Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
Turistando.in (Juliana)

Blog Turistando.in: 10 atrações em Viña del Mar

Posts Recomendados

Passamos um dia inteiro em Viña del Mar (dormimos no Jaguar, um hostel muito legal) durante o inverno e com nosso filho de quase 3 anos e criei um post mostrando que a cidade não é tao sem graça como muitos dizem.

Neste post, elenquei 10 coisas a se ver na cidade e que fizemos caminhando: https://www.turistando.in/o-que-fazer-em-vina-del-mar/

 

 

Turistando.in-Chile-Vina-del-Mar-049.jpg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

  • Conteúdo Similar

    • Por coinetekarla
      Bom dia,

      Neste tópico vou falar especificamente de valores, depois faço outro relato contando minha experiência sensorial, mas já aviso, o Chile é maravilhoso, podem ir sem medo de ser feliz, mal cheguei e já quero voltar lá pelo menos umas 10 vezes mais hahahaha.

      Passagem ida e vol Latam – 1170,00

      Hostel Che Lagarto Santiago 10 Noites 340,00

      Alimentação 600,00

      Cajon del Maipu/Embalse El Yeso 160,00

      Farellones (sem ski) 170,00 entrada + 130,00 transfer + 60 reais de alimentação

      Aluguel de roupas 120,00 (completo)

      Viña del Mar 60,00 City Tour

      Passagem ida e volta Tourbus – 100,00

      Cambio $162,00

      *Ida pra Santiago, comprei a passagem pelo 123Milhas, muito mais barato e bastante seguro comprar, não tive problemas, emitiu minha passagem 3 horas depois que confirmei o pagamento, por cartão de débito. Recomendo olhar bem os horários de conexão, porque eu não reparei e tive que ficar 10 horas numa conexão noturna em Rosário-AR e mais 10 horas na volta em Córdova-AR, na ida é até aceitável, porém na volta, muito cansativo e estressante.

      *Hostel eu reservei 6 dias pelo HostelWord, e depois comprei mais quatro dias lá mesmo. Quem paga em espécie a diária tem um acréscimo de 19%, então optei em pagar no cartão mesmo, mas é um risco, porque quando fui o dólar e estava a 3,89 e hoje a 4,31, então cada um vê o que melhor lhe convém. Hostel limpo e organizado, cozinha fica disponível das 7:00 da manhã até as 22:00 horas, tem a opção de café da manhã, staff muito bacana e gente boa, a limpeza do quarto acontece dia sim dia não. Mas o diferencial principal é a localização, fica bem no centro, tudo perto, passeio, mercado, pontos turísticos, metro, o ponto de ônibus é na frente.

      *Alimentação, caríssima e eu particularmente, não gostei da comida, mas o que é de gosto é regalo da vida não é, então depende do paladar, mas em média um prato de Pollo com papa Frita sai em torno de 30 reais, e isso em lugares populares onde os locais vão comer, o montante que eu gastei da pra ser menor sim, mas mesmo comprando em mercado ainda assim, não vai sair barato, até porque a nosso real está super desvalorizado lá.

      *Farellones, não tive sorte, o dia que eu fui não estava tudo branquinho, porém tinha uma quantidade razoável de neve, mas durante a madrugada caiu uma nevasca enorme, um grupo que estava no meu hostel foi no outro dia disse que estava tudo coberto de neve, então depende se São Pedro vai com sua cara ou não hehe. Não deixem de levar comida, lá tem pouquíssimas opções e tudo não sai a menos de 60 reais, levem sanduíches e água que da pra passar o dia e ser muito feliz, o valor da entrada inclui a tirolesa, a descida de boia, o ski bunda, o carrinho de gelo. Mas não inclui a aula de ski e o aluguel das roupas, não posso falar quanto a isso porque optei em não fazer.

      *Cajon del Maipo/Embalse el Yeso, fui no dia após a nevasca, vocês não podem imaginar o quanto é lindo, o valor citado, inclui o transfer e um comes e bebes no final do passeio, então levem comida também e muita água, lá não tem opção nenhuma para comprar. Paramos num local onde era uma passagem de trem e dizem que um rapaz se matou la por amor e tem muitas homenagens a ele, achei bacana.  O meu transfer também fez uma parada em San Jose de Maipo, uma cidadezinha pequenininha, acolhedora, mas não vi nada excepcional, a não ser a cordilheira ao redor, mas isso tem em Santigo também, conto melhor depois, mas Cajon e Embalse El Yeso é daqueles lugares que todo mundo devia conhecer uma vez na vida. Cajon del Maipo é a rota que fazemos para Embalse el Yeso, eu fui achando que era um lugar específico, tipo um único ponto, mas não é não.

      *Aluguem roupas em Santiago, sai muito mais em conta, quase metade do preço, no bairro Bella Vista tem lugares mto mais baratos que a parada das vans no dia do passeio.

      *Viña del Mar e Valparaiso, primeiro um conselho, vão bem cedinho, pra conseguir aproveitar e conhecer tudo, eu não fiz isso, talvez por isso eu não curti muito o passeio, mas valeu a experiência, outra coisa, o clima de lá é muito diferente de Santigo, sai de Santiago na hora do almoço estava maior calor, cheguei em Viña estava bem frio, outra coisa, optem por chegar por Valparaiso, que os passeios pelas casinhas coloridas tem que ser de dia, porque a noite (hora que eu consegui chegar lá não da pra ver nada :/), em resumo, contratei um passeio na rodoviária mesmo, pessoal bem gente boa, pechinchei e o passeio saiu por 60,00 reais. Em suma, vou voltar um dia para Viña e Valparaiso, pra tentar tirar a impressão ruim que tive, porque não curti muito, mas acho que isso foi por culpa minha, mas Valparaiso parece uma grande favela, não estou dizendo isso no sentido pejorativo, mas porque parece mesmo, casinhas no morro uma em cima da outra. O transfer me levou a alguns lugares turísticos, ficamos por alguns minutos. Mas como eu disse, um dia vou dar uma nova chance àquele lugar. E não se iludam quando falam que da pra fazer a pé e tal, é tudo muito grande lá e muito longe uma coisa da outra, não da pra fazer a pé e eu acho que um dia é muito pouco, pelo menos durmam uma noite por la.

