Ir para conteúdo

Pesquisar na Comunidade

Mostrando resultados para as tags ''sintra''.



Mais opções de pesquisa

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Mochileiros.com

  • Perguntas e Respostas
    • Perguntas Rápidas
    • Perguntas e Respostas & Roteiros
    • Cupons de Desconto
  • Relatos de Viagem
    • Relatos de Viagem
  • Companhia para Viajar
  • Equipamentos
  • Trilhas e Travessias
  • Nomadismo e Mochilão roots
  • Outras Formas de Viajar
  • Outros Fóruns

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


Sobre mim


Ocupação


Próximo Destino

Encontrado 9 registros

  1. Fomos para Portugal explorar suas belezas e também sua tão famosa comida. Fomos atrás do bacalhau! Mmmm só de lembrar... Passamos por Lisboa, Sintra e Porto e registramos tudo em nosso canal no Youtube. Nos vídeos você vai encontrar dicas do que fazer, quais pontos turísticos visitar (com preço atualizado) e também onde comer (com preço atualizado). Esperamos que goste! Ahhh, e se tiver alguma dúvida ou precisar de mais dicas, fale conosco comentando nos vídeos (no Youtube) ou enviando direct em nosso Instagram: https://www.instagram.com/ossaboresdomundo/ Aqui está o link para assistir no Youtube:
  2. Olá pessoal, estou planejando uma viagem para Portugal com minha mãe, a ideia era ir agora em maio mas terei que adiar, talvez até para o ano que vem. Já fiz uma viagem para a Europa em maio e adorei o clima, então gostaria de ir na mesma época dessa vez, entre o mês maio e comecinho de junho. Porém devido ao meu trabalho, esse dois meses ficarão complicado de eu sair para viajar nesse ano e talvez até no próximo. Pensei como alternativa o mês de setembro, já é um pouco fora da alta estação e o clima acho que ainda está bom, qual a melhor época que vocês acham melhor ir para Portugal? Ainda não vi preço de passagem, hotel, nada. Estou definindo primeiro os lugares que quero visitar para depois ver preços e avaliar se questão de grana, etc. Dito isso, meu roteiro está assim: Dia 1 - Viagem para Lisboa Dia 2 - Lisboa (Baixa, Castelo de São Jorge e Alfama) Dia 3 - Bate e volta para Sintra Dia 4 - Lisboa (Belém, Chiado e Bairro Alto) Dia 5 - Bate e volta para Óbidos Dia 6 - Lisboa (Parque das Nações e deixar o resto do dia livre para visitar as atrações que por ventura não tenha dado tempo nos dias anteriores) Dia 7 - Ir para Fátima de manhã e conhecer o Santuário Dia 8 - Bate e volta para Mosteiro de Batalha Dia 9 - Ir de manhã para Coimbra Dia 10 - Ir de tarde/noite ao Porto Dia 11 - Porto (Ribeira, Aliados, Praça da Liberdade e Rua Santa Catarina) Dia 12 - Bate e volta para Braga Dia 13 - Porto (Ponte de Dom Luis I, Vila Nova de Gaia e tour de barco pelo Rio Douro) Dia 14 - Bate e volta para Guimarães Dia 15 - Ir de manhã para Santiago de Compostela Dia 16 - Santiago de Compostela Dia 17 - Voltar de manhã ao Porto (hospedar perto do aeroporto) Dia 18 - Voltar para o Brasil Como vou com minha mãe e será a primeira viagem dela para a Europa, estou preocupado se ela vai aguentar o ritmo. Se precisar tirar ou modificar alguns dias, penso em fazê-lo nessa ordem, o que acham? 1- Ir de manhã para Santiago de Compostela e voltar no dia seguinte de noite ao Porto. 2- Tirar Coimbra do roteiro, ir de Fátima direto para Porto 3- Tirar o último dia em Lisboa 4- Tirar o bate e volta para Batalha Qual desses seria indispensável? Em Lisboa estou pensando em fazer o Lisboa Card 72 horas já que dá transporte ilimitado e entrada gratuita no Mosteiro dos Jerônimos e Torre de Belém, vale a pena? Alguém sabe como faço para ver o preço do ônibus de Fátima para Batalha pela Rodoviária do Tejo? E é possível comprar antecipadamente pelo site? No site deles só consigo ver os horários. Parece ser a única cia que faz o trajeto. Valeu!
  3. Aqui estão reunidas nossas experiências cometíveis por terras Lusas . Acompanhe tbm nossas viagens pelo Instagram/ Facebook @polymsousa. Come-se mto bem e com preços mto bons em Portugal. A comida é deliciosa e barata em relação a SP. Por ex: sopa + prato de bacalhau sai em torno de 15 reais por pessoa. DICA 1: peça pratos para 1 e divida, as porções costumam ser grandes. Assim é possível pedir entrada, prato principal e sobremesa e ter uma degustação total sem gastar tanto. Os valores são mto parecidos com o que vc gastaria no Brasil comendo arroz e feijão, porém lá vc come bacalhau kkkkk. DICA 2: geralmente fazemos compensações, então se um dia esbanjamos um pouco mais com alimentação no outro seguramos a onda e seguimos o baile. DICA 3: Vc encontra os cardápios com valores de todos os restaurantes no site Zomato. DICA 4: se não quiser o couvert (pães e patês) é só não mexer que não será cobrado. Vamos lá: LISBOA -Restaurante Costa Vicentina: ambiente aconchegante, atendimento excelente feito por brasileiros rsrs. Nos receberam com um vinho do Porto! Eles são especializados em comida portuguesa então pedimos pratos com frutos do mar: Gamba Aguille (camarão alho e óleo) + Cataplana de Mariscos + sobremesa Sericaia (lembra um curau) + taça de vinho verde. Tudo delicioso e muito delicado. -Landeau: onde tem o famoso bolo de chocolate. Tipo um bolo-mousse realmente delicioso. Fomos na unidade da LX Factory mas tem tbm no Baixa-Chiado. -Restaurante Frade dos Mares: Um ritual gastronômico! Pedimos a sugestão do chef e fomos muito felizes kkkkk: folhado de leite de cabra com doce de frutas vermelhas (couvert) + mexilhões com manteiga de ervas (entrada) + Camarão alho e óleo (entrada) + Polvo a Lagareiro (principal) + Entrecôte maturado (principal) + Leite-creme folhado com abacaxi ao vinho do Porto e sorvete (sobremesa) e ainda um vinho branco delicioso. Meuuu Deus, pensa numa riqueza! Maravilhoso! Se não bastasse, o atendimento é primoroso e rápido e a música ambiente dá um clima. Super romântico. Recomendo muito! Áh lá precisa reservar pq são poucas mesas. Vá, sério. -Fábrica da Nata (no bairro Restauradores). Lindo ambiente com azulejos portugueses, preparação dos pastéis visível (o que é mto legal, pois se torna uma experiência), ótimo atendimento. No teto estão em movimento forma de pasteis de nata que parecem ter saído do forno, mas é só decorativo kkk. Comemos pão com queijo da serra da estrela e presunto Parma + bolinho de bacalhau + croquete de vitela + pastel de nata com vinho do Porto. Não sabia que faziam essa combinação de pastel e vinho, amamos!!!! Td delicioso mas o pastel de nata quentinho e cremoso foi demais! -Restaurante Nepalês Himchuli: nunca tínhamos visto comida do Nepal. Pedimos indicação de pratos típicos e veio de entrada ‘papada’ tipo uma torrada com 3 molhinhos. De prato principal um cozido de frango com especiarias e guioza. Tava muito gostoso, o ambiente é todo decorado, tem vela na mesa. O garçom não conseguia entender português e tivemos que fazer o pedido em inglês (hummmm phyna kkkk) e deu td certo kkkkk. -Alcoa (doces conventuais): São doces típicos portugueses em q a base é gema e açúcar. A história desses doces é interessante e data do séc. XV: as freiras usavam as claras para engomar roupas e como as gemas sobravam começaram a produzir doces com eles (por isso conventual). O Alcoa é especializado nesses doces desde 1957 e seguindo a tradição ainda o fazem em tachos de cobre. Vários doces deles são premiados. Pega essa: o Coroa de Baronesa feito por eles foi a sobremesa do Papa quando