Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Roma em 4 dias, é possìvel?


Posts Recomendados

  • Membros

Jujuba78,

 

Estou indo para a Itália com meus pais em setembro ::otemo:: e vou ficar 4 dias 1/2 em Roma, Seu post está ajudando e muito montar meu roteiro. Aliás esse site tem muita informação preciosa. Após a minha viagem, eu irei dar minha contribuição.

 

Muito Obrigada,

 

July.

Link para o post
  • 2 semanas depois...

  • Respostas 81
  • Criado
  • Última resposta

Mais Ativos no Tópico

Mais Ativos no Tópico

Postagens Populares

Apesar do post antigo, resolvi escrever assim mesmo. Eu gostei muito da cidade das duas vezes em que estive, é muita história e cultura juntas no mesmo lugar. É suja? É. É caótica? Sim. Mas acho que i

A Roma dos romanos   Vamos visitar um pouco a Roma antiga? Observando o mapa abaixo, temos a maioria das atrações da Roma antiga relativamente próximas. Eu não afirmarei que é fácil ver tudo isso

Bom, eu diria que nada é impossível quando temos pouco tempo, muita disponibilidade e coisas para fazer, mas Roma é uma cidade que, para conhece-la, precisamos de meses! Anos, quem sabe!   Sou prof.

Posted Images

  • Membros

Gostei das dicas tenho 13 dias dos quais 4 pretendo passar em roma como não sou ligado em artes irei descartar muitas coisas, o que acho legal é o coliseu,piazza di spagna,piazza di navona e fontana di trevi.

 

No geral pelo virtual do google maps achei roma uma cidade feia e suja, principalmente perto do termini tinha reservado um hotel lá e cancelei passou a impressão de ser uma zona de prostituição de tráfico.

 

Como vivo em São Paulo, Roma pelo google maps me lembrou muito o largo da concórdia no bairro do brás, e também a avenida são joão aquele pedaço em que o minhocão (viaduto) passa por cima.

 

Se não curtir roma vou dar um pulo em capri e pompéia.

 

 

::otemo::

Link para o post
  • Colaboradores
Gostei das dicas tenho 13 dias dos quais 4 pretendo passar em roma como não sou ligado em artes irei descartar muitas coisas, o que acho legal é o coliseu,piazza di spagna,piazza di navona e fontana di trevi.

 

No geral pelo virtual do google maps achei roma uma cidade feia e suja, principalmente perto do termini tinha reservado um hotel lá e cancelei passou a impressão de ser uma zona de prostituição de tráfico.

 

Como vivo em São Paulo, Roma pelo google maps me lembrou muito o largo da concórdia no bairro do brás, e também a avenida são joão aquele pedaço em que o minhocão (viaduto) passa por cima.

 

Se não curtir roma vou dar um pulo em capri e pompéia.

 

 

::otemo::

 

 

Tartufo

 

Se voce nao curte artes e museus, talvez 4 dias seja muito para voce. Aconselho sim descer até Napoli e conhecer Pompeia e Capri!

Roma é suja sim, mas como sou amante do centro de SP (muito mais do que Jardins e etc), nao julgaria mal Roma por causa disso. Hà coisas mais grandiosas para se preocupar!

;)

Link para o post
  • Colaboradores

Dando continuacao ao meu relato, sobre A Roma barroca "delle piazze e le fontane", falarei agora sobre o Trajeto 2 - Vermelho.

Para ver o mesmo post com fotos: http://osamigosdemochila.blogspot.com.br/2013/06/a-roma-barroca-das-piazzas-e-fontanas.html

 

598da647cc75a_roma2.jpg.06015a49368e4ea5e07d71f9a328ebbc.jpg

 

A) Piazza di Spagna con Trinità dei Monti:

Ponto de encontro diurno e noturno de romanos e turistas, a praça tem uma escadaria monumental de 135 degraus, que na primavera e em alguns dias do verão é enfeitada por flores brancas e rosa, foi projetada pelo arquiteto Francesco de Sanctis. Ela é dividida em três seções, seguida na seção central por outras escadas que sobem nas laterais e levam à igreja de Trinità dei Monti.

