Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Peça ajuda, compartilhe informações, ajude outros viajantes e encontre companheiros de viagem!
    Faça parte da nossa comunidade! 

Posts Recomendados

Ola rapaziada,

Entre os dias 26 e 30 de dezembro de 2018 eu e mais 5 amigos fizemos uma travessia de Santos a Ubatuba em caiaque (surfski) e canoa havaiana. Ao todo fomos em 2 surfski individuais 2 canoas V1 e uma canoa OC2 e como prezamos pelo desempenho dos caiaques e canoas precisamos de um apoio em terra por quase todo o caminho. O apoio em terra foi feito por 2 carros (5 grandes parceiras e 1 linda criança), que foi fundamental para o sucesso em nossa viagem, pois não tínhamos espaço para levarmos nada além da comida e da água do dia (1l de água para cada 10km).

Colocarei aqui um rápido diário de bordo, o qual publiquei em meu instagram (@leo_roke). Além de minha conta pessoal, também existe um perfil da nossa equipe de travessia chamada Anamauê Va'a (@anamauevaa). Vale ressaltar que esse relato é referente a segunda travessia feita, a primeira ocorreu na virada de 2017 para 2018 com uma canoa V6 e o percurso realizado foi de Niterói a Santos.

Nesta segunda edição percorremos cerca de 200km durante 5 dias. Remamos por volta de 5 horas/ dia e repetimos o esquema feito na primeira edição - 45min remando por 15min de descanso, este podendo ser em alguma praia ou em alto mar mesmo.

Para mim a viagem começou por setembro 1mes depois de voltar a viver em Santos. Já tinha uma enorme vontade de fazer essa travessia e comecei a conversar com pessoas que já fizeram alguma ou conheciam nosso litoral. Uma dessas pessoas foi o Zé (da @canoacaicara) que uns 15 dias depois falou "e ai...bora mesmo? Um amigo (@lucasmiom) de Ubatuba comprou uma OC2 e eu sugeri levarmos remando!" Ja éramos 3. Aos poucos somaram a nós @caue.serra, @nilsonfreepaddle e nos 45min @adonisespejo

No início contávamos com o apoio em terra de @jessienakayama e @erika_kocssise depois somaram a elas @[email protected] e @gr4cinha que facilitaram demais nossa trip.

Eu não sei o que motivou cada um da expedição. Se auto conhecimento, aprendizado do esporte, necessidade de estar só, curtição ou sumir por 5 dias. Mas isso juntou 6 amigos para viver uma experiência única que elevou o nível das nossas viagens, do nosso conhecimento pelo esporte e vários outros pontos.

*Dia01 - Santos >>> Bertioga

Apesar deste trajeto já ser bem conhecido por todos nós o fato dele ser o primeiro dia de uma longa jornada gerou uma certa ansiedade. Não sabíamos o que íamos enfrentar e a previsão não estava muito animadora. Era previsto um vento leste, de moderado a forte, que em grande parte do percurso seria contra. Porém o vento não entrou tão forte e ainda encontramos algumas ondulações que nos ajudaram bem, rolando até um surf.
A primeira e a terceira parada fizemos em água, a segunda na praia do Éden no Guarujá e bem perto do nosso destino paramos em Camburizinho para aproveitar a tranquilidade de uma praia deserta em meio às festas de fim de ano.

Expectativa 38,8km, vento leste (contra) de moderado a forte, sol forte

Realidade 39,8km, vento leste fraco, ondulação a favor e sol entre nuvens.

Agradecimentos a @sofis_surfree(mulherada da um confere no @maredoce_), ao corpo de bombeiros de Bertioga e ao Everdan Riesco, capitão da Brucutus.

 

**Dia02 - Bertioga >>> Bora Bora

Uma das pernas que mais me surpreendeu, talvez por eu não esperar muito da região. As praias de Bertioga, Riviera e Boracéia são extensas, com uma faixa de areia larga e de cor escura. Particularmente eu prefiro o contrário, quando tempos costões de pedra e praias curtas, o fato da paisagem mudar toda hora anima a remada!

De fato, estava um pouco fora do que vimos e esperávamos ver, mas não foi bem assim. A vista dessas praias do alto mar é linda, o paredão da Serra do Mar impressiona. A remada foi muito calma, sem vento nem onda, porém o sol e o fato de não conseguirmos parar em terra em nenhum momento pesou um pouco. Desembarcamos no cantão de Boracéia, Bora Bora, e fomos muito bem recebidos no Surf Park do amigo e remador @netocantao, Dona Dirce e Joyce.

Expectativa 35,1km uma parada em terra em Itaguaré, vento e ondas fracas, sol forte

Realidade 41,8km, nenhuma parada em terra, sem vento nem onda e sol queimando a moleira.

***Dia03 - Bora Bora >>> Barequecaba

Agora a brincadeira começou a ficar legal!!!! O Guarujá é lindo mas é nossa casa, nosso dia a dia de treino, e a perna de Bertioga a Bora Bora como comentei no Dia02 foi um pouco monótona, de Bora Bora em diante que os paraísos começaram a aparecer.

