Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
Entre para seguir isso  
Ayanna Galvao

Bate e volta em Campos - pessoas e lugares

Posts Recomendados

As vezes, faço umas viagens bate e volta (geralmente por não querer perder oportunidade e ser a forma que consigo conciliar com o tempo que tenho disponível). Pois bem, como de costume, envolveu pessoas diferentes, lugares novos, experiências engraçadas, aprendizados...
Geralmente minhas viagens são sozinha ou com algum amigo(a) para conhecer/rever lugares e/ou amigos virtuais ou não.
Nesse ultimo final de semana, o engraçado foi que não eramos todos amigos de grupo há tempos e que iriamos nos encontrar/nos conhecer seja porque algum integrante ia casar(como já aconteceu 2 vezes esse ano), ou simplesmente por uma oportunidade onde estávamos próximos...
Dessa vez, ninguém se conhecia, o algo em comum que todos tinham era eu, e não era meu casamento haha.
 
SOBRE AS PESSOAS:
 
Conheci a Kellen de Campo Grande - MS em um grupo do whats, onde em uma viagem de packer e encontrinho, acabou tendo a oportunidade e ela se hospedou aqui uns dias, fizemos bate e volta e continuamos a amizade.
O Augusto da Ilhabella - SP o conheci usando o blablacar, foi o primeiro que peguei na vida em uma ida à GRU, e continuamos mantendo contato.
O Júnior, era amigo da minha melhor amiga, quando ela morou um tempo em Americana - SP, e acabei o conhecendo pelo facebook, em uma oportunidade ele veio aqui, fizemos um bate e volta sem destino e acabamos em Trindade-RJ, depois fui conhecer uma turma em Americana e fiz CouchSurfing com ele, amizade continuou também.
Semana passada a Kellen estava por SP e me chamou para ir a Campos do Jordão ( é perto, nunca fui e tinha curiosidade / me faltava oportunidade), como eu sou do "vamos?vamos" me empolguei, fui organizar com ela e vimos que com mais gente seria possível, lancei no insta o convite (vai que cola!), o Augusto se manifestou, fomos organizar para 3, gasolina, hospedagem, alimentação etc... é... mas dava pra completar o carro e economizar mais. Ok, vamos lá! O Jr se manifestou, deu um jeito e topou ( ele sempre faz isso!).
Ficamos acertados assim: Ponto de encontro: Tatuapé. De lá, seguíamos juntos para Santo Antonio do Pinhal, onde nos hospedamos pelo airbnb na Cabana do Voador(qualquer informação a mais a respeito, pode chamar no inbox), de lá Villa Capivari e depois a gente vai decidindo...
No dia o Júnior me falas 12:00 que não sabe como vai pra SP ainda, e eu o chamo de louco, ele fala que a louca sou eu, e eu(como sempre) pergunto o porque, e a resposta dele foi " Vai viajar com gente que nunca viu na vida! " . Foi aí que eu percebi que na verdade, segundo a lógica dele, eu era a única com bom juízo(Viu mãe!), pois eu conhecia todos há algum tempo e pessoalmente, já nenhum deles se conhecia de forma alguma, apenas confiaram em mim #quefofinhos
 
... e no fim das contas, como sempre acontece, nada saiu como planejado, muitos perrengues, frio, calor(sim teve calor em Campos) atraso de sobra,ainda conhecemos a Cris que de ultima hora foi conosco como blablacar, e está no grupo ainda porque é uma linda! Visitamos Santo Antonio do Pinhal, Campos do Jordão, Sao Bento do Sapucaí e Avenida Paulista na madrugada de volta porque eu não tinha ido ainda kkk
 
P.S: Peguei 5º no sábado a noite e 26º no domingo a tarde. E só levei roupa de frio porque TODOS diziam: "você pode não passar frio, mas calor também não passa".(passei mais calor que frio!)  #faltouprevenirnéAyanna  
 
SOBRE LUGARES VISITADOS:
 
- O VillaCapivari é caro, mas é lindo, um clima ótimo, movimentado sempre, muitos restaurantes, quiosques, sorveteria (estava 5º mas ok),a maioria das lojas estava fechada no horário que eu fui (depois das 22:00), mas tinha muita coisa linda na vitrine.
- O pastel do Maluf é lotado 30,00 a média e tem 32cm cada, nós dividimos 2 pasteis para 4 pessoas, mas acredito que 1 por pessoa seja o mais indicado mesmo(para matar a fome rs) (acho que é uma das coisas mais baratas no Villa, se bem que tem porções de picanha em alguns restaurantes saindo ha 40,00, não sei a quantidade, mas de outra vez eu conto, ou se alguém já foi, ajuda aí rs).
Alguns lugares lotam e não permitem mais a entrada como a Fire Up.
Mas, depois das 02:00 diminui o fluxo e muita coisa fecha. Durante o dia, é mais o centrinho mesmo(dia de domingo fechado), conhecer a cidade em si, se tiver de carro indico ir para a redondeza.
No centro, tem almoço por peso 3,99 100g ou 24,90 a vontade na padaria Dona Bella sabor e delicia, gostei de lá.
 
