Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Pesquisar na Comunidade

Mostrando resultados para as tags ''maras''.



Mais opções de pesquisa

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Mochileiros.com

  • Perguntas e Respostas
    • Perguntas e Respostas
    • Destinos
  • Companhia para Viajar
    • Companhia para Viajar
  • Relatos de Viagem
  • Equipamentos
  • Trilhas e Travessias
  • Nomadismo
  • Outras Formas de Viajar
  • Outros Fóruns

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


Sobre mim


Lugares que já visitei


Próximo Destino


Ocupação

Encontrado 3 registros

  1. Oi gente, tudo bem? Vou pra Cusco dia 1 de junho (vulgo mês que vem) e ainda não consegui fechar meu roteiro! São muitos lugares lindo pra conhecer e acho que tenho um tempo legal, vou ficar 10 dias. Tenho um esboço do que quero ver mas tô com dificuldade na ordem (tentando intercalar passeios mais cansativos pra não morrer com a altitude) Meu roteiro ta assim: 1/5- Sábado 10h55 chega em Lima City Tour Lima Trocar dinheiro 16h voltar para o Aeroporto 19h voo Lima/Cusco 21h chega em Cusco 2/5- Domingo City tour Cusco (Acostumar com a altitude) 3/5- Segunda Vale Sur? Sítios e templos 4/5- Terça Montanhas coloridas 5/5- Quarta Valle Sagrado 6/5- Quinta Machu Picchu 7/5- Sexta Moras e Morays 8/5- Sábado Laguna humantay 9/5- Domingo Onibus com paradas para Puno 10/5- Segunda Puno lago titikaka Volta para Cusco 11/5- Terça Cusco 17:30 voo para Lima 21h voo pra SP 12/5- Quarta 6h30 chega em SP Queria um roteiro que não precisássemos trocar tanto de hotel pra não ser mais cansativo ainda. E se tiverem indicação de agências ou guias em conta pros passeios eu agradeço mais ainda :)
  2. Olá pessoal... Venho contar um pouco dos 10 dias que estive em Cusco e contribuir para quem tem interesse de conhecer esse país com paisagens maravilhosas. 14/09/2017 - Saída de Curitiba para Guarulhos, tive que passar a noite no aeroporto de Guarulhos devido ao vôo para Lima só sair às 08h00 da manhã seguinte. Gastos: Passagem Aérea - R$ 1.450,00 15/09/2017 - De Guarulhos para Lima são 5 horas de viagem. O aeroporto de Lima não é grande, apesar de ser a capital, e achei bem confuso pelo tanto de taxistas na área. De lá peguei um vôo para Cusco. Cheguei em Cusco às 15h00. Saindo do avião você já sente o frio de lá. Dentro do aeroporto troquei o real por soles em uma quantidade pequena só para pagar o táxi, já que lá o câmbio é pior. Paguei 1 soles por 0,85 centavos. Os taxistas que ficam dentro do aeroporto geralmente são os mais caros, então saindo do aeroporto você vê uma cerca com vários taxistas atrás, negociei um por 20 soles até o hostel. Cusco é uma cidade bem movimentada, o trânsito é um caos e as casas mal acabadas. Reservei pelo Booking o hostel Eco Packers, fica localizada na rua Santa Teresa, uma quadra da Praça das Armas, não gostei do hostel devido ao piso de madeira fazer muito barulho, mas tem uma ótima localização. É importante reforçar que em Cusco existe muita ladeira, em alguns pontos até morro com escadarias, o que dificulta a caminhada. Por isso, ficar a uma quadra da Praça das Armas ou próximo av. El Sol é uma ótima opção. Logo que cheguei no hostel já comecei sentir de leve a dor de cabeça e tirei esse dia para me aclimatar, tomando chá e mascando coca, que é servido nos hotéis. Dica: No dia de aclimatação evite comida pesada, esforços físicos e principalmente bebida alcoólica. Gastos: Táxi - 20,00 soles Hospedagem para 9 dias - 360,00 soles 16/09/2017 - Pela manhã já estava melhor e sai para trocar o dinheiro, levei somente o real e paguei 0,94 centavos por 1 soles na av. El Sol. Existem várias lojinhas de câmbio nas proximidades da praça das Armas, pesquisei e todas estavam com a mesma cotação. Também nesta avenida El Sol e nas ruas Procuradores e Plateros se encontram várias agências de diversos passeios. Almocei no Los Portales, pedi um prato de lomo saltado (uma carne macia com molho de shoyo, cebola, tomate e cenoura, acompanha arroz e batata frita) e suco de chicha morada (suco de milho roxo, maçã, abacaxi e especiarias, uma delícia). O restaurante possui uma varanda com mesa em frente da praça Regozijo, mas me arrependi do lugar devido ao excesso de ambulante oferecendo coisas para comprar (eles vem de minuto a minuto e aquele vendedor que já passou por você volta a passar novamente na sua mesa, não consegui almoçar sossegada). Comecei com um passeio de leve, o City Tour (não tão leve assim porque tinha algumas subidas em alguns sítios), ele começa às 14h00 na Plaza das Armas e vai até 19h00 e a primeira parada foi a Catedral (opcional). Para entrar na igreja é necessário pagar 15,00 soles, eu não fiz pois já havia visitado durante a missa na manhã de sábado, após a missa a igreja é fechada e só é liberado com entrada paga. Então é bom visitá-la durante a missa, que até onde sei ocorrem nos sábados e domingos pela manhã (lembrando todas igrejas de Cusco não é permitido tirar foto e filmagem). A segunda parada foi em Qoricancha, lugar onde foi construído templos rituais dos Incas como Sol, Lua, Estrelas. As pedras são esculpidas de maneira que se encaixam perfeitamente sem o uso de argamassas, foram feitas de forma de trapézio e inclinada, suportando todos terremotos. Para entrar, também precisa pagar 15,00 soles. Na terceira parada era o sítio arqueológico Q'enqo, que possui uma parte em forma de labirinto e um templo para homenagear Pachamama, Deusa Terra (nessa parada é necessário ter o boleto turístico, você compra o boleto integral que é válido para 10 dias custando 130,00 soles ou compra o boleto parcial que é válido para 1 dia custando 70,00 soles, a cada local visitado ganha um furinho no boleto na entrada). A quarta parada em Sacsayhuamán é um centro de defesa do Império Inca, com pedras em bloco enormes com quase 5 metros de altura pesando mais de 100 toneladas, gostei bastante desse local. Na quinta parada fomos em Puka Pukara, que significa "forte vermelho", não conseguimos entrar no sítio, estávamos com tempo curto a parada foi rápida e visitamos apenas um mirante com vista do sol se pondo. A última parada foi em Tambomachay, uma construção Inca dedicada à Deusa Água, possui uma série de plataformas, nichos e fontes construídos em cima de uma nascente, mostrando a adoração pela água. Nessa parada não deu para ver direito pois já estava escurecendo. Paramos também em uma loja com produtos da lã de alpaca original, mas os preços eram absurdos. lá nos ofereceram chá de coca com hortelã (achei gostoso). Por fim retornamos a Cusco. Na janta escolhi uma pizza e refri Inka Cola perto do hostel. Dicas: Como o passeio é feito à tarde, não deixe de levar água, pois as duas primeiras visitas são feitas a pé. O boleto turístico pode ser comprado na primeira parada do sítio arqueológico ou você pode ir no escritório oficial COSITUC, algumas agências também vendem mas são poucas. Gastos: Mercado - 20,00 soles Almoço - 32,00 soles City Tour - 30,00 soles Entrada Qoricancha - 15,00 soles Boleto Turístico - 130,00 soles Janta - 20,00 soles 17/09/2017 - Solicitei no dia anterior um pacote para Machu Picchu de 2 dias e 1 noite (não saiu barato), com tudo incluso menos o ônibus de subida/descida. Deixei minha mochila maior no hostel e levei somente uma muda de roupa para um dia em uma mochila pequena (eles não cobram para deixar a mala no hostel). A van me buscou no hostel às 10h00 e fomos direto para Ollantaytambo, a viagem durou cerca de 1h40. Minha partida de trem era da empresa Inca Rail e saiu às 12h36. O trem é simples mas bom, serve chá, suco, café e snack, mas acho que o da empresa Peru Rail é melhor, pois tem vista panorâmica maior. Cheguei em Água Calientes às 14h00, saindo da estação estava o recepcionista do hostel me esperando com meu nome na placa, pedi para ele me levar até o lugar onde compra o bilhete para subir de ônibus até a entrada do parque Machu Picchu e comprei apenas subida (cada trecho do ônibus custa 12 dólar), é necessário já ter o ingresso de entrada do Machu Picchu e documento RG/passaporte. Não é possível circular pela cidade de carro, somente os ônibus