visitou Portugal, pira? Provamos 6 doces premiados, incluindo o do papa kkkk. São deliciosos e uma obra de arte. Se quer algo menos doce aposte no Ovos do Paraíso. Áhh sabe quem tbm estava lá? Willian Bonner e família! Chupa essa manga kkkkk -Restaurante Cantinho do Avillez: faz parte do grupo de restaurantes do chef José Avillez e este é de comida portuguesa com influência de viagens, achamos mto interessante o conceito. Pedimos Tartar de atum e Ovos à Professor do séc XXI, kkkk deliciosos. Depois Vieiras e Tagine de Cordeiro. Por fim, sobremesa de Avelã e Cheesecake de framboesa. Tudo é muito delicado e delicioso. O vinho é escolhido com um tablet que contém as informações do vinho e com que comida do restaurante combina, mto legal! Pedimos vinho verde e um vinho tinto q eles estão desenvolvendo. Jantar demais!!!! -Pastéis de Belém (o de Belém de fato rsrs): Esse é o clássico e original desde 1837. Sabia que só eles podem usar o termo “pastel de belém”? É marca registrada. Como a receita é secreta é um pouco diferente dos pastéis de nata dos outros lugares. São deliciosos tbm e não pode sair de Portugal sem provar! Tomamos tbm um galão (café com leite) e um chocolate quente que dá vontade de comer de colher! -Pop Cereal Café: estávamos mto curiosos pra experimentar por ser super novidade pra gente. O ambiente é td decorado com histórias em quadrinhos, colorido e mtas caixas de cereais. Tem mais de 100 tipos de cereais entre nacionais e importados. A graça é combinar os cereais, adicionar os toppings, escolher o leite e desfrutar. Como são mtas opções resolvemos pedir as preparações indicadas no cardápio. Pedimos o King Coco e o Heaven is made of chocolate e acrescentamos sorvete de nata kkkk. Cara, q massa!!! Uma delícia, super anos 90, nostalgia total mto legal. Atendimento primoroso! Tem que ir. SINTRA -Byron Bar: a entrada do bar fica embaixo e não é mto óbvia mas tenha fé que vai dar certo kkk, tem uma seta apontando para a entrada. O nome é em homenagem a um poeta que visitou a cidade no séc XIX e por ter gostado mto escreveu sobre Sintra. Começamos com um chocolate quente pra tirar a friagem kkk delícia. Experimentamos bolinho de bacalhau e as especialidades da casa: os travesseiros de Sintra e as queijadas. Tudo feito por eles, uma delícia e ainda olhando para a praça onde fica o Palácio Nacional. Finalizamos com o doce Dona Amélia que só tem na região dos Açores e tbm mto bom e experimentamos a Ginginha de Óbidos (bebida bem docinha feita com uma espécie de cereja). Dica: lá o valor das coisas são bem melhores que nos outros restaurantes. -Casa Piriquita: A casa existe desde 1862 e produz desde então os tradicionais Travesseiros de Sintra. Tem que provar! Experimentamos tbm outros doces especialidades deles como Cruz Alta, Joaninha, Queijada, Pastel de Sintra. Deliciosos. Separe um momento para essa experiência gastronômica em Sintra. Áhhh como a casa estava tranqüila pedimos para entrar na cozinha! Vimos a arte acontecendo e ainda conhecemos a família dos "Piriquitos", a Casa foi passando de geração em geração, mto legal! PORTO -Leitaria Quinta do Paço: famosa pelos seus Eclaires. O que que é isso Brasil? São mto delicados, equilibrados no doce e deliciosos! Pra conseguir provar vários sabores pedimos os miniaturas para compartilhar e depois os normais msm kkkk. Meu preferido foi o crocante!!! O chantily são eles que fazem tbm. Os cafés são de marca própria, tem um até com maçã! Experimente! -Amarelo Torradas: e suas maravilhosas torradas kkkkk. O local é mto charmoso e delicado. As torradas deram a fama ao lugar e não é pra menos: pedimos torrada com avelã e outra com cereais, vem quentinha, com manteiguinha derretida, crocante por fora, macia por dentro, ahhhhh tem que provar. Ainda acompanha geléia e nutella. Mas não se engane, não são só as torradas q são demais, o bolo-mousse de chocolate tbm é incrível. -Hungry Biker: Um restaurante com conceito mto jovem e decoração em torno das bikes. Fomos atendidos pela Maria que é russa e está aprendendo português. Mto simpática e divertida. Pedimos um brunch e um almoço. O brunch vem com ovos mexidos, presunto parma, pão, feijão (diferente né? Mas delicioso). O almoço vem mexilhões, salada, pão , sopa e acompanha vinho. Estava uma delícia e os ingredientes de qualidade. Amamos, vale mto a pena e ainda aproveite para uma troca cultural com a Maria. -Confeitaria Petúlia: Vimos vídeos sobre eles e a fama do bolo-rei (no fim do ano formam-se filas para comprar o famoso bolo). É uma confeitaria de 1972 com atendimento mto bom. Como ainda não tínhamos experimentado pedimos a Francesinha, prato típico do Porto. Existem várias formas de fazer francesinha, essa leva pão, queijo, embutidos, carne (de porco ou boi), queijo por cima derretendo e molho levemente picante. Ainda acompanha batata frita (passa a batata frita no molhinho pra vc ver). Tomamos uma cerveja Super Bock (eles disseram que era a combinação ideal kkk). O prato é bem servido viu!!! Pra finalizar pedimos o Bolo-Rei. É como se fosse um panetone mas com mais frutas cristalizadas (como laranja, cereja) e castanhas. Sensacional. Adoramos! -Padaria Ribeiro: existente desde 1878. Atendimento mto simpático. Como é uma padaria tradicional pedimos uma degustação das especialidades da casa. Começamos pelos salgados: bolinho de bacalhau, croquete, empada, pastel de chaves. Gente, os salgados de vitela e o bolinho de bacalhau são fabulosos. Depois pedimos a degustação dos doces kkkkk e vieram em miniatura (Thanks God, assim podemos comer mais opções kkkk). Mto bons, deliciosos, equilibrados no açúcar e com um cafezinho fecha com chave de ouro. -Café Piolho: Restaurante tradicional e popular entre os universitários da época da ditadura. Tds se conheciam e falavam de política, porém qdo alguém diferente entrava eles faziam sinal coçando a cabeça pra indicar q podia ser alguém da ditadura. E assim ficou conhecido como café Piolho kkkk. E lá comemos um Bacalhau com natas maravilhoso e uma sopa de legumes. -Petisqueira Voltaria: O local é bem pequeno, tem entre 4 e 5 mesas, mas o atendimento é tão caloroso e a comida é tão saborosa que te aconselho a ir sim!! Começamos com uma sangria... azul! Feita com espumante português azul e frutas vermelhas..uauu delícia. De entrada pedimos bolinho de alheira (alheira é um embutido português) super bem temperado, delicioso. De prato um bacalhau a Braz mto gostoso. Áh observe que lá por ser um local pequeno não fazem fritura, usam o forno nas preparações (e ainda fica saudável, olha só kkk). Pra fechar pedimos um Natas do Céu, creme com bolacha que vc vai pegando as camadas de colher...aprovadíssimo! E além de td tem a simpatia do Hugo e da Fátima... dê umas risadas com ele! -Restaurante Raiz: o restaurante é lindo e conta com 4 andares. Mto aconchegante e romântico à luz de velas. O atendimento é excelente e o Miguel, que nos atendeu, ao explicar os pratos correlacionava com a história de Porto e Portugal. Aliás, eles valorizam suas tradições e recriaram pratos utilizando ingredientes da culinária portuguesa, além de trazerem de volta pratos que haviam sido esquecidos. Pedimos alheiras (vem com ovo de codorna em cima que é a coisa mais linda), é uma explosão de sabores. Depois, Tiborna de Salmão com temperos intensos mas mais suaves que a alheira...pelo amor de Deus, é divino. O tiborna de salmão é um prato que era tradicional no sul do país e eles resgataram. E como principal Bacalhau com crosta de broa e mel...ahhh gente, é pra fechar com chave de ouro nossa experiência em Porto. De sobremesa um pudim de batata-doce com laranja em calda. Uau que combinação o cítrico da laranja com o doce da batata, bom demais! BRAGA -Nata Lisboa (em Braga kkk): local mto aconchegante e atendimento mto atencioso msm estando super cheio na hora que fomos. Pedimos uma Tábua Ibérica (uiiii rsrs) com frios e pães deliciosos. Não tem ainda no cardápio pois é novo e foi sugestão deles. Aprovado! Acompanhado de sangria com vinho do Porto rosê (pensa num povo que quer experimentar td nessa vida kkkkk). E pra adoçar nada de inovar: vamos no famoso pastel de nata kkkk... quentinho com café...