A fonte no centro da praça, na forma de um barco, é afetuosamente chamada pelos romanos de La Barcaccia, ou velha banheira. É atribuída a Pietro Bernini. Segundo dizem, esta foi inspirada pela chegada à praça de um barco durante a inundação do rio Tibre 1598. A anedota serviu para que o Papa Urbano VIII encarregasse a Pietro Bernini a execução da obra, ajudado por seu filho, que mais tarde lhe superaria em fama e técnica, Gian Lorenzo.

 

B) e C) Piazza del Parlamento e del Montecitorio com o Palazzo Montecitorio:

O Palazzo do Montecitorio, com a fachada (foto ao lado) na Piazza del Montecitorio e com a traseira na Piazza del Parlamento, foi originariamente desenhado por Bernini para o jovem Cardeal Ludovisi, sobrinho do Papa Gregório XV. e concluído pelo arquitecto Carlo Fontana durante o papado do Papa Inocêncio X, modificando o plano original de Bernini com a adição de um campanário sobre a entrada principal.

Mais tarde, o Palazzo Montecitorio serviu de sede ao Governatorato di Roma (a administração da cidade durante o período Fascista) e de quartel-general da policia. Hoje acolhe a sede da Câmara de Deputados, a câmara baixa do Parlamento da Itália.

O obelisco escavado do Solarium Augusti, conhecido como Obelisco de Montecitorio, foi instalado em frente ao palácio pelo Papa Pio VI, em 1789.

 

D) Palazzo Chigi:

O palácio foi iniciado em 1562 por Giacomo della Porta e concluído em 1580 por Carlo Maderno, para a família Aldobrandini. Em 1659 foi comprado pela família Chigi , sendo então remodelado por Felice della Greca e Giovan Battista Contini.

O palácio tem cinco andares, uma ampla escadaria que leva às salas de estar, e um pátio decorado com uma fonte desenhada por Giacomo della Porta.

Em 1916 o Palazzo Chigi foi comprado pelo estado italiano. Hoje é sede do governo italiano e residencia do Primeiro Ministro da Itália.

 

 

E) Piazza Colonna:

A Piazza Colonna, ganhou esse nome graças à coluna de Marco Aurelio ou coluna Antonina, que ali se encontra. Esta coluna está toda envolta em inscrições que afirmam que ter sido erigida por Marco Aurélio como celebração das vitórias na Arménia, Pérsia e Germânia e dedicada ao seu antecessor Antoninus Pius. Sabe-se agora que, no entanto, foi erigida por Cómodo, filho de Marco Aurélio, para celebrar as vitórias do pai.

Em 1589, o Papa Sisto V restaurou a coluna, tendo sofrido alguma cristianização ("abomnia pietate expurgata") com a adição no topo da estátua de São Paulo. Nesta praça se encontra o Palazzo Chigi, comprado pelo estado italiano para ser o lugar de encontro oficial do Conselho de Ministros, cujo presidente é o Primeiro-Ministro da Itália.

 

F) Piazza della Rotonda:

 

A Piazza della Rotonda, também conhecida como Piazza del Pantheon, se encontra em frente ao Pantheon e abriga uma fonte renascimental projetada por Giacomo della Porta.

 

G) Piazza Navona com as 3 fontes (dos 4 Rios, de Netuno e do Mouro):

É uma das mais célebres praças de Roma. A sua forma assemelha-se à dos antigos estádios da Roma Antiga, seguindo a planificação do Estádio de Domiciano. A origem do nome da praça deriva-se do nome do estádio: "Circo Agonístico" (do étimo grego Agonia, que significa precisamente - exercício, luta, combate). Atualmente, o nome corresponde à corruptela da forma posterior in agone, depois nagone e finalmente navone.

