Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
Entre para seguir isso  
Em Algum Lugar do Mundo

Moçambique: informações e dicas de viagem

Posts Recomendados

Confira nossas dicas de viagem para Moçambique: o que fazer, principais pontos turísticos, as melhores praias. Tudo que você precisa saber pra conhecer esse lindo país da África

Principais pontos turísticos de Moçambique

Maputo

Capital desde 1898, Maputo é normalmente a primeira parada dos viajantes em Moçambique. Fica ao sul do mapa e é o destino ideal pra se conhecer mais sobre a cultura do país.

A estadia em Maputo costuma ser bem curta, pois turista quer mesmo é saber de praia. Tem outro agravante dos preços de hotéis serem mais altos em Maputo do que nos outros destinos.

Inhambane

Inhambane fica a 470km de Maputo. Fiz uma rápida visita a Inhambane, tempo suficiente pra conhecer as principais atrações como a Igreja de Nossa Senhora da Conceição, o Mercado Central, o bairro antigo e o Porto.

Tofo

Tofo fica na Província de Inhambane. A Praia de Tofo virou um destino muito procurado por jovens. Com um clima bem descontraído e praias perfeitas pra amantes de surfe e kitesurfe. A atração principal aqui fica debaixo d'água: Tofo é conhecida por ser um ótimo ponto de mergulho para ver raias manta, baleias jubarte e tubarões baleia.

Ilha de Bazaruto

Essa é a maior ilha do arquipélago de Bazaruto, considerado a maior reserva marinha da África. Destino perfeito para o mergulho, com água transparente e vida marinha em abundância. É fácil encontrar tartarugas, raias manta, baleias jubarte, tubarões baleia e muitos corais.

turismo-em-mocambique-10

 

Para ver a lista completa com os principais destinos de Moçambique, além de todas as informações úteis como:

  • Como chegar e circular em Moçambique
  • Vistos
  • Melhor época para visitar

É só conferir o post na íntegra: https://emalgumlugardomundo.com.br/turismo-em-mocambique/

 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora
Entre para seguir isso  

  • Conteúdo Similar

    • Por Fora da Zona de Conforto
      Quer visitar a Espanha na África…..visitar a Grã-Bretanha na Espanha….e fazer alguns passeios de barco pelo caminho? Leia como nesse emocionante itinerário de Ceuta, Gibraltar e Málaga. Encontre tudo o que você precisa saber, incluindo atrações, acomodações baratas, o que fazer, cruzando o Estreito de Gibraltar, etc…
      Você está pronto para um roteiro europeu e aventureiro, onde você vai visitar algumas das situações geopolíticas mais estranhas da Europa ao explorar 4 “cidades”, 2 “países” e 2 “continentes”… Em apenas 6 dias?
      Deixe eu me explicar. Se você seguir nosso roteiro abaixo, você visitará:
      Ceuta: um enclave espanhol autônomo, localizado no continente africano, rodeado por 3 lados pelo Mar Mediterrâneo e, pelo 4º lado, pelo Marrocos. Gibraltar: um rico território britânico que não compartilha fronteiras com o resto do Reino Unido (mas compartilha fronteira com a Espanha), está a alguns quilômetros de distância do continente africano, e é conhecido por seus macacos.