      Então é isso, vou escrever um novo post contando sobre a experiência em si, e as impressões que eu tive sem me apegar muito a parte monetária.

      Espero que tenha ajudado. Desculpem qualquer erro de português, digitei meio que correndo hahaha.

      Beijos e até a próxima.






       








    • Por mcm
      Qdo revisitamos Santiago em novembro de 2017, já tínhamos comprado passagem para o feriado de 1º de Maio de 2018, com milhas. Custou a bagatela de 10.000 milhas por trecho somente. Irrecusável.
      Os planos variaram desde então e a verdade é que eu havia reservado um hostel no Lastarria para os 4 dias. Mas mudei pouco antes da viagem: Passaríamos o 1º dia na Isla Negra, conhecendo a casa do Neruda que nos faltava, pernoitaríamos em Valparaíso e voltaríamos para Santiago. Ficou +- assim:
      Dia 1 – Isla Negra, Valparaíso
      Dia 2 – Valparaíso, Viña del Mar
      Dia 3 – Cajon del Maipo
      Dia 4 – Santiago
      E assim fizemos.
      Por alguma falha séria da minha parte, eu memorizei que o voo partia às 19hs do Galeão. Na verdade ele foi alterado algumas vezes desde a compra. E na verdade ele partia às 18hs. Saí do trabalho às 16, pegamos um taxi às 16:30 e ... deu tempo. Somente no aeroporto eu me dei conta do horário! Estou piorando.
      Chegamos tarde da noite em Santiago, pegamos nosso taxi direto para o hotel. Eu havia reservado um hotel pertinho do Patio Bellavista, assim rolaria alguma saída na chegada. Hotel boutique maneiro, a 55 USD. Achei bom preço.
      Rodamos um pouco pela área para ver o agito, e tinha muita gente nas ruas. Estacionamos num canto no Patio mesmo, onde curtimos cervas e o vai e vem. Fomos dormir umas 2 da manhã.
       
      Dia 1 – Isla Negra e Valparaíso
      Acordamos cedo, umas 8hs. Depois do café, saí para fazer um câmbio rápido – desnecessário, pq tinha na rodoviária – e partimos para a rodoviária. Pegamos o metrô e descemos na Estação Universidade Santiago. Lá fomos abordados por umas meninas, uniformizadas que nos sugeriram pegar o Pulmann, que, segundo elas, era mais rápido. Ok, aceitamos. Compramos para as 11:30. 6 K cada. Eram 10:40, então fizemos hora por lá. Câmbio por lá estava 595 CLP por USD, o mesmo que no centro da cidade.
      O busum atrasou um pouco, mas lá fomos. Chegamos na Isla Negra umas 13:30. Vantagem de viajar leve é que vc carrega sua bagagem nas costas numa situação dessas numa boa. Fomos andando para a Casa do Neruda. Eu tinha receio de longas filas e tal, mas não havia ninguém na nossa frente. Maior tranquilidade. Pegamos o audioguia e lá fomos. Antigamente era guiada, agora não mais. Curtimos muito, espetáculo de lugar. “Completamos” as cass do Neruda, mas ainda voltaríamos à Sebastiana. Visual sublime dessa, com vista direto para o mar. Uma bela visita.
       
      Na volta fui comprar passagens, e a moça da cia disse que era apenas fazer sinal no ponto de ônibus. Ok. Havia gente já na espera no ponto. E logo chegou um, amem. Deu 3K e alguma coisa por pessoa. Eram umas 15hs, sinal de que nossa estadia foi de 1,5h no geral.
      Uma hora depois estávamos em Valparaíso. Decidimos ir andando para o hostel, assim respiraríamos um pouco a cidade. Os arredores da rodoviária, naturalmente, não são lá muito agradáveis, mas foi bacana o trajeto, conforme fomos nos afastando. Reservamos um hostel subindo um dos morros, perto de uma rua onde rola uma night intensa. Largamos as mochilas e saímos para explorar o fim de tarde. Em direção ao Cerro Concepcion, que é onde rola o agito que queríamos ver.
      Passamos pelo parque onde era uma antiga prisão, tinha uma galera local curtindo. Depois ficamos rodando o Concepcion de cima pra baixo e para os lados. Percorrendo os caminhos estreitos e grafitados, pasajes, ascensores, e tudo o mais que houvesse pela frente. Que lugar bacana de noite, é aquele! Belíssimas construções, belíssimo visual, belos e divertidos grafites. Lugar que merece mais tempo de curtição noturna. Curtimos um lindo pôr do sol avermelhado no Paseo Iugoslavo, e então a fome falou mais alto. Estávamos só de café da manhã.
       
      Jantamos num lugar marromeno, e logo embicamos num segundo turno na cervejaria Altamira, que fica ao lado de um ascensor. Muito boa! 
      Rola muita atração artística e gastronômica no Cerro Concepción. Recomendo muito curtir a noite por lá. Rola muito grafite também, deve valer a pena buscar um walking tour dedicado a isso – para quem curte, claro. De todo modo, andando pelas ruas e ruelas, vc vai se deparar com alguns belos exemplares de arte de rua.
      A vontade de esticar a noite era grande, mas precisávamos medir as forças e havia um dia inteiro seguinte a (re?) desbravar (de dia), então fomos dormir não tão tarde.
       
      Dia 2 – Valparaíso e Viña del Mar
      Domingo acordamos cedo para o café. Nem havia amanhecido! às 7 da matina Ideia era sair cedo mesmo, dar um rolê numas áreas lá de baixo, depois subir para a Sebastiana. Tava bem nublado. Fomos no arco inglês, pracinha da catedral (tínhamos passado no dia anterior), depois fomos subir. O ascensor estava fechado, então fomos de escada mesmo. Naquela hora da manhã, só havia bebuns. Na praça e na escadaria. Talvez assustem, mas... vivemos no Rio, né? 
       
       
      Curtimos um pouco do Museu a Céu Aberto, que anda precisando de uma repaginada, mas que ainda proporciona um belo visual. E seguimos subindo até a Sebastiana, onde fomos um dos primeiros a chegar. Visitamos a casa (novamente, no meu caso), curtimos bastante. As casas do Neruda são muito maneiras de se conhecer. E, para quem se dispõe a ouvir o audioguide, as histórias são bem interessantes também. É pena que minha insensibilidade com poesia me limite a curtição da obra dele.
       
