Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

fabianribeiro

LItoral do Rio Grande do Sul - Perguntas e Respostas

Posts Recomendados


Olá Pessoal! Estou indo a Rivera esta semana partindo de Balneario Camboriu, mas queria fazer uma rota diferente, pelo litoral.

 

Alguem sabe como está a estrada de Osório até São José do Norte/Rio Grande ???

 

E alguma dica de Rio grande, como hotel, comida, atrações.

 

Obrigado!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Luiz: que eu saiba a estrada é asfaltada ate Tavares, a partir desta cidade é de terra.Nao conheço hoteis em Rio Grande.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Vai passar pela Estação Ecológica do Taim?? Desacelere!

 

Em dezembro de 2010 passamos pela maravilhosa Estação Ecológica do Taim, a natureza exuberante do local é de deixar de boca aberta... infelizmente isso não é para todos... o que também pudemos presenciar foi uma grande quantidade de veículos passando em alta velocidade, desconsiderando as placas e os que ali habitam... o resultado não poderia ser diferente... um número imenso de animais mortos na pista... capivaras, felinos, roedores, aves, etc etc etc

Infelizmente não é incomum vermos alguns animais mortos na pista mas o número por ali foi algo fora do sério... em cerca de uns 70 Km (Taim e arredores) mais de 50 animais mortos... creio que o fluxo maior de veículos no final de ano colaborou...

 

felino.jpg.20e81e46a5be960f981f55330f036707.jpg

598d9ebacf4bf_felino2.jpg.3a9a3c038f59ca5f20c48986e9b316b7.jpg

 

A estrada que corta parte do Taim recebeu tempos atrás uma cerca para que os animais não cruzassem a pista, foi feita sobre a pista tubos de passagem, assim eles fariam a travessia com segurança, me parece que após uma enchente no local parte da cerca caiu e não foi recolocada... agora os animais cruzam a pista com freqüência...

Sem contar que não adianta pensarmos que a vida selvagem vai se restringir apenas no perímetro do Taim, o ideal seria dirigir com velocidade moderada e extrema atenção não só no Taim mas também nos arredores.

 

Fica então meu apelo para todos que por ali passarão... para que continuemos a encontrar um Taim apenas assim:

598d9ebadcba4_AvesTaim.jpg.e6a2afb32348350a65369d5de543f9a7.jpg

 

Abraço a todos!!

Taim.jpg.7a76888140d75ddbb84f2290ea680744.jpg

Placa.jpg.46a69890b65078b694cb5881a602bfb5.jpg

jpg.jpg.c345fec0b64d8b63a8f8250d150745a0.jpg

598d9ebad83c8_reservadotaim.jpg.081bd8df9eee8b629d549a3b2ead7e4f.jpg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Passamos pelo Banhado do Taim há dois anos e achei lindo. O visual enche os olhos. Vale mesmo a pena dar uma desacelerada e bater fotos. E tambem tomar cuidados com o bichinhos que atravessam a estrada.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Gente, valeu muito pelo puxão de orelha.

 

Isso deve servir de exemplo a tantos motoristas.

 

Temos no Brasil paisagens surpreendentes que são esquecidas.

 

Convém desacelerar.

 

Quem quer chegar antes que vá de avião...

 

Na região do Mato Grosso do Sul, por exemplo, veem-se tamanduás e outors animais maiores mortos na beira da estrada também.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Tramandaí, uma das mais famosas e belas praias do sul do país. Localizada a pouco mais de 100km de Porto Alegre.

