Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Caminhada pelas ruínas de Cusco: de Tambomachay à Plaza de Armas (Peru) - ago/16


Posts Recomendados

  • Membros de Honra

jqPStVVZ5-hqh2LjXcJtj-cjuMKxkMPmuHGh9WwaKzwMxq0rxPzqIF0hvTF9_FFP8M_s2e-K4fNGcs68FyFS59GJJLg83jZRTOhfGzRJTkTookQP60Yi3703hzBEG0EAlFhi49PHqxPh7EyQjj0NRtGKLUrO50ZEVxvsucOLRyxX0ZN9JfLZvIM1Uu3oOQtWwNA42n-FjQ-YJgdjgNi2oJxFBNackQnVK9IhPFiCY9PmybvKds2VqRw5p7uAAuKRiZ5ivZk0U6aXHNudlFulACoZ4C4e-aAA-ATkglR1_-Bd89wpGRpBTsPKWgNOfDqSw1KdXV2-esE7EhGFr2rJMfdZrWjQNWsL7l99Au_zJ-6l4LNS0TLMe4I-5rGW1QFxVC_gL3JD-M_W7duRcFS4uZL1J-b6PtUjJcNxnb0rXwArd3Z8ACHAEgNta3hFuQzbATPLikIDwcgpKPxYV7gEGTrw3RU0H9BPrqqxkNpbV_N3xtb1vM4YIqRFgnWEOAoNf9z3OJdUd1RnOxiyUcbNkT32yEUpXcwYpgljLXuOUaZ-WNCLcvEM8MWHxBIkvu56Xdu_-x6ERa6ZGqhJ097cBdVmgWMIqNkQquVWpRTeCfLBf9eBJQ=w839-h629-noCusco vista do Cristo Blanco

 

As fotos estão em https://goo.gl/photos/yLRe6zoPwb1n6JkS6.

 

A caminhada que relato a seguir dura um dia e tem como recompensa a visita aos oito principais sítios arqueológicos da cidade de Cusco ao longo do caminho. Serve até como um trekking de aclimatação para quem está se preparando para uma caminhada maior, como Salkantay, já que inicia nos 3824m de altitude. Porém se você perguntar sobre essa caminhada por lá as pessoas tentarão dissuadi-lo da idéia dizendo ser perigoso fazê-la sozinho. Guias como Lonely Planet dizem ser perigoso inclusive visitar as ruínas do Templo da Lua, aonde muita gente chega de carro ou ônibus. Eu li e ouvi todos esses alertas e, estando sozinho, encontrei uma saída, que descreverei abaixo.

 

Saí do Hostal Resbalosa, onde me hospedei nos primeiros dias em Cusco, às 8h52 e subi o restante da Rua Resbalosa até chegar à igreja de San Cristobal. Tomei a estradinha de asfalto à direita, sempre subindo. Numa das curvas mais acima me deparei com a portaria das ruínas de Sacsayhuamán, onde comprei o Boleto Turístico (se você não sabe o que é o Boleto Turístico de Cusco leia abaixo nas informações adicionais). Comprei o boleto integral pois pretendia visitar muitas outras ruínas e museus durante a estada na cidade. Passei pelo portão e subi o calçamento até o início dos altos muros de pedra do sítio arqueológico. Mas parei na placa que indica o Cristo Blanco pois pretendia deixar Sacsayhuamán para o final da caminhada. Peguei então a trilha à direita, desci um pouco e subi até o Cristo Blanco, que naquele horário, 9h30, estava vazio e tranquilo. A vista de Cusco e das colinas ao redor é espetacular. A altitude é de 3561m, 182m acima da Plaza de Armas.

