Ir para conteúdo

Posts Recomendados

  • Membros

DIA 02 - 30/01/2023:  SALAR DE UYUNI, O GIGANTE DE SAL.

 

DB5C745C-C6AE-4736-88A8-C76826E2D9FE_1_105_c.thumb.jpeg.af412d09e23c85d3e207c63f24cb68b7.jpeg

 

 

 

Chegamos em Uyuni por volta das 07 da manhã. Na parada do ônibus ficam diversas pessoas, principalmente senhoras, oferecendo passeios e café da manhã. Acompanhamos uma senhora que achamos muito educada, fomos até o estabelecimento, tipo restaurante e tomamos um café bem farto. Como já havíamos feito contato com  a agência de turismo TOURS TRANS ANDINO, cuja opção foi as avaliações na internet, nos dirigimos a ela e fechamos o passeio de 3 dias e 2 noites no salar. Pagamos 850 bolivianos, já incluso o transfer a São Pedro do Atacama no Chile, nosso próximo destino. Deu tempo de tomarmos um banho quente, pelo qual pagamos 20 bolivianos individual e ainda cambiar os valores que iríamos gastar nos passeios e também compramos 07 litros de água. As 11:00 hs fomos apresentados ao grupo: 06 pessoas, sendo IRIS da Bélgica 🇧🇪 PAULINA da Alemanha🇩🇪 CAMILO E CATARINE da Colômbia 🇨🇴 e o guia ÁLVARO.

Nossa primeira parada foi no cemitério de trens, que é um lugar onde tem vários trens abandonados. Simplesmente um ferro velho de trens enferrujados, que virou atração turística.

BE733881-06DE-4F19-8484-5A3EBD6F8485_1_105_c.thumb.jpeg.1c9df678682d30349736eeea8f16a65a.jpeg

Cemitério de trens - Uyuni - Bolívia

 

Depois seguimos para uma fábrica de sal, onde nos foi mostrado as etapas de produção do sal que é abundante na região. O curioso é que se faz blocos de sal que pesam em torno de 15 kilos  para serem usados em construções, além de diversos objetos de  artesanato e esculturas. Dali seguimos para a entrada do Salar, onde tivemos o primeiro contato com o deserto e mais adiante paramos no monumento DAKAR BOLÍVIA e MONUMENTO DAS BANDEIRAS - e a do nosso estado - o Espirito Santo estava lá. Somos capixabas da cidade de Mimoso do Sul.

1430A3DA-CEED-4E5D-93D5-67F33B2D434F_1_105_c.thumb.jpeg.fc78ceb7d5d5e53ea820a5890db8ab5b.jpeg

Bandeira do Estado do Espírito Santo no Salar do Uyuni

 

Ali tem um restaurante de  sal onde almoçamos, cujo cardápio servido foi: kinoa, salada e carne de lhama, que experimentamos pela primeira vez. Achamos assim meio sem gosto, mas deu para matar a fome. Então fomos adentrando pelo deserto e fazendo paradas estratégicas para fotos. Nesse momento era somente nosso grupo e o deserto. O contato com aquela imensidão branca, que para os olhos se torna infinita,  nos encheu de emoção, causando uma  sensação única de ver as maravilhas que Deus criou.

 

Salar de Uyuni

 

 

 

 

  • Seguindo pelo Salar, chegamos a uma das muitas ilhas do deserto, a Isla Incahuasi, basicamente repleta de cactos  gigantes. Paga- se 30 bolivianos para entrar na ilha. Eu e Daniel não achamos tão interessante e ficamos na lanchonete tomando uma cerveja. Adiante paramos ao entardecer, onde brindamos esse momento com vinho e petiscos. Foi lindo!  Depois de percorrer por mais de uma hora pelo salar, chegou o momento de nos despedirmos e seguir para o alojamento, que uns chamam de hotel,  onde pernoitaríamos. Chegamos  por volta das 21 horas. Curiosidade: o hotel com paredes, camas, mesas e chão todo de sal. Muito simples e acolhedor. Jantamos e fomos dormir. O cansaço nos pegou de surpresa.

INN: A beleza e imensidão do deserto de sal.

OUT: Banheiros de restaurantes e hotéis não tem papel higiênico.

DICAS: Levar água para se hidratar e papel higiênico.

 

DIA 03 - 31/01/2023:  VULCÕES, LAGUNAS, ÁRVORES DE PEDRA, GEISERS e ÁGUAS TERMAIS

 

Tomamos café e às 7:00 já estávamos de saída. Após alguns quilômetros percorridos, nosso carro furou o pneu. Todo os carros que iam no mesmo percurso foram parando e prestaram ajuda, demonstrando a união entre os motoristas bolivianos que fazem esse trabalho. Voltamos a comunidade mais próxima para consertar o pneu e seguir viagem.

