Ir para conteúdo

Pesquisar na Comunidade

Mostrando resultados para as tags ''mato grosso do sul''.



Mais opções de pesquisa

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Mochileiros.com

  • Perguntas e Respostas
    • Perguntas e Respostas
    • Destinos - Perguntas e Respostas
  • Relatos de Viagem
    • Relatos de Viagem
  • Companhia para Viajar
  • Equipamentos
  • Trilhas e Travessias
  • Nomadismo e Mochilão roots
  • Outras Formas de Viajar
  • Outros Fóruns

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


Sobre mim


Ocupação

Encontrado 16 registros

  1. Como moro relativamente perto de Bonito( 300 km) já estive lá algumas vezes. Esse tópico será um resumo com dicas das minhas idas até lá. DICAS IMPORTANTES: Bonito é uma cidade pequena mas charmosa, ponto de partida para todos os passeios que ficam nas fazendas próximas. Lembrando que os passeios tem limite diário de visitantes, portanto é bom reservar antes. Os preços são tabelados. Todos os passeios são realizados apenas com acompanhamento dos guias das agências. Os únicos lugares que não necessitam de guias são os balneários. O transporte nos passeios são cobrados a parte, se estiverem com carro próprio podem seguir o carro da agência e economizar nos transfer ! Pesquise os sites de compras coletivas de Campo Grande antes de ir, tem promoções com hospedagem e passeios incluídos com freqüência por preços ótimos, eu já usei desta estratégia e vale a pena. A água é incrivelmente gelada, preparem o psicológico ou pulem de uma vez nos rios, pq não importa a época do ano, a água está sempre gelada ! Mas se vc não souber nadar tenha cuidado, a incrível transparência da água engana muito, perde-se a noção da profundidade. Outra dica: se você tiver carteira de alberguista, fique no Hostel de lá ! É considerado um dos melhores do Brasil e como Bonito é considerado patrimônio histórico, se você ficar 4 dias hospedados lá ganha a 5ª diária ! Sem contar que tem desconto em vários passeios por lá tbm, como o recanto ecológico Rio da Prata, Abismo Anhumas (lindo! ), trem do pantanal e outros : http://www.hostel.org.br/descontos.html'>http://www.hostel.org.br/descontos.html" onclick="window.open(this.href);return false; Se não tiver a carteirinha pode fazer pelo site, custa 25,00 por pessoa e chega em 5 dias. A carteira familia custa 35,00 e vale pra familia toda. Caso sua viagem esteja muito próxima e não der tempo de fazer pelo site pode fazer na hora lá no hostel mesmo ! http://www.hostel.org.br/" onclick="window.open(this.href);return false; Na entrada da cidade tem um centro de atendimento ao turista que aluga câmeras aquáticas de 15,00 a 25,00 dependendo da capacidade de memória da máquina. Você pode bater fotos e filmar embaixo d’água sem correr o risco de estragar sua máquina digital, no final do dia as fotos são baixadas e gravadas em CD. Alguns balneários também alugam as máquinas mas por preços mais altos. Também é possível alugar nos balneários os coletes para boiar, máscara com snorkel para mergulho e ração para atrair os peixes e garantir boas fotos. O colete custa 5,00 para passar o dia todo, a máscara com snorkel 2,00 a hora e o saquinho de ração varia entre 1,00 e 2,00. Uma dica já bem manjada por qualquer mochileiro é procurar viajar na baixa temporada porque os preços são menores, Bonito não é exceção, é possível fazer flutuação no Rio Sucuri por 99,00 na baixa temporada e visitar a Gruta do Lago Azul por 45,00. Ambos os passeios duram uma manhã inteira e são acompanhados por guias, são feitos apenas por agências de turismo. Os passeios que incluem mergulho sempre são mais caros do que aqueles só com flutuação, e são sempre nos mesmos rios pra ver os mesmos peixes, então se a idéia é economizar evite os passeios de mergulho, faça apenas a flutuação. Dê preferência também aos passeios que não incluem almoço, pois encarecem bem o passeio, leve um lanche na mochila. Isso se você pretende economizar, é claro, porque os almoços nas fazendas são verdadeiros banquetes de comida regional, valem a pena. Verifique também se há necessidade de fechar um passeio pra passar o dia inteiro no mesmo lugar, na maioria dos passeios é possível comprar apenas meio período, que sai mais em conta. Bonito é pra quem curte natureza, gosta de ficar com o pé no chão e não tem problemas com água fria. COMO CHEGAR São 3 opções: alugar um carro, ir de ônibus ou de van No aeroporto há locadoras de carros. Quem voa pela TAM tem desconto de 50% no valor das diárias de locação na Empresa Unidas, paga só metade do preço ! :'> Lembrando que nos valores cobrados pelos passeios em Bonito não está incluido o transporte, são cobrados separadamente. Assim vc economiza no transfer dos passeios, pode seguir o carro da agência com seu carro locado e economizar um bom dinheirinho. De ônibus o valor da passagem é 59,00 pela viação cruzeiro do sul. Os horários são: 07:00, 9:00, 15:30 e 18:00 - todos os dias. A rodoviária fica bem distante do aeroporto, cerca de 15km. De táxi fica meio caro e de ônibus coletivo vc precisará pegar 3 ônibus ! O transporte coletivo em Campo Grande é bom, mas vc irá demorar cerca de 40 minutos porque precisará fazer integração entre as linhas nos terminais. A passagem custa 2,85. Em frente ao aeroporto pegar a linha Núcleo ou Jardim Carioca e descer no Terminal Julio de Castilhos, fazer integração na linha 085 e ir até o terminal morenão, lá vc pode pegar qualquer ônibus que vá pra rodoviária, são várias linhas. Lembrando que ao chegar em Bonito vc irá precisar de táxi para te levar até o hotel Outra opção mais prática são as vans que saem direto do aeroporto e te deixam na porta do hotel em Bonito :'> A empresa que faz o transfer é a Vanzella, cobram 60,00 por pessoa ( o mesmo preço do ônibus), e saem de Campo Grande todos os dias as 13:00 e 15:00, com capacidade para 14 pessoas. Conversei com o Valcir ( responsável pelas vans) e ele me disse que em alguns feriados tem horário extra de van as 23:30 por 80,00 por pessoa. Acima de 5 pessoas ele fecha o transporte pra Bonito com horários a combinar, é só ligar pra ele e negociar, digam que viram no site do mochileiros ! Eu disse a ele que iria indica-los aqui pois não há ônibus de noite que levem até Bonito. http://vanzellatransportes.com.br/" onclick="window.open(this.href);return false; 67\ 9217 - 3536 67\ 3255 – 3005 [email protected] A empresa aérea Azul, reconhecendo nosso potencial e acatando as insistentes reivindicações do governo, passa a oferecer voos diretos de São Paulo (Campinas) para Bonito todas as quintas-feiras e domingos. Os voos começam a valer a partir de 24 de março de 2013 Horário definido: 11h08 saída de Campinas / 12h20 chegada a Bonito; 12h48 saída de Bonito / 16h18 chegada a Campinas (Aeroporto de Viracopos). PASSEIOS Vou começar pelo Balneário Municipal : 7 kms do centro, entrada de 25,00, bem próximo ao centro da cidade, tem uma infra estrutura muito boa com quadra de areia, restaurante, guarda volumes, banheiros e de todos os balneários que visitei acredito que este tenha a maior concentração de peixes (piraputangas) no rio Formoso. O almoço custa 15,00 com direito a arroz, feijão, salada, batata frita e bife, peixe ou frango. Compensa almoçar lá do que levar um monte de coisas pra preparar a comida. Vista aérea do balneário Municipal Piraputangas Balneário do Sol: fica a 12km da cidade, entrada de 35,00, bem maior que o balneário municipal, também com ótima infra estrutura, com várias churrasqueiras, trampolim, tirolesa, xadrez gigante, piscina, pembolim, sinuca. Logo na entrada vemos vários animais : búfalo, lhamas, pôneis, araras, avestruz ... próximo ao rio há uma área com vários macaquinhos.... cuidado com eles, formam uma verdadeira gangue rsrs, não são agressivos, mas são bem malandrinhos e gostam de carregar os pertences dos mais “desavisados”. Nós sempre levamos frutas, maçãs ou bananas e picamos pra render mais, todos eles descem das árvores pra comer e o contato com eles é incrível, são umas graças. O rio que passa pelo balneário do sol também é o rio formoso, mas neste é possível ver além de piraputangas alguns dourados, e várias cachoeiras de pequeno porte. Lugar ideal para passar um dia inteiro. Balneário do sol Flagrante de um dourado comendo milho Cores incríveis na penagem das araras Espertinhos e apaixonantes Praia da figueira : fica a 14 km do centro, a entrada custa 35,00, mas confesso que não voltaria lá, o lugar é muito bonito mas não pode-se levar nada, nem comida nem bebida, tudo deve ser comprado dentro do balneário e os preços não agradaram muito .... além disso o lago possui uma areia suja e lodosa, até os peixes são meio gosmentos... na praia da figueira os peixes são pacus e eles são mais agressivos, parecem mortos de fome. Mas o lugar é muito bonito, tem bar molhado, uma figueira gigante com redário, um avião no meio do lago, pedalinho, tirolesa, um “bosque” com muitas borboletas, mas é um lugar pra descansar... não recomendo muito para tomar banho. Figueira com redário Pacús Cercada de borboletas Parece Lost Nós acampamos no albergue de Bonito, pagamos 22,00 com direito a café da manhã e podíamos utilizar toda a estrutura do albergue, incluindo piscina e internet. Para dormir nos quartos custa em média de 30,00 a 35,00, tem redário, lanchonete, área de convivência com Sky e várias revistas, quem não quiser comprar nada na lanchonete pode utilizar a cozinha do albergue para preparar as refeições. Eu recomendo, para quem não está procurando luxo e quer apenas dormir como era o nosso caso o albergue foi uma opção barata. É possível fazer os passeios pelo albergue também. _________________________________________________________________________________________________________________________ ABRIL 2012 Estive em Bonito novamente e resolvi emendar o relato no antigo que já estava aqui. Desta vez fomos levar um casal de amigos de SP pra fazer uns passeios,eles compraram um pacote muito bom nesses sites de compras coletivas que já indiquei aqui, o peixe urbano, 5 diárias pra casal, com café da manhã e um passeio incluído por 185,00 !!! Isso mesmo, o equivalente a 18,50 por pessoa a diária ! Portanto, reforço minha dica: sempre dêem uma pesquisa antes de vir pra Bonito, dá pra economizar bastante na hospedagem e aproveitar pra fazer mais passeios. Ficamos hospedados com eles na Pousada Mota, lugar simples mas bem charmosinho, com ótimo atendimento. Os quartos são pequenos, mas cabem direitinho no bolso de quem quer pagar pouco. Como iria ficar só um dia eu não comprei a promoção e pagamos 70,00 o casal, com café da manhã. A pousada fica a duas quadras da avenida principal,no centro, perto de tudo. Rua das Flores, 1066. [email protected] A pousada possui uma agência própria de turismo, é possivel reservar os passeios na recepção e parcelar no cartão junto com as diárias. Eles também alugam máquinas pra tirar fotos embaixo d'água, porém não gostei da qualidade das fotos, acho que a máquina estava desconfigurada, ficaram em tamanho pequeno e com muito brilho, mas só fomos ver isso na volta... recomendo alugar na entrada da cidade, no centro de atendimento ao turista, é mais barato e a qualidade é melhor. No sábado de manhã fomos conhecer a famosa gruta do lago azul. Estava na maior expectativa pra fazer o passeio ! É um passeio contemplativo e histórico que dura cerca de 1:30. Os preços são tabelados, pagamos 36,00 por pessoa ( na época) e fomos com veículo próprio, se vc precisar de transporte pela agência é cobrado a parte. Se estiver com um grupo de pessoas compensa alugar um carro e dividir com a galera e fazer mais de um passeio no dia. Fica a 20km do centro. A estrada é de chão mas é tranqüila, terra batida, sem buracos. O receptivo é bem simples, oferece bar e restaurante, sanitários e loja de souvenires. Os equipamentos necessários para a realização do passeio estão inclusos no valor. Fizemos uma curta trilha que chega até a entrada da gruta. A descida tem início por uma escadaria de pedra meio íngreme, e por ser escorregadia só é permitido fazer esse passeio de tênis, portanto leve um na mala ! Acredite se quiser, é por este "buraco" que começa a escadaria para a gruta Conforme vc vai descendo a gruta vai se revelando, é mágico...até o ar muda, é bem úmido, parece que ligaram o umidificador lá dentro. Os espeleotemas também formam paisagens incríveis. Apesar de escorregadia, não achei a descida difícil. Arrumem a configuração da máquina fotográfica, tirem o flash e aumentem o ISO , as fotos com flash não conseguem capturar o azul da água na distância em que ficamos... o ISO é para as fotos não ficarem muito escuras, mas não aumente demais para não ficarem esbranquiçadas. Caso vc não saiba mexer na configuração da máquina, peça para o guia, ele que nos passou essas dicas pra garantir boas fotos dentro da gruta. Nossa descida começa por aqui, fenda pela qual entramos Agora vamos ao que interessa: a água ! É muito anil naquela água!!!! É muito mais azul do que a gente imagina ou vê nas fotos, é inacreditável ! Eu sempre achava que rolava um photoshop nos cartões postais, mas é tudo de verdade !!! Uma pena não podermos tocar na água, porque dá uma vontade tremenda de pular lá dentro ! A gruta vai se revelando aos poucos... Perfeição !! Para quem gosta desse tipo de passeio contemplativo em grutas, Bonito ainda oferece outra opção: as grutas de São Miguel, esta é uma gruta seca de formação calcária. Localizada no Parque Ecológico Vale Anhumas, o passeio inicia com um vídeo de apresentação das Grutas de São Miguel e segue com uma emocionante caminhada pela copa das árvores do cerrado através de uma ponte pênsil de aprox. 200m e continua por mais 150m de trilha até chegar à entrada de uma das cavidades mais antigas deste planeta. Uma gruta seca com formações geológicas variadas, onde a natureza intocável mostra seus corais e ninhos de calcário. O receptivo possui bar e loja de souvenires. Uso obrigatório de tênis. Duração: 1h e meia. Distância: 18 km Preço por pessoa = R$ 45,00 Gruta de São Miguel Depois da Gruta fomos almoçar e a tarde fomos fazer um dos clássicos passeios de flutuação. Uma dica importante para quem quer fazer flutuação e economizar é fazer os passeios que não incluem as nascentes, pois esses costumam ser mais caros, cerca de 50,00 a mais do que aqueles que não incluem nascentes, e a transparência da água é a mesma. Tem alguns passeios que só mudam de nome e levam praticamente pros mesmos lugares, pra fazer as mesmas coisas e por preços mais baixos, as agências geralmente divulgam os mais caros, incluem almoço, fazem de tudo pra vc passar o dia todo em um lugar sendo que vc pode fazer o mesmo passeio e ficar só meio período, sem as refeições incluídas, dai o preço cai bastante. Por exemplo, ao invés de fazer o passeio "flutuação pelo rio sucuri" que custa uns 145,00 faça o barra do sucuri que custa 99,00. A única diferença é que o barra do sucuri não leva vc na nascente, mas vc vai fazer a flutuação no mesmo rio nos dois passeios. Nós fizemos o Barra do Sucuri e aproveitamos muito ! No receptivo a estrutura dispõe de banheiro, vestiário e lanchonete. Os objetos pessoais ficam no guarda volumes e colocamos as roupas de neoprene para fazer o passeio. Eu essa roupa de neoprene, foi a primeira vez que não passei frio nas águas geladas de Bonito. Recebemos um colete, que vai garantir que ninguém afunde e consiga flutuar tranquilamente. Recebemos a máscara e o snorkel para respirar embaixo d’água. A máscara é muito bacana porque ela aproxima as imagens, os peixes, funciona como um zoom dentro da água rsrs. A única parte meio chata é o procedimento pra não deixar a máscara embaçar... antes de entrar na água temos que cuspir nas lentes e espalhar a saliva, o guia explicou que existe algum elemento na nossa saliva ( que não lembro o que é) que não deixa embaçar as lentes. Claro que a máscara é enxaguada antes de colocar no rosto e todas são esterilizadas entre um passeio e outro. Mas é no mínimo engraçado ver todo mundo cuspindo nas máscaras.... Eu, particularmente, não gosto do snorkel, além de achar ruim e sufocante respirar com ele, sempre acabo me distraindo e acabo afundando mais a cabeça do que deveria, daí entra água pelo tubo e me afogo rsrs, sem contar que a gente fica feio pra caramba nas fotos com aquilo rsrs, eu prefiro fazer apnéia, tranco a respiração e pronto, achei bem mais tranqüilo fazer o passeio assim, só de máscara. Antes do passeio o guia te leva pra um píer na beira do rio pra fazer treinamento, como flutuar, as posições corretas, pois não é permitido encostar no fundo do rio ! Quando ouvi isso fiquei apreensiva, como não vou encostar no fundo do rio ?? Mas é bem tranqüilo... o colete não te deixa afundar e mesmo quem não sabe nadar consegue flutuar tranquilamente, o rio não tem correntezas fortes, não me pareceu muito fundo, é bem fácil. No píer pegamos um barco e remamos (bastante) até um ponto perto da nascente, só curtindo a paisagem, o rio sucuri é algo incrivelmente lindo ! Mais uma vez me surpreendi, é melhor do que nas fotos. Temos a sensação de estar voando, deslizando naquelas águas, você se desliga do mundo, pois não ouve nada do lado de fora, fica só naquele universo paralelo acompanhando os cardumes. Experiência inesquecível. Na volta, não deixe de parar na lanchonete do receptivo e tomar uma cachacinha artesanal que é servida como cortesia, é ótima pra aquecer o corpo depois de horas na água fria. Não deixe de alugar uma máquina pra bater fotos embaixo da água, vale a pena ! De noite fomos no restaurante Sale e Pepe comer peixe... achei o preço meio salgado pela quantidade servida, então recomendo pesquisarem melhor, há várias opções por lá... nossa conta ficou em 170,00, levamos um susto, quase fiquei lá lavando pratos . E nós só pedimos dois pratos (um por casal) e um espetinho de jacaré. Inclusive, nem do espetinho de jacaré eu gostei, parece frango, mas é mais duro e sem sabor.... Em frente ao restaurante tem uma sorveteria chamada delicias do cerrado, essa eu super recomendo !!! Tem picolés ótimos, de sabores inusitados, mas são praticamente a fruta no palito, muito saborosos! Na minha opinião o melhor é o Romeu e Julieta ( queijo com goiabada), mas não deixem de provar o picolé de amendoim, café, cagaita, tamarindo (pra quem gosta dos azedos), gengibre, melancia, jabuticaba, mamão papaia, pequi ( pra quem é do RS, este picolé de pequi tem sabor de butiá, fruta típica do sul). E os picolés são baratos, em torno de 1,70.Segue o link com todos os sabores http://www.deliciasdocerrado.com/?pag=produtos" onclick="window.open(this.href);return false;. __________________________________________________________________________________________________________________________ Olha eu aqui outra vez..... sei que o relato vai ficar imenso mas acho que tenho outras dicas bacanas pra passar. Vou passar uma relação de alguns dos passeios mais famosos de Bonito, que eu ainda não fiz mas que ouço muito falar, são muito bem recomendados: ILHA BONITA: Conheça a Ilha Bonita, a maior ilha de Bonito está aqui! Na Ilha Bonita, existe uma forma muito peculiar de se admirar os peixes. Uma sineta é tocada, perto da ponte, e os peixes se aproximam para receber o alimento... É um momento de rara beleza, onde se podem observar bem de perto os mais belos peixes, grandes, médios, pequenos... Duração: livre. Distância: 12 km Adulto: R$ 40,00 (AT e BT) Criança: R$ 30,00 (AT e BT) ILHA BONITA BONITO AVENTURA: O passeio tem início com uma caminhada de aprox. 1.800m pela mata ciliar do Rio Formoso, até o píer da Figueira, contemplando árvores centenárias, rica flora e fauna locais. A flutuação de aprox. 2.200m no leito do Rio Formoso, além da interação com diversos cardumes de peixes e vegetação subaquática, permite ao visitante fazer apnéia e nadar durante o percurso e as descidas pelas corredeiras dão um toque de emoção ao passeio. É uma flutuação diferente, onde o visitante sentirá toda a liberdade do rio como se fosse um peixe. O receptivo possui bar e restaurante, redário, sanitários e loja de souvenires. Distância: 6km – Duração: meio dia Flutuação com almoço R$ 100,00 (AT e BT) Flutuação sem almoço: R$ 80,00 (AT e BT) BONITO AVENTURA: PARQUE ECOLÓGICO RIO FORMOSO: O passeio tem início com uma caminhada de aprox. 2.200m pela mata ciliar do Rio Formoso até o Morro da Piúva, de onde se avista a Serra da Bodoquena. O retorno acontece por flutuação de aprox. 2.800m em águas cristalinas, passando por diversas corredeiras O receptivo possui sanitários, bar e restaurante em frente a uma lagoa de águas cristalinas com deck de acesso e o visitante ainda pode encerrar o dia com um agradável passeio opcional a cavalo. Os equipamentos para flutuação e o uso do deck da lagoa estão inclusos no valor. Duração: meio dia. Distância: 7 km Flutuação: Adulto R$ 75,00 Bóia Cross: Adulto R$ 60,00 Criança: R$ 55,00 (AT e BT) Cavalgada: R$ 62,00 (AT e BT) Almoço: R$ 20,00 PARQUE RIO FORMOSO: RECANTO ECOLÓGICO RIO DA PRATA: O passeio tem início com uma caminhada de aprox. 50 min. por uma trilha interpretativa através de uma linda e preservada floresta com rica flora, onde conviverá harmoniosamente com aves e outros animais silvestres. Ao mergulhar na nascente do Rio Olho D´água, um novo mundo estará diante de seus olhos. Você flutuará tranquilamente em um imenso aquário de águas cristalinas por aprox. 2.200m. A curiosa sensação que se tem é de estar voando em meio a animais e plantas subaquáticas. Após o passeio, existe a tentadora opção de saborear um delicioso almoço típico. A sede possui bar e restaurante, sanitários, redário e loja de souvenires. Foi considerado várias vezes o melhor passeio de Bonito por várias revistas famosas Duração: dia todo. Distância: 56 km. (crianças a partir de 08 anos) Flutuação Adulto e Criança com almoço: R$ 198,00 (AT) R$ 168,00 (BT) Opcionais: Almoço: R$ 36,00 Cavalgada: R$52,00 (AT e BT) RIO DA PRATA RIO SUCURI: Situado na Fazenda São Geraldo, o Rio Sucuri, considerado um dos rios de águas mais cristalinas no mundo oferece o passeio de flutuação, que tem início com uma caminhada de aprox. 