Uma perna bem esperada por todos, dia lindo de céu limpo e água clara (vejam em um dos mini vídeos - sem filtro nem edição), sol forte e paisagens lindas. Ver de longe as praias que sempre frequentei desde adolescente tornou o dia mais especial, sem contar a parada das "ilhas", que recebem este nome peculiar, e de Pauba, onde aproveitamos a residência do tio do Zé para descansarmos bem!

No final do dia fomos muito bem recebidos pelo Toko em Barequecaba com um banquete de almoço em sua casa.

Dia de remada tranquila com vento e ondas fracas.

Expectativa: 40km, nem nos preocupamos em ver a previsão de ondas e vento

Realidade: 45,6km, ondas e ventos fracos

Agradecimentos: Toko, tio Zé e mais uma vez o apoio em terra que agilizou nossa hospedagem!!!

****Dia04 - Barequeçaba >>> Tabatinga
"O dia da lestada" e mais 42,2km p soma


Se tinha algo que queríamos muito evitar era um dia de vento leste forte, principalmente no trecho de Ilha Bela a Caraguatatuba, um canal bem exposto onde não teríamos como fugir nem um pouco do vento. E foi exatamente o que aconteceu!
Saímos tarde de Barequeçaba, todos estávamos bem cansados e como seria um dia que não teríamos o apoio em terra foi consentimento de todos fazermos um dia sem pressa de nada. 
Logo que viramos a primeira ponta paramos em uma pedra que dava para saltar e ficamos um tempo nos divertindo por ali. Quando voltamos a remar pegamos um trecho de mar muito picado. Para mim que estava com um surfski bem instável foi bem chato, ainda mais que carregava um peso um pouco maior dos outros dias, estava bem difícil manter o barco alinhado!

Cruzamos o canal da Ilha Bela em direção a Ilha das Cabras. Lugar lindo de água clara e cristalina onde fizemos uma pausa para mergulho rolou até foto com uma estátua do Neptuno no fundo do mar.

Saindo da ilha das Cabras fizemos uma pausa para almoço na praia do Perequê com direito a PF e até uma cervejinha. Do Perequê fomos rumo a praia da Armação, que para mim foi o melhor trecho de toda viagem. O vento estava forte e a favor, o que chamamos de Downwind, e meu caiaque encaixou muito bem nas ondas, como eu não estava preocupado em fazer o melhor traçado, ou a melhor 'linha', fui uns 2km rumo ao meio do canal e depois aproveitei toda a ondulação surfando muito bem!!! Na praia da Armação contamos com o apoio do pessoal da @basealphailhabela, descansamos, tomamos uma ducha e seguimos para travessia do canal. Remamos praticamente 2h 30min com vento contra e forte de aproximadamente 14nós. Chegamos escurecendo na Ilha do Tamanduá logo em frente da praia de Tabatinga onde iríamos dormir.

Em Tabatinga contamos com o apoio do pessoal da @ecopaddle para passar a noite. Pessoal muito gente boa!!! .

*****Dia05 Tabatinga >>> Itaguá

Se o Dia04 foi o dia mais completo em relação à remada o 05 foi em relação às belezas naturais e a satisfação!

Começamos o dia bem cedo, por volta das 6h da manhã já estávamos com os barcos na areia e fomos muito bem recompensados por isso. Em menos de 30min de remada fomos surpreendidos por alguns golfinhos que passavam muito perto de nós, ALGUNS!!! Saím
os de Tabatinga rumo a Ilha do Mar Virado. Lugar lindo de água cristalina, muito cristalina, ao ponto de vermos o fundo do mar de cima das canoas. E foi engraçado qdo percebemos isso! "Meeeeeu olha pra baixo!!!"
Mas infelizmente como não existe nenhum local onde poderíamos desembarcar fizemos uma rápida pausa e seguimos para Ilha Anchieta.

Aproveitamos a estrutura da ilha para descansarmos bem. Fizemos nosso "almoço", cochilamos e ainda visitamos o antigo presídio.
Saímos da ilha rumo a praia do Cedro onde encontramos o pessoal do @ubatubahoe e finalizamos nossa travessia em companhia do pessoal de apoio!
Chegamos na data prevista, dia 30 dez, descansamos 31 e fechamos e celebramos o fim de 2018 com chave de ouro.

Expectativa: o melhor dia da travessia
Realidade: 45,5km, dia limpo, céu claro, vento fraco. O melhor dia da travessia.

É difícil mensurar, mas certamente uma das melhores viagens da minha vida! As vezes viajamos para longe p ver algo bonito, diferente, mas não damos conta de como nosso #quintaldecasa é lindo!
Espero realmente no final deste ano estar de novo planejando mais uma travessia e fazer uma terceira edição do @anamauevaa

No início de cada manhã, minutos antes de sairmos, um de nós fazia uma rápida consideração. A primeira foi do Zé que falou que sua maior intenção era sairmos da expedição mais amigos que entramos. E felizmente foi isso que aconteceu. A viagem e o planejamento foram perfeitos não tivemos uma 'conversa' mais séria, não tivemos que tomar nenhuma decisão, apenas curtimos e nos respeitamos a viagem inteira. 
Agradeço imensamente todos os responsáveis pelo sucesso da nossa travessia. Todos já citados pelas hospedagens, ao Celso Filetti pelo #surfski, ao @zemarcosjr pelos equipamentos e mais uma vez as meninas que fizeram nosso apoio em terra.

