Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
victor.marques

Bogotá, Santa Marta, Cartagena e San Andres - ago18 - 15 dias!

Posts Recomendados


Bacana teu relato!! Estive na Colombia em novembro, é um país incrível, os colombianos são os sul americanos mais legais, não fui em San Andres mas conheci Medellin e o Tayrona. Indico a Colombia pra todo mundo e tenho ótimas lembranças

  • Gostei! 1
  • Obrigad@! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Muito bom o seu relato! Obrigada por compartilhar! 

Pretendo ir a Colômbia ano que vem e ficarei entre 15 e 20 dias. Vc acha que foi muito tempo 7 dias em San Andres? Principalmente por ser mais caro? 

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
6 horas atrás, Camila Rodriguez disse:

Muito bom o seu relato! Obrigada por compartilhar! 

Pretendo ir a Colômbia ano que vem e ficarei entre 15 e 20 dias. Vc acha que foi muito tempo 7 dias em San Andres? Principalmente por ser mais caro? 

Oi, Camila! Se você for à Providência, acho 7 dias ok! Só San Andres, acho 7 dias muito. Mas acho que o preço não é um problema em si, pois comida tem como economizar e hospedagem vc pode ficar em hostel. Só se você quiser ficar em um hotel melhor, aí fica caro mesmo. 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Não deixe de ir a Providencia. É bem diferente de San Andrés, para lá reserve uns 3 dias e vá de avião com a Sata, leva uns 20 minutos e só o voo já vale. Talvez não veja outra ilha  tão linda no caribe.

 

