Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Peça ajuda, compartilhe informações, ajude outros viajantes e encontre companheiros de viagem!
    Faça parte da nossa comunidade! 

Entre para seguir isso  
mcm

Feriado em Macapá (e Belém)

Posts Recomendados

Mais uma capital brasileira conquistada! Macapá, Amapá. Depois de “completar” as capitais do Nordeste em 2013, levou tempo até avançar pelas capitais restantes do Norte. Este ano conhecemos Porto Velho e agora Macapá. Ainda nos faltam Rio Branco e Boa Vista.

Macapá acabou sendo uma opção para o feriado (ao menos no Rio!) de 20 de novembro. Tínhamos várias opções para a data, mas estava difícil de encontrar bons preços. Aliás, 2017 foi um ano difícil para promoções. Ao menos nos patamares a que nos acostumamos. Quase comparamos para o Recife, para explorarmos o Vale do Catimbau – mas a proximidade com nossa viagem para a Serra da Capivara nos fez buscar outro estilo para o feriado. Então optamos pelos preços relativamente baixos, mas não tão promocionais, que nos levaram a Macapá. 

Com 3 dias nas mãos, avaliei que seria muito para Macapá. Turisticamente falando. De fato, é. Mas vc pode buscar opções nos arredores. Flona, Tumucumaque, Serra do Navio... Mas talvez acabe precisando de mais tempo ainda. Para a capital somente, considerei que um par de dias bastava. Então organizamos de passar um dia em Belém, que fica do lado, e que já conhecíamos. 

Depois de ter ido, posso dizer que um dia já basta em Macapá – para o nosso ritmo e interesse. O roteiro ideal, nesse sentido, seria o que o diogomarxx fez, que me parece ideal para conhecer o “combo” Belém e Macapá. Mais próximo da viagem, pesquisando o roteiro do que fazer, vi que teríamos um dia sobrando. Em Porto Velho isso tbm ocorreu, de modo que fizemos um esquema bem slow travel (novamente, para o nosso ritmo – cada um tem o seu). Mas em Macapá descobri que poderíamos passar o domingo na Ilha de Santana, fazendo passeio de barco e curtindo praia. Achamos boa ideia e fomos.

Para uma capital, Macapá ainda é bem pacata. Construções ainda baixas, com um ou outro espigão sobressaltando aqui e ali. Do aeroporto para o Ibis, onde nos hospedamos, dá coisa de 2 ou 3km. 15 reais de taxi. Não me lembro de proximidade tão grande em outras capitais brasileiras.

Chegamos tarde da noite, direto para o Ibis dormir. Saímos sábado de manhã para passear. Macapá está na linha do Equador e era 2º semestre, ou seja, o calor predomina. Melhor dizendo, muito calor. Mas já conforme esperado.

Do Ibis fizemos uma caminhada pelos arredores, para conhecer alguns pontos mapeados. A igreja de São José, pequena e simples. Acho que é a mais importante – certamente não é a mais imponente – do estado. Uma pracinha simpática logo em frente e o Teatro das Bacabeiras ao lado. Não achei programação do teatro na Inet. No local, não parecia haver programação para aquele fim de semana. Então foi só contemplação externa mesmo. Passamos pelo Museu Histórico de Amapá Joaquim Caetano da Silva, que estava fechado. Li alguns raros relatos sobre ele, e alguns diziam que estava sempre fechado. Bingo. Todo reformado, mas fechado. Talvez só abra durante a semana. Brasil tem essas coisas: atrações que só abrem durante a semana.

Dali para a Praça do Coco é um pulo. É onde a noite ferve, com visual para o Rio Amazonas, que passa pela cidade.

