Dicas: O que fazer no Rio de Janeiro

Guias e troca de informações sobre destinos do estado do Rio de Janeiro


Dicas: O que fazer no Rio de Janeiro

Mensagem não lidapor haole » 18 Mar 2009, 00:56


Informações sobre o tópico

Participe!
Deixe aqui aquela dica de passeio que você adorou, do boteco bacana que conheceu, daquele restaurante bom e barato ou daquele outro que serve um prato especial que você adorou. Vale também a dica daquela noitada,aquela praia e/ou uma trilha inesquecível que você foi na cidade do Rio de Janeiro.

Regras do Tópico
Neste tópico não serão aceitas perguntas, apenas dicas sobre a Cidade do Rio de Janeiro. Perguntas devem ser postadas nos Tópicos de Perguntas e Respostas. Todas as perguntas postadas aqui serão deletadas pelo editor deste fórum.
haole: Editor
Avatar do usuário
haole
Editor Mochileiros.com
Editor Mochileiros.com
 
Mensagens: 1584
Desde: 07 Out 2007, 01:06
Localização: terra da meleca-SG-RJ

Re: Dicas: O que fazer no Rio de Janeiro

Mensagem não lidapor Gimarqueze » 18 Mar 2009, 02:29

Va a Sta Teresa. Passeie de bondinho e definitivamente almoçe por la!! La esta cercado de restaurantes antigos, pequenas portinhas na calçada que servem de galinha ao molho pardo a feijoada. No happy hour va ao Armazem Sao Tiago, ainda em Sta Teresa, mais conhecido como Bar do Gomez. O lugar é super pitoresco, é um verdadeiro boteco antigo, com maquinas registradoras antigas, qdros do Rio no passado e uma cristaleira lindissima. Peça a porçao de bacalhau no azeite com uma cervejinha!!

Nao deixe de curtir um booom samba no carioca da gema (av Mem sá, 79) e va ao arpoador e se perca naquela imensidao azul de ceu e mar!
Voyage... et jamais ne revient...
Avatar do usuário
Gimarqueze
 
Mensagens: 13
Desde: 18 Fev 2009, 22:01
Localização: Londrina/Sao Paulo

Re: Dicas: O que fazer no Rio de Janeiro

Mensagem não lidapor Junior Faria » 18 Mar 2009, 03:45

Continuando com Santa Teresa. Pegue o bondinho, que se situa na Estação dos bondes, ao lado do Aqueduto da Carioca, na Rua Lélio Gama (próximo à sede da Petrobrás). A passagem custa R$ 0,60. Vá até o destino final para apreciar toda a paisagem, depois volte pare no Largo dos Guimarães, e dê um tempo nos simpáticos botecos. Depois desça a pé, deve dar uns 5 minutos de caminhada, até a estação Curvelo, e aprecie a vista.
Depois pegue novamente o bonde na estação curvelo e siga a viagem até a última parada, ou seja, novamente, a estação dos bondes.

Quanto a Lapa, beba nos Armazens, onde a bebida é muito mais barata. Eles se situam um pouco antes da Pizzaria Guanabara.

Depois recomendo Lapa 40° ou Rio Scenarium.

Vá na prainha tb, só não deixe nenhum vestígio de sua passagem, que não seja suas pegadas, naquele paraíso.

Bares:

Os mais famosinhos - Devassa, Botequim informal, Espelunca, Conversa fiada, Bar da praia....

Para mim, o Arco Iris, Boteco da Garrafa ou Mofo na Lapa está de bom tamanho... :D

Boates: Baronneti, Melt, Penélope, Hideaway, Nuth, Katmandu, Nusa dua....

A última dica, se quiver escutar funk mesmo, vá sexta ou sábado no Castelo das pedras. Mas compre a parte lá dentro a pulseira do camarote. Custa 10 reais, acho. ::hahaha::
Editado pela última vez por Junior Faria em 29 Mar 2009, 15:51, em um total de 1 vez.
Avatar do usuário
Junior Faria
Editor Mochileiros.com
Editor Mochileiros.com
 
Mensagens: 1339
Desde: 02 Jun 2008, 13:27
Localização: Rio de Janeiro

Re: Dicas: O que fazer no Rio de Janeiro

Mensagem não lidapor samanthavasques » 18 Mar 2009, 18:38

Um lugar que eu adoro para lanchar é o Poli Sucos. Fica na Visconde de Pirajá esquina com Maria Quitéria (Ipanema). Tem sanduíches e sucos maravilhosos, e o clima é meio botequim, comendo no balcão. É limpo e conhecido por aqui, de vez em quando aparecem uns gringos por lá.
Imagem
Avatar do usuário
samanthavasques
Editor Mochileiros.com
Editor Mochileiros.com
 
Mensagens: 2067
Desde: 03 Ago 2007, 04:47
Localização: Rio de Janeiro

Re: Dicas: O que fazer no Rio de Janeiro

Mensagem não lidapor haole » 19 Mar 2009, 00:03

Prainha como disse o junior é uma boa, assim como a praia da joatinga!

Se curte trilhas, não deixe de fazer a pedra da gávea(maior grau de dificuldade), morro da urca, pico da tijuca e a do pico do caeté na prainha...

Se está com fome de leão, vá ao Galeria Gourmet na Barra da Tijuca(é do mesmo grupo da Porcão, sendo que mais barato)...

Na noite sem grana? Lapa é a solução...

O shopping downtow(Barra da Tijuca) é um Lugar bom pra passear sossegado e possui vários banquinhos pra namorar, é ainda um lugar pra comer bem(é um "shopping a céu aberto e lojas, restaurante e cinemas são divididos em blocos), aqui também está o galeria gourmet...

Mirante na AV Niemeyer é uma boa também...visual de Apoador, Ipanema e Leblon

Rola uma cachoeira muito tranquila no bairro Jardim botânico...cachoeira dos primatas
E não saia daqui sem fazer um vôo livre na rampa de saltos mais famosa da cidade(pedra bonita)...fica no mesmo lugar onde começa a trilha para a pedra bonita...
Abraço
haole: Editor
Avatar do usuário
haole
Editor Mochileiros.com
Editor Mochileiros.com
 
Mensagens: 1584
Desde: 07 Out 2007, 01:06
Localização: terra da meleca-SG-RJ

Re: Dicas: O que fazer no Rio de Janeiro

Mensagem não lidapor Wyllo » 20 Mar 2009, 20:42

Passeio...

Espaço Cultural da Marinha é de graça, visita ao helicóptero, ao submarino, ao museu e se quiser gastar 8 reais, voce vai fazer um passeio de escuna ida e volta até a ilha fiscal. Vale a pena!!!

Bye
Wyllo
Avatar do usuário
Wyllo
 
Mensagens: 49
Desde: 26 Fev 2009, 12:19
Localização: Rio de Janeiro

Re: Dicas: O que fazer no Rio de Janeiro

Mensagem não lidapor Junior Faria » 21 Mar 2009, 01:45

Atrações (separadas por zonas de proximidade)



Zona 1


Cristo
Cristo Redentor

Mais que um cartão-postal, o Cristo Redentor foi eleito pelos moradores da cidade como "A Maravilha do Rio". E a escolha foi merecida. Do alto de seus 38 metros - e dos 710 metros do Morro do Corcovado - o Cristo é a imagem da fé e da simpatia do povo carioca. O monumento, que em 2001 completou 70 anos, foi inaugurado por Getúlio Vargas e pelo cardeal dom Sebastião Leme em 12 de outubro de 1931, dia de Nossa Senhora Aparecida.

Desde o ano de 2000, quando recebeu nova iluminação, o monumento e seus acessos vêm passando por um processo de revitalização. O ponto alto foi a inauguração do acesso mecanizado, com elevadores panorâmicos e escadas rolantes, que aconteceu em 20 de janeiro de 2003. Assim, não é mais preciso enfrentar os 220 degraus que levam à imagem.

Foram instalados três elevadores panorâmicos, cada um com capacidade para 14 pessoas. O acesso é feito por uma área que atende tanto os visitantes que chegam de carro quanto os que desembarcam na plataforma de trem da Estrada de Ferro do Corcovado. O passeio já começa aí, pois a torre, de 31 metros de altura, descortina a primeira vista da cidade. Para completar o acesso à estátua, foram instaladas quatro escadas rolantes - duas em cada direção. Com uma proteção lateral para evitar acidentes, as escadas contam com dispositivos especiais, como alumínio anti-derrapante nos degraus, que garantem o seu perfeito funcionamento e total segurança.

Uma nova comunicação visual também tomou conta do lugar. No mirante, os turistas contam com mapas que apontam para os principais pontos turísticos da cidade, como a Lagoa Rodrigo de Freitas, as Praias de Copacabana e Ipanema e o Estádio do Maracanã. Localizados no parapeito do mirante, eles são de grande ajuda para quem não está acompanhado de um guia turístico.

Foto: Cristo Redentor, Riotur



Formas práticas de acesso:


1°) Trem do Corcovado

Todos os anos mais de 600 mil pessoas são levadas ao Cristo Redentor pela centenária Estrada de Ferro do Corcovado, o passeio turístico mais antigo do país.