circulam em uma rua para acesso a Machu Picchu. No fim da tarde o guia foi até o hostel explicar como seria o encontro no dia seguinte. Dicas: O tempo lá é doido então é importante estar com capa de chuva, eu já levei daqui pra lá. Não esqueça de levar repelente, é o lugar que mais tem mosquito. Compre os mantimentos e água em Cusco e leve na mochila. Gastos: Pacote Machu Picchu (inclui van ida/volta de Cusco/Ollantaytambo + trem ida/volta + hospedagem de uma noite + entrada Machu Picchu + guia) - 790,00 soles Ingresso de subida de ônibus - 12 dólar (39,00 soles) Mercado em Cusco - 40,00 soles 18/09/2017 - Cheguei na fila para pegar o ônibus às 04h30 da manhã e já estava gigante. Os ônibus começam a operar às 05h30, tem um atrás do outro. Chegando lá procurei o guia para podermos entrarmos juntos. É importante lembrar que sem o documento não entra no parque, pode ser RG em bom estado ou passaporte válido. Com poucos degraus você já vê a cidadela de Machu Picchu. O parque possui várias setas indicando o caminho e dependendo de onde você está não pode mais voltar, há guardas que monitoram os turistas que avançam em lugares proibidos ou tentam retornar no caminho. Você tem direito a entrar no parque apenas duas vezes com o ingresso. A primeira vez que entrei foi para ver a explicação do guia, ele nos mostrou os lugares para visitar. Como não é possível voltar pelo mesmo caminho, tive que sair do parque e entrar novamente para conseguir bater as fotos com mais tranquilidade. Vi que agora não é mais possível comprar o ingresso válido para o dia inteiro, será preciso optar pelo turno da manhã ou da tarde, mas não vi nenhum guarda fiscalizando a permanência, então quem vai no primeiro turno pode acabar ficando o dia todo no parque. Logo após a saída do portão do parque (perto da escada onde o pessoal sobe e desce a pé) tem um posto que você pode carimbar seu passaporte como lembrança de passagem. Para quem quiser subir a Montanha Machu Picchu e Huayna Picchu deverá comprar os ingresso pelo site com antecedência mesmo fora de temporada, pois as vagas são limitadas. Resolvi descer a pé, mas já adianto que não foi fácil descer todos os degraus, é cansativo. Passei no hostel pegar minha mochila que tinha deixado, "almocei" por lá e fiquei até dar o horário da partida do trem às 19h00. Chegando em Ollantaytambo às 21h00 a van já nos esperava para levar a Cusco. Gastos: Almoço no hostel - 20,00 soles 19/09/2017 - Reservei o dia de hoje para conhecer o sítio arqueológico Maras Moray e Salineras. O tour sai por volta das 09h00 de Cusco, a primeira parada começa com um povoado em Chinchero, fomos recebidos com chá de muña e as mulheres vestida com traje de quechua explica o processo artesanal da lã. Na segunda parada podemos nos deparar com a incrível vista do terraço de Moray, que fica a 45 km de Cusco. Para entrar é necessário ter o boleto turístico válido. Como são vários guias de agências diferentes, fomos seguindo o nosso por uma bandeirinha para ninguém do grupo se perder. Fomos seguindo enquanto ele explicava que que ali era realizada experimentação agrícola e que cada terraço possui temperatura diferente, os incas sabiam qual era exatamente a temperatura ideal para cada tipo de alimento cultivado. Após passarmos na cidade de Maras, há uma parada para compras de sal, chocolate com sal, milho e outras coisas que desejarem. De lá seguimos para as Salineras de Maras que fica aproximadamente 12 km de Moray, é necessário pagar 10,00 soles a entrada que não está incluso no boleto turístico. Existe cerca de 4.000 poças e cada família tem uma. Em época de seca a água salgada evapora e o sal forma uma crosta onde é refinado. O tour se encerra às 15h00 em Cusco. Gastos: Tour Maras Moray e Salineras - 40,00 soles Entrada na Salinera - 10,00 soles 20/09/2017 - Como não fiz o trekking de Salkantay, resolvi fazer a laguna Humantay. A van passou para pegar no hostel às 04h30, viajamos por 2 horas até a aldeia Mollepata, fizemos uma pausa para um simples café da manhã e continuamos por mais 1 hora de viagem rumo Soraypampa com 3.900 de altitude. Chegando lá a guia forneceu gratuitamente o bastão para trekking (lembrando que nem todas as agências fornecem, se informe antes de comprar o tour pois ajuda bastante tanto na subida quanto na descida). Antes de começar a subir o guia entregou folhas de coca para mascar pois chegaríamos a 4.200 de altitude. É possível pagar para subir à cavalo se não quiser ir a pé, pois a subida é BEM íngreme com duração de 1 hora e meia. Subi tranquila, um pouco mais devagar, com muitas paradinhas para conseguir respirar melhor. Quase não acreditei quando vi uma chinesa subindo com um bebê nas costas, até achei que ela subir de cavalo mas preferiu ir caminhando, passinho por passinho, até conseguir chegar. Logo atrás das montanhas você já se depara com uma paisagem deslumbrante. Ficamos cerca de 40 minutos admirando e, claro, tirando muitas fotos. Na descida é bom tomar cuidado com as pedras soltas, por isso o bastão é essencial para evitar queda. De lá fomos até a aldeia de Mollepata, paramos para o almoço e retornamos para Cusco. Já em Cusco fui comer empanadas com suco chicha morada e uma sobremesa torta de café na panificadora La Bondiet (amei o local e a comida). Dica: Certifique-se na agência de que a entrada do parque está inclusa, caso contrário terá que comprar antes de entrar no parque no valor de 10,00 soles. Gastos: Tour Laguna Humantay - 100,00 soles Lanches em La Bondiet - 19,00 soles 21/09/2017 - Deixei minhas roupas na lavanderia do hostel e fui conhecer um dos pontos mais atrativos de Cusco, o Valle Sagrado dos Incas. Para entrar, tenha o boleto turístico válido. Saímos de Cusco às 09h00 e fomos direto para Pisac, situado a 22 km de Cusco. Chegamos lá e nos deparamos com os terraços utilizados para plantio de batatas de várias espécies e as ruínas no alto da montanha. Depois da explicação do guia ficamos 40 minutos explorando o local. A segunda parada foi numa loja que vende prata, ouvimos a explicação de como é fabricada e como identificar uma jóia. Tivemos cerca de 40 minutos para andar pela feira de artesanato. Seguimos para Urubamba, onde seria servido nosso almoço. O restaurante era muito bom com vários tipos de comidas servidas no estilo buffet, com sobremesa incluso, mas bebidas a parte. De lá fomos para Ollantaytambo, lugar onde muita gente abandona o grupo/passeio para pegar o trem para Machu Picchu. Ainda vale a pena entrar neste parque, mesmo que a construção seja parecida comas demais. Depois da explicação do guia, tivemos 40 minutos para explorar o parque. Depois, seguimos para nossa última parada, a cidade de Chinchero, que fica no alto de uma montanha. Subi a escadaria apreciando as casinhas típicas e a feira na praça principal. Entramos na igreja Virgem da Natividade e vimos o estilo da pintura da escola cusquenha, presente em várias igreja da época dos incas. Na volta comprei milho com queijo (a espiga é enorme, tem um sabor pouco diferente do nosso, mas é bom). Na volta levamos uma hora atá chegar em Cusco. Dica: Você pode comprar o Valle Sagrado sem o almoço incluso mas acredito que não valha a pena, pois a comida é muito boa!! Gastos: Lavanderia - 10,00 soles Tour Valle Sagrado com almoço - 60,00 soles Milho - 3,00 soles 22/09/2017 - Para conhecer mais um pouco do entorno de Cusco, fiz o Valle Sur ou Circuito Sur. A van saiu às 09h00, com a primeira para em uma "padaria" que tem um pão gigante e redondo (cerca de 30 cm de diâmetro), experimentamos e quem quisesse poderia comprar, até que era gostoso, mas grande demais para colocar na mochila. A segunda para foi Pikillacta, a única ruína pré-inca perto de Cusco, construída pela cultura Wari. A cidade era toda murada e restaram apenas restos das edificações. A terceira parada foi em Andahuaylillas, onde visitamos o pequeno Museo Ritos Andinos com entrada de 3,00 soles. Lá tem uma grande diversidade de milho e um estranho crânio maior que o normal que diziam ser de um Alien. Tomamos uma bebida diferente de boas vindas. Ao lado deste museu tem a famosa igreja conhecida como Capela Sistina do Peru, paguei 15,00 