Ir para conteúdo

Pesquisar na Comunidade

Mostrando resultados para as tags ''antigua''.



Mais opções de pesquisa

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Mochileiros.com

  • Perguntas e Respostas
    • Perguntas e Respostas
    • Destinos: Perguntas e Respostas & Roteiros
  • Relatos de Viagem
    • Relatos de Viagem
  • Companhia para Viajar
  • Equipamentos
  • Trilhas e Travessias
  • Nomadismo e Mochilão roots
  • Outras Formas de Viajar
  • Outros Fóruns

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


Sobre mim


Ocupação


Próximo Destino

Encontrado 2 registros

  1. México, Belize e Guatemala Relato de Viagem Olá, Mochileiros. Meu nome é Caio Andrade, sou de Manaus – Amazonas, e junto com minha esposa, Gilci Helena, somos apaixonados por viagens. Diferente do que aconteceu com o Mochilão que fiz pelo Peru-Bolívia-Chile, eu não encontrei quase nenhuma informação sobre o mochilão México-Belize-Guatemala. Então, eu fui coletando informações isoladas de outros relatos e também do Instagram da maravilhosa Gabi (@viajandocomgabi). Por este motivo, resolvi fazer este relato o mais rápido possível. Gostaria de informar (e pedir desculpas para quem gosta) que este relato não terá fotos, mas apenas o relato detalho junto com valores, pois é isso que realmente importa. Caso você queira ver algumas fotos e alguns vídeos sobre o roteiro, visite o meu perfil no Instagram (@caioandrade.adv). Gostaria de ressaltar que Então, vamos ao que interessa!!! Roteiro, Duração e Transporte O meu mochilão começou em 12.06.2019 e terminou em 03.07.2019, e perfiz o seguinte roteiro: Cancún (Mex) > Tulum (Mex) > Caye Caulker (Blz) > Flores (Gua) > Antígua (Gua) > San Cristóbal de Las Casas (Mex) > Cidade do México (Mex). Todo o meu trajeto foi feito por ônibus e shutles (minivans). No México, a empresa que domina o transporte é a ADO, que atende todo país. Para montar minha planilha de gastos, eu entrei no site da ADO, simulei os trajetos e obtive os valores. O site não aceita compras com cartões internacionais. Porém, comprando com antecedência no guichê da ADO, assim que você chegar no México, você terá descontos absurdos. Por exemplo: o trajeto San Cristóbal – Cidade do México estava custando cerca de 1.600 pesos, mas como comprei com dois dias de antecedência, ele saiu por 870 pesos. Já na Guatemala, os trajetos são feitos por shuttles (minivans), que são extremamente desconfortáveis, sem encosto para sua cabeça e você não consegue descansar. Ainda procuramos em varias agencias uma minivan que tivesse encosto para cabeça, mas TODOS não tinham. Então, prepare o seu corpo e o seu emocional. Hospedagem Todas as minhas hospedagens foram reservadas pelo Airbnb, pois queria pagar tudo antes da viagem e também porque eu queria ter mais comodidade e privacidade. A hospedagem é um dos pequenos luxos que eu e minha esposa nos permitimos durante a nossa viagem. Rsrsrs Uma dica muito importante: como eu não sabia os valores de certos passeios e precisava montar minha planilha de gastos, eu entrei em contato com o hotel que havia reservado e perguntei os valores dos passeios, visto que todos os hotéis de cidades turísticas oferecem esse serviço. Também já fiz isso pelo booking e funciona também. Qual moeda levar NÃO LEVE REAIS. Fiz isto apenas uma vez quando fui para o Chile e me arrependi. Muitos “nacionalistas” pregam que temos que devemos levar reais, pois, se levarmos dólares, faremos dois câmbios e pagaremos mais. MENTIRA. Já viajei para Chile, Argentina, Bolívia, Colômbia, Uruguai, Venezuela, Peru e Equador, e em TODOS esses países, eu tive mais vantagem levando dólares do que reais. Sem contar que algumas cidades pequenas, como Antígua, San Cristóbal, Caye Caulker, não têm casa de câmbio que aceitem reais. 