Santo Antonio do Pinhal tem uns restaurantes e barzinhos no mesmo estilo do Villa, próximo ao Pico do Agudo, porém com menor fluxo, +- a mesma média de preço.
Cabana do Voador é próximo ao pico, e os anfitriões indicam alguns lugares para visitar, a maioria é pago, taxas de 5,00 a 40,00).
 
Em campos, tem uma placa :Pedra do baú ( vista da serra da mantiqueira), Horto e Cachoeira alguma coisa, você vê a placa e uma ladeira, e pensa: tudo perto, vou ganhar tempo.
kms depois tem uma placa dizendo que a pedra é a 36km - parece que não chega (já estamos aqui, fomos!) , você passa para o município de São Bento do Sapucaí e anda um pouco mais até chegar no lugar que te informam que é cobrada uma taxa de 10,00 por pessoa, vc tem que estacionar e subir 800m a pé até o bauzinho e 1200 para a pedra do baú. Se estacionar, não devolvem o dinheiro caso alguém desista,apenas é devolvido se todos do carro desistirem ( porque? só Deus sabe, deveria ser cobrado por carro então, como no pico do Agudo, mas ok né). Vale a pena ir cedo para conseguir aproveitar todos os pontos pelo caminho também, como a cachoeira alguma coisa, o não sei o que dos elefantes, o Hosto Florestal, vale encantado etc...
 
Ah, fiquei devendo o bar de gelo que soube que tem em Campos, mas 70,00 por 20 minutos ? Não está dentro do orçamento de um bate e volta que gastei pouco mais que isso. Ficou para a próxima!
 
Bom, é isso! kkk se chegou até aqui, parabéns Guerreiro(a)! Qualquer dúvida puxa pela minha memória ou fotos que estamos aí para ajudar. Beijo.Campos.thumb.jpg.55a5f784fad5d3ead1a603cd5688d839.jpg

60a97c1f-0880-4a2f-967d-0cfed2ea51fb.jpg

4253936c-dd30-41ad-9276-5d14ba235e2e.jpg

Augusto.jpg

c08d7644-0833-481d-b81d-afc01fe33469.jpg

campos5.jpg

padaria.jpg

pés do Jr pico do baú.jpg

pico do agudo 3.jpg

Pico do Agudo.jpg

pico do agudo2.jpg

pico.jpg

santo antonio do pinhal.jpg 2.jpg

santo antonio do pinhal.jpg 3.jpg

8748a444-2a7f-40c6-b7bd-9064c6245910.jpg

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post

Moro em SP e nunca fui a campos kk,

 

Mas o relato é inspirador, pessoas que não se conheciam, mas é muito bom conhecer pessoas novas e fazer amizades.

Passa seu insta, para nas próximas a gente ver o convite rsrs.

 

Compartilhar este post


Link para o post

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora
Entre para seguir isso  
  • Conteúdo Similar

    • Por TMRocha
      Como o ano de 2016 foi muito difícil e puxado e praticamente não viajamos, resolvi começar 2017 com uma viagem especial para Campos do Jordão, em São Paulo.
       

      Fomos na baixa temporada, já que ainda era início de janeiro e a alta temporada por aqui costuma ser em meados de junho. Mesmo assim o passeio foi muito especial. Confira como foi o passo-a-passo dessa incrível viagem.
      Caso queira acompanhar o relato diretamente pelo blog clique no link abaixo ou numa das Partes abaixo:
      http://viagensdosrochas.blogspot.com/2018/08/campos-do-jordao-e-aparecida-sp-04.html
      - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 
      Lista de Partes:
      [PARTE 01] - [PARTE 02] - [PARTE 03]
      [PARTE 04] - [PARTE 05] - [PARTE 06]
      [PARTE 07] - [PARTE 08] - [PARTE 09]
      - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 
      Para que o conteúdo não fique massivo estarei dividindo o relato em várias partes menores, e caso você queira apenas saber o que Campos do Jordão e Aparecida têm a lhe oferecer, clique num dos links abaixo, onde coloque suas respectivas dicas de roteiro:
      Dicas de Roteiro: [Campos do Jordão, SP]

