Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Pesquisar na Comunidade

Mostrando resultados para as tags ''praias''.



Mais opções de pesquisa

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Mochileiros.com

  • Perguntas e Respostas
    • Perguntas e Respostas
    • Destinos
  • Companhia para Viajar
    • Companhia para Viajar
  • Relatos de Viagem
  • Equipamentos
  • Trilhas e Travessias
  • Nomadismo
  • Outras Formas de Viajar
  • Outros Fóruns

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


Sobre mim


Lugares que já visitei


Próximo Destino


Ocupação

Encontrado 15 registros

  1. Bem, logo depois de sair da casa da humilde e doce senhora, seguimos nossa caminhada até Fortaleza. A verdade é que não tinhamos nem ideia de como seria ir pela praia, se em algum punto haveria um encontro de rio com o mar ou outras adversidades pelo caminho, não estavamos pensando muito sobre isso, a ideia principal era aproveitar, sem importar o que viria. Assim saímos caminhando pela praia, olhamos no mapa e mostrava 12 lindos Km de pura areia, mar e muitas dunas. Talvez estivamos próximo alguma avenida principal, mas as dunas eram tão altas que só arriscaríamos subir e buscar uma avenida se realmente não fosse possível chegar até a cidade seguinte. A praia era de areia brancas e a terra bem batida, haviam algumas marcas de pneus de carro e moto pelo chão, então talvez íamos conseguir uma carona.. Isso mesmo, na beira da praia!! Literalmente na areia. Foto 1 Mais ou menos 3km depois, ouvimos o barulho de uma moto se aproximando, era apenas uma moto e eramos duas. Cony já estava um pouco cansada, não pelo sol ou pela caminhada mas sim pela sua perna que começa a incomodar um pouco, então, fiz sinal com a mão para a pessoa que vinha na moto. Era um rapaz, ele parou e perguntou se estávamos bem, pedi para que ele levasse a Cony um pouco mais adiante e que eu iria andando, ele disse que não iria muito longe, que mais ou menos em 1km já sairia da praia sentindo a um povoado que vive, bom, era apenas 1km mas já era alguma coisa, ainda tinhamos 8km pela frente economizar algumas passadas sem dúvida ajuda bastante. Ele levou Cony pelos próximos 1km e voltou por mim, não esperava que ele voltaria. mas foi bom porque o sol tava do CarL*** kkkkkkkk. Foto 2 Seguimos caminhando, em poucas horas chegaríamos ao meio dia. Mesmo com muito protetor solar já sentia a pele arder e areia por toda a cara e o sabor do mar que não saia de nossas bocas. Sim, verdade uma caminhada dura mas é uma das coisas que temos que fazer uma vez na vida. aproveitar o sol, o mar e a areia, não ter pressa de chegar e sem se importar com o que próximo passo. Foto 3 Foto 4 Mas 5km caminhando, foi quando ouvimos outra vez o barulho de moto e a possibilidade de uma nova carona. Viramos para ver de onde vinha o som e vimos que eram dois motoqueiros, porém um deles levará uma caixa superrr grande no lugar do passageiro, então outra vez só tinha uma moto. Disse para Cony seguir com eles, porque a perna dela já doía bastante, ela não quis ir, não achava justo. O rapaz que levava a caixa grande me perguntou se queria ir sentada na caixa... Bom, na verdade já estavamos as duas super cansadas e o sol estava muito forte e ainda faltavam mais 3km, então subi na caixa e eles nos levaram até um grande encontro de rio com mar, era impossível a travesar caminhando. Havia um barco pequeno, bom, não era bem um barco, vou deixar uma foto aqui para vocês verem. kkkkkkkk WhatsApp Video 2019-07-18 at 18.39.49.mp4 Vídeo 1 Foto 5 Foto 6 Depois do encontro do rio com o mar já era conhecido como Mundaú-CE, a cidade vizinha. Caminhamos pelo povoado, paramos na praia para observar a paisagem e o mar. Dessa cidade tínhamos que conseguir uma carona direto para Fortaleza, pensávamos em ficar uma noite em Mundaú, mas a cidade era bem mais movimentada que a praia da Baleia e Jericoacoara. Saímos da praia e buscamos um mercadinho na pequena cidade, compramos atum e pão, comemos ai mesmo. Foi quando parou um senhor para conversar com o dono do mercadinho e ele disse que ia para Fortaleza, bom de uma vez falamos e perguntamos se ele poderia levar-nos, disse ele que sem problemas e assim terminamos nossa pequena viagem pelas praias do Ceará. Alguns dias depois ia para a Colômbia, viver umas das maiores experiencias da minha vida. Cheguei na Colômbia dia 15 de setembro de 2018 e hoje(18/07/2019) sigo por aqui, bom mais isso é outra história e vou contar para você logo logo... OBS> Desculpem por demorar tanto tempo para subir a 2 Part como havia prometido. Foto 7
  2. Bem, logo depois de sair da casa da humilde e doce senhora, seguimos nossa caminhada até Fortaleza. A verdade é que não tinhamos nem ideia de como seria ir pela praia, se em algum punto haveria um encontro de rio com o mar ou outras adversidades pelo caminho, não estavamos pensando muito sobre isso, a ideia principal era aproveitar, sem importar o que viria. Assim saímos caminhando pela praia, olhamos no mapa e mostrava 12 lindos Km de pura areia, mar e muitas dunas. Talvez estivamos próximo alguma avenida principal, mas as dunas eram tão altas que só arriscaríamos subir e buscar uma avenida se realmente não fosse possível chegar até a cidade seguinte. A praia era de areia brancas e a terra bem batida, haviam algumas marcas de pneus de carro e moto pelo chão, então talvez íamos conseguir uma carona.. Isso mesmo, na beira da praia!! Literalmente na areia. Foto 1 Mais ou menos 3km depois, ouvimos o barulho de uma moto se aproximando, era apenas uma moto e eramos duas. Cony já estava um pouco cansada, não pelo sol ou pela caminhada mas sim pela sua perna que começa a incomodar um pouco, então, fiz sinal com a mão para a pessoa que vinha na moto. Era um rapaz, ele parou e perguntou se estávamos bem, pedi para que ele levasse a Cony um pouco mais adiante e que eu iria andando, ele disse que não iria muito longe, que mais ou menos em 1km já sairia da praia sentindo a um povoado que vive, bom, era apenas 1km mas já era alguma coisa, ainda tinhamos 8km pela frente economizar algumas passadas sem dúvida ajuda bastante. Ele levou Cony pelos próximos 1km e voltou por mim, não esperava que ele voltaria. mas foi bom porque o sol tava do CarL*** kkkkkkkk. Foto 2 Seguimos caminhando, em poucas horas chegaríamos ao meio dia. Mesmo com muito protetor solar já sentia a pele arder e areia por toda a cara e o sabor do mar que não saia de nossas bocas. Sim, verdade uma caminhada dura mas é uma das coisas que temos que fazer uma vez na vida. aproveitar o sol, o mar e a areia, não ter pressa de chegar e sem se importar com o que próximo passo. Foto 3 Foto 4 Mas 5km caminhando, foi quando ouvimos outra vez o barulho de moto e a possibilidade de uma nova carona. Viramos para ver de onde vinha o som e vimos que eram dois motoqueiros, porém um deles levará uma caixa superrr grande no lugar do passageiro, então outra vez só tinha uma moto. Disse para Cony seguir com eles, porque a perna dela já doía bastante, ela não quis ir, não achava justo. O rapaz que levava a caixa grande me perguntou se queria ir sentada na caixa... Bom, na verdade já estavamos as duas super cansadas e o sol estava muito forte e ainda faltavam mais 3km, então subi na caixa e eles nos levaram até um grande encontro de rio com mar, era impossível a travesar caminhando. Havia um barco pequeno, bom, não era bem um barco, vou deixar uma foto aqui para vocês verem. kkkkkkkk WhatsApp Video 2019-07-18 at 18.39.49.mp4 Vídeo 1 Foto 5 Foto 6 Depois do encontro do rio com o mar já era conhecido como Mundaú-CE, a cidade vizinha. Caminhamos pelo povoado, paramos na praia para observar a paisagem e o mar. Dessa cidade tínhamos que conseguir uma carona direto para Fortaleza, pensávamos em ficar uma noite em Mundaú, mas a cidade era bem mais movimentada que a praia da Baleia e Jericoacoara. Saímos da praia e buscamos um mercadinho na pequena cidade, compramos atum e pão, comemos ai mesmo. Foi quando parou um senhor para conversar com o dono do mercadinho e ele disse que ia para Fortaleza, bom de uma vez falamos e perguntamos se ele poderia levar-nos, disse ele que sem problemas e assim terminamos nossa pequena viagem pelas praias do Ceará. Alguns dias depois ia para a Colômbia, viver umas das maiores experiencias da minha vida. Cheguei na Colômbia dia 15 de setembro de 2018 e hoje(18/07/2019) sigo por aqui, bom mais isso é outra história e vou contar para você logo logo... OBS> Desculpem por demorar tanto tempo para subir a 2 Part como havia prometido. Foto 7
