Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
genelypse

Vale do Pati - Chapada Diamantina - Sozinho - 7 dias - Guia do Mochileiro "Desregulado".

Posts Recomendados


Ótimo relato! Pretendo fazer a mesma viagem, a minha primeira! Estou doido e procurando de tudo!

Obrigado pelo seu relato, consegui planejar um pouco mais de minha viagem! Depois se pudermos conversar mais a fundo sobre sua viagem, eu agradeço bastante!

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Obrigado pelo elogio cara, fico feliz que meu relato tenha te ajudado um pouco.

Quato às perguntas q me mandou, eu recomendo esse roteiro que eu fiz mesmo, só que como já começou a chover recomendo que você vá no cachoeirão, não fui nele porque lá me falaram que estava seco e não valia a pena.

Compre um mapa ou se tiver leve um gps.

Quanto aos gastos, fiquei impressionado, gastei bem pouco. Tirando a parte de transporte que vai variar dependendo de onde vc mora, gastei exatamente R$ 527,00. Isso é contando todos os meus gastos do momento em que cheguei na cidade de Palmeiras até a hora que saí. Ainda poderia ter gasto menos, já que paguei quarentão no jantar em todas as casas que fiquei no vale. Ainda assim, acho que saiu bem barato gastar 500 pilas numa semana super intensa daquela.

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Parabéns pela sua história, gostei, estou na mesma, querendo fazer sozinho. De trilha comprida, fiz fumaça por baixo Lençóis - Capão, muito linda. Acredite que só falta a coragem kkkk, eu fui fazer Capão - Lençóis por águas claras sozinho, passei uma noite perdido e até pantera eu vi, dormi em cima de uma pedra a luz do luar só no saco de dormir, resultado: voltei no outro dia tudo novamente pelo rio tentando a sorte de encontrar a trilha que dá para trilha de águas claras e cheguei no capão, bati aquele café com cuscuz com ovo, enfim. rsrsrs

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Obrigado pelo feed cara, estou pensando em fazer essa trilha Capão-Lençóis em junho, tomara que eu não me perca kkkk.

Muito massa essa sua aventura, mesmo quando as coisas não dão certo às vezes só o que vimos no caminho, o que aprendemos em situações adversas já faz tudo valer muito a pena.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Massa a experiência. hahahahaha
Estarei fazendo algo parecido agora em maio, só que com mais uma amiga.

Valeu pelas dicas. Deu pra imaginar muito bem tudo que viveu.

Top!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Ótimo relato. Estou na intenção de fazer em setembro.

Também pretendo adaptar de acordo com os dias. Só uma pergunta: os jantares que custam R$ 40,00 inclui o quê? (jantar? jantar com suco? jantar e café da manhã?). Valeu!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

  • Conteúdo Similar

    • Por Heloisa Amaral Antunes
      Oi pessoal, tudo bem? 
      Estou indo passar um tempo no Jalapão e depois vou para Lençóis na Chapada Diamantina. Procurei na Internet informações sobre deslocamento por ônibus entre municípios principais na rota entre as duas cidades, como Barreiras, mas não consegui informações. Preciso fazer um deslocamento barato. Alguém teria uma dica para dar? Obrigada desde já!
    • Por alanasm
      Olá pessoal.
      Estou pensando em fazer a trilha do Vale do Pati juntamente com o meu namorado.
      Tenho uma pequena experiência com trekkings, mas só fiz com agências e não conheço a Chapada Diamantina.
      Gostaria de saber se é recomendável fazer o trekking por conta e ir acampando durante  caminho? Existem campings com alguma infraestrutura por lá?
       
