Relatos de Viagens por 2 ou mais países da América do Sul
#737617 por Sorrent
16 Jul 2012, 23:35
Hola chicos de Brasil!!!

Vou relatar minha experiência nesse tradicional mochilão entre Bolívia Chile e Peru que aconteceu entre os dias 01 e 30 de junho. Lembrando que o fato de ser comum, de forma alguma faz com que seja uma viagem "mais ou menos", aliás eu diria que se o que te falta é um incentivo, nem leia este relato, pegue sua mochila e vá. Eu garanto que será a melhor experiência da sua vida :!: :!: :!: No entanto devo lembrar que o fim da viagem é muito difícil, bate uma deprê enorme na hora de voltar, mas vale a pena! :D
Fiquei cerca de 6 meses planejando essa viagem que por sinal conheci por meio do mochileiros.com, praticamente todas as informações que colhi foram daqui então o mínimo que poderia fazer é um relato como forma de agradecimento e quem sabe como incentivo a outras pessoas também fazerem esse mochilão.
Foi minha primeira viagem internacional e foram 30 dias sensacionais. Desertos de areia, de sal, montanhas nevadas, mata, grandes cidades, pequenas cidades, cidades perdidas etc. O ganho é enorme, cultural, visual, social e álcoolicamente falando. heheheh. Em 30 dias conheci pessoas maravilhosas, fiz diversos amigos, sim, amigos e não colegas, no mundo inteiro.
É uma viagem onde é possível conhecer lugares incríveis, festejar muito e refletir sobre a vida (a minha com certeza ganhou um rumo diferente). Passei por alguns apuros durante a viagem mas não tem como fugir dos imprevistos.
Vou tentar detalhar bastante mas não adianta, muitas informações se perdem no meio do caminho mas não tem problema, quando está lá as coisas acontecem bem naturalmente.

Vamos ao que interessa :!: :!: :!:


Antes de tudo vou deixar um vídeo que dá uma boa ideia do que foi esta viagem:
phpBB [video]



O roteiro
O roteiro final foi o seguinte:
Santa Cruz de la Sierra
Sucre
Potosi
Uyuni
San Pedro de Atacama
Arica
Tacna
Arequipa
Nazca
Paracas
Huacachina
Cusco (com Salkantay)
La paz
Santa Cruz de la Sierra

As únicas diferenças do roteiro original foram a inclusão de Nazca e a exclusão de Copacabana devido a acontecimentos no meio da viagem

Para a galera ter uma noção melhor da localização das cidades, vou colocar o roteiro que eu fiz no Tripline antes de viajar. No final as anotações nesse roteiro não bateram totalmente com o que aconteceu então é só pra ter uma ideia mesmo(eu editei para excluir Copacabana e incluir Nazca).

Imagem

Gastos
Passagens Guarulhos x Santa Cruz: R$ 447,00 ida e volta pela Gol. Comprei com 2 meses de antecedência mas pelo que vi esse é o preço normal.
Passagem Santa Cruz x Sucre: US$ 57,00 pela BOA http://www.boa.bo/brasil/inicio (comprei pela internet no cartão de crédito, rápido e sem problemas)
Levei comigo em dinheiro R$ 2000,00 e US$ 600,00 (cerca de R$ 3200,00) e sobrou mesmo depois de comprar alguns presentes. Exageramos principalmente com comida no Peru (que é ótima) a ponto de desperdiçar e posso dizer que se você for mais controlado, dá pra fazer com pouco menos de 3000,00 tranquilamente.

Pra quem não quis calcular, o gasto total foi de R$ 3700,00 aproximadamente
OBS: não tenho nenhuma planilha de gastos, não fiz e acho que não fez falta em nenhum momento, muitos gastos estão detalhados no meio do relato, acho que o importante é saber mais ou menos quanto dinheiro precisa no total e o valor de alguns passeios mais caros ou de transporte em alguns trechos mas não tem por que saber quanto custa um pirulito na banquinha de doces em frente ao terminal de ônibus de Sucre por exemplo. ::tchann::


DICAS
- Primeira e mais importante, se você vai viajar nos próximos meses NÃO compre passagens pela Aerosur, a empresa está em situação crítica, ainda não se sabe se vai falir mas para se ter uma ideia, no aeroporto de Viru Viru não há ninguém nem mesmo atendendo nos balcões da companhia mesmo assim o site e diversas agências de viagens continuam vendendo suas passagens. Fique esperto, não compre. Dois amigos que estavam comigo compraram e se deram mal, também encontramos outras pessoas na mesma situação.
- Não quis apostar em VTM e coisas do tipo pois já vi varias pessoas tendo problemas como maquinas engolindo ou dificuldade em achar lugares pra gastar, então resolvi ficar só com o moneybelt (R$19,90 na Decathlon ::cool:: ), ficava 99% do tempo comigo, pode ser arriscado mas não tive problemas.
- O trecho Santa Cruz x Sucre decidi fazer de avião pois dizem que não é muito bom fazer de ônibus devido às condições da rodovia, além de levar cerca de 17 horas, portanto como o preço indo de avião é bem acessível, eu recomendo afinal você também não perde um dia de viagem.
- Provavelmente só mudaria uma coisa na viagem toda e deixo aqui a dica: leve dólar, se puder, tudo em dólar. Resolvi levar real e realmente não há problemas em fazer troca, ele é aceito em casas de câmbio em quase todas as cidades mas eu perdi dinheiro sempre. Vou exemplificar. Comprei meus dólares na semana da viagem (brasileiro deixa tudo pra última hora né heheh) e paguei R$ 2.10 no câmbio e por exemplo na Bolívia no aeroporto Viru Viru o câmbio era o seguinte:
Real: 3,00 bolivianos
Dólar: 6,84 bolivianos
Então vamos lá, calculadora em mãos, rssss. Com R$ 2,10 eu compraria 6,30 bolivianos, mas com os mesmos R$2,10 eu compraria US$ 1,00 e trocaria ele por 6,84 bolivianos e estamos falando de dinheiro para um mês todo, no final esses centavos fazem muita diferença. Com a moedas dos 3 países isso acontecia, a única diferença era quanto dinheiro eu perdia ::putz:: as vezes mais, as vezes menos por isso hoje eu digo leve dólar


