Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Posts Recomendados

Fala aí, pessoal!

Queria compartilhar com vocês o vídeo blog que eu fiz da expedição para a Canastra que fizemos no começo do ano.
Foi uma expedição de cinco dias, incluindo nossa ida de Atibaia e também o dia de volta. Percorremos na Serra da Canastra quase 400 quilômetros de estradas de chão em alguns trechos bem complicados, na Serra Branca.


O trajeto foi:
Atibaia para São João Batista do Glória,
São João Batista do Glória para São José do Barreiro (via Vale da Babilônia e Serra Branca),
São José do Barreiro para São Roque de Minas,
São Roque de Minas para Cássia (Via condomínio de Pedra, Delfinópolis),
Cássia para Atibaia.


Conhecemos ainda a Casca D'Anta (parte baixa e parte alta), a nascente do Rio São Francisco, a linda cachoeira do Fundão, os famosos currais de pedra, além da garagem de pedra. 


A viatura da viagem foi uma Toyota Hilux SR5 2000! Ao longo do vídeo eu passo várias dicas. Espero que gostem. Para os que tiverem uma disposição maior já me dá uma ajuda e se inscreve no canal: https://goo.gl/3oUPyC :D

 

 

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Muito Bom!!!

Em Julho 19, quero ir conhecer. Vou sair de S.Luis MA, de Jipe Band e quero atravessar de Delfinópolis / S.Roque pela estradinha do céu. Gostei da dica do S.José do Barreiro, vou trocar S.Roque por esse local (Pernoite), assim como vou tentar incluir esse trecho pela Serra Branca  / S João Batista da Gloria. 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

  • Conteúdo Similar

    • Por losestradeiros
      Olá!
      Nós somos Los Estradeiros, dois grandes amigos viajando das mais diversas formas por esse Brasil afora. As vezes de fusca, as vezes de moto, as vezes de a pé e por ai vai. Viajamos SEMPRE com pouca grana, SEMPRE em busca de novas experiências, aprendizados, bons momentos, enfim tudo que a vida tem de bom pra nos mostrar. Temos um sonho de cair na estrada para viver uma longa aventura sem data para terminar. Nos ajude nessa, se inscreva no nosso CANAL NO YOUTUBE, somos meio malucos, mas muito divertidos  https://www.youtube.com/c/LosEstradeiros  SPOILER: Em nosso canal você vai encontrar VLOG's das nossas viagens, desafios em viagens (como: viajar de apé, viajar de bike), e uma série de comédia, onde nós somos 2 personagens vivendo as situações mais absurdas que você pode imaginar, cinemão de comédia mesmo. Enfim, tem muita coisa boa lá, não deixe de se inscrever 
      Acesse nossas outras redes sociais: linktr.ee/losestradeiros
      Nossos relatos são DIÁRIOS das nossas viagens, ricos em detalhes das nossas EXPERIÊNCIAS pessoais, perrengues, momentos divertidos e também informações dos lugares que passamos e os CUSTOS da viagem.
      O relato de hoje vai ser sobre uma viagem que fizemos de FUSCA pela Serra da Canastra MG, nessa viagem conhecemos:
      - Paraíso perdido;
      - Capitólio;
      - Cachoeira Casca D'anta (parte alta e parte baixa);
      - Piscinas naturais da região;
      - Cachoeira do grotão.
      Ao todo percorremos 906km pela região, GASTAMOS UM TOTAL de R$ 844,20 (Sendo: $400 com gasolina, $78,2 com pedágios, $116 com mercado, $150 com camping, $80 no paraíso perdido e $20 na casca d'anta).
      Para garantir o melhor custo dormimos alguns dias em postos de gasolina e outros em um camping em São José do Barreiro MG, fizemos nossa comida todos os dias.
      Nessa playlist estão os 4 episódios dessa viagem: 
       
