Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

ipamscf

JOÃO PESSOA - LUCENA / PB

Posts Recomendados

 Bom Dia Pessoal,

Hoje vim falar, bem rapidamente, sobre como chegar em Lucena na Paraíba através de transporte público;

Ônibus via Cabedelo:

1. Chegando na rodoviária de João Pessoa - Terminal Rodoviário Severino Camelo sai da mesma e, chegando na avenida, vira a direita no sentido do Mercado Público e sobe a ladeira até a última parada de ônibus onde espera pelo ônibus nº 5101 que segue até Cabedelo; Os horários de partida são possíveis de ver pelo aplicativo Moovit - mas recomendo levar em conta sempre uns 5 minutos pra antes e pra depois - ;

2. Pegando o ônibus, passando do Fórum de Cabedelo - PB que se encontra do lado esquerdo da pista de quem vai, pede parada e desce do ônibus, atravessa a pista e entra na rua logo em frente, seguindo reto até o final da mesma e no fim dobrando a esquerda até chegar na balsa (ou pode pedir ao motorista pra avisar quando tiver perto da Balsa);

3. Chegando na balsa é só comprar a passagem e embarcar e, do outro lado, tem opção de ônibus de lotação ou ainda moto-taxi que leva até o local de hospedagem.

Trem via Cabedelo:

1. Chegando na rodoviária de João Pessoa - Terminal Rodoviário Severino Camelo, sai da mesma e segue pela esquerda, margeando a rodoviária e entra na primeira rua a esquerda, seguindo reto até a rodovia, ao chegar na rodovia dirige-se pela direita até ver um prédio azul, que é a estação de trem;

2. Pegando o trem até Cabedelo, segue com o mesmo até o ponto final;

3. Descendo em Cabedelo é só seguir pela esquerda que vai chegar na balsa;

Ônibus Lucena-JoãoPessoa-Lucena

1. A opção mais demorada e mais cara, pois custa uns R$10,00 (2019) e ônibus sai da mesma rua onde sai o onibus para Cabedelo porém segue por terra, indo até santa rita e de lá para Lucena diretamente.

 

=D

Compartilhar este post


Link para o post

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora
  • Conteúdo Similar

    • Por ipamscf
      PRIMEIRAMENTE: Cadê o subtópico de Paraíba?
       
       
       
      OLÁ OLÁ OLÁ! Desta vez fiz um bate e volta diferente, fui com duas amigas para a cidade de Bananeiras - PB, no brejo de altitude paraibano para curtir - e conhecer- seu São João Pé de Serra conhecido principalmente pelo frio, estrutura organizada e ambiente familiar. Vamo lá?  
      ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ Partindo da cidade de Guarabira - PB há a opção de pegar ônibus que segue direto para a cidade de Bananeiras, linha fornecida pela empresa Rio Tinto que sai desde a cidade de João Pessoa então há a possibilidade de fazer este mesmo trajeto de ônibus saindo da capital - e pagando meia passagem -, no entanto, fomos de carro por ser mais cômodo para nós.  
      Seguindo pela PB-073 sentido norte e, depois da rotatória de Belém - PB pegando a rodovia PB-105 depois de uns bons 15 minutos, chega-se na cidade de bananeiras; embora mal iluminada, a estrada costuma estar em boas condições de tráfego mas, por sua geografia caracterizada por curvas fechadas e sempre subindo a serra, os 34 km que separam as duas cidades (Gba e Bananeiras) acabam sendo feitos em maior tempo. Nós três, indo a cerca de 60Km/h chegamos lá em 40 minutos. Por este motivo, indico viajar na maior quantidade de luz natural possível.  
      Quando já se está mais próximo da cidade já é possível ver imensas plantações de bananeiras (achei meio óbvio rsrsrs) que permeiam toda a pista fazendo, de dia, uma linda paisagem e, de noite, trazendo um pouco de receio.  
       
       
       
      Chegando na cidade não é difícil se locomover dentro dela, por ser pequenina tudo gira em torno do centro da cidade e, nas épocas juninas, de onde está localizado o pavilhão principal da festa. Como chegamos cedo - cerca de 18:40h - conseguimos um bom estacionamento, numa grande praça que há paralela à área de festejos. Nesta hora já estava fazendo bons 22º o que, para uma pessoa nascida e crescida em Hellcife, já é glacial portanto, para quem também sente frio “fácil” não dispense o casaco a bota e - dependendo né - o gorro. Seguimos andando por uma pequena rua que daria na entrada do pólo estava bem movimentada ainda e havia uns rapazes controlando o tráfego na área, nesta rua encontramos o local onde comemos que estava oferecendo lanches com um preço bom e parecia estar em ordem. O atendimento muito bom e a comida muito gostosa, tirei fotos até mesmo para “marcar” - não que seja difícil encontrar rsrs - o local pois valeu a pena comer lá.
       
       

      De lá seguimos para a pracinha que fica na parte central da cidade, quem continua subindo a serra para as cidades de Solânea e Arara, inevitavelmente, passa por ela. Muito bem enfeitada e fofinha a praça tem um clima agradável e bons banquinhos para aproveitar o frio da cidade e jogar conversa fora.  
       
      Não sei se rotineiramente mas, na época junina, esta praça fica toda enfeitada e cheia de retratações que dão fotos bem bonitas e engraçadas, até. Ficamos lá um bom tempo até, mais ou menos, a hora que começaram a chegar mais pessoas e seguimos para próximo do pólo principal.  
       
       
       
      Já no polo principal existe a área de alimentação e a área dos palcos.  
      Perto do polo há ainda uma igreja que fica no topo de um morro - subida chata viu - que de lá dá para ter uma bela vista da cidade e ainda do polo de atrações. Ainda, no topo desse morro, há uma ilha de forró pé de serra daquelas que se encontram nos sítios e fazendas, ambiente bem aconchegante para dançar um forró a dois e, neste mesmo topo, é onde ficam os - achei bem poucos - dois banheiros químicos femininos e outros dois masculinos que ficaram separados por umas barras de metal - achei muito sensível da parte dos organizadores em separar.  
       
       
      Também na rua principal, mas fora da área cercada, estão estacionados vários food trucks a preços ok. Vimos, pelo menos, dois food trucks de hambúrguer e um de comida mexicana, para se ter noção, lembro-me de um burrito de frango e outros acompanhamentos que custava R$15,00 - lembrando que, quando coloco preços aqui é para se ter uma noção pois estes podem variar -  
       
       
       
      Bananeiras é uma cidade considerada cara uma vez que é voltada para o turismo e para importação de bananas portanto, se para lá for, procure fugir das áreas principais para alimentação pois tendem a ser mais caras. As pousadas e hoteis há dois sites que encontrei informações a cerca e, as diárias variam - no período entre junho e julho - de R$150,00 até R$260,00. Por isso, como sempre digo, vale a pesquisa e o planejamento.
      No mais, é uma cidade muito charmosa, bem pequenina e fácil de se localizar fiquei verdadeiramente encantada por ela, com certeza vale a visita, especialmente nos meses de inverno - entre maio e agosto - que as temperaturas são mais amenas de dia e de noite o frio é bem diferente do que costumamos achar no nordeste.  
       
