Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
Entre para seguir isso  
tomatechines

A aventura mais longa, cansativa e perigosa da minha vida

Posts Recomendados

Um dia você acorda e decide fazer uma trilha em um vulcão ativo, o que você não sabe é que essa vai ser a aventura mais longa, mais exaustiva, mais difícil e mais perigosa da sua vida.

Se você tem problemas nos joelhos, nos tornozelos ou não quer sujar sua roupa é melhor não continuar lendo...

 

 

Dados gerais da trilha

*Localização: Vulcão Concepcion (sul da Nicarágua)

*Percurso total:  13km [ida e volta]

*Duração subida: 5h00

*Duração descida: 5h00

*Ponto mais baixo: 150m

*Ponto mais alto: 1500m

*Nível de esforço físico: Máximo

*Nível de dificuldade de orientação: Alto

*Nível de beleza da paisagem: Mínimo

 

Entendendo a aventura:

Ometepe é uma pequena ilha no sul da Nicarágua que abriga dois vulcões (um ativo), florestas tropicais e muita natureza... enfim um prato cheio para quem gosta de aventura.

Desde o momento que eu entrei naquele barco e avistei o vulcão longe no horizonte eu sabia: “Não posso sair dessa ilha sem subir lá”, durante toda a viagem eu só pensava o quanto o dia estava lindo e como a o vulcão tornava aquela paisagem perfeita, era com certeza o vulcão mais lindo que eu já tinha visto na minha vida.

Tão logo me acomodei no povoado comecei a buscar as informações necessárias para a trilha (tanto localmente quanto pela internet). As informações não eram muito agradáveis, todos eram muito enfáticos sobre a necessidade de um guia, as agências e guias autônomos não ofereciam nenhum benefício adicional (água, comida ou transporte) e cobravam a partir de 25 dólares pelo serviço.

Gostaria de abrir um parêntese neste relato para deixar claro que eu respeito muito o trabalho dos guias, seja em turismo de aventura ou em passeios mais tranquilos. E as minhas decisões a seguir não tem nada a ver com a experiência ou a qualidade do trabalho destes profissionais.

Mesmo para grupos maiores o valor não melhorava, todos os guias da ilha cobravam este valor por pessoa inviabilizando qualquer tipo de barganha.

Pode parecer pouco, mas para a realidade da Nicarágua 25 dólares é bastante dinheiro. Para fazer uma comparação eu gasto aqui por dia: 5 dólares hospedagem, 2 dólares uma refeição (arroz, feijão, frango, batata frita, salada e suco) e mais 1 dólar para água e um lanche... total 10 dólares por dia.

Não é possível que todo mundo pague isso! Vou procurar uma galera e ir por conta própria!”

Eis que eu me deparo com um conflito cultural desagradável:

A maior parte dos turistas na américa do sul são europeus (vocês não têm ideia de como eu fico indignado de nossa gente preferir ir a Europa do que explorar as maravilhas que temos aqui, mas isso é um desabafo para outro texto). E se alguém diz a um europeu que ele PRECISA pagar algo, ele não questiona nem pechincha, paga e segue a vida. Sendo assim eu não achei ninguém disposto a seguir a aventura comigo, pois o argumento dos guias era bem objetivo:

Você não pode escalar o vulcão sem guia, é ilegal”

Pão duro convicto e determinado a não pagar por uma “companhia de caminhada” mais do que eu pago por todo o resto, comprei comida e água e me preparei para partir sozinho no dia seguinte.

A companhia inesperada

 O primeiro ônibus público em direção ao vulcão saí as 5h da manhã e o segundo apenas as 8h, sendo assim dormir um pouco mais não é uma opção, considerando que a trilha tem previsão de duração de 10 horas e começar às 8h poderia resultar em ainda estar no vulcão após escurecer, incorrendo em mais perigo desnecessariamente.

