Ir para conteúdo
Entre para seguir isso  

Posts Recomendados

Descrição

 

Dificuldade: Média – categoria 1

Distância: 5 km

Altitude Máxima: 1.840 m

Circular: Sim

 

Como chegar

 

Vindo de São Paulo ou do Rio de Janeiro para cunha, utilize a Rodovia presidente Dutra(BR-116) até a cidade de Guaratinguetá e depois pegue a rodovia Paulo Virgínio(SP-171) até cunha.

 

A rodovia Paulo Virgínio é conhecida como rodovia Cunha-Paraty, para chegar a Pedra da Macela você não ira entrar dentro da cidade de Cunha, após passar a cidade, continue até o quilometro 65 da rodovia e entre a esquerda na estrada de terra que da acesso ao Bairro da Macela, você andará por mais 4 km na estrada de terra até chegar na porteira que da inicio a trilha.

 

A Trilha

 

Fizemos essa trilha no domingo, dia 22/02/2015 e ela já fazia parte do calendário de trilhas do Fé no Pé.

 

Em dias de sol e céu aberto, no topo da Pedra da Macela tem-se um vista de 360º de Cunha e é possível avistar Ilha Grande e as baías de Angra dos Reis e Paraty, bom não foi o caso dessa vez.

 

Pedra_Macela_004.jpg

 

Como essa é uma trilha mais tranquila, minha mãe me acompanhou junto com meu pai e meu cachorro na subida e meu parceiro Renato Soares nos encontrou lá no topo depois.

 

Pedra_Macela_006.jpg

 

A trilha na verdade é uma estrada que furnas utiliza para chegar ao topo da pedra, não existe nenhum segredo, basta seguir a estrada até o topo, zero dificuldade de navegação, logo após a porteira existe um pequeno rio caso seja necessário captar água para a subida.

 

Pedra_Macela_001.jpg

 

A mata em volta da estrada esta muito bem preservada, mas não existem muitos pontos(para não dizer quase nenhum) com sombra na trilha, dessa forma, prefira iniciar a subida logo cedo para não pegar um sol muito forte.

 

Na última curva antes do fim da estrada você avistara o prédio de Furnas onde estão as antenas, ao chegar até ele você verá uma placa a direita indicando o caminho para o mirante.

 

Pedra_Macela_005.jpg

 

No local não existe nenhuma infra-estrutura básica para visitação, existe apenas um pequeno espaço para acampar e por ser próximo as antenas de transmissão, não é permitido acender fogueiras. O ponto positivo é que a proximidade com as antenas garante sinal de celular no topo caso seja necessário.

 

Como eu disse no começo, acabamos pegando bastante neblina e a visibilidade foi pequena, mesmo assim vale o passeio, principalmente para quem assim como eu, adora estar entre as nuvens.

 

Fizemos a subida de forma bem leve, levando 45 minutos para subir os 2,5km, porém, o Renato Soares fez a subida em 19 minutos, então, diversão para todos os gostos, quem quer se desafiar tem uma bela subida e para quem quer um passeio em família a trilha proporciona também.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