500m na mata ciliar levando o visitante até as nascentes do rio, que ficaram mais conhecidas após filmagem para a novela Alma Gêmea. Durante a trilha o visitante pode apreciar a fauna e flora local e fazer paradas em mirantes para observação das nascentes. A flutuação de aprox. 1800m nas águas cristalinas do Rio Sucuri, permite ao visitante apreciar a beleza da flora subaquática e a interação com diversos cardumes de peixes. A fazenda tem um belo receptivo, com piscina, redário, bar e restaurante, sanitários (adaptados p/ cadeirantes), armários guarda-volumes e loja de souvenir. Duração: meio dia ou dia todo. Distância: 18 km. OBS: Crianças até 05 anos são consideradas FREE. Flutuação (meio período) Adulto: R$ 148,00 (AT) R$ 113,00 (BT) Criança R$ 125,00 (AT) R$ 100,00 (BT) (crianças de 06 a 11 anos) Opcionais: Almoço R$ 26,00 Nascente R$ 40,00 (AT e BT) Cavalgada/Bike R$ 48,00 (AT e BT) LAGOA MISTERIOSA: Uma lagoa de águas azuis que impressiona por sua incrível transparência e profundidade. Situada em Jardim, cidade próxima à Bonito, no Mato Grosso do Sul, a Lagoa Misteriosa fica no fundo de uma dolina, um tipo de formação geológica similar a um buraco com 75 metros de profundidade. Distância: 57 km. Flutuação: R$ 130,00 (AT e BT) (crianças somente a partir de 12 anos) AQUÁRIO NATURAL E TRILHA DOS ANIMAIS : Situado na Reserva Ecológica Baía Bonita, o passeio tem início com uma caminhada de aprox. 15 min. por uma trilha na mata ciliar, que leva até a nascente do Rio Baía Bonita, onde é realizada a flutuação de aprox. 800m rio abaixo. O visitante flutua na companhia de peixes e aprecia uma rica vegetação subaquática, que dá a sensação de estar num verdadeiro aquário. Todo o percurso tem o acompanhamento do barco de apoio. Para enriquecer ainda mais o passeio, existe a opção de conhecer a Trilha dos Animais, observando variedades de animais da região, Pantanal e Cerrado através de mirantes e passarelas por aprox. 2.000m. O receptivo conta com piscina, hidromassagem aquecida, bar e restaurante, sanitários, vestiários, armários guarda-volumes O projeto da “Trilha dos Animais” nasceu de uma crescente necessidade de o público brasileiro e estrangeiro conhecer mais a fauna do centro oeste do Brasil. É possível ver cervos do pantanal, antas, onças, lobo guará, jacarés e sucuri. Todos os animais que podem ser vistos durante o passeio vêm de projetos de recuperação, ou de zoológicos, nenhum deles foi retirado do estado selvagem. A idéia é que eles tenham uma vida quanto mais semelhante àquela que teriam em liberdade: os recintos fecham grandes áreas de serrado e mata, deixando livre a circulação para os animais silvestres que aqui vivem. Os visitantes passeiam em trilhas suspensas vendo os animais no próprio habitat. Duração: meio dia ou dia todo. Distância: 7 km. OPÇÕES DE PASSEIOS: Visitação ao Parque Ecológico: Visitação de aproximadamente 1h30. Inicia-se na recepção do Parque Ecológico percorrendo trilhas até a nascente Baía Bonita para contemplação e retornando pelo centro veterinário. Preço único: R$ 39,00 Flutuação na Nascente Baia Bonita - Visitação inicia com uma trilha até à nascente, passará por diferentes paisagens além da vegetação e fauna que se alteram a cada momento. Na nascente, o visitante terá a oportunidade de contemplar a beleza do Aquário Natural, cujas águas são consideradas uma das mais cristalinas do mundo. Início da flutuação no deck do Rio Baia Bonita, seguindo até o deck dos botes de apoio e retornando ao receptivo pela mesma trilha. Preço único: R$ 94,00 Opcional: Almoço varia de R$ 16,00 a R$ 40,00 AQUÁRIO NATURAL TRILHA DOS ANIMAIS RAPEL NO ABISMO ANHUMAS: O rapel de 72 metros que inicia por uma fenda na rocha, leva a uma caverna com magníficas formações e um lago de águas cristalinas do tamanho de um campo de futebol que atinge 80m de profundidade. A flutuação ou mergulho autônomo revelam a beleza subaquática do lugar que esconde cones de até 17m de altura e tem-se uma visibilidade de até 60m. Na parte seca existem vários salões e espeleotemas, de uma beleza inesquecível que a natureza esculpiu. Para o rapel existe um treinamento obrigatório no dia anterior, e para o mergulho autônomo é necessário credencial. Duração: meio dia. Distância: 22 km. Rapel c/ Flutuação R$ 575,00 (AT e BT) (crianças somente a partir de 12 anos) Rapel com mergulho R$ 805,00 ( AT e BT) BÓIA CROSS: Uma pequena caminhada de aprox. 300m em trilha leva até o ponto inicial do passeio, uma emocionante aventura nas corredeiras do Rio Formoso em bóias individuais, com acompanhamento de monitores, num percurso de aprox. 1.200m. O retorno é por trilha de aprox. 100m na mata ciliar que permite a observação da fauna e flora locais. Duração: 40m no rio. Distância: 6 km. Adulto: R$ 58,00 e R$ 50,00 (AT e BT) Criança R$ 50,00 e R$ 43,00 (AT e BT) (crianças somente a partir de 07 anos) BOTE NO RIO FORMOSO: Realizado em botes infláveis por um dos principais rios da região, num percurso de 6 Km, passando por três cachoeiras e duas corredeiras com uma parada para banho de aprox. 20 min. Durante o percurso tem-se a oportunidade de contemplar a fauna e flora às margens do rio até o desembarque na Ilha do Padre, onde o turista pode usufruir da infra-estrutura do local que possui vários decks e cachoeiras para banho, além de sanitários, vestiário, bar, lanchonete e restaurante. O passeio de bote é ideal para todas as idades. Duração: meio dia. Distância: 12 km. OBS: Crianças até 05 anos FREE. Adulto: R$ 77,00 (AT e BT) e Criança R$ 65,00 (AT e BT) CACHOEIRAS DO RIO DO PEIXE: Uma fascinante caminhada na Fazenda Água Viva, num dos cenários mais belos e paradisíacos da região. A primeira etapa do passeio tem percurso de aprox. 1.600m e passa por várias cachoeiras ornamentais, piscinas naturais e pequenas grutas submersas. No caminho observa-se uma fauna atraente com macacos, araras, tucanos, entre outros. Na sede da fazenda é oferecido um delicioso almoço sul-matogrossense e após um merecido descanso o passeio continua por mais um percurso de aprox. 800m que passa por mais 3 pontos de banho. Um delicioso lanche é servido no final da tarde acompanhado de “causos” contatos pelo proprietário da fazenda. O receptivo possui bar e restaurante, sanitários e redário. Duração: dia todo. Distância: 34 km. OBS: Crianças até 05 anos são consideradas FREE. Trilha e Cachoeiras c/ almoço Adulto: R$ 138,00 (AT) R$ 125,00 (BT) Criança: R$ 115,00 (AT) R$ 102,00 (BT) CACHOEIRAS RIO DO PEIXE ESTÂNCIA MIMOSA: O passeio tem início com uma caminhada por trilha de aprox. 3.500m pela mata ciliar do Rio Mimoso em meio a árvores centenárias e animais silvestres. São sete paradas para banho em cachoeiras com piscinas naturais, sendo que uma parte do percurso é percorrido com barco à remo. Diversos mirantes com visões panorâmicas da Serra da Bodoquena fazem da Estância Mimosa um dos passeios mais fascinantes da região. A casa sede da fazenda, onde é servido um delicioso almoço, mantém suas características originais. Após um merecido descanso no redário, ainda há a opção de encerrar o dia com um agradável passeio opcional à cavalo. O receptivo possui bar e restaurante, sanitários, redário e loja de souvenires. Duração: meio dia. Distância: 24 km. OBS: Crianças até 05 anos são consideradas FREE. (crianças de 6 a 11 anos) Trilha e Cachoeiras: Adulto: R$ 132,00 (AT) R$ 116,00 (BT) com almoço Criança: R$ 118,00 (AT) R$ 104,00 (BT) com almoço Opcionais: Almoço: R$ 25,00 Cavalgada: 52,00 (AT e BT) ESTÂNCIA MIMOSA PARQUE DAS CACHOEIRAS: O passeio começa com uma caminhada por trilha ecológica na mata ciliar do Rio Mimoso, observando os encantos da fauna e flora locais. Durante o percurso de aprox. 1.700m pode-se tomar banho e contemplar sete belíssimas cachoeiras formadas por tufas calcárias, cada uma com sua beleza e encanto, além de pequenas cavernas, piscinas naturais e carretilha. O Almoço é servido no receptivo da fazenda que possui bar e restaurante, sanitários e redário. O visitante ainda pode encerrar o dia com um agradável passeio opcional à cavalo. Duração: meio dia. Distância: 17 km. OBS: Crianças até 05 anos são consideradas FREE. Passeio Sem Refeição Adulto: R$ 95,00 (AT) R$ 80,00 (BT) Criança: R$70,00 (AT) R$ 60,00 (BT) Opcionais: Almoço R$ 30,00 (AT e BT) Adulto Almoço R$ 25,00 (AT e BT) Criança FAZENDA CEITA CORÊ: Na língua tupi-guarani “Terra de meus filhos”. A fazenda apresenta uma das sedes mais bonitas e tradicionais da região, com uma belíssima casa à beira de um lago de águas cristalinas, onde o visitante poderá fazer um passeio de barco para conhecer a nascente do Rio Chapena. Uma trilha de aprox. 1800m na mata ciliar do Rio Chapeninha leva o visitante à seis cachoeiras formadas por tufas calcárias e pequenas grutas, além de piscinas naturais e carretilha. O almoço típico de fazenda é servido na sede que possui bar e restaurante, sanitários, piscina, mesas p/ jogos, redário e loja de souvenires. Duração: dia todo. Distância: 36 km. OBS: Crianças até 05 anos são consideradas FREE. Trilha e cachoeiras c/ almoço Adulto: R$ 145,00 (AT) R$ 130,00 (BT) Criança: R$103,00 (AT) R$94,00 (BT) (crianças de 06 a 10 anos). PROJETO JIBÓIA: O Projeto Jibóia tem como principal objetivo a desmistificação das serpentes não peçonhentas, assim como um trabalho de educação ambiental com informações referentes às características, hábitos alimentares das serpentes e seu papel na natureza,. Duração: 2h. Distância: centro. (crianças de 5 a 11 anos) Adulto: R$35,00 (AT e BT) Criança: R$ 25,00 (AT e BT) _______________________________________________________________________________________________________________________________________ CIDADES BEM PRÓXIMAS DE BONITO Próximo a Bonito existem outras opções de passeios, como a cidade de Jardim ( 62km de Bonito), que tem um balneário municipal muito famoso, nas margens do Rio da Prata. Em Bonito os balneários são todos nas margens do Rio Formoso, que é o menos transparente dos rios de lá, para ver o Rio da Prata em Bonito somente pagando os passeios, em Jardim é possivel nadar nesse rio pagando o precinho de balneário. municipal. De Bonito também saem diversos passeios para o Pantanal , incluindo safáris fotográficos na estrada parque e visita nas fazendas. FAZENDA SAN FRANCISCO: Situada no Pantanal de Miranda a 170 km de Bonito, a fazenda oferece um passeio de 01 dia que é composto por um Safári Fotográfico em carro aberto pelas reservas florestais e campos de arroz irrigados, visita a invernadas de criação das raças Nelore e Montana Tropical, caminhada pela trilha suspensa do carandazal (700m.), localizada às margens do Rio Miranda onde há o encontro com o Corixo São Domingos, que após um delicioso almoço pantaneiro, acontece o Passeio de Chalana com pescaria artesanal de piranhas e observação de fauna e flora ribeirinha. A fazenda tem estrutura com bar e restaurante, piscina e redário. OBS: Crianças até 04 anos são consideradas FREE(crianças de 05 a 11 anos) Adulto: R$ 168,00 (AT e BT) Criança: R$ 121,00 (AT e BT) Focagem Noturna de carro R$ 132,00 Opcional: Café da manhã R$ 18,00 De Bonito também é possível dar uma esticada até Pedro Juan Caballero, no Paraguay (240km), e visitar o Shopping China, o maior shopping de importados da América e comprar de tudo por preço de banana, sem os impostos do Brasil. Um verdadeiro paraíso pra quem gosta de eletro eletrônicos, perfumes importados e uma infinidade de outras coisas. Dá pra ir e voltar no mesmo dia, são 2 horas de viagem pra ir e mais 2 horas pra voltar. Uma dica : saia bem cedo, esteja no Paraguay por volta de 8:00 da manhã, o Shopping China é imenso e vc não conseguirá ver tudo se chegar tarde. Vale muito a pena ir. Outra dica é visitar Bodoquena (82km), possui rios lindíssimos como os de Bonito, Cachoeiras e o famoso Buraco das Araras BOCA DA ONÇA ECOTOUR: O passeio é composto de uma caminhada por trilha pela mata preservada de aprox. 4km, passando por 11 cachoeiras cristalinas, inclusive a Cachoeira Boca da Onça, a mais alta do Estado com 156m de altura, pelo cênico Rio Salobra e por pontos de banho em piscinas naturais. Através da plataforma de rapel tem-se uma vista deslumbrante do Canyon do Rio Salobra e das pequenas grutas existentes no paredão. O almoço é servido no receptivo que oferece duas piscinas de água corrente com peixes típicos da região que nadam junto com o visitante, relaxante hidromassagem, ducha natural, além de bar e restaurante, sanitários (adaptados p/ cadeirantes), vestiários, salão de jogos, redário de loja de souvenires. Duração: dia todo. Distância: 55 km. Trilha e cachoeiras c/ almoço: Adulto: R$70,00 AT e R$ 150,00 BT / Criança de 06 a 11 anos: R$ 125,00 AT e R$110,00 BT Opcionais: Receptivo com almoço R$ 70,00 BT e R$ 80,00 AT Rapel: R$ 300,00 BT e R$ 350,00 AT Transporte: R$ 40,00 1 - Início da Trilha da Boca da Onça 2 - Piscinas da Cutia 3 - Garganta da Arara 4 - Cachoeira da Anta 5 - Cachoeira do Jabuti 6 - Buraco do Macaco 7 - Caverna do Morcego 8 - Cachoeira da Paca 9 - Cachoeira do Fantasma 10 - Cachoeira da Queixada 11 - Poço do Lontra 12 - Praia da Boca da Onça 13 - Poço da Pedra do Baú 14 - Cachoeira Boca da Onça 15 - Garganta da Boca da Onça Conta com excelente receptivo. Quatro quilômetros de caminhada por mata preservada em trilhas que proporcionam total segurança, passando por onze cachoeiras, dentre elas a deslumbrante Cachoeira Boca da Onça com 156 metros de queda livre – a mais alta do Mato Grosso do Sul. Relaxantes banhos em piscinas naturais translúcidas e no Rio Salobra, uns dos berçários dos peixes do Pantanal e considerado rio cênico protegido por lei, fazem parte desse passeio. No meio do trajeto está o quiosque – ponto de apoio - que dispõe de bar, banheiros e enfermaria. É uma agradável pausa para observar a mata e os paredões de calcário. A escadaria de 866 degraus construída ao longo do paredão de calcário, de onde a vista sobre o cânion do rio Salobra e sobre a área de descida do rapel são inesquecíveis. A Flutuação Cênica pelo Rio Salobra, um passeio de observação da fauna e da flora da Serra da Bodoquena onde o visitante percorre o Rio Salobra em um imenso canyon de rocha calcária com visuais exuberantes e locais inexplorados. Esse passeio consiste em uma caminhada e uma flutuação ao longo de 3 quilômetros, sendo a maior parte feita flutuando, com roupas e botas de neoprene, colete e sem o uso de máscara/snorkel. O visitante desce o rio passando por cinco quedas de água, finalizando o passeio na Cachoeira Boca da Onça. Piscinas naturais Buraco dos macacos Cachoeira do fantasma Cachoeira garganta da arara Córrego Azul Cachoeira Boca da Onça Vista aérea da Serra da Bodoquena Refúgio Canaã Cachoeira Boca da Onça RAPEL BOCA DA ONÇA: O passeio é composto de uma descida repleta de adrenalina em um paredão vertical de 90m de altura. A plataforma de rapel é uma estrutura de 34m de comprimento que se projeta no abismo, proporcionando uma vista deslumbrante do Canyon do Rio Salobra e das pequenas grutas existentes no paredão. Terminando o rapel, um banho na maior cachoeira do estado (a Boca da Onça, com seus 156m de altura) é indispensável. O receptivo possui bar e restaurante, sanitários (adaptados p/ cadeirantes), vestiários, duas piscinas com água corrente, ducha natural, salão de jogos e redário. O treinamento antecipado é obrigatório. Duração: dia todo. Distância: 55 km. Rapel R$ 350,00 AT e R$ 300,00 BT (crianças somente a partir de 11 anos) Almoço R$ 25,00 Transporte: R$ 40,00 BURACO DAS ARARAS: Em meio ao cerrado uma dolina (depressão formada por desabamento) enorme cratera totalmente em arenito com 120m de profundidade, 500m de diâmetro e sua beleza e exuberância, lugar onde diversos pássaros, principalmente as “Araras Vermelhas” adotaram como habitat natural. Em seu interior fauna e flora bem particulares, com ecossistema próprio e um grande lago habitado por jacarés da espécie papo amarelo. O receptivo possui bar e loja de souvenires, sanitários e área de convivência. O passeio é uma boa opção, antes ou depois para quem faz o passeio Rio da Prata ou quando estiver chegando ou saindo de Bonito. Duração: meio dia. Distância: 58 km. Adulto: R$ 45,00 (AT e BT) Criança:R$ 35,00 (AT e BT) DOLINA Quem quiser entrar em contato o telefone é 67/3255-1008 11/3231-2729 ou 11/3042-6815 Reservas on line: [email protected] MSN: [email protected] Se quiser fazer comprinhas, vc estará a 2 horas do Paraguay e do famoso Shopping China, considerado por anos consecutivos o maior e melhor shopping de importados das Américas, vc encontra produtos e marcas originais, eletrônicos, perfumes, bebidas, chocolates, roupas, calçados,tudo a preço de banana por lá, sem os impostos do Brasil, é fronteira seca com Ponta Porã, fica em Pedro Juan Caballero, super tranquilo de entrar e sair, só atravessar a rua e raramente tem fiscalização. Dá pra se sentir rico por um dia !! TABELA DE PREÇOS DE TODOS OS PASSEIOS ATUALIZADA 2014 Atrativo Valor Alta Valor Baixa ADT - ADULTO CHD- CRIANÇA Abismo Anhumas - Rapel & Flutuação ADT e CHD (crianças a partir de 12 anos) 575,00 575,00 Abismo Anhumas - Rapel & Mergulho (Bonito Scuba) (crianças a partir de 12 anos) 805,00 805,00 Arvorismo Hotel Cabanas Diurno ADT 95,00 85,00 Arvorismo Hotel Cabanas Diurno CHD 83,00 76,00 Arvorismo Hotel Cabanas Noturno ADT e CHD (criança a partir de 10 anos) 100,00 100,00 Balneário Municipal 30,00 25,00 Balneário do Sol - ADT 35,00 35,00 Balneário do Sol - CHD (crianças de 6 a 11 anos) 20,00 20,00 Balneário Ilha Bonita - ADT 40,00 40,00 Balneário Ilha Bonita - CHD (crianças de 6 a 11 anos) 30,00 30,00 Barra do Sucuri - Flutuação - ADT e CHD (a partir de 6 anos) 120,00 99,00 Boca da Onça Ecotour - receptivo e almoço ADT e CHD 80,00 70,00 Boca da Onça Ecotour - Trilha + Rapel ADT e CHD (crianças a partir de 11 anos) 350,00 300,00 Boca da Onça Ecotour - Trilhas e Cachoeiras ADT c/almoço 170,00 150,00 Boca da Onça Ecotour - Trilhas e Cachoeiras c/ almoço (CHD - 06 a 11 anos) 125,00 110,00 Boia Cross do Hotel Cabanas 58,00 50,00 Boia Cross do Hotel Cabanas - CHD (06 a 11 anos) 50,00 43,00 Bonito Aventura - Flutuação c/ almoço - ADT e CHD 100,00 100,00 Bonito Aventura - Flutuação s/ almoço - ADT e CHD 80,00 80,00 Bonito Aventura - Trilha Interpretativa 40,00 40,00 Buraco das Araras - ADT 45,00 45,00 Buraco das Araras - CHD (08 a 12 anos) 35,00 35,00 Cabanas Arvorismo 95,00 85,00 Cabanas Arvorismo - CHD (06 a 11 anos) 83,00 76,00 Cabanas Arvorismo - Noturno (a partir de 10 anos) 100,00 100,00 Ceita Corê - Trilha e Cachoeira c/ almoço ADT 145,00 130,00 Ceita Corê - Trilha e Cachoeira c/ almoço - CHD (06 a 11 anos) 103,00 94,00 Estância Mimosa Ecoturismo - Observação de Aves 78,00 78,00 Estância Mimosa Ecoturismo - Passeio a cavalo (crianças a partir de 6 anos) 52,00 52,00 Estância Mimosa Ecoturismo - Trilhas e Cachoeiras ADT c/ almoço 132,00 116,00 Estância Mimosa Ecoturismo - Trilhas e Cachoeiras (CHD) (crianças de 6 a 11 anos) 118,00 104,00 Fazenda San Franciso (Pantanal Sul) - Day Use 168,00 168,00 Fazenda San Franciso (Pantanal Sul) - Day Use (CHD) 121,00 121,00 Fazenda San Franciso (Pantanal Sul) - Focagem Noturna de Carro 132,00 132,00 Fazenda San Franciso (Pantanal Sul) - Passeio 1/2 Período com almoço 150,00 150,00 Fazenda San Franciso (Pantanal Sul) - Passeio 1/2 Período com almoço (CHD - 05 a 11 anos) 103,00 103,00 Gruta do Lago Azul ADT e CHD (crianças a partir de 5 anos) 60,00 45,00 Grutas de São Miguel ADT 45,00 45,00 Grutas de São Miguel CHD (crianças a partir de 5 anos) 36,00 36,00 Lagoa Misteriosa - Mergulho com cilindro ADT e CHD (crianças a partir de 10 anos) 292,00 292,00 Lagoa Misteriosa - Trilha, Contemplação e Flutuação (ADT e CHD) crianças a partir de 8 anos 130,00 130,00 Mergulho Rio Formoso Ygarapé Tour ADT e CHD (crianças a partir de 10 anos) 210,00 210,00 Parque das Cachoeiras - almoço ADT 30,00 30,00 Parque das Cachoeiras - almoço CHD (crianças de 6 a 10 anos) 25,00 25,00 Parque das Cachoeiras ADT - trilha c/cachoeira 95,00 80,00 Parque das Cachoeiras CHD - trilha c/cachoeira (crianças de 6 a 10 anos) 70,00 60,00 Parque Ecológico Rio Formoso - almoço 20,00 20,00 Parque Ecológico Rio Formoso - Flutuação ADT e CHD (crianças a partir de 7 anos) 75,00 75,00 Parque Ecológico Rio Formoso - Bóia Cross (ADT) 60,00 60,00 Parque Ecológico Rio Formoso - Bóia Cross (CHD) (crianças a partir de 7 anos) 55,00 55,00 Parque Ecológico Rio Formoso - Cavalgada ADT e CHD (crianças a partir de 7 anos) 65,00 65,00 Praia da Figueira 35,00 35,00 Praia da Figueira - CHD (06 a 12 anos) 25,00 25,00 Praia da Figueira - Caiaque/Pedalinho/Passeio de Barco 15,00 15,00 Praia da Figueira - Quadriciclo 40,00 40,00 Praia da Figueira almoço 25,00 25,00 Praia da Figueira almoço - CHD 12,00 12,00 Projeto Jiboia ADT 35,00 35,00 Projeto Jiboia CHD (06 a 11 anos) 25,00 25,00 Recanto Ecológico Rio da Prata - almoço 36,00 36,00 Recanto Ecológico Rio da Prata - Mergulho com Cilindro ADT e CHD (crianças a partir de 10 anos) 225,00 225,00 Recanto Ecológico Rio da Prata - Observação de Aves 78,00 78,00 Recanto Ecológico Rio da Prata - Passeio a Cavalo 52,00 52,00 Recanto Ecológico Rio da Prata - Trilha e Flutuação c/ almoço - ADT e CHD ( crianças a partir de 8 anos) 198,00 168,00 Nascente Azul - Flutuação c/ almoço - ADT 160,00 143,00 Nascente Azul - Flutuação c/ almoço - CHD 140,00 124,00 Nascente Azul - Lago da Capela c/ almoço - ADT 63,00 58,00 Nascente Azul - Lago da Capela c/ almoço - CHD 53,00 48,00 Nascente Rio Sucuri - almoço 28,00 28,00 Nascente Rio Sucuri - Cavalgada ou Bike 53,00 53,00 Nascente Rio Sucuri - Flutuação (ADT e CHD) 168,10 145,00 Nascente Rio Sucuri - Nascente 50,00 50,00 Taboa Fábrica de Encantos (crianças até 11 anos FREE) 25,00 25,00
  2. Pessoal, ninguem tem duvidas q MS foi abencoado por ter lugares tao lindos como Bonito e Pantanal, mas gostaria d saber mais sobre outras cidades turisticas, eh dificil conseguir essas informacoes. Sugiro ate q quem tiver informacoes abra outro topico c/ o nome da cidade indicada.