      DIA ZERO (19/07/19)
      Tivemos um dia cheio, Gabriel em seu último dia de trabalho pré férias e eu passei o dia organizando as coisas da viagem e o logo do canal "Los Estradeiros", até aí tudo correndo como planejado. Bom, vou começar a nossa história indo direto para o final do dia. Por volta de 19:30, fui para casa do Gabriel buscá-lo, na volta estávamos indo em direção ao posto de gasolina, ainda perto da casa do Gabriel eis que a gasolina do Billy (o fusca) acaba (isso porque na hora estávamos falando sobre gasolina, coincidência ou não, não sei). Bom, tivemos que dar um jeito de voltar pra trás, Gabriel pegou sua moto e foi até o posto buscar gasolina.
      Depois de muito esforço finalmente conseguimos abastecer. Fomos para casa, chegando lá, mais um perrengue, a gasolina vazou por cima do tanque, tivemos que tirar um pouco em um galão para parar o vazamento. Feito isso organizamos as coisas no carro, jantamos e por volta de 1 am finalmente dormimos.

      DIA 01 (20/07/19)
      Acordamos as 5:30 am, tomamos aquele café top e as 7h saímos de casa, nosso destino é Paraíso Perdido em MG, após longos 310 km finalmente chegamos, sem nenhum problema com o Billy.
      Ao chegar no paraíso, descobrimos que teríamos que pagar, $40 por pessoa (valor fora de temporada), acabei induzindo o Biel a aceitar, pelo lado financeiro não foi nada bom, vamos ter que apertar os cintos, mas por outro lado, que lugar incrível. Grandes cânions em volta, muitas pedras e água para todo lado, várias quedas d'água, um verdadeiro paraíso.


      No final do dia, por volta de 18h, tomamos um banho e saímos do local, viemos em direção ao posto sul de Alpinópolis MG, e por aqui ficamos, fizemos nossa comida em baixo da janela do banheiro e por aqui dormimos por volta das 22:30.



      DIA 02 (21/07/19)
      Acordamos por volta de 5:30 am, tivemos uma péssima noite, porém dormimos mais do que na noite anterior. O carro é muito apertado, mas conseguimos nos ajeitar. Levantamos, tomamos um café da manhã, usamos o banheiro e as 7h saímos em direção ao nosso camping em São José do barreiro, camping tio zezico.

      Fizemos uma parada no meio do caminho no cânion de Capitólio, mas não sabemos se paramos no lugar certo. Nossa segunda parada foi na cidade de Piumhi para sacar dinheiro, uma cidade pequena mas com uma boa estrutura, porém toda cidade coberta de paralelepípedos. Chegando lá, encontramos um Bradesco e conseguimos sacar. De lá partimos para nosso camping, mais alguns km de estrada asfaltada, após passar por Vargem bonita só terra, estrada toda desnivelada, 20km de terra, após 150km finalmente chegamos no nosso camping, bem próximo a cachoeira casca dantas, um lugar muito bonito.

      O camping é muito simples, diária de 25 reais por pessoa, 2 banheiros (um deles falta telha) e uma grande área para acampar. Paramos o Billy e acampamos ao lado do rio São Francisco. Montamos nossa barraca, fizemos uma cozinha com pedras, pedaços de árvore e um plástico para evitar vento (a ideia mais sem sentido de toda viagem). Depois disso fomos conhecer as piscinas naturais que tem ao lado do camping.

      Passamos o dia mais tranquilos, ao final da tarde tomamos banho, por volta de 20h jantamos um Miojo top, depois jogamos um pouco 21 e logo pelas 22h fomos dormir.

      DIA 03 (22/07/19)
      Planejávamos acordar às 7:30, porém perdemos a hora, acordamos por volta de 9:30. Fizemos um café rápido, tomamos e fomos em direção a cachoeira casca d'anta.

      A cachoeira fica a 2km do nosso camping, fomos de a pé, chegando lá mais uma parte do nosso suado orçamento ficou na portaria, $20 para entrar.
      Fomos em direção a parte baixa da cachoeira, caminhada tranquila, 700m da portaria, um lugar incrível, a cachoeira é muito alta, a mais alta que já vi.


      Saímos de lá após um tempo e fomos em direção a parte alta, e dale subida, 3km só subindo, muita terra, pedra, mato, barro e tudo que mais se pode imaginar.

      Cansamos muito, paramos algumas vezes, escorregando outras, mas após 1h30min chegamos lá, na parte alta um rio se forma antes das quedas, de lá se vê tudo, montanhas, até são José do barreiro se vê, bem pequena a cidade. Vimos até nosso camping, bem pequeno lá de cima.