áhhhh não tem coisa melhor. COIMBRA -Zé Manel dos Ossos: Local bem pequeno, com 5 mesas q forma fila na porta (dizem q a espera geralmente é de mais de 1h).A comida lá é fresca e caseira e o prato mais famoso é o tal dos ossos. Pois então vamos prová-lo. Pedimos os ossos com arroz e feijão pra acompanhar. Mas não subestime o arroz e feijão do Manel, é delicioso demaissssss e os ossos tbm... pedimos meia porção dos ossos e 1 de arroz e feijão e foi suficiente. O ambiente é cheio de guardanapos de clientes q deixaram recadinhos. Tem tbm varias decorações inusitadas. Tem que ir!
  4. Sintra é a vila portuguesa dos charmosos palácios com belíssimas paisagens e mais de 10 monumentos nacionais. Um dos bate-voltas favoritos a partir de Lisboa. 1 dia é suficiente? Pra mim não foi, mesmo conseguindo visitar vários lugares. Pensei que conseguiria visitar todos os palácios que queria, como o Palácio de Monserrate e o Palácio Nacional de Queluz, mas não consegui pois tudo era tão encantador que você passa horas dentro de cada um dos que visitei. Então, se você tem mais tempo em Portugal, opte por passar 1 noite em Sintra. Os atrativos fazem parte dos Parques de Sinta e no site oficial você consegue ver alguns desse lugares que citei, inclusive comprar o bilhete antecipado, caso tenha interesse. Centro Histórico e Palácio Nacional de Sintra Como chegar a Sintra: É muito simples. Você pega o comboio (trem) na Estação do Oriente, Rossio ou Entrecampos. No meu caso, fui pela Estação do Rossio . Por isso no post anterior, recomendei esta região como um ótimo lugar para se hospedar. Chegando em Sintra, bem perto da estação , você pegará o ônibus nº 434 – Circuito Pena. Trajetos Minha primeira parada foi o Castelo dos Mouros e lá mesmo comprei os ingressos para a visita ao Castelo e ao Palácio Nacional Pena. O valor atual da entrada do Castelo dos Mouros é €7,60 e do Palácio Nacional da Pena €13,30 (valores do site com 5% de desconto e para 1 adulto). Ambos ganham desconto apresentando o Lisboa Card, caso compre no local. Castelo dos Mouros Acho que esse era um dos lugares que estava mais ansiosa para conhecer por toda sua história. E foi incrível, andar pelas antigas muralhas beirando penhascos e com lindas vistas de outros monumentos como o Palácio da Pena e o Palácio de Sintra e a Quinta da Regaleira e da natureza. Essa fortificação foi construída no século X e classificada pela UNESCO como Patrimônio Mundial da Humanidade em 1995. Castelo dos Mouros Saindo do Castelo, peguei o mesmo 434 sentido Palácio da Pena, a atração que visitei na sequência. Parque e Palácio Nacional da Pena O Palácio da Pena fica em um dos pontos mais altos da Serra de Sintra . O Palácio é formado por duas partes: o antigo convento da Ordem de São Jerônimo, erguido em 1511 e a ala construída no século XIX. O antigo convento foi adquirido e reformado por D. Fernando II em 1838, que estava abandonado desde 1834. Além das obras no Palácio, que terminaram por volta de 1860, D. Fernando mandou plantar o Parque da Pena, composto por jardins românticos, árvores e plantas de vários lugares do mundo. Também foi classificado pela UNESCO como Patrimônio Mundial da Humanidade em 1995. Palácio Nacional da Pena Peguei o 434 novamente e desci próximo ao Palácio Nacional de Sintra, no centro histórico, mas não tive tempo de visitá-lo E entrei na fila para pegar o 435 pois meu próximo destino era a…. Quinta da Regaleira A Quinta da Regaleira é um dos mais surpreendentes monumentos da Serra de Sintra. Situada na região do centro histórico da Vila, foi construída entre 1904 e 1910 por um dos homens mais ricos de Portugal na época. É uma mansão gótica extravagante com atrações como os luxuosos jardins, lagos, construções enigmáticas e grutas ligadas por um sistema de túneis. Por todas as partes da propriedade estão presentes símbolos ocultistas e misteriosos, que dizem serem pertencentes da Maçonaria, Templários e a Ordem Rosa Cruz. O mesmo forma parte integral da paisagem cultural de Sintra, classificada como Patrimônio Mundial da UNESCO em 1995. Um dos maiores atrativos , além do Palácio, é o Poço Iniciático que é uma galeria subterrânea com uma escadaria em espiral. Esta , remete à Divina Comédia de Dante, onde seus 9 patamares representariam os 9 círculos do Inferno, Purgatório ou Paraíso. Acredita-se que o Poço Iniciático era usado na iniciação à maçonaria Preços: 6 Euros (sem guia) e 12 Euros (com guia). (20% de desconto com o Lisboa Card) Quinta da Regaleira Está gostando? Inscreva-se no blog para receber avisos de novos posts, no Instagram @astrolabio.trip e em nossa Fanpage Astrolábio Trip . De volta a Estação de Sintra, Peguei um outro ônibus 403 e fui em direção ao ponto mais ocidental da Europa: o Cabo da Roca. O dia estava lindo, mas mesmo assim ventava bastante. A vista para o mar e das falésias é sensacional. Cabo da Roca E o dia acabou?? Ainda não! No verão o sol se põe quase às 21h, o que me deu bastante tempo para aproveitar o dia e a noite. Next stop: Cascais Boca do Inferno Reza a lenda que há muito, muito tempo atrás, vivia um feiticeiro cruel em um castelo na zona de Cascais que hoje é conhecida como a “Boca do Inferno”. Ele decidiu que queria se casar e foi escolhida a mulher mais bela das redondezas. Quando a viu pessoalmente, ficou encantado com sua beleza , e como era muito ciumento, resolveu trancá-la em uma torre alta e solitária , mas enviou para guardião o seu mais fiel cavaleiro. Resultado: O guardião e a moça se apaixonaram e resolveram fugir. Montaram no cavalo branco do cavaleiro e fugiram pelos rochedos junto ao mar. O feiticeiro logo descobriu a fuga dos dois e resolveu castigá-los mandando uma assustadora tempestade no caminho deles. A força da tempestade fez com que os rochedos por onde eles passavam se abrissem como uma grande boca infernal. O cavalo, o cavaleiro e a bela jovem caíram nesse grande buraco e desapareceram para sempre. A partir desse dia o buraco nunca mais se fechou e foi então que o povo começou a chamar-lhe “Boca do Inferno”. De lá peguei mais um ônibus para passear pela orla de Cascais e na Praia da Rainha. Passeio muito agradável e imperdível! Cascais E finalmente o dia chegou ao fim.Voltei de trem (comboio) de Cascais para Lisboa. Foi tudo muito corrido, mas amei cada segundo desse dia. Espero que tenha gostado do post. Qualquer dúvida ou sugestão, deixe aqui nos comentários que respondo. Até o próximo! XOXO Inscreva-se no blog para ser notificado sempre que houver posts novos por aqui, no Instagram @astrolabio.trip e no Facebook Astrolábio Trip .