      Depois disso repeti meu trajeto de anos antes, seguindo por toda a Av. Alemania até descer no Paseo Iugoslavo. Entramos no Museu de Belas Artes, não exatamente pelas obras, mas pelo Palácio em si, que é muito bonito. Visitamos rapidamente. Descemos de ascensor para a Praça Sotomayor, e seguimos a pé para o Artilleria. Exatamente o que eu me lembrava de ter feito antes. E, tal qual antes, havia fila para o ascensor Artilleria. Tal qual antes, subi a pé. Curtimos o visual, as casinhas, e não muito mais que isso – rola um mercado pra turistas lá em cima. Descemos a pé mesmo, e, de volta à praça, pegamos o metrô para Viña del Mar. Tanto em Santiago quanto lá, vc tem de comprar o cartão magnético para viajar no metrô. Desagradável para quem está lá só por uma viagem, mas vamos em frente. Acho que já era assim qdo fui. Devia ter guardado o cartão!
       
      Em Viña fomos direto para a Quinta Vergara, mas o Palácio que eu queria ver estava em reforma. Andamos um pouco pelo parque e seguimos para o Palacio Rioja, mas chegamos na hora em que estava fechado para o almoço. Putz (sim, falta de planejamento detalhado!). De qq forma, é bem bonito. Passamos, mas não entramos dessa vez, no Museu Fonck. Foi bem legal quando fui, mas não quis repetir. Fomos descendo para o litoral. Viña é bem agradável em suas ruas internas, muito arborizada. No litoral, uma cena interessante: estava bem nublado, e até friozinho. E a galera na praia. Cheia de roupa de frio, claro. Um conceito diferente de praia. Quando estive lá da outra vez havia galera na praia tbm, mas pegando sol. Fazia calor.
       
      Passamos pelo Cassino, visitamos o Castelo e fomos até o tradicional relógio, ponto seguro de milhões de fotos. Era hora de dar uma pausa e conseguimos encontrar um bar que servia bebidas sem precisar comer. Amem! No Chile geralmente é difícil encontrar lugares que sirvam apenas bebidas, vc necessariamente tem de pedir alguma comida para acompanhar. Depois de saborosos piscos sours e cervejas, lá fomos pegar nosso metrô de volta. Chegando em Valpo, pegamos um taxi que passou no albergue (mochilas!) e nos deixou na rodoviária. Já era fim de tarde, pegamos rapidamente um busum para Santiago. 
       
      Da outra vez em que estive em Valparaíso, em 2010, eu cheguei de manhã desde Santiago, peguei um busum para a Sebastiana, conheci a Casa do Neruda, e depois segui andando até descer pelo Paseo Iugoslavo. Gostei muito da vibe na época, e deu aquela sensação de que valeria um retorno para um pernoite. A sensação que tive dessa vez é de que teria valido a pena mais de um pernoite. Que tenha uma próxima vez. Reconfirmei a vibe Santa Tereza (RJ) que eu tinha sentido da outra vez. Com o diferencial evidente do fator segurança. Rola muita comparação entre Valpo (mais antiga, mais bagunçada, mais perigosa, mais artística) e Viña (mais moderna, mais organizada, mais tranquila, mais praiana). Gosto muito de ambas, mas minha base é Valpo mesmo.
      De busum, descemos na Pajaritos, pegamos metrô e chegamos ao nosso hostel no bairro Lastarria por volta das 20hs.
      Mal chegamos e marcamos com umas amigas da Katia de nos encontrarmos para jantar. Tentamos o Tango, umas choperias, mas tava tudo cheio. Encontramos um famoso, mas que foi meio marromeno. Várias coisas faltando, lomo que tava faltando mas depois passou a ter – e aquilo não era lomo mesmo. Depois da janta, compramos umas Kross no mercado para saborear no quarto mesmo. 
       
      Dia 3 – Cajon del Maipo
      Eu já tinha pré-acertado a visita a Cajon del Maipo por whatsapp com a TripChile. Precisava apenas confirmar qdo chegasse a Santiago, e assim fiz, na noite anterior. Cedo pela manhã lá estávamos esperando a van para o passeio. Chegou umas 7hs. Fomos os últimos a entrar, e todos eram brasileiros. Não era lá muito confortável para dormir, então fui vendo filme.
      Primeira parada, até para um café da manhã, foi em San Juan del Maipo. Tomei um café e depois fiquei rodando pela pracinha da pequena cidade. Fazia um friozinho muito bom. Lá é base para várias atrações pelas montanhas. Nosso guia era um simpático chileno que cometeu o deslize de perguntar ao grupo sobre Lula, e ainda com o agravante de elogiar o falecido ditador Pinochet. Ou seja, receita certa para a discórdia. Felizmente a galera não esticou a corda.
       
      A primeira atração é o Embase El Yeso, uma represa belíssima que é área de mineração também. Logo, há um certo conflito de espaço entre as vans de turistas (amplamente de brasileiros naquele dia) e os caminhões. O visual é espetacular. Embora estivesse frio, ainda não havia começado a nevar. Era final de abril (último dia!), consta que normalmente começa a nevar em Maio. Com ou sem neve, o lugar é muito bonito. Pena mesmo é que só temos meia hora por lá. É o mal dos tours. Eu teria ficado bastante mais tempo curtindo o lugar. Talvez uma próxima vez. 
       
      Mais 1h de viagem, e chegamos às Termas Colina. Galera nas piscinas de água quente. Funciona assim: as mais acima são mais quentes. Não consegui entrar. Ficamos numas intermediárias, só que mais próximas de baixo. Curtimos bastante. Também tem horário limite, e usamos o tempo todo de que dispomos. Ideal para lá é levar chinelos (#ficaadica), facilita muito a coisa de tirar e colocar roupas e caminhar de e para as piscinas.
       