      Ficamos um pouco por lá, gravamos algumas story no Instagram, para falar da história do nosso projeto (canal no YouTube Los Estradeiros), recarregamos as energias e voltamos.
      Demoramos cerca de 1h para descer, escorregamos algumas vezes, mas não caímos. Após chegar lá em baixo comemoramos muito, mas nossos pés estavam fritando.
      Saímos de lá, tentamos pegar sinal no celular, mas nada, seguimos e já a noite chegamos no camping. Tomamos um banho, jantamos, enquanto jantávamos um rato quase subiu na minha perna, foi tenso. Após isso ficamos um pouco no fusca e por volta das 23h dormimos. Hoje está mais frio.
       
      DIA 04 (23/07/19)
      Acordamos por volta de 9:50, tomamos um café da manhã e fomos andar um pouco pela estrada, pegamos um pouco de internet, publicamos as fotos no Instagram do canal e seguimos pela estrada, mais a frente paramos em uma espécie de mirante e lá ficamos por um tempo, só pensando na vida.
      Passado um tempo um carro parou por lá, eu achei que tinham me chamado e fui até eles, mas eles só estavam vendo a cachoeira, eles riram de mim, o Gabriel riu muito, logo voltamos para o camping.
      Logo depois fomos almoçar. Hoje o almoço demorou um pouco mais, terminamos por volta de 16h. Lá pelas 17h demos um pulo nas piscinas naturais.

      As 18h voltamos e fomos tomar banho, depois do banho ficamos no fusca trocando ideia, quando de repente apareceu um cachorro chorando aqui. Passado um tempo projetei a luz da lanterna pela janela para fora do carro para procurar o cachorro e ele estava bem perto da janela, tomei um baita susto, o Gabriel riu muito.
      Após isso fomos jantar, comemos um miojo e voltamos para o Billy, ficamos conversando um pouco, jogamos um 21 e por volta de 22:30 fomos dormir.
       
      DIA 05 (24/07/19)
      Acordamos as 9h, tomamos um café, depois do café fomos arrumar o telhado do banheiro do camping (negociamos com a Neusa, a dona do camping a diária do dia seguinte, pois não teríamos grana para pagar). Logo depois fomos para a estrada pegar um sinal de internet.

      Depois voltamos para o camping e fomos para as piscinas naturais (descobri que o rio que passa ao lado da nossa barraca é o da Lagoinha). Ficamos um tempo na piscina, nadamos um pouco, o Biel ficou peidando na água (fazendo bolinhas), depois de um tempo voltamos para o camping para almoçar.


      Após o almoço arrumamos as coisas no carro e saímos para ver o pôr do sol no mirante.

      Após isso voltamos, tomamos um banho, gravamos o vídeo de apresentação do canal e fomos fazer a janta. No meio da janta o Biel lutou contra dois mosquitos gigantes enquanto eu protegia o molho e as salsichas, após isso ficamos tirando algumas fotos do céu e por volta de 22:30 dormirmos.
       
      DIA 06 (25/07/19)
      Acordamos as 5:30 AM, hoje tivemos um dia cheio. Após acordar arrumamos as coisas, tomamos um café e saímos do camping.
      Fomos em direção a Capitólio, chegando na cidade ficamos um pouco na lagoa principal, logo fomos conhecer a Prainha artificial, porém não é um lugar muito legal, um pouco sujo. Após isso fomos atrás de um adesivo da cidade, mas sem sucesso. Paramos na matriz e procuramos algum lugar para passar o dia, até que encontramos a cachoeira do grotão, que se dizia ser gratuita em um site, fomos até lá, cerca de 18km da cidade, sendo 12 de terra, chegamos lá, a novidade, tinha que pagar $15 por pessoa, ficamos tristes pois não tinhamos a grana, como já estava perto do almoço ficamos na portaria e íamos fazer comida por lá.

      Até que de repente chega um senhor em uma Mobilete (o Pezinho), disse que era o dono, logo começando a conversar com ele, fizemos amizade, expliquei a situação que estávamos sem dinheiro, ele, por ter gostado de nós, liberou nossa entrada de graça.


