Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Peça ajuda, compartilhe informações, ajude outros viajantes e encontre companheiros de viagem!
    Faça parte da nossa comunidade! 

Viagens da Leticia

Laos, Camboja, Vietnã e Tailândia - 31 dias - out/nov/2017

Posts Recomendados

Segundo os europeus, um absurdo querer visitar tantos lugares em tão pouco tempo. Pros norte americanos, nada de se locomover tanto e em tantos lugares, mas para uma brasileira sedenta pra conhecer um pouquinho do outro lado do mundo, e com férias regulares, tudo o que foi possível. Paradas rápidas, planejadas e intensas, mas suficiente pra ter uma ideia de quão incrível é o oriente. Desta vez resolvi sacrificar as praias em função de conhecer outros lugares, então o cobiçado sul da Tailândia ficou pro final e com poucos dias.

Veja fotos no instagram: @viagensdaleticia e curta a página no facebook @viagensdaleticia

roteiro:

31 dias, sendo 2 dias pra ir, 2 dias pra voltar, conexão em Frankfurt, 27 dias entre Tailândia, Laos, Camboja e Vietnã. Quase todos os trechos de avião.
 
SP-Frankfurt: Frankfurt- Bangkok
 
Bangkok: 5 dias
Chiang Mai: 3 dias - festival das lanternas - trem noturno desde Bangkok
Chiang Rai: 1 dia
Rio Mekong: Laos via slow boat: 2 dias
Luang Prabang: 3 dias
Vientiane: 1 dia
Hanoi: 1 dia
Ha Long Bay: 2 dias, 1 noite
Hoi An: 2 dias
Siem Reap: 3 dias
Koh Rong: 2 dias
Sul da Tailândia: 5 dias - Krabi, Railay, Phi Phi
 
 

 

  • Gostei! 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

CONSIDERAÇÕES IMPORTANTES
Você tem que tirar os sapatos em muitos lugares. Na maioria dos hostels onde fiquei, não podia usar sapatos. Alguns eram super limpos, outros nem tanto. Algumas vezes isso me irritava demaaaaaais. Mas é cultural. Não tem o que fazer.
Nunca tem faca pra comer. Eu sou maníaca por faca. As vezes uma colher faz a função da faca, as vezes só o garfo, outras vezes só hashis. A gente aprende a se virar.
Os shakes de fruta são maravilhosos, baratos e refrescantes. E são fruta!!! Devíamos ter isso aqui no Brasil também.
Nem sempre adianta ter o endereço escrito e entregar pro taxista. Geralmente eles não sabem ler o nosso alfabeto.
Além de ter que tirar os sapatos, tem que usar o traje "respeitoso" para visitar templos e alguns outros lugares. Eu acabei ajeitando duas "roupas de ir ao templo", e vestia uma camiseta por cima do vestido para cobrir os ombros. Usar um xale nem sempre era aceito.
Permita-se provar as comidas. Procure lugares em que você acredite serem limpos e desfrute. A comida dessa região é uma delícia! Mesmo na rua é possível. Tem várias comidas malucas, veja qual é o seu limite e se aventure!
Leve fotos 3x4 para tirar os vistos do Camboja, Vietnã e Laos. Preferencialmente guarde dinheiro trocado para isso (dólares americanos).
Negocie o preço de tudo.
Não se assuste se você não entender nada do inglês que os nativos falam. É assim mesmo. Com o tempo você acostuma.
Jetlag existe, e faz passar muito mal. Mas depois de uns dias melhora.
  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
JET LAG
Eu sempre achei que isso era frescura. Mas também, nunca tinha ido tão longe. Entre São Paulo e Bangkok são 9 horas de fuso horário. E eu descobri enfim o que era jetlag. Que desgraça!
Na primeira noite em Bangkok, depois de um voo pra Frankfurt, 7h de conexão e outro voo de quase 12h de FRankfurt pra Bangkok, apesar de muito cansada, a noite não foi fácil. Depois de uma noite de sono bem difícil, finalmente amanheceu. Tomei café da manhã e saí para começar a explorar Bangkok. Mas uma dor de cabeça terrível me acometeu, juntamente com enjôo e náuseas. Não conseguia comer nada. Estava um calor absurdo e eu me sentia mole. Insisti algumas horas, mas não teve jeito. Tive que pegar leve. Voltei pro hostel, tomei chá, dormi. Não tinha vontade de comer. Tinha medo de beber água e tomar suco, inicialmente. Fiquei vivendo a base de Lipton Ice Tea. A noite consegui jantar. Pensava que estava resolvido. Mas não, no dia seguinte, tudo de novo. Até que eu percebi que só sentia fome a noite (o corpo estava no horário do Brasil). Demorou uns quatro dias pra eu conseguir comer direito. Mas continuava acordando antes do sol raiar quase toda a viagem. 
Na volta foi bem pior. Além do jet lag esperado, eu também passei bem mal com a comida do avião. Foram 5 dias difíceis até o meu corpo entender que estava de volta pra casa. Mas é isso, faz parte.
  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
BANGKOK (4 noites no início + 1 noite no final)
Seguindo a orientação de todos os blogs de viagem que li, a primeira coisa a fazer desembarcando em Bangkok é seguir para o Health Control. Depois de ser recebida com lindas flores na saída do avião, segui para cumprir os trâmites de entrada. Estava na Ásia!
Não foi nada fácil encontrar meu hostel. Segui as orientações do site, fui pelo Airport Link, de trem até determinado ponto, onde deveria pegar um táxi. Não consegui pegar o táxi. Os táxis não queriam me levar até o endereço. Diziam que as ruas estavam fechadas ou cobravam um valor absurdo. Pensei que fosse um golpe. Fui andando e parando táxis e perguntando e a história sempre a mesma. Acabei fazendo todo o trajeto a pé (com minha mochila de 12kg nas costas!!!). E quando estava quase chegando, as ruas estavam fechadas, todas as pessoas estavam vestidas de preto, e eu, sem entender nada, fui impedida de cruzar a rua pela polícia. Então sentei e fiquei esperando. Um silêncio absoluto. Era o rei que ia passar, e isso nunca acontece! Não fiquei esperando o rei passar, só aguardei até liberarem a passagem por onde eu precisava, mas depois eu entendi o quão importante era tudo aquilo. Pessoas vieram de todo canto pra ver a passagem do rei, e eu lá, perdida, derretendo, carregando 12kg nas costas. 
Finalmente instalada, iniciei meu passeio por Bangkok. Visitei alguns templos e o Grand Palace, o mercado flutuante, o mercado na linha do trem, a famosa Kaosan Road, um pouco da parte mais nova da cidade, com seus grandes edifícios e fiz também alguns trajetos de barco. Muito interessante a cidade aproveitar o transporte fluvial de passageiros. No final do meu roteiro, passei mais uma noite em Bangkok, dessa vez em Siam, super bem servida pelo transporte público. Aproveitei pra conhecer o imenso mercado Chatuchak e foi bem fácil chegar ao aeroporto só pelo sky train.
Bangkok é uma cidade muito diversificada, cheia de coisas pra fazer. Dizer quantos dias são necessários ou suficientes para conhecê-la é difícil. Eu fiquei 4 dias, foi o tempo que tive, mas acho que com mais tempo ainda teria muita coisa interessante pra ver.
 