As 4h30 me sentei naquela parada de ônibus e junto comigo vieram todos os cachorros da ilha. Eu ainda não entendi o que aconteceu, eu não fiz barulho nem brinquei com eles, mas enquanto caminhava na rua todos os cachorros resolveram acordar e me seguir, alguns brincando entre si e outros brincando comigo.

Quando o ônibus chegou, sem pedir licença ou sequer pagar a passagem um dos cachorros decidiu entrar comigo. Apesar do meu espanto o motorista reagiu normalmente, falou que este cachorro está acostumado a subir a montanha e podia até ser meu guia.

A trilha

O ônibus me deixou bem na entrada da trilha e apesar de ainda estar escuro não foi difícil encontrá-la. A trilha começa em uma fazenda e mesmo com pouquíssima sinalização o primeiro km é bem tranquilo, praticamente plano e sem nenhum desafio.

Depois desse aquecimento a trilha entra em área de floresta, o dia já está clareando, macacos gritam de todos os lados e de vez em quando meu cachorro guia corre atrás deles, mas sempre regressa ao seu posto de trabalho.

A partir deste ponto a trilha vai se tornando mais difícil, o caminho enlameado e escorregadio em alguns momentos preciso me apoiar nas árvores para não cair. O ganho de altitude é cada vez mais intenso e as pausas para descansar mais frequentes.

Duas horas depois de começada a trilha chegamos a um abrigo improvisado, ali estamos a 900m de altitude, aproveito o local para fazer um lanche e recuperar as energias... divido minha água com Gabriel, o agora batizado guia canino, e seguimos para a segunda metade da trilha.

A escalada

20 minutos após a cabana a floresta acaba, estamos em um campo totalmente aberto composto por rochas vulcânicas, areia e vegetação rasteira. Na cidade os guias falam que 50% das pessoas chegam até aqui e decidem voltar; e não é difícil entender o porquê: o vento é frio, forte e as rajadas súbitas quase me derrubam algumas vezes, a trilha se torna inexistente é preciso caminhar sobre as rochas com muito cuidado para não escorregar ou causar uma avalanche. Esse é o ponto que separa os meninos dos homens, ou melhor os homens dos malucos.

Gabriel não se mostra intimidado, e num sentimento de: “se ele consegue eu também consigo”, decido seguir em frente.

Deste ponto em diante o mapa que tenho comigo, um bom senso de orientação e Gabriel foram fundamentais para seguir o caminho. Não existe qualquer indicação da trilha a cada passo é preciso analisar qual o passo seguinte. E por falar em passos neste momento estou andando semelhante a um gorila, utilizando os pés e as mão para consegui um pouco de apoio e não escorregar. Não resta dúvida do porquê todos são tão incisivos ao dizer que esta é uma trilha perigosa.

Seguimos devagar, eu sempre preocupado com ele e com como seria o caminho de volta, e ele com aquela cara inocente de quem diz “vamos lerdo, você consegue!”.  

Não tenho mais noção nenhuma de a que altura estamos ou quão pior pode ficar, mas pelo meu mapa pareço estar mais perto que longe e me agarro neste pensamento para conseguir seguir em frente.

Por duas vezes me perco da trilha original e sou forçado a voltar um pouco para reencontra-la, na segunda vez eu estive prestes a desistir, mas a falha de comunicação entre mim e meu guia fez com que ele seguisse em frente e eu tive que ir atrás para não abandona-lo.

Duas horas e meia depois de iniciada esta fase da trilha, percebo que o chão está ficando quente (como uso as mãos para me apoiar é fácil perceber a diferença), o cheiro de enxofre fica mais forte e tudo indica que estamos chegando ao final. Neste ponto cansaço, dor, frio, medo e ansiedade se transformam em determinação e ganho um impulso final para conseguir terminar.

Quando finalmente chegamos ao topo do vulcão começa a chover, o vento é frio e o enxofre sufocante, precisamos descansar rápido porque é perigoso passar muito tempo ali.

A volta

A primeira parte do retorno é a mais difícil e eu estou o tempo todo agachado deslizando devagar. Neste ponto encontro dois outros grupos subindo, todos ficam muito surpresos em eu estar caminhando sem guia e mais ainda de ter um cachorro comigo, mas um dos guias o reconhece e conversamos um pouco.

