Ir para conteúdo

Pesquisar na Comunidade

Mostrando resultados para as tags ''serra gaúcha''.



Mais opções de pesquisa

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Mochileiros.com

  • Perguntas e Respostas
    • Perguntas Rápidas
    • Perguntas e Respostas & Roteiros
  • Relatos de Viagem
    • Relatos de Viagem
  • Companhia para Viajar
  • Equipamentos
  • Trilhas e Travessias
  • Nomadismo e Mochilão roots
  • Outras Formas de Viajar
  • Outros Fóruns

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


Sobre mim


Ocupação


Próximo Destino

Encontrado 5 registros

  1. Meu marido e eu fomos para Gramado e Canela, no Estado do Rio Grande do Sul, na primeira quinzena de agosto de 2019, ficamos 9 dias no total (achei o suficiente, mas ficaria uns 15 dias para relaxar mais e repetir algumas coisas rotineiras da cidade, como por exemplo dar uma volta, sentar e apreciar o belíssimo Lago Negro). Muito Importante: Sempre terão pessoas oferecendo o serviço de transfer no aeroporto, paguei 120 reais ida + 120 reais volta (para nós dois). Foi bem confortável, melhor que o ônibus, o motorista parou no Pórtico para tirar foto, foi bem legal, dividimos o carro com umas mineiras super legais. Dia 1 (06 de ago 19 - terça): Chegamos por volta de 15h (fizemos tudo de UBER e 99) no Hotel Due Nobili (fica bem no centro de Gramado, dá para fazer tudo a pé - MEGA recomendo, principalmente para casais, não sei se acomoda bem famílias grandes). Fomos ao Lago Negro no fim da tarde, de UBER, curtimos o friozinho, demos uma volta tiramos fotos e curtimos o local no clima "o amor está no ar". A noite comemos carré de cordeiro no restaurante Boreal Rasen Gastropub https://pt-br.facebook.com/borealrasen/ a comida é espetacular, os drinks nem se fala, pedi o garçom para inventar um sem álcool com chá mate e frutas, ele desenvolveu um líquido que era uma explosão de sabor. Paguei o prato principal com uma promoção que adquiri no LAÇADOR DE OFERTAS (só indico esse site de ofertas, os outros não cobrem realmente o preço) Caso contrário minha conta teria dado facilmente uns 300 reais. Dia 2 (07 de ago 19 quarta): Pegamos o 99 e fomos para o Parque da Serra (bondinhos aéreos), foi bem legal, lá tem uma vista muito bonita e é tudo muito limpo, romântico, vale a pena ir com a família também, crianças adoram. Acho que foi 90 reais para cada um entrar e andar de bondinho. Bem carinho. ATENÇÃO: lá não tem transporte para voltar, então é melhor combinar com alguém para te buscar depois. Graças a Deus o Michael, que estava levando uma família a passeio, nos levou ao próximo ponto. Ele tem uma agencia de turismo e uns preços bem legais, conhece bem a cidade. Ele fechou para nós a churrascaria Garfo e Bombacha (que estava lotada por que era dia dos pais) conseguiu lugares ótimos para vermos o Show e um descontinho camarada, nós levou e buscou TELEFONE DELE (54) 3282-4292 / 99957-8808 / 98108-8170. Recomendo ele como guia de gramado. Fomos logo em seguida ao Terra Magica Floribal, Acho que pagamos 70 reais cada um. Super recomendado para famílias. Eu amo dinossauros, então foi bem legal. Lá já tem mais UBER!!! Fomos para Canela, almoçamos em um Subway. Canela é bem parada durante o dia, mas demos uma volta, chegamos na catedral de pedra (muito mais bonita que de gramado) e tiramos umas fotos. Fomos ao restaurante Casa da Velha Bruxa, comemos o SORVETE DE FORNO, que é um verdadeiro paraíso na terra, não deixem de comer. Tiramos foto na locomotiva, conhecemos um pouco mais da história do lugar, pois as pessoas são muito receptivas e sentem muito orgulho de lá. No fim fizemos o excelente negócio de comprar biscoitos caseiros tipo cookies, por 7 reais, 1/2 kg, levei uns 4 pacotes, estavam na promoção, me arrependi de não ter trazido mais. (loja de biscoitos em frente a catedral de pedra, do outro lado na rua, tem um boneco de biscoito na frente). Na volta o UBER nos levou em uma loja da fábrica de Cerveja Gram Bier http://www.grambier.com.br/ , compramos alguns presente (kits de cervejas), essa fábrica é de gramado, muito boa. A noite fomos ao show do ELVIS no Hard Rock Café Gramado. Foi surpresa para meu marido, o mesmo amou. Comprei O Show pelo site Laçador de Ofertas (mas quem vende é a brocker turismo), paguei 100 reais por pessoa e cada um tem direito a entrada, prato principal, 1 drink, 1 cerveja ou refri, 1 sobremesa + SHOW do ELVIS (que fiquei sabendo ser o próprio dono do estabelecimento). SUUUUUPER valeu a pena!!!! É show mesmo, sem enrolação. Dia 3 (08 de ago 19 quinta) - Fizemos um passeio de Bike que durou todo o dia só deixamos as Bikes a noite. Locamos por 3 dias as Bikes da Loope https://www.voudeloop.com/ apesar de não usarmos os 3 dias, foi maravilhoso alugar e andar somente 1. em todo centro de gramado tem pontos para deixar as bikes. (PS peguei a com acelerador que ajuda nas subidas). Fomos em todos os pontos de gramado, fonte do amor, rua torta, praça das etnias, rua coberta, mirante, fabrica de chocolate da prawer. O céu é o limite, quase chegamos a canela de bike kkkkk. Super recomendo. Nesse dia almoçamos no restaurante da Lolo, comemos macarrão com molho de nata (garantia de barriga cheia e quero mais). Não lembro o que comemos a noite, acho que pizza no hotel. Dia 4 (09 de ago 19 Sexta) - Foi o dia do passeio de Maria Fumaça + Vinícola (PS NÃO FAÇA AOS DOMINGOS). (contratei pela Vento Sul Turismo - Paguei 250 reais para cada um, SUPER INDICO O PASSEIO, MAS NÃO INDICO ESSA EMPRESA, TIVEMOS MUUUUITOS PROBLEMAS COM ELA). Nos buscaram às 6h da manhã no hotel, fomos para Nova Petrópolis, fotos, compras etc... Não vale a pena comprinhas, cuidado. Depois passamos por Caxias do sul, e fomos direto para o Vale dos Vinhedos, Vinícola Casa Valduga, (pagamos mais 50 reais para cada - em troca do tour guiado + uma bela taça) o tour da vinícola vale super a pena, saimos bem tortos, tem degustação de vinhos brancos, tintos e espumante. Só não tem petisco, então cuidado para não ficar bebado. A vinícola é linda, chique, comprei alguns vinhos e espumantes na loja, vale a pena. Comprei também uns cosméticos de beleza da Vinotage (marca da vinícola) super recomendo. O sabonete de vinho é tudo. Depois almoçamos em um restaurante no alto de uma colina (ele é todo de vidro, tem uma vista de todo vale) no Vale dos Vinhedos (já incluso no preço do passeio) MARAVILHOSO, comida nota 10. Fomos logo após para a Epopeia Italiana, não gostei, achei chato. Mas muita gente curte. Depois o tão esperado passeio de Maria Fumaça em Bento Gonçalves. Que delícia de passeio, música ao vivo, degustações de suco, vinho, etc... Vinícola Garibaldi. Nos deixaram no hotel por volta de 19h. Dia 5 (10 de ago 19 Sabado) - Dormimos até tarde, só saímos para dar uma voltinha no centro de Gramado a pé por volta das 16h. Andamos, tomamos chocolate