 

Desci na direção oposta e fui até a estrada de asfalto esperar o ônibus ou a van-lotação para Tambomachay, que veio em questão de minutos. Há um ônibus que vai só até a portaria de Tambomachay chamado Señor del Huerto e a van que vai para Pisac. Eu peguei essa última e paguei 1 sol. Viagem de apenas 6 minutos. Tambomachay está a 3824m de altitude e é o ponto mais alto dessa caminhada. Mostrei o boleto turístico, que foi devidamente perfurado. Às 10h subi pela alameda até as três fontes de água onde os incas praticavam seus banhos sagrados. Esse é o principal atrativo desse sítio, além dos muros de pedra com nichos. O lugar é interessante mas não há mais o que ver. Dei um tempo ali e vi um grupo caminhando por uma trilha acima dos muros de pedra, onde pensei que fosse proibido ir. Resolvi segui-los. Assim às 10h57 deixei as ruínas de Tambomachay por um caminho que acabou me levando à vila de mesmo nome, um pouco acima das ruínas. Do meio das casas encontrei a rua que me levou de volta à estrada de asfalto e já à entrada do segundo sítio arqueológico, Puca Pucara, bem maior que o primeiro e numa posição mais interessante, com ampla vista dos vales e colinas a leste. Boleto perfurado na entrada. Alguns painéis ali explicam um pouco sobre o lugar.

 

OJA4BRayXA5Ffoj9IFyHeSkNBzt49QSU3CH7XcJ1b4CKaWdK3EHEFrIYMT_qNCZQeuuHCaiSZBhZUxvrI8NJejGHybhT-w8KeH1H_wUCpc32by_oMz4gOvZgBmi62WTWOIuzH11f8cWGr6vonFwblW6t7juavYqsVhp8odm3yiwQEuzladxb7GbgN1bcAbRh4n7M7aR3Vq05nDvHI9kizR0WUCmiD5WCxlbfAAoTv0ljb6DobhE3v0-b0OaeMHdR1AE8BGaby5z7wITQ1pvwOVLtPWvSdtZL2qbxbBSerXSwnhUJSaac1b-9zM38RtnisuMPwXgKfbhjjQo34pqfvMzuVnFmfsRtBctKmWD0qRmx3R7-WeIK2e93YKMccCMEfwJoTYhvdRYeQrI8dKgcuJcBElhMtRXd5XP37H11riG7c667KwtcLOhVN_4mfWmAPNjfU9YoQr7UrO2avPcf515eeFAUo7Kglj74wTq0H4CvYV7WEboZI8KnAa9VNAeF4OP4ynCvFgVuv81j1KCQXFI4hXxRuNWi3IEUNI0Pd-UmYRv6rw6c1YsjCbqlVKFuS__ba1Yc2bO-4FQ88nHTU5xpt0iPV042vLB-JkS2hBp1WZV-Nw=w839-h629-noTambomachay

 

Nos dois sítios perguntei aos guardas sobre a caminhada dali a Cusco por trilha e todos me desencorajaram dizendo que era perigoso ir sozinho, com risco de assalto. Saí das ruínas de Puca Pucara às 11h58 e resolvi caminhar até o início da trilha para Cusco, a apenas 200m dali, e esperar que aparecesse alguém para companhia ou algum grupo. Sentei ali na beira da estrada e esperei. Duas garotas apareceram, conversei com elas, porém ao saberem do risco resolveram seguir para Cusco pelo asfalto, numa caminhada bem longa e sem graça. Esperei mais um pouco e aquele grupo que vi inicialmente em Tambomachay se aproximou. Era uma família americana (pai, mãe e um casal de adolescentes) e estavam decididos a chegar a Cusco pela trilha conhecendo todas as ruínas do caminho. Perfeito!

 

Passamos a caminhar juntos às 12h29 e eles eram ótima companhia. A trilha passou atrás do primeiro povoado que fica à beira da estrada, Huayllarcocha, com um lago e um campo de futebol. Depois acompanhamos uma plantação de eucaliptos à esquerda em descida suave. Logo após uma área arada para plantio, a trilha bifurcou. Seguimos pela encosta da direita mas o Paul (o pai) desconfiou que devíamos descer, mesmo sem trilha aparente. Porém não descemos. Da encosta, uns 300m após a bifurcação, avistamos lá embaixo umas ruínas que pareciam interessantes. Aí não teve jeito, descemos, sem trilha mas sem nenhuma dificuldade. Às 13h15 estávamos nas ruínas. Encontramos muros de pedra com nichos, canais de água, terraços, escadarias de pedra e um enorme e alto bloco rochoso com um recorte na base. Depois de algum tempo ali apareceram umas pessoas que vieram a cavalo e uma delas disse que o chamariz do local era a cara de um inca no perfil do grande bloco de pedra. Só descobrimos o nome do local na saída, ao ver a placa: Chuspiyoq.