Entre para seguir isso  

  • Conteúdo Similar

    • Por Diná Barros
      Resolvemos de última hora fazer esse acampamento já que seria nosso primeiro camping selvagem e estávamos ansiosos por isso (eu e o Rodolfo meu marido).
      Vimos a previsão de tempo boa e saímos em busca da aventura.
      Escolhemos Cunha por ser um local próximo já que ia ser só uma fugidinha rápida e além de ser um lugar inde ja tínhamos ido há uns 5 anos e era lindo.
      Iniciamos a trilha as 18h e como é horário de verão tava bem claro ainda.
      A trilha pra quem não conhece é cimentada pois lá no alto tem várias torres e acho que sobe algum carro pra manutenção sei lá, ou subia ja que há buracos enormes causados pela chuva com certeza
      No caminho encontramos um casal descendo e Lá no alto não havia ninguém apenas um forte nevoeiro mal dava pra enxergar, montamos rápido a barraca num canto legal e abrigado do vento. E começamos a fazer a janta.
      Ai como o frio apertou entramos na barraca. Eu não conseguia dormir pois tinha a sensação de que alguém ia aparecer o que logo se concretizou era meia noite e meia mais ou menos ouvimos vozes e fiquei apreensiva. Mais tarde como não dormia resolvemos sair da barraca e pra nossa surpresa o nevoeiro foi embora e uma lua cheia MARAVILHOSA tomava conta do céu estrelado e logo ali embaixo dava pra ver as luzes de Paraty... tudo lindo e friooooo um vento gelado soprou a noite toda. E olhando nos arredores avistamos outra barraca ( acho que era das vozes que ouvimos). Logo o frio nos levou de volta a barraca e quando achei que fosse dormir... mais vozes! E pela conversa e ruídos percebemos que tinha pessoas armadas ali e deu um medinho afinal não sabíamos quem estava ali, mas ficou tudo tranquilo porém dormir foi difícil logo apareceu mais e mais gente chegando e gritando "uhuu cheguei " enfim logo o topo da Macela estava lotado! Acreditem lotado de gente chegando, gritando e dando lanternada na barraca ai resolvemos sair de vez da barraca e o vento continuava gelado mas a vidta era incrível, a lua, as luzes, o mar... no final tudo valeu a pena mas confesso fiquei assustada com tanta gente a madrugada toda circulando, umas 6 da manhã cheguei a contar umas 60 pessoas lá no alto.
      Mas a sensação foi ótima (tirando o tumulto)
      Pretendo novas experiências em breve
      Ah a estrada até a base onde fica o carro tem muuuitos buracos enormes todo cuidado é pouco.
    • Por Vinícius Mzk
      Assistam ao registro em vídeo em:
       

       
      MIRANTE DA PEDRA DA MACELA E CONQUISTA DOS DOIS FRADES
       
      Era última semana do inverno de 2015, um calor absurdo, uma previsão de tempo perfeita e surge um convite de um amigo virtual, o Rodrigo, para uma exploração da Pedra da Macela e os Três Frades que se avistam a partir daquela. Estes picos - os Três frades - não possuem acesso por trilha, o que frustou muito o Rodrigo em sua visita ao local a 2 meses atrás, motivando essa nova investida para, de alguma forma, conquistarmos estes belos morros rochosos que se alinham em direção a Parati.
       
      Sexta de noite saí de Campinas para encontrar o time que faria parte desta aventura - Loures, Piccoli e o idealizador Rodrigo - no sempre movimentado Habib’s do Jabaquara. Por conta do atraso do ônibus e do congestionamento na linha de metrô, acabei chegando um pouco atrasado, mas acabamos saindo do ponto de encontro bem mais tarde do horário combinado por conta da fome de todos que não resistiram a umas boas esfirras, mesmo as comendo fora do estabelecimento e sendo pressionados por um tiozinho nervoso a sair logo dali e dar a vaga do estacionamento pra outros clientes.
       
      Deixamos o tiozinho um pouco mais irritado e meio cheios de esfirra (esse pessoal é tudo saco sem fundo) partimos em direção a cidade de Cunha, entre São Luiz do Paraitinga e Parati, bem na divisa dos estados de SP e RJ, já passadas as 23h daquela sexta-feira.
       
      Depois de muita conversa e uns perrengues iniciais envolvendo necessidades fisiológicas urgentes na fila do pedágio resolvidas com a evacuação dos resíduos urinários atrás de um caminhão em movimento, chegamos, depois das 4h do sábado, ao início da estrada de manutenção que da acesso ao mirante da Pedra da Macela, que fica ao lado das torres de transmissão que dividem o espaço a 1.840 metros de altitude (meu GPS marcou altitude máxima de 1.792 metros). Como estávamos muito cansados e não tínhamos um plano definido de como seria a exploração proposta - se iríamos de cargueira para acampar entre os Frades e a Pedra da Macela ou se seguiríamos com mochilas menores com o suficiente para irmos e voltar no mesmo dia - cada um se mocozou de alguma forma e dormimos até que, às 6h30, depois de pouco mais de 2 horas de sono, todos acordamos com os gritos eufóricos do Rodrigo que parecia ainda estar sob o efeito das cervejas que havia ingerido no dia anterior. Como eu havia acabado de conhecer o cara, deixei os xingamentos o mais amenos possíveis para não frustrar nossa aventura já no início e comecei a preparar o café e a mochila com o equipamento que levaria para registrar a aventura mais um pouco de alimento e pouco mais de 2L de água para passar o dia, pois sabia que não haveriam mais pontos de água pela frente.
       