  3. Olá, pessoal. Estou programando uma viagem para Bonito-MS entre 04 e 12 de maio, mas ainda não tenho roteiro e nem hospedagem definida, mas pretendo ficar em hostel. Se alguém estiver indo nesse período e quiser cia, manda um alô! 😃
  4. Resumo: Itinerário: Porto Velho (RO) → Rio Branco (AC) → Xapuri (AC) → Sena Madureira (AC) → Ji-Paraná (RO) → Comodoro (MT) → Cuiabá (MT) → Chapada dos Guimarães (MT) → Poconé (MT) → Campo Grande (MS) → Aquidauana (MS) → Miranda (MS) → Passo do Lontra (MS) → Corumbá (MS) → Bonito (MS) Período: 03/01/2006 a 06/02/2006 Ida: Voo de São Paulo (Congonhas) a Porto Velho em Rondônia. Acho que a companhia era a TAM e a passagem foi paga com pontos. Volta: Ônibus da Viação Cruzeiro do Sul de Bonito a Campo Grande no Mato Grosso do Sul e da Viação Motta, saindo de Campo Grande e indo até São Paulo Considerações Gerais: Não pretendo aqui fazer um relato detalhado, mas apenas descrever a viagem com as informações que considerar mais relevantes para quem pretende fazer um roteiro semelhante, principalmente o trajeto, acomodações, meios de transporte e informações adicionais que eu achar relevantes. Nesta época eu ainda não registrava detalhadamente as informações, então albergues, pousadas, pensões, hotéis e meios de transporte poderão não ter informações detalhadas, mas procurarei citar as informações de que eu lembrar para tentar dar a melhor ideia possível a quem desejar repetir o trajeto e ter uma base para pesquisar detalhes. Depois de tanto tempo os preços que eu citar serão somente para referência e análise da relação entre eles, pois já devem ter mudado muito. Sobre os locais a visitar, só vou citar os de que mais gostei ou que estiverem fora dos roteiros tradicionais. Os outros pode-se ver facilmente nos roteiros disponíveis na internet. Os meus itens preferidos geralmente relacionam-se à Natureza e à Espiritualidade. Informações Gerais: Em toda a viagem houve bastante sol. Estava no período chuvoso, mas houve pouca chuva. Em 2005 tinha havido uma seca muito forte na região amazônica, mas os rios já estavam com seu volume recuperado. As temperaturas também estiveram altas, chegando a mais de 35 C ao longo do dia, principalmente em Cuiabá e no Pantanal. A população de uma maneira geral foi muito cordial e gentil 👍. As paisagens ao longo da viagem agradaram-me muito, passando por áreas de florestas, rios, cachoeiras, chapadas, áreas alagadas, montanhas e outros . Roubaram meu passaporte, provavelmente em Porto Velho 😧. Eu o deixei numa área visível dentro da mochila, não percebendo o valor que poderia ter para outros. Eu o havia levado para o caso de ir até a Bolívia na fronteira. Num dos trajetos de ônibus, pessoas que provavelmente estavam contrabandeando produtos, colocaram algo (acho que era um eletrônico) acima do assento em que estava. Mas pouco depois tiraram e desceram. Logo a seguir a polícia federal parou o ônibus, mas nada encontrou 😞. A viagem no geral foi tranquila. Houve duas companhias de ônibus que quiseram cobrar um pouco mais do que declarado na passagem, o que não me agradou e me fez fazer algumas reclamações a elas e a ANTT 😠. Alguns estabelecimentos comerciais aceitaram cartão de crédito (principalmente companhias de ônibus, mercados e agências de turismo), mas a maioria não aceitou. Fui de SP a Porto Velho (acho que era pela TAM), com pontos de milhagem. Iria até Rio Branco ou Cruzeiro do Sul, mas a companhia não tinha voos para lá. Voltei de ônibus de Bonito até Campo Grande pela Viação Cruzeiro do Sul e depois de Campo Grande até São Paulo pela Viação Motta. A Viagem: Esta foi minha primeira viagem após a morte do meu pai. Eu havia tido algum tipo de mal estar (queda abrupta de pressão e taquicardia) em São Paulo cerca de 1 mês antes e a última médica que me atendeu disse que poderia ser síndrome do pânico. Assim sendo, eu viajei um pouco preocupado que o quadro pudesse se repetir durante a viagem em locais que poderiam apresentar algum risco e em que eu poderia estar sozinho. Fui de SP (Congonhas) a Porto Velho em 03/01/2006 (acho que era pela TAM - http://www.tam.com.br), com pontos de milhagem. A saída estava prevista para às 8:30. Iria até Rio Branco ou Cruzeiro do Sul, mas a companhia não tinha voos para lá. Voltei de ônibus de Bonito até Campo Grande pela Viação Cruzeiro do Sul (https://www.cruzeirodosultransportes.com.br) e depois de Campo Grande até São Paulo pela Viação Motta (http://www.motta.com.br). Em Porto Velho fiquei hospedado perto da rodoviária. É bem provável que meu passaporte tenha sido roubado nele 😧. Para as atrações de Porto Velho veja https://www.guiaviajarmelhor.com.br/lugares-para-conhecer-em-porto-velho e https://viagemeturismo.abril.com.br/cidades/porto-velho. Os pontos de que eu mais gostei foram o Rio Madeira e o Museu Ferroviário, que incluía parte da história da construção da Ferrovia Madeira-Mamoré, ponto emblemático da história do Brasil. No Rio Madeira perguntei a um homem que parecia trabalhar em algo referente a barcos se era seguro nadar e ele me disse que nunca é bom nadar em rios, pois sempre pode haver peixes que podem atacar. Ao perguntar a uma vendedora ambulante, ela me disse que qualquer lugar em Porto Velho a qualquer hora era perigoso em relação a assaltos. Eu não achei. Talvez a criminalidade estivesse crescendo e eles estivessem assustados por isso. Mas naquela época parecia bem mais tranquila do que São Paulo. Achei a cidade com características equatoriais, desde o clima até a aparência da terra. Fiz um passeio de barco pelo rio e fui a um povoado chamado Candeias, em que havia uma praia de rio. Fiquei lá até 5 feira 05/01 pela manhã, quando peguei um ônibus para Rio Branco pela Viação Jerontur (que nem sei se ainda existe). Paguei R$ 52,50 com cartão de crédito. A viagem durou boa parte do dia. Saí no início da manhã e cheguei do meio para o fim da tarde. Tivemos que fazer uma travessia de balsa em Abunã, em que se podia ver um braço de terra com a bandeira da Bolívia, mostrando que estávamos na fronteira. Conversei bastante com o ajudante do motorista ao longo da viagem. Em Rio Branco também não fiquei hospedado muito longe da rodoviária. Gostei bastante da cidade . Fiquei nela até domingo 08/01. Para as atrações de Rio Branco veja https://www.guiaviajarmelhor.com.br/lugares-para-conhecer-em-rio-branco e https://viagemeturismo.abril.com.br/cidades/rio-branco-2. Os pontos de que mais gostei foram a orla do rio, os parques e os museus, com a história da região e com histórias de pessoas simples, como a da mulher cuja avó (ou bisavó) denunciou que a máfia havia matado seu marido em Nova Iorque no início do século passado (se não me falha a memória), fugiu para São Paulo e foi aconselhada por parentes ou conhecidos a ir mais para o interior, pois disseram que São Paulo era muito perto de Nova Iorque. Foi a única que vez que experimentei o Daime. Achei bastante interessante 👍, mas deixei a mente voar muito e acho que perdi a oportunidade de uma experiência espiritual mais profunda. De qualquer forma gostei da experiência, que se usada buscando expansão de consciência, pareceu-me ser um bom veículo para espiritualidade, embora sempre ache substâncias desnecessárias. Se bem me lembro isso ocorreu na Igreja São José, que disseram ser a sede e ser conhecida em outros lugares por quem segue aquela religião. No final fui até o líder da celebração dizer-lhe que me pareceu que eles eram do Bem. No domingo 08/01 fui para Xapuri, terra em que viveu Chico Mendes, Fui logo de manhã de ônibus pela Viação Jerontur, pagando R$ 18,20 com cartão de crédito. Cheguei pouco antes do almoço. Para as atrações de Xapuri veja https://viagemturismoaventura.blogspot.com/2017/12/xapuri-acre-segundo-organizacao-mundial.html. Os pontos de que mais gostei foram os rios, os seringais, a floresta, a Casa com a história de Chico Mendes, onde ele foi assassinado e a Intendência Boliviana, importante na época da disputa da região entre Brasil e Bolívia. Gostei também das oficinas de madeira, que produziam os mais diferentes objetos com a madeira extraída da floresta. Achei interessante a foto em que apareciam Lula, então Presidente da República e Márcio Tomás Bastos, então seu ministro da Justiça, com semblante sério e pensativo olhando para seu túmulo. Pareceu-me que Lula estava pensando que aquele poderia ter sido seu destino. Conversei com a cunhada (se bem me lembro era a cunhada) de Chico Mendes sobre o assassinato, o que aconteceu depois e a vida por lá. Ela me falou que os assassinos já estavam livres após cumprir pena, um deles havia se transformado em pastor e estavam bem de vida. Pareceu-me um pouco indignada com esta situação. Uma outra mulher que havia trabalhado com Chico Mendes falou-me de como ele era, de suas previsões para o futuro (como a falta de chuvas), de sua simplicidade de usar chinelos mesmo nas ocasiões mais solenes, de como Lula o ajudou na organização sindical e de como após sua morte foram criadas as reservas extrativistas e a situação dos trabalhadores rurais havia melhorado muito na região. Isso vários outros trabalhadores me confirmaram. Como já faz 13 anos, não sei se esta situação se mantém até hoje. Passeei pelas áreas naturais, florestais, seringais, atravessei o Rio Acre a nado para ir conhecer o outro lado 👍. Fui bastante picado por mosquitos durante o tempo que estive andando por lá (cerca de 2 horas), porque fui só de calção. Na volta, já um pouco escuro, iria atravessar a nado também, mas pessoas me sugeriram para não fazer, pois poderia haver cobras ou peixes que poderiam me atacar. Não achei uma possibilidade muito grande, mas como já era quase noite, achei melhor pagar alguns centavos pela travessia de barco. Antes fiquei um bom tempo tirando areia dos olhos devido à travessia de ida. No dia seguinte, 2.a feira 09/01, fui para Sena Madureira. Queria ir até Cruzeiro do Sul, mas a estrada estava intransitável nesta época, devido às chuvas, que nem estavam sendo tão intensas. A passagem aérea achei muito cara. Então voltei para Rio Branco pela manhã e logo a seguir peguei um ônibus para Sena Madureira por R$ 17,20 com cartão de crédito pela empresa Real Norte. Na viagem, já escurecendo, o motorista passou do ponto em que uma mulher havia pedido para descer e deu marchar ré na estrada por razoável distância, numa manobra que me pareceu temerária. Depois ouvi o motorista conversando com outros funcionários da empresa e me pareceu que riram bastante do episódio. Na 3.a feira 10/01, fui até a prefeitura de Sena Madureira, onde duas jovens atendentes informaram-me sobre os pontos a visitar. Riram bastante das minhas perguntas sobre poder nadar em rios e visitar comunidades indígenas 😃. Para as atrações de Sena Madureira veja http://mochileiro.tur.br/sena-madureira.htm e https://www.guiadoturismobrasil.com/cidade/AC/221/sena-madureira. Os pontos de que eu mais gostei foram o rio e a floresta. Fiquei um pouco decepcionado por não ter visitado tribos indígenas. Numa ocasião, em Xapuri ou Sena Madureira (acho que era Xapuri) eu estava andando pela mata e começou a chover. Isso criou barro e meu calçado ficou cheio de barro. Aí eu vi uma capela rural em que eu achei interessante entrar para conhecer. Estava trancada e eu pedi para a responsável abrir para mim. Ela abriu a porta e a capela estava limpíssima. Como estava com o calçado inteiro cheio de barro, ajoelhei, levantei os pés, numa posição quase acrobática, para não sujar o chão e fui caminhando ajoelhado até o altar 😃. A mulher disse repetidas vezes que eu não precisava fazer aquilo, mas eu teria considerado um enorme desrespeito meu sujar aquele chão tão limpo. Na 4.a feira 11/01 voltei de ônibus para Rio Branco, almocei, conversei com uma comerciante sobre o clima da região e depois peguei um ônibus da empresa Real Norte para Ji-Paraná. Paguei R$ 90,00 com cartão de crédito. Desta vez atravessei a balsa à noite. Fiquei surpreso com a quantidade de cidades razoavelmente grandes existentes em Rondônia. Não tinha esta noção. Pareciam cidades médias do interior de São Paulo. Cheguei a Ji-Paraná no dia seguinte à tarde (5.a feira 12/01). Acho que foi neste trecho que houve o incidente com o possível contrabando e a polícia federal. Acomodei-me num hotel perto da rodoviária. No entardecer ainda fui dar uma volta pela cidade nas proximidades do hotel. Passei pela região central e por um museu, mas logo escureceu. Para as atrações de Ji-Paraná veja http://www.ji-parana.ro.gov.br/turismo.php e https://ecoviagem.com.br/brasil/rondonia/ji-parana. Os pontos de que mais gostei foram a história de Rondon e das comunicações na colonização inicial amazônica, a floresta, os rios e toda a vegetação. Ela fica dentro ou próxima da Chapada dos Parecis. Na 6.a feira 13/01 fui conhecer a parte histórica, principalmente referente ao Marechal Rondon e partes naturais relacionadas à floresta. Ao explorar uma área ao lado de um rio, passei por um ninho de marimbondos, que foram atrás de mim. Quando percebi saí correndo rapidamente e pulei no rio, de roupa e tudo 😃. Meu cabelo estava comprido e alguns ficaram grudados nele, mas os outros foram embora quando mergulhei. Levei só algumas poucas picadas. No fim do dia peguei um ônibus da Viação Andorinha (http://www.andorinha.com) para Comodoro no Mato Grosso, por R$ 48,85 com cartão de crédito. Cheguei no dia seguinte, sábado 14/01, no começo da manhã. Para as informações sobre Comodoro veja https://pt.wikipedia.org/wiki/Comodoro_(Mato_Grosso) e http://www.coisasdematogrosso.com.br/cidades/cidade.asp?id=150&cidade=Comodoro. Os pontos de que mais gostei foram as áreas naturais. Acho que foi meu passeio mais autêntico na Chapada dos Parecis. Após acomodar-me num hotel fui visitar a área. Perguntando para um morador sobre o horário, percebi que ainda havia confusão devida ao horário de verão. Fui caminhando pela estrada e, após perguntar a habitantes locais, entrei numa área rural, meio pantanosa, cheia de buritizais, para conhecer melhor a região. Andei por terrenos pantanosos, por campos, por mata (não fechada) e por alguns morros não muito altos, mas que proporcionaram boa vista. Isso tomou o dia inteiro e me deu uma boa impressão de como era aquele local. Gostei muito . À noite jantei na praça em meio a som de bares. No domingo 15/01, logo de manhã peguei um ônibus para Cuiabá pela Viação Andorinha. Paguei R$ 60,00 no cartão, mas na passagem veio impresso R$ 57,70 e não me foi dado nenhum comprovante de taxa de embarque (nem existia rodoviária). Quando perguntei, o representante em Comodoro me disse sorrindo que era daquele jeito mesmo e estava correto. Posteriormente fiz uma reclamação sobre o fato para a Viação Andorinha, que me devolveu a diferença prontamente, e notifiquei a ANTT. Chamaram-me atenção as plantações laterais às rodovias durante as viagens de ônibus, principalmente no Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Cheguei a Cuiabá no fim da tarde. Hospedei-me no centro, perto da rodoviária. Algumas pessoas disseram-me que era uma área perigosa à noite e nos fins de semana e eu fiquei preocupado. O dono do hotel disse que era tranquilo. Depois de andar um pouco por ali, percebi que para os meus padrões de paulistano do que era uma área perigosa, ali até que era bem tranquilo. Para as atrações de Cuiabá veja https://viagemeturismo.abril.com.br/cidades/cuiaba, https://www.guiadoturismobrasil.com/cidade/MT/970/cuiaba e https://www.brasilturismo.com/mt/cuiaba. Os pontos de que mais gostei foram as igrejas, os rios, as áreas verdes e as características regionais. Visitei também seus monumentos e construções. Na 2.a feira 16/01 fui conhecer Cuiabá. Gostei da cidade 👍, mas achei muito quente 😓. Talvez uma das cidades que eu conheci mais quentes do Brasil. Foi necessário bastante água ao longo do dia. Aproveitei para passar também por Várzea Grande, uma cidade também bastante grande, que ficava ao lado de Cuiabá. Na 3.a feira 17/01 de manhã fui para Chapada dos Guimarães de ônibus. Cheguei lá ainda pela manhã e me acomodei num hotel no centro. Fui pesquisar como fazer passeios e me convenci de que precisava de uma agência de turismo para alguns deles, em especial para a Caverna e Lagoa Aroe Jari. Escolhi a Agência Chapada dos Guimarães (http://www.chapadadosguimaraes.com), que ficava na praça central. Falei-lhes do meu interesse na Caverna Aroe Jari, caso conseguissem um grupo. No dia seguinte falaram que haveria a escalada do Morro São Jerônimo e eu disse que provavelmente iria. Para as atrações da Chapada dos Guimarães veja http://chapadadosguimaraes.tur.br, https://viagemeturismo.abril.com.br/cidades/chapada-dos-guimaraes, https://www.feriasbrasil.com.br/mt/chapadadosguimaraes e http://www.chapadadosguimaraes.com. Os pontos de que mais gostei foram as cachoeiras, as estruturas de pedra, a vegetação, as montanhas e o mirante do centro geodésico. Foi um dos locais de que mais gostei da viagem . Aproveitei a tarde para passear pela cidade, passei e nadei numa espécie de balneário público (disseram-me que como a água era corrente não havia risco de doenças) e depois fui a pé até o Mirante do Centro Geodésico da América do Sul (centro geográfico da América do Sul), que alguns exotéricos dizem ter um caminho direto para Machu Picchu. Não procurei nem me preocupei com isso. Eram cerca de 7 km de distância a partir da cidade. Achei a paisagem muito bela . Aproveitei e fiquei um bom tempo contemplando e fazendo meditação. À noite fui a um restaurante de espetos, mas como não como carne, fiquei só nos complementos. Perguntei ao dono se isso não lhe daria prejuízo e ele disse que não e me receberia nos outros dias sem problemas. Na 4.a feira 18/01 fui para a agência para fazer o passeio ao Morro São Jerônimo. Paguei R$ 45,00 com cartão de crédito pelo passeio. Ao chegar lá sem uma garrafa de água, o dono me falou que eu iria entrar na água dos outros durante o passeio e que precisaria ir comprar uma garrafa antes de partirmos. Disse a ele que achava que não precisaria, mas ele não concordou. Fui então rapidamente comprar uma. Se bem me lembro, o grupo que iria para o passeio era formado pelo guia Aílton, um casal de brasileiros com etnia japonesa, dois amigos alemães, um casal com um carioca e sua namorada, o filho do dono da agência, uma mulher de uns 50 anos e seu neto (ou sobrinho ou algo semelhante) adolescente. Andamos bastante sob um sol forte. O guia me pareceu muito bom, embora eu prefira fazer meus passeios sem guia. Mas naquele caso teria sido muito difícil achar a trilha. Paramos em algumas quedas de água e pudemos aproveitar para nos banhar nelas e eu aproveitei para beber um pouco de água. Vimos araras. Apreciamos a paisagem natural. O guia ajudou-nos nas escolhas dos melhores modos de subir na trilha que já se encontrava na montanha. No alto fez questão de me dar alguns amendoins para comer, mesmo após eu recusar, porque achou que eu poderia não aguentar a descida se não me alimentasse (talvez devido a algum problema de baixa de glicemia). Eu comi dada a ênfase com que me deu. No geral, gostei bastante . Voltamos no fim da tarde. Dei minha garrafa de água sem abrir para o filho do dono 😃. Na 5.a feira 19/01 voltei à agência para fazer o passeio pela Cidade de Pedra e alguns outros pontos da chapada. Paguei R$ 40,00 com cartão de crédito por ele. O dono disse-me que havia visto seu filho com minha garrafa na volta e me perguntou se eu seguia a forma de ser dos camelos, tomava muita água antes de sair e depois não precisava de água ao longo do passeio 😃. Eu disse que sim e que tinha avisado. Neste dia fizemos o passeio de carro, pois as distâncias eram maiores. No grupo estavam novamente o mesmo guia Aílton e o casal com etnia japonesa, além de mim. Os outros não estavam, mas juntou-se a nós uma britânica (acho que era do País de Gales). Os paredões pareceram-me espetaculares . Gostei também das cachoeiras e das paisagens. Este passeio foi mais curto, pois de carro os deslocamentos, apesar de maiores, foram mais rápidos. No início da tarde já estávamos de volta e eu aproveitei para ir novamente ao Mirante do Centro Geodésico da América do Sul. Passei depois por algumas agências procurando por grupos para a Caverna e Lagoa Aroe Jari, mas não encontrei nenhum. Para ir só, se bem me lembro, o preço mais baixo que encontrei era de cerca de R$ 360,00. Ainda fui à pousada do casal de etnia japonesa para ver se queriam ir no dia seguinte ao parque para conhecer o circuito das cachoeiras por conta própria. Mas ficou no ar e acabamos indo separados. Na 6.a feira 20/01 fui conhecer as cachoeiras do parque (http://www.icmbio.gov.br/parnaguimaraes). Naquela época era possível ir sem guia. A sinalização era precária, mas era possível encontrar as trilhas. Eu me perdi um pouco em alguns locais, mas acabei conseguindo fazer o circuito completo. Cheguei perto da hora do almoço e encontrei o casal de etnia japonesa terminando o passeio. Disseram-me que haviam gostado e que provavelmente eu gostaria, pelo que tinham visto eu apreciar nos dias anteriores. Mas ressaltaram que acharam o parque muito mal sinalizado. Gostei bastante , cada uma de um jeito, mas todas possíveis de serem aproveitadas e apreciadas. Para ir à última, já perto do fim da tarde, tive um pouco de dificuldade de achar a descida, mas acabei conseguindo. Após sair dela, peguei uma trilha errada e fui sair fora do caminho principal. Mas depois orientei-me pela paisagem e consegui voltar ao caminho principal e retornar à portaria, ainda dentro do horário de visitação, quase no pôr do sol. Aílton falou-me de um barqueiro que fazia a travessia de Porto Jofre, no fim da Rodovia Transpantaneira, até Corumbá, cruzando o Rio Paraguai. Ele me deu o número de telefone. Eu liguei, mas sua mulher falou que ele estava em Corumbá e demoraria vários dias para voltar. Então eu desisti de ir com ele, mas fiquei com a ideia de poder fazer esta travessia com algum outro barqueiro. No sábado 21/01, voltei à agência para ver se existia algum grupo para a Caverna e Lagoa Aroe Jari. Em todos os dias eu perguntei e em nenhum houve nenhum grupo interessado 😞. Aí eu desisti, agradeci e peguei um ônibus para Cuiabá para começar minha visita ao Pantanal. Em Cuiabá peguei um ônibus para Poconé pela Tut Transportes (http://www.tut.com.br) por R$ 15,85 com cartão de crédito. Poconé ficava na borda norte do Pantanal e dava acesso à Rodovia Transpantaneira. Cheguei em Poconé no início da tarde e me hospedei no Hotel Tuiuiú (https://www.tripadvisor.com/Hotel_Review-g1191961-d2657293-Reviews-Hotel_Tuiuiu-Pocone_State_of_Mato_Grosso.html). Depois fui procurar por uma bicicleta para alugar no dia seguinte e ir pedalando até a Transpantaneira. Mas não consegui 😞. Não fazia parte da cultura das pessoas e elas até aceitavam alugar, porém o preço que pediam era de venda da bicicleta. Como a bicicletaria estava fechada, não tive sucesso. Mas obtive bastante informações sobre o passeio a fazer, com os moradores locais e com o rapaz do hotel. Algumas pessoas disseram-me para não ir a pé até Porto Jofre, que era no fim da Transpantaneira, às margens do Rio Paraguai, pois poderia haver onças no caminho depois de um determinado ponto. Falaram-me que um rapaz havia ido atravessar o Rio Paraguai de carona em troca de trabalho com um barqueiro mascate desconhecido e foi morto. Disseram-me também que não sabiam se seria possível achar uma acomodação em Porto Jofre com valores baixos para pernoitar. À noite fui a uma festa na praça e conversei com um vendedor de itens infantis estrangeiro de origem hispânica sobre a região. Explicou-me sobre a cidade e as pessoas. Falou de como havia gostado das mulheres de lá. Porém quando perguntei sobre o Pantanal, disse que lá no meio do mato não conhecia e poderia ser perigoso. No domingo 22/01 fui fazer um passeio na Transpantaneira. Fui sem a mochila, o que significava que tinha decidido não fazer a travessia do Rio Paraguai. Saí de manhã até um ponto no início da estrada que ia para lá e fiquei esperando carona com alguém que fosse. Após cerca de meia hora passou o dono de uma pousada e me deu carona. No caminho conversamos sobre hospedagem e ele me disse que R$ 100 a R$ 150 eram valores normais para aquela área e que eu tinha visto o mais caro que era o Hotel Porto Jofre, por mais de R$ 300. Mas mesmo R$ 100 era mais do que o triplo do que eu estava pagando em média. De qualquer modo ele me falou do pagamento pelo uso de um dia, se eu estivesse interessado, que saía por um preço próximo a R$ 20 e que seus empregados levavam os turistas para ver vários pontos, incluindo a “cobra”. Disse que se eu tinha ido até ali e não iria fazer este tipo de passeio era como se tivesse ficado em casa e visse um documentário. Deu-me um folheto da sua pousada, que eu peguei, mas após o dia que passei resolvi não visitar, pois achei desnecessário. Após eu perguntar sobre perigos, ele me falou para ter cuidado com abelhas na margem da estrada. Chegamos, eu agradeci e me despedi. Comecei a caminhada até o ponto mais distante que eu conseguisse, imaginando voltar ainda com claridade. Logo no início passei pelo pórtico de entrada da Transpantaneira e pouco à frente por uma estátua de São Francisco. Ao perguntar a pessoas que estavam se banhando como fazia para encontrá-la, indicaram-me e depois eu os ouvi comentando “Pode ser alguém fazendo promessa” 😃. Tentei algumas caronas para ir até um ponto mais distante, mas não tive sucesso. Vi muitos jacarés pequenos. Até avisei os banhistas para tomarem cuidado, mas eles disseram gargalhando que sua carne era ruim 😃, e portanto os jacarés não iriam gostar. Eu não entrei na água. Havia também araras, tuiuius e outras aves. A planície pantaneira pareceu-me muito bela . Pedi informações em vários estabelecimentos e me surpreendi com o número de estrangeiros nas pousadas. Passou um caminhão indo para Porto Jofre. Lamentei pois tinha decidido não ir para lá e uma possível carona até um ponto mais à frente já não era relevante. Perto do ponto de retorno, pois pelos meus cálculos se fosse além iria pegar parte do caminho na escuridão, o que poderia ser muito perigoso