A chamada Praça do Coco compreende (acho) uma vasta área perto do Trapiche Eliezer Levy. Que era, aliás, uma das atrações listadas da cidade. Só que estava em reforma, fechado. Pena, uma atração a menos. O trapiche segue metros adentro do Rio Amazonas e chega perto de uma estátua de São José, de costas para a cidade (como que a protegendo), já dentro do rio. É chamada Pedra do Guindaste. Com o trapiche fechado, dava para seguir andando até a estátua. É que, naquele momento de manhã, a maré estava baixa, era possível caminhar metros adentro pela areia (ou lama). 

large_trapiche_seco.jpg
Trapiche pela manhã


Dali seguimos pela orla em direção ao Forte São José, que fica logo ao lado. Primeiro contornamos o Forte. Muito bonito por fora. Muita gente curtindo os jardins e o barato do entorno do Forte. Isso naquele fim de manhã, com o sol a pino. Qdo o calor se vai, aparece muito mais gente. Passamos pelo Parque do Forte, que fica ao lado do Forte. Um dia o parque foi reformado e acho que ficou muito bacana. Hoje é mais um retrato de Brasil, estando abandonado e se deteriorando. No Brasil gasta-se em reforma, não em manutenção. Certamente dá mais votos.

23735009_166603357266849_8897801700362944512_n.jpg23735575_1773344942959617_6430952092482928640_n.jpg
 Fortaleza de São José

Entramos no Forte. É muito bonito. Belíssimos visuais, em relativo bom estado de conservação. Algumas salas são abertas ao público. Tal qual outros fortes pelo Brasil, poderia ter mais informações, mais contextualização. Mas o de São José já vale pela beleza que é. Fiquei um bom tempo passeando pelo forte e curtindo o visual.

23596572_189031478340574_3916267243394039808_n.jpg23596461_709875392552096_8418521807266512896_n.jpg


Em frente ao Forte tem o Mercado Central. Fomos lá. Um fracasso. Fechado, largado totalmente. Algumas lojas e lanchonetes nos arredores.

Na frente do mercado havia um cara vendendo chopp a 1 real. Como assim, chope a 1 real?? Chega a dar medo. Mas, na verdade, é que chopp é como chamam o sacolé por lá. Tá explicado o 1 real.

23734442_343432232797189_6197244247389765632_n.jpg
É sacolé!


Já era hora do almoço e não tinha rolado café da manhã, então aproveitamos para seguir andando pela orla até o Restaurante Estaleiro, famoso na cidade. Sob calor forte a galera não curtiu muito de ficar andando pela cidade, mas fomos. No caminho tinha um monte de carros da polícia na frente do Hotel do Forte. Metros adiante um motociclista atropelado, mas felizmente não parecia ferido gravemente. A coisa não tava boa na área.

Enfim, chegamos ao Estaleiro. Ar condicionado! Rolava um buffet de comida mineira. Mas estávamos lá para saborear os pratos locais. Enfim, lugar caro, mas gostamos muito dos peixes que pedimos.

Chamamos um taxi para nos levar ao Marco Zero, a outra grande atração da cidade (além do Forte). Onde cruza a Linha do Equador. Os dois hemisférios a nossos pés. Curtimos bastante, aproveitando estar vazio naquela hora pós-almoço de sol forte. Ao lado tem o Sambódromo da cidade, mas ao que vi não fica aberto à visitação. Idem para o Zerão, o estádio tbm ao lado em que cada campo (cada metade do campo) fica num hemisfério. Então ficamos somente no Marco Zero. Tem uma lojinha de artesanato na parte de baixo, e tem umas outras salas que não entramos. A estrutura em geral nos pareceu aquém do potencial. Mas o lugar é icônico! Estivemos no ano passado em Quito, mas não chegamos a esticar para “La Mitad del Mundo”. Dessa vez estivemos na metade do mundo!

23595962_837010849811599_2727520115196166144_n.jpgIMG_20171118_141010.thumb.jpg.441960c9af36823cd4fcd6ebb6f6955b.jpg
Marco Zero


Chamamos novamente um taxi, agora para nos levar até o Museu Sacaca, outra das grandes atrações da cidade. Eu não sabia exatamente o que esperar de lá, e acabei sendo positivamente surpreendido. É um museu-parque contando sobre a biodiversidade e tbm a história da região. Curtimos um bom tempo por lá. 