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

  • Conteúdo Similar

    • Por Felipepamplona
      preciso de dicas 
      Estava planejando viajar a américa do sul inteira em 2019, mas acabou que ocorreu um imprevisto e acabei "perdendo" 2/3 do dinheiro que tinha economizado pra viagem.
      Agora estou pensando em fazer um plano B, que é cortar fora por enquanto a patagonia :((
      Tenho um voluntariado no natal e ano novo em punta ballena - Uruguai, e estou pensando em seguir até buenos aires, e de buenos aires seguir direto para o chile, passando por Rosario e Cordova.
      O que acham?? eu ia até o ushuaia e subiria devagar pelas cidades até chegar em pucon. Mas como falaram que "o mais caro da america do sul é Uruguai e Patagonia, estou pensando em cortar .
      alguma dica?? estou super aberto a isso.
      Estou pensando tbm, depois do voluntariado no uruguai, voltar e subir direto para bolivia e peru,
      A GRANA QUE TENHO SOBROU É R$4.500 :*(
    • Por Marceulua
      Oi pessoal! 
      Tô planejando ir pra Bogotá em Abril/2019, queria dicas pra uma viajem de baixo custo, é a minha primeira viagem e pretendo conhecer o Paraguai, Bolivia e Peru nesse caminho.
      Aceito acompanhantes e todas as dicas e recomendações que puderem me dar, meu wpp pra quem quiser entrar em contato 13 981341354
      ❤️
    • Por Sentiens Sapiens
      tenho Asperger (autismo), não tenho dinheiro, preciso chegar a Bogotá
      para audiências públicas da comissão interamericana de direitos humanos
      preciso de ajuda para chegar lá e levar o meu caso pessoalmente
      não estou a pedir dinheiro, peço apenas ajuda efetiva, preferencialmente pelo WhatsApp
      estou com dificuldades pelo autismo e violações graves que sofri / sofro
      agradeço a atenção
      (61) 9.8222-1938 
      WhatsApp apenas
    • Por takami
      Olá Pessoal, aqui vai meu relato da minha viagem feita no mês de março nas três principais ilhas caribenhas da Colômbia. Fiquei uma semana explorando, só tenho a agradecer pelas dicas que a galera deixou neste site. Meu gasto total incluindo as passagens foi em torno de R$ 3.000,00
      Dia 1
      Antes de entrar na ilha foi necessário pagar uma taxa de U$40 e preencher um formulário com 3 vias. Precisará guardar para apresentar no seu retorno.
      Como cheguei na hora do almoço, aproveitei para fazer um snorkel na Ilha Rose ou conhecido como nome de aquário. No final da tarde é quando aparecem inúmeras raias. Nesse dia essa ilha estava muito lotada.
      A maior atração é ver os guias pegarem as raias e deixar passar a mão nelas. Pelo menos os bichinhos parecem gostar da brincadeira, senão já tinham lhe dado uma ferroada.
      Dia 2
      Resolvi alugar uma vespinha para explorar melhor a ilha. O mar caribenho realmente é muito encantador. A areia branquinha torna a água de coloração azulada, deixando um visual incrível.
      As principais praias que conheci foram Cocoplum, Rocky Cay, Peatonal, entre outras.
      Fui para um lugar conhecido como Piscinita, bom para fazer snorkel. Como o pessoal tem o habito de jogar pedaços de pão na água então atraem bastante peixinhos.
      Depois estive em West View, fica bem próximo de Piscinita. Também é um outro ponto excelente para o snorkel. Os peixes são atraídos pelos pedaços de pão jogado na água. Por ser um dos pontos turísticos da ilha, costuma ficar bastante cheio de gente.
      A ilha é pequena, em poucas horas é possível conhece-la totalmente.
      Com relação às hospedagens existem vários hostels e hotéis a disposição. Variam de $60 pesos pra cima, todos tem ar condicionado. Normalmente os hostels tem uma cozinha comunitária o que ajuda nas despesas e na hora de fazer novas amizades.
      Dia 3
      Fui  visitar a ilha de Providência. Como o lugar é distante, o ideal é dormir pelo menos 1 noite lá. Existem 2 meios de chegar lá, de avião ou de barco. Para ir de avião é preciso reservar com bastante antecedência, pois é bastante concorrido. Um vôo de apenas 20 min já é possível chegar em Providência.
      Acabei indo de catamarã. Deve-se chegar com pelo menos 45 min de antecedência do embarque, pois todas as mochilas são vistoriadas pelo policial. A ida foi com bastante marola, muita gente passou mal, ficaram com enjôo. Foram 3 horas de montanha russa no mar. Os catamarãs saem por volta das 8h da manhã e chega às 11h.
      Visitei a Ilha de Santa Ketlina e fiz uma trilha pequena até Morgan´s Head.
      Um dos lugares imperdíveis de Providência é a visitação ao Cayo Cangrejo. É uma pequena ilha excelente para fazer snorkel. Tem várias tartarugas no local. O mar cristalino deixa a vista espetacular.
      Dia 4
      Para quem gosta de ver tubarões os mergulhos em Providência são imperdíveis. Fiz um mergulho num local chamado de confusion. Avistei vários tubarões, apesar de já ter visto em vários outros mergulhos, é sempre emocionante o encontro com eles. A visibilidade estava perfeita, a água estava transparente.
      Depois mergulhei num local chamado Manta city. Tinha alguns peixes coloridos e bastante algas.
      Resolvi alugar uma bike para conhecer a ilha,  já que ela é bastante pequena.
      Alcancei o ponto mais alto da ilha. Tinha uma vista surpreendente.
      Em aproximadamente 2h de pedaladas é possível contornar toda ilha. As bikes não estão em bons estados devido a degradação da maresia. É difícil escolher alguma que preste.
      Dia 5
      No meu último dia nesta ilha de Providencia fiz mais 2 mergulhos. Novamente o encontro com belíssimos tubarões. O guia desta vez matou uns 4 peixes lions para alimentar os tubarões, fiquei com um pouco de dó, pq os peixes lions eram muito bonitos. Tem que tomar cuidado de não alongar muito o “pau de selfie” nas horas das filmagens com a gopro, pois muitas vezes os tubarões mordem porque confundem com os peixes lions.
      Os lugares que mergulhei foram Felipe place e Cantina Santa Ketlina
      Dia 6
      Voltei para San Andres, fiquei passeando pelo comércio.
      Dia 7
      Retorno para SP - Capital
      San Andres agradaria todos os tipos de pessoas, para aqueles mais aventureiros tem os inúmeros mergulhos com os tubarões em Providência. Já para aqueles que querem apenas descansar e desfrutar a natureza, então podem escolher as diversas praias, ou ilhas, hotéis requintados, enfim, um investimento que será bem retribuído ao final de alguns dias.
      Editei as minhas filmagens, para quem quiser estou deixando o link abaixo
       