soles a entrada e vem um CD com livrinho. A igreja é linda, com uma incrível arte barroca, altares de ouro e pinturas espalhadas por toda a parte. Por fim, encerramos o passeio no sítio arqueológico em Tipón, onde foi construído terraços diante de um pequeno vale que servia para irrigar o plantio. Na volta a van fez uma paradinha para quem quisesse comprar "chicharrón", que nada mais é que o torresmo brasileiro só que em pedaço maior. Dica: nesse passeio não inclui almoço e o retorno é às 15h00. Gastos: Tour Valle Sur - 30,00 soles Entrada no Museu - 3,00 soles Entrada na igreja - 15,00 soles Lanches depois do passeio - 12,00 soles Mercado - 16,00 soles 23/09/2017 - Não podia deixar de fora o passeio da Montanha Colorida. Saímos às 04h30 do hostel, na van o guia nos ofereceu uma cobertinha pois a viagem seria longa e estava frio. Levamos cerca de três horas para chegar em um vilarejo para tomar café da manhã bem farto e delicioso. Seguimos mais uma hora de viagem. Quando chegamos o guia nos forneceu um colete do grupo e um bastão (caso a agência não forneça você pode alugar por lá mesmo). O bastão ajuda muito para quem vai subir a pé. Se preferir, tem a opção de subir a cavalo por 50,00 soles cada trajeto (diz que o preço é variável, dependendo da distância que você pega). O guia fica por último acompanhando aqueles que andam mais devagar. Já iniciei a subida mascando folha de coca com medo de passar mal e com passos normais. Mesmo com todo meu preparo físico chegou um momento que comecei a sentir minhas pernas tremendo e falta de energia. Parei, tomei água e comi barrinhas de cereais. Continuei subindo e logo comecei sentir dor de ouvido, deve ser por causa do vento forte. Olhava para o cume da montanha e meu cansaço gritava para desistir mas a vontade sussurrava "devagarinho você consegue". Parei de olha para a montanha e lá fui eu parando a cada cinco passos, hahaha. Levei mais ou menos cerca de três horas para chegar até a base, o primeiro mirante para a montanha colorida. Aproveitei para descansar e me hidratar, apreciando a beleza do lugar. Segui caminhando para chegar até o topo da montanha, o segundo mirante. O frio de lá é intenso, o vento é forte e gelado, mal conseguia tirar foto pois mesmo com luva a mão congelava, impossível ficar mais de 10 minutos. Comecei a descer e foi aí que percebi que o pessoal do grupo ainda estava chegando (tirando os três americanos do nosso grupo). Enquanto esperava, resolvi bater mais fotos. A descida foi tranquila, é cansativa, mas bem melhor e mais rápido do que a subida. Cheguei na van e esperei o resto do pessoal chegar. Vi muita gente passando mal durante o trekking, então cuidado! Voltamos para o vilarejo onde havíamos tomado nosso café e por volta das 16h00 almoçamos (almoço não inclui bebida). Encerramos a viagem com mais três horas de retorno a Cusco. Dica: Certifique-se na agência de que a entrada do parque está inclusa, caso contrário terá que comprar antes de ingressar no parque. Gastos: Tour Montanha Colorida com entrada - 90,00 soles Coca cola no almoço - 5,00 soles 24/09/2017 - Reservei o dia para conhecer melhor Cusco. Acordei cedo porque não consegui me adaptar ao fuso horário. Tomei café e fui andar. Me deparei com um desfile na Praça das Armas e fiquei um tempo assistindo. Almocei truta com molho verde (truta é um peixe parecido com salmão) no restaurante La Trattoria e pedi de sobremesa um sorvete delicioso na panificadora La Bondiet. Passei no mercado de artesanato na av. El Sol já que o mercado San Pedro estava fechado (os mercados de Cusco são lugares mais baratos para quem quiser comprar lembrancinhas). Gastos: Almoço - 43,00 soles Sorvete em La Bondiet - 7,00 soles Lanches - 23,00 soles 25/09/2017 - Peguei um táxi às 04h00 para o aeroporto e infelizmente tive dois voos cancelados, o que fez com que eu perdesse conexões e atrasasse muito minha chegada. Achei a empresa Latam muito desorganizada no Peru, levei duas horas só para fazer o check-in. Fora isso, a viagem valeu muito a pena. Gastos: Táxi - 20,00 soles Dicas: Praticamente em quase todos os passeios a van passa ao lado de abismos, se tiver medo de altura prepare-se! Vale a pena pesquisar umas três agências (ou mais) para comparar preços, a maioria tem valores parecidos, mas sempre tem as careiras. Deixe para fazer os passeios com altitude mais elevada para o final, assim você estará mais aclimatado e não sofrerá tanto (ex.: Laguna Humantay, Montanha Colorida, Trekking Salkantay, Ausangate). Se for fazer um tour pela agência procure memorizar a placa da van ao sair do carro, isso facilita ao retornar para a van, afinal, são tantas... Praticamente todos os passeios contratados pela agência te buscam no hotel e te deixam próximo a Praça das Armas. Sempre tenha uma blusa ou casaco pois esfria ao anoitecer. Procure levar protetor solar e boné, pois dependendo do dia é sol o tempo todo. Leve também repelente. Leve alguns lanches, compre no mercado barras de cereais, chocolate, frutas, água porque em alguns passeios o almoço pode sair tarde. Total dos gastos: R$ 3.600,00
  3. Bom, essa é uma viagem que programei por muitos e muitos anos. As rotas programadas foram diversas e as companhias também. Até que o grande dia chegou. Eu e minha irmã – parceria 100% ....saímos de Cuiabá/MT com destino Cusco/PERU – dia 08/06/2017 à 16/06/2017. Pegamos um vôo de Cuiabá/MT para para SP. De SP para LIMA. De Lima para CUSCO. Passagens de avião - ida e volta - aproximadamente R$2.000,00 (dois mil reais) para cada uma. DIA 01 - 08/06/2017 - Saída de Cuiabá/MT - Destino: Cusco. DIA 02 - 09/06/2017 - Chegada em Cusco. Chegamos na cidade e logo ao descer do avião, já dava para sentir o frio. Certa de 13 graus. Logo que saímos do aeroporto, vários taxistas nos abordaram e paramos para conversar com um que ofereceu 50 soles para nos levar até o Hotel. Achei um absurdo, pois, já tinha lido aqui no site dos mochileiros que até 20 soles era um bom preço. Fui tentar por menos e ele simplesmente disse: “atravesse a rua e encontrará mais barato”. E foi o que fizemos. Demos mais alguns passos e um taxista não oficial ofereceu 20 soles para nos levar até o hotel. Topamos na hora e entramos no Táxi. O caminho do aeroporto até o centro turístico não é bonito. A cidade não tem muita cor e o trânsito é PAVOROSO. Eles usam muito a buzina. Sempre tem congestionamento e o cheiro de poluição é grande. As ruas são estreitas e a quantidade de ônibus, taxis, carros tirando fino dos outros é imensa. Semáforo também não serve para nada, até porque sempre tem um guarda de trânsito direcionando o trânsito. O percurso do Aeroporto até o centro dura cerca de 20 minutos. Nosso hotel em Cusco foi o INCA WASI. Melhor custo benefício que encontrei. Sempre ficamos em albergues, mas, queríamos banheiro privativo e um pouco de calmaria. Encontramos este hotel e reservamos pelo booking com antecedência. ELE É MUITO CENTRAL. FICA NA PRAÇA DAS ARMAS. Só atravessar a rua e está na bagunça da praça. Custou 30 dólares a diária para duas pessoas. (aproximadamente 100,00 reais). O Café da manhã é bem simples, mas, gostoso. (ovos mexidos feitos na hora, pão, presunto e queijo, café preto, iogurte natural, geléias artesanais e suco de laranja). O pessoal do hotel foi bem receptivo. Sempre conversando e perguntando se precisávamos de algo. Foi ótima a escolha! Não é um hotel luxuoso. Como disse anteriormente, foi o melhor custo benefício encontrado. Hotel Barato e razoável acomodação pela localização. Chegamos ao hotel por volta das 11h da manhã. Neste dia estava tendo um ensaio para a festa que aconteceu em Cusco no dia 24/06 – Festa do SOL. Era uma sexta-feira e a Praça das Armas estava muiiiiiiito lotada. Uma confusão LINDA! Vários grupos fantasiados com roupas típicas, muita dança, música e o som dos tambores não parava. Mal dava para andar nas ruas e eu e minha irmã chegando com as mochilas naquela confusão. Tivemos dificuldade de chegar ao hotel, pois, os táxis, carros e ônibus estavam proibidos de transitar próximo a praça por causa das festividades. Então tivemos que andar boas quadras com as mochilas nas costas. Chegamos exaustas!!! Quando