1oDia – 12.06 (Cancún – México) Primeiramente, queria destacar o programa fidelidade Km de Vantagens, do Ipiranga. Foi graças a ele que consegui comprar milhas aéreas da Multiplus pela metadade do preço regular, o que me deu uma economia de mais de R$1.600. O voo de Manaus para Cancún estava muito caro. Pesquisando, encontrei uma passagem mais barata para a Cidade do México. Como eu queria ganhar tempo, comprei uma passagem pela Interjet, empresa low cost, para Cancún e saiu mais barato. Nosso voo chegou em Cidade do México às 07:30h e logo fui fazer o câmbio dos dólares que levei. No terminal 1, há excelentes cotações. Quanto mais distante do portão de desembarque, melhor será a cotação. Consegui um câmbio de USD 1 = 18,07 pesos mexicanos no CI Banco. No aeroporto, comprei um chip. O mais barato com internet ilimitada por 10 dias custa 100 pesos. Comprei um chip no primeiro quiosque que vi por 300 pesos e andando mais um pouco descobri esse de 100. Fizemos nosso check-in na Interjet e chegamos em Cancún às 15h. Fora da sala de desembarque há um guichê da ADO que oferece translado para a estação do centro por 86 pesos. Na estação da ADO, compramos nossa passagem para Tulum e tivemos desconto. Pegamos um táxi para o nosso apartamento. Nosso apartamento ficava localizado bem em frente ao Mercado 28, um mercado de artesanato e restaurantes, e a 15min andando da estação ADO. Não ficamos na zona hoteleira, pois estava muito caro. Desfizemos as malas, trocamos de roupa e fomos andar pela cidade. Almoçamos/jantamos no Mr. Habanero; pedimos tacos e burritos. Em quase todos dos restaurantes mexicanos, são oferecidos nachos com molhos picantes como entrada, sem qualquer custo. Passamos no supermercado e compramos água, café e sabão. Gastos: Chip: 300 Café espresso: 112 Chip: 100 ADO (do Aeroporto para o Centro): 172 (86 p/p) Passagem para Tulum: 238 (119 p/p) Taxi da rodoviário para o hotel: 80 Mr Habanero: 410 Supermercado (água, sabão e café): 47,60 TOTAL: 1459,60 pesos 2oDia – 13.06 (Cancún – México) Como eu e Gilci estávamos comemorando dois anos de casados, resolvemos fazer uma sessão de fotos. A sessão foi na Praia Delfines, uma praia muito linda e com poucas pessoas. Depois das fotos, fomos para o apto trocar de roupa, pois ele estava de vestido e eu de roupa social. Resolvemos voltar para a praia Delfines. Todos os ônibus com a sigla R2 e a palavra Hotel passam pela zona hoteleira e pela praia Delfines. Muito fácil de chegar. Passamos o dia na praia, comi algumas mangas e piñas coladas. Na praia, há um letreiro de Cancún e sempre tem fila para tirar fotos. Voltamos para o apto e comemos sushi no restaurante Akky, o mais barato que encontramos. Gastos: Ônibus: 24 (12 p/p) Salgadinhos: 35,50 Manga: 35 Pina colada de 1 litro: 150 Manga: 30 Ônibus: 24 (12 p/p) Tacos: 99 Helado: 30 Sushi Akky: 418 Total: xxxx pesos mexicanos *Desculpe qualquer erro ortográfico. Estou escrevendo do aeroporto internacional da cidade do México. Na próxima postagem, irei ter mais cuidado.
  2. Antigua Guatemala é uma bela capital colonial, como tantas outras do nosso vasto continente americano. Embora muito turística, vale a pena ser visitada. O grande atrativo para mim, no entanto, foram os vulcões que a rodeiam. De qualquer ponto da cidade é possível avistar o cone perfeito do Vulcão Água e quando as buzinas e arrancares de motores silenciam, é possível escutar as frequentes erupções dos Vulcões Pacaya e Fogo. Quem gosta de caminha ao ar livre, certamente não ficará satisfeito apenas com a simples presença das montanhas magmática e precisará subir algum dos intempestivos vizinhos. Como eu estou viajando há quase um ano e não tinha orçamento pra mais de um, optei pela mais difícil e completa das experiências: a subida do inativo Vulcão Acatenango que está maravilhosamente localizado a poucos metros da estrela