      Continue lendo: Roteiro de 6 dias para Málaga, Ceuta e Gibraltar (2018 ATUALIZADO)
    • Por Paola Acosta
      Eu e meu namorado estávamos fazendo um mochilão por alguns países na Europa. Dentro do nosso roteiro a última parada seria na África, mais precisamente em Marrakech, no Marrocos. Durante quatro dias estávamos hospedados em um Hostel localizado na Medina, bem próximo aos souks (mercados dos mais diversos utensílios locais). A localização da hospedagem foi uma ótima escolha e o Majorelle Hostel nos recebeu incrivelmente bem. 
      Estávamos viajando há 23 dias de mochila, utilizando de ônibus e vôos low cost para nos locomover até os países, quando chegamos a Marrakech já estávamos bastante cansados. Foi no último dia de estadia no Marrocos que decidimos alugar uma moto. Nunca havíamos dirigido antes, exceto em uma pequena aventura no interior do Brasil por alguns poucos minutos. Por sorte descobrimos que havia um modelo de moto a ser alugado que não exigia carteira de motorista, pois chegava a uma velocidade de apenas 80km/h.
      Deslocamo-nos até a  loja Palmekech, cujo o endereço é Ruy La Recette, nº 53 , próximo a Medina e negociamos o valor de R$ 80,00 ( cerca de 200,00 dihans) das 12h às 21h. Sabíamos que o trânsito na medina era caótico, mas optamos por nos aventurar. Em meio a carros arranhados, milhares de motos, charretes, bicicletas e pedestres nos jogamos. No começo é um pouco aterrorizante, pois os motoristas buzinam o tempo inteiro e pouco seguem regras de trânsito, mas depois de algum tempo é possível se adaptar.
      O transporte possibilitou que conhecêssemos a parte nova de Marrakech e outros pontos turísticos mais distantes da Medina. Mochilamos desde o ano de 2014 e podemos garantir que dirigir uma moto em Marrakech foi uma das vivências mais marcantes das nossas viagens. 
      Obs: Apenas o/a motorista utiliza o capacete, pois o/a passageiro(a) está isento(a) por lei.
       



      20180217_154450.mp4
    • Por Rudá Schneider
      Li no 1000 lugares pra conhecer antes de morrer sobre um trekking no Alto Atlas, alguém já ouviu falar ou tem mais informações? To pensando em fazer isso no final de janeiro de 2013..
    • Por Perez
      Em agosto de 2013 viajei sozinho para passar 4 meses na África. Comecei pela África do Sul, passei para Moçambique, fui a Suazilândia e voltei a África do Sul, onde estacionei por mais de 2 meses.
       
      Voei pela South African Airways, de Guarulhos a Joanesburgo. Custou 2.400 reais, o que é um pouco caro, mas pelo menos foi direto.
       
      Resumo: 10 dias na África do Sul, pouco mais de 2 semanas em Moçabique, outras tantas na Suazilândia e o restante do tempo de volta a África do Sul.
      1 Real fazem 4 Rand (o dinheiro sul-africano) e pouco mais de 10 Meticais (o dinheiro de Moçambique). A moeda da Suazilândia se chama emalangeni e é pareada com o Rand.
       
      * * * ÁFRICA DO SUL * * *
      Cheguei em Joanesburgo e já tinha arranjado um transfer para o hostel. É uma boa ideia marcar um transporte com o hostel/hotel antecipadamente já que transporte público em JHB é praticamente inexistente. E, nessa cidade, tudo é longe de tudo! Me custou R100.
      Me hospedei no Lakeview backpackers, que mais parecia uma casa de condomínio fechado na Barra da Tijuca, mas era limpo, confortável, barato (R100 por noite) e tinha até piscina, mas fazia um frio desagradável e nem mergulhei.
      Joanesburgo é a capital do país e também a cidade mais rica de toda a África. Dá pra imaginar que tem muita coisa legal pra fazer.... mas não! é perigosa (pelo menos foi o terror que me puseram) e muito espalhada, o que significa que se você não dirige, não vai conseguir ir a lugar nennhum. Por fim, eu e dois outros hóspedes nos juntamos e pagamos um taxi para nos levar ao museu do apartheid, e às torres Orlando, em Soweto. Esse museu valeu os R600 que gastamos nesse dia pelo taxi.
       
      Parti logo para Nelspruit. A cidade em si nada demais... Mas é dessa cidade que partem os safaris para o Parque Kruger. Fiz um de um dia por R1450, é caro mas é algo que todo turista ali tem que fazer! Acabei não vendo nenhum dos grandes predadores, mas pelo menos vi um rinoceronte, que é bem raro. Valeu! Fiquei no Funky Monkeys (ótimo hostel, R130) e ali conheci um italiano, com quem aluguei um carro e fomos ver o Blyde River Canyon. Vale muito a pena.
       