Compartilhar este post


Link para o post

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.

  • Conteúdo Similar

    • Por Alinny Miranda
      Bem, logo depois de sair da casa da humilde e doce senhora, seguimos nossa caminhada até Fortaleza. A verdade é que não tinhamos nem ideia de como seria ir pela praia, se em algum punto haveria um encontro de rio com o mar ou outras adversidades pelo caminho, não estavamos pensando muito sobre isso, a ideia principal era aproveitar, sem importar o que viria. 
       
      Assim saímos caminhando pela praia, olhamos no mapa e mostrava 12 lindos Km de pura areia, mar e muitas dunas. Talvez estivamos próximo alguma avenida principal, mas as dunas eram tão altas que só arriscaríamos subir e buscar uma avenida se realmente não fosse possível chegar até a cidade seguinte.
       
      A praia era de areia brancas e a terra bem batida, haviam algumas marcas de pneus de carro e moto pelo chão, então talvez íamos conseguir uma carona.. Isso mesmo, na beira da praia!! Literalmente na areia. 
       

      Foto 1
      Mais ou menos 3km depois, ouvimos o barulho de uma moto se aproximando, era apenas uma moto e eramos duas. Cony já estava um pouco cansada, não pelo sol ou pela caminhada mas sim pela sua perna que começa a incomodar um pouco, então, fiz sinal com a mão para a pessoa que vinha na moto. Era um rapaz, ele parou e perguntou se estávamos bem, pedi para que ele levasse a Cony um pouco mais adiante e que eu iria andando, ele disse que não iria muito longe, que mais ou menos em 1km já sairia da praia sentindo a um povoado que vive, bom, era apenas 1km mas já era alguma coisa, ainda tinhamos 8km pela frente economizar algumas passadas sem dúvida ajuda bastante. Ele levou Cony pelos próximos 1km e voltou por mim, não esperava que ele voltaria. mas foi bom porque o sol tava do CarL*** kkkkkkkk.

      Foto 2
       
      Seguimos caminhando, em poucas horas chegaríamos ao meio dia. Mesmo com muito protetor solar já sentia a pele arder e areia por toda a cara e o sabor do mar que não saia de nossas bocas. Sim, verdade uma caminhada dura mas é uma das coisas que temos que fazer uma vez na vida.  aproveitar o sol, o mar e a areia, não ter pressa de chegar e sem se importar com o que próximo passo. 
       

      Foto 3
       

       
      Foto 4
      Mas 5km caminhando, foi quando ouvimos outra vez o barulho de moto e a possibilidade de uma nova carona. Viramos para ver de onde vinha o som e vimos que eram dois motoqueiros, porém um deles levará uma caixa superrr grande no lugar do passageiro, então outra vez só tinha uma moto. Disse para Cony seguir com eles, porque a perna dela já doía bastante, ela não quis ir, não achava justo. O rapaz que levava a caixa grande me perguntou se queria ir sentada na caixa... Bom, na verdade já estavamos as duas super cansadas e o sol estava muito forte e ainda faltavam mais 3km, então subi na caixa e eles nos levaram até um grande encontro de rio com mar, era impossível a travesar caminhando. Havia um barco pequeno, bom, não era bem um barco, vou deixar uma foto aqui para vocês verem. kkkkkkkk 
       
       
       
       

      WhatsApp Video 2019-07-18 at 18.39.49.mp4 Vídeo 1

      Foto 5
       

      Foto 6
      Depois do encontro do rio com o mar já era conhecido como Mundaú-CE, a cidade vizinha. Caminhamos pelo povoado, paramos na praia para observar a paisagem e o mar. Dessa cidade tínhamos que conseguir uma carona direto para Fortaleza, pensávamos em ficar uma noite em Mundaú, mas a cidade era bem mais movimentada que a praia da Baleia e Jericoacoara. Saímos da praia e buscamos um mercadinho na pequena cidade, compramos atum e pão, comemos ai mesmo. Foi quando parou um senhor para conversar com o dono do mercadinho e ele disse que ia para Fortaleza, bom de uma vez falamos e perguntamos se ele poderia levar-nos, disse ele que sem problemas e assim terminamos nossa pequena viagem pelas praias do Ceará. Alguns dias depois ia para a Colômbia, viver umas das maiores experiencias da minha vida. Cheguei na Colômbia dia 15 de setembro de 2018 e hoje(18/07/2019) sigo por aqui, bom mais isso é outra história e vou contar para você logo logo...
      OBS> Desculpem por demorar tanto tempo para subir a 2 Part como havia prometido. 
       
       
      Foto 7
       
       
    • Por Alinny Miranda
      Bem, logo depois de sair da casa da humilde e doce senhora, seguimos nossa caminhada até Fortaleza. A verdade é que não tinhamos nem ideia de como seria ir pela praia, se em algum punto haveria um encontro de rio com o mar ou outras adversidades pelo caminho, não estavamos pensando muito sobre isso, a ideia principal era aproveitar, sem importar o que viria. 
       