Além de se deslumbrar ao ver pelas janelas do trem as paisagens mais bonitas da Cidade Maravilhosa, o passageiro faz um passeio através da história do Brasil.

Inaugurado em 1884 pelo Imperador D. Pedro II, o Trem do Corcovado já levou Papas, Reis, Príncipes, Presidentes da República, artistas e cientistas. É também um passeio ecológico. O trem atravessa a maior floresta urbana do mundo: o Parque Nacional da Tijuca, um pedaço da mata atlântica que é considerado um exemplo de preservação da natureza.

Endereço: Rua Cosme Velho, 513
Tel: (21) 2558-1329
site: http://www.corcovado.com.br



2°) Bondinho de Santa Teresa + Van

Pegue o bondinho, que se situa na Estação dos bondes, ao lado do Aqueduto da Carioca, na Rua Lélio Gama (próximo à sede da Petrobrás – Centro do Rio).

Se possível reserve um tempo para Santa Teresa, pois vale a pena.

Depois de pegar o bondinho, salte no ponto final e pegue alguma das van que fazem o trajeto até o Cristo.




Lagoa
Lagoa Rodrigo de Freitas

Cercada pelos mais badalados bairros cariocas, emoldurada por montanhas e abraçada pelo Cristo Redentor, a Lagoa Rodrigo de Freitas impressiona pelo pôr-do-sol e o reflexo dourado em suas águas plácidas e silenciosas, tornando-se um grande ponto de encontro, tanto para os cariocas quanto para os visitantes. Unida ao mar pelo canal do Jardim de Alah, entre Ipanema e Leblon, sua orla abriga parques, quadras de esportes, rinque de patinação, heliporto, pista para caminhadas e corrida, ciclovia e um centro gastronômico distribuído por quiosques que oferecem de comida alemã a japonesa, além de música ao vivo a partir do anoitecer. Isso sem falar nos passeios de pedalinho que, nos domingos e feriados, proporcionam ao turista uma visão única de tudo que um dos mais belos cartões-postais cariocas revela.

As margens da Lagoa são algumas das mais bem equipadas áreas de entretenimento da cidade e convidam a uma caminhada, jogging ou passeios de bicicleta, que podem ser alugadas por ali. Seus 7,5 km de extensão incorporam os parques dos Patins, Taboas e Catacumba. O conjunto dos três parques oferece uma infinidade de opções esportivas e gastronômicas. Abaixo um pequeno roteiro:

Parque dos Patins (Av. Borges de Medeiros s/nº)

Na área compreendida entre o clube Piraquê e o heliporto, o Parque do Patins pode ser uma boa opção de lazer com diversas atividades que vão desde patinação a shows simultâneos nos quiosques em seu entorno. Ali, pode-se também saborear as mais diversas especialidades da cozinha internacional.

Parque da Catacumba (Av. Epitácio Pessoa s/nº)

O Parque da Catacumba pode ser visto como um belo museu ao ar livre dentro de uma pequena reserva ambiental. São ao todo 32 esculturas de artistas diversos que integram com harmonia a natureza do parque, ideal para caminhadas. Perto dessa mistura de artes, degusta-se grandes pratos e petiscos do mundo inteiro

Parque dos Taboas (Av. Borges de Medeiros s/nº)

Localiza-se entre dois famosos clubes do Rio, o Clube de Regatas Flamengo e o Clube Caiçaras. O parque é uma verdadeira quadra esportiva que reúne praticantes dos mais variados esportes como, futebol, tênis e skate. Quiosques também integram a área esportiva do parque.

Endereço: Avenida Epitácio Pessoa e Avenida Borges de Medeiros - Lagoa

Foto: Lagoa Rodrigo de Freitas,Riotur






Botanico
Jardim Botânico

Um verdadeiro santuário ecológico. Assim pode ser definido o Jardim Botânico do Rio de Janeiro, um dos dez mais importantes do gênero no mundo, que além de abrigar as mais raras espécies de plantas da flora brasileira e de outros países, é uma ótima opção de lazer para crianças e adultos e um deleite para aqueles que querem contemplar a natureza.

Um passeio pelas alamedas do parque, onde animais silvestres fazem parte do cenário ao som da melodia do canto de curiós e sabiás que habitam o lugar, deixam o público fascinado. A exuberância da natureza toma conta do visitante que, deslumbrado pelo colorido e a variedade da flora, captura imagens de todos os cantos, imagens que ficarão registradas na memória e na alma. Entre os cerca de 8200 exemplares da coleção viva do jardim, as atrações ficam por conta de palmeiras imperiais e espécies em extinção, como o pau-brasil, o aracá amarelo e o pau mulato, os canteiros medicinais e os jardins japonenes, sensorial e rotário. O orquidário, é um espetáculo à parte. Seus três mil exemplares de 600 espécies diferentes deixam qualquer um sensibilizado pela sua rara beleza. Desde 1996, o joalheiro Antônio Bernardo adotou a coleção, assumindo a responsabilidade pela recuperação e manutenção das plantas. Outras atrações são o bromeliário, com cerca de 1700 bromélias de diversas formações, o violetário, a estufa das plantas insetíforas - que capturam e digerem insetos, a coleção dos cactos, considerada uma das maiores do Brasil e a coleção de plantas medicinais. Uma parada obrigatória é a visitação aos seis lagos do Jardim, que abrigam belíssimas espécies de vitórias régia, lótus, papirus e água-pé. Entre eles, o Lago do Frei Leandro, que ganhou um projeto paisagístico e está totalmente recuperado.


Endereço: Rua Jardim Botânico, 920 (pedestres) e 1008 (veículos) - Jardim Botânico.
Site: http://www.jbrj.gov.br
Foto: Jardim Botânico, Riotur




Tijuca
Floresta da Tijuca

Localizada no coração da cidade, a poucos minutos da maior parte dos bairros do Rio, a maior floresta urbana do mundo, com cerca de 3.200 hectares, tem a grande vantagem de mesclar centenas de espécies da fauna e da flora só encontradas na Mata Atlântica. A Floresta da Tijuca possui recantos e atrativos históricos que merecem ser visitados, como: a Cascatinha, a Capela Mayrink, o Mirante Excelsior, o Barracão, a Gruta Paulo e Virgínia, o Lago das Fadas, a Vista Chinesa e o Açude da Solidão, pontos freqüentados por famílias inteiras nos fins de semana.

A Floresta da Tijuca foi reflorestada no século XIX após anos de desmatamento intenso e plantio(principalmente de café). O reflorestamento foi uma iniciativa pioneira em toda a América Latina.

A pessoa responsável pelo reflorestamento, apontada pelo Imperador Pedro II em 1861, foi o Major Gomes Archer, o primeiro administrador da floresta que trabalhou inicialmente com 6 escravos e, posteriormente, com 22 trabalhadores assalariados, plantando em 13 anos 100 mil mudas. O replantio foi feito com espécies, em sua maioria, nativas do Ecossistema da Mata Atlântica.

Endereço: Praça Afonso Viseu, Alto da Boa Vista - Tijuca
Tel: (21) 2492-5407
Foto: Floresta da Tijuca, Riotur



Zona 2


Mirante
Mirante Dois Irmãos

Um dos mais bonitos cartões-postais do Rio de Janeiro, os morros dos Dois Irmãos, na Zona Sul, não devem ser admirados apenas de longe. Em seus arredores, onde já existe um mirante - o Sétimo Céu, que descortina uma bela panorâmica das praias de Ipanema, Leblon e São Conrado e também do Arpoador e do Cristo Redentor - foi inaugurado um parque.

Ainda pouco explorado por cariocas e visitantes, o Parque do Penhasco Dois Irmãos, no Alto Leblon, é perfeito para curtir o pôr-do-sol. Ocupando uma área de 140 metros quadrados, oferece ainda trilhas de terra, um pequeno teatro de arena, quadra de futebol e playground. Até pouco tempo atrás, apenas casais de namorados se dispunham a enfrentar trilhas íngremes para obter uma vista romântica da cidade ao anoitecer. Hoje, com a abertura do parque, os visitantes contam com conforto e segurança, como acesso para carros, policiamento e iluminação.

Para os aventureiros, há uma maneira radical para se chegar ao parque, que é através do mirante. A dica é seguir até o fim da Rua Aperana, no Alto Leblon. Lá, uma subida leva ao Sétimo Céu. Mais adiante, uma estrada de terra, que deve ser seguida mantendo-se sempre a direita, termina em uma trilha na borda do morro. Aí, é só descer e curtir. Durante a semana, o parque é freqüentado por esotéricos, que meditam ao som das ondas. Já aos sábados e domingos, o local é a grande pedida para apreciar um dos mais belos espetáculos da natureza.

Endereço: Parque do Penhasco Dois Irmãos - Alto Leblon
Foto: Dois Irmãos, Riotur




Fortaleza
Forte de Copacabana

Construído em 1914, com o objetivo de reforçar a defesa da Baía de Guanabara, o Forte de Copacabana oferece aos seus visitantes muitas curiosidades e atrações. No Museu Histórico do Exército, fatos marcantes estão registrados através de exposições, exibições de vídeo, maquetes e, até, um setor interativo, original e bastante visitado pelos freqüentadores do Forte. Tudo com direito a uma vista panorâmica de um dos pontos mais belos de toda a nossa Costa.