      ___________________________________________________________________________  
      Links úteis  
       
      Turismo Bananeiras: https://www.bananeiras.pb.gov.br/casa-do-turista/  
      Hospedagens: https://www.bananeiras.pb.gov.br/hospedagem/
      Guias da cidade:
      http://www.ferias.tur.br/cidade/4870/bananeiras-pb.html https://www.tripadvisor.com.br/Tourism-g2352095-Bananeiras_State_of_Paraiba-Vacations.html
      São João Bananeiras e cidades 2017:
      http://www.bananeirasonline.com.br/noticias/eventos/bananeiras-borborema-e-solanea-divulgam-programacao-completa-do-sao-joao-2017.html  
      Viação Rio Tinto: Terminal Rodoviário - R. Francisco Londres, s/n - Varadouro, João Pessoa - PB Telefone: (83) 3221-2262
    • Por ipamscf
      PRIMEIRAMENTE: Cadê o subtópico nos relatos de viagem da Paraíba?!
      SEGUNDAMENTE: Este é um post longo e os links para valores e compras estarão no final do post.
      OLÁ OLÁ OLÁ
      Essa viagem eu faço sempre, portanto, não tem data específica. O que pode alterar é o preço das passagens que, ao final como sempre, deixo os links e os meios de contato das atrações bem como o máximo de informação que consiga.
      -----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
      1- O ÔNIBUS O meio mais barato de chegar em Campina Grande - PB vai depender de dois fatores: 1- ser estudante; 2- ter tempo e disposição; primeiro vamos começar pelo modo mais barato.
      Primeiro, de onde você estiver, procure saber como faz para chegar no Auto Posto Santo Expedito que fica na Iputinga (para quem é de Recife é ali perto do Detran, para quem não for, é só perguntar onde fica o Detran, o caminho é por ali). Quem vai de ônibus eu indicaria pegar o metrô e seguir até a estação Barro e, de lá, pegar o ônibus que faz a linha Barro-Macaxeira-BR 101 e, depois que ele descer o viaduto da Caxangá, descer na primeira parada, logo mais a frente estará o Posto.

       
      Há ainda a opção mais “segura” (infelizmente Recife está bem perigoso, portanto, qualquer opção que não seja carro se torna insegura) que é, saindo da Av. Recife, pegar o ônibus CDU-CAXANGÁ-BOA VIAGEM (atualização: hoje tem outro nome, aqui a gente usa ônibus pelo nome, mas o número permanece o mesmo) Nº 440 e descer no Viaduto da Caxangá, é assim que ele passa debaixo de um viaduto e faz uma curva como se fosse voltar pelo caminho que veio, depois que desce é ir andando até o Auto Posto.

            Depois que chegou no Posto é a hora de comprar a passagem; Há duas empresas que fazem o trajeto para a Paraíba, a Progresso e a Viação Total; a Progresso tem passagens para várias partes da Paraíba ao passo que a Total só faz o trajeto Recife-João Pessoa-Recife.
      Para esta primeira opção o caminho a ser feito é indo por João Pessoa; Os ônibus da Total tem os que são convencionais, ou seja, o preço da passagem é menor que em outros horários, portanto essa é uma boa hora para começar a viagem.


      Uma vez comprada a passagem para João Pessoa é só seguir viagem até chegar na rodoviária de Jampa. Quando desembarcar em jampa, por dentro da rodoviária mesmo, tem de seguir para o lado dos embarques municipais, que fica no outro extremo de onde acontece o desembarque.

      Chegando ao outro extremo é só subir a rampa e, logo do lado esquerdo, estará o guichê da Empresa Real Bus que é a responsável por fazer o trajeto João Pessoa - Campina Grande mais rapidamente, aqui que acontece o “barateio” da viagem pois, dentro da Paraíba, estudante paga meia passagem, ou seja, a passagem sai pela metade do preço!  
       
      Depois que comprar a passagem (sai ônibus de hora em hora para Campina) é só esperar ou na rodoviária mesmo ou ainda na área VIP da Real Bus (o nome é esse mesmo) até que chegue o ônibus e possa embarcar. O ônibus segue estrada pela BR 230, também conhecida por “tapete” por que peeeense numa estrada boa!
      Chegando em Campina Grande ao descer na rodoviária começa a linha de escolhas a depender de onde estará hospedado e etc.
       
      2- A CHEGADA Para quem vai para algum hotel e está com pouca mala a opção mais em conta que pode encontrar é o moto-taxi, para qualquer lugar da cidade - antes de começar a corrida pergunte o preço e, só depois que ele disser, diga para onde vai assim a chance de ser enganado diminui e, se for em época de alta estação como o São João, tenha em mente que os preços tendem a aumentar.
      Se está com muita mala há as opções de táxis e, para aqueles mais desbravados, há ainda os ônibus que são identificados pelos seus números. Sempre há um fiscal das companhias de ônibus então vale perguntar a eles como seguir para seu destino. Aqui vale a a máxima do mochileiro: baixe o maps offline ou salve o trajeto quando tiver internet. Em Campina Grande há informações no maps sobre transporte público.
       
       
      3- HOSPEDAGEM Como minha mãe mora na cidade eu não preciso ficar hospedada em hotel mas, pelo pouco que sei, existem algumas opções em Campina aqui cabe um pouco de bom senso na hora de escolher pesquisando as referências do hotel em sites e páginas de viajantes.
      No entanto, se forem escolher, escolham os que estiverem mais próximos do Parque do Povo, o local onde acontecem todos os shows e toda a festa junina se concentra nela.
       
      4- PONTOS TURÍSTICOS Certamente que a vontade é de conhecer todas estas atrações num mesmo dia mas, vos asseguro, não há condições de conhecer tudo num dia só, portanto reserve um fim de semana inteiro para conhecer tais atrações. Ao final deixarei minha sugestão de roteiro para o que fazer e o que visitar em cada dia mas, por hora, vamos conhecer mais os locais que acho interessantes de conhecer.
       
      Museu Três Pandeiros

      Sem sombra de dúvida há lugares que são indispensáveis para quem busca conhecer Campina Grande, dentre eles posso citar o Museu de Arte Popular da Paraíba - ou Museu dos Três Pandeiros que conta com a assinatura de Oscar Niemeyer e reúne trabalhos dos muitos artistas da Paraíba.