      Acabei tendo que ficar mais tempo em Nelspruit porque existe aí um consulado de Moçambique. Esperei 3 dias para que meu visto ficasse pronto, foi bem fácil e custou R180 (é mais barato para brasileiros! gringos tinham que pagar R990). Peguei um ônibus da Greyhound por R300 e em 3 ou 4 horas já estava em Maputo.
       
      * * * MOÇAMBIQUE * * *
      Maputo, capital de Moçambique, é uma cidade grande, movimentada, interessante, cara e muito, muito suja. Adorei! Fiquei no Fátima Backpackers (MT500), um dos 3 hostels que existem lá. Vale a pena ver o mercado do Xipamanine, a estação de trem projetada por Gustav Eiffel (o mesmo da Torre), o Museu da Revolução, diversas galerias de arte, restaurantes bons e em conta escondidos pela cidade. As "chapas", como são chamadas as vans, levam para qualquer lugar da cidade bem barato. Elas sempre estão super cheias mas nunca totalmente lotadas!
      Duas dicas importantes: A polícia de Moçambique é a mais corrupta do mundo! Tenha sempre seu passaporte no bolso, e mesmo assim podem encher o saco, pedindo propinas. A internet é quase inexistente mas, e aqui vai um segredo, se você for a universidade Eduardo Mondlane, é possível acessar o wifi grátis e rápido!
       
      De Maputo fui a Tofo, uma cidadezinha a beira do Oceano Índico. Cheguei lá depois de 10 horas de exaustiva viagem com um ônibus organizado pelo hostel e me hospedei, é claro, no Fátima de Tofo por MT400. Da varanda do hostel é possível ver baleias dando saltos no mar... impressionante! depois de alguns dias relaxando voltei pra Maputo. Acabei que tinha feito amigos na cidade e fui ver um espetáculo de dança contemporânea na embaixada da França. Sempre tem algo para fazer em Maputo!
       
      Depois de alguns dias, peguei, custando 70 Rands, uma "chapa" e fui em direção à...
       
      * * * SUAZILÂNDIA * * *
      Chegando em Mbabane, tive que pegar uma van para o hostel, que ficava no Vale Ezulwini. Legends Backpackers (E120), ótimo hostel. Por ali tem muita coisa pra fazer: Ir ao Parque Nacional, fazer trilhas ao Execution Rock, banho de cachoeira, visitar uma aldeia tradicional suázi, ir a House of Fire (uma night/balada), a fábrica de vidro Nwengya, fábrica de velas. Peguei carona na estrada até o Mlilwane Wildlife Sanctuary e fiz um safari a pé sensacional!
       
      Por sorte eu estava lá bem no fim de semana do festival Umhlanga (em inglês Reed Dance). Milhares de meninas solteiras e virgens se reunem no palácio real (Ludzidzini Royal Village) e fazer uma dança para o rei do país. Foi algo muito interessante de se ver!
       
      Depois disso segui para Piggs Peak, no norte, para ver a Suazilândia rural. A viagem demorou umas 2 horas e foi barata, em uma van. Dormi num "guest-farm" chamado Sobanto por E100 por noite. Ao chegar fui convidado para um casamento tradicional na vila. Eu era o único branco e o único que tinha uma camera fotográfica. Me tornei o fotógrafo do casamento! Uma experiência inesquecível! - algumas fotos podem ser vistas aqui (legendas em inglês) http://imgur.com/a/TcYhE#0
       
      Voltando para Ezulwini, conheci dois alemães que me deram carona de volta para a África do Sul.
       
