Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
rpn

Paraguay (Assunção e Encarnación) e Cataratas - Viagem super econômica! 9 dias - Menos de R$600,00

Posts Recomendados

Olá viajantes!

 

Antes de tudo gostaria de agradecer a Maria Emilia, MI_GR e ao russo145, pois através dos seus relatos pude planejar minha trip.

 

Dessa vez, minha viagem foi curta, mas nem por isso não proveitosa. Como moro em Campo Grande, próximo da fronteira com o Paraguai, depois de ler os poucos relatos a respeito desse país onde poucos brasileiros se aventuram para além da fronteira, resolvi dar uma esticada até Assunção, capital do país e de lá até às cataratas do Iguaçu. O roteiro encaixou direitinho nos meus 10 dias de férias e no baixo orçamento disponível para a viagem.

 

Viajei sozinho, foi uma boa experiência. Conversei bastante com paraguaios, argentinos e gringos de diversas nacionalidades. Deu pra treinar o espanhol e o inglês também.

 

A minha rota foi a seguinte: Campo Grande - Assunção/PY - Encarnación/PY - Posadas/AR - Puerto Iguazu/AR - Foz do Iguaçu - Ciudad del Este/PY - Foz do Iguaçu - Belo Horizonte

 

O total gasto foi de R$592, contando a passagem de ônibus de Campo Grande para Assunção e demais viagens de ônibus, mais R$120,00 do voo de Foz do Iguaçu para Belo Horizonte, onde terminei minha viagem visitando a família.

 

Então vamos ao relato!

 

10/03/2011 - Campo Grande/MS x Assunção/PY

 

De Campo Grande para Assunção há duas opções de empresas de ônibus: Nacional Expresso e Cometa del Amambay. A primeira tem saídas três vezes por semana em ônibus um pouco mais confortáveis que a segunda com passagem por R$132,37(atualizado em set/2014). Os ônibus da Cometa del Amambay partem todos os dias às 16h e a passagem custa R$75,00 (valor em 2011), o ônibus possui ar condicionado, porém as poltronas reclinam bem pouco (talvez já tenham melhorado a frota). Como no dia que planejei para ser o início da minha viagem não havia partida da Nacional Expresso, acabei tendo que encarar o ônibus da Cometa del Amambay. A empresa é paraguaia, o ônibus tem placas do Paraguai e motorista e cobrador são paraguaios. Vai de Campo Grande para Assunção com paradas em Dourados e Ponta Porã. Por volta das 20h o ônibus para na Policia Federal brasileira em Ponta Porã para que os estrangeiros possam registrar a saída do Brasil em seus passaportes. Cinco minutos depois, na rodoviária de Pedro Juan Caballero, já no Paraguai, o motorista recolhe os passaportes e identidade dos brasileiros e passa para alguém, não me perguntem quem, para que seja feito o processo de entrada no Paraguai. Muitos paraguaios sobem no ônibus nessa cidade e quando o embarque acaba o motorista retorna com o documento de entrada no Paraguai. Daí por diante o motorista para para qualquer um que dê sinal na rodovia, chegando a transportar pessoas em pé. Normalmente eles sobem e logo descem, o que, aliado a poltrona desconfortável, me impediu quase que totalmente de dormir. Não há parada para lanches ou janta. O ônibus tem banheiro e água mineral.

 

11/03/2011 - Assunção/PY

 

Chegamos em Assunção cerca de 05h da manhã, horário local. Ainda estava escuro e resolvi esperar amanhecer. Existem diversos guinches de cambio abertos 24h no terminal. Troquei U$10 por G$42000 e R$20 por R$48000. Comprei uma chipa por G$3000 e fiquei vendo TV até amanhecer. Aqui no Mato Grosso do Sul há muita influência da cultura Paraguaia. Comemos chipa, que é parecida com o pão de queijo, mas com formato e sabor diferentes. Comemos também a sopa paraguaia, que não é uma sopa, mas algo parecido com uma torta de milho e tomamos o tereré, um mate parecido com o chimarrão mas que se toma com água gelada. A chipa sul matogrossense é ligeiramente diferente da original paraguaia, gostei da de lá, mas prefiro a daqui, rs!

Assim que amanheceu fui para o ponto de ônibus. Foi a primeira grande diferente que vi entre o Paraguai e o Brasil. Os ônibus, que são muitos, são todos velhos. Não tão velhos quanto os da Bolívia, mas bem velhos. As portas ficam sempre abertas e os motoristas praticamente não param para você subir, apenas diminuem a velocidade e você tem que se agarrar e subir. Para descer é a mesma coisa. Acho que somente para pessoas de idade e quando há muitos passageiros eles param totalmente. Outra diferença é que não há cobrador nem catraca. Você sobe, dá o dinheiro para o motorista e ele te dá um ticket que vale como recibo. Existem alguns fiscais que sobem nos ônibus e te pedem esse recibo. Se você não guardá-lo e ocorrer a fiscalização, terá que pagar a passagem novamente.

Demorou um pouco para passar um ônibus que não estivesse tão cheio, já que com a mochila era impossível pegar um lotado. Pedi ao motorista que me avisasse quando chegasse a Plaza Uruguaya, já que fiquei hospedado no Hotel Miami, conforme indicações aqui do fórum. Após algum tempo, percebi que passávamos pelo centro, mas nada dele me dizer algo. As pessoas foram descendo, até ficar apenas eu no ônibus, então perguntei para ele se já estava chegando. Então ele disse que já havia passado. Pedi para ele parar e perguntei qual ônibus devia pegar. Ele indicou a linha 12, diminuiu a velocidade e eu desci. Eu não sei se ele fez de sacanagem ou se tinha alguma outra intenção. Sei que não foi esquecimento, já que fiquei ao lado dele todo o tempo e ele me olhava sempre pelo retrovisor. Bom, tomei a linha 12 e pedi para o motorista me avisar. Dessa vez e em todas as outras que tomei ônibus no Paraguai não tive problemas. Chegando próximo a Plaza Uruguaya ele me avisou e indicou qual rua pegar para chegar lá.

Logo achei o Hotel e subi para tentar fazer logo o check in. Eram cerca de oito da manhã e a diária só começava a contar ao meio dia, mas me deixaram entrar sem problemas, já que o quarto já estava vazio. Aproveitei para dormir, já que não conseguir dormir bem na viagem. Dormi até meio dia.

 

Depois de descansar, tomei um banho e fui conhecer um pouco do centro e almoçar. A primeira impressão da cidade foi boa. Achei tudo muito parecido com o Brasil, claro que com algumas particularidades. A segunda, depois do que já disse dos ônibus, é que lá praticamente nenhum motoqueiro usa capacete, incluindo os policiais. Apesar disso achei o trânsito tranquilo. Almocei em um restaurante Self-Service, porém com uma metodologia diferente da daqui. Como não era com balança, você diz o que vai comer e o preço é dado de acordo com suas opções. Se vai comer só salada e carne o preço é um, se vai comer salada carne e massas é outro, se vai comer arroz é outro, etc. O meu almoço, já com um refrigerante ficou em G$13000, cerca de R$5,40.

Fui até uma agência do Banco Itaú sacar dinheiro. O banco Itaú é o maior banco no Paraguai. Tem agência para todo lado. Saquei dinheiro sem problemas, só tive que pagar uma taxa de R$9,00.

Fui ao Turista Róga, um órgão de informações turísticas. Lá é possível obter mapas e informações sobre as atrações de Assunção e de todo o Paraguai. Lá também é possível utilizar a internet de graça. Peguei um mapa da área central e fui conhecer os pontos turísticos indicados. Como não são muitos e estão todos em um raio não muito grande, é possível conhecê-los todos em uma tarde. Estava um calor insuportável, quase 40ºC. Andei bastante, tirei várias fotos. Conheci desde prédios históricos até o Palácio do Governo e Congresso Nacional. Esses somente por fora. Interessante é que bem de frente ao Congresso, às margens do Rio Paraguai, existe uma favela.

Vi alguns outros estrangeiros andando tranquilamente pelo centro de Assunção, alguns com câmeras caras nas mãos. Não fui incomodado nenhum vez. Nem mesmo esmola me pediram. Alias, isso não ocorreu em nenhum dos lugares que visitei no Paraguai. Realmente a visão que temos sobre este país é totalmente errada. É um país muito bonito, com gente honesta e trabalhadora. Tem sim os seus problemas. Mas como dizem por lá, são os brasileiros que vão lá plantar e comprar maconha. Dizem até que os assaltantes que existem por lá são brasileiros. Não sei se isso é verdade, mas a impressão que tive do povo paraguaio, ao menos das cidades que visitei, foi de um povo simpático, educado e que busca a construção de um país melhor.

 

A noite fui conhecer um shopping que existe na região central de Assunção. Não é muito grande. Aproveitei para lanchar no Burguer King pagando R$8,75 por um combo que no Brasil não sai por menos de R$20,00. Depois conheci alguns bares próximo ao hotel, nas Calles Azara e Cerro Cora. São muitas opções dos mais variados estilos. Porém todos estavam com pouco movimento e nenhum me chamou muita atenção, ainda mais estando sozinho e tendo a língua como empecilho. O grande detalhe é que a maioria dos paraguaios falam muito o guarani. Como falo espanhol, quando eu puxava papo, muitos me respondiam em guarani e eu não entendia nada. Percebi também que os que sempre falam o guarani, quando estão falando espanhol, falam com um sotaque muito carregado, dificultando o entendimento. O guarani lá é considerada língua oficial e é ensinado nas escolas.

 

20110325000259.JPG

20110325000403.JPG

20110325000432.JPG

20110325000444.JPG

20110325000501.JPG

20110325000510.JPG

20110325000525.JPG

20110325000532.JPG

20110325000540.JPG

20110325000549.JPG

 

 

 

12/03/2011 - Assunção/PY

 

Acordei às 08h e fui tomar café da manhã no hotel. Uma decepção. Pão, manteiga, chá e café. Acredito que seria melhor nem oferecerem desayuno. Apesar de muito indicado aqui pelo fórum, eu não recomendo o Hotel Miami. O quarto é grande, havia três camas no meu. Uma de casal e duas de solteiro. Mas os colchões e travesseiros eram péssimos. Além disso o banheiro não possui box e nem mesmo desnível para evitar que a água do chuveiro molhe ele todo. A ducha não esquentava direito (não foi problema já que estava fazendo muito calor). A TV do quarto tem "TV a gato" gritante! A qualidade da imagem é péssima, não tem um canal com imagem boa. Além disso, percebi que o hotel é usado como hotel de encontro de "casais", se é que vocês me entendem. Nesse dia, a noite, enquanto estava usando a internet, percebi a movimentação de alguns casais que chegavam sem bagagem e logo saiam com os cabelos molhados, pagando 30 mil guaranis pela utilização do quarto. Então, indo novamente a Assunção não ficarei no Hotel Miami e também não o indico para ninguém.

 

Depois do desayuno resolvi dormir um pouco mais, rs. Acordei meio dia novamente, tomei banho e fui conhecer a região onde ficam os melhores shoppings de Assunção. Tomei um ônibus que logo pegou a Avenida España. É uma região muito bonita. Muitas mansões, muitos prédios novos, muitos carrões, muitas mercedes. Alías, mercedes é o que mais tem em Assunção, muitas bem velhas, mas muitas novas também, assim como muitas BMWs e outros carros importados. Percebi que muitas mansões não tem muro, no estilo americano. Nas avenidas España e Mariscal López existem muitos bares também. Acho que é onde a noite é mais agitada. Não deu para tirar muitas fotos dessa região, mas é uma região bem moderna e bonita.