      Tinha bastante gente por lá, muitos brasileiros naturalmente. Mas ouvimos muita gente falando espanhol tbm. Vi que muita gente vai para lá de carro, arma uma tenda, faz churrasco, etc. Curte o dia. Parece ser um programa bacana. Aquele visual belo e seco típico da região, o rio passando lá embaixo, o sol direto (fez sol!) na cabeça, o vento. Uma experiência. 
      Depois dos banhos quentes, fomos curtir um piquenique com a galera. Estava incluso (e eu nem sabia!). Garrafão de vinho e tira-gostos. Daria para ficar lá até o sol se por, mas a partida é relativamente cedo, umas 14 ou 15hs +-. De modo que chegamos umas 17hs de volta a Santiago. Eu teria ficado mais tempo!

      Ainda que seja um tour com belíssimos visuais e a experiência nas termas, deve se levar em conta que dura 10 hs do dia, das quais vc passa a maior parte do tempo na van, indo e vindo e se deslocando entre as atrações. E não é nada barato, custa 45 CLP por cabeça. Mas a ótima lembrança do visual e da experiência é o que fica, ao menos para mim. Consideraria, no entanto, repetir o passeio, mas por conta própria.
      Como chegamos ainda com luz Em Santiago, saí para passear pelo bairro Itália, que ainda não havia conhecido. O CC Gabriela Mistral, que fica ali no Lastarria, estava com as atrações fechadas na 2ª feira. Percorri Baquedano, e me embrenhei nas ruas do bairro Itália, que é bacana. Algumas áreas estavam se preparando para a noite, que começaria logo a seguir.
      Nesse dia fomos jantar com as meninas na pizzaria Tiramisu. Mais uma vez. É badalada em excesso, pra falar a verdade (minha opinião, claro). É bom, mas não tanto assim para lotar do jeito que lota. Tem fila pra entrar, enquanto os vizinhos ficam com espaço sobrando.
      Na saída ainda demos um rolê pela Isidora Goionechea antes de pegar o metrô de volta para nossa área. Tinha uma cervejaria que eu estava tentando conhecer, a Jose Ramon, mas que vivia cheia. Chegando lá, mesmo tarde da noite, estava cheia novamente. Então fomos dormir. Aproveitei um mercadinho para comprar uns refris vermelhos locais. Eram bons!
       
      Dia 4 – Santiago
      Terça-feira era 1º de Maio. Um dos feriados onde mais se fecham atrações pelo planeta (tipo 1 de Janeiro e 25 de Dezembro). Não deu outra, tava tudo fechado em termos de atrações mesmo. Nesse dia ganhamos o café da manhã de cortesia do hostel. Muito simpático!
      Saímos para passear e a Avenida principal estava fechada para o desfile de 1º de Maio. O CC Gabriela Mistral sequer abriu. Na altura de onde estávamos ficava o palco, presumo que era o final do desfile. Fomos então ao encontro das massas, em direção ao Palácio do governo, que foi onde nos encontramos com a galera desfilando. Em frente ao palácio havia barreiras, mas fora dessa área o acesso era livre. Ficamos observando e fotografando os sindicatos e outras associações de trabalhadores (assim como diversas representações comunistas) desfilando. Uma moça chilena carregava um cartaz pedindo “Lula Livre”. Geralmente era desfile com cartazes, algumas fantasias, mas havia algumas coreografias tbm, acho que de grupos de artistas. Tudo na paz, ainda bem.
      Depois de um tempo, embicamos para o centro. Tudo fechado mesmo, absolutamente nenhum museu aberto. O mercado abriu. Fizemos então uma caminhada pelo Parque Florestal, depois fizemos uma pausa na região do Bellavista. A Kross estava aberta e não lotada, como na sexta-feira em que lá estivemos. Curtimos algumas boas cervas, caminhamos nos arredores. Região bacana, aquela. Tem opções para diversos gostos e bolsos.
       
      Ainda revimos o Cerro Santa Lucia, e depois ficamos curtindo o Bairro Lastarria e toda aquela efervescência cultural que rola por lá. Artistas de rua, bandas, feirinha, painéis espetaculares nas fachadas de um prédio. Almojantamos no Tambo e depois ficamos bebericando pisco sour até a hora de ir embora. Uber para o aeroporto deu 13 CLP, acho que havia promoção de taxis por 20 CLP no hostel. 
       
      Chegaríamos ao Rio de madrugada. E assim foi mais uma viagem explorando cantos pelo mundo!
       