Levei cerca de 3 horas para chegar até o abrigo no final da floresta, mas mesmo sabendo que ainda teria mais 2 horas de caminhada até o ponto de ônibus me senti aliviado porque o caminho final era menos perigoso e sem riscos de me perder.

Fotos

Esta é a parte mais irônica da aventura. Em geral após caminhar horas ou fazer travessias difíceis somos recompensados com paisagens de tirar o folego, onde os mochileiros se orgulham de tirar fotos e mostrar para os amigos. O vulcão Concepcion não te permite isso.

Não importa em que época do ano você vai, ou quão ensolarado está o dia. Existe algum fenômeno climático que eu desconheço (se alguém souber por favor me explique) que torna o topo do vulcão sempre encoberto por nuvens. Estive durante uma semana na ilha e houve dias que as únicas nuvens no céu estavam ao redor do vulcão parecia que havia um imã ali.

Como consequência direta disto nenhuma das minhas fotos ficou boa. Esta é definitivamente uma aventura pela satisfação pessoal de superar meus limites e saber que sou capaz do que propriamente para admirar a natureza.

 

[as fotos e videos originais do dia voce pode ver no post oficial da aventura http://www.tomatechines.com.br/2018/01/a-aventura-mais-cansativa-longa-e-perigosa-da-minha-vida/]

 

  • Gostei! 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Um dia você acorda e decide fazer uma trilha em um vulcão ativo, o que você não sabe é que essa vai ser a aventura mais longa, mais exaustiva, mais difícil e mais perigosa da sua vida.
Se você tem problemas nos joelhos, nos tornozelos ou não quer sujar sua roupa é melhor não continuar lendo...
 
 

Dados gerais da trilha

*Localização: Vulcão Concepcion (sul da Nicarágua)
*Percurso total:  13km [ida e volta]
*Duração subida: 5h00
*Duração descida: 5h00
*Ponto mais baixo: 150m
*Ponto mais alto: 1500m
*Nível de esforço físico: Máximo
*Nível de dificuldade de orientação: Alto
*Nível de beleza da paisagem: Mínimo
 

Entendendo a aventura:

Ometepe é uma pequena ilha no sul da Nicarágua que abriga dois vulcões (um ativo), florestas tropicais e muita natureza... enfim um prato cheio para quem gosta de aventura.
Desde o momento que eu entrei naquele barco e avistei o vulcão longe no horizonte eu sabia: “Não posso sair dessa ilha sem subir lá”, durante toda a viagem eu só pensava o quanto o dia estava lindo e como a o vulcão tornava aquela paisagem perfeita, era com certeza o vulcão mais lindo que eu já tinha visto na minha vida.
Tão logo me acomodei no povoado comecei a buscar as informações necessárias para a trilha (tanto localmente quanto pela internet). As informações não eram muito agradáveis, todos eram muito enfáticos sobre a necessidade de um guia, as agências e guias autônomos não ofereciam nenhum benefício adicional (água, comida ou transporte) e cobravam a partir de 25 dólares pelo serviço.
Gostaria de abrir um parêntese neste relato para deixar claro que eu respeito muito o trabalho dos guias, seja em turismo de aventura ou em passeios mais tranquilos. E as minhas decisões a seguir não tem nada a ver com a experiência ou a qualidade do trabalho destes profissionais.
Mesmo para grupos maiores o valor não melhorava, todos os guias da ilha cobravam este valor por pessoa inviabilizando qualquer tipo de barganha.
Pode parecer pouco, mas para a realidade da Nicarágua 25 dólares é bastante dinheiro. Para fazer uma comparação eu gasto aqui por dia: 5 dólares hospedagem, 2 dólares uma refeição (arroz, feijão, frango, batata frita, salada e suco) e mais 1 dólar para água e um lanche... total 10 dólares por dia.
Não é possível que todo mundo pague isso! Vou procurar uma galera e ir por conta própria!”
Eis que eu me deparo com um conflito cultural desagradável:
A maior parte dos turistas na américa do sul são europeus (vocês não têm ideia de como eu fico indignado de nossa gente preferir ir a Europa do que explorar as maravilhas que temos aqui, mas isso é um desabafo para outro texto). E se alguém diz a um europeu que ele PRECISA pagar algo, ele não questiona nem pechincha, paga e segue a vida. Sendo assim eu não achei ninguém disposto a seguir a aventura comigo, pois o argumento dos guias era bem objetivo:
Você não pode escalar o vulcão sem guia, é ilegal”
Pão duro convicto e determinado a não pagar por uma “companhia de caminhada” mais do que eu pago por todo o resto, comprei comida e água e me preparei para partir sozinho no dia seguinte.