       
      Às 7h40 estávamos prontos, mas não avistávamos mais o Rodrigo. Não vi ele arrumar mochila nem tomar café. Como ele estava pilhado para subir até o mirante o mais rápido possível, iniciamos a caminhada supondo que ele já estaria pelo caminho. Ignoramos todas as bifurcações e seguimos direto para o mirante e, depois de 2,2 Km de subida em pouco menos de uma hora, com nenhuma dificuldade de navegação, chegamos no cume da Pedra da Macela, onde encontramos o Rodrigo deitado numa sombra curtindo um som no seu celular. Como eu havia previsto, o chefe da expedição não havia trazido nada de água nem alimento. Pensei “ele deve ser tão fodão que vai conquistar os Três Frades, voltar e não vai dar nem tempo de ficar com sede ou fome”. Não poderia estar mais errado…
       

       
      Um casal passou por nós e a moça fez questão de demonstrar sua consciência ambiental e pediu para que nós não deixássemos lixo. Para nós, foi só encheção de saco, pois seguimos a ideologia do “leave no trace” há muito tempo, mas dando uma volta pelo cume, é fácil perceber quanto porcalhão retardado sem noção passa por lá e deixa um monte de lixo, principalmente papel higiênico e latas de cerveja. Lamentável. Espero que a “chatisse” dela ajude a educar um ou outro que está iniciando no mundo das trilhas.
       
      Com o tempo completamente limpo, pudemos contemplar toda a baia de Angra dos Reis, Parati e a Ilha Grande. Ficamos por 15 minutos nos maravilhando com uma vista de tirar o fôlego e aguçando a curiosidade para um futuro passeio por todo aquele marzão que avistávamos. Já eram 9 horas e não podíamos passar mais tempo por ali, sob pena de ser pegos pela escuridão no meio do mato desconhecido, então começamos a analisar o terreno e procurar por alguma trilha que fosse em direção aos Frades, mas nada encontramos. Se fossemos seguir direto para sudeste, onde víamos o nosso objetivo, nosso destino era um monte de mato após o qual um penhasco que colocaria todos nós em risco, então, analisando o mapa topográfico e aproveitando uma pequena abertura na mata a oeste do mirante, descemos o morro da Pedra da Macela por esse lado que tinha uma inclinação menos arriscada e fomos virando, aos poucos, para sudoeste até atingir a altitude do vale que separa o mirante da subida que antecede o “Primeiro Frade”, o que demorou 40 minutos, após o qual fomos seguindo pela curva de nível até iniciarmos a subida para o primeiro cume. Havia muito mato e seguir a curva de nível não é tão simples quanto parece, pois na verdade continuamos num sobe e desce bastante cansativo para desviar das partes com mato mais denso. Paramos para um breve lanche no caminho e às 11 horas alcançamos uma clareira de onde podíamos avistar os dois primeiros Frades e a Pedra da Macela de onde viemos. Não pareciam estar distantes e deu uma boa animada, dando a impressão de que concluiríamos com sucesso a nossa exploração.
       