Preparativos
Posso dizer que pra algumas coisas sou meio despreocupado mesmo, a única coisa que fiz basicamente foi definir o roteiro e ir. Mesmo indo em alta temporada(para o Peru pelo menos devido ao Inti Raymi) não reservei nada, hostel, passeios, nada e digo que podem fazer da mesma forma sem medo pois por mais incrível que pareça, reservando algumas coisas com antecedência você pode pagar mais caro.
Como não tinha nenhum amigo que podia ir junto no mesmo período me programei psicologicamente para ir e ficar sozinho. Santa ingenuidade :!: :!: :!: Se você quiser ficar sozinho nessa viagem tem que fazer um esforço enorme pra isso (e mesmo assim acho difícil conseguir :D ) mas eu não sabia disso então comecei a procurar pessoas aqui mesmo no mochileiros que fossem fazer a viagem nessa época. Troquei mensagens com várias pessoas e montei um grupo no Facebook porém a maioria das pessoas não ia na mesma data então acabamos usando mais pra trocar informações porém um deles, o Thiago iria na mesma data que eu juntamente com o Rogi e até o Salar de Uyuni nosso roteiro era o mesmo. Depois viemos a descobrir que nosso voo era o mesmo saindo de Guarulhos. Pronto, já não estava mais sozinho e nem tinha saído do Brasil.
Conheci também Fernando e Beatriz que estavam em outro grupo com 90% do roteiro igual ao meu porém eles iriam sair de SP um dia depois de mim. Como haveria essa diferença de um dia, pelos meus cálculos, não conseguiríamos nos encontrar no começo da viagem então decidi não me comprometer a fazer parte do grupo mas mantive contato planejando me encontrar com eles em Uyuni ou Atacama. Minha ideia o tempo todo foi me preparar para estar sozinho e se algo diferente acontecesse seria lucro, mas se eu planejasse estar acompanhado o tempo todo e não conseguisse isso, seria bem pior.
Tive problemas com o certificado internacional de vacinação contra a febre amarela mas vou contar no relato.
No começo estava em dúvidas se começava o roteiro por La Paz para comprar roupas por lá pois não tinha nada para aguentar o frio do Salar mas desisti da ideia e comecei por santa cruz mesmo então fui na Decathlon ver se achava algo que desse pra usar por lá a um preço aceitável. Encontrei na seção de Snowboard uma jaqueta em promoção, me pareceu boa. Comprei ela, uma calça underwear por 39,90, o moneybelt e só, rssss (lembra q sou meio relaxado? heheh).
O resto foram roupas comuns, jeans, camisetas dry fit, umas de algodão,blusas leves, nada demais!
Mochila foi uma de 55L se não me engano. Aconselho uma de 65 pelo menos principalmente se for mulher pois tem algumas tranqueiras a mais hehehe mas somente por praticidade pois a minha serviu bem. Mas se você for daqueles que gosta de comprar bastante coisa no caminho como lembranças e etc, lembre-se que terá que guardar em algum lugar. ::otemo::

DICAS
- Nessas horas tem gente que acha que até a escova de dente tem que ser adaptada para mochileiros e eu sou prova viva de que não é bem assim. Claro que isso é uma opinião bem pessoal mas só digo que não é essencial ok? ::cool::
Nem mesmo bota eu usei. Fui com um tênis Olympikus velho com um ano de uso (e olha que eu fiz a Salkantay hehe) e não me arrependo.



1° dia - Guarulhos x Santa Cruz de La Sierra
Acho que nem preciso dizer o tamanho da ansiedade nesse dia né? rsss. Acordei cedo e fui no Instituto Emílio Ribas que fica relativamente perto de casa, pois lá conforme consta no site da Anvisa, emite o Certificado Internacional de Vacinação para a febre amarela que (teoricamente) é exigido nesses países. Bom, chegando lá descobri que eles realmente emitem o certificado mas APENAS se você tomar a vacina lá ( o mesmo acontece com todos os outros postos credenciados que estão na lista do site da ANVISA) e eu já havia tomado a vacina 2 anos antes portanto o que eu deveria fazer seria me dirigir a um posto da própria ANVISA e não um posto credenciado. OBS: Essa informação consta em letras minúsculas na lista da ANVISA e eu é claro, não vi.Lá no instituto a mulher me disse que não havia problemas pois o posto da anvisa funcionava 24H no aeroporto de guarulhos pois era internacional e bla bla bla, só o de Congonhas que fechava as 17H. Pedi pra usar o telefone dela pra ligar na ANVISA e confirmar somente por precaução, ela até deixou mas quem disse que funcionou? provavelmente o número estava errado. Ela falou mais algumas vezes, eu acabei me convencendo e pensei "saio mais cedo de casa, passo na ANVISA no aeroporto e tá tudo tranquilo". Hehehehe você acha que deu certo??? Continue lendo.
Meu voo era as 22:00, saí mais cedo de casa mas tranquilo pois a ANVISA funcionava 24H então teria tempo de sobra :? . Busão, metrô, adrenalina a mil. Cheguei no aeroporto as 18:45 e me dirigi ao balcão de informações perguntando onde era a ANVISA, nisso a mocinha vira e manda na lata: "você quer pegar o certificado agora? A ANVISA fechou às 18:00 mas vai la e vê se tem alguém". Hahah nessa hora só pensei: "Fod*u" mas mesmo assim foi la e adivinhem......estava aberta??? Claro que não. Voltei ao balcão e perguntei pra moça se era realmente obrigatório o certificado, ela não tinha certeza mas ligou pra alguém que disse enfaticamente "sim é obrigatório". Hehhe eu estava rindo pra não chorar, já pensei que teria remarcar minha viagem e estava pensando nos transtornos.
Passados uns 5 minutos de reflexão pensei: "já estou aqui mesmo, vou arriscar, tenho minha carteira de vacinação brasileira, com isso mais uma boa conversa ou quem sabe no máximo um "cafezinho" eu consigo passar", no máximo eu seria deportado acusado de tentar subornar um oficial hahah, mas eu estava de férias, viajando....... que se dane.
Enrolei um bom tempo no aeroporto, fui fazer o check-in com medo de me pedirem o certificado, vi que tudo estava transcorrendo bem e então no final perguntei pra moça da GOL e ela me disse que dificilmente pedem mas lá na Bolívia então ja me senti mais aliviado, pelo menos do Brasil eu iria conseguir sair hehehe. Enrolei mais um pouco e quando deu a hora fui pra sala de embarque. Resolvi então enviar uma mensagem para o Thiago e ele me disse que estava tomando uma no bar do aeroporto mas como eu ja estava na sala de embarque não pude me juntar a eles, fiquei então namorando as coisas no Duty Free (a primeira vez lá você nunca esquece hehehe). Pouco antes de embarcar só ouvi um "eaee", eram Thiago e Rogi.
Conversamos um pouco e de cara vi que eles eram super gente boa então iríamos nos dar bem.
Como eu havia dito, nosso roteiro era o mesmo até Uyuni. No primeiro dia chegaríamos em santa cruz às 1:20 da manha e teríamos o voo pra Sucre por volta das 9:00, a única diferença é que eu iria de BOA e eles compraram passagens da AEROSUR (pois é eles se deram mal).
Nosso voo saiu no horário em Guarulhos, fizemos a escala em Campo Grande e então consegui sentar mais próximo deles no avião para conversarmos. Nisso eles já estava conversando com um senhor boliviano gente boa que nos deu algumas dicas do que fazer em Santa Cruz.
Chegamos em Santa Cruz e a felicidade era facilmente perceptível mesmo antes dos tramites aduaneiros. Era o começo da tão sonhada viagem, o primeiro dos 30 dias o primeiro carimbo no passaporte (no meu caso), sensação muito boa.
Preenchemos e entregamos os formulários, eu ainda com medo de ser questionado a respeito da carteira de vacinação mas no final deu tudo certo. Passamos pela "inspeção" de bagagem e estávamos liberados. Oficialmente em território boliviano, e livres.