A companhia inesperada

 O primeiro ônibus público em direção ao vulcão saí as 5h da manhã e o segundo apenas as 8h, sendo assim dormir um pouco mais não é uma opção, considerando que a trilha tem previsão de duração de 10 horas e começar às 8h poderia resultar em ainda estar no vulcão após escurecer, incorrendo em mais perigo desnecessariamente.
As 4h30 me sentei naquela parada de ônibus e junto comigo vieram todos os cachorros da ilha. Eu ainda não entendi o que aconteceu, eu não fiz barulho nem brinquei com eles, mas enquanto caminhava na rua todos os cachorros resolveram acordar e me seguir, alguns brincando entre si e outros brincando comigo.
Quando o ônibus chegou, sem pedir licença ou sequer pagar a passagem um dos cachorros decidiu entrar comigo. Apesar do meu espanto o motorista reagiu normalmente, falou que este cachorro está acostumado a subir a montanha e podia até ser meu guia.

A trilha

O ônibus me deixou bem na entrada da trilha e apesar de ainda estar escuro não foi difícil encontrá-la. A trilha começa em uma fazenda e mesmo com pouquíssima sinalização o primeiro km é bem tranquilo, praticamente plano e sem nenhum desafio.
Depois desse aquecimento a trilha entra em área de floresta, o dia já está clareando, macacos gritam de todos os lados e de vez em quando meu cachorro guia corre atrás deles, mas sempre regressa ao seu posto de trabalho.
A partir deste ponto a trilha vai se tornando mais difícil, o caminho enlameado e escorregadio em alguns momentos preciso me apoiar nas árvores para não cair. O ganho de altitude é cada vez mais intenso e as pausas para descansar mais frequentes.
Duas horas depois de começada a trilha chegamos a um abrigo improvisado, ali estamos a 900m de altitude, aproveito o local para fazer um lanche e recuperar as energias... divido minha água com Gabriel, o agora batizado guia canino, e seguimos para a segunda metade da trilha.