Site: http://www.fortedecopacabana.com
Foto: Forte de Copacabana, Riotur




Pão
Pão de Açúcar

Idealizado em 1908 pelo engenheiro brasileiro Augusto Ferreira Ramos e inaugurado no dia 27 de outubro de 1912, o bondinho do Pão de Açúcar fez 90 anos em 2002. Primeiro teleférico instalado no Brasil e terceiro no mundo, é um dos mais importantes ícones do turismo carioca, tornando-se uma das principais marcas registradas da cidade do Rio de Janeiro. Desde sua inauguração até a data do aniversário, o teleférico transportou 31 milhões de turistas. Nos meses de dezembro, janeiro, fevereiro e julho – de alta temporada – a freqüência diária chega a três mil pessoas.

Nestas nove décadas de funcionamento, o bondinho recebeu a visita de turistas de todos os cantos do mundo, dentre os quais, personalidades, autoridades e artistas, como Einstein – que lá esteve em 1925 -, os ex-presidentes dos Estados Unidos, John Kennedy, do Brasil, José Sarney, e da Polônia, Lech Walesa; os cantores Roberto Carlos e Sting; os jogadores Ronaldinho e Romário; os atores Roger Moore e Robert de Niro; as atrizes Gina Lolobrigida, Brooke Shields e Sônia Braga, e muitos outros famosos.

Endereço: Avenida Pasteur, 520 - Urca
Tel.: (21) 2546-8400
Site: http://www.bondinho.com.br
Visitação: Horário de funcionamento: diariamente, de 8h às 22 horas.
Foto: Bondinho, Riotur




Forte são josé
Fortaleza de São João/ Forte de São José

A Cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro fez no dia 1º de Março de 2005, 440 anos de idade.
A História da Cidade do Rio de Janeiro, em seus primórdios, confunde-se com a História do Brasil, materializada e perpetuada através de seus monumentos, fortes e edificações restaurados e preservados.

Em 1º de março de 1565, Estácio de Sá fundou, na Urca, entre os Morros Cara de Cão e Pão de Açúcar, a Cidade do Rio de Janeiro. Neste mesmo local foi erguida a Fortaleza de São João, constituída por três redutos (pequenos fortins também chamados de Baterias) e um grande Forte, o Forte São José, de 1578 – o terceiro forte mais antigo do país.

Em 1872, o Forte São José foi inteiramente reformado e equipado por ordem de D. Pedro II, em conseqüência do episódio conhecido como “Questão Christie”. Depois de uma obra monumental, o novo Forte São José passou a ter um conjunto de 17 casamatas, construídas em pedras em cantaria, encimadas por plataformas e parapeitos todos em granito. O conjunto foi completado por um grande paiol em abóbada, à prova das armas da época. Foi equipado com 15 canhões anti-carga Whitworth calibre 75 mm nas casamatas e 20 canhões de calibre menor.

Muitos historiadores dizem que se o Rio de Janeiro existe hoje, foi graças às defesas principais do Forte São José, estrategicamente localizado na entrada da Baía de Guanabara.

Endereço: Av. João Luís Alves s/nº – Urca
Foto: Forte São José, Riotur





enseada
Enseada de Botafogo

Exatamente do centro do calçadão da Praia de Botafogo, em frente à enseada que leva o mesmo nome, que o carioca e aqueles que visitam o Rio têm uma das mais belas vistas da cidade.

Os contornos dos morros da Urca e do Pão de Açúcar, localizados à entrada da Baía de Guanabara, e o Iate Clube, com grande variedade de barcos, saveiros e iates. Palco de shows e concertos, que têm levado milhares de pessoas ao local, este ponto turístico do Rio possui ainda ciclovia e oferece serviço de bicicletário para os seus freqüentadores.


Foto: Enseada de Botafogo, por Junior Faria





aterro
Aterro do Flamengo

Parque Brigadeiro Eduardo Gomes, conhecido como Aterro do Flamengo possui 1.200.000m² de área verde à beira-mar, e é o resultado de um dos mais belos e importantes projetos paisagísticos do artista Roberto Burle Max.

Do Aeroporto Santos Dumont a Enseada de Botafogo, o parque oferece as mais diversas atrações. Um roteiro interessante, por exemplo, pode ser iniciado no Museu de Arte Moderna, passando-se para o Monumento aos Pracinhas, a Marina da Glória, o Museu Carmem Miranda, até o Monumento a Estácio de Sá - fundador da cidade. Um espetáculo imperdível é a troca da guarda promovida pelas três Forças Armadas, sempre no primeiro domingo de cada mês, no Monumento dos Pracinhas. Também aos domingos e feriados o Aterro e suas pistas de rolamento ficam inteiramente liberados ao público, que aproveita para se dedicar às mais variadas formas de lazer.

Foto: Aterro do Flamengo, por Junior Faria





Catete
Palácio do Catete


Palácio do Catete, o abrigo do nosso Museu da República. Sede do poder republicano entre os anos de 1897 e 1960, o Palácio do Catete tem a arquitetura neoclássica com fachada revestida de granito e mármore rosa e portais emoldurados por mármore branco. Por ali passaram nada mais do que 18 presidentes da República e ocorreram alguns dos mais importantes acontecimentos de toda a história do país, como as decisões de participação do Brasil nas duas grandes guerras mundiais e o suicídio do Presidente Getúlio Vargas. Transformado em museu após a mudança da Capital Federal para Brasília, o local, além de uma intensa agenda cultural, conta, ainda, com livraria, bar, restaurante, loja de variedades e um belo jardim, ideal para passeios no final da tarde ou até mesmo momentos de descanso.

Endereço: Rua do Catete, 153 - Catete
Tel: (21) 2558-6350
Site: http://www.republicaonline.org.br
Foto: Interior do Palácio do Catete, Riotur




Zona 3


pracinhas
Monumento aos pracinhas
O Monumento aos Mortos da Segunda Guerra Mundial, popularmente conhecido como Monumento aos Pracinhas, localiza-se no Aterro do Flamengo.
O monumento foi projetado pelos arquitetos Marcos Konder Neto e Hélio Ribas Marinho, vencedores de um concurso nacional, tendo sido inaugurado em 1960.
Abriga e homenageia os restos mortais dos militares brasileiros que haviam sido depositados no Cemitério de Pistoia, na Itália, à época do conflito.
Endereço: Avenida Infante Dom Henrique, s/nº.
Foto: Monumento aos Pracinhas, Riotur




Lapa
Arcos da Lapa

Apenas um bairro no Rio de Janeiro pode agregar variadas manifestações musicais sem ofuscar gêneros e artistas. O local é a Lapa, no centro da cidade, onde fica a emblemática obra dos Arcos da Lapa. Palco para o lirismo das letras do samba, os acordes do som do nordeste e a modernidade da música eletrônica, todos convivem em perfeita harmonia nos bares espalhados pelas ruas Mem de Sá, Riachuelo e Lavradio.

Desde o início da década de 50, a Lapa já era um dos principais pontos de referência da vida noturna da cidade. O local, com seus famosos cabarés e restaurantes, era considerado a “Montmartre Carioca”, freqüentada pela fina flor dos artistas, intelectuais, políticos e diplomatas. Daquela época até hoje, a Lapa continua a pulsar. A Prefeitura do Rio já restaurou boa parte do bairro, que manteve quase intacta a arquitetura original dos prédios do início do século, a principal característica do lugar. Visualmente, o local é um banho de história, abrigando os centenários Arcos da Lapa, o Passeio Público, a Escola Nacional de Música e a Igreja de N. Sra. da Lapa são verdadeiros ícones do Rio Antigo.

Foto: Arcos da Lapa, Riotur



Santa
Santa Teresa

Charme e bucolismo no bairro preferido dos artistas.

O bairro de Santa Teresa nasceu nos arredores de um convento no Morro do Desterro, no Rio de Janeiro, no século 18. O bairro ocupa uma colina no coração da cidade e parece ter parado no tempo, mantendo há dezenas de anos aspectos preservados do Rio Antigo e guardando uma história em cada esquina.

As ruas estreitas e sinuosas por onde passam os velhos bondes, os únicos que ainda circulam em todo o Brasil, são mais uma peculiar atração do bairro. Os charmosos veículos começaram a circular no século passado, movidos por tração animal e posteriormente por eletricidade.

O bonde sai do centro da cidade, passa sobre os Arcos da Lapa e segue a rota do tempo no sobe-e-desce das ladeiras de Santa Tereza. O ponto de partida é a estação no Largo da Carioca: a estação fica bom perto da sede da Petrobrás, na Rua Lélio Gama. O lugar tem um jardim encantador e revela um pouco do que se vai encontrar nesse passeio.

Com menos de R$ 1 adquiri-se o bilhete para passear no famoso bonde amarelinho. Existem duas linhas que circulam por Santa Teresa, chamadas Paula Matos e Dois Irmãos, com intervalos de saída de 30 minutos.