  3. Bem, logo depois de sair da casa da humilde e doce senhora, seguimos nossa caminhada até Fortaleza. A verdade é que não tinhamos nem ideia de como seria ir pela praia, se em algum punto haveria um encontro de rio com o mar ou outras adversidades pelo caminho, não estavamos pensando muito sobre isso, a ideia principal era aproveitar, sem importar o que viria. Assim saímos caminhando pela praia, olhamos no mapa e mostrava 12 lindos Km de pura areia, mar e muitas dunas. Talvez estivamos próximo alguma avenida principal, mas as dunas eram tão altas que só arriscaríamos subir e buscar uma avenida se realmente não fosse possível chegar até a cidade seguinte. A praia era de areia brancas e a terra bem batida, haviam algumas marcas de pneus de carro e moto pelo chão, então talvez íamos conseguir uma carona.. Isso mesmo, na beira da praia!! Literalmente na areia. Foto 1 Mais ou menos 3km depois, ouvimos o barulho de uma moto se aproximando, era apenas uma moto e eramos duas. Cony já estava um pouco cansada, não pelo sol ou pela caminhada mas sim pela sua perna que começa a incomodar um pouco, então, fiz sinal com a mão para a pessoa que vinha na moto. Era um rapaz, ele parou e perguntou se estávamos bem, pedi para que ele levasse a Cony um pouco mais adiante e que eu iria andando, ele disse que não iria muito longe, que mais ou menos em 1km já sairia da praia sentindo a um povoado que vive, bom, era apenas 1km mas já era alguma coisa, ainda tinhamos 8km pela frente economizar algumas passadas sem dúvida ajuda bastante. Ele levou Cony pelos próximos 1km e voltou por mim, não esperava que ele voltaria. mas foi bom porque o sol tava do CarL*** kkkkkkkk. Foto 2 Seguimos caminhando, em poucas horas chegaríamos ao meio dia. Mesmo com muito protetor solar já sentia a pele arder e areia por toda a cara e o sabor do mar que não saia de nossas bocas. Sim, verdade uma caminhada dura mas é uma das coisas que temos que fazer uma vez na vida. aproveitar o sol, o mar e a areia, não ter pressa de chegar e sem se importar com o que próximo passo. Foto 3 Foto 4 Mas 5km caminhando, foi quando ouvimos outra vez o barulho de moto e a possibilidade de uma nova carona. Viramos para ver de onde vinha o som e vimos que eram dois motoqueiros, porém um deles levará uma caixa superrr grande no lugar do passageiro, então outra vez só tinha uma moto. Disse para Cony seguir com eles, porque a perna dela já doía bastante, ela não quis ir, não achava justo. O rapaz que levava a caixa grande me perguntou se queria ir sentada na caixa... Bom, na verdade já estavamos as duas super cansadas e o sol estava muito forte e ainda faltavam mais 3km, então subi na caixa e eles nos levaram até um grande encontro de rio com mar, era impossível a travesar caminhando. Havia um barco pequeno, bom, não era bem um barco, vou deixar uma foto aqui para vocês verem. kkkkkkkk WhatsApp Video 2019-07-18 at 18.39.49.mp4 Vídeo 1 Foto 5 Foto 6 Depois do encontro do rio com o mar já era conhecido como Mundaú-CE, a cidade vizinha. Caminhamos pelo povoado, paramos na praia para observar a paisagem e o mar. Dessa cidade tínhamos que conseguir uma carona direto para Fortaleza, pensávamos em ficar uma noite em Mundaú, mas a cidade era bem mais movimentada que a praia da Baleia e Jericoacoara. Saímos da praia e buscamos um mercadinho na pequena cidade, compramos atum e pão, comemos ai mesmo. Foi quando parou um senhor para conversar com o dono do mercadinho e ele disse que ia para Fortaleza, bom de uma vez falamos e perguntamos se ele poderia levar-nos, disse ele que sem problemas e assim terminamos nossa pequena viagem pelas praias do Ceará. Alguns dias depois ia para a Colômbia, viver umas das maiores experiencias da minha vida. Cheguei na Colômbia dia 15 de setembro de 2018 e hoje(18/07/2019) sigo por aqui, bom mais isso é outra história e vou contar para você logo logo... OBS> Desculpem por demorar tanto tempo para subir a 2 Part como havia prometido. Foto 7
  4. Bem, logo depois de sair da casa da humilde e doce senhora, seguimos nossa caminhada até Fortaleza. A verdade é que não tinhamos nem ideia de como seria ir pela praia, se em algum punto haveria um encontro de rio com o mar ou outras adversidades pelo caminho, não estavamos pensando muito sobre isso, a ideia principal era aproveitar, sem importar o que viria. Assim saímos caminhando pela praia, olhamos no mapa e mostrava 12 lindos Km de pura areia, mar e muitas dunas. Talvez estivamos próximo alguma avenida principal, mas as dunas eram tão altas que só arriscaríamos subir e buscar uma avenida se realmente não fosse possível chegar até a cidade seguinte. A praia era de areia brancas e a terra bem batida, haviam algumas marcas de pneus de carro e moto pelo chão, então talvez íamos conseguir uma carona.. Isso mesmo, na beira da praia!! Literalmente na areia. Foto 1 Mais ou menos 3km depois, ouvimos o barulho de uma moto se aproximando, era apenas uma moto e eramos duas. Cony já estava um pouco cansada, não pelo sol ou pela caminhada mas sim pela sua perna que começa a incomodar um pouco, então, fiz sinal com a mão para a pessoa que vinha na moto. Era um rapaz, ele parou e perguntou se estávamos bem, pedi para que ele levasse a Cony um pouco mais adiante e que eu iria andando, ele disse que não iria muito longe, que mais ou menos em 1km já sairia da praia sentindo a um povoado que vive, bom, era apenas 1km mas já era alguma coisa, ainda tinhamos 8km pela frente economizar algumas passadas sem dúvida ajuda bastante. Ele levou Cony pelos próximos 1km e voltou por mim, não esperava que ele voltaria. mas foi bom porque o sol tava do CarL*** kkkkkkkk. Foto 2 Seguimos caminhando, em poucas horas chegaríamos ao meio dia. Mesmo com muito protetor solar já sentia a pele arder e areia por toda a cara e o sabor do mar que não saia de nossas bocas. Sim, verdade uma caminhada dura mas é uma das coisas que temos que fazer uma vez na vida. aproveitar o sol, o mar e a areia, não ter pressa de chegar e sem se importar com o que próximo passo. Foto 3 Foto 4 Mas 5km caminhando, foi quando ouvimos outra vez o barulho de moto e a possibilidade de uma nova carona. Viramos para ver de onde vinha o som e vimos que eram dois motoqueiros, porém um deles levará uma caixa superrr grande no lugar do passageiro, então outra vez só tinha uma moto. Disse para Cony seguir com eles, porque a perna dela já doía bastante, ela não quis ir, não achava justo. O rapaz que levava a caixa grande me perguntou se queria ir sentada na caixa... Bom, na verdade já estavamos as duas super cansadas e o sol estava muito forte e ainda faltavam mais 3km, então subi na caixa e eles nos levaram até um grande encontro de rio com mar, era impossível a travesar caminhando. Havia um barco pequeno, bom, não era bem um barco, vou deixar uma foto aqui para vocês verem. kkkkkkkk WhatsApp Video 2019-07-18 at 18.39.49.mp4 Vídeo 1 Foto 5 Foto 6 Depois do encontro do rio com o mar já era conhecido como Mundaú-CE, a cidade vizinha. Caminhamos pelo povoado, paramos na praia para observar a paisagem e o mar. Dessa cidade tínhamos que conseguir uma carona direto para Fortaleza, pensávamos em ficar uma noite em Mundaú, mas a cidade era bem mais movimentada que a praia da Baleia e Jericoacoara. Saímos da praia e buscamos um mercadinho na pequena cidade, compramos atum e pão, comemos ai mesmo. Foi quando parou um senhor para conversar com o dono do mercadinho e ele disse que ia para Fortaleza, bom de uma vez falamos e perguntamos se ele poderia levar-nos, disse ele que sem problemas e assim terminamos nossa pequena viagem pelas praias do Ceará. Alguns dias depois ia para a Colômbia, viver umas das maiores experiencias da minha vida. Cheguei na Colômbia dia 15 de setembro de 2018 e hoje(18/07/2019) sigo por aqui, bom mais isso é outra história e vou contar para você logo logo... OBS> Desculpem por demorar tanto tempo para subir a 2 Part como havia prometido. Foto 7
  5. Entre novembro e dezembro de 2018 tiramos 10 dias percorrendo o litoral catarinense, 3 foram em Bombinhas e Floripa; cartas marcadas. A parte mais interessante/surpreendente da viagem começa depois da Praia do Luz, mas é impossível não falar nada de Garopaba, Embaú e o Rosa. No total foram mais de 20 praias além Rosa Sul, da quais pelo menos 7 foram memoráveis surpresas. Como Garopaba e o Rosa já são nossos velhos conhecidos, se é que isso é possível, cada vez que volto lá descubro um cantinho novo. Dessa vez foi a Igreja Matriz de São Joaquim, e os sinais indígenas que consegui achar. GUARDA DO EMBAÚ O primeiro dia paramos às 8:00 na Guarda do Embaú, dia perfeito, lá tudo é perfeito. Conseguimos estacionar tranquilo na rua, e partimos a nado cruzei o Rio da Madre, estava uma temperatura agradável. Fomos à Prainha da Guarda e a Lagoinha, depois uma árdua subida até a Pedra do Urubu, a vista lá de cima é sensacional. Inclusive conhecemos um médico que subiu logo após, não acreditei quando ele começou a me contar que tinha medo de andar na trilha e ser atacado por um animal selvagem, rimos bastante. Afinal ele é um profissional que trabalha encarando a morte todos os dias. Descemos, esfomeados. Foi difícil encontrar um restaurante legal para almoçar, só haviam dois abertos: um na margem do Rio da Madre com comidas de turista e um mais no meio da vila com uma comida mais simples no estilo buffet, nossa escolha afinal. Pegamos a estrada, uma longa estrada para chegar a uma praia que fica só uns 4 km da Guarda, a Praia da Gamboa. PRAIA DA GAMBOA A primeira impressão não é muito impactante. Neste dia estava bem deserta, a areia é meio grossa, tem uma água que escorre dos pântanos do entorno, dá um certo nojinho. Mas é sim uma bela praia e que vale a parada, a areia apesar de grossa é bem limpa, e tem umas sombras mais pro meio da praia que me renderam boa hora de cochilo. Saímos de lá umas 16:00 para ir até o Siriú onde seria nosso acampamento. A estrada de terra que liga as duas é uma miragem, vale muito a pena, até porque se for dar a volta pelo asfalto são uns 30 km a mais. EXPLORANDO GAROPABA Chegamos no Siriú e fomos direto para a praia tomar um banho novamente, e procurar um SUP para o dia seguinte. Achei o Clodoaldo, um simpático senhor e fechamos por um precinho camarada na manhã seguinte duas pranchas. Acampamos, num camping muito aconchegante, e bem estruturado. No