A escalada

20 minutos após a cabana a floresta acaba, estamos em um campo totalmente aberto composto por rochas vulcânicas, areia e vegetação rasteira. Na cidade os guias falam que 50% das pessoas chegam até aqui e decidem voltar; e não é difícil entender o porquê: o vento é frio, forte e as rajadas súbitas quase me derrubam algumas vezes, a trilha se torna inexistente é preciso caminhar sobre as rochas com muito cuidado para não escorregar ou causar uma avalanche. Esse é o ponto que separa os meninos dos homens, ou melhor os homens dos malucos.
Gabriel não se mostra intimidado, e num sentimento de: “se ele consegue eu também consigo”, decido seguir em frente.
Deste ponto em diante o mapa que tenho comigo, um bom senso de orientação e Gabriel foram fundamentais para seguir o caminho. Não existe qualquer indicação da trilha a cada passo é preciso analisar qual o passo seguinte. E por falar em passos neste momento estou andando semelhante a um gorila, utilizando os pés e as mão para consegui um pouco de apoio e não escorregar. Não resta dúvida do porquê todos são tão incisivos ao dizer que esta é uma trilha perigosa.
Seguimos devagar, eu sempre preocupado com ele e com como seria o caminho de volta, e ele com aquela cara inocente de quem diz “vamos lerdo, você consegue!”.  
Não tenho mais noção nenhuma de a que altura estamos ou quão pior pode ficar, mas pelo meu mapa pareço estar mais perto que longe e me agarro neste pensamento para conseguir seguir em frente.
Por duas vezes me perco da trilha original e sou forçado a voltar um pouco para reencontra-la, na segunda vez eu estive prestes a desistir, mas a falha de comunicação entre mim e meu guia fez com que ele seguisse em frente e eu tive que ir atrás para não abandona-lo.
Duas horas e meia depois de iniciada esta fase da trilha, percebo que o chão está ficando quente (como uso as mãos para me apoiar é fácil perceber a diferença), o cheiro de enxofre fica mais forte e tudo indica que estamos chegando ao final. Neste ponto cansaço, dor, frio, medo e ansiedade se transformam em determinação e ganho um impulso final para conseguir terminar.
Quando finalmente chegamos ao topo do vulcão começa a chover, o vento é frio e o enxofre sufocante, precisamos descansar rápido porque é perigoso passar muito tempo ali.

A volta

A primeira parte do retorno é a mais difícil e eu estou o tempo todo agachado deslizando devagar. Neste ponto encontro dois outros grupos subindo, todos ficam muito surpresos em eu estar caminhando sem guia e mais ainda de ter um cachorro comigo, mas um dos guias o reconhece e conversamos um pouco.
Levei cerca de 3 horas para chegar até o abrigo no final da floresta, mas mesmo sabendo que ainda teria mais 2 horas de caminhada até o ponto de ônibus me senti aliviado porque o caminho final era menos perigoso e sem riscos de me perder.

Fotos

Esta é a parte mais irônica da aventura. Em geral após caminhar horas ou fazer travessias difíceis somos recompensados com paisagens de tirar o folego, onde os mochileiros se orgulham de tirar fotos e mostrar para os amigos. O vulcão Concepcion não te permite isso.
Não importa em que época do ano você vai, ou quão ensolarado está o dia. Existe algum fenômeno climático que eu desconheço (se alguém souber por favor me explique) que torna o topo do vulcão sempre encoberto por nuvens. Estive durante uma semana na ilha e houve dias que as únicas nuvens no céu estavam ao redor do vulcão parecia que havia um imã ali.
Como consequência direta disto nenhuma das minhas fotos ficou boa. Esta é definitivamente uma aventura pela satisfação pessoal de superar meus limites e saber que sou capaz do que propriamente para admirar a natureza.
 
[as fotos e videos originais do dia voce pode ver no post oficial da aventura http://www.tomatechines.com.br/2018/01/a-aventura-mais-cansativa-longa-e-perigosa-da-minha-vida/]
 


E o teu fiel Escudeiro Gabriel???