Imagem
Rafael, Rogi e Thiago. Estava apenas começando.


Imagem
Agora não tem volta.

Ok, eram 1:30 da manhã e nosso voo para Sucre só iria partir as 09:00. O que fazer então? dormir no segundo andar como a galera faz? Tá de sacanagem né? heheheh. Conforme preciosas informações colhidas durante o voo com nosso colega boliviano, resolvemos explorar a noite boliviana hehehe. Antes de tudo fomos guardar nossas mochilas no aeroporto mesmo, por um período maior que duas horas paga-se 50 bolivianos e foi o que pagamos mas as mochilas dos 3 couberam em apenas um armário então estava tranquilo. Os armários não tinham cadeado e eu tinha que deixar meu moneybelt lá pois estava com o dinheiro da viagem toda e não iria andar por ai com tudo mas ficava um tiozinho tomando conta da sala com os armários e controlando quem colocava e retirava as coisas então resolvi arriscar afinal não havia muito o que fazer. Se precisar, a casa de câmbio do aeroporto está aberta nesse horário e no dia estava coma cotação que mostrei no começo do tópico.
Antes de tudo fomos ao balcão da Aerosur para ver se Thiago e Rogi teriam algum problema e descobrimos que não havia nenhum funcionário da Aerosur no aeroporto, ou seja eles estavam ferrados. Encontramos um jovem casal brasileiro com o mesmo problema. A saída? Comprar outra passagem.
Livres de mochilas tomamos um táxi até o centro de santa cruz. Custava 60 bolivianos mas chorando ficou por 50. Dica: se não sabe pechinchar já vá praticando, rssss, será muito útil.
Fomos até uma praça que não sei o nome mas tinha uma baladinha nela que se chama Buffalo (ou algum outro bicho grande ::lol4:: não lembro bem). Até que tinha um bom movimento na praça (não fomos na balada) e logo que chegamos fomos tomar nossa primeira Paceña. Eu não sou de beber cerveja, não gosto mas isso mudou bastante nessa viagem hehehe. Comprávamos as primeiras latinhas logo ao chegar na praça e já fomos abordados, isso mesmo abordados por duas simpáticas bolivianas. Descobri que brasileiro tem cara de brasileiro e é facilmente reconhecido por lá, segundo elas, rsss. Conversamos, bebemos, papo vai papo vem e demos um perdido nas duas, ou elas deram na gente, tb não lembro hehehe.


Imagem
As primeiras Paceñas e as primeiras experiências sociais na Bolívia!! :D
Imagem
Viva a Paceña!!!

Fomos então dar uma volta pela rua e então reparei um grupinho passando e uma menina estava olhando e rindo então pensei: "será q to cagado?" hehehe mas continuamos andando, voltamos pra onde estávamos na praça e vi que essa menina estava lá com suas outras amigas, mais uma vez fomos intimados (acho que isso acontece bastante por lá hehehhe) e então conhecemos Karmiña, Paola e Yoseli com quem conversamos e bebemos a noite toda. Acabamos descobrindo que os brasileiros tem muita fama por lá segundo elas. Algumas acham uma fama boa, outras, ruim. :twisted:
durante a noite conhecemos outras pessoas também, como a maioria ali estava borracho, se enturmar era muito fácil. Tinha um boliviano que parecia falar chinês, ninguém entendia o que ele falava, rssss.
Ficamos em frente essa balada e do lado de fora pudemos perceber que na praça estava melhor que lá dentro. Aliás não pudemos deixar de nos emocionar quando mesmo da rua ouvimos tocando Kaoma lá dentro heheheh. Mas para ter certeza se valia a pena entrar ou não conversamos com o cara da porta da balada e usei a velha tática do "deixa um de nós entrar pra ver como está lá dentro e ele volta pra falar". Foi então que o Thiago entrou e realmente percebemos que estava melhor lá fora.
Ficamos até umas 6 da manha e garanto que foi ótimo, muito melhor que dormir em aeroporto no nosso caso, deu pra beber bastante, conhecer pessoas legais e já sentir o clima da Bolívia e da viagem..........
Se você for chegar nesse voo da madrugada e vai em clima de curtição eu aconselho bastante ir pra praça no centro, agora se for num clima mais light, melhor o segundo andar do aeroporto mesmo ou alguma outra coisa.
Imagem
Paola, Rafael, Yoseli, Karmiña, Thiago e Rogi


Imagem
O boliviano que falava chinês! Borracho! hehehe

Imagem
O clima era esse :D.

Quando foi umas 6 da manhã nos despedimos de nossas novas amigas, trocamos contatos e voltamos para o aeroporto pois o Thiago e o Rogi ainda tinham que resolver a questão da passagem para Sucre afinal haviam comprado na Aerosur. Pagamos mais 50 bolivianos no táxi para a volta.
Imagem
A despedida

Chegamos no aeroporto e fomos verificar nas companhias BOA e TAM preços e disponibilidades para Sucre. Se não me engano na BOA não tinha então os dois compraram outra passagem na TAM.
OBS: não é a mesma TAM que temos aqui, essa é Transporte Aéreo Militar mas pelo que vi, parece ser confiável.
Eles compraram as passagens por algo em torno de 60 ou 70 dólares para a mesma manhã porém havia um detalhe, o voo não sairia de Viru Viru e sim do outro aeroporto, o El Trompillo, então fiquem espertos ao comprar na TAM pois tem que ir ao outro aeroporto. Em frente ao Viru Viru sai um busão que custa meio caro (não tenho certeza mas acho que uns 100 bolivianos para o outro aeroporto). Comemos um lanche no Subway, conversamos um pouco, pegamos as malas e fizemos nossa programação para nos encontrarmos em Sucre.
O voo de Thiago e Rogi chegaria cerca de 1 hora e meia antes do meu pois eu teria uma conexão em Cochabamba então combinamos de eles darem um role pela cidade e nos encontraríamos no terminal de onibus de Sucre pois já partiríamos para Potosi. Será que deu certo???????

Imagem
Aeroporto Viru Viru

Continua....
Editado pela última vez por Sorrent em 17 Mar 2015, 09:17, em um total de 29 vezes.

#737947 por MariaEmilia
17 Jul 2012, 19:59
Oi,

Legal seu relato.

::otemo:: ::otemo::

Quanto ao local que você foi em Santa cho que é a "balada" do Cine Center. ::cool:: ::cool::

Então, aquardando, cenas dos próximos capítulos.

