Ir para conteúdo

Pesquisar na Comunidade

Mostrando resultados para as tags ''antonina''.



Mais opções de pesquisa

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Mochileiros.com

  • Relatos de Viagem
    • Relatos de Viagem
  • Perguntas e Respostas
    • Perguntas Rápidas
    • Perguntas e Respostas & Roteiros
  • Companhia para Viajar
  • Trilhas e Travessias
  • Equipamentos
  • Nomadismo e Mochilão roots
  • Outras Formas de Viajar
  • Outros Fóruns

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


Sobre mim


Ocupação


Próximo Destino

Encontrado 3 registros

  1. Morretes DDD (41) Período: 03 a 10/12/2018 Cidades: Morretes, Antonina, Paranaguá e Quatro Barras* A região turística Litoral do Paraná engloba as cidades de Morretes, Antonina, Guaraqueçaba, Paranaguá, Guaratuba, Matinhos e Pontal do Paraná. São cerca de 100 km de litoral, destacando-se a Ilha do Mel e o Parque Nacional do Superagui. Nas praias, ilhas e baías, podem ser avistados golfinhos e muitas aves. Além dos encantos do mar, há cachoeiras na maior área contínua brasileira de Mata Atlântica. Somando-se às belezas naturais, destacam-se as cidades históricas como Guaraqueçaba, Morretes, Antonina e Paranaguá e os caminhos históricos das ligações entre o litoral e o planalto como o Caminho do Itupava, a Estrada da Graciosa e a Estrada de Ferro Paranaguá-Curitiba. Suas riquezas também estão na cultura caiçara das canoas de bordadura, do fandango e na culinária típica do barreado e da banana servida na forma de bala, cachaça e chips. Confira abaixo as dicas e o relato de viagem. Fiquei hospedada no centro de Morretes, de onde parti para conhecer Antonina e Paranaguá. A infraestrutura turística é pequena, pois atende majoritariamente os turistas que só vem almoçar e passar parte da tarde na cidade, mas é suficiente para atender quem desejar pernoitar. * Quatro Barras, na verdade, faz parte de outra região turística, a Rotas do Pinhão. Obs.: ATENÇÃO: Não possuo nenhum vínculo com hotel, restaurante, agência, loja e qualquer outro tipo de estabelecimento divulgado nos meus relatos de viagem. Alguns dos pontos turísticos listados, bem como alguns estabelecimentos, não foram visitados por mim e as informações foram obtidas de guias ou funcionários de CITs ou são provenientes de pesquisa. Portanto, recomendo que antes de utilizar qualquer serviço, verifique com a secretaria de turismo da cidade e/ou outras fontes idôneas e confiáveis, como sites oficiais do governo ou órgãos de ensino/pesquisa, se os dados são atualizados e/ou verossímeis. Verifique também as datas dos relatos; algumas informações permanecem válidas com o passar dos anos, porém outras são efêmeras. Esse site não se propõe a ser um guia turístico, trata-se apenas de um relato de viagem e um apanhado de observações, experiências vivenciadas e opiniões de cunho pessoal que não têm a pretensão de ser uma verdade absoluta, pois retratam apenas uma faceta ínfima do diversificado e amplo universo histórico e cultural que um destino de viagem proporciona. Vá, experimente, vivencie e encontre a sua verdade. **************************************** Nanci Naomi http://nancinaomi.000webhostapp.com/ Trilhas: Grupo CamEcol - Caminhadas Ecológicas Taubaté Relatos: 23 dias no PR - dez/2018 - Parte 1: Natal de Curitiba | Parte 2: Morretes 15 dias em SC - fev/2018 - Parte 1: Vale Europeu | Parte 2: Penha Paraty e Ilha Grande - jul/2015 - Parte 1: Paraty | Parte 2: Araçatiba e Bananal | Parte 3: Resumão das trilhas 3 dias em Monte Verde - dez/2014 21 dias na BA - fev/2014 - Parte 1: Arraial d'Ajuda | Parte 2: Caraíva | Parte 3: Trancoso | Parte 4: Porto Seguro 11 dias na BA - dez/2013 - Parte 1 e 3: Salvador | Parte 2: Costa do Dendê - Ilha de Boipeba e Morro de São Paulo 21 dias em SE e AL - fev-mar/2013 - Parte 1: Aracaju | Parte 2: Maceió | Parte 3: Maragogi 21 dias em SC - jul/2012 - Parte 1: Floripa | Parte 2: Garopaba | Parte 3: Urubici | Parte 4: Balneário Camboriú 8 dias em Foz do