devido às onças, vi um cervo do pantanal bem perto da estrada. Ele não me viu e eu pude contemplá-lo bastante . Pena que depois de algum tempo em que eu estava parado, como eu estava suando muito, os mosquitos começaram a me atacar e eu tirei o boné para espantá-los, o que assustou o cervo e o fez correr para longe. Ainda assim deu para admirá-lo mais um pouco. Satisfeito após este avistamento retornei pelo mesmo caminho. Num determinado ponto parei para descansar um pouco e dois rapazes que estavam por ali me ofereceram cerveja. Educadamente eu recusei e começamos a conversar. Perguntaram se São Paulo, com todo seu asfalto, não era mais quente do que ali, ao que eu respondi decididamente que não (pelo menos até aquele ano). Disseram-me para voltar mais tarde, na época da cheia, pois teria maiores chances de ver animais. Despedi-me e continuei voltando. Perto já do ponto de fim, pouco antes do pórtico, vi árvores dormitório . Como estava anoitecendo, a vista dos pássaros na árvore pareceu mais bela ainda. Ali perto numa área alagada, um cavaleiro estava laçando um boi, numa cena típica da região. Parei para acompanhar, principalmente quando entraram na água . Ao chegar ao portal, fiquei esperando por carona, mas tive dificuldades de conseguir. Então, o guarda da guarita disse que iria pedir a um caminhão (ou caminhonete) que vinha com muitas pessoas para me levarem e que não teriam como recusar. Pediu e realmente concordaram. O pequeno e antigo caminhão estava lotado. Acho que era um passeio de vizinhos. Num determinado ponto o caminhão parou. Ficou sem combustível. Aí o motorista foi pegar na carroceria. Uma das integrantes disse gargalhando “Vamos aproveitar para fumar maconha”. O motorista, com um cigarro aceso numa das mãos, pegou o galão de gasolina com a outra. Ele não estava enxergando bem devido à escuridão e aproximou o galão e o cigarro do rosto 😲. Eu saí de perto, pois estava vendo o desastre acontecer, mas não quis falar nada, pois achei que não seria entendido, posto que ele parecia um pouco fora do estado de alerta. Ele conseguiu colocar o combustível. Continuamos um pouco mais, eu saltei (até um pouco antes do que pretendia), agradeci e voltei para o hotel. Contei ao rapaz do hotel que não tinha conseguido alugar a bicicleta e sobre os animais que tinha visto. No jantar contei ao dono do restaurante como tinha sido o dia e como tinha conseguido a carona para ir. Na 2.a feira 23/01 peguei um ônibus de manhã para Cuiabá. Lá estava um dos integrantes do caminhão do dia anterior, que me reconheceu e me cumprimentou. Eu sorri e achei interessante ele, que fazia parte daquela turma do dia anterior que parecia não se preocupar com o amanhã, estar no ônibus tão cedo, provavelmente para ir trabalhar ou estudar. De Cuiabá peguei um ônibus para Campo Grande (MS) pela Viação Medianeira por R$ 72,00 com cartão de crédito. Somando a passagem e a taxa de embarque deram-me comprovante de R$ 71,85. Em Campo Grande, mais pelo desaforo do que pelo dinheiro, reclamei no guichê, já que estava na rodoviária mesmo, e recebi a diferença. Cheguei no fim do dia e fiquei hospedado numa pousada ou pensão perto da rodoviária. Para as atrações de Campo Grande veja https://viagemeturismo.abril.com.br/cidades/campo-grande-2/ e http://campogrande.net/turismo. Os pontos de que mais gostei foram os parques, as áreas verdes, os museus da região, principalmente referentes a índios, o artesanato e as mangas. Na 3.a feira 24/01 e 4.a feira dia 25/01 fui conhecer a cidade. Já tinha estado nela em 1994 e 1995 a trabalho, mas não tinha tido oportunidade de conhecer tudo que queria. Desta vez pude ir ao vários parques, praças, centros de artesanato e museus temáticos, principalmente regionais e indígenas. Até repeti alguns museus e locais que já conhecia e de que havia gostado quando das viagens a trabalho. Num dos parques havia uma mangueira carregada e fiquei um bom tempo comendo mangas. O sabor natural, sem aditivos artificais, pareceu-me sem igual, muito melhor do que as frutas que eu conhecia das feiras e supermercados 😋. Passeei também pela área urbana, incluindo a região central e algumas áreas periféricas. Chamaram-me atenção a terra vermelha de cor forte, o grande espaço existente e as áreas verdes. Na 5.a feira 26/01 fui para Aquidauana, no início do Pantanal do Mato Grosso do Sul pela empresa Expresso Mato Grosso, pagando R$ 21,00 com cartão de crédito. Saí de manhã e cheguei lá na hora do almoço. Após me instalar fui procurar informações sobre como conhecer o Pantanal. Um homem de uma agência me disse que naquela região eu teria dificuldade em encontrar atrações naturais a preços baixos. Porém existia uma vila de pescadores chamada Passo do Lontra, na Estrada Parque, que era local de mochileiros, em que eu poderia encontrar hospedagem barata e ter acesso às áreas naturais por conta própria. Disse que existia inclusive um hotel barato lá em que eu poderia ficar. Guardei estas informações, que se revelaram utilíssimas 👍. Referente a Aquidauana então, fiquei um pouco decepcionado com as perspectivas, mas me preparei para caminhar por estradas rurais e tentar ver o que conseguisse. Neste dia ainda caminhei um pouco pela cidade para conhecer seus atrativos e resolver algumas questões burocráticas (se bem me lembro era algum pagamento). Na 6.a feira 27/01 saí cedo e peguei uma estrada rural que me indicaram. Novamente vi a vegetação pantaneira, tuiuius, garças, outras aves e jacarés, porém sem a exuberância que havia visto na Transpantaneira. Não consegui carona para poder chegar até um ponto mais distante e ter a chance de ver mais. Perto do meu ponto de retorno, vi um veado mateiro pequeno 👍, que não tinha visto ainda na viagem. Muito belo, porém bem menor que o cervo visto na Transpantaneira. Esta área me pareceu menos selvagem que a da Transpantaneira, mais ocupada pelo ser humano. Talvez por isso a vista de animais foi menor, mas mesmo assim houve vários. Não me lembro se foi aqui ou em Miranda, no começo do meu caminhar pela estrada rural cruzei com uma enorme boiada, que tomava a estrada toda. Fui para o canto para poder passar. Como parei por algum tempo, os mosquitos começaram a me atacar. Aí tirei o boné para espantá-los. No primeiro movimento brusco que fiz os bois se assustaram e começaram a querer correr. parei imediatamente. Os peões se assustaram e logo foram para cima dos bois para acalmá-los. Quase estourei a boiada sem querer 😲. Lamento pelo ocorrido. Ao passar a boiada levantou muita poeira e até me fez cantar a música da Ivete Sangalo (poeira, poeira, levantou poeira) 😃 No sábado 28/01 fui de manhã para Miranda. Fui pela mesma empresa Expresso Mato Grosso, pagando R$ 7,00 com cartão de crédito. Após me acomodar em Miranda fui me informar sobre como conhecer o Pantanal naquela área. Entrei numa agência de turismo procurando por um mapa, atenderam-me muito bem, mas como acho que não estavam acostumados a mochileiros, não conheciam detalhes de baixo custo. As informações acabaram sendo imprecisas. As do homem de Aquidauana foram mais fiéis à realidade. A dona disse que estava acostumada, mesmo nas viagens de ônibus, a observar animais pela janela. Falou-me que para a exuberância maior, realmente precisaria ir a fazendas ou pousadas que eram caras. Sugeriu-me pegar estradas de terra e observar a paisagem, as aves e tudo, como eu havia feito antes e lhe dito. Foi o que fiz ao sair dali, porém como já estava no meio da tarde, resolvi pegar um caminho pela estrada principal de asfalto e deixar a caminhada por estradas rurais mais longas para o dia seguinte. Após já ter andado um pouco, senti que não tinha me hidratado bem e estava começando a sentir um pouco de mal estar pela falta de água, quando caiu repentinamente uma chuva 🌧️, que usei para me hidratar, bebendo diretamente um pouco da sua água. Pude ver bastante garças e tuiuius e peguei um pouco mais de chuva na volta. No domingo dia 29/01 fui caminhar por uma estrada rural. Se bem me lembro, desta vez consegui carona mas já depois de haver andado bastante, o que aumentou um pouco a distância até onde pude ir. Vi novamente bastante aves, tuiuius, garças e jacarés (provavelmente caimans). A área parecia menos tomada pelo homem que Aquidauana, mas menos selvagem que a Transpantaneira. Foi um passeio agradável, mas esperava poder ver mais tipos diferentes de animais. Na 2.a feira 30/01 resolvi ir até onde o homem da agência de Aquidauana havia recomendado. Já perto do almoço, devido às restrições de horário, peguei um ônibus para o Buraco das Piranhas, que era o ponto da estrada em que se descia para ir até o Passo do Lontra. Chegando lá, ao dizer para o policial do posto de guarda que eu era de São Paulo, ele me perguntou se eu estava ali para fugir de algo 😮. Eu me surpreendi e disse que não, só tinha vindo conhecer as atrações naturais. Ele me perguntou se iria fazer um safári e logo completou “fotográfico” e eu disse que não tinha câmera e iria guardar tudo na memória. Falou-me para tomar cuidado com alguns animais e me mostrou um ferimento de jaguatirica que tinha sofrido na mão. Esperei um pouco por transporte e depois resolvi ir a pé os cerca de 8 km. O chão de terra estava meio pesado, provavelmente devido a alguma chuva anterior. Com isso, num dado ponto minha calça de moletom rasgou. Não dava para trocar ali no meio da estrada e fui com ela até a vila. Após chegar fui procurar um local para ficar e o caseiro de uma cabana de pescadores me disse que o preço era R$ 20,00 (ou R$ 15,00), mas que para mim faria por R$ 15,00 (ou R$ 10,00). Acho que isso foi devido ao estado em que cheguei, com barro e com a calça daquele jeito 😃. Após estar estabelecido procurei uma costureira que me emprestasse linha e agulha para consertá-la e consegui. Dei uma pequena volta pelos arredores, conheci o hotel que lá havia, que realmente tinha quartos não tão caros (acho que eram cerca de R$ 40,00) comparados aos outros e me informei sobre as refeições que serviam. A mulher do caseiro disse que o patrão só lhes dava dinheiro para a comida deles, então não poderia vender-me refeições. Informei-me sobre o caminho a seguir no dia seguinte para andar pela Estrada Parque. Na 3.a feira 31/01, após café da manhã no hotel e encher 2 garrafas de 1,5 litros de água saí caminhando pela estrada Parque em direção à Pousada Arara Azul, que me pareceu ser o ponto viável de retorno. Após caminhar um pouco, encontrei alguns habitantes locais que me disseram que as pegadas que víamos na estrada eram de onça e estavam frescas, talvez fossem do amanhecer. Pouco à frente consegui uma carona de uns 20 km, o que aumentou minha autonomia para ir mais longe. Acabei passando pela Pousada Arara Azul e fui quase até a Curva do Leque. Estava muito calor 😓. Pude ver muitos animais. Junto com a Transpantaneira, este foi o melhor trecho do Pantanal . Vi muitas aves, tuiuius, garças, araras e outras, vi uma comunidade de quatis, entocada em uma árvore. Pude chegar bem perto, mas procurei ficar pouco tempo muito perto (a menos de 1 metro de distância) para não assustá-los. Uma família de capivaras cruzou a minha frente na estrada. Não me viram e eu me aproximei vagarosamente. Quando o líder me viu eu já estava bem perto e ele começou a emitir sons e todos saíram correndo em fila para a área alagada. Tentei assustá-los o mínimo possível. Já perto da chegada, passou um homem com um pequeno caminhão e me falou "Olha a hora da onça!". Eu fiquei um pouco alarmado, mas como já estava perto da vila não me preocupei muito. Quando cheguei de volta, ouvi a mulher do caseiro falar, provavelmente para o marido, que eu estava chegando e parecia muito cansado. Realmente estava, pelo chão pesado e principalmente pelo calor. Ao chegar perto da cabana, um policial federal, pensando que eu era habitante local, perguntou-me se ele poderia estacionar seu carro ali. Aparentemente estava perseguindo alguém (talvez um contrabandista) que conseguiu escapar. Falou sarcasticamente que esperava que a onça o comesse. Disseram-me que havia um jacaré grande na lagoa do outro lado. Apesar de muito cansado eu fui ver. E valeu a pena. Talvez fosse um jacaré-açu ou um caiman enorme . Foi o único jacaré selvagem daquele tamanho que eu vi na viagem inteira. Ele estava do outro lado da lagoa e percebeu que eu tinha chegado. Só revirou o olho levemente na minha direção como quem diz “Mantenha distância”. Eu respondi para ele telepaticamente “Não precisava nem ter dito Seu Jacaré. Eu não atravesso esta lagoa por dinheiro nenhum” 😃. Depois retornei, fui jantar, admirar o céu estrelado e dormir. Lá não havia iluminação artificial nas ruas. Num dos dias à noite, ao sair para jantar, vi algo brilhante no chão refletindo a luz da minha lanterna. Ao iluminar melhor percebi que era uma cobra e desviei . Ainda bem que a vi, pois senão teria pisado nela e poderia ter ocorrido um acidente. Num dos dias, após o entardecer, já em boa parte no escuro, tomei banho no Rio Miranda. Antes perguntei a um morador local se não havia piranhas ou outros peixes que atacassem e ele me disse que não. Adorei a água 👍. Na 4.a feira 01/02, saí rumo a Corumbá. Antes tomei café da manhã no hotel, despedi-me e agradeci o casal de caseiros e fui procurar alguém para quem dar uma rede de deitar, que havia comprado em 2002 na minha primeira viagem pela Amazônia, e que levei por achar que iria precisar no Pantanal também, o que não aconteceu. Fui até a casa da mulher que havia me emprestado a linha e a agulha para a costura e lhe dei. Ela agradeceu e seu marido, que havia me indicado a casa dela quando eu tinha chegado procurando pela linha e agulha 2 dias antes, desejou-me boa viagem e me disse para ir com a Virgem Maria e todos os anjos ou santos. Fiquei impressionado como uma simples rede tinha impactado aquela gente tão simples e generosa 😊. Novamente caminhei pela estrada e fui até o Buraco das Piranhas pegar o ônibus para Corumbá. Não reencontrei o mesmo policial para falar das aventuras. Peguei o ônibus, cheguei em Corumbá, hospedei-me e ainda pude passear pela cidade. Para as atrações de Corumbá veja http://www.corumba.com.br/turismo/tur_ponto.htm, https://www.guiadoturismobrasil.com/cidade/MS/444/corumba e https://www.feriasbrasil.com.br/ms/corumba/. Os pontos de que mais gostei foram o Rio Paraguai, a história, os marcos e as ilustrações da Guerra do Paraguai. Num dos dias fui até a zona de comércio de Puerto Suarez na Bolívia para tentar comprar um tênis. Não precisei de passaporte. Após escolher um bem barato, antes de comprar pedi para experimentar. Quando experimentei vi que ficava muito apertado, embora o número fosse maior do que costumo calçar. Disse então que não iria levar e a dona da loja ficou muito brava. Como a cidade ficava a cerca de 6 km de distância e eu não tinha notícia de nenhuma atração de antemão, decidi não ir até lá. Um dos pontos de que mais gostei de Corumbá foram azulejos ou muros em ruas que ilustravam a Guerra do Paraguai. Havia várias cenas retratando a época e o conflito. Alguns detalhes específicos da guerra como violência contra mulheres eu não conhecia . A vista do Rio Paraguai, principalmente na ida e volta da Bolívia, pois se passava por uma via elevada, pareceu-me muito bela . O rio parecia grandioso e ainda relativamente mantendo suas características naturais, apesar do ambiente urbano próximo. Fiquei em Corumbá 5.a feira 02/02 e na 6.a feira 03/02 fui para Bonito. Antes ainda dei mais um pequeno passeio pela cidade, fui ao galpão regulamentado do comércio de ambulantes e comprei o tênis que queria. Peguei o ônibus perto da hora do almoço e cheguei em Bonito após o meio da tarde. Chegando em Bonito procurei informar-me sobre as atrações. Quase todos os pontos a visitar eram pagos. Boa parte exigiam guias. A maioria era distante e precisava de transporte. Não era exatamente o tipo de local que eu prefiro. Para as atrações de Bonito veja http://www.turismo.bonito.ms.gov.br/bonito/atrativos-turisticos e https://www.bonitour.com.br/bonito?lang=pt-br. No sábado 04/02 aluguei uma bicicleta e fui até o Parque das Cachoeiras conhecer as 7 quedas. Como fazia tempo que não pedalava, sofri um pouco para chegar lá, principalmente porque havia estradas de terra com pedrinhas que dificultavam a situação. Mas cheguei após algum tempo. Havia contratado o passeio sem almoço e cheguei já perto da hora do início. Gostei das cachoeiras . Fomos num grupo de várias pessoas que me pareceu animado, principalmente porque várias pessoas pareciam ser familiares ou amigos. Na tirolesa, após saltar, senti o impacto na água, mas ficou tudo bem. Uma menina chorou após cair 😢, pois acho que não estava preparada para o impacto. Na volta, duas moças que haviam ido sem carro pegaram carona com os outros participantes. Como eu estava de bicicleta, voltei pedalando. No meio do caminho parou um carro com algumas pessoas do grupo, onde estavam as moças de carona, e me deram um certificado por ter feito o passeio. Nunca tinha recebido algo assim e fiquei surpreso 😮. Voltei e devolvi a bicicleta. No domingo 05/02 novamente aluguei a bicicleta 🚲 e fui até a Gruta do Lago Azul. Gostei bastante da gruta . Compensou a que não conheci na Chapada dos Guimarães. Só achei que o guia ficou muito tempo dando instruções, o que reduziu o tempo de passeio e contemplação efetivos. O grupo era bem grande, muito maior do que o do dia anterior. O passeio durou bem menos também. Não se podia entrar na água para não se causar impactos. O aspecto da lagoa pareceu-me lindo. Após voltar de bicicleta à cidade ainda fui ao balneário municipal, onde pude nadar, mergulhar, ver peixes, principalmente dourados, contemplar a paisagem e descansar 👍. Não quis fazer mais passeios em Bonito porque pareceram-me caros 💰 e eu já havia visto quase tudo o que era oferecido lá ao longo da viagem de graça. Só a lagoa que realmente foi única. Na 2.a feira 06/02 de manhã peguei um ônibus para Campo Grande pela Viação Cruzeiro do Sul (https://www.cruzeirodosultransportes.com.br), pagando R$ 42,00 com cartão de crédito. Em uma parada na viagem ainda ajudei um grupo de estrangeiros que estava com dificuldades de se comunicar com os empregados da empresa de ônibus. De Campo Grande peguei outro ônibus para São Paulo pela Viação Motta (http://www.motta.com.br) por R$ 118,00 pago com cartão de crédito. A viagem foi pelo oeste paulista, chegando em São Paulo no início da manhã do dia seguinte.
  5. Olá a todos, Na verdade vou relatar pra vcs como fui a Bonito de forma "mais Barata". A grande maioria sabe que Bonito é um dos destinos mais caros para se conhecer dentro do Brasil e além disso, os preços dos passeios são todos tabelados e por isso, não adianta pechinchar. Então a pegunta que não quer calar: Como visitar Bonito pagando menos? Vou ser breve para contar meu roteiro de viagem a vcs. Moro no Rio de Janeiro e fui a Bonito no período de Carnaval de 2016. (para quem é do Rio sabe o "inferno" que é o carnaval por lá). A principio quero falar que Bonito é uma ótima opção para quem quer fugir do Carnaval. Pensei que chegando lá iria encontrar pelo menos uma machinha dessas de carnaval, mas nada! lá vc nem escuta falar de carnaval mesmo. Muito tranquilo e gostoso. Parece que lá não estamos em período carnavalesco! O guia local até disse que uns 5 anos atras até havia um bloco, mas a prefeitura resolveu acabar pois estava denegrindo o meio ambiente com foliões mal educados sujando as ruas da cidade. Bom, vamos logo ao que interessa. Minha viagem a Bonito! **************************** Com cheguei a Bonito? Para começo de conversa eu fui de "blablaCar" O que é isso? É um site que oferece carona mais barata para qualquer destino do Brasil (comecei economizando por ai. ) Como resolvi ir para Bonito em cima da hora, ficava inviável comprar passagem de avião pois seriam caríssimas! de ônibus a passagem custava em média R$300 reais só de ida. No site de carona paguei apenas 120 reais. e o tempo foi bem menor. (15h de carro, no ônibus seriam 22h). Economizei tempo e dinheiro) rs. Sem contar na ótima companhia que tive durante a viagem (fui com uma pequena familia, pai, mãe e filho de 10 anos em um carro pequeno, mas confortável). O destino seria até Campo Grande, pois essa família morava lá. Então de lá peguei um ônibus na rodoviária de Campo Grande até Bonito (Passagem custou R$ 55 reais no tempo de 5 horas de campo grande até meu destino). Pra quem vai de avião, no aeroporto tem a opção de transfer que são vans saindo do aeroporto de Campo Grande até Bonito (custa em média 120 reais e dura cerca de 4h, pois a van não faz paradas como o ônibus faz). Muita gente me recomendou pegar a van por ser mais seguro e mais "rápido", inclusive aquele familia que me deixou em CG. Mas sinceramente? Eu tava mesmo com o propósito de economizar o máximo pois sabia q Bonito é uma cidade Cara para Turismo, então peguei o ônibus e foi super de boa. (descobri que o povo de Campo Grande gosta mesmo é de conforto! falaram tão mal dos ônibus que iam para Bonito, mas quando peguei nem foi tudo isso. A viagem foi ótima e tranquila. O motorista super simpático e o melhor, economizei mais dinheiro. ) não vou negar que os ônibus são bem velinhos, mas não foi tão desconfortável como eles falaram. RESUMINDO: Cheguei em Bonito pagando um total de R$ 175 reais. de ônibus seria aproximadamente 355 reais, pois depois teria que pegar outro para Bonito. de avião? eu nem sai quanto pagaria. mas seria caro! Fiquei em um Hostel Chamado "ecological expeditions" fica muito perto da Rodoviária e paguei super barato, R$ 30 reais a diária e genteeeee que maravilha de Hostel. O atendimento foi show de Bola e o café da manhã? Super farto!!! muita coisa mesmo para quem pagou apenas 30 reais! eu nem tava acreditando! O rapaz da recepção me disse que de vez enquanto eles fazem esse tipo de promoção lá. Adorei! RS... Mas mesmo sem promoção as diárias são baratas! Super recomendo. ************************ OBS: Se vc ainda não tem um roteiro sobre o que fazer vc pode ir assim mesmo que lá as agencias mostram os passeios e o que tem neles! Não se preocupe em reservar antecipado, pois sempre tem alguma vaguinha disponível no dia dos passeios. Lembro que antes de chegar em Bonito liguei para uma agencia e eles falaram que era melhor fazer logo a reserva pois os passeios acabam rápido nos feriados, Balela!! mesmo no feriado tem vaga. 1º DIA: fui a uma fazenda chamada Mimosa. Esse passeio foi o dia todo, conheci 5 ou 6 canhoeiras e algumas trilhas, além disso, o Guia foi super simpático. Paguei aprox. 200 reais pelo passeio com Transporte e almoço incluso. (vale ressaltar que todos os passeios precisa de transporte para chegar. Acho que alugar um carro pode sair mais em conta para quem vai em grupos). O almoço da fazenda mimosa é tudo de bom. Fogão a lenha. contato direto com a natureza. foi uma delícia! Recomendo. A noite fui conhecer o Projeto Jiboia. Super recomendo para aqueles que não tem medo de cobra! Rs. Ao final vc pode tirar fotos com uma Jiboia enrolada no pescoço. ahaha (R$40 reais para entrar) ************************ 2º Dia - Fui fazer a famosa Flutuação do Rio Prata. Paguei 240 reais na época (Vale ressaltar que fui no periodo de Carnaval, Alta temporada, mas na baixa temporada os valores não mudam tanto. rs) O Passeio é incrível!!! Vale muito a pena fazer, água muito muito muito cristalina! rs A noite fui conhecer a casa do João. Um local tipicamente artesanal com restaurante de boa gastronomia. É o lugar mais conhecido da cidade. Não deixe de experimentar a famosa carne de Jacaré. **************************** 3º dia Fui conhecer o mais famoso cartão postal de Bonito (Gruta Azul) e o melhor! Totalmente 0800000??? Sim Gratuito! Mas como? Fiquei sabendo no próprio hostel que a prefeitura local disponibiliza todos os dias 7 ingressos para turistas brasileiros gratuitamente, mas tem que chegar cedo na porta da prefeitura para pegar os ingressos!!! EU FUI é claro! Rs. A gruta Zul custa em torno de 70 reais, eu acho, mas se vc pode pegar gratuitamente pq não? consegui pegar um ingresso e partiu gruta Azul! Lindo! F.o.d.a!!! sem palavras! conhecer o cartão postal de Bonito de forma gratuita quem não quer? Para chegar na Gruta Azul tem que ir de carro mas não é tão longe assim. (consegui carona com uma familia que iria nesse dia na gruta azul e fui com eles, eles ficaram chateados pois não sabiam que a prefeitura dava ingressos gratuitos para a Gruta Azul, "na verdade, ninguém sabe" ahhahaha). depois a tarde fui conhecer o Balneário Municipal (Tbm FREEEEE) hahahah. A Gruta Azul e o Balneário são da prefeitura então brasileiros tem direito todos os dias a retirar 7 ingressos gratuitamente por lá. O Balneário Muncipal é muito legal. Show de Bola. Adorei mesmo. A água não estava turva então foi maravilhoso. OBS: Fui até o Balneário de bicicleta (O próprio hostel aluga bikes, Adorei!!!) de bicicleta vc pode fazer muitos passeios lá por perto sem precisar alugar transporte motor. Vale a pena. (paguei 10 reais pelo aluguel nesse hostel) Meu 3º dia foi quase totalmente GRATIS!!! se eu não soubesse dos ingressos gratuitos lá se iam embora mais 150 reais aprox. (70 da Gruta AZUL + 40 do Balneário Municipal e + Transporte) A noite fui na única boate da cidade chamada "Será o Benedito?" quase todos os moradores a frequentam (até pq eles não tem outra opção. Rs) Não gostei muito, mas estavam com alguns "amigos" q fiz no hostel então a gente se divertiu a Bessa! rs 4º e último DIA fui conhecer o PANTANAL. O que é isso? Muito lindo! passeio de chalana e contato direto com os animais em seu habitat natural. Experiencia única. Amei OBs: esse é o passeio mais cedo que vc faz! sai 5 da manhã do hostel pois fica um pouco longe da cidade e leva o dia todo. Mas vale a Pena. O hostel antecipa seu café da manha se vc fizer esse passeio. É muito bom! Resumindo: Paguei aprox. R$ 1200 para 4 noites em bonito com direito a passagem, passeios e hospedagem. Não ficou tão caro, pois conheci um turista Carioca que tbm ficou 4 noites nesse mesmo período e me disse que pagou um total de quase 3, 5mil, mas com passagem de avião.