       
      Às 11:15 chegamos ao que acreditávamos ser o cume do “Primeiro Frade”, onde o Piccoli, especialista em piruetas e cambalhotas, tratou de executar uma manobra arriscadíssima e escalou uma rocha que batizamos de Dedo do Frade. Trata-se de uma ponta de 4 metros de altura ao lado da pedra do cume do Primeiro Frade, mas com muita pouca área para se apoiar, tornando seu acesso muito arriscado. Após o nosso amigo fazer suas tradicionais poses para as fotos e desescalar com um pouco mais de dificuldade que teve para escalar a rocha, nos juntamos no topo da pedra e comemoramos com muita gritaria, o que deve ter chamado bastante atenção daqueles que estavam no mirante da Macela, provavelmente se questionando como aqueles malucos chegaram até onde estávamos.
       

       
      Após 20 minutos de descanso e mais lanche, voltamos a caminhar por cima das rochas, na crista da serra. Para evitar varar mato, tivemos que utilizar a corda duas vezes para dar segurança em trechos onde entre uma rocha e outra havia um abismo e não poderíamos arriscar nenhum escorregão. O Piccoli sempre ia na frente nestes trechos, pois suas habilidades permitiam que ele grudasse em qualquer lugar, possibilitando um deslocamento muito mais ágil que os outros. A vista continuava incrível. Podíamos avistar até a Pedra da Gávea e o litoral sendo invadido por nuvens que vinham do Atlântico Sul.
       
      Em pouco menos de uma hora de nos rasgarmos no mato chegamos a mais um lajeado de rochas, onde achávamos ter chegado ao “Segundo Frade”. Embora o deslocamento muito prejudicado pela densidade da mata, a aventura estava parecendo mais fácil do que pensávamos, pois segundo nosso pensamento faltava apenas mais um Frade e depois era só voltarmos. Então voltamos a caminhar e após transpor mais um vale, às 13:30 estávamos no topo do último Frade…..só que não!! O Loures saiu para dar uma explorada na área e logo nos chamou para ver o que ele tinha descoberto e, após passarmos por alguns tuchos de capim elefante, pois até aqui esse mato nos persegue, avistamos mais um morro em formato de pão de açúcar. Sim, esse seria o verdadeiro “Terceiro Frade”, sendo que o lugar que achávamos que era o Primeiro Frade, na verdade, era apenas um ombro da montanha e o Segundo Frade era o Primeiro.
       

       
      Depois das fotos e do lanche, o relógio já marcava 14:00, horário que havíamos combinado em voltar, mas voltar sem conquistar o último Frade era certeza de amargar o retorno até sabe-se lá quando, então propus que fossemos até lá desta vez para não termos que retornar apenas para concretizarmos o plano inicial. O desgaste já era grande, a água já estava acabando e não tínhamos muito alimento. Não levamos nada para um eventual bivaque caso não conseguíssemos sair de lá e o risco era grande. Não havíamos nem decidido se retornaríamos pelo mesmo caminho ou se desceríamos para o sul onde sabíamos que existia uma fazenda com uma estrada de terra que retornava onde o carro estava estacionado. Depois de discutirmos, ficou decidido que não iríamos até o último Frade, mas voltaríamos por outro caminho, descendo o vale no sentido sul com a intenção de interceptar uma estrada de terra que cortava um pasto e retornar ao “estacionamento”.
       