      Assim saímos caminhando pela praia, olhamos no mapa e mostrava 12 lindos Km de pura areia, mar e muitas dunas. Talvez estivamos próximo alguma avenida principal, mas as dunas eram tão altas que só arriscaríamos subir e buscar uma avenida se realmente não fosse possível chegar até a cidade seguinte.
       
      A praia era de areia brancas e a terra bem batida, haviam algumas marcas de pneus de carro e moto pelo chão, então talvez íamos conseguir uma carona.. Isso mesmo, na beira da praia!! Literalmente na areia. 
       

      Foto 1
      Mais ou menos 3km depois, ouvimos o barulho de uma moto se aproximando, era apenas uma moto e eramos duas. Cony já estava um pouco cansada, não pelo sol ou pela caminhada mas sim pela sua perna que começa a incomodar um pouco, então, fiz sinal com a mão para a pessoa que vinha na moto. Era um rapaz, ele parou e perguntou se estávamos bem, pedi para que ele levasse a Cony um pouco mais adiante e que eu iria andando, ele disse que não iria muito longe, que mais ou menos em 1km já sairia da praia sentindo a um povoado que vive, bom, era apenas 1km mas já era alguma coisa, ainda tinhamos 8km pela frente economizar algumas passadas sem dúvida ajuda bastante. Ele levou Cony pelos próximos 1km e voltou por mim, não esperava que ele voltaria. mas foi bom porque o sol tava do CarL*** kkkkkkkk.

      Foto 2
       
      Seguimos caminhando, em poucas horas chegaríamos ao meio dia. Mesmo com muito protetor solar já sentia a pele arder e areia por toda a cara e o sabor do mar que não saia de nossas bocas. Sim, verdade uma caminhada dura mas é uma das coisas que temos que fazer uma vez na vida.  aproveitar o sol, o mar e a areia, não ter pressa de chegar e sem se importar com o que próximo passo. 
       

      Foto 3
       

       
      Foto 4
      Mas 5km caminhando, foi quando ouvimos outra vez o barulho de moto e a possibilidade de uma nova carona. Viramos para ver de onde vinha o som e vimos que eram dois motoqueiros, porém um deles levará uma caixa superrr grande no lugar do passageiro, então outra vez só tinha uma moto. Disse para Cony seguir com eles, porque a perna dela já doía bastante, ela não quis ir, não achava justo. O rapaz que levava a caixa grande me perguntou se queria ir sentada na caixa... Bom, na verdade já estavamos as duas super cansadas e o sol estava muito forte e ainda faltavam mais 3km, então subi na caixa e eles nos levaram até um grande encontro de rio com mar, era impossível a travesar caminhando. Havia um barco pequeno, bom, não era bem um barco, vou deixar uma foto aqui para vocês verem. kkkkkkkk 
       
       
       
       

      WhatsApp Video 2019-07-18 at 18.39.49.mp4 Vídeo 1

      Foto 5
       

      Foto 6
      Depois do encontro do rio com o mar já era conhecido como Mundaú-CE, a cidade vizinha. Caminhamos pelo povoado, paramos na praia para observar a paisagem e o mar. Dessa cidade tínhamos que conseguir uma carona direto para Fortaleza, pensávamos em ficar uma noite em Mundaú, mas a cidade era bem mais movimentada que a praia da Baleia e Jericoacoara. Saímos da praia e buscamos um mercadinho na pequena cidade, compramos atum e pão, comemos ai mesmo. Foi quando parou um senhor para conversar com o dono do mercadinho e ele disse que ia para Fortaleza, bom de uma vez falamos e perguntamos se ele poderia levar-nos, disse ele que sem problemas e assim terminamos nossa pequena viagem pelas praias do Ceará. Alguns dias depois ia para a Colômbia, viver umas das maiores experiencias da minha vida. Cheguei na Colômbia dia 15 de setembro de 2018 e hoje(18/07/2019) sigo por aqui, bom mais isso é outra história e vou contar para você logo logo...
      OBS> Desculpem por demorar tanto tempo para subir a 2 Part como havia prometido. 
       
       
      Foto 7
       
       
    • Por Alinny Miranda
      Bem, logo depois de sair da casa da humilde e doce senhora, seguimos nossa caminhada até Fortaleza. A verdade é que não tinhamos nem ideia de como seria ir pela praia, se em algum punto haveria um encontro de rio com o mar ou outras adversidades pelo caminho, não estavamos pensando muito sobre isso, a ideia principal era aproveitar, sem importar o que viria. 
       
      Assim saímos caminhando pela praia, olhamos no mapa e mostrava 12 lindos Km de pura areia, mar e muitas dunas. Talvez estivamos próximo alguma avenida principal, mas as dunas eram tão altas que só arriscaríamos subir e buscar uma avenida se realmente não fosse possível chegar até a cidade seguinte.
       
      A praia era de areia brancas e a terra bem batida, haviam algumas marcas de pneus de carro e moto pelo chão, então talvez íamos conseguir uma carona.. Isso mesmo, na beira da praia!! Literalmente na areia. 
       