::otemo:: ::otemo::

Maria Emilia
#737995 por Sorrent
17 Jul 2012, 22:04
2° dia - Santa Cruz x Sucre
Tecnicamente a primeira madrugada já fazia parte do segundo dia mas vamos deixar como está, ok? :D
Eram 7 da manhã, Thiago e Rogi já haviam saído no ônibus para o outro aeroporto, meu voo para Sucre sairia as 9:55 da manhã então como estava cansado pois não havia dormido à noite resolvi apelar para o segundo andar do aeroporto. Me encolhi em duas cadeiras e tirei um cochilo. Pessoas chegavam e saiam, sentavam do meu lado mas eu não estava nem aí, o cansaço falava mais alto. Quando chegou a hora, fui para a sala de embarque, aproveitei a conexão Wi-fi e perdi um tempinho na net até a hora de embarcar. Deu o horário e fui para o avião e aqui amigos, começava o primeiro aperto que passei na viagem.
Imagem
Indo para Cochabamba

Até então tudo certo, voo no horário, estava tranquilo. Cheguei às 11:30 em cochabamba para a conexão, fazia calor então fui a banheiro, lavei o rosto, renovei o desodorante ::cool:: etc etc
Imagem
Aeroporto em Cochabamba

De repente parei e olhei o cartão de embarque e vi que o horário do voo era as 11:55 PQP, correeeee......
Ainda passei no balcão da BOA e perguntei sobre a minha bagagem, ela disse que não havia problemas e que por ser conexão ela já seria enviada diretamente para Sucre, e ela ainda reforçou o "Corre FDP senão vai perder o voo!!!" ok, não com essas palavras mas juro que foi o que eu ouvi hahahaha :D . Nessa hora sai correndo literalmente, até o cara do raio x nem quis olhar pra minha cara, parecia que a única coisa que eu ouvia ao meu redor era "correeee safado!". Eu era o último que faltava embarcar e até os seguranças falavam "corre senão não vai dar" e por pouco eles não foram embora e me largaram pra trás. Mas é claro que ainda deu tempo de tirar uma foto do avião me esperando hehehe:
Imagem
Só faltava o mané aqui.

Ufa, consegui ::hãã2::
Segui então para Sucre:
Imagem
Cochabamba vista do alto[/picturethis]

Cheguei um pouco antes das 14:00 em Sucre já aliviado pelo que havia acontecido e fui retirar minha mochila. Parei em frente a esteira e esperei.........esperei.........esperei mais até que a ultima mala passou :shock: , ainda coloquei a cabeça pra fora da sala pra ver se não tinha ficado alguma mala no carrinho e realmente não havia nenhuma. só pensei: "fod*eu, de novo" :!:
Fui educadamente ao balcão da BOA explicar o ocorrido (gritar e xingar meio mundo não adianta nada ok? ::cool:: ). A atendente explicou a situação para o supervisor, senhor Freddy, que pediu para que eu entrasse na sala e respondesse mais algumas questões. A primeira coisa a se fazer foi tentar localizar a mochila, então ele ligou para o outro aeroporto e 5 min depois após confirmar alguns dados como cor e etc, ele confirmou que minha mala estava realmente no aeroporto de Cochabamba.
A reação dele foi tentar jogar a culpa para mim dizendo que eu deveria ter despachado a mochila novamente, expliquei então que foram orientações da funcionária da BOA e ele engoliu mas disse ainda que eu deveria ter checado para onde estava sendo enviada a minha bagagem e eu disse que é obrigação da funcionária fazer o serviço dela corretamente e eu não podia ser culpado por não corrigir um erro da funcionária da empresa. Mais uma vez ele ficou sem argumentos. Nessa já estava Brasil 2 x Bolívia 0 hehehe. Freddy disse que eu teria que voltar no outro dia pra buscar a bagagem pois não havia mais voos para Sucre naquele dia. Expliquei então minha situação para ele, disse que não ficaria em Sucre, estava indo para Potosi e Uyuni (verdade) e que haviam pessoas me esperando lá (mentiiira) portanto não tinha nem onde ficar. Eu não estava mentindo muito, só criei uma história convincente para facilitar meu lado pois naquele momento minha mente estava trabalhando, já sabia que tinha me dado mal então tinha que ganhar algo na situação. Como já havia trabalhado em hotéis e hoje trabalho em aeroporto, tenho uma boa noção de quais são nossos direitos em casos como esse. ::otemo::
Freddy tratou então de me conseguir um hotel para passar a noite e disse que era só eu pegar um táxi e ir pra lá que estava tudo certo, no outro dia pegaria minha mochila. Não aceitei e falei que queria transporte e uma refeição (sim, temos direito a isso também) e Fredy negou. Disse então que não precisava se preocupar, que eu iria na polícia turística e depois resolveríamos isso então novamente ele gaguejou, saiu telefonou e quando voltou disse que havia uma van da empresa saindo para o centro em 20 min e que eles me deixariam lá e que eu teria café da manhã no hotel. Eu sabia que deveria ter mais uma refeição mas àquela altura já estava bom afinal a discussão durou quase 1 hora e eu queria sair dali. Lembrando que toda essa "discussão" foi bem educada, apenas com a injustiça tentando pesar para o meu lado.
Saí do aeroporto e fui esperar a van, aproveitei o wi-fi para enviar msg ao Thiago e Rogi explicando a situação. Sabia que naquele horário eles já deviam ter saído para Potosí pois havíamos combinado que se alguém não aparecesse, quem estivesse lá, seguiria em frente. Expliquei tudo, desejei-lhes boa viagem e segui para a van.
20 minutos nada, saiu quase 1 hora depois e eu lá constantemente reclamando com Freddy sobre a demora mas enfim uma hora ela saiu e lá estava eu, só com a roupa do corpo e a mochila menor seguindo para o centro de Sucre.


O aeroporto é distante do centro e a primeira impressão que tive de Sucre foi "mas que cidade feia", sério não vi graça e só conseguia pensar em que pulgueiro o Freddy iria me colocar mas quando foi chegando no centro as coisas foram
mudando bastante.
Chegamos no centro e a van me deixou em frente ao hotel ai eu vi que minha sorte estava mudando. Sucre é uma cidade muito bonita e no final das contas a BOA me hospedou no que fiquei sabendo ser o hotel mais caro da cidade, o Capital Plaza, de frente para a Plaza 25 de mayo.
http://www.capitalplazahotel.com.bo/
Fiz o check-in e a primeira coisa a se fazer era tomar um bom e merecido banho afinal aquele seria o único hotel onde eu ficaria na viagem então tinha que aproveitar. Tomei banho, a minha sorte é que estava com uma camiseta dry fit e tinha uma cueca reserva na mochila menor uhauhahu, então o jeito era improvisar, lavei a camiseta no chuveiro mesmo, sequei bem e la estava eu pronto para desbravar Sucre(com a mesma roupa hahah ::hãã:: )
Imagem
Quarto do hotel