Desci no Shopping do Sol, shopping grande e bonito, com várias lojas de grifes famosas. Liguei para um amigo do site Couchsurfing que mora lá perto. Marcamos de nos encontrar e ele almoçou comigo. Almocei em outro restaurante Self-Service, mas nesse a metodologia era outra. Como era por peso, cada tipo de comida tem um peso. Você pega vários pratos e coloca cada tipo em um e pesa um por um. A salada tem um peso, as guarnições outro, a carne outro e a massa outro. Achei interessante, fora o fato de ficar com a bandeja cheia de pratos. O almoço com um refrigerante ficou em G$21000.

Meu amigo paraguaio é uma pessoa muito interessante. Bastante inteligente e culto. Sempre encontra com estrangeiros que visitam seu país, muitas vezes os hospedando. Depois de almoçar ele me levou até a sua casa, onde conheci sua família, que também são pessoas muito simpáticas. Ficamos conversando por algumas horas, fui ao mercado com eles e lanchei em sua casa. Deu para aprender um pouco sobre a cultura paraguaia, leis, salários, etc. Percebi que eles sabem muito mais sobre o Brasil do que nós sabemos sobre o Paraguai. Tomamos tereré, a única diferença da do tomado por aqui é que aqui uma pessoa serve a todos e lá cada um se serve, apesar de como aqui, compartilharem a cuia.

De lá tomei um ônibus para o outro shopping da região, o Mariscal López, maior que o primeiro e muito movimentado. Em frente a ele existe um shopping menor. Fiquei por lá até por volta das 18h quando voltei para o hotel.

Meus planos inicialmente eram ficar mais mais um dia em Assunção. Como seria domingo e todos me disseram que domingo não há nada para fazer em Assunção, tudo fecha, resolvi adiantar minha viagem e partir aquela noite mesmo para Encarnación, onde visitaria as ruínas Jesuítas.

Paguei o Hotel, peguei minhas coisas e peguei outro ônibus para o terminal.

Existem diversas opções de ônibus, desde G$40000 até G$66000. No Paraguai eles não fazem como na Bolívia, dizendo que o ônibus é ótimo, mas na verdade é péssimo. Na empresa onde a passagem custava G$40000 o atendente me disse que o ônibus era comum e era "pingua-pingua", já na de G$66000 que o ônibus era semi-cama, dois andares e direto. Escolhi a segunda. O ônibus realmente era muito bom, escolhi o andar inferior. Nessa noite consegui dormir toda a viagem. Só acordei quando chegamos em Encanación, às 05:30h da manhã.

 

20110325000651.JPG

20110325000701.JPG

20110325000707.JPG

20110325000720.JPG

20110325000727.JPG

20110325000735.JPG

20110325000743.JPG

20110325000751.JPG

 

13/03/2011 - Encarnación/Posadas/Puerto Iguazu

 

Cheguei 05:30h da manhã no terminal de Encarnación. Na porta do ônibus um paraguaio já anunciava ônibus para Trinidad. O ônibus partia às 06h e custava G$6000. Perguntei onde havia um Guarda Equipaje e deixei minha mochila lá por G$5000. O ônibus saiu do terminal às 6h, porém só foi sair da cidade já quase sete da manhã, quando alguns passageiros começaram a reclamar. É que o motorista ficou rodando a cidade, enquanto o cobrador ia em busca de mais passageiros. Só saiu mesmo quando estava com a lotação completa. Às 07:30h o motorista parou e avisou que ali era a entrada para as ruínas. Peça ao motorista para descer nas ruínas, diga que não conhece. Da rodovia basta andar uns 800m. O ingresso custaGR25000 e dá direito a visitar também as ruínas de Jesus, próximo dali e mais uma mais longe. Existe um centro de apoio ao vistante com banheiros. Também um hotel, restaurantes e lanchonetes.

Fui o primeiro a chegar naquele dia. Ainda havia neblina, que logo sumiu quando o sol começou a brilhar mais forte. As ruínas são realmente muito lindas e estão bem preservadas. O lugar também é muito bonito e é possível sentir uma sensação de paz. Todo chão é coberto por uma grama bem bonita. Fiquei mais ou menos uma hora ali contemplando e tirando fotos. Quando estava saindo chegou um ônibus lotado de turistas da terceira idade.

Para chegar a Jesus, basta voltar a rodovia e subir mais 200m. Um taxista fica por lá esperando turistas ou moradores. Me cobrou G$30000 para levar até as ruínas, esperar 30 minutos e trazer de volta até a rodovia. Se eu esperasse chegar mais alguém ficaria mais barato. Resolvi não esperar e pagar os 30 mil guaranis. São 12 km até lá em estrada asfaltada. Em Jesus está a igreja mais conservadas das ruínas jesuítas. Como ela estava inacabada quando eles foram expulsos pelos espanhóis, não foi saqueada, já que não havia ouro nem obras de arte em seu interior. Também muito bonita. Vale a pena a visita.

 

20110325000930.JPG

20110325000938.JPG

20110325000943.JPG

20110325000948.JPG

20110325000954.JPG

20110325001000.JPG

20110325001005.JPG

20110325001010.JPG

20110325001021.JPG

20110325001027.JPG

20110325001032.JPG

20110325001037.JPG

20110325001043.JPG

20110325001048.JPG

20110325001053.JPG

20110325001058.JPG

20110325001104.JPG

20110325001109.JPG

20110325001114.JPG

20110325001118.JPG

20110325001123.JPG

20110325001128.JPG

 

 

De volta ao ponto de ônibus me informaram que de hora em hora passava ônibus para Encarnación. Mas logo veio um ônibus com os moradores da região e ofereceram me levar por G$5000, aceitei. Cheguei em Encarnación por volta das 11h. Peguei minha mochila e vi do outro lado da rua, parado no ponto, o ônibus que ia para Posadas na Argentina. Encarnación fica na fronteira com a Argentina. Posadas é a cidade do lado argentina. Embarquei no ônibus, que é um ônibus circular. Paramos na imigração Paraguaia e um funcionário subiu no ônibus e recolhei as permissões. Logo em seguida parou na argentina e desci para fazer os procedimentos. O argentino me perguntou para onde ia e por que. Achei ele um pouco implicante, todos já estavam retornando para o ônibus e ele enrolando para me dar a permissão. Quando ele terminou o ônibus estava indo embora sem mim. Gritei e ele parou e consegui entrar. O rio Paraná divide o Paraguai da Argentina. A ponte que liga os dois países é muito bonita, assim como a cidade de Posadas.

Fui até o terminal para buscar informações a respeito das ruínas do lado Argentino e sobre os horários de ônibus para lá. Descobri que os ônibus que deixam em San Ignácio são os que vão para Puerto Iguazu. Peguei os horários para visitação noturna, lanchei e voltei para o centro. Era domingo. Tudo fechado, nenhum movimento. Procurei algum hotel, mas achei os preços muito altos. Resolvi voltar para o terminal e seguir logo para San Ignacio. Foi aí que me dei conta que ainda não havia feito cambio de Guaranis para Pesos. Em Posadas o guarani era aceito em todos os lugares, mas em San Ignacio eu não sabia se seriam. Até porque eu tinha poucos guaranis, tinha mais era reais. Não havia nenhuma casa de cambio aberta por ser domingo. Consegui trocar os guaranis que tinha com o cara da lanchonete e fui comprar a passagem para San Ignacio. Quando cheguei ao guichê me disseram que o ônibus estava saindo e que eu deveria pagar ao cobrador. Entrei no ônibus e quando ele veio me cobrar mudei de ideia mais uma vez e resolvi seguir direto para Puerto Iguazu. Estava muito cansado e meu plano era visitar às ruínas em San Ignacio durante a noite, ver os shows de luzes e seguir durante a madrugada para Puerto Iguazu ou domir em San Ignacio e seguir no outro dia de manhã. Porém não queria passar mais uma noite dormindo em ônibus e não sabia se havia hotéis em San Ignacio e se aceitariam meus Reais por lá. Então decidi ir logo para Puerto Iguazu, já que estava muito cansado e precisava dormir aquela noite bem, fato que não aconteceu, como direi mais adiante.

O ônibus também era muito bom, dois andares com monitores de LCD para ver filmes. Vi Tropa de Elite 2 e depois dormi até chegar em Puerto Iguazu. São cinco horas de viagem e a passagem custa 55 pesos.

 

Chegando em Puerto Iguazu fui procurar o Hostel Che Lagarto, onde tinha reserva para duas noites, mas a partir da noite seguinte. Para minha sorte ou azar havia vaga. Deixei minhas coisas no quarto coletivo com ar condicionado para 6 pessoas. A única cama disponível ficava bem de frente para a porta. Pensei, tudo bem, estou tão cansado que isso não vai me incomodar.

Sai para conhecer a cidade. É uma cidade que vive do turismo. Os hotéis e hosteis ficam em um centrinho turístico, onde existem vários restaurantes e lojas de artesanato e lembranças. As coisas acabam ficando baratas já que R$1=P$2,3, porém a maioria dos restaurantes são mais sofisticados. Paga-se a partir de R$25,00 por um bom prato de comida sofisticada. Coisa que no Brasil sairia por no mínimo R$50,00. Acabei comendo em uma lanchonete um pouco mais afastada, onde uma hamburguesa com refrigerante saia por R$8,00.

O Hostel Che Lagarto tem uma boa infraestrutura. Piscina, sinuca, totó, pingue-pongue, internet, tudo de graça. Tem bar e servem janta também. Não gostei do banheiro, a ducha estava toda entupida, não tinha box e também molhava o banheiro todo ao tomar banho. O ar condicionado funcionava bem, porém só a partir das 22h. A diária sai por meros U$7,20. Muitos estrangeiros, muita cerveja, churrasco e festa. Até aí tudo bem, meu problema na primeira noite nem foi esse. Fui dormir cedo, às 23h já estava na cama. Por volta de meia noite chegam meus colegas de quarto. Após algum tempo começa meu sofrimento. O que deita na cama ao meu lado roncou a noite toda. Roncou muito, mas muito alto. Tenho muita dificuldade de dormir com gente roncando ao meu lado. O pior é que ele roncava e peidava. ::grr::

 

14/03/2011 - Cataratas lado argentino

 

Acordei cedo, aliás, desisti de dormir às 06h da manhã. Levantei, tomei banho e fui desayunar. O Café da manhã oferecido pelo Che Lagarto é bom. Há duas ou três opções de bolos, pão, manteiga, geleia, doce de leite, duas ou três variedades de frutas, biscoitos, dois sabores de sucos artificiais, leite, chocolate, café, dentre outras coisas. Pelo preço da diária achei ótimo. Bem próximo ao hotel, pega-se o ônibus prático cataratas, que custa sete pesos. Cheguei no parque por volta das 08h. A entrada no parque das cataratas do lado argentino fica em 70 pesos para pessoas do Mercosul. São três circuitos a percorrer: paseo inferior, paseo superior e garganta del diablo. Resolvi fazer primeiro o paseo inferior, já que iria fazer o passeio curte de bote até as cataratas. São alguns milhares de degraus, passando bem perto de algumas quedas até chegar a beira do Rio Iguaçu. O passeio curto de bote, de 12 minutos custa 110 pesos, mais ou menos 50 reais. O passeio equivalente do lado brasileiro custa R$120,00. O passeio é muito bom, chega-se bem embaixo de um das quedas. O ideal é ir com rouba de banho já que todos ficam encharcados. Adorei o passeio, mas infelizmente, foi nesse mesmo passeio que o bote virou essa semana e dois turistas americanos morreram. Acredito que acidentes podem ocorrer em qualquer lugar. Achei a empresa muito profissional, todos são obrigados a usar colete e um colete muito bom por sinal. Não é permitido ficar em pé, dentre outras regras de segurança. Eu faria de novo, mas realmente deu um friozinho na barriga quando vi a reportagem, já que havia feito o mesmo passeio dias antes.