  5. Pessoal, Vou para Portugal agora no final de Outubro/começo de Novembro e tenho 8 dias lá (fora dia de chegada/saída). Pensei em entrar por Lisboa e voltar por Porto para otimizar o tempo. Pelo que pesquisei, as cidades do caminho seriam: Lisboa, Sintra, Cascais, Óbidos, Fátima (obrigatório, é o sonho da minha mãe), Porto. Vou fazer tudo de trem ou ônibus. Pensei em organizar dessa forma: Lisboa - 3 dias (inclui bate e volta Sintra e Cascais, em dias diferentes), Óbidos - 2 dias (inclui bate e volta pra Fátima), Porto - 3 dias (não sei quais cidades nos arredores são legais, ou se só Porto em si basta). Aí tenho algumas dúvidas, se puderem me ajudar: 1 - Esse número de dias basta em cada cidade? Ou seria melhor reorganizar? 2 - Compensar dormir em Óbidos ou ficar em Lisboa e fazer bate e volta? 3 - Não encontro em nenhum lugar transporte público de Óbidos para Fátima. Vocês sabem qual seria? 4 - Nos arredores de Porto, o que valeria a pena? Ou a cidade por si só já tem bastante coisa? Se puderem me ajudar, agradeço. Obrigada!!
  6. Você também prefere levar imagens em vez de coisas como recordação de uma viagem? Neste post, reuni 22 lindas recordações minhas de 11 lugares que visitei em Portugal! Com informações e dicas completas para incluir no seu roteiro de viagem, inspirar sonhos ou simplesmente apreciar. Confira AQUI
  7. Olá, mochileiros! Passei dezoito dias de muita movimentação, chuva e bacalhau em Portugal. País lindo e seguro. 😍 Usamos quase todos os tipos de transporte disponíveis no país, experimentamos algumas comidas típicas e nos enrolamos quase todos os dias com as diferenças do idioma. Curiosamente, nem sempre o idioma que temos em comum facilita as coisas. Às vezes dificulta a comunicação e nos proporciona bons rolos e boas risadas. Apesar de não termos tido sorte com o tempo (choveu praticamente 14 dos 18 dias que passamos por lá) adorei conhecer Portugal e deixo aqui minha experiência para quem planeja visitar a terrinha. Vou postando em etapas porque o relato ficou um pouco extenso, mas fiquem à vontade para ler, comentar e perguntar entre os posts. DIA 1: Lisboa - Oceanário, Telecabina e Parque Eduardo VII de metrô Depois de meses esperando uma promoção, voamos de TAP direto para Lisboa e chegamos lá às 5h da manhã. O check-in no estúdio que alugamos pelo Booking era só ás 15h e então aproveitamos o dia e a localização próxima do aeroporto para conhecer o Oceanário e a região do Parque das Nações. O voo foi muito cansativo, com direito a neném chorando o tempo todo, e o cansaço nos impediu de aproveitar melhor as visitas desse dia. 😴 Mesmo assim, valeu muito. Obs: optei por reservar estúdios em 3 das sete cidades pelas quais passamos para ter liberdade de cozinhar algo rápido, preparar nossos cafés da manhã, lavar e passar roupa, tudo isso pagando menos que em um hotel normal. Isso nos permitiu viajar com uma mala menor e economizar um pouco nas refeições. Dica: fiz minhas reservas com quatro meses de antecedência e peguei ótimos preços em lugares excelentes. Se puder, não deixe para a última hora. Continuando: esperamos um pouco no próprio aeroporto e lá mesmo compramos um chip da Vodafone com o plano turístico para ligações e internet (€ 10 com cerca de 4MB e do meu celular eu roteava para o do marido), que funcionou maravilhosamente bem em toda a viagem. Compramos também o Lisboa Card (de 3 dias, € 40 por pessoa) no balcão de informações turísticas do aeroporto Esse cartãozinho permite visitar várias atrações “gratuitamente” e dá desconto em outras tantas, além da gratuidade nos transportes da cidade como metrô, trem, bonde, elevadores. Já começamos a usar o cartão ali mesmo no aeroporto quando pegamos o metrô para a estação do Oriente. Sair do aeroporto de metrô é fácil, fácil. E barato! Na estação de trem Oriente, deixamos nossas malas no que eles chamam de cacifos (ou lockers), que são armários/cofres automáticos. Você deposita um valor em moedas de acordo com o tamanho do armário que escolher, recebe uma senha e paga o restante no retorno para retirar a bagagem. Se usar os cacifos, não perca a senha. Só com ela você consegue reaver as malas. Outra coisa que achei legal é que há no local uma máquina para trocar dinheiro, para o caso de você não ter moedas na hora. Você deposita uma nota e recebe tudo em moedas. Muito prático e fácil de usar. Também é possível guardar malas no aeroporto. Recomendo muito a visita ao Oceanário. Não é à toa que ele é considerado dos mais bonitos da Europa. Reserve um bom tempo para essa visita, especialmente se você for fã de vida marinha. Ao redor do imenso tanque principal há banquinhos para você observar com calma a movimentação de peixes, tubarões, arraias etc. Lindo! Há também lontras❤️, pinguins, patos, águas-vivas etc etc etc. Nós visitamos as duas exposições: a permanente (os aquários em si) e a exposição de florestas aquáticas, também interessante. Pagamos € 15,30 por pessoa já com o desconto do Lisboa Card. Sem ele ficaria em € 18 pp. Já cansados e com fome depois de não dormir à noite e bater perna pra lá e pra cá, pegamos a telecabina ali pertinho e fomos almoçar um bacalhau, melhor dizendo, quatro bacalhaus, pra começar bem a viagem: bacalhau a brás, posta de bacalhau grelhado, bacalhau com broa e bacalhau com natas no restaurante D’Bacalhau, ali mesmo no Parque das Nações. O passeio na telecabina é bacaninha, mas nada excepcional. Também tem desconto com o Lisboa Card. Depois dessa odisseia já estávamos mortos de cansaço e ainda não eram 14h. Não tínhamos gás pra mais nada, então liguei para o proprietário do estúdio que alugamos, que foi super gentil e nos deixou fazer o check-in um pouco mais cedo. Por falar nisso, o horário de check-in em Portugal é quase sempre às 15h e o check-out às 11h ou 12h. De volta à estação Oriente, reavemos nossa bagagem e pegamos o metrô até a estação Alamedas e lá mudamos para a linha verde até a Baixa-Chiado. Molezinha. O único porém é quem nem todas as estações estão equipadas com escada rolante/elevadores e isso pode dificultar a vida de quem viaja com malas grandes ou muitas malas. A nossa era pequena e não tivemos problemas. Descansamos um pouco no estúdio e saímos para conhecer a região. Ficamos hospedados no estúdio Chiado InSuites 100, na Baixa, pertinho de tudo. Recomendo. O estúdio é uma graça e muito prático. A área é muito bem servida de bares, restaurantes, farmácias, mercado, lojas, metrôs, trens, ônibus etc. Passamos no mercado Pingo Doce para comprar produtos para o café da manhã e, apesar de a água da torneira ser própria para beber em todo o país, não gostei do gosto dela e preferi comprar a mineral no mercado mesmo. Mas fica a dica para quem quiser economizar uns euros em água. Aproveitando que nessa época escurece por volta das 21:30 e, apesar do tempo feio, passeamos pela rua Augusta, conhecemos o Arco da Rua Augusta, a Praça do Comércio, o Parque Eduardo VII (que estava hospedando a Feira do Livro de Lisboa e não rendeu boas fotos). Jantamos uma massa deliciosa com vinho da casa no Prima Pasta, um dos inúmeros restaurantes da Baixa, e desmaiamos até o dia seguinte. Vale comentar que os vinhos da casa nos restaurantes portugueses são geralmente muito bons e baratos. Eles servem uma taça, meia garrafa ou garrafa inteira. Peça sem medo de ser feliz. DIA 2: Lisboa – São Pedro colaborou com a minha preguiça Conforme anunciado por vários aplicativos de previsão do tempo, o dia amanheceu frio e muito chuvoso. 