23596503_2104528063110359_4491635471981477888_n.jpg23735293_194546857782230_2205015331930374144_n.jpg
Museu Sacaca

A algumas quadras do Sacaca tem a sorveteria Clara Neve, que foi nossa parada seguinte. Vale conhecer nem que seja para provar o exótico sabor Ribeirinho (salvo engano meu), que é de açaí com camarão! Vc não leu errado, sorvete de açaí com camarão. Camarão não é minha praia, mas galera gostou. Eu escolhi um delicioso sabor de cupuaçu com coco.

23734938_1652551808128436_2814265273320734720_n.jpg
Açaí com camarão!

Já era fim de tarde, então retornamos à orla para curtir o entardecer em algum quiosque ou restaurante com vista para o rio. Pedimos para o taxi nos deixar na Casa do Artesão, para ver o que tinha por lá. A Casa estava fechada para obra e com uma placa bem característica do Brasil: com valor da obra, data de início e prazo de término. O término era para abril de 2017, mas a Casa seguia fechada e não parecia estar sequer em obra, muito menos reformada. Ahê, Brasil!

Ficamos curtindo o pôr do sol na orla. O sol se põe na verdade no lado oposto da orla, mas a beleza das luzes do entardecer está presente no visual sobre o Rio Amazonas. Que, naquela hora, estava na maré cheia. Completamente diferente de quando estivemos lá pela manhã.

trapiche_cheio.jpg
Trapiche pela tarde - repare a diferença da maré!


Das atrações listadas da cidade, ficou faltando conhecer a Praça Floriano Peixoto e o Centro de Cultura Negra do Amapá.

Escolhemos um lugar com vista para o rio para curtir o visual com cervas para todos. Voltamos mais tarde para a mesma região e aí sim vimos como a área enche qdo cai a noite. Os diversos quiosques enfileirados na Praça do Coco nos pareceram muito semelhantes entre si. Itaipava e Nova Schin dominando a área. Diversas (muitas mesmo!) barraquinhas de batata frita, algumas de churros, outras de sorvetes. Os restaurantes de frente para o rio ficam colados um no outro, mas cada um tem sua música. Escolhemos um lugar que tivesse Original para acompanhar algum petisco. Felizmente tocava música que nos agrada, mas não dá para escapar das músicas dos outros.

23596650_330114854124794_9128284188225568768_n.jpg
Night na orla


No domingo acordei cedo e fui dar uma corrida pela cidade. Vi uma galera jogando bola no rio, aproveitando a maré baixa. Depois soube que é o “Futelama”, ahahahah. Fui até a Praia de Araxá. Rola um mercado de manhã cedo na orla. Parecia de peixe, mas tem mais que peixe. É pequeno. Vi outros lugares para curtir pela orla, sempre quiosques. Na pracinha em (no?) Araxá tem outros quiosques. Opções à noite ao ar livre a cidade oferece!

large_lama.jpg
Futelama matinal

Nesse dia, domingo, programamos de fazer um passeio de dia inteiro até a Ilha de Santana. Fiquei catando passeios de dia inteiro e encontrei a Amapa Ecocamping. O preço é salgado (150 pp), mas era o que tinha. Lembrei que passeios de barco em Manaus tbm eram caros. No horário marcado, nossa guia Annie foi nos buscar.

Fomos até Santana, onde pegamos um barco que circundaria toda a Ilha de Santana. Um casal do Sul, também a turismo na cidade, se juntou a nós no passeio. No caminho a Annie ia falando de Macapá, de Santana, de diversas coisas. Contou tbm sobre a lenda da Cobra Sofia, que vive sob o rio nos arredores de Santana. Além de guia, a Annie tbm é geógrafa, escritora e poetisa, e contou sobre os poemas.