Subi todos os degraus que havia descido e fui fazer o paseo superior. Também muito bonito. Nele você vai por cima do rio, tendo acesso a parte de cima das quedas. Esse é mais curto e praticamente plano. Muito tranquilo de ser feito, inclusive por portadores de mobilidade reduzida.

Depois para chegar a garganta do diabo, é necessário pegar um trenzinho que leva até a metade do caminho. De lá por passarelas suspensas sobre o rio, caminha-se mais um quilometro. Também é possível o acesso para pessoas com mobilidade reduzida. A garganta do diabo é uma das, se não a maior queda. O ponto final é um mirante bem no alto da queda, onde o rio vira catarata. Muito bonito o local. Só essa vista já vale a viagem.

Após andar todo o dia, retornei de trem até a entrada do parque e voltei para cidade. Fiquei no parque das 08h até às 15:30h.

Cheguei na cidade e fui procurar algo para comer, mas a maioria dos restaurante estavam fechados e os que estavam abertos eram aqueles mais requintados, mais caros. Voltei na lanchonete da noite anterior e me fizeram um prato com carne, ovo, pão e salada.

Fui para hostel curtir um pouco da piscina. A noite sai para jantar e caminhei até a parte da cidade "menos turística". Um centro onde a população local faz compras. Voltei para o hostel e por volta das 23h já estava na cama. Essa foi mais uma noite sem conseguir dormir. Os meus companheiros de quarto, com quem já havia conversado e descobrido que eram argentinos, resolveram fazer uma festa com alguns gringos e passaram a noite toda entrando e saindo do quarto aos berros. A festa só terminou às 05h da manhã e quando eles foram para o quarto ainda ficaram uns 30 minutos contando piadas e rindo. Resultado: mais uma noite sem dormir direito e às seis da manhã quando eles estavam deitados, levantei sem a menor preocupação com barulho, luzes, etc, tomei meu banho, arrumei minha coisas, bati a porta umas três vezes e fui tomar café da manhã, fechar a conta do hotel e partir para o Brasil. Não aguentava mais aqueles argentinos.

Sei que foi azar meu cair no mesmo quarto desses caras. Percebi que eles não estavam fazendo uma viagem como estamos acostumados. Eles estavam ali já há alguns dias. Não faziam nenhum passeio durante o dia, só dormiam e a noite quando a galera chegava dos passeios, se juntavam a eles para conversar, beber, fumar, etc. Eram todos já de alguma idade, mais ou menos uns 35 anos e ficavam se juntando a garotada de 20 anos. Bom, cada uma na sua, mas acredito que quem fica em albergues realmente quer fazer festas, conhecer gente, etc. Mas respeito é a base de tudo. Assim como me incomodaram, com certeza incomodaram também os que estavam nos demais quartos. O pior de tudo foi os empregados do Che Lagarto permitirem tudo isso. Resolvi ir para o Paldimar Falls em Foz, mesmo a diária lá sendo 3 vezes mais cara, R$35,00, o que no fim das contas foi uma decisão super acertada, já que lá o clima é outro e R$35,00 ainda é muito barato.

 

20110326142154.JPG

20110326142200.JPG

20110326142206.JPG

20110326142211.JPG

20110326142218.JPG

20110326142227.JPG

20110326142232.JPG

20110326142237.JPG

20110326142243.JPG

 

15/03/2011 - Foz do Iguaçu / Ciudad del Este/PY

 

Peguei o ônibus para o Brasil por R$3,50. O ônibus parou na Imigração Argentina, onde entreguei a permissão. Não parou na imigração brasileira e os estrangeiros entraram todos "ilegais" no Brasil. O que percebi é que tanto a imigração Paraguai quanto a Argentina são muito mais rigorosas e organizadas que a Brasileira, uma vergonha para nós. O ônibus tem uma parada perto do Mcdonald´s de Foz, de onde basta caminha três quadras até o Paudimar Falls centro. Deixei minha mochila, confirmei reserva para duas noites e fui direto para o Paraguai. Um dos meus objetivos nessa viagem era comprar uma câmera digital nova em Ciudad del Este, onde é possível encontrar preços até 3 vezes menores que no Brasil. O ônibus para no centro comercial de Ciudad del Este. Não é necessário fazer processo de entrada se vai apenas na zona franca fazer compras. Ciudad del Este é uma loucura, mas quem já foi fazer compras em São Paulo ou já entrou em algum shopping popular (camelódromo) em qualquer grande cidade, ou mesmo fez comprar no centro das grande capitais na época de natal, não vai achar nada de outro mundo. Falam muito da segurança, de não deixar objetos de valores a vista, dinheiro, etc. Fiquei pensando, por que alguém vai querer roubar minha câmera digital ou meu celular usados, ou mesmo meu dinheiro se é bem mais fácil esperar que eu faça compras e roubar todos os produtos novos? Então nem preocupei muito com segurança não, é claro, aquelas regras básicas devem ser seguidas como colocar a carteira no bolso da frente da calça, mulheres colocarem a bolsa na frente do corpo, etc. São muitas lojas com preços bastantes distintos para os mesmos produtos. Muitos vendedores quando você pergunta quanto custa responde com a pergunta "qual menor preço você já achou" e dão o preço cinco dólares a menos. Se você falar um preço muito baixo eles dizem, "você achou muito barato, compra lá"! Rodei o dia todo, fiquei com muito medo de comprar uma câmera recondicionado como sendo nova. Eles vendem eletrônicos recondicionados lá. Muitas lojas te dizem que é recondicionado e inclusive tem um adesivo na caixa do produto dizendo isso. Porém outras tantas vendem recondicionado dizendo que é novo. Acabei comprando em uma loja pequena em que o cara me de um desconto bom e acabei confiando nele. A dica é sempre testar o produto, pedir produtos em caixas lacradas e verificar os lacres. Ver se o número de série do produto bate com o da etiqueta da caixa, se a embalagem do manual também está lacrada, etc. Mas no final das contas, isso tudo dá pra ser refeito e podem sim te vender um produto recondicionado dizendo que é novo. Comprei uma câmera que aqui no Brasil custa 900 reais e paguei 350 reais já com o cartão de memória de 8GB e a capa. Peguei um ônibus de volta para o Brasil, desci na Receita Federal e declarei a compra. Isso é recomendado, já que no aeroporto de Foz, antes de entrar na área onde ficam os balcões das empresas, todos tem que passar a bagagem no raio-x da Receita Federal e Polícia Federal. Então se você chega lá sem a declaração podem implicar com você, já que pela legislação, mesmo dentro da cota, tem que ser feita a declaração, para controle do número de vezes que você utiliza da cota, que é restrita a uma por mês.

 

20110326142428.JPG

 

Retornei para o Hostel. Conheci meus colegas de quarto. Dois brasileiros, um japonês e um chinês. Caras realmente boa gente. Inclusive um dos brasileiros, o Felipe acessa o mochileiros, se ler esse relato dá um alô.

Conheci mais alguns brasileiros que estavam em uma casa do outro lado da rua, que pertence ao Pauldimar e que é usada para disponibilizar quartos de casal. O preço é praticamente o mesmo e é uma mansão. O banheiro do quarto de lá é literalmente maior que todo o quarto que eu estava. Não dá nem para acreditar. Fica a dica. Quem for com um grupo maior ou em casal pergunte sobre essa opção, não vão se arrepender. É melhor que muito hotel 4 estrelas.

A noite fomos em uma pizzaria perto do hotel onde o rodízio sai por R$13,50 e é muito bom! Outra dica valiosa.

Depois de algumas noites sem dormir direito, nessa eu dormi muito bem. A galera desse hostel era super educada. Tanto os brasileiros quanto os gringos. Além disso havia vários avisos sobre o dever de se respeitar o horário de silêncio, que é após a meia noite. O quarto do lado humilde do albergue é melhor do que o quarto do Che Lagarto, o banheiro é bom, só não gostei das divisórias que colocaram para várias pessoas poderem utilizar o mesmo banheiro ao mesmo tempo, uma no chuveiro, uma no vaso sanitário e outra na pia. Achei muito estranho, além de diminuir bastante o espaço, principalmente na área do vaso, onde uma pessoa mais alta ou gordinha vai ter problemas para se acomodar.

 

 

16/03/2011 - Hidrelétrica de Itaipu e Cataratas lado brasileiro

 

Depois de uma noite bem dormida, acordei cedo, tomei banho e fui tomar café da manhã. O café da manhã do Pauldimar é mais ou menos igual ao do Che Lagarto. Bom, dá pra armazenar bastante energia para os passeios, rs! Conversando com um funcionário do hostel, descobri que era melhor ir bem cedo para Itaipu, já que o último passeio lá é as 15:30h e de lá ir para as cataratas que ficam abertas até às 19h. Peguei um ônibus em frente ao mcdonald´s que vai até Itaipu. Fiquei impressionado com a infraestrutura montada para atender os turistas. Gente de todo mundo visita Itaipu. Havia muito mais estrangeiros que brasileiros por lá. Muitos japoneses de terceira idade. Escolhi fazer o circuito especial, que visita a parte externa e interna da hidrelétrica. O preço é R$50,00 mais estudantes, professores e doadores de sangue com carteirinha pagam meia. O passeio inicia-se com um vídeo bem interessante sobre a história de Itaipu. Depois todos deixam seus pertences de mão em um armário, não é permitido entrar com bolsas ou mochilas. Todos tem que passar pelo detector de metais. Foz do Iguaçu está em uma região de triplice fronteira. Muitos documentos dizem que ali estão presentes organizações terroristas e criminosas, então toda segurança é bem vinda. O passeio na parte externa é feito em um ônibus, parando nos principais pontos de interesse. Somos acompanhados por duas guias e as informações são repassadas em português e inglês. Tive muita sorte, pois duas das três comportas estavam abertas e isso só ocorre em 10% dos dias do ano. Depois visitamos a parte interior de Itaipu. Vale muito a pena. Quem gosta de engenharia e/ou história vai adorar. Todo o funcionamento da hidrelétrica é explicado, assim como detalhes de sua construção. Todo o passeio é muito bonito, tanto o externo quanto interno. Quem puder pagar os R$50,00 ou R$25,00 (meia) não vai se arrepender. Um detalhe interessante de Itaipu é que lá é território Brasileiro e Paraguaio. Existe inclusive uma linha que mostra essa divisão no chão de Itaipu. Tudo lá é dividido entre brasileiros e paraguaios: o número de turbinas, a quantidade de trabalhadores, etc. Existe dois presidentes, um brasileiro e um paraguaio, etc.

 

20110326142409.JPG

20110326142414.JPG

20110326142419.JPG

20110326142423.JPG

20110326142432.JPG

20110326142436.JPG

20110326142441.JPG

20110326142445.JPG

20110326142451.JPG

20110326142456.JPG

 

O passeio terminou meio dia. Peguei um ônibus de volta ao terminal e de lá outro para as cataratas do lado Brasileiro, pagando apenas uma passagem. A entrada no parque do lado brasileiro para brasileiros custa R$22,00, porém quem tem cartão de crédito ou débito do itaú paga meia. Paguei R$11,50. Logo depois da portaria pega-se um ônibus que para nos principais pontos de acesso às atrações. É possível, mas não interessante, ir direto às passarelas principais, há inclusive elevador para as pessoas com mobilidade reduzida. Desci no ponto de início das trilhas e logo após alguns passos já se tem a primeira vista das cataratas. Do lado brasileiro se tem uma visão ampla das cataratas, de longe. Não digo que é pior nem melhor que o lado argentino. Digo que se completam. Recomendo visitar os dois. A trilha do lado brasileiro é bem menor e bem mais tranquila que do lado argentino. No fim chega-se àquelas passarelas que todos estamos acostumados a ver na TV que dão acesso bem próximo a algumas das quedas e que no seu fim é impossível ir sem se molhar todo. Vale muito a pena também, muito bom! Depois sobe-se de elevador até a parte de cima de uma das quedas. Pode-se chegar bem perto também do leito do rio. Achei interessante que seria totalmente possível fazer uma passarela até a garganta do diabo, do lado brasileiro do rio. Não sei porque não fazem, deve haver um acordo entre os dois países.