      Foto 1
      Mais ou menos 3km depois, ouvimos o barulho de uma moto se aproximando, era apenas uma moto e eramos duas. Cony já estava um pouco cansada, não pelo sol ou pela caminhada mas sim pela sua perna que começa a incomodar um pouco, então, fiz sinal com a mão para a pessoa que vinha na moto. Era um rapaz, ele parou e perguntou se estávamos bem, pedi para que ele levasse a Cony um pouco mais adiante e que eu iria andando, ele disse que não iria muito longe, que mais ou menos em 1km já sairia da praia sentindo a um povoado que vive, bom, era apenas 1km mas já era alguma coisa, ainda tinhamos 8km pela frente economizar algumas passadas sem dúvida ajuda bastante. Ele levou Cony pelos próximos 1km e voltou por mim, não esperava que ele voltaria. mas foi bom porque o sol tava do CarL*** kkkkkkkk.

      Foto 2
       
      Seguimos caminhando, em poucas horas chegaríamos ao meio dia. Mesmo com muito protetor solar já sentia a pele arder e areia por toda a cara e o sabor do mar que não saia de nossas bocas. Sim, verdade uma caminhada dura mas é uma das coisas que temos que fazer uma vez na vida.  aproveitar o sol, o mar e a areia, não ter pressa de chegar e sem se importar com o que próximo passo. 
       

      Foto 3
       

       
      Foto 4
      Mas 5km caminhando, foi quando ouvimos outra vez o barulho de moto e a possibilidade de uma nova carona. Viramos para ver de onde vinha o som e vimos que eram dois motoqueiros, porém um deles levará uma caixa superrr grande no lugar do passageiro, então outra vez só tinha uma moto. Disse para Cony seguir com eles, porque a perna dela já doía bastante, ela não quis ir, não achava justo. O rapaz que levava a caixa grande me perguntou se queria ir sentada na caixa... Bom, na verdade já estavamos as duas super cansadas e o sol estava muito forte e ainda faltavam mais 3km, então subi na caixa e eles nos levaram até um grande encontro de rio com mar, era impossível a travesar caminhando. Havia um barco pequeno, bom, não era bem um barco, vou deixar uma foto aqui para vocês verem. kkkkkkkk 
       
       
       
       

      WhatsApp Video 2019-07-18 at 18.39.49.mp4 Vídeo 1

      Foto 5
       

      Foto 6
      Depois do encontro do rio com o mar já era conhecido como Mundaú-CE, a cidade vizinha. Caminhamos pelo povoado, paramos na praia para observar a paisagem e o mar. Dessa cidade tínhamos que conseguir uma carona direto para Fortaleza, pensávamos em ficar uma noite em Mundaú, mas a cidade era bem mais movimentada que a praia da Baleia e Jericoacoara. Saímos da praia e buscamos um mercadinho na pequena cidade, compramos atum e pão, comemos ai mesmo. Foi quando parou um senhor para conversar com o dono do mercadinho e ele disse que ia para Fortaleza, bom de uma vez falamos e perguntamos se ele poderia levar-nos, disse ele que sem problemas e assim terminamos nossa pequena viagem pelas praias do Ceará. Alguns dias depois ia para a Colômbia, viver umas das maiores experiencias da minha vida. Cheguei na Colômbia dia 15 de setembro de 2018 e hoje(18/07/2019) sigo por aqui, bom mais isso é outra história e vou contar para você logo logo...
      OBS> Desculpem por demorar tanto tempo para subir a 2 Part como havia prometido. 
       
       
      Foto 7
       
       
    • Por Alinny Miranda
      Bem, logo depois de sair da casa da humilde e doce senhora, seguimos nossa caminhada até Fortaleza. A verdade é que não tinhamos nem ideia de como seria ir pela praia, se em algum punto haveria um encontro de rio com o mar ou outras adversidades pelo caminho, não estavamos pensando muito sobre isso, a ideia principal era aproveitar, sem importar o que viria. 
       
      Assim saímos caminhando pela praia, olhamos no mapa e mostrava 12 lindos Km de pura areia, mar e muitas dunas. Talvez estivamos próximo alguma avenida principal, mas as dunas eram tão altas que só arriscaríamos subir e buscar uma avenida se realmente não fosse possível chegar até a cidade seguinte.
       
      A praia era de areia brancas e a terra bem batida, haviam algumas marcas de pneus de carro e moto pelo chão, então talvez íamos conseguir uma carona.. Isso mesmo, na beira da praia!! Literalmente na areia. 
       

      Foto 1
      Mais ou menos 3km depois, ouvimos o barulho de uma moto se aproximando, era apenas uma moto e eramos duas. Cony já estava um pouco cansada, não pelo sol ou pela caminhada mas sim pela sua perna que começa a incomodar um pouco, então, fiz sinal com a mão para a pessoa que vinha na moto. Era um rapaz, ele parou e perguntou se estávamos bem, pedi para que ele levasse a Cony um pouco mais adiante e que eu iria andando, ele disse que não iria muito longe, que mais ou menos em 1km já sairia da praia sentindo a um povoado que vive, bom, era apenas 1km mas já era alguma coisa, ainda tinhamos 8km pela frente economizar algumas passadas sem dúvida ajuda bastante. Ele levou Cony pelos próximos 1km e voltou por mim, não esperava que ele voltaria. mas foi bom porque o sol tava do CarL*** kkkkkkkk.