       
    • Por camiladarc
      Oi, pessoal! Fui ao Chile tem alguns dias (26/03/18 - 31/03/18). Vou colocar aqui o que tenho salvo ainda do roteiro que programei. E ao final deixarei algumas observações gerais sobre a viagem. Espero que ajude alguém. Meu roteiro não foi um roteiro SUPER barato, mas também não saiu caro. Ao final da viagem, com transporte, alimentação, lembrancinhas, passeios, restaurantes, e baladas, gastei R$1.600,00, pegando a cotação 184, 183 e 181 (fiz três trocas de câmbio em 3 dias diferentes, por isso a variação), sendo que 150,00 troquei no aeroporto, logo na chegada, por 169 (mesma cotação das casas de câmbio no Brasil no dia, porém, não paguei IOF ou taxa de câmbio, algo que eu teria pago se tivesse trocado por aqui antes de ir).
      Já "ouvi" pessoas neste fórum criticarem meu roteiro chamando minha viagem de "esnobação", e que isso aqui é fórum para mochileiros e blábláblá. Então antes de tudo quero dizer que eu realmente não estava com um orçamento apertadíssimo, mas também não estava gastando horrores. Foi minha primeira viagem sozinha pra fora, então com certeza cometi erros (como conto no relato abaixo), e também não quis correr grandes riscos, mas no geral acho que fiz boas economias, mesmo tendo ido em dois restaurantes considerados caros e turísticos, e feito um dos passeios com agência. Enfim, fica aqui o relato para levarem em consideração algumas coisas na hora da viagem de vocês, seja ela mochileira, baixo custo c/ conforto ou esnobação haha.
      Antes de mais nada, SOBRE TRANSPORTE: me locomovi somente por metrô e ônibus. Para facilitar, eu indico a vocês baixarem o aplicativo Moovit e usá-lo na hora de usar meio de transporte público em santiago. Foi a minha SALVAÇÃO. Eu colocava como local de saída a estação de metrô quando saía do Hostel, ou o endereço onde eu estava, quando não estava perto de nenhuma estação. E colocava como destino o endereço do lugar que queria ir. O aplicativo dá pra você qual a cor do metrô que tem que pegar, para qual direção, em qual estação, avisa qual estação é pra descer, se tem que pegar ônibus também manda a localização do ponto de ônibus pra você seguir pelo GPS, informa qual o número do ônibus pegar e onde descer. Enfim, praticamente carrega a pessoa. MELHOR COISA DA VIDA. Usem sem dó. Eu só me locomovia assim por lá e deu super certo.
      1ºDIA - 26/03 - SEGUNDA 
      1) Câmbio no aeroporto: Troquei R$150,00 na casa de câmbio Afex (fica à direita da saída para a área de pegar as bagagens, saindo do duty free). Errei em ter trocado tanto, já tinha uma ideia que o meu transfer até o hostel ia ser por volta dos $7.500 pesos, mas fiquei com medo de só trocar 10 mil pesos (que era minha intenção original) e acabei trocando 150 reais em uma cotação de 169, o que rendeu por volta de 25.000 pesos. NÃO VALEU A PENA. Deveria ter trocado só o necessário para o transfer. 
      Sobre o transfer: em todo lugar que li diziam ser a melhor maneira para ir até o hostel. Não cheguei a verificar o transporte público, porque como estava sozinha e cheia do dinheiro para trocar quis pegar uma van mesmo. Transfer Compartilhado é mais em conta, o motorista espera a van encher ou passar 15min, dependendo do que acontecer primeiro (geralmente lota, porque chegam várias pessoas no mesmo avião e quase todo mundo vai pros transfer, pelo que vi lá), e aí a van van deixando as pessoas em seus hotéis. Demorou 1h até o Hostel onde fiquei (Kombi Hostel - no bairro Recoleta, localizado a duas quadras do Patio Bellavista). O hostel que peguei ficava no centro, e fui a última a ser deixada, todo mundo que estava hospedado na região do metro Santa Lucía e Plaza de Armas (centrão de Santiago) desceu antes de mim.
      As duas empresas de transfer que vi no aeroporto (depois de pegar as malas você passará por um último raio-x, da receita deles, acredito. Saindo desse raio-x já dá pra ver os balcões das empresas à esquerda): Transvip e Transfer Delfos. Dá para fazer simulação de preço nesses links (clique no nome da empresa que coloquei aqui). Paguei 7.500 pesos com a Delfos, que era a que não tinha fila no momento em que cheguei, mas pelo site da transvip estava saindo o mesmo preço.
      Na hora em que fui contratar o transfer já quis contratar o de volta e deixar garantido, mas o atendente me entregou um cartão e disse que era para entrar em contato por whatsapp com eles mais próximo da data da volta para agendar e que o preço sairia o mesmo que eu estava pagando ali (7.500). Acontece que quando eu mandei whats para ele na quinta (voltei no sábado) a pessoa quis me cobrar 8.000 pesos. Expliquei toda a situação do aeroporto e que o preço que haviam me passado tinha sido 7.500. Depois de um pouco de conversa (com ajuda do google tradutor kkk) consegui que fizessem por 7.500. Fica aí a dica e alerta!
      2) Câmbio: nas ruas (calle) Agustinas e Moneda estão as casas de câmbio com a melhor cotação, perto da Plaza de Armas. Ficam abertas das 9h às 18h, entre o Paseo Ahumada e calle Banderas, no centro de Santiago. Aos sábados ficam abertas até as 14h, e aos domingos sempre tem uma ou outra casa aberta até as 14h, mas não é garantido (a do shopping Costanera fica aberta - Afex). No shopping costanera tem essa casa de câmbio com preços bons também, mas com certa diferença para as da agustina, então só indico para casos de necessidade porque não é a mesma coisa. A casa de cãmbio dentro do Patio Bellavista (um mini centro comercial no bairro Bellavista - centro) é a pior de todas. Nem cheguem perto.
      Só trocar dinheiro nas casas da rua (ficam várias casas uma ao lado da outra na agustina), não subir nos prédios (algumas podem ser golpe pelo o que me informaram no hostel) e não esquecer de pedir notas pequenas também para ter trocados (1.000 pesos). A JM Cambios costuma ter a melhor cotação, mas você pode verificar qual a melhor enquanto anda ali, eu sempre olhava todas, nas 3 quadras em da agustina em que estão mais aglomeradas, para depois trocar.
      https://www.cambiosantiago.cl/ - acompanhar câmbio (geralmente lá o preço é um pouco melhor do que neste site).
      3) Sky Costanera: Peguei metrô na estação Santa Lucia e desci na estação Los Leones. Comprei Tarjeta BIP na estação (necessária para pegar a maioria dos ônibus e os metrôs - custou $1.550 sem carga).Vou deixar aqui a foto que bati dos preços do metrô. 

      Sobre o Skycostanera, é a torre mais alta da América Latina, com um mirante no topo. Pode ter fila para subir, embora subam várias pessoas de uma vez. Localizado no Shopping Costanera Center. A visita ao mirante custa 15.000 pesos. Bilheteria se encontra no 1º andar. Se você for fazer compra nesse shopping, dá para ir no Informação para Turistas na entrada do shopping e pedir o cartão de desconto para turista. Basta mostrar o RG ou passaporte que eles dão um cartão válido por 7 dias para compras no shopping, mas não são todas as lojas que tem desconto. Porém, no dia em que fui, comprei um pizza individual da Domino's por $1.000 pesos, que foi meu almoço hahah Já ouvi dizer que às quartas-feiras, se não me engano até as 17h, a subida ao mirante é gratuita, então quem quiser economizar... Apenas verifiquem essa informação, porque não tenho certeza, é uma informação que escutei de outro mochileiro.
      Nesse shopping aproveitei e fui no mercado Jumbo, onde comprei os vinhos que quis trazer de lembrancinha muito mais em conta. Já tinham me dito que na vinícola concha y toro eram mais baratos os vinhos dela, mas não achei isso não, os que vi saiam quase o dobro na vinícola. Sem falar que no Jumbo você ainda pode aproveitar uma promoção ou outra que estiver acontecendo (final de mês estava cheio de promoção!).
      http://www.skycostanera.cl/pt/precos-e-horarios/#pt/planejamento
      Horário: de seg a dom das 10h às 22h (última subida ao mirante às 21h). 
      Endereço: Avenida Andrés Bello 2425, Providencia, Región Metropolitana. Tomar cuidado em Providencia, dizem que possui maior ocorrência de furtos. 