Zona 4


Municipall
Theatro Mucicipal

Em plena Cinelândia, próximo à Biblioteca Nacional, ao Museu Nacional de Belas Artes e ao Palácio Pedro Ernesto, o Teatro Municipal chama atenção não só por sua concepção arquitetônica como também pela imponência de sua fachada e a beleza de seu interior. Os materiais nobres empregados em sua construção, como o mármore de Carrara, de veios coloridos, os bronzes e os ônix, os espelhos, o mobiliário, aliados a pinturas e esculturas, fazem deste teatro, cuja capacidade é de 2.200 pessoas, um verdadeiro templo da cultura. E um sucesso turístico tão grande quanto os espetáculos que nele são realizados.

Endereço: Praça Marechal Floriano, s/nº - Centro
Tel: (21) 2332-9195
Site: http://www.theatromunicipal.rj.gov.br/
Visitação: Agendar visitas
Foto: Theatro Municipal, Riotur




Colombo
Confeitaria Colombo

Retrato vivo da Belle Époque carioca e marco da valorização da gastronomia na cidade, a Confeitaria Colombo guarda, ainda hoje, muito do seu estilo Art Nouveau do início do século. Seus famosos espelhos belgas, suas molduras e vitrines em jacarandá, as bancadas de mármore italiano, os lustres, o piso e o belo mobiliário permanecem intactos, do mesmo jeito como foram admirados por renomadas personalidades que ajudaram não só a escrever a história do nosso país, como a fazer da Colombo uma das grandes atrações do Rio de Janeiro.

Endereço: Rua Gonçalves Dias, 32 - Centro
Site: http://www.confeitariacolombo.com.br/
Foto: Interior da Confeitaria Colombo, Riotur




pt
Palácio Tiradentes


Foi o antigo prédio do Congresso Nacional brasileiro, entre 1926 e 1960, e é a atual sede da Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro.
Construído no terreno ocupado pela "Cadeia Velha", que abrigara os presos do período colonial, o palácio substituiu o prédio do antigo Parlamento Imperial. Seu nome homenageia o alferes Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes, que ali esteve preso antes de ser conduzido à forca, em 21 de abril de 1792.
Com a instauração do Estado Novo, em 1937, o Palácio Tiradentes passou a ser a sede do Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP). Com o fim do Estado Novo voltou a abrigar a Câmara dos Deputados.
Em 1960, com a mudança da Capital Federal para Brasília, a cidade do Rio de Janeiro passou à qualidade de Estado da Guanabara e o Palácio Tiradentes passou a acolher a Assembléia Legislativa do Estado da Guanabara. A Guanabara existiria entre 1960 e 1975, quando se fundiu ao Estado do Rio de Janeiro e o Palácio Tiradentes passou a abrigar a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro.

Endereço: Rua 1° de Março, s/n° - Centro
Tel: (21) 2588-1251
Site: http://www.alerj.rj.gov.br
Foto: Palácio Tiradentes, Wikipédia





Paço
Paço Imperial


Situado no centro da cidade do Rio de Janeiro, o Paço Imperial é um raro exemplo de monumento histórico que, em diferentes momentos, foi palco de importantes acontecimentos de nossa História.

De 1743 a 1763, como colônia de Portugal, foi sede do governo no Brasil. Com a transferência da sede do Governo Geral para o Rio de Janeiro, tornou-se Palácio dos Vice-Reis até 1808. A partir de então, passou a abrigar a Família Real, que passou a abrigar a Família Real, que se transferiu de Lisboa para o Rio de Janeiro, recebendo o nome de Paço Real. Depois da Proclamação da Independência (1822), e até a Proclamação da República (1889), passou a ser chamado de Paço Imperial. Após a Proclamação da República, o prédio foi sede do Departamento de Correios e Telégrafos.

O prédio sofreu inúmeras modificações de nomes e de funções, passou por diversas reformas arquitetônicas, mas não perdeu sua beleza, sua majestade e a condição, através dos séculos, de testemunha da História de nosso país.

No Paço Imperial, as expressões do mundo atual dialogam com as referências do passado, convidando o visitante a passear pelos tempos. Sua programação diversificada inclui artes plásticas, cinema, teatro, música, biblioteca, atividades educativas, seminários e serviços de lojas e restaurantes.


Endereço: Praça XV de Novembro, 48 – Centro
Tel: (21) 2533-4407
Site: http://www.pacoimperial.com.br/
Foto: Paço Imperial, Wikipédia




XV
Praça XV de Novembro

Aterro realizado em local onde antes coexistiam pequenas lagoas, charcos, pântanos, mangues e trechos de mar, a Praça Quinze guarda, no espaço que abrange o Paço Imperial, o Convento dos Carmelitas, o Arco do Teles e a Travessa do Mercado, muito da memória do Brasil. Pode-se dizer que foi ali que a história do Rio começou. E, mesmo após as recentes obras de modernização e reorganização realizadas pela Prefeitura, a Praça Quinze, com seus bares, restaurantes, feiras, museus e intensa movimentação popular, mantém um charme todo especial, que só mesmo quem está ali consegue sentir.

Foto: Praça XV, Riotur




CCBB
Centro Cultural Banco do Brasil

Erguido em 1880, o prédio do CCBB já foi sede do Banco do Brasil e da Associação Comercial do Rio de Janeiro. A partir de 1989 ganhou status de centro cultural e hoje reúne dois teatros, quatro salas para mostras, biblioteca com mais de 100 mil volumes em acervo informatizado, auditório, salas de vídeo e cinema. Além de se destacar pela bela arquitetura, o CCBB tem em sua intensa agenda de programações um outro grande atrativo - imperdível para os admiradores de manifestações culturais -, a exposição permanente de seu museu: "Brasil Através da Moeda".

Endereço: Rua Primeiro de Março, 66 – Centro
Tel: (21) 3808-2020
Site: http://www.bb.com.br/cultura
Visitação: terças à domingos, das 10h às 21h.
Foto: Interior do CCBB, Riotur




Paqueta
Ilha de Paquetá
A poucos alguns minutos da agitada metrópole urbana, bem no coração da Baía de Guanabara, Paquetá é um presente para os cariocas. Ilha tropical que atrai turistas nacionais e estrangeiros, é um lugar privilegiado para namorar, passear e se divertir. Tudo isso tendo a natureza nativa como pano de fundo. Essas são algumas da vantagens que fazem de Paquetá uma região especial, a começar pela própria viagem à ilha: barcas, catamarãs e aerobarcos transportam os visitantes pela Baía de Guanabara numa rota agradável e embalada pela brisa marinha. Atracando no local, o visitante descobre que a ilha proíbe o tráfego de veículos para permitir que bicicletas e charretes se locomovam em suas ruas revestidas de saibro e coloridas pelos flamboyants.
O contato com a natureza marca a visita ao local. Paquetá abriga um dos 20 únicos exemplares brasileiros do baobá – árvore originaria da África, que ficou conhecido pelos moradores como “Maria Gorda”. Outra árvore típica é o Flamboyant, sendo que algumas plantas datam de 100 anos. O nome da ilha é de origem Tupi e significa "muitas conchas", que podem ser encontradas em profusão nas praias de águas calmas e convidativas. Imperdíveis também são os passeios que levam à Pedra da Moreninha e ao Parque Darke de Mattos. Recentemente, o parque foi totalmente revitalizado a partir de uma obra de reurbanização feita pela Prefeitura do Rio. Ao final da tarde, nada melhor do que passear de barcos-pedalinhos assistindo ao pôr-do-sol. O mirante também deve figurar no roteiro do visitante. Ele fica no Morro da Cruz, que descortina um panorama parcial da ilha.

Endereço: Paquetá
Site: http://www.barcas-sa.com.br
Visitação: Barcas e aerobarcos: saída de hora em hora, a partir das 5h15, da Praça XV de Novembro, no Centro da cidade. A última saída de Paquetá é às 22h15.
Foto: Ilha de Paquetá, Riotur



Fiscal
Ilha Fiscal

Impossível não esticar o pescoço em direção à janela do avião quando a aeronave se prepara para aterrissar no Aeroporto Santos Dumont. Mais do que ver a pista de pouso, turistas e cariocas querem apreciar de perto os belos detalhes de um castelinho verde, salpicado de coqueiros e palmeiras, construído numa pequena ilha na Baía de Guanabara. Cenário do último grande baile do Império, realizado em 09 de novembro de 1889, a Ilha Fiscal chama a atenção na paisagem e, o que é melhor, está aberta para visitação pública.

O passeio tem início em grande estilo: partindo do cais do Espaço Cultural da Marinha, a pequena travessia é feita a bordo da escuna Nogueira da Gama.

Disputada no século XIX pelos ministérios da Marinha e da Fazenda, a então Ilha dos Ratos ficou sob a guarda da Fazenda. Em 1881, teve início a construção de um edifício dedicado à fiscalização alfandegária, com projeto assinado pelo engenheiro Adolpho José Del Vecchio. Pouco tempo depois, a ilha foi visitada por D. Pedro II. Conta-se que, encantado com a magnífica vista da baía, o Imperador considerou-a um "delicado estojo, digno de uma brilhante jóia". Del Vecchio, então, admirador do estilo gótico, projetou um castelo inspirado nas construções francesas do século XIV. O projeto recebeu Medalha de Ouro ao ser apresentado na exposição da Escola Imperial de Belas Artes.

