Troca de informações e relatos de trilhas e travessias na região sudeste do Brasil. Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo.
#962073 por christiansp
21 Mai 2014, 17:57
A ideia pra essa trilha eu colhi aqui mesmo lendo os relatos com fotos de jararacas e caninanas que assustaram minha noiva que quase nos fizeram desistir. Mas eu disse “Relaxa! Muitas pessoas vão lá e só vi estes dois relatos de encontro com cobras, não vai acontecer com a gente”. Nunca acontece com a gente. Até acontecer.

Essa trilha tem inicio no final da Rua Morro da Cruz, da pra ir de carro até a entrada. Quem estiver de ônibus vai enfrentar uma caminhada de 1 km morro (íngreme) acima a partir da av. principal (a rua que tem que subir fica ao lado de uma igreja Assembleia de Deus).
Imagem

Na entrada encontramos uma senhora que era a monitora responsável pelo local. Bem simpática, pediu pra gente preencher alguns formulários (onde na volta a gente deixa nossas impressões sobre a trilha), deu algumas dicas (levar água, lanche, repelente e tal). Disse que o dia estava movimentado, mais de 50 pessoas já tinham começado, o que ajudaria a afastar as cobras do caminho (mentira!).

Começamos às 10h25 nossa jornada de 3,7 km de subida. O inicio é uma região sem floresta, só mato, que ao contrário das fotos antigas que havia visto, estava MUITO grande e fechado (inclusive perigoso pois dificultava a visualização de animais). Saca só (sim, isso é a trilha):
Imagem

Depois de 15 minutos de caminhada no matagal, você vai encontrar um pequeno mirante de madeira, com bancos pra sentar e uma boa vista.
Imagem

Mais um pouco de caminhada e encontramos o primeiro animal peçonhento e perigoso no meio deste matagal. Tentei cutucar ela pra longe com um pedaço de madeira mas ela entrou em posição de ataque igual caranguejo. Depois de um pequeno esforço consegui arremessa-la pro canto da trilha e passar pulando por ela.
Imagem

Outros 15 minutos de caminhada e finalmente chega a floresta. A trilha é bem demarcada, não tem como se perder, ta bem cuidada, com degraus por todo o caminho e escadas para os trechos mais difíceis. Alcançamos a plaquinha que indica 2km as 11h40 e a dos 3km as 12h30, num total de 2 horas desde o inicio. Ritmo forte que cobrou seu preço na volta....
Imagem

Abaixo o famoso bambuzal que tem que passar quase rastejando.
Imagem

Chegando no topo você encontra uma placona e outra plaquinha indicando a altitude de 1048 metros e tem dois caminhos a seguir: À esquerda, onde tem uma escadinha (antigamente era só uma cordinha) você vai para o verdadeiro pico. À direita (ou frente, não lembro bem) sai no falso pico. Fomos no falso primeiro. Chegamos lá as 12h55 – Total da subida em 2h30 – ridiculamente cansados. 3,7 km não é uma grande coisa, mas quando você em consideração o percurso inteiro é subindo degraus, a coisa muda...
Imagem

Imagem

Trocentas fotos depois, fomos para o verdadeiro pico, onde após uns 30 min de descanso e mais um zilhão de fotos, começamos a descidas as 14h00
Imagem

Na descida as pernas já estavam bambas e fraquejando, a atenção com a trilha já não estava muito alta e após uma pequena curva eu quase piso em uma jararaca. Minha noiva gritou na hora exata, de forma que eu joguei todo o peso do meu corpo pro lado oposto da cobra, cai no matagal e a cobra foi pro outro lado. Um passeio até então divertido (e cansativo) podia ter um final triste. Então, fica a dica: Não confiem na sorte, esta trilha tem muita cobra (veja como ela fica super camuflada), muito animal peçonhento, usem perneira ou qualquer coisa que te proteja. Não vale a pena se arriscar.
Imagem

Chegamos no final da trilha as 15h30. Num total de 1h30 de descida.
Vou aproveitar e deixar uma dica de lugar bom e barato pra comer. Indo rumo à balsa, tem um supermercado Frade (Av Princesa Isabel, 1.126) que serve refeições de arroz, salada e uma panqueca enorme por R$ 8,50 com bebidas a preço de mercado mesmo. Além disso tem um subway ali perto;)

No mais, levem água, lanche e tentem subir devagar, com mais paradas. A gente subiu rápido demais e ficamos acabados depois.
De ponto negativo nesta trilha, tirando os perigos, é que não existem muitas atrações no caminho. De interessante e legal mesmo só o pico.

Outros relatos que podem ajudar:
caminhada-ao-topo-dos-picos-do-baepi-e-do-sao-sebastiao-ilh-t30955.html
pico-do-baepi-ilhabela-sp-o-verdadeiro-topo-t93585.html

Acho que é só, qualquer dúvida é só perguntar.

#989436 por Bruna Gramolelli
06 Ago 2014, 14:02
Realmente é um percurso curto mas muito cansativo! Mas vale muito a pena, pois quando você está lá em cima, todas as suas energias são renovadas!
Quando fui não vi nenhuma cobra, mas sei que na Ilha tem muita Jararaca, Jararacuçu e Caninana que não tem veneno.
Segue meu blog, com alguns outros relatos (Castelhanos x Bonete e Cachoeira da Lage e Buraco do Cação). Em breve escreverei mais!
http://trilhegal.blogspot.com.br/

Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 4 visitantes