Imagem
Hotel Capital Plaza, parecia cenário de novela :!:

Imagem
Hotel visto da praça

Tudo pronto, peguei um mapa na recepção, e saí pra minha primeira volta em Sucre e quero ressaltar: que cidade bonita!!!! Naquele momento eu estava separado de meus amigos Thiago e Rogi e tinha que aceitar que nem iria mais encontrá-los então saí do hotel com duas missões: Conhecer os pontos turísticos e fazer amigos :D
Dei uma volta na praça, tirei algumas fotos, olhei o mapa e decidi que o primeiro lugar a ir seria o mirador Recoleta por ser mais perto, mas antes eu precisava trocar dinheiro pois já estava com poucos bolivianos. Andando pela praça notei um grupo de meninas sentadas num banco, passei por elas e vi que olharam pra trás. Eu que já estava esperto ainda tirei uma foto no flagra!!
Imagem

Na hora pensei "é ali mesmo que vou começar". Me aproximei delas e com todo aquele papo furado de turista brasileiro perdido ganhei a simpatia das meninas. Falei que procurava uma casa de cambio e uma delas começou a me explicar onde encontrar, chamei então elas para irem comigo se não estivessem ocupadas e duas delas aceitaram, as outras ficaram pois a mãe de uma delas (que depois eu descobri estar junto hahahha) não gostou muito da ideia.
Saimos então e fomos caminhando até a casa de cambio, conversamos bastante, peguei várias informações de onde ir e como ir e depois de meia hora mais ou menos nos despedimos pois eu iria ao mirador.
Antes de ir elas me recomendaram um bar chamado Vieja Bodega, fica quase de esquina com a praça e como nos despedimos ali em frente decidi tomar um Pisco Sour (segundo os gringos pronuncia-se sáuor e não sur como eu imaginava ::tchann:: )

Imagem
Elas me ajudaram bastante.

Imagem
O Vieja Bodega é um bar muito estiloso, fica ao lado do Joy Ride, outro bar muito bom. Recomendo ambos caso você esteja em sucre e queira tomar umas.

Tomei meu primeiro Pisco e gostei bastante, vale a pena.
Saí do bar dei mais uma volta na praça (essa praça é muito bonita) tirei algumas fotos e segui para o mirador. Da praça é bem fácil, basta subir a Av. Audiência por algumas quadras e em cerca de 10 minutos (ou mais se voce estiver sofrendo com a altitude) você chega. Nada mais é do que uma parte alta da cidade onde você tem uma boa vista, tem inclusive um bar por lá com algumas cadeiras em posição estratégica com uma vista muito boa, vale a pena sentar e tomar algo.

Imagem
Prefeitura em frente à praça

Imagem
Subindo para o mirador

Imagem
Vale a pena ficar um tempinho ali

Voltei do mirador para a praça e já eram umas 16:00 eu acho e eu queria ir ao parque Cretáceo naquele dia ainda e segundo minhas amigas me disseram, seria possível mas eu havia perdido um ônibus especial do próprio parque que sai da praça 25 de mayo e naquele dias não passaria mais nenhum então tinha que descobrir outro jeito. Depois de perguntar pra algumas pessoas cheguei até uma rua próxima da praça onde passa um ônibus comum que passa lá no parque, linha 3 se não me engano mas basta perguntar em agências ou para policiais na rua, eu fiz e deu certo.
O ônibus custou menos de dois bolivianos. O trajeto demora um pouco e eu tirei um bom cochilo no caminho e quando acordei vi que era o único, sentei na frente e comecei a puxar papo com o motorista, muito gente boa. No caminho passamos por uma rodovia onde estava tendo uma greve de caminhoneiros. Vários e vários caminhões parados (sem impedir o trânsito). O detalhe é que (não sei se por causa disso) a rodovia estava com vários buracos, alguns eram verdadeiros degraus na pista, enormes. mas enfim, chegamos na parada do parque 1 hora depois aproximadamente que alias a o ponto final do busão. O problema é que na hora de descer o simpático motorista me deixou um pouco aflito dizendo que eu não poderia demorar no parque pois aquele que eu vim era o ultimo ônibus e os táxis não estavam vindo até lá tarde por causa da greve. PQP já saí do busão achando que passaria a noite dormindo na rodovia então pensei em fazer tudo bem rápido mesmo afinal já eram umas 17 horas.
Subi uma pequena ladeira até a entrada do parque, fui até a bilheteria pagar a entrada (há um preço para estrangeiros e outro para bolivianos), não me lembro do preço mas acho que eram 30 bolivianos a entrada. O parque parecia estar vazio e eu estava sozinho então já pensei, hmmmm "passeio meia boca" mas quando estava pegando o troco na bilheteria só ouvi: "hola, esta solo?". Eram Marlene e suas amigas (passei por elas subindo a ladeira mas com aquele negócio de transporte pra voltar na cabeça, nem reparei) que também estavam chegando ao parque. Respondi que sim, nos apresentamos e elas me convidaram para me juntar a elas. Eram bolivianas de La Paz e estavam viajando não lembro por qual motivo hehhe.
Mais uma vez, não estava sozinho, ótimo!!! ::otemo::


Imagem
Entrada do parque

Entramos e estava passando um vídeo sobre os dinossauros (jura??? heheh) mas estava no meio e não ficamos pra ver. como tínhamos pouco tempo resolvemos não esperar pelo guia e fomos dar uma volta por conta própria mesmo. O parque estava vazio, não me lembro de ter visto outras pessoas fora uns 5 que estavam lá dentro vendo o vídeo.

Imagem
Olha o tamanho dos bichos!

Imagem

Imagem
O mais legal desse parque foi o pôr do sol.

Imagem

Imagem

À noite os bichos ficam iluminados e emitem alguns sons mas nada muito emocionante também.

Imagem

Demos umas voltas, tiramos varias fotos, vimos tudo que tinha por lá e resolvemos ir embora e para minha sorte as meninas também estavam indo para a praça central pois iriam pegar um ônibus para La paz ainda naquela noite. Na saída do parque encontramos um táxi e fiquei mais aliviado, nos esprememos os 5 naquele carro (os carros lá são pequenos) mas demos um jeito :D e conseguimos voltar. A corrida do parque ao centro deu 20 bolivianos e durou cerca de 30 min. Andar de táxi na Bolívia é muito barato, aproveite.
Passei no hotel deixei minha mochila e fomos dar uma volta pela praça pois elas ainda tinham algum tempo. Tiramos mais fotos, conversamos e depois nos despedimos combinando de nos encontrar novamente em La Paz no final da minha viagem (coisa que nunca aconteceu 8) )

Imagem

Eram umas 20:30 e apesar de não ter dormido na noite anterior, ainda não estava com sono (essa viagem faz isso coma gente) então tomei outro banho e fui dar uma volta pelas ruas de Sucre (ainda com a mesma roupa hehehe :!: ). Aproveitei e entrei num restaurante ao lado do Vieja Bodega e comi uns Tacos, não lembro o nome do lugar mas não será difícil de achar. E também há outras opções pelo que vi. Continuei andando, entrei num prédio onde estava acontecendo uma palestra gratuita sobre antropologia (que eu acho bem legal) mas entender aquele espanhol num alto falante não estava fácil então saí. Depois da caminhada sentei um pouco na praça e fiquei ali apenas observando o movimento.
Sucre é uma cidade muito charmosa, não estava nos meus planos passar uma noite nela mas de certa forma acabei gostando da experiência com a BOA.