  6. Agora em Maio fiz minha primeira viagem sozinha e o destino que escolhi foi Bonito - MS. Que lugar maravilhoso!!! Fiquei sete dias cheios + 1 dia de ida e 1 dia de volta, do dia 14 ao dia 22 de maio. Apesar de ler que todos os meses são bons para viajar p/ Bonito eu peguei uns dias de frio, mas nada que atrapalhasse os passeios. Sou de São Paulo e peguei um vôo até Campo Grande e de lá um transfer até Bonito, que durou em torno de 4 horas (100,00 com a Vanzella Transportes). Fiquei hospedada no Bonito Hi Hostel e gostei bastante do lugar. Ótimo custo-benefício. Diária de 38,00 nos quartos coletivos (é mais caro em alta temporada), ótimo café da manhã para um hostel, boa área de lazer com piscina, tem uma agência de turismo dentro do próprio hostel, fica a aproximadamente 800m do centro da cidade e conheci pessoas bem bacanas por lá! Não tem o conforto de hotel, mas também não tem o preço de um hotel, rs, então... 1° dia: Flutuação na Lagoa Misteriosa + Flutuação no Rio da Prata Fiz os dois passeios pois os dois ficam na mesma fazenda. O Buraco das Araras também fica na mesma fazenda, mas fica bem corrido fazer os três no mesmo dia e optei por não fazer. O passeio incluiu um almoço bem gostoso no recepctivo da fazenda e também aluguei uma gopro por lá pra usar o dia todo nos dois passeios, custou 78,00 e eles dão o cartão de memória. Sobre os passeios: MARAVILHOSOS!!! Eu particularmente amei mais a Lagoa Misteriosa, achei incrível os raios de Sol refletindo naquele azul maravilhoso, mas claro que isso é questão de gosto. O Rio da Prata foi lindo também, mas por ser sedentária achei a flutuação um pouco longa e cansativa, rs. Obs: a Lagoa Misteriosa abre apenas alguns meses no ano, no restante dos meses tem a proliferação de umas algas e o passeio é fechado. Portanto, se for no meio do ano e a Lagoa estiver aberta, reserve com antecedência! Eu queria muito ter feito o mergulho de batismo e não fiz porque não tinha vaga. 2° dia: Gruta do Lago Azul e Projeto Jibóia No segundo dia fui conhecer a Gruta do Lago Azul, o cartão postal de Bonito, lindo, lindo e lindo! Mas é só p/ contemplação e dura poucas horas. Antes do almoço eu já estava no hostel. Tem aproximadamente 300 degraus p/ descer e subir, não sendo indicado para quem tem alguma limitação física. A Gruta do Lago Azul pode ser conciliada com outras grutas por serem perto uma da outra, mas só em alguns dias da semana. Como eu fui na segunda-feira e nesse dia as outras não abrem eu fiz só ela. Uma pena que não me informaram isso. Como cheguei cedo aproveitei a tarde p/ passear no centro de Bonito e comprar lembrancinhas e à noite fui no Projeto Jibóia. No meu ponto de vista só valeu a pena por poder ver de perto, pegar e tirar foto com a Jiboia, já que o palestrante em si não é lá muito entendido do assunto (não é biólogo ou veterinário, apenas gosta dos bichos e os cria) e faz uns comentários desnecessários a palestra inteira (comentários grosseiros, machistas, etc) e se acha super engraçado. 3° dia: Flutuação no Aquário Natural Eu particularmente gostei mais da flutuação no Aquário Natural do que no Rio da Prata. O rio é rico em vegetação, tem muuuuitos peixes, o percurso é menor então dá pra explorar e curtir mais. No final, durante a trilha pra voltar, temos a opção de ir numa tirolesa e cair dentro de um rio. Eu pulei e adorei. Muito, muito bom! Eles têm o serviço de filmagem, filmam o passeio e depois vendem o DVD. É caro, mas eu e mais 3 pessoas compramos juntos e depois enviamos as fotos um pro outro. Na trilha da volta também vimos alguns animais, bem legal! Passeio de meio período, não inclui almoço. 4° dia: Fazenda Boca da Onça Passeio de dia inteiro. Ótimo também! A comida é deliciosa, as cachoeira são incríveis - destaque para o Buraco do Macaco. Nesse dia estava frio, mas eu e mais uns corajosos entramos ao menos no Buraco do Macaco por ser tão lindo!!! Lá tem rapel também, eu ia fazer, mas foi cancelado pelo risco de chuva. 5° dia: Fazenda Rio do Peixe Lindas cachoeiras também, o almoço mais gostoso que comi em Bonito e também temos contato com muitos animais da fazenda: damos comida aos macacos, p/ as araras, p/ anta (Gigi). Passeio muito gostoso, mais leve que a Boca da Onça e inclusive tinha famílias com crianças por lá. 6° dia: Fazenda San Francisco - Pantanal Como o frio chegou em Bonito, optei por fazer um passeio que não envolvesse água e fui p/ o passeio de 1 dia em Pantanal (tem passeios de 2 ou 3 dias) e foi uma surpresa mto agradável. Gostei mais do que pensei que fosse gostar. Teve safári, passeio de chalana onde pescamos piranha e demos de comida aos jacarés e tbm contou com um almoço muito bom. 7° dia: Abismo Anhumas Criei coragem e fui no passeio mais radical (e mais caro) de Bonito. É uma caverna no qual temos que entrar e sair de rapel, deve dar uns 80m de altura. Lá dentro flutuamos em uma água gelaaada, c/ azul escuro e linda! Só pode mergulhar quem ter carteira de mergulho, então fiz só flutuação. Dps fizemos um passeio de bote dentro do abismo e o guia foi explicando sobre as formações lá dentro. O único ponto negativo é a demora pra entrar e sair, perdemos horas nessa brincadeira. Uma adrenalina que vale a pena com a paisagem incrível lá de dentro!!! Dica: os primeiros horários são os melhores. Eu fui no horário das 8:30 e ainda estava bem iluminado lá dentro. O pessoal que entrou depois da gente já não teve a mesma visão, o abismo estava bem escuro. Ah, aquele feixe de luz que vemos nas fotos só bate entre dezembro e janeiro. Todos os guias e monitores foram ótimos, a cidade é super bem preparada para receber os turistas, os transportes não são inclusos nos passeios (sugiro alugar carro p/ quem for em mais de 2 pessoas ou usar transporte coletivo pra quem for sozinho ou em 2, que foi oq fiz e economizei bastante). Bom, é isso. Quis falar um pouco da minha viagem e espero ajudar quem procura por dicas. Tem muitos outros passeios, mas me faltou tempo e dinheiro pra fazer tudo, rs. É um lugar lindo, que sem dúvidas pretendo voltar um dia!
  7. Olá, somos de Campinas/SP e eu e meu marido fomos conhecer a tão famosa Bonito e podemos dizer que é uma viagem maravilhosa, vale a pena demais, apesar de ser um absurdo de caro e eu ter me sentido pagando em euro rsrs. • Período: 17 a 24/12/15. Pegamos 2 dias de baixa temporada e o restante de alta. • Transporte: avião de Campinas até Dourados. Em Dourados alugamos um carro e fomos para Bonito (são mais 3,5 horas). A estrada de Dourados para Bonito é de pista simples mas é bem pavimentada. Não tem infraestrutura nenhuma no caminho, raríssimos postos de combustível e mais nada. Vá e volte de tanque cheio e com uns petiscos pra não passar aperto rs. Áh são pouquíssimos trechos que tem acostamento tbm. Se precisar parar vai ter que estacionar na plantação de soja transgênica rsrsrsrrss. Fora isso é de boa rsrrs • Hospedagem: Bonito Hostel: é da rede HI. Ótimo atendimento, limpo, organizado, estruturado, piscina grande, redário, área de camping, estacionamento, café da manhã uma delícia. Pegamos quarto privado com ventilador. É um hostel que não tem bagunça e festas. 23h eles desligam as luzes externas. • Passeios: Bonito é mto organizado em relação aos passeios (nem parece Brasil) e os valores são regulamentados pela ATRATUR (veja o site). Isso é ótimo pq ninguém cobra a mais e alguns cobram um pouco a menos. Fechamos todos os passeios com a agência do Hostel pois tem desconto em alguns passeios (comparamos os preços com a net pra ter certeza e compensou). A agência nos ajudou a montar o roteiro de passeios por dia. Bonito consta com o sistema Voucher Único: é um sistema que integra todos os passeios (menos o do Projeto Jibóia) e as agências tem que consultar e agendar por ele os passeios já que cada lugar tem um n° máximo de pessoas por dia (por serem áreas de preservação). É bem organizado mesmo. 17/12 - quinta-feira Chegamos 22h no hotel então só deu tempo de pegar os vouchers dos passeios e dormir. 18/12 - sexta-feira Gruta do Lago Azul: 20km do hostel, estrada de terra boa, ótima estrutura e ótimo atendimento. Dura mais ou menos 1:20h. Trilha fácil e escadaria para descer na gruta. Lagoa azul devido incidência do sol e ilusão de ótica. Lindo. Observação de estalactites e estalagmites. Valor: 45,00/pessoa Projeto Jibóia: é no centro mesmo e vc compra na hora (só aceita dinheiro), começa 19h todos os dias e dura quase 2h. De uma forma engraçada Henrique (que é o dono do lugar) dá informações desmistificando as cobras e ao final vc tira foto com uma Jibóia. Eu gostei. Além do mais não tem nada pra fazer na cidade de noite além de andar no centro, então acho que vale a pena um dos dias ir lá. Valor: 40,00/pessoa. 19/12 – sábado Buraco das Araras: são mais ou menos 50km de distância, estrada de terra bem ruim. O local é lindo e estruturado. Tem até cafezinho com bolacha rsrs O passeio dura 1:20h, trilha fácil. O buraco tem 100m de profundidade e nas paredes tem os ninhos das araras vermelhas. No fundo tem um laguinho com um casal de jacarés. Tem 2 mirantes. Fomos na época de nascimento das araras e primeiro vôo dos filhotes. Não espere ver milhões de araras voando ao mesmo tempo... vc vê só algumas...td depende do sol tbm... o guia disse que elas voam mais no início da manhã e no fim da tarde... fomos 9h e vimos algumas...eles emprestam um binóculo tbm. Eu adorei e achei lindo... elas voam em casal e quando são 3 é um casal e um filhote... Valor: 58,00/pessoa Rio da Prata: há 5km do Buraco das Araras fica a fazenda do Rio da Prata. O local é mto estruturado e lindo. Estão inclusos: snorkel, roupa de flutuação e sapatilha. Se não tiver máquina a prova dágua ou protetor eles alugam go pro (estava 75,00) Vamos em cima do caminhãozinho da fazenda até o início da trilha..é divertido...São uns 40 min de trilha até chegar no rio. Eles dão colete e inicia o treinamento. Qdo tds estiverem confortáveis inicia a flutuação. É lindooooooo, passeio mais lindo de Bonito, um paraíso...mtos peixes. Qdo os raios de sol batem na água fica ainda mais divino. Até uma anta passou nadando perto da gente srrsrs. No final tem uma nascente de água, que eles chamam de vulcão, no fundo do rio tem um chão arenoso e conforme a água vai brotando vai borbulhando no fundo... é mto da hora. Qdo termina o caminhãozinho está nos esperando e nos leva de volta pra casa da fazenda. Passeio de 2h mais ou menos, vale a pena demais. No final tem almoço no restaurante da fazenda servido no fogão a lenha(delicioso) e vc pode usar o redário, conhecer a horta e outras partes de lá... Valor: 218,00/pessoa com almoço 20/12 - Domingo Rio do Peixe: local estruturado (no banheiro feminino tem até secador de cabelo), redário, refeitório, arroz doce, canjica, café e chá a vontade de boas vindas. Qdo chegamos a anta Gigi estava lá dando o ar da graça e logo chegou tbm a arara azul, lindaaa... seu Moacir (dono da fazenda) a pegou para tirarmos fotos. Vc pode alugar colete qdo chega, custa 2,00 pra ficar o dia inteiro. Sugiro que alugue pra ficar de boa o passeio td e aproveitar td. A trilha é tranquila com mtas paradas para banho nas cachoeiras do rio do peixe e 2 tirolesas. O passeio dura o dia td: cachoeiras de manhã, almoço e mais cachoeiras de tarde. Áh o almoço é uma delícia, tbm servido no fogão a lenha. Foi o passeio mais divertido...vale mto a pena... Valor: 195,00/pessoa com almoço 21/12 - segunda-feira Parque Ecológico: fica a uns 5km do centrinho. Mto estruturado com área de lazer mto da hora. Tem que comprar pelo menos 1 passeio para ter acesso a td área de lazer. -Bóia Cross: o rio estava bem cheio devido chuvas no dia anterior e com bastante correnteza... os guias passam bastante segurança. Foi uma delícia e mto divertido...vale a pena, dura em torno de 1:20h... se a correnteza estiver menor dura mais. Valor: 76,00/pessoa -Cavalgada: depois fizemos cavalgada pela fazenda, com área alagada para os cavalos passarem e tal... é legal mas não tem emoção... pra quem nunca andou a cavalo vale a experiência. Se gosta de aventura ou já andou a cavalo não vai achar mta graça. Valor: 76,00/pessoa Depois passamos o resto do dia aproveitando o lago (tem coletes disponíveis), nadando, stand up, caiaque, tirolesa etc. Áhh no centro comemos isca de Jacaré... gosto de peixe e textura de frango... vale a experiência e só rsrsrs 22/12 – terça Boca da Onça: é o passeio mais distante, 60km mas a estrada de terra é de boa. O lugar é lindoo... o casarão tem até um mini museu, tem 2 piscinas naturais com peixes, redário. O passeio dura 4h, a trilha é bem longa e pesada com subidas e descidas. Tem uma escadaria de quase 900 degraus (a panturrilha ficou doendo pelos próximos dias rsrs). Nosso grupo desceu as escadas mas o outro grupo subiu (eles vão intercalando os grupos pra não ter mta gente no msm lugar). Paradas para banho e contemplação, é maravilhoso. Tem mais contemplação do que banhos, e qdo tem banhos são por períodos bem curtos, mas vale mto a pena pq é lindo demais, um paraíso. As cachoeiras e as vistas são lindíssimas. O almoço é uma delícia, tbm servido no fogão a lenha. Depois ficamos no redário um pouco pra fazer a digestão rs e depois piscinas. Obs: controle o horário pra conseguir usar as piscinas pq lá fecha 16h. Valor: 195,00/pessoa com almoço. 23/12 - quarta-feira Balneário Municipal: fica a uns 5km do centro e vc pode ir a qualquer horário entre 8h e 17:45h. É um pedacinho do rio Formoso. Os macacos são a maior atração. Como o rio é fundo tem aluguel de coletes (5,00/hora). Tem quiosques para fazer churrasco e restaurantes. È bonito, organizado mas não é tao estruturado como os outros passeios. Não tem mta aventura nem mta novidade pois já tínhamos ido em tds os outros passeios antes. Aconselho ir se tiver com crianças, se tiver sobrando tempo ou deixar logo pro primeiro dia..se não não tem mta graça. Valor: 30,00/pessoa. 24/12 - quinta-feira Retorno DICAS: • Para quem for comprar passagem com pontos verifique tanto para Dourados como Campo Grande. No nosso caso para Dourados era a metade dos pontos e a distância até Bonito é a mesma das duas cidades. • Fizemos a carteirinha HI (30,00/pessoa) no check in do hostel e tivemos desconto nas diárias e em alguns passeios. Dependendo do n° de dias que vai ficar compensa ou não fazer a carteirinha, faça as contas. • Pegue quarto com ar condicionado, o calor judia. • Se não estiver de carro tem os transfers para os passeios: pelo hostel era 35,00/pessoa para passeios de meio período e 70,00/ pessoa para passeios de dia inteiro. • Não vimos ônibus coletivo em Bonito. • Reserve todos os passeios com antecedência...tipo 1 mês antes se for na alta temporada pq conhecemos um casal que só conseguiu fazer 1 passeio pq tentaram comprar td na hora. • Como os passeios são agendados apenas pelo sistema do Voucher Único não é possível chegar no local do passeio e comprar na hora a entrada. Só é possível comprar através de agências. O único lugar que vc compra na hora é o Projeto Jibóia. • Com o site da ATRATUR (passeios) vc consegue planejar mais ou menos qto gastará na sua viagem, lembre-se de somar o transfer caso não vá de carro. • Para chegar de carro nos passeios eles te entregam um mapa mtooooo bom e mto preciso. Vc zera a quilometragem nos pontos de marco zero do mapa e as quilometragens dos pontos de referência dão exatos...uma maravilha. Além disso achamos uma cidade bem sinalizada, tem placa indicando os passeios por td parte. • Compre os passeios com almoço: é uma delícia. As melhores comidas são as dos passeios pq as do centro são bem meia boca e são tão caras quanto. • Dizem que o melhor horário para ir na Gruta do Lago Azul é no passeio das 8h pois é a melhor incidência do sol. Se der pra escolher prefira esse horário. • Não tem bebedouro em nenhum lugar, tem que comprar água mesmo. • Os mercados de Bonito tem preços bem altos em relação a quem mora em SP (mais ou menos o dobro). Se for de carro leve água e mais o que puder rsrs • Projeto Jibóia só aceita dinheiro. Se quiser pagar no cartão compre com agência (é o mesmo valor). • O comércio fica aberto até 23h mais ou menos no centrinho (na alta temporada. Na baixa não sabemos). • Preços de comida (só para ter uma ideia de custos): Restaurante Aquário, no centro, comemos Pintado na telha ao molho de urucum: bem mais ou menos, não era mto gostoso não... 86,00/para os 2. Mercado Formoso: água 5L=8,50. Bolacha wafer=3,50. Mini isca de jacaré (no Casarão)=45,00. • Nos passeios de flutuação tem Go Pro pra alugar por 75,00 e daí gravam as fotos num pen drive pra vc (leve o pen drive pq vi que queriam cobrar 70,00 em um lá). • Compramos uma capa para máquina da Dickapack. Melhor investimento! Não entra água (deu um medão kkk mas deu td certo)... usamos em tds os passeios, valeu mto a pena: 190,00 (na net). • Buraco das Araras e Rio da Prata são mto próximos: faça os 2 no msm dia. • Abismo Anhumas: é o passeio mais caro e que exige mais preparo físico (não fizemos). Um guia de um outro passeio nos deu a seguinte informação: mta gente não faz o abismo pq a subida exige mto preparo, porém o local do passeio é obrigado a te puxar caso vc não consiga ou queira ser puxado. No treinamento para o abismo os guias simplesmente falam que vc não passou no teste e q é melhor não ir, porém se vc quiser vc tem direito de ir sim e eles tem que te puxar na subida. • Pizzaria San Marino tem pizzas deliciosas! • Combustível: etanol estava por volta de 3,00. • Posto de combustível Santa Laura lavam o carro por fora e dão uma limpada por dentro de graça... nem precisa abastecer se quiser... eles fazem uma lavagem que aqui em Campinas é uns 30,00... se puder deixa uma caixinha pros meninos que são gente boa #ficaadica rsrsrsrs
  8. Olá Mochileiros. Deixo aqui meu relato de viagem, 18 dias pelo Mato Grosso do Sul. Viagem ocorrida entre 1º a 18 de março de 2017. - ROTEIRO: Campo Grande = 4 dias Ponta Porã/Paraguai = 3 dias Bonito = 9 dias Corumbá = 2 dias - GASTOS: Para um casal Previsto: R$ 10.012,00 Gasto Real: R$ 9917,00 Ver detalhado na Planilha de EXEL. O gasto deu alto porque fiz quase todos passeios de Bonito, mesmo sendo em BAIXA TEMPORADA. Alta temporada os preços duplicam na cidade de BONITO. PLANILHA DO EXEL 1 aba com os gastos por dia 1 aba com os preços dos hotéis das cidades do ROTEIRO 1 aba com o preços das passagens de ônibus das cidades do ROTEIRO - BONITO: Compramos os passeios por agência, indico comprar da pousada ou hostel. A agência nos vendeu os passeios com as refeições inclusas (+R$ 50,00 em cada passeio por pessoa), minha namorada vegetariana não aprovou os cardápios, todos pratos tinham carne misturada. Compensa mais fazer refeições na cidade do que nos passeios. Fiz quase todos passeios de Bonito vou citar os melhores conforme a minha classificação: Flutuação: 1 - Nascente Rio do Prata 2 - Nascente Rio Sucuri 3 - Nascente Azul - passeio é curto 4 - Aquário Natural - Não fiz, dizem que o passeio é curto Grutas: 1 - Gruta do Lago Azul - não deixe de ir 2 - Gruta de São Miguel - desnecessário se conseguir ir na Gruta do Lago Azul 3 - Gruta de São Mateus - não fui * Fazendo apenas 1 passeio de Gruta é o suficiente. Muita informação repetitiva. Trilhas com cachoeiras: 1 - EcoPark Boca da Onça 2 - Fazenda Ceita Corê - Almoço fantástico até para vegetarianos 3 - Estância Mimosa 4 - Rio do Peixe 5 - Parque das Cachoeiras - não fui * Estância Mimosa/Parque das Cachoeiras são fazendas de donos diferentes, entretanto, uma fica de um lado do Rio e a outra do outro lado. Algumas cachoeiras são comuns em ambos os passeios. BURACO DAS ARARAS: Vale a pena ir pela informação sobre a Reserva e a Dolina. Mesmo pela manhã é possível ver casais de Araras. Balneários: Fui apenas no Ilha Bonita, fiz passeio de Bote. Estrutura do balneário é boa, indico ir no fim de semana, na segunda-feira estava quase tudo fechado, poucos funcionários trabalhando. FAZENDA SÃO FRANCISCO - PANTANAL SUL Vale a pena ir, passei apenas o dia. Compensaria até ter passado uma noite porque fazem um Safari noturno onde é possível ver animais silvestres diferentes. Era isso. Obrigado pelo espaço, espero que ajude alguém meu relato. Mato Grosso do Sul - Mochileiros.xlsx
  9. Relato de Viagem: Bonito MS (24 a 28 Junho 2013) Com Nathalia Nunes, Bruno Almeida e Diego Guedes INTRODUÇÃO SOBRE BONITO - MS Objetivando sair um pouco daquela habitual moda de “praia,sol,agitação...” nas férias, resolvi fazer algo diferente, fugir dos roteiros agitados como nordeste e/ou exterior e conhecer Bonito,Ms. Sim, uma cidade no centro-oeste brasileiro, no estado de Mato Grosso do Sul, a aproximadamente 300km de Campo Grande. Com apenas 20 e poucos anos de exploração do turismo, alguns dos inúmeros passeios ainda nem foram descobertos ou tiveram permissão para começarem a funcionar. Já soube que 39 novos passeios estão prestes a serem abertos já que uma das fazendas acabou de ampliar seu espaço físico. Pela 12º vez consecutiva Bonito é o vencedor na categoria “Melhor destino de ecoturismo do Prêmio Viagem & Turismo 2012/2013”. Desde a primeira edição, em 2001, a cidade mantém o título e segue invicta até hoje. O trunfo de Bonito é aliar ecoturismo e preservação ambiental. Bonito é uma cidade simples de pessoas humildes, seus passeios são TODOS pagos, sim, pois ficam em fazendas privadas estruturadas para o ecoturismo, as chamadas RPPN (reserva particular de preservação natural). São criadas a partir da vontade de proprietário, que assume o compromisso de conservar a natureza, garantindo que a área seja protegida para sempre, mesmo em caso de venda. Uma vez RPPN,sempre RPPN, desta forma, por mais que venda a propriedade, o novo dono devera manter a mesma para turismo e estudos científicos. As RPPNs são fiscalizadas pelo governo e precisam manter pelo menos 20% de mata nativa, além de terem que respeitar uma quantidade máxima de visitantes por dia – acredite, se os donos ultrapassarem a quantidade estabelecida podem receber uma multa bastante alta, além de ficarem alguns dias fechados. As consequências realmente fazem com que eles respeitem as regras. Deste modo, por se tratar de uma reserva ambiental, prepare seu bolso e reserve com antecedência os passeios, pois a demanda é alta. Os preços são tabelados pelo governo, o que vai diferenciar de uma agência para outra é apenas a forma de pagamento, e só! Além dos passeios, não pode esquecer da locomoção, no meu caso optei por carro locado (aproximadamente 90reais por dia km livre + valor do caução que varia de uma operadora para outra), mas para se ter uma noção e não queira carro locado: 80reais é o custo do transfer Campo Grande x Bonito (apenas ida), já os passeios em Bonito também tem seus valores, que variam de 50reais/dia (transporte compartilhado) a 150reais/dia (transporte privado – que pode levar até 3pessoas e dividir esse valor entre os membros). Bonito tem cerca de 70 guias que trabalham em diversas atrações da cidade. Para se tornar um guia é necessário ser morador da cidade por 2 anos e fazer mais um curso de 2 anos para se tornar guia regional. O curso de guia nacional não serve. Depois disso, os novos guias são avaliados pelos guias mais antigos e passam a trabalhar nas atrações que mais gostam. Definitivamente é um trabalho sem rotina já que todo dia você pode ver um animal diferente e sempre conhecer pessoas novas de diferentes lugares. Ao chegar nos passeios você logo percebe o amor que todos possuem por aquele pequeno, grande e incrível lugar. Até mesmo aquelas pessoas mais urbanas se sentem mal se jogarem lixo no chão. Essa atividade é extremamente recriminada por todos os guias. Até mesmo cremes para o cabelo, protetor solar e repelente são proibidos dentro dos rios por poluírem as nascentes. Não é à toa que a cidade é referência mundial em preservação ambiental. Sobre hotel, lá possui varias opções, desde um simples hostel (com ótimas referencias, por sinal) até aos mais luxuosos; como eu disse, os passeios são todos pagos e eu pessoa simples, quero algo apenas confortável pra recarregar as energias pro dia seguinte de modo econômico, então optamos pela Pousada Segredo (http://www.pousadasegredo.com.br), fica bem localizada a 100metros da Praça Piraputangas, no centro de Bonito. Se você fechar o pacote de passeios com eles (Agencia Tererê) ganha 10% de desconto na hospedagem, portanto, quarto para 3pessoas 117reais a diária (39,00 por pessoa/dia). Além de ofertarem preços atrativos, parcelam em até 4x no boleto, o que foi um grande fator decisivo, já que a maioria parcela no cartão de credito em até 3x. Tal pousada, tristemente possui poucas tomadas (acredite: no nosso quarto, para 3 pessoas, apenas 2 tomadas existentes),e como carregar equipamentos eletrônicos sem tomada suficiente para todos? Tivemos que recorrer a um T (benjamim, como é conhecido no RJ), encontramos facilmente, mas acredite se quiser, enquanto paga-se na