dia seguinte às 7:00 já estávamos rumando para a Lagoa do Siriú, onde fizemos um passeio longo até às 10:00 remando, tá certo que a última meia hora foi um caos, o vento nos castigou em contrário. Ainda fomos nas dunas fazer uma esfolação. Dessa vez fiz sandboard, cai tombos de todos os jeitos mas aprendi, kkkkk. O negócio difícil! no começo. Como se não bastasse fomos para o Rosa Sul e trilhamos pela Trilha do Luz sob os últimos raios do Sol. Um espetáculo. Para voltar pedimos informação e entramos num túnel de árvores que leva até o Rosa, o tal do Caminho do Rei. Não foi nada fácil, com pouca luz, o tamanho da subida, e o cansaço acumulado, precisamos fazer algumas pausas inclusive. Mas no final achamos uma viela que cortava, depois de terminar o caminho do rei, cerca de 1 km pela estrada comum. Um pouco de medo de entrar em local privativo? Tivemos, mas o cansaço era mais forte que o medo, kkk. No dia seguinte, fizemos 16 km entre Praia da Ferrugem e Praia do Rosa uma trilha sensacional, na verdade a junção de 3 trilhas (Trilha da Caranha, Trilha do Ouvidor, Trilha da Praia Vermelha). Pela areias e costões foi sensacional.Após uma bela anchova triturada na vila da Ferrugem e um cochilo para repor as energias, nada como um banho refrescante na Praia da Vigia, apesar dos ardido da areia esfolada, para relaxar. Antes da noite fomos ver o Sol se pôr do Morro das Antenas, conheci um morador muito simpático, ficamos conversando até a noite cair por completo. Durante uma passeio na Vila, que começou a chover, aproveitamos para visitar a Igreja de São Joaquim - obra prima, e a convite de um simpático capelão ficamos para acompanhar a missa. ALÉM DO COMUM No dia seguinte, saímos cedinho novamente. Conhecemos a Lagoa de Ibiraquera, e sua praia agradável. Curioso que a partir daqui a paisagem muda drasticamente, de montanhas cobertas de verde, passamos a uma vastidão de areia fina, coberta por pequena ilhas de arbustos e esparsar árvores características do litoral catarinense. Sempre a beira Mar, sejam as estrada pavimentadas ou extensas costeletas (estradas não pavimentadas de areia) que parecem desgrudar os órgãos internos de que se aventura por elas. Chegamos na Praia da Ribanceira, também muito bela, e já quase deserta, mas o que mais impressionou foram alguns metros de areia depois de um trilha de 500 m, numa ponta de Mar que já destruiu uma edificação de suporte aos pescadores fica a, de nome não menos apropriado, Praia dos Amores: fácil se apaixonar. Ademais conhecemos um morador, muito simpático que nos indicou outra preciosidade do lugar acessível apenas por trilha, a Praia da Água. Lá fomos nós cruzar a elevação. Por ela, vários mirantes colocados pelos pescadores que em junho esperam ansiosos os cardumes de tainhas e a Baleia Francas, e que a nós só mostraram tartarugas sofrendo contra a fúria de Poseidon que com as ondas lançava-as na encosta pedregosa. Depois ainda passamos pelas praias de Imbituba, fizemos a trilha do Farol de Imbituba, saindo da Praia da Vila pelo costão e retornando pela trilha comum. Poderia ser chamado de Praia dos Lagartos, tamanha era a quantidade desses répteis que vimos por lá. Ainda seríamos surpreendidos nesse dia pela paixão de um holandês que nos surpreendeu com seu acervo de conchas, inexplicável. Antes de nos escondermos na noite, fomos fazer mais uma trilha, curta, ao menos era o que esperávamos. Minha nossa, foram 2 h intermináveis de sobe e desce rochas, até que saímos na Praia de Itapirubá Sul. Bom, que valeu a pena o rochoso é a melhor experiência de Itapirubá, depois do Museu das Conchas. Cansados, e esfomeados partimos por mais algumas praias, poderíamos dizer mais uma, só não dizemos porque é uma longa extensão de areia com alguns balneários. Acabamos chegando quase à noite já na Ponta do Gi, mais especificamente na Praia do Sol, a tempo apenas de entrar para o camping. O dono logo saiu e ficamos só nos, naquele deserto. Confesso que passei algum medo, lá na Ribanceira o morador tinha falado de alguns saqueamentos que haviam ocorrido recentemente naquela região, simples assim o bando chegava e levava tudo, deixando os campista sem nada, o que me confortava um pouco era o fato de o pátio ao menos ter muro. Seguirei contando, daqui a pouco...
  6. Ah Galápagos! Famosa pela teoria da evolução de Charles Darwin, hoje é muito mais do que isso. Nos últimos anos, as ilhas vêm recebendo cada vez mais turistas de todo o mundo, em busca das mais variadas atrações que as ilhas oferecem: cruzeiros luxuosos, mergulhos, observação dos animais e plantas, trilhas por vulcões ativos e descanso em praias paradisíacas. Difícil de acreditar que um lugar como esse existe. Gostou do aperitivo? Então dá uma olhada no que fizemos por lá durante a nossa visita. Ilha de Santa Cruz Ficamos 3 dias em Santa Cruz e achamos o suficiente para conhecer por completo as principais atrações da ilha. Conhecemos as principais praias, demos um rolê em Puerto Ayora e conhecemos a famosa Estação Científica Charles Darwin. Planejamos também visitar um das fazendas para observar as tartarugas gigantes, mais o passeio melou aos 45 minutos do segundo tempo. Como chegamos Voo de Quito (com escala em Guayaquil) à Baltra, uma pequena ilha ao norte de Santa Cruz. Todo o trajeto foi feito com a companhia Tame. Já adianto que o preço da passagem vai te desanimar um pouco. Fizemos a estratégia de chegar por Santa Cruz (Baltra) e ir embora de Galápagos por San Cristóbal. Assim, ganhamos tempo e deu pra aproveitar mais cada ilha. Onde nos hospedamos Em Santa Cruz, nos hospedamos no Galápagos Best Hostel. O local é bem simples e bem afastado do centro de Puerto Ayora (uns 20 minutos de caminhada). Entretanto, gostamos bastante do hostel. Era limpo, água quente e os quartos privados tinham uma mini cozinha. Fizemos o café da manhã todos os dias que ficamos em Santa Cruz. Valeu a pena! O que fizemos Santa Cruz foi de longe a ilha com a melhores praias. Além disso, é a ilha mais desenvolvida do arquipélago, então, você vai encontrar mais opções de restaurantes, comercio, agências, etc. PUERTO AYORA A maior cidade de Galápagos, também a mais desenvolvida. Puerto Ayora é o ponto de partida para quem quer conhecer tudo em Galápagos. Agências de viagens estão espalhadas por várias ruas. Em uma das ruas principais, a Av. Charles Darwin, você vai encontrar inúmeras opções de restaurantes, dos mais ocidentais (hambúrguer, pizza, batata frita, etc.) até os mais tradicionais de comida local. Nós, por outro lado, amamos a Av Binford. A rua concentra vários restaurantes de comida realmente local. De noite fica super movimentada. Se você quer um almoço com um precinho mais amigo ( por volta de USD 5.00), é lá que você vai encontrar. Outro destaque é o Mercado de Peixes de Puerto Ayora. É lá que os barcos carregados de pescado chegam para serem pesados, lavados e vendidos. Mas a clientela não é só de pessoas. Toda a fauna de Galápagos se reúne por lá: leões marinhos, pelicanos, pássaros, iguanas, etc. Todo mundo esperando a oportunidade perfeita para roubar um pedaço de peixe. Vale a visita. TORTUGA BAY E PLAYA MANSA Tortuga Bay. As ondas eram mais intensas. Vimos vários surfistas por lá. Pegando uma trilha de 2 km por dentro da vegetação típica de Galápagos, você vai acessar primeiramente Tortuga Bay, uma praia onde o banho não é recomendado, mas que é linda mesmo assim. O acesso a praia é gratuito. A areia é branquinha e o mar azul claro. Várias iguanas passam constantemente por você e em algumas pedras, você vai poder ver os famosos caranguejos vermelhos de Galápagos. Playa Mansa. Dá pra entender o nome, não dá? Andando mais um bocadinho, você vai chegar no ponto alto de Puerto Ayora, a Playa Mansa. Tire pelo menos metade de um dia para relaxar nessa praia. A água é bem calma e você pode ficar um tempinho na areia, perto das árvores, só relaxando. O único problema é que a praia pode ficar muito cheia a partir do final da manhã. LAS GRIETAS E PLAYA LOS ALEMANES Normalmente você vai fazer Las Grietas e Playa los Alemanes em uma só tacada. Pra chegar lá, você vai ter que pegar um barco no porto de Puerto Ayora por USD 0.5 que vai te levar até um hotel/restaurante. Descendo, é só seguir a plaquinha que indica "Las Grietas" que não tem erro. Depois de percorrer uma trilha bem curta, você vai chegar em Las Grietas. Um pedaço de mar localizado entre dois rochedos enormes, ideal pra se refrescar rodeado de peixes. Já a Playa los Alemanes é bem pequenininha, mas muito linda. Ficamos sentados alguns minutos olhando a paisagem e pudemos ver, sem entrar na água, vários peixes e duas arraias que passavam tranquilamente entre os banhistas. PLAYA EL GARRAPATERO Essa praia fica mais afastada de Puerto Ayora. Pra chegar lá, tivemos que pegar um táxi que nos custou, ida e volta, por volta de 30 dólares. A praia é maravilhosa. O taxista te deixa em um estacionamento (combine o horário da volta) e você tem que andar por uns 15 minutos antes de chegar na praia propriamente dita. Playa El Garrapatero. O lugar é um paraíso. Quando fomos, vimos alguns leões marinhos (um inclusive dormia a menos de 2 metros das nossas mochilas), pelicanos, iguanas e uma garça cinza linda. Além disso, se você quiser, você pode alugar caiaques que ficam disponíveis na entrada da praia. Não chegamos a perguntar os preços, mas fica a dica. ESTAÇÃO CIENTÍFICA CHARLES DARWIN Fica pertinho de Puerto Ayora e dá pra ir andando mesmo. Lá