Imagem

Tirei mais algumas fotos e quando eram quase 23:00 resolvi ir para o hotel e desfrutar do que seria provavelmente a melhor cama durante a viagem. Já estava ficando cansado afinal eram umas 40 horas sem dormir e no outro dia teria muito mais...........


Obs: o Parque Cretáceo eu achei bem fraquinho, recomendo apenas se você tiver tempo livre. Não fique em Sucre só por causa dele nem deixe de fazer outras coisas por causa dele.
Sucre é realmente muito bonita, é a famosa "cidade branca", vale a visita com certeza!!! Várias vezes eu fiquei sentado na praça 25 de mayo apenas observando o movimento!! ::cool::
Editado pela última vez por Sorrent em 06 Abr 2015, 09:41, em um total de 12 vezes.
#737997 por Sorrent
17 Jul 2012, 22:10
Fael Lagosta escreveu:Fodástico esse roteiro, to muito afim de ir ano que vem e estava em duvida se animaria pois vou sozinho.
Agora eu tenho certeza que vou. hehehehe


O roteiro é bom mesmo e por ser um círculo facilita nos deslocamentos entre uma cidade e outra! Quanto a ir sozinho, não se preocupe pois você no máximo só vai sair do Brasil sozinho, tenho certeza que fará diversos amigos pelo caminho!!!
#737998 por Sorrent
17 Jul 2012, 22:12
MariaEmilia escreveu:Oi,

Legal seu relato.

::otemo:: ::otemo::

Quanto ao local que você foi em Santa cho que é a "balada" do Cine Center. ::cool:: ::cool::

Então, aquardando, cenas dos próximos capítulos.

::otemo:: ::otemo::

Maria Emilia



Oi emília, obrigado!!! legal que está gostando!!
então nessa praça tem duas baladas e uma delas eu vi aqui e é Buffalo mesmo, a outra deve ser essa cine center então. não lembro hehehe!
#738064 por _Umpdy
18 Jul 2012, 01:24
O vídeo ficou sensacional, estou aguardando o restante do relato.
Farei a trip em agosto com meu brother, serão 26 dias. Então capricha nas informações que serão muiiiiito útil. ::hahaha::

Abraços,
#738388 por Sorrent
18 Jul 2012, 22:20
3° Dia: Sucre x Potosi x Uyuni

Acordei por volta de 8 da manhã e fui tomar café no próprio hotel. Barriga cheia, tinha então que passar o tempo pois minha mochila estava prevista para chegar entre 11:00 e meio dia no hotel. A essa altura meus planos já tinham mudado, inicialmente eu iria passar direto por Sucre e ficar um dia em Potosi mas com todo esse rolo da mochila eu fiquei um dia em em Sucre então não iria mais passar uma noite em Potosi mas mesmo assim queria passar lá para ver a cara da cidade, dar uma volta e seguir para Uyuni. Como eu não iria mesmo fazer o tour das minas em Potosi isso iria servir para mim. Não gosto muito da idéia de bancar o turista enquanto pessoas trabalham em condições tão precárias, nada contra quem vai lá, mas eu não curto.
Resolvi então dar mais uma volta por Sucre pois agora era manhã então encontraria tudo aberto.

Imagem

Imagem

Imagem

Imagem

Imagem


Fiquei muito tempo de bobeira por lá mas eu como eu já disse, sucre é muito bonita o que tornava até agradável o processo. Voltei algumas vezes no hotel e pedi para a recepcionista ligar na BOA para checar se minha mochila viria mesmo. Depois de muito sacrifício para descobrir o número correto da BOA em sucre, ela conseguiu falar com alguem que confirmou que até meio dia, minha mochila estaria lá, fiquei mais tranquilo e voltei para o meu passeio.

Imagem

Imagem

Imagem

Imagem

Imagem

Imagem

Imagem

Eram 11:20, voltei ao hotel para ver se minha mochila estava lá e nada, não sabia mais onde ir mas percebi que precisava trocar mais dinheiro, voltei então à casa de câmbio que havia ido mas estava fechada. Só depois me dei conta de que era domingo e vários lugares estavam fechados. Aliás eu passei o mês todo sem muita noção de qual dia era, tudo parecia uma grande sexta-feira!!!! ::otemo::
Perguntando para algumas pessoas na rua descobri que ali perto havia um mercadão e que também haviam casas de câmbio proximas então aproveitei e fui.

Imagem
Onibus bolivianos

Cheguei ao mercadão e fui dar uma volta nele e não deu pra não reparar as carnes ali expostas ao ar livre. Esse pessoal é realmente corajoso :!: :oops:

Imagem

Imagem
Tem coragem?

Saí do mercadão e fui procurar casas de câmbio mas todas estavam fechadas, encontrei uma moça na rua trocando reais mas a cotação era muito ruim. Decidi então ficar com o que tinha e trocar mais em Uyuni pois lá os principais gastos seriam em dolar mesmo e isso eu tinha.
Voltei para o hotel por volta de 13:00 e quando estava na praça atravessando a rua para o hotel, vi Freddy parado na porta do hotel com uma cara nada feliz. Cheguei, cumprimentei-o e fiquei feliz ao ve-lo abrir a porta do carro e tirar minha mochila de la!!! o primeiro pensamento que veio foi "TENHO ROUPAS!!!!!!" hehehe. Dei uma olhada e vi que nao faltava nada, mas também todas as bugigangas eletronicas e coisas de valor vinham na mochila menor, sempre comigo então alguem iria roubar no máximo meias e camisetas. Assinei a papelada comprovando que peguei minha mochila de volta e ao entrar no hotel a recepcionista me disse que Freddy estava lá me esperando por uns 40 minutos, de certa forma achei bom ter dado o troco nele por toda aquela história da van no aeroporto. Tomei outro banho e acho que nunca me senti tão feliz por ter trocado de roupa.

Fui então fazer o check-out, por mais que tenha gostado de sucre, era hora de partir e a adrenalina de sair do conforto de um hotel e partir sozinho para um lugar desconhecido, tornava tudo muito mais empolgante.