Endereço: Av. Alfredo Agache, no final da Praça XV de Novembro - Centro
Tel: (21) 2233-9165
Visitação: Visitas guiadas de quintas à domingos, às 13h, 14h30 e 16h
Foto: Ilha Fiscal, Riotur




Samba
Cidade do Samba

O mais novo atrativo turístico do Rio de Janeiro é a Cidade do Samba, a qual ocupa uma área de 114.000m2, construída pela Prefeitura do Rio, na zona portuária.

Desde 04 de setembro de 2006 a Cidade do Samba está aberta a visitação, diariamente, das 12 às 20h, exceto às 5ªs. Feiras, cuja visitação será das 12 às 18h, com show de carnaval a partir das 19h.

A escolha da localização da cidade temática tem razão de ser, pois foi lá, espécie de “Solo Sagrado”, onde nasceu o Samba Carioca.

O triângulo formado por Saúde, Santo Cristo e Gamboa concentra grande tradição da cultura popular da Cidade, notadamente de personagens e entidades ligadas ao Carnaval Carioca.


Atividades culturais permanentes:

Show semanal de carnaval com rodas de compositores, grupos de passistas, baterias, grupos de pagode, pequenas apresentações de Mestre-Sala e Porta-Bandeira e mini desfile, com a participação dos visitantes.
A Programação Cultural da Cidade do Samba é variável.

Endereço: Rua Rivadávia Correa, 60 - Gamboa
Tels: (21) 2213-2503
Site: http://cidadedosambarj.globo.com/
Foto: Cidade do Samba, Riotur


Zona 4

São
Feira de São Cristóvão - Centro Luiz Gonzaga de Tradições
Nordestinas


Um pedaço do Nordeste no Rio de Janeiro. Assim pode ser definido o Centro Luiz Gonzaga de Tradições Nordestinas, onde funciona a tradicional Feira de São Cristóvão. São cerca de 700 barracas fixas que oferecem as várias modalidades da cultura nordestina: culinária típica, artesanato, trios e bandas de forró, dança, cantores e poetas populares, repente e literatura de cordel. Visitar a Feira de São Cristóvão é um programa que atrai cerca de 450 mil visitantes por mês, entre turistas e cariocas.
O preço da entrada é mínimo e o local oferece boa infra-estrutura, com pistas de dança, palcos para shows, 35 restaurantes de culinária nordestina, lojas de venda de artesanato, banheiros públicos e estacionamento.

A Feira funciona desde 2003 dentro do Pavilhão de São Cristóvão, marco da arquitetura moderna brasileira, reformado pela Prefeitura com o objetivo de preservar esse espaço tradicional da cultura nordestina na cidade. De terça a quinta-feira, os restaurantes abrem para almoço. A partir de 10h de sexta-feira até 22h de domingo, todas as barracas funcionam ininterruptamente, animadas por trios e bandas de forró, que se apresentam nos dois palcos principais – João do Vale e Jackson do Pandeiro -, além de shows de repentistas e cordelistas na Praça Catolé do Rocha, no centro do Pavilhão.

Endereço: Campo de São Cristovão
Tel: (21) 2580-0501
Site: http://www.feiradesaocristovao.org.br
Visitação: terças e quintas-feiras, 10h às 16h - sextas, a partir das 10h às 22h de domingo.
Foto: Feira de São Cristóvão, Riotur




Quinta
Quinta da Boa Vista

Parque faz parte do Solar da Boa Vista, residência real e dos imperadores do Brasil de 1822 e 1889, quando foi proclamada a República. Possui uma área de 155 mil metros quadrados, ajardinada em 1869 segundo projeto do paisagista francês Auguste Glaziou. O visitante, ao entrar pelos portões laterais, percorre a Alameda das Sapucaias, ladeada por estas árvores, e percorre o traçado romântico criado pelo paisagista, que ainda conta com lagos, grutas e recantos nos seus jardins imperiais.
Endereço: Av. Pedro II, entre as Ruas Almirante Baltazar e Dom Meinrado - São Cristóvão.
Visitação: terças a domingos, das 10h às 16h.
Foto: Quinta da Boa Vista, Riotur



Maraca
Maracanã

Entre as maravilhas que o Rio de Janeiro possui, encontra-se um dos mais importantes patrimônios turísticos e culturais do país: o Maracanã, o maior estádio do mundo. Na terra do futebol, que faz desse esporte a sua religião, ele é considerado por muitos o “Templo dos Deuses”. Foi construído em 1950 para sediar a Copa do Mundo, e projetado para receber 166.369 pessoas. Hoje, após as reformas, comporta um público de 114.145.

Seu nome oficial, Estádio Jornalista Mário Filho, é uma homenagem a um dos mais importantes jornalistas brasileiros e fundador do Jornal dos Sports. Em 16 de junho de 1950, o Maracanã foi inaugurado com um jogo entre cariocas e paulistas, com o eterno Didi marcando o primeiro gol de placa da história do estádio. Desde então, foi palco de grandes conquistas do futebol brasileiro, dentre elas, a decisão do mundial de clubes em 1963. Naquele ano, cerca de 200 mil pessoas assistiram à vitória do Santos, de Pelé, em cima do Milan, da Itália.

No dia do cinquentenário do Maracanã, em 16/06/2000, foi inaugurado o Hall da Fama, uma homenagem aos 50 jogadores que mais se destacaram ao longo da existência do estádio. Os mais importantes craques da história do futebol imprimiram seus pés em argamassa, deixando suas marcas para a posteridade na calçada da fama. Zico, Roberto Dinamite, Luisinho Lemos, Romário, Quarentinha, Valdo, Pinga, Garrincha, Dida e Bebeto ganharam o título dos dez maiores artilheiros.

A visita guiada compreende o Hall da Fama, Calçada da Fama, Fotos Históricas e Vista Panorâmica.

Endereço: Rua Professor Eurico Rabelo, s/n° - Maracanã
Tel: (21) 2568-9962
Visitação: O Maracanã pode ser visitado diariamente, inclusive feriados, das 9h às 17h.
Foto: Maracanã, Riotur





Principais praias



Copa
Copacabana

Considerada a praia mais famosa do mundo, e carinhosamente apelidada de Princesinha do Mar, em função da famosa canção de João de Barro, a sua história é um misto de tradição, glamour e glória.
Limitada pela Avenida Atlântica, as suas areias são sede de grandiosos eventos como campeonatos mundiais de futebol de areia, campeonatos mundiais de vôlei, palco de shows e da quiema de fogos na virada do ano.
O desenho em curvas de seu calçadão é conhecido no mundo todo e foi inspirado no calçadão de Lisboa e usado por Burle Max na praia.

Foto: Praia de Copacabana, por Junior Faria




Ipanema
Ipanema

Uma das mais famosas praias do rio de Janeiro, só perdendo em popularidade para Copacabana.
É a praia jovem do Rio de Janeiro, berço da bossa-nova, do biquíni e da moda carioca em geral. Entre os meses de Novembro e Fevereiro o sol se põe no mar, proporcionando uma bela experiência visual, geralmente acompanhada de aplausos.
O Posto 9 é considerado um dos melhores pontos da praia, frequentado por celebridades e pelos jovens.
É, também uma praia bem democrática, já que em um detrminado setor, existe a bandeira arco-iris, local em que predominam gays e simpatizantes.
Foto: Praia de Ipanema, por Junior Faria



Leblon
Leblon

A praia do Leblon é um extensão de Ipanema, sendo as duas separadas por um canal.

É uma praia bem charmosa e com um certo grau de tranqüilidade em relação as demais.

Ao entardecer, aglomeram-se pessoas para ver o por do Sol do mirante situado no fim da praia.

Foto: Praia do Leblon, por Junior Faria




Barra
Barra da Tijuca

É a maior praia em extensão do Rio de Janeiro. O trecho mais badalado fica em frente à lanchonete do famoso e já falecido campeão de asa delta Pepê. É um lugar muito procurado para esportes de vela, como windsurfe, devido aos seus ventos constantes.

Foto: Praia da Barra, por Junior Faria




Outras praias que valem a pena visitar



Praia do Arpoador

Localiza-se entre o forte de Copacabana e o início da praia de Ipanema. A praia apresenta espaço restrito, por se tratar de uma praia pequena, com cerca de 500 metros.

Tradicionalmente freqüentada por surfistas, apresenta uma ótima ondulação em dias de mar alto.

A pedra do Arpoador, também, é um ponto concorrido para se apreciar o por do Sol.



Prainha

A Prainha é uma praia da região da Barra da Tijuca. Ela possui estreita faixa de areia inscrita entre o maciço da Pedra Branca e o oceaono Atlântico.

É margeada pela Avenida Estado da Guanabara, sendo esta a única via de acesso a praia, percorrendo toda sua extensão.



Praia de Grumari

A praia de Grumari é uma praia da região da Barra da Tijuca.
Com aproximadamente 2,5 km de extensão, localiza-se a cerca de 20 quilômetros do centro da Barra. Grumari não é uma área residencial, sendo parte de uma reserva ambiental, juntamente com a Prainha.
O acesso para Prainha e Grumari é feito a partir do bairro do Recreio dos Bandeirantes, pela avenida do Estado da Guanabara, que começa no encontro da praia da Macumba com o canal do rio Morto.



Praia da Joatinga

É situada no meio da estrada do Joá, que liga São Conrado a Barra da Tijuca.