 

Às 13h51 passamos por outro grande bloco rochoso à direita e fomos averiguar só por curiosidade. Havia uma pequena gruta com um nicho, mas esse local não tem nome. Às 14h06 chegamos a um sítio mais visitado: Salapunco (ou Laqo, ou ainda Templo da Lua). Bem interessante por ser uma colina rochosa cercada por muros de pedra, escadarias e diversos recortes na rocha. Não exploramos mais por falta de tempo e de informação à mão. Descemos em seguida em direção a outras ruínas já visíveis dali através do largo Caminho Andino Antisuyu (que por sinal se estende para o norte). Essas outras ruínas chamam-se Kusilluchayoq ou Templo do Macaco, mas não descobrimos onde estava o macaco. Na verdade, nessa caminhada não há tempo para explorar cada pedra e cada parede das ruínas, é uma visita meio rápida. Nesses três últimos sítios não foi necessário apresentar o boleto.

 

Às 14h50 continuamos descendo pelo Caminho Andino, descemos bastante, tanto que chegamos a uma rua com calçamento e tivemos que subir um pouco por ela (à direita) para chegar aos fundos do sítio arqueológico de Qenqo, à nossa esquerda. À direita as casas da Villa San Blas. Saindo da citada rua calçada, pegamos uma trilha que encontramos à esquerda e chegamos a Qenqo às 15h07 pela "porta dos fundos", mas imediatamente os guardas vieram pedir nossos boletos.

 

kZmYdiBPOXQ8BYQ7t8ywyW5spNz31BLMmywHsbSN1yPFUgmZjdD8fVyaRhescfZORdJQ7EIEKKjpIjJkGlEZ409b6QVLcuLExC4AGEy2Xx-8N89-MZeN8xniymC4cTUlM0dBYM6Wk0PXMNswEItGKoJof-a9uj_14YV162x6kAdegpMG66hbXercxSikF8Ogmekf9xPfb2dHrUwdCQyp-BqEuduFeeVEyZnrYZNDde_mXF_avdXKuKbw62TXF7d8nVfMUyZk41ucalVMANwryRfH21-iQQZrgKnHcqEd3eppepbtGovSxZXp0bRNFDS17OdwV-IXpoOGithv5eHXRS2VJ5OX4rWQD-t4x_rmvxGTKnmKIkPo1QLU68Itdl4AokZtLEPZegCW7OHVI7wUqZWZQ5oOeBeiLg5wnzf09nqhjJ27xgIH9MSUXVboJ4bIHmweVkXazFh_CD6SmPKX5cTrjDpw36xybLU6lqkIe7JV0te7Tqus4JQEuP3rEyWZ23m2fxpzDgdNPbTwLEVGG7o36_gdRHlifXFh7t8JsrWjkutdEbYWXk5yIgXmu6RJce9OZ-N2DTHUa9K1uQadUSwS3jA7PPQgfoNjCfiAHGqqWKDoOw=w839-h629-noChuspiyoq

 

Qenqo está dividido em Qenqo Grande e Qenqo Chico, e foi no Grande que chegamos. Num corredor sob o enorme bloco de pedra principal há uma mesa esculpida na pedra que provavelmente era usada para embalsamamento ou sacrifícios. Visita finalizada, saímos para a rua de asfalto e descemos 90m até a entrada para Qenqo Chico, onde não há guarda para pedir o boleto. Ali uma colina cercada por um extenso muro de pedras reserva uma surpresa: um blocão de pedra com cerca de vinte ângulos! Sobre a colina há muitas outras pedras esculpidas. A vista de Cusco é bem bonita também.

 

Saímos de Qenqo Chico às 15h58 e em 12 minutos estávamos no Cristo Blanco, caminhando pela estrada de asfalto mesmo. A essa hora o Cristo estava bem movimentado. A partir daqui refizemos o meu caminho da manhã, porém dessa vez visitando o sítio arqueológico de Sacsayhuamán, ou melhor, parte dele pois é muito grande e o dia já findava. Os muros de pedra aqui são fantásticos, colossais, com intrigantes e perfeitos encaixes. As pedras mais recortadas que encontramos têm 11 ângulos. O local merece algumas horas de exploração, é muito bonito. Necessário o boleto para a visita.