Imagem

Pedi para a recepcionista chamar um taxi pois taxis utilizados por hotéis tem muito mais chance de ser confiáveis (experiência própria, acreditem). Me despedi da recepcionista que me ajudou bastante com a mochila e segui no taxi para o terminal de sucre, a corrida custou 5 bolivianos, muito barato, menos de 2 reais.
No terminal de onibus de Sucre há alguns taxis que fazem o trajeto entre algumas cidades, inclusive Potosi mas quando cheguei não tinha nenhum pra lá então resolvi ir de ônibus mesmo. Pesquisei em algumas companhias por ali, algumas pessoas vem te oferecendo passagens também. Dei uma volta pelo terminal e vi que não havia muita diferença, o preço aqui é basicamente o mesmo em todas então vai mais da sorte. Comprei com uma moça que vem te oferecer pois o bus iria sair em 5 min, perguntei qual era o bus, ela apontou e me mostrou, vi que era no minimo decente então fui. Inicialmente eram 17 bolivianos mas chorando ficou por 15.
Chega até dar vergonha chorar por 2 bolivianos mas uma hora você percebe que todos querem ganhar algo em cima de turista então você que pechinchar em tudo também, eu acho justo.
Fui rápido pagar os 2,50, o famoso "derecho de uso" e corri pro busão.
Tenha sempre em mente que na bolívia e no Peru você sempre tem que pagar a "taxa de embarque" separadamente do valor da passagem.

Imagem
Agências em frente ao terminal

Imagem

Entrei no busão e aqui mais uma vez, começavam mais dois imprevistos da minha viagem, um deles bem punk.

O busão saiu as 13:30, fazia em torno de 25 graus em Sucre, estava bem quente e ônibus com ar condicionado é algo que os bolivianos ainda não ouviram falar então preparem-se. Mas conforme o onibus prosseguia, mais pessoas entravam e eu fiquei reparando, todos sem exceção usavam roupas de frio. Blusas de lã e jaquetas de couro eram comuns naquele calor dos infernos e eu pensando que aquele povo só podia ser geneticamente modificado pra não sentir calor.
Começou a passar um filme e vi que era "dois filhos de francisco" e pense, "legal, vou ouvir um pouco de portugês de novo" ........... que nada, tive a grande oportunidade de conhecer a história de Zezé di Camargo e Luciano porém agora em espanhol. :roll:
Durante o filme tive contato com umas das piores aberrações da natureza que iria perturbar a mim e outros brasileiros por toda a viagem (mal sabia ainda). Estava eu lá, quietinho vendo a história dos sabiás do cerrado ::lol4:: quando do nada ouvi " sábadoooooo naaaaa balaaaaaaaadaaaaaaa............."
nãoooooooooooooooooooooo. Era uma fiadaputa ouvindo a musica no celular sem fone. Sim essa raça existe lá também. Ao ouvir aquilo senti que minha expectativa de vida diminuiu uns 5 anos. ::lol4::
Ouvi essa e outras pérolas da "música" brasileira como tchu tcha tcha e outras que me recuso a lembrar.

Foram 1 hora e meia de tortura auditiva mas sobrevivi e agora a situação começava a ficar tensa. Comecei a puxar conversa com Julia uma senhora de cerca de 50 anos que sentava ao meu lado e depois de muita conversa eu comentei sobre os meus planos, que eram descer no terminal novo e depois a noite seguir para o terminal velho e pegar um bumba pra Uyuni. Foi aí que a coisa ficou feia, faltava pouco pra chegar em Potosi e Julia começou a falar que era uma cidade muito perigosa, muito ruim para turistas pois assaltos eram constantes, disse que era comum taxistas levarem turistas para "bem longe" e assaltá-los, diss etambém que pessoas se passavam por policias, cercavam turistas e roubavam-nos. falou falou e falou. Eu fiquei ouvindo tudo e minha mente estava a mil pois não sabia mais o que fazer. foi então que disse que talvez deveria seguir direto para Uyuni pois na verdade eu não tinha nada programado em Potosí e só iria passar mesmo pra ver qual que era a da cidade e então ela sugeriu que eu descesse com ela antes do terminal novo e ela me deixaria num lugar pra pegar um ônibus para ir direto ao terminal velho e que como seria um ônibus comum, não haveria problemas com relação à segurança.
Obs: Até sabia de algumas coisas pra se fazer pois tinha visto aqui no Mochileiros mas nada que fosse indispensável)
Faltavam uns 10 minutos pra descermos segundo Julia e eu realmente não sabia o que fazer mas tinha que pensar rápido. Arriscaria descer no terminal novo e correr todos os riscos que Julia havia dito ou desceria com ela que também poderia estar me enganando? Julia parecia uma senhora confiável e no final acreditei no que ela disse, tanto nas coisas ruins como na ajuda que ela me daria, então coloquei tudo na balança e quando passamos por um lugar mais movimentado e ela disse que ia descer eu pensei "quer saber? vou também"
Descemos do busão e meeeeeeeeeeuuuuuuuu amigoooooooooooo o que já estava feio ficou ainda pior. Julia continuava contando historias sobre assaltos e turistas se dando mal só que o problema é que estávamos em algum lugar que era claramente a periferia de Potosi, mais parecia uma 25 de março na favela e eu lá de short camiseta, mochila cargueira nas costas, mochila pequena na frente e com essa cara que não sei do que é mas não é de boliviano, só faltava um aviso em neon piscando sobre minha cabeça dizendo "TURISTA".
Por um lado fiquei achando que Julia estava na verdade me levando pros "manos" me assaltarem, mas julia dizia que era só eu ficar próximo dela que nada aconteceria talvez por saberem que ela é local, na verdade eu estava quase grudando na tiazinha e diria até que era minha esposa se precisasse heheheh. Agora eu dou risada mas juro que foram os 15 minutos que vão fazer parte do Top 10 "medo" na minha vida.
Todos sem exceção que passavam ao meu redor olhavam pra mim, me senti no zoológico (depois isso me fez rever alguns conceitos. sabe quando as pessoas tem costume de ficar encarando alguem que julgam diferente? pois é)
Nem me atrevi a sacar fotos ali então cada um imagine a situação.
15 minutos depois estávamos atravessando uma rua e julia fez sinal rapidamente para um ônibus e me indicou para entrar nele, o caos era tamanho ali, pessoas, trânsito, comércio........ que mal consegui me despedir de Julia e agradecer.

Entrei no busão e pude refletir melhor.No final das contas Julia se mostrou uma pessoa muito bondosa e apesar de ter me deixado com um medo do car*alho me fez lembrar que ainda é possível acreditar nas pessoas. Juro que gostaria de ter agradecido e me despedido adequadamente.