       
      * * * ÁFRICA DO SUL * * * [parte 2]
      De carro, fomos até uma cidadezinha chamada Underberg, no vale de Drakensberg. Fiquei no Khotso backpackers por R120. É uma fazenda de ovelhas e, como não tinha nada pra fazer, me ofereci para ajudar nas tarefas. Interessante... Peguei uma van para Pietermaritzburg por R80, e fiz baldeação para Durban por outros R50.
      Fiquei no Happy Hippo Hostel, por R140. Bom lugar, mas wifi era pago. Durban é uma cidade legal, com uma praia linda, cassinos e uma comunidade grande de indianos.
       
      Fui com o BazBus, um serviço de transporte para turistas, bem caro (R500!) para Jeffreys Bay. É uma cidadezinha famosa entre os surfistas, com ondas perfeitas e tal - fora isso, nada demais. Fiquei no Island Vibe por R120. É o melhor hostel da cidade disparado! Tem festas todas as noites, aulas de surfe e outras atividades.
       
      Após alguns dias, peguei uma van para Humansdorp e de lá, outra para Storms River. Não me lembro quanto custou mas foram uns R100 no total. Fiquei no Dijembe Backpackers por R120 com café da manhã! Ótimo hostel mas a cidade é pequena e não tem muito pra fazer, até porque o tempo estava péssimo. Minha intenção era fazer o bungee jumping da Bloukrans Bridge, que fica perto dali mas o clima não permitiu.
       
      Parti para Cidade do Cabo. O ônibus que me levou até lá atrasou 5 horas e me custou R370.
       
      Cidade do Cabo é a melhor cidade do mundo e se parece muito com o Rio de Janeiro, tanto na geografia quanto na atmosfera. Fiquei no Long Street Backpackers (R130), onde acabei me tornando barman em troca de acomodação. Também recomendo o Once in Cape Town, um hostel boutique bem legal.
      Passei 2 meses na "cidade mãe", como é chamada e fiz amigos para a vida toda. Faça a trilha até o topo da Table Mountain, Lions Head, Devils Peak e Signal Hill. Além dos museus e galerias de arte, vá também as praias, ao V&A Waterfront, ao cassino em Goodwood, aos mercados e ao Mzolis, uma festa na favela de Gugulethu com braai, o churrasco sul-africano. Tem coisa pra fazer todos os dias.
      Alugamos (e e uns amigos) um carro e fomos a Cape Point e ao Cabo da Boa esperança, passando pela Boulders Beach, onde vivem vários pinguins. Muito legal. Vale a pena também pegar um trem até Kalk Bay, uma vila a beira do mar bem simpática com boa comida.
       
      Por fim, voei de volta a Joanesburgo, dormi no aeroporto e embarquei de volta para o Brasil.
       
      * * *
       
      Atenção: Brasileiros podem entrar na África do Sul sem visto por 90 dias. Passei 4 meses no total e acabei recebendo um carimbo de "overstay" no meu passaporte. Quando eu voltar a África do Sul, terei que pagar uma multa de R1500. Achei que saindo do país para Moçambique e Suazilândia iria "zerar" meus dias, mas não é o que acontece! Fique atento!
    • Por barbaracady
      Passei 28 dias em Moçambique, do dia 26 de Abril ao dia 24 de Maio e foi incrível. Anotei umas dicas para uma amiga e resolvi compartilhar por aqui. Espero que ajude outras pessoas. Em um mês não gastei nem 500 USD e poderia ter sido ainda mais barato. O visto tirei em Johanesburgo (+- 15 USD) porque é mais barato do que tirar nas fronteiras (+-60 USD). Viajei sozinha mas nunca fiquei sozinha pq Moçambique tem mochileiro o ano inteiro e a rota de viagem é muito bem definida, você vai encontrar as mesmas pessoas em diferentes lugares da viagem.
       