23667529_125956018101038_2776480839700054016_n.jpg
Palafitas no Rio Amazonas, Ilha de Santana, Amapá

Fomos contornando a ilha de barco, vendo as construções dos ribeirinhos – quase sempre com as casas bem pintadas --, com a Annie nos apontando algumas características dos lugares. Até chegarmos a uma praia, que foi onde descemos. Dali seguimos para uma curta trilha até uma enorme Samaúma, que ficamos curtindo um tempo. Uma criançada da região logo se junta ao pelotão e fica fazendo arte pelos cipós ou pelas sapopemas (ou sapopembas?; são as impressionantes raízes) da Samaúma, subindo e descendo com facilidade. Consta que o filme Tainá 3 foi filmado naquela Samaúma. Na trilha, infelizmente vimos garrafas plásticas espalhadas em alguns cantos – o Brasil avançou, mas ainda tem muitos passos a galgar em termos de educação ambiental básica.

23733965_2179965478695823_46489600896742
Samaúma


Na volta paramos na casa de um casal, onde saboreamos um almoço caseiro delicioso. Isso além de saborosos chopes (o sacolé, não a cerva). Algumas redes na casa nos chamavam para descansar, mas era melhor descansar na praia, logo adiante. Fomos para lá depois do almoço. Água quentinha, maré alta. Algumas lanchas param por ali para a galera curtir a praia. Curtimos o restante da tarde na praia. Depois retornamos de barco, seguindo o contorno da ilha.

23733772_1961704907422930_2434414135119708160_n.jpg23667634_326718884473244_2118798235739881472_n.jpg
Curtindo praia no Rio Amazonas, Ilha de Santana


[A Annie nos deixou na orla, conforme pedimos. Ela tinha dito que poderia nos levar ao aeroporto por um preço mais baixo que o taxi. Katia que me falou. Achei estranho, o taxi já era bem barato (15 reais), mas ok. Além disso, ela estava tentando achar um lugar bacana para curtirmos a noite daquele domingo, ela iria conosco inclusive. Ok. Qdo nos deixou, ela deu os preços. 50 para o aeroporto (25 por casal) e 20 para nos acompanhar na noite. Achei estranho, deveria ter falado na hora, mas não falei. Mesmo sem saber qual tinha sido o acerto dela com as meninas (eu estava na água da praia na hora), devia ter reagido ao preço do taxi. Talvez ela estivesse contando desde o bairro onde ela mora, nós estávamos perto do aeroporto. E tinha a coisa desconfortável de cobrar para sair conosco – podia ser ao menos a título de pagar a gasolina, ok. De qq forma, depois cancelamos por whatsapp.]


Ficamos de relax na orla, passeamos mais um pouco no entorno do Forte aproveitando os últimos raios solares. A orla parecia mais cheia ainda naquele domingo. Segunda-feira era feriado em Macapá, fazia sentido. Encerramos a noite comendo espetinhos e tomando Original na Cia dos Espetos. Longo tempo por lá. Retornamos ao hotel a pé e pegamos um taxi até o aeroporto. Deu 16 pratas. Nosso voo para Belém era bem tarde da noite.

Chegamos em Belém e chamei um uber. Ficamos na Ecopousada Miriti, a mesma que ficamos da outra vez. Era madrugada, chegamos para dormir.


Belém
Segunda-feira, 20 de novembro, é feriado em diversas cidades do Brasil. Mas em Belém não. Para piorar, todas as atrações da cidade fecham na segunda-feira. TODAS. Não que eu quisesse rever todas, mas teria curtido rever o Mangal e a região do Forte do Presépio. E fazer um passeio de barco ao entardecer, Enfim, paciência.

23733966_1010407669099528_4279209877034762240_n.jpg
Praça da República


Revimos a Praça da República (o teatro estava fechado), agora reformada e muito mais bonita de quando estivemos lá, 5 anos antes. Seguimos andando pela Av. Nazaré até a Basílica de Nazaré. Dessa vez visitamos a Basílica com mais calma, contemplamos melhor. O Círio tinha sido no mês anterior. Deve ser uma baita experiência vivenciar o Círio. Aliás, as ruas estava todas enfeitadas para o Círio, e os enfeites perduram pelo Natal até o dia da cidade de Belém, se não me engano.