      Dicas de Roteiro: [Aparecida, SP]

      E antes de seguir com o relato, no final das contas meu roteiro ficou assim:
      Meu Roteiro
      DIA 01 - Quarta, 04 de Janeiro de 2017
      [Parte da Noite] Viagem de ônibus do Terminal Turístico JK (Belo Horizonte) para Campos do Jordão, SP.
      DIA 02 - Quinta, 05 de Janeiro de 2017
      [Início da Manhã] Chegada em Campos do Jordão, SP
      [Parte da Manhã] Visita ao Palácio Boa Vista
      [Início da Tarde] Visita ao Auditório e Museu Felícia Leirner
      [Parte da Tarde] Compras nas galerias próximas à Ducha de Prata
      [Parte da Noite] Passeando pelo Centro Comercial da Vila Capivari
      DIA 03 - Sexta, 06 de Janeiro de 2017
      [Manhã e Tarde] Visita a Aparecida, onde conhecemos os seguintes lugares:
      - Teleférico, Torre do Mirante, Galerias, Cine Aparecida e Museu de Cera
      [De volta a Campos do Jordão]
      [Parte da Tarde] Missão Fondue!
      [Parte da Noite] Missão Pastel do Maluf!
      DIA 04 - Sábado, 07 de Janeiro de 2017
      [Parte da Manhã] Visita aos Jardins Amantikir c/ direito à pedido de casamento
      [Parte da Tarde] Compras na Galeria Vila Capivari e na Vila do Artesanato
      [Final da Tarde] Ida ao Parque dos Elefantes e Mirante do Morro do Elefante
      [Ainda no Final da Tarde] City Tour na parte residencial de Campos do Jordão em um trenzinho da Alegria
      [Quase no Início da Noite] Visita a parte de baixo do Morro do Elefante, incluso suas galerias
      DIA 05 - Domingo, 08 de Janeiro de 2017
      [Parte da Manhã] Visita ao Portal da Cidade
      [Restante do dia] Viagem de volta de ônibus para Belo Horizonte
      [Quase no Início da Noite] Chegada no Terminal Turístico JK
       
      Dito o que precisava, vamos começar!

      DIA 01 - Quarta-feira [04 de Janeiro de 2017]
      Indo de BH até São Paulo de ônibus
      Ainda em meados de Junho de 2016 a Lu tinha me mostrado uma super promoção da São José Viagens, que achei bem em conta, pois teríamos a oportunidade de conhecer Campos do Jordão, um lugar frio de São Paulo que possui um chocolate super gostoso [foi isso que ela ouviu dos outros, então resolvemos ir lá pra conferir]. Achei o preço tão bom que paguei o pacote inteiro à vista pra nós dois.
       
      E o tempo passou, passou mais e ... finalmente... no dia 10 de Janeiro deste ano [2017], com nossas malas já arrumadas partimos pra Belo Horizonte, rumo ao Terminal JK, que é um dos pontos de partida da empresa.


      Às 19:30h partimos da minha casa e pegamos um coletivo que foi tranquilamente até o Terminal JK. Chegamos ali próximo das 20:20h, fizemos o check-in e ficamos aguardando dar o horário, deu tempo até de comer alguns deliciosos biscoitos de queijo comprados no Carrefour.
       
      Parece que houve algum tipo de desorganização na hora da compra, e muitos turistas tinham chegado antes das 19:00h, já que o passeio estava marcado com horário errado para eles, por isso estava um alvoroço e o pessoal estava realmente estressado, mas nada que fosse nos atrapalhar.

      Luciana toda estilosa esperando a nossa vez de entrar no ônibus!

      Às 22:00h entramos no ônibus da São José, mas ele não saiu na hora prevista porque outro turista do nosso grupo atrasou demais. Ao que parece ele [ou eles] estavam vindo de Ipatinga e agarraram no trânsito, e o bus só partiu mesmo às 22:20h, com destino a São Paulo.

      A mãe da Lu fez até umas excelentes almofadas de pescoço pra nos desgastar menos nessa viagem.