funciona um centro de pesquisa e recuperação animal. O centro é aberto ao público e a entrada é gratuita. Dentre as principais atrações, você vai poder visitar um pequeno museu da biodiversidade das ilhas de Galápagos; vai poder ver o George, a tartaruga mais famosa de Galápagos que morreu em 2012 (ele foi empalhado e se encontra em uma câmara resfriada para sua preservação); e vai poder ver inúmeras tartarugas gigantes e iguanas que estão sob cuidado do centro. Vale muito a pena a visita. Ilha San Cristobal Foram somente dois dias em São Cristóbal, mas muito intensos. Aqui, a principal atração foi os leões marinhos. Estavam por todos os lados, em todas as praias que visitávamos. Como Chegamos Chegamos de barco, vindos de Puerto Ayora. Compramos os tickets em uma agência de viagens qualquer perto do porto. Sim, você pode comprar o ticket entre as ilhas em qualquer agência. Eles contactam as empresas que fazem os percursos e tudo funciona direitinho. Só não deixe pra última hora, porque a procura é grande e são poucos barcos por dia. Pagamos USD 30 por pessoa para a viagem de barco entre Santa Cruz e San Cristóbal. A viagem demora cerca de 2 horas e meia e é um pouco desconfortável. A lancha é bem pequena (devem caber umas 20 pessoas no máximo) e não há espaço para acomodar os braços. Além disso, dependendo da condição do mar, a viagem pode ser um pouco enjoativa. Tivemos sorte que o mar estava calmo no dia que fomos. Onde nos hospedamos Em San Cristóbal nos hospedamos no Guesthouse Hostal Cattleya. Sabe aquelas pousadas do Brasil, onde os próprios donos tocam o lugar e conseguem fazer você se sentir em casa? Ficamos em um quarto triplo (reservamos em cima da hora...) bem simples, mas arrumadinho e limpo. O café da manhã estava incluso e era preparado pelo donos (pão comprado no dia, frutas, iogurte, e um cafezinho bem preparado). No momento da reserva, a dona entrou em contato comigo para pedir mais informações da nossa chegada. Quando chegamos em Puerto Baquerizo Moreno, o marido dela já estava nos esperando e enquanto nos acompanhava a caminho do hotel ele nos deu várias dicas. Recomendadíssimo! O que fizemos Basicamente praias e contato com a natureza! Tínhamos somente 2 dias para aproveitar a ilha então resolvemos gastar todo o tempo na praia, curtindo o tempo que faltava antes de voltar pra casa. PUERTO BAQUERIZO MORENO Pôr do sol em Puerto Baquerizo Moreno. Não preciso acrescentar nada... Capital de Galápagos e ponto de partida para todas as praias da redondeza. Diferente de Puerto Ayora, as praias aqui estava um pouco mais perto do centro. Fomos andando para todas elas sem nenhum problema. Aproveite o final da tarde para ver os leões marinhos que se encontram aos montes e para comer em um dos restaurantes espalhados pela rua principal da cidade. PLAYA MANN A Playa Mann é a mais próxima do centro de Puerto Baquerizo Moreno e uma das mais populares para ver o pôr do sol em San Cristóbal. No final da tarde, centenas de pessoas se reúnem nas areias da praia para ver o espetáculo e alguns se arriscam a tomar um banho de mar. A praia também é frequentada pelos leões marinhos. Se você estiver procurando um lugar para almoçar ou tomar um suco de fruta, é na Playa Mann que você vai encontrar vários restaurantes. São restaurantes simples, mas que servem uma comida deliciosa e com preço em conta. Recomendo. PLAYA PUNTA CAROLA Um pouco mais ao norte da Playa Mann, se encontra a Playa Punta Carola. A praia não é tão boa para banho pois é repleta de rochas. Entretanto, a água é cristalina e você vai ter a companhia constante de leões marinhos que usa a areia da praia para descansar. Ela também é mais intocada que a sua vizinha Playa Mann, com mais árvores e locais de descanso. É de lá que parte a trilha para o mirador Cerro Tijeretas, parada obrigatória em San Cristóbal. MIRADOR CERRO TIJERETAS E MUELLE TIJERETAS Uma pequena trilha vai te levar para o mirador Cerro Tijeretas. O mirador proporciona vistas incríveis de San Cristóbal, principalmente de Muelle Tijeretas, um pequeno pier onde a galera aproveita pra mergulhar e observar a vida marinha da ilha. Na mesma trilha, se encontra a famosa estátua de Charles Darwin. PLAYA LA LOBERIA Lobos marinhos descansando na beira da praia - La Loberia. Foi o dia mais tranquilo da nossa visita à San Cristóbal. Não tínhamos hora pra ir e nem para voltar. O plano era ir bem cedo para Playa La Loberia, voltar mais ou menos de tarde e ver o por do sol na Playa Mann (pela segunda vez). Fomos andando do hostel até a praia. Foi uma caminhada longa, mas nada impossível. Lá, tivemos nossa mais intensa experiencia com leões marinhos da viagem. Eles estavam por todos os lados. Não é a toa que a praia se chama La Loberia. Eles mandam por lá. Não se importavam com ninguém e em alguns momentos, até chegavam a avançar nas pessoas que entravam na água. Um momento muito especial foi quando vimos um casal de leões marinhos brincando dentro da água e correndo um do outro. Nadavam muito rápido, saltando como golfinhos para fora da água. Valeu muito a pena visitar essa praia! Conclusão sobre Galápagos Galápagos foi um lugar que me expôs a vários tipos de emoções e experiencias. Galápagos é um paraíso, repleto de vida e energia, que vai te fazer pensar sobre como estamos cuidando da nossa natureza. Um lugar onde a vida selvagem consegue viver em quase-harmonia com os homens. Um lugar inesquecível. Quer ler mais sobre as nossas viagens? É só acessar o nosso site: www.feriascontadas.com
  7. Fiz uma viagem muito especial pela Paraíba, conhecendo João Pessoa, as praias do sul do Estado, Cabedelo, Areia, Campina Grande, Barra de Mamanguape, Cabaceiras e o Lajedo de Pai Mateus. De tudo que eu gostaria, só não consegui ir para Baía da Traição porque precisei voltar para casa antes do tempo. Comecei por João Pessoa, onde me hospedei na casa de uma amiga que fiz numa viagem pelo Uruguai. João Pessoa é a terceira capital mais antiga do país e lá o sol nasce antes das cinco da manhã. Eu cheguei até lá de ônibus partindo de Recife e em duas horas de estrada fui de uma capital à outra. Paguei R$ 44,50 na passagem pela empresa TOTAL, mas também existe a Viação Progresso que faz esse trecho e as duas são boas companhias. Logo na chegada fui para o Hotel Globo, que era super badalado entre 1930 e 1950 e hoje podemos visitar, foi lá que presenciei a despedida do sol atrás do Rio Sanhauá, foi muito lindo de assistir. No centro, além do Hotel, fica a Igreja de São Frei Pedro Gonçalves, a Praça Anthenor Navarro com casinhas coloridas e super charmosa e com 15 minutos de caminhada fica o Centro Cultura São Francisco, que possui visita guiada. São 05 praias principais em João Pessoa: Praia do Seixas, Cabo Branco, Tambaú, Manaíra e Bessa (apelidada de Caribessa). é entre Tambaú e Cabo Branco que fica o maior agito, tanto durante o dia como a noite. É por ali que fica a placa EU AMO JAMPA e tem a maior parte dos hoteis da cidade. A praia de Manaíra é bem sossegada. A Praia do Seixas tem uma mística de ser a ponta mais oriental do nosso continente, é pequena mas lota de excursões que saem para as piscinas naturais do seixas, que aliás recomendo demais fazer. Deixei mais alguns detalhes e lista de lugares para comer em João Pessoa no https://alemdacurva.com/o-que-fazer-em-joao-pessoa-na-paraiba/ Cabedelo Uma cidade que se confunde com João Pessoa, de tão perto que é. Meu Uber até o final da cidade deu R$ 25,00, mas existe um ônibus da empresa Reunidas em João Pessoa chamado Cabedelo Direto 5101 que sai da Av. Epitácio Pessoa e vai para a cidade do pôr do sol mais famoso. Cheguei e fui direto para a Fortaleza de Santa Catarina. Paguei R$ 2,00 para entrar e uma guia contou tudo sobre o local para mim. Lá dentro avistamos a Igrejinha de Santa Catarina Alexandria, prisões, Casa Pólvora, Casa do Capitão, Alojamento dos Soldados e Oficiais, túneis, um poço e um paiol. Além de avistarmos o fim do Rio Paraíba. Você pode conhecer em Cabedelo também as Ruínas do Almagre, que é tombada pelo IPHAN. E a cidade possui inúmeras praias, que eu acabei não aproveitando, mas vocês podem: Intermares, Camboinhas (de onde saem os barcos para a Areia Vermelha, um passeio recomendadíssimo), Areia Dourada, Dique de Cabedelo (onde há o encontro do mar com o Rio Paraíba chamado de Pororoca da Paraíba), Miramar, Ponta de Mato, Formosa, Praia do Poço e Ponta de Campina. UFA! rs Mas a minha intenção mesmo ao ir para Cabedelo era conhecer o famoso pôr do sol no Jacaré, que muitos dizem ser o mais bonito da Paraíba. A Praia do Jacaré na verdade é o Rio Paraíba e de lá saem embarcações para curtir o pôr do sol ao som do Bolero de Ravel, apresentado por Jurandy do Sax. Minha opinião: fiquei sentada na "orla" do Jacaré e tive exatamente a mesma vista do pessoal que entrou no barco e consegui ouvir perfeitamente o som do Jurandy. Eles param a pouca distância da gente, não entendi o bafafá em cima desse passeio. Eu mostro as fotos aqui no https://alemdacurva.com/por-do-sol-em-cabedelo/ Praias do litoral sul da Paraíba São as praias super famosas, que a maioria que vai pra lá acaba conhecendo. O ideal é fazer de carro, mas eu não dirijo e minha amiga não poderia me acompanhar nesse dia. Consegui fechar um taxista com mais 03 meninas que também iriam fazer esse lado da Paraíba. Outra opção é fazer passeios com excursões. As empresas geralmente oferecem passeios divididos entre as praias, sendo parte em um dia e parte em outro