        Endereço: R. Dr. Severino Cruz - Centro, Campina Grande - PB, 58400-258 Horário: 09:00–19:00 Telefone: (83) 3310-9738 Entrada Franca   Açude Velho Ainda pelo caminho do Museu, está o cartão postal da cidade, o Açude Velho que ao redor dele encontram-se boa parte dos restaurantes, casas de show, academias e atrações mais chamativas de público.
       
      Bar do Cuscuz Ao seu redor podemos encontrar outro ponto turístico conhecidíssimo da cidade que é o Bar do Cuscuz, que oferece um belo ambiente além de música ao vivo e uma comida regional de sabor e preço muito acessível, claramente o Cuscuz é o carro chefe da casa mas eu, particularmente, prefiro carne de sol na nata com acompanhamento que é uma delícia e alimenta 3 pessoas que comem mediano tranquilamente custava R$ 42,00 na época em que fui, a dias em que há promoção de comida ou bebida, vale a pena perguntar ao garçon sobre tal possibilidade.
      Endereço: R. Dr. Severino Cruz, 771 - Centro, Campina Grande - PB, 58045-010 Telefone: (83) 3322-4232 Horário: 11:00–02:00 Entrada Franca  
        Espaço Zabumba
      Afora o Bar do Cuscuz no entorno do Açude também conta com a badalada casa de shows Espaço Zabumba onde, acontecem muitas apresentações de artistas famosos como Alcione, por exemplo.
      Endereço: R. Dr. Severino Cruz,S.N - Centro, Campina Grande - PB, 58045-010 Telefone: (83) 98837.3780 Horário: 20:00 - 03:00 Entrada a depender da atração  
      Parque da Criança
      Esta região ainda conta com o Parque da Criança onde, frequentemente, há atrações e atividades voltadas para o público infantil bem como ao público jovem também que, inclusive, é o que mais frequenta. Aqui vale o aviso de que, embora um local público e aparentemente bem protegido, acontecem constantes furtos tanto dentro quanto em seu entorno então, se forem conhecer, não esqueçam que atenção deve ser dobrada principalmente por estar em local desconhecido.
      Endereço: Av. Dr. Elpídio de Almeida, 215 - Catolé, Campina Grande - PB, 58410-215 Horário: 04:00–11:00, 13:00–20:30 Telefone: (83) 3337-4122 Entrada Franca
        Estação velha
      Saindo do Açude Velho, a poucos minutos a pé, está a Estação Velha que possui um acervo sobre a história do algodão e como ele emoldurou a economia local por muito tempo permitindo, inclusive, a construção de uma ferrovia comercial bastante movimentada na sua época áurea. Não paga para entrar, no entanto, incentiva-se uma ajuda para os guias que ali trabalham como voluntários, e lutam pela preservação do local e da história da cidade.
      Endereço: R. Benjamin Constant - Centro, Campina Grande - PB, 58410-012 Telefone: (83) 3341-0603 Horários: Entrada Franca mas conta com contribuição dos visitantes para os guias voluntários
       
        Parque do Povo
      Também a pouquíssimos minutos a pé do Açude Velho está o Parque do Povo, centro das festividades juninas na cidade onde, na época festiva, se enfeita e é cercado a fim de trazer mais segurança e estrutura para os turistas e cidadãos que vem a curtir as celebrações.
      Endereço: R. Sebastião Donato, S/N - Centro, Campina Grande - PB, 58400-355 Horário: 24 horas Entrada Franca  
       
      Dentro, e ao redor do Parque, instala-se uma bela estrutura que atende a todos os gostos, na parte mais baixa (pode ser na alta também, depende do humor de quem organiza a festa --” ) estão os restaurantes badalados da cidade que montam suas áreas ali. Ainda há a área de “cidade velha” que também tem uns mini restaurantes e conta com um coreto e com a “estação de rádio” do Parque. Por toda a extensão do Parque, até antes da Pirâmide é possível encontrar quiosques que tocam, principalmente, forró bem pé-de-serra.
       
         
      Na parte central do parque está a icônica Pirâmide onde ocorrem as apresentações de quadrilhas juninas e também shows de forró predominantemente pé de serra.

        Subindo as escadarias, logo a esquerda, está a cenográfica Vila Nova da Rainha e, mais a frente, encontra-se o pátio de shows com, ao fundo, o grande palco nominado Poeta Ronaldo Cunha Lima que acontecem os grandes concertos no Parque.
       
        Sítio São João Segundo descrição do site sobre o são joão de Campina Grande : ”São espaços como capela com imagens dos santos juninos, engenho, casa de farinha, roçado de milho, casa de taipa, bodega, tipografia e difusora. Os locais ficam repletos de artigos reais que ornamentavam os espaços.”
      O sítio funciona basicamente pelo dia é, portanto, junto à Galante, a atração diurna que atrai aqueles que ainda não podem ou não gostam de ir ao Parque do Povo.
      Endereço: Avenida Cônsul Joseph Noujaim Habib, s/n - Catolé, Campina Grande - PB, 58410-603
      Telefone: (83) 99188-7758 Horário: 11:00–22:00 Entrada entre R$2,00 e R$5,00 por pessoa, há promoção para mulheres até certa hora
        Vila do Artesão
      Por último, mas não menos importante, temos a Vila do Artesão - meu lugar predileto dentro de Campina Grande no São João - , um mercado aberto ao público também próximo ao Açude Velho que conta com lojas de artesanatos dos artistas locais menos conhecidos mas não menos talentosos da cidade de Campina Grande.
      Endereço: Avenida Almeida Barreto, s/n - São José, Campina Grande - PB, 58400-328 Horário: 10:00–18:00 Telefone: (83) 3322-2425 Entrada Franca
      No centro do mercado há uma praça de alimentação que, nos fins de semana mesmo fora da época festiva, é bem animado pois sempre tem um trio forrozeiro animando as pessoas que ali vão tomar uma bebidinha ou apenas almoçar. Há restaurantes self service sem balança com duas opções de carne por R$ 10,00


      Fazenda Santana
      Um restaurante fazenda que fica nas imediações do distrito de Galante que possui uma vasta área para atividades de turismo rural como passeio de charrete, cuidado com os bichos, redes para deitar-se após o almoço, vários lugares bonitos para tirar fotos, além de uma piscina muito convidativa e do som de um trio pé de serra para animar o almoço. Os preços são bastante acessíveis e a comida bem servida. Para chegar lá o transporte mais recomendado é mesmo o carro já que o acesso é um pouco difícil e possui um longo estacionamento.
      Endereço: Rodovia PB-100, s/n - Zona Rural, Campina Grande - PB Telefone: (83) 3317-1102 Horário: 12:00 - 15:00 Entrada Franca Cobra 10%,Couvert Artístico e não aceita cartões.  
         