hospedagem: HERE HOSTEL - bem localizado, perto da Kaosan Road (10 minutos) e fácil acesso aos pontos principais da cidade. Hostel muito limpo, atmosfera agradável e lugar bem bonito.O staff era suficientemente prestativo sem ser muito amigável. Café da manhã bem feito.
 
Lud B - Siam - boas instalações, bem limpo, super bem localizado, na boca do metrô. Staff bastante profissional, bem impessoal. 

IMG_20171031_215112_006.jpg

IMG_20171031_225148_171.jpg

IMG_20171031_225750_102.jpg

IMG_20171102_060359_993.jpg

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

CHIANG MAI e o festival das lanternas - LOI KRATHONG e YI PENG (3 noites)
A queridinha do norte do Tailândia, super elogiada por todos. Sou mais uma. Também adorei Chiang Mai. 
Quando planejei essa viagem, apenas vi que a melhor época pra ir pra Tailândia era novembro, então marquei minhas férias para novembro. Eu não fazia ideia do que era o festival das lanternas e muito menos que ele acontecia na 12a lua cheia do ano, geralmente em novembro, e também não montei meu roteiro pensando nisso, mas já que eu estaria no norte da Tailândia justamente no final de semana do festival, prolonguei minha estadia por lá e aproveitei todos os dias da lua cheia. Por isso a cidade estava disputadíssima, não foi fácil conseguir passagens no trem noturno de Bangkok a Chiang Mai. Mas deu tudo certo e foi uma experiência ótima. Comprei as passagens pelo site 12go.asia, serviço impecável, até devolveram o dinheiro que paguei a mais porque não tinha cama de baixo, só de cima. Super recomendo! Viajei no trem segunda classe, foi bastante confortável e achei o banheiro bem ok, tipo banheiro de avião (eu estava esperando aquele que é um "buraco", sem vaso sanitário).
Apesar de ser uma das maiores cidades da Tailândia, Chiang Mai é cheia de lugares graciosos, bares, cafés, restaurantes. Tem muitos templos também, todos lindos e mais tranquilos de visitar do que em Bangkok, e tem o templo lindíssimo lá no alto da montanha, de onde se tem ótima vista da cidade também. Além disso tem o famoso night Bazar e outros mercados menores. Aproveitei pra me aventurar numa aula de culinária tailandesa (que foi bem divertida e comi horrores nesse dia). As noites eram preenchidas pelo lindo espetáculo das lanternas no céu, também fiz um krathong e o coloquei pra ser levado pelas águas do rio. Recomendo se hospedar dentro do quadrado, a cidade histórica.
 