23668289_193534041217250_8812230734757494784_n.jpg
Basílica de Nazaré


Da Basílica ainda passeamos pela Praça Batista Campos, e depois para o Bar Meu Garoto, tradicional local onde se popularizou a cachaça de jambu. Diversas cachaças são produzidas por lá, e na mesma rua tem uma lojinha. Aproveitamos para almoçar, além de provar a diversidade chachaçal.

meugaroto.jpg
Cachaçaiada no Meu Garoto

Seguimos então para o Ver-o-Peso, que felizmente funciona na segunda-feira, assim como a Estação das Docas. O Ver-o-Peso é local que vc pode passar horas admirando, percorrendo, observando, saboreando. Ou pode passar minutos, tomar horror e sair correndo. Cada um tem sua percepção. Nós curtimos. Castanhas, farinhas, peixe com açaí, sucos diversos, peixes, poções milagrosas, frutas, souvenirs, made in china, tem de tudo por lá. Curtimos um tempo por lá, mas teria sido melhor ir de manhã cedo. Algumas coisas já estavam fechando ou fechadas no meio da tarde. Curtimos o que pudemos. Um dia ainda vou provar essa coisa de peixe com açaí. 

23733778_135841130453022_4996506979250733056_n.jpg
Docas


23735132_302933513532782_422063721758588928_n.jpg23735581_1733953073313626_7637747356158394368_n.jpg
23734332_184146675470745_9136778151773339648_n.jpg23668389_140251709959489_3910446806793715712_n.jpg
Ver-o-peso

Seguimos para o Ver o Rio, que fica alguns km antes (não é para ir a pé, pegue um transporte), para curtir o pôr do sol. Lá é onde fica o Memorial dos Povos Indígenas. Tá um pouquinho largado, mas as passarelas estão lá ao menos. E o visual do entardecer naquele dia estava ESPETACULAR. Ficamos por lá curtindo com cerpinhas para acompanhar.


23734264_237128596823119_3864232292968824832_n.jpg
Ver o Rio

23734836_131182500927403_7971007891723255808_n.jpg
Pôr do sol no Ver o Rio


23734710_295042164233775_1769988883476381696_n.jpg
Imagem de Nossa Senhora iluminada para o Círio de Nazaré que só é desmontada no dia 12 de janeiro, data em que se comemora o aniversário da cidade.


Já de noite voltamos para a Estação das Docas, onde passaríamos as horas restantes do nosso feriadão. Cervas na Amazon Beer, pratos paraenses no Lá em Casa. Programa sempre muito bom!


23667961_165450830724880_537949498547109888_n.jpg
Amazon Beer

23668031_183384395548178_9166283146872750080_n.jpg
Cairu


Nosso voo de volta era de madrugada, e dia seguinte já era dia de batente.

Mais um feriado desbravando algum canto pelo Brasil!

  • Gostei! 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.

Entre para seguir isso  

  • Conteúdo Similar

    • Por Jairus Lopes
      No dia 01 de Março de 2016,  eu e minha esposa iniciamos a nossa viagem ao estado do Pará, mas precisamente à cidade de Sta Izabel do Pará, partimos de São Gonçalo no estado do Rio de Janeiro, foi um planejamento de alguns meses e também pedindo a Deus que nos abençoasse nesta viagem. Como era a nossa primeira viagem de carro deste porte em torno de 3100 km. Consultamos aqui no mochileiros.com algumas pessoas que já tinham feito viagens longas. Fizemos o planejamento e quando foi no dia 01 de Março de 2016, partimos às 6:00 hs para o estado do Pará.
      O nosso carro é um Gol 1.0 (8v) ano 2003/2004 com GNV. A minha preocupação era justamente viajar num gol 1.0 .  Mas este gol que esta conosco até hoje nos levou e nos trouxe tranquilamente, graças a Deus. Foram 4 dias para ir, pois tivemos que passar ainda em Goiânia na casa do meu cunhado. o nosso trajeto foi bem conhecido, pegamos a BR 040 até Brasília, ou melhor até Luziânia-GO. Depois pegamos a BR-153 ( Anápolis - Belém). Essa estrada precisa de um certo cuidado, pois tinha alguns trechos com buracos. Mas deu para ir tranquilo. Agora, para dormir a noite, dormíamos no carro, em postos de Gasolina de bandeira. Gente valeu a pena !!!
      Como o meu carro tem GNV, então até BH, eu fui utilizando o GNV para dar um certa economia.
      Esperamos que este relato, sirva de incentivo para você que tem vontade de viajar.
      Um grande abraço, fiquem com Deus.
      Casal : Jairus e Rosa Maria