😒 Aproveitamos para descansar e tentar espantar a desgraça do jetlag. O marido precisava trabalhar e passei a manhã de preguiça no estúdio. A chuva parou pela hora do almoço e resolvemos conhecer o Timeout Market, com a intenção de almoçar por lá. Não mesmo, de jeito nenhum. Muita gente, muita fila, muita confusão. O local é muito legal e há restaurantes de todos os tipos de cozinhas, mas estava insuportavelmente cheio. Desistimos e acabamos almoçando na Pastelaria Brasília ali pertinho. Bem simples, mas com bom preço, boa comida e bom vinho da casa. Dali pegamos o metrô e fomos visitar alguns clientes em Lisboa mesmo. Chovia bem e voltamos para o estúdio para o marido continuar o trabalho pendente. De novo fiquei de preguiça dando uma folguinha para os meus pés e esperando a chuva passar. À noite fomos bater perna pela região e experimentamos o bolinho de bacalhau da Casa Portuguesa do Pastel de Bacalhau. Apesar de famoso e de vir recheado com queijo da Serra da Estrela, achei que não vale a grana pagar tanto por uma massa de batatas. Enfim, gosto é gosto. Nesse dia experimentamos também os famosos e aclamados pastéis de nata. Gostamos, mas não achamos nada assim tão fenomenal neles. Enfim, questão de gosto mesmo. Mas o mais decepcionante em Portugal, para mim, foi o café. Passamos por uma sofrida peregrinação em busca de um café, no mínimo, mais ou menos. Sempre que pedíamos café, serviam um expresso MUITO FORTE ou alguma outra coisa muito ruim. A gente fazia cara feia e tomava por questão de honra, mas só mesmo em Cascais descobrimos o nome do café que gostamos e que normalmente tomamos aqui no Brasil. Fique de olho nos próximos capítulos para saber e fugir das roubadas. Hehe... 🤪 Estava chovendo, então pegamos o metrô e fomos conhecer o shopping Colombo. São mais de 400 lojas de marcas conhecidas como Timberland, Chilli Beans, Toys "R" Us, C&A, Nike, Lacoste etc. Há também um mercado Continental e uma ótima praça de alimentação por lá. O acesso ao metrô é super fácil, feito por dentro do shopping mesmo. Não achei os preços lá essas coisas, mas vale a visita... Caminhar tranquilamente por Lisboa à noite com uma câmera a tira colo e mochila nas costas foi algo surreal pra mim. Mesmo morando em uma cidade relativamente pequena aqui no Brasil, não tenho coragem de sair à noite de câmera na mão. Essa é, sem dúvida, uma das grandes vantagens de Portugal. DIA 3: Lisboa – Belém e Castelo de São Jorge de elétrico (bonde) Um dia que eu não repetiria. Ainda com um pouco de jetlag, pegamos o elétrico 15E (o moderno, com wi-fi gratuito e tudo) na Praça da Figueira e desembarcamos em Belém. Detalhe: esse elétrico tem Wi-Fi gratuito. É tanto turista em Belém que achei que estava entrando em um formigueiro. - Padrão dos Descobrimentos: monumento interessante e imponente. Subimos de elevador até a cobertura, de onde se tem uma boa vista da Torre de Belém, do Mosteiro dos Jerônimos e de toda a região. Tem também um pátio muito bonito contando a história dos descobrimentos e das conquistas portuguesas, onde as escolas levam seus alunos para conhecer um pouco sobre as antigas glórias do país. - Torre de Belém: do Padrão fomos caminhando até a Torre (Cerca de 10 minutinhos) e depois de quase desistir, decidimos enfrentar aquela fila enooorme para entrar no monumento. Valeu, mas eu não faria de novo. Perdemos tempo demais ali. A intenção era visitar o Mosteiro dos Jerônimos logo em seguida, especialmente porque ele fica gratuito com o Lisboa Card, mas não tivemos coragem. A fila estava quase chegando no Japão e não tínhamos mais muito saco sobrando pra elas. Visitamos rapidamente a igreja (grátis para todos) e partimos para tentar experimentar os famosos pastéis de Belém. Doce ilusão. Como eu já tinha usado toda a minha cota de paciência na fila da Torre, nem pensei em enfrentar a quilométrica fila para saborear os pastéis. Entramos então em busca de uma mesa, na esperança de que seria mais fácil comer ali mesmo, mas a coisa estava séria demais para o meu gosto. Saímos dali correndo e, a mando do estômago, entramos no primeiro restaurante com mesas disponíveis na área. Era uma hamburgueria e nesse dia eu comecei a confirmar o que eu já vinha suspeitando desde o primeiro dia: a comida portuguesa é mesmo muito boa e muito farta, mas carece de sal. Durante toda a viagem fiquei com a sensação de que faltava alguma coisa. Pegamos o mesmo bonde de volta, saltamos na Praça da Figueira e fomos ao estúdio descansar um pouco. Com as energias meio renovadas e o tempo um pouco melhor, partimos para o Castelo de São Jorge no elétrico 12E, na mesma Praça da Figueira. Esse elétrico nos deixou em frente ao miradouro das Portas do Sol, ao lado do miradouro de Santa Luzia. O elétrico 28 vai mais próximo do castelo, mas a diferença não é grande. Depois de algumas fotos ali, fomos caminhando para o Castelo. É fácil chegar seguindo as indicações, não se preocupe. Adoramos o castelo, especialmente agraciado com uma linda vista da cidade e do Tejo, ótimo local para assistir ao pôr do sol. Descemos o bairro de Alfama caminhando, com a noite em nosso encalço, e nos enfiamos no estúdio, exaustos. Ô dia cansativo! Sobre alimentação, os preços dos pratos ali na Baixa variam entre € 7 e € 11. Nem passei perto de restaurantes mais caros. 😬 Veja mais abaixo: - Sintra de trem e taxi: Quinta da regaleira, Palácio da Pena, Castelo dos Mouros e Travesseiros da Periquita - Cascais e Cabo da Roca de trem e ônibus - Óbidos, Nazaré e Aldeia do Talasnal de carro alugado - Guimarães de trem - Porto e Douro de ônibus e bonde