principal de toda região, o explosivo Vulcão Fogo, um dos mais ativos do mundo. A aventura em si começou às 10h30 com uma subida íngreme e escorregadia, em terreno castigado pela passagem de equinos. Este trecho, o mais difícil de todos, dura cerca de 2 horas, com 3 ou 4 paradas para descanso. Depois seguiu-se uma área de vegetação fechada, felizmente dotada de troncos longitudinais que fazem as vezes de escada, 30 minutos, e uma última etapa de 1 hora que intercalava descidas leves com subidas pouco difíceis. Antes do acampamento base, uma última elevação bastante acentuada de alguns metros. Quando ali chegamos eu e os demais companheiros, nos deparamos com muita neblina, mas o espírito que prevalecia era o de missão cumprida. Completamos o trajeto do dia em 3 horas e meia, às 14h, muito antes dos demais grupos. Alguns chegaram quase ao final da tarde. A visão parcial do Vulcão Fogo surgiu após alguns instantes, como que dando-nos as boas vindas. Era apenas uma prévia do que viria com o cair da noite. Aproveitamos as próximas horas para descansar nas barracas oferecidas pela agência. Ao redor das 19h, quando a luz do sol progressivamente deixava de iluminar os céus, é que a magia aconteceu. Com a escuridão foi possível ver a lava das erupções que ao longo do dia pareciam apenas o sopro de uma fumaça escura vinda da cratera. O espetáculo foi total após as 22h. Quando fui dormir por algumas horas antes do amanhecer, a certeza era de que a experiência já havia valido a pena. Veio então a aurora e com ela surgiu uma cortina de luz alaranjada no Oriente. Certamente que nos meses secos a visão é ainda mais poderosa, mas não diminuo a beleza do que presenciei. Tudo ali era impactante. As luzes dos pequenos povoados aos pés do Acatenango foi o primeiro que vi, ainda com os olhos semiabertos. Já fora da barraca, "acordei" para o que estava diante de mim. Toda a neblina da tarde anterior havia se dissipado e a paisagem que se exibia era um quadro perfeito: vulcões (Água, Pacaya e Fogo), planícies e até mesmo o Oceano Pacífico, distante 65 km dali. Ainda faltava o cume, esforço menos duro que o do dia anterior (principalmente porque as mochilas são deixadas no acampamento), mas com o desafio da altitude. O topo do Acatenango encontra-se a quase 4 mil metros de altitude. No retorno as mochilas estão mais leves, basicamente porque toda água e comido foi consumida, e quase tudo é descida. Muito cuidado pra não torcer o pé, já que em alguns trechos é preciso deslizar no terreno instável, e antes das 10h da manhã a aventura terminava. Emoção enorme e inédita para mim. Fiquei com vontade de repetir a aventura em El Salvador e Nicarágua, no prosseguimento da viagem. Quem quiser acompanhar minha aventura de 400 dias pelas Américas, pode curtir a Fanpage do Facebook e o perfil do Instagram. www.facebook.com/trotamericas www.instagram.com/trotamericas Custo do guia e transporte: 250 quetzales Ingresso ao parque nacional: 50 quetzales Comida (comprada previamente): de 50 a 100 quetzales Partida: às 9h, de Antigua Guatemala Retorno: entre 11h e 13h do dia posterior Avaliação da Agência GT Adventure: mediana, o "guia" era uma menino de 20 anos pouco preparado que sequer levava equipamento de resgate ou rádio-comunicador. Literalmente só fez mostrar o caminho. Na descida, o "guia" de outra agência quase me atropelou quando quis aparecer e descer a ladeira correndo. Pelo que percebi todas agências operam da mesma maneira, então é melhor não esperar muito. As barracas ao menos estavam secas. O que levar: 4 litros de água, comida para duas refeições roupas de frio e lanterna. As agências oferecem "box lunch" (uma banana e dois sanduíches) que não tapa nem o buraco do dente em uma caminhada dessa magnitude. Avaliação da experiência: emocionante e imperdível!
×
×
  • Criar Novo...