      Lá de cima do Segundo Frade parecia apenas uma grande descida até a estradinha, porém a coisa foi tomando uma outra dimensão. Batemos mato por mais de 3 horas e nada de avistarmos a tal da estrada. O Sol já começava a se por e nós estávamos exaustos no meio de um monte de mato. Por sorte, encontramos alguns veios de água pelo caminho, porém de qualidade duvidosa. Já não tínhamos mais clorin para tratar a água e a comida já estava acabando. Às 17:20 chegamos num ponto onde uma rocha se erguia no meio do mato possibilitando uma visão melhor de onde estávamos e podíamos confirmar que estávamos no caminho certo, pois a estrada de terra estava a nossa frente. Continuamos a rasgar o mato com o resto de facão que o Piccoli havia levado, porém o cansaço já era tão grande que não conseguíamos nos manter focado e seguir o plano que havíamos estabelecido e acabamos desviando algumas vezes do caminho correto. Pra piorar, fiz um rasgo na minha mão direita ao me apoiar em alguma coisa pontuda e, ao retirar a ponta, começou a escorrer tanto sangue que meus zóio começaram a virar pra cima, então sentei logo antes que eu começasse a passar mal. Eu odeio ver sangue de gente, mas respirei fundo, pedi ajuda pra pegar um curativo no kit de primeiros socorros, limpei a ferida e estanquei o sangue. A mão doía um pouco, mas não dava pra ficar parado por mais tempo. Já estava escuro e não podíamos perder mais tempo, pois o risco aumentava a cada minuto que passava. Exaustos de tanto bater mato, depois das 18:20, decidimos seguir o curso de um rio na espectativa de que ele, em algum momento, cruzasse com o pasto da fazenda que era nosso objetivo. Depois de tanto nos deslocarmos para o sul, era hora de virar para a direita e começar a seguir em direção a oeste, porém o rio seguia o curso para sudeste, em direção a Parati, no sentido contrário ao que deveríamos estar seguindo. Não dava mais pra seguirmos o curso do rio. Tínhamos que insistir no sentido correto, por mais difícil que fosse, para sair daquele inferno verde. Foi aí que decidimos seguir no sentido sudoeste e o Piccoli tomou a frente em uma piramba super inclinada, onde os únicos apoios eram uns bambus meio soltos e podres que não passavam muita confiança quando, às 19:20, finalmente ele sinalizava, a gritos de vitória e alguns palavrões em bom a alto som, a chegada ao pasto da fazenda e a saída do matagal que quase nos triturou por completo.
       

       
      De tão surreal que foi ver aquela graminha baixa e fácil de andar por cima, ficamos uns 10 minutos deitados e contemplando o céu estrelado que fechava a aventura daquele dia com chave de ouro. Logo encontramos a estrada de terra que, na verdade, era um caminho de vaca que seguia até a porteira da fazenda e às 20:25 já estávamos no carro iniciando os preparativos da merecida janta.
       
      Comemos até não aguentar mais e às 22:00 capotamos, cada um em seu canto - o Loures dentro do carro, o Rodrigo em sua barraca e o Piccoli e eu no chão, pois o tempo estava excelente e sempre que está assim não perco a chance de bivacar.
       
      Tivemos uma ótima noite de sono, salvo por um momento em que um grupo de bêbados passou por nós gritando feito retardados. No dia seguinte teríamos o domingo inteiro pra fazer o que quiséssemos e decidimos explorar a cidade de Cunha. Passamos pelo centro e, depois de comermos umas “porcarias” numa padaria, fomos visitar a Cachoeira do Pimenta. São uns 12Km de estrada de terra a partir da área central de Cunha e chega-se ao local onde existe alguma estrutura para recepcionar os turistas, com placas de “não deixe lixo” e “proibido som alto” distribuídas pelo estacionamento, que comprovavam que, ou o povo que frequenta essa cachoeira é analfabeto, ou simplesmente não tem educação nenhuma e deixam suas latinhas de cerveja jogadas pelo chão com o carro ao lado com aquelas músicas super agradáveis tocando bem alto.
       

       
      Logo ao lado do estacionamento é onde fica a muvuca. Os poços são incríveis, mas não vale a pena ficar no meio desse monte de gente. Não demorou para nós arrumarmos nossas pequenas mochilas, sem esquecer de ítens de emergência como curativos, alimento extra, clorin e lanterna. Vai que agente acaba se metendo em outra enrascada. Nunca se sabe haha…
       
      Depois de escalarmos as rochas ao lado direito das quedas d’água, chegamos até o topo da cachoeira que na verdade é uma sequência de cachoeiras com 5 a 10 metros de altitude que somadas ganham altitude de 90 metros, e descobrimos que tem uma trilha bem fácil que tem até corrimão que da acesso a toda a cachoeira, finalizando numa barragem que abastece toda a cidade de Cunha, mas todo o povo que estava lá se acumulou lnos primeiros poços ao lado do estacionamento, deixando o restante das quedas todas para nós. Escolhemos um lugar onde havia a um poço bem fundo e possibilidade de alguns saltos. Tiramos muitas fotos e filmamos todos pulando no poço e depois comemos o lanche que havíamos levado e ficamos deitados na pedra tomando Sol, até que a roupa estivesse seca para irmos embora, o que não demorou muito.
       