      Galante
      A 18 km de Campina Grande encontra-se o distrito de Galante, uma cidade mínima porém muito procurada na época junina. Embora muito pequena é um distrito conhecido pois é nele que desembarca o famoso Trem do Forró (que, a propósito, eu particularmente não indico pois não é muito confortável para o preço que cobram, mas para quem gosta, vá a fundo) e possui muitos festejos durante o dia. Há quem diga que, enquanto a noite não chega para ir ao Parque do Povo, vai-se à Galante para curtir o dia assim como ao Sítio São João.

       
         
      5- ROTEIRO
      Como eu disse antes não creio ser possível (sempre há quem consiga, pois bem) fazer todos esses pontos num dia só, para tanto separei um roteiro de dia a dia dos pontos principais, entre os quais falei, que funciona especialmente para aqueles que tem coragem de andar rsrsrs. Dia 1: Galante - PB

      Embora não seja dentro da cidade de Campina Grande o distrito de Galante tem uma vida diurna muito convidativa para aqueles que buscam um verdadeiro pé de serra, rala bucho e muito espetinho e bebida.
      Para chegar em Galante há, pelo menos, 3 maneira de chegar: indo pela BR 230 até a entrada de galante; indo por dentro de Campina Grande, seguindo pelo trajeto que se faz para chegar à Fazenda Santana e, o que eu mais indico, indo de ônibus que o pega na antiga estação rodoviária de Campina, que fica bem no centro (usando o google maps mostra todas as informações).
      Quando se chega em Galante a primeira impressão é de cidade agitada (se for no São João) em cada esquina há um palhoção (não sei como chama na rua região mas aqui no NE é basicamente uma tenda enorme que fica um trio pé de serra animando o pessoal que se reúne la embaixo pra dançar e beber e curtir) e nestes palhoções sempre um bar e espetinhos na frente para animar e alimentar os ‘’juninos’’
      Indico, aqui, procurar os self services sem balança para os que precisam almoçar, há opções de barzinhos que oferecem estes serviços, restaurantes propriamente ditos são pouquíssimos, assim, os lanches estão por toda a parte e a preços bem camaradas, mesmo em época festiva. Há tapiocas, Crepes no palito, espetinhos, milho cozido e assado, salgados de todos os tipos.
      Em Galante é possível passar o dia inteiro e, se ainda houver pique, ir de noite para o Parque do Povo, se não, dá para descansar para no outro dia seguir para a programação a seguir.
       
      Dia 2: Estação Velha , Museu Três Pandeiros, Parque da Criança e Sítio São João

      Depois de chegar em Campina e se instalar na sua hospedagem (se quiserem dicas de hospedagens eu posso procurar e enviar para vocês, é só me mandar uma mensagem através da caixa ao lado direito no blog) é só pegar algum moto taxi, ou taxi, ou ônibus que deixe-os no Museu do Algodão, também conhecido como Estação Velha.
      Chegando na Estação velha façam o passeio guiado, não custa muito caro - depende do quanto de gorjeta você dará - e ajuda muito a entender todo o aparato que tem dentro do museu. Ainda dentro da Estação sigam para a parte de fora que tem uma réplica de um trem que era usado na época de expansão do comércio lá é possível subir no trem e tirar algumas fotos para ficar de recordação.
      Saindo da Estação, seguindo na direção da STTP logo a frente verá o Açude Velho. Indo pelo lado esquerdo verá o imponente Museu Três Pandeiros onde pode apreciar as obras de arte dos artesãos paraibanos ou comprar se assim desejar, depois de sair do museu é só seguir direto até, depois que der a volta no açude, verá um terreno gradeado com várias portas e etc, lá está o Parque da Criança; dificilmente as portas que dão para a lateral se encontram abertas, portanto, seguindo por esse caminho já sairá na área de entrada principal.
      Saindo do Parque da Criança ainda há a opção de esticar para o Sítio São João, trajeto que deve ser feito de carro devido a distância, lá funciona por uma boa parte do dia então, depois do almoço no parque da criança, se seguir para o Sítio ainda dá para forrozar muito por lá. As comidas não são tão baratas mas as bebidas compensam.
      Dia 3: Fazenda Santana e Parque do Povo

      Esse passeio é para aqueles dispostos a pegar estrada e ainda a curtir de manhã até de noite, literalmente. Seguindo pelo caminho numero 2 para galante é mais fácil de chegar na Fazenda Santana onde, assim que chega, já lida com uma bela paisagem bucólica e bem “fazendesca”.
      O amplo e fácil estacionamento permite a ida de carro sem maiores problemas, há trajeto de ônibus - salvo engano - mas eu mesma nunca fiz, portanto, não posso afirmar nem desafirmar nada.
      Dentre as várias atividades a que eu mais gostei foi ficar deitada na rede - hahaha - depois do maravilhoso almoço com uma bela paisagem e uma música pé de serra muito gostosa. O almoço é bem servido e o local muito charmoso e refrescante, no dia em que fui estava meio frio daí não entrei na piscina mas, quem já foi, disse que é bom.
      Dá para passar o dia lá, desfrutando da mesa de sinuca, das redes, do passeio de charrete, dos passeios a cavalo, da casa rústica de fazenda toda decorada como eram as fazendas nos tempos de outrora, do contato com os bichinhos da parte de criação e um espaço amplo para as crianças com brinquedos. Não sei se paga para curtir isso tudo pois, quando fui, como eu havia comido lá não sei se por isso não cobraram nada, mas comam lá, a comida vale muito a pena.
      Saindo da Fazenda Santana, pelo mesmo caminho que veio para voltar à cidade de Campina, é possível seguir para o Parque do Povo (passar no hotel e, se quiser, deixar o carro e pegar um táxi é uma opção vantajosa também) se tiver muito pique.
      Chegando no Parque do Povo eu, particularmente, prefiro ficar na área baixa (depende do ano e do humor dos organizadores) que é onde se encontra o coreto, a cidade montada e os bares gostosos com as ilhas de pé de serra, há na “rua de trás” umas lanchonetes e bares que os preços são mais em conta, daí vale a pena a passada por lá para comer e voltar para a parte central para ouvir o forró e ficar mais a confortável a vontade.
      Para quem gosta de mais agito, há a Pirâmide com forrós mais atuais e o próprio palco principal em si.
       