      Almoçamos por lá, passamos o dia, logo a tarde pezinho voltou, ficou um tempão lá conversando com a gente, muita conversa boa, na despedida ele explicou um caminho melhor para nós e seguimos, no caminho tinham uns bois e vacas na estrada, mas conseguimos passar.
      Paramos no mirante dos canyons de Capitólio (não entramos porque tinha que pagar), de lá fomos até o posto sul (o mesmo que dormimos no primeiro dia). Após um tempo lá resolvemos ir até a loja que tem em frente ao posto, uma loja de doces, queijos, etc Experimentamos uns doces, e TODAS as cachaças q tinham lá, saímos meio bêbados e não gastamos nada. Ficamos no carro conversando até a noite, depois jantamos, comemos uns chocolate e dormimos por volta de umas 23h.

      DIA 07 (26/07/19)
      Acordamos no posto por volta de 5:20, tomamos café, ganhamos um café preto da galera do restaurante. Por volta de 7h saímos. Chegamos em Jaguariúna as 11h.
       
      E assim termina essa longa viagem, foram 7 dias muito intensos pela serra da canastra, dias de novas experiências, de explorar novos horizontes, de fazer novas amizades.
      E assim fica a lição, permita-se, de a você esse presente de viver novas experiências, viver coisas que nunca imaginou, a felicidade está nas pequenas coisas e é isso que levamos dessa vida.
      Até a próxima  






    • Por Carlosfuca
      Rancho Wind Inn e Cachoeiras do Túnel e Itagyba em Delfim Moreira - MG
      Feriado de 15 novembro, previsão de tempo bom, então bora viajar! Dessa vez o convite veio do meu primo Fepa. O destino seria Delfim Moreira em Minas Gerais, lugar ao qual o Fepa já havia visitado outras vezes e sempre me relatava o quão bom era lá. Lugar de pura paz e boa vibe em meio à roça do sul de minas gerais. 
      Delfim Moreira se situa na Região de Itajubá e fomos de carro seguindo pela via Dutra e um trecho da Carvalho Pinto. Foi uma viagem de um pouco mais de 4 horas de duração saindo de São Paulo, capital. Passamos então por Arujá, Jacareí, Taubaté, Aparecida, Guaratinguetá, Loreta e já perto de Delfim Moreira, fizemos uma pausa pra lanche em Piquete. 
      Lanchonete bem legal e com lanches bons, assim já juntamos meio que um café da manhã e um pré-almoço. Não me recordo o nome da lanchonete agora, mas é bem na entrada da cidade. Logo depois, a subida da serra começou e assim pudemos ir apreciando cada vez mais o visual da serra abaixo. O Rancho Wind Inn se encontra a 2km do centro de Delfim Moreira e ao chegarmos fomos recepcionados pelo Tuia, dono do estabelecimento.
      O Rancho Wind Inn inspira tranquilidade desde o primeiro contato, é composto por algumas Casinhas da Roça e uma área para Camping. Por vezes, funciona o Bar do Vento, com seu ambiente meio rural e meio alternativo, uma ótima pedida pra curtir e relaxar numa roda de amigos onde se flui boas vibes e bons papos. Tem área para fogueira num ambiente bem arborizado, com flores e uma vista para as montanhas. Mas, para além de tudo, existem dois diferenciais, uma vitrola onde se pode ouvir diversos discos com música boa e variada. Outro diferencial é o atendimento do Tuia, que nos deixa bem à vontade com sua recepção. Paguei no camping R$45,00 (nov/19) onde se teve incluso um café da manhã mega especial com produtos frescos diretamente da roça!  
      Mapa da Entrada pra estrada do Rancho: https://goo.gl/maps/sJYYsiPPjY7nW3Lo9
      Página do Rancho: https://www.facebook.com/Rancho-Wind-Inn-1000026003472797/
      Foram duas noites que se passaram voando, no entanto, conseguimos nos carregar com um pouco dessa atmosfera rural do sul de minas. No primeiro dia nos pusemos a relaxar no próprio rancho, só saímos mesmo pra dar um rolê pela cidade e almoçar. Um almoço super bom, saboroso e de tempero tipico de minas. (R$15,00) foi onde almoçamos nesses dois dias.
           