  8. Que viagem maravilhosa! Nossa primeira vez na Europa e nas terras do nosso colonizador rsrs! Dia 01 a 16/01/18. Acompanhe tbm nossas viagens pelo Insta e Face @polymsousa. Obs: os valores são relativos a 1 pessoa. Câmbio: cambiamos no Brasil a R$4,00/euro. Roteiro: 01 a 08 – Lisboa 08 a 09 – Sintra (Lisboa-Sintra de comboio €2,25) 09 a 14 – Porto (Lisboa-Porto de comboio €15) 14 –Braga (Porto-Braga-Porto de comboio €6,40) 15 – Coimbra (Porto-Coimbra de comboio €13,40) 16 – Retorno (Coimbra-Lisboa de comboio €14) Avião: Campinas-Lisboa-Campinas com programa de milhagens da Azul. Hospedagem – Dicas de onde ficamos: https://www.mochileiros.com/topic/69684-dicas-de-hospedagem-em-portugal-lisboa-sintra-e-porto/ Restaurantes – Nossas experiências gastronômicas: https://www.mochileiros.com/topic/69753-onde-comer-em-portugal-nossas-experi%C3%AAncias-gastron%C3%B4micas-em-lisboa-sintra-porto-braga-e-coimbra-jan2018/ Dicas úteis de Portugal: https://www.mochileiros.com/topic/70071-dicas-%C3%BAteis-portugal/?tab=comments#comment-707985 Relato: Dia 01 (segunda): Lisboa Chegamos 6h em Lisboa, pegamos uma fila gigantesca de 2:30h para imigração (já inclua esse tempo no seu roteiro). Fomos de metrô (€1,45+€0,50 do cartão) para o hotel no Baixa-Chiado e deu uns 30 min. Deixamos as malas e fomos para nosso primeiro passeio: -Free Walking Tour com o Lisbon Chill Out Tour (clique no link para Facebook Free Tours em Lisboa e Site Free Tours em Lisboa). Essa é nossa forma preferida de conhecer as cidades que viajamos. Sempre procure os Free Tours (ao final vc colabora com o valor que achar que deve, é livre). Gosto de fazer esses tour já no primeiro dia para dar um panorama do local. Fizemos o tour com o José. Foi excelente! São guias locais que mesclam a história oficial com histórias que eles escutam desde pequenos e lendas. É muito divertido. O trajeto percorreu baixa-chiado até alfama finalizando no maravilhoso Miradouro da Glória. -Fim do tour, pegamos o famoso Electrico 28 (é o que passa por mais regiões bonitas e turísticas). Prepare-se pra enfrentar filas quilométricas, demoramos mais de 1h pra conseguir entrar. Mas vale a pena, vc tem uma visão geral dos pontos turísticos da cidade de uma forma diferente, além de andar no tradicional bondinho (€1,45). O Electrico 28 finaliza no Campo de Ouriques. Pra voltar vc pode pegar o mesmo bonde de volta (pagando novamente e pegando fila novamente). Nós preferimos voltar caminhando. A região é linda. -Fomos direto pra o Parque Eduardo VII. Estava acontecendo o último dia do Wonderland Lisboa, um mercado de natal. Lindo, decorado, parecia cenas de filme. Amamos. Na volta para o hotel fomos pela Av. da Liberdade. Numa ponta da avenida está a praça Marquez de Pombal e na outra a Praça Restauradores.Lindíssima e ainda iluminada por causa do natal. Dia 2 (terça): Lisboa -Começamos o dia pela Livraria Bertrand fundada em 1732 e é a mais antiga livraria em funcionamento de Portugal. O primeiro salão ainda conserva como era na época. -Fomos andando até o Museu do Azulejo. É bem bonito, interessante tanto o prédio histórico quanto as informações dos azulejos e não pode faltar no roteiro por ser um dos símbolos de Portugal. Eles dão um mapa do museu e pedem pra vc baixar um aplicativo que tem o áudio –guia (leve um fone de ouvido). Custou €7,00 (bilhete conjunto com o Panteão, se não seria €5,00). - Panteão Nacional: prédio onde era a Igreja de Santa Engrácia. Lindo, imponente e uma vista belíssima 360°. Vale demais. -Saindo do Panteão, se for terça ou sábado, ande pela Feira da Ladra, uma feira de antiguidades e objetos turísticos. Tem bons preços. -Pelos caminhos fomos no Mercado Pingo Doce. Coisa mais difícil é encontrar um mercado grande. Bom, adoramos ir ao mercado nas cidades que visitamos pra comprar as novidades de comida kkkk mas pra nossa decepção não encontramos nada diferente que valesse a pena. Esse mundo globalizado acaba com nossas surpresas nos mercados kkk -Fim de tarde fomos para o LX Factory, uma antiga área de indústrias que foi revitalizada e ali agora estão lojas e restaurantes. Muito legal, super moderno e preservando a idéia industrial. Vale a pena ir, bem diferente. Dia 3 (quarta): Lisboa -Já havíamos passado mil vezes pela Praça do Comércio (ou Terreiro do Paço) mas desta vez fomos dar a devida atenção a ela kkk. Linda praça emoldurada por prédios históricos (palácio) e o Arco da Rua Augusta e de frente para o Tejo. Linda demais, milhões de fotos por lá. OBS: lá tem mtos batedores de carteira e vendedores de drogas mas é só cuidar dos seus pertences que dá td certo. -Lisboa Story Centre: museu interativo sobre a história de Lisboa evidenciando o terremoto de 1755. São €7,00, tem áudio-guia. É muito legal, interativo e divertido, vale a pena. -Martinho da Arcada: um restaurante bem turistão na praça do comércio mas vale entrar pois lá era onde Fernando Pessoa sempre estava. Tem sua mesa cativa e alguns objetos. Pode entrar de boa só para olhar. -Arco da Rua Augusta: não subimos mas tem essa opção. Como Lisboa tem muitos miradores não incluímos esse. O arco é maravilhoso e imponente, porta de entrada para a Rua Augusta. -Rua Augusta: linda rua em que vc avista o arco o tempo todo. Cheia de lojas e estavam com bons preços pois janeiro é a época das promoções. -De lá fomos conhecer a Rua Cor de Rosa no Cais do Sodré, região antes conhecida pelos bordéis e que foi transformada. O Bar Sol e Pesca é decorado com o tema de pescaria. A Pensão do Amor, antigo bordel, é tbm todo tematizado...fomos de dia e estava vazio, dizem que ferve a noite kkk. Vale conhecer. -Perto está o Time Out Market que fica no Mercado da Ribeira. São vários restaurantes, muitos deles com chefes renomados em Portugal. Lotado, tá mto famoso entre turistas. Só fomos conhecer mas dizem que a comida é ótima. -Voltando pro hotel entramos no Café a Brasileira (onde tem a estátua de Fernando Pessoa), fundado em 1905 e foi point de escritores e artistas. Dia 04 (quinta): Lisboa -Começamos o dia na igreja da Sé. Enorme, mas achei mais bonita por fora que por dentro, talvez por ser mto escura não dava pra ver com detalhes. Do lado de fora ficam parados mtos Tuk Tuks e a Linha 28 do Electrico passa ali resultando em milhões de fotos kkkk. -Continuamos subindo até o Miradouro Santa Luzia. Vista linda. Abaixo do mirador tem uma igrejinha que por fora tem um mural de azulejos lindo representando a praça do comércio e em frente tbm é mirador (não