 

Às 17h25, com o sol quase se pondo, descemos o calçamento por onde subi de manhã, passamos pelo portão onde comprei o boleto e pegamos a estradinha de asfalto. Na passagem pela igreja de San Cristobal fomos atraídos pelas barraquinhas de festa. Na entrada da igreja uma bandinha tocava para alguns casais com roupas típicas dançarem. Mas a curiosidade mesmo foi ver o banheiro masculino instalado ali, uma calha comprida fixada na parede da escadaria da igreja para os cavalheiros se aliviarem sem sujar o recinto, mas a céu aberto e à vista do mundo todo...

 

Descemos a Rua Resbalosa e chegamos à Plaza de Armas às 18h. Dali levei meus companheiros americanos para jantar num restaurante bom e barato que havia conhecido na Rua Cuesta San Blas, no centro de Cusco.

 

Conclusão: com todos os alertas sobre o risco dessa caminhada eu fiz todo o trajeto bastante atento (ao contrário dos americanos, que pareciam bem despreocupados). Em nenhum momento me senti inseguro ou vi algo suspeito. A trilha segue grande parte em área rural, com plantações e reflorestamento, lugar bem tranquilo porém deserto. A proximidade com a cidade de Cusco e sua periferia deixa sempre uma preocupação... assim como temos aqui no Brasil.

 

Total da caminhada: 11,5km, incluindo a visita a todas as ruínas.

 

Z-cJjToEReDMCskS7TjyPMHK29w4n8FCtMOYuXzPr9IsoJ2jZzBll1bB0zd9uIs3FmWmnyBiyd9Zm_ktm7UCj9iqsN4sJkSJrRC1YVbz4iz2KuqkyN6JRwDuS5_Ji4GVSLHcj_3pMCaFYRGiUjfp3kWADm4rixUt3VOCvSI0xI8CfvcAg3k3Hx3-ykseUdGngPJrjgYR_8K-bMoaGeGw9xHoeHFYUJFv9LhyP5txWqdLAN8CbrKD2C3B6oOu1xukL4dOffIHhovU--tVVVihmQXLNUU6tqgkmr098hTkdJJQJvcA_-bteUN1P9OR5Wmi9HgAPA4jdauu1AsaIerK-qZ81lfaWFhn4jE0dVVNewYmKcpCcZX9ymSo4h9DlPCjiT9qScDfXFpVHyZ4hKSYXP0U8XYl8Owx6gJ9_dI5XBL5TTJhh4XQiRVl2Poy919IKWYsaTZZOw29aeIcf90barvbF309n-gVZ2-OwEHtmHwZDbOqG5mf_SjJVovwCPYx9gijsK4FfeuoE2a6T0aW56a4Dg1OInbN7dQgPJqopmf4U5TAhcQ-tkmvxzzP3EC1vN6qqcP6zs4d_3eVNlTDqDJYRddmKIoaHH5DBaUPujoZkEkxFA=w839-h629-noMuralhas em Sacsayhuamán

 

Informações adicionais:

 

O Boleto Turístico de Cusco é um passe necessário para visitar as ruínas mais famosas da cidade (como Sacsayhuamán e Tambomachay) e das redondezas (como Pisac e Ollantaytambo), além de alguns museus. Só pode ser comprado em determinados locais (veja abaixo), ele não está à venda na portaria de todos os sítios arqueológicos.

 

Há quatro versões:

1. Integral, 130 soles (estudante 70 soles), com validade de 10 dias, dá direito a visitar uma vez os seguintes locais:

Museu Municipal de Arte Contemporânea

Museu Histórico Regional

Monumento Pachacuteq

Museu do Sítio de Qoricancha

Tipón

Pikillacta

Sacsayhuamán

Qenqo

Puca Pucara

Tambomachay

Moray

Chinchero

Ollantaytambo

Pisac

 

2. Parcial Circuito 1, 70 soles, com validade de 1 dia, dá direito a visitar uma vez os seguintes locais:

Sacsayhuamán

Qenqo

Puca Pucara

Tambomachay

 

3. Parcial Circuito 2, 70 soles, com validade de 2 dias, dá direito a visitar uma vez os seguintes locais:

Museu do Sítio de Qoricancha

Museu Histórico Regional

Museu Municipal de Arte Contemporânea

Monumento Pachacuteq

Tipón

 

4. Parcial Circuito 3 (Vale Sagrado), 70 soles, com validade de 2 dias, dá direito a visitar uma vez os seguintes locais:

Chinchero

Ollantaytambo

Pisac

Moray

 

Obs. Desde 01/06/16 o boleto não está sendo mais aceito no Museu de Arte Popular e no Centro Qosqo de Arte Nativo.