entramos no hotel, o recepcionista já nos ofereceu o famoso chá de coca – quentinho. Ajuda bastante pela altitude e eu adorei o sabor. Vejo muitas pessoas falando que odiaram o gosto ou que tomaram porque tinham que tomar por causa da altitude, mas, para mim que amo chá e bebo sempre....achei super agradável o sabor. Gosto é gosto e isso não se discute. Deixamos as mochilas no hotel e saímos para olhar a cidade e buscar algo para comer. Encontramos um restaurante bem próximo chamado Vitória e Glória e comemos muito bem. Meu prato com filé de frango, ovo, arroz e salada custou 13 soles e o da minha irmã com um hambúrguer de carne custou 10 soles. Ela tomou uma coca e eu uma água. Comemos e fomos para uma agência de turismo na mesma rua. Fomos andando e escolhemos aleatoriamente. Encontramos a agência Luna. FECHAMOS TODOS OS PASSEIOS NA MESMA AGÊNCIA. A DONA DA AGÊNCIA FEZ ÓTIMOS PREÇOS. Assim, no mesmo dia fechamos o City Tour para as 14h. Pagamos 15 soles por pessoa. Eu sei, Eu sei que dizem que é bom fazer a aclimatação primeiro para não passar mal. Mas, nosso tempo (roteiro) estava “curto” e queríamos fazer a maior quantidade de coisas por lá. A minha programação e roteiro estavam apertados. Encontramos o guia que nos acompanharia no City Tour na praça das armas. Andamos uns 04 quarteirões até o primeiro local que se visita. NÃO TÍNHAMOS COMPRADO OS BOLETOS TURÍSTICOS AINDA. O guia disse que na segunda parada desceríamos do ônibus para comprar. O boleto turístico pode ser comprado parcial (para um dia – com direito a 04 sítios arqueológicos) ou geral, que dá direito a visitações por 07 dias se eu não me engano. Custou 130 soles por pessoa. O boleto turístico é necessário para quase todos os passeios em Cusco. Acho que contempla 16 atrações em Cusco e ao redor. O primeiro lugar de visita foi o Museu de Qoricancha . Lá TODOS devem pagar 10 soles e não está incluso no boleto Turístico. O Museu é bonito e é necessário um guia para dar as explicações. É um museu que dispõe de várias “salas” – templos. O guia vai explicando o significado de cada uma e maneira como os antepassados viviam e no que acreditavam. Mostra inclusive uma evolução cronológica dos incas, pinturas, objetos. É bem legal e vale a pena pela história. Após sairmos de Qoricancha, seguimos a pé até um ônibus que ficava há uma quadra do local. Lá, entramos e fomos para Sacsayhuaman. O Lugar incrível. Estava um dia de bastante sol. São várias as teorias explicadas sobre o local. É como se fosse uma fortaleza Inca. O guia explicou que foi criada com propósitos de defesas. Talvez por militares, para defenderem-se de tribos invasodoras. Sacsayhuaman se encontra há mais de 3.000 metros de altitude e intriga a todos a forma como as rochas foram colocadas naquele local. Uma das teorias eram andaimes feitos de “lenha” e com mais de duzentos homens conseguiam movimentar as rochas e coloca-las no local. Ocorre que acreditam ser um lugar místico e outras teorias cercam essa história como uma engraçada que o guia contou.... De que havia uma “mágica” que faziam as rochas obedecerem seu “senhor” e se movimentavam até o local. Quando chegamos de volta no ônibus para irmos para o próximo local a ser visitado, tinha um cara vendendo umas fotos. Quando fui olhar....havia uma foto minha tirada no centro na cidade de Cusco. Eles tiram fotos do grupo indo para o passeio sem a pessoa perceber. Vão até a parada...provavelmente combinado o guia turístico e vendem as fotos tiradas. Comprei porque achei aquilo o máximo. Nem vi ninguém tirando foto, e derrepente aparece o cara lá com uma foto minha. Custou 05 soles. Bom, saímos de lá e a próxima parada foi um lugar chamado Qenko. É um complexo arqueológico. São pedras esculpidas. A história é bem legal. Mas, não tem muita coisa para se ver. Tem uma rocha esculpida que é quase um túnel. Passamos por dentro dela e o guia conta que ali era uma possível “templo” para sacrifícios para os deuses. Na volta, caminhando até o ônibus, compramos um milho gigante deles que não me lembro o nome. Custou 03 soles. É gostoso. Parecido com o nosso. Saímos de lá e fomos para lugar chamado PuKaPuKara. A história contada pelo guia é que quando um Inca da alta sociedade se preparava para visitar os banhos de em Tambomachay, outros se hospedavam em Pukapukara que era uma espécie de quartel para hospedagem. Disse o guia que a história explica que havia um acesso direto a Tambomachay, embora não esteja provado. Fazia muito frio e ventava muito. Só tirei umas fotos, ouvi um pouco a explicação e voltei para o ônibus. A Próxima parada, já estávamos exaustas e já estava escuro e muuuuuito frio. Chama-se Tambomachay. Logo que entramos no parque arqueológico já dá para ouvir o barulho de água, riachos. Repito, o frio era muuuuuuuuuito grande. Tinha que andar bastante e nós já estávamos cansadas. Tiramos umas fotos com as lhamas e voltamos pro ônibus. Infelizmente não tenho fotos e nada para contar de lá. Mas, em relação as fotos com as lhamas, vc deve pagar. As moças ficam GRITANDO: “propinaaaa”. “Propiiiiiiina”. Que significa gorjeta. Uma moeda pela foto e fica tudo certo. Só não vai fazer igual eu e dar uma moeda de 05 soles. Substimei a moeda achando que era só uma moeda e eram 05 soles. Cuidado! kkkk moeda achando que era só uma moeda e eram 05 soles. Cuidado! kkkk Após todos voltarem para o ônibus, voltamos para o centro de Cusco – Praça das Armas. Já eram umas 19:30 e fomos direto comer alguma coisa, pois estávamos pretendendo sair anoite e conhecer os bares noturnos. Fomos comer num restaurante e escolhemos comer uma pizza. A Pizza média para nós duas saiu 18 soles – sabor napolitano que é presunto queijo e tomate. Eu pedi um taça de vinho da casa que custou 10 soles (bem servida) e minha irmã uma Inka Kola que custou 4 ou 5 soles. Demos uns 02 soles de propina. Lá dentro era aconchegante e o mais importante.. Era beeem quentinho. Estava uns 5 graus lá fora. Muito frio para quem vem de Cuiabá/MT. Tinha Wifi e foi bom para postar algumas coisas no Instagram e nos comunicar com amigos de familiares. De lá fomos para o hotel e resolvemos dar um cochilo antes de sair anoite. Não deu certo né? Não acordamos e ficamos pelo hotel mesmo. Afinal era o primeiro dia e estávamos moídas. Não sofremos com a altitude neste primeiro dia, pois, tomamos SOROCHE PILLSS (CUSTA 44 SOLES UMA CAIXINHA) desde o aeroporto de Lima. Tomamos de 04 em 04 horas. Tudo correu bem. DIA 03 – 10/06/2017 – MORAY E SALINAS DE MARAS e CHINCHERO Gente, antes de começar, já tinha lido vários relatos e visto várias fotos dos locais. Já adianto que nada se compara mesmo. Os lugares e as vistas são incríveis. Vale a Pena. Pagamos na mesma agência que contratamos o City Tour – 25 soles por pessoa para Maras e Moray. Em Maras tivemos que pagar 10 soles a entrada, pois, não está incluso no boleto turístico. Quem administra é o próprio pessoal local das salinas. Saímos de Cusco as 08h da manhã. Primeira parada foi um local chamado CHINCHERO. Muito bacana. É um distrito, um povo local indígena. São várias casinhas que recebem os turistas, vendem seus artesanatos e nos contam um pouco sobre a tintura de seus tecidos. Inclusive com pigmentos extraídos da própria natureza. É fantástico. A moça local que contava as histórias era muito divertida. Mostrou também os bordados dos tecidos e a forma manual e como tudo é feito. É muito incrível. Pedi para tirar uma foto com ela e ela respondeu: “Eu tiro. Mas, agora vamos comprar algo minha amiga”. Kkkkk Ou seja, estava mais uma vez me cobrando pela foto. Confesso que as coisas vendidas lá são liiiiindas. E as blusas feitas de pele de alpaca não tem igual. Realmente é um trabalho fantástico. Mas, para presentear amigos e familiares sai caro. Se quiserem levar algo, busquem em Cusco o MERCADO SAN PEDRO (há 4 quadras da praça das armas) ou em um outro Mercado - (lojinhas) no Bairro San Blas, conhecido como o Bairro Artístico de Cusco...fica perto do Museu de Qrocancha, que é beeeeeem mais em conta. Inclusive, neste bairro, nesta rua das lojas existe uma PEDRA – que se chama Pedra de 12 ângulos. Essa pedra é fixada na parede sem o