Hostel Thunderbird - boas instalações, novas é bem bonitas, staff ok, atmosfera não muito amigável, super bem localizado, em frente a um mercado pequeno, ótimo pra tomar shakes de frutas e comprar frutas desidratadas, especiarias, chás e frutas. Depois descobri que esse é um hostel vegetariano ou vegano, não sei. 
  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
CHIANG RAI (1 noite)
Depois de 3 dias em Chiang Mai, era hora de seguir na direção da fronteira, já que o Laos era meu próximo destino e a ideia era chegar lá pelo slow boat. Como a cidade estava cheia devido ao festival, acabei não conseguindo comprar o pacote do slow boat. Todas as agências me disseram estar esgotadas. Então eu segui um tour super corrido: visita ao White Temple, Golden Triangle, borda de Mianmar, mulheres com aneis no pescoço (sou super contra esse turismo ridículo, mas era parte do pacote), e então a noite a van me deixou em Chiang Rai, bem no centro, em frente ao meu hostel, que tinha o melhor staff da viagem e foi super fácil comprar todo o esquema pra cruzar a fronteira e o barco. Além disso eu jantei um pad Thai baratinho e delicioso no mercado que era pertinho do hostel, e conheci uma mina do Peru super simpática que virou minha amiga (porque latino é tudo maluco e com 10 minutos de conversa já vira amigo, troca telefone, e termina se abraçando - somos assim calientes, somos muito mais legais).
O Templo Branco é imperdível. É lindíssimo. Mas é também um dos lugares mais lotados do universo.
Resumindo, eu só dormi em Chiang Rai, não sei como é a cidade.
 
Sook Cafe and Hostel - bem localizado, cama super confortável, limpo, staff o mais amável e atencioso de toda minha viagem. Bem perto do night market, onde tem comidas variadas e a bom preço.
 

 

IMG_20171102_192437_404.jpg

IMG_20171103_145759_379.jpg

IMG_20171104_084241_184.jpg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

LAOS VIA SLOW BOAT (2 dias pelo Rio Mekong e 1 noite em Pakbeng)
Uma van veio me pegar no hostel antes de amanhecer. Nela fui até a fronteira da Tailândia com o Laos. Lá conferem os documentos e depois pegamos um ônibus até o lado laosiano. Lá tem que fazer o visto. Demora um pouco, mas é só preencher os papéis, juntar a foto e pagar. Daí um veículo tipo jardineira nos levou pra um lugar onde esperamos mais de uma hora, e depois nos levou pra beirada do rio, onde estava o barco.
O barco foi o seguinte: eu já tinha lido sobre ele, mas não era nada do que eu estava imaginando. O barco é bem grande, nem imagino quantas pessoas viajam nele. Muitas! Pelo menos 100. Não pode entrar no barco de sapato. A primeira coisa que te dão é uma sacolinha pra colocar o sapato. No barco estão enfileirados bancos, tipo bancos de carro. Ou você viaja nos bancos, ou viaja no chão. Tem que levar o que comer, porque até vende algumas coisas no barco, mas é pouco.
Bem, meu primeiro dia de viagem não foi legal. Acabei sentando no corredor, que não tinha espaço para as pessoas passarem, e todo mundo passava e esbarrava em mim, principalmente umas garotas loiras enormes que beberam a viagem inteira e alguma delas ia no banheiro a cada 15 minutos. Já que não era permitido usar sapato no barco, no banheiro tinha um chinelo comunitário. Eu segurei tudo que pude pra não ir ao banheiro. Mas na real, não era tão mal assim. O banheiro era ok. O barco chegou em PakBeng antes de escurecer, mas demorou um tempo até conseguir pegar a mala, então já estava quase escuro quando saí do pier. Eu acabei reservando um lugar pra dormir via booking.com, mas é possível conseguir um lugar na hora, já que o vilarejo inteiro vem até o pier te oferecer hospedagem quando o barco atraca.
No segundo dia, já que o barco saía as 9h, e eu dormi bem perto do pier, fiz check-out 8h, comprei sanduíche e guloseimas e fui pro barco. Porém, não sei que horas aquele povo chegou ao barco. Quando eu entrei, não tinha mais lugar. O carinha que organizava os lugares me apontou um "banco" de madeira ao lado do comandante. Eu demorei pra entender que não tinha mais lugar e que ia ter que ficar ali por 7h. Mas acabei vendo vantagem: tinha uma janela imensa só pra mim! E foi isso: eu li, pintei a unha, comi todas as guloseimas que levei, ouvi música, e tirei todas as fotos que eu quis. Apreciei muito a paisagem e curti bastante a viagem. O banquinho era ruim, e no final eu já estava com dor nas costas e na bunda, mas valeu. Foi ótimo esse segundo dia de viagem no slow boat! Foi a experiência que eu queria ter.
 
Sarika Guest House - acomodação razoável, bem perto do pier de onde sai o barco. O wi fi era incrível, já que meu quarto era o primeiro. Até consegui assistir um filme do netflix. Jantei num restaurante agradável, comi um prático típico do Laos (lotado de coentro). Comprei meu café da manhã e sanduíche para comer no barco nas padarias em volta. Os croissants são muito bons. Paguei tudo com Thai Baht.

IMG_20171106_214021_643.jpg

IMG_20171106_113053890.jpg

IMG_20171107_150616783_HDR.jpg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

LUANG PRABANG (3 noites)

O barco chegou a Luang Prabang por volta das 16h. Deste local, era necessário pegar um tuk tuk coletivo até o centro da cidade. O tuk tuk parou numa área bem fácil de se deslocar, onde eu aproveitei e troquei dinheiro, e tomei um suco delicioso num café lindo, pra poder usar o wi-fi e descobrir as direções pro meu hostel. Era perto e acabei indo a pé pro hostel. 