 

Onde comprar:

O site oficial (http://www.cosituc.gob.pe) não informa onde comprar o boleto, mas eu posso dizer com certeza que é vendido na Municipalidad del Cusco (Av. El Sol, 103) e no portão inferior das ruínas de Sacsayhuamán (no bairro San Cristobal).

 

OubYieJi7vFTv86SWZjn7i6i68V-P-84qMO0sa6MNVxGv0Gg_3fsYAXdh9aAA7MAw2H0e38HAw-PUop5t2OKSBdCmEqPrTNLCPgcXRQ33oqPftq_ggKzMzXfTi4WJoooMrGE4Py6mGxbbGoVRow17LNEbkYcKMCImKHQCdHTBkUhfc0JtMxiefHtyRTiCVBCFsv77OOHYCfYizP7aPRT7nJqO1o7nj0yJA0kQuToZxE2vGQHCahtSTWI2m3_1Cmr5G7jyNaYg6QPl1f1QTxPFtELs1xc77ZQaZMoTR7RuP6HMnWX0VFsdi8t0rACh0qNhfmO6XAy_-XFLw4vf6XlFwBv0xxjisMxDqoVLI4C9SsMra6PnQMlVLzls1stvslJEreQm8YRu4so97MRCkcda3DKscqljKwolkPRCdWsIYMFs_tdBO6Le0h-833_kvc4zbMPZeKRqhsyMQPvXe-UeAGTHuZt_GU1t3qzYltwkKYly2ZIG06D_54AJcziFc2e6YLfQ9Ct5CJD-mMI4rlm5Z2kupXa2jG9Xd0dPhdNm61_oBjpAjANP6GBBYUhZGk42UQg89afFog-2G_Bz3DWzUQbJ8DmDP2tMq5a6CPlLg8EQFdWuA=w920-h445-noPercurso na imagem do Google Earth

 

Rafael Santiago

agosto/2016

http://trekkingnamontanha.blogspot.com.br

Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora
  • Conteúdo Similar

    • Por edufehrer
      esse foi nosso roteiro, ordem dos passeios:
       
      ·        Cusco
       
      ·        Valle Sagrado
      (Pisac, Salinas de Maras, Moray, Chinchero,  Ollantaytambo)
       
      ·        Valle Sul
      (Tipon e Pikillaqta, Andahuaylillas)
       
      ·        Macchu Pichu + Wayna Picchu
       
      ·        Banhos Termais de Colcamayo (Santa Teresa)
       
      ·        Laguna Humantay
       
      ·        Cerro Colorado/Montañas de Colores/Rainbow Mountain
       
       
       
    • Por roteiroviagemdemochileiros
      A Cidade de Machu Picchu já está aberta pra visitações. Mas primeiramente você precisa responder essa pergunta: Você quer somente visitar a cidade de Machu Picchu ou quer também subir alguma das montanhas do Parque??? Essa resposta é importante pra definir que tipo de ingresso você irá comprar, pois existem três tipos de entrada/ingresso. Lembrando que fica inviável subir as duas montanhas no mesmo dia. 
      Cidade de Machu Picchu  Montanha Machu Picchu + Cidade Machu Picchu Cidade de Machu Picchu + Montanha Huayna Picchu  Lembrando que não é necessário escalar essas montanhas para tirar aquela foto clássica que estamos costumados a ver na internet. 😉
      Se você quiser visitar a cidade de Machu Picchu em 2020 ou reservar para 2021, ainda no Brasil é muito importante reservar Online. A necessidade de comprar com antecedência é que o número de visitantes por dia na cidade já era limitado antes da Pandemia do Coronavírus, agora foi mais reduzido. Acesse a informação no blog sobre o (Editado pela administração) e também vai encontrar dicas sobre: As duas Montanhas de Machu Picchu, o Passeio pelo Vale Sagrado, Ruínas de Moray & Salineras de Maras, City Tour & Roteiro a pé no Centro Histórico de Cusco, Boleto Turístico de Cusco e Curiosidades sobre Cusco e Machu Picchu. 
       