É uma praia em que o surfe predomina. Entretanto, possui locais tranqüilos para o banho.

O ponto negativo seria o acesso complicado. É uma grande descida no meio do mato, o que dificulta a descida para os mais velhos e as crianças.





Principais Museus



MAM
Museu de Arte Moderna - MAM

Criada em 1948, a instituição ocupou as dependências do Banco Boavista, na Candelária, sendo transferida em 1952 para os pilotis do atual Palácio Gustavo Capanema, então Ministério da Educação e Cultura. Nesta segunda sede abrigou a primeira grande exposição do MAM, com obras premiadas na 1ª Bienal de São Paulo, em 1951, ao lado de trabalhos de diversos artistas brasileiros. Em 1958, com a transferência definitiva para o Aterro do Flamengo iniciou-se sua trajetória de incentivo à produção artística moderna. Esta construção representa um marco da arquitetura, resultado dos traços do arquiteto Affonso Eduardo Reidy e projeto paisagístico de Roberto Burle Marx. Desde agosto de 1990, quando retornou às suas atividades normais, após o incêndio ocorrido em 1978, o Museu vem realizando grandes exposições nacionais e internacionais. Atualmente, com cerca de 11.000 obras, seu acervo reúne esculturas e pinturas de artistas de renome internacional além de brasileiros como Bruno Giorgi, Maria Martins, Di Cavalcanti e, ainda, representantes do neoconcretismo como Lygia Clark, Helio Oiticica, Franz Weissmann, Amílcar de Castro e Wyllis de Castro.

Os horários podem sofrer modificações de acordo com as exposições em cartaz. A bilheteria fecha 30 minutos antes do término do horário de visitação.

Endereço: Av. Infante Dom Henrique, 85 - Parque Brigadeiro Eduardo Gomes - Centro
Tel.: (21) 2240-4944
Site: http://www.mamrio.org.br
Horário: terças às sextas, 12h às 18h – Sábados, domingos e feriados, 12h às 19h
Foto: MAM, Férias Brasil




BELAS
Museu Nacional de Belas Artes

O Museu Nacional de Belas Artes está instalado, desde sua criação em 1937, no edifício da antiga Escola Nacional de Belas Artes. O edifício de estilo neoclássico é uma das marcas da abertura da então Avenida Central, hoje Rio Branco. Suas galerias abrigam obras de arte brasileira do século XVII ao século XX e obras de autores estrangeiros entre pinturas, esculturas e desenhos. O museu possui também coleção de arte popular que atesta diversos aspectos regionais do país, coleção de imagens, coleção de medalhas, arte africana, mobiliário, além de salas para exposições temporárias. A biblioteca possui cerca de 15 mil publicações, incluindo obras nacionais e estrangeiras e está aberta de segunda a sexta, das 10 às 17h, com acesso gratuito.
Entrada franca aos domingos.

Endereço: Av. Rio Branco, 199 – Centro
Tel.: (21) 2240-0068
Site: http://www.mnba.gov.br
Horário: terças às sextas, 10h às 18h – Sábados e domingos, 14h às 18h Foto: Museu de Belas Artes, Guia da semana




Nacional
Museu Nacional

O palácio que abriga o Museu Nacional desde 1892, foi doado ao príncipe-regente Dom João VI pelo comerciante português Elias Antônio Lopes, em 1818. Depois da queda do Império, foi quartel, escola e sede da primeira assembléia constituinte republicana. Hoje exibe esqueletos de animais pré-históricos, cerâmicas etruscas, ataúdes egípcios, múmias, armas e objetos indígenas de todo o mundo, minerais e animais taxidermizados. Parte dessa coleção, pertenceu a Dom Pedro II, que era botânico, e à imperatriz Teresa Cristina, arqueóloga. O museu dispõe ainda de um horto de 40mil m2 e uma biblioteca de ciências naturais e antropológicas com 442 mil volumes.

Endereço: Quinta da Boa Vista, s/nº - São Cristóvão
Tel.: (21) 2568-8262 / (21) 2254-4320
Site: http://www.ufrj.br/museu
Horário: terças aos domingos, 10h às 16h
Foto: Museu Nacional, Diário do Rio




Rep
Museu da República

O Palácio do Catete, sede da Presidência da República no período de 1897 a 1960 e palco da atuação de dezoito presidentes, presenciou alguns dos mais importantes acontecimentos da vida política nacional, como a declaração da participação do Brasil nas 1ª e 2ª Guerras Mundiais e o suicídio do Presidente Getúlio Vargas em 1954. Transformado em museu a partir da mudança da capital em 1960 para Brasília e fechado para restauração no período de 1983 a 1989, o Museu da República foi devolvido à população com um amplo projeto cultural que alia exposições, música, teatro, cinema, vídeo, lojas, restaurantes e livraria. Em 1993 passou a ostentar o título de ser o primeiro museu da América Latina informatizado, com quiosques de multimídia e um equipado centro de referência, colocando à disposição da população os seus 20.000 livros, 7.000 peças e 80.000 documentos, testemunhos da história de nosso país.

Exposições Permanentes:


Aventura republicana

A história da República é contada a partir de movimentos históricos, manifestações culturais e cultos religiosos. Mostra composta de mais de mil peças do acervo do Museu, além de fotos, vídeos, luz e som, com curadoria de Gisela Magalhães e Joel Rufino dos Santos.


Eu, Getúlio

A mostra, de caráter multimídia e com curadoria dos artistas Cafi, Marcelo Dantas e Rico Lins, se debruça sobre o acervo pessoal do presidente Getúlio Vargas – documentos, livros, objetos pessoais e de campanha -, doado pela sua neta Celina Vargas do Amaral Peixoto. Dividida em quatro segmentos, a mostra Eu, Getúlio traça um perfil do estadista, relacionando-o com os acontecimentos marcantes da história recente.


Sala da cronologia

Exposição de apoio às escolas apresentando os fatos mais importantes acontecidos nos últimos 110 anos da história brasileira, com algumas incursões pela história mundial. Complemento: vídeo “Nós, Brasil “, de Letícia Muhana e Beth Rito, patrocinado pela Ipiranga.


Eletrize-se!

Vídeo-instalação de Marcello Dantas no prédio do antigo gerador de eletricidade do Palácio.

Endereço: Rua do Catete, 153 – Catete
Tel.: (21) 2558-6350
Site: http://www.museudarepublica.org.br
Horário: terças às sextas, 12h às 17h – Sábados, domingos e feriados, 14h às 17h
Foto: Interior do Museu da República, por Ivan de Almeida



Principais Igrejas

Cand
Igreja da Candelária
Localizada bem no burburinho do centro financeiro da cidade, numa área rica em espaços culturais, a Igreja da Candelária impressiona por sua imponência.

Construída no século XVIII, tem planta em cruz latina, revestimento interior em mármore, fachada em cantaria, portas trabalhadas em bronze e no interior toda a sua história está pintada em murais. É uma das mais belas igrejas de todo o Rio de Janeiro.
Endereço: Praça Pio X - Centro
Foto: Igreja da candelária, Riotur




Penha
Igreja de Nossa Senhora da Penha

Destaca-se pela devoção popular , difundida em quase todo país, e pela original localização, num penhasco bastante alto e de pura pedra, fazendo com que seja avistada a quilômetros de distância.

Foi construída em 1635, como igrejinha simples e rústica, pelo capitão Baltazar de Abreu Cardoso, em terras de sua propriedade. Em 1728,a confraria foi transformada em Venerável Irmandade de N.S da Penha de França.

Obras foram feitas para a ampliação, especialmente a escadaria, para dar mais segurança a quem subia a imensa rocha. Objeto hoje de lendas, e local de pagamento de promessas, a agora famosa escadaria tem 365 degraus abertos na rocha-viva e há os devotos que sobem de joelhos em penitência.

O interior da igreja denota simplicidade, tendo apenas um altar na capela-mor onde está a imagem da padroeira. Ao fundo pode-se ver o antigo altar da primeira ermida com a imagem de N.S do Rosário. O templo tem duas torres, com carrilhão vindo de Portugal.

Endereço: Largo da Penha, 19 - Penha Circular
Site: http://www.santuariodapenhario.com.br
Foto: Igreja da Penha, Literatura e Rio de Janeiro




Glória
Igreja Nossa Senhora da Glória do Outeiro

Desde 1670 existia no topo do Outeiro uma pequena ermida, construída por Antônio Caminha, numa posição de destaque quando avistada pelos navegantes ao chegar à baía, assinalando o perfil da cidade do Rio de Janeiro.

A pequena capelinha branca foi substituída por um templo, construído em terreno doado por Cláudio Gurgel do Amaral e que levou muito tempo para ser concluído, de 1714 a 1739, coincidindo com a fundação da Irmandade de N.S. da Glória do Outeiro.

Além da beleza de localização e da devoção popular, a igreja da Glória teve muita importância na monarquia no Brasil, desde a chegada de D. João VI, em 1808. Nela foi batizado Pedro, filho de D.Pedro I, que viria a ser também imperador, assim como vários personagens da família real.