dia. Tem também passeio de buggy, que dai fazem as praias que você quiser em um só dia. As praias que conheci foram: Barra de Gramame (ainda faz parte de JP e tem pouca estrutura, o que eu adorei), Praia de Tabatinga (na cidade do Conde e tem característica mais rústica com falésias e um mirante bem bonito), Praia Bela (com uma estrutura maior), Praia de Tambaba - praia de nudismo (a que eu mais gostei, mas fica lotadinha na parte em que banhistas com roupa podem acessar), Praia do Coqueirinho (a mais famosa da região, super lotada e com a maior infraestrutura de todas, inclusive deixei um rim como pagamento no almoço) e Praia do Amor (visitei bem rapidamente, ela possui uma pedra onde os supersticiosos passam por baixo para ter sorte no amor). As fotos de todas elas estão aqui https://alemdacurva.com/praias-do-litoral-sul-da-paraiba/ Barra de Mamanguape Aqui já começou as surpresas da Paraíba para mim, minha amiga pegou um final de semana e me levou para esse paraíso, que na minha opinião possui o melhor pôr do sol da Paraíba, desculpem os amantes da Praia do Jacaré rs. Barra de Mamanguape fica em Rio Tinto e pra lá fomos de carro mesmo. Pegamos a BR 101, entramos pela cidade de Mamanguape (que não tem nada a ver com a Barra de Mamanguape) para ir à Rio Tinto, de onde se pega a estrada para Barra. Outro caminho é pegar um acesso que tem na BR 101 que segue por meio de canaviais a estrada inteira até chegar em Barra. Mas tomem cuidado porque por ali vez ou outra ocorre assaltos. Foram 02 horas de estrada de João Pessoa até Barra de Mamanguape. Dá para chegar de ônibus, mas não é tarefa fácil. Você precisa pegar um ônibus em JP até Rio Tinto bem cedo, pois você precisa chegar até umas 10h30 no máximo na cidade. O ônibus que sai de Rio Tinto pra Barra de Mamanguape parte as 11hrs de segunda a sexta. De sábado ele sai até mais cedo, as 10hrs. E pra voltar de Barra o ônibus passa de segunda a sábado às 05h30 com destino à Rio Tinto. Disseram que em Barra de Mamanguape existem moto-táxis mas eu não vi nenhum. Nos hospedamos no Sua Casa na Barra, uma casa que acomoda 04 pessoas do Nilton, que nos atendeu super bem. Pagamos R$ 160,00 no final de semana. Ele possui camping também para quem quiser e mais uma casa para alugar. Barra de Mamanguape é Área de Preservação Ambiental e já foi lar de peixes-boi, animal em extinção. Fizemos passeio de barco pelo Rio Mamanguape que foi tão incrível. Pagamos R$ 30,00 por pessoa. Passamos pelos mangues, antigo cativeiro do peixe boi, recifes (onde podemos avistar tartarugas) e banco de areia, com parada para almoço na Aldeia do Tramataia. A comida era uma delícia, bem farta e pagamos R$ 17,00 com a bebida inclusa. Existem outros passeios para fazer como trilhas que vão de 4,5 a 12 km, além de passeio de buggy, caiaques, pedaladas na praia e até luau. Lá em Barra de Mamanguape há o encontro do rio com o mar, também. Eu amei ficar ali, praticamente sozinha. O lugar é muito rústico, sem estrutura nenhuma e uma natureza forte ao redor. Lindo! Aqui tem fotos https://alemdacurva.com/barra-de-mamanguape-pb/ Inclusive, o pôr do sol por lá foi de cair o queixo, fiquei impressionada com tanta beleza. O sol se põe atrás do encontro das águas. Um espetáculo a parte. Areia Descobri essa cidade por conta da minha amiga que mencionou super sem querer. Lá fui eu pesquisar e me apaixonei. A cidade é muito fofa! Ela fica no brejo paraibano na Serra da Borborema e no inverno faz muuuito frio. Inclusive sedia o festival Caminhos do Frio, que passa por mais 8 cidades também. Eu fui de João Pessoa para Areia de ônibus, que demorou um cadim porque passa por várias outras cidades e custou R$ 31,50. Mas foi ótimo curtir a paisagem que ia mudando conforma saíamos do litoral. Cheguei na hora do almoço e encontrei o Restaurante e Cachaçaria Barretão super bem arrumadinho e bonitinho, com um self service gostoso por R$ 13,00. Lá em Areia faz-se muitas visitas aos engenhos, a mais famosa é a do Engenho Triunfo, que produz uma das cachaças mais vendidas do Estado. O Açúcar por lá também é forte e dá para visitar alguns engenhos, além de conhecer o Museu da Rapadura (ou do Brejo Paraibano). Não deixem de passear pelo centrinho, é uma coisa fofa demais aquelas casas coloridas e muito bem preservadas. As fotos vocês podem ver no https://alemdacurva.com/o-que-fazer-em-areia-na-paraiba/ O primeiro teatro da Paraíba encontra-se em Areia, é o Teatro Minerva. Não é luxuoso como a maioria que encontramos Brasil afora mas tem história. E se história é algo que você gosta, visite também a Casa de Pedro Américo, pintor d'O Grito do Ipiranga, que com certeza você já viu nas aulas de história. Areia também é lar da Comunidade Quilombola Senhor do Bonfim, que conta com uma história mega forte. Vale a pena demais passear por lá. De Areia eu ainda fui para Campina Grande de ônibus, para dar um abraço em uma amiga. Então por lá não conheci quase nada além do Açude Velho e do Museu de Arte Popular da Paraíba que é uma obra de Oscar Niemeyer e foi uma surpresa gratificante encontrá-lo, já que eu nem sabia o que tinha por lá. Cabaceiras Essa foi a cidade mais especial de toda a viagem. Cabaceiras é uma cidade do cariri paraibano de 5 mil habitantes e é uma das que menos chove no Brasil. Já deixa eu avisar: tomem MUITA água. Não é brincadeira o quanto nós precisamos nos hidratar em um local seco como lá. Eu passei mal quando voltei e por isso que precisei retornar antes para casa. Minha intenção era a de dormir por lá, eu gosto de aproveitar calmamente os locais, mas achei complicado na época ir sozinha. Quando cheguei perguntei como fazia e me disseram, então relato aqui: de João Pessoa vá até Campina Grande e de CG sai um ônibus para Cabaceiras, só não sei os horários nem preços. Eu acabei contratando uma agência porque não achei que sairia perdendo. Estava incluso transporte, guia em Cabaceiras e no Lajedo, além de um café da tarde. Apenas o almoço paguei a parte. Em Cabaceiras tem moto-táxi. Existem hospedagens por lá em pousadas, hoteis e campings. Uma das coisas que eu mais estava ansiosa para conhecer em Cabaceiras é a placa "Rolíude Nordestina" escrita desse jeitinho mesmo rs. Cabaceiras é considerada assim porque inúmeros filmes e seriados foram gravados ali, inclusive o meu brasileiro preferido "O Auto da Compadecida". Acho de uma originalidade incrível essa placa. Tem também o Museu Histórico-Cultural dos Cariris Paraibano que conta a historia dos moradores dessa região. São dois prédios, um era uma antiga cadeia pública onde um famoso cangaceiro ateou fogo para libertar uns presos e o outro era a residência oficial dos prefeitos. Depois fomos do Bar Zé de Cila, uma figura e patrimônio público na minha opinião rs. Ao ver os turistas chegando ele corre para colocar uma batina de padre e posar para fotografias. Ele foi dublê do Padre João no Auto da Compadecida e se orgulha muito disso. Um ponto que achei um pouco fraco foi o Museu Cinematográfico que conta basicamente com fotografias e retratos de jornais. Lá em Cabaceiras a gente não encontra uma alma andando na rua, mas na época da Festa do Bode Rei a cidade lota. Ela acontece de maio a junho e enaltece a caprinocultura. Por fim o ponto mais esperado pela minha pessoa nesse tour: A Igreja Matriz Nossa Senhora da Conceição, a do filme O Auto da Compadecida. Como nossa visita era guiada, foi muito mais divertido porque a guia ia relembrando as cenas e falando frases icônicas do filme... Não sei só sei que foi assim. Demos muitas risadas. As fotos todas de Cabaceiras estão aqui https://alemdacurva.com/o-que-fazer-em-cabaceiras/ Lajedo de Pai Mateus Passando para o momento mais inesquecível desse dia em Cabaceiras, fomos em direção ao Lajedo de Pai Mateus. Aqui eu chorei tanto, foi um lugar que senti uma energia reverberando por todo o meu corpo muito forte. O Lajedo fica aproximadamente 15 km do centro de Cabaceiras dentro de um Hotel Fazenda. Para chegar no lajedo terá que passar pelo hotel e eles cobram uma taxa de todos (hóspedes e não-hóspedes) para entrar lá. Foi lá que almoçamos e tomamos o café da tarde. Se estiver sem carro pode pedir para um moto-táxi te deixar lá. Mas o Lajedo não fica muito perto do Hotel e os guias acompanham os turistas nos carros dos turistas. Essa é a parte complicada de visitar sem carro. Mas você pode procurar alguma alma bondosa que te enfie no carro para ir junto. Antes de chegarmos no Lajedo, passamos pela Saca de Lã, que num resfriamento da terra se fraturou. Tem quem ache que foi algo natural mesmo e quem acredite que foi obra de ET. Ela fica em cima do Rio Boa Vista ou Rio Direito que desde fev/02 estava seco, vindo a encher apenas em abr/18. Já subindo para o Lajedo, era indescritível o que os meus olhos viam. Como aquelas pedras estavam paradas e não rolavam? É muito doido, os apoios de muitas pedras são irregulares e eu não entendo como estão de pé. Se quiser ver fotos desse passeio veja no https://alemdacurva.com/lajedo-de-pai-mateus/ O guia vai contando toda a história que ronda o local sobre o eremita curandeiro Mateus e os índios cariris. Um dos momentos mais lindos foi ver o pôr do sol no Lajedo de Pai Mateus. O guia pediu para que ficássemos em silêncio nesse momento e todo mundo obedeceu, inclusive as crianças. Não ouvia nenhum barulho. De um lado o sol se despedindo e do outro a lua toda lindona dando oi, tudo em 360 graus de visibilidade. Comecei e terminei esse post emocionada.