    • Por Yara Almeida
      Ei, tudo bem?
      Alguém sabe me dizer como está Machu Picchu para 2021? Digo com relação à liberação do Parque e etc. Obrigada! Uma amiga e eu estamos nos organizando para irmos em Julho, caso tenha mais alguém, entre em contato pra gente combinar um comboio legal rsrs. 
    • Por Daniela Alvares
      Em setembro de 2018, fizemos uma viagem ao Chile e Peru.
      Roteiro - 24 dias
      São Paulo > Santiago > Valparaíso > San Pedro do Atacama > Tacna > Arequipa > Cusco > Ollantaytambo > Aguas Calientes > Machu Picchu > Cusco > Lima.
       
      Começamos nossa jornada no Chile, em Santiago, Valparaíso e San Pedro do Atacama, cujos relatos seguem abaixo:
       
       
      No ônibus das 20:30, deixamos San Pedro do Atacama em direção a Arica, cidade chilena fronteira com o Peru. Seriam 8 horas de viagem, que à noite tínhamos esperança de sequer vermos passar. Com o coração apertado de deixar aquele lugar que tinha acordado tanto dentro de nós, nos despedimos do céu mais estrelado do mundo prometendo, para o Universo e uma para a outra, que voltaríamos logo, em breve, a tempo de não esquecermos toda a emoção que sentimos, nem de deixarmos a brutal rotina do acordar-trabalhar-dormir nos transformar em marionetes que fazem o uso da palavra "sabático" para justificar o tempo em que resolveram ser felizes. Logo nós, que tínhamos acabado de enxergar o não tamanho do mundo.
      Chegamos em Arica ainda escuro. Claudio (amigo que fizemos no Atacama, junto com seu fiel cão Lucky, artista plástico de Valparaíso que, cansado do mesmo todo-dia da vida e do consumo sentimental das relações obrigatórias, encontrou em San Pedro um porto. Breve e temporário.) tinha nos dito que, ao chegarmos, deveríamos atravessar a rua para a outra rodoviária, a internacional, onde poderíamos pegar um ônibus para o Peru. Foi uma ótima dica, ou teríamos ficado perdidas na escuridão da falta de informação e sinalização.
      Ao chegarmos na rodoviária internacional, que mais parecia o ponto final de uma linha de ônibus bem acabada em uma cidade quase fora do mapa, uma mulher sentada numa mesa nos informou que o ônibus para Tacna só sairia a partir das 8:30 da manhã. Eram 4:30 da madrugada. A outra opção, como ela sugeriu, era atravessar a fronteira com um dos muitos motoristas de carro que faziam ofertas de assentos pelo mesmo valor dos ônibus. Não, só se fôssemos loucas de aceitar. Assistimos demais "Presos no Estrangeiro" para arriscarmos uma prisão por tráfico de drogas com um estranho que diria que era tudo nosso, das gringas. Nunca. Resolvemos dar uma volta na rodoviária para despistar a mulher que nos alucinava com essa ideia, quando ouvimos sem muita certeza, o motorista de um ônibus gritar "Tacnabus, Tacnabus" e corremos para confirmar a informação. O ônibus ia para a Bolívia, mas primeiro pararia no Peru, em Tacna, para onde estávamos indo. Com o dinheiro guardado na calcinha, entramos no ônibus e seguimos para o nosso próximo destino.
      Na fronteira: sai do ônibus, carimba passaporte de entrada no Peru, passa as mochilas no raio X, tira o vinho da mochila, mostra que é vinho, guarda a garrafa, volta as mochilas para o bagageiro, sobe no ônibus. E em 40 minutos, chegávamos em Tacna.
      *ATENÇÃO! Ao desembarcar no aeroporto em Santiago do Chile, na entrada no país, além do passaporte carimbado, também entregam um papelzinho, aparentemente sem nenhum valor e sem nenhuma explicação. GUARDE-O DENTRO DO PASSAPORTE! Na travessia da fronteira, esse papel é exigido.
       