A cidade é lindinha. Não é a toa que é tombada como patrimônio da humanidade. Dos poucos dias que passei no Laos, acho que a ida de slow boat pelas águas do rio Mekong foi essencial pra me colocar no ritmo tranquilo de lá. Explorei muito a cidade a pé, os templos, os mercados, as confeitarias. O povo é bastante receptivo e atencioso. Há uma grande dificuldade de comunicação em inglês, mas a gente acaba se entendendo. No primeiro dia visitei as lindas cachoeiras azuis de Kuang Si. Fui de tuk tuk, dividindo com mais 4 pessoas do hostel. Fui de manhã, então ainda foi possível ver o pôr do sol no ponto mais alto da cidade no fim do dia. A noite tem o tradicional night market, onde se pode comprar de tudo negociando muito, e tem também o mercado de comidas, que é uma parte bem interessante. Na madrugada seguinte acordei bem cedo para ver a ronda das almas, quando os monges passam pedindo comida. Li muita coisa sobre como se portar nessa ocasião: não dar comida prós monges, deixar isso pros fiéis, apenas observar, não ser um turista chato e inconveniente, não ficar tirar fotos alucinadamente, em hipótese alguma seguir os monges. Pois é, mas eu vi tudo isso. Vi vários turistas correndo atrás dos monges com seus celulares e câmeras. A ronda é algo bonito, acontece antes do nascer do sol perto dos templos. Depois disso, como era super cedo, consegui ver o sol nascer perto da ponte de bambu. E depois me dei de presente tomar café da manhã numa confeitaria bem legal. Comi muito bem em Luang Prabang e a preços bem justos. Não consegui ir ao famoso bar Utopia a noite, a única balada de Luang Prabang. Mas passei lá a tarde. E foi uma experiência ótima. É um dos bares mais legais que já fui. Um lugar bonito, um terraço com vista pro Rio Mekong, onde vc pode deitar e ficar vendo o tempo passar lentamente. Pode fazer ioga, pode usar wi fi, pode tomar um drink e comer algo, e continuar ali, de boa, contemplando a paisagem. Adorei. Três noites na cidade foram bem suficientes.

Hostel Vonprachan - acomodação ok, café da manhã bom, limpeza apenas ok. Tem um terraço onde rola bastante interação entre as pessoas. Os quartos tem ar condicionado e ventilador. O pessoal do staff é atencioso na medida, um pouco difícil entender o inglês deles, mas todo mundo se esforça bastante. 

IMG_20171108_133800_315.jpg

IMG_20171109_074322_767.jpg

IMG_20171109_125530_122.jpg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
VIENTIANE (1 noite)
 
Como meu próximo destino era Hanói, e os voos pra lá só saiam de Vientiane, eu me obriguei a passar uma noite lá em vez de passar 5h no aeroporto em conexão. Cheguei a noite e teria então o dia seguinte para conhecer o máximo possível, pra no fim do dia embarcar para Hanoi. Quando cheguei não achei onde trocar dinheiro. Paguei o hostel em dólares e achei uma restaurante que aceitava cartão pra jantar. No dia seguinte saí cedo para explorar os pontos essenciais da cidade. Diferente de Luang Prabang, que tem aquela cara bonitinha de vilarejo turístico, Vientiane tem ares de cidade grande mesmo, com edifícios altos, barulho, trânsito e poluição. E um calor de lascar! O dia estava lindo e super quente. Comecei o dia me arrependendo de ter ido pra lá, mas depois vi que estava desmerecendo a cidade. Vientiane tem lugares bem bonitos pra ver. Acabei não indo ao parque dos budas, porque o rolê pareceu muito grande, já que ele fica 25km fora da cidade. Queria muito ter visto o museu, onde seria possível entender melhor a história do Laos, mas tive o azar dele estar mudando de prédio bem naquele dia. Então vi os monumentos, o parque, e fui ao templo onde há um buda deitado. Além de ser lindíssimo, novamente fui abordada por estudantes laosianos querendo praticar inglês, e foi muito legal dar uma espécie de entrevista pra eles, com direito a vídeo. Valeria ficar mais um dia na cidade. No fim do dia segui para o aeroporto.
 
Hive Hostel - um lugar esquisito. Fica bem localizado, numa avenida de fácil acesso, tem até boa infraestrutura, apesar da limpeza não ser boa. Mas tem uma atmosfera estranha. O atendente da noite fala inglês super bem e foi bastante atencioso. Durante o dia o pessoal quase não me entendia e foi meio difícil conseguir informações com eles. Mas... Como era só uma noite, foi ok.