media 1real, em Bonito esta simplesmente uma bagatela de 6,50. Sim! Então minha dica desde já, é levar um de casa, pois aqui os preços são super-potencializados, e a pousada não tinha para nos oferecer. Ah, esteja preparado para a tão falada água de Bonito. Eu se fosse você ,não ousaria beber, apesar de ser potável. Ela é rica em calcário e pode dar uma desarranjada no intestino, além de não deixar o sabão fazer espuma e deixar o cabelo digno de dread em pouco tempo. Não há condicionador que resolva esse problema. Até a sua pele provavelmente ficará ressecada. RELATO DE VIAGEM: Mas vamos ao que interessa…senta que lá vem história. E atenção, se você não gosta de natureza, esse definitivamente não é seu lugar. - Dia 24/06 chegamos em Bonito - Dia 25/06 Neste dia estava incluso a Gruta Lago Azul, tristemente, devido à condição climática (nublado e chuviscos) não pudemos realizar o evento, uma vez que sem a luminosidade solar, a evidencia azul do lago fica nula e pela chuva, o caminho fica mais escorregadio do que já é. Realocamos para outro dia, devido o cancelamento da Fazenda rio do Peixe, incluímos a gruta neste dia. Relato na sequencia. Gruta São Miguel (36,00) Ela é linda, enorme, espetáculo da natureza. passeio de contemplação de 1h30. Contrario da Gruta Lago Azul, a mesma com ou sem chuva ocorre sem grandes problemas. Antes de iniciar o passeio haviam 2 araras fazendo poses e tiramos ótimas fotos. Para introduzir o passeio, é apresentado um vídeo, para que possamos compreender um pouco mais sobre o local e aumentar mais ainda a expectativa do evento. O passeio é acompanhado pelo guia que está la para sanar todas as duvidas que surgirem, bem como, reforçar informações repassadas no vídeo anteriormente e passar algumas curiosidades do local. A gruta em si, é formada por varias formações geológicas (estalactites, estalagmites...), tem diversos animais catalogados, dentre eles corujas, morcegos, incetos, e até ratos... Um passeio agradável e que enche os olhos especialmente de professores de geografia (lembrei da minha época de ensino fundamental). Para maiores informações acesse: http://www.grutasdesaomiguel.com.br Flutuação: Aquário Natural (120,00) Embora neste dia estivesse chovendo, realizamos o evento mesmo assim, ele nada interfere na claridade da agua uma vez que trata-se de uma nascente. O que pode prejudicar, é no caminho, pois passamos por uma curta trilha. Também não interfere na temperatura da agua, pois indiferente das condições climáticas e estações do ano, a mesma é estável, variando de 21 a 23graus. Tal informação é valida para as demais flutuações. Mas falando sobre o passeio em si: assim como todos, é acompanhado por uma guia, no qual no caminho ela nos orienta em como realizar o passeio (procedimento super fácil, sem grande esforço), fala sobre a vegetação do local, passa maiores curiosidades e responde todos nossos questionamentos sem nenhum problema. Logo no inicio você vê o fenômeno da ressurgência – os geólogos, biólogos e estudiosos que me perdoem. Vou reproduzir conforme me falaram – que é quando a água passa por falhas da rocha e desemboca no meio do Rio, parecendo bastante com um vulcão de areia. Como o próprio nome já diz, você se sente num aquário, há diversas espécies de peixes, porem o mais frequente é as piraputangas (peixe bem típico da região), engraçado que os peixes não se espantam com sua presença, muito pelo contrario, eles se aproximam, segundo a guia, isso ocorre pois os mesmos tem curiosidade neste “objeto estranho no seu habitat”, mas não atacam, nem corre perigo, e é muito agradável, até os peixes são bem receptivos e lhes deixam bem a vontade em “sua casa”. Há fotógrafos que realizam fotos e vídeo do grupo com suas câmeras mega profissionais, no fim, eles cobram um valor de 60reais, no qual com o cd você pode dividir entre os seus amigos que também realizam o evento contigo. Nele consta as fotos do grupo, o vídeo da flutuação e um vídeo de introdução do local. Mesmo que você possua câmera aquática, compensa comprar, pois o resultado é maravilhoso, um ótimo registro. Não deixe de realizar este passeio. Se eu fosse o cantor Fagner especialmente, iria realiza-lo e mudar a letra daquela musica “quem me dera ser um peixe, para em seu límpido aquário mergulhar...” Para maiores informações acesse: http://www.aquarionatural.com.br/ Fabrica de Cachaça Taboa (25,00) A recepção do passeio é feita em uma réplica do Taboa Bar de 1996, pois foi aí que nasceu a mistura e cachaça, mel, canela e guaraná em pó, e também onde será feita a degustação da Taboa e suas variações. Todo o percurso é feito por passarelas cobertas, com decks em madeira de reflorestamento, Na fábrica são reutilizadas mais de 3 mil garrafas na decoração. O visitante conhecerá a oficina onde a taboa é trabalhada, verá o processo de secagem, corte e manuseio da fibra. Na próxima etapa o visitante visualiza nosso mini alambique e explicação sobre a produção da cachaça. Finalizamos o passeio na boutique, onde são comercializados a Taboa e produtos com a marca. Importante: A cachaça utilizada pela Taboa não é produzida no local da visitação, mas sim artesanalmente por pequenos produtores regionais. A guia explica toda a historia desta famosa bebida na cidade de Bonito, que nada mais é quando em 1996 a proprietária Andrea, abriu um bar no centro da cidade para reunir os amigos. A mesma é apaixonada por chás, e foi misturando com cachaça e perguntava a seus amigos/frequentadores se “Ta Boa”, com isso originou o nome da bebida. Ao passar do tempo, soube que existia uma planta com esse nome que originou a embalagem da garrafa. Alem da historia, demonstração das ervas utilizadas na bebida, a guia nos convida para realizar uma peça em argila, no qual você faz algo criativo, esta peça sera fixada na parede da “fabrica” após secar, há varias deles la. Na sequencia e tao esperada, chega a degustação livre da bebida com seus diversos sabores. A que mais gostei foi de Banana e a de Canela. La possui a loja, com vários produtos, dentre eles lembrancinhas, é possível levar uma amostra da bebida, tem vários tamanhos, os preços variam de 10 a 60 reais. A propósito, a Taboa leva mel, canela, guaraná em pó. E, à noite, no bar de Andréa Fontoura, que inventou a mistura, tem música ao vivo. Um bom fecho para o primeiro dia – só não se anime muito, pois em Bonito é preciso acordar cedo. Para maiores informações acesse: http://www.taboa.com.br/ - Dia 26/06 Flutuação: Rio da Prata (150,00 com almoço) Na verdade a fazenda não fica em Bonito, fica numa cidade chamada Jardim a aproximadamente 50km. O passeio é bastante agradável e longo. Dizem que é a melhor flutuação de todas. Já fica aqui minha dica. Se você quiser ver animais, esse é o melhor. Por diversas vezes, vimos o famoso Dourado (que peixe enorme), Pacu, Piraputangas, dentre outros. A Fazenda possui um ótimo receptivo, oferecem um excelente almoço com sobremesas bem caseiras e dignas de bis. Ah, e não é qualquer lugar que temos como companhia o verdadeiro papagaio almoçando conosco na mesa. Deixe-me explicar direito: você está almoçando normalmente e de repente a contragosto do dono da propriedade, eles pousam ao seu lado na mesa/banco pra fazer graça, eles comem na nossa mao, caso você não dê muita atenção ele “rouba” o alimento do seu prato e fica competindo contigo, impossível se encantar com tamanha formosura. No local em si, há diversas espécies de aves, que ficam soltas na região, araras, papagaios, tucanos... Para maiores informações acesse: http://www.riodaprata.com.br Contemplação: Buraco das Araras (38,00) O Buraco das Araras é uma dolina de 124m de profundidade e 160m de diâmetro, localizada na Fazenda Alegria e que hoje se consolidou como um local para contemplação de aves, principalmente as Araras Vermelhas que são a maioria na região. Imaginem uma enorme cratera cercada de vegetação e que serve de habitat natural para as Araras Vermelhas que constroem seus ninhos nas fendas da pedra e dão espetáculos de beleza, exibindo suas lindas cores voando de um lado para o outro da cratera, produzindo seus sons característicos. É bem difícil conseguir tirar fotos, pois elas passam voando muito rápido e é preciso ter uma bom zoom na câmera. A história do Buraco das Araras é muito curiosa: Assim que Senhor Modesto Sampaio (proprietário da Fazenda e responsável por transformar este local próprio para o Ecoturismo) comprou a Fazenda, e descobriu que havia um enorme buraco no meio dela, a notícia não foi tão boa, pois eles tiveram que cercar todo o local pra evitar que o gado caísse. Com o tempo o local também foi atraindo a curiosidade de pessoas, nem sempre para apreciar a beleza das aves que lá viviam, mas também com outros propósitos como treinar tiros, soltar fogos e demais outras atividades que ameaçaram o local e fez com que as aves fossem espantadas de la. Os soldados do exercito, treinavam tiros e rapel no local, muitas das vezes, vandalizava o mesmo, escrevendo seus nomes na parede do buraco, de modo querer demonstrar seu ato de coragem, e ao ser descoberto pelo seu superior, o mesmo obrigava descer e limpar os nomes la escritos. Ainda da pra ver algumas escritas (Manoel, pelo jeito era o cara, pois há varias vezes ele la). Com o tempo o Senhor Modesto e sua família conseguiram reestabelecer a organização no local, assim como a fauna e flora, recuperando o ambiente e atraindo novamente as araras vermelhas. A pratica do rapel foi proibida, pois suas perfurações afetavam os ninhos das araras e consequentemente, afastava as mesmas que com tanto custo está sendo conquistada pelo dono. Quando foi assumida pelo dono, foram feito limpezas do local, encontraram diversas coisas estranhas, tipo: 26 esqueletos, corpos em decomposição, diversos carros (hoje ainda possui uma Brasilia Branca, não foi possível retira-la),etc... O buraco tem um lago laa em baixoo, que possuem um casal de jacaré de papo amarelo, não se sabe a origem deles terem aparecido no local, acredita-se que caíram, mas há vários outros rumores e lendas urbanas a respeito. Os propritarios não realizam nenhum tipo de alimentação aos animais, inclusive aos jacarés, desta forma, sabe-se que o casal de jacarés ao terem seus filhotes, eles se alimentam dos mesmos, um modo de sobrevivência, com o passar do tempo, já é previsto que os filhos irão comer os pais e assim o ciclo continua. Recentemente surgiu uma sucuri no local, acredita-se que a mesma também caiu. Aproximadamente 1 mês atrás, o buraco das araras teve um grande fluxo de visitantes, pois a sucuri ficou encarando o jacaré, esperando o momento para dar o bote, e vice e versa, ficaram 3 dias neste “namoro” e não sabemos ao certo o que houve com a cobra. Ou sumiu, ou foi alimentada pelo jacaré, pois dificilmente ele perde esta briga. Para maiores informações: http://www.buracodasararas.com.br - Dia 27/06 Fazenda Rio do Peixe (125,00 com almoço) Tristemente, devido à condição climática (nublado e chuviscos) não pudemos realizar o evento, devido nosso interesse tentamos negociar, uma vez que não teríamos interesse no mergulho dos rios e cachoeiras, apenas a contemplação, interação com os animais e degustar o famoso almoço, mas ainda assim o dono não aceitou, digam que o mesmo é bastante sistemático nesse sentido: “ou faz todos os passeios, ou não faz nenhum”, foi a resposta que ouvimos. Nem tiramos a razão dele, pois deseja que o turista saia com boa imagem de sua fazenda usufruindo de todos seus atrativo. Também não conseguimos alocar em outro dia, pois iriamos embora no dia seguinte cedo. Como na terça feira nosso passeio na Gruta foi cancelado, incluímos o mesmo neste dia. O valor foi ressarcido e em breve retornaremos a Bonito para realizar este e outros tantos passeios (há vários). Contemplação: Gruta Lago Azul (36,00) Os passeios acontecem das 7h00 da manhã até as 14h00, devido à segurança. O limite atual é de 305 pessoas por dia, divididas em grupos de 15 pessoas, sempre acompanhadas por guias. É um dos passeios mais disputados de Bonito e convém reservar sempre com antecedência para não se frustrar caso não tenha vagas. A trilha inicial é bem fácil, cerca de 300 metros até as primeiras escadas que levam a entrada da gruta. Essa primeira parte foi fácil, pois mesmo chovendo, era plana e sem qualquer obstáculo. Assim que chegamos às escadas, a situação já necessitava um maior cuidado, pois os degraus estavam bem escorregadios e em curva, sendo assim era necessárias paciência e atenção. Assim que chegamos à parte coberta, onde se iniciaria o trecho de descida dentro da própria gruta com degraus escavados em terra, achei que seria mais fácil, mas lá dentro era bem úmido e a falta de luz dificultava também, então foi preciso manter o mesmo ritmo devagar. Dizem que a descida equivale a 12 andares de um prédio. Se é verdade eu não sei, mas que é longa é mesmo! Lá da pontinha da escada já dava para enxergar um pequeno lago azul ao fundo. Sinal de que ainda faltava descer bastante para estar frente a frente com ele. Há cordas indicando o caminho pela trilha e também para evitar que alguém ande e escorregue em um local frágil. Paramos em diversos momentos para observar a imensidão do Lago Azul que ficava cada vez mais perto. Outra coisa que chamou também minha atenção, era a geologia da caverna, as estalactites e estalagmites por todo o caminho. Talvez quem tenha pavor a lugares fechados, se sinta meio mal, eu tenho tendência a isso, mas não tive problema, a algum, pois quanto mais descia, mais fascinada ficava com a beleza do lago que aproximava Na verdade não é bem um lago, é um rio subterrâneo e há muitas histórias a seu respeito. Não é permitido entrar, nadar ou jogar qualquer objeto no lago. Sua profundidade é desconhecida e dizem que muitas coisas no mínimo intrigantes foram encontradas por lá, como uma espécie de camarão albino, fósseis de preguiça gigante e até de um tigre de dente de sabre. Fotos: Arrumem a configuração da máquina fotográfica, tirem o flash e aumentem o ISO , as fotos com flash não conseguem capturar o azul da água na distância em que ficamos... o ISO é para as fotos não ficarem muito escuras, mas não aumente demais para não ficarem esbranquiçadas. Caso vc não saiba mexer na configuração da máquina, peça para o guia, ele que nos passou essas dicas pra garantir boas fotos dentro da gruta. Se ainda assim não conseguir registrar esse momento, os guias possuem câmera apropriada para esse evento, mas cobram uma “bagatela” de 10reais por foto. Enfim... Esse lugar é quase surreal. Dá pra esfregar os olhos e achar que não é possível algo no mundo tão bonito assim. Não adianta ver só as fotos ou achar que toda gruta é igual, só entrando nela para sentir toda aquela esplêndida energia e beleza singular. Nenhuma foto consegue retratar o que vemos ali diante de nossos olhos e o quão pequenos somos diante das belezas desta terra. PASSEIO OBRIGATORIAMENTE IMPERDÍVEL. Projeto Jiboia (25,00) Este projeto ocorre diariamente as 19h e fica no centro de Bonito, o idealizador Henrique morou anos na australia e tinha contato direto com esses animais, resolveu trazer uma palestra de conscientização para as pessoas. Em todo momento ele está com uma cobra “pendurada em seu pescoço” e neste momento você já vai criando coragem em se aproximar mais ainda dela. Eu sinceramente não tenho medo, mas os meninos que estavam comigo, estavam bem receosos, portanto a palestra foi interessante para quebrar paradigmas. No geral ele passa orientações, historias, curiosidades sobre a cobra. Bastante interessante. Mas caso queira ir neste passeio, sugiro incluir ele no primeiro dia, pois em Bonito é um ambiente bem sugestivo para aparecer esses animais. Enfim...apos um bate papo ele convida um por um para tirar fotos com a cobra. Neste dia ele estava com o Patamar, uma jiboia de 10 anos macho, ele tem 1,60metros. Um fofo!! http://www.projetojiboia.com.br/‎ Onde Comer? Bonito há um leque bem grande de restaurantes, pelo que pesquisei apresentam relativamente o mesmo preço. De um modo geral não deixe de comer Carne de Jacare (a porção para 2 pessoas é aproximadamente 75reais) e tem também o X-Jacare do Vicio da Gula que é formidável (22,90). Não se surpreenda se alguém te abordar oferecendo bombons, esta é a Dona Margarida, ela vende vários bombons com frutas típicas da região, experimentei o de Jaracatiá, que nada mais é que uma raiz e o sabor é bem semelhante a coco, o valor é 4,00. Voltei com a certeza de que hoje respeito mais ainda a natureza e sabendo como é difícil fazer isso morando onde eu moro. Com um pouco da percepção que aqui ninguém se importa tanto com a natureza, afinal de contas existem problemas piores para serem resolvidos. Bonito é um lugar seguro, rico, natural, preservado e acima de tudo encantador. Um banho de aprendizado para quem quiser se render aos encantos da natureza. Bonito é de fato um lugar incrível que foto nenhuma consegue transmitir justamente. Outras Informações: Pousada Segredo Rua 24 de Fevereiro, 2079 - Centro - Bonito –MS [email protected] Tels: 67 32551872 / Vivo: 67 9659-4828 / Oi: 67 8442-4828 / Claro: 67 9125-3892 / Tim: 67 8141-4062 OBS: * Fuso horário: 1 hora menos em relação ao horário de Brasília Em Bonito não tem Banco 24 hs, somente com Banco Brasil e Bradesco - Rodamos aproximadamente 960km num Palio motor 1.0 usamos aproximadamente 2 tanques de combustivel o alcool estava 2,00 o litro. (Ponto de partida e chegada: Aeroporto Cpo Grande) Estrada boa, mas sugiro ir durante o dia. Nao possui iluminaçao na estrada, contando apenas com o farol do carro e o aparecimento de animais na pista é frequente, exindo uma atenção maior do condutor. - -A maioria dos estabelecimentos aceita cartão de credito/debito - Voltagem 110v Descritivo dos passeios.pdf Valores - Prices 2013.pdf Orcamento Bonito Ms (Junho 2013).xls Relato de Viagem - Bonito.pdf
  10. Fala galera, blz? O relato a seguir, será o relato de mais uma viagem iniciada aqui no fórum Mochileiros, onde a princípio ninguém se conhecia, mas que o entrosamento foi imediato. Bom, os participantes dessa fantástica trip foram Eu, Pri Barreto, Robson e Silvana, todos de Sampa City capital, com exceção da Pri que é de Jacareí-SP. CRONOGRAMA DA VIAGEM: Ida: 08/11 /14 Volta: 12/11/14 HOSPEDAGEM: Ficamos no Papaya Hostel num quarto misto com 8 camas, localização excelente, staff muito simpático, quarto bem limpo com ar condicionado, além disso o hostel possui uma piscina bacana... http://www.papayahostelbonito.com/ RECOMENDO PASSEIOS REALIZADOS COM OS PREÇOS (por pessoa): - Gruta Lago Azul: R$45,00 - Bóia Cross:R$60,00 - Balneário Municipal: R$25,00 - Flutuação no Aquário Natural: R$150,00 - Projeto Jiboia: R$35,00 - Flutuação Rio da Prata: R$132,00 - Buraco das Araras: R$48,00 AGENCIA QUE FECHAMOS OS PASSEIOS: BONITOUR ( http://www.bonitour.com.br ). A forma de pagamento foi 30% na reserva e o restante quando chegamos em Bonito em 3 vezes no cartão direto na própria agencia. O pessoal da agencia foi show de bola, muitas dicas e orientações desde o primeiro contato. Alugamos uma câmera subaquatica canon por R$49,00 o dia na própria agencia, para as flutuações, acho simplesmente FUNDAMENTAL levar uma câmera dessas. TRANSPORTE: Alugamos um carro para ir de Campo Grande para Bonito e vive versa, isso facilitou muito nos passeios que fizemos. V00: Nosso voo foi para Campo Grande, nós reservamos um carro para irmos até Bonito (aproximadamente 270 km). LOCADORA: Movida, não tenho do que reclamar, alugamos um UNO que era quase um 4x4..rsrs...carro muito bom... 1º DIA: Chegamos em Campo Grande de manhã, estava chovendo muito e o tepo estava horrível, retiramos o carro na Movida, a pessoa que nos entregou o carro nos oriental a melhor maneira de ir para Bonito, mas antes de pegar a estrada passamos no Comper (supermercado) para comprar umas coisas e pé na estrada. Estrada praticamente deserta com grandes retas, fomos nos revezando no volante, viagem super tranquila. Demoramos umas 3 horas pra chegar...Detalhe, o tempo melhorou e muito, Bonito estava sol...graças a Deus... Chegando em Bonito foi super tranquilo encontrar o hostel (Contamos com a colaboração do super mega GPS do Robson)...kkk....assim que nos instalamos no quarto fomos bater perna na cidade, almoçar e ir até a agencia Bonitour para acertar nossos passeios. Tudo resolvido, ficamos andando pela principal rua da cidade, a noite fomos conhecer o bar TABOA. TABOA BAR: É o principal ponto de encontro em Bonito, está localizado na principal rua de Bonito, o bar é famoso por oferecer uma bebida a base de cachaça, mel, canela, guaraná em pó e ervas naturais, vale a pena provar, apenas 36% de teor alcoólico...kkkkkkkkkkkkkk, cachacinha boa essa, todos nós provamos. Além disso, o bar toca musica ao vivo, com destaque para um forrozinho bom de dançar... Outra tradição do Bar é permitir que os clientes escrevam em suas paredes e mesas, cadeiras,, deixando seus nomes, recados, etc,. Bar muito animado, RECOMENDO MUITO.... 2º DIA Os passeios do 2º dia em Bonito seria Gruta do Lago Azul de manhã e o Bóia Cross. GRUTA LAGO AZUL:O horário agendado para inicio do passeio foi as 08h00, a gruta fica a 19km do centro, nossa ida até a gruta foi super tranquila, o mapa fornecido pela agencia ajuda muito, principalmente para que está de carro e precisa chegar aos passeios por sua conta. Essa gruta é considerada o cartão postal de Bonito, é um passeio contemplativo, descendo aproximadamente 150 metros por uma escadaria cavada na terra, avista-se um lago com águas de um tom intensamente azulado. O passeio dura aproximadamente 90 minutos e vale muito a pena. Acho quem o melhor horário para ir é as 8hs, pois depois aumenta bastante a quantidade de pessoas, reduzindo a permanência dentro da gruta. CABANAS - BÓIA CROSS: Esse passeio fica bem próximo do centro de Bonito (uns 6km), super tranquilo de chegar. O passeio inicia com uma pequena caminhada em trilha suspensa até a área de embarque, onde descemos por cerca de 1000 metros o Rio Formoso em bóias individuais. O percurso de 40 minutos de água possui três cachoeiras e duas corredeiras, com destaque para CACHOEIRA DO BATISMO, nessa todos caem da boia....kkkkkkkk. Esse passeio me surpreendeu positivamente, curti muito e recomendo. A noite resolvemos fazer pizza no hostel para juntar a galera, inclusive os gringos e gringas que estavam no hostel, contávamos com as habilidades do Robson (pizzaiolo nas horas vagas)...rsrsrs...noite muita divertida, com as misturas dos idiomas português, inglês e Frances.... 3º DIA BALNEÁRIO MUNICIPAL: Saímos do hostel por volta das 9hs da manhã para esse passeio, fica próximo a centro, tranquilo de chegar. O lugar é bem tranquilo, por ali passa o Rio Formoso, que possui águas cristalinas e permite uma visão bem nítida dos peixes de várias cores e tamanhos. O local dispõe de estacionamento, quadra de vôlei (Areia) e lanchonetes e restaurantes. Lugar ideia para passar o dia, no meu caso em particular sair depois do almoço, pois fui fazer a flutuação no Aquário Natural, o Robson, Pri e Silvana permanecerão do Balneário. AQUÁRIO NATURAL (Flutuação): Fica muito próximo do Balneário Municipal e consequentemente do centro de Bonito. O local onde nós somos recebidos oferece loja, área de piscinas (uma piscina grande para treinamento e lazer e uma pequena aquecida, com hidromassagem), vestiário para vestir o traje de flutuação e guardar os seus pertences em armários fechados, restaurante, etc. Na chegada ao receptivo, recebi o material para flutuação (roupa de neoprene, sapatilha e snorkel) e realizei um treinamento na piscina para se adaptar ao equipamento. O passeio inicia com uma caminhada pela trilha que nos leva à nascente passando por diferentes paisagens. A nascente é mais conhecida pelo nome de Aquário Natural, nome que, realmente descreve perfeitamente o local, a variedade de peixes e plantas é incrível, VALE MUITO A PENA, RECOMENDO. No final da tarde me encontrei com a galera no hostel pois nesse dia fomos visitar o projeto Jiboia, mas ainda de tempo de curtir a piscina do hostel...hehehheheheh PROJETO JIBOIA: A visita ocorre todos os dias as 19hs, fica próximo do centro, da pra ir andando, foi o que nós (quatro atletas...kkkk) fizemos. O Projeto Jiboia tem como principal objetivo a desmistificação das serpentes não peçonhentas, assim como um trabalho de educação ambiental. É uma palestra interessante e no final o visitante tem a oportunidade de tirar fotos com a Jiboia. 4º DIA FLUTUAÇÃO RIO DA PRATA: Acho que o passeio mais esperado da viagem, estava agendado para as 09hs da manhã, como o lugar é um pouco afastado do centro (Aproximadamente 50 km) saímos do hostel as 07h30, o percurso conta com uma estrada de terra de aproximadamente 17 km, mas foi tranquilo de chegar no local, chegamos no local com bastante antecedência. Ao chegar no local recebemos o material para flutuação (roupa de neoprene, calçados (uma botinha) e snorkel) Para chegar à nascente do rio Olho D'água, onde se inicia o passeio, fomos transportados até a RPPN - Reserva Particular do Patrimônio Natural. O passeio inicia-se com uma caminhada pela mata através de uma trilha, no meio da trilha havia um riozinho onde pudemos nos refrescar pois fazia muito calor. Ao chegar na nascente do Rio Olho D'Água, nosso guia muito gente boa nos orientou e iniciou um breve treinamento que visa a adaptação da máscara e snorkel para a realização da atividade. Após essa preparação inicia-se o passeio de flutuação. A leve correnteza do rio vai nos levando, o visual la de baixo é incrível e a quantidade de peixes também, podemos observar Dourados bem grandes ali do nosso lado, além de vários cardumes de diferentes espécies. São cerca de 2km de percurso, até o encontro dos rios Olho D´Água e o Rio da Prata, o passeio de flutuação no Rio da Prata tem duração em torno de 4 horas. Após o passeio voltamos para o ponto de partida, onde foi servido um almoço (Boa comida) e depois fomos para um merecido descanso nas redes existentes no local (Dormi pelo menos 01h30......kkk...q beleza), após o almoço partimos para nosso ultimo passeio que era ali perto (Buraco da Araras). BURACO DAS ARARAS: Esse é mais um passeio de contemplação, onde fizemos um percurso de 900 metros. A contemplação é feita a partir de dois mirantes, instalados na beira do abismo. A paisagem é muito bonita e tivemos a sorte de observar diversas araras de muito próximo, teve momento de ter 10 araras em uma única árvore, parecia até que umas estavam pousando para as fotos. A noite, nossa última noite, rolou pizza novamente, nessa noite tivemos como convidada de honra a Nadine, uma policial da Suíça, menina muito bacana e divertida, teve gente que exagerou no vinho e ficou até meio bêbeda, ou drunk, ou betrunken (bêbado no idioma alemão).............. Resumindo, a viagem foi fantástica, ganhei novas parcerias para futuras trips.... Pretendo voltar a Bonito para fazer outros passeios, principalmente: Mergulho com Cilindro na Lagoa Misteriosa e Abismo Anhumas. É isso galera, espero que esse relato ajude outros mochileiros e mochileiras. Abraço