quente na Caracol, compramos chocolate etc. A noite (PS chege cedo, umas 18h) fomos a PIZZARIA CARA DE MAU - NAVIO PIRATA, CARA (RODÍZIO 120 REAIS POR PESSOA) MAS VALE CADA CENTAVO, O LOCAL É ANIMADO, A EXPERIÊNCIA É ÚNICA, PIZZAS MUITO BOAS. Voltamos para o hotel passando mal de tanto comer kkkkkkk Dia 6 (11 de ago Domingo dia dos pais) - Saímos do hotel umas 11:45h e fomos para a churrascaria Garfo e Bombacha, conhecemos a família que gere o lugar, um local extremamente agradável, FARTO, receptivo, para família e amigos baterem aquele bom papo. O Show Gaúcho é maravilhoso, VALE CADA CENTAVO. ( Tem um menino que participa do show, se chama Enzo, ele é um encanto). Depois demos mais voltinhas no centro de gramado (passeio romântico) e já lá pelas tantas, encontramos um bar com música ao vivo, no qual seguramos o artista por mais uma hora depois do seu horário de ir embora kkkk, a cerveja era Gram Bier, meu marido aproveitou. Dia 7 (12 de ago 19 Segunda) - Dormimos até tarde, chovia, então resolvemos só sair na parte da tarde. Fomos ao restaurante no Hotel Ritta Hoppner, compramos no Laçador de ofertas a Experiência Alemã (120 reais para nós dois), entrada, prato principal, degustação de varias comidas alemãs, sobremesa. Cerveja alemã paguei a parte. O CHEFE ESTÁ DE PARABÉNS, IMPECÁVEL OS PRATOS. RESTAURANTE MUITO CHIQUE, ESTILO TITANIC KKKK Como não parou de chover, fomos aos museus do carro antigo (hollywood dream cars) e da Harley Motor Show, Super Carros e Museu de Cera (NÃO VÁ AO MUSEU DE CERA, É MUITO RUIM) valeu a pena para um dia de chuva, caso não estivesse chovendo, preferiria fazer passeio ao ar livre. A noite fomos a uma hamburgueria chamada The Black Beef, uma delícia de hamburgue, a batatinha com molho de queijo é 10. Dia 8 (13 de ago 19 terça) - Fomos a outro passeio pela Vento Sul Turismo (Mais uma vez, passeio maravilhoso, mas a empresa sempre gera problemas, que são resolvidos de ultima hora). Nos encontramos na Praça das Etnias às 8:30h para ir as fazendas (área rural) da região. TOUR LINHA ÁVILA (170 POE PESSOA). Tomamos café da manhã em um sítiozinho lindo, com vários tipos de plantações, milho, morango, tangerina etc... lugar simples, bem roça mesmo. Tem pinhão no fogo a lenha, café, geleias do sítio etc Depois fomos para outro sítio, esse com plantação de uvas, que lugar lindo, um lago, tudo bem caseiro e artesanal. Lá eles fabricam o próprio vinho e suco de uva, tem plantação de morango, fabricação de queijo, salame, geléias etc. TOMAMOS UM BAITA CAFÉ DA MANHÃ (TUDO INCLUÍDO NO PREÇO DO PASSEIO). Depois fomos a uma fazenda com uma cachoeira linda, muros de pedras super antigos e descampados a perde de vista. Local que transmite PAZ. Por ultimo fomos a uma Fazenda de grande porte, lá almoçamos um delicioso churrasco fogo de chão, com costelão na vala e tudo mais. Lá tem passeio a cavalo. (ALMOÇO INCLUSO NO PREÇO DO PASSEIO, MENOS BEBIDA). Muita sanfona e lareira a lenha para esquentar e espantar o frio. ESSE DIA PELA MADRUGADA FEZ -2. FIQUEI FEDENDO A FUMAÇA, MAS VALEU MUITO A PENA. PASSEIO BEM RAIZ, MUITO GOSTOSO. VOLTAMOS CANTANDO NO ÔNIBUS COM O SANFONEIRO. A noite fomos a uma choperia artesanal no centro de gramado, em frente ao hotel lageto stilo. TABERNA MF - Eles realmente entendem o que estão fazendo. São mais de 100 torneira, com chop gelado de todas as escolas possíveis e com sabores que ressaltam a cada gole. Uma experiência única, creio que igual a essa no Brasil não exista kkkkk (TEM MÚSICA AO VIVO, LAREIRA E COMIDA BOA) NÃO DEIXE DE IR!!!!!!! Dia 9 (14 de ago 19) - Acordamos cedo para aproveitar bem o café maravilhoso do hotel, arrumamos as malas e fomos dar o último passeio pelo centro, comprei cuca em um mercadinho próximo ao hotel, compramos chocolates. Comemos trúdel, delícia. No fim voltamos a hamburgueria que amamos e comemos mais uma vez antes de ir embora. Saímos 14:20h. __________________________ Deixamos de Fazer muitas coisas como: Parque da Ferradura, Cânions do Itambézinho, Vinícola Ravanello e Casa se Ganfredo (em gramado), Castelinho do Caracol, Bar Boteco do Bill e Cervejaria do Farol (canela). -------------------------------------------- Fiz uma viagem para casal, passeio romântico, de fato foi. Caso vá em família, tem outras coisas para aproveitar. __________________________ Chocolates e sorvetes, para quem é do Rio de Janeiro, não vai se impressionar. O CHOCOLATE QUENTE VALE! _________________________ Na volta cada um de nós trouxemos 4 garrafas de vinhos e espumantes, só que descobrimos no aeroporto que não pode passar produtos sem rótulo, então o vinho e suco de uva artesanal que compramos no sítio, tivemos que colocar na mala, bem como os salames kkkkkkk o restante foi tudo a bordo. ________________________ Restaurantes extras (DICAS): Pizza: Il Piacere, Ristore Florence, Cantina Pastaciutta, Magnólia. PF: à la minuta, café da banca, simple. Rua São Pedro: Ita Brasil, vale quanto pesa, serra grill. Buffet: Alecrim Santo, Cantina Galeto Nona Tena. Café colonial: Bela vista (não vá ao Hamm - tradicional) Fondue: Le Swiss, St Gallen. Doces: Royal Trudel Rua Coberta: Rasen Platz _________________________ Se precisar comprar alguma roupa na emergência: Mais barato nas lojas Paludo. ________________________ Lá tem Mc Donalds - se seu dinheiro acabar. ________________________ Sempre observe a programação dos bares e restaurantes, na Serra Gaúcha, caso você vá de carro, tem várias cidades com programações locais, vale pesquisar. _______________________ SE VOCÊ QUER ROMANTISMO NÃO VÁ NO PERÍODO DE FÉRIAS ESCOLARES, OU NATAL LUZ. TODOS LÁ ME DISSERAM QUE A CIDADE FICA SUPER LOTADA, CHEGA A FICAR CHATO, POIS NÃO SE VIVE O LOCAL. _______________________ PEGUEI VÁRIAS DICAS NO CANAL DA FELIZA3. _______________________ PS A SERRA É BEM FÁCIL E TRANQUILA, DÁ PARA DIRIGIR NUMA BOA. _______________________ LISTA DO QUE FAZER EM GRAMADO: - LAGO NEGRO - PRAÇA DAS ETINIAS - SNOWLAND - HOLLYWOD DREM CARS - RUA TORTA - HARLEY MOTO SHOW - LAGO JOAQUINA RITA BIER - IGREJA SÃO PEDRO + FONTE DO AMOR - RUA COBERTA (A NOITE) - LE JARDIM - MUSEU MEDIEVAL _______________________________ O QUE FAZER EM CANELA: - PARQUE DO CARACOL - PARQUE DA FERRADURA - ALPEN PARK - IGREJA DE PEDRA - CASTELINHO CARACOL - TERRA MAGICA FLORYBAL - MUSEU DO TREM (SÓ PAREI P TIRAR FOTO)