  8. Queridos! Montar um roteiro pra Europa é muito simples. MAS TER CERTEZA DE ESCOLHAS NO SUDESTE ASIÁTICO É UMA AVENTURA!!! Segue a ideia do meu roteiro, e gostaria MUITO de compartilhamento de experiências e dicas/apontamentos de onde acertei ou errei. QUE MEDO DE ERRAR NO ROTEIRO!!!!! 21 dias, partindo em 22/11/2019, fazer uma segunda lua de mel eu e minha esposa: - Saída de Guarulhos direto para DUBAI; - Estadia de 2 dias em DUBAI - Ida para Bangkok - Estadia de 3 dias em BANGKOK - Ida de trem para Ayutthaia - Estadia de 2 dias em AYUTTHAIA - Ida de trem para Chiang Mai - Estadia de 2 dias em CHIANG MAI - Ida de avião para Krabi - Estadia de 4 dias em Ilhas de KRABI e arredores - Ida de trem ou barco para Phuket - Estadia de 2 dias em Ilhas de PHUKET e arredores - Estadia de 1 dia em SIMILIAN ISLANDS - Ida de avião para Siem Reap - Estadia de 3 dias em SIEM RIAP com visitas em ANGKOR - Ida de avião para Laem Prabang - Estadia de 2 dias em LAEM PRABANG - Ida de avião de volta para Bangkok, no dia de vôo de volta para o Brasil
  9. Boa noite, Estou planejando uma viagem de 30 dias para Tailândia, Filipinas e Indonésia. Porem estou sem roteiro algum. Alguém por gentileza que ja fez a mesma viagem poderia me ajudar com um roteiro??. Provavelmente irei viajar sozinha. Isso seria arriscado nesses países? Obrigada desde já.
  10. Completados!!! 1600km andando pelas praias, conheci todas as praias do norte do Espírito Santo, todas as praias da Bahia, de Sergipe, Alagoas, Pernambuco, Paraíba e Rio Grande do Norte! Sai dia 26 de outubro de 2017 e cheguei dia 17 de março de 2019. Várias magias e creio que uma das maiores foi ter parado quase 1 ano. Pq? Conheci uma comunidade no norte da Bahia. Um ecohostel @vilaflorecohostel que funciona diferente de tudo que já vivi e já ouvi falar. Lá a busca é sempre pela sustentabilidade. Me encontrei, sim, um belo encontro, porque sai bem sem rumo, tentando "fugir" desse sistema que o mundo nos condenou a viver. Me encontrei porque lá além de viver a base da troca(fiquei de junho a dezembro sem ganhar e sem gastar um mísero real). Tive a liberdade de viver da natureza, explorando bioconstrucoes como a construção de um bangalô e uma oca, até conhecer mais sobre botânica e aproveitar nossas comidas orgânicas para fazer nascer mais bebês plantinhas. Conheci o veganismo e principalmente a cozinha vegana. Descobri que podemos fazer nossos próprios produtos de limpeza e higiene. A importância da reutilização do plástico (fazemos tijolos de garrafa pet). Resumindo conheci um cantinho que chamo de um pedacinho do paraíso, com rios, dunas, mar...dentro da natureza. E sim, a natureza cura tudo! Cheguei a programar esse ano, pós carnaval, minha ida até São Luís(MA), pulei meu carnaval com amigos de infância em Olinda e parti na terça. Conheci o norte de PE todo! As maravilhosas falésias do sul de Paraíba, praias magníficas e vou abrir uma aspas super importante: " o estado mais consciente em relação a lixo na praia, fiquei super feliz, de 1 em 1km tinha uma lata e uma placa falando do lixo! Parabéns Paraíba, serve de exemplo para todo Nordeste". Cheguei no Rio Grande do Norte em 2 semanas apenas. Andando um pouco mais de 30km por dia. Diminui o peso do mochilao, de 23kg fui pra 13kg. Como? Tirei a barraca, além de outras tralhas que achava necessário e percebi que não são. Dormindo sempre na rede, armando sempre nessas barracas de pescadores (rancho) e até dentro de casas que servem só para alta temporada. Chegava na varanda e por lá ficava, fiz isso porque esse período de outono chove muito por aqui. Alimentação resumida em grãos e coco. Difícil de achar lentilha ou ervilha. Então foi quase sempre feijão. Deixando na água dentro de uma garrafa pela manhã e almoçando já a tarde. Vários dias passando pelas praias desertas, com a vegetação rasteira de sertão a minha esquerda, sol queimando e de forma diferente. O sol nascia ao leste e caia ao oeste. E depois que comecei a pegar sentido oeste do Brasil o sol começou a nascer ao sul e se por ao Norte. Isso em relação a quem tá andando rumo ao norte da praia. E também o vento modificou, ele vinha sempre do norte e quando cheguei no RN, começou a vir do sul. Energias diferentes, demora pra adaptar. Um outro detalhe que não me fez bem, foi o fato que amo andar na natureza e só na natureza, sem cidade grande e sem pistas que o homem passou por ali. E depois da Paraíba foi impossível. Além de bugs correndo o tempo todo na beira da praia, centenas de kms com hélices de 100m de altura rodando na beira da praia de energia eólica. Sou super a favor desse tipo de energia, porem me deu a sensação que estava sendo vigiado e que não estava 100 por cento na natureza, então segui andando e tentando entender. Porém cheguei em um ponto espiritual e de cansaço mental que sempre falei pra todo mundo que me pergunta porque fazia andando. " Tem que gostar muito de andar!" E o prazer estava sendo menor que o cansaço. Acredito muito em destino e me surgiu uma lus me dizendo que o caminho por enquanto não era esse. Resolvi parar antes do meu combinado anterior. Temos que aceitar o tempo, respeitar e trabalhar nossa intuição pra conseguirmos enxergar isso. E pra mim, isso fica mais fácil e claro quando se vive na natureza. Hoje estou em Fortaleza, e sigo para minha cidade natal, Belo Horizonte (MG) para depois voltar para Vila onde chamo hoje de paraíso. Quiserem saber mais @toandando
  11. Saudações gente de espirito livre! Eu sou Ewerton Araújo Carvalho Natural de MG (Uai Sô) rs, já viajei dentro do meu estado, morei e viajei dentro de estados também, porem foram só viagens curtas de fim de semana ou férias. Mas agora separei um tempo pra uma jornada de auto conhecimento e superações. Seguinte galera, estou a sair em meu primeiro mochilão de verdade dentro do país, em busca de conhecimento, auto conhecimento e experiências. Saio de MG agora no final deste mês, vai ser algo bem roots mesmo, pois tempos difíceis e grana curta ta presente em toda parte. Sou pessoa de hábitos simples e humilde, somente com a vontade de ir onde a natureza me chama e o coração pede. O Trabalho dignifica o homem e Gratidão preenche e acalma a alma. Tenho o essencial pra camping e trekking, e resolvi começar a viagem pelo Sul do brasil em SC, Chego em Floripa dia 27, e quero conhecer alguém ou uma galera que possa me orientar e apresentar os picos, praias, trekkings e cachoeiras, não tenho previsão de conseguir hostels, pois até o momento não consegui nenhum anfitrião pelo worldpackers, então busco um camping seguro e de uma Vibe Up ou algo bem próximo que caiba no bolso no momento, dependendo das condições posso fazer uns freelas na minha área para alcançar o próximo destino, ou permanecer por mais tempo, vai ser o que o coração pedir. Venho até vocês que já tem um cadinho ou muito mais de experiência, pedir um auxilio. Desde já agradeço a atenção e colaboração de todos. Jah Bless 🍃