    • Por NatalieM
      Olás,
      Alguém tem dicas de hospedagem no esquema bom e barato em Belém do Pará? 
      As informações que encontrei por aqui são um pouco antigas. 
      Obrigada 😃
       
    • Por Diego Minatel
      Para mim é algo realmente complicado traduzir em palavras os momentos vividos nos dias da minha viagem. Viagem esta que não se traduz num simples mochilão ou turismo de longa duração. Foi o encontro de uma pessoa comum com seu sonho de andar por terras que tanto o inspiraram, terras mãe da esperança, terras de homens e mulheres feitos de histórias e de coração, corações gigantescos. O sentimento que fica depois de quase seis meses na estrada é o de gratidão, do agradecimento as infinitas pessoas que ajudaram esse pobre viajante das mil e uma maneiras possíveis, para vocês meu muito obrigado.

      Foto 1 - A companheira de viagem
      Tinha uma vida igual a tantas outras, era bem razoável por sinal, mas a vontade de caminhar e estar frente a frente com o novo me atormentava todos os dias. Queria conhecer com meus olhos as diferenças, os sotaques, as comidas, as belezas. Desejava não ter pressa, fazer tudo no seu tempo necessário, não estar preso a rotina dos dias e principalmente aprender. Sim, aprender, não com fórmulas prontas e nem sentado dentro de uma sala de aula. Queria aprender com experiências. Queria conhecer pessoas. De alguma forma queria fugir da minha vida cotidiana, não por ela ser ruim, mas pelo desejo de se conhecer e assim, quem sabe, voltar uma pessoa melhor. Quando esse sentimento passou a ser insuportável decidi que tinha que partir.
      Por um ano ajuntei algum dinheiro, queria ficar seis meses na estrada. A grana não era o suficiente, mas suficiente era a minha vontade. Dei um ponto final no trabalho. Abri o mapa e não tinha ideia por onde começar. Decidi não ter um roteiro, apesar de ter muitos lugares em que eu queria estar.
      Assim começa a minha história (poderia ser de qualquer um). O relato está dividido da seguinte forma:
      Parte 1: de Rio Claro ao Vale do Itajaí
      Parte 2: Cânions do Sul
      Parte 3: de Torres a Chuí
      Parte 4: Uruguai
      Parte 5: da região das Missões a Chapecó
      Parte 6: Chapada dos Veadeiros e Brasília
      Parte 7: Chapada dos Guimarães
      Parte 8: Rondônia
      Parte 9: Pelas terras de Chico Mendes, Acre
      Parte 10: Viajando pelo rio Madeira
      Parte 11: de Manaus a Roraima
      Parte 12: Monte Roraima y un poquito de Venezuela
      Parte 13: Viajando pelo rio Amazonas
      Parte 14: Ilha de Marajó e Belém
      Parte 15: São Luis, Lençóis Maranhenses e o delta do Parnaíba
      Parte 16: Serra da Capivara
      Parte 17: Sertão Nordestino
      Parte 18: Jampa, Olinda e São Miguel dos Milagres
      Parte 19: Piranhas, Cânion do Xingó e uma viagem de carro
      Parte 20: Pelourinho
      Parte 21: Chapada Diamantina
      Parte 22: Ouro Preto e São Thomé das Letras
      Parte 23: O retorno e os aprendizados
      O período da viagem é de 01/10/2015 a 20/03/2016. De resto não ficarei apegado nas datas exatas em que ocorreram os relatos que irão vir a seguir, tampouco preocupado em valorar tudo. Espero contribuir com a comunidade que tanto me ajudou e sanar algumas dúvidas dos novos/velhos mochileiros.
    • Por Viagens da Leticia
      Estou devendo esse relato há quase um ano. Mas agora, talvez possa ajudar quem está procurando um destino pra passar o ano novo: Ilha do Marajó! Lindas praias, belas paisagens, búfalos, guarás, uma rede na varanda e sossego.   voo direto SP-Belém hospedagem Soure: Hostel Tucupi  hospedagem Belém: Galeria Hostel (está fechado agora) Belém-Marajó: navio (ida) barco rápido (volta)   Decidi a viagem na quinta-feira a noite, e na sexta a noite já fui pro aeroporto. Era 28 de dezembro de 2017. Paguei caro. Mas valeu cada centavo. Não deu tempo de pesquisar muito, também não achei informação com facilidade. Mas o norte estava me chamando e eu fui. E adorei!   Peguei um voo direto de SP a Belém, na madrugada do sábado 30 de dezembro. Cheguei a Belém umas 3h da manhã e fiquei lá no aeroporto esperando amanhecer. Por volta das 6h, fui de Uber para o Terminal Hidroviário, em busca de uma passagem pra Marajó, pois não consegui comprar nada nem informações pela internet. Missão impossível: a fila ocupava o terminal inteiro, e muito antes de chegar perto de mim, o barco das 7h encheu. O próximo barco era o "navio" (a versão mais lenta de travessia), só às 14h e me deixaria no porto de Camará, mais longe, onde ainda teria que pegar um ônibus até Soure. na minha breve pesquisa antes da viagem, li em algum lugar "COMPRE O VIP, VOCÊ NÃO VAI SE ARREPENDER". E eu me lembrei disso e comprei o vip. Custou R$ 37, era uma poltrona, em ala separada, com ar condicionado.  
       