  2. Depois do Feriado de 7 de setembro, viajei a Gramado com meu namorado. Fomos no domingo, dia 08/09, leia-se BAIXA TEMPORADA. Saímos do Rio de Janeiro pela GOL, no vôo de 10:35h e chegamos em Porto Alegre 12:45h. Em Porto Alegre, pegamos um transfer com a Brocker Turismo, pois não queríamos alugar carro. Eles cobram R$112,50 por trecho, por pessoa. Saída do Rio: 10:35h Chegada em Gramado: +- 15:30h O micro-ônibus da Brocker foi eficiente, tinha tomadas para carregar o celular e um guia falando um pouco sobre os principais pontos da cidade (e aproveitando para vender os passeios da empresa). Nós fechamos o Bus Bier Tour, que detalharei mais pra frente. Nos deixaram bem em frente ao nosso Hotel e ajudaram com as malas. HOSPEDAGEM Nos hospedamos no Hotel Alpestre, que fica em uma área verde de 12mil m², localizado num bairro residencial (tranqüilo e silencioso). O hotel fica a 1km de distância do Lago Negro e principais vias da cidade. Suas instalações incluem 2 piscinas ao ar livre, 1 piscina coberta e quadra de tênis. Os quartos possuem ar-condicionado, sistema de aquecimento, TV LCD e banheiro privativo bem espaçoso com amenidades como secador, xampu, sabonetes e condicionador. Nós ficamos em um apartamento Super Luxo Vista Cidade, que acomoda 2 pessoas (+- R$300 por diária), mas eles possuem outras opções de quartos, incluindo para famílias. No Alpestre, o buffet de café da manhã é farto e servido a partir das 06:00h da manhã, com diversas opções: geleias, biscoitos, bolos, queijos, waffle com calda, pães, tortas salgadas, pão de queijo, ovos, salsicha, além de uma mesa especial com alimentos sem glúten e lactose e outra com alimentos próprios para as crianças. Além disso, o hotel também oferece serviço de transfer para os hóspedes com destino ao Centro de Gramado, wi-fi gratuito (inclusive nos quartos), espaço com computadores para utilização dos hóspedes, espaço Copa Baby para auxilio aos pais dos pequenos. Não é a à toa que ele foi eleito consecutivas vezes um dos melhores hotéis para família pelo Travelers Choices Tripadvisor. PRIMEIRO DIA (08/09 - domingo): Deixamos as malas no hotel e fomos dar um passeio pelas ruas de Gramado. O hotel fica bem perto de tudo, então fizemos praticamente TUDO à pé. Primeiro visitamos o Pórtico (500m do hotel), depois fomos ao Lago Joaquina Rita Bier, passamos pela estátua do Kikito, conhecemos a Rua Torta, o espaço Tô de Férias (espaço interativo para fazer fotos legais), a Igreja Matriz de São Pedro, logo ao lado, a Fonte do Amor Eterno... Ufa! Pelo tempo que tínhamos antes de escurecer, fizemos até bastante coisa. Depois, voltamos para o hotel para descansar um pouco e, à noite, fomos conhecer o Porto Cara de Mau. Pelo valor cobrado (R$119 por pessoa), achei que iria me arrepender, mas acredite: VALE CADA CENTAVO! A recepção é realizada de forma característica do Porto Cara de Mau: toda a equipe tem um sincronismo e buscam atender o cliente da melhor forma possível, tornando essa experiência única para cada um. Eles dão um show de alegria, simpatia, irreverência e atuação, fingindo serem piratas maus de verdade. Com relação aos sabores, muitos! Desde as mais tradicionais às mais gourmetizadas: minha preferida foi a de salmão com geleia de frutas vermelhas. Você se sente muito satisfeito! O conselho é chegar cedo (entre 18:30h e 19h), nós chegamos 19:30h e esperamos quase 1h na fila. Mas valeu a pena: você se sente tão bem atendido, bem servido, uma variedade enorme de pizzas salgadas e doces, calzones, drinks, o show com os piratas, você simplesmente não tem vontade de sair de lá. E claro, as filas vão crescendo, e infelizmente a gerência não têm como controlar isso. De forma alguma eles seriam deselegantes pedindo para a mesa encerrar o consumo ou finalizar a conta, para que outras pessoas possam entrar. Não é um rodízio de pizza que você tem a oportunidade de ir toda semana, então desfrute dessa experiência da melhor forma possível. SEGUNDO DIA (09/09 - segunda-feira): Tomamos café bem cedinho e aproveitamos um dia do Ticket Bus Tour. (R$69 por pessoa, por dia). O Bus Tour é um ônibus turístico daqueles de dois andares bem típicos de grandes centros como Barcelona, Paris, Londres, Curitiba… Ele é circular e tem mais de 30 paradas estrategicamente escolhidas, sempre próximo aos principais pontos das cidades. É possível subir e descer quantas vezes quiser durante o seu período de funcionamento. Mas aqui fica um parenteses: eu não curti muitooo! Por que? Porque demora bastante para ir de um ponto ao outro (pelo ônibus ser grande e lento). Não pegamos taxis em Gramado, mas os Ubers funcionam bem e são bem em conta (inclusive utilizamos ele várias vezes durante os dias e o valor mais caro que pagamos foi o de R$13,78 (Canela x Gramado). Então vai de gosto: Se você quiser conhecer a cidade em um ônibus de dois andares bem legal, ouvir um pouco da história dos pontos turísticos e não ter o trabalho de ter que chamar um carro: APOSTE! Agora, se você quiser mais rapidez, não se interessa em conhecer a cidade por um todo, quiser apenas seguir um roteiro pré-determinado: TENTE O UBER (obs.: sugiro simular as corridas antes para ver o valor que sairá no final). Mas vamos ao meu roteiro: Pegamos o Bus na parada 22 (em frente ao Hotel Alpestre) em direção à Canela. Passamos por praticamente todos os pontos turísticos de Gramado até chegar na Parada 01 (Catedral de Canela). Demoramos, juro, 1:15h apenas nesse trajeto do hotel para Canela (que de Uber faríamos em 15 minutos), mas como eu disse, deu pra conhecer a cidade de cima, relaxar sentadinhos e ouvir um pouco da história de cada ponto turístico. Tiramos fotos, apreciamos a Catedral de Pedra, que é muito linda, e, de lá, não quisemos esperar o ônibus passar novamente e pegamos um UBER até o Parque do Caracol, que eu super me arrependi (R$20 por pessoa apenas para ver um mirante). A escada que dá acesso à cascata estava interditada. Era melhor termos ido aos bondinhos aéreos, seriam as Paradas 06 e 07 respectivamente (não fomos aos bondinhos depois porque seriam mais R$40 por pessoa). Depois que eu me desestressei (risos), esperamos o bus tour e fomos até a Fábrica de Chocolate da Prawer (Parada 32), onde há uma pequena visitação da fábrica, os chocolates são carinhos, mas bem gostosos. Por fim, esperamos novamente o bus e fomos ao Mini Mundo (Parada 20), uma das atrações que mais gostei e vou detalhar um pouco mais. (OBS.: Não gostamos de Museus, e vimos relatos que os de Gramado são muito enganadores, então menos vontade tivemos de conhecer algum.) MINI MUNDO Era uma vez um pai e um avô, que resolveram presentear suas crianças com um pequeno mundo de fantasia. Construíram então, no jardim em frente ao Hotel Rita Hoppner, pertencente à família, uma casinha de bonecas e um conjunto de castelos, com trenzinhos em miniatura. Pensando em dividí-lo com os hóspedes, construíram também uma pequena cidade em miniatura, envolvendo os seus próprios sonhos, e dando vida aos mini-habitantes. O Mini Mundo é formado por réplicas fiéis de prédios de várias partes do mundo baseadas em seus projetos originais. Juntas, elas constituem uma cidade em miniatura, onde tudo é 24x menor do que a realidade. As reproduções são elaboradas pelo próprio parque. Algumas chegam a exigir meses de dedicação, testes e experiências. O parque abre diariamente de 9h as 17h e o ingresso custa R$42, com meia entrada para quem possui o benefício (menores de 2 anos são isentos), e conta também com local para alimentação, lojas temáticas e espaço infantil. Nossa visita ao Mini Mundo nos despertou a curiosidade de conhecer o Hotel Ritta Hoppner, que fica do outro lado da rua, e como já era fim de tarde, fomos provar o tradicional Chá da Tarde do hotel. E caiu muito bem depois de um dia intenso de atividades. 