Troca de informações e relatos de trilhas e travessias na região sudeste do Brasil. Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo.
#692049 por rafael_santiago
04 Mar 2012, 14:05
Imagem

As fotos estão em http://lrafael.multiply.com/photos/albu ... SP_-_fev12.
O tracklog está aqui:
(82.71 KiB) Baixado 83 vezes

Dar o nome de Pedra Grande a uma montanha realmente não é algo que se pode chamar de original. Basta lembrar que próximo à capital paulista temos a Pedra Grande de Atibaia, na Serra da Mantiqueira temos a Pedra Grande do Gomeral e mesmo dentro dos limites da paulicéia temos a Pedra Grande da Cantareira. Já tendo pisado em todas as citadas, uma nova montanha homônima entrava para a minha lista, a tal Pedra Grande de Quatinga, sendo Quatinga um bairro de Mogi das Cruzes (Grande São Paulo). Pois a lacuna foi preenchida num recente sábado de muito sol.

Desembarquei do ônibus às 9h15 numa Paranapiacaba incrivelmente ensolarada e de céu limpo. Para quem não sabe, a forte neblina é parte da paisagem dessa vila, que pertence ao município de Santo André. Em outras ocasiões em que lá estive, não conseguia enxergar as casas e os galpões ferroviários a poucos metros. Mas desta vez, aproveitando o tempo aberto, me fartei de fotos dos arredores e do Mirante do Vale do Rio Mogi, onde instalaram uma plataforma de madeira da qual se avista toda a serra até o litoral.

Só consegui dar início à caminhada propriamente dita às 10h15 tomando a Estrada do Taquarussu, a nordeste, logo passando pelo portal do Parque Natural Municipal Nascentes de Paranapiacaba e em seguida uma guarita com um vigia que controla o portão de acesso ao tanque que abastece de água a vila.

Às 10h35 cheguei à entrada da Cachoeira da Água Fria à direita, onde funcionários da prefeitura recolhiam restos de um trabalho deixado ali, com roupas, velas e tudo mais. Minha discreta vontade de subir o riacho até a cachoeira foi reprimida pela obrigatoriedade de acompanhamento de um monitor já que o local é parte do Parque das Nascentes. Mais 10 minutos pela estrada cruzando com muitos grupos de orientais e passo pelo marco amarelo de concreto à esquerda que registra a divisa entre os municípios de Santo André e Mogi das Cruzes. Depois dele uma descida contínua até a simpática e minúscula vila de Taquarussu, aonde cheguei às 11h.

O grande lago cercado por pinheiros é o principal atrativo do vilarejo e parece que todos os orientais, de todas as idades, foram fazer ali seu piquenique sabatino, com direito até a suave fundo musical de seu país de origem (desconfiei que fossem em sua maioria coreanos). Outro atrativo não menos interessante é a bonita Capela de Santa Luzia, muito bem conservada. Notei que muita gente abastece os cantis com a água das torneiras disponíveis por ali.

Deixei Taquarussu às 11h30 e segui pela mesma estrada de terra batida ainda mais deserta, onde até o número de bikers diminuiu. Infelizmente a mata alta e fechada do começo deu lugar a árvores mais espaçadas e o sol passou a me cozinhar. Às 11h55 topei com uma bifurcação com placas no poste: à direita, o Camping Simplão de Tudo, e à esquerda, o Pesqueiro de Trutas Pedrinhas. Segui à esquerda por mais 350m e cheguei a um cruzamento de estradinhas com placas do pesqueiro me mandando seguir em frente (à esquerda iria para o bairro Quatinga sem passar pela Pedra Grande e à direita iria para o Simplão). Parte desse trecho de 350m é ladeado à direita por uma lagoa e na serra ao fundo já se tem a primeira visão da Pedra Grande, ainda sob a forma de um topo descampado, característico da sua face oeste.

Seguindo em frente no cruzamento logo passo por um convidativo poção à esquerda da estradinha protegido pela sombra de altos pinheiros, um recanto bastante agradável, mas me limitei a algumas fotos apenas pois tinha muito chão ainda.