      Se não for recomendável ir por conta, alguém possui um contato de um guia com preços razoáveis?
      Obrigada!
    • Por Larissa Eira
      Olá, mochileiros! Hoje vou compartilhar sobre minha viagem à Bahia. Passei 10 dias em Feira de Santana, município brasileiro do Estado da Bahia situado a 108 quilômetros de sua capital, Salvador.  Fui até lá para realizar um curso de comunicação comunitária promovido pelo MCP (Movimento das Comunidades Populares) e pude conhecer o local por outro olhar.  Apesar da Bahia ser uma cidade turística , repleta de atrações naturais e muito famosa por possuir uma grande variedade de ritos religiosos, existe um lado esquecido por nós, turistas, que são os problemas sociais e econômicos encontrados em cada lugar que vamos. Com esse curso comunitário que realizei, tive a oportunidade de ficar alojada no bairro Sítio Matias em uma casa comunitária. O Movimento das Comunidades Populares atua em diferentes estados e possui seu próprio jornal chamado ''Voz das comunidades'', que está a serviço das comunidades indígenas, quilombolas, camponesas e operárias. Nesse tempo que fiquei por lá, tive a chance de conhecer uma Bahia que nunca tinha ouvido falar, que não é mostrada na televisão e nas revistas. Conheci a Bahia através dos próprios moradores, e isso foi uma experiência de vida incrível! 
                A base do movimento, que foi onde nós ficamos alojados, conta com a casa, uma horta, uma creche, uma lojinha com produtos que os próprios moradores produzem e um bazar. Tudo construído, realizado e vendido de forma coletiva. Diante de tanta injustiça social, essa foi a maneira que eles encontraram de buscar autonomia: vivendo de forma coletiva. Também tive a oportunidade de conhecer Artemares (Associação Regional de Trabalhadores em Materiais Recicláveis), onde pude entrevistar alguns dos trabalhadores e perceber o quanto eu e você precisamos agir de forma diferente para mudar o que consideramos errado nesse mundo. Um grande problema em Artemares e em muitos lugares, é a falta de consciência das pessoas na hora de separar seu próprio lixo. Daniele, uma das moças que entrevistei, disse que é um trabalho que requer atenção e cuidado, pois além do risco de contaminação com o lixo hospitalar, por exemplo, muita das vezes eles não possuem nem os equipamentos adequados para separar o lixo, como luvas e botas. Trabalham em condições precárias e com salários baixos. Eu realmente fiquei muito impactada com a realidade deles, moradores de uma cidade turística e reconhecida,  que talvez nunca tenham ido aos pontos turísticos para conhecer e tirar fotos, assim como eu faço em minhas viagens. Duas realidades tão perto e tão longe uma da outra...
            Mas, não só de problemas se vive. Também tive a grande oportunidade de visitar a feira e me encantar com a imensa variedade de frutas, pessoas e cores. Pude fotografar e tomar caldo de cana, pude experimentar o tão famoso acarajé e conhecer um dos postais da cidade, a caixa d'água do Tomba. Pude ouvir histórias locais e cordéis recitados na noite de confraternização do curso. Pude aprender mais sobre medicina alternativa e acupuntura, pude tomar uma diversidade enorme de chás cultivados na horta comunitária. Pude experimentar o famoso Cuscuz de milho, típico nos cafés da manhã na Bahia. Pude assistir o futebol dos meninos no campinho de terra todas as tardes com o sol se pondo. Pude tomar banho gelado todos os 10 dias e me acostumar com isso. Pude tomar sorvete de tapioca. Pude conhecer pessoas de diversos estados, pessoas das comunidades quilombolas e de palmares. Pude aprender com a riqueza da diversidade. Pude voltar pra casa com muita saudade e com a certeza de que para mudar o mundo é preciso começar mudando a nós mesmos! Obrigada Bahia, por me mostrar o seu melhor lado, o lado real! Até a próxima estrada. 



















       


    • Por Fabiula Fernades
      Como chegar em Morro?
      Partimos do Rio de Janeiro e apesar de inumeras buscas em como chegar a Morro de São Paulo, não tínhamos noção de como chegaríamos. Mas como nosso espírito é aventureiro partimos levando na mala coragem e disposição para curtir.
      1º dia - Chegamos em Salvador por volta de 10:40h e ficaríamos hospedados no Farol da Barra pelo Airbnb, que dependendo do local tem hospedagem mais barata, a anfitriã nos deu o passo a passo de como chegar até o local.
      Guardamos nossas malas e partimos para um rápido reconhecimento e pegamos informações de como chegar em Morro. Passeamos pela orla da praia e fomos até o farol.
      Existem 3 formas de chegar a Morro:
      1ª - Semi terrestre: Paga-se o ferry boat que sai do terminal São Joaquim com saídas de hora em hora (o valor ao certo não sei pq não escolhemos este meio, mas acho que é algo em torno de R$7,00) e tem duração de 1 hora . Quando desembarcar terá uma mini rodoviária onde sai o ônibus para Valença (R$40,00) e de Valença para Morro pegara um barco rápido (dependendo das condições climáticas) até Morro (não sei o valor).
      2ª - Aéreo (não faço ideia do valor)
      3ª - Catamarã: R$96,86 (cada pessoa) duas horas de travessia por alto mar. A principio parece caro mas só o fato de não ter que ficar trocando de condução é excelente (Melhor custo benefício, escolhemos este e foi certeiro). A empresa é a BIOTUR saída no terminal próximo ao mercado modelo
      2º Dia Acordamos cedo e não deu tempo de tomar café pois descobrimos que o catamarã sairia as 09:00 e ainda colocamos o terminal errado no trajeto do Uber.
      Já acomodados partimos rumo ao paraíso, chegamos em Morro de São Paulo por volta das 11h na entrada da ilha paga-se a taxa de visitação R$15,00 por pessoa (aceita cartão). Ao desembarcar do catamarã logo vem uns rapazes te oferecendo "Uber", agradecemos e seguimos arrastando nossa mala (vale a pena somente para quem vai ficar longe do centro e está com bagagem bem pesada).
      Logo na chegada ao centro demos de cara com um carinha bem alegre super gente fina e nos indicou onde ficava a pousada e também nos informou sobre os passeios, seu nome é João da Descubra Morro de São Paulo, agencia de turismo. Super indico a Descubra Morro de São Paulo.
      Fomos até a pousada dos Nativos onde havíamos feito a reserva (pousada bem legal, com café da manhã incluso que é servido na porta do seu quarto - R$108,00 a diária,quarto duplo básico com ar condicionado) deixamos nossa mala e partimos para desbravar o paraíso.
      Passeamos um pouco e fomos almoçar no Restaurante Espelho Dágua
      Pratos executivos entre 20 e 25 reais. Vem arrumadinho e a opção escolhida(carne ou peixe ) vem separado, economia que vale a pena para curtir os passeios Sem falar no típico suco de cupuaçu jarra 750 ml R$13,00. Nota 10 Lugar simples e aconchegante e olha que sou chata para comer. Na sequencia Suco de Cupuaçu, MOqueca de Peixe e Moqueca de Sururu. Ao entardecer subimos até o mirante para ver o por do sol, tem uma subidinha considerável (10 minutinhos) mas vale muito a pena. O tempo não estava dos melhores mesmo assim tivemos um belo por do sol.