  11. Não ganhei o dom da concisão, definitivamente. Para quem gosta, segue relato detalhado sobre nossa experiência em Bonito, com algumas dicas que achei interessantes. Eu e minha esposa fizemos a viagem de 7 a 12 de outubro e a data não foi por acaso. A partir do dia 12 já era alta temporada e aí vai a primeira dica – veja no calendário de turismo, a seguir, quando ela ocorre e fuja dela! http://agenciaarbonito.com.br/dicas/bonito/calendario-de-alta-temporada-bonito Nos acompanharam nossos padrinhos, que moram em Natal-RN, estavam no RJ passeando e resolveram nos acompanhar até Bonito. E adianto que, para eles, a cidade maravilhosa fica no MS, embora tenham gostado do RJ. Também achamos Bonito maravilhosa, com tudo o que tem a oferecer. É um turismo organizado, creio que o melhor do Brasil. Caro, sim, mas você vê seu dinheiro sendo investido em organização. [t3]Vôo[/t3]: Para quem vem do Rio, agora há um novo vôo para Bonito, saindo e chegando apenas aos domingos, partindo do Santos Dumont, com conexão diurna no Viracopos (Campinas). Melhor ainda para quem vem de SP. Quem pode ir e voltar nessas datas, recomendo fortemente! Meu receio era chegar em Bonito e não ter locadoras no aeroporto, nem transfer disponível. Cheguei a entrar em contato com a adm. Do aeroporto, que me confirmou que ainda não há locadoras de carro lá. Aí fomos e voltamos de Campo Grande. Indo direto para Bonito, teríamos poupado os trechos Campo Grande-Bonito, que além de cansativos, te fazem gastar muito combustível. Outra coisa, na ida, propositalmente pegamos um vôo com conexão, pois eram os únicos diurnos. Os diretos são noturnos, ou seja, você vai ter que pernoitar em Campo Grande. Mesmo pegando o vôo diurno, com chegada prevista às 13:30, contando todo o tempo de espera, de acertar com a locadora, chegamos em Bonito somente às 20h, de modo que ainda enfrentamos um trecho de noite, sem nenhuma iluminação e isso deu um bom medo na gente. Não recomendo dirigir de noite lá, até mesmo porque um animal pode atravessar na sua frente e você não ver. [t3]Transporte[/t3] Alugamos carro. Sabíamos que era a melhor opção, pois no transfer compartilhado você depende não só da disponibilidade, como da sorte de haver nos mesmos trechos e horários que você deseja. E o custo acaba saindo maior, especialmente no nosso caso, em que eram 4 viajando. A locadora escolhida foi a Movidas. A agência fica do lado de fora do aeroporto e um funcionário te busca e te leva de volta gratuitamente. Gostei, bom serviço, atendimento, não tiveram frescuras. A única coisa meio chata foi cobrarem uma taxa adicional pelo fato do usuário do cartão (responsável financeiro) não ser o mesmo que dirige o carro, no valor de 35 reais. No final, ainda há uma taxa por devolver o veículo sujo (20 reais, nosso caso) ou muito sujo (35), nada mais do que justo. Mas ainda assim compensou pelo valor da diária, que, antecipada com reserva pela internet, saiu ainda mais barata do que o “desconto” de cinqüenta por cento que a TAM (e, supostamente, ainda a GOL) está dando no aluguel do carro se você fechar a passagem aérea com eles. Por fim, o diferencial da Movidas foi o parcelamento, de 6 vezes sem juros no cartão. [t3]Estradas:[/t3] A ida foi muito tranqüila, estradas quase desertas e a volta foi um pouco mais movimentada, mas ainda assim bem tranquila. Como indicam na internet, não se pode confiar muito no GPS. Ele indica o caminho por Aquidauana, que possuía estradas de terra, mas o melhor caminho até agora é por Sidrolândia-Nioaque-Guia Lopes Laguna-Bonito, todo asfaltado. No trecho Guia Lopes-Bonito o GPS aponta para uma estrada de terra, quando na verdade você pode seguir em frente no trecho asfaltado e chegará em Bonito da mesma forma. Paramos numa ótima padaria em Sidrolândia e no caminho, na sequência, vimos um pôr do sol lindo de morrer, se pondo no final da estrada (sou suspeito pra falar, todo pôr do sol pra mim é lindo). A imagem só não ficou melhor porque o vidro do carro estava imundo de tantos mosquitos que bateram no para-brisas. Aliás, tudo é lindo, paisagens verdes, com muito gado, cavalos e aquele céu espetacular, maravilhoso do Mato Grosso do Sul. Que saudades!!! Na volta, nós erramos o caminho e voltamos por Aquidauana. A estrada está sendo reformada e pegamos todo o trecho asfaltado. Mas é asfalto novo, que fica soltando, não recomendo ainda. Além disso, toda hora tinha que parar por causa das obras e nessa brincadeira você perdia uns dez minutos por parada. Teria sido bem melhor voltar por Sidrolândia, mas acho que no futuro isso não fará diferença. Ao contrário do que dizem, não achei tudo bem sinalizado. Esse povo não sabe fazer placa, há poucas e algumas (mais no trecho do Pantanal) são apontadas em direções ambíguas, como na diagonal entre duas direções perpendiculares. Até chegar em Sidrolândia nós penamos para achar a BR e tivemos que pedir informação. Depois disso foi mais tranqüilo, no trecho Sidrolândia-Guia Lopes o GPS faz o serviço. Sem falar que há uns pardais irritantes nesse trecho inicial. Outra coisa relevante, não pisem fundo no volante. Vimos vários animais atropelados na estrada e nós mesmos chegamos a desviar de uma cobra no caminho para o Pantanal. Se você olhar pro asfalto, verá váriassss marcas de freadas bruscas. Adivinhe. Animais aparecendo subitamente na pista. Com atenção, é possível evitá-los, note que evitamos até um cobra. Mas, se você andar a 200 por hora, distraído e imprudente, pode ter sérios problemas. Pra quem quer ir até a Estrada Parque, no Pantanal, esteja preparado para enfrentar uma infinidade de pardais, com limites de velocidade variando entre 40 e 80 por hora. [t3]Hospedagem[/t3] Ficamos na Pousada Segredo, que já havíamos reservado pelo Booking.com com 5 meses de antecedência e confirmamos a escolha com as boas indicações aqui no Mochileiros. A boa dica é dada pela Nathalia, daqui do fórum - peça 10% de desconto na hospedagem se fechar os passeios com eles. Nós não tivemos direito ao desconto por termos fechado a hospedagem através do Booking e disso nem reclamei. No entanto, acabei dando preferência pela Agência Ar, que tinha melhor reputação. Como pontos positivos da pousada, destaco que, à exceção de um funcionário, todos os demais nos trataram muito bem. O preço por enquanto é razoável. O café da manhã não tem variedade espetacular e você sentirá falta de mais frutas, mas tem qualidade. A localização é muito boa, rua tranquila, som de pássaros, em frente a um dos melhores restaurantes da cidade (Casa do João) e muito perto da praça principal da cidade, onde você encontra tudo que precisa. O banheiro é bom e o lugar é limpo, embora não tenham feito com regularidade a troca do cesto do banheiro. Eu voltaria lá, mas apenas se consertarem o chuveiro, problema do qual falarei a seguir. Dos pontos negativos, um é o chuveiro, que não tem pressão e a água consequentemente cai gelada ou fervendo (mesmo!). Aí tomar banho é uma tortura. Outro, sofremos preconceito de um dos atendentes, o Flávio, por termos fechado os passeios com outra agência. E olha que ainda a indicamos para o outro casal, que nos acompanhava. Bem chato isso, mas superamos em nome do bom atendimento dos demais, especialmente das simpáticas meninas do café da manhã. Outro aspecto é que o ar-condicionado não tem controle, é mecânico, fica lá no alto e para regulá-lo você tem que subir numa cama. [t3]Mapas e estradas de acesso aos passeios:[/t3] Muito mais tranqüilas do que esperava. Tudo bem que não choveu, não sei como fica nessa hipótese, mas secas são de chão batido e você consegue manter 60km sem muita dificuldade. Em Bonito e para chegar aos passeios tudo que você precisa é do mapa que sua agência te dará. É o mesmo mapa para todos. É excelente, um dos melhores que já vi, muito bem explicado. Não há risco de você se perder. [t3]Clima e insetos:[/t3] O tempo no geral foi maravilhoso, demos muita sorte. Recomendo muita atenção nesse sentido, pois uma sequência de tempo ruim impede, ou ao menos prejudica vários passeios. As agências costumam devolver o dinheiro quando o tempo ta muito ruim, mas o problema é que a cidade não tem muitas alternativas nessa hipótese. Achamos Bonito muito mais tranqüilo de insetos do que esperávamos. Nem cheguei a usar o repelente, e olha que eu atraio mosquitos que é uma beleza. Mas, no Pantanal eu usei muito o excelente repelente Exposis. Anote essa marca, eu pesquisei muito e é, de longe, a melhor. A diferença é absurda entre usar e não usar quando há mosquitos por perto. [t3]Refeições:[/t3] Cantinho do Peixe - pedimos um pintado grelhado, tava muito bom e para dois até sobrou. Gostei do atendimento. Espere pagar entre 50 e 70 o prato para dois sem bebidas. Casa do João – o forte de lá é a traíra sem espinhas, mas o grupo todo ficou com nojo (na verdade, eu depois desencanei) depois de ouvirmos uma estória de um vendedora dizendo que não comia traíra, pois é um peixe que afunda no barro e pega vermes, então a pessoa que trata o peixe tem que ser muito habilidosa para tirar todos. Enfim, num jantar, pedimos bife à parmegiana e tava muito bom, além de bem servido. Pagamos por volta de 65 e, novamente, deu pra dois e sobrou. O casal de amigos nossos pediu um bife com molho gorgonzola, que tava bom, mas inferior ao nosso. Noutro dia, almoçamos lá o PF do dia a 19,90 e não tava muito bom, mas dava pra comer. O atendimento é bom. Batata - também comemos uma batata recheada, numa lanchonete especializada nisso, na rua principal, quase em frente ao Palácio dos Sorvetes. O nome não me lembro mais. Serviço péssimo, levamos mais de uma hora para sermos atendidos. A batata é boa, mas nada espetacular, no nível do Batata Inglesa (para quem conhece). Chinês - fomos num restaurante chinês, numa rua perpendicular à principal, por indicação de um casal que conhecemos num passeio. O prato indicado era a piraputanga recheada com farofa, que podia ser de cebola ou banana, por volta de 50 reais. Pedimos a com banana, pois eu não como cebola. Eu achei tudo muito bom, mas os demais não curtiram muito farofa doce. Dona Margarida - de lanche, comemos os famosos bombons da Dona Margarida, a 4 reais cada. É caro, mas é meio grandão. A senhora boa de prosa, bem simpática. Compramos de vários sabores para experimentar, mas o melhor mesmo é o de jaracatiá, que parece coco. Palácio dos Sorvetes - fomos várias vezes no Palácio dos Sorvetes (ou algo parecido), a sorveteria mais famosa de lá. Pedimos o sorvete assado, o da foto abaixo. É bom, mas nada espetacular na minha opinião, além de sorvetes de outros tipos. O dono é bem simpático e orgulhoso de seu trabalho, uma sorveteria premiada e com diversos sabores. Ele permite que você deguste vários sabores de graça antes de escolher. [t3]Passeios: considerações gerais[/t3] Como se sabe, quase todos os passeios de Bonito são reservados por agência, que te dá um voucher. Escolhemos a Agência Ar, pela sua reputação e não nos arrependemos. No início demoraram a responder, tive que mandar uns dois ou três e-mails, mas depois foram várias trocas, com muita atenção, inclusive pessoalmente. Primeira observação quanto aos passeios em geral, procure chegar com pelo menos dez minutos de antecedência, quinze é melhor. Em muitos deles chegamos com cinco minutos e as instruções já tinham começado. Também foi o caso no Buraco das Araras, onde nos colocaram no tour seguinte sem problemas, mas em passeios disputados como a Gruta Azul isso pode significar a perda do passeio, pelo limite de visitantes por dia. Outra coisa, reservem tudo com antecedência. Nós saímos de lá no início da alta temporada e o que tinha de gente sem conseguir reservar passeio não foi pouca coisa. Sem falar que se você conseguir, pega os piores horários. Antecipadamente, você tem tudo do bom e do melhor e pode trocar no caso de dar algum problema. Seguimos fielmente este cronograma: Dia 1 – chegada Dia 2 – 8h - Rio da Prata e 16h - Buraco das Araras Dia 3 – 9h - Gruta São Miguel, 10h - Gruta do Lago Azul e 16h30 - Rota Boiadeira Dia 4 – 10h Fazenda Rio do Peixe Dia 5 – 9h Bóia Cross e 19h Projeto Jibóia Dia 6 – Ida para o Pantanal Dia 7 – Pantanal Dia 8 – Pantanal Dia 9 – Pantanal Dia 10 – Volta para Bonito – promo resort (explicarei depois essa ordem estranha) Dia 11 – bate e volta Estrada Parque Dia 12 - retorno [t3]Passeios em detalhe:[/t3] [t1]Rio da Prata:[/t1] Bem legal, é bonito como dizem. Na verdade, a flutuação começou pelo Olho D’agua, que é mais cristalino que o da Prata, mas por uma questão de marketing o passeio todo é chamado de Rio da Prata. Você começa o passeio por uma trilha fácil, faz a flutuação nos dois rios em sequência e volta pela trilha. Há bastantes peixes, nada como as piscinas naturais do nordeste, em quantidade e variedade de espécies, mas os peixes são grandões e interessantes. Diferente do que disseram, não foi bem flutuação, tivemos que nadar o percurso todo para acompanhar o guia e não houve barco de apoio. Não sei se isso não é usual e demos azar, só sei que foi cansativo e não achei lá muito seguro. Se alguém tem uma hipotermia, hipoglicemia, fica lá atrás e ninguém vai notar, pois você está com a cabeça dentro d’agua. Aliás, recomendo fortemente levantar a cabeça de vez em quando para ver aonde vai. Eu quase peguei um caminho errado por duas vezes, pois como disse, o guia não tava nem aí e eu ia ficando pra trás, pois filmei muita coisa e não dava pra nadar enquanto filmava, só flutuar. O passeio termina na fazenda, onde é servido o almoço. É bom, mas não achei espetacular como dizem. Comemos comidas melhores no Pantanal. O legal é que é reposto várias vezes, diferente da Fazenda Rio do Peixe, que comentarei adiante. Depois você tem um tempinho pra ficar no redário, ou andar pela fazenda. Segui essa última opção e fiz algumas fotos dos animais de lá. O acesso até lá é por estradas de terra, só nelas você vai perder de 1h a 1h30 por trecho. [t1]Buraco das Araras:[/t1] De lá, seguimos para o Buraco das Araras, que é perto. Fazemos uma pequena trilha e chegamos ao buraco, que é bem bonito. Nada espetacular, mas nós gostamos. Estava, sim, repleto de araras, com ótimas oportunidades de fotos se voc~e contar com um teleobjetiva (DSLR de sensor cropado com lente de pelo menos 300mm, ou compacta com zoom pelo menos 10x). Não faça como eu, configure a câmera para disparos contínuos e foco automático. Eu cheguei a colocar o foco automático, velocidade de obturador rápida, mas você tem que fazer vários disparos até acertar o foco e eu, que não tinha experiência de fotos de animais rápidos, só fui aprender no final da viagem que o macete é disparo contínuo. Todas as araras são vermelhas e há várias delas espalhadas pelo parque. O passeio em si é como a Gruta de São Miguel, que falarei adiante – foi legal fazer, mas não é indispensável, até mesmo porque você verá araras em outros passeios, como a própria Gruta de São Miguel e na Fazenda Rio do Peixe. Voltamos com mais um belo pôr do sol. CONTINUA
  12. Olá mochileiros, vou compartilhar aqui um pouco da minha viagem para Bonito com vocês! Dia 17/07: Sai do RJ no dia 17/07 no voo de 17h49 com conexão em Brasília e destino a Campo Grande. Cheguei por volta de 21h45. Quando sai do RJ já havia deixado reservado um transfer para a manhã seguinte com saída às 9h, pois o hostel tinha me falado que não havia transporte para Bonito depois de 18h #sqn . Assim que cheguei no aeroporto, não acreditei que iria ter que dormir naquela rodoviária praticamente rsrs, o aeroporto de Campo Grande é um cubículo e todos os lugares para comer fecham cedo. Em frente ao desembarque tem um Centro de Informação ao Turista, e vi um Argentino pedir um transfer para Bonito, na mesma hora cheguei junto e falei que também queria. Pronto, problema resolvido! Fui dormindo na van, são praticamente 4h/5h de viagem, cheguei no hostel por volta de 4h30. Dica 1: Programe-se para seu voo chegar em Campo Grande pela manhã cedo, de preferência até 08h30, assim você pega o transfer de 9h e até 13h no máximo você está em Bonito. Acho que cansa menos e ainda dá para fazer algum passeio de tarde. Gastos: Transfer: R$80 Lanche aeroporto: R$16,50 Total: 96,50 Dia 18/07: Tentei colocar o celular para despertar para tomar café mas dormi até 11h ! Acordei, fiz o check-in e já havia reservado o passeio de bike pela Lobo Guará Bike. A saída é da praça principal de Bonito, onde fica a loja do Lobo Guará. Do hostel até a praça você pode ir caminhando, isso leva uns 20 a 25 minutos ou pedir um mototáxi que custa R$5, ou um táxi por R$10. Como era primeiro dia e tal, fui andando, já serviu como aquecimento para a trilha de bike. O ponto de referência em Bonito é a rua principal onde você pode encontrar restaurante, posto de gasolina, banco (só tem agência do Banco do Brasil e do Bradesco), lojas de artesanato, diversas agências de turismo. A trilha foi ótima, são 4km de trilha passando pelo Parque Ecológico do Rio Formoso, com parada para banho e para plantar uma muda de árvore. Márcio Lima, criador do projeto é muito gente boa e ótimo fotógrafo. De noite esfriou horrores, não fiquei com vontade de fazer nada! Uma amiga chegou em Bonito nesse dia, apresentei o hostel pra ela e fui dormir. Dica 2: Em julho a temperatura baixa muuuito, papo de 8º de noite e 14º pela manhã, só por volta de 11h / 12h começa esquentar, portanto se não gostar de frio não vá nesse período e se for leve casacos que esquentem! Eu sofri! Gastos: Hospedagem: R$120 (3 noites) Almoço: R$12 Lanche e água: R$10,44 Lobo Guará: R$72 Total: R$214,44 Dia 19/07 - Flutuação Rio da Prata O transfer saiu às 7h, são mais ou menos 3h do hostel até a fazenda, chegamos lá por volta de 10h mas nosso passeio só era às 12h. A flutuação foi maravilhosa, são 3h de passeio e 1.800 m de percurso pelo Rio Olho D’Água até encontrar o Rio da Prata. Como choveu de quinta para sexta a água estava um pouco turva, mas pouca coisa mesmo. O guia Rogério também fez a diferença do passeio! Eu e minha amiga dividimos o aluguel de uma GoPro. Na volta do passeio você almoça na fazenda, uma comida deliciosa e pode repetir quantas vezes vocês quiser, com direito a sobremesa. Depois no caminho de volta para o hostel fizemos o passeio de contemplação do Buraco das Araras, é um passeio simples mas que vale a pena. As araras são umas fofas. De noite eu e minha amiga, mais três pessoas que conhecemos no hostel fomos jantar na Casa do João, ambiente aconchegante, comida maravilhosa e preço barato. Pedimos dois pratos de meia porção, entrada, algumas cervejas e uma cachacinha. O João dono do restaurante faz questão de ir de mesa em mesa se apresentar e perguntar se o cliente está satisfeito com o serviço. Depois ainda fomos numa boate chamada Piratas onde teve o show do Vitor e Vinicius, sertanejo, só que a boate só ficou cheia a partir de 2h e como a gente tinha que acordar no dia seguinte muito cedo, nem vimos o show. Dica 3: Se você não gosta de andar em bando, como eu, vale a pena alugar um carro em Bonito. Você fica muito mais livre para fazer os passeios e chegar na hora exata do seu passeio e não precisar chegar mais cedo porque no transporte compartilhado tem outro grupo que vai fazer o passeio mais cedo que você. Gastos: GoPro: R$37,50 Refrigerante: R$4,50 Casa do João: R$36 Piratas: R$20 Flutuação Rio da Prata: R$198 Buraco das Araras: R$48 Transfer: R$45 Total: R$389 Dia 20/07 – Boca da Onça A trilha da Boca da Onça tem 4.200m de percurso, com vários degraus para subir e descer, e algumas paradas para banho nas cachoeiras. Uma cachoeira que você não pode deixar de entrar por nada nessa vida, pode estar o frio que for é do Buraco do Macaco. Na volta do passeio o almoço também incluso é uma delícia, pode repetir quantas vezes quiser e ainda tem sobremesa. De noite nós fomos no Projeto Jiboia, uma projeto de educação ambiental que tem como objetivo desmistificar toda cultura negativa sobre as cobras, vale muito a pena e no final da palestra/ stand-up comedy do Henrique Naufal, criador do projeto, você tira foto com a jiboia no pescoço, experiência muito boa. Depois fomos comer na Taboa Bar, cachaçaria da cidade. Tem música ao vivo e comida boa! Gastos: Refrigerante: R$5 Bombom: R$4 Janta: R$48,30 Projeto Jiboia: R$35 Buraco da Onça: R$177 Transfer: R$45 Total: R$314,30 Dia 21/07 – Gruta Lago Azul Fomos na Gruta Lago Azul pela manhã, o lugar é incrível, super conservado pelo governo. No fundo do lago tem fósseis do Tigre Dente de Sabre. Voltamos para o hostel na hora do almoço, como era meu último dia arrumei a mala, fechei a conta do hostel (você pode pagar tudo no final e mais de R$500 parcela em 3x) e almocei com minha amiga no Centro. De lá fomos aproveitar a tarde no lago do Parque Ecológico do Rio Formoso, fizemos SUP. Sai de Bonito às 18h30 e cheguei em Campo Grande às 23h, dormir naquele maravilhoso aeroporto até umas 3h30, meu voo foi às 4h55. Dica 4: A mesma dica da ida, para voltar acho melhor sair de Bonito pela manhã e pegar o voo de tarde, será bem menos cansativo, pode apostar. Gastos: Lanche: R$15,80 Transfer: 80 Almoço: R$22 Gruta Lago Azul: R$60 Transfer Gruta: R$25 Mototáxi Parque: R$20 (ida e volta) Total: R$222,80 Sobre Bonito: o nome condiz com o local, cidade pequenininha, bem organizada. Sobre os passeios: quem não gosta de ecoturismo nem perca tempo. Sobre Bonito Hostel: receptivo, quartos grandes, banheiro sempre limpo, só fica um pouco distante da praça principal onde fica localizado todos os melhores restaurantes e banco. Gastei de passagem de avião R$275,32. Total da viagem: R$1512,36 Fotos: https://www.facebook.com/tatymariap/media_set?set=a.10201610720664914.1073741837.1685353863&type=1
  13. Olá Pessoal! Depois de ler diversos relatos e buscar muitas informações sobre viagens, aqui no “Mochileiros.com”, me senti na obrigação de retribuir, contando a vocês a minha sensacional experiência, que foi viajar para Bonito (MS). No fórum já existem ótimos relatos sobre o local, mas sempre há diferentes pontos de vista e roteiros distintos, então... acho válido compartilhar com vocês. Só para constar, me acompanharam nessa viagem: Cintia Fasioli (Cintia31) e Karine Ota (Kaká Ota). Ficamos lá por 5 dias. A primeira coisa que vos falo é: “preparem os bolsos, pois essa é uma viagem bem cara!”. Mas se você, assim como eu, é apaixonado pela natureza, vale muito a pena! O lugar é incrível! Acho difícil existir, no mundo, um local que reúna uma variedade de belezas naturais, como em Bonito! Aconselho a não fecharem pacotes de passeios prontos, como da CVC, por exemplo. Eles cobram uma fortuna e não te levam nos melhores passeios da região. Ps.: Colocarei separadamente, cada tópico, para não ficar muito cansativo.