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora
Entre para seguir isso  

  • Conteúdo Similar

    • Por raquelmorgado
      Europe/Lisbon Abril 17Europe/Lisbon 2018 MANÁGUA, A MARCA DO QUE SE DESMORONA QUANDO O CHÃO TREME (NICARÁGUA)
      Nicarágua não estava no nosso roteiro inicial, em que o plano era seguir da Costa Rica para o México. Depois de conhecermos viajantes que tinham passado três meses no México, percebemos que ficar só uns dias, e numa época de chuvas, nos ia saber a pouco, então desistimos, ou melhor, adiámos. A escolha de incluir Manágua nestes cinco meses teve a ver com a ligação mais barata a Miami, cidade de onde regressaríamos a Portugal. Quando decidimos ir sabíamos que havia zonas muitos mais interessantes, como Granada, San Juan del Sur (tínhamos visto um hostel ótimo), a ilha de Ometepe, as Ilhas del Maíz, Léon, entre outras, mas Manágua era a cidade de onde partiríamos e nesta altura não queríamos arriscar grandes aventuras.
      Chegámos a Manágua cedo, cansados, e sem muita vontade de aturar taxistas. O terminal era a 800m do hostel, mas os taxistas começaram a dizer que o bairro é perigoso e não recomendam a caminhada. O que se faz? Arrisca-se? Epá, não chegámos até à última semana de viagem pela América para algo correr mal agora. Negociou-se com o taxista (1 USD cada um de nós) e ele lá nos deixou à porta do hostel.
      A viagem foi curta e a paisagem é a de uma pequena cidade, com prédios baixos, muito comércio de rua, não a típica capital que estamos habituados.
      Depois de descansarmos (já não temos vida para aguentar palmilhar uma cidade quando não descansamos convenientemente), vamos então passear pela cidade. Caminhámos, de dia é seguro, de noite deve-se regressar de táxi. Temos de confessar que a cidade não nos impressionou, não como capital do país. A cidade até tem potencial, fica junto a um lago gigante, onde encontramos alguma vida, mas muito cara para o que oferece. Parece estranho, não é? É cara, estávamos à espera de outros preços.
      Manágua fica na margem sul do lago Manágua e dizem que é a capital por ficar entre León e Granada. Foi criada por indígenas como vila de pescadores e o seu nome deriva de mana-ahuac, ou seja, cercado de água. Durante todo o período colonial foi tratada pelos espanhóis com desinteresse. Após a independência do país, em 1821, houve intenções de a tornar capital, mas, só em 1846 é que se tornou cidade e em 1852 finamente foi nomeada capital.
      O que fazer?

      Para ter uma vista panorâmica da cidade tem que se entrar no Parque Histórico Nacional “Loma de Tiscapa”. Para estrangeiros custa 1 USD, pode-se entrar de carro/autocarro, mas cada opção tem um preço diferente. Sobe-se a encosta e vai-se até à zona onde era o Palácio Presidencial, inaugurado em janeiro de 1931. Onde era e já não é, porque após o primeiro terramoto (1931) ficou parcialmente destruído, mas foi reconstruído. Após o segundo terramoto (1972) decidiu-se deixar assim e não voltar a reconstruir. Este palácio faz parte da história do país, não só por ter sido usado como palácio, mas porque a sua cave foi utilizada para torturar pessoas. No edifício conhecido como “La Curva” morava o chefe da Guarda Nacional. Também ficava na mesma zona, junto à cratera do vulcão, o lago de Tiscapa.

      Os calabouços onde eram torturados e mantidos os presos eram chamados de “El Chipote”. Em julho de 2017 estavam duas exposições nos calabouços, um pouco confusas para quem não conhece a historia do país. Uma sobre as noites de tortura, outra sobre a história da cidade, principalmente a destruição causada pelo último terramoto.


      O Puerto Salvador Allende é uma zona moderna, junto ao lago, onde cobram 2 USD de entrada, dando acesso a uma zona de restauração, espaço de eventos e pista de karts. É das zonas mais caras para jantar.

      O Tiago pediu uma mechilada em vez de só cerveja e sentiu que tinha estragado a cerveja. Se não sabem o que é, um dia explicamos.

      Passear pela cidade de noite de táxi, passar nas principais ruas para ver as iluminações. Na praça Hugo Chavez há um busto desta personagem, iluminado, e umas árvores gigantes coloridas, também iluminadas, que vão até à margem do lago, dando um efeito engraçado à cidade.

      A Catedral de Santiago, em ruínas desde o terramoto de 1972.

      O Palacio Nacional tem agora no primeiro andar um museu onde exibe a cultura nahuatl. A biblioteca é grátis e o museu custa 5 USD. Fica na mesma praça que a Catedral, a Plaza de La Revolución.

      Junto ao Palácio está La Glorieta (Templo de la Musica) e a estátua homenagem a Ruben Dario, poeta.