      2ºDIA - 27/03 - TERÇA
      1) Vinícola Concha y Toro: Tour marcado às 10h (em português). Peguei metrô às 8h. De fácil acesso por transporte público, possível ir de forma independente. Peguei Metrô na Baquedano, desci na estação La Mercedes, onde peguei o metrô vermelho, e desci na estação Plaza de Puente Alto. Tinha um ponto em frente a estação Plaza de Puente Alto, peguei o ônibus (metrobus) que me levava até a esquina da viníciola (a vinícola é virando à direita, bem próxima - ônibus 73, 80 ou 81 - Alto Jahuel param na esquina) que custou 600 pesos. A viagem de metrô e ônibus dura cerca de 1h, mas eu não estava em horário de pico. 
      O tour tradicional dura cerca de 50min a 1h, guiado em português, e custa 16.000 pesos. Na vinícola aceitam o Brazilian Travel Card de desconto, que se faz pela internet antes de ir. Eu não sabia disso quando eu fui, mas fica a dica pra quem puder fazer antes. Pelo pouco que pesquisei sobre depois que voltei, esse BTC é um cartão que custa U$7, e você compra online (http://braziliantravelcard.com/), e tem direito a vários descontos em vários lugares nas principais cidades do Chile (não só Santiago). Vale a pena vocês conferirem se o valor pago no cartão compensa pelos descontos recebidos. O desconto dado na vinícola, por exemplo, seria de 2.400 pesos. Durante o tour foram feitas 3 degustações. 

      Endereço: Avenida Virginia Subercaseaux 210, Pirque / Ramon Subercaseaux, 210 – Pirque. 
       
       
      Horário: Segunda a Domingo. 10:00 as 17:10.
      Site para reserva do tour: https://www.conchaytoro.com/tour-wine-experience/reserva-tu-visita-pt/

      2) Passeo Ahumada: rua comercial fechada, não passa carros, apenas pessoas. Parei em um dos "cafés com pernas", são cafés em que as pessoas ficam em pé ao redor das mesas na calçada e as atendentes usam short curto, basicamente isso. Fiz várias compras nesse local, inclusive de perfumes e maquiagem, o resto não achei tudo isso. Vale a penas pesquisar os preços nas lojas dali.
       
       
      Aproveitei que estava no centro e fiz todo o tour pelo centro:  Plaza de Armas, Catedral Metropolitana, Palacio La Moneda (não fiz o tour interno, mas pelo que pesquisei é gratuito para turistas. Também não vi a troca de guarda, porque em março ela só acontecia nos dias pares)
      3) Restaurante Giratório: restaurante chamado Giratorio no 18ª andar de um edifício no bairro Providência. Próximo ao shopping costanera. A cada 1h o restaurante completa uma volta em seu próprio eixo, proporcionando vista da cidade e das cordilheiras. Fácil acesso através de metrô (descer na estação Los Leones - o restaurante fica em frente à saída da estação, mesma estação que se usa para descer quando vai para o Shopping Costanera). Realizar reserva antecipada (reserva por telefone ou e-mail). Fui bem no pôr do sol (19h), e a vista estava linda, mas já me disseram que no horário de almoço eles tem o Menu do Dia por um preço bem mais em conta. Espera máxima de 10min, não pode atrasar mais que isso. Gastei no meu jantar 26.500 pesos. Incluindo prato principal (lombo de porco com molho), um acompanhamento (purê apimentado), 2 long necks, uma água, sobremesa, e a gorjeta. Sinceramente, eu queria muito ir nesse restaurante pela vista e pela experiencia de estar em um lugar que gira. Então, pra mim, valeu a pena. A comida é bom, porém não é nada excepcional, mas pelo menos não peca. Eu achei caro sim, mas eu analisei o preço analisando os restaurante da cidade onde moro, em que um jantar sai basicamente a mesma coisa e não são nada turísticos como o Giratorio é. Então assim, vale você fazer a análise do que você está esperando: a experiência ou a comida. Se for pela comida, você pode achar lugar com a mesma qualidade por menos. Se for a experiência, vale a pena. Apenas frisando que eu comi apenas metade desse prato e metade da sobremesa, porque são porções grandes, às vezes compensa mais pedir um segundo acompanhamento e comer duas pessoas um único prato principal (carne). É que eu estava sozinha e não tive essa opção.
      Endereço: Avenida Nueva Providencia, 2250, Piso 16, Providencia-Santiago.
       
       
      Site: www.giratorio.cl (Reservas pelo telefone ou email [email protected])
      Telefone: (56)22232-1827 ou (56)22334-5559

      3ºDIA - 28/03 - QUARTA
      1) Valparaíso: Peguei metrô na Baquedano, e fui até Universidad de Santiago (duração: 20min). O Terminal Alameda fica praticamente dentro do metrô, hora que desembarca já dá para ir seguindo as placas da TURBUS. A cada 15min sai do Terminal um ônibus até Valparaíso (duração: 1h30min). Paguei $3.000. Os ônibus da Turbus param em dois terminais Alameda (estação de metrô Universidad de Santiago, mais próximo do centro) e Pajaritos (na estação de metrô de mesmo nome), ambos estão praticamente dentro das estações de metrô. Na ida o ônibus para primeiro no Alameda, depois em Pajarritos, e na volta para primeiro em Pajaritos e depois no Alameda. Pode-se descer em qualquer um deles, aquele que for mais conveniente para a pessoa. Não comprei pelo site porque ouvi dizerem que não compensaria.

      Em Valparaíso passei muito frio. Saí de Santiago achando que iria passar calor (porque 11h em Santiago já estava todo mundo de short) cheguei lá e estava com uma neblina forte e muito fria a cidade. Fica a dica pra quem vai achando QUE por ser próxima de Santiago será a mesma temperatura: NÃO É. Na cidade fui primeiro no Porto (Muelle Barón) a pé ver os supostos lobos marinhos (não vi nenhum). Depois fui pelo centro da cidade até o Cerro Concepción. Sinceramente, só andar pelas partes mais altas da cidade já dão uma boa vista, eu não cheguei a subir o cerro porque como estava passando muito frio, desanimei e desci logo pra entrar em um restaurante e comer.  Fui até o Reloj Turri, ali perto tem alguns restaurante. Almocei em um deles por $3.000 o prato do dia.
      Fui para o outro porto, Muelle Pratt. Tem feira de artesanato bem na frente dele. Comprei ali lembrancinha de Valparaíso e Viña del Mar (preço pouca coisa melhor que a Feira da Santa Lucía nas coisas de cobre). 
       