Assim, às 12h40 alcancei o tal Pesqueiro Pedrinhas, onde bati palma mas ninguém apareceu. Por sorte, o morador de uma casa próxima me orientou quanto ao caminho. Cerca de 80m depois do pesqueiro deve-se entrar à direita numa estrada um pouco mais estreita e precária que termina diretamente numa casa com cachorros para alardear a presença de estranhos. A estrada termina mas, cruzado o riacho à direita da casa por uma tábua-pinguela, surge um caminho largo subindo. É o começo de uma subida constante em direção à Pedra Grande, que volta a aparecer cada vez mais próxima.

Às 13h30, quando esse caminho largo já se reduziu a dois sulcos paralelos com grama e desenha-se uma suave curva à esquerda, uma trilha à direita serve de atalho. Mas, teimoso que sou, continuei pelo caminho mais largo à esquerda para conhecer. A referência para esse ponto de início do atalho é uma casinha que se avista uns 150m à esquerda. Continuando então pelos sulcos paralelos passo pela citada casinha, depois um portão com muitas hortênsias floridas, um lago à direita e outra casa onde um cãozinho solitário late à minha chegada. Mas o caminho parecia terminar ali e não havia ninguém nas casas para eu perguntar. Avancei ainda um pouco mais mas não encontrei saída. Valeu pela água abundante da segunda casa que matou a minha sede e me deu uma reserva preciosa para as próximas horas. No começo do retorno à primeira casa é que percebi a continuação do caminho numa curva ascendente em cotovelo, algo que passou despercebido na ida pois a curva era para trás. Subi até um portão largo e reencontrei às 14h08 o atalho que havia desprezado. Ele vem lá de baixo à direita e continua subindo à esquerda, para onde continuei. Mas não deu nem 50m que topei com a trilha de subida da pedra (à direita), mais estreita que a trilha do atalho e junto a uma cerca de arame farpado. De uma porteira próxima ao início da trilha pode-se ver o topo da Pedra Grande e sua face rochosa norte. Agora ia começar a parte mais difícil, depois de 14km de caminhada.

Entrei na trilha às 14h18 (916m de altitude). Após 300m de subida suave, há um pequeno lamaçal e em seguida uma bifurcação: a trilha continua reta mas os troncos e galhos jogados no chão sugerem que se suba pela encosta íngreme à esquerda. E foi o que fiz. Como acontece nos picos em geral, à medida que subia a trilha ia ficando mais íngreme e o auxílio das mãos era necessário para impulso nos troncos.

A subida acontece em sua maior parte em mata fechada na qual se avista em alguns momentos através do arvoredo a parede rochosa da pedra. Mas passado um bambuzal, a trilha sai no aberto e um longo trecho íngreme de capim ainda precisa ser vencido, no meu caso com o sol forte castigando. Enfim, às 14h48, com 30min cravados de subida, chego ao topo da Pedra Grande de Quatinga, com o gps marcando 1155m de altitude.

A visão é magnífica, alcançando desde a Serra do Mar ao sul até a Serra do Itapety ao norte com a cidade de Mogi das Cruzes a seus pés. Além disso, grande parte do trajeto já percorrido e o a percorrer ainda.

Aproveitei para explorar uma trilha que sai do topo na direção sul mas como meu objetivo era terminar a caminhada em Quatinga, desci uns 700m apenas e voltei. Mas essa trilha continuava, e bem marcada, e segundo informações que obtive por lá ela dá na Fazenda Matarazzo, que é o outro acesso à Pedra Grande, porém de passagem proibida.

Depois de mais algumas fotos do cume, comecei a descida às 16h08. Um pouco antes da bifurcação do lamaçal há uma trilha que sai para a direita e deve levar a uma casa com piscina, a mesma da porteira junto ao início da trilha, mas soube que o dono é um policial que fica bastante irritado quando encontra invasores em sua propriedade. A placa "Entrada proibida - não insista" na porteira já sugere isso.

De volta ao início da trilha e à porteira às 16h44, notei que voltaria a caminhar por uma estradinha deserta e coberta de capim de tão pouca usada. Olhando para trás ainda vislumbrei a grande parede rochosa da pedra por algum tempo. Passado o Sítio Só Alegria, parei para conversar com alguns moradores e pude matar a sede na torneira da casa de um deles. Depois disso, ou seja, nos últimos 3km, a estradinha alargou e começou o movimento dos carros que me fizeram comer um pouco de poeira.