Imagem
A única foto de Potosí foi dentro do busão

Cheguei no terminal antigo de Potosi e já fui atrás das passagens para Uyuni, percorri pelos corredores, pesquisei um pouco e mais uma vez a diferença é pouca, arrisquei uma empresa lá e paguei 25 bolivianos na passagem, paguei também a taxa de embarque e pronto porém já eram quase 6 da tarde e o ônibus sairia as 6. Eu tinha então dois dilemas, ir ao banheiro e me trocar adequadamente pois a temperatura havia caído bastante e eu estava de short e camiseta apenas ou então comprar coisas para comer no caminho pois eu não havia comido nada desde Sucre e chegaria no começo da madrugada em uyuni. Escolhi a comida e essa foi umas das piores decisões que já tomei hehehe. Como eu tinha sempre uma blusa leve na mochila pequena pensei em colocar ela pois estaria dentro do ônibus e não iria fazer tanto frio e chegando em uyuni eu vestiria uma roupa mais quente. ::putz::
Vesti a blusa (estava de short) e fui comprar algumas guloseimas para o caminho, tudo feito e às 18:00 o busão saiu com destino a Uyuni.

Imagem
Onibus para Uyuni

No ônibus vi todos muito bem agasalhados, alguns com cobertores mas não achei nada de mais afinal se no calor de 25 graus de Sucre a galera ja estava toda empacotada, imagina então naquele friozinho. Eu disse friozinho?? hahaha mal sabia o que me aguardava.
Mais uma vez a sorte sorriu pra mim e do meu lado sentou Ruth. Ofereci a bolacha que estava comendo (sim, em SP nós chamamos de bolacha e não biscoito heheheh ::lol4:: ) e já serviu pra puxar conversa. Acontece que a viagem até Uyuni é longa, pouco mais de 6 horas e por sorte Ruth era muit gente boa, conversamos muito, foi muito legal. extremamente simpática ela que várias vezes se mostrou indignada por eu estar com roupas tão leves e me contou então sobre o frio que me esperava tanto durante o caminho quanto em Uyuni. Aí sim eu vi que estava lascado mais uma vez. :shock:
Conversávamos bastante e posso dizer que mais de metade da viagem eu nem vi passar, falávamos sobre brasil, bolívia, diferenças nos idiomas, vida, carreira bla bla bla. Era muito legal ter uma conversa daquela com alguem que até pouco tempo era um estranho.
Imagem
Ruth
Quando o frio começou a apertar (pra ela porque pra mim ja estava frio antes mesmo de entrar no onibus hahahahha :lol: ) Ruth sacou uma carta na manga que me fez agradecer a todos os deuses que eu não acredito que existam. UM COBERTOR onde cabiam os dois tranquilamente, quase chorei de emoção hahahah.
Quando passava das 22 horas, Ruth disse que ia dormir um pouco pois precisava acordar ainda naquela madrugada para ir trabalhar na segunda-feira. Quando ela caiu no sono e eu virei a cabeça pra olhar a janela me dei conta de algo que não havia reparado ainda: era noite, tudo escuro no busão, silêncio pois todos provavelmente estavam dormindo e a paisagem desértica lá fora com a lua cheia iluminando tudo era fantástica. Fiquei acho que uma hora parado olhando aquilo e repensando minha vida, foi sem dúvidas um momento único na viagem.

Chegamos em Uyuni pouco depois da meia noite e ao descer do ônibus puder descobrir que o frio do cão que eu sentia lá dentro era ainda pior fora, não tive dúvidas agarrei o cobertor de Ruth e me enrolei nele pois não tinha condição de tirar outra blusa e calça da mochila e vestir.

Imagem
Olha a situação. Quando você for para Uyuni não faça isso!!! :D
Ruth já havia me indicado um Hostel perto da casa dela então era só pegar um taxi e sair daquele frio. Pegávamos nossas mochilas e um taxi já parou próximo, ruth que conhecia os endereços conversou com o taxista sobre o preço, eu nem quis saber, só entrei! :D
Rapidinho chegamos em frente ao Hostel Marith (não sei por quê mas se pronuncia marix) que fica na Av. Potosi N° 61. Fui checar se tinha vagas e tinha, voltei então e me despedi de Ruth, perguntei ao taxista quanto seria a corrida até a casa dela e paguei para ela com a maior satisfação. Tiramos uma foto, trocamos contatos e cada um seguiu seu caminho.

Imagem

Entrei no Hostel, perguntei sobre o quarto. Privativo com banheiro compartilhado com ducha caliente durante o dia por 60 bolivianos, naquela situação se fosse 200 bolivianos eu pagaria sorrindo heheh.
Como não tinha muitos bolivianos (lembra que não consegui trocar em sucre?), avisei que pagaria pela manhã. Sem problemas, fui para o meu quarto, arrumei algumas coisas, coloquei as tranqueiras eletrônicas para carregar e cai na cama já que no proximo dia acordaria cedo pois começaria o tão aguardado Salar de Uyuni............

Imagem
Quarto no Hostel Marith


Dicas:
- Se quiser ir de Sucre direto para Uyuni é possível, há onibus no terminal mas eu não vi o preço.
- Proteja-se contra o frio de Uyuni, acredite, é frio!!!
- O Hostel Marith fica próximo à vila militar ou seja, teoricamente você não precisa se preocupar com segurança pois há guaritas e militares o tempo todo.
- Fiquei pouco tempo no Hostel mas pelo que vi e usei, recomendo!!!
- Uyuni não tem nada pra fazer se quiser economizar pode sair de Potosi a noite, chegar cedo em Uyuni dar uma volta pela cidade e ja sair pro salar (eram meus planos mas vocês viram o que houve em Potosi)
Editado pela última vez por Sorrent em 05 Ago 2013, 13:23, em um total de 6 vezes.
#738396 por Sorrent
18 Jul 2012, 22:29
_Umpdy escreveu:O vídeo ficou sensacional, estou aguardando o restante do relato.
Farei a trip em agosto com meu brother, serão 26 dias. Então capricha nas informações que serão muiiiiito útil. ::hahaha::

Abraços,


Muito obrigado!!!
Vou tentar colocar bastante informação, pelo menos do essencial porque tem muita coisa que acontece no mochilão e fica no mochilão! hahaha :twisted:
Editado pela última vez por Sorrent em 18 Jul 2012, 22:40, em um total de 1 vez.
#738397 por Sorrent
18 Jul 2012, 22:31
thaahh escreveu:Tb estou no aguardo do fim do relato. O videeo tá shoow de bola...
graaaaande viagem!


Valeu Tha, e olha que eu queria fazer o vídeo maior hehehe mas achei que 13 min já eram suficientes! :D
Vai acompanhando pq eu to tentando escrever um pouco todo dia, heheh até!
#738556 por DSS
19 Jul 2012, 11:56
Tá ficando mto bom o relato. O video então nem se fala... show de bola!

A camera que vc usou é waterproof, né? Qual o modelo? Ela faz videos mto bons... vc usou um tripé pra fazer aqueles cenas em que vc se filma??

Vou comprar uma camera DSLR esse mes mas sempre fiquei de olho em uma waterproof... hehe

abraços

Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 2 visitantes