       
       
      2) Viña del Mar: Lá pelas 13/14h fui para Viña del Mar. Preferir ir de ônibus. Qualquer um que esteja passando pela Avenida Errázuriz (avenida da orla, bem em frente ao porto Muelle Pratt), indo sentido Viña del mar (sentido rodoviária da Valparaíso), eles param na frente do relógio das flores. Peguei um por $400 pesos.
      Do Relógio das Flores segui a pé pela orla até o Castillo Wulff. Bem próximo. Dá para entrar no castelo e é grátis (Horário: de terça a domingo, das 10h às 13h30 e das 15h às 17h30). Depois segui a pé para o Cassino, também seguindo a avenida da orla (você verá do outro lado da ponte o cassino). Dá para entrar de um lado e sair pelo outro, inclusive jogar. Grátis. 
       
       
      Pelo horário segui para o Palacio Carrasco (Aberto das 9h às 17h30min e aos sábados das 10h às 13h). Paga para entrar. Quando fui estava fechado para reforma, então não consegui entrar. Fica na mesma quadra que o museu Fonk, logo ao lado dele. Segui para o Museu Fonk (Aberto das 10h às 18h. Entrada $2700). Tem uma feirinha de artesanato na frente, mas se for querer comprar algo ali sai mais caro que na feira de Valparaíso ou na do Cerro Santa Lucía em Santiago. Comprei lembrancinhas Rapa Nui (essa estátua) na feira do Bairro Bellavista, na rua Pio Nono, em Santiago, ela é pequena, porém com ótimos preços também. Melhor do que comprar em Valparaíso ou Viña del Mar. http://www.museofonck.cl/
      Por último vi o Palacio Rioja (aberto das 10h às 13h30 e das 15h às 17:30). Fazem vistas guiadas para grupos, mas é preciso agendar pelo email ([email protected]), indo sozinho não precisa agendar. Guia em espanhol. Duração de aproximadamente 20 a 30 min. É um palácio onde você passa por quase todos os cômodos da casa. Muito bonito e gratuito, sem falar no jardim do lado de fora.
      Ao final do dia fui curtir um pouco o restante do sol na areia da praia. Fiquei até o sol se pôr, e depois fui embora para Santiago. Para ir ao Terminal Viña del Mar fui de uber. Gastei $1.500 pesos do começo da praia Acapulco até o terminal. A cada 30min sai um ônibus para Santiago. Paguei na minha volta $3.000 pesos. 

       
      4ºDIA - 29/03 - QUINTA 
      1) Bairro Patronato (bairro ao lado do Bellavista). Bom para comprar grandes quantidade de cachecóis e lenços. É a 25 de março de Santiago. Ir com roupa boa para provar roupas por cima, se for o caso, porque a maioria das lojas não deixa experimentar ou sequer tem provador. No Bairro tem uma Nicoply (loja chilena de roupa feminina), não cheguei a entrar nela, porque não me chamou a atenção pelos preços que vi online antes de ir, mas muita gente gosta de visitar. Comprei nesse bairro cachecol e lenço de lã de alpaca. São muito bonitos e a maioria dá desconto levando mais de 6 unidades. Trouxe vários para dar de lembrancinha, então consegui comprar cachecol de lã por 800 pesos cada (cerca de 5 reais, na cotação que peguei na época), e lenços também de lã (mais fina) por 1.800 pesos. Se estiver comprando muita coisa vale a pena pedir desconto. Diferentemente do Brasil, no Chile tudo abre tarde. Fui 9h para o bairro e pouquíssimas lojas estavam abertas, então se programem bem pra não perder tempo esperando loja abrir. 
       
       
      2) Outlet Buenaventura: Fica em um dos bairros mais afastados de Santiago. Muita gente disse que não dá pra chegar lá por transporte público e que era necessário pagar uber para ir, o que faria o preço das compras ali sair elas por elas. Acabei indo apenas porque meu pai tinha me dado dinheiro para comprar camisas da lacoste para ele (que no Brasil são 500,00 mais ou menos) e eu não tinha encontrado nenhuma loja que as vendesse no Costanera. Pelo aplicativo Moovit coloquei que iria sair da estação de metrô Baquedano e consegui ir por ele até a estação Zapadores, onde desci e peguei um ônibus no ponto que se encontra na esquina e que no final parou bem enfrente ao outlet. 
      Sobre os preços, como a cotação que peguei estava cara (184 foi a mais barata que consegui) acabei não comprando muita coisa ali porque os preços não compensavam tanto por causa da cotação, mas não por causa do preço em si. Mas as camisas do meu pai, por exemplo, saíram por R$160,00 (BEM abaixo dos R$500,00 pagos por aqui), e basicamente o mesmo preço que ele havia pago em dólares em uma viagem que ele fez aos Estados Unidos alguns anos antes ($40 dólares cada em 2015 no EUA). Ou seja, dependendo do que for comprar por lá, compensa e MUITO. 
       


      3) Cerro Santa Lucía: O Cerro faz parte de um parque florestal pequeno. Da para subir por rampas e escadas até o mirante, passando pela Terraza Neptuno (fonte de água). Passem pela feira de artesanato do local. É a mais barata. Fica do outro lado da avenida, em frente ao cerro. Melhor lugar para comprar principalmente jóias de lapislazuli.
       