Peguei o ônibus de volta a portaria do parque e de lá outro de volta ao hostel. Curti bastante a piscina nesse dia, fazia muito calor. Aproveitei bastante a hidromassagem da piscina, já que estava com as costas doloridas de tanto andar nos últimos dias. A noite voltamos a pizzaria da noite anterior.

 

20110326142702.JPG

20110326142708.JPG

20110326142713.JPG

20110326142717.JPG

20110326142735.JPG

20110326142739.JPG

20110326142754.JPG

20110326142759.JPG

20110326142730.JPG

20110326142804.JPG

20110326142809.JPG

 

Fui dormir mais de meia noite. Era o fim da minha viagem. Curta mais bastante proveitosa. Bastante econômica também. Contando tudo, menos o gasto com a camera digital e a passagem de Foz para Belo Horizonte de avião (R$120), gastei menos de R$600,00. Deixo em anexo minha planilha de gastos para consultas e planejamentos de quem quiser se aventurar pelo Paraguai ou pelas cataratas, ou quem sabe pelos dois, como eu fiz.

Espero que gostem do relato, apesar de longe e detalhista.

Adorei o Paraguai e pretendo voltar outras vezes, para treinar o espanhol, para conhecer melhor Assunção e as outras cidades do interior que não conheci. Gostei bastante da parte da Argentina que conheci, apesar dos argentinos malas colegas de quarto no Che Lagarto. A Argentina é um país que quero conhecer por inteiro no futuro.

Gostei muito de Foz do Iguaçu, uma cidade muito bonita e organizada, com gente bonita e educada. Fiquei surpreso, já que normalmente cidade fronteiriças são uma bagunça!

 

Um abraço e fico a disposição para dúvidas!

 

Roteiro viagem Paraguai alternativo.xls

 

http://mochilaobarato.com.br/conhecendo-o-paraguai/

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

rpn,

 

Parabéns pela trip. Vendo as fotos deu saudade de rever Asuncion , Foz e Puerto Iguazu e também conhecer as Missões. Essa viagem já esta em minha lista para as próximas trips.

 

As fotos estão D +

 

Maria Emilia

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

olá,

 

estou indo este mês conhecer as cataratas do lado argentino, no entanto terei pouco tempo. Pretendo chegar as 8:00, hora que o parque abre ,e tenho que sair as 12:00, pois meu voo é as 14:40. Acredito que não dará para conhecer tudo... nesse pouco tempo, que roteiro vale mais a pena eu fazer de modo que eu conheça o máximo de atrações possíveis? espero que você possa me ajudar!

 

Marina

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Parabéns conterrâneo!!! O Paraguai é um país que admiro, tanto por seu povo como por sua cultura e belezas naturais.

As fotos estão ótimas e o relato muito bem explicado!!!

Abraço.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Marina,

seu voo sai de Puerto Iguazu ou de Foz do Iguaçu? Porque se for de Foz recomendaria conhecer o lado brasileiro, já que ficaria muito corrido para você. Se for sair de Puerto Iguazu acho tranquilo, mas não vai dar pra conhecer tudo lá não, talvez o circuito superior e a garganta do diabo.

Boa sorte,

Abraço!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Pdavid,

Valeu mesmo. Adorei o Paraguai também, pretendo voltar.

Apesar de morar em Campo Grande sou de Belohorizontino, rs! Mas já me considero um pouco Campograndense também. Abraço!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Opa RPN beleza!

 

Então cara, tenho maior vontade de fazer meu mochilão e tô querendo começar pela america do sul, uma dúvida, em relação a viajar sozinho, me diz ai na sua opinião os prós e os contras, to planejando alguma coisa, mas sempre me vem a cabeça isso, se vale a pena, lógico que com amigos deve ser melhor, a bagunça e tal, mas sozinho, qual a sensação?

Valeu aí e boas viagens!!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Fala Robertofilho,

 

Cara, depende de você. Se tem facilidade para fazer amizades, conhecimento de outras línguas é tranquilo, já que na viagem vai conhecer muita gente que e até poderão fazer parte do roteiro juntos. Se não tem e não gosta de fazer as coisas sozinho, não recomendo. Se não liga para ficar sozinho no hotel, fazer passeios sozinho, etc, vá tranquilo. A vantagem para mim é fazer as coisas como você quer. Se vai um grupo muito grande, sempre tem um que quer fazer uma coisa e outro que não quer, acaba dando confusão. Uma sugestão é você fazer uma mochilão curto, talvez aqui mesmo no Brasil e ver como se sente, se gostar encara o que você tem planejado. Espero ter ajudado. Abraço!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

É verdade cara. Tô planejando um mochilão, ainda não sei pra onde e economico, mas acho que dou conta sim, sou do Ceará e estou morando em São Paulo sozinho já faz um ano, acho que não vou ter dificuldades.

Beleza então vou fazer isso mesmo, um mochilão só pra pegar uma experiência!

Valeu por responder cara!

 

Deus abençoe!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

  • Conteúdo Similar

    • Por Juliana Champi
      Salve a todos!
      Embora haja uma quantidade relativamente boa de informações sobre o Ceará, vou tentar atualizar valores e falar um pouco sobre viajar na época das chuvas e sobre segurança... tentarei escrever um relato mais sucinto do que me é de costume, rs. Mas não sei se vou conseguir, haha! (Obs - não vou).
      Esta viagem ocorreu entre 3 e 15 de abril, com cidades-base de Fortaleza e Jeri. Os viajantes: eu e meus meninos companheiros de sempre, Gui (marido) e João (filho, 10 anos). O padrinho do João, Lio, tb parceiro de outras aventuras, passou uns dias conosco.
      O Ceará surgiu aleatoriamente nas minhas buscas rotineiras por passagens baratas... embora tenha comprado passagem para o período das chuvas, o preço ridiculamente barato me convenceu a ir whatever. Normalmente uma passagem pro nordeste saindo do interior do Paraná custa em torno de 800-1000 reais por pessoa. Pagamos 1500,00 nas 3, ida e volta, com 1 mala despachada.
      Surgiu tb do meu filho pedindo pelamordedeus pra gente viajar pra um lugar quente, com água, e com um pouco de descanso. Segundo ele, não aguenta mais viajar pro frio, acordar cedo e andar muito (fomos pro Japão em dezembro, kkkkk), então, conseguimos atender aos pedidos dele pra comemorar sua primeira década de vida!
      E eu tenho amigos no Ceará!!! Melhor coisa ever rever amigos!
      ROTEIRO
      Dei uma pesquisada no que fazer por Fortaleza, onde chegaríamos, e arredores. Muito se fala em Canoa Quebrada (ao sul) e Jericoacoara (ao norte), mas tem muito mais do que isso no Ceará. 
      Certeza que tem muita gente que iria aproveitar pra conhecer estes dois destinos mega famosos, mas pro meu jeito slowtravel de viajar não cabiam nos dias que me programei, então escolhi ir só pra Jeri e explorar mais outros destinos mais próximos de Fortaleza, como Cumbuco, Águas Belas, Morro Branco e etc. Mas com calma, sem ser só pra tirar foto. E justamente por isso alugamos carro, pra não depender das excursões. Mas pra quem não quer alugar carro, recomendam muito uma agência chamada oceanview. 
      HOSPEDAGENS, CARRO ALUGADO E TRANSFERS JERI
      Logo que comprei as passagens comecei a dar uma olhada no booking e airbnb em busca de um teto. Quem já leu meus outros relatos sabe que eu sou hiper fã de airbnb e sempre dou preferência para experiências mais locais. E em Fortaleza não foi diferente. Só que quando comecei a procurar achei e apaixonei num apto meio patrão numa região nobre da cidade. Cabia 6, de início estávamos só nós 3. Mostrei pro marido que resolveu topar um conforto uma vez na vida, kkkk, e alugamos. Depois veria se mais alguém queria ir junto, o que acabou acontecendo, mais ou menos.
      O link do apto está abaixo. Achamos ele bem bonzinho... 1500 reais por 7 noites, se quisesse pra dividir em 6! Amo muito airbnb!
      https://www.airbnb.com.br/rooms/13183920
      O dono é belga mas super fala português, trocamos mensagens pelo whatsapp depois de concretizado o aluguel via airbnb, e ele alugou o caro dele pra nós. Era um Gol simples, mas ninguém queria mais que isso. E com a comodidade de não bloquear todo seu limite de cartão na franquia do aluguel. O apto era bom, mas pra 6 ia ser forçado! Pra 4 é o ideal! Sacada de frente pro aterro de Iracema, tudibom! Um amigo dele taxista faz check in e demais burocracias!

      Sobre o airbnb: nunca tive experiências ruins, mas sou muito cautelosa. Nunca negocio ou troco mensagens importantes fora do site. Se vc ficou afim de experimentar, se cadastre com o link abaixo que eu e vc ganhamos crédito de viagem!

      www.airbnb.com.br/c/jcarneiro3

      Em Jeri acabamos optando por uma pousada. Embora tb tenha opções de airbnb. A pousada foi achada no booking mas tb troquei mensagem pelo whatsapp com a dona (italiana) pq adicionei um dia a mais depois da Latam ter alterado minhas passagens (sempre) e eu poder esticar mais um dia no paraíso. 
      Espaço Nova Era Pousada, pessoal bacana, lugar HIPER fofo, 250 por noite num quartão pra 3 com mosquiteiro, ar, frigobar e tudo mais, super recomendo, um sossego.
       
      E pra chegar em Jeri?? 
      Opções:
      1. Ônibus Fretcar, em que se vai até Jijoca de busão normal e lá troca por um estilo pau de arara pra chegar até Jeri. Mais barato, menos confortável e mais lento. Cerca de 80 reais por pessoa, cerca de 7h de viagem.

      2. Transfer privativo em 4x4. Mais caro, confortável e rápido. Em média 500 reais o carro fechado por trecho, cerca de 4-5 horas de viagem.
      Me recomendaram: Marcel – 088 99956-0419. Falei com ele, foi atencioso, mas acabei não utilizando os serviços.

      3. MELHOR: Vans que pegam a gente em horários fixos e levam até Jijoca, e de lá seguem com 4x4 pau de arara. Preço tabelado, 75 reais por pessoa por trecho, 150 reais ida e volta. Cacei na internet e optei pela empresa abaixo. Fiz o contato pelo site, me responderam por email e whatsapp. Fechei com eles mesmo. Depositei um sinal de 180 reais para reserva (total 450) e paguei o restante em dinheiro no dia do embarque. Eles me pegaram na “porta de casa” rs.

      S. Frank // (55) 088 - 99868-0254 // http:jericoacoara.biz/ (Ceará Rotas)

      Este tipo de transporte tb oferece adicionais tabelados... na ida levam até a pedra furada e na volta, saem de Jeri de manhã, param na Lagoa Paraíso pra almoçar e curtir mais um pouco, e depois seguem pra Fortaleza chegando lá ao fim do dia.
      Recomendo a empresa contratada, mas na verdade é tudo uma zona! Eles repassam clientes de uma empresa pra outra dependendo do tanto de passageiros e na volta achamos o motorista da Van um babaca, dando em cima de uma passageira e bem pouco atento a estrada!
      Mesmo assim, sem sombra de dúvida, esta é a opção mais barata e confortável, já que o pau de arara de Jijoca até Jeri é o mesmo da fretcar (não tem mais ônibus, é só de caminhonete adaptada), mas em Fortaleza os caras te buscam em “casa”.