O templo, apesar da imponência arquitetural, transmite simplicidade e singeleza quase austera. Possui a penas três altares e três imagens de N.S.da Glória. Dois púlpitos laterais ganham relevo. Na entrada, há duas pias em lioz português do século XVIII.
A planta, inovadora para a época, é constituída de dois prismas octogonais entrelaçados, dando ao templo um aspecto quase arredondado e singular. Tem uma só torre, embaixo da qual encontra-se uma espécie de alpendre, com uma belíssima porta também de lioz.

Além do acesso pela ladeira da Glória, pode-se chegar à igreja utilizando-se o plano inclinado, por onde sobe um elevador construído em 1945. Do alto da colina, tem-se uma bela vista do centro da cidade, praça Paris, Marina da Glória e parque do Flamengo. E, logo atrás da igreja, fica situado o Museu de Arte Sacra, aberto à visitação.

Endereço: Praça N. S. da Glória, 135 - Glória
Foto: Ig Nª Sª da Glória do Outeiro, Riotur




Aeroportos



Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro/Galeão – Antônio Carlos Jobim

O aeroporto internacional do Rio de Janeiro/Galeão – Antônio Carlos Jobim (IATA: GIG, ICAO: SBGL) é o maior aeroporto da cidade do Rio de Janeiro e o segundo mais movimentado do país em vôos internacionais de passageiros. Localizado na ilha do Governador, Zona Norte do município, a aproximadamente 20 km do centro, é a principal porta de entrada para o Brasil – segundo a Infraero –, haja vista que cerca de 40% dos turistas estrangeiros que visitam o país escolhem o Rio como destino, desembarcando neste aeroporto.




Aeroporto Santos Dumont

O aroporto Santos Dumont (IATA: SDU, ICAO: SBRJ) possui uma localização central. O aeroporto, durante a década de 90, perdeu sua vocação para voos de curta distância. Com a operação de rotas para vários destinos do Brasil, o aeroporto passou a receber um número de passageiros além de sua capacidade.

Por isso, no final de 2004, o Santos Dumont retornou à sua condição original e passou a operar apenas voos provenientes ou com destino ao Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, além de aviação regional.




Formas práticas para chegar/sair dos aeroportos:


1°) Ônibus


Linha 2018- Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro – Alvorada

Para consulta do itinerário, clique AQUI


Linha 2145- Aeroporto Santos Dumont – Aeroporto Internacional

Para consulta do itinerário, clique AQUI


Para maiores informações, acesse: http://www.rioonibus.com




2°) Shuttle

Empresa Shuttle Rio

Confortáveis vans ligam o Aeroporto Internacional Antônio Carlos Jobim aos hotéis conveniados oferecendo muito mais tranqüilidade, comodidade e economia.


Site: http://www.shuttlerio.com.br



3°) Táxi


Algumas Cooperativas:

Aeros Dumont Cooperativa dos Motoristas de Táxi Comum do Aeroporto Santos Dumont Ltda

Tels.: (21) 2589-8930 / (21) 2589-8012


Ligue Táxi

Tel: (21) 2126-8787 / 2587-8787


Coop Fácil

Tel: (21) 3234-2900



Transportes públicos


Metrô


Infelizmente, a cidade deixa a desejar no que diz respeito à questão do transporte público.

A falta de investimento no metrô e os cartéis das companhias de ônibus mostram o quão delicada é a questão do transporte no Estado.

Devido ao metrô não atender boa parte da cidade, a empresa que o administra, numa tentativa de tornar o serviço mais eficiente, criou linhas de ônibus para abranger zonas não favorecidas pelo metrô.


Para ver as extensões/integrações do metrô, clique AQUI

Para maiores informações, acesse: http://www.metrorio.com.br



Compras


Principais Shoppings


Rio Sul

Endereço: Rua Lauro Müller, 116 - Botafogo
Tel.: (21) 2122-8070
Site: http://www.riosul.com.br
Horário: Seg-Sáb, 10-22h - Dom, Praça de Alimentação, 12-22h; Lojas, 15-21h


Barra Shopping

Endereço: Av. das Américas, 4.666 - Barra da Tijuca
Tel.: (21) 3089-1000
site: http://www.barrashopping.com.br
Horário: Seg-Sáb, 10-22h - Dom, Praça de Alimentação, 10-21h; Lojas, 15-21h


Downtown

Endereço: Av. das Américas, 500 - Barra da Tijuca
Tel.: (21) 2494-7072 / (21) 2494-7073
Site: http://www.downtown.com.br
Horário: Diariamente, 10-22h


Shopping Leblon

Endereço: Av. Afrânio de Mello Franco, 290 - Leblon
Tel.: (21) 3138-8000
Site: http://www.shoppingleblon.com.br
Horário: Dom-Qui, 10h-0h, Sex-Sáb, 10h-1h, Feriados e vésperas, 12h-1h




Feiras de Arte e Artesanato


Centro Luiz Gonzaga de Tradições Nordestinas - Feira Nordestina

São 32 mil metros quadrados dedicados à culinária, música, artesanato e danças típicas do Nordeste, reunindo 658 barracas fixas e padronizadas, espalhadas por ruas, praças, avenidas batizadas com nomes de estados e artistas nordestinos e dois palcos para shows. A feira é um pólo de divulgação da cultura nordestina e dentre as múltiplas atrações, o show de música ao vivo, com duas bandas, acontece a partir das 20h, sextas, sábados e domingos.
Ingressos: R1,00 (a partir das 18h de sexta-feira e meio-dia de domingo)
Estacionamento: R$ 3,00 (Ter-Sex) e R$ 5,00 (Sáb-Dom)

Endereço: Campo de São Cristóvão - São Cristóvão
Tel.: (21) 2580-5335
Site: http://www.feiradesaocristovao.org.br
Horário: Ter-Qui, 10-16h - Sex, a partir das 10h às 22h de domingo



Feirarte I - Feira Hippie de Ipanema

A Praça General Osório, até o final da década de 60, era utilizada para o lazer e a recreação da comunidade. Nessa época, alguns artistas plásticos sem espaço para exibir seus trabalhos, começaram a ocupar um canto da praça, expondo e vendendo suas peças. Era o início da Feira Hippie, hoje uma das atrações turísticas da cidade, onde além das barracas com os mais variados artigos, pode ser admirado o Chafariz do Saracuras, construído no final do século XVII para o Convento da Ajuda cujo projeto é atribuído ao Mestre Valentin.

Endereço: Feira Hippie - Praça General Osório entre as ruas Teixeira de Melo, Visconde de Pirajá e Prudente de Morais - Ipanema
Site: http://www.feirahippieipanema.com
Horário: Dom, 7-19h



Feirarte II

Uma visita à Feira já é uma atração por sua localização entre os prédios históricos do Paço da Cidade, do Antigo Convento dos Carmelitas, do Arco do Teles e do Chafariz da Pirâmide, obra de Mestre Valentim. Os artesãos expõem seus trabalhos em couro, madeira, porcelana, vidro e prata e há, também, barracas com comidas típicas.

Endereço: Praça Quinze de Novembro - Centro
Horário: Qui-Sex, 8-18h



Feirarte III

Barracas com artesanato variado, moda, arte, decoração e comidas típicas.
Endereço: Praça Saens Peña - Tijuca
Horário: Sex-Sáb, 8-18h



Feirarte V

São barracas com artesanato variado e comidas típicas.
Endereço: Av. Atlântica - Praça do Lido - Copacabana
Horário: Sáb-Dom, 8-18h



Feirarte VI

Cerca de 250 barracas com trabalhos em pinturas, esculturas e desenhos.
Endereço: Calçadão Central próximo à Rua Djalma Ulrich
Horário: Sáb-Dom, 18h-meia noite



Babilônia Feira Hype

Numa área de 5.000 metros quadrados, a feira conta com 150 expositores exclusivos de moda, arte, decoração. Além da exposição e venda de produtos o visitante participa de shows musicais e performance de dança.

Endereço: Rua Jardim Botânico, 971
Tel.: (21) 2267-0066
Site: http://www.babiloniahype.com.br




Editado pela última vez por Junior Faria em 04 Dez 2009, 22:07, em um total de 7 vezes.
Avatar do usuário
Junior Faria
Editor Mochileiros.com
Editor Mochileiros.com
 
Mensagens: 1339
Desde: 02 Jun 2008, 13:27
Localização: Rio de Janeiro

Re: Dicas: O que fazer no Rio de Janeiro

Mensagem não lidapor leocaetano » 21 Mar 2009, 19:01

Já falaram de tudo um pouco aqui... mas quem vem ao Rio não pode deixar de curtir um bom SAMBA!! Na Lapa está cheia de boas casas de samba como Estrela da Lapa, Carioca da Gema e Rio Scenarium, mas todas caras. A boa é encontrar uma casa de samba pequena por lá, a maioria pouco conhecida ainda, como a Cachaçaria Mangue Seco e outras que nem o nome me recordo. Não perca um show de Teresa Cristina e o Grupo Semente, a voz que fez o samba e a Lapa voltarem à ativa. Eles estão sempre às quintas no Centro Cultural Carioca, na Praça Tiradentes, e às sextas, acho, no Carioca da Gema.

Comentaram de baile FUNK... se quiser curtir um, além do Castelo das Pedras, tem o Salgueiro, na Tijuca. É tranquilo também...