  12. Ola rapaziada, Entre os dias 26 e 30 de dezembro de 2018 eu e mais 5 amigos fizemos uma travessia de Santos a Ubatuba em caiaque (surfski) e canoa havaiana. Ao todo fomos em 2 surfski individuais 2 canoas V1 e uma canoa OC2 e como prezamos pelo desempenho dos caiaques e canoas precisamos de um apoio em terra por quase todo o caminho. O apoio em terra foi feito por 2 carros (5 grandes parceiras e 1 linda criança), que foi fundamental para o sucesso em nossa viagem, pois não tínhamos espaço para levarmos nada além da comida e da água do dia (1l de água para cada 10km). Colocarei aqui um rápido diário de bordo, o qual publiquei em meu instagram (@leo_roke). Além de minha conta pessoal, também existe um perfil da nossa equipe de travessia chamada Anamauê Va'a (@anamauevaa). Vale ressaltar que esse relato é referente a segunda travessia feita, a primeira ocorreu na virada de 2017 para 2018 com uma canoa V6 e o percurso realizado foi de Niterói a Santos. Nesta segunda edição percorremos cerca de 200km durante 5 dias. Remamos por volta de 5 horas/ dia e repetimos o esquema feito na primeira edição - 45min remando por 15min de descanso, este podendo ser em alguma praia ou em alto mar mesmo. Para mim a viagem começou por setembro 1mes depois de voltar a viver em Santos. Já tinha uma enorme vontade de fazer essa travessia e comecei a conversar com pessoas que já fizeram alguma ou conheciam nosso litoral. Uma dessas pessoas foi o Zé (da @canoacaicara) que uns 15 dias depois falou "e ai...bora mesmo? Um amigo (@lucasmiom) de Ubatuba comprou uma OC2 e eu sugeri levarmos remando!" Ja éramos 3. Aos poucos somaram a nós @caue.serra, @nilsonfreepaddle e nos 45min @adonisespejo No início contávamos com o apoio em terra de @jessienakayama e @erika_kocssise depois somaram a elas @[email protected] e @gr4cinha que facilitaram demais nossa trip. Eu não sei o que motivou cada um da expedição. Se auto conhecimento, aprendizado do esporte, necessidade de estar só, curtição ou sumir por 5 dias. Mas isso juntou 6 amigos para viver uma experiência única que elevou o nível das nossas viagens, do nosso conhecimento pelo esporte e vários outros pontos. *Dia01 - Santos >>> Bertioga Apesar deste trajeto já ser bem conhecido por todos nós o fato dele ser o primeiro dia de uma longa jornada gerou uma certa ansiedade. Não sabíamos o que íamos enfrentar e a previsão não estava muito animadora. Era previsto um vento leste, de moderado a forte, que em grande parte do percurso seria contra. Porém o vento não entrou tão forte e ainda encontramos algumas ondulações que nos ajudaram bem, rolando até um surf. A primeira e a terceira parada fizemos em água, a segunda na praia do Éden no Guarujá e bem perto do nosso destino paramos em Camburizinho para aproveitar a tranquilidade de uma praia deserta em meio às festas de fim de ano. Expectativa 38,8km, vento leste (contra) de moderado a forte, sol forte Realidade 39,8km, vento leste fraco, ondulação a favor e sol entre nuvens. Agradecimentos a @sofis_surfree(mulherada da um confere no @maredoce_), ao corpo de bombeiros de Bertioga e ao Everdan Riesco, capitão da Brucutus. **Dia02 - Bertioga >>> Bora Bora Uma das pernas que mais me surpreendeu, talvez por eu não esperar muito da região. As praias de Bertioga, Riviera e Boracéia são extensas, com uma faixa de areia larga e de cor escura. Particularmente eu prefiro o contrário, quando tempos costões de pedra e praias curtas, o fato da paisagem mudar toda hora anima a remada! De fato, estava um pouco fora do que vimos e esperávamos ver, mas não foi bem assim. A vista dessas praias do alto mar é linda, o paredão da Serra do Mar impressiona. A remada foi muito calma, sem vento nem onda, porém o sol e o fato de não conseguirmos parar em terra em nenhum momento pesou um pouco. Desembarcamos no cantão de Boracéia, Bora Bora, e fomos muito bem recebidos no Surf Park do amigo e remador @netocantao, Dona Dirce e Joyce. Expectativa 35,1km uma parada em terra em Itaguaré, vento e ondas fracas, sol forte Realidade 41,8km, nenhuma parada em terra, sem vento nem onda e sol queimando a moleira. ***Dia03 - Bora Bora >>> Barequecaba Agora a brincadeira começou a ficar legal!!!! O Guarujá é lindo mas é nossa casa, nosso dia a dia de treino, e a perna de Bertioga a Bora Bora como comentei no Dia02 foi um pouco monótona, de Bora Bora em diante que os paraísos começaram a aparecer. Uma perna bem esperada por todos, dia lindo de céu limpo e água clara (vejam em um dos mini vídeos - sem filtro nem edição), sol forte e paisagens lindas. Ver de longe as praias que sempre frequentei desde adolescente tornou o dia mais especial, sem contar a parada das "ilhas", que recebem este nome peculiar, e de Pauba, onde aproveitamos a residência do tio do Zé para descansarmos bem! No final do dia fomos muito bem recebidos pelo Toko em Barequecaba com um banquete de almoço em sua casa. Dia de remada tranquila com vento e ondas fracas. Expectativa: 40km, nem nos preocupamos em ver a previsão de ondas e vento Realidade: 45,6km, ondas e ventos fracos Agradecimentos: Toko, tio Zé e mais uma vez o apoio em terra que agilizou nossa hospedagem!!! ****Dia04 - Barequeçaba >>> Tabatinga "O dia da lestada" e mais 42,2km p soma Se tinha algo que queríamos muito evitar era um dia de vento leste forte, principalmente no trecho de Ilha Bela a Caraguatatuba, um canal bem exposto onde não teríamos como fugir nem um pouco do vento. E foi exatamente o que aconteceu! Saímos tarde de Barequeçaba, todos estávamos bem cansados e como seria um dia que não teríamos o apoio em terra foi consentimento de todos fazermos um dia sem pressa de nada. Logo que viramos a primeira ponta paramos em uma pedra que dava para saltar e ficamos um tempo nos divertindo por ali. Quando voltamos a remar pegamos um trecho de mar muito picado. Para mim que estava com um surfski bem instável foi bem chato, ainda mais que carregava um peso um pouco maior dos outros dias, estava bem difícil manter o barco alinhado! Cruzamos o canal da Ilha Bela em direção a Ilha das Cabras. Lugar lindo de água clara e cristalina onde fizemos uma pausa para mergulho rolou até foto com uma estátua do Neptuno no fundo do mar. Saindo da ilha das Cabras fizemos uma pausa para almoço na praia do Perequê com direito a PF e até uma cervejinha. Do Perequê fomos rumo a praia da Armação, que para mim foi o melhor trecho de toda viagem. O vento estava forte e a favor, o que chamamos de Downwind, e meu caiaque encaixou muito bem nas ondas, como eu não estava preocupado em fazer o melhor traçado, ou a melhor 'linha', fui uns 2km rumo ao meio do canal e depois aproveitei toda a ondulação surfando muito bem!!! Na praia da Armação contamos com o apoio do pessoal da @basealphailhabela, descansamos, tomamos uma ducha e seguimos para travessia do canal. Remamos praticamente 2h 30min com vento contra e forte de aproximadamente 14nós. Chegamos escurecendo na Ilha do Tamanduá logo em frente da praia de Tabatinga onde iríamos dormir. Em Tabatinga contamos com o apoio do pessoal da @ecopaddle para passar a noite. Pessoal muito gente boa!!! . *****Dia05 Tabatinga >>> Itaguá Se o Dia04 foi o dia mais completo em relação à remada o 05 foi em relação às belezas naturais e a satisfação! Começamos o dia bem cedo, por volta das 6h da manhã já estávamos com os barcos na areia e fomos muito bem recompensados por isso. Em menos de 30min de remada fomos surpreendidos por alguns golfinhos que passavam muito perto de nós, ALGUNS!!! Saímos de Tabatinga rumo a Ilha do Mar Virado. Lugar lindo de água cristalina, muito cristalina, ao ponto de vermos o fundo do mar de cima das canoas. E foi engraçado qdo percebemos isso! "Meeeeeu olha pra baixo!!!" Mas infelizmente como não existe nenhum local onde poderíamos desembarcar fizemos uma rápida pausa e seguimos para Ilha Anchieta. Aproveitamos a estrutura da ilha para descansarmos bem. Fizemos nosso "almoço", cochilamos e ainda visitamos o antigo presídio. Saímos da ilha rumo a praia do Cedro onde encontramos o pessoal do @ubatubahoe e finalizamos nossa travessia em companhia do pessoal de apoio! Chegamos na data prevista, dia 30 dez, descansamos 31 e fechamos e celebramos o fim de 2018 com chave de ouro. Expectativa: o melhor dia da travessia Realidade: 45,5km, dia limpo, céu claro, vento fraco. O melhor dia da travessia. É difícil mensurar, mas certamente uma das melhores viagens da minha vida! As vezes viajamos para longe p ver algo bonito, diferente, mas não damos conta de como nosso #quintaldecasa é lindo! Espero realmente no final deste ano estar de novo planejando mais uma travessia e fazer uma terceira edição do @anamauevaa No início de cada manhã, minutos antes de sairmos, um de nós fazia uma rápida consideração. A primeira foi do Zé que falou que sua maior intenção era sairmos da expedição mais amigos que entramos. E felizmente foi isso que aconteceu. A viagem e o planejamento foram perfeitos não tivemos uma 'conversa' mais séria, não tivemos que tomar nenhuma decisão, apenas curtimos e nos respeitamos a viagem inteira. Agradeço imensamente todos os responsáveis pelo sucesso da nossa travessia. Todos já citados pelas hospedagens, ao Celso Filetti pelo #surfski, ao @zemarcosjr pelos equipamentos e mais uma vez as meninas que fizeram nosso apoio em terra.