Iguaçu e vizinhanças - fev/2012 - Parte 1: Foz do Iguaçu | Parte 2: Puerto Iguazu | Parte 3: Ciudad del Est 25 dias desbravando Maranhão e Piauí - jul/2011 - Parte 1: São Luis | Parte 2: Lençóis Maranhenses | Parte 3: Delta do Parnaíba | Parte 4: Sete Cidades | Parte 5: Serra da Capivara | Parte 6: Teresina Um final de semana prolongado em Caldas e Poços de Caldas - jul/2010 Itatiaia - Um fds em Penedo e parte baixa do PNI - nov/2009 Um fds prolongado em Trindade e Praia do Sono - out/2009 19 dias no Ceará e Rio Grande do Norte - jan/2009 - Parte 1: Introdução | Parte 2: Fortaleza | Parte 3: Jericoacoara | Parte 4: Canoa Quebrada | Parte 5: Natal 10 dias nas trilhas de Ilha Grande e passeios em Angra dos Reis - jul/2008 De molho em Caldas Novas - jan-2008 | Curtindo a tranquilidade mineira de Araxá – jan/2008 Mochilão solo: Curitiba e cidades vizinhas - jul/2007 Algumas Cidades Históricas de MG - jan/2007 - Parte 1: Ouro Preto | Parte 2: Tiradentes 9 dias nas Serras Gaúchas - set/2005 - Parte 1: Gramado | Parte 2: Canela | Parte 3: Nova Petrópolis | Parte 4: Cambará do Sul
  2. Alô pessoal! No feriado do dia do trabalho (01/05), estava afim de conhecer algum lugar que não fosse muito longe, que eu ainda não havia ido e que não fosse muito caro. Entre as opções cogitadas, escolhi Curitiba e não me arrependo. Existem milhares de relatos aqui no fórum sobre a cidade e o litoral do PR, mas é sempre bom ter informações atualizadas. Dessa vez fomos em duas pessoas e o custo-benefício da viagem foi ótima. Nesta viagem, optamos por hospedagem através do Airbnb e foi um acerto, rentabilizou muito o valor da diária e a localização do flat era ótima. Vamos agora ao detalhamento da viagem: 27/04/2018 - Deslocamento para Curitiba O final do dia 27/04 foi apenas para deslocamento entre Santos e Curitiba. Pegamos o ônibus às 23:40hrs, com previsão de 6 horas de viagem. Geralmente quando viajo de ônibus, prefiro fazer durante a madrugada, assim chego no destino com o dia todo para aproveitar. 28/04/2018 - Curitiba e Linha Turismo Chegamos em Curitiba por volta das 06hrs da manhã. Na rodoviária, aproveitei para trocar as passagens para o litoral do PR que eu já havia comprado pela internet anteriormente. De lá, pegamos um Uber para o flat que nos hospedaríamos. Organizamos nossas coisas no apartamento, compramos alguns itens no mercado e por volta das 09hrs fomos ao centro em direção a Praça Tiradentes, que é de onde parte o ônibus da Linha Turismo. Ao chegar na Praça Tiradentes, demos uma volta nos arredores e fomos conhecer o Centro Histórico de Curitiba, que é bem perto. Por ali, fomos em algumas lojas e alguns sebos (amo!) dar uma olhada nos itens, além de comer um pastel de café da manhã rs Foto: Largo da Ordem Os ônibus da Linha Turismo começam a circular por volta das 09:30 da manhã e como era final de semana, circulavam de 15 em 15 minutos. Por volta das 10hrs pegamos nosso ônibus e o valor da tarifa é de R$ 45,00, com cinco tickets que te dá direito a cinco reembarques no ônibus. Particularmente falando, compensa MUITO utilizar a Linha Turismo por vários motivos: - Caso você não vá viajar de carro, como eu, é um meio prático de conhecer a cidade toda. - Alguns pontos turísticos de Curitiba são bem distantes um do outro, então a linha facilita muito nesse aspecto. Devidamente embarcados, o primeiro ponto em que descemos foi no famoso Jardim Botânico. O sol estava de rachar, o que deixou o parque ainda mais belo. O local é bem clichê e um clássico em Curitiba, mas que realmente vale a pena ser visitado. Muito lindo, limpo e bem projetado, sem dúvida nenhuma é o grande cartão postal da cidade e merece tal título. Ficamos lá por cerca de 1:30 e voltamos ao ponto da Linha Turismo, onde logo passou o ônibus e nosso próximo ponto de desembarque foi o Museu Oscar Niemeyer. Mais um ponto turístico bem conhecido na cidade, possui uma linda arquitetura. Se o seu interesse for exposições, vale a pena perder algumas horas por aqui. Não