É sinônimo de diversão o ano inteiro. O esporte, as variadas opções de lazer, somados às suas belezas naturais e a um belíssimo horto florestal com trilha ecológica, fazem de Tramandaí a Capital das Praias e ponto de referência turística no Rio Grande do Sul. Além de tudo isso, Tramandaí oferece uma das mais agitadas vidas noturnas do Estado.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Como gaúcho nascido e criado no coração do Rio Grande sou suspeito pra falar, ainda mais por ser louco por mar, mas vamos lá. Desde a mais miúda infância, meu pai tinha a mania de socar a família no carro (Brasília, Variant, Passat ou o possante que fosse) e se ir “pras praias”. De inicio teve o bom gosto e sorte de poder nos levar para Santa Catarina (Garopaba e Laguna), até meus 10 anos de idade, depois algumas idas a Capão da Canoa e por fim, minha tia que morava em Porto Alegre, inventou de morar em Balneário Pinhal, e dai até meus 20 e poucos anos, foram os mares que conheci. Muita chuva, muito tempo ruim, aquele mar gelado, de cor marrom escura, carinhosamente apelidado de “chocolatão”. É o gaúcho é um forte... Passa oito meses do ano abaixo de mal tempo, frio, geada, garoa e chuva, dai quando se vai “pras praia”, a cosa não é muito diferente, mas enfim, já que tá que vá. Praia é bom, até quando é “masomeno”. Então vou começar por Bal. Pinhal, com seu centrinho clássico, com aquele parque de diversões, que esta lá instalado a uma porção de anos, e seus singelos monumentos de abelhas. Pinhal pra mim é uma contradição, uma praia que se orgulha em ser cidade do mel. Mel e praia? Nada a ver (como diz o gaúcho), mas enfim. De bom tem as dunas de areia, que rendem uma boa tarde de diversão, pra quem quer se sentir criança, e sair com areia até dentro dos ouvidos (mas vale a pena), tem o Túnel Verde um bonito caminho de arvores, em torno da estrada de acesso a cidade; tem o restaurante Gabriela que fica na avenida Itália (a principal), que é o mais tradicional e tem bons pratos, mas o meu preferido é o Canto do Pescador, que fica mais afastado no centro, no bairro de Pinhal Sul, um lugar muito aconchegante, onde o fregues recebe toda hospitalidade do proprietário sr. Zé e sua esposa, e da pra curtir nos finais de semana shows de artistas locais, dando alguma palhinha (normalmente algum aposentado, de boa vontade, mandando ver no pop e Roberto Carlos), mas o ambiente é muito descontraído, e os pratos ótimos, o meu preferido é a muqueca de peixe, que não deve em nada para as do nordeste, e além disso da pra comprar peixe no local, sempre frescos, pescados pelo próprio Sr. Zé. Mais pra frente encontramos a praia de Cidreira, pouquinha coisa maior que Pinhal, com um centro maior, e mais organizado, onde se destaca a concha acústica do centro, onde no verão frequentemente passam shows (uma na adolescência presenciei até o um show do Latino, mas não sei realmente se isso é bom ou ruim...), na praça em torno junta bastante gente, além de existirem muitos lugares para fazer lanches, tem até uma franquia do “Cachorro Quente do Rosário” (segundo a lenda, o melhor cachorro quente de Porto Alegre), e também outro parque de diversão, que a décadas esta instalado ao lado da praça da concha. Cidreira possui um calçadão na orla do mar, bem largo, que da bem pra uma caminhada no fim de tarde, ou um chimarrão; e como Pinhal, tem suas estatuas de abelhas, Cidreira tem suas estatuas de camarões, espalhadas por toda cidade, indicando o estadio municipal (um camarão jogando bola), o quartel da brigada militar e posto de saúde (um camarão fardado de brigadiano e outro de enfermeira). Saindo de Pinhal pro lado oposto a Cidreira, existe a praia de Magistério, ouvi falar que tem esse nome pelo fato de nos antigamente, muita professora aposentada comprou casa lá. É um praia bem pequenininha, menor que Pinhal, sem lá grandes atrações de melhor que Pinhal só achei um artesanato muito grande, que fica ao lado da rodoviária, chamado Canto da Toca, é uma loja de dois andares repleta de quinquilharias, que pra quem gosta rende uma boa distração. Ok. Voltamos a Cidreira, vamos em direção a Tramandaí, uma das praia mais badaladas do Rio Grande, ao lado de Capão e Torres (na minha modesta opinião). Tramandaí sim é bem maior, com uma vida noturna bem mais agitada, repleta de restaurantes, lojas e feiras de verão na avenida principal, e a orla com um amplo e comprido calçadão, que no verão é palco de muitos shows e eventos. Na beira mar ficam também dois bonitos cartões postais da cidade, o pier, local onde alguns associados de um clube de pesca vão pescar e se o turista pagar, pode andar até a ponta, acima do mar, e no outro extremo, há a ponte que da acesso a Imbé. Imbé é uma prainha colada a Tramandaí, e sua maior atração é a vida noturna agitada, e o braço morto do rio, lugar onde uma lagoa se encontra com o mar, proporcionando um gostoso banho aos turistas, e onde muita gente gosta de pescar, fora isso no calçadão ao redor, existem uma grande variedade de bares e restaurantes com comida boa e de bom preço. Há e como não podia faltar, logo passando a ponte em Imbé também tem um parque de diversões permanente, mas esse tem até uma “Montainha Russa” (que eu lembre apenas Tramandaí não tem um parque fixo como atração, que eu lembre...). Saímos de Imbé vamos a Capão da Canoa, onde o forte é o centrinho, que é um “fervo” no verão, juntando muita gente jovem, em suas lojinhas, bares e restaurantes (que no verão ficam abertas até as 3 horas da manhã), além disso a cidade tem uma das melhores infraestruturas do literal gaúcho (se não a melhor), com shopping, uma pracinha com mini-golfe, dentre outras boas atrações noturnas. Capão da Canoa oferece também excursões para dois dos melhores parques aquáticos do estado a Fazenda Acqua Lokos e o Marina Park (que quem passa por Capão não pode deixar de conhecer). Em 2010 tive a oportunidade de conhecer ambos. Sendo que o Acqua lokos é maior, tem piscina com ondas, piscina térmica, que rendem um delicioso banho, uma montanha Russa de madeira, e outra menor que passa por dentro d'agua, local pra churrasco, pedalinhos, local para banho de sol, além de inúmeros toboáguas. O Marina Park é um pouco menor, e tem menor área verde, mas também tem uma ótima estrutura, que além de muitos toboáguas, possui com piscina térmica e saúna.

Para finalizar chegamos em Torres, a praia mais ao norte do litoral gaúcho, é com certeza a com maior beleza natural, com seus enormes morros, apelidados de “guaritas”, e sua água geralmente mais limpa que de todo resto do litoral, até mesmo por fazer divisa com o estado de Santa Catarina. Estivemos por lá em 2011, e deu bem para aproveitar o lugar, curtir bons passeios, uma vista realmente exuberante do altos das guaritas, e também curtir uma ótima tarde na lagoa do Violão, que também rende uma ótima vista e um gostoso passeio. Comemos um saboroso risoto de siri, no restaurante ao lado do Grande Hotel, na região central da cidade, e degustamos um enorme prato de frutos do mar no restaurante Recanto do Pescador. Torres tem uma vida noturna bem agitada com vários barzinhos com musica ao vivo, e para quem gosta de compras, tem lojas de todo tipo. Bom... Resumidamente este é o litoral norte gaúcho de minhas andanças e lembranças, e que se de cara é meio fechado e desconfiado, é simples, rustico e honesto, como todo bom gaúcho

mais nos blogs: http://cenasperdidas.blogspot.com.br/ e http://rotasetrips.blogspot.com.br/

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.




×
×
  • Criar Novo...