      SEGURANÇA EM FORTALEZA
      Eu li gente dizendo que tava o Ó, e li gente dizendo que não era tão foda assim. Dias antes da viagem fui apresentada a um fortalezense (isso mesmo) que me botou puuuta medo... matam 30 por dia, não carregue nada com vc e por aí vai. Mas tb tenho dois amigos que moram lá e me tranquilizaram... relaxa que a bruxa não é tão feia como pintam. E assim achei.
      Dá pra andar dando sopa com celular e câmera em que lugar do Brasil? Fortaleza não é diferente! 
      Já adianto que no dia que ficamos zanzando pela parte histórica de Fortaleza evitamos celulares na mão, nas imediações do mercado municipal é ruim. Idem no dia da praia do Futuro, cujas barracas contam com seguranças na areia! Na feira beira a mar a noite foi sempre sussa. Não vi nada demais, e comparado ao Rio de Janeiro, achei bem tranquilo, kk.
      Em Jeri é só sossego!

      DETALHES DO ROLÊ
      Como foi ir pro Ceará no período das chuvas? Valeu a pena? Choveu eterno? 

      Logo mais!
       
       
    • Por trindadeps
      Pois então galera, depois de uma boa estudada aqui no fórum e na internet, partimos...
       
      Irei detalhar os valores no final, anotei boa parte dos gastos.
      Nossa viagem se iniciou com um pouco de antecedência, as passagens foram previamente compradas, éramos 3.
       
      Fizemos câmbio aqui no RJ e levamos uma quantia em dólar, peso argentino e real. Por sinal, valor muito ruim, mas por questão de segurança, resolvemos dessa forma. (Dólar 1 = R$3,33 / Peso – R$1,00 = 4,17)
       
      A data da partida foi dia 05/02/18, à noite, GALEÃO (RJ).
      Logo no vôo o primeiro teste, a aeromoça já aplicou um espanhol, respiramos fundo e respondemos aquele portunhol padrão rsss.
      Chegamos em solos Hermanos rápido, fomos pela Latam, tudo ok.
      Na imigração, tudo tranquilo. Atendente só me perguntou onde eu ficaria.
       
      Antes de viajar, já havia entrado em contato com um transfer que tem uma cabine no próprio aeroporto de nome “Taxi Ezeiza”, e lá estava meu nome em um papel, cheguei e falei meu portunhol com o rapaz e nos entendemos, paguei e fui, vale muito a pena. No dia havíamos chego as 23:00, então imagina a comodidade de logo resolver essa questão que tanto dá dor de cabeça. Preço fixo, atendimento cordial, partimos rumo ao hotel.
      No trajeto para o hotel aquele encantamento bobo de navegante de primeira viagem rssss... tudo muito maneiro, até outdoor de hambúrguer, roupas, água...
       
      Chegamos no hotel, ele fica bem no centro, mais precisamente calle Parana 720, havíamos reservado pelo booking, Mayflower suítes. A primeira impressão da rua a noite foi meio sombrio, mas nada que uns dois dias no local não nos adequemos. Entramos, visual bacana na entrada, falamos com o atendente, após uma breve surra para entender o espanhol na prática, que os filmes e duolingos não te ensinam, tudo se acertou, já paguei na hora toda a estadia, parte em peso e o complemento em dólar (Olha a importância de levar uma quantia de ambos, obrigado aos que me informaram sobre tal atitude, pois os nossos cartões não estavam passando). O rapaz entregou o cartão-chave, foram dois quartos. Hotel com elevador, ficamos com um quarto no segundo andar e um no terceiro andar. Sistema bacana de entrada do quarto através de cartão, mas só isso mesmo... Entramos, BUUH, sabe esses filmes de terror?! Creio que já filmaram alguma passagem naquele quarto! Cama grande, macia, mas e a coberta.. É no mínimo de 1950, antiga mesmo. Fui ao banheiro, cade o box? Rssss. Não tem, o chuveiro na parede joga água pra frente e a pessoa fica dentro de uma banheira, se quiser molhar a cabeça, trate de se abaixar em direção a saída de água.Voltei ao quarto para encarar a primeira noite de sono, até porque precisava repor a energia, pois o próximo dia prometia. Passei perrengue pra dormir, o ar começou a chover, tínhamos uma cachoeira no quarto, isso na primeira noite, BINGO! Desci pra falar com o atendente e ele disse que só no dia posterior, (Como assim parceiro ?!)... Nessa novela, tentamos durmir, caramba... no meio da noite minha esposa acorda e sente um bicho na cama, era um parente de mosca, ou sei lá o que, pensa no estresse, durmimos.
       
      Dia 6/fev/2018
      Curtimos um café logo em nossa esquina, e partimos para a caminhada.

      Primeiro, Obelisco. Logo em seguida procuramos o ponto de partida do ônibus turístico, bem próximo. Vale a pena, pois exploramos os locais mais distantes de nosso hotel com ele. A loja para comprar o bilhete fica ao lado de onde ele pára, ganhamos o mapa e um fone, no ônibus tem o local para o fone e tem a opção do idioma português 😉.


       
      Próxima parada LA BOMBONERA!
      A todos que curtem o futebol, é um local indispensável! Eles valorizam e muito a história do clube. Fizemos o Tour no estádio e museu, TOP!



       
      Na saída almoçamos em uma “birosca”, como conhecemos aqui no RJ. Local bem simples, mas com uma parilla show de bola bem na rua de frente a saída. De volta ao ônibus, partiu.

       
      Próxima parada, Bosques de Palermo, e nele o Paseo el Rosedal. Devido ao horário, tanto o Jardim Japonês, quanto o Planetário Galileu Galilei estavam fechados, por conta disso, ambos ficaram para outro dia.

       
      Dia 7/fev/2018
      A parte da manhã toda ficou por conta de burocracia bancária. MUITO IMPORTANTE!!! Tenha o contato de alguém do Brasil que possa resolver algo para você caso necessite entrar em contato com o banco, no nosso caso tivemos a sorte e ajuda de uma amiga, graças a Deus. O cartão não estava passando em nenhuma máquina, após o procedimento, começou a funcionar.
      Como planejávamos ir a Mendoza no dia seguinte, fomos a rodoviária comprar as passagens. Retiro é o nome do lugar. Passamos pela estação de trem, muito bonito por dentro, por fora ? Horrível, feio... Entre a estação de trem e a de ônibus, tem uma favela. Muitos trabalhadores transitando, parecendo o centro do RJ com relação a quantidade de pessoas, mas também muitos mendigos, infelizmente um lugar mal conservado. Já dentro da rodoviária, que por sinal, mal cuidada também, identificamos o guichê e compramos a passagem, placa da Andesmar (Muito indicada aqui no fórum), mas fizemos a viagem com ônibus da empresa El Rápido. Passagens compradas, partimos rumo ao Museu Nacional de Belas Artes, mas antes disso, tenho que destacar um restaurante maravilhoso no qual almoçamos de nome “LIBER RESTO-BAR (Av. Del Libertador 690 – Esquina Libertad). Almoço, ARS270, Escalopinho, mix de saladas e batatas fritas, incluso guaraná, vinho ou cerveja e café após.

       
      O Museu Nacional de Belas Artes, imponente, com uma imensidão de obras de artes, muito válido e de graça... rssss

       
      Descanso, e cerveza por la noche, cerveza y cerveza rsssss. Conhecemos um barzinho bem alternativo, cerveja artesanal (Oohh maravilha...), um bom blues ao fundo, irado. Chegando no hotel, “cadê a bolsa mulher ?” BUHHH, deixamos no bar. Voltando lá, a atendente havia guardado, ponto positivo pros Hermanos e pro bar. Chega por hoje!
       
      08/fev/2018
      Acordamos com um protesto de trabalhadores na rua!
      Tomamos um café no IBÉRICO, top!

       
      E partimos pra Mendoza...

       
      09/fev/2018
      Chegamos por volta de 09/10:00hrs.
      Ficamos no Hostel Estacion Mendoza, gostamos muito e recomendamos. Os atendentes show de bola, inclusive tinha uma brasileira trabalhando por lá. Teve no próprio hostel, rateio para eles fazerem um churrasco (Pensa numa maravilha…) em outro dia rolou Choripan (TOP!!!).

       
      Viagem muito cansativa, mas o importante é que chegamos com saúde.
      Demos uma respirada no ar de Mendoza, almoçamos e partimos para fazer o reconhecimento da área.
      Passamos pela Plaza España, tem alguns monumentos.

       
      Parque General San Martín, gigante, não conseguimos visitá-lo por inteiro.

      Plaza Independência, muito bonita e com um chafariz maneiro.
      Museu de Ciências Naturais e Antropológicas “Juan Cornelio Moyano”, muitos animais em exposição, vale a pena!

       
      10/fev/2018
      Partimos nesse dia para conhecer a parte cívica da cidade.
      Passamos por todos os prédios governamentais que ficam próximos um do outro, Imponentes!

       
      E o melhor ainda estava por vir, fomos para a excursão do Vinho… INESQUECÍVEL!
      Saímos às 14:00hrs e voltamos 20hrs.
      Passamos por 3 vinícolas e uma fábrica de azeite.
      Bodega DOMICIANO, essa parece ser bem industrial, grande.

       
      No meio das bodegas fomos a fábrica de azeite e derivados, de nome PASRAI, rolou degustação de azeite e compras.

       
      A segunda não me recordo o nome, apesar de bem restritiva com relação a registros, degustação, no geral foi boa.

       
      Por último, passamos na FLORIO, fechou com chave de ouro. A atendente muuito simpática, nota 1000 além de que teve muita degustação, sai tonteado de lá rsrsrs.

       
      Em todos os locais tiveram degustações e muita explicação tanto das frutas utilizadas, como processos e os locais de armazenamento, uma experiência incrível, principalmente pra quem curte degustar um bom vinho.
      Voltamos ao hostel bem alegres por sinal, recomendadíssimo esse passeio!
       
      11/fev/2018
      Nesse dia fomos a excursão ALTA MONTANHA.
      Simplesmente IMPERDÍVEL, NÃO DEIXE DE IR!!!
      Seguimos a indicação de nosso hostel e compramos com eles mesmo o passeio.
      A equipe nos buscou lá e foram nota 1000 (Transporte ALEO), só não me recordo o nome do motorista e guia, mas eles são muito bons!!!

       
      No trajeto, aconteceu um problema na RUTA e ficamos um bom tempo parada na pista, mas logo seguimos.
      Passamos por diversos povoados.
      Almoçamos em um restaurante muito rústico, só o bife de chorizo devia ter uns 700grs, sem brincadeira rsrsrsrs…

       
      A estrada para chegar até o Cristo Redentor, na divisa entre Argentina e Chile na Cordilheira dos Andes, tem muito zigue-zague, doidera…

       
      Ao chegar lá em cima, muito vento e pressão, pensei que fosse estourar meus ouvidos por alguns momentos.
      Mas, muito lindo.
      Tivemos a felicidade de ver neve em algumas montanhas “próximas”.



       
      Na volta, passamos pela Puente del Inca. A história é muito maneira e o lugar é MÁGICO!

       
      Não posso deixar de frizar novamente a recepção e todo auxílio dado pelo guia, super gente fina, de fato conhece aquela região, e explicou tudo em inglês e espanhol, que por sinal, estava tranquilo de entender para quem não tem fluência (EU).
       