      Se você é mineiro [ou está na região metropolitana de Minas Gerais] e deseja conhecer boas agências de viagens da região, clique no link abaixo:
       
      Conhecendo Agências de Turismo Interessantes de Belo Horizonte e Região Metropolitana
      http://viagensdosrochas.blogspot.com/2018/07/viajando-com-agencias-de-turismo.html
      DIA 02 - Quinta-feira [05 de Janeiro de 2017]
      Demos nossa primeira parada às 1:00h em algum Graal da beira da estrada, que não consegui descobrir qual era ao certo porque estava chuviscando de leve e não queria molhar a câmera ou o meu óculos.


      Nesse lugar a parada foi bem rápida, menos de meia hora, apenas pra usar o banheiro e esticar um pouco as pernas, o legal é que o estabelecimento ainda estava decorado com algumas coisas de natal. Assim que o pessoal voltou continuamos nossa viagem de ônibus.

      Passado mais algum tempo, às 4:00h da manhã fizemos nossa segunda e última parada do percurso até Campos do Jordão. Dessa vez até que eu tinha conseguido dormir bastante no ônibus.



      Havia até um pequeno laguinho com alguns peixinhos que infelizmente tinham um espaço muito limitado pra ficar nadando. O Graal Bela Vista é muito grande, mas eu e a Lu nos limitamos apenas a ficar um pouco sentados no banco de fora porque ela já estava com as pernas doendo de tanto ficar sentada no ônibus sem poder esticar os pés.

      E partimos novamente depois de mais algum tempo. 
      - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 
      Campos do Jordão, SP

      Campos do Jordão está localizada no interior do Estado de São Paulo, mais precisamente na Serra da Mantiqueira e fica à altitude de 1.628 metros, sendo portanto, o mais alto município brasileiro.
       
      Possui uma população de pouco mais de 50.000 habitantes e está a 173 km da cidade de São Paulo, a 350 km de distância do Rio de Janeiro e a aproximadamente 500 km de Belo Horizonte. Sua principal via de acesso é a Rodovia Floriano Rodrigues Pinheiro.

      A partir da década de 50 Campos do Jordão começou a consolidar-se como um dos principais destinos de inverno do Brasil e passou a ser apelidada por muitos de "a Suíça paulista".



      Fonte Pesquisada:
      https://pt.wikipedia.org/wiki/Campos_do_Jordão
      - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 
      Voltando ao nosso passeio...
       
      Chegando no Hotel
      Chegamos pouco depois das 8:00h no Parque Hotel, de Campos do Jordão, que por sinal é muito bonito por fora e por dentro, e ainda por cima está numa excelente localização.



      Nosso quarto estava localizado no terceiro andar e para chegar até lá a gente sempre preferia subir pelas escadas estilosas do hotel, que iam afinando aos poucos conforme a pessoa chegava perto das pontas.

      Para quem possui dificuldades de locomoção não há problema, pois o hotel conta também com um elevador para os hóspedes. Nosso quarto era lindo, organizado e bem espaçoso, contava ainda com cobertores para os dias mais frios [que não precisamos usar] e o colchão era muito bom. Então conseguimos ter boas noites de sono em todos os dias.

      Outra coisa boa era que tanto o chuveiro quanto a pia do banheiro tinham opção para água quente e fria. A única coisa que não gostei do Parque Hotel é que o WiFi só ficava disponível na área da recepção e não tinha nenhuma internet nos quartos, e a TV também era bem pequetita [nada importante, já que quem veio aqui deve é passear fora do hotel mesmo!]. Essa era a vista da janela de nosso quarto:

      Nosso roteiro do dia seria um pouco extenso. Então só tivemos tempo de lanchar e de nos arrumar, pois dentro de pouco tempo já sairíamos novamente.

      O restaurante do hotel contava com uma boa diversidade de coisas para se comer, mas que se repetem ao longo da semana, então acabou que na maioria dos dias a gente comia praticamente as mesmas coisas em nosso lanche matinal, e como o primeiro dia não estava incluso no passeio, tive que pagar a bagatela de R$ 40,00 [R$ 20,00] para cada um, somente para esse lanche.
       
      Algo que com certeza aprendemos por aqui é que comer em Campos do Jordão é algo que sempre saía bem caro para o nosso bolso!
       
      Visita ao Palácio Boa Vista
      Ás 9:00h entramos no ônibus da São José e seguimos até o Palácio Boa Vista, que é considerado como a residência oficial de veraneio do governador de São Paulo, e está localizado no Alto da Boa Vista, ainda dentro de Campos do Jordão.




      Andamos um pouco de ônibus pela cidade e enquanto isso tanto o guia da São José, o Adilson, quanto a guia da cidade explicavam algumas coisas interessantes da cidade para gente. Como o fato da cidade já ter ficado com -8ºC de temperatura, chegando a ter uma leve geada, e só não nevou porque o clima dessa região é bem seco.
       
