dois bilhetes, mas você terá que desembolsar o dinheiro da travessia do rio, o do mototaxi ou tuk tuk, e do embarque na rodoviária = 1 + 5 + 1 (em soles).

 

E quanto ao trechio de Porto Maldonado até Cuzco, quais as condições da estrada? a ultima vez que ouvi me disseram que era uma jornada quase suicida ir pela estrada entre Porto maldonado e Cuzco, você parece ter informações bem recentes sobre essa rota.

 

O ônibus não vai muito cheio, aproveite para dormir bastante, pois à noite você não vai conseguir. :lol: . A estrada é muito sinuosa e você vai beirando os abismos, o ônibus vai balançando, parece que vc vai cair, mas a velocidade máxima da pista é 35 km/h no asfalto (chega a fazer uns 20 km/h nos piores trechos!) não é perigoso. Vi uns três locais onde havia perigo de pedras caírem, mas só.

Há muitos peruanos que vão até a madrugada trabalhando nesse trecho de Puerto Maldonado/Cusco.

O ônibus que vai de Puerto Maldonado até Cusco para três vezes durante a noite para lanche e para "aliviar o peso".

 

Boa viagem!!!!!! (Se você quiser, me mande o seu roteiro, para que eu possa opinar ::otemo:: )

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Então WBrasil tudo bem?

 

Provavelmente a galera que falou contigo até agora é daí das redondezas Acre, Amazonas certo?

 

Vou sair de São Paulo mais, Corumbá, entrar na Bolivia e chegar no Peru.

 

Acho o que me servirá bastante foi as dicas que disse quando chegou em Cuzco: Hotel, locais para visitar, pacote para MachuPicchu. Agente encontrar os agentes facilmente pra conseguir o pacote para MachuPicchu e ter o descontos nos hostal?

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Oi Seba, tudo beleza?

 

Encontrei muitos brasileiros que fizeram o percurso por Corumbá, todo dia chegavam uma turma. Dizem que é muito cansativo, mas dava pra ver no rosto deles o resultado da aventura, estavam em extase, tenho que fazer o percurso via trem da morte!

Quanto a sua pergunta, assism que vc chega na rodoviária os agentes de turismo já te idetificam e te abordam, não vai ter erro. Qqualquer duvida eh so falar e... Boa Mochilada!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Amigo, parabéns pelo relato.

Estamos indo em dezembro, via guajara mirim (RO), vamos fazer Bolivia, Chile e Peru, com retorno via P. Maldonado e Rio Bco.

Pergunto: como está a interoceanica? e o trecho prox. a P. Maldonado, na subida dos andes, é mto perigoso? já tem asfalto?

Vamos de carro. Somos de Porto Velho. Suas dicas estão sendo mto boas, obrigada.

Abs.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Obrigado Thalita, pode marcar que estarei lá...

 

Olá!! Só agora vi sua resposta...

 

Mas então pode ser um happy hour numa sexta na Novo Mercado Velho? É próximo ao meu trabalho... me passa um e-mail para nos falarmos melhor... [email protected]

 

Estarei indo ao BO e PERU em meados de outubro agora com outros mochileiros e gostaria mto de papear com vc sobre a sua trip!!

Se quiser conferir nosso tópico segue o link cia-machu-picchu-t40057-420.html

 

Abs,

 

Thalita

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Fala ro.see, tudo certo?

 

Estamos indo em dezembro, via guajara mirim (RO), vamos fazer Bolivia, Chile e Peru, com retorno via P. Maldonado e Rio Bco.

 

Eu não conheço a rota pela Bolívia, mas conheci muita gente que fez esse caminho por Corumbá, via trem da morte. Pretendo fazer um dia...

 

Pergunto: como está a interoceanica?

A estrada parte do Brasil e, em certo ponto do Peru, se divide. Uma estrada segue para Cusco e outra vai para o Pacífico passando em Puno (onde fica o lago Titicaca).

Eu fui direto para Cusco, não sei com está a outra estrada.

O trecho da interoceânica que eu passei tinha peruanos trabalhando até as 3 da madrugada. Há asfalto em alguns lugares, mas há muito chão de terra ainda. Terra não, pedras, pedregulhos, nada que bloqueie a passagem. Não tem buraco, mas passa por incontáveis riachos que cortam a estrada...por cima mesmo. O problema mesmo vai ser o desgaste dos pneus.

 

e o trecho prox. a P. Maldonado, na subida dos andes, é mto perigoso? já tem asfalto?

As estradas peruanas, são muito bem sinalizadas, mais do que as brasileiras, principalmente nos trechos de obras. Tem asfalto em muitos lugares. Às vezes o carro beira o abismo mas a velocidade máxima é de 20 km/h. Definitivamente não tem perigo. Buzine nas curvas muito fechadas sem visão do lado oposto. Me lembro de ter passado por três áreas de deslizamento, onde havia algumas pedras no meio do caminho, mas nada sério.

 

 

Vamos de carro. Somos de Porto Velho.

 

Posso garantir que as estradas peruanas estão melhores que o trecho entre PVH e RBR.

 

Mais um observação. o trecho de P Maldonado até o Acre está um tapete! Separem 3 soles para a travessia do Rio Madeira (Madre de Dios, lá)! A ponte desse rio está quase pronta!

 

Boa viagem!!!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Bom dia

 

Tbm moro em Rio Bco.

 

Adoraria tirar mais algumas dúvidas, estou indo pra lá no próximo final de semana.

 

Vc poderia me encontrar ou trocarmos e-mail?

 

Se sim, me envia uma confirmação

[email protected] ::cool:::'>

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Obrigado WBrasil pelo relato, é muito ultil para quem está pensando em fazer essa viagem. Gostaria que você me falasse das condições da estrada, pois estou programando ir de moto em julho/2011. Moro em Rio Branco-AC e pretendo fazer a viagem com minha esposa na garupa. Um abraço a todos.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Cara, as estradas estão em boas condições de trafegabilidade. Conheço gente que foi de moto mesmo antes das obras. só não recomendo ir em época chuvosa, alguns riachos passa sobre a estrada.

Flw

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Olá, sou do rio e irei fazer esse ano indo também por Corumbá e estava na maior dúvida sobre como voltar pq não queria fazer a mesma rota da ida. Seu roteiro facilitou muito, pois não vou ter que voltar pela Bolívia. Vlw mesmo.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora


×