As casas que foram sendo construídas sobre as bancadas, delimitariam e circunscreveriam até à atualidade o tão afamado Circo Agonístico. Sofreu intervenções de Gian Lorenzo Bernini, com sua famosa Fontana dei Quattro Fiumi; Francesco Borromini com a igreja de Sant'Agnese in Agone; e de Pietro de Cortona, que pintou a galeria no Palácio Pamphilj, sede da embaixada do Brasil na Itália desde 1920.

A praça dispõe ainda duas outras fontes esculpidas por Giacomo della Porta: a Fontana di Nettuno (1574), na área norte da praça, e a Fontana del Moro (1576), na área sul.

 

FONTANA DEI QUATTRO FIUME: Uma das mais belas fontes de Roma não poderia ter sido esculpida por alguém que não fosse o artista barroco italiano Bernini. A fonte foi feita em cima de uma bacia elíptica que antigamente servia de bebedouro para cavalos. No centro, há um obelisco egípcio apoiado em uma base “oca” (um absurdo para a época). As estátuas gigantes em mármore branco representam alegorias nuas dos quatros principais continentes do mundo (conhecidos até então) cortados por seus principais rios: Rio Nilo, na África; Rio Ganges, na Ásia, Rio da Prata, na América e o Rio Danúbio, na Europa. Os gigantes de Bernini se movem em gestos cheios de vida e expressão. Para apreciar a beleza da fonte, reparem em cada gigante:

O Danubio indica um dos dois brasões da família de Pamphilj representando a autoridade religiosa do pontífice sobre o mundo; O Nilo cobre o rosto em referência à obscuridade de suas nascentes (incógnita naquela época); O Rio da Prata, perto das moedas que simbolizam a cor prata das águas; O Gange, com um longo remo que sugere a navegabilidade do rio. Além dos rios, a fonte descreve sete animais, não contando com a pomba em bronze no topo do obelisco e com o golfinho que representa o brasão da família Pamphili, juntamente com plantas.

 

H) Palazzo Farnese:

Um dos palácios mais suntuosos da Roma renascentista. Foi residencia da familia Farnese e atualmente acolhe a Embaixada da França na Itália.

Desenhado inicialmente por Antonio da Sangallo, um dos assistentes de Bramante, foi redesenhado por Michelangelo e completado por Giacomo della Porta.

 

I) Piazza Campo de' Fiori:

É o campo aberto onde ocorre o tradicional mercato di Roma, com especiarias e produtos frescos. Curiosamente é a única praça sem igreja na cidade! No meio da praça há uma estátua, erigida em 1881, em homenagem ao filósofo Giordano Bruno, queimado vivo naquele local pela igreja católica na condição de herege, por ter afirmado, assim como Galileu Galilei, que a Terra é que girava em torno do Sol (e não o contrário, como apoiado pela igreja).

Conselho: Uma passadinha aqui para comprar (ou provar gratuitamente) uns queijinhos para comer no meio do caminho não fará nem um pouco mal a vocês!

 

J) Scavi romani em baixo do Largo de Teatro Argentina:

É uma praça em nível abaixo da rua onde constam alguns templos da época da República Romana e as ruínas do Teatro de Pompeu. O nome da praça não tem a ver com o país sul americano, mas com uma cidade de Strasburgo. Após a unificação italiana, foi deliberada a reconstrução parcial de Roma (1909) que passaria pela demolição da zona da Torre Argentina, onde constam os restos de uma torre medieval, a Torre Papito ou Torre Boccamazzi. No entanto, durante os trabalhos (1927), foram descobertas uma cabeça e braços em mármore de grandes proporções, cuja investigação traria algum esclarecimento em relação a esta zona, como uma zona sacra datada da era republicana. Os templos fazem frente a uma estrada pavimentada, datada da era imperial, após o incêndio de 80 d.C. Após o incêndio de 80, o templo foi restaurado e os mosaicos brancos e pretos da câmara interior datam dessa restauração.

 

CONTINUACAO EM BREVE

  • Gostei! 1
Link para o post
  • 3 semanas depois...

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

×
×
  • Criar Novo...