      Dia 4: Vila do Artesão e a volta
      No dia de volta, se ainda der tempo, sugiro passar ainda na Vila do Artesão, seja para almoçar a um preço barato e comida caseira, seja para ouvir mais um pouco do gostoso forró pé de serra ou, ainda, seja para comprar um souvenir para aqueles que não puderam desfrutar dessa cidade tão gostosa.

      Como fica próximo do Açude Velho, para quem tem coragem e pouca mala sugiro andar até próximo do Museu do Algodão (Estação Velha) e pegar um ônibus (245 A ou B) que leva até a rodoviária para lá pegar seu ônibus, para quem não, vale pedir um táxi usando um dos aplicativos como 99taxis e easy taxi; sugestão: COMPRAR PASSAGEM COM ANTECEDÊNCIA pois na época de São João, principalmente, é mais propenso aos ônibus estarem todos cheios, especialmente os convencionais que são mais baratos nos ônibus da Progresso (que seguem caminho direto para Recife por um preço mais caro do que se for por Jampa) e mesmo nos ônibus da Real Bus para o pessoal que escolher voltar por João Pessoa novamente. Acesse o caminho para usar no gps aqui ou abra direto aqui abaixo .
       
      Links úteis
      CittaMobi: www.cittamobi.com.br/

      Viação Progresso: https://www.progressoonline.com.br/

      Viação Total: http://www.viajetotal.com.br/  
      Real Bus:https://www.realbus.com.br/

      Rodoviária Nova Campina Grande:

      Museu Três Pandeiros:

      Bar do Cuscuz:https://www.instagram.com/bardocuscuzcg/?hl=pt-br https://www.ifood.com.br/delivery/campina-grande-pb/bar-do-cuscuz-centro/7371341d-d145-4606-b16e-6ee2fffd29f7
      Espaço Zabumba (hoje Espaço Criativo):

      Museu do Algodão:https://www.tripadvisor.com.br/Attraction_Review-g793400-d4376101-Reviews-Cotton_Museum-Campina_Grande_State_of_Paraiba.html

      Sítio São Joãohttps://saojoaodecampina.com.br/sitiosaojoao/

      Vila do Artesão:https://saojoaodecampina.com.br/viladoartesao/

      Fazenda Santana:https://pt-br.facebook.com/pages/Fazenda-Santana-Galante-PB/170854629713953 https://www.instagram.com/fazenda_santana/?hl=pt-br
    • Por leticia&MV
      Continuando meus relatos de viagem, em DEZEMBRO 2014 fui com meu marido e minha irmã para Paraíba e Rio Grande do Norte.
      Uma viagem incrível. A Paraíba tem uma comida barata e deliciosa, peixes super frescos. Fiquei no Hotel Nord Imperial na orla da Praia de Tambaú.
      O hotel nos disponibilizou um taxista por um valor muito bom, para nos buscar no aeroporto. Foi bem pontual.
      A surpresa é o sol a "pino" às 04:00h da manhã, uma delícia para quem gosta de acordar cedo e ama o sol. 
      O primeiro dia chegamos de madrugada e nos surpreendemos com a alvorada, coisa linda o sol nos recepcionando na praia de Tambaú.
      O Hotel Nord Imperial um espetáculo, café da manhã delicioso, tapioca fresquinha (coma quantas quiser), funcionários nota 10.
      Contratamos um guia para maximizar nossos dias e fazer bastante coisa, valeu muuuito a pena. Ele nos levou nas melhores praias e para comer em lugares baratos e deliciosos.

      A praia dos meus sonhos eu encontrei lá. BARRA DE GRAMAMI, não deixe de ir. Um rio incrível que encontra com a praia de areis brancas. uma extensão de areia a perder de vista, muitos coqueiro na orla. A verdadeira visão do paraíso.
      Fomos a outra praia que não me recordo o nome, mas tiramos muitas fotos em uma falésia. Almoçamos por lá um camarão empanado nota 10. Lembro que arroz, isca de peixe e camarão empanado, macaxeira e pirão, custou para 4  pessoa comendo muito, 80,00 (em 2014). Valeu super a pena. A praia era incrível de linda.
      Outro dia almoçamos na rua lateral do Hotel Nord em uma simples varanda de casa de pescador, onde ele pescava e a esposa fazia a comida. Comemos um peixe com leite de coco delicioso, bataa frita, salada e pirão para 3 pessoas por 40,00 reais (em 2014).
      Se você não conhece mangaba, pare para tomar um suco ou sorvete no Farol do Cabo Branco, é uma fruta deliciosa. O Farol é lindo, voce tira foto no ponto do Brasil mais próximo da Africa.
      Fomos na Praia do Jacaré, que na verdade é um Rio (vá no por-do-sol).

      Lugar maravilhoso, muito romântico e família. No por-do-sol tem um homem que toca Bolero de Ravel. É super relaxante. A feirinha é boa para comprar lembrancinhas, comer uma tapioca. Vende pimenta para tudo quanto é gosto. 
      Comprei Castanha caramelizada de vários sabores por 10,00 reais meio kilo.
      O calçadão da Praia de Tambaú é uma delícia a noite, gente super educada, muitas famílias, policia e guarda municipais.
      Tem uma feira já na Praia de Manaíra, que é tipo uma continuidade da Praia de Tambaú. Comprei um chapéu lindo de couro (tipo boiadeiro) por 60,00 reais.
       
      Depois de alguns dias na Paraíba pegamos um taxi e fomos para Pipa no Rio Grande do Norte.
      o taxi valeu super a pena, pois éramos 3 pessoas, a passagem de ônibus sairia pouca coisa mais barata.
      NÃO ANDE DE ÔNIBUS NO NORDESTE, INCLUSIVE ÔNIBUS DE TURISMO. SÃO PÉSSIMOS. TODAS AS EXPERIÊNCIAS MUITO TRAUMÁTICAS.
      COMO SÃO POUCOS OS ÔNIBUS, ACABA QUE ELES DÃO A VOLTA AO MUNDO PARA CHEGAR EM QUALQUER LUGAR E SÃO PRECÁRIAS AS CONDIÇOES DOS MESMO (EM 2014).
       
      PIPA 
      O taxista que nos levou, foi parando para nos mostrar pontos lindos do local. Parou sob uma falésia (antes de entrar em PIPA) que tem uma vista do mar perfeita, parece o mar da Grécia que aparece nos filmes. Dá vontade de chorar de tão lindo.
      Pipa é gostosinho, pegamos a cidade vazia, aproveitamos os restaurantes, os preços são ótimos para a qualidade da comida. Teve um dia que comi um crepe de camarão que estava delicioso, nem consegui chegar até o fim de tanto camarão que tinha.