      12/fev/2018
      Ficamos por conta da cidade, conhecendo sem roteiro.
       
      13/fev/2018
      Dia de voltar a Buenos Aires.
       
      14/fev/2018
      Chegada em Buenos Aires.
      Saímos de taxi, até o “America Del Sur Hostel Buenos Aires”. Não tivemos problema algum, mas de qualquer forma, fui acompanhando com o gps.
      O Hostel fica localizado em ruas sombrias, principalmente a noite. Mas nada que atrapalhe muito. Ele em si, é um prédio, muito bonito e limpo. A área de socialização é no térreo, onde tem um espaço a céu aberto, e uma cozinha. Os quartos são impecáveis.
       
      15/fev/2018
      Conhecemos o Jardím Japonês, muito bonito.

       
      Passamos pelo Planetário Galileu Galilei, mas nao nos interessamos em pagar e ver as exposições.
       
      MALBA, com suas belas exposições!

       
      Floralis Genérica;

       
      Museu Nacional de Arte Decorativo;

       
      Jardim Botânico Carlos Thays;

       
      16/fev/2018
      Bioparque Temaiken, simplesmente SENSACIONAL!!!
      Muitos animais, parque bem organizado, lindo mesmo…
      Pegamos ônibus na Plaza Italia e soltamos “próximo”. Caminhamos por volta de 10minutos.
      Passeio pra curtir o dia todo, chegamos cansadíssimos ao hostel, muito bacana !




       
      17/fev/2018
      Casa Rosada, agendamos quando já estávamos na Argentina. A visita é bem esclarecedora, os funcionários bastante atenciosos, recomenda a visita !

       
      Museu da Casa Rosada, fica ao lado, vale a pena conferir também.

       
      Museu Fragata Sarmiento.

       
      Na região próximo a Fragata, tem muitos restaurante. Almoçamos em um, que infelizmente não me recordo o nome, onde se paga um valor fixo o come até não aguentar mais, o garçom explicou que lá funciona da seguinte forma, você come, deixa o prato usado na mesa e prepara outro, acabou?! Pega outro, come, e vai até encher rsrsrs, TOP!
      A noite fomos conhecer a boemia. Passamos por um barzinho de cervejas artesanais bem na esquina do hostel (America del Sur), e partimos pra frente da boate CLUB MUSEUM. É balada popular, cerveja ruim, pior do que Itaipava e cara.
       
      18/fev/2018
      Feira de San Telmo. Muitos itens artesanais e principalmente coisas antigas, não vi nada de interessante, mas vale a pena o passeio.
       
      19/fev/2018
      Ficamos de molho, sem compromisso.
       
      20/fev/2018
      A volta...

       
      *** OBSERVAÇÕES IMPORTANTES:
      - Nos dias finais, quando já estava em Buenos Aires, meu olho direito começou a coçar, ficar vermelho e por vezes remelar. Não sei ao certo se era conjuntivite, ou devido ao clima seco. Comprei colírio por lá e parecia que estava jogando pimenta no olho, só melhorou 2 dias após chegar em casa.
      - Utilizamos muito o metrô, grande abrangência pela cidade de BA.
      - Cartão SUBE, tem muitos lugares para fazer recarga, assim como recarga de celular também.
      - Utilizamos a operadora CLARO, pegamos pacote de internet e foi válido.

       
      ABAIXO, SERÃO DESCRITOS ALGUNS GASTOS:
       
      *** LEMBRANDO QUE OS CUSTOS SÃO PARA 3 PESSOAS***
      PASSAGENS AÉREAS: Rio de Janeiro x Buenos Aires R$3.203,01 
      CÂMBIO no Rio de Janeiro: Dólar 1 = R$3,33 (Trocamos R$999,61) / Peso – R$1,00 = 4,17 (Trocamos R$1.000,08)
      COTAÇÃO p/ SAQUE – BANCO SANTANDER: R$1 = ARS5,65 (Com as taxas inclusas)
      TRANSFER (TaxiEzeiza): ARS780,00
      HOTEL MAYFLOWER -> *2 QUARTOS* (05 à 08/fev/2018) ARS4581 (ARS631 + US$200 – Cotação Hotel “US$1 = ARS19,75”)
      JANTA NO MAYFLOWER p/3 ARS910 (Menu executivo, suco e vinho)
      OBELISCO (0800)
      ÔNIBUS TURÍSTICO ARS670,00 (3 Tickets de 24hrs)
      LA BOMBONERA - MUSEU + ESTÁDIO TOUR p/3 AR$780
      ALMOÇO DO LADO DE FORA “LA BOMBONERA” p/3 AR$450 (Parrilla, lá dizia que era pra dois, mas comemos em 3 tranquilos)
      ÔNIBUS B.A x MENDOZA ARS 4.052,20 (3 Passagens)
      HOSTEL ESTACION MENDOZA -> *2 QUARTOS* (09 à 13/fev/2018) AR$7.520
      ALMOÇO MENDOZA p/3 AR$800 (Bife de chorizo com salada ou fritas, vinho ou refrigerante e sobremesa)
      ALMOÇO MENDOZA p/3 AR$907 (Bife de chorizo, suco e sobremesa)
      EXCURSÃO DO VINHO “MAIPÚ” p/3 ARS1.560
      EXCURSÃO ALTA MONTANHA P/3 ARS2.970
      ÔNIBUS MENDOZA x BA p/3 ARS5065,50
      HOSTEL AMERICA DEL SUR BUENOS AIRES p/3 1 quarto - 2 beliches (14/fev à 20/fev) US$248
      JARDIM JAPONÊS P/3 AR$360
      ALMOÇO BIOPARQUE TEMAIKEN P/3 AR$615 (Peito de frango frito com batata frita ou salada e refrigerante)
       
      Apesar de não ter 100% dos gastos detalhados, apurei que por pessoa, foi gasto R$5.250.
      Lembrando que os gastos são desde a saída de casa até a volta pra casa novamente, tudo incluso.
      Observa-se que foi uma viagem bem “folgada”, não passamos aperto, apesar de no penúltimo e último dia, termos que reduzir bem os gastos diários, inclusive com alimentação, porém em TODOS os outros dias comemos MUITO BEM, a culinária hermana é TOP, um bife de chorizo que maltrata quem gosta de uma boa carne, sem contar os outros pratos de carne, assim como o bom e velho vinho para acompanhar as refeições.
      Grande parte dos passeios em Buenos Aires foram gratuitos, mas os que foram pagos, em sua grande maioria eram valores simbólicos, se assim podemos dizer, e todos bem válidos.
      Já em Mendoza, os dois passeios que fizemos foram pagos, até por questões lógicas, já que nos foi ofertado o transporte e guia.
      A Alimentação no geral não achei cara, os pratos são bem objetivos, carne e salada ou batata frita. Normalmente vem um valor fechado para entrada, prato principal e bebida, vez ou outra sobremesa, um exemplo seria, pão de entrada, bife de chorizo com salada e vinho.
      O conhecido CAFÉ, não podemos deixar de falar. Tem por toda parte e lugar em BA. Paramos em vários e gostamos de todos. Desde os mais sofisticados, com seus funcionários muito atenciosos, respeitosos. Até os mais “caseiros”, com seu atendentes fazendo você se sentir um local, atendimento olho no olho, super válido.
       
      No mais é isso galera, caso eu venha lembrar algum fato ou até observar algum erro, vou comentar e/ou corrigir.
      Caso tenham alguma dúvida, podem falar que assim como fui muito ajudado pelo fórum, estou disposto a ajudar também.
      Grande abraço família e até a próxima.
    • Por Mathew
      Iniciamos então mais um relato, dessa vez sozinho, visto que minha namorada não pode ir em razão do trabalho. Como tinha um primo fazendo intercâmbio na Austrália, e as aulas já haviam terminado, decidimos fazer uma viagem de 30 dias para conhecer um pouco do País.
      Começamos pelas passagens. Elas estavam com valores de R$ 4.700,00 ida e volta. Ali por final de Fevereiro houve uma mega promoção da Quantas, que derrubou as passagens para R$ 2.200,00. Quando estava em R$ 2.800,00 em comprei, e no dia seguinte foi o pico da baixa. Mas preferi aproveitar antes, com medo que voltassem pros 4 mil reais. Comprei pela Decolar.com, pois o site da Quantas não queria funcionar. Aproveitei e adquiri um Seguro de Viagem no valor de R$ 384,00.
      O roteiro meio que foi feito pelo meu primo, tendo nós conversados e feito algumas adaptações. Depois da viagem vimos que poderia ter sido muito aprimorado, mas isso só vem com a experiência mesmo.
      Em Março fiz meu visto, que custou R$ 395,74. Fiz tudo online, usando esse site para ajudar em algumas coisas: https://quatrocantosdomundo.wordpress.com/2013/09/22/como-tirar-o-visto-para-a-australia/
      Ali por maio eu comprei dólares australianos de um brasileiro que mora lá. Depositei em reais na conta dele aqui, e ele depositou em dólares na conta do meu primo. Tinha feito a conta que iria gastar uns 3 mil dólares. Comprei 2.200 dele, e os outros 800 seriam do meu primo, visto que eu havia comprado as passagens áreas internas na Austrália para nós dois. Tudo para "baratear", evitando gastos com IOF e lucros das casas de câmbio. A cotação que consegui foi de R$ 2,68.
       
      GASTOS INICIAIS
      - Passagem Brasil – Austrália – Brasil – R$ 2.812,00
      - Seguro Viagem – R$ 384,00
      - Visto = R$ 395,74
      TOTAL = R$ 3.591,74
       
      Dia 01 e 02 – 16/05 e 17/05 – SÃO PAULO - MELBOURNE
      Meu avião saiu de Guarulhos às 18h45min. Feito escala em Santiago (Chile) de 2h e depois em Auckland (Nova Zelândia) mais 2h. Um voo beeeem cansativo.
      Uma dica. Na ida eu peguei a poltrona 26 no voo de 10h entre Santiago e Auckland. É uma poltrona que tem muito espaço para se esticar, visto que ficar numa saída de emergência. Achei muito bom. Tentei pegar na volta, mas não tinha mais. Aí pega na janela e consegue apoiar as pernas na porta de emergência, dá um bom sono.
       
      Dia 03 – 18/05 - MELBOURNE
      Cheguei em Melbourne às 09h25min da manhã. O meu primo já tinha comprado a passagem do SkyBus pela internet (AUD 18,00) (https://www.skybus.com.au/). Esse ônibus faz o trajeto aeroporto / centro de Melbourne a cada 10min mais ou menos. Tem os que vão em bairros, mas o mais usado é o que vai até a estação Southern Cross. Fui até lá e ele foi me buscar.
      Ficamos na casa em que ele estava hospedado, no Southbank. Como o horário da Austrália é +13 o horário do Brasil, eu precisava ficar acordado o dia todo pra "ajustar" meu corpo, visto que quando é dia no Brasil, é noite na Austrália. Então fomos caminhar pela cidade.
      Fomos pelas margens do Rio Yarra, passamos pela Chinatown, e caminhamos até a Argyle Square. Ali próximo existe em restaurante chamado Universal Italian, que serve um frango parmegiana IMENSO, e por um valor extremamente em conta (AUD 14,00). Comemos era umas 16h já. Na volta passamos pela pela Biblioteca Estadual e pela estação Flinders Street e fomos pra casa.
      Consegui ficar acordado até às 20h aproximadamente, e aí capotei.