A3939932-4513-4BA3-91DF-EE9A4AE347E1_1_105_c.thumb.jpeg.000a5f63510685144fed752f04c9e7c1.jpeg

No caminho tinha um prego e furou o pneu. O Dino é apenas alegoria kkkk

 

 

Nossa primeira parada foi no mirante do Vulcão Ollague, que infelizmente não deu para observarmos bem devido às nuvens. Daniel experimentou um sanduíche de chorizo de lhama e aprovou.

5D52BD3B-9DF7-485D-9BEB-B934E0F33E42_1_105_c.thumb.jpeg.df5784439f200a5dfed6a0d0676b993e.jpeg

 

Continuamos subindo pelos altiplanos até chegar a primeira laguna repleta de flamingos e dali em diante seguimos para a segunda, onde almoçamos ao ar livre de frente para a laguna. Nos foi servido frango assado, salada, talharim e uma fruta de sobremesa.

709DE180-5541-4721-AE56-1F1E8DFDD79A_1_105_c.thumb.jpeg.91ff83f87ee36b929d03391a136d8c4f.jpeg

  • Almoço ao ar livre tendo a laguna como companheira

 

De volta a estrada, e diga-se de passagem, as estradas são péssimas devido a geografia do terreno, com muitas pedras, terrenos irregulares e a gente chacoalha muito. Fomos passando por diversas lagunas até adentrarmos pelo Deserto de Siloli, com suas formações rochosas ( em forma de animais, aves, árvores)que continuam se transformando com o passar dos anos, além de encontrarmos animais típicos da região, como lhamas, alpacas, viscacha (lembra o coelho). Atingimos o ápice da altitude que chegou a 5.000 metros. Depois do jeep percorrer o deserto vermelho, chegamos a Laguna Colorada com seus flamingos em tons rosados. É a mais bela de todas as lagunas do nosso passeio. Ali permanecemos em êxtase admirando aquela paisagem digna das telas de computador. Muitas fotos e vídeos depois chegou a hora de irmos em busca dos Geisers del Sol de la Mañana. Pausa para entender e admirar o fenômeno espetacular da mãe natureza.

 

E951EF1D-5FB5-4B6B-A095-ACEAAC35D3D3_1_105_c.thumb.jpeg.aebde5f2772777c28aa07688988b2215.jpeg

Laguna Colorada - simplesmente linda demais!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Caminhamos por entre crateras fumegantes cheias de lama fervente e fumarolas. Pé na estrada para chegarmos as Termas del Polques, onde iríamos pousar. Chegamos por volta das 20 hs. Jantamos uma sopa como entrada e o prato principal, um espaguete a bolonhesa, acompanhados por um bom vinho. Nos trocamos e fomos nos banhar nas águas termais a 38° centígrados. Difícil mesmo foi chegar até lá, pois o frio penetrava até os ossos. Depois de um bom tempo nas águas, um rapaz desesperado pede socorro médico para uma senhora passando mal. Daniel imediatamente vai verificar o ocorrido e presta os primeiros socorros e dentro de alguns minutos fica tudo bem com ela. Foi apenas uma queda da pressão arterial. Eram quase 23 hs e fomos para o alojamento. Detalhe: a energia elétrica é mantida via gerador e por volta das 23 hs é desligada. Então, a noite virou breu, frio intenso e um grande silêncio nos fez adormecer como crianças. Momentos mágicos.

 

INN: A beleza rara da Laguna Colorada.

OUT: As estradas - verdadeiras trilhas - sem sinalizações, pedras soltas e muitos solavancos.

DICAS: Não se aventure a fazer o passeio com carro particular, pois o risco de se perder é enorme. Não tem sinal de GPS. Sem ajuda de um profissional, vai dar ruiiiim!

  • Vou acompanhar! 2
Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Silnei featured this tópico
  • 2 semanas depois...
  • Membros
Em 10/09/2023 em 11:29, danielbotelho23 disse:

DIA 04 -  01/02/2023: ADEUS BOLÍVIA  E RUMO AO CHILE🇨🇱

 

Acordamos as 6:20 hs e todo mundo estava se sentindo mal, alguns com náuseas, sensação de plenitude gástrica e outros com dor de cabeça. Daniel estava com muita dor de cabeça e tomou remédio . No caminho para a fronteira, visitamos o deserto de Salvador Dali, cercado  por vulcões, e as Lagunas Esmeralda e Blanca.