       
      Retornamos ao carro às 13:10 e, já que ainda estava cedo, o Piccoli e eu fomos explorar a parte de baixo do rio. O Prince saiu saltando de pedra em pedra enquanto eu me arrastava de bunda com medo de tomar um tombo, mas devagar chegamos até uns pequenos cânions, em 10 minutos de exploração, e depois resolvemos voltar para arrumar as coisas e ir embora.
       

       
      Paramos mais três vezes para comer pelo caminho, contemplar a Mantiqueira de um mirante e tomar café e às 19:50, depois de um pouco de trânsito na região de Taubaté e próximo a São Paulo, eu já estava na rodoviária providenciando minha passagem de volta a Campinas.
       

       
      Fica o relato, então, aos que foram até o mirante da Macela e se perguntaram se não seria possível chegar até os Três Frades. Não chegamos até o último, mas não tenho dúvidas de que é possível e, depois de todo o perrengue que passamos, se for fazer esse passeio, recomendo que volte pelo mesmo caminho e não faça como fizemos, descendo para o sul a fim de interceptar o pasto para retornar ao estacionamento por caminhos de vaca. Por não ter trilha consolidada, é um passeio de dificuldade mais elevada, é recomendável que se leve pelo menos 10 metros de corda, um ou mais facões bem afiados, água e alimento para o dia inteiro e, claro, kit de primeiros socorros. Um mapa topográfico com a posição dos picos marcadas e uma bússola também não podem faltar.
       
      Assim foi mais uma aventura, provando que essa turma consegue transformar qualquer passeio no parque em um perrengue monstro de estrupiar o corpo, mas que vive intensamente as coisas simples que o mundo oferece.
    • Por Raquel Renan Roots
      Olá, estava pensando em fazer a caminhada até pedra da macela nesse fim de semana, porém vou de bus. Minha duvida é: Quando chegar até a cidade de cunha, como faço?
      Como chegar até o começo da trilha pela estrada? É muito longe? Tem como fazer de apé?
       
      Desde já agradeço!
    • Por Augusto
      Oi pessoal.
       
      Esse aqui é um relato de uma longa trip que eu e a Márcia fizemos na região de Paraty, do dia 02 de Janeiro até o dia 10. O Jorge Soto participou da subida à Pedra da Macela, Trilha dos 7 Degraus e o Pico do Cuscuzeiro. O Saco do Mamanguá eu fiz somente com a Márcia.
      Pegamos dias de muito Sol, às vezes com uma pequena garoa no final da tarde.
       
       
      Fotos da subida a Pedra da Macela:

       
      Fotos da Trilha dos Sete Degraus:

       
      Fotos da Trilha do Pico do Cuscuzeiro:

       
      Fotos do Saco do Mamanguá:

       
      Há muito tempo tentava arranjar uma forma de voltar à Paraty para subir o Pico do Cuscuzeiro (no final de 1998 fiz a Trilha do Corisco entrando por Ubatuba e terminando em Paraty e passando ao lado da trilha que acessa o topo do Pico).
      Surgiu a oportunidade quando o Jorge também quis participar da empreitada.
      Por estar de férias resolvi também fazer a trilha da subida da Pedra da Macela entrando por Cunha e em seguida fazer algumas explorações pelas trilhas da região do Saco do Mamanguá e para finalizar, conhecer uma pouco das praias da Enseada da Cajaíba onde se localiza a Praia do Pouso. O nosso roteiro seria o seguinte: seguir para Cunha e de lá subir a Pedra da Macela e depois descer a Trilha dos 7 Degraus até Paraty. Depois subir o Pico do Cuscuzeiro e fazer o Saco do Mamanguá. E para finalizar, ficar alguns dias na Enseada da Cajaíba curtindo as praias de lá.
       