      Fiquei na Pousada Cavalo Marinho, em um chalés próximo ao centrinho, em uma morreba, almocei um dia lá e valeu a pena, comida boa e tinha feijão preto. Recomendo a pousada.
      No Rio nós comemos feijão preto, lá eles comem o feijão de corda (verde). Passei perrengue no feijão com arroz.
      BAÍA DOS GOLFINHOS
      Vale super a pena. Saímos da pousada umas 8h da manhã, fomos caminhando. No caminho, várias pessoas oferecendo passeio para ver os golfinhos, nós não compramos. Fomos nos divertindo beirando o paredão da falésia. A água do mar estava começando a recuar, então a areia nos sugava (como se fosse areia movediça, mas voce consegue sair numa boa) isso acontece, pois a areia está sobre as rochas, o ar entra e voce afunda. Que delícia!!! Brincamos muito no caminho e de quebra vimos um lagarto verde gigante tomando sol no paredão da falésia.
      NA REAL: ACHEI QUE A HISTÓRIA DE GOLFINHO ERA ESTÓRIA PARA CRIANÇA DORMIR.
      MAS... de imediato vimos vários, inclusive muitos filhotes, que deram um show a parte. Não precisamos pegar barco, eles estavam se alimentando e nadavam atras dos peixes até quase atolar na areia, então passavam muuuuito perto de nós. Foi a experiência da natureza mais legal que já tive.
      Teve um dia que saímos de Pipa para Sibaúma, pegamos uma combe lotada no centrinho, nos deixou na cidade, fomos andando uns 20 minutos até a praia Barra de Cunhaú. Pegamos uma água cristalina, deitamos em espreguiçadeiras com os pés na água e comemos peixe, camarão e macaxeira (aipim). Que vida boa, por mim não vinha embora nunca mais.
      Ficamos um dia inteiro nessa praia de tão bom que foi.
       
      Partimos para NATAL.
      PEGAMOS UM ÔNIBUS DE PIPA PARA NATAL, DEU A VOLTA AO MUNDO, LOTADO. UM VERDADEIRO HORROR. NÃO FAÇA ISSO!!!
      Em Natal nos hospedamos no hotel Areias de Ouro (2014), próximo a orla da praia do morro do careca. Não gostei do hotel, eles nos deixaram em um quarto ruim no primeiro andar, a hospede sobre nosso quarto andava de salto alto e não nos deixava dormir, expus o caso e pedi para nos trocar de quarto (eu procurei saber e descobri que haviam muitos quartos disponíveis) simplesmente me ignoraram.
      A praia do morro docareca é divertida, muita gente, espreguiçadeira, na época era só consumir, não precisava pagar a espreguiçadeira em si.
      Na praia passa gente vendendo.de tudo.Paguei 25 reais em 50 Camarões com macaxeira.
      DUNAS DE GENIPABU