😉 A ''excelência'' é a palavra de ordem, tradição que começou como serviço de quarto e que há 13 anos tornou-se um ritual nos salões. O menu servido na ''torre'' varia a cada dia da semana, porém sempre combinando os sabores de tarteletes com a grande variedade de doces e salgados. Chás, cafés e chocolates acompanham o waffle, geleias e o tradicional apfelstrudel. Ah! Você pode repetir qualquer item quantas vezes quiser. O problema é se controlar... O chá acontece todos os dias, das 16h às 18h, no restaurante do hotel. Ele é oferecido gratuitamente para os hóspedes, mas também é servido ao público externo pelo valor de R$59 + taxa de serviço. Mas claro, quem me segue no instagram (@nani.etc) tem benefícios: basta dizer ao gerente Igor que é meu seguidor e o valor fica em R$50 + taxa. 😁 Depois do chá maravilhoso, voltamos à pé ao nosso hotel para desgastar tanta comilança, rs. E descansamos um pouco. À noite, mesmo sem muita fome, fomos conhecer o Hard Rock Café. Pedimos um prato com três tipos de aperitivos, um drink e um chopp. Achei mais do mesmo. TERCEIRO DIA (10/09 - terça-feira): Acordamos bem cedinho para tomar aquele café da manhã bem gostoso e pedimos um UBER para o Snowland. Mesmo sendo de neve artificial, o Snowland é muito procurado e fica muito lotado, o que pode estragar o seu passeio. Recomendo que você evite, se possível, feriados, sábados e domingos. E chegue pela manhã, para evitar filas. O ingresso não é barato (R$135 por pessoa). Todos querem fazer de tudo. Se você não chegar cedo, perderá horas nas filas para entrar (pois é necessário preencher um termo de responsabilidade e colocar a pulseira que dará acesso às atrações), para pegar a roupa de neve, para patinar, para entrar no ambiente da montanha de neve e haverá mais gente para fazer tubing. Nós chegamos antes das 10h (hora que abre) e já havia uma pequena filinha por lá. O ingresso padrão do Snowland Gramado dá direito à botas, calça, casaco, capacete e luvas para acessar a Montanha de Neve. Não são suficientes. Leve luvas, meias grossas, manta e uma blusa térmica extras. Lembre-se, você estará dentro de um freezer! Conseguimos nos divertir muito, mas acredito que muita gente não deve gostar por não ter um bom custo-benefício! Saímos correndo de lá, pois havíamos agendado o Bus Bier Tour (R$149 por pessoa) com a Brocker Turismo. O Bus Bier Tour é daqueles passeios pra amantes de cerveja e curiosos sobre o processo de fabricação. O ônibus parte do centro da cidade, em frente ao escritório da agência Brocker e faz um percurso de cerca de 3h30. A bordo do Bus Bier, que é uma atração a parte, visitamos as Cervejarias GramBier e Rasen Bier que se localizam em Gramado, e a Cervejaria do Farol em Canela, onde não somente a cerveja de alta qualidade chama a atenção, mas também por possuir uma réplica de um farol com 32m de altura, de onde é possível avistar municípios como Gramado, Caxias do Sul e São Francisco de Paula. Nós compramos o passeio com a degustação e ganhamos uma caneca de Chopp personalizada do Bus Bier. Pra quem tem curiosidade do assunto, esse tour pelas cervejarias de Gramado é indispensável. Dá até pra beber bastante, mas o foco principal não é um passeio “open bar” ou uma festa no ônibus, mas o processo de fabricação e degustação de cervejas artesanais. Até há concorrentes que fazem o passeio em Kombis e com chopp "open bar", mas também há um contra: vi muita gente fazendo parte do passeio à pé, andando e bebendo atrás das kombis! (Pra quem curte beber mais do que apreciar, pode ser válida a troca.) Terminamos nossa terça-feira indo conhecer um dos Cafés Coloniais de Gramado. Pedimos ao motorista do Bus Bier para nos deixar próximo ao Café Colonial Bela Vista e assim foi feito. Quando 80 tipos de comida vêm à sua mesa, é complicado decidir o que comer primeiro. O Bella Vista é o Café Colonial pioneiro do Brasil e também o maior de Gramado. Já pensou em misturar comida de café da manhã, almoço, lanche e jantar numa refeição só? Pois é! 👌 Entre os salgados, eles oferecem croquete de frango e rissoles de presunto e queijo. Para quem não quer ter muito peso na consciência, dá para investir nas proteínas: lombo de porco, linguiça e filé de frango grelhado. Claro que numa região típica alemã e italiana não pode faltar também polenta frita, pepino em conserva e porquinho à milanesa! Suco de uva, vinho, café, chocolate quente e frio e chás fazem parte das bebidas. Com exceção das sobremesas, tudo é servido na mesa (como dá pra ver na foto). Se desejar, você pode pedir para repor, sem custo extra. Depois é só atacar os doces nas geladeiras do salão. Eu provei mousse, pudim e sorvetes! O valor é de R$82 por pessoa (os meses de Agosto e Setembro tiveram desconto: R$70). Crianças de 5 a 9 anos pagam metade do valor e menores de 5 anos não pagam. QUARTO DIA (11/09 - quarta-feira): Hoje foi dia de conhecer o Parque Terra Mágica Florybal, idealizado pelo proprietário da Florybal Chocolates, um das principais marcas de chocolate artesanal de Gramado/Canela. Muita gente acredita que seja muito infantil, mas eu e meu namorado adoramos! Todo o percurso do parque é muito bonito e cheio de esculturas gigantes, ambientadas em cenários. Os bonecos e personagens fantásticos do parque são criados artesanalmente em um pavilhão da Florybal. As trilhas conduzem o passeio monitorado por fascinantes caminhos por histórias do mundo, como espaço dos primatas, aldeia dos índios, lago das deusas, floresta mágica, mas a área dos dinossauros, na minha opinião, é a que rouba a cena. A aventura e adrenalina é garantida com Tobogãs, passeio com o Dino Móvel, o Voo do Pterodáctilo e ainda o Cinema 7D, com filmes para viver emoções e sensações em sete dimensões. O Parque ainda possui dois espaços para o visitante fazer um lanche ou almoçar durante o passeio. No território dos dinossauros, o Dino Lanches tem lanches deliciosos para você saborear com uma decoração toda em pedra. Já o Castelo Medieval Temático chama a atenção pelos detalhes e características arquitetônicas. O local dispõe de praça de alimentação e um restaurante completo com pratos destaques da Serra Gaúcha, além de playground com brinquedos eletrônicos, loja com artigos produzidos na região e souvenirs. O parque funciona diariamente das 9h às 17:30h, inclusive nos finais de semana e feriados. Ele oferece transfer gratuito: estando hospedado em Gramado e Canela, basta você ligar para e marcar a hora que eles vem te buscar. O ingresso custa R$70, e tem meia entrada para crianças, estudantes e idosos. Algumas atrações, como o cinema 7D, são pagas a parte. Saímos do Parque e fomos fazer um lanche em Canela mesmo. Escolhemos o Skillo Lanches, o qual haviam falado bem para a gente. Comemos dois sanduíches (bem grandes por sinal), o meu vinha com batata-frita por dentro. Após, pegamos um Uber e fomos ao Lago Negro, fizemos um passeio bem gostoso e, com certeza, se não tivéssemos comido por Canela, comeríamos no restaurante do Parque. Fica a dica! Como fomos durante o Festival de Cultura e Gastronomia de Gramado, onde diversos restaurantes da cidade, criam um prato especial e exclusivo para o evento, a um valor único, nas bancas de comida e bebidas na rua Pedro Benetti, resolvemos passar por lá com mais calma. Tomamos um chopp artesanal apenas. À noite, fomos jantar Fondue no Restaurante Malbec. Eles também oferecem transfer ida e volta gratuito para quem estiver hospedados nos hotéis da cidade. A sequência custa R$96 por pessoa. O preço pode assustar, mas paga-se pela experiência. O restaurante é um dos mais bonitos da cidade, conta com três ambientes (térreo, superior e deck), os garçons bem atenciosos e a comida, excelente. Ficamos no deck e iniciamos a sequência com o tradicional fondue de queijo, acompanhado por pão adormecido, brócolis, linguiça calabresa, batata e goiabada. Em seguida o fondue de carne na pedra, o La Pierrat, cortes nobres de carne bovina, suína e frango, guarnecido por 12 variedades de molhos e farofa. Para finalizar a série, o fondue de chocolate traz os sabores das frutas da estação. Chegamos no restaurante com o tempo limpo e uma temperatura agradável. Do nada, uma enorme neblina tomou conta da rua atrás de nós. A temperatura caiu, óbvio. E o garçom nos ofereceu mantas para nos aquecer ainda mais. QUINTO DIA (12/09 - quinta-feira): Dia de nos despedir de Gramado. Nosso transfer com a Brocker estava marcado para 9:55h. Só deu tempo de nos lamentar por comer pela última vez o café da manhã do Alpestre. Acho que deu pra perceber que não pegamos nenhum dia de frio ou chuva na cidade, o que não sei se foi bom ou ruim, já que não sou fã de frio. Mas logo no último, o dia amanheceu chovendo, pareceu triste por estarmos indo embora, rs. Mesmo comendo bastante, sentimos fome durante a espera no aeroporto de POA. Motivo: nenhum restaurante estava funcionando. E uma das duas lanchonetes que ainda restaram queria cobrar mais de R$50 reais por um salgado, dois sucos e um bauru. Nosso vôo era às 15:15. Chegamos no Rio 17:20h, mortos de fome! Siga-me no instagram para ficar por dentro de todas as minhas viagens e dicas: https://www.instagram.com/nani.etc/
  3. Mirante com vista para o Vale do Rio das Antas e para a Cascata Bordin. Localizado no Travessão Alfredo Chaves em Flores da Cunha. Para passar o dia, acampar e praticar esportes de aventura, como rapel e passeios de quadriciclo. Local com quiosque. Horário da temporada primavera/verão: todos os dias das 7h às 20h, e aos sábados durante o verão o Mirante e o quiosque ficam abertos até às 23h. Restante do ano: de terça a domingo das 7h às 18h. Informações: (54) 98147-9534.
  4. Viagem de 6 dias para a Serra Gaúcha (RS), em julho de 2018 (Hospedagem em Canela, Carro Alugado) Do ES para RS. Essa viagem começou uns 15 dias antes, com toda uma pesquisa de fizemos, em sites como o próprio mochileiros.com, vídeos no Youtube e outros sites que nos trouxessem informações interessantes. Contratamos a viagem pelo site da CVC, pedimos o serviço de bagagem pelo site da GOL. Se não tivéssemos questões muito particulares e pudéssemos programar com mais antecedência, não teríamos contratado os serviços dessa empresa e, não possivelmente não passaríamos por algumas situações um tanto frustrantes. 1º DIA - VIAGEM DE IDA Nossa viagem começou de fato num sábado de madrugada. Saímos de Colatina, no interior do ES às 02:30. Em Vitória, pegamos o vôo para o RJ e de lá para Porto Alegre, onde já havíamos contratado o serviço de aluguel de carros da Movida. O carro foi um FIAT MOBI da cor vermelha. Alias, gostamos muito do serviço dessa empresa. O carro estava novo e deu conta muito bem de ir a todos os lugares que precisamos, foi bem econômico também. Viajamos por 02:00 até a Pousada Casa Rosa, em Canela. No caminho paramos para almoçar, o que nos chamou a atenção foi o tipo de prato que pedimos, o qual não conhecíamos, uma "Alaminuta", tipo um PF (com arroz, batata frita, bife de carne de boi ou frango, salada e feijão). Tudo estava gostoso mas o valor já começou a fica meio salgado. Foram 25 reais por cada prato. Daí pra lá tudo vai ficando muito mais caro. Chegando à Pousada Casa Rosa fomos muito bem recebidos. Para chegar ao quarto 39 precisamos subir alguns lances de escada, mas o recepcionista as levou. Quando oferecemos a gorjeta, pois as malas estavam realmente pesadas, ele negou dizendo: "Capaz, capaz..." e foi uma forma curiosa de se expressar. A pousada é muito boa, tem piscina (embora não vi ninguém usando pois a água pareceu bem fria), uma área bonita de café da manhã, chuveiro quentinho (apesar de um pouco instável as vezes), água da pia aquecida (embora demorasse um pouco para aquecer), bem limpo, com excelente serviço de quarto e principalmente ótima cordialidade de todos os atendentes. Ou seja, o atendimento e a limpeza foram os pontos fortes. No entanto o ponto fraco a meu ver, foi a calefação, que demorava a ligar, pois só era acionada quando a temperatura caía a uns 17 graus, e de manhã já estava desligada. No entanto o quarto era bem quentinho, as cobertas davam conta de aquecer a noite e isso não fez lá tanta diferença. Nota 8 pra pousada Casa Rosa, em Canela, RS. Nesse dia a noite fomos convidados pelo atendente da Pousada a experimentar um prato típico da região, o "Fundue em sequência" e o próprio restaurante Sky providenciou o transporte. Ganhamos de brinde um vinho local. Chegamos lá tinha música ao vivo, muito legal. Serviram vinho e trouxeram a primeira sequência, batatas, brócolis e torradas no molho de queijo, em seguida, trouxeram as carnes (de boi, porco e frango) e nós mesmos fritamos, com uns 15 molhos diferentes à nossa disposição, desde os agridoces aos apimentados, por último, trouxeram as frutas e o chocolate. Gostamos muito apesar de ter ficado bem caro. Foram 77 reais por pessoa, mais o couvert artístico, mais o atendimento (10 %) e a conta ficou bem alta. Nos levaram de volta ao hotel e estava relativamente frio. Fazia uns 16 graus. 