      Mostraram um pouco da parte pobre da cidade e citaram sobre alguns de seus problemas, mas nos informaram que o lugar não era perigoso ao ponto da pessoa entrar e não sair com vida, como se acontece em algumas favelas do Rio de Janeiro.
       
      E ainda sobre algumas lendas locais, como a das árvores canadenses. As pessoas acreditam que se uma folha cair em sua cabeça você poderá se tornar milionário [mas claro, não vale retirar a folha da árvore à força e colocá-la em sua cabeça!]. Essas árvores foram plantadas na cidade como um símbolo do frio dessa região.
       
      E chegamos. De longe percebia-se que o lugar mais se parecia com um castelo por fora, mas por dentro era realmente um palácio.



      Tivemos que esperar realmente um bocado na fila antes de poder entrar no palácio, e como eles não deixavam tirar fotos ou fazer gravações lá de dentro tivemos de guardar todas as nossas coisas num guarda-volume da entrada. Ao procurar pela internet essas foram as únicas fotos que encontrei desse local:


      Por dentro o palácio é super luxuoso e interessante. Possui o piso totalmente revestido em madeira. Conta com dezenas de salões e todos eles com móveis luxuosos, alguns até importados de outros países e em sua grande maioria os objetos são bem antigos, datando das décadas de 60, 40, e até mesmo contando com algumas peças do Século XVIII.
       
      Existiam espelhos de origem belga, alguns móveis folheados a ouro, outros de latão dourado e muitas, muitas obras de arte espalhadas por todos os cômodos, que iam desde estátuas e obras antigas a diversos quadros nas paredes, com destaque especial para a artista Tarsila do Amaral.

      Essa mulher foi uma grande pintora e desenhista brasileira e era uma das figuras centrais da primeira fase do movimento modernista no Brasil, ao lado de Anita Malfatti. Seu quadro, "Abaporu" [essa coisa de pernas grandes na foto acima] inaugurou o movimento antropofágico nas artes plásticas brasileira.
       
      Eu, em especial, não sou tão fã nem de artes nem de história. Mas achei interessante passear um pouco por esse local e a visita até que foi bem rápida. Quando saímos aproveitamos e tiramos mais algumas fotos do pátio interno, onde ainda deixavam que as pessoas tirassem fotos.




      Capela de São Pedro
      Saindo dali fui na Capela de São Pedro, que estava praticamente do lado do palácio, já a Lu não quis entrar nesse local. É uma estrutura íntegra de concreto armado, com as paredes de vidro, que permite que se visualize a paisagem da região. Entrei rapidamente apenas para tirar fotos dessa capela.










      Se afastando um pouco dali e descendo a rua ainda existia uma lojinha, e juntos aproveitamos pra dar uma olhadinha no que havia ali, mas acabou que não compramos nada.


      Bem ao ladinho havia um jardim e mirante muito bonito, então aproveitamos pra dar uma olhada neles também.


      Essas flores são chamadas de hortênsias e são um dos símbolos da cidade. Para praticamente qualquer lugar que se olhe em Campos do Jordão nessa época do ano é possível ver ao menos algumas flores destas. Outro ponto interessante é que a cor delas muda de acordo com o PH da terra, por isso elas existem em cores variadas por toda a cidade.
       
       E voltamos novamente para o ônibus da São José para continuarmos o nosso passeio.

      Continue acompanhando, pois ainda se tem muito mais relato para contar!
    • Por JulianaFelix
      Em 2009, ainda durante meu período de internato na Escola de Especialistas do Ar, surgiu a oportunidade de viajar para Campos do Jordão. São apenas 80km de distância entre a cidade e Guaratinguetá. Pegamos um ônibus às 05:00AM, chegamos perto das 07:00AM, já que paramos para tomar café. A cidade é incrível, tem muitos restaurantes e lugares para visitar. Andar no bondinho (na verdade é uma cadeira e tu sobe até o pico do morro, da onde se vê toda a cidade) foi o ápice da viagem, além de comer um pastel gigante e depois ter se perdido no meio de um matagal. O clima parece mesmo europeu, frio, pessoas ricas por toda parte, o shopping é legal, nem parece de cidade do interior. Passeando pelos arredores vimos até uma casa que tinha na garagem nada menos que um helicóptero! Além de um lago que parecia cenário de O Senhor dos Anéis. Às 19:00PM pegamos o ônibus de volta, mas sugiro que sozinho ou com acompanhante, passe ao menos um final de semana inteiro nesta cidade super romântica!
       