uso de argamassa. Ela possui 12 ângulos e nenhuma outra pedra da cidade possui essa quantidade de ângulos. Voltaaaando....Lá em Chinchero os preços são para turistas. Mas, produtos são de ótima qualidade. Em Chinchero ainda fomos ao banheiro antes de seguir, pois, nas próximas paradas o guia nos avisou que os banheiros são precários. Assim, seguimos rumo a MORAY. Quando chegamos lá, são muitos ônibus estacionados, muitos guias e turmas para “entrar” no local. Tem que estar atento para não se perder. Sempre atento nas bandeirinhas que os guias usam. Tínhamos um nome do nosso Grupo. Éramos o Grupo Puma. Tem uma descida bem íngreme e de lá o guia já começa as explicações sobre o local. MAIS UMA VEZ, SÃO MUITAS AS TEORIAS. Esse lugar sim, em termos de história vence de qualquer outro. Que lugar incrível! O guia explicou que a teoria mais explicada é que ali era uma estação de desenvolvimento agrícola. Um laboratório para o desenvolvimento da agricultura que possuíam microclimas diversos com diferença de até 1 grau de temperatura para cada tipo de colheita. Os incas possuíam diversos tipos de sementes, métodos de colheita e também de terra. O guia explicou que haviam mais 04 laboratórios daqueles ali em Moray, mas, que alguns são de difícil acesso e mais afastados. De lá, entramos no ônibus e fomos para SALINAS DE MARAS. Demoramos uns 25 minutos até chegar numa vendinha deles antes de chegar em Maras. Essa vendinha vende produtos locais. SAL - (diversos- sal normal, rosa, medicinal – chocolate com sal – água, refrigerante) etc. Produtos para turistas. Compramos 03 pacotinhos de sal (pequenos) 03 por 10 soles e 02 chocolates com sal de Maras por 05 soles. Voltamos para o ônibus...que nos levou até as salinas de maras – mais uns 5 minutinhos até chegar no local. Ao chegar lá, existe uma ladeeeeeeira que você deve descer caminhando até chegar nas salinas. O dia estava aberto e com bastante sol. Deixei os agasalhos no bus. O lugar é lindo. É um complexo de mais de 04mil piscinas de extração de sal. O guia explicou que as vezes uma só família possui mais de 30 piscinas e sobrevivem dessa extração. E que hoje esse sal é muito puro e lucram com a exportação pela pureza e sal de qualidade. O problema não é descer e chegar lá. O problema é a volta. Hahahaha Nada muito difícil, mas, logo a falta de ar vem. Voltamos para o bus, que nos levaria de volta a Cusco. Neste passeio não está incluso almoço, então você tem a opção de levar sua comida (foi o que que fizemos – passamos num mercado antes das 08h da manhã e compramos bobeiras- inka kola, doritos, pães – que deu 5soles e 30 para nós duas) OU comprar algo naquela vendinha que eles nos levam, que tem salgadinhos e bobeiras para quebrar o galho. Voltamos para Cusco e chegamos lá por volta das 16h. Fomos para o hotel, deixamos nossas coisas e fomos dar uma volta na praça e depois mais tarde fomos comer. Comemos num restaurante todo refinado (OQ NÃO SIGNIFICA QUE ERA BOM). Resolvemos pedir o menu turístico de 20 soles por pessoa, que era: Uma entrada: Uma sopa. Eu escolhi uma de frango e minha irmã uma de aspargos. (Horrível) Entendam... minha sopa de frango eram pedaços de frango cozido boiando na água. Água sem nada, sem tempero. Eu tinha pensado que era tipo uma canja nossa, uma caldo... sabe? Aquela coisa mais cremosa. Não ! Era frango na água. Enfim. Fica a dica para quem ler sopa de frango. Prato Principal: Eu escolhi um macarrão a bolonhesa e minha irmã uma carne de alpaca com legumes. (Estava mahomenos). Sobremesa: Panqueca de chocolate/doce de leite. Acompanhava bebida – Minha irmã pediu uma coca e eu uma água. Balanço da janta: Acho que não foi boa. Comemos mais barato e muito melhor os outros dias. Não compensou mesmo. Não é que foi caro. Mas, a comida não estava a contento. Voltamos para o Hotel, pois, hoje sim, iríamos conhecer o tão famoso bar chamado MAMA AFRICA. Era dia de salsa e estávamos animadas. Nos arrumamos e logo que saí do hotel quase morri de frio. Muuuito fio. Uns 5 graus. Sorte que o MAMA AFRICA ficava há alguns passos de distância do hotel. Entramos lá, escolhemos uma mesa e eu logo pedi uma tequila. Sim, eu precisava me esquentar e dar uma animada. Tomamos uma dose cada e minha irmã foi dançar com o pessoal do bar, porque estavam dando “lições de salsa”. Eu fiquei de boa na mesa e pedi mais 02 Piscos Sour, afinal, estava ali, sem fazer nada. O pisco é tipo uma caipirinha nossa. Só que ao invés de pinga, tem o PISCO, bebida local e muito saborosa. A conta deu uns 45 soles + 01 soles para a pintura no rosto..kkkkk. Um Inglês engraçado chegou na mesa, dançou, conversamos um pouco (comunicação nossa bem ruim). Rimos bastante e ele curtia outras paradas das quais eu não curto. Fiquei meio com medo e ele foi embora. Kkkkkkkkkk Minha irmã voltou para a mesa,...e logo saiu para fazer uma pintura no rosto. Esta aí a foto. Kkkkkkk Quando ela voltou, o bar “pegou fogo” com uma música brasileira. DANÇA DA MANIVELA. SIIIIIIIM MINHA GENTE. O POVO FOI A LOUCURA. TODO MUNDO DANÇANDO: “DiZENDO QUE AQUI TÁ QUENTE, AQUI TÁ FRIO.. MUITO QUENTE, AQUI TA FRIO”. HAHAHHA achei aquilo o máximo. Logo fomos embora porque no dia seguinte íamos para a montanha colorada e o passeio sai as 3:30 da manhã. Precisávamos dormir, ainda que pouco. Aí, fomos para o hotel. Chegamos no hotel, arrumamos as mochilas para o dia seguinte, com bolachas, pães, água, protetor solar, repelente...luvas, gorros...etc. e fomos dormir. DIA 03 - 11/06 – MONTANHA COLORADA – MONTANHA 07 CORES – O MAIS LINDO DIA DA MINHA VIDA E O PIOR DELES SEM SOMBRA DE DÚVIDA. Bom, o "comentário" tem duplicidade. Como assim o mais lindo e o pior? Vou contar. Foi UM DIA DE TERROR NA MONTANHA. Saímos as 03:30 da manhã em ponto. FOI O MAIOR FRIO DESDE ENTÃO. ESTAVA ABAIXO DE ZERO E VENTANDO BASTANTE. O GUIA NOS PEGOU A PÉ NO HOTEL E COMO NÃO PODERIA TRANSITAR NADA NA PRAÇA, andamos umas duas quadras até a VAN. O passeio custou 80 soles por pessoa mais 20 soles lá na entrada da montanha. Tem agências que já fazem um valor total com essa entrada lá na montanha. Mas, eu nem sabia desse valor na entrada da montanha. Entramos na Van e aquele alívio bateu. Estava realmente muuuuuuuito frio. Eu estava de gorro, com luva nas mãos e 04 blusas de frio e ainda assim não esquentava. O caminho até a montanha é bem longo. Umas 3h ou mais de van. Fui meio dormindo. No caminho, estávamos já no SOROCHE PILLS. Afinal, íamos subir mais de 5mil de altitude. Minha irmã já na van não se sentia bem. Não sei se pelo cansaço, ou pela noite anterior, não sei. Mas, seguimos em frente. Ela disse só que estava meio enjoada. Chegamos no primeiro ponto de apoio do Grupo. O FRIO ERA MUITO PIOR DOQ ESTAVA. O VENTO ERA ABSURDO E EU ACHEI QUE IA TER UMA CRISE DE HIPORTEMIA. ISSO, SÓ DE DESCER DA VAN E IR ATÉ O PONTO DE APOIO PARA TOMAR O CAFÉ DA MANHÃ. O PASSEIO É INCLUSO O CAFÉ DA MANHÃ E ALMOÇO. ENFIM, chegamos lá dentro das “cabaninhas” e eu tremia muito. Nos deram água fervendo para fazer chá de coca, chá de munha (para enjoo), pão e geléia. Peguei um copo com água fervendo para por o café que era solúvel e deixei minha mão queimar no copo para tentar me esquentar. Funcionou! Nessa “cabaninha” ficam diversos grupos. Umas 50 pessoas que subirão juntos a montanha. Cada um no seu tempo. Mas, digamos que juntos. No mesmo grupo. Nosso Grupo se chamava The Champions. Kkkkkkkk Se alguém ficasse para trás ou precisasse de algo... precisava se identificar como: “The Champions”. Comi , me esquentei um pouco e minha irmã tomou chá de coca, e não conseguiu comer nada. Ela continuava enjoada. Terminamos o café da manhã e fomos para o bus que nos levaria a entrada do “parque” da montanha. Lá neste local aluguei 04 bastões de caminhada. Dois para mim e dois para minha irmã. Custou 10 soles os quatro. DUVIDEI QUE FARIA DIFERENÇA HEIN? RI muito quando minha irmã quis alugar esse bastão. Paguei a língua. Faz uma diferença violeeeenta. Ainda mais quando você já está morrendo e o bastão te ajuda a subir. Enfim, aluguem bastões de caminhada. É barato e vale a pena. Eu sabia que subir essa montanha não seria fácil. Já li vários relatos dizendo que é PUNK, e