      https://www.youtube.com/watch?v=leSIxKxCOq4&feature=youtu.be
       
    • Por mcm
      Planejando os feriados de 2018, reservamos os de 4 dias para uma possível volta a Bogotá. Dependeria, claro, de uma boa promoção da Avianca. Que rolou! Justamente para Corpus Christi, a aceitáveis 1,2 KBRL por cabeça. A ideia dessa vez seria explorar mais e melhor Bogotá. Sempre que retornamos a uma cidade, sobretudo a uma cidade com diversos atrativos como Bogotá, a ideia é passear, rever, e conhecer tudo com mais calma do que na 1a vez. Eventualmente com alguma escapada de 1 dia para os arredores, o que acabou nem rolando.
      Voos do Rio para Bogotá partem de manhã cedo pela Avianca e chegam por volta de 12:30. Ao chegarmos no Galeão, vimos que o voo estava atrasado por... 2 horas. Anticlimax total. Pra piorar, no fim das contas atrasou 2,5 horas. Isso acabou meio que matando nossa chegada e os planos de aproveitar alguns lugares que eu havia mapeado para conhecer na tarde da chegada.
      Em nossa viagem à Colômbia em 2012, ficamos hospedados no Ibis em Bogotá, na ida. Um dia antes de voltar, dormimos novamente em Bogotá e ficamos na Plaza Chorro de Quevedo. Dois ótimos lugares, eu diria. Dessa vez optei por ficarmos na Zona Rosa, para curtir as noites por lá. Também foi bacana, aquela área bomba toda noite. Ficamos num hostel, que na verdade me pareceu ser um apartamento que foi transformado. O preço, na faixa de 33 COP por noite, foi o diferencial. Naquela região não é fácil achar preço bom assim.
      Enfim pousamos em Bogotá às 2 da tarde. Até passar pelas longas filas da imigração, aduana, taxi, trânsito pesado, e chegar na Zona Rosa, chegamos no nosso hostel depois das 16:30. Matou a tarde praticamente. Saímos para fazer câmbio e dar um rolê nos arredores, rever a Zona Rosa e tal. E logo escureceu. Katia estava com um pouco de dor de cabeça, que logo se resolveu com uma pausa para recarga.
      Então decidimos dar uma esbanjada na chegada. Um dos planos possíveis para esta viagem era pegar um tour que levasse até o Andre Carne de Res em Chia, o original. Vi que alguns albergues organizam de levar a galera num determinado horário e voltar de madrugada. Deve ser meio que um party bus, ou party van provavelmente. Mas acabamos optando pela solução caseira, que era voltar ao Andre DC da Zona Rosa mesmo. E ficamos um longo tempo por lá bebendo, jantando e curtindo o lugar. Muito bom. Ainda esticamos para conhecer um lugar de cervas na área, mas que tinha poucas opções. Fomos então dormir.
      Na sexta-feira saímos de manhã para caminhar. Não era forca, nem quinta-feira tinha sido feriado na Colômbia (seria feriado na 2ª feira seguinte), era um dia normal de trabalho. Havia um café badalado na nossa esquina, mas tinha fila naquela hora da manhã. Fomos andando então até o Parque de La 93, curtindo as quadras daquele bairro/região abastado da cidade. O padrão de prédios de tijolinhos se espalha por toda a cidade. Demos uma pausa num Juan Valdez, aproveitamos o wifi (ainda não usamos chip em viagem internacional!) e chamamos um uber para a Candelária.
      Estava meio chuvoso naquela manhã (Bogotá é cidade de tempo instável). Minha ideia era fazer um tour chamado War and Peace tour, que eu havia pesquisado antes. Ponto de saída era o mesmo do Free Walking tour, em frente ao Museu do Ouro. Gosto muito desses Free Walking tours, os guias são sempre muito bons e vc paga o que achar que deve – embora agora felizmente tenha um valor sugerido (no caso de Bogotá, eles sugerem algo na faixa de 10 USD ~ 30 COP). Mas, com uma classe ímpar, em nenhum desses free walking tours que fiz pelo mundo eu vi o guia conferindo o quanto estava ganhando. Amem.