2º DIA - ANDANÇAS POR CANELA E GRAMADO No outro dia acordamos um pouco mais tarde, afinal, foram muitas horas de viagem no dia anterior. Tomamos um café da manhã reforçado e partimos andando de Canela para Gramado. Nesse dia andamos cerca de 23 km. Passamos por muitas lojas de roupas de frio, sapatos, tapetes... comprei um casaco de frio vermelho (R$160) na loja artesanato do Noel e um tênis Adidas para caminhar (afinal, o tênis que usava fez uns estragos no meu pé direito) no Mundo dos Sapatos por R$60,00. Passamos por pontos turísticos como O Mundo a Vapor, Super Carros, O Museu da Moda, mas não entramos. Não é muito nosso barato essas atrações mais enlatadas. Em Gramado, fomos ao Palácio dos Festivais, à Rua Torta, passamos pelo famoso Termômetro, Praça das Etnias, Fonte do Amor Eterno (onde coloquei um cadeado com um coração vermelho com nossos nomes, tranquei na grade da fonte e joguei a chave fora), à Igreja de Pedra de Gramado e ao Lago Negro. Tudo a pé. Nesse meio tempo, almoçamos no restaurante Belle Vitrine. No início ficamos impressionados com a entrada, muito farta, com molhos, torradas, tudo muito gostoso. Mas não pedimos. Eles trouxeram. Depois cobraram 17 reais somente por isso. Escolhemos saladas como pratos, eram opções que nos agradavam e mais em conta, e de fato, estava muito bom, ótimo tempero. No entanto, quando veio a conta, aos 17 reais, somaram-se os pratos e o atendimento e a conta, mais uma vez, ficou um pouco salgada. Seguimos passeando pela cidade, tirando fotos e conhecendo, conversando com as pessoas. Uma coisa que percebemos é que tentam te pescar o tempo todo. Oferecendo apresentações de produtos que giram em torno de 40 minutos, em troca de brindes como entradas em parques. Nem sempre isso é exatamente vantajoso, pois em nosso caso, o tempo era precioso para fazer tudo que estava planejado. Esperamos o UBER na calçada do Hard Rock Café e voltamos para Canela. De lá pegamos o carro e seguimos para conhecer a Igreja de Pedra (Nossa Senhora de Lourdes) de lá e ficamos maravilhados com aquela construção gótica ao entardecer. Como já estávamos com fome, fomos a um café próximo dali no Empório Canela, ambiente descolado, atendimento ótimo, comida em conta. Eu pedi um quiche do dia(R$12,00) e um suco tropical (R$10,00) (abacaxi, morango e laranja) e foi barato. O marido pediu uma torta, um café... tudo muito gostoso. Rodamos um pouco pela cidade e seguimos para a Pousada, descansamos e voltamos para jantar, dessa vez por nossa conta, em Canela mesmo, no Bistrô Sabor de Mel, simples e aconchegante. Servem um capelete com Legumes delicioso. A temperatura começou a baixar, o céu cheio de nuvens, o dia foi bem quente, ou seja, sinal de chuva. A previsão do tempo estava certa, funciona mesmo. Fiquei impressionada por ser um domingo, muitas lojas abertas até tarde (até as 18:00). Muitas lojas de chocolates, sapatos e de confecção. No entanto a maioria dos Bistrôs fecha por volta das 10 horas. E os gaúchos me pareceram bem fiéis aos horários. 3º DIA - CHUVA E NEBLINA - PARQUE DO CARACOL E CAFÉ COLONIAL Amanheceu chovendo, com neblina e isso não nos intimidou. Após o café seguimos de carro até o Parque do Caracol, cuja entrada foi R$20,00 por pessoa. O local é muito limpo, bem sinalizado e organizado. Precisamos usar capas de chuva para andar pelo parque e foi ótimo mesmo assim. A queda principal e linda. E os vários caminhos dentro do parque levavam à cachoeiras, represas, centros históricos, grandes Araucárias, pátios gramados, lugares bem bonitos. OBS. 1 - Uma armadilha lá dentro, não vá no trenzinho, a não ser que você esteja com crianças. É para crianças e nos custou R$10,00 por pessoa. O passeio não demorou 3 minutos. OBS. 2 - Leve uma meia extra na bolsa ou deixe no carro, pois em passeios assim as chances de vocẽ molhar o calçado são grandes. E é chato ter que limitar o passeio por conta disso. Uma meia extra e/ou tênis extra resolvem tudo. Exploramos o máximo que conseguimos, com os tênis encharcados e seguimos para o Parque da Ferradura, no entanto o senhor da guarita de entrada disse que não valia apena entrar pois a neblina nos impediria de ver a paisagem e que era melhor voltar num outro momento. Foi então que decidimos conhecer um Café Colonial, o Bela Vista. Ambiente bacana, ótima recepção, e muita, muita comida. Nesse dia, esse foi o nosso almoço. Comemos até não aguentar mais. A consumação foi de cerca de R$70,00 por pessoa. Mais alguns acréscimos, que sempre ocorreram. Como estava chovendo, resolvemos pensar em alguma atração fechada. Foi então que passamos pelo Museu da Moda e resolvemos entrar. Muito organizado, construído a partir de uma pesquisa da Estilista Mika Wolf, conta com vestes de 2000 a.C até os dias atuais. Custou R$70,00 por pessoa (a inteira) mas eu paguei meia pois chorei o desconto por ser professora. Então paguei R$45,00. Fomos para a Pousada e então pegamos o carro e fomos até Gramado, curtir a noite, embora a neblina estivesse bem forte e pouco conseguíamos ver a estrada à nossa frente. No Largo da Borges encontramos uma cafeteria e livraria em interessante, a Mania de Ler. Então depois de olhar algumas opções, resolvemos jantar um caldo ou creme e optamos pelo creme no Pão. O Bistrô dessa vez foi na rua coberta, o Pastascuitta. Local aquecido, comida saborosa. Cada prato ficou em torno de R$34,00 e pedimos 4 queijos e batata com camarão (veio muito camarão). Uma cilada: quando estávamos terminando o jantar, vimos um homem chegando com um violão, ele sentou num canto, e começou a tocar. Logo em seguida pedimos a conta e veio incluído o couvert artístico. Nem tentamos contestar. Mas deveria haver bom senso da casa a nosso ver. Saímos em busca de uma boa sobremesa. A temperatura estava caindo e optamos por um fundue de frutas. Na própria avenida de Gramado subimos uns degraus e entramos no Lounge Gourmet Florybal, local aquecido mas o atendimento deixou um pouco a desejar. Nós mesmos preparamos do fundue e tinham opções diferentes de chocolate. Tudo muito gostoso. E a pessoa podia acrescentar sorvete também. O preço foi bem em conta. E assim encerrou a noite. É um lugar, aliás, com bons chocolates, pra todo lado. 4º DIA - CONHECENDO CACHOEIRAS E LAGOAS NUM DIA CHUVOSO EM SÃO FRANCISCO DE PAULA/RS & GARFO E BOMBACHA Acordamos decididos a ir até São Francisco de Paula conhecer o Parque das 8 cachoeiras, mesmo chovendo. Seguimos de carro até lá. o GPS ligado o tempo todo. Levamos carregadores do nosso próprio carro e cabos. O som ficou por conta da JBL Wind, pois o som do carro não tinha Bluetooth. Ao chegarmos lá fomos recepcionados por dois cães bonitos, um escuro e um claro, mas com bocas grandes. Depois entendemos o quanto eram mansos: A Marsha e o Urso. Custou R$20,00 a entrada por pessoa e valeu muito a pena. Fomos primeiro na cachoeira Remanso, bem exuberante. Estávamos com nossas capas de chuva por que estava chovendo, mas de qualquer forma iríamos nos molhar com os respingos da cachoeira. Depois seguimos para a Escondida, mas não