       
       
      Para fechar a noite fomos para a praça onde tudo acontece, vários bares e restaurantes que os funcionários ficam na porta te mostrando o cardápio.
      3º Dia:
      Decidimos fazer o passeio Volta a Ilha com a Descubra Morro de São Paulo, o tempo não ajudou muito e a maré estava alta, mas deu parra curtir. Para quem Gosta de aventuras fortes rsrs vale a pena fazer o passeio e ir as piscinas naturais de Moreré e Boipeba (esta não conseguimos ver pois a maré estava alta e deveríamos fazer o passeio ao contrário mas como trocamos de piloto ja na saída da ilha o mesmo não soube que era para fazer ao contrario). Também não fomos na barraca do GUido pois ninguém do grupo se interessou em ir.
      4º Dia:
      Decidimos ficar mais 1 dia em Morro já que nos encantamos com a 4ª praia a maré estava baixa e fazia varias piscinas naturais. Passamos uma boa parta deste dia nesta praia. A tarde partimos para a Toca do Morcego para ver o por do sol, lugar muito, mas muito legal. Tem que chegar por volta de 16:30h para poder pegar um lugar bem bom com DJ, ficamos nos Puffs bem despojados. O valor da entrada é R$15,00, rola uns drinks maneiro o valor da Coca lata R$6,00, a long neck R$12,00 Heinneken. Não dá vontade de sair de lá.
      5º Dia:
      Novamente passamos o dia na 4ª praia e ficamos no bar e restaurante da piscina (não aceita credito). Lugar legal e no cardápio tem a história da dona do bar. A Noite passeamos pela segunda praia e tomamos uns drinks feito de cacau no Cacau (rsrs). Durante nossa estadia não houve lual, que pena. Jantamos no Mediterrâneo comemos Camarão no abacaxi que vem servido no proprio abacaxi, serve duas pessoas, valor R$80,00.
       

      6º Dia:
      Com a dica do João da Descubra Morro de São Paulo fomos para praia de Gamboa e praia Linda. Se a maré estiver baixa da para ir andando porém a maré estaria baixa a tarde então fomos até a entrada da ilha e pegamos um barquinho de "luxo" até a praia de Gamboa, levamos uns 15 minutos para chegar e o valor foi de R$5,00 por pessoa. Passamos o dia de boa em Gamboa e almoçamos na praia Linda, comemos uma moqueca de sururu que foi R$60,00 e nessa praia tinha musica ao vivo e muito boa. O cantor passa um envelope pedindo uma ajuda de custo de R$10,00, valeu a pena na verdade a única música boa ao vivo em Morro foi na praia Linda. Na volta como tínhamos interesse em conhecer o trajeto a pé, não pegamos o barquinho e retornamos caminhando levamos em torno de 40 minutos com direito a banho de argila, ainda vimos um belo por  do sol do alto de umas pedras próximo a pousada Portaló

      7º Dia
      Acordamos arrumamos a mala pois era dia de partir, tomamos café e fomo para a tirolesa, só subir alguns degraus, rsrs. Com  70 m outros dizem 53m de altura e 340m de extensão ela vai direto para a primeira praia. O valor está R$50,00.
       
      Voltamos para a pousada, pegamos nossas coisas e partimos para pegar o catamarã, já havíamos comprado as nossas passagens no dia anterior na Biotur. Ás 11:30h pegamos o catamarã de volta a Salvador.

       
       
      Ficamos hospedados no Pelourinho onde passamos a tarde de sabado, passeamos bastante com direito a pintura do Olodum.
      NO 8º dia Voltamos para o Rio de Janeiro às 4:00h da matina, pegamos um Uber as 2h da manhã até o aeroporto que custou R$45,11.
       
       
       


×