      Foto 2
       
      Seguimos caminhando, em poucas horas chegaríamos ao meio dia. Mesmo com muito protetor solar já sentia a pele arder e areia por toda a cara e o sabor do mar que não saia de nossas bocas. Sim, verdade uma caminhada dura mas é uma das coisas que temos que fazer uma vez na vida.  aproveitar o sol, o mar e a areia, não ter pressa de chegar e sem se importar com o que próximo passo. 
       

      Foto 3
       

       
      Foto 4
      Mas 5km caminhando, foi quando ouvimos outra vez o barulho de moto e a possibilidade de uma nova carona. Viramos para ver de onde vinha o som e vimos que eram dois motoqueiros, porém um deles levará uma caixa superrr grande no lugar do passageiro, então outra vez só tinha uma moto. Disse para Cony seguir com eles, porque a perna dela já doía bastante, ela não quis ir, não achava justo. O rapaz que levava a caixa grande me perguntou se queria ir sentada na caixa... Bom, na verdade já estavamos as duas super cansadas e o sol estava muito forte e ainda faltavam mais 3km, então subi na caixa e eles nos levaram até um grande encontro de rio com mar, era impossível a travesar caminhando. Havia um barco pequeno, bom, não era bem um barco, vou deixar uma foto aqui para vocês verem. kkkkkkkk 
       
       
       
       

      WhatsApp Video 2019-07-18 at 18.39.49.mp4 Vídeo 1

      Foto 5
       

      Foto 6
      Depois do encontro do rio com o mar já era conhecido como Mundaú-CE, a cidade vizinha. Caminhamos pelo povoado, paramos na praia para observar a paisagem e o mar. Dessa cidade tínhamos que conseguir uma carona direto para Fortaleza, pensávamos em ficar uma noite em Mundaú, mas a cidade era bem mais movimentada que a praia da Baleia e Jericoacoara. Saímos da praia e buscamos um mercadinho na pequena cidade, compramos atum e pão, comemos ai mesmo. Foi quando parou um senhor para conversar com o dono do mercadinho e ele disse que ia para Fortaleza, bom de uma vez falamos e perguntamos se ele poderia levar-nos, disse ele que sem problemas e assim terminamos nossa pequena viagem pelas praias do Ceará. Alguns dias depois ia para a Colômbia, viver umas das maiores experiencias da minha vida. Cheguei na Colômbia dia 15 de setembro de 2018 e hoje(18/07/2019) sigo por aqui, bom mais isso é outra história e vou contar para você logo logo...
      OBS> Desculpem por demorar tanto tempo para subir a 2 Part como havia prometido. 
       
       
      Foto 7
       
       

    • Por Tadeu Pereira
      Trilha das Sete Praias - Ubatuba - SP 
      Praias: Lagoinha, Oeste, Peres, Bonete, Grande do Bonete, Deserta, Cedro, Fortaleza.
      Dificuldade: Fácil
      Distância: 8,9 km
      Salve salve mochileiros!
      Segue o relato desta trilha fantástica situada na região de Ubatuba, litoral Norte de São Paulo onde iniciamos na Praia da Lagoinha que fica a aproximadamente 29 Km do centro da cidade e finalizamos na praia da Fortaleza 27 Km do centro de Ubatuba. A trilha é de nível fácil com poucos lugares de subida e com belas paisagens. Todas as praias contém água potável em nascentes que ficam no início das praias e existem alguns bares nas praias porém como fomos em baixa temporadas a maioria estava fechada.
       
      Partida - 06/06/19 - Ida 12:30pm - São Paulo x Caraguatatuba -> BlablaCar R$38,00 - Caraguatatuba x  Praia da Lagoinha-> Ônibus R$3,80
           Partimos do terminal rodoviário do Tietê em São Paulo Capital de onde combinamos com o motorista do aplicativo BlablaCar para sairmos ao 12:30pm. Saímos no horário marcado e fomos em 5 pessoas no carro, pois já havia uma pessoa fazendo o trajeto também. Viagem tranquila e segura de duas horas e meia de duração até chegarmos a Caraguatatuba já no litoral onde descemos na rodoviária e lá mesmo pegamos um ônibus do transporte público com sentido a Ubatuba e depois de aproximadamente 35 minutos descemos no ponto próximo ao supermercado Garotão. O ponto de ônibus fica na praia da Lagoinha e é onde se inicia a trilha das sete praias. Após descer no ponto é só caminhar poucos metros até a entrada do condomínio mais a frente e se informar com algum dos seguranças da entrada do condomínio onde fica a entrada da trilha que eles já estão acostumados a informar as pessoas que querem fazer a trilha.    

           A trilha fica do lado esquerdo da praia da Lagoinha logo após um rio que corta a praia desaguando no mar, mas como chegamos com a maré já alta não conseguimos caminhar pela praia e atravessar o rio para começar a trilha. Com ajuda de um haitiano que encontramos na praia, o simpático Jean Pierre, nos informou onde seria o começo da trilha dando a volta para iniciar na entrada de um condomínio. Nos informou também onde teria um mercado mais próximo, o Mercado Garotão. Como entramos na praia não sabíamos da situação da maré cheia impossibilitando a travessia, então com a ajuda do haitiano conseguimos voltar e passar no mercado  para comprarmos algumas coisas para passar a primeira noite e começar a trilha.
        