      No meu instagram tem as fotos dos lugares: @babicady ou #babiporaimozambique
       

      Dicas Moçambique
      lha de Inhaca - cool runnings - contato roger, camping custou 500 meticais, mas não negociei, acho que podia ser bem mais barato. Ferry público que custa 400 meticais não sai todos os dias da semana, acho que 2,4,6, sábado e domingo na parte da manhã (7am) e volta de lá as 15:00, verificar. Da pra curtir bem a ilha caminhando, mas são caminhadas longas. Da pra caminhar pelas praias, atenção com as marés pra não ficar presa em nenhum lugar. Se caminhar sem ser pelas praias Não tem muita sinalização mas vocês vão se virar pra encontrar por causa do português. O visual do Farol é lindo mas é um passeio que pode ser caro. Não tem vida noturna lá, mas um céu absurdo e um por do sol inesquecível!
      Quissico - Lagoa Eco Lodge - contato Leonardo - pegar chapa pra Quissico, de lá pegar outra chapa pra Zavala (25 meticais) ou pedir taxi pro Leonardo um taxi (300 meticais) - carona de Quissico pra Zavala não é tão fácil, mas carona até Quissico imagino que seja. Levar comida, não vendem nada lá, só agua. Banho de balde, dormitório custou 400 meticais por pessoa, eles também tem camping, sempre negociar. Caminhe pelas estradas de Zavala pra interagir com os locais, eles sempre ficam felizes, nem sempre convidam mas quando convidam é ótimo! Remar na lagoa pra ver o por do sol. Se caminhar na praia você pode dar sorte de encontrar pescadores, quando chegar a Praia caminhar pra esquerda, é pra la que eles pescam. Pagamos 300 Meticais em um peixe, lagosta e muuuitos mexilhões! No lagoa eco Lodge pode pedir pro Leonardo ajuda pra acender a churrasqueira e limpar o peixe, e aí fazer um churras delicioso de frutos do mar. Esse lugar é o paraíso e nao é muito frequentado, quando eu fui estavamos sozinhos o tempo todo. Fui pra passar 3 noites e passei 8 de tao maravilhoso e calmo que é!
      Quissico chapa pra Inhabane, dps chapa pra Tofo - ver sempre as tabelas presas pra eles não passarem a perna em vocês, às vezes eles cobram pela mochila, paguei 2 vezes 25 meticais.
      Em tofo ficar em hostel, tem poucos couchsurfing mas da pra tentar, mas aqui sugiro ficar no Fátimas Nest Hostel (camp ou dorm), todo mundo conhece, fica de frente pra praia, é bom pra conhecer outras pessoas e também curtir a noitada sem problema. Na cidade Tem sempre alguma coisa rolando em vários lugares, cada dia da semana é em algum lugar é costuma ser de graça. no Mozambeat Motel tem sempre alguma coisa rolando, é legal pra ficar mas é mais caro e longe da Praia, não acho que vale a pena. Almoçar no mercado que tem na cidade, tem umas senhoras no final meio escondidas que vendem comida boa e barata. A matapa por exemplo custa 60 meticais, peixe 100 meticais.
      Vilanculos - ficar no complexo Alemanha e ir pro Baobab pra conhecer outros viajantes, tem festas as vezes. No Alemanha é mais barato, vc interage mais com locais e vendem comida mais barata mas não fica de frente pra Praia como o Baobab. Vilanculos é legal pro passeio pra Bazaruto que costuma ser bem caro, custou 3 mil meticais com o Gito. Valeu super a pena, almoço e snorkel incluído, um dos lugares mais lindos que já fui. Tenta negociar o preço com ele. Se conseguir se hospedar na ilha de Bazaruto acho que seria incrível, mas acho que é caro, não sei dizer.
      Em Maputo sempre andar com passaporte, policiais são muito corruptos, cuidado!
      Nunca viajar de chapa por mais de 300km num dia se vcs não quiserem chegar tarde numa cidade.
       
       
      Moçambique entrou na minha lista de países favoritos, recomendo porque é realmente incrível, as pessoas são super gentis, a comida é deliciosa e as paisagens deslumbrantes. Boa viagem!!!!
×