conseguimos completar o percurso pois estava muito cheio o rio e mesmo que a Marsha passou, nós não conseguimos passar. Ela nos acompanhou por todo o percurso e nos esperou. Uma excelente guia, muito quieta e paciente. Uma linda. Seguimos então em meio a trechos com lama, pedras, água escorrendo, pontes e pinguelas e fomos conhecendo as quedas mais fáceis de acesso. "Cascatinha" nos surpreendeu por ser linda e cordial, não nos molhou e não deu vontade de ir embora. Depois seguimos para a 'Xaxim", que também foi linda e cordial e nos rendeu belas fotos. Na estrada encontramos um restaurante simples, mas com a comida bem caseira, bife grelhado na hora, a R$20,00 por pessoa, o "Restaurante e Café Sabor Campeiro" RS-235 km 66. Seguimos viagem até o lago São Bernardo e ficamos encantados com a beleza. Diga-e de passagem, bem mais bonito que o Lago Negro. Demos a volta em torno do lago ,a pé. Nos deparamos com belas paisagens, marrecos, muitos bancos coloridos, locais de contemplação, piers, pinheiros cercando o lago além de cerejeiras e muitas árvores de Plátano (árvore típica do Canadá). Com um visual lindo, nostálgico e belo em todos os ângulos, tiramos muitas fotos, selfies e curtimos àbeça e não pagamos entrada. Uma curiosidade: No entorno do lago tem uma capela bem mística, onde era um local de adoração indígena, depois católico, protegido também por muçulmanos, evangélicos e budistas ao longo da história. Sem dúvida senti uma energia poderosa, apesar de vandalizado nesse momento. Seguimos de volta para Canela por uns 30 km, bem pertinho, e descansamos. Ainda chovia e resolvemos conhecer uma casa noturna e churrascaria com show típico: Garfo e Bombacha. Eu gosto muito de dança, música e churrasco, então achei que seria algo inesquecível. Contactei nesta tarde com a própria casa via WhatsApp e logo fui atendida. Custou bem caro, R$179 por pessoa, com o transporte de ida e volta, não incluindo bebidas. Combinamos que iriam nos buscar por volta das 20 horas e lá estavam no horário marcado. A volta seria às 23 horas. Fomos muito bem recebidos e servidos. E no fim, comemos muito até quase estourar, ficamos numa mesa um tanto longe do palco, os garçons circulavam em nossa frente, servindo os clientes, durante o show e não gostamos tanto do churrasco. Ou seja, não consegui ver direito o show, não gostamos muito do churrasco e não foi lá essas coisas. Lá tiram fotos de você usando um chapéu gaúcho e um chimarrão na mão sem compromisso, as imprimem e depois te vendem a 15 reais. Nós, na empolgação do momento, compramos também. Foi nossa primeira lembrança de viagem. No fim todos dançam, mas à essa altura já está bem vazio, e tudo acaba antes de 23 horas. Não achamos que foi um dinheiro bem gasto. Melhor teria sido se escolhêssemos uma churrascaria típica bem renomada e pagássemos o valor do rodízio. 5º DIA - DIA DE SOL DE CONHECER NOVA PETRÓPOLIS E BENTO GONÇALVES (VALE DOS VINHEDOS E CAMINHOS DE PEDRA) Foi o dia de correr pelas estradas. E foi bem cansativo. 120 km de ida e mais a mesma quilometragem de volta. A primeira parada foi na Queijaria Valbrenta, onde compramos um biscoito de azeitona muito gostoso. Seguimos até Nova Petrópolis para conhecer o Labirindo Verde no meio da Praça das Flores. Foi bem legal o labirinto, muito divertido, especialmente para crianças. A praça das flores tinha poucas flores nesse momento. Pegamos a estrada para o Vale dos Vinhedos e visitamos a vinícola Miolo, custou R$30,00 a entrada com direito a reverter R$10,00 em certas bebidas na loja. Nas mais caras. O rapaz que fez a exposição pareceu bem informado, muito conhecedor dos processos e falou tudo com muita clareza e fluidez. Conhecemos o processo inicial, o processo moderno de produção, engarrafamento, fizemos uma prova de 4 vinhos diferentes e foi ótimo. Mas ainda não tinha valido a viagem. Compramos um espumante, um abridor de vinho, suco de uva de 1 litro e tudo estava muito gostoso. Então seguimos para os Caminhos de Pedra e paramos num Bistrô no início do caminho, um self service de boa qualidade. Lá nos deram um mapa com instruções sobre o caminho e não foi muito legal. Não gostamos muito, talvez porque estávamos cheios e não desejávamos comprar mais vinhos, queijos, massa de tomate ou qualquer outra coisa de comer. Desistimos e seguimos para Canela com a esperança de ainda conseguir ir ao Parque da Ferradura mas pegamos um engarrafamento em Gramado e não deu tempo. Foi então que vimos o Castelinho Caracol e resolvemos parar para tomar um café. Foi ótimo. Deu a graça que faltava ao dia. Primeiro conhecemos a propriedade, que é linda. Como beirava as 18 horas, ficamos presos dentro da propriedade. Abriram a porta com cara feita e entramos na casa, pagamos R$10,00 e tivemos acesso ao museu e ao café. Tomei um suco de maça muito bom e meu esposo comeu a torta típica de maça com sorvete de creme, chamada Apfelstrudel. Seguimos felizes para a pousada e a noite tomamos um caldo verde no charmoso Bistrô em Canela, o Cheiro de Canela. 5º dia - DIA DE CONHECER OS CÂNIONS FORTALEZA E ITAIMBEZINHO Acordamos cedo, tomamos o café com uns 15 minutos, e pegamos a estrada. O objetivo era chegar em Cambará do Sul a tempo de conseguir conhecer dois Cânions. Os dois ficam em parques estaduais. Tivemos que preencher um documento em ambos. Primeiramente fomos ao Fortaleza, o mais exuberante, digamos "Selvagem". Saindo de Canela, às 07h20min. chegamos à entrada do Cânion por volta das 10h00min. Lá tem uma bica, com água potável. Enchemos o recipiente e seguimos até o estacionamento. De lá seguimos a pé até o Cânion. Com 2/5 da caminhada já dá pra ver o Cânion. É lindo. Tiramos muitas fotos lindas. Como sou espírita, fiz muitas orações naquele ambiente. Ahh, venta muito e é preciso tomar cuidado pois não há contenção, cercas, nada disso. É você e o precipício, frente a frente. Fomos até onde conseguimos andando. Muita gente parou antes. Não deu vontade de ir embora. Mas como tínhamos o objetivo de conhecer Itaimbezinho, no outro parque estadual, resolvemos seguir. Almoçamos num restaurante próximo a um posto, e desta fez sem glamour, foi um PF. Mas estava muito bom. Aliás, adorei o tempero da comida dos gaúchos. Seguimos e a estrada até Itaimbezinho não estava amigável. Muito cascalho. Um trecho considerável assim. Chegando lá tem um trecho de asfalto e chegamos à sede do parque. Primeiramente tem uma parte mais curta, com uma visão mais limitada, mas bem bonita. Fomos à casa da Vovó, compramos um queijo serrano, admiramos a feitura da lã à moda antiga, compramos um chocolate e seguimos caminho para a parte mais exuberante. São aproximadamente 3 km de ida mas o visual de fato compensa. Inclusive vimos vários ciclistas fazendo o trajeto de bike. Bem bonita a visão do cânion desse ponto. E no ponto final tem uma espécie de arquibancada com troncos de madeira, onde se pode sentar e admirar de um ponto bem privilegiado o cânion. Voltamos num ritmo de caminhada pesado, pois queríamos um café e o cansaço já estava aumentando. Seguimos de volta para Canela. Descansamos um pouco e saímos para fazer nossa última refeição num Bistrô de Canela. Tomamos um caldo verde e apreciamos o crepe de maça com canela. 