      Margens do Rio Yarra

      Margens do Rio Yarra

      Argyle Square

      Chicken Parmegiana no Universal Italian
       
      GASTOS
      SkyBus - AUD 18,00
      Universal Restaurante - AUD 14,00
      TOTAL = AUD 32,00
       
      Dia 04 - 19/05 – MELBOURNE
      Nesse dia iríamos visitar outros locais. O Rodrigo convidou uma amiga dele para ir junto, a Isabela, a qual nos acompanhou nos quase 30km de caminhadas na cidade.
      Começamos pelo Shrine of Remembrance. Fomos para o Royal Botanic Gardens. Dali entramos no National Gallery of Victoria.
      Depois dessa longa caminhada fomos comer um Harbúrguer na Degraves Street se não me engano, que é uma ruela cheia de restaurantes e bares.
      Dali seguimos para o Fitzroy Gardens e voltamos pela passarela que dá ao Melbourne Cricket Ground. Nesse caminho passa pelo The Federation Bells, que são uma espécie de sinos que tocam umas músicas de tempos e tempos. Dá até para você criar uma música no site deles e colocar lá para tocar.
      Encerramos o dia na Munich Brauhaus com um casal de brasileiros que também são amigos do meu primo.
       

      Shrine of Remembrance

      Royal Botanic Gardens

      Royal Botanic Gardens

      Fitzroy Gardens

      Margens do Rio Yarra
       
      GASTOS
      Hambúrguer - AUD 24,00
      Cerveja e Linguiça - AUD 19,00
      Doce - AUD 6,00
      TOTAL = AUD 49,00
       
      Dia 05 - 20/05 – MELBOURNE
      O casal de amigos do meu primo do dia anterior se juntou a nós para conhecer o Abbotsford Convent. Nesse local é servido aqueles almoços que você paga quanto quer. Eles dão sugestões de valores, informando o quanto cada valor cobre dos custos deles. É um lugar bacana, muitas pessoas vão se exercitar lá. Algo que fica no centro de uma metrópole, e que parece que vocês está no interior, com cavalos, vacas. Tem até uma feirinha rural lá. Para ir até lá usamos o trem. Para usar o transporte público é necessário o MyKi, que precisa ser comprado e carregado com créditos (https://www.ptv.vic.gov.au/tickets/myki). Eu acabei usando um dos amigos do Rodrigo, então só gastei o valor do transporte, que varia conforme o destino.
      Algo importante sobre o transporte público. Você precisa apresentar o cartão na máquina sempre que entra e sai das estações, pois a cobrança é pela distância, então vai cobrar quando você sai. Nos subúrbios, como no bairro de Abbotsford Convent, não existe catraca nem nada, vai tudo na confiança. Problema é que, se você não fizer e algum fiscal passar pelo transporte verificando, a multa é altíssima (uns 200 doláres). Outra coisa é que, vamos supor que custe 4 dólares o deslocamento, e você só tem 2. O seu saldo vai ficar negativo, mas não tem problema. Você só pode ficar negativo 1x. Então, para pegar transporte novamente depois, terá que fazer uma recarga. Por fim, no centro de Melbourne há uma área de Tram gratuito. Tram é tipo uns bondes, que andam no asfalto sobre trilhos. Nós não o utilizamos, mas mesmo sendo gratuito acho que precisa dar o "tap" no cartão na entrada e saída dele.
      Depois do almoço fomos para Brighton Beach. É um local nobre da cidade, com grandes mansões. Ali próximo existem os Brighton Bathing Boxes, local bem turístico. Não achei nada assim muito interessante, mas o povo vai lá tirar fotos. A última das cabaninhas foi vendida por míseros 350 mil dólares 😱. É gostar de jogar dinheiro fora...
      Dali começou a chover e acabamos pegando ônibus / tram para ir para casa.

      Abbotsford Convent

      Abbotsford Convent

      Mansões em Brighton Beach

      Brighton Bathing Boxes

      Vista do centro de Melbourne a partir do caminho que fizemos pela baía

      Interior de um Tram
       
      GASTOS
      Transporte - AUD 10,00
      Almoço Convento - AUD 10,00
      Lanche tarde - AUD 10,50
      Janta - AUD 15,00
      TOTAL = AUD 50,50
       
      Dia 06 – 21/05 – MELBOURNE - TASMANIA
      Nesse dia iríamos para a Tasmânia com o Spirit of Tasmania (https://www.spiritoftasmania.com.au/). Foi pago AUD 85,00 pelo deslocamento noturno, aproximadamente 10h no barco. Pode escolher camas se quiser (mais caro), mas se não pegar existem poltronas demarcadas para dormir. São bem confortáveis, como de um ônibus semi-leito. Também fornecem cobertor e travesseiro. Muito importante: LEVE DRAMIN!!! O Rodrigo acabou passando mal logo que o barco saiu da baía e entrou em alto mar. Eu dormi e não precisei tomar nada.
      Dá para ir de avião. O valor é praticamente o mesmo. A diferença é que vai até a capital, Hobart, e o barco vai até Devonport, que fica ao norte da ilha. Mas fizemos pela experiência mesmo. Deve ser bacana no verão, que aí pega o pôr do sol e o nascer do sol no barco. Como era noite pegamos escuro o tempo todo. Tem também a opção de fazer o trajeto diurno (quando pegamos não tinha, acho que devido à pouca demanda).
      Nesse dia não fizemos nada de mais. Coisas administrativas que ele precisava fazer na escola, ficamos arrumando malas, dormindo até mais tarde...
       

      Spirit of Tasmania

      Spirit of Tasmania

      Interior do Spirit of Tasmania
       
      GASTOS
      Almoço - AUD 17,00
      Doce tarde - AUD 5,00
      barco - AUD 85,00
      Guloseimas barco - AUD 6,00
      TOTAL = AUD 113,00
       
      Continua...
       