      Saímos de Sampa eu, a Márcia e o Jorge de ônibus em direção a Guaratinguetá no horário das 11:00 hrs do dia 02 de Janeiro a tempo de pegar o ônibus das 14:00 hrs que seguia para a cidade de Cunha.
      Como o início da trilha para a Pedra da Macela está a + - 30 km da cidade, tínhamos que arranjar algum transporte quando chegássemos em Cunha, pois caminhar seria muito desgastante já que seriam aproximadamente 25 km de asfalto e + - 5 km de terra até chegar na porteira que dá acesso a Pedra da Macela.
       

      Chegamos em Cunha pouco depois das 15:00 hrs.
      Próximo da Rodoviária procuramos alguns táxis e encontramos uma van que nos deixaria no início da estrada de terra por $40,00 reais o grupo. Nem fomos atrás de outro transporte porque o tempo que nos restava era curto e se demorássemos mais ainda poderíamos não chegar no topo da Pedra antes do anoitecer.
       


      A van fez o percurso rápido e as 16:00 hrs iniciamos a caminhada pela estrada de terra com algumas subidas passando por alguns sítios e chácaras.
       


      Até tentamos falar para o motorista nos levar pela estrada de terra, mas ele disse que a mesma estava muito ruim.
      A caminhada segue por um vale sempre subindo com um rio à esquerda, passando ao lado de alguns sítios e chácaras.
       


      Passamos também ao lado de uma pequena cachoeira em forma de tobogã do lado direito.
       

      Quando a estrada segue no plano e uns 200 mts antes de chegar na porteira de acesso à Pedra da Macela encontramos uma pequena porteira à direita que marca o início da Trilha dos 7 Degraus, que iríamos fazer no dia seguinte.
       

      Essa trilha também é conhecida como Caminho do Café.
      Mas nosso objetivo naquele dia era acampar no topo da Pedra da Macela.
       

      Caminhando por mais alguns minutos pela estrada, chegamos na porteira de metal que dá acesso ao topo da Pedra e ao cruzá-la, a estrada passa a ser de concreto com alguns trechos de asfalto e subida bastante íngreme.
      Junto da porteira passa um pequeno riacho - pegue água aqui, pois daqui para frente não tem mais.
      Agora estamos na propriedade de FURNAS que instalou as torres no alto da Pedra.
       

      A estrada segue em zigue-zagues com bastante inclinação e tivemos que ir parando em vários momentos para descansar, com o Jorge indo à frente e eu e a Márcia ficando para trás.
       

      Como tínhamos iniciado a subida às 17h20min, a neblina tomava conta de toda região e não conseguíamos ver muita coisa ao redor.
       


      De vez em quando o tempo abria e já víamos as torres lá no alto e até ameaçou vir uma garoa que por sorte não veio.
      E as 18h35min chegamos no final da estrada, marcada por uma porteira de arame que dá acesso às torres.
       


      Aqui é proibida a entrada e existem algumas setas apontando para a direita, para contornar a área das torres e do outro lado e alguns metros abaixo encontramos um lugar plana para montar nossas barracas.
       

      O local é bem aberto, mas protegido por algumas rochas.
       

      A neblina cobria tudo ao redor e depois de montadas as barracas, fomos conhecer a área do topo, onde ficam as torres.
      Nesse momento encontramos o Seu Lourival, que trabalha como vigia das torres, que nos pediu para que assinássemos o livro de visitas.
       
      Ele disse que cuidava dos equipamentos para que não apresentassem problemas.
      No livro percebemos que outras pessoas acampam por aqui regularmente e que éramos as primeiras três pessoas a acampar por aqui em 2008.
       


      Depois disso voltamos para as barracas e fui fazer o jantar.
      Coloquei o celular para despertar pouco depois das 5 horas da manhã para pegar o nascer do Sol.
       

      Quando acordamos o tempo estava totalmente aberto, mas um pouco escuro ainda e já dava para visualizar facilmente as luzes de Paraty e alguns outros bairros ao longo da Rodovia Rio-Santos.
      A temperatura não estava tão baixa, mesmo por estarmos no topo de um pico.
       