      Legenda: visual dos arredores - Legenda: corte de cabelo
           
      Legenda: vários discos e paz - Legenda: Caminhada na cidade
      No segundo dia acordamos cedo, a mesa já estava forrada com muitas delicias para o café da manhã. O sol já pairava lindo sobre nossos corpos e por toda extensão de Delfim, daí então foi a pedida para fazermos um rolê pelas cachoeiras mais próximas. O Fepa estava no comando do roteiro, pois ele era o conhecedor da região, e assim ele decidiu visitar primeiro a Cachoeira do Túnel. Distante uns 8km do camping, ao sair da estrada que leva ao rancho, dobramos a direita para acessar uma estrada de terra e numa bifurcação à esquerda seguimos o trecho último até a cachoeira. Nessa bifurcação contem uma placa, é bom manter a atenção. Para melhor orientação segue o link do google 
      maps: https://goo.gl/maps/t9p4CxrWCzF9a8Rj9 
      Ao chegarmos no ponto certo, exitem duas trilhas a se seguir, é bom fazer as duas, uma de cada vez. Nosso caso fomos no da direita primeiro, que é uma queda maior e não chega a passar pelo túnel, já na segunda queda, no qual pegamos a trilha da esquerda da estrada, lá sim tem que se passar por um túnel, é um trajeto curto, mas que é bom fazê-lo bem de boa. Ambas as quedas são ótimas para banho, volume bem tranquilo das águas e é possível também se refrescar sob a cachoeira de fato. Renovador e massageador natural e de graça. é só preservar para manter, na nossa experiência trombamos uma área bem limpa, e tomara que as pessoas que frequentam mantenham essa premissa.  
           
      Legenda: Cachoeira do Túnel - Legenda: Lado oposto cachu do túnel
           
      Legenda: a pose dos primos - Legenda: após atravessar i túnel
      Em seguida, partimos para a Cachoeira Itagyba, agora então voltamos sentido o centro da cidade e de lá tomamos o caminho de 1km até a porteira da cachoeira. Nessa trilha logo se aparece diversas placas de propriedade particular (Fazenda Bartira), e assim parte da trilha estava bloqueada, pudemos ver a cachoeira de longe e mesmo assim não íamos nos banhar nela pois possui um volume bem forte de água, todo cuidado é pouco. Ficamos nos perguntando e levantando respostas sobre o que deveria ter acontecido para o bloqueio. No almoço, foi nos informado que algumas pessoas estavam fazendo churrasco na beira da cachoeira e de seu leito, assim tentaram inibir de alguma forma essa prática. Contudo, a queda é bem linda e dá uma dimensão da força da natureza. 
      Mapa: https://goo.gl/maps/GEm5wrTTPBZLeAoz6
      Nosso rolê estava feito, agora mais do que nunca aquele ambiente do Rancho Wind Inn nos cairia como uma luva para passar uma tarde e noite de muita paz com os amigos de verdade! Não preciso nem falar que esse tipo de rolê fica marcado de fato por um longo tempo. Essa é minha busca na vida, na medida do possível viver dias agradáveis pode ser fruto de muita reflexão e saber o que se quer para a vida. Por vezes vale parafrasear o ditado popular de alguns mochileiros: viajar não é gasto, é investimento!
      Obs: Delfim Moreira está próximo de Marmelópolis, tenho um relato de Marmelópolis aqui, além de se ter diversas outras cachus em Delfim (Ninho da Águia, e Fazenda boa Esperança), pode-se também esticar até a cidade do Marmelo. É nóis. Bons ares!
           