  14. apdireito

    BONITO/MS - Dicas

    Olá colegas! Montei algumas sugestões e dicas sobre Bonito/MS para um amigo e vou compartilhar com vcs, pois acredito que possa ajudar... Considerando que vc chegue até Campo Grande (capital de MS) de avião: Distância Campo Grande até Bonito = 300 Km. 2 opções p/ chegar até Bonito: - voo CGrande - Bonito (voos às quintas e domingos, via Trip, média R$500 ida e volta p pessoa); - carro (locar: via agencia ar - média R$110 diária carro c/ ar; via locadora que seu cartão de crédto da desconto; ou, se vier de voo gol, a unidas tem desconto de 50%);- van (contratar transporte compartilhado - partem do aeroporto e custa R$70 trecho p pessoa); - ônibus (rodoviária de CGrande (longe do aeroporto) - média de R$60 trecho p pessoa). Dependendo da distância que vc mora ou está, o ideal seria fazer de avião o trecho até CGrande e alugar um carro p/ ir e ficar em Bonito, já que lá vc precisará se locomover por estradas de terra (cascalho) p/ fazer os passeios (pq de transfer irá gastar bem mais). Outra dica boa para ir de carro até Bonito é que na volta ou na ida poderá fazer um desvio de rota e passar por Ponta Porã/Pedro Juan Caballero e fazer umas compras no Paraguai (se quiser dou dicas também de trajeto e onde comprar). E também há opção de ir até o Pantanal, se tiver tempo e uma grana extra. Só p/ constar o que muitos já sabem: quanto aos valores de passagens sempre uso para pesquisa o site da http://www.mundi.com.br ou entao da http://www.decolar.com.br, porque eles dao as planilhas de vôo já com os preços mais em conta... aí é só analisar a cia mais barata e comprar direto pelo site da cia aérea (tam, gol, azul ou avianca). Não compre pela mundi ou decolar pq te cobrarão taxa administrativa... esses sites só servem para fazer a pesquisa de preços e horarios de vôo, ok? O ideal para ficar em Bonito seria, no mínimo, 3-4 dias, para compensar a distância. Estrada boa, de preferência fazer trecho de dia, pq em alguns pontos não tem acostamento e o celular não tem sinal. No Estado de MS não tem pedágio. Portanto, pode chegar cedo em CGrande, almoçar e já partir p/ Bonito ou, dependendo do horário, almoçar no caminho. Uma outra opção seria chegar à noite e Campo Grande, dormir e ir cedinho p/ Bonito (quem optar por esta ultima sugestão, me avisa que posso adequar o roteiro). Trajeto de carro: em Campo Grande pegar a saída para Sidrolândia, chegando em Sidrolândia, seguir (é uma reta só) sentido Nioaque / Jardim.... chegando em Nioaque, seguir sentido Jardim / Guia Lopes/ Bonito.... chegando em Guia Lopes (antes de Jardim), à direita estará a saída p/ Bonito (mais 54km e chegou!). Obs.: 1 tanque cheio de gasolina dá tranquilo, se for álcool, sugiro abastacer (completar de novo) em Sidrolândia - que é a primeira cidade do trajeto e ainda a gasolina não é tão cara e principalmente porque não há muitos postos no caminho. Sugestões de parada: em Sidrolândia, padaria Ki-Pão (fica em uma esquina da praça central, vc passará em frente), é muito boa... tem banheiros legais etc... No trecho Nioaque - Guia Lopes fica o posto Tuiuiú, que é legal também, simples, mas atende bem o turista e tem banheiros bons. Hospedagem: http://www.agenciaarbonito.com.br/destinos/bonito/hospedagem'>http://www.agenciaarbonito.com.br/destinos/bonito/hospedagem Veja qual agrada, pois tem os preços já inclusos. :'> Também há opções de camping, como o do Balneário Municipal (mas não estou atualizada sobre valores). O duro será encarar o calor e, dependendo a época, os pernilongos O clima em Bonito é quente e úmido, em média 30 graus ou acima, então leve muita roupa leve, chinelo, protetor solar, roupa de banho... coisas típicas de cidades litorâneas. Levar um tênis ou calçado especial para trilhas também é importante. Mulheres, nada de saltos ou roupas sociais...rs...lá é tudo bem tranquilo... um vestidinho e rasteiras p sair à noite já tá ótimo. Quem não tem material de mergulho, fique tranquilo pq nos passeios eles já estão inclusos ou então tem p/ alugar. Sugestão de roteiro (cedo em Campo Grande - tarde em Bonito): dia 1 - Manhã - voo até Campo Grande (almoço em CGrande ou no caminho) Tarde/Noite - Bonito (hotel, jantar e volta à noite - lojas abertas até 22h ou mais) dia 2 - Manhã e Tarde - passeio de dia inteiro, incluso almoço (sugestão: flutuação no rio sucuri R$121 p pessoa ou no rio da prata R$125 p pessoa) dia 3 - Manhã - passeio gruta lago azul (R$36 p pessoa) - não incluso almoço (almoçar na cidade) Tarde - passeio de bote (rafting R$ 70 p pessoa) e parada final na Ilha do Padre (inlcuso estrutura do balneario) dia 4 - Manhã e Tarde - passeio de dia inteiro, incluso almoço (sugestao: cachoeiras do rio do peixe R$ 105 p pessoa) dia 5 - Manhã - balneário municipal (estrutura boa de balneário R$10 p/ pessoa - tem local p/ almoçar lá) Tarde - volta p/ Campo Grande Tarde/Noite - voo p cidade de origem (geralmente ultimos voos p SP partem as 18h) ou dia 5 - Tarde - ida p Ponta Porã/ Pedro Juan (PY) - 300km de Bonito (dorme P.Porã - Hotel Frontier - média R$ 80 casal c/ café muito bom, quarto simples e limpo. Localização excelente próximo ao Shopping China, local das compras) dia 6 - Manhã- compras no Paraguai Tarde (por volta das 15h) - volta p/ CGrande (300Km de P.Porã a CGrande) e dorme em CGrande dia 7 - Madrugada ou Manhã - voo p cidade de origem Valores pesquisados no site da Agência Ar, no dia 29/08/2011. http://www.agenciaarbonito.com.br - os passeios em Bonito são feitos via agência de turismo e são tabelados. Em Bonito existem muiiiiitos passeios, se puder esticar mais a viagem ou então não quiser incluir a ida ao Paraguai ou até mesmo ao Pantanal, terá mais opções de passeio, mas lembro que TODOS os passeios em Bonito são pagos, portanto prepare o bolso!! Aproveite a baixa temporada! Fuja dos feriados prolongados, pois, além de mais caros, a cidade fica muito muito muito cheia. Vamos conversando.... Monte seu roteiro p/ facilitar a organização e me envie p eu poder comentar, ok? Espero ter contribuído, Abraços e boa viagem!!
  15. Minha visita a Bonito já está quase fazendo aniversário e só agora consigo passar por aqui para escrever o relato. Viajamos de 12 a 18 de abril de 2013. Somos três: eu, meu marido e minha filha — dois adultos sedentários e uma criança de sete anos. A ideia era fazer um passeio família, de carro, com criança e gastando pouco. Para isso, comecei a me programar com três meses de antecedência, li muitos posts aqui do fórum e defini o seguinte: (i) reservar hostel e adiantar o pagamento da hospedagem para aliviar os gastos da viagem; (ii) fugir dos passeios hardcore, que exigem muito esforço físico; (iii) não reservar as atrações — como era baixa temporada, arriscamos fechar na hora, conforme a disponibilidade, primeiro porque não sabíamos como seria a reação da minha filha diante das dificuldades de cada passeio e, segundo, não queríamos arriscar perder o dinheiro em caso de desistência. [googlemap]https://maps.google.com.br/maps?saddr=Santos,+SP&daddr=Presidente+Prudente,+SP&hl=pt&ll=-22.842008,-48.812256&spn=3.690021,6.696167&sll=-23.038954,-48.860266&sspn=3.684652,6.696167&geocode=FV51kv4ddx09_Slvhcd8uQPOlDFGvEuwB-XzPw%3BFWZ1rv4d_83v_ClbDFcRs_WTlDG5r0b8AVhH2g&oq=Presidente&t=m&mra=ltm&z=8[/googlemap] Dia 1 Viajamos de carro, de Santos a Presidente Prudente e, de lá, a Bonito. São aproximadamente 1.300 km. A parada em PP foi essencial para descansar, pois a viagem é longa e cansativa. Como temos família lá, não tivemos de desembolsar grana com hospedagem. Veja a rota que traçamos para chegar a Bonito. Traçado da primeira etapa: Santos, São Paulo, Rodoanel, SP-280, SP-270, Presidente Prudente (sendo SP-280 Rodovia Castelo Branco e SP-270 Rodovia Raposo Tavares). ............................................................................................................................................................................................................................................................... [googlemap]https://www.google.com.br/maps?saddr=Presidente+Prudente,+SP&daddr=Bataguassu+-+MS+to:Nova+Alvorada+do+Sul,+MS+to:Rio+Brilhante,+MS+to:Maracaju,+MS+to:Guia+Lopes+da+Laguna+-+MS+to:Bonito,+MS&hl=pt&ll=-22.248429,-54.228516&spn=2.897738,4.938354&sll=-22.515539,-51.406379&sspn=11.553737,19.753418&geocode=FWZ1rv4d_83v_ClbDFcRs_WTlDG5r0b8AVhH2g%3BFXKitP4dcBjg_CmRTzpYlMaRlDES6qqr3OgWQg%3BFbdVuf4dJbzC_Cm_moEoEqOIlDHknAMcpXqh-g%3BFaaos_4dMRDA_CkB3I5wDZWIlDE1q6WoxRPztw%3BFZPytf4d3VS2_CkFcSD9kAyIlDFv4f3e7nCLNA%3BFauQuP4docun_CnxCvXe0yN9lDFreVvG04e9yg%3BFV1vvv4dR06i_CnHB4QM1Vh8lDEwrOHH-6npTQ&oq=Presidente+prude&mra=pr&t=m&z=8[/googlemap] Dia 2 Saímos de Presidente Prudente às 6 horas. Nossa primeira parada foi no Posto Prudentão em Bataguassu para comprar um achocolatado e usar o banheiro. Levamos vários lanchinhos para comer durante a viagem, frutas, pois não há tantos postos como nas estradas paulistas. Paguei R$ 8 em um achocolatado de 200 ml e achei uma facada. Depois, só paramos em Maracaju para almoçar. A entrada da cidade é uma graça e Maria Luiza parou para fazer uma foto. Sentimos cheiro de comida e resolvemos procurar um self-service para almoçar. Desembolsamos R$ 35 em um almoço honesto — arroz, feijão, saladas, batatinhas, carne assada e refri. Chegamos em Bonito às 15 horas — lembrando que lá era 1 hora a menos por causa do fuso horário. Traçado da segunda etapa: Presidente Prudente, Presidente Epitácio via SP-270, MS-267 Bataguassu, Nova Alvorada do Sul, Rio Brilhante, Maracaju, Guia Lopes Laguna, entrar na MS-382 rumo a Bonito (sendo SP-270 Rodovia Raposo Tavares, MS-267 Rodovia Vital Brasil e MS-382 — não achei o nome desta rodovia). Fomos direto ao Bonito Ecological Hostel (Tel. (67) 3255-1022/3255-1462, http://www.bonitohostel.com.br). Reservamos quarto com ar-condicionado, mas não ligamos um dia sequer, à noite o clima é bem ameno, faz até um pouco de frio. O valor da diária, R$ 145, poderia ter saído ainda mais barato. Tiramos o restante da tarde para andar pela cidade e esticar as pernas. À noite fomos ao projeto Jiboia (Tel. (67) 8419-0313, http://www.projetojiboia.com.br, R$ 20 por pessoa). A ideia em si é bacana, tiramos fotos com as serpentes, mas a palestra foi longa, talvez por estarmos cansados da viagem. Estava chovendo muito em SP até Presidente Prudente. Foram vários dias de chuva forte. Logo, torcemos muito para o tempo mudar no MS E amanhece na estrada Posto Prudentão, pare só para abastecer e usar o banheiro Veja aí, milho, soja, estava tudo embaixo d’água Alguém arrisca quantos grãozinhos cabem ali? Ahauhau, bichinhos, minha filha adorou E gostou também da entrada de Bataguassu. Mira na seringueira gigante Ueba, chegamos a Bonito E uma pequena que parou em todos os telefones públicos Rua central de Bonito... tudo limpinho, e eu de olho no Taboa Só não vou pagar o mico de postar fotos com a cobra no pescoço
  16. Sempre tive vontade de visitar o Pantanal e Bonito. Ao pensar na viagem de fim de ano, fui pesquisar passagens na decolar.com e encontrei passagens baratíssimas de São Paulo pra Campo Grande. Comprei ida no dia 26 de dezembro e volta no dia 6 de janeiro. Com base nessas datas, fui agendar os passeios e estadia. A ideia era passar alguns dias em Bonito e seguir pro Pantanal. Mas fim de ano é alta temporada em Bonito, portanto só havia vaga no Hostelling International a partir do dia 2. Fiz a reserva do hostel e também dos passeios. Eles têm uma agência de turismo no próprio hostel, que pode facilitar muito a nossa vida. Como eu só teria 3 dias inteiros em Bonito, perguntei dicas aos amigos e fiz reserva no Abismo Anhumas, na Trilha Boca da Onça e no Rio da Prata. Cada passeio tem um limite máximo de visitantes por dia, por isso é bom reservá-los com muita antecedência, principalmente na alta temporada. Queria muito mergulhar no Abismo, mas, como não tinha curso de mergulho, dei a bobeira de reservar só a visita. Quando me inscrevi no curso de mergulho, já não havia vaga lá, pois são só quatro mergulhos por dia. Melhor reservar e, se for o caso, cancelar, pois sempre há alguém na fila. Quanto ao Pantanal, minha prioridade, além de ver bichos, claro, era ter contato com cultura indígena. Pesquisei vários sites na internet, entrei em contato com algumas agências, mas o Explore Pantanal me chamou a atenção. Os donos são um índio da tribo kadiweu casado com uma suíça: Marcello e Mirjam. Fechei com eles o pacote do Pantanal. Preciso contar que, logo antes de viajar, ao fazer o curso de mergulho, minha câmera à prova d’água estragou. E, no primeiro dia de viagem, peguei uma chuva que fez meu iphone também estragar. Portanto passei a viagem sem câmera alguma, o que, confesso, foi libertador. No final, as pessoas que encontrei pelo caminho fotografaram e me mandavam as fotos. Peguei o vôo cedo para Campo Grande, de lá um ônibus para Miranda, em cuja rodoviária Marcello Yndio vinha nos buscar. Logo no início ele foi perguntando como cheguei à agência deles, pois eles recebiam praticamente só gringos, já que, de acordo com ele, “brasileiros não querem saber de natureza, só de farra, mulher bonita, cerveja, praia...”. Fui com a cara dele na hora. Ele deu a notícia de que eu ficaria hospedada na Fazenda Meia Lua, recém arrendada, em vez de ficar no Rancho Mandovi, onde eles costumavam receber anteriormente. A fazenda em questão era bem mais confortável, juro que fui pro Pantanal disposta a passar por perrengue e não esperava um décimo do conforto que acabei tendo. Por sete dias no Pantanal, paguei 1400 reais, com TUDO incluso. Mais tarde conheci alguém da região contando vantagem sobre alguma outra fazenda, que tinha “o melhor preço”: 400 reais a diária. Aí tive certeza de que fiz um ótimo negócio, até porque a experiência valeu cada segundo. Pra começar a falar em Pantanal, a primeira coisa é que, lá, a temporalidade é outra. O fato de estar desconectada de tudo contou muito. Eu até estava com lap top e eles têm wi fi, mas preferi aproveitar o momento ali. Tínhamos longas conversas com Marcello e sua esposa, Mirjam, uma suíça que nos ensinou sobre xamanismo e nos levou a rituais na fogueira. Entrávamos no mato com Marcello, que abria trilhas, mostrava as propriedades das plantas, dava dicas de sobrevivência no mato e contava histórias incríveis sobre suas aventuras. Aprendemos a nos pintar com jenipapo e urucum e, na virada do ano, fiz questão de estar pintada. Fizemos passeio de barco no Baixo Pantanal, safári de jeep, andamos pelo Baixo e pelo Alto Pantanal. Vimos jacarés, ariranhas, capivaras, quatis, tucanos, lagartos, araras, enfim, variadas espécies de bichos. Acordávamos e íamos agradecer à Mãe Terra na torre de observação, de onde víamos toda a paisagem ao nosso redor. Relaxávamos na piscina. Comíamos as deliciosas comidas de fazenda, sempre acompanhadas por sucos de frutas do pé. Depois de dias incríveis no Pantanal, segui para Bonito, em uma van que nos deixou direto no hostel. O primeiro passeio em Bonito foi a Trilha Boca da Onça. Tudo era muito organizado no hostel, então de lá já saía o transporte que nos levava ao local. Chegando lá, quase fui proibida de fazer a trilha, por estar de havaianas. Os passeios lá são todos certificados e mais um monte de frescuras, por isso eles são cheios de regras. Argumentei que sou acostumada a fazer trilhas de havaianas, etc. e tal, e no final o guia autorizou que eu fosse. No início, tive vontade de rir: é uma trilha construída. Não chega a ser asfaltada, mas é toda delimitadinha por ripas de madeira, nem acreditei que eles não queriam me deixar fazer de chinelo. Confesso que comecei o passeio com um pouco de preconceito, por conta da estrutura muito turística. Mas o fato é que o lugar é tão mágico que em pouco tempo eu fui desarmada. Cachoeiras e cachoeiras belíssimas, paisagens deslumbrantes, fiquei tonta de tanta beleza. No final da trilha, um almoço delicioso. Voltando ao hostel, fui informada pelo Luiz, um querido do hostel, que tinha que fazer um treinamento-teste para ir ao Abismo Anhumas no dia seguinte. O motorista do hostel me levou ao local do treinamento. É que, para entrar no Abismo, precisamos descer por um rapel de 72 metros. A subida é feita pela mesma corda. Portanto eles fazem este treinamento para as pessoas se familiarizarem com o equipamento e também para avaliarem quem está realmente apto a realizá-lo. Como eu só levara havaianas pra viagem (até comprei um tênis pro safári no Pantanal, mas larguei-o lá), o Luiz arranjou um tênis para me emprestar e, no outro dia, a Renata, da agência, me emprestou os dela. Muito fofas as pessoas lá. No dia seguinte o carro nos levou pro Abismo. Uma das garotas do grupo estava morrendo de medo do rapel. Descemos em dupla e, no início, passamos entre rochas estreitas. Quando conseguimos ver a amplidão do lugar... aquilo dá um barato! Uma das coisas mais impressionantes que já vi na vida! Uma gruta imensa, cheia de estalactites e estalagmites, que parecem esculturas belíssimas. A parte da água onde bate luz fica de um azul turquesa maravilhoso. E debaixo da água há vários cones submersos, parece outro planeta. Uma pena eu não ter conseguido vaga pra mergulho. Em compensação, fizemos snorkel e depois demos uma volta de bote. Sério. Esse passeio é imperdível. A subida é cansativa, mas vale cada gota de suor. Quanto ao terceiro dia, acabei tendo uma confusão com as reservas e perdi o passeio ao Rio da Prata, que estava louca pra fazer. Acabei indo, no lugar, à Nascente Azul, um passeio aberto há pouquíssimo tempo. Flutuação em água transparentes, a nascente parece um aquário criado, com vegetação belíssima e muitos peixes. Fui embora de Bonito prometendo voltar este ano ainda, pra pelo menos mergulhar no Abismo e fazer a flutuação do Rio da Prata. Uma viagem inesquecível. PS: Sou aluna de doutorado em Comunicação Social na Universidade Federal Fluminense. Minha pesquisa é sobre relatos de viagem na internet, o que inclui relatos em sites, blogs, redes sociais, enfim, os instrumentos na internet que cada um utiliza para compartilhar sua viagem. Trabalho com este tema inclusive porque também sou mochileira, blogueira e me interesso tanto por viajar quanto por compartilhar e entender esse fenômeno. Estou à procura de pessoas dispostas a contribuírem para minha pesquisa, tanto concedendo entrevista quanto permitindo que eu acompanhe seus relatos variados de viagem. Adoraria se você pudesse ajudar. Posso ser encontrada pelo e-mail [email protected] , ou pelo Facebook como “Lian Tai”, através do mesmo e-mail. Também tenho um blog, que, apesar de não ser específico sobre viagens, também uso para relatá-las: www.bolhinhasdalian.blogspot.com . Caso tenha interesse em contribuir ou queira mais informações sobre a pesquisa, por favor entre em contato pelo meu e-mail, com RELATOS DE VIAGEM como assunto, para que eu não confunda com o lixo eletrônico. Desde já agradeço! =)
×
×
  • Criar Novo...