bem cansativo, maaaaaas, estávamos ali para isso e já havíamos nos programado. (CONFESSO QUE É BEM PIOR DOQ EU LI). Começamos a caminhada e o frio cortava e queimava o meu rosto. Tinha no chão resquícios de gelo/neve. Fazia muito frio. Botei um cachecol para proteger o rosto ( envolvi meu nariz no cachecol), pois, já não sentia mais nada. Alguns metros de caminhada reta e eu já sentia os efeitos da altitude. Faltava-me um pouco de ar e ao puxar forte para respirar, sentia até dor no pulmão. Acreditem! Assim seguimos.... O percurso é longo e apesar do sol forte.....o vento estava judiando. A PAISAGEM É INCRÍVEL. FUI COM A MÁQUINA PENDURADA E TIRANDO MIL FOTOS. É MUITO LINDO MESMO. SENSAÇÃO INDESCRETÍVEL. FICAVA PARADA RESPIRANDO PARA TENTAR CONTINUAR A CAMINHADA E ANALISANDO TUDO AQUILO E PENSANDO EM COMO PODIA EXISTIR ALGO TÃO BELO....E AQUELA SENSAÇÃO DE QUERER TER TODOS QUE EU AMO ALI DO LADO COMPARTILHANDO AQUELE MOMENTO. No meio do percurso minha irmã começou a passar muito mal. Era fato que isso iria acontecer. Ela já estava ruim antes de chegar na montanha e sem comer nada. Complicou tudo! As subidas já estavam bem íngremes e já estava difícil puxar o ar. Mas, eu estava bem. Estava cansada...mas, me sentindo bem. Mais alguns passos, no meio da subida minha irmã teve o primeiro vômito. Não tinha comido nada. Saiu chá de coca. Caminhamos mais um pouco e ela vomitou de novo. Eu sugeri que voltássemos. Mas, ela quis seguir. Ela já não aguentava mais, quando o guia sugeriu que ela alugasse um cavalinho no meio do caminho para que a levasse “até o topo”. Coloquei entre as aspas para explicar depois... Porque o cavalo não sobe ate o topo. O cavalo se você alugar desde o começo da trilha custa 90 soles ida e volta. Se você alugar no meio do caminho, eles dão o preço de acordo com a distância...de 10 a 60 soles. Depende. São vários os cavalos disponíveis durante o percurso. Dá dó de subir em cima, afinal, eles também ficam cansados e ser ar. Mas, faz parte. Minha irmã pegou um cavalo e foi embora. Eu fiquei pra trás. Sozinha e sem dinheiro. (porque estava na mochila dela). Eu estava numa montanha, num lugar desconhecido, em outro País, há muitos km de distância do topo e....sozinha. Mas, vamos lá.... Fui caminhando e batendo papo com o guia que era muito divertido. Disse que de todos que passam pela montanha ou pelos passeios que ele guia, tem um apreço especial pelos brasileiros. Explicou que os brasileiros são os mais divertidos e contagiantes. Dizendo ele que ainda estava prevendo meu futuro... que eu iria me casar com um homem bom e ter dois filhos. Um Casal. Mal sabia ele que acabei de me divorciar. Mas, quem sabe né?kkkkkkkkkkkk Não quis estragar o papo com chatices de divórcio, porq se nem o casamento valeu a pena, quem dirá falar do divórcio?! No caminho....encontrei uma brasileira...Sabrina (divertidíssima) e um amigo dela – Edu ( Colombiano). Fomos conversando e cantando...ouvindo música pelo celular dela. Os passos eram lentos e a cada 3 minutos...5 no máximo, parávamos para respirar. Derrepente, rolou oq? DES-PA-CI-TO. “Quiero respirar tu cuello....despacito....Para que te acuerdes si no estás conmigo... kkkkkkk. DANÇAMOS E RIMOS MUITO. Afinal, não conseguíamos mais subir. Estávamos parados, cantando e esperando ter fôlego para continuar. O Guia começou a cantar Michel Teló – “Nossa, Nossa, assim você me mata”. Eles adoram essa música. Super sucesso! Outro estrangeiro gritou: TcheTcherere Tchêtchê – Gustavo Lima e você! E nisso fomos aos trancos e barrancos literalmente. Chegou em um ponto que eu me senti esgotada. Já estávamos perto do topo, mas, eu não conseguia mais! Peguei um cavalo. Ia demorar muito para subir, pois, eu estava parada já tinha um tempo e eu estava preocupada com a minha irmã que já estava beeem na frente e passando mal. Gente para tudo! Peguei um cavalo. A mulher que guiava o cavalo me cobrou 15 soles. Eu não tinha dinheiro. Fizeram uma vaquinha para pagar meu cavalo. Além disso, não compensou, andamos um pouco e ela disse que era o máximo que o cavalo poderia ir. Ou seja, me passou a perna. Tive que subir do mesmo jeito. Maior ladainha da história. Andei poucos metros. Que raiva! Cheguei no Topo. Sozinha. Encontrei minha irmã lá chorando e vomitando. Tiramos fotos bem rápidas. Não subimos no ponto mais alto e o guia mandou eu descer com ela. LÁ NO TOPO SÓ PODE FICAR 10 MINUTOS por causa da altitude. São 5.500 de altitude. Corre risco até de embolia pulmonar . E minha irmã que já estava passando mal há horas, ficou lá em cima me esperando. Ou seja, descemos “correndo”. Logo na descida, ela voltou a vomitar. Estava quase desmaiando. Eu estava desesperada. Precisávamos voltar e ela não tinha condições de andar. O guia tinha um frasco de uma “água com álcool” que eles usam. Chama água florada. ELES PEDEM PARA QUE VOCÊ PASSE O LÍQUIDO NAS MÃOS E LEVE O ROSTO ATÉ AS MÃOS RESPIRANDO O LÍQUIDO E PUXANDO O AR ATÉ O FINAL. ELES PASSAM TAMBÉM NO ROSTO/NA TESTA. A pessoa volta um pouco a consciência e o enjôo melhora. Minha irmã melhorou na hora. Muito rápido. Mas, não conseguia comer nada e cada vez que vinha a ânsia não saía nada. Andamos mais um pouco e os mesmos sintomas voltaram... E Sempre com a água florada para não desmaiar e perder a consciência. Na volta, foram umas 08 vezes isso. Ela pegou um cavalo para poder voltar. Eu estava muito preocupada e peguei um para seguir com ela. Eu estava bem para seguir caminhando, mas, se eu não pegasse o cavalo, eu demoraria mais de 02h para chegar de volta. Pegamos o cavalo e seguimos. E ELA tinha que descer toda hora porque estava passando mal. EU VOLTEI FAZENDO PROMESSA, REZANDO, CHORANDO. PORQUE EU VIA QUE ELA NÃO AGUENTAVA MAIS. NEM CORPO, NEM MENTE. E eu estava desesperada e ao mesmo tempo não tínhamos o que fazer. Eu olhava pra frente e eram muitos km a serem percorridos. Km de terra, pedra, riozinhos. Estávamos muito distantes. Uma hora descemos do cavalo. Era uma descida. E presenciei um cavalo caindo com uma mulher em cima. Por sorte ninguém se machucou..... ainda. A moça se levantou. Reclamou de dor. Mas, seguiu. Logo que descemos do cavalo e que vi a mulher caindo...minha irmã estava descendo a pé e eu achei que ela fosse desmaiar, corri para segurá-la.... foi quando eu caí nas pedras, machuquei o joelho e rolei. Rolei mesmo... barranco abaixo. Minha roupa ficou laranjada no chão de terra e minha irmã ria junto com o guia. Foi um tombo digno de ser filmado. Foi muito feio. Cortei o joelho e fiquei com uns roxos, que não hora nem foram sentidos. A bonita da minha irmã ria de passar mal. Ou melhor, ela já estava passando mal..... e por um minuto se esqueceu disso e caiu na risada. Eu dei um grito no meio do nada e disse: “PUTA QUE PARIU. FUI AJUDAR VC E ME FUDI. QUE ÓDIO. PARA DE RIR..EU NÃO VOU MAIS AJUDAR. OUVIU? NÃO VOUUUU!”. E O GUIA ESTAVA INCRONTROLÁVEL DE TANTO QUE RIA. NA HRA QUIS MATAR TD MUNDO E DPOIS EU RI MUITO LEMBRANDO. Eu consegui rasgar o solado da minha botinha neste tombo. Não vi na hora...só depois! Subimos de volta no cavalo e seguimos. Após horas...chegamos no final da trilha! Finalmente! Só precisávamos descer dos cavalos, pagar o pessoal e andar alguns metros até o bus. Porque já conseguia enxergar a chegada! Eu andava segurando minha irmã...ela andava cambaleando. Mal conseguia se sustentar em pé. Eu estava muito preocupada. Ela não tinha cor. Não falava. Só seguia.... Estávamos dando passos pequenos e eu chorando....Acho que de alívio por ter conseguido chegar.....E nisso, minha irmã parou e disse. Calma! Eu vou conseguir chegar. Eu não estou bem. Mas, falta pouco! Vou conseguir. Eu segurei nela e disse: “Vamos devagar! Vamos conseguir! Falta Pouco. Confio em vc. Vamos?”