      Legenda: Entrada para a cachoeira Itagyba -    Legenda: Cachoeira Itagyba
       
      Legenda: Água com seu leito Forte
       
    • Por Carlosfuca
      Luminárias: Cachoeira do Mandembe + Cachoeira Pedra Furada (ônibus e a pé)
      (02/02/2020 a 05/02/2020)
      Localizada no sul de Minas Gerais, Luminárias é um município que faz parte do antigo caminho da estrada real e possui, assim, diversas Cachoeiras cercadas por uma região montanhosa. Apesar de todo o potencial dessa cidade, não aparenta ser tão visitada quanto São Thomé das Letras e Carrancas, que são alguns municípios limítrofes, e que recebem um maior contingente turístico do que Luminárias.
      Bom, então partindo de São Thomé das Letras, eu fui fazer uma visita a esse lindo e tranquilo lugar. O transporte foi o coletivo mesmo e para ir aos atrativos eu encarei a estrada na caminhada. Numa boa, na paz! Fiquei hospedado na Pousada Vó Vevinha, no centro de Luminárias. Pra almoçar eu fui ao Restaurante Padre Bento, comida boa e é self service!
      O roteiro foi bem simples: Um dia na Cachoeira do Mandembe e outro dia na Cachoeira da Pedra Furada, lembrando que fiquei com muita dúvida pois queria ir pra região da Cachoeira Serra Grande, mas ficará pra próxima ida!
      Como Cheguei
      Embarquei no ônibus da Viação Coutinho saindo de São Thomé das Letras rumo a São Bento Abade, o horário foi o das 13h15, era domingo. Cheguei em São bento as 14h e o próximo ônibus que me levaria pra Luminárias só passava as 18h, a viação é a Trectur. Bom, aproveitei a tarde de domingo nas lanchonetes, bares e na praça de São Bento. Enfim, cheguei em Luminárias as 18h45 e a pousada já é na rua do ponto final da linha. Foi tranquilo!

      (Legenda: Cachoeira do Mandembe I - Luminárias - MG)
       
      Cachoeira do Mandembe
      Distante menos de 8km do centro de Luminárias, a Cachoeira Mandembe é linda e de fácil acesso, possui pelo menos duas quedas e alguns poços para banho. As quedas não são grandes, mas são bem agradáveis e com água cristalina. Não há necessidade de se fazer trilhas extensas, pois se está bem próxima da estrada e dos dois lados da estrada se tem quedas. Vale a pena demais. Vou dizer como foi minha caminhada até lá!
      Acordei cedo, tomei café da manhã na pousada e já segui pro destino do dia. Conferi se o celular estava com a bateria devidamente carregada, até porque o mapa da cachoeira estava nele e seria minha referência. No caso fiz umas cópias do mapa do google e de trackloc com uma aproximação bem boa pra não se perder na caminhada.
      As 08h eu passo pela placa que indica a estrada para Cruzília e Cachoeira Mandembe, na Rua Prefeito Antônio Furtado. Segui direto até chegar na Estrada do Areião, com isso já veio uma ladeira pra subir numa boa e após ter subido o morro me deparei com a primeira bifurcação, tomei à esquerda pois na direita eu iria pra estrada da torre. A partir de então começou uma descida! Nisso já era 08h40min.
           
      (Legenda: Rua Prefeito Antônio Furtado - Legenda: tomei à esquerda)
      Mais 15 minutos e encontrei outra bifurcação e tomei à esquerda novamente! Tinha até uma espécie de barricada na via da direita, acho que muita gente se perdia ali. Mas enfim, segui mais 10 minutos e tomei à esquerda novamente! Passei por umas casinhas que na ida não tinha ninguém ao redor, mas na volta eles me cumprimentaram, com aquele ar bem receptivo. Eu já tinha passado por diversos pastos, o visual das montanhas era lindo e com algumas tonalidades de verde, por vezes eu via as pedreiras trabalhando e deixando suas marcas nas montanhas! Não se passava muitos carros, passaram algumas motos e caminhões carregados de pedras.
           
      (Legenda: esquerda novamente - Legenda: outra esquerda)
      As 09h15, ou seja, 10 minutos depois da última bifurcação, eu continuei à esquerda e a partir de então segui pela estrada de terra sempre na principal até chegar numa ponte, vejam bem, ponte é ponte não é mata burro rs. Na ponte já é a Cachoeira Mandembe, daí é só escolher o lado que quiser visitar primeiro. Eu desci pra direita primeiro, depois subi pra esquerda!
           
      (Legenda: seguir direto! - Legenda: tinha uma cobra no meio do caminho)

      (Legenda: Cachoeira Mandembe, direita da ponte)
      Curti numa boa paz aquela queda, o sol começava a aparecer naquele poço, pois já se ia passando das 10h00, arrumei uma “cama” natural bem em frente a queda e lá fiquei por um tempo. Depois segui o leito do rio, que estava tão calmo e reluzia o sol numa beleza imensa, assim fui até encontra uma confluência com um rio bem turvo e então eles seguiam junto virando a direita. Voltei, e fui pro outro lado da ponte!
           