       
       
       
    • Por @duane.santo
      Ano passado eu fiz um mochilão pela américa do sul (Bolívia, Chile e Peru), usei o relato do Rodrigo Vix e sou super grata a ele pelo roteiro compartilhado no site, por  isso nada mais justo do que compartilhar o meu roteiro de um destino pouco conhecido por brasileiros.
      Todo ano tiro férias e procuro ficar o maior tempo possível viajando e nesse mochilão de 2017 eu conheci o Rafa, que virou meu companheiro de viagem e nessas férias de out/2018 e o roteiro foi o seguinte:
      06/10 Rio de Janeiro X Manaus
      07/10 Manaus X Selva
      08/10 Selva
      9/10 Selva X Manaus
      10/10 Manaus X Presidente Figueiredo X Manaus
      11/10 Manaus X Santarém
      12/10 Santarém X Alter do Chão
      13/10 Alter do Chão
      14/10 Alter do Chão
      15/10 Alter do Chão
      16/10 Alter do Chão
      17/10 Alter do chão X Santarém X Belém X Ilha de Marajó
      18/10 Ilha de Marajó
      19/10 Ilha de Marajó
      20/10 Ilha de Marajó X Belém
      21/10 Belém
      22/10 Belém X Rio de Janeiro
      No meu instagram eu deixei toda essa viagem nos meus destaques, quem quiser ver ou tirar alguma dúvida, pode me mandar por lá também: @duane.santo
      Na verdade quando nos conhecemos em 2017 combinamos de ir pra Colômbia, mas como o dólar subiu muito acabamos desistindo e encontramos a Amazônia como um lugar que ambos queriam conhecer. Então comecei a pesquisar tudo com o Rafael e fechamos nosso roteiro. Segue a saga (é a primeira vez que escrevo um relato, qualquer dúvida perguntem):
      Dia 1 - 06/10/18
      O grande dia da viagem chegou. Check in feito no sábado anterior (é sempre bom fazer uns dias antes) e Rafael já estava a caminho. Botei minha mochila nas costas, peguei um ônibus e depois um BRT em direção ao aeroporto do Galeão. Cheguei um pouco cedo no aeroporto, encontrei o Rafael e fomos pesar nossos mochilões em um balcão de check in desativado. O mochilão do Rafael pesava 12 kg e o meu 8kg. Distribuímos o peso para evitar problemas na hora do embarque, pois não queríamos pagar para despachar os mochilões. (50 reais é 50 reais, né mores?). Almoçamos pelo Mc Donald’s (17 reais) e logo depois embarcamos. Chegamos em Manaus 15h, pegamos um voo direto com duração de 3h. O bom de não despachar mala é que além de economizar, nós não precisamos pegar e nem rezar pra ela estar na esteira. Obs: minha mochila é de 50L, da Quechua e até hoje não tive problemas para embarcar com ela como mala de mão.