      Chegamos um pouco mais cedo, ficamos rodando e revendo um pouco a área, e lá fomos às 10hs para a frente do Museu do Ouro. Basta procurar os guarda chuvas vermelhos. Havia lá os dois tours, fomos no Free War and Peace tour. Que era em inglês, e com público bem mais restrito. O foco do tour é reviver esse aspecto mais recente da história colombiana, com sucessivos conflitos armados, narcotráfico, guerrilha, paramilitares, acordos de paz. Acho que a Colômbia (Medellin sobretudo, mas Bogotá também) é exemplo mundial de recuperação de imagem após criar e cultivar uma péssima fama mundial. O tour foi ótimo, recriando a origem do conflito, os seus vários capítulos e a discórdia recente quanto ao acordo de paz com a guerrilha. Ao longo do tour, vamos passando por determinados pontos da cidade que se ligam com a história que vem sendo contada. Para quem tem interesse na história colombiana, especificamente nesse capítulo conflitivo, achei excelente e recomendo. Durou cerca de 3 horas, com direito a uma pausa para café.
      Para tornar ainda mais interessante, na semana anterior teve o primeiro turno das eleições presidenciais da Colômbia. Foram para o 2º turno dois candidatos claramente identificados como direita x esquerda, Duque x Petro (Duque venceria semanas depois – no dia do Brasil x Suíça na Copa). Achei bacana que o guia não se furtou a dar a opinião dele quando perguntado.
      Nossa ideia era emendar com o Graffitti tour, que sairia às 14hs da Plaza de los Periodistas. Tínhamos uma hora de folga. Mas... fomos dar uma pausa num Bogotá Beer Company, e aí essa hora se estendeu. Mas por vontade própria. A Colômbia fazia seu último amistoso antes da Copa (empatou com o Egito num jogo bem chinfrim), ficamos curtindo o jogo, com cervas, com a galera local.
      Depois da cerva, fomos rodar pelo centro histórico. Tinha um centro cultural mapeado, Estacion Odeon, mas nos pareceu meio estranho. Parecia não ter exposição alguma, sei lá. Seguimos adiante. Aproveitamos para rever a Plaza Chorro de Quevedo, local histórico de efervescência cultural, grafites sensacionais, e também da nossa última hospedagem no país, 6 anos antes. Nosso albergue estava lá, mas o lugar parecia ter muito mais vida agora. Aproveitamos para curtir um canelazo na área.
      Das igrejas mapeadas para conhecermos, acabou ficando muito tarde, caiu a noite e já estavam fechadas. Fomos então conferir o tal queijo com chocolate do La Puerta Falsa (achei grande coisa não), e aproveitamos para rever o Museu Botero, pouco antes de fechar. Acho Botero muito bacana. Pegamos o uber de volta, jantamos num food park da Zona Rosa. Ainda rodamos pela área antes de voltarmos para dormir.
        Sábado amanheceu com sol. Então decidimos não desperdiçar a chance e fomos para Montserrat. Dessa vez de funicular pra subir e descer (da outra descemos pela trilha). 10 COP cada trecho. Talvez seja a idade, talvez seja a idade e também a relativa altitude, mas a verdade é que nos achamos mais cansados lá em cima. Andamos para todos os lados, curtimos o visual do alto (dessa vez mais aberto que anos atrás), aproveitamos para tomar um café e uma arepa. Enfim, curtimos. E logo descemos, de funicular de novo. Novamente passamos na Quinta Bolivar, que da outra vez estava fechado. Agora aberto. É interessante, uma visita rápida. Depois duma breve pausa no Juan Valdez, fomos curtir a Cnadelaria novamente. Dessa vez não havia a mega feira que rolava no dia anterior na Plaza Bolivar. Já tinham desmontado tudo. Outro visual. Tentamos conhecer a espetacular igreja gótica de Nossa Senhora de Carmen, mas estava fechada. Descobri que as igrejas fecham ao meio-dia nos sábados.
      Fomos então para o Graffitti Tour, das 14hs. Maior galera para esse tour. Dezenas de pessoas, contei umas 70. Guia com amplificador de voz. Tour em inglês. Ele vai contando a história do grafite local, a interação com La Candelaria, mostra algumas áreas pesadamente grafitadas, técnicas de grafite, modos, artistas, etc. Muito bacana, muito interessante. Não se iluda: você não vai ver todos os grafite, e nem necessariamente os melhores. É apenas um apanhado – até porque os grafites eventualmente são apagados. Durou um pouco mais de 2hs.
      Encerramos e voltamos para a Zona Rosa ainda de dia. Ficamos de bobs por lá, pausamos na BBC para cervas e peoplewatching. Jantamos num restaurante local de comida colombiana, onde finalmente pude comer novamente a bandeja paisa, o prato pesadão que eu tanto havia gostado da outra vez. Nesse dia voltamos mais cedo, e a chuva bateu forte de noite.
       