      O Museo Sítio Huellas de Acahualinca exibe as marcas deixadas por povos ancestrais na região do lago preservadas por uma erupção (4 USD).
      A Catedral Metropolitana de la Puríssima Concepción foi concluída em setembro de 1993 e a visita é gratuita. Agrada a alguns pela diferença.
      O Parque La Paz e o Parque Luis Alfonso Velasquez, onde procurámos sombra e descansámos.
      Junto aos parques encontra-se o Centro de Convenciones Olof Palme.
      Como circular:
       Os táxis não têm taxímetro. Até ao aeroporto são 120 NIO (3,1€) e para sair do centro até ao hostel custou-nos 60 NIO.
      De dia percorremos a cidade a pé, ao anoitecer sempre de táxi, os privados. Os collectivos são tipo autocarros, param para apanhar clientes até não haver mais lugares, ou melhor, até não caber mais uma alma lá dentro.
      Onde comer:
      Comemos a maioria das refeições no Centro Comercial Managua, mesmo o pequeno-almoço. Também fomos ao porto, mas achámos caro, como já referimos. Não temos nenhum sítio que se tenha evidenciado.
      Onde dormir:
      Casa Liz, era um hostel limpinho, simpático, barato, com quarto particular. Tem um terraço com umas hamacas que dão belas sestas.

      Vale a pena?
      É uma cidade nostálgica, onde é evidente a destruição dos terramotos de 1931 e 1972, porque muita coisa não foi reconstruída. Não é das cidades mais seguras onde estivemos, sendo recomendado não abrir os vidros dos táxis, mas não temos razão de queixa, tomando todas as medidas necessárias.
       
      365 dias no mundo estiveram 3 dias em Manágua, de 2 a 4 de julho de 2017
      Classificação: ♥ ♥
      Preços: médio
      Categorias: cidade, cultura
      Essencial: Catedral, Loma de Tiscapa, Puerto Salvador Allende
      Estadia Recomendada: 2 dias

      Nota: Já sabem que estamos nomeados nos Open World Awards da Momondo? Votem em nós nestes links: 
      Fotografia
      Open World
      Blog e
      Vídeo

    • Por Andre-CAP
      Lugar tão lindo que merece um tópico só pra ele.
      Tenho diversas informações sobre a Ilha. Vou postando aos poucos, porque o tempo está corrido pra mim.
      Mas de antemão eu aviso. Quem for para a Nicarágua, deve visitar Ometepe. Você jamais irá esquecer.
    • Por Nath Crepaldi
      é necessario visto para ir a Nicarágua? Se for, onde eu faço isso?
    • Por Murilo Pagani
      Foi na Nicarágua em que eu senti pela primeira vez que de fato estava na América Central- na fronteira com a Costa Rica já pude notar a diferença de ambiente. Cheiros, cores, buzinas e um pouco de caos. Aos poucos você vai se acostumando com a enorme quantidade de informação que esse país te proporciona. Aos poucos você percebe que esse país tem muito a te oferecer e que fez uma ótima escolha ao inclui-lo no seu roteiro de viagem.
       
      Localizada entre a Costa Rica e Honduras, e dona do maior território da América Central, a Nicarágua era um país completamente desconhecido por mim antes de começar a planejar minha viagem pela América Central. Na verdade, acho que nunca tinha escutado absolutamente nada sobre a Nicarágua. A ideia inicial era viajar dez dias pelo país, mas esse plano foi por água abaixo assim que cheguei e tive a oportunidade de trabalhar em um hostel. E surpreendentemente, a Nicarágua foi minha casa por dois meses. Dois meses conhecendo e descobrindo esse país tão desconhecido por nós brasileiros.
       
      Principais Cidades
       
      A apenas uma hora da fronteira com a Costa Rica, San Juan del Sur costuma ser a primeira parada dos viajantes que vem do sul. Situada na costa pacifica, a cidade é conhecida pelas festas e por ótimas ondas para surf. Próximo a San Juan, está Isla Ometepe- uma ilha formada em um lago e que para aguçar ainda mais a sua curiosidade é formada por dois vulcões. Entre as cidades coloniais, duas que se destacam são Granada e Léon- a primeira realmente é mais bem conservada e limpa. Porém foi León que me conquistou e onde vivi por mais de um mês, afinal ela está apenas a vinte minutos da praia Las Peñitas, o lugar onde todos os dias somos presenteados com um por do sol incrível. Dois lugares que também valem a pena incluir na sua trip é Masaya e Laguna de Apoyo. A capital Manágua tem fama de ser feia e perigosa, mas é lá que você vai encontrar os melhores lugares para curtir a noite. Na costa caribenha os dois lugares mais visitados são Blue Fields e Corn Islands.
       