. Foi quando ela desmaiou. Faltavam pouquíssimos metros até a chegada. O ônibus estava próximo....e eu ali com ela no chão. Na hora a minha reação foi gritar. Eu gritava: “Alguém me ajuda. ...Por favor alguém me ajuda”. Logo veio um outro guia correndo....ele era de outra agência...Botou a água florada no nariz dela, levantou sua cabeça, tirou os agasalhos dela, foi conversando com ela..... até que ela voltou a consciência! Nessa de abaixar para ajudar, chorar, pedir ajuda.... acho que meu lindo Rayban original se foi. Prejuízo. kkkkkk Gente!! Que desespero. Eu chorava. Eu não sabia o que fazer. Até promessa de parar de comer chocolate eu já tinha feito no caminho. Era muito desespero. Na minha cabeça eu só pensava que estar ali era uma vontade minha. Um sonho meu. Não dela. Ela foi para me acompanhar. Por parceria. Então, me senti culpada de submetê-la àquilo. Eu estava chocada, cansada... e já sentia muita dor de cabeça. Era um conjunto de cansaço, desespero, altitude, sol, frio,.....já não me sentia bem também. Mas, estava firme. Porque ela estava pior... e eu precisava ajudar. Ela se levantou com ajuda desses anjos que nos ajudaram. Fomos até o ônibus. Deram remédios para enjôo e para altitude. Sentei com ela no bus e esperamos as demais pessoas retornarem da montanha. Esperamos por mais uma hra mais ou menos. Todos chegavam vomitando. Com dor de cabeça ou com sintomas diversos por causa da altitude. Teve uma inglesa que chegou chorando muito. A sensação que a altitude nos causa é impactante. TODOS dentro do ônibus e já podíamos voltar para o ponto de apoio para o almoço. Chegamos lá e minha irmã já não vomitava há algum tempo. Os remédios estavam fazendo efeito. E minha cabeça latejava de dor. O almoço era um caldo de legumes com COENTRO. ODEIO COENTRO, MAS, COMI FELIZONA, porque sentia muita fome. Um suco de milho roxo horrível e um prato tipo um PF de frango, arroz e legumes que estava bem gostoso. Minha irmã tentou comer um pouco da sopinha, mas, não desceu muito. Comprei em uma vendinha lá uma coca-cola para ela, um chocolate e um Gatorade para ver se ela conseguia botar algo na barriga, pois, desde cedo não comida nada....e ela foi “melhorando aos poucos”. Voltamos para o ônibus, rumo a Cusco. O percurso é bem longo. São horas intermináveis. Neste momento, já tinha tomado muuuitos remédios para dor de cabeça e nada melhorava. Comecei eu a passar muito mal. Mas, acredito que pela dor, o enjôo veio...e tudo piorou. Nunca me senti tão mal na vida. Muito mal mesmo. Mas, aguentei firme. Chegamos em Cusco e já eram mais de 20h da noite. Cheguei chorando, querendo vomitar, com dor e fomos para o hotel. Cheguei no hotel e pedi um chá de coca. Tomei e em 05 minutos a dor de cabeça sumiu. Já conseguia me sentir melhor e foi muito incrível. Eu chorando. Sentada no chão, tomando chá de coca e vendo que estava melhorando. Chorava de alívio por melhorar, chorava de alívio de ter chego ao hotel sã e salva e chorava de alívio da minha irmã passar bem. Conseguem visualizar o que foi este dia interminável? Tomei um banho. Já estava melhor. Nos arrumamos e saímos para comer. Voltamos naquele lugar da Pizza do primeiro dia. A conta deu 23 soles para as duas. Voltamos para o hotel e dormimos, porque no dia seguinte tinha o passeio para o valle sagrado e depois dormir em Águas Calientes e seguir Rumo a Machu Picchu. UM BALANÇO DO PASSEIO MUITO IMPORTANTE. SEI QUE NO MEU CASO FOI DIFERENTE, PORQUE MINHA IRMÃ PASSOU MUITO MAL. MAS, EU ACONSELHO AS PESSOAS QUE QUISEREM MESMO IR, SE PREPARAREM FISICAMENTE. Eu faço exercícios diariamente e não sofri tanto quanto minha irmã. É uma trilha que requer preparo físico. Não é fácil. É muito desgastante!! Os passeios são vendidos indiscriminadamente para qualquer turista. Sem qualquer alerta sobre as dificuldades, inclusive de percurso e altitude. Acreditem! É BEM DIFÍCIL. Quando eu lia aqui no mochileiros, as pessoas contando sobre a trilha.... achei que seria difícil, mas, nada comparado ao que foi. É DIFÍCIL SIM E AS PESSOAS DEVEM SE PREPARAR FISICAMENTE E PSICIOLOGICAMENTE PARA CONSEGUIR CHEGAR AO TOPO, DESCER E CHEGAR BEM NO FINAL. Que... na minha opinião é o mais importante! Foi um dia de superação. Em todos os sentidos. Pela caminhada, Pela trilha, Pelo sol, frio, pelas subidas, pela parceria, por todas as dificuldades de saúde da minha irmã. Mas, o que fica de lição é que é importante desbravar, conhecer, se superar, sem sombra de dúvidas! Mas, mais importante que isso é voltar bem pra casa, para as pessoas que amamos. DIA 04 – VALLE SAGRADO – 12/06 – DIA DOS NAMORADOS NO BRASIL No dia seguinte, acordamos bem. Tomamos café da manhã e nosso passeio para o vale sagrado saía as 08:30 da praça das armas. Quando fui colocar minha botinha de guerra...vi que a mesma estava rasgada...o solado estava saindo, devido ao tombinho que levei. Não dava tempo de mandar arrumar e o custo de uma nova á seria alto. Fui ao mercado e pedi algo que colasse. E me deram um SUPERBONDER – CHAMA TRIZZ. Tentei colar, mas, não obtive muito sucesso e fui rumo ao Vale Sagrado. Eu estava acabada. Kkkk Meu couro cabeludo queimado do Sol. Minha testa e meu nariz vermelhos e minha boca descamava. Essa montanha destruiu minha imagem. Kkkkk Sobre o passeio....Pagamos 25 soles por pessoa, sem almoço. Mas, sempre levamos comida na mochila e assim conseguimos economizar. Mas, há a opção de contratar o passeio com almoço incluso. (A maior parte das pessoas já pagam com almoço). O passeio é bem bonito. Entramos no ônibus e fomos para a primeira parada que é um mercado de artesanato chamado C´orai. A parada é rápida de 10 a 15 minutinhos, para comprar, tirar fotos, ir ao banheiro, etc. Depois, entramos no bus e fomos rumo a uma loja que vende PRATA. Lá, nos ensinam o que é prata de verdade. Como identificar uma jóia de prata e como ela é feita. No final, dão descontos aos turistas na peças da loja, que por sinal são lindas. Depois, seguimos às ruínas de PISAC. O guia começa explicando sobre o local e diz que a melhor teoria para a cidade de PISAC é que a cidade começou como um posto militar para combater invasores, mas virou um centro residencial e que pelas ruínas e pelos pontos dessas ruínas, verifica-se quem era da alta sociedade e quem não era.. Seu principal local é o Templo del Sol, um observatório astronômico, mas, as ruínas também demonstram a preocupação com solo, agricultura e plantações diversas. Ficamos sentadas lá em cima tirando fotos e desbravando o local. Após, seguimos para o bus para a próxima parada que seria Ollantaytambo. Chegando lá, o guia nos acompanha até as ruínas e explica um pouco sobre o local. Eu e minha irmã nos despedimos do grupo e ficamos livres em Ollantaytambo para tirar nossas fotos e depois seguir para a estação de trem, pois, nosso trem para águas Calientes estava marcado para as 16:10. De Ollantaytambo, pegamos um táxi e pagamos 1 sole por pessoa para nos levar até a estação de trem, pois, tínhamos trem comprado para as 16:10. Dá para ir a pé. Mas, além da minha bota estar descolada....02 soles não fariam mal a ninguém e evitaria a caminhada. Não é tão pertinho assim. Ainda tínhamos tempo antes de pegar o trem. Compramos as passagens de trem pela INKA RAIL (ACHEI BEM CARO). Compramos pelo site oficial deles. Compramos com antecedência. Custou 131 dólares ida e volta. Aproximadamente 419,00 reais. Como tínhamos um tempo ainda, paramos em um café para fazer uma hora e usar a wifi. (que a propósito não funcionou). Após, Pegamos o trem rumo a Águas Calientes. O percurso dura quase 2h. O trem serve um snack e uma bebida gelada como cortesia. Chegamos em Águas Calientes já anoite e subimos uma ladeeeeeeira até encontrar o albergue reservado e depois descobrimos que eles forneciam o serviço de transfer gratuito. Chegamos no Albergue - El Místico – 37 dólares para as duas.