    • Por catagreff
      Olá gente faz um tempo que quero fazer um relato sobre como está a Venezuela para viajar e tal e como recentemente fui ao casamento de um irmão lá, tenho informações fresquinhas sobre a situação do país e tudo mais, mais do que um relato detalhado da minha viagem vou fazer algumas observações em relação à moeda por exemplo que está bem bagunçado agora, questão de falta de dinheiro (notas), mudança de moeda, entre outras coisas que considerei mais importante relatar ok?, mas quem quiser mais detalhes fique à vontade para perguntar, vou deixar meu whatss no final do post pra facilitar ☺️
      Bom sou venezuelana de nascimento, mas moro no Brasil há 22 anos, estive na Venezuela de 22/05/18 a 05/06/18 fui ao casamento do meu irmão e aproveitei pra turistar um pouquinho, recomendo muito ir pra lá principalmente pelos preços, como a moeda esta bem desvalorizada fica pra nós brasileiros muito barato ir pra lá e esbanjar.
      Só quero fazer uma observação quanto a situação do país atual porque mesmo tendo família lá eu me assustei com as notícias que chegam sobre a Venezuela, e a primeira pergunta que fiz ao meu irmão quando disse que ia fazer festa de casamento lá foi: Mas as pessoas estão passando fome? Como você vai conseguir comida aí? não ta faltando comida e tudo mais?
      E ele obviamente me disse que a situação não era assim tão ruim como a mídia mostrava, mas obvio que não acreditei e decidi ir ver com meus próprios olhos, então confirmei que há muito exagero na mídia sim, as pessoas que passam fome são as mesmas que passam fome aqui no Brasil e em países subdesenvolvidos, pobres e pessoas que dependem de ajuda do governo, já que a ajuda do governo é basicamente uma caixa de comida por mês, e os aposentados também porque o salário mínimo é hoje 23/06 em torno de 0,50 centavos de dólar, pelo cambio paralelo (falo mais disso la na frente).
      Então quem for pra lá fique tranquilo que você não vai ver pessoas revirando latas de lixo, nem pessoas assaltando o tempo todo, porque uma das poucas coisas boas que a crise fez foi q com a crise muitos foram embora do país, inclusive os bandidos, eu estive lá em dezembro de 2014 e a situação de segurança estava muito pior, eu me senti mais "segura" desta vez, mas os cuidados a serem tomados em QUALQUER região que vc estiver, são as mesmas dos grandes centros aqui no Brasil, como falar ao celular na rua nem pensar, sair depois das 19 horas NEM PENSAR, a vida noturna de Caracas praticamente acabou, mas ainda se consegue comer em bons restaurantes nas regiões nobres da cidade, e você vai até se esquecer que está na Venezuela.
      Bom começando com a minha experiência em Boa Vista, resolvi ir por Boa Vista pelo motivo óbvio rsrsr, preço, pois um vôo direto de São Paulo-Caracas Ida e volta está em torno de 6000 reais o mais em conta, bom os motivos pra isso são vários mas o principal é que poucas companhias estão fazendo o percurso, principalmente por causa da inflação que aumenta diariamente, então fica difícil fazer estimativa de preços de passagens e tal.
      Bom sou venezuelana de nascimento, mas moro no Brasil há 22 anos, estive na Venezuela de 22/05/18 a 05/06/18 fui ao casamento de um irmão, então vou contar um pouco sobre a viagem.
      Fui por Boa Vista por ser a opção mais barata, uma passagem de avião pra Caracas direto de São Paulo estava em torno de 6.000 reais, ida e volta, e isso estava bem fora do meu orçamento. Então cheguei a Boa vista no dia 22/05 às 3 da manhã, infelizmente os vôos pra Boa vista só chegam e saem de madrugada. Por causa da crise na Venezuela a cidade está um caos, cheio de venezuelanos dormindo no aeroporto e por isso achei melhor esperar amanhecer num hotel, peguei um taxi no aeroporto e pedi q me levasse a um hotel, me levou no hotel farroupilha, que por sinal não recomendo, além de me cobrar 100 reais pra dormir 3 horas, o banheiro não tem nem chuveiro elétrico, que era o mínimo q eu esperava pelo preço, mas enfim foi a opção que tinha no momento. 
      Na volta eu também tive que dormir na cidade então optei pelo airbnb, fiquei na casa do Walber e super recomendo, ele é um policial militar muito gente boa e com certeza é melhor ficar lá que nos hotéis de Boa vista.
      Levantei e fui pro terminal do Caimbe pegar o taxi para Pacaraima, cidade que faz fronteira com Santa Elena de Uairen, o taxi cobra 50 reais por pessoa e leva 4 pessoas, são bem seguros peguei da empresa cootap mas tem outra e ambas cobram o mesmo. Saem em vários horários, na verdade conforme vai tendo passageiros para levar, fazem a travessia até 19 horas me disse o motorista, então a hora que chegar sempre vai ter alguém pra te levar.
      Cheguei em Pacaraima onde um primo venezuelano foi me buscar de carro, pra quem não está acostumado com fronteiras na América do Sul vai parecer assustador a quantidade de venezuelanos dormindo nas ruas, têm muitos trocando dinheiro dólar por Bolívar, Real por Bolívar o cambio está 4,1 reais por dólar até sexta 22/06/18.
      Não recomendo trocar dólares na fronteira, os motivos são vários vou citar os principais:
      - há pessoas que querem tirar proveito como em qualquer lugar do mundo, mas devido à crise q estão passando tentam ganhar de qualquer jeito, então o meu conselho é levar dólares daqui, de preferência notas de baixo valor, vou explicar o porque mais pra frente;
      - não adianta ter Bolivares, a não ser uma quantidade muito pequena, a inflação lá ta uma loucura então o bolivar se desvaloriza todos os dias, quando cheguei estava 1 dólar = 1.000.000 de bolivares (sim vc não leu errado um milhão) e quando vim embora estava 2.400.000, como são valores em milhões não há notas suficientes e nem como carregar tanto dinheiro assim, então as pessoas só usam notas para abastecer, porque a gasolina é infinitamente barata então com 500 bolivaresvc enche o tanque
      Ps: com 500 bolivaresvc não compra nem uma bala lá 
      Gente percebi que o post vai ficar muito grande, então vou resumir e se tiverem dúvidas ou quiserem saber mais detalhes mandem email [email protected] ok?
      - se não tiver jeito mesmo e tiver que trocar reais por dólares só aceite as notas de 100 dólares, são as únicas que não podem ser falsificadas, masssdifíceis de trocar depois de estar lá dentro
      - a não ser que tenha conhecidos dispostos a te ajudar, ninguém vai trocar dólares pra vc no preço que está na cotação do dia, vou explicar melhor há 2 cambios na Venezuela o câmbio oficial e o paralelo ou negro, o oficial é o do governo, isto é o que é seguido pelas instituições financeiras, pelas operadoras de cartão de crédito etc, e o paralelo que é o do site dolartoday.com que hoje está 2.951.374, bom mas o que isso significa?
      A maioria da população segue o paralelo, todas as vendas tipo imóveis, carros são feitas seguindo o dolartoday mas cada pessoa pode barganhar esse valor, mais ou menos isso
      A cotação oficial é de 96.322, nem preciso dizer que não compensa passar o cartão de crédito internacional na Venezuela né?, pra quem não entender só pedir que eu explico melhor 😉
      Bom e como eu fiz com relação ao dinheiro? Um primo me emprestou seu cartão de um banco de lá e eu troquei 100 dólares com ele assim que cheguei na Venezuela, ele deixou em bolivaresdisponíveis nessa conta, tudo absolutamente tudo é pago por débito, como comentei antes não tem notas no país suficientes pros valores praticados, e como tudo está custando milhões, exemplo 1 diaria de hotel custa 7 milhoesimagina carregar tudo isso em notas 🤔
      Então em todo lugar aceitam cartão de débito, ah mas eu estou na praia e quero uma água de coco , provavelmente o cara que vende coco tem maquininha de cartão, que lá é conhecido como punto, vc vai ver placas dizendo HAY PUNTO, então se vc tiver alguém que possa te emprestar a conta enquanto vc estiver lá ótimo foi o que eu fiz. Mas há ressalvas, o governo controla a quantidade de dinheiro que vc pode gastar por dia, não oficialmente claro, mas na prática se vc quiser comprar alguma coisa que custe em torno de 100 dólares em bolivares provavelmente vão recusar a transação, então o que os lojistas fazem é dividir o montante em várias vezes e passar várias vezes o cartão, um saco na verdade, mas uma forma de burlar o sistema, pelo menos por enquanto.
      Outra forma de pagar é por transferências bancárias, é o que mais é feito na verdade, taxistas, lojas, tudo praticamente é pago por transferência bancária, a pessoa q vc esta comprando algo te passa o número da conta e vc faz a transferência e manda o print do comprovante por whatss, bem interessante como o ser humano se adapta a tudo NE....
      Mas para quem não tem ninguém lá para emprestar a conta e tudo mais a única opção viável é pagar em dólares, por isso disse antes que o melhor é levar notas de baixo valor, por exemplo um café da manhã numa padaria vai de custar em torno de um milhao e quatrocentos bolivares isso dá menos de 1 dólar mas provavelmente não vai ser todo lugar que vai aceitar notas baixas porque podem ser falsificadas, lembra que eu disse que a única que não pode é a de 100 dólares?, então possivelmente também tudo vai sair mais caro para quem leva dólares porque vão cobrar o preço que quiserem por saber que vc não tem bolivares, é a situação econômica lá ta bem complicada, e pra piorar vão tirar 3 dígitos da moeda, para ao em vez de ser em milhões ser milhares, mas isso só vai acontecer em 3 meses.
      Bom o que fazer então? Sinceramente não sei, sempre pergunte quanto é em bolivares só fale que vai pagar em dólares em locais fechados e sempre que falar que vai pagar em dólares tome cuidado pra quem estiver em volta, porque sempre há gente mal intencionada e de olho em turistas pra assaltar etc., então o meu conselho é não confie em ninguém, a não ser que vá a casa da pessoa e esta seja de fato honesta.
      Quanto a viajar de carro pelo país, tenho várias ressalvas também, é complicado pela questão dos policiais serem corruptos, há muitas fiscalizações nas estradas, tipo blitz... e os policiais ganham um salário mínimo, que é em torno de cinqüenta centavos de dólar hoje, então imaginem passar um carro com turistas que eles sabem que carregam dólares, eles fazem de tudo para estorquir, então se for levar dólares leve bem escondidos, eles revistam tudo, reviram as malas, fazem revisão de homens e mulheres, palpam tudo... é bem constrangedor na verdade, a boa notícia é que turistas podem carregar até 10.000 dólares, mas nunca jamais em hipótese alguma faça isso, tenho um primo que carregava uns 5000 dólares e foi parado em uma alcabala (que como chamam as blitz la) e os guardas tiraram 4000 dele porque foi o que conseguiram encontrar, e ele teve sorte que não mataram ele porque a maioria das vezes eles tomam os dólares e levam a pessoa para um “passeio” para bater e tentar tirar o máximo possível de dinheiro, e para não correr o risco de serem denunciados eles matam e pronto, é parece filme de terror mas é assim mesmo.
      Por isso quanto mais mochileiro você parecer melhor, ou o menos turista possível melhor ainda. Para quem realmente quiser se aventurar de carro, NUNCA JAMAIS EVER dirija à noite, faça os percursos de dia, quando entardecer pare na cidade mais próxima e durma no melhor hotel que encontrar, são muito baratos quando fazemos a conversão, então sempre pergunte quanto é em bolívares e vc mesmo faça a conversão para dólares, e depois pergunte quanto é em dólares e comece a negociar a partir daí.
      Porque não dirigir à noite, bom além dos motivos óbvios, há trechos na Venezuela que são muito perigosos, um exemplo é a região de Caucagua, uma zona litorânea, que tem uma cidade chamada San José e, que obrigatoriamente temos que passar se vamos atravessar sentido Caracas ou outras cidades nessa direção por exemplo, é tão perigoso que para atravessar o povoado geralmente motoristas esperam a escolta da guarda nacional para passar ali, sim eu vivi isso porque meu primo atravessou essa cidade à noite no percurso que fizemos quando eu cheguei, foi horrível, mas deu tudo certo no final, por isso eu continuo dizendo JAMAIS viajem à noite. Há o risco do carro quebrar, furar pneu ou sei lá o que e vc vai ficar no meio do nada e provavelmente será secuestrado na melhor das hipóteses.
      Se você for atravessar o país de carro com venezuelanos é mais tranqüilo, deixe que eles dirijam e se for mulher melhor ainda, geralmente não param mulheres nas alcabalas, mas eu disse GERALMENTE.
      Fiquei em Guatire que é uma cidade próxima à Caracas, cerca de 30 min de carro, porque um tio mora lá e é mais tranquilo que Caracas, fica à meia hora de Higuerote que é litoral então é uma boa opção pra conhecer, como o mar que banha a Venezuela é o Caribe todas as praias são maravilhosas, mas recomendo que vá com pessoas que conheçam porque algumas praias tem muita correnteza e são perigosas na região, tenho um primo lá que pode ajudar quem quiser conhecer a região.
      Fui a margarita no dia 01/06/18 comprei a passagem lá em Caracas num shopping que se chama Líder, que tem uma agência de viagens de confiança, tenho o contato da moça que me atendeu, o whatss dela quem quiser me pede ok? bom como a questão financeira não está legal, tudo está um pouco louco, tem coisas que são extremamente baratas até mesmo pros Venezuelanos, uma passagem ida e volta pra margarita saiu por 32 dólares saindo de Maiquetia (Aeroporto principal da Venezuela- fica 30 min de Caracas).
      Para conseguir passagem pra lá recomendo que assim que chegarem em Caracas façam isso, ou então já deixem reservado com essa moça que comentei porque não é fácil conseguir passagens em cima da hora, eu tive sorte que consegui com 3 dias de antecedência, mas não façam isso porque é muito provável que não consigam passagem ok?
      E finalmente como está Margarita? a situação da ilha é menos ruim do que do resto do país, a ilha é bem grande então não dá pra percorrer a pé, nem de carrinho de golf como em San Andrés, por exemplo, então tudo é feito de carro ou taxis, e aí temos um problema, os táxis só aceitam transferência bancária... acho que tem alguns que aceitam dólares, tenho o contato de um taxista muitooooo legal que nos ajudou muito durante a nossa estadia na ilha, o nome dele é Johan, é o que cobra mais barato é super pontual e também oferece alguns passeios pela ilha.
      Eu fiquei só 3 dias infelizmente não tinha como ficar mais, mas recomendo que fiquem pelo menos 5 dias para aproveitarem tudo, não vou entrar em muitos detalhes sobre margarita porque o post já ficou longo demais, quem quiser mais detalhes é só pedir ok?
      Pra quem está curioso sobre quanto gastei ficando quase 3 semanas lá, eu gastei 200 dólares esbanjando muito e ainda trazendo 2 perfumes importados rsrsrsr, gente lá é tudo mais barato então é o paraíso pra comprar mas devido ao problema de dinheiro e das operações financeiras serem bem dificultadas acaba atrapalhando demais trazer muitas coisas, recomendo que levem pouca bagagem e que comprem o que precisarem por lá... é bem barato inclusive em alguns shoppings em Caracas mesmo, os Shoppings de Margarita são mais caros antigamente era o contrário mas como a ilha teve que se dolarizar acaba ficando mais caro.
      Dicas de hotéis e tudo mais é só pedir blz?
      Beijos desculpem o post enorme masss é a primeira vez que faço um relato ta bom?
      contatos: [email protected]
                        Whatss: 034996580626
      PS: tenho contatos na Venezuela toda rsrsrs, minha família lá é bem grande.
    • Por Vivi Ane Gonçalves
      No terminal rodoviário da Cidade de Arequipa, peguei um bus que saiu a 1h da madrugada e chegou em Cabanaconde por volta das 6hs da manhã. Tomei um café da manhã e busquei o caminho para chegar em Llahuar. Esse foi o primeiro ponto de descanso que escolhi. Fui cobrada por um ingresso de 40 soles por ser latina e a senhora que vendeu o ingresso me mostrou o caminho. Usei o aplicativo maps me para me localizar. A trilha é praticamente toda de descida e demorei cerca de 3:30hs para chegar, indo tranquila e parando para tirar fotos. Passei uma noite no Llahuar Lodge que fica a beira do rio e possui duas piscinas de águas termais. O valor do quarto compartilhado foi 20 soles e as refeições são 10 soles.
      No dia seguinte acordei cedo e comecei a caminhada para Sangale onde escolhi passar a segunda noite. Usei novamente o maps me e levei 5hs com muita calma passando primeiro em Malata (contudo não há o que conhecer lá). Grande parte do caminho fiz por uma estrada onde passa um busnque escolhi não tomar, mas existe essa opção. Cheguei no Oásis de Sangale que possui 05 hostels, fiquei no primeiro que vi pois estava muito cansada, mas depois fui conhecer o do lado que parecia ser melhor. Paguei 15 soles na noite. Todos os hostels possuem piscina.
      No dia seguinte acordei às 8hs e iniciei a caminhada de volta para Cabanaconde as 9hs o que foi um grande erro pois o caminho é pura subida e o sol estava muito forte. Parei muitas vezes para descansar e levei 5hs caminhando.
      Cheguei morta em Cabanaconde e decidi ficar uma noite para acordar cedo e ver os Condors. Paguei 20 soles na noite em um hostel em frente a praça é no dia seguinte peguei o ônibus as 7hs da manhã e desci no mirante dos Condors. Mais ou menos as 10hs peguei uma van turística quase no mesmo preço do ônibus normal com a vantagem de que visitamos outros pontos.
      As fotos estão no meu Instagram @nasgonvivi.
×