      Viajando pelo país
       
      Apesar de não ser muito confortável, viajar de ônibus na Nicarágua é fácil e barato. As distâncias não costumam ser muito longas e as saídas de ônibus são frequentes. Esteja consciente que muitas vezes será necessário tomar mais de um ônibus para chegar no seu destino final. Muitos hostels e agências de turismo oferecem shuttles (transporte privado) entre as principais cidades turísticas, porém o preço cobrado sempre será muito maior do que o transporte público. Por exemplo: para ir de Granada até León, você gastará três dólares em chicken bus ou quinze dólares em shuttle.
       
      Percursos
       
      Da fronteira Peñas Blanca para San Juan del Sur- Da fronteira só há saídas para Rivas, uma cidade a quarenta minutos de San Juan del Sur. Em Rivas você terá que pegar outro para a cidade costeira. Uma opção para ganhar tempo é descer no meio do caminho entre a fronteira e Rivas e esperar pelo ônibus que vai até San Juan del Sur. Tempo aproximado total: 2 horas.
       
      De San Juan del Sur para Isla Ometepe- Pegue um ônibus até Rivas e avise o motorista que você está indo para Isla Ometepe. Ele te avisará quando descer, e então você precisará pegar um taxi (não há ônibus) até o porto de San Jorge. Do porto há ferrys de hora em hora para a ilha. Tempo aproximado total: 2 horas.
       
      De Isla Ometepe para Granada- Há ferrys que fazem esse percurso direto, porém é bem mais caro do que ir de ônibus. Para ir de ônibus você terá que ir até Rivas, e em Rivas pegar um ônibus para Granada. Tempo aproximado total: 4 horas
       
      De Granada para Manágua /León- Em Granada há chicken buses que vão direto a capital Manágua. Se seu objetivo é León, você terá que pagar outro ônibus em Manágua. Tempo aproximado Granada-Manágua: 2 horas. Tempo aproximado Manágua-León: 1 hora e 30 minutos.
       
      Dinheiro
       
      A moeda na Nicarágua é a Córdoba, sendo que um dólar americano equivale aproximadamente a vinte e seis Córdobas. Muitos lugares como hotels, restaurantes e até supermercados aceitam a moeda americana, mas o troco será em Córdobas. O uso de cartão de crédito não é muito comum. Se você precisar trocar dinheiro na fronteira, o lado nicaraguense possui melhor cotação.
       
      Principais Gastos (Janeiro/2015)
       
      Viajar por toda a Nicarágua é bem barato- acredito que junto com El Salvador e Honduras, ela é o destino mais barato para conhecer na América Central. Isso vale para tudo: comida, hospedagem e transporte. Considerando uma cama em quarto compartilhado, todas as refeições e passagens de ônibus em chicken bus, vinte dólares por dia são suficientes. Acrescente ao seu orçamento tours, passeios e transporte em shuttle caso você não queira utilizar o transporte público. Abaixo, uma média dos meus gastos pela Nicarágua (valores em dólar americano):
       
      Hospedagem em quarto compartilhado: US$7,00/ noite
      Almoço, “plato del dia”: U$3,00
      Café da manhã típico: US$2,50
      Cerveja lata no supermercado: US$0,80
      Cerveja lata na balada ou restaurante: US$1,50
      Garrafa de água 2 litros no supermercado: US$1,00
       
      Texto originalmente publicado no meu blog (http://www.voltologo.net/nicaragua-tudo-o-que-voce-precisa-saber/)


×