(aproximadamente 118,00 reais). Foi apenas uma diária. Só iríamos dormir para pegar o bus para MP no dia seguinte. O quarto era uma delícia e o banho muito quente. SUPER indico o albergue. Fomos muito bem recebidas. Mas, lembrem-se. Utilizem o serviço de transfer. Saímos para comer e ir ao mercado para comprar comidas para o dia seguinte em MP. Comprei também outro TRIZZ para tentar colar minha bota, porque ir à MP meio manca com a bota descolada não dava. Comemos uma pizza grande que custou 20 soles. Neste preço acompanhava uma bebida gratuita, que foi um suco de limão e eu pedi uma taça de vinho da casa que custou 10 soles. Presenciamos uma festa de um Santo na cidade que parecia como um carnaval nosso. Várias pessoas pulando em blocos, com bebidas na mão, tambores tocando e era tudo muito engraçado. Eles tinham galhos de plantas e folhas penduradas no corpo e na cabeça. Logo voltamos ao Albergue e dormimos. DIA 05 – 13/06 – MACHU PICCHU – O GRANDE DIA Acordei e fui ver se minha botinha tinha colado..e estava tudo ok!! Vivaaa! Ainda bem!! Acordamos para o café...Foi bem legal. Você avisa o horário que vai sair do albergue e seu café da manhã fica pronto no horário que você marcar. O Café da manhã foi gostoso. Simples e bom. Pão, geléia, manteiga, presunto e queijo, banana, café, leite, suco e chás. Fomos para a estação de bus as 05:30 da manhãaaa. Queríamos subir bem cedo e aproveitar o dia. Não tínhamos comprado as passagens de bus ainda. Fiquei na fila do bus que é beeeeeeem grande, enquanto minha irmã foi comprar os tikets (24 dólares ida e 24 dólares volta por pessoa). O frio de águas calientes é tranquilo. Nada comparado ao de Cusco. O dia estava amanhecendo e estávamos na fila do bus. Entramos no bus, que nos levou até a boca de Machu Picchu. (demorou uns 20 minutos até o topo). Chegando lá, estávamos com mochilas pequenas com nossos nomes e com a bandeira do brasil bordadas. Deixamos as mochilas grandes lá em cusco no hotel e fomos para o Valle Sagrado - Águas Calientes com mochilas pequenas, já que ficaríamos um dia apenas. O ingresso de entrada para Machu Picchu custou aproximadamente 158,00 reais para cada uma. Não tínhamos contratado guia para MP e lá na entrada quando passamos com nossas mochilinhas com a bandeira do Brasil, um casal de brasileiros ofereceu para dividirmos o guia que falava português. Iríamos com eles e mais um casal de brasileiros. A proposta era de pagar 25 soles por pessoa. Seríamos 06 pessoas, logo o total de 150 soles para o guia. TOPAMOS NA HRA e Entramos em MACHU PICCHU. O dia ainda estava meio escuro, mas, a sensação de estar ali era única. Sonhei muito com esse dia. E ESTAR ALI, daquele jeito, com aquelas pessoas. Tudo..tudo estava ótimo e meus olhos até encheram d’agua. Era um sonho realizado. Subimos alguns degraus e tchannnnn. A primeira vista é essa. Depois de algumas breves fotos, fomos tirar mais nos outros locais e ouvir um pouco sobre a história deste lugar. O dia estava muito lindo. Aberto! Sem nenhuma nuvem!!! Tiramos fotos, ouvimos o guia, rimos muito das histórias dos brasileiros e seguimos conhecendo a cidade de Machu PICCHU. A História dos incas, dos locais, dos sacrifícios, tudo...é realmente impressionante. Tudo lá é lindo e a cidade é cercada de uma misticidade inexplicável. MP é bem lotado....Eu tinha outra visão de lá. Tudo...tem que esperar para tirar foto...e muitas turmas e guias pela cidade. O guia contou que perto do dia 24 de junho é beeeeeem pior, por causa da festa do sol que acontece em Cusco e por ser alta temporada. Fizemos o Tour com o guia por toda a cidade de MP....tiramos muitas fotos! Depois nos despedimos dos brasileiros e fomos carimbar o passaporte... O carimbo do passaporte fica do lado de fora da cidade de MP. Na saída... Cada um que quer vai até o carimbo e carimba ali mesmo. Tinha que ter Machu Picchu no passaporte né? Saímos, sentamos lá fora para comer umas batatas chips que comprei no mercado em águas calientes, gatorade, bananas....e coisinhas que tinham na mochila. Após, Pegamos o bus de volta para Águas Calientes. Chegamos em Águas Calientes e esperamos o trem na estação por algumas horas. No trem, voltamos com um casal de brasileiros do RS, muito engraçados também. Casal jovem, viajando de mochila. Só que eles chegariam em Cusco e seguiriam para Nazca, então nos desencontraríamos nas rotas. O trem foi de volta para Ollantaytambo e quando chegamos lá, pegamos uma Van para Cusco. Custou 10 soles por pessoa. Pegamos na hora. Eu, minha irmã, esse casal de brasileiros e um pessoal que já estava na Van. Ai jesuissssss. Foi difícil. Essas pessoas que já estavam na VAN eram uns franceses que não deviam saber o significado da palavra banho e água há um bom tempo! Eles estavam conversando, rindo, puxando assunto comigo e eu enjoada com aquele cheiro tomando conta da Van. E eu abrindo as janelas desesperadamente...kkkkk Gente! Foi tenso! Os brasileiros estavam se acabando de rir de mim e quanto mais a gente ria....os franceses fedidos riam junto achando que era algo engraçado. Kkkkkkkkkkkkkkk Olha! Que perrengue! Depois de algumas horas voltando de Ollantaytambo para Cusco, chegamos bem em Cusco e já eram umas 19h ou mais e fomos buscar algo para comer. Estávaaaaamos tão cansadas e escolhemos o restaurante do hotel mesmo. Fica no piso de cima do Hotel Inca Wasi e é aberto para pessoas de fora. A comida é deliciosa, mas, a mais cara de toda a viagem. Comi um ravióli a carbonara e tomei uma taça de vinho. A conta paras as duas deu 66 soles. Valeu a pena! Saímos do restaurante e fomos para o Hotel dormir. DIA 06 – 14/06 – A PROGRAMAÇÃO ERA PUNO – LAGO TITICACA – MAS, FICAMOS EM CUSCO MESMO. Quando programei o roteiro. Iríamos para puno nesta data e só voltaríamos dia 16. Só que dizem que a Ilha de Taquiles em Puno é íngreme e minha irmã já não aguentava mais. Abrimos mão de Puno e curtimos a cidade de Cusco por mais dois dias. Fomos a recepção do hotel e perguntamos se havia como reservar por mais dois dias e assim ficamos. Tiramos o dia para passear sem compromisso. Acordamos tarde. Tomamos café da manhã e saímos para conhecer mais da cidade de Cusco. Andamos por todos os lados e fomos ao MERCADO SAN PEDRO. É um mercadãaaao. Tem de tudo. Artesanatos, comidas, flores. Vale a pena para comprar presentes. O preço é bacana e vale pechinchar. Comi um churros lá na porta do Marcado sensacionaaaaaaaal. Eu amo churros gente! E amo chocolate, mas, como fiz uma promessa de não comer mais chocolate por um ano no dia da montanha colorada.....comi um de doce de leite, que também estava ótimo. O churros custou 02 soles. Fizemos altas compras. Para todos aqui no Brasil. Depois de tanto andar pela cidade, gastar, tirar mil fotos, fomos em um café super fofo. Só gordices né? Minha irmã comeu um Cheesecake de Oreo e eu uma torta de limão e tomei um café. Custou 18 soles. Andamos a tarde toda e ficamos na praça das armas tirando fotos e gravando vídeos da festa de Corpus Christi deles. Teve comemoração e o batuque dos tambores estava lá batendo desde cedo. As festas deles são maravilhosas. As roupas, as cores. A Música...tudo muito contagiante. Jantamos anoite num restaurante muito bom. Comi um creme de tomate. Não era sopa hein? Creeeeeme.. bem cremoso e gostoso. Kkkk e tomei uma taça de vinho, enquanto minha irmã comeu um macarrão e tomou um suco. A conta deu 45 soles para as duas. Legal que lá as massas de macarrão, ravióli, pizza.... são todas artesanais. Fazem na hora. Tudo muito bom. Depois, fomos para o hotel dormir. Dia 07 – 15/06 - CUSCO NOVAMENTE. Acordamos no mesmo estilo, tardeeeeeee... tomamos café e fomos dar uma volta. Fomos na rua do Mercado San Pedro e vimos uma placa escrito tattoo. Entramos e perguntamos o preço. 70 soles por uma mini tattoo de cruz andina. Minha irmã topou e assim fez uma tatuagem no Peru. Kkkkkkkk Pegamos o boleto turístico e fomos olhar o que tinha pela cidade que englobava o boleto. Fomos então no Museu de arte moderna, que ficava próximo ao nosso Hotel. Bem legal. São dois andares e várias salas com peças de arte. Passeamos por todos os cantos da cidade, lojinhas típicas de bebidas que ainda não tínhamos descoberto e mercados grandes na cidade que nem sabíamos que existia. O dia terminou com uma janta gostosa no mesmo restaurante do dia anterior, que custou 56 soles para as duas. Voltamos para o Hotel e minha irmã saiu para night. Foi com um pessoal para um bar famoso chamado: MITHOLOGYC. Ela disse que adorou o lugar e que também tocava salsa. Só que não tinham tantos turistas...Era um povo mais local. DIA 08 – 16/06 – DIA DE VOLTAAAAR PARA O BRASIL. Acordamos, tomamos café da manhã, trocamos dinheiro, compramos umas últimas lembranças e tiramos as últimas fotos. Fizemos checkout e o pessoal do hotel foi muito bacana. Nos abraçaram e foram muito gentis. Pegamos uma táxi e fomos ao aeroporto.
×
×
  • Criar Novo...