IMG_20171110_145559_606.jpg

IMG_20171110_204548_340.jpg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por rafaelaneto
      Oi pessoal! Meu nome é Rafaela, tenho 16 anos atualmente e sou de Belo Horizonte. Sempre gostei muito de viajar. Quando meus pais começaram a ganhar mais dinheiro já comecei a planejar várias viagens e eles sempre confiaram em mim. Enfim, até meu aniversário de 15 anos só tinha conhecido Orlando e alguns estados brasileiros. Quando ele foi chegando perto, pedi minha mãe para ir pra Ásia como presente e ela deixou, apesar de não ter vontade. Meu irmão e meu pai não foram porque meu pai tinha acabado de esgotar nosso dinheiro investindo e também não tinham vontade de ir. Então fomos eu e minha mãe passar 20 dias por Tailândia e Camboja em dezembro de 2017 (um ano e meio de viagem, por isso esse relato não vai ser rico em detalhes e em tópicos, mas não queria deixar de publicar)
      PASSAGEM AÉREA
      Por causa do tal investimento a viagem sempre ia sendo adiada (não a data, mas o dia de comprar passagem), o que acabou aumentando muito os custos da passagem aérea. Compramos a passagem dia 18 de novembro para viajar dia 8 de dezembro. Resultado: 4564 reais por pessoa sem parcelamento (pela LATAM). Ida SP - Londres - Bangkok. Volta no dia 28 Bangkok - Paris - SP. Teve ainda o vôo BH - SP comprado uma semana antes por 700 reais por pessoa. Os vôos internos foram pela Bangkok Airways. Não achei o email com os valores, mas foi cerca de 1200 reais por pessoa 3 vôos. Olhando 3 meses antes vi passagens saindo de BH por 3.000 reais. Resultado: PLANEJEM AS COISAS E COMPREM COM ANTECEDÊNCIA
      HOTÉIS|ROTEIRO
      Aproveite os hotéis do sudeste asiático: os preços são ótimos e são charmosos. Mesmo com pequena antecedência foi fácil reservar, apenas em Phi Phi que foi meio complicado - e um pouco mais caro. Breve descrição e preços da época de onde ficamos:
      8 - 10: Viagem de BH à SP. Conexão de 6 horas. SP à Londres com conexão de 8 horas. Londres à Bangkok.
      10 - 15: Hotel Royal Bangkok Chinatown em Bangkok - R$?? - Lindo, café da manhã legal com opções locais e internacionais, muitos chineses fazendo compras, localização boa bem na bagunça de BKK, piscina gostosa.

      15 - 17: EMAN-SIM BOUTIQUE HOTEL em Phnom Penh - R$358 - Lindinho, ótima localização, piscina de borda infinita no topo, funcionários gentis

      17 - 21: River Bay Villa em Siem Reap - R$362 - Localização fora do centro mas confortável

      21 - 22:  Lada Krabi Express em Krabi - R$115 - Apenas para passar a noite. Normal, limpo, localização boa e tinha que tirar os sapatos para entrar rs
      22 - 24: (não achei nos registros do Booking) em Phi Phi - Bem localizado e limpo. Mas apertado e... dava para ouvir Karaokê em chinês a noite toda. Estávamos de bom humor e não nos incomodou. 
      24 - 27:  iRest Ao Nang Krabi em Praia de Aonang - R$670 - Quarto enorme, sem piscina e relativamente mal localizado.

      27 - 28: Viagem de Krabi à Bangkok. Conexão de 6 horas. Bangkok à Paris com conexão de 8 horas. Paris à São Paulo. São Paulo à BH. Ufa!
      CONSIDERAÇÕES|FOTOS
      Geral
      - Amamos
      - Tínhamos franquia para despachar mas levamos somente 2 malas de mão e 2 mochilas
      - Se atente as exigências das roupas dos templos
      - Roteiro sem correria. Ideal era ter tirado um dia de Siem Riep e por em Phi Phi
      - Estava bem quente. Em Bangkok chuviscava o tempo todo e nas praias o sol não abriu nenhum dia  Mas estavam lindas mesmo assim...
      - Lembre-se que janeiro é uma boa época na Ásia mas inverno na Europa. 2 mochilas inteiras foram ocupadas com roupas de inverno.
      - Tudo é muito barato
      - Oficiais da imigração nem respondiam meu bom dia, só carimbavam meu passaporte e conversavam com os colegas na língua deles 
      - Pessoal do hotel, restaurantes e lugares turísticos falavam inglês perfeito
      - Não comi comida tailandesa (!!). Sou bem enjoada então ia em restaurantes internacionais
      - Me tornei vegetariana depois de ver pato assado em BKK

      - Muitas comidas de rua, principalmente porco e frutos do mar. Tinha também muitos vendedores de frutas. Tomei suco de romã in natura todos os dias (MUITO bom)

      - Sempre que saíamos levávamos o cartão do hotel com o endereço em língua local e também do lugar que queríamos ir
      - Taxi e tuc tuc são baratos e assim nos locomovemos. Era bem divertido! O ideal era combinar o preço antes. Tivemos problema apenas uma vez, quando o taxista insistia em ligar o taxímetro. Ele começou a xingar em tailandes. Saímos do carro
      - Não sofremos com o jet leg. Dormimos e acordamos no horário normal
      - Vimos vários monges, nos lugares turísticos, templos e aeroportos (em ala reservada junto com deficientes e grávidas)
      - Em 20 dias vimos 2 amigos brasileiros em Bangkok e 2 casais em Phi Phi
      - Moeda tailandesa é o baht. Cotação era 10 baht = 1 real
      - Compramos um Iphone para meu irmão 1000 reais mais barato e uma GoPro mais barata também
      Europa
      - Aproveitamos as conexões. Saímos pelo centro das cidades e comemos por lá. Gostamos mais de Paris, tudo é muito lindo, artístico. Londres parecia abandonada. 