      Você vai precisar contratar um bugueiro para te levar. São dunas de areia quente, com um litoral lindo. Tem até passeio de camelo.
      Desci de tirolesa da duna para o lago, muito bom. Algumas pessoas ficam vendendo espetinho de lagosta por 5 reais (em 2014), que delícia.
      No final do passeio o guia nos levou a um restaurante ruim e caro, a única coisa que valeu foi a vista incrível.
      O TURISMO EM NATAL É MUITO EXPLORADO, ME SENTI UM POUCO INCOMODADA COM ISSO, JÁ O TURISMO NA PARAÍBA É TRANQUILO, VOCÊ É TRATADO COMO SE MORASSE LÁ, NÃO COMO TURISTA.
      Marcamos um passeio com sr que apareceu no programa Estrelas da Globo. Ele nos levaria para dar uma volta na praia pendurado em um paraquedas colorido que ele puxa com seu jipe. Infelizmente não rolou, ele mal conseguia falar pelo telefone, estava embriagado. Furou no dia do passeio.
      Ainda bem que não adiantei valores!
      Troquei pelo passeio de quadriciculo, foi maravilhoso, inclusive paramos para ver o maior cajueiro do mundo.
      No último dia deixamos para ir ao restaurante Camarões, mas como não aguentavamos mais peixe resolvemos ir a churrascaria Sal e Brasa. Nos buscaram e levaram no hotel. Super recomendo. Só para constar que depois de 30 min na churrascaria já não aguentava mais comer, era muito bem servido.
      No diaseguinte fomos pegar um ônibus de viagem da melhor empresa do Estado para retornar a Paraíba e pegar o avião. Foi desesperador, o ônibus enguiçou, chovia muito e o motorista nos largou no ônibus com as portas trancadas, pedi para abrir a porta batendo no vidro e o mesmo se irritou.
      Mais uma vez,não peguem ônibus no nordeste.
      Amei os dois estados, a comida, as pessoas da Paraíba. E pretendo voltar um dia.
      Praias incríveis!!!
    • Por Juliana Saueia
      Fiz uma viagem muito especial pela Paraíba, conhecendo João Pessoa, as praias do sul do Estado, Cabedelo, Areia, Campina Grande, Barra de Mamanguape, Cabaceiras e o Lajedo de Pai Mateus. De tudo que eu gostaria, só não consegui ir para Baía da Traição porque precisei voltar para casa antes do tempo.
      Comecei por João Pessoa, onde me hospedei na casa de uma amiga que fiz numa viagem pelo Uruguai. 
      João Pessoa é a terceira capital mais antiga do país e lá o sol nasce antes das cinco da manhã. Eu cheguei até lá de ônibus partindo de Recife e em duas horas de estrada fui de uma capital à outra. Paguei R$ 44,50 na passagem pela empresa TOTAL, mas também existe a Viação Progresso que faz esse trecho e as duas são boas companhias.
      Logo na chegada fui para o Hotel Globo, que era super badalado entre 1930 e 1950 e hoje podemos visitar, foi lá que presenciei a despedida do sol atrás do Rio Sanhauá, foi muito lindo de assistir.
      No centro, além do Hotel, fica a Igreja de São Frei Pedro Gonçalves, a Praça Anthenor Navarro com casinhas coloridas e super charmosa e com 15 minutos de caminhada fica o Centro Cultura São Francisco, que possui visita guiada.
      São 05 praias principais em João Pessoa: Praia do Seixas, Cabo Branco, Tambaú, Manaíra e Bessa (apelidada de Caribessa). é entre Tambaú e Cabo Branco que fica o maior agito, tanto durante o dia como a noite. É por ali que fica a placa EU AMO JAMPA  e tem a maior parte dos hoteis da cidade. A praia de Manaíra é bem sossegada. A Praia do Seixas tem uma mística de ser a ponta mais oriental do nosso continente, é pequena mas lota de excursões que saem para as piscinas naturais do seixas, que aliás recomendo demais fazer. 
      Deixei mais alguns detalhes e lista de lugares para comer em João Pessoa no https://alemdacurva.com/o-que-fazer-em-joao-pessoa-na-paraiba/
      Cabedelo
      Uma cidade que se confunde com João Pessoa, de tão perto que é. Meu Uber até o final da cidade deu R$ 25,00, mas existe um ônibus da empresa Reunidas em João Pessoa chamado Cabedelo Direto 5101 que sai da Av. Epitácio Pessoa e vai para a cidade do pôr do sol mais famoso.
      Cheguei e fui direto para a Fortaleza de Santa Catarina. Paguei R$ 2,00 para entrar e uma guia contou tudo sobre o local para mim. Lá dentro avistamos a Igrejinha de Santa Catarina Alexandria, prisões, Casa Pólvora, Casa do Capitão, Alojamento dos Soldados e Oficiais, túneis, um poço e um paiol. Além de avistarmos o fim do Rio Paraíba.
      Você pode conhecer em Cabedelo também as Ruínas do Almagre, que é tombada pelo IPHAN.
      E a cidade possui inúmeras praias, que eu acabei não aproveitando, mas vocês podem: Intermares, Camboinhas (de onde saem os barcos para a Areia Vermelha, um passeio recomendadíssimo), Areia Dourada, Dique de Cabedelo (onde há o encontro do mar com o Rio Paraíba chamado de Pororoca da Paraíba), Miramar, Ponta de Mato, Formosa, Praia do Poço e Ponta de Campina. UFA! rs
      Mas a minha intenção mesmo ao ir para Cabedelo era conhecer o famoso pôr do sol no Jacaré, que muitos dizem ser o mais bonito da Paraíba.
      A Praia do Jacaré na verdade é o Rio Paraíba e de lá saem embarcações para curtir o pôr do sol ao som do Bolero de Ravel, apresentado por Jurandy do Sax. Minha opinião: fiquei sentada na "orla" do Jacaré e tive exatamente a mesma vista do pessoal que entrou no barco e consegui ouvir perfeitamente o som do Jurandy. Eles param a pouca distância da gente, não entendi o bafafá em cima desse passeio. Eu mostro as fotos aqui no https://alemdacurva.com/por-do-sol-em-cabedelo/ 
      Praias do litoral sul da Paraíba
      São as praias super famosas, que a maioria que vai pra lá acaba conhecendo. O ideal é fazer de carro, mas eu não dirijo e minha amiga não poderia me acompanhar nesse dia. Consegui fechar um taxista com mais 03 meninas que também iriam fazer esse lado da Paraíba. Outra opção é fazer passeios com excursões. As empresas geralmente oferecem passeios divididos entre as praias, sendo parte em um dia e parte em outro dia.
      Tem também passeio de buggy, que dai fazem as praias que você quiser em um só dia. 
      As praias que conheci foram: Barra de Gramame (ainda faz parte de JP e tem pouca estrutura, o que eu adorei), Praia de Tabatinga (na cidade do Conde e tem característica mais rústica com falésias e um mirante bem bonito), Praia Bela (com uma estrutura maior), Praia de Tambaba - praia de nudismo (a que eu mais gostei, mas fica lotadinha na parte em que banhistas com roupa podem acessar), Praia do Coqueirinho (a mais famosa da região, super lotada e com a maior infraestrutura de todas, inclusive deixei um rim como pagamento no almoço) e Praia do Amor (visitei bem rapidamente, ela possui uma pedra onde os supersticiosos passam por baixo para ter sorte no amor).
      As fotos de todas elas estão aqui https://alemdacurva.com/praias-do-litoral-sul-da-paraiba/
      Barra de Mamanguape
      Aqui já começou as surpresas da Paraíba para mim, minha amiga pegou um final de semana e me levou para esse paraíso, que na minha opinião possui o melhor pôr do sol da Paraíba, desculpem os amantes da Praia do Jacaré rs.
      Barra de Mamanguape fica em Rio Tinto e pra lá fomos de carro mesmo. Pegamos a BR 101, entramos pela cidade de Mamanguape (que não tem nada a ver com a Barra de Mamanguape) para ir à Rio Tinto, de onde se pega a estrada para Barra. Outro caminho é pegar um acesso que tem na BR 101 que segue por meio de canaviais a estrada inteira até chegar em Barra. Mas tomem cuidado porque por ali vez ou outra ocorre assaltos.
      Foram 02 horas de estrada de João Pessoa até Barra de Mamanguape.
      Dá para chegar de ônibus, mas não é tarefa fácil. Você precisa pegar um ônibus em JP até Rio Tinto bem cedo, pois você precisa chegar até umas 10h30 no máximo na cidade. O ônibus que sai de Rio Tinto pra Barra de Mamanguape parte as 11hrs de segunda a sexta. De sábado ele sai até mais cedo, as 10hrs. E pra voltar de Barra o ônibus passa de segunda a sábado às 05h30 com destino à Rio Tinto.