      As 06h10min os primeiros raios surgiram por entre as águas do mar e já se conseguia visualizar toda a serra em volta, com o Pico do Frade à esquerda onde nós três já estivemos em 2005 e à direita aparecia o Pico do Cuscuzeiro que seria nosso objetivo para o dia seguinte.
       



      Depois de desmontar as barracas, as 07h30min iniciamos a descida para a trilha que iríamos fazer nesse dia, chegando à porteira pouco depois das 08:00 hrs onde paramos para tomar o café da manhã.
       

      Ao cruzarmos a porteira, seguimos por uns 200 mts pela estrada até encontrar uma outra porteira de madeira à esquerda onde se inicia a Trilha dos Sete Degraus.
       


      Estávamos com um croqui da trilha, mas estava bem desatualizado, pois não encontramos algumas das porteiras descritas.
       

      A trilha segue no plano até chegar na borda de um vale à esquerda e mais alguns minutos seguindo para a direita, passamos ao lado de uma casa abandonada.
       



       
      Depois de caminhar por cerca de 30 minutos desde a estrada, a trilha passa por uma área de brejo por alguns metros e logo chegamos a uma cerca de arame onde uma porteira de madeira dá acesso a um pasto onde estão plantados inúmeros eucaliptos.
      Devido ao croqui estar desatualizado, passamos direto pelos eucaliptos e seguimos por um caminho de vacas até chegar à casa do Seu Tinho, a segunda casa que encontramos.
       

      Depois de conversarmos com ele, nos disse para retornarmos até a porteira e de lá seguir morro acima.
       
      Pegamos água de uma pequena nascente ao lado da casa e voltamos até os eucaliptos.
      Aqui é só continuar subindo próximo à cerca de arame até o topo por cerca de 100 metros.
      E a continuação da trilha esta lá no alto junto ao final do pasto quando a trilha entra na mata fechada.
       

      A partir daqui aparecem algumas bifurcações a direita e a esquerda, mas a trilha principal é bem demarcada e na direção do topo, lembrando muito uma antiga estrada que foi tomada pelo mato.
       
      Depois de uns 10 minutos no plano, a trilha começa a tomar um rumo descendente seguindo em linha reta e daqui para frente começam a aparecer antigos vestígios do caminho como o calçamento de pedras e alguns muros de arrimo que ficaram intactos mesmo após 200 anos.
       

      Em alguns trechos a mata tomou conta, mas o antigo caminho está lá.
      Passamos também por trechos em que a trilha está semelhante a uma estrada, de tão aberta que está.
       

      Depois de pouco mais de 2 horas desde o topo chegamos a um pequeno riacho do lado esquerdo junto da trilha e aqui paramos para comer alguma coisa e descansar um pouco.
      A trilha continua descendo e cruza esse mesmo riacho, seguindo para a esquerda.
      Daqui para frente aparecem algumas bifurcações, passa por um descampado e às 14h30min chegamos a uma pequena ponte de madeira, onde dois rios se encontram.
       

      A trilha termina aqui e se inicia a estrada que ainda segue descendo em direção ao bairro da Pedra Branca.
       

      Ainda passamos pela cachoeira da Pedra Branca, alguns poções e por alguns carros, mas nada de carona.
       

      Pouco antes das 17:00 hrs a Fazenda Murycana aparece do lado direito e uns 15 minutos depois chegamos na estrada que liga Paraty a Cunha onde existe um marco de concreto da Estrada Real.
       

      Depois de atravessar o rio paramos em um bar e ficamos aguardando o ônibus que ia nos deixar na Rodoviária de Paraty e lá iríamos pegar outro que nos levaria para o Bairro do Corisco, onde se inicia a trilha para o Pico do Cuscuzeiro, nosso objetivo no dia seguinte.
       
       
       
      Continua......
  • [email protected] ao Mochileiros.com!

    Faça parte da comunidade e navegue logado sem publicidade!  Baixe nosso App para Android

×