      Bangkok

      - O aeroporto de Bangkok é enorme, mas o que mais chamou atenção foi a poluição (provavelmente é). Pousamos e decolamos lá 6 vezes e em todas sentimos o "estrondo" do avião passando por ela, também não dava para ver nada lá em baixo
      - Realmente pediram o certificado de vacinação da febre amarela
      - Bangkok é enorme (8 milhões) e incrível. As pessoas, os cheiros, as comidas, a bagunça, os templos com os prédios: fantástica
      - BKK é lotada de chineses de excursão. Chega a ser engraçado
      - Muuuuuitas motos e um trânsito muito bagunçado
      - Visitamos alguns templos
      - Fizemos massagem (muito boa e barata)

      - Fomos no MBK shopping para jantar e voltamos com uma mala recheada de compras 😅 . Parece um Brás ou Feira Shop (de BH) mais organizado. Bem barato
      - O melhor passeio na cidade e da viagem foi voltando do Grande Palácio. Tentamos achar uma entrada para o rio da cidade, mas estava difícil. Acabamos escolhendo um bequinho qualquer (beco mesmo! sem iluminação, estreito e sujo). Aconteceu o maior serendipity da vida ao chegar no restaurante Eat Sight Story Deck. As fotos falam melhor:

      (queria colocar o vídeo, mas não consegui colocar aqui. para quem quiser ver, está no meu Instagram @faelamart)
      Phnom Penh
       
      - Quase perdemos o vôo porque esquecemos que era internacional e tinha imigração para sair (muito demorada aliás). Além do aeroporto ser muito grande... 
      - Não sabia dizer o nome da cidade e não sei até hoje
      - O visto é feito na horas e foi cerca de 30 dolares. Não precisou de foto e nem perguntas
      - Fomos no museu que fala do triste genocídio cambojano

      - Vimos muitas crianças saindo da escola com seus uniformes lindos
      - É uma cidade pequena em expansão, muitas obras para todos os lados
      - Complicado andar na rua porque tem poucas calçadas

      - O pessoal de lá tem menos $$$ mas mesmo assim são bem mais acolhedores que a vizinha Tailândia
      - Se o trânsito de BKK é doido, aqui as pessoas são. Muitas crianças dirigindo moto, sem capacete e com 2,3,4 pessoas na garupa (!!!)

      - Compramos no dia uma passagem para Siem Reap pelo bookmebus.com
      - Fomos por uma companhia de correios chamada Post VIP Van e durou umas 4 ou 5 horas. Tinham cerca de 12 assentos e tinham 7 pessoas com o motorista. Na estrada vimos muitas pessoas vendendo gasolina na garrafa pet e mato. Na parada para o banheiro *atenção para o banheiro* vimos pela única vez insetos para comer

      Siem Reap
      - Bem mais turistas que a capital - Centrinho gostoso, muitas opções de restaurante

      - Visitamos Angkor Wat por um dia e foi incrível. Segundo ponto alto da viagem (para mim, porque minha mãe detestou ficar vendo "coisa velha"). Atenção de novo para fotos:

      Krabi
      - Foi apenas de passagem para pegar o barco para Phi Phi (compramos pelo hotel no dia mesmo)
      - Essa região é de maioria muçulmana
      Koh Phi Phi
      - A ilha mais famosa do país 
      - Parece bastante com a Vila de Jericoacoara
      - O tempo não ajudou muito e nem o tempo curto. Aproveitamos pouco mas amamos
      - Conversamos muito com o capitão do passeio de barco. Foi um dia maravilhoso pelas ilhas Maya Bay, Bamboo e outras

      Ao Nang
      - Preferimos Phi Phi
      - Fomos apenas em algumas praias
      CONSIDERAÇÕES FINAIS
      Minha mãe se apaixonou pelo sudeste asiático e eu mais ainda. Queremos voltar e recomendo à todos que vão conhecer essa região incrível!!!
      Obrigada por ler meu primeiro relato e que venham os próximos  
       
       
       
       
       
       
       