      TACNA
      Não esperávamos encontrar em Tacna a cidade charmosa e acolhedora que descobrimos. De habitantes tacanhamente tímidos, que nos olhavam surpresos e alegres ao perguntarmos seus nomes, essa cidadela conquistou nossos corações, receosos de não conseguirem mais se apaixonar depois de conhecer o Atacama. Mas Tacna é leve, florida, descompromissada, como que se viesse só para provar que é possível amar depois de amar. 
      O sotaque, de tanta timidez, torna o espanhol mais difícil aos ouvidos. Os bancos das praças possuem tetos de flores para fazer sombra. Na Plaza de Armas - nome de todas as praças principais de todas as cidades do Peru - há fotógrafos velhinhos andando sob o sol, sorrindo e sugerindo um retrato para a posteridade, como um pedaço de tempo congelado entre as flores coloridas, as palmeiras altíssimas, a fonte imponente, o arco marcante da cidade e, sempre, a igreja. 
      As lojas são todas setorizadas, de forma que os supostos concorrentes são colegas vizinhos, e você jamais vai conseguir tirar uma xerox se estiver próximo dos açougues ou dos consultórios ortodônticos, uma pequena obsessão tacniana. Por toda a rua principal, há galerias como camelódromos, com cabines de câmbio, tabacaria, lojas de joça e manicures enfileiradas em carteiras escolares oferecendo seus serviços. 
      Em Tacna você vira a esquina e se depara com uma padaria a céu aberto no meio da rua! Carrinhos de pães perfumam o entardecer e nos transportam para uma imaginada infância peruana. Foi ali que também comemos o melhor hambúrguer de cordeiro da nossa vida. No "Cara Negra", uma sanduicheria especializada em cordeiro, que eles criam lá mesmo no sítio atrás do bar. É descolado e tem drinks deliciosos. Faz valer a visita na cidade.
      Por todos os lugares que passamos, sempre procuramos pelo Mercado Central, que é onde encontra-se a essência do local. O Mercado Central de Tacna é imperdível. Tem de tudo. Especiarias, ervas, carnes, queijos, farinhas, biscoitos, frutas, verduras, doces, produtos de limpeza e muitas, muitas casas de sucos. Na "Juguería Sra Rosita", uma simpática senhora de sorriso frouxo e vontade de conversar, tomamos maravilhosos sucos de melão e de morango, muitíssimo bem servidos, de ficar na memória. Conhecemos também Miguel, dono de uma barraca de remédios de plantas medicinais, que sabia a erva ideal para absolutamente todo tipo de enfermidade.
      Ao caminharmos de volta para o hotel, bem encantadas com a surpresa de Tacna, uma vendedora nos parou para oferecer azeite. Ao agradecermos e sorrirmos, ela trocou a oferta para um branqueador dental. Talvez por marketing, ou pela já citada fixação por dentes perfeitos dos habitantes da li. Tomara. 
      Por fim, antes de partirmos, passamos por uma casa roxa, um centro de, como dizia a placa, "Magia y Diversión". Sem isso, qual seria mesmo o sentido de tudo? Com a delicadeza dessa mensagem tão sutil e necessária, seguimos nossa viagem em direção a Arequipa.
       







       
       
      - Onde ficamos:
      Ficamos no Nice Inn Tacna, no centro da cidade, com atendimento muito cordial. As pessoas são super simpáticas, o quarto era confortável, chuveiro quente e café da manhã bem simples. 
      Nice Inn Tacna - Av Hipólito Unanue 147, Tacna 23001, Peru / Telefone: +51 52 280152 / booking.com/hotel/pe/nice-inn-tacna.es.html - Onde comemos:
      Cara Negra - Cnel. Bustios 298 / Telefone: +51 952 657 540 / @caranegraoficialtacna / facebook.com/caranegraranchosanantonio/ - Onde fomos:
      Mercado Central de Tacna - Calle Francisco Cornejo Cuadra 809, Tacna 23003, Peru Plaza de Armas - Paseo Cívico de Tacna, Tacna 23001, Peru  
       Seguimos para Arequipa, Cuzco, Ollantaytambo, Aguas Calientes, Machu Picchu e Lima, que detalharemos em post separados. 
      https://www.instagram.com/trip_se_/
×
×
  • Criar Novo...