PRAIA, já falaram de Prainha, Joatinga e Arpoador, mas não falaram das mais tranquilas, no meio do paraíso, Grumari - ao lado da Prainha - e das praias de Guaratiba, que só dá pra chegar de trilha e, se der, faça um rapel na Pedra da Tartaruga por ali. Copacabana e Ipanema nem se fala, são as mais famosas, mas as praias de Niterói também são belas, como Itacoatiara e Camboinhas. Falando de Niterói, um belo passeio é andar pela praia da Boa Viagem e curtir o MAC. Um passeio bonito é andar pela praia da Urca, curtindo a enseada de Botafogo, e parando em um bom bar, como o Bar Urca, pra tomar uma gelada. Já falaram da Lagoa, mas reforço a opinião de que é um dos passeios mais belos do Rio, sou apaixonado por ela...

SAMANTHA, Polisucos é show!!!

Abraços,
Leo
EDITOR » Argentina :: Bahia :: Chile :: Patagônia e Terra do Fogo

"As pessoas não fazem viagens, são as viagens que fazem as pessoas."
John Steinbeck
Avatar do usuário
leocaetano
Editor Mochileiros.com
Editor Mochileiros.com
 
Mensagens: 1548
Desde: 31 Jul 2006, 23:33
Localização: Rio de Janeiro

Re: Dicas: O que fazer no Rio de Janeiro

Mensagem não lidapor JOMAR FREITAS » 29 Abr 2009, 08:14

Já falaram em outro tópico, mas ainda não tem aqui: Ilha de Paquetá http://www.ilhadepaqueta.com.br/. É como uma cidade de interior dentro da cidade grande. Pode-se alugar bicicletas p/ passear, pedalinhos, caiaques. É muito bonita, e foi cenário de um famoso romance "A moreninha"(Joaquim Manuel de Macedo) que até virou filme. Para chegar lá deve-se pegar a barca na praça XV, no centro. Atenção aos horários de saída das barcas.

::cool::

Outro passeio barato é visitar a Feira de Tradições Nordestinas http://www.rio.rj.gov.br/riotur/pt/atracao/?CodAtr=3904 , em São Cristóvão. Passeio imperdível para turistas e cariocas. De sexta a domingo, música ao vivo (2 palcos grandes, além de inúmeras atrações em palcos menores nas barracas), comidas típicas, roupas, artesanatos e cultura nordestina. A entrada custa apenas R$1,00. Recomendo a carne de sol na Barraca da Chiquita. Obs: as barracas menores e mais distantes dos palcos costumam ser mais baratas.

::cool::

Um passeio bom para toda a família é a Quinta da Boa Vista, também em São Cristóvão. Além da beleza natural do imenso parque, há Museu Nacional (R$6,00) http://www.museunacional.ufrj.br/, que foi moradia da família real e o RioZOO (R$6,00) http://www.rio.rj.gov.br/riozoo. Em ambos, se não me engano, estudante paga meia.



Fui!!
Avatar do usuário
JOMAR FREITAS
 
Mensagens: 7
Desde: 14 Abr 2009, 11:12

Re: Dicas: O que fazer no Rio de Janeiro

Mensagem não lidapor billythekid » 29 Abr 2009, 10:14

Ok, gostei do toque,quem sabe um dia.Mais vocês gostam de uma gelada hem.
Avatar do usuário
billythekid
Membro de Honra
Membro de Honra
 
Mensagens: 382
Desde: 14 Mar 2009, 10:08
Localização: Maranhão.

Re: Dicas: O que fazer no Rio de Janeiro

Mensagem não lidapor JOMAR FREITAS » 30 Abr 2009, 08:44

E pra quem estiver pela área da praça XV, além das dicas acima, há também um passeio de barca pela baía de guanabara com guia. Recomendado aos turistas e cariocas, pois os guias relatam fatos históricos de nossa cidade que a maioria dos cariocas não conhece bem. Fui a uns 3 anos e não lembro o preço. É bom dar uma ligada para a Barcas S/A para confirmar os horários também.

Fui!
Avatar do usuário
JOMAR FREITAS
 
Mensagens: 7
Desde: 14 Abr 2009, 11:12

Re: Dicas: O que fazer no Rio de Janeiro

Mensagem não lidapor FHaddad » 30 Abr 2009, 10:52

Depois de escalar as inumeras vias da cidade, tomar uma Devassa bem gelada no bar de mesmo nome em Ipanema.
Avatar do usuário
FHaddad
 
Mensagens: 13
Desde: 16 Jan 2009, 09:21

Re: Dicas: O que fazer no Rio de Janeiro

Mensagem não lidapor Denise2009 » 06 Mai 2009, 09:25

Oi galera!! Andei lendo as dicas de todos e foram ótimas!!!Então resolvi deixar a minha dica também... rsrs

Começando por barzinhos, no baixo Gáve tem alguns ótimos como o Braseiro da Gávea e o bar Hipódromo...
No Shopping da Gávea possui 4 teatros, que sempre estão com ótimas peças em cartazes....
Trilhas... as que eu conheço e são ótimas, são o da Pedra Bonita, tem uma vista linda lá de cima, com direito a um pit stop no parque da cidade, e para quem se animar e tiver coragem, pode saltar de para-quedas... Em jacarepagua tem também a Pedra Branca que leva ao açude do camorim, e em Pedra de Guaratiba que possue lindas praias, temos a trilha que leva até a praia do perigoso, é um pouquinho demorado, mais vale a pena!!!! Ah e complementando o que o Léo falou de Niteroi, Boa Viagem possui uma bela vista, que leva ao MAC, vale a pena ir caminhando do Forte Gragoatá até lá, e se quiser dá uma paradinha no meio caminho, tem um trailer ótimo na rua ao lado da praia que além de possuir uma cerva bem gelada, oferece uma linda vista, para quem esta dando uma relaxada lá..., temos também o Parque da Cidade de Niteroi, que oferece a bela vista da cidade, além do Cristo Redentor e Pão de açúcar... Bom... acho que é isso... ::otemo::

Bjos a todos!!!!
Avatar do usuário
Denise2009
 
Mensagens: 13
Desde: 11 Abr 2009, 15:21

Re: Dicas: O que fazer no Rio de Janeiro

Mensagem não lidapor Miguelito » 18 Mai 2009, 09:08

Jardim Botânico. Ótimo passeio para relaxar; uma delícia andar a toa pelas aléias, surpreendendo-se com uma árvore gigante ali, um arbusto de camelia sinensis (a planta do chá!) aqui, um pau-brasil mais adiante, uns sagüis ali em cima... a não perder: os belos bebedouros, e a vista do Cristo a partir do chafariz central. Entrada a R$5, sem meia. É fácil de chegar tomando o metrô até Botafogo, e dali o "metrô de superfície" até a parada Jardim Botânico; dali é só andar um pouquinho adiante, no mesmo caminho do ônibus. Para tomar o "metrô de superfície" (um ônibus), lembre de comprar a integração correspondente antes de entrar no metrô (com um só bilhete você usa o metrô e o ônibus).

Café da manhã no Parque Lage. É um parque próximo ao Jardim Botânico, com um casarão onde há um café/restaurante que serve comidinhas agradáveis. A melhor parte é comer no casarão, com aquela mata em volta -- clima muito legal. O café custa R$18, mas quase dá para dois (pedindo mais uma porção de ovos mexidos -- R$6 -- acho que já dá para dividir numa boa). Durante a semana é mais barato. A entrada ao parque é gratuita, e ele também tem algumas caminhadinhas legais (para quem for, suba no castelinho e tente falar bem no meio da torre). Para chegar lá dá para tomar o mesmo caminho indicado acima, mas a caminhada será mais longa (não sei qual é a parada mais próxima: a do Jardim Botânico ou a anterior). Parece que há várias outras opções indo só de ônibus, e que levam tanto ao Parque como ao Jardim -- eu tomei o 158, que passa na Praça Tiradentes (centro) e na orla (Flamengo e Botafogo).

(Não sou do RJ, mas fiz esses passeios em minha última viagem para lá e gostei bastante.)
Miguelito
 
Mensagens: 8
Desde: 04 Jul 2008, 08:28

Re: Dicas: O que fazer no Rio de Janeiro

Mensagem não lidapor Perez » 24 Mai 2009, 10:08

Não posso deixar de mencionar o mais básico do Rio: ir a praia!

Copacabana, Ipanema ou Leblon são, em geral, as de mais fácil acesso e são ótimas. Não se esqueça de comer biscoito Globo e beber água de coco e/ou mate-limão de galão. R$2 ou 2,50 cada.
E para quem é surfista, uma boa opção é o SurfBus, um ônibus que vai do largo do machado até a Prainha (depois da Barra) - o melhor pico de surf do Rio - e tem espaço reservado para levar pranchas de surf e bodyboard. Não sei o preço mas eles tem um site com horários e informaçoes: http://www.surfbus.com.br/

é sempre bom ir a praia nos dias de semana (se for possível). As praias ficam mais vazias (nunca desertas) e tranquilas. Mas é num domingo de sol que você pode ver os cariocas em seu verdadeiro habitat natural! haha

um abraço e boa praia!
Perez
 
Mensagens: 19
Desde: 24 Mai 2009, 09:42

Próximo

Voltar para Rio de Janeiro



Quem está online

Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 1 visitante