vimos nenhuma, mas para conhecimento, o valor da entrada para ver as exposições é de R$ 5,00. Enquanto eu montava meu roteiro para Curitiba antes da viagem, um local me chamou atenção e não estava incluso da Linha Turismo, que é o Museu Egípcio. Sou fascinado pela cultura egípcia e resolvemos incluir o museu no itinerário. Pegamos um uber do Museu Oscar Niemeyer até o Egípcio e a visita valeu super a pena. O local é bem legal, com reproduções bem fiéis de artigos do Egito antigo e um jardim com diversas estátuas, além de uma múmia de verdade exposta! Para quem gostar do tema, vale a visita. De lá, pegamos mais um uber e fomos direto para a Ópera de Arame (essa está inclusa na Linha Turismo, rs). A Ópera de Arame foi construída na área de uma antiga pedreira, e para mim, foi o melhor ponto que visitamos em Curitiba. Local belíssimo e imperdível para quem visita a cidade. Lá possui uma lanchonete e comemos uma coxinha antes de continuar o passeio. Depois disso, fomos para o Parque Tanguá, de onde se admira um belo pôr do sol em Curitiba. Também vale a parada, possui vários mirantes e é bem grande. Nosso último ponto de parada da Linha Turismo foi o bairro Santa Felicidade, local em que fica nítido a forte presença da colônia italiana na cidade. Fomos até a Vinícola Durigan, degustamos alguns vinhos e espumantes e compramos alguns doces para levar para SP. Local super agradável e a Linha Turismo tem um ponto praticamente em frente. Por fim, pegamos novamente a linha para voltar ao centro e ao apartamento. Reservem um dia inteiro para esse passeio, pois ele é bem longo. Resumo dos pontos visitados com a Linha Turismo: 1. Jardim Botânico 2. Museu Oscar Niemeyer 3. Ópera de Arame 4. Parque Tanguá 5. Santa Felicidade Queria muito ter conhecido o Memorial Ucraniano também, mas infelizmente não foi possível. Fica para uma próxima 29/04/2018 - Litoral do Paraná - Morretes, Antonina e Estrada da Graciosa No dia seguinte, acordamos bem cedo para seguir em direção ao litoral do Paraná. Antes de comprar as passagens do ônibus, pesquisei os valores para descer a serra de trem pela Serra Verde Express, mas estavam muito caros e não cabiam no orçamento. Então optamos por utilizar a linha turística da Viação Graciosa, que sai da rodoviária de Curitiba todos os dias às 09hrs da manhã e ao invés de seguir o trajeto convencional e descer a serra pela BR-277, ele vai pela famosa estrada da Graciosa. Sem dúvida nenhuma vale a pena descer pela Graciosa, o trajeto é um pouco mais longo, porém as paisagens compensam. O ônibus faz uma parada de 15 minutos em um dos mirantes da estrada e lá é possível comer na lanchonete a coxinha de aipim (recomendo). O visual pela estradinha é encantador, florido, de mata atlântica preservada e com muitas, mas muitas curvas e paralelepípedo! Chegamos em Morretes por volta das 11hrs e fomos conhecer um pouco da cidade. Demos uma volta pelo centro histórico, compramos alguns souvenirs e fomos procurar algum restaurante para experimentar o famoso barreado, prato típico da região. Haviam nos indicado o restaurante Madalozo, mas optamos por comer no Hotel e Restaurante Nhundiaquara, e digo com toda a certeza: Valeu cada centavo. Pagamos R$ 49,00 em um combo que incluia o barreado, marisco, filé de pescada, camarão, maionese, salada, pirão, arroz e frutas. Tudo a vontade e se acabasse, era só pedir para o garçom repor. Comida gostosa e atendimento muito bom. Gostei bastante do barreado, é um prato que divide bastante opiniões, mas eu curti demais. Por volta das 13:30hrs pegamos um ônibus de Morretes para Antonina (25 minutos de distância). Antonina é uma cidade encantadora, super calma e que conserva muita história. Tem muitos casarões coloniais e ruas estreitas que remetem ao passado. Foi um dos pontos altos da viagem, pois o tempo estava aberto e rendeu boas fotos da Baía de Antonina, das ruínas do antigo armazém e do centro histórico. Ficamos na cidade até as 16:15hrs, quando retornamos para Curitiba com o ônibus da viação Graciosa (desta vez pela BR-277). Chegamos em Curitiba por volta das 18hrs e fomos para o flat jantar e descansar. Fotos acima: Estrada da Graciosa e suas paisagens Acima: Morretes e o barreado Acima: Antonina e sua simplicidade. 