      (Legenda: placa da entrada - Legenda: parte da esquerda)
       
      Foi então que me surpreendi mais ainda, formando um poço enorme e muito cristalino e límpido, não sei como explicar direito, mas ali fiquei bem contente, sensação ótima de estar ali e como era meio de semana, eu era dono do lugar por alguns instantes. Até nadar eu nadei, mas tem uma parte do poço que é bem funda, sempre bom ter cuidado!
      Em suma, assim foi o meu dia. Voltei pra pousada numa caminhada agradável, totalizando uns 16km no dia. Almocei e fui relaxar escutando o barulho da chuva!
      MAPA Google (https://goo.gl/maps/mQk1pY49XZ2Le9db7)

      (Cachoeira Pedra Furada, Panorama das quedas!)
       
      Cachoeira da Pedra Furada
      Chuva fina pela manhã, tempo nublado e um frio de leve. Assim começou o dia 04/02, uma terça-feira. O meu programa era ir até a Pedra Furada e fui. Tomei um café da manhã sem nada de pressa e antes das 08h30 o tempo sinalizou, vá! Conferi o que tinha que levar e nesse dia a caminhada seria de mais 9km até o destino.  
      Dessa vez segui pra Rua João Ferreira Diniz e assim mudou de asfalto para estrada de terra. A ladeira veio novamente como no dia anterior, mesmo sendo outro caminho. Em resumo, a primeira bifurcação apareceu depois de 1 hora de caminhada e fui pra direita! Tem uma placa tímida nessa bifurcação, mas na foto se vê como é. Mais 10 minutos e teve outra bifurcação, dessa vez segui à esquerda, pois direto ia rumo a Fazenda Palestina (tem placa mas já tava apagada).
           
      (Legenda: festas tradicionais e natureza - Legenda: chegando estrada de terra)
           
      (Legenda: seguir pra direita - Legenda: agora pra esquerda)
      Menos de 10 minutos e mais uma à esquerda, que na verdade não se sai da principal, nessa bifurcação teve uma placa indicando que a Cachoeira Pedra Furada estaria a 3km dali. Assim segui e voltou uma leve subida de serra. Mais 40 minutos de caminhada e veio outra bifurcação, fui à esquerda e então já estava quase lá. Com mais 20 minutos andando, eu cheguei na Cachoeira. Tem um estabelecimento lá, pois é propriedade particular e cobra-se uma taxa de conservação de R$5,00. Como não tinha ninguém cobrando nesse dia eu desci direto e qualquer coisa na volta eu ia pagar.
           
      (Legenda: seguir esquerda, falta 3km - Legenda: à esquerda, já tá chegando)
      Mais um lugar sensacional, superou a expectativa. Mesmo com o céu nublado a paisagem estava bela. São várias quedas ao longo do complexo Pedra Furada, tem algumas trilhas e vale a pena fazê-las para obter diferentes ângulos de mais um pedaço do paraíso. Novamente eu estava sozinho no local e pude ficar bem em paz. Acho que não preciso nem me alongar nas descrições, mas só por esses dois passeios que fiz deu pra perceber que Luminárias vale muito a pena e mesmo para quem esteja de carro, um fim de semana ainda é pouco. No entanto, se essa for a possibilidade de ir por que não ir? Fica a dica! Quem sabe em breve eu volte pra ir ao Complexo de Cachoeiras Serra Grande e esticar até Carrancas... Pé de Natureza!
            

            
      - De São Thomé até São Bento Abade
      Horário ida: 13h15, preço R$8,75
      - De São Bento até Luminárias
      Horário ida: 18h00, preço R$10,50
       
      - De Luminárias até São Bento Abade
      Horário volta: 07h00, preço R$10,50
      - De São Bento até São Thomé
      Horário volta: 07h50, preço R$8,75
       
      Maiores informações de horário é bom ligar para a Viação Coutimnho e a Viação Trectur.
      - Pousada Vó Vevinha: Diária com café da manhã, R$60,00
      - Almoço no Restaurante Padre Bueno: R$17,00 self service
      - Ótimo pastel na lanchonete de frente a Vó Vevinha.
      - São bento Abade tem algumas lanchonetes legais também!


×
×
  • Criar Novo...