sei se tudo faz parte do mirador santa Luzia). -Depois, Castelo de São Jorge. Olha, não sobrou mta coisa do castelo kkkk tem somente as muralhas mas tenho certeza que vc vai ficar horas lá vendo os vários ângulos de Lisboa. É a vista mais linda que tivemos e dizem que é a mais linda de Lisboa de fato. Vale demais! Se tiver pouco tempo em Lisboa ou tiver que optar por 1 mirador, vá no castelo. Custa €8,50. -De tarde fomos convidados a ter uma experiência mto diferente para nós e que marcou a nossa viagem. Fizemos um passeio de veleiro, exclusivo, pelo rio Tejo! Para o mundo que quero descer!!!! O veleiro é conduzido pelo Luís e pela Joana que são um encanto. O passeio percorre o rio Tejo passando pela Ponte 25 de Abril, Belém, Praça do Comércio. Vc avista todos os monumentos de um ângulo totalmente diferente enquanto tem informações do local. O coroamento do passeio é com o pôr do sol tomando um vinho português! Mágico, indescritível, inesquecível. E ainda teve pastel de nata para finalizar a experiência. O passeio dura em torno de 2:30h e eles tem outras modalidades de passeios tbm para mais pessoas. Para uma viagem de experiência inclua no seu roteiro. http://lisbonsightsailing.com/ Dia 5 (sexta): Lisboa -Ai esfriou, a temperatura caiu mto e pra completar chuva o dia inteiro. Lisboa continua linda com chuva, fica até com mais charme, ideal para ficar num café olhando a garoa nas lindas paisagens. Seria o ideal mas diante de tanta coisa pra conhecer não foi o que fizemos kkkkkkk . Verdade seja dita, é bem ruim turistar com chuva, mas vamos lá estamos em Lisboa, animação! -Primeira parada foi no Museu da Farmácia. Custa €5 e conta 5000 anos de história da farmácia e boticas no mundo e em Portugal. Tem representações das antigas Boticas e até uma farmácia trazida de Macal, tem os medicamentos e objetos utilizados em uma expedição da Nasa. Como somos farmacêuticos adoramos, mas até quem não é gostaria. -Igreja do Carmo: Igreja em que o teto foi destruído com o grande terremoto de 1755. Inclusive foram feitos estudos (naquela época) para descobrir pq as paredes resistiram e foi devido a forma que as pedras foram assentadas (irregularmente) permitindo mais flexibilidade na estrutura. A visita, portanto, é feita na igreja sem teto (se puder escolher um dia sem chuva é melhor kkkk). É lindo. Ao fundo tem o museu arqueológico (coberto). Vale a visita. Custa €4. -De metrô fomos para o Estádio do Benfica. Pega essa dica: tem uma loja do Benfica na rua Augusta. Se vc comprar a partir de €40 vc ganha 2 ingressos para visita no museu + estádio. O valor normal do ingresso é €17,50, logo gastaríamos €35. Compramos uma camiseta de €40 e ganhamos o ingresso, assim uma camiseta do Benfica saiu por €5. Olha, se gosta mto de futebol ou é fã do Benfica reserve várias horas para o museu pois é enormeeeeeeees. Tem informação demais mas é mto legal, interativo, os vídeos são demais. Por fim tem a visita guiada ao estádio. É lindo. Estruturas internas modernas e tudo novo. Pegamos a última visita (17h) e pegamos o estádio escurecendo, se puder vá mais cedo que ainda terá a chance de pegar o treinamento das águias (símbolo do Benfica). Pegamos elas pós treinamento kkk são lindas! -Em frente ao Benfica tem o shopping Colombo. Lá vc encontra o Continente, mercado enorme (no centro de Lisboa só tem mercado pequeno sem mta opção diferente). É nesse shopping tbm q está a Primark. Loja em que os euros dos brasileiros se vão kkkkkk. É uma perdição de fato. Qto a qualidade é equivalente a C&A/ Riachuelo etc mas com preços mais atrativos como blusinha de alcinha a €1,50. Vale a pena! Dia 6 (sábado): Lisboa -Andamos pela Av. da Liberdade (dessa vez de dia) desde a praça dos Restauradores até a praça Marquez de Pombal. Muito linda essa avenida. -Próximo da praça Marquez de Pombal fica a Decathlon, fomos lá ver se algo valia a pena. E vale, vários itens pela metade do preço em relação ao Brasil principalmente tênis. -Voltando, fomos conhecer a área do Príncipe Real. Região bem arborizada e linda. A praça Jardins do Príncipe Real é rodeada por prédios históricos. O Miradouro de São Pedro de Alcântara é a melhor vista depois do Castelo de São Jorge (na minha humilde opinião kkk). -No fim da região tem a igreja de São Roque. Estava achando as igrejas em Lisboa muito comuns em relação às igrejas históricas que temos no Brasil (em especial em Ouro Preto), até que visitamos essa. Enorme, linda e com mto ouro. É do século XVI. Dia 7 (domingo): Lisboa -Nosso último dia de Lisboa, dia de conhecer Belém. Fomos de Electrico 15 e demora uns 30min. A região é linda, à beira do rio Tejo e com a visão dos monumentos e da ponte 25 de abril. -Começamos pela Torre de Belém. Construção de 1520 com a função de defesa e que resistiu ao grande terremoto de 1755. Lindo monumento. Não entramos. -Padrão dos Descobrimentos: construído em homenagem as eras das navegações. É em forma de barco com os descobridores e na ponta o Infante dom Henrique q foi o visionário propulsor das navegações. Em frente tem uma enorme Rosa dos Ventos. Também não subimos. -Mosteiro dos Jerônimos (€10): ahh nesse entramos. Monumento belíssimo por fora, impressionante, e por dentro tbm, além de ter o túmulo de Fernando Pessoa e Alexandre Herculano. É lindo demais e ao final vc vai na Igreja D. Maria (gratuito), a entrada é qdo sair do claustro, que além de linda e grandiosa tem os túmulos de Vasco da Gama e Luis de Camões. Dia 8 (segunda): Sintra -Como nosso hotel está entrando em reformas transferiram nosso café da manhã para a outra unidade, mto mais luxuosa, Se o nosso café já era ótimo esse então foi divino! Que delícia! Fizemos check out e partimos rumo a Sintra. -O comboio sai do Rossio (€2,25) e demora 40 min. Em Sintra fomos guardar as malas no Posto de Turismo do centro (dá 800m da estação) e custa €2,50 por mala (das 9:30h às 18h). -Corremos para encontrar com a turma do free walking tour Take Lisboa que nesse dia faria o tour em Sintra. O tour dura em torno de 2:30h e a guia Mariana conta a história de Sintra envolvendo os reis que moraram na cidade de uma forma leve e mto divertida. O tour finaliza com uma linda vista e com o presente da Mariana: cantando um Fado. Foi lindíssmo! Vale mto a pena. Recomendo fazer pois vai te dar uma visão histórica da cidade. A guia ainda te ajuda a montar o roteiro diante do tempo que vc terá em Sintra. -Finalizado o tour fomos para a Quinta da Regaleira. Um lugar mágico, cheio de labirintos e mistérios. A criação dele foi com