  13. Ola Pessoal, eu e uma amiga vamos fazer uma viagem de carro na espanha. Queremos sair de Pamplona e seguir pelo litoral, indo de San Sebastian ate Santiago de Compostela. O total de horas, se fossemos de uma vez, seria 11 horas, mas queremos aproveitar as cidades e queria ajuda com os dias em casa. Sabemos que algumas da pra se fazer em poucas horas mas outras merecem mais. Se puderem me ajudar ficaria muito grata. Pamplona San Sebastian Zarautz Guernica Biscaya Bilbau Santander Gijon Ribadacela (ou Oviedo/Ponferrada, Lugo, Santiago tambem eh considerado) Lugo Santiago de Compostela Desde ja agradeco
  14. Estou indo para João Pessoa no começo de setembro,de lá planejo ir para Praia deTambaba passar 2 dias acampado e depois voltar para JP e ir mochilar para algum outro lugar pelo nordeste ou mesmo para algum(ns) estado(s) descendo de lá..Não to trabalhando então vai ser bem low cost ou mesmo sem nada de grana...Quem quiser acompanhar ou dar dicas de onde ir...só chamar..qualquer coisa meu whats 11-9-7593-4619
  15. RODOVIA INTERPRAIAS – CONHEÇA A MINI “HIGHWAY 1” QUE INTERLIGA AS PRAIAS DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ Quem vem a Balneário Camboriú e está a fim de conhecer todas as praias da cidade, não pode deixar de conhecer a Rodovia Interpraias! Nesta rodovia panorâmica você terá a oportunidade de conhecer seis das dez praias da cidade, e o trajeto é cheio de curvas, subidas e descidas e segue beirando o mar boa parte do tempo. Eu diria que lembra até um pouquinho a famosa Highway One californiana – só que bem menor em extensão, claro! O trecho é composto de 14 quilômetros, que é o suficiente para que você se surpreenda com o visual incrível da região! As praias conectadas pela Rodovia Interpraias são pacatas, de areia grossa, águas cristalinas e ideais para quem quer passar um dia tranquilo banhado a sol na beira do mar. Aos finais de semana o movimento aumenta um pouco em um ambiente bastante familiar. Mas alerto desde já: pode esquecer aquela badalação e suntuosidade de construções como é na Praia Central de Balneário Camboriú! Aqui não tem nada disso… mas quer saber? Essa calmaria toda pode ser um atrativo à parte! Aqui é natureza, sol, água salgada e muita tranquilidade! ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- COMO CHEGAR? Se você está na região central de Balneário Camboriú, você pode fazer este trajeto em dois sentidos: Norte-Sul (de Balneário Camboriú à Itapema) ou Sul-Norte (de Itapema para Balneário Camboriú). Minha sugestão é fazer a rota vindo de Itapema em direção à Balneário Camboriú porque neste caso você dirigirá no lado direito da pista, na mão em que estão as praias e os mirantes. Direções de Carro: Se você estiver de carro e quiser seguir minha sugestão acima, saia de Balneário Camboriú pela BR 101 no sentido sul. Em cerca de 10 minutos, você terá atravessado o Morro do Boi e logo encontrará a saída 136, que é a primeira saída para Itapema e que dá acesso à entrada para a Rodovia Interpraias. Entrar é super fácil: basta seguir as placas indicativas que sinalizam o começo da via. Utilizando o Transporte Público Circular: A linha urbana de ônibus Expressul circula pela rodovia Interpraias a um precinho camarada de busão de circulação (R$ 1,90 na data de hoje). O ônibus tem poltronas estofadas, som ambiente e ar-condicionado. É “pinga-pinga”, claro, e o trajeto leva cerca de 1 hora. O número desta linha é o 106 e você pode ver os horários de saída aqui. MAS VAMOS LOGO AO QUE INTERESSA? Citarei abaixo as praias seguindo a ordem Sul-Norte – caso você for fazer o passeio pelo caminho inverso, basta inverter a ordem, claro! ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- PRAIA DO ESTALEIRINHO Nossa primeira parada é a Praia do Estaleirinho! Aqui você se deparará com uma praia pequena, cercada pela natureza, porém com um mar agitado e por vezes até um pouco barulhento. Apesar das águas limpas e cristalinas, a bandeira vermelha geralmente está hasteada pelos salva-vidas, aconselhando o mar perigoso para banho. A extensão da praia é relativamente pequena, portanto você conseguirá caminhar de ponta à ponta facilmente – e já aproveita para fazer uma esfoliação nos pés com a areia grossa! As belas casas e pousadas suntuosas chamam a atenção ao longo da praia, porém o chamativo aqui fica por conta do costão de pedras que rendem bons momentos de diversão e lindas fotos! A praia oferece ainda duas opções de restaurantes a beira mar, além de barraquinhas de lanches e água de coco. ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- RODOVIA INTERPRAIAS: PRAIA DO ESTALEIRO Apesar desta praia ser maior que anterior, as condições do mar e areia na Praia do Estaleiro são praticamente as mesmas da praia vizinha citada acima. O mar é bravo sim, mas caros surfistas: não se empolguem! Apesar de alguns se arriscarem, as ondas são agitadas demais e quebram quase na beira. Os barzinhos vem logo oferecendo cadeiras, mesinhas e guarda-sol para os clientes quando estes chegam na praia, ou seja, se a sua intenção é fazer uma boquinha a beira do mar, aqui é o lugar! ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- RODOVIA INTERPRAIAS: PRAIA DO PINHO E agora? Por que será que eu não tenho fotos dessa praia? Talvez seja porque enfim chegamos à Praia do Pinho, a primeira praia de naturismo oficial do país! Para os desbravadores, digamos, um pouquinho mais “sem-vergonha“, a boa notícia é que você pode sim conhecer a praia e a região sem desnudar-se! Existe uma pousada e uma área de camping onde a nudez é apenas “opcional”. Se você faz questão de conhecer todas as praias de Balneário Camboriú, sem fazer qualquer exceção, se jogue nesta área permitida! A praia possui uma boa estrutura de estacionamento, banheiros, restaurante, salva-vidas e para aqueles que estão em dúvida, há uma área de adaptação! Quem sabe você é um daqueles que veio à BC sem intenção de cair no mar e de repente bateu aquela vontade louca de uma água salgada, mas… – que coisa! – você se esqueceu de trazer a sua roupa de banho? Na Praia do Pinho os seus problemas acabaram! Vestimentas são completamente desnecessárias aqui – o que conta é o #minimalismo ao seu extremo! PS: Da Rodovia em si é impossível enxergar alguma coisa da praia! Acredite… eu já tentei! ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- RODOVIA INTERPRAIAS: PRAIA DE TAQUARAS Na chegada ao próximo destino, você logo perceberá que, diferente das praias anteriores, há inúmeras vagas de estacionamento ao longo da via para acesso à Praia de Taquaras. Vale mencionar também que nesta Avenida encontram-se várias opções de restaurantes, então fica a dica caso você esteja em algum horário de refeição – ou também vale a opção “pura gula”! Esta é sem dúvida a praia com a cor de água mais linda, com um belo azul celestial que pode até lembrar aos mais otimistas e entusiasmados um pouquinho do mar caribenho. O mar aqui é menos agitado, mas fica a dica de sempre prestar atenção à bandeira do posto salva-vidas antes de entrar no mar. Outra característica desta praia são a quantidade de conchas na areia – de todos os tamanhos e formas. ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- RODOVIA INTERPRAIAS: PRAIA DE TAQUARINHAS A primeira visão da Praia de Taquarinhas é tida através do mirante para carros no alto da Rodovia Interpraias. É uma praia bem pequena e pouco frequentada – inclusive não conta com a presença de salva-vidas. Ela é apenas acessível para pedestres por meio de uma escadaria de pedras que se inicia bem ao lado do mirante de carros. Enfim… descendo até a praia ou não, a mera observação lá de cima do mirante já lhe concederá um belo visual! ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- RODOVIA INTERPRAIAS: PRAIA DE LARANJEIRAS A última parada antes do retorno ao centro da cidade é a Praia de Laranjeiras; a mais conhecida e frequentada da Rodovia Interpraias. Apesar de também ser uma praia relativamente pequena, você notará que a estrutura ao redor dela é maior que as anteriores: os estacionamentos aqui são pagos e o acesso à praia é por meio de um calçadão repleto de lojinhas de lembranças, artigos de praia e artesanato. Um dos motivo que a Praia de Laranjeiras faz tanto sucesso entre os turistas (principalmente entre os gringos hermanos) deve-se às águas mais quentes e bem tranquilas, aos costões de pedras que permitem a exploração, às atividades aquáticas e também às diversas opções gastronômicas servidas à beira mar, inclusive atendendo aos turistas ali mesmo na areia. Outro fato que contribui para maior assiduidade é que Laranjeiras é um ponto de parada do bondinho/teleférico do Unipraias e também do turístico Barco Pirata. ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- RODOVIA INTERPRAIAS: MIRANTE No caminho de volta, após conhecer seis praias pela Rodovia Interpraias, você ainda irá se deparar com um mirante com estacionamento para carros que lhe concederá uma visão toda especial de Balneário Camboriú. ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- CONCLUINDO… Por último, antes de retornar à BR 101 para voltar ao Centro de Balneário Camboriú (deste ponto o trajeto que deve levar cerca de 5 minutos até você chegar de novo na cidade), você passará pelo histórico Bairro da Barra. Ali você poderá visitar a histórica Igreja Nossa Senhora do Bom Sucesso (hoje chamada de Capela Santo Amaro) – a única edificação de arquitetura colonial remanescente em Balneário Camboriú construída no início do século 19 ou então cruzar da Barra até a Barra Sul pela Passarela (mas não se anime que só passa pedestres por ela… #aff!). ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- MATÉRIA EXTRAÍDA DO POST https://www.vivajando.com/2017/09/14/rodovia-interpraias/ QUER MAIS DICAS DE PASSEIOS POR BALNEÁRIO CAMBORIÚ? VISITE O MEU BLOG www.vivajando.com E TIRE TODAS AS SUAS DÚVIDAS!
×
×
  • Criar Novo...