            Iniciamos a trilha já quase anoitecendo por volta de umas 17:00pm. Saímos do mercado e bem de frente atravessando a rodovia já se vê a entrada do condomínio Recanto da Lagoinha onde caminhamos poucos metros e logo após a guarita da entrada viramos na primeira rua a direita, a Rua Sabiá e caminhamos até uma outra guarita onde se inicia a trilha em uma entrada a esquerda que contém uma placa de área de preservação ambiental ao lado de uma cerca do próprio condomínio. 



           Como a claridade estava ficando cada vez menor, passamos pela Praia do Oeste no escuro e caminhamos até a segunda praia, a Praia do Peres onde foi o nosso primeiro camping. Armamos acampamento já no escuro em um pier de pescadores que contém um gramado e um grande barracão de frente para o mar. Conversando com alguns pescadores que ali estavam fomos informados que logo de manhã um senhor que cuidava do local iria nos expulsar dali. Pensamos em caminhar mais adiante na terceira praia mas decidimos ficar e acampar por ali mesmo e apostar que o senhor não nos dê uma bronca muito grande de manhã por termos acampado ali rs. 




        
          

            Acordamos por volta das 8:00am e quando estava saindo da barraca para lavar o rosto em uma queda de água doce próximo dali lá estava o senhorzinho que nos informaram que iria ficar zangado por causa das nossas barracas. Resolvi dar bom dia pra quebrar o gelo mas não obtive sucesso. Então acordamos fizemos um café rápido no fogareiro a gás desmontamos nossas barracas e seguimos para a próxima praia da trilha, a Praia do Bonete ou Bonetinho como é chamada pelos locais.






       


       
         
           Ficamos um dia na Praia do Bonete, havia uma bica com água potável geladinha localizada no começo da praia. A praia do Bonete tem areias claras e águas cristalinas muito convidativa a um belo banho de mar. Armamos nossas barracas bem no meio da praia em um banco de areia mais alta debaixo de algumas árvores. Nesta praia havia algumas placas proibindo a entrada e camping pois a área seria propriedade particular. Decidimos acampar na praia mesmo e não entramos mais a dentro da mata.


            Acordamos por volta das 8:00am e desmontamos rápido as barracas, tomamos um belo café da manhã a beira mar e ficamos um tempo contemplando a praia até partirmos para a próxima praia, a Praia Grande do Bonete. Caminhamos até a ponta da praia onde existe uma placa amarela com informações aos turistas. Iniciamos a trilha e alguns minutos depois já tínhamos um lindo visual da Praia Grande do Bonete. A trilha levou uns 15 a 20 minutos e logo estávamos na Praia Grande do Bonete. 
        




           Chegamos e logo vimos que bem no começo da praia havia uma bica de água potável geladinha. Caminhamos um pouco e decidimos acampar quase que no começo da praia mesmo, do lado que não tem casas na beira da praia. Armamos nossas barracas na praia debaixo de algumas árvores e de frente para o mar. Fizemos uma fogueira para o almoço e janta e ficamos neste local por três dias.
       


            No primeiro dia conseguimos finalmente entrar no mar, conseguimos também tomar banho em um bolsão de água doce que tem atrás das pedras no começo da trilha e fizemos um belo jantar vegano pra fechar o dia com chave de ouro.  

           No segunda dia acordamos um pouco mais tarde, colocamos as barracas pra tomar um pouco de sol, tomamos um belo café e fomos caminhar até a outra ponta da praia que olhando de longe parecia que tinha um movimento de pessoas por la. Caminhamos até lá e descobrimos que havia alguns bares abertos onde tomamos uma bela de uma gelada e carregamos nossos telefones. Retornamos ao camping e pegamos duas mochilas vazias e dois de nós retornamos a trilha até o Mercado Garotão para comprar umas geladas e alguns petiscos. Fomos e voltamos em menos de duas horas e passamos o dia neste paraíso. 

       


           No terceiro dia na Praia Grande do Bonete acordamos por volta das 9:00am, tomamos café, entramos nas águas geladas daquele mar lindo de águas cristalinas iluminado por um lindo sol que contrastava com o céu inteiramente azul. Logo depois, dois de nós como combinado anteriormente, retornaram a trilha até o ponto de ônibus para aguardar mais um integrante da nossa trupe. E como iríamos passar perto do mercado já aproveitamos e compramos algumas bebidinhas, petiscos, um bom repelente, que foi para não faltar mais nada até o final da trilha. Recomendo o repelente de creme, pois o de spray não faz efeito nenhum para os mosquitos de lá hahahaha. Compramos um óleo ou essência de citronela que seria de colocar em lampiões para espantar o mosquito, mas ao invés de colocarmos em lampiões nós colocamos no nosso próprio corpo e deu muito certo ahuahauha!  
       