      IMG_1327.MOV
      IMG_1455.MOV IMG_1485.MOV IMG_1549.MOV IMG_1593.MOV






      WCGN4715.MP4











    • Por Marcos A
      Bangkok foi a nossa primeira parada e não sabíamos ao certo o que encontraríamos por lá. Cada canto daquela cidade nos encantou. Desde os templos até a culinária, Bangkok foi um acerto na nossa viagem. Também usamos Bangkok com hub para tudo que fizemos na região. Ficamos no total 2 dias inteiros por lá e mais um como ponto de partida e chagada para Ayuttaya.
      Como chegamos
      Chegamos de avião vindos de Montreal. Compramos os bilhetes pela United Airlines, com o trecho entre Tokyo e Bangkok feito pela empresa ANA. Recomendo fortemente ambas. O voo foi super tranquilo e o atendimento o melhor que tivemos em voos até agora.
      ✅ Dica: Peça a comida especial, por exemplo, sem glúten. Você vai receber a refeição primeiro do que os outros passageiros!
      Onde nos hospedamos
      Nos hospedamos no Rambuttri Village Plaza. O preço não incluía o café da manhã (250 bath à vontade). O bom desse hotel é a localização. Fica bem pertinho da Rambuttri Road e da Khao San Road. Fomos andando para todos os pontos importantes de Bangkok, incluindo o Grand Palace e a montanha dourada. O quarto era arrumadinho e suficiente para uma boa noite de sono. Recomendo.
      O que fizemos
      Fizemos um pouco de tudo em Bangkok. Visitamos templos, as badalas ruas do centro, um mercado flutuante, alguns restaurantes renomados e mais templos!
      Mercados Flutuantes
      Existem várias opções de mercado flutuante em Bangkok. Optamos pela menos turística e mais perto do centro da cidade. Escolhemos conhecer o mercado flutuante de Khlong Lat Mayom e não nos arrependemos em nada disso.
      MERCADO FLUTUANTE DE KHLONG LAT MAYOM
      Sáb e Dom (e feriados) - 8:00 às 17:00 - Gratuito


      O mercado fica uns 30 minutos de Bangkok. É acessível somente por táxi e se você for corajoso, transporte público. Lá, encontramos muita variedade de frutas, doces, carnes, peixes e comidas típicas. É um verdadeiro mercado gastronômico. Você também pode contratar um passeio de barco pelas redondezas.
      ✅ Dica: Usamos o aplicativo Grab para todos os deslocamentos mais distantes em Bangkok. Recomendo bastante. Diferente dos táxis comuns ou tuk tuks, você já sabe o valor da corrida no início, você sabe quem é o motorista e pode ler as recomendações. 
      Entretanto, o melhor desse mercado é que ele é frequentado principalmente pelos tailandeses e fica um pouco fora da rota turística dos mercados flutuantes. Portanto, imersão cultural garantida aqui. Aconselho fortemente que você experimente um peixe feito na brasa com sal grosso. É uma delícia!

      Peixe assado na brasa e servido sobre uma folha de bananeira.


      Templos
      Marca registrada de Bangkok, visitamos os principais templos e alguns secundários. Evitamos visitar templos com arquitetura parecida. Focamos mais no inédito, na peculiaridade de cada um e funcionou direitinho.
      GRAND PALACE E O TEMPLO DO BUDA DE ESMERALDA
      Seg à Dom - 8:30 às 15:30 - 500 bath


      O Grand Palace não é mais a residência oficial do rei, mas ainda tem papel importante na espiritualidade do povo tailandês. Além do palácio real e das várias estátuas e edifícios ornamentados (cada um mais belo do que o outro), é nesse complexo que se localiza o Templo do Buda de Esmeralda, o mais importante templo do país, que abriga uma estátua de Buda feita de, claro, esmeralda.
      WAT PHO OU TEMPLO DO BUDA INCLINADO
      Seg à Dom - 8:00 às 18:30 - 100 bath


      O templo Wat Pho abriga uma das mais conhecidas estátuas de Buda da Tailândia: a famosa estátua do Buda inclinado e os seus incríveis 45 metros de comprimento. O que poucos sabem, entretanto, é que Wat Pho é o templo mais antigo de Bangkok. 

      Imagem de Phra Buddha Theva Patimakorn, localizada na principal capela de Wat Pho.
      Aproveitamos também para depositar moedinhas nas 108 panelas que ficam ao lado do Buda reclinado e também visitamos algumas das 400 imagens de Buda enfileiradas no arredores do templo. Se você gosta de massagem, vai querer fazer uma na primeira universidade da Tailândia, dedicada a medicina tradicional e a massagem. Não fizemos, mas acho que vale a pena.
      WAT ARUN OU TEMPLO DO ALVORECER
      Seg à Dom - 8:30 às 17:30 - 50 bath

      Vista de Wat Arun do barco, atravesando o rio Chao Phraya.
      Pra mim o melhor e mais interessante templo de Bangkok. Os aplicativo do Instagram chora quando fotos desse lugar são publicadas. Wat Arun ou Templo do Alvorecer fica na margem oposta do rio Chao Phraya. As suas 5 prangs são revestidas com pedaços de porcelana chinesa e cerâmica vidrada, fruto do intenso comércio chinês que havia na época de sua construção. 


      O templo é muito visitado e passou por reformas recentemente, sendo reaberto no final de 2016. Muitas pessoas se acumulam nos bares na margem oposta do rio para ter uma visão privilegiada durante o pôr do sol. A gente tentou, mas os bares cobram uma fortuna e desistimos. A sorte é que choveu durante o por do sol. Vingança divina? Acho que não.
      WAT SAKET OU TEMPLO DA MONTANHA DOURADA
      Seg à Dom - 7:30 às 17:30. - 50 bath


      Esse templo tem muita história e peculiaridades. O local onde hoje se localizada o templo Wat Saket foi construído no topo de uma colina artificial. No início do século 19, o rei Rama III ordenou a construção de uma enorme chedi no local. 