      Domingo. Nesse dia teve café no hostel. Tomamos e saímos. Fomos andando até o Parque Chicó. O parque estava aberto, mas o museu só abriria às 10hs, dali a meia hora. Ficamos curtindo o lugar, e fomos conferir o museu às 10. Nada, o responsável ainda não havia chegado. Então partimos para a Candelária. Ideia era conhecer finalmente O Santuário de Nossa Senhora de Carmen.
      Chegando lá, estava rolando missa. Fico bem constrangido de turistar em igreja no meio de missa. Então fomos na de Santo Agostinho, ali perto. Também rolava missa. Ambas belíssimas por dentro, mas especialmente e de Carnen. Curtimos e voltamos para Carnen. E então a missa tinha acabado e ficamos curtindo toda aquela maravilha daquele interior. Dos mais belos que vi por lá.
      Fomos então caminhando pela Carrera 7, que fica fechada aos domingos. Somente pedestres e ciclistas. O problema é que em algumas áreas estavam rolando obras de reforma, o que restringia muito o espaço. Resultado era que estava difícil de andar. Ainda entramos em outras igrejas mapeadas pelo caminho, geralmente bem bonitas também. Fomos em direção ao Mambo.
      Mas... o Mambo estava sem exposições. Em meio a uma troca de eventos, sem qualquer atração. Paciência. Parque Independência era o destino ao lado. E começou a chover. A Plaza de Toros estava fechada para visitas. Fomos buscar abrigo da chuva no Museu Nacional, então. Lembro que tinha gostado bastante de lá, mas dessa vez acho que buscava mais sobre a história recente de Colômbia – e o museu não chega tão perto dessa época. O bom de domingo é que é grátis.
      Ainda chovia quando saímos, então fomos almoçar em La Macarena, uma região gastronômica ali perto. É a mesma região do Ibis, onde ficamos da primeira vez. Simpatizamos com um lugar de hambúrguer, e lá fomos. Com cervas artesanais que não conhecíamos, que bom.
      De lá ainda fomos no Parque Nacional. A lembrança que tínhamos era de quando passamos por ele de noite voltando da Zona Rosa e estava todo iluminado de azul que, sob chuva, dava um belíssimo efeito. O parque é bem grande. Caminhamos por ele e retornamos. Uber de volta para a Zona Rosa.
      Ficamos novamente de bobs na Zona Rosa, novamente BBC para saideiras, e logo embicamos de volta. Chamei um Easy taxi para o aeroporto. Nas simulações dava que sairia mais em conta que uber. De fato, deu 23, quando o uber dava na faixa de 25.
      Curtimos a sala vip da Avianca local e embarcamos novamente já com muito atraso. Nosso assento era no fundo do avião. Embarquei e dormi. Daqui a pouco acordo com o comandante avisando que o voo estava cancelado. PQP. Meio da madrugada. Fomos para um hotel, voo sairia no dia seguinte. Aí tem aquela coisa de sempre, pessoas revoltadas, alguns gritando, alguns tentando provocar revolta, outros tentando embarcar na revolta, etc. Mas eram somente um ou dois.
      Fomos para o hotel, dormimos poucas horas, e logo voltamos para o aeroporto. Voo partiria às 8 da manhã. Eu perderia o dia de trabalho. Ainda recebemos um bônus pelo atraso, um voucher para ser usado em voos internacionais da Avianca dentro de 1 ano. Chegamos ao Rio no meio da tarde de segunda-feira.
      Uber Zona Rosa – Candelária ficava na faixa de 10-15 COP por trecho. Numa das vezes, sexta de noite, bateu nos 20 COP. Considerando a má fama dos taxistas de Bogotá (idem à dos taxistas do Rio de Janeiro), é uma opção mais segura. Não somente e necessariamente o uber, mas qualquer aplicativo. Por exemplo, usei o Easy para o aeroporto (por alguma razão o uber para o aeroporto sai mais caro que taxi).
       


×