           Este dia foi um dos mais divertidos, com mais um integrante fizemos um grande rango, bebemos algumas cervejas, bebemos algumas biritas e tomamos também o único, o verdadeiro, o legítimo, o melhor de todos, the best, o Drink do Gato. Um drink elaborado por um dos integrantes da trupe e que se tornou o sucesso durante toda trilha ahahuahuauah inclusive para alguns caiçaras. Mais informações só chamar que posso passar os ingredientes e a forma secreta de se fazer. Poucos conseguem tomar! Drink do gato! Pra vocÊ aprender! kkkkkkkkkkkkkkkkkk Não conseguimos imagens do drink pois as condições não eram favoráveis no momento após a ingestão do mesmo kkkkkkk. Ha alguns rumores de que alguns dos integrantes corriam loucamente na noite em direção do mar tentando loucamente se banhar nas águas "quentes" da praia hahauahuahua iluminado por uma lua fantástica. O integrante ainda tentava persuadir os outros a entrarem no mar com dizeres: "Gente vemmmm, ta quentinha, a água ta quentinha! Vemmmm gente! Uhuuuullll!" Hauhauhuhuah Foi sensacional!     --> Drink do gato! Pra você aprender! kkkk 


           Acordamos e mantemos o protocolo. Barracas ao sol, acender a fogueira, café forte pra acordar, ficamos algumas horas por ali aproveitando o lindo sol que fazia no dia, tomamos um belo banho de mar e logo partimos para próxima praia. A trilha fica no final da praia em um muro de pedras com algumas placas indicando o lado correto. Foi umas das partes um pouco pesadas desta trilha, talvez por causa do peso que estávamos levando, em alguns lugares a trilha se tornava um pouco ingrime dificultando um pouco nosso ritmo. Em alguns trechos também se abriam clareiras mostrando um lindo visual.  
       

        
       
       
       
          A próxima praia que nos aguardava na verdade seriam duas em uma.  A Praia Deserta fica junto com a Praia do Cedro e são divididas por algumas pedras, mas muito fácil de se atravessar por elas. Ou pra quem não gosta de se aventurar em pedras, existe uma trilha que passa por de trás delas muito rápida e segura também. 











       



            Armamos nossas barracas na primeira praia, a Praia Deserta. Ficamos bem de frente para o mar do lado da placa da trilha das sete praias. O lugar é cheio de árvores e tem ótimas áreas para camping selvagem e proibido, como diz nas placas que encontramos novamente na praia. Acredito que não tivemos problemas com isso por causa da baixa temporada, pois a trilha é muito movimentada na alta temporada e a fiscalização talvez seja mais rigorosa. 
          










           Ficamos por dois dias nestas praias, a segunda praia, a Praia do Cedro contém uma área de camping e um bar que ambos estavam fechados por causa da baixa temporada. Existe também uma bica d'água encanada bastante gelada que tanto usamos para tomar banho quanto para beber. A praia é pequena mas encantadora pela beleza.  



           Após dois dias fantásticos nessas praias infelizmente com muita tristeza que caminhamos para a última praia da trilha. Desmontamos nossas barracas, retiramos todo o lixo, fizemos um café forte, arrumamos as mochilas e partimos para Praia da Fortaleza. Mas antes ainda tinha mais um lugar muito lindo pra conhecer, o Pontão da Fortaleza. Um lugar surreal e único que fica um pouco antes de chegar na praia da Fortaleza virando a esquerda na própria trilha.


          












           Chegamos por volta das 16:00am no Pontão da Fortaleza com um tempo de trilha de aproximadamente uma hora por causa do peso das mochilas, pois em alguns trechos da trilha o caminho se torna um pouco mais ingrime dificultando um pouco a trilha. Ficamos no Pontão por quase duas horas contemplando a beleza do lugar. Até cogitamos acampar por la mesmo, mas acabamos decidindo retornar a trilha e finalizar a Trilha das Sete Praias na Praia da Fortaleza.
       
           Andamos por alguns minutos nas areias da praia até entrarmos em umas das ruas onde se vê uma igreja. Caminhamos nesta rua e na bifurcação viramos a esquerda e caminhamos até o bar do Zé Mineiro onde fechamos nossa trilha e nosso dia com uma bela cerveja gelada.
      Retorno - 12/06/19 - Retorno 13:30pm - São Paulo x Caraguatatuba -> BlablaCar R$40,00 - Praia da Fortaleza x Praia da Sununga-> Ônibus R$3,80
           Na própria praia da Fortaleza existe um ponto de ônibus indo tanto para Ubatuba quanto para Caraguatatuba. Aguardamos por alguns minutos e pegamos um ônibus sentido Ubatuba pelo valor de R$3,80 e descemos no ponto dos postos de gasolina. Este é o ponto mais próximo da praia da Sununga e da Praia do Lázaro. Ficamos por lá mais quatro dias no Camping Sununga e depois encontramos um BlablaCar por R$40,00 pra cada que nos levou até São Paulo e finalizamos assim mais um Mochilão pelo litoral norte de São Paulo. 
      Vlw Mochileiros! Gratidão.  ❤️ 
       
       
      Facebook: https://www.facebook.com/tadeuasp
      Instagram: https://www.instagram.com/tadeuasp/
        


×
×
  • Criar Novo...