      O solo pantanoso de Bangkok não suportou o peso e a estrutura desmoronou. Durante décadas de abandono, os escombros tomaram forma de uma colina natural. São 300 degraus em uma grande espiral. A subida não é tão difícil e existem vários pontos de parada para descansar. Lá de cima, tivemos uma visão de 360 graus de Bangkok. Vale a pena.
      OUTROS TEMPLOS
      Visitamos também o templo Wat Ratchanatda e passamos rapidamente por Wat Traimi e Wat Benchamabophit. Dos três, recomendaria somente Wat Ratchanatda e Wat Benchamabophit. O primeiro, pois abriga uma estátua de Buda super sagrada e envolta em mistérios e o segundo devido ao seu jardim externo e a sua forma, que é completamente diferente da maioria dos templos de Bangkok.

      Templo Wat Benchamabophit
      Khaosan road e Rambuttri Road
      Duas das mais populares ruas de Bangkok. Alguns dizem que a Khaosan Road é a mais agitada do que a Rambuttri Road, mas de verdade? Achei ambas muito parecidas. Muitos restaurantes, boates, lojas de massagem, casas de câmbio, música rolando noite a dentro, muita gente indo e vindo. Enfim, é um local a se visitar em Bangkok.
      Foi na Khaosan Road que fizemos a nossa primeira massagem tailandesa (prometo colocar o local exato). Foram 30 minutos de massagem nas pernas e posso dizer, descobri partes do meu corpo que não sabia que existiam no processo. A dica é pechinchar o preço. Se estiver acompanhado(a), ainda melhor!
      Chinatown


      Passamos rapidamente pela Chinatown em Bangkok, considerada a maior fora da China. A sensação é realmente que estamos mudando de país e entrando em outro. Várias lojinhas de produtos chineses, medicinais, alimentos secos, de tudo! Vale a pena a visita e se tiver tempo, pare em um dos restaurantes de rua para saborear uma comidinha chinesa de qualidade.
      Ayutthaya


      Localizada à 80 km de Bangkok, as ruínas mostram somente um pouco do que foi uma das mais cosmopolitas e vibrantes capitais do sudeste asiático. Ela foi a capital do reino de Sião, sendo destruída e saqueada em 1767. Os sinais da destruição causados pela invasão Birmanesa podem ser vistos até hoje, com centenas de estátuas de Buda decapitadas e marcas de fogo por todos os lados.
      ✅ Dica: A vestimenta apropriada é exigida para entrar em alguns dos templos (diria regra geral para todas as atrações religiosas da cidade). Se não tiver, eles não deixam entrar e não existe aluguel de roupas do lado de fora como no Grand Palace. 


      Se você tiver tempo sobrando em Bangkok, sugiro fortemente uma visita. Fomos de trem (20 bath cada trecho por pessoa) e lá em Ayuttaya, negociamos um tuk tuk, 1100 bath por 5 horas de passeio. Visitamos os seguintes templos: Wat Yai Chai Mongkhon, Wat Maha That (famoso pela cabeça de Buda na árvore, Wat Phra Si Sanphet, Wat Lokkayasutharam (Buda reclinado) e Chai Watthanaram.
      Não consegui achar nenhum site confiável com os horários de funcionamento dos templos. O que pude ver nos fóruns por aí é que abrem pela manhã e fecham ao anoitecer, por volta das 17h-18h. 
      Onde Comemos
      Fomos para Bangkok querendo conhecer 2 restaurantes de rua super famosos: o Thipsamai Phad Thai e o Jay Fai. Os demais foram escolhidos através do TripAdvisor. Segue a lista completa:
      Thipsamai Phad Thai: Melhor restaurante (na nossa opinião) pra comer Phad Tai em Bangkok. Fomos duas vezes e nas duas, saímos com um sorriso de satisfação estampado no rosto.  
       
      Jay Fai: Restaurante de comida tradicional tailandesa com 1 estrela no Guia Michelim. Por causa disso, costuma ser cheio e o preço é bem salgado.  Ama (pertinho do templo do Buda reclinado): Restaurante de comida tailandesa com influencias do reggae. Recomendadíssimo.  
      The Sixth 6th: Se quiser tomar um chá gelado, café ou drinques diversos, esse é lugar. Fica perto do pier de embarque para Wat Arun. É bem pequeno, mas guarda um charme bem interessante Tubtim Bed&Breakfast: localizado na Rambuttri Road, é uma espécie de hostel com restaurante. O local é bem agitado e com preços convidativos. Assistimos à alguns jogos da copa do mundo lá. Conclusão sobre Bangkok
      Bangkok, uma cidade grande, com ar de capital, clima de cidade litorânea e com muita tradição, história, religião, modernidade e caos misturados. Voltaríamos sem nenhuma dúvida, melhor dizendo, voltaremos sem nenhuma dúvida, pois ainda temos muito pra ver e Bangkok será sem dúvida o ponto de chegada da nossa próxima visita à Tailândia.
       
      Quer ler mais sobre as nossas viagens? É só acessar o nosso site: www.feriascontadas.com
       


×
×
  • Criar Novo...