      O aeroporto de Manaus é bem pequeno, saindo do segundo andar mesmo, que é onde se desembarca, nós pegamos um ônibus de 4 reais que vai do aeroporto até o centro de Manaus,  813 (a situação do ônibus é bem precária, mas nada que nãp dê pra pegar). Entrou um cara de uma agência no ônibus e ao ver que éramos turistas ficou falando com a gente, ganhamos um tour turístico de graça, pois enquanto o ônibus ia andando ele ia contando os pontos turísticos. Se é de graça a gente já ama! Diga-se de passagem: Manaus é um calor do cão, muito abafado!
      Em Manaus ficamos hospedados no Local Hotel (gostei e recomendo – 46 a diária + 10 reais de café da manhã), descemos do ônibus no ponto próximo ao Hospital Beneficente Portuguesa e andamos por volta de 5 minutos e já estávamos em frente o Local Hostel. Fizemos check in e resolvemos ir ao mercado e na agência fechar o passeio para o dia seguinte.
      O local Hostel tem parceria com a Iguana tur (agência que fiz os passeios em Manaus) e eu soube de uma menina que fechou os passeios com eles e ganhou o transfer de graça (fica a dica- quem não se comunica se trumbica). Eu tinha fechado o passeio com eles pela internet, peguei um pacote promocional no IG deles e paguei 720 reais pra ir nas cachoeiras de presidente Figueiredo (incluso almoço) e no pacote iguana, o pacote iguana consiste em 3 dias e 2 noites na selva (tudo incluso, menos bebidas- água free).
      Após o check in no Local fomos na agência da Iguana, pois eram quase 17h e então perguntamos que horas a agência fecharia, o sinhozinho disse que na hora que desse na telha. Ok! Corremos pra sacar dinheiro, eles não aceitam cartão, ali tem quase todos os bancos próximos. Pra início de viagem saquei 1000 reais.
      Durante a semana fica um rapaz da Iguana tur dentro do local hostel fechando os passeios, mas como era sábado ele não estava lá. Passeios pagos e fomos ao mercadinho próximo do hostel comprar beliscos para esses 4 dias de passeio. Compramos um club social e água, era um mercadinho bem mequetrefe. Só comemos o club social pra não dizer que não comemos, foi desnecessário, pois comemos bem em todos os passeios e o local hostel tem bebedouro a vontade para os hóspedes. Depois descobrimos que tinha um Carrefour perto do hostel, fomos lá e compramos uma lasanha para a janta e um suquinho, além de mais um ou outro biscoitinho 😁
      Voltando pro Hostel colocamos nossa lasanha no micro-ondas e foi só sucesso! Depois da barriga cheia, arrumamos nossa mochila de ataque para os próximos 3 dias na selva e fomos dormir. Deixamos o mochilão no hostel por 1 real. O valor independe da quantidade de dias.
      O hostel fica pertinho do Teatro Amazonas, principal cartão postal de Manaus



×
×
  • Criar Novo...