Alcancei a rua principal de Quatinga às 18h36, bem na hora do ônibus para Mogi. Após uma viagem de quase uma hora, saltei no Terminal Central, junto à estação Mogi das Cruzes, mas podia ter descido próximo da estação Jundiapeba se quisesse chegar mais cedo em casa.

Total da caminhada: 23,1km em 8h20min.

Dicas:

. Para chegar a Paranapiacaba deve-se pegar o trem da CPTM para Rio Grande da Serra na estação Brás e descer no final. Numa rua transversal toma-se o ônibus intermunicipal para Paranapiacaba (R$2,90).

. As linhas do Terminal Central de Mogi para Quatinga são C192 - Quatinga via Tomoki Hiramoto e C193 - Quatinga via Barroso. Do Terminal Estudantes sai a linha E395 - Taiaçupeba via Quatinga. A passagem custa R$2,90 e os horários podem ser obtidos pelo site www2.transportes.pmmc.com.br ou pelo telefone 0800-195755.

Rafael Santiago
fevereiro/2012
Editado pela última vez por rafael_santiago em 21 Mai 2013, 19:33, em um total de 4 vezes.

#720480 por mohamed
25 Mai 2012, 12:27
Beleza de trip cara parabéns, vou fazer essa mesma pedra no dia 02/03 de Junho....
O caminho que vc fez creio que não seja o mais facil para se chegar lá, mais valeu pela conquista. ::otemo::
Na minha trip pra pedra espero poder acampar lá encima....vamos ver...tem algum lugar bom pra armar a barraca lá?

Falow
#721496 por rafael_santiago
28 Mai 2012, 18:31
Olá, mohamed
No topo tem bastante espaço, porém é totalmente exposto (ao vento) e boa parte do terreno é inclinado. Mas dá para acampar sim.
Bom acampamento pra você e depois conta como foi passar a noite vendo as estrelas lá na Pedra Grande.
Abs
#823958 por Renato37
31 Mar 2013, 10:38
Relato muito bem escrito e exclarecedor Rafael. Fui lá no dia 30/03/13, porém, ao ler seu relato (no qual imprimi a parte final entre o pesqueiro até a entrada da trilha) que se leva 3 horas de pernada para chegar até lá por estrada de terra, resolvi ir com minha moto, afinal, andar em estrada de terra não é mto minha praia, gosto de andar somente onde realmente interessa, ou seja, na trilha. Resolvi conometrar o percurso partindo do inicio da estrada do taquarussu até lá, descontando as paradas para pedir informação, que foram 2 no caminho. Levei 40 minutos até a entrada do atalho que corta caminho, me fazendo crer o qto é longe. Sai de Paranapiacaba as 11h00 e as 11h45 após estacionar a moto e pegar a mochila do bagageiro, entrara na trilha. Levei exatos 32 minutos para chegar até o cume, e fiquei lá por 1 hora. Não encontrei uma alma viva na trilha e nem no cume, achei que por ser feriado e o tempo bom, poderia encontrar algum grupo acampado lá no topo, mas o lugar é pouco conhecido da grande maioria mesmo, ficando limitado somente a trilheiros de anos de pernada .....

E só demorei 40 minutos para chegar até a entrada da trilha por causa da estradinha de terra que tava mó lamaçal a maior parte do percurso, por conta das chuvas dos ultimos dias. Foi mais dificil seguir de moto pela estradinha de terra ida e volta do que a subidona da trilha em si...Como já havia percorrido mto essas estradinhas de terra a pé em ocasiões anteriores (trilha que da a volta pelo meio, comunidade, cachu do banquinho e tobogan, entre outros), agora só faço ela no conforto de veiculos motorisados, que é outra coisa...rsrs

As 14h00 iniciei a descida e as 16:00hs já estava na indio tibiriça voltando para Sampa...=)

Parabéns pelo relato e o Mirante da Pedra Grande é um espetaculo a parte!

Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 1 visitante