30/04/2018 - Retorno para SP Dia de ir embora. Nosso voo estava marcado para às 11hrs da manhã e partiu pontualmente. Chegamos em SP por volta do meio-dia. Feedback da viagem: Muito satisfeito. Curitiba mereceria mais um dia para visitar os demais pontos turísticos da cidade, mas conseguimos visitar o que foi planejado. O litoral do Paraná também merece a visita e experimentar o barreado é imperdível! Só não consegui visitar o Parque Estadual de Vila Velha dessa vez pelas dificuldades em chegar lá sem carro, mas fica para uma próxima oportunidade. Gastos gerais (p/pessoa): Passagem de ônibus Santos x Curitiba: R$ 69,00 Passagem de avião Curitiba x SP: R$ 110,00 Passagem de Curitiba X Morretes e Antonina X Curitiba: cerca de R$ 25,00 cada trecho, total R$ 50,00 Passagem Morretes x Antonina: R$ 5,00 Almoço no restaurante Nhundiaquara: R$ 49,00 Hospedagem em Airbnb (3 diárias): R$ 147,00 Linha Turismo: R$ 45,00 Alimentação, demais transportes e souvenirs: R$ 65,00 Total: R$ 540,00 Qualquer dúvida estou a disposição!
  3. De volta a vida...Depois de ter conhecido parte das Serras Gaucha eu peguei um voo para Curitiba com a finalidade de fazer o passeio de Trem que vai de Curitiba até Morretes, a passagem já estava comprada desde o RJ. Passei uma noite no Albergue de Curitiba, noite bem perturbada por conta de três babacas aqui do RJ que não são mochileiros, foram para Curitiba para irem a um casamento e ficaram no Albergue, os caras eram mal educados e sem noção, tive que pagar geral para poder dormir, os babacas falavam alto, acendiam a luz toda hora sem se preocuparem que o quarto era coletivo, isso tudo por cerca de 01:30 da madruga, um deles foi tomar banho e ficou batendo papo com os outros que estavam no quarto, perguntei se o quarto era só deles e se eles estavam em casa? Claro que não gostaram Só falei que queria dormir e que era para eles irem conversar em um Bar ou eu iria fazer reclamação com o Staf, deu resultado e eu dormi tranquilo até ás 07:00 Após o café fui apanhado pelo carro da ag que contratei para fazer o passeio de Trem. (Serra Verde Express) Fui no Vagão executivo pq a diferença é pouca e vale a vista... O passeio é muito bonito, vale cada Real O passeio é bem animado, tem história, tem musica e um lanche incluído. Em Morretes rola o almoço com o tal Barreado que confesso não gostei, mas os frutos do Mar estavam dos Deuses Depois do almoço rola uma volta na praça onde se pode comprar doces, balas, farinhas e outras coisas. Morretes é pequena porém muito bonito o lugar. De Morretes seguimos de Van até Antonina e depois o grupo volta para Curitiba, eu fui deixado na Rodoviária pois de lá eu peguei um Bus para Paranaguá. Cheguei em Paranaguá a tarde e embaixo de um Dilúvio, o céu desabou e a cidade ficou alagada, assim que a chuva deu trégua eu ralei para o Albergue que é também um Hotel, eu iria passar a noite e depois do café seguiria de barco para a Ilha do Mel. Cheguei na Ilha por volta de 13:00, fui direto para o Albergue que fica de frente para o Mar e quando a maré sobe vai até o Deck do Albergue, tava bem vazia a Ilha porquê era Março e não foi mês de Carnaval ou férias, tudo muito tranquilo. Almocei e fui conhecer um pouco do lugar... no dia seguinte conheci uma colega de profissão e resolvemos caminhar até o antigo Forte e também até o Farol ficamos do outro lado da Ilha e a caminhada era longa...no caminho conhecemos mais algumas pessoas e fomos todos juntos. Fiquei ao todo três noites na Ilha depois voltei para Curitiba e de lá peguei um voo para Campo Grande pois iria para Bonito. Gastei pouco em relação a Ilha do Mel, refeições, Albergue e transfer, nada fora do que estou acostumado, valeu ter conhecido mais uma Ilha.
×
×
  • Criar Novo...