6º dia - VOLTANDO PRA CASA Acordamos cedo, terminamos de arrumar as malas, presenteamos um dos atendentes da pousada com um vinho local, tomamos o café da manhã e partimos para a estrada por volta das 07h30min. Dirigimos até Porto Alegre. Devolvemos o carro na agência. Fomos de Van até o aeroporto. Embarcamos para RJ. No aeroporto Galeão almoçamos uma salada superfaturada e embarcamos novamente no avião para Vitória. De lá pegamos nosso próprio carro e seguimos para nossa cidade. Chegamos por volta das 21 horas. Foram 14 horas de viagem para retornar que valeram totalmente a pena. E temos a intensão de voltar, para conhecer mais de Praia Grande, Cambará e um monte de lugares que não visitamos pro falta de tempo. Esperamos ter colaborado para a sua viagem com nossa experiência. Hasta la vista e até o próximo relato. Vista para o Vale dos Quilombos Andando por Canela e Gramado a pé Andando por Canela Lago Negro Lago Negro Andando por Gramado Fonte do Amor Eterno Termômetro em Gramado Rua Coberta Igreja de Pedra de Canela Lago São Bernardo Lago São BernardoParque das 8 Cachoeiras e a MarshaParque das 8 Cachoeiras Café Colonial Bela Vista Parque do CaracolParque do Caracol Parque do Caracol Pelas ruas de Canela ao entardecer Cânion FortalezaCânion FortalezaCânion FortalezaCânion Fortaleza Cânion Fortaleza Amigos que encontramos pelo caminho Nova Petrópolis - Praça das Flores Próximo ao Cânion FortalezaInício do Caminho até o Cânion Fortaleza Cânion Itaimbezinho após 3 km de Caminhada Cânion Itaimbezinho Indo para o Cânion Fortaleza Cânion Itaimbezinho
  5. ROTEIRO À PÉ: RIO GRANDE DO SUL: Portão Bom Princípio Carlos Barbosa Garibaldi Bento Gonçalves - Vale dos vinhedos Bento Gonçalves - Pinto Bandeira Bento Gonçalves - pela cidade Bento Gonçalves - caminho de Pedras Caxias do Sul - flores da Cunha Caxias do Sul - estrada dos imigrantes Nova Petropolis Gramado - Natal de Luz Canela - Cachoeira do Caracol Gramado - pela cidade (parques, centro) Santa Maria Herval Picada Café Ivoti Sapiranga Três Coroas São Francisco de Paula São Francisco de Paula (parques, lagos e pela cidade) Tainhas Cambará do Sul Cambará do Sul - Canyon Itambezinho Cambará do sul - canyon Fortaleza Torres - praia SANTA CATARINA: Praia Grande - descida Serra do faxinal Balneário Gaivota - Praia Balneário arroio do Silva - Praia Balneário Rincão - Praia Balneário corrente - Praia Farol de Santa Marta - Praia Laguna - cidade histórica + Praia Orleans Guatá (distrito de Lauro Muller) pé da serra do Rio do Rastro Bom Jardim da Serra ROTEIRO DE ÔNIBUS : São Joaquim Urubici Bom Retiro Lages Fraiburgo CONTINUAÇÃO À PÉ SANTA CATARINA: Videira Treze Tílias Água Doce Jaborá Concórdia Seara Chapecó PARANÁ (ÔNIBUS): Curitiba Paranagua Morretes QUILÔMETROS /DIAS: +- 1.300 kms em 53 dias PESSOAS: No planejamento da viagem nossa preocupação era de como seríamos recebidos nas pequenas cidades, visto que algumas delas não tinham vocação turística, e "mochileiros"poderiam ser "novidade". Mas, essa preocupação foi rapidamente deixada de lado. Fomos recebidos muito bem em todos os lugares (exceto dois episódios, que não afetou em nada nossa caminhada). Ficamos impressionados com a educação e o acolhimento da população do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, sempre solícitos às nossas demandas. Poxa, que saudade de tudo aquilo, em breve voltaremos. CIDADES: Praticamente todas as cidades desse roteiro tinham pousada ou hotel, somente o distrito de tainhas-SC não tem, somente restaurante (mas esse trecho tem serviço de ônibus intermunicipal). ESTRADAS: Optamos em fazer pelas estradas asfaltadas(alguns trechos fizemos em estrada de terra), pois não conseguimos informações sobre estradas secundárias nesta região. COBRAS: Nunca vimos tantas cobras como na serra Gaúcha, teve dia que vimos umas 5, quase minha esposa pisou numa em uma rodovia asfaltada. Elas ficam enroladas na pista de rolamento, é normal vê-las todas esmagadas por veículos, ficam parecendo um desenho no chão (pois vários veículos passam por cima). ANIMAIS SELVAGENS: Outra coisa que nos chamou atenção, vimos muitas espécies(raposa, cobras, tatu, macacos, roedores, porco espinho etc) passando lentamente perto de nós. PRECONCEITO: Tivemos um fato lamentável num hotel fazenda. O gerente nos recebeu num descaso tremendo, nem respondia nossas perguntas, foi preciso a intervenção de uma funcionária para resolver a situação (quase mandei o cara a pqp), o infeliz está no lugar errado. O outro caso foi mais leve, mas fiquei puto. Tirando isso, foi muito tranquilo ser mochileiro naquela região, muito tranquilo mesmo. PREÇOS HOTÉIS: Variou de $25 a 95 por pessoa (mas a crise pegou todo mundo ), em alguns lugares priorizamos ficar em lugares melhores, Sempre pechinchamos os preços, na maioria dos casos conseguimos descontos, principalmente à vista. Não fizemos nenhuma reserva, foi muito tranquilo. PREÇOS REFEIÇÕES: variou de $10 a $35 por pessoa à vontade. Peso : de $20 a $44 o quilo. Obs.: em média coloque $22 por refeição sem bebidas. ABUSO CONTRA TURISTA: Só tivemos alguns casos de abuso, mas nada gritante: Você chega em duas pessoas e pede somente um cafezinho pequeno, o cara trás dois grandes (claro, mais caro) e na maior cara de pau diz que pedimos dois. Isso aconteceu nuns 5 lugares na serra gaúcha, lamentável! Obs.: para nos proteger disso, fazíamos assim: chegávamos nos caixas do estabelecimento e pagava antecipadamente, acabou o problema. CARONA: precisamos pegar carona em algumas oportunidades, e foi até tranquilo conseguir. .fomos ao canyon Itambezinho e no Fortaleza à pé, e voltamos de carona, foi tranquilo. .quando visitamos uma cachoeira em Cambará do sul, fomos à pé e voltamos de carona ( neste dia pegamos três, cada um nos levou num pequeno trecho). .dividimos o trecho entre Seara e Chapecó-SC em dois, como o ônibus demoraria muito, resolvemos ir de carona, demorou uns 40 minutos para aparecer. SEGURANÇA: Em momento algum tivemos problema, somente em Porto Alegre (visita ao mercado central que nos orientaram a ter cuidado), mas os moradores de PA estão preocupados. .na saída de Caxias do Sul, saída para estrada dos imigrantes tem um lugar que me pareceu inseguro, mas nada complicado. NEGOCIAÇÃO HOSPEDAGEM: Sempre negocie, em alguns casos conseguimos descontos de 10% abaixo dos sites de hospedagem. Principmente nesta crise, em alguns casos somente nós dois estavam hospedados no hotel.
×
×
  • Criar Novo...