      Disseram que em Barra de Mamanguape existem moto-táxis mas eu não vi nenhum.
      Nos hospedamos no Sua Casa na Barra, uma casa que acomoda 04 pessoas do Nilton, que nos atendeu super bem. Pagamos R$ 160,00 no final de semana. Ele possui camping também para quem quiser e mais uma casa para alugar.
      Barra de Mamanguape é Área de Preservação Ambiental e já foi lar de peixes-boi, animal em extinção.
      Fizemos passeio de barco pelo Rio Mamanguape que foi tão incrível. Pagamos R$ 30,00 por pessoa. Passamos pelos mangues, antigo cativeiro do peixe boi, recifes (onde podemos avistar tartarugas) e banco de areia, com parada para almoço na Aldeia do Tramataia. A comida era uma delícia, bem farta e pagamos R$ 17,00 com a bebida inclusa. 
      Existem outros passeios para fazer como trilhas que vão de 4,5 a 12 km, além de passeio de buggy, caiaques, pedaladas na praia e até luau.
      Lá em Barra de Mamanguape há o encontro do rio com o mar, também. Eu amei ficar ali, praticamente sozinha. O lugar é muito rústico, sem estrutura nenhuma e uma natureza forte ao redor. Lindo! Aqui tem fotos https://alemdacurva.com/barra-de-mamanguape-pb/
      Inclusive, o pôr do sol por lá foi de cair o queixo, fiquei impressionada com tanta beleza. O sol se põe atrás do encontro das águas. Um espetáculo a parte.
      Areia
      Descobri essa cidade por conta da minha amiga que mencionou super sem querer. Lá fui eu pesquisar e me apaixonei. A cidade é muito fofa!
      Ela fica no brejo paraibano na Serra da Borborema e no inverno faz muuuito frio. Inclusive sedia o festival Caminhos do Frio, que passa por mais 8 cidades também.
      Eu fui de João Pessoa para Areia de ônibus, que demorou um cadim porque passa por várias outras cidades e custou R$ 31,50. Mas foi ótimo curtir a paisagem que ia mudando conforma saíamos do litoral.
      Cheguei na hora do almoço e encontrei o Restaurante e Cachaçaria Barretão super bem arrumadinho e bonitinho, com um self service gostoso por R$ 13,00.
      Lá em Areia faz-se muitas visitas aos engenhos, a mais famosa é a do Engenho Triunfo, que produz uma das cachaças mais vendidas do Estado.
      O Açúcar por lá também é forte e dá para visitar alguns engenhos, além de conhecer o Museu da Rapadura (ou do Brejo Paraibano).
      Não deixem de passear pelo centrinho, é uma coisa fofa demais aquelas casas coloridas e muito bem preservadas. As fotos vocês podem ver no https://alemdacurva.com/o-que-fazer-em-areia-na-paraiba/
      O primeiro teatro da Paraíba encontra-se em Areia, é o Teatro Minerva. Não é luxuoso como a maioria que encontramos Brasil afora mas tem história. E se história é algo que você gosta, visite também a Casa de Pedro Américo, pintor d'O Grito do Ipiranga, que com certeza você já viu nas aulas de história.
      Areia também é lar da Comunidade Quilombola Senhor do Bonfim, que conta com uma história mega forte.
      Vale a pena demais passear por lá. De Areia eu ainda fui para Campina Grande de ônibus, para dar um abraço em uma amiga. Então por lá não conheci quase nada além do Açude Velho e do Museu de Arte Popular da Paraíba que é uma obra de Oscar Niemeyer e foi uma surpresa gratificante encontrá-lo, já que eu nem sabia o que tinha por lá.
      Cabaceiras
      Essa foi a cidade mais especial de toda a viagem. Cabaceiras é uma cidade do cariri paraibano de 5 mil habitantes e é uma das que menos chove no Brasil.
      Já deixa eu avisar: tomem MUITA água. Não é brincadeira o quanto nós precisamos nos hidratar em um local seco como lá. Eu passei mal quando voltei e por isso que precisei retornar antes para casa.
      Minha intenção era a de dormir por lá, eu gosto de aproveitar calmamente os locais, mas achei complicado na época ir sozinha. Quando cheguei perguntei como fazia e me disseram, então relato aqui: de João Pessoa vá até Campina Grande e de CG sai um ônibus para Cabaceiras, só não sei os horários nem preços.
      Eu acabei contratando uma agência porque não achei que sairia perdendo. Estava incluso transporte, guia em Cabaceiras e no Lajedo, além de um café da tarde. Apenas o almoço paguei a parte.
      Em Cabaceiras tem moto-táxi.
      Existem hospedagens por lá em pousadas, hoteis e campings.
      Uma das coisas que eu mais estava ansiosa para conhecer em Cabaceiras é a placa "Rolíude Nordestina" escrita desse jeitinho mesmo rs. Cabaceiras é considerada assim porque inúmeros filmes e seriados foram gravados ali, inclusive o meu brasileiro preferido "O Auto da Compadecida". Acho de uma originalidade incrível essa placa.
      Tem também o Museu Histórico-Cultural dos Cariris Paraibano que conta a historia dos moradores dessa região. São dois prédios, um era uma antiga cadeia pública onde um famoso cangaceiro ateou fogo para libertar uns presos e o outro era a residência oficial dos prefeitos.
      Depois fomos do Bar Zé de Cila, uma figura e patrimônio público na minha opinião rs. Ao ver os turistas chegando ele corre para colocar uma batina de padre e posar para fotografias. Ele foi dublê do Padre João no Auto da Compadecida e se orgulha muito disso.
      Um ponto que achei um pouco fraco foi o Museu Cinematográfico que conta basicamente com fotografias e retratos de jornais.
      Lá em Cabaceiras a gente não encontra uma alma andando na rua, mas na época da Festa do Bode Rei a cidade lota. Ela acontece de maio a junho e enaltece a caprinocultura.
      Por fim o ponto mais esperado pela minha pessoa nesse tour: A Igreja Matriz Nossa Senhora da Conceição, a do filme O Auto da Compadecida. Como nossa visita era guiada, foi muito mais divertido porque a guia ia relembrando as cenas e falando frases icônicas do filme... Não sei só sei que foi assim. Demos muitas risadas.
      As fotos todas de Cabaceiras estão aqui https://alemdacurva.com/o-que-fazer-em-cabaceiras/
      Lajedo de Pai Mateus
      Passando para o momento mais inesquecível desse dia em Cabaceiras, fomos em direção ao Lajedo de Pai Mateus. Aqui eu chorei tanto, foi um lugar que senti uma energia reverberando por todo o meu corpo muito forte. 
      O Lajedo fica aproximadamente 15 km do centro de Cabaceiras dentro de um Hotel Fazenda. Para chegar no lajedo terá que passar pelo hotel e eles cobram uma taxa de todos (hóspedes e não-hóspedes) para entrar lá. Foi lá que almoçamos e tomamos o café da tarde. 
      Se estiver sem carro pode pedir para um moto-táxi te deixar lá. Mas o Lajedo não fica muito perto do Hotel e os guias acompanham os turistas nos carros dos turistas. Essa é a parte complicada de visitar sem carro. Mas você pode procurar alguma alma bondosa que te enfie no carro para ir junto.
      Antes de chegarmos no Lajedo, passamos pela Saca de Lã, que num resfriamento da terra se fraturou. Tem quem ache que foi algo natural mesmo e quem acredite que foi obra de ET. Ela fica em cima do Rio Boa Vista ou Rio Direito que desde fev/02 estava seco, vindo a encher apenas em abr/18.
      Já subindo para o Lajedo, era indescritível o que os meus olhos viam. Como aquelas pedras estavam paradas e não rolavam? É muito doido, os apoios de muitas pedras são irregulares e eu não entendo como estão de pé. Se quiser ver fotos desse passeio veja no https://alemdacurva.com/lajedo-de-pai-mateus/
      O guia vai contando toda a história que ronda o local sobre o eremita curandeiro Mateus e os índios cariris.
       Um dos momentos mais lindos foi ver o pôr do sol no Lajedo de Pai Mateus. O guia pediu para que ficássemos em silêncio nesse momento e todo mundo obedeceu, inclusive as crianças. Não ouvia nenhum barulho. De um lado o sol se despedindo e do outro a lua toda lindona dando oi, tudo em 360 graus de visibilidade.
      Comecei e terminei esse post emocionada. 
       


×
×
  • Criar Novo...