      4) Restaurante Bali Hai: O restaurante que mais gostei. Você paga 32.000 pesos (aperitivo, entrada, prato principal, sobremesa), bebidas e gorjetas separado. Tem um show durante o jantar que dura cerca das 21:30 às 23/23:30. Nesse show de dança que acontece durante o jantar inteiro os dançarinos trazem as mais diversas culturas das diferentes partes do Chile, fazendo as coreografias conforme o jeito de dançar de cada lugar, inclusive das tribos da polinésia. Muito divertido o lugar e o show. Os dançarinos tiram as pessoas para dançar em vários momentos durante o espetáculo. Se tivesse que escolher entre Giratorio ou Bali Hai, seria Bali Hai. Embora o preço seja mais caro, achei a comida mais gourmet e fora o show de dança que foi muuuito bom e animado.
      Cheguei no restaurante por metrô + ônibus. O ponto de ônibus é bem em frente ao restaurante. E mesmo voltando a noite sozinha não me senti insegura em nenhum momento. 
       
      Endereço: Av Cristobal Colon 5146, Las Condes.Santiago, Chile.
      Reservas: [email protected]
      5ºDIA - 30/03 - SEXTA
      1) San José del Maipo + Embalse el Yeso + Baños Colina (dia inteiro): Para ir a melhor forma é por agência de turismo (média de 55.000 pesos - paguei 50.000 com a empresa Viaja Brasil).  Passeio dura 9 horas. Van sai cedo e chega somente a noite em Santiago. Levem lanche na bolsa e umas duas garrafas de água, porque lá na entrada do Embalse tem apenas uma lanchonete com preços  mais altos. 
       
       
      A empresa Turistik (https://turistik.com/pt/) faz o passeio, e em Embalse el Yeso é oferecido uma taça de vinho, queijos, castanha e azeitona para os turistas. O passeio passar pelo vilarejo San Jose de Maipo, pelo Embalse, por cachoeiras de degelo, e finaliza com um almoço em um restaurante típico na volta.
      Outra empresa para comprar o tour recomendada é o Get Your Guide (https://www.getyourguide.com.br). É possível perguntar antes por mensagem por quais pontos o tour passa, se inclui os 3 ou só 2 deles.
      A que usei foi a empresa Viaja Brasil Tour (http://www.viajabrasiltour.com.br/tours.html). O passeio custou 50.000 pesos. Durou o dia inteiro. Saímos às 06h da manhã de Santiago, com parada para comprarmos café da manhã em San José del Maipo. Depois seguimos para Baños Colinas, onde curtimos as termas e comemos no almoço um piquenique de vinho, suco, frios, bolachas, e biscoitos (esse almoço incluso no preço do pacote). Seguimos, por fim, até o Embalse. Chegamos em Santiago por volta das 19h. Levar várias garrafas de água, porque por causa da altitude é necessário ficar tomando água o tempo todo para evitar mal-estar.

       
      6ºDIA - 31/03 - SÁBADO
      Tinha me programado para ir de manhã ao Cerro San Cristobal e depois pegar meu transfer para o aeroporto. PORÉM, fui em uma balada no Bairro Bellavista com o pessoal do hostel na noite anterior e no outro dia estava mor-ren-do. Não tive condições. Acabei ficando no hostel mesmo, porque meu transfer me buscava às 11h, e eu acordei tarde e ainda tinha malas para fazer antes de ir. 
      INFORMAÇÕES GERAIS
       
      HOSPEDAGEM: A hospedagem no Chile tem 19% de imposto além do preço da acomodação, mas estrangeiros não precisam pagá-la se pagarem em dólar americano ou cartão de crédito. DICA - levar em dólar o valor da hospedagem.   ENTRADA: Não precisa de passaporte, apenas RG com menos de 10 anos. Não se aceita outro documento de identificação sem ser RG.    TRANSPORTE:  Transporte público na cidade: ônibus não aceita dinheiro, metrô aceita. O ideal para economizar é comprar um Tarjeta BIP (1.550 pesos + 100 de recarga mínima) em qualquer estação de metrô (bilheteria) ou Centros Bip!, que é necessário para pegar ônibus, e também serve para metrôs. E com ela tem-se o direito a até duas integrações de ônibus + metrô no intervalo de 2 horas pagando-se uma só (o valor cobrado na integração é só o do metro) (http://www.tarjetabip.cl/). Preços e horários do metrôs: variam de R$3,50 a R$4,50 (https://www.metro.cl/tu-viaje/tarifas).  Uber: o preço do uber para o táxi em um caminho do hotel para o aeroporto varia uns 3.000 pesos (uber: 15.200). Tendo como base o meu hostel que ficava próximo ao Pátio Bellavista. Usa-se o mesmo aplicativo do Brasil, mas na hora de pedir o preço já aparece em CHL. Intermunicipal: A melhores companhias são Pullman, Turbus, e JAC. As rodoviárias não são como as do Brasil, uma companhia pode parar em vários terminais. Tem que ficar atento para saber qual é o terminal certo de saída e de chegada. https://www.ventapasajes.cl/pullmanbus/?id=1511197013782 https://www.turbus.cl https://www.jac.cl/ ALIMENTAÇÃO: os restaurantes colocam placas na frente com o “Menú del dia”. São menus com entrada, prato principal e sobremesa (postre), em média por 6.000/8.000 pesos. Come-se bem e mais barato que os demais pratos. Geralmente isso é só no almoço. 
      TOMAR CUIDADO: no bairro Providencia tem ocorrência de furtos. Não dar bobeira, ser o típico brasileiro: mochila na frente do corpo, nada de celular nos bolsos, nem usar muitas jóias e usar doleira. Essas dicas valem para todos os bairros do Chile. Fiquem bastante atentos, pois na volta para o Brasil estava conversando com uma brasileira no aeroporto e ela me contou que havia sido furtada nas imediações da Plaza del Armas (centro de santiago). Ela deixou a bolsa do lado do caixa em uma loja, logo em seguida um idoso esbarrou nela, derrubando um monte de moeda que ele tinha na mão, e ela começou a prestar atenção nele e na filha dela que tentava catar as moedas, e quando virou de volta, a bolsa dela já tinha ido com os passaportes dentro e tudo. Ou seja, Chile não é Noruega. Ainda é América do Sul, ainda é perigoso, a gente só não tem tanta noção porque o perigo no Brasil é muito maior. Mas isso não significa que Chile é Suíça.  
      TOMADA: 220V com 2 pinos redondos iguais as do Brasil antigas.
       

       
  • Seja [email protected] ao Mochileiros.com

    Faça parte da maior comunidade de mochileiros e viajantes independentes do Brasil! O cadastro é fácil e rápido! 😉 

×