IMG_5497.thumb.jpeg.3cc0a08e55d2da66a4fabf061a941867.jpeg

Na fronteira, toda aquela burocracia para sair da Bolívia, preenchendo o formulário de saída e mais adiante preenchendo o formulário de entrada no Chile, passando pela aduana , com carimbo no passaporte e revista nas mochilas.

IMG_5521.thumb.jpeg.3855862b8f587cb8325d817aeafbfd9f.jpeg

Posto de imigração boliviano

 

Essa brincadeira nos consumiu mais de 01 hora de parada. Despedimos do nosso guia e de Iris, que retornou a Uyuni. Agora seguimos em 05 no grupo. No caminho com a van, ja sentimos a diferença do Chile para a Bolivia , uma vez que as estradas agora eram asfaltadas e bem sinalizadas. Daniel ia se sentindo bem melhor durante o caminho , pois descia muito , Sao Pedro se encontra a “ apenas “ 2500m. Chegamos por volta das 12 hs. Fomos almoçar e depois procurar um local para nos acomodar, pois  eu e Daniel não tínhamos reservado acomodação. Nos hospedamos no hostel Mama Tierra. Depois de uma boa ducha e descansar um pouco, fomos conhecer a cidade e programar os passeios. A noite já se aproximava e então, aproveitamos para tomar um chopp acompanhado por uma tábua de carne no restaurante Casa de Piedra. Conversamos bastante e fomos e embora dormir.

 

Detalhe: Eu, que sempre gostei de me programar e ter tudo organizado, estava começando a quebrar paradigmas.

 

DIA 05 - 02/02/2023 - A VIBE DE SÃO PEDRO DE ATACAMA

 

Levantamos mais tarde, lá pelas 9 da manhã. Depois do café, arrumamos mochila e mudamos de hostel; pois o anterior estava muito caro pelo que oferecia. Também sem nos programar, nos hospedamos no Hostel La Florida, bem próximo à Rua Caracoles - a principal rua de São Pedro. Deixamos 2,5 kg de roupa para lavar numa casa que tinha esse serviço. Preço por quilo: 2.500 pesos. Contratamos um tour de bike para conhecer o vale Garganta Del Diablo com guia por 50.000 pesos para nós dois. Almoçamos  num restaurante pertencente ao hostel e pagamos 7.000 pesos por pessoa. Comidinha simples e farta que aprovamos. Por várias horas a cidade parou para ver um desfile com diversas bandas, danças e alegorias típicas andinas. O calor era intenso.

 

 

Desfile pelas ruas de São Pedro de Atacama sob sol escaldante

 

IMG_5541.thumb.jpeg.67e09e87595bcc89acddd326b8ea5eb5.jpeg

Às 16 hs fomos de bike fazer o tour até a Quebrada Del Diablo, em torno de 18 km ida e volta. Fomos conduzindo as bikes por dentro dos cânions, literalmente garganta a dentro, passando por baixo de enormes paredões,desfiladeiros estreitos  até chegar num ponto onde deixamos as bicicletas. Iniciamos trilha de difícil acesso desfiladeiro acima até chegarmos ao mirante no ponto mais alto a 2.500 metros de altitude.

 

IMG_5586.thumb.jpeg.cc9bbb30ca52a37b6545fe2027832d25.jpeg

O visual é lindíssimo, pena que começou a chover, isso mesmo, chovendo no deserto, e tivemos que descer antes do esperado. Chegamos as 19 hs no hostel, fomos tomar um banho e relaxar um pouco. Saímos e degustamos a cerveja ESCUDO, típica chilena, que vem num litrão de 1,2 litros. Gostamos!

 

Detalhe: A cidade fica repleta de turistas todos os dias, muitos jovens, mochileiros que circulam num vai e vem interminável pelas ruas de terra.  Aqui se juntam todas as tribos. Há uma mistura de idiomas, uma energia pulsa no ar. Barzinhos descolados e vários restaurantes dão o toque de magia. Por volta das 23 hs a cidade adormece.

DICAS: Se for subir ao mirante da Garganta  Del Diablo, vá com calçado apropriado, pois a trilha é muito íngreme e irregular. Qualquer escorregão pode trazer sérias consequências desfiladeiro abaixo. É sério!

 

O vein tá on - subida da trilha

Acompanhando o relato! Deve ter sido magnífico fazer essa viagem "Pai e Filho"...Embarco nessa aventura agora dia 02 de outubro e não vejo a hora....

  • Gostei! 1
Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa

Você pode postar agora e se cadastrar mais tarde. Se você tem uma conta, faça o login para postar com sua conta.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emojis são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.

×
×
  • Criar Novo...