a proposta de integrar o homem a natureza. Tem palácio, capela, o poço iniciático (que é uma torre invertida com cerca de 37m para baixo do chão). Se tiver com tempo faça um piquenique pq é lindo. -Ficamos aproveitando a cidade que parece q saiu de um conto de fadas. Pegamos as malas e fomos fazer o check in no airbnb que fica ao lado da estação. Dia 09 (terça): Sintra -Maior chuva com vento em Sintra e não conseguimos fazer mais nada. Fomos para o Posto Turístico, pois lá tem wifi e lugar pra sentar (véia kkk). Ficamos esperando ver se a previsão do tempo acertaria que a chuva ia passar após as 14h. Bingo! Parou! Pegamos o ônibus turístico que custa €5,50 (ida e volta) e fomos para o Castelo dos Mouros. Tínhamos ganhado os ingressos do hotel de Lisboa quando dissemos que viríamos a Sintra pois ele tinha e não iria usar (mas custa €7,50). Mta neblina e mto vento mas mto legal andar nas muralhas. É bem bonito e romântico com a neblina subindo. Quando o céu está limpo dizem que tem uma vista mto bonita dando pra ver até o mar. -Subimos no ônibus de novo (descidas e subidas inclusas) e fomos para o Palácio da Pena. Como achamos o ingresso para entrar no palácio mto alto (€11,50) resolvemos comprar só o ingresso da entrada no parque que é €7,50, mas nossa surpresa foi que dá pra vc ir em várias partes externas do Palácio , mto mais que imaginávamos e valeu super a pena. Dizem que os jardins tbm são lindos mas como estávamos com o tempo apertado e a alta neblina resolvemos não ir. Mas voltamos mto felizes com o que vimos. Se tiver sorte de ser um dia aberto tbm terá a msm vista que tem do castelo dos mouros. -Fizemos check-out e voltamos para Lisboa (estação Oriente) para irmos para Porto (tudo de comboio). -Chegamos no Being Porto Hostel depois das 23h e tivemos que pagar uma taxa de Late Check-in de €8. CONTINUA NA PARTE 2/2 Clique aqui
  9. Em 2012, quando viajamos para Portugal, decidimos alugar um carro e ir do Porto à Lisboa conhecendo alguns lugares no caminho. A primeira parada foi a Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, em seguida o Santuário de Nossa Senhora de Fátima (onde derramei litros e litros de lágrimas!) e por último o Palácio Nacional da Pena, na vila de Sintra. Todos são muito interessantes, mas meu encantamento pelo Palácio todo colorido foi imediato e só aumentava a cada ambiente percorrido! O local é na verdade um enorme parque com lagos e construções diversas espalhadas pela imensidão verde. Com muito pesar tivemos que renunciar a esse incrível passeio e ir direto ao topo da montanha, onde se encontra o palácio. Como o tempo era muito curto, pois já estava quase no fim da tarde, subimos e descemos com o transfer (3€). Ao chegar, pegue o áudio-guia (3€). Ouvir a história do local, como as pessoas viviam e o porquê de cada detalhe faz toda a diferença na visita. Falando nisso, aqui vai um resuminho da história deste lugar fascinante. Antigamente, o topo da Serra de Sintra, abrigava uma capela em homenagem a Nossa Senhora da Pena, o lugar foi doado à Ordem de São Jerónimo que construiu um convento de madeira. Algum tempo depois dois desastres naturais, um raio e um terremoto, destruíram quase por completo o local, restando apenas uma parte da capela. No século XIX, Fernando II, conhecido como o Rei-Artista, adquiriu as ruínas do convento com o intuito de reformar e transformar em “casa” de veraneio. Para isso, contratou o Barão von Eschwege, arquiteto alemão que já havia trabalhado para ele em outras ocasiões, depois de recusar os primeiros projetos, o rei aprovou o trabalho e inclusive participou da concepção de algumas áreas. Em 1853, a esposa do rei, Dona Maria II, morre em seu 11º parto. Ele casou-se novamente com a cantora lírica e condessa Elisa Hendler e após sua morte, em 1885, deixou o Palácio como herança à ela. Como o casamento dos dois nunca foi aprovado pela sociedade portuguesa, houve uma grande polêmica sobre os direitos do local, que a essa altura já era um monumento histórico. Então, Luis I, em nome do Estado português, comprou a propriedade, deixando à condessa apenas um chalé, onde ela continuou residindo. O palácio tornou-se então patrimônio nacional da Coroa Portuguesa. Outros membros da família real lá se instalaram até a queda da monarquia. Depois disso, o lugar se transformou no museu que conhecemos hoje. A arquitetura do palácio, encrostado em rochas, foi fundamentalmente romântica, porém vários estilos se misturam na construção, entre eles o medieval, o gótico, o renascentista, o manuelino e o árabe. Misturas de padrões e texturas, azulejos diversos e cores vivas estão presentes em todo o monumento, dando um ar aconchegante à cada canto do palácio. Além disso, seus detalhes estão carregados de simbologias. No pórtico de entrada, chamado de Arco dos Lagartos, 3 rosas abertas simbolizam o conhecimento. Já no interior do castelo, há o Pórtico do Tritão, alegoria muito rica em detalhes que representa a criação do mundo, trata-se de uma figura mística, meio homem meio peixe , concebida por D. Fernando II. Uma das partes mais interessantes do palácio! Dos terraços desnivelados temos vistas incríveis de toda a cidade e arredores, inclusive da muralha do Castelo dos Mouros. Outra área que merece toda a atenção é o Claustro Manuelino, parte original do antigo mosteiro. Meio surrealista, a área é toda revestida de azulejos hispano-árabes. Em seu centro, há uma taça em forma de concha sobre 3 tartarugas apoiadas em heras, os animais recordam que o caminho é lento e as plantas são o símbolo da eternidade. É possível visitar alguns dos ambientes internos, como o salão nobre, com motivos orientais e orgânicos, a sala árabe toda pintada com afrescos, os quartos e a cozinha, onde estão expostos alguns dos utensílios usados na época. Mas não é permitido tirar fotos. O monumento não está em perfeitas condições de conservação, mas seu estilo lúdico e colorido, tão diferente do que normalmente vemos em uma edificação da realeza européia, compensam a visita. Espero voltar um dia para poder explorar todo o entorno do palácio e ainda conhecer a cidadezinha de Sintra, que dizem ser uma graça! Informações úteis: Site oficial: http://www.parquesdesintra.pt/parques-jardins-e-monumentos/parque-e-palacio-nacional-da-pena/ Nele é possível simular o gasto total de acordo com a data, número de pessoas e quais áreas gostaria de visitar! Relato original e mais fotos aqui: http://www.queroirla.com.br/o-colorido-palacio-da-pena-em-sintra
×
×
  • Criar Novo...