       

       

       

       

    • Por betapsg
      Meu marido e eu fomos para Campos do Jordão em agosto de 2012. Ficamos hospedados no Campos do Jordão Hostel que, mesmo sendo um albergue, custou R$150,00 a diária do quarto de casal (preço para alberguista). Daí você já imagina o gasto que vai ter na cidade. O albergue é bonzinho. Quarto e café da manhã muito simples. Fica no bairro Vila Abernéssia, então tem que ir de carro ou ônibus para Capivari, que é onde a noite acontece.
       
      Chegamos à cidade no fim da tarde da sexta-feira dia 24/08/12, porque no caminho paramos em Aparecida do Norte para conhecer a catedral. É uma parada que vale a pena, mesmo para quem não é católico. A catedral é enorme e há uma sala dos milagres muito interessante. Há uma praça de alimentação com muitas opções de restaurantes, tem até Mc Donald’s e Bob’s. Ficamos cerca de duas horas por lá, almoçamos e depois seguimos para Campos do Jordão.
       
      Campos do Jordão é realmente linda! Logo no portal de entrada recebemos um mapa e um guia. Fomos direto para o albergue, tomamos um banho e, como já era noite, seguimos para o Capivari, bairro onde se concentram os melhores restaurantes da cidade. Quanto mais cedo você chega, mais fácil é estacionar por lá. O estacionamento na rua é pago com cartela e é bem mais barato do que os particulares, então rapidinho as vagas acabam.
       
      Fomos para o Baden Baden, claro! Meu marido estava doido para conhecer a cerveja e adorou. Comemos uma linguiça recheada com queijo que estava deliciosa. Mas prepare o bolso, porque só a linguiça custou quase R$50. Estava frio, mas a graça é ficar na varanda, para ver o movimento da rua. Quando o bar está lotado, é preciso ir até uma sala de espera que fica perto da loja da Baden Baden, mas geralmente a espera é só para quem quer sentar na varanda.
       
      Mais tarde, demos uma volta e fui provando todos os chocolates de todas as lojas e o que eu mais gostei foi o chocolate belga Bruno Alves. O fondue de chocolate de lá também é muito gostoso!
       
      No sábado de manhã, fomos o conhecer Palácio Boa Vista, que é a residência oficial de inverno do governador do estado de São Paulo. Quando ele não está na cidade, a casa fica aberta para visitação. A entrada é gratuita e ficamos uns 40 minutos na fila. A visita é guiada, mas o lugar é pouco interessante.
       
      De lá, fomos ao Baronesa Café, que fica no caminho entre o Palácio e o Museu Felícia Leirner. O lugar é caro, mas é muito charmoso! Tem que pagar R$15 de entrada, que é convertido em consumação. Há uma lojinha de produtos feitos lá mesmo, como geleias, compotas e pães. Depois você passeia por um jardim até chegar no café, que tem uma vista linda. Eu particularmente adorei o lugar e com certeza voltaria numa próxima visita à cidade.
       
      Depois fomos ao Museu Felícia Leirner, que na verdade é o jardim do Auditório Cláudio Santoro. Você vai passeando pelo jardim e vendo as esculturas da artista. Eu achei meio sem graça, não entendi nada daquelas esculturas. Li na internet que a entrada era cobrada, mas não pagamos nada para entrar.
       
      Já era tarde, então voltamos ao Baden Baden para almoçar, porque na noite anterior meu marido ficou de olho no Chucrute à Garni que a mesa do lado pediu. O prato inclui joelho e bisteca de porco defumados, misto de salsichas alemãs, chucrute e batatas e é uma delícia! Comemos muito e ainda sobrou.
       
      Depois do almoço, fomos de carro ao Morro de Elefante, que fica ali pertinho do Capivari. Lá em cima tem uma feirinha muito sem graça e uma vista bonita da cidade. Não é nada fenomenal, então minha dica é subir de teleférico, ao invés de ir de carro como eu, porque aí pelo menos você acrescenta uma atraçãozinha a mais ao passeio. De lá, demos uma voltinha pelo Alto Capivari para ver as casas, mas não dá pra ver muito não, pois as casas são bem cercadas. Depois voltamos ao albergue para um banho e descansar um pouco.
       
      À noite, voltamos ao Capivari, que, por ser sábado, estava muito mais cheio do que na noite anterior. Ainda estávamos muito satisfeitos com o almoço e não tínhamos condição de jantar, então resolvemos comer um petisco mesmo. Eu queria conhecer outro lugar, mas queria ficar ali na agitação das varandas dos bares e não enfurnada em um restaurante. Rodamos pelos bares, uns tinham música ao vivo e cobravam couvert artístico caríssimo, outros não aceitavam cartão de crédito... adivinha qual foi o único bar que não tinha música e aceitava cartão?? O Baden Baden! E lá fomos nós de novo! Comemos o bolinho de truta, mas foi meio sem graça e acabou num instante. Então pedimos novamente a deliciosa linguiça com queijo. Nessa noite fez muito, muito, muito frio e, mesmo toda agasalhada, não parava de tremer.
       
      No domingo de manhã, fomos conhecer a fábrica da Baden Baden. Há um tour guiado com degustação de chopp e uma tulipinha de brinde. Tem que pagar uma taxa que não me lembro quanto custou. Para conhecer a fábrica é necessário fazer reserva por telefone antes, eu liguei na quarta-feira e não tinha mais vaga, insisti com a menina e consegui para o domingo de manhã, mas quando chegamos lá soube que algumas pessoas não apareceram. Então minha dica é ligar com antecedência, insistir caso não tenha vaga e, se mesmo assim não conseguir, pergunte os horários das visitas e vá lá ver se sobrou alguma vaga. A visita é rapidinha, mas para quem gosta da cerveja, vale a pena! Há uma loja como a da cidade, mas na fábrica os produtos são mais barato, não me lembro se a diferença é de 1 ou 2 reais por produto, mas se você pretende comprar em boa quantidade, é um bom desconto.
       
      Voltamos para o Capivari e almoçamos o famoso Pastel do Maluf, que é enorme e dá para dividir tranquilamente para duas pessoas. Bem gostoso!
       
      De lembrança para a família, compramos Bolo de Pinhão (da Toco Chocolates); pastilhas de chocolate nos sabores laranja e canela (Laranjinha e Canelinha, da Chocolates Araucária – são bem gostosas e as mais baratas que achei. Comprei uma caixa de cada, pedi saquinhos e adesivos da loja, abri as caixas e montei os saquinhos, variando os sabores das pastilhas); conserva de alho (da Baronesa Café) e cervejas da Baden Baden.
       
      Numa visita anterior à cidade, conheci a Ducha de Prata (não perca seu tempo) e o Pico do Itapeva, que tem uma feirinha de roupas de frio muito boa.
       
      A cidade de Campos do Jordão é muito bonita e charmosa, mas não tem atrativos turísticos muito interessantes, não. A graça da cidade é mesmo ficar pelo Capivari “vendo e sendo visto”. É uma cidade cara, as pessoas se vestem bem e dirigem carrões, então é um bom investimento para quem está solteiro hahahahaha!!

    • Por stephanriederer
      Fala pessoal, finalmente consegui acampar em Campos do Jordão!

       
      O pessoal pode falar mal, mas graças ao guarda camping Enoque, o CCB está um brinco! os banheiros, impecáveis, foi um dos melhores campings que já acampei aqui no Brasil!

       
      cheguei bem cedinho no camping e já armei minha barraca

       
      parei lá em cima no ultimo patamar perto dos banheiros

       
      depois de tudo arrumado, reparem no gentleman aguardando o city bus

       
      buzão vazio, rapidinho, barato e confortável

       
      fui direto ao restaurante que um amigo meu me indicou, a mocinha Fräulein

       
      eles tem uma variedade de cervejas importadas incrível, só não tinham cerveja húngara...

       
      cerveja húngara não tinha, mas GULÁS tinha! e o gulás deles é uma delícia!

       
      tomamos umas cervejas alemãs e belgas, tem uma chamada vedett, que tem raspas de laranja dentro, eles servem num copo (este à esquerda da foto) com um pedaço de laranja dentro pra harmonizar... muito bom!

       
      e depois disso um passeio básico por Campos...

       
      pegamos 12 graus a noite! de manhã bem cedinho acordamos para passear no horto-florestal

       
      é bom ver que ainda temos muitas araucárias espalhadas por aí

       
      como havia chovido durante a madrugada, estava tudo um barro só, resolvi mudar o programa, não fui caminhar, então eu não sair do carro, fui fazer um rally até MG hehehehe

       
      no meio da trilha tinham umas casinhas que até agora nao entendi de quem são, estão todas abandonadas parece...

       
      o rally que eu fiz foi pela estrada do bosque vermelho

       
      no fim do passeio, mais um gulás húngaro, desta vez foi nesse restaurante aqui na beira da estrada

       
      olha, recomendo 100% a quem quiser fazer este passeio à campos, o camping está 10!
    • Por Marinaguazzelli
      Olá pessoal, tudo bem com vocês? Sempre leio os fóruns daqui, por isso, resolvi colaborar com as minhas dicas de viagem. Esse é o primeiro relato e vou falar sobre um bate e volta que fiz em Campos de Jordão - São Paulo.
      Sou de Santo André - Sâo Paulo, e no último domingo acordei cedinho e fui a Campos, o dia estava friozinho, ideal para o passei. Chegamos lá em torno das nove e meia da manhã, e fomos diretamente para o Museu Felicia Leirner, vale muito a visita ( principalmente para os amantes de fotografia como nós!), mas não tem muito o que fazer por lá, então, logo em seguida, fomos ao Palacio do Governador.
      No Palacio ( Que é praticamente ao lado do Museu) tomamos café da manhã em uma cafeteria com uma paisagem linda, mas com um atendimento não tão lindo assim, que fica do lado de fora. Para entrar, pegamos uma fila imensa, mas que valeu a pena, lá dentro pudemos apreciar obras de Anita, Tarsila e Di Cavalcanti, além dos moveis antigos ( Se não me engano século XVII),
      Saimos de lá rumo a Pedra do Baú, que é longeeeeee do centro ( Na verdade lá nem é mais Campos do Jordão), no caminho paramos na Gruta dos Criolos, que é legal pela história, por que o lugar propriamente dito, está abandonado e não tem nada o que fazer lá. Chegando a Pedra , pegamos a trilha que leva ao "bauzinho" ( 15 min caminhada ) e não a que leva ao topo do "Baú" ( 3 horas de caminhada) por falta de tempo, e não de vontade, por que o lugar é deslumbrante. Mas, de qualquer maneira, vale muito a visita, mesmo que só até o bauzinho, uma paisagem incrivel e que é possível subir até um pouco mais alto, por isso, meninas, vão de tênis.
      Voltando, por volta das duas e meia da tarde, e morrendo de fome, encontramos um restaurante, meio parque, meio pesqueiro, muito gostoso, chamado ECO PARQUE, comemos bem, em um buffet de 26 reais. Gostoso, deu vontade de ficar mais tempo.
      Passamos na super loja de chocolate da Cacau Show, nada de muito impressionante, e fomos a fábrica da Baden Baden ( Vale pesquisar bem o endereço, ou ir de GPS, pois é bem escondidinho e as placas da cidade não ajudam muito, ou seja, ficamos um bom tempo perdidos). Na fábrica de cervejas artesanais, era necessário o agendamento prévio para o tour e apresentação da fábrica, nós, obviamente, não tinhamos feito. Porém, a minha dica é, se você tentou agendar por telefone e não conseguiu, vá assim mesmo, pois muitas pessoas que agendam não vão, e então eles encaixam as pessoas que estão lá na hora. E foi o que aconteceu com a gente. Entramos no tour das 16hrs, pagamos 15 reais cada para entrar, escutamos toda a história da Baden Baden, aprendemos sobre os processos de fábricaçao e sobre os ingredientes utilizados, bem como o portifólio de bebidas, Depois desse mini-tour ( a fábrica é muito pequinininhaa) levaram a gente para a sala de degustação, tomamos dois copos de cervejas cada ( cristal e a block) e ganhamos um copo de brinde. Achei que compensa. Na saída tem uma lojinha em que você pode adquirir as cervejas por mais ou menos onze reais cada.
      Saímos correndo, e fomos ver o por do sol no morro do Itapeva, passando rapidamente pelo lago de Itapeva. A paisagem é bonita ( não tanto quanto a da Pedra do Báu!) e lá em cima tem umas lojinhas com uns preços bacanas ( Lenços por 10 reais !!!).
      A noite, fomos a Capivari, demos uma voltinha no centro , que estava lotado e frio, e jantamos no badalado restaurante Baden Baden, que tinha uma fila de espera meia grande mas que andou bem rápido, comemos a famosa linguiça recheada com queijo, bolinhos de tilápia, vinho quente e mais cervejas baden baden. Uma delícia o lugar, mas prepare-se para gastar. Aproveitamos por algumas horas e voltamos para Casa. Foi um dia muito bacana, e muito bem aproveitado!!! Espero que tenham gostado !! Até a próxima. Marina
  • Seja [email protected] ao Mochileiros.com

